OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE VITÓRIA - ES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE VITÓRIA - ES"

Transcrição

1 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE VITÓRIA - ES Reltório Mensl: A Movimentção do Mercdo de Trblho Forml n Região Metropolitn de Vitóri DEZEMBRO DE 2008 Contrto de Prestção de Serviços Nº. 028/2008 DIEESE/SETADES FEVEREIRO de 2009

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO SALDO DO NÚMERO DE TRABALHADORES NAS GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO 4 2 MOVIMENTAÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NA GRANDE VITÓRIA POR SETORES DE OCUPAÇÃO MOVIMENTAÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NA GRANDE VITÓRIA SEGUNDO CARACTERÍSTICAS DOS TRABALHADORES MOVIMENTAÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NA GRANDE VITÓRIA SEGUNDO CARACTERÍSTICAS DAS VAGAS 22 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 2

3 APRESENTAÇÃO O presente reltório vis detlhr o perfil d movimentção do mercdo de trblho forml n Região Metropolitn de Vitóri no mês de dezembro e o sldo cumuldo o longo dos últimos doze meses, entre jneiro e dezembro de 2008, em comprção com o mesmo período nterior. Pr est finlidde, serão utilizdos os ddos do Cdstro Gerl de Empregdos e Desempregdos CAGED, registro dministrtivo do Ministério do Trblho e Emprego MTE e presentdo o perfil ds vgs crids no mês de dezembro de 2008 em dus seções. N primeir, é destcdo o pnorm gerl d movimentção do mercdo forml de trblho pr o Brsil, s grndes regiões, uniddes d federção, o Estdo do Espírito Snto. N segund, serão identificdos elementos relevntes d movimentção do emprego forml n Região Metropolitn de Vitóri, segundo lgums crcterístics dos trblhdores e ds vgs, como gênero, gru de instrução, idde e grupos ocupcionis, entre outrs. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 3

4 1 - SALDO DO NÚMERO DE TRABALHADORES NAS GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO De cordo com os ddos levntdos pelo Cdstro Gerl de Empregdos e Desempregdos - CAGED, do Ministério do Trblho e Emprego MTE, pr o mês de dezembro de 2008, o pís presentou um sldo bsoluto negtivo de vgs de empregos formis. No cumuldo do no (jneiro dezembro de 2008) o sldo foi positivo com novos postos de trblho cridos no período.porém este sldo representou um redução de 10,2 no número de trblhdores formis em relção o mesmo período do no pssdo. 1.1 Brsil e Grndes Regiões Pr s grndes regiões, o mior sldo bsoluto negtivo no mês de dezembro de 2008, foi registrdo n região sudeste vgs, com destque pr os estdos de São Pulo ( ) e Mins Geris com ( ), seguidos de Rio de Jneiro ( ) e Espírito Snto ( ). N Região Sul form elimindos postos formis de trblho, com destque pr o Prná ( ). A região Centro-Oeste presentou sldo negtivo de postos, sendo que o estdo de Goiás liderou qued com sldo negtivo de vgs. As regiões Nordeste ( ) e Norte ( ) tmbém presentrm sldo negtivo no mês de dezembro. A série históric do CAGED trdicionlmente mostr um szonlidde negtiv no mês de dezembro cusd bsicmente pelo término de contrtos temporários de trblhdores d indústri e do comércio, entressfr grícol, entre outros. Se comprrmos os sldos no mês de dezembro entre os nos de 2003 e 2008 no pís, conforme gráfico 1 bixo, podemos observr um centud vrição em dezembro de Est vrição norml pode ser tribuíd à crise finnceir mundil, cujo reflexo pode ser observdo n movimentção negtiv do mercdo de trblho no último trimestre do no, prticulrmente no mês de dezembro de Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 4

5 GRÁFICO 1 Evolução do Emprego Forml Comprtivo dos meses de dezembro de 2003 dezembro de 2008 DIEESE / SETADES Por setores de tividde, Indústri de Trnsformção ( postos); Agropecuári ( postos); Serviços ( postos) e Construção Civil ( postos) form os principis setores responsáveis pelo declínio do emprego no pís no mês como pode ser observdo ns tbel 1. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 5

6 TABELA 1 Evolução do emprego por setor de tividde econômic Brsil (mês, no e 12 meses) DIEESE / SETADES Atividde Econômic Dez/08 No no Em 12 meses Vrição Vrição Vrição Extrtiv minerl , , ,32 Ind. Trnsformção , , ,55 Serv. ind. util. pub , , ,38 Construção civil , , ,93 Comércio , , ,91 Serviços , , ,67 Admin. Públic , , ,92 Agropecuári , , ,22 Outros Totl , , ,01 No no, o Brsil presentou sldo positivo em todos os setores de tividde econômic, tendo sido cridos novos postos de trblho no pís. Os setores que mis crirm vgs no no form serviços com postos; comércio com postos ; construção civil com postos e indústri de trnsformção com Uniddes d Federção Com relção os estdos, em números bsolutos, São Pulo presentou o melhor resultdo com ( empregos), seguido pelos estdos do Rio de Jneiro com ( empregos); Mins Geris com ( empregos); Prná com ( empregos); Rio Grnde do Sul com ( empregos) e Snt Ctrin ( empregos). A tbel 2 bixo, permite observr o desempenho dos estdos no mês de dezembro de 2008 e comprr com o mesmo mês em 2007 e o sldo cumuldo nos 12 meses. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 6

7 TABELA 2 de empregos no Brsil, Grndes Regiões, Uniddes d Federção meses de dezembro de 2007 e de dezembro de 2008 e cumuldo 12 meses Unidde d Federção Admitidos Desligdos Dez/07 Dez/08 Dez/07 Dez/08 Dez/07 Dez/08 Jn./07 Dez/07 Acumuldo Jn./08 Dez/08 Prtic. Jn./07 Dez./07 Prtic. Jn./08 Dez./08 Brsil ,0 100,0 Norte ,3 1,8 Rondôni ,5 0,4 Acre ,0 0,0 Amzons ,4 0,6 Rorim ,1 0,0 Prá ,7 0,6 Ampá ,1 0,1 Tocntins ,4 0,0 Nordeste ,6 14,0 Mrnhão ,0 1,3 Piuí ,5 0,8 Cerá ,5 2,9 R. G. do Norte ,9 0,9 Príb ,8 0,7 Pernmbuco ,9 3,6 Algos ,0 0,2 Sergipe ,5 0,8 Bhi ,6 2,8 Sudeste ,7 57,9 Mins Geris ,4 9,0 Espírito Snto ,6 2,0 Rio de Jneiro ,0 10,6 São Pulo ,8 36,2 Sul ,6 19,0 Prná ,6 7,6 Snt Ctrin ,2 5,1 Rio G. do Sul ,8 6,2 Centro-Oeste ,8 7,3 Mto G. do Sul ,7 0,7 Mto Grosso ,5 1,6 Goiás ,5 3,3 Distrito Federl ,0 1,8 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 7

8 1.3 O Estdo do Espírito Snto O Espírito Snto presentou sldo pr o mês de dezembro de 2008 ( ), com um totl de dmissões contr desligmentos. A vrição no estoque foi de -1,95 em relção o mês nterior,ficndo com trblhdores formis em dezembro de A tbel 3 e o gráfico 2 bixo mostrm o número de dmitidos e desligdos, o sldo, o estoque e vrição no número de vgs no estdo do Espírito Snto entre jneiro de 2007 e dezembro de TABELA 3 Admitidos, desligdos, sldo, estoque e vrição de empregos no Espírito Snto (jn.2006 nov.2008) Mês/Ano Admitidos Desligdos Estoque Vrição jn./ ,33 fev./ ,04 mr/ ,88 br./ ,92 mi/ ,91 jun./ ,57 jul./ ,30 go./ ,13 set/ ,58 out./ ,04 nov./ ,35 dez/ ,46 jn./ ,30 fev./ ,72 mr/ ,79 br./ ,39 mãe/ ,83 jun./ ,20 jul./ ,30 go./ ,57 set/ ,84 out./ ,18 nov./ ,18 dez/ ,95 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 8

9 GRÁFICO 2 Admitidos, desligdos e sldo de empregos no Espírito Snto (Jn./2006 Dez./2008) Nº de Trblhdores jn/07 mr/07 mi/07 jul/07 set/07 nov/07 jn/08 mr/08 mi/08 jul/08 set/08 nov/08 Admitidos Desligdos Período Por setor de tividde, no estdo do Espírito Snto no mês de dezembro os setores com miores queds no número de vgs form indústri de trnsformção com ( ),neste setor se destcndo o o subsetor têxtil e vestuário com (-798 postos).em seguid temos o setor de serviços (- 3054);construção civil (-2.837), e gropecuári (-1.673). O sldo presentdo pelo estdo do Espírito Snto nos 12 meses (jneiro dezembro de 2008), é positivo em vgs, com um vrição de 17,2 em relção o mesmo período do no nterior. Exceto pelos setores extrtivo minerl e gropecuári,que presentrm sldo de (-781) e (-538) respectivmente, os demis setores presentrm sldo positivo no cumuldo dos últimos 12 meses, conforme tbel 4. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 9

10 TABELA 4 Evolução do emprego por setores e sub-setores de tividde econômic No Espírito Snto (mês, no e 12 meses) DIEESE / SETADES Atividde Econômic Dez/08 No no Em 12 meses Vrição Vrição Vrição 1. EXTRAT MINERAL , , ,23 2. INDUST TRANSFORM , , ,84 PROD MIN NAO MET , , ,04 METALÚRGICA , , ,44 MECÂNICA , , ,04 MAT ELETRIC COMUN -1-0, , ,35 MATER TRANSPORTE -46-4, , ,10 MAD E MOBILIÁRIO , , ,65 PAP, PAPELÃO, EDIT -93-1, , ,91 BOR, FUMO, COUROS -19-0, , ,45 QUIM, PR FARM, VET , , ,36 TÊXTIL, VESTUÁRIO , , ,65 CALÇADOS -66-5, , ,75 PROD ALIMENT, BEB , , ,15 3. SERV IND UT PUB -60-0, , ,41 4. CONSTRUÇÃO CIVIL , , ,72 5. COMÉRCIO , , ,07 COM VAREJISTA , , ,22 COM ATACADISTA -27-0, , ,38 6. SERVIÇOS , , ,81 INST FINANCEIRAS 3 0, , ,99 C ADM IMOV TEC PR , , ,82 TRANSP E COMUNIC , , ,31 ALOJ ALIM R MANUT , , ,86 MÉDICOS ODONTOLOG 74 0, , ,89 ENSINO , , ,12 7. ADM PÚBLICA , , ,81 8. AGRIC, SILVICULT , , ,65 9. OUTROS TOTAL , , ,06 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 10

11 2 MOVIMENTAÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NA GRANDE VITÓRIA POR SETORES DE OCUPAÇÃO N nálise dos ddos d Região Metropolitn de Vitóri, o sldo do mês de dezembro de 2008 dos cinco municípios foi negtivo em postos de trblho, que represent 50,3 do sldo negtivo de todo o estdo no mês. No cumuldo dos últimos 12 meses de jneiro dezembro de 2008, o sldo n Região Metropolitn de Vitóri foi de postos, o que equivle 72,9 do totl de novos postos de trblho cridos em todo o Estdo. Estes ddos mostrm que houve um concentrção n crição de novos postos de trblho n Região Metropolitn no período nlisdo. ( tbel 5). TABELA 5 Movimentção do emprego forml, Brsil, Região Sudeste, Estdo do Espírito Snto e Municípios de RM de Vitóri Loclidde Dez/07 Dez/08 Jn/07 Dez/07(A) Jn/08 Dez/08(B) Vrição B/A Brsil ,2 Sudeste ,5 Espírito Snto ,2 Grnde Vitóri ,8 Vitóri ,11 Vil Velh ,5 Serr ,9 Cricic ,2 Vin ,4 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 11

12 2.1- Serr Dos municípios d Grnde Vitóri, Serr foi o que presentou o mior sldo negtivo no mês (-2525 postos), tendo indústri de trnsformção com 957 e construção civil com -913 postos,concentrdo miori ds demissões. Em seguid estão os setores de serviços (- 564) e comércio (- 117). No no o sldo no município é positivo com novos posto de trblho. O destque do município foi o setor de serviços que criou no período conforme mostrdo n tbel 6. TABELA 6 Evolução do emprego por setor de tividde econômic no município de Serr (mês, no e 12 meses) Atividde Econômic Dezembro/2008 No no Em 12 meses Vrição Vrição Vrição Extrtiv minerl -8-2, , ,73 Ind. Trnsformção , , ,88 Serv. ind. util. pub. 8 0, , ,07 Construção civil , , ,86 Comércio , , ,50 Serviços , , ,81 Admin. Públic 31 10, , ,50 Agropecuári -5-0, , ,37 Outros Totl , , ,65 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 12

13 2.2- Vitóri Em Vitóri o sldo negtivo foi de vgs, puxds pelo setor de serviços ( ); construção civil (-905), que devido s crcterístics do município são os setores que mis empregm. O sldo cumuldo nos últimos 12 meses foi de vgs, sendo que miori ds vgs form concentrds nos setores de serviços com vgs e construção cicvil com novos postos. TABELA 7 Evolução do emprego por setor de tividde econômic no município de Vitóri (mês, no e 12 meses) Atividde Econômic Dezembro/2008 No no Em 12 meses Vrição Vrição Vrição Extrtiv minerl -70-2, , ,94 Ind. Trnsformção , , ,18 Serv. ind. util. pub , , ,81 Construção civil , , ,29 Comércio 18 0, , ,64 Serviços , , ,58 Admin. Públic 2 0, , ,28 Agropecuári -20-3, , ,36 Outros Totl , , ,75 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 13

14 2.3 Vil Velh Em Vil Velh o sldo ficou negtivo em 941 postos com destque pr construção civil (-345), indutri de trnsformção(-338) e serviços (- 274),. No cumuldo do no, o sldo do município ficou positivo com crição de novs vgs. Os miores destques form indústri de trnsformção com crição de vgs, seguido do setor de serviços com e comércio com novos postos cridos. TABELA 8 Evolução do emprego por setor de tividde econômic no município de Vil Velh (mês, no e 12 meses) Dezembro/2008 No no Em 12 meses Atividde Econômic Vrição Vrição Vrição Extrtiv minerl -4-2, , ,06 Ind. Trnsformção , , ,97 Serv.ind.util.pub. -3-0, , ,48 Construção civil , , ,76 Comércio 42 0, , ,21 Serviços , , ,85 Admin. Públic 0 0, , ,81 Agropecuári -19-3, , ,54 Outros Totl , , ,59 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 14

15 2.4 Cricic O município de Cricic presentou sldo negtivo de 326 postos com o setor de serviços liderndo o sldo negtivo do mês 140 vgs, seguido pelo setor d indústri de trnsformção (- 111) e construção civil (- 84) vgs. No no, o sldo do município é positivo com novos postos de trblho cridos.a tbel 9 bixo mostr os detlhes d movimentção do emprego no município. TABELA 9 Evolução do emprego por setor de tividde econômic no município de Cricic (mês, no e 12 meses) Atividde Econômic Dezembro/2008 No no Em 12 meses Vrição Vrição Vrição Extrtiv minerl -18-9, , ,11 Ind. Trnsformção ,82 7 0,12 7 0,12 Serv.ind.util.pub. 3 0, , ,43 Construção civil -84-2, , ,05 Comércio 28 0, , ,17 Serviços , , ,31 Admin. Públic -1-0, , ,59 Agropecuári -3-1, , ,28 Outros Totl , , ,08 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 15

16 2.5 Vin O município de Vin presentou sldo negtivo de 145 vgs no mês de dezembro de 2008, com os miores sldos negtivos encontrdos n indústri de trnsformção (- 75); serviços (- 29) e o comércio (- 26). No no, o sldo do município é positivo com 229 novos postos cridos, com destque pr o setor de serviços com 175 novos postos. O destque negtivo ficou com indústri de trnsformção, que fechou 56 vgs no no. TABELA 10 Evolução do emprego por setor de tividde econômic no município de Vin (mês, no e 12 meses) Dezembro/2008 No no Em 12 meses Atividde Econômic Vrição Vrição Vrição Extrtiv minerl Ind. Trnsformção -75-3, , ,86 Serv.ind.util.pub Construção civil -2-0, , ,03 Comércio -26-1, , ,33 Serviços -29-0, , ,21 Admin. Públic 0 0,00 0 0,00 0 0,00 Agropecuári -13-3, , ,31 Outros Totl , , ,93 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 16

17 3 - MOVIMENTAÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NA GRANDE VITÓRIA SEGUNDO CARACTERÍSTICAS DOS TRABALHADORES 3.1- Movimentção no Mercdo de Trblho Segundo o Gru de Instrução Em dezembro de 2008, por gru de instrução, s informções do CAGED revelrm que n RM de Vitóri miori ds dmissões está concentrd entre os trblhdores com ensino médio completo (7.042 postos), correspondendo 50,8 do totl de dmitidos. Os desligmentos tmbém se concentrrm entre trblhdores com ensino médio completo (8.163 postos) com o equivlente 42,3 dos desligmentos relizdos no mês.os trblhdores com ensino fundmentl completo precem em seguid como os mis dmitidos n RM de Vitóri, com dmissões, isto é, 14,1 do totl de dmitidos no mês. No cumuldo de doze meses té dezembro de 2008, os miores sldos form observdos entre os trblhdores com ensino médio completo, com postos, seguidos pelos trblhdores com ensino médio incompleto, postos, ensino superior completo (1.777), e ensino fundmentl do 6º o 9º com postos (tbel 11). Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 17

18 TABELA 11 Movimentção do emprego e sldo de vgs segundo gru de instrução n RM de Vitóri Gru de Instrução Dez./07 Prtic. Admitidos Desligdos Dez./08 Prtic. Dez./07 Prtic. Dez./08 Prtic. Dez./07 Dez./08 Jn./07 Dez./07 Acumuldo Jn./08 Dez./08 Prtic. Jn./08 Dez./08 Anlfbeto 53 0,4 48 0,3 43 0,3 79 0, ,2 Até 5º inc , , , , ,4 5º compl , , , , ,9 6º 9º Fund , , , , ,6 Fund.compl , , , , ,4 Médio inc , , , , ,3 Médio compl , , , , ,9 Sup.incompl , , , , ,1 Sup.compl , , , , ,1 Mestrdo 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0, ,0 Doutordo 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0, ,0 Ignordo 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0, ,0 Totl , , , , ,0 Fonte: MTE, CAGED. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 18

19 3.2 Movimentção no Mercdo de Trblho Segundo Fix Etári DIEESE / SETADES Em dezembro de 2008, o comportmento do mercdo de trblho continuou fvorável pr os grupos etários mis jovens. Os trblhdores com idde entre 18 e 24 nos ocuprm mior prcel do qudro dos dmitidos com vgs representndo 37,0 do totl, enqunto os trblhdores com idde entre ocuprm postos de trblho formis representndo 23,2 dos postos bertos no mês. Em seguid vêem os trblhdores entre 25 e 29 nos com postos ocupdos representndo 21,2 dos dmitidos. Em relção os desligmentos no mês, os trblhdores com idde entre 18 e 24 nos presentrm o mior número de desligdos, com desligmentos isto é (29,3) do totl de desligdos, seguido pelos trblhdores com fix etári entre 30 e 39 com prticipção de 23,6em relção o totl e os com idde entre 25 e 29 nos com desligmentos, 20.6 do totl. Qundo observdo o sldo negtivo gerdo no mês segundo fix etári, os trblhdores com idde entre nos form os que presentrm mior sldo negtivo (-1341vgs), seguidos pelos trblhdores de nos (-1052) e de (- 975) postos. Nos últimos doze meses encerrdos em dezembro de 2008, o sldo de vgs (dmitidos menos desligdos) tmbém é fvorável os jovens n fix etári entre 18 e 24 nos com sldo positivo de postos, seguidos pelos trblhdores com idde entre 25 e 29 nos com sldo de vgs e entre 30 e 39 (2.352). No cumuldo dos doze meses, presentrm sldo negtivo os trblhdores n fix entre 50 e 64 nos (- 460) postos e os trblhdores com mis de 65 nos com (- 208 postos) conforme mostrdo bixo, n tbel 12. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 19

20 TABELA 12 Movimentção do emprego e sldo de vgs segundo fix etári, n RM de Vitóri Fix Etári Dez./07 Prtic. Admitidos Desligdos Dez./08 Prtic. Dez./07 Prtic. Dez./08 Prtic. Dez./07 Dez./08 Jn./07 Dez./07 Acumuldo Jn./08 Dez./08 Prtic. Jn./08 Dez./08 ATÉ , , , , ,4 18 A , , , , ,6 25 A , , , , ,9 30 A , , , , ,7 40 A , , , , ,4 50 A , , , , ,1 65 OU MAIS 10 0,1 11 0,1 38 0,3 66 0, ,9 IGNORADO 0 0,0 2 0,0 3 0,0 1 0, ,0 Totl , , , , ,0 Fonte: MTE, CAGED.. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 20

21 3.3 Movimentção no Mercdo de Trblho Segundo o Gênero No mês de dezembro de 2008 dos dmitidos n Região Metropolitn de Vitóri, form homens, representndo 59,1 do totl. Qunto os desligmentos, form homens representndo 66,6 do totl de desligdos. Est movimentção no emprego gerou um sldo negtivo de pr os homens e 775 pr s mulheres no mês n Grnde Vitóri. Nos doze meses, o sldo cumuldo té dezembro de 2008 é positivo tnto pr homens qunto pr mulheres. Os homens tiverm um sldo de e s mulheres TABELA 12 Movimentção do emprego e sldo de vgs segundo gênero, município d RM de Vitóri GÊNERO Dez/07 Prtic. Admitidos Desligdos Dez/08 Prtic. Dez/07 Prtic. Dez/08 Prtic. Dez/07 Dez/08 Jn./07 Dez/07 Acumuldo Jn./08 Dez/08 Prtic. Jn./08 Dez/08 HOMENS , , , , ,7 MULHERES , , , , ,3 IGNORADOS ,0 TOTAL ,0 Fonte: MTE, CAGED.. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 21

22 4 - MOVIMENTAÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NA GRANDE VITÓRIA SEGUNDO CARACTERÍSTICAS DAS VAGAS Movimentção no Mercdo de Trblho Segundo o Nível de Rendimento Segundo nível de rendimento, gerção de novos empregos nos doze meses de jneiro dezembro de 2008 concentrou-se n fix de rend entre 1,01 1,5 slários mínimos (S.M), representndo 55,4 do totl de dmitidos, presentndo rendimento médio de R$ 514,51. A segund fix com mior número de dmitidos foi de rend entre 1,51 2,0 S.M. com 17,3 dos dmitidos e slário médio de R$ 715,03. Ests dus fixs tmbém form s que concentrrm o mior número de desligmentos no mês, com 51,1 pr fix de 1,01 1,5 S.M. e 17,4 pr fix de 1,51 2,0 S.M. No período em nálise observ-se que miori bsolut dos dmitidos está nos postos com slário de té 3,0 S.M.. Est fix representou 91,6 dos trblhdores dmitidos no período, enqunto s vgs com slários cim dest fix representrm pens 8,4. D mesm form, o número de desligmentos está concentrdo n fix té 3 S.M. com 88,8 dos desligmentos entre jneiro e dezembro de Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 22

23 TABELA 13 Distribuição dos dmitidos e desligdos segundo fix de slário Grnde Vitóri (Jn./08 Dez./2008) Fix de slário ADMITIDOS Trb. Sl. Mensl Trb. DESLIGADOS Sl. Mensl por fix Ate 0,5 s.m ,4 202, ,3 205, ,8 Prtic. De 0,51 1,0 s.m ,3 334, ,5 315, ,3 De 1,01 1,5 s.m ,4 514, ,1 510, ,6 De 1,51 2,0 s.m ,4 715, ,4 722, ,5 De 2,01 3,0 s.m , , , , ,2 De 3,01 4,0 s.m , , , , ,5 De 4,01 5,0 s.m , , , , ,5 De 5,01 7,0 s.m , , , , ,9 De 7,01 10,0 s.m , , , , ,0 De 10,01 15,0 s.m , , , , ,4 De 15,01 20,0 s.m , , , , ,3 Mis de 20 s.m , , , , ,8 Ignordo ,5 0, ,6 0, ,4 Totl ,0 719, ,0 820, ,0. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 23

24 Qunto os slários médios dos dmitidos e desligdos no período de doze meses de jneiro dezembro de 2008, observ-se que o slário médio de dmissão (R$ ) é inferior o slário médio de desligmento (R$ 764,73). Ou sej, o slário do trblhdor que inici um novo emprego corresponde, em médi, 90 do slário do trblhdor que está se desligndo. TABELA 14 Movimentção e slário médio dos dmitidos e desligdos Grnde Vitóri (Jn./08 Dez./08) Mês/Ano ADMITIDOS DESLIGADOS Trb. Sl Médio Trb. Sl Médio Trb. Slário ADM/DESL jn./ , , ,83 fev./ , , ,92 mr/ , , ,90 br./ , , ,91 mãe/ , , ,92 jun./ , , ,92 jul./ , , ,93 go./ , , ,89 set/ , , ,92 out./ , , ,93 Nov./ , , ,89 Dez/ , , ,88 Totl , , ,90 Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 24

25 4.2 - Movimentção no Mercdo de Trblho por Tmnho de Estbelecimento Por tmnho de estbelecimento, no mês de dezembro de 2008, o número de dmissões continu concentrdo nos micro e pequenos estbelecimentos. Os estbelecimentos com té 4 empregdos form responsáveis por 26,6 do totl trblhdores dmitidos, seguido pelos estbelecimentos com empregdos com 15,4 estbelecimentos com trblhdores presentrm prticipção no número de dmissões d ordem de 13,2 e estbelecimentos de d ordem de 10,5. Nos estbelecimentos médios ( empregdos), form dmitidos 16,5 do totl de dmitidos no mês, com 9,5 pr estbelecimentos entre 100 e 249 empregdos e 6,6 pr estbelecimentos entre 250 e 499 empregdos. Os grndes estbelecimentos (cim de 500 empregdos) form responsáveis por 8,4 dos trblhdores dmitidos no mês de dezembro de No período de 12 meses encerrdo em dezembro de 2008, no que se refere o sldo de vgs (dmitidos menos desligdos), os estbelecimentos com té 4 empregdos são os que presentm o mior sldo positivo com vgs, seguidos por estbelecimentos entre 500 e 999 empregdos com vgs. Os estbelecimentos entre 5 9 empregdos e entre empregdos tiverm sldo cumuldo negtivo com 794 e 617 vgs respectivmente. Os micro e pequenos estbelecimentos juntos form responsáveis por 75,1 do totl de dmitidos no mês de dezembro de 2008, o que represent do totl de dmissões no período. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 25

26 TABELA 15 Movimentção do Mercdo de Trblho segundo tmnho do estbelecimento, RM de Vitóri Nº. de Funcionários Dez./07 Admitidos Desligdos Prtic. Dez./08 Prtic. Dez./07 Prtic. Dez./08 Prtic. Dez./07 Dez./08 Jn./07 Dez./07 Acumuldo Jn./08 Dez./08 Prtic. Jn./08 Dez./08 ATÉ , , , , ,2 DE 5 A , , , , ,6 DE 10 A , , , , ,8 DE 20 A , , , , ,9 DE 50 A , , , , ,6 DE 100 A , , , , ,1 DE 250 A , , , , ,1 DE 500 A , , , , , OU MAIS 539 3, , , , ,8 IGNORADO 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0, ,0 Totl , , , , ,0 Fonte: MTE, CAGED.. Observtório do Trblho d Região Metropolitn de Vitóri - ES 26

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA Relatório Mensal sobre o Mercado de Trabalho Formal dos Municípios da Região Metropolitana de Vitória Junho de 2009 Contrato de Prestação de Serviços Nº. 28/2008

Leia mais

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 NOVEMBRO de 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 Emprego industrial 02 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O SEGUNDO MELHOR

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO mrço/2017 número 92 ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicdor de Con nç O ICIC-PR ( de Con nç d Indústri de Construção - Prná) subiu +4,3 pontos neste mês de mrço. Este índice está n áre

Leia mais

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO JANEIRO DE 212 - CAGED Emprego Formal na Economia Emprego no mês de Janeiro 213 - Ocorreu um saldo positivo de 28.9 postos de emprego e no comparativo dos meses de janeiro,

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO bril/2017 número 93 ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicdor de Con nç O ICIC-PR ( de Con nç d Indústri de Construção - Prná) ciu -5,2 pontos neste mês de bril. Este índice está n áre de

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Na comparação com o mesmo mês, foi o menor saldo de empregos da indústria de transformação para fevereiro desde 2010.

Na comparação com o mesmo mês, foi o menor saldo de empregos da indústria de transformação para fevereiro desde 2010. Sumário Executivo FEV/2016 No mês de fevereiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a janeiro (4.793 postos e variação de 0,2%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: 3 O Poder polarizador ao Primeiro Emprego

Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: 3 O Poder polarizador ao Primeiro Emprego Núcleo de Conjuntura e Estudos Econômicos Coordenador: Prof. Dr. Elton Eustáquio Casagrande Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara - UNESP FCL/UNESP/Araraquara Características Conjunturais do Comércio

Leia mais

ECONOMIA PARANAENSE Evolução do emprego e renda na economia brasileira e paranaense: 2003-2007

ECONOMIA PARANAENSE Evolução do emprego e renda na economia brasileira e paranaense: 2003-2007 ECONOMIA PARANAENSE Evolução do emprego e renda na economia brasileira e paranaense: 2003-2007 1. Introdução Marcio José Vargas da Cruz * Luciano Nakabashi ** Beatrice Aline Zimmermann *** O objetivo do

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 6, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 6, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 7-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 6, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

Intenção de Consumo Dia das Mães

Intenção de Consumo Dia das Mães Intenção de Consumo O Di ds Mães é segund melhor dt pr o comércio vrejist, comemord no segundo domingo de mio. É trdicionl no clendário de comprs dos brsileiros, pelo forte pelo emocionl, que fet diversos

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA O número de empregos formais no estado alcançou 2,274 milhões em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses

Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses Depois de nove meses com saldo negativo, o mercado de trabalho formal do Rio Grande do Norte criou 453 vagas com carteira assinada

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ O número de empregos formais no estado alcançou 1,552 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

Intenção de Consumo Páscoa

Intenção de Consumo Páscoa Intenção de Consumo A Pásco é um fest religios e um período de intensificção do movimento no comércio, principlmente n busc por chocoltes. Tendo em vist este impcto n tividde comercil, áre de Estudos Econômicos

Leia mais

GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE

GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE Apesar do saldo agregado negativo nos três primeiros meses do ano, 13 dos 25 subsetores de atividade geraram postos formais de trabalho.

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO O mercado de trabalho catarinense não cresceu em maio. A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

Emprego Industrial Julho de 2014

Emprego Industrial Julho de 2014 Emprego Industrial Julho de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No acumulado do ano (jan-jul), a indústria de transformação foi a atividade econômica que mais gerou empregos em Santa Catarina (25.147), de um total

Leia mais

Emprego Industrial Fevereiro de 2015

Emprego Industrial Fevereiro de 2015 Emprego Industrial Fevereiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de fevereiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação ao estoque de janeiro (12.108 postos e variação de 0,6%). A

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 Emprego industrial FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE fechou 1.344 postos de trabalho em junho,

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE. Relatório Mensal: Movimentação do emprego formal em setembro de 2010 no Rio Grande do Norte

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE. Relatório Mensal: Movimentação do emprego formal em setembro de 2010 no Rio Grande do Norte OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório Mensal: Movimentação do emprego formal em setembro de 2010 no Rio Grande do Norte Contrato de Prestação de Serviços Nº. 011/2010 - SETHAS/DIEESE

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/2015

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/2015 Saldo (Admissão - Desligamentos) Saldo (Admissão - Desligamentos) GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho volta a Demitir O Ministério do Trabalho

Leia mais

Emprego Industrial Julho de 2015

Emprego Industrial Julho de 2015 Emprego Industrial Julho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de julho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de junho (-14.770 postos e variação de -0,7%). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Junho de 2015

Emprego Industrial Junho de 2015 Emprego Industrial Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de junho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de maio (-7.922 postos e variação de -0,4%). A indústria

Leia mais

COMPOSIÇÃO E PESO DAS DESPESAS COM CULTURA NAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS José Mauro de Freitas Jr. ***

COMPOSIÇÃO E PESO DAS DESPESAS COM CULTURA NAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS José Mauro de Freitas Jr. *** Trblho presentdo no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinres em Cultur, relizdo entre os dis 23 25 de mio de 2007, n Fculdde de Comunicção/UFB, Slvdor-Bhi-Brsil. COMPOSIÇÃO E PESO DAS DESPESAS

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2014

Emprego Industrial Outubro de 2014 Emprego Industrial Outubro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de outubro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina voltou a crescer (4.973 postos e variação de 0,2% em relação ao estoque de setembro).

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Setembro de 2008

Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Setembro de 2008 Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Setembro de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO ESPÍRITO SANTO Contrato de Prestação de Serviços N. 28/2008 SETADES / DIEESE VITÓRIA,

Leia mais

Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008

Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008 Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO ESPÍRITO SANTO Contrato de Prestação de Serviços N. 28/2008 SETADES / DIEESE VITÓRIA,

Leia mais

Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008

Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS Relatório Informativo: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas RAIS 2008 Termo de Contrato Nº. 65/2009 2009 EXPEDIENTE DA SECRETARIA

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

Emprego Industrial Agosto de 2014

Emprego Industrial Agosto de 2014 Emprego Industrial Agosto de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de agosto de 2014, o saldo de emprego em Santa Catarina voltou a crescer (6.599 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de julho). A indústria

Leia mais

Dezembro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Dezembro/2013

Dezembro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Dezembro/2013 Dezembro/2013 - BRASIL Análise do emprego Brasil Dezembro/2013 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - NOVEMBRO DE

RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - NOVEMBRO DE PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2015

Emprego Industrial Setembro de 2015 Emprego Industrial Setembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de agosto (-4.425 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Março de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 MAIO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

2 Patamar de Carga de Energia

2 Patamar de Carga de Energia 2 Ptmr de Crg de Energi 2.1 Definição Um série de rg de energi normlmente enontr-se em um bse temporl, ou sej, d unidde dess bse tem-se um informção d série. Considerndo um bse horári ou semi-horári, d

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório Mensal: Movimentação do emprego formal em agosto de 2010 no Rio Grande do Norte Contrato de Prestação de Serviços Nº. 011/2010 - SETHAS/DIEESE

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014 Emprego industrial FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO ENTRE OS SETORES DA

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED

NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED NÍVEL DE EMPREGO FORMAL CELETISTA Outubro 2017 CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS CAGED BRASIL SALDO DO EMPREGO FORMAL - SEM AJUSTES - PERÍODO DE OUTUBRO DE 2016 A OUTUBRO 2017 2 BRASIL SALDO

Leia mais

Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trabalhador e oferta de trabalho

Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trabalhador e oferta de trabalho Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trblhdor e ofert de trblho 6 1 Exercício de plicção: Equilíbrio de um consumidor-trblhdor e nálise de estátic comprd Exercícios pr prátic do leitor Neste cpítulo, presentmos

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari Mercado de Trabalho Empregos formais Estado de São Paulo Município: Capivari SÍNTESE Estado de São Paulo População estimada em 2014 44.035.304 População 2010 41.262.199 Área (km²) 248.222,36 Densidade

Leia mais

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa Segurnç pr quem você m. Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório Mensal: Movimentação do emprego formal em novembro de 2010 no Rio Grande do Norte Contrato de Prestação de Serviços Nº. 011/2010 - SETHAS/DIEESE

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA Evolução Trimestral do Mercado de Trabalho Formal da Bahia Janeiro, fevereiro e março de 2012 Contrato de Prestação de Serviços Nº. 004/2011 SETRE-BA e DIEESE MAIO DE

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Janeiro a Fevereiro de 2008 PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 11.184 novos postos de trabalho. O saldo de emprego em 2008 é superior em 37%

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013 EMPREGO INDUSTRIAL FEVEREIRO DE 2013 FEVEREIRO DE 2013 Eego industrial SUMÁRIO EXECUTIVO O número de assalariados com carteira assinada da indústria de transformação catarinense cresceu 1,50% em fevereiro

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 5-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 4, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Maio de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 JUNHO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Março/2017 2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos direitos

Leia mais

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Outubro/2015 2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Março a Abril de PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 10.646 novos postos de trabalho. O saldo de emprego acumulado em corresponde a 47% de todo

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE OSASCO

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE OSASCO Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: CONTRATO NO. 088/2006 (PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO E DIEESE) TEMA: FORMAÇÃO DE PARCERIA TÉCNICO-PROFISSIONAL

Leia mais

3 O Magnetismo à primeira oportunidade. Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara:

3 O Magnetismo à primeira oportunidade. Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: Núcleo de Conjuntura e Estudos Econômicos Coordenador: Prof. Dr. Elton Eustáquio Casagrande Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara - UNESP FCL/UNESP/Araraquara Características Conjunturais do Comércio

Leia mais

Em junho foram criados empregos formais em Santa Catarina

Em junho foram criados empregos formais em Santa Catarina Informativo Caged nº 07/2009 16/07/2009 Em junho foram criados 1.121 empregos formais em Santa Catarina No 1º semestre foram abertas 11,7 mil vagas e foi o pior resultado para o acumulado no primeiro semestre

Leia mais

Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: Evolução do rendimento médio

Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: Evolução do rendimento médio Núcleo de Conjuntura e Estudos Econômicos Coordenador: Prof. Dr. Elton Eustáquio Casagrande Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara - UNESP FCL/UNESP/Araraquara Características Conjunturais do Comércio

Leia mais

Cartilha Explicativa

Cartilha Explicativa Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno e flexível. O Fmíli Previdênci

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Janeiro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Janeiro/2014

Janeiro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Janeiro/2014 Janeiro/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Janeiro/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 14-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 15, 2015 Dengue Em 2015,

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro em 2013 FEVEREIRO DE 2014 RESUMO O país criou 730.687 novos postos de trabalho em 2013, desempenho este 16% menor do que o apresentado em 2012. No

Leia mais

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1

Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Emprego na Região Metropolitana de Campinas 1 Período: Julho e Agosto de PRINCIPAIS DESTAQUES Na RMC foram criados 9.563 novos postos de trabalho. O saldo de emprego acumulado atá agosto de já é 25% superior

Leia mais

Técnicas de Análise de Circuitos

Técnicas de Análise de Circuitos Coordendori de utomção Industril Técnics de nálise de Circuitos Eletricidde Gerl Serr 0/005 LIST DE FIGURS Figur - Definição de nó, mlh e rmo...3 Figur LKC...4 Figur 3 Exemplo d LKC...5 Figur 4 plicção

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2015

Emprego Industrial Dezembro de 2015 Emprego Industrial Dezembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de embro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de novembro (-34.971 postos e variação de -1,7%). A indústria

Leia mais

Maio/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Maio/2014

Maio/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Maio/2014 Maio/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Maio/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no

Leia mais

Março/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Março/2014

Março/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Março/2014 Março/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Março/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO

RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO De janeiro a junho deste ano, quatorze estados passaram a criar vagas de trabalho ou registraram saldos maiores do que os do mesmo

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM PORTO ALEGRE JANEIRO A MARÇO DE 2012

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM PORTO ALEGRE JANEIRO A MARÇO DE 2012 ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM PORTO ALEGRE JANEIRO A MARÇO DE 2012 Registro nº 48918 Secretaria Municipal de Produção, Indústria e Comércio (SMIC) e Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego

Leia mais

BOLETIM SINAIS DO MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE Belo Horizonte Ano 2 N.º 3 Ago/Set/Out 2000

BOLETIM SINAIS DO MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE Belo Horizonte Ano 2 N.º 3 Ago/Set/Out 2000 BOLETIM SINAIS DO MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE Belo Horizonte Ano 2 N.º 3 Ago/Set/Out 2000 PANORAMA SALARIAL PRIMEIRO SEMESTRE DE 2000 ESTAÇÃO DE PESQUISA DE SINAIS DE MERCADO NESCON - FM UFMG REDE OBSERVATÓRIO

Leia mais

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados julho/15 21 de agosto de 2015 Secretaria de Política Econômica CRIAÇÃO LÍQUIDA DE POSTOS DE TRABALHO (variação mensal absoluta do emprego*) Critério

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Editl PPGEA 04/2016: http://portl.ufgd.edu.br/pos-grduco/mestrdo-engenhrigricol 1.1 Conttos: Horário de tendimento d secretri: d 8 s 11 h e ds 13 s 16 h;

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil Dieese. Subseção Força Sindical Elaboração: 21/07/2015 De acordo com os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Julho/2016 2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos direitos

Leia mais

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Abril/2015 2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos direitos

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

A Geração de Emprego Industrial no Brasil no Qüinqüênio 2000/04 Um Enfoque Regional. João Saboia

A Geração de Emprego Industrial no Brasil no Qüinqüênio 2000/04 Um Enfoque Regional. João Saboia A Geração de Emprego Industrial no Brasil no Qüinqüênio 2000/04 Um Enfoque Regional João Saboia Rio de Janeiro Março de 2005 Índice 1. Introdução 2. Dados Gerais 3. Dados Regionais e Estaduais 4. Características

Leia mais

33ª Novembro de 2010

33ª Novembro de 2010 33ª Novembro de 2010 EXPEDIENTE DA FUNDAÇÃO SOCIAL DO TRABALHO DE CAMPO GRANDE PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE Nelson Trad Filho Prefeito Municipal Maria Antonieta Amorim Trad Secretária Munic. de

Leia mais

6 Conversão Digital/Analógica

6 Conversão Digital/Analógica 6 Conversão Digitl/Anlógic n Em muits plicções de processmento digitl de sinl (Digitl Signl Processing DSP), é necessário reconstruir o sinl nlógico pós o estágio de processmento digitl. Est tref é relizd

Leia mais

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Abril/2016 2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos direitos

Leia mais

SUBSÍDIOS PARA A AÇÃO SINDICAL COMPORTAMENTO DO EMPREGO METALÚRGICO MARÇO DE 2011

SUBSÍDIOS PARA A AÇÃO SINDICAL COMPORTAMENTO DO EMPREGO METALÚRGICO MARÇO DE 2011 SUBSÍDIOS PARA A AÇÃO SINDICAL COMPORTAMENTO DO EMPREGO METALÚRGICO MARÇO DE 2011 ANÁLISE DOS RESULTADOS De acordo com os dados do Ministério do Trabalho e Emprego, de janeiro a dezembro de 2012 foram

Leia mais

2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Junho/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos direitos

Leia mais

Aos pais e professores

Aos pais e professores MAT3_015_F01_5PCImg.indd 9 9/09/16 10:03 prcels ou termos som ou totl Pr dicionres mentlmente, podes decompor os números e dicioná-los por ordens. 136 + 5 = (100 + 30 + 6) + (00 + 50 + ) 300 + 80 + 8 MAT3_015_F0.indd

Leia mais

Mat.Semana. PC Sampaio Alex Amaral Rafael Jesus. (Roberta Teixeira)

Mat.Semana. PC Sampaio Alex Amaral Rafael Jesus. (Roberta Teixeira) 9 PC Smpio Alex Amrl Rfel Jesus Mt.Semn (Robert Teixeir) Este conteúdo pertence o Descomplic. Está vedd cópi ou reprodução não utorizd previmente e por escrito. Todos os direitos reservdos. CRONOGRAMA

Leia mais