AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS"

Transcrição

1 1

2 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic

3 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 1. CONCEITO DE ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA Administrção Diret é o conjunto de órgãos que integrm s pessos polítics do Estdo, confundindo-se com os próprios entes federdos (União, Estdos, Distrito Federl e Municípios). Administrção Indiret, seguindo entendimento do utor José dos Sntos Crvlho Filho, Administrção Indiret é o conjunto de pessos jurídics (ou entiddes) vinculds (e não subordinds) à Administrção Diret com o objetivo de melhor desempenhr s tividdes dministrtivs. É o Estdo executndo, de form descentrlizd, lgums de sus funções. Por serem pessos jurídics utônoms, possuem cert independênci gerencil e dministrtiv, não obstnte sejm controlds ou fisclizds pel Administrção Públic Diret que criou (rt. 37, XIX, d CF/88). Segundo dispõe o rt. 4º, II, do Decreto-Lei nº 200/67, Administrção Indiret compreende s seguintes entiddes dotds de personlidde jurídic própri: Autrquis, Empress Públics, Socieddes de Economi Mist e s Fundções Públics. Hoje este rol de Entiddes d Administrção Indiret serve pens exemplifictivmente, hj vist o mior número de Entiddes d Administrção Indiret que podem ser crids pel Administrção Diret, como s ssocições públics ou fundções privds, por exemplo. 2. ADMNISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA Os entes políticos (União, Estdos, Distrito Federl e Municípios) pr exercitr os poderes que lhe são conferidos pel Constituição Federl (express ou implicitmente), podem se orgnizr de form centrlizd, descentrlizd (por outorg ou por delegção): Centrlizd ou diret: situção em que o Estdo execut s trefs tribuíds diretmente por intermédio de órgãos e gentes d Administrção Diret. Descentrlizd ou indiret: é distribuição de trefs que serão executds por outr pesso jurídic. 3. DAS AUTARQUIAS, FUNDAÇÕES, EMPRESAS PÚBLICAS, SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA E ENTIDADES PARAESTATAIS AUTARQUIAS O rtigo 5º, I do Decreto-Lei Federl nº 200/67 conceitu Autrqui como o serviço utônomo, crido por lei, com personlidde jurídic, ptrimônio e receit próprios, pr executr tividdes típics d Administrção Públic, que requeirm, pr seu melhor funcionmento, gestão dministrtiv e finnceir descentrlizd. 3

4 As utrquis possuem por principis crcterístics: Personlidde jurídic de direito público Assim, possui tods s prerrogtivs e sujeições que formm o regime jurídico de direito público, precendo pernte os dministrdos como se fosse própri dministrção Crid por lei específic, orgnizd pel própri lei, decreto, regulmento ou esttuto e Extint tmbém somente por lei; Sujeit à tutel (controle finlístico ou supervisão ministeril, ou sej, verific se entidde está cumprindo s sus finliddes); Possui utonomi dministrtiv e finnceir (Não possui utonomi polític de crir o próprio direito porque est só quem possui são União, Estdos, Distrito Federl e Municípios); Os tos e contrtos são dministrtivos, logo sujeitos Lei de Licitções nº 8.666/93 e controle pelo Tribunl de Conts; Dotd de ptrimônio próprio trnsferido do ente que criou. Seus bens são considerdos bens públicos, usufruindo dos mesmos privilégios conferidos à dministrção diret; Possui dirigentes próprios, podendo hver prticipção do Legisltivo n escolh, rt. 52, III, d e f, d CF/88. Seus tos podem ser questiondos vi Mnddo de Segurnç, Ação Populr ou Ação Civil Públic; Execut serviços dministrtivos típicos de Administrção Púbic; Seus gentes são gentes públicos esttutários; A responsbilidde civil decorre d plicção do rt. 37, 6º, d CF/88 objetiv; Possuem os mesmo privilégios processuis conferidos à Fzend Públic como os constntes no rt. 27 do CPC despess processuis pgs o finl do processo pelo vencido rt. 188 do CPC przo em quádruplo pr contestr e em dobro pr recorrer rt. 730 do CPC execução contr Fzend Públic rt. 100 d CF/88 pgmentos feitos por meio de prectórios Execução fiscl de seus créditos pel Lei nº 6.830/80, concessão de liminres respeitndo Lei 9.494/97, dentre outros; Gozm de imunidde tributári referente o seu ptrimônio, rend ou serviços vinculdos à su finlidde (rt. 150, 2º, d CF/88); FUNDAÇÕES Preliminrmente cumpre expor que existem fundções não-governmentis (crids e mntids pel inicitiv privd) e fundções governmentis (crids e mntids pels pessos polítics). Contudo, em mbs, finlidde é sempre socil (pesquis, educção, cultur, ensino, médic, ssistencil, etc.), não lucrtiv. Outr observção ser feit refere-se à nturez jurídic de um fundção instituíd pelo Estdo. Este pode instituir fundção com nturez jurídic de direito público ou com nturez jurídic de direito privdo. 4

5 As fundções que ostentm personlidde jurídic públic são verddeirs utrquis denominds inclusive de fundções utárquics ou utrquis fundcionis (instituíds diretmente por lei específic). Seri um espécie do gênero utrquis. As fundções com personlidde jurídic de direito público possuem s mesms crcterístics que s Autrquis, (como crição por lei, sujeição às norms de direito público, privilégios processuis, etc.) motivo pelo qul torn-se desnecessári exposição pormenorizd ds crcterístics, bstndo pr compreendê-ls reportr-se às ds utrquis. Destc José dos Sntos Crvlho Filho que pouco specto diferencil há entre fundções governmentis com personlidde de direito público ou privdo. As fundções governmentis de direito privdo serim dequds pr execução de tividdes não-exclusivs do Estdo, ou sej, quels que tmbém pudessem ser desempenhds pelo setor privdo (como súde, educção, pesquis, ssistênci socil, turismo, etc.), enqunto pr funções típics esttis fundção deveri ser de direito público um vez que deverá deter poder de utoridde. São exemplos dests fundções: Fundção Ncionl do Índio (FUNAI), Fundção Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE), FUNASA (Fundção Ncionl d Súde), Fundção Oswldo Cruz (Fiocruz), Conselho Ncionl de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), CAPES (Coordenção de Aperfeiçomento de Pessol de Nível Superior), dentre outrs. Já fundções s que ostentm personlidde jurídic de direito privdo ficm submetids um regime híbrido (or incidindo norms de direito público or incidindo norms de direito privdo), como por exemplo: su crição é utorizd por lei específic (norm de direito público), ms personlidde jurídic dquirid com inscrição no Registro Civil de Pessos Jurídics (norm de direito privdo). Por isso, somente serão destcds s prticulriddes que distinguem ds fundções utárquics, plicndo, de resto, s crcterístics dests. Pesso Jurídic de direito privdo; Autorizd por lei específic, ms su constituição depende do registro no Registro Civil de Pessos Jurídics; A definição ds áres de tução por Lei Complementr; Seus bens são considerdos privdos; Não possui s prerrogtivs processuis, imunidde tributári; Agentes públicos celetists (ind que prestem concurso público). 5

6 EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA 1. Semelhnçs entre Empress Públics e Socieddes de Economi Mist Há muits semelhnçs entre s Empress Públics e s Socieddes de Economi Mist. Possuem personlidde jurídic de direito privdo, cuj crição é utorizd por lei, pssdo existir, somente, com o respectivo registro do esttuto conforme prevê o rt. 45 do Código Civil (começ existênci legl ds pessos jurídics de direito privdo com inscrição do to constitutivo no respectivo registro, precedid qundo necessário, de utorizção ou provção do Poder Executivo, verbndo-se no registro tods s lterções por que pssr o to constitutivo). Se su crição é utorizd por lei, somente lei pode extinguir. Aind mis, que com o dvento d nov Lei de Flêncis nº /05, o seu rt. 2º, I vedou su plicção pr s Empress Públics e s Socieddes de Economi Mist. Podem prestr serviço público (neste cso prevlecem s norms de direito público como imunidde tributári, bens públicos, responsbilidde civil objetiv do rt. 37, 6º, d CF/88, etc.) ou explorr tividde econômic (neste cso prevlecem s norms de direito privdo, rt. 173, 1º, II, d CF/88). Os bens são submetidos o regime jurídico privdo, slvo se direciondos prestção de serviço público, cso em que incidirm s crcterístics de direito público (inlienbilidde, impenhorbilidde, não-onerbilidde e imprescritibilidde). Estão sujeits o controle Esttl, inclusive pelo Tribunl de Conts. Relizm concurso público, ms seus gentes são empregdos públicos (celetists) e não esttutários (servidores públicos). Possuem dirigentes e ptrimônio próprio, liberdde finnceir e dministrtiv. Relizm licitção públic, ind que de form simplificd (Súmul nº 333 do STJ cbe mnddo de segurnç contr to publicdo em licitção promovid por sociedde de economi mist ou empres públic e Decreto nº 2.745/98). Não possuem privilégios processuis e tmbém não se plicm s regrs diferencids de prescrição (Decreto nº /32) plicáveis somente às entiddes com crcterístics de Fzend Públic como s utrquis e s fundções públics, por exemplo. 2. Diferençs entre Empress Públics e Socieddes de Economi Mist São três s diferençs básics entre estes entes no que diz respeito o cpitl que os integrm, à su form societári e competênci processul:, ficndo em um qudro comprtivo exposto d seguinte mneir: EMPRESA PÚBLICA Possui cpitl exclusivmente público Aprece sob qulquer form societári: S/A, Cix Econômic, Ltd, etc Se for um Empres Públic Federl o foro competente é justiç federl (rt. 109, I, d CF/88) Cs d Moed, EBCT, Cix Econômic Federl, SERPRO, BNDES, EMBRAPA, INFRAERO SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA Possui cpitl público e privdo Aprece somente como Sociedde Anônim S/A Foro competente sempre d justiç estdul. Súmuls nº 42 STJ e 517 e 556 do STF Bnco do Brsil, Instituto de Resseguros do Brsil, Petrobrs 6

7 ENTIDADES PARAESTATAIS São pessos jurídics de direito privdo, sem fins lucrtivos, que não integrm Administrção Indiret, ms que com Administrção Públic Diret cooperm (colborm), que cminhm prlelmente o Estdo, executndo lgum tividde socil de utilidde públic. São tmbém conhecids como terceiro setor (o primeiro setor é o Estdo, o segundo é o mercdo e o terceiro é sociedde). Podemos citr como entiddes presttis: Serviços Sociis Autônomos: Conhecidos como SESC, SENAI, SESI, SENAC, são pessos jurídics instituíds por lei, vinculds certs ctegoris profissionis com o fim de fomentr ssistênci ou o ensino, sendo mntids por dotções orçmentáris do Poder Público (por isso submetido o controle do Tribunl de Conts) e contribuições prfiscis. Seus empregdos estão sujeitos às leis trblhists (são empregdos celetists), não gozm de qulquer privilégio processul ou tributário e não se subordinm à Lei de Licitções. Orgnizções Sociis (Lei nº 9.637/98): São Pessos Jurídics crids por prticulres, sem fins lucrtivos, que se hbilitm pernte Administrção Públic pr obter qulificção de Orgnizção Socil pr desempenhr tividdes ns áres de ensino, pesquis cientific, desenvolvimento tecnológico, proteção e preservção do meio mbiente, cultur e súde. O poder público bre mão d tividde e trnsfere à Orgnizção Socil trvés de um contrto de gestão. O contrto de gestão envolvendo Orgnizção Socil configur verddeiro cordo dministrtivo de colborção que disciplin relções pr consecução conjunt de serviços sociis não-exclusivos do Estdo (como súde, educção, meio mbiente, etc.). Orgnizção d Sociedde Civil de Interesse Público (Lei nº 9.790/99): Igulmente às Orgnizções Sociis, s OSCIPS tmbém são Pessos Jurídics instituíds por prticulres que se qulificm pernte o Estdo pr desempenhr serviços sociis não exclusivos deste. Entretnto, qui, o Estdo não bre mão do serviço, ms o reliz medinte termo de prceri. Por receber recursos públicos os Tribunis de Conts podem purr s despess relizds. Discorre o rtigo 71, VI d Constituição Federl: fisclizr plicção de quisquer recursos repssdos pel União medinte convênio, cordo, juste ou outros instrumentos congêneres, Estdo, o Distrito Federl ou Município. Não são pssíveis de qulificção como Orgnizções d Sociedde Civil de Interesse Público I - s socieddes comerciis; II - os sindictos, s ssocições de clsse ou de representção de ctegori profissionl; III - s instituições religioss ou voltds pr disseminção de credos, cultos, prátics e visões devocionis e confessionis; IV - s orgnizções prtidáris e ssemelhds, inclusive sus fundções; V - s entiddes de benefício mútuo destinds proporcionr bens ou serviços um círculo restrito de ssocidos ou sócios; VI - s entiddes e empress que comercilizm plnos de súde e ssemelhdos; VII - s instituições hospitlres privds não grtuits e sus mntenedors; VIII - s escols privds dedicds o ensino forml não grtuito e sus mntenedors; IX - s orgnizções sociis; X - s coopertivs; XI - s fundções públics; XII - s fundções, socieddes civis ou ssocições de direito privdo crids por órgão público ou por fundções públics; XIII - s orgnizções creditícis que tenhm quisquer tipos de vinculção com o sistem finnceiro ncionl. 7

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

ELENCO DE CONTAS DE DESPESAS 2014

ELENCO DE CONTAS DE DESPESAS 2014 TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO DO PRNÁ nexo IV da Instrução Técnica nº 20/2003 - de Contas da Despesa SIM-M/2014 C Ó D I G O TÍTULO Nível S/ ESPECIFICÇÃO Versão 3 0 00 00 00 00 DESPESS CORRENTES S Classificam-se

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Atos do Congresso Nacional

Atos do Congresso Nacional ISSN 1677-7042 Ano CXLIII 121 Brsíli - DF, terç-feir, 27 de junho de 2006 Sumário. PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Congresso Ncionl... 1 Atos do Poder

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007 L E I Nº 6.969, DE 9 DE MIO DE 2007 Institui o Plno de rreirs, rgos e Remunerção dos Servidores do Poder Judiciário do Estdo do Prá e dá outrs providêncis. seguinte Lei: SSEMLÉI LEGISLTIV DO ESTDO DO PRÁ

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Regulamento Interno a

Regulamento Interno a Regulmento Interno REGIMENTO INTERNO DO CEPE-AL ART. 01 Clube dos empregdos do sistem PETROBRAS reger-se-á pels leis do Pís, pelo Esttuto e por este Regimento Interno. ART. 02 O presente Regimento tem

Leia mais

Ano CXLIV N o - 135 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de julho de 2007

Ano CXLIV N o - 135 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de julho de 2007 ISSN 1677-7042 Ano CXLIV N o - 135 Brsíli - DF, segund-feir, 16 de julho de 2007 Sumário. PÁGINA Presidênci d Repúblic... 1 Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento... 4 Ministério

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

Nome/Designação Social: Nº Identificação do Registo Nacional de Pessoas Colectivas: Endereço: Concelho: Actividade Principal:

Nome/Designação Social: Nº Identificação do Registo Nacional de Pessoas Colectivas: Endereço: Concelho: Actividade Principal: GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA IP RAM Cndidtur Progrm Formção/Emprego (FE) (Portri nº 19/2009 de 23 de Fevereiro) A preencher pelo Instituto de

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO

COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A EMITIR PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N 25, DE 2007 (APENSOS OS PROJETOS DE LEI COMPLEMENTAR N 379/08, 415/08,

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

Prof. Marcelino Fernandes DIREITO ADMINISTRATIVO

Prof. Marcelino Fernandes DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Marcelino Fernandes DIREITO ADMINISTRATIVO Twitter: @profmarcelino facebook.com/profmarcelino88 Fanpage:facebook.com/profmarcelino instagram.com/profmarcelino professormarcelino@hotmail.com AULA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 018/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 002/2014

EDITAL/SEE Nº 002/2014 EDITAL/SEE Nº 002/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE MONITOR/A PROFESSOR/A INDÍGENA DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE

Leia mais

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA APRESENTAÇÃO A Diretori Executiv present o Reltório Anul de Informções do Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR reltivo o exercício de 2013, consolidndo s principis informções do Plno de Benefícios

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 P.J.U.- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 Regido pel Lei nº 10.520/2002, Lei Complementr

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa

Segurança para quem você ama. Cartilha Explicativa Segurnç pr quem você m. Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017

CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017 CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017 26 Com o pgmento d contribuição SENAR 2017, o Serviço de Aprendizgem Rurl (SENAR) obtém recursos pr desenvolver ções de Formção Profissionl Rurl FPR e de Promoção Socil PS, por

Leia mais

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1.

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1. 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLVII 6 Brsíli - DF, qurt-feir, 27 de outubro de. Sumário PÁGINA Atos do Poder Legisltivo... 1 Atos do Congresso Ncionl... 2 Atos do Poder Executivo... 2 Presidênci d Repúblic... 3

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM

GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA, IP-RAM GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE EMPREGO DA MADEIRA IP-RAM Proc. Nº 201 /FE/ Cndidtur o Progrm Formção Emprego (FE) (Portri 190/2014 de 6 de novembro) (O

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Cartilha Explicativa

Cartilha Explicativa Crtilh Explictiv Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno e flexível. O Fmíli Previdênci

Leia mais

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS O coordendor dos projetos de pesquis e desenvolvimento institucionl nº 034280, 042571, 042576, torn públic bertur de inscrições pr seleção de lunos dos cursos de grdução

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.plnlto.gov.br/ccivil_03/eis/cp/cp139.htm Pge 1 sur 22 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos EI COMPEMENTAR Nº139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensgem de veto Vigênci Alter

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ALEXANDRINA FERREIRA GOMES O IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (IVA) NO MERCADO FINANCEIRO CABOVERDEANO PORTO ALEGRE 2010 ALEXANDRINA FERREIRA GOMES O IMPOSTO

Leia mais

E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5

E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5 E D I T A L N º 0 3 / 2 0 1 5 A FACULDADE DE TECNOLOGIA MACHADO DE ASSIS FAMA, trvés d Comissão do Processo Seletivo COPS, comunic os interessdos bertur ds inscrições o PROCESSO SELETIVO pr ingresso nos

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Pge 1 of 59 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (Republicção em tendimento o disposto no rt. 5º d Lei Complementr nº 139, de

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA ESTDO DO TOCNTINS TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO SICP SISTEM INTEGRDO DE CONTROLE E UDITORI PUBLIC PLNO DE CONTS PR O EXERCÍCIO DE 28 ENTIDDES MUNICIPIS DO ESTDO DO TOCNTINS S U M Á R I O _ I - INTRODUÇÃO II

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS:

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: ANO XLIV N.º 095 01/07/2014 SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: SEÇÃO I EXTRATO DE INSTRUMENTO CONVENIAL...02 SEÇÃO II PARTE 1: DESPACHOS

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul

Diário Oficial. Estado de Mato Grosso do Sul 11-1 0-1977 Diário Oficil Estdo de Mto Grosso do Sul ANO XXXIII 7.974 CAMPO GRANDE-MS, TERÇA-FEIRA, 87 PÁGINAS GOVERNADOR Vice-Governdor SIMONE TEBET Secretário de Estdo de Governo OSMAR DOMINGUES JERONYMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA. IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo da alíquota efetiva

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA. IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo da alíquota efetiva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE SOUZA IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: estudo d líquot efetiv FLORIANÓPOLIS 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SUSANY MENDONÇA DE

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015 78 I SÉRIE N O 3 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 8 DE JANEIRO DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 81/VIII/2015 de 8 de Jneiro Por mndto do Povo, Assemblei Ncionl decret, nos termos d líne b) do rtigo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO Exercício 2003 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Instituto de Pesquiss Jrdim Botânico do Rio de Jneiro Em tenção à Instrução Normtiv/TCU nº 12/1996 e à Instrução Normtiv SFC/MF nº 12/2000, o Instituto de Pesquiss Jrdim Botânico

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração

I - APRESENTAÇÃO. Prof. Dr. Ricardo Oliveira Lacerda de Melo Presidente do Conselho de Administração 5 I - APRESENTAÇÃO Com mis um reltório nul, o décimo terceiro desde su crição, FAPESE present de form quntittiv e qulittiv um retrospectiv d su tução no no de 2006, ind n gestão do Prof. Dr. José Roberto

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

BRAINSTORMING O BRAINSTORMING QUE É ISSO? O QUE É ISSO?

BRAINSTORMING O BRAINSTORMING QUE É ISSO? O QUE É ISSO? A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS O O E inversão do ônus d prov em fvor do segurdo? *Erik Pereir: Administrdor e Consultor. Especilist em Gestão de Pessos e Plnejmento Estrtégico. Por Ann Cd M. Frclossi I *Erik

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

Ano CXLIV N o - 194 Brasília - DF, segunda-feira, 8 de outubro de 2007. P ro j e t o / A t i v i d a d e de origem

Ano CXLIV N o - 194 Brasília - DF, segunda-feira, 8 de outubro de 2007. P ro j e t o / A t i v i d a d e de origem ISSN 1677-7042 Ano CXLIV N o - 194 Brsíli - DF, segund-feir, 8 de outubro de 2007 Sumário. PÁGINA Presidênci d Repúblic... 1 Ministério d Agricultur, Pecuári e

Leia mais

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais;

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; PROVIMENTO Nº. 01/2009 - CGJUS-TO Regulment os procedimentos reltivos à quisição, repsse e uso do Selo de Fisclizção dos Serviços Extrjudiciis e disciplin o ressrcimento os registrdores civis ds pessos

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CEMAm. RESOLUÇÃO Nº 019/2013 CEMAm

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CEMAm. RESOLUÇÃO Nº 019/2013 CEMAm RESOLUÇÃO Nº 019/2013 CEMAm Disciplina o cadastramento e recadastramento das Entidades Ambientalistas no CEAMG. O Conselho Estadual do Meio Ambiente CEMAm, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA RESOLUÇÃO Nº 2/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre

Leia mais

CURSO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS FORMAÇÃO DE PREGOEIRO

CURSO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS FORMAÇÃO DE PREGOEIRO F c g s e d d l u Integrd s I p i t Apoio n PROMOÇÃO: 4 (qutro) inscrições pgs drá direito um 5ª (quint) GRÁTIS CURSO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS FORMAÇÃO DE PREGOEIRO Inclui Nov Lei nº 13.019/2014 de Repsses

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO SETOR PROCESSO TRT Nº 01330.2006.000.14.00-0 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO TIPO Menor Preço por lote, objetivndo

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

SEPARAÇÃO DE PODERES DO ESTADO

SEPARAÇÃO DE PODERES DO ESTADO SEPARAÇÃO DE PODERES DO ESTADO Plano horizontal diferenciação funcional (Legislativo, Executivo e Judiciário) Plano vertical ordens jurídicas especiais (União, Estados, DF e Municípios) Impõe limites e

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais