AULA 01: Lógica (Parte 1)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 01: Lógica (Parte 1)"

Transcrição

1 AULA 01: Lógica (Parte 1) Raciocínio Lógico p/ M. Cidades (NM) SUMÁRIO PÁGINA 1. Conceitos Básicos de Lógica 1 2. Tautologia, Contradição e Contingência Implicação Lógica Equivalência Lógica Questões comentadas nesta aula Gabaritos 69 Olá! Hoje trarei o conteúdo básico de lógica, que é algo que pode ser exigido na prova. Deixei a parte da lógica da argumentação para a próxima aula, para que esta não fique tão extensa. Mãos à obra!!! 1 Conceitos Básicos de Lógica Vamos começar lembrando desse assunto que é cobrado em praticamente todos os concursos em que a disciplina Raciocínio Lógico é abordada. Trata-se do que aprendemos na escola simplesmente com o nome de Lógica (você deve lembrar: p e q, se p... então q,... etc.). Era um dos assuntos mais detestados pelos alunos, mas é, sem dúvida alguma, um dos mais importantes para você que se prepara para passar em concurso. Por isso, vamos deixar o preconceito de lado e passar a amar a boa e velha Lógica! No estudo da lógica matemática, estaremos em muitas ocasiões diante da linguagem corrente, como vemos no seguinte exemplo: "Arnaldo é alto ou Beto é baixo" Usar essa linguagem, porém, não é adequado para resolvermos questões de concurso. Para isso, deveremos transformar essa linguagem em outra que indique apenas símbolos, a qual denominamos linguagem simbólica. A linguagem simbólica possui dois elementos essenciais: as proposições e os operadores. Antes de definirmos as proposições, devemos saber que elas são constituídas de sentenças. As sentenças são um conjunto de palavras, ou símbolos, que exprimem um pensamento de sentido completo. São compostas por um sujeito e por um predicado (não, isso não é aula de português!). Vamos a alguns exemplos: Pedro ganhou na loteria. Carlos não comprou uma Ferrari. Que horas você chegou ao trabalho? Prof. Marcos Piñon 1 de 69

2 Como o dia está lindo! Tome um café. Podemos perceber que elas podem ser: Afirmativas: Pedro ganhou na loteria. Negativas: Carlos não comprou uma Ferrari. Interrogativas: Que horas você chegou ao trabalho? Exclamativas: Como o dia está lindo! Imperativas: Tome um café. Ai você me diz: mas professor, isso tá parecendo aula de português!. E eu lhe digo: calma, que já já eu chego lá!. Analisando estas frases, qual delas nós podemos julgar se é verdadeira ou falsa? O que realmente interessa nessas sentenças é identificar quais são proposições e quais não são proposições. Agora chegamos onde eu queria, que é no conceito de proposição. Trata-se de uma sentença fechada, algo que será declarado por meio de palavras ou de símbolos (expressões matemáticas) e cujo conteúdo poderá ser considerado verdadeiro ou falso. Ou seja, poderemos atribuir um juízo de valor acerca do conteúdo dessa proposição. Ex: Pedro é pedreiro. Caso ele realmente seja pedreiro o valor lógico desta proposição será verdadeiro, caso ele não seja pedreiro, o valor lógico da proposição será falso (por exemplo, se ele for bombeiro). Nas cinco frases apresentadas, apenas as duas primeiras são proposições, pois podemos julgá-las com V ou F. Frases como: Que horas você chegou ao trabalho?, Como o dia está lindo! ou Tome um café., não são proposições, pois, como vimos acima, não podemos atribuir um juízo de valor a respeito delas. Fica a dica, sentenças interrogativas, exclamativas ou no imperativo não são proposições. Apenas as sentenças afirmativas e negativas poderão ser proposições. Perceberam o poderão ser? É isso mesmo, não basta a frase ser afirmativa ou negativa para ser considerada uma proposição. É preciso que ela possa ser julgada com F ou V. Vejamos mais alguns exemplos: = 4 A metade de oito Prof. Marcos Piñon 2 de 69

3 E então, esses dois exemplos são proposições? Bom, voltando ao conceito algo declarado por meio de palavras ou de símbolos (expressões matemáticas) e cujo conteúdo poderá ser considerado verdadeiro ou falso. Portanto, só o primeiro exemplo é considerado uma proposição, pois sabemos que = 5 e não 4, o que torna essa proposição falsa. Já o segundo exemplo, ele não apresenta algo que poderá ser julgado com V ou F, pois a informação não possui sentido completo, falta o predicado. Chamamos esse segundo exemplo apenas de expressão. Devemos saber também que existem expressões matemáticas e sentenças afirmativas ou negativas às quais não podemos atribuir um valor lógico verdadeiro ou falso. Isso mesmo, pode acontecer de uma sentença não ser nem exclamativa, nem interrogativa e nem mesmo uma ordem, e, ainda assim, nós não conseguimos atribuir um valor lógico verdadeiro ou falso para ela. Vejamos dois exemplos: Ele é campeão mundial de futebol com a seleção brasileira x + 5 = 10 No primeiro caso, apesar de termos uma frase afirmativa, não podemos avaliar sobre quem está se afirmando ser campeão mundial de futebol. O sujeito é uma variável que pode ser substituída por um elemento qualquer que transformará a sentença em verdadeira ou falsa. Ou seja, se esse Ele se referir a Pelé (por exemplo) a sentença será verdadeira, caso se refira a Zico (por exemplo) a sentença será falsa. No segundo caso, a depender do valor atribuído para o x, a sentença será verdadeira ou será falsa. Essas sentenças são denominadas sentenças abertas. Existe a possibilidade de essas sentenças serem transformadas em proposições com a utilização de um quantificador ( todo, existe, etc). Mas isso nós veremos mais na frente. Assim, podemos classificar as sentenças em abertas e fechadas. A sentença aberta é aquela em que existe uma variável que faz com que nós não consigamos avaliar se são verdadeiras ou falsas. Já a sentença fechada é aquela que não possui nenhuma variável, todas as informações são bem claras. Por enquanto basta saber que mesmo as sentenças afirmativas e negativas podem ser sentenças abertas e assim não serem consideradas proposições. Isso ocorrerá sempre que houver uma variável e nós não conseguirmos atribuir um valor lógico para elas (vimos isso nesses dois últimos exemplos). O último ponto que vale destacar é a sentença contraditória, o que chamamos de paradoxo. São frases que serão falsas se a considerarmos verdadeiras e serão verdadeiras se a considerarmos falsas. Confuso? Vejamos um exemplo: eu sempre falo mentiras Prof. Marcos Piñon 3 de 69

4 Bom, se eu realmente sempre falo mentiras, essa frase é verdadeira, mas contradiz o que está escrito nela, já que eu estaria falando uma verdade, o que a torna falsa. Por outro lado, se eu não falo mentiras, essa frase é falsa, mas contradiz o que está escrito nela, o que a torna verdadeira. Portanto, uma frase como essa é chamada de paradoxo e não é considerada proposição lógica. Resumindo: Sentenças abertas: Possuem uma variável e por isso não podemos atribuir um valor lógico para elas. Não são proposições. Frases interrogativas, exclamativas ou imperativas: Não conseguimos atribuir um valor lógico para elas. Não são proposições. Paradoxos: Não são considerados proposições Expressões sem sentido completo: Não são consideradas proposições Proposições: São sentenças as quais podemos atribuir um valor lógico Verdadeiro ou Falso. Princípios Existem alguns princípios que regem o estudo da lógica que devem ser vistos aqui: Uma proposição verdadeira é verdadeira; uma proposição falsa é falsa. (Princípio da identidade); Nenhuma proposição poderá ser verdadeira e falsa ao mesmo tempo. (Princípio da Não-Contradição); Uma proposição ou será verdadeira, ou será falsa: não há outra possibilidade. (Princípio do Terceiro Excluído). Esses princípios parecem bem óbvios. E são mesmo! Mas toda a teoria parte destes princípios. Não é preciso decorá-los, foi só pra você ir perdendo o preconceito e vendo que o assunto é bem simples! Vamos às questões!!! (TCE/PB 2006 FCC) Sabe-se que sentenças são orações com sujeito (o termo a respeito do qual se declara algo) e predicado (o que se declara sobre o sujeito). Na relação seguinte há expressões e sentenças: 1. Três mais nove é igual a doze. Prof. Marcos Piñon 4 de 69

5 2. Pelé é brasileiro. 3. O jogador de futebol. 4. A idade de Maria. 5. A metade de um número. 6. O triplo de 15 é maior do que 10. É correto afirmar que, na relação dada, são sentenças apenas os itens de números (A) 1, 2 e 6. (B) 2, 3 e 4. (C) 3, 4 e 5. (D) 1, 2, 5 e 6. (E) 2, 3, 4 e 5. Solução: Nessa questão, vamos avaliar cada item e verificar quais são as sentenças: 1. Três mais nove é igual a doze. Temos um sujeito (Três mais nove) e um predicado (é igual a doze). Portanto, é uma sentença. 2. Pelé é brasileiro. Temos um sujeito (Pelé) e um predicado (é brasileiro). Portanto, é uma sentença. 3. O jogador de futebol. Aqui, temos apenas uma expressão, pois nada é dito a respeito do jogador de futebol. Portanto, não é uma sentença. 4. A idade de Maria. Aqui, temos apenas uma expressão, pois nada é dito a respeito da idade de Maria. Portanto, não é uma sentença. 5. A metade de um número. Aqui, temos apenas uma expressão, pois nada é dito a respeito da metade de um número. Portanto, não é uma sentença. 6. O triplo de 15 é maior do que 10. Temos um sujeito (O triplo de 15) e um predicado (é maior de que 10). Portanto, é uma sentença. Prof. Marcos Piñon 5 de 69

6 Assim, são sentenças os itens 1, 2 e 6. Resposta letra A (Agente Fiscal de Rendas/SP 2006 FCC) Considere as seguintes frases: I. Ele foi o melhor jogador do mundo em II. (x + y)/5 é um número inteiro. III. João da Silva foi o Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo em É verdade que APENAS (A) I é uma sentença aberta. (B) II é uma sentença aberta. (C) I e II são sentenças abertas. (D) I e III são sentenças abertas. (E) II e III são sentenças abertas. Solução: Bom, nessa questão devemos identificar quais das frases são consideradas sentenças abertas. Vimos que Sentenças abertas possuem uma variável e por isso não podemos atribuir um valor lógico para elas. Assim, vamos analisar cada uma: I. Ele foi o melhor jogador do mundo em Bom, nessa frase nós não sabemos identificar sobre quem estamos falando. O Ele é uma variável que, a depender da pessoa a quem esteja se referindo, irá tornar esta frase verdadeira ou falsa. Portanto, temos uma sentença aberta. II. (x + y)/5 é um número inteiro. Nessa frase temos duas variáveis x e y. A depender dos valores atribuídos a x e a y, esta frase será verdadeira ou falsa. Portanto, temos uma sentença aberta. III. João da Silva foi o Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo em Por fim, não temos nenhuma variável, podemos julgá-la verdadeira ou falsa, pois se João da Silva foi o Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo a frase será verdadeira, caso contrário será falsa. Portanto, não temos uma sentença aberta. Resposta letra C. Prof. Marcos Piñon 6 de 69

7 03 - (Agente Fiscal de Rendas/SP 2006 FCC) Das cinco frases abaixo, quatro delas têm uma mesma característica lógica em comum, enquanto uma delas não tem essa característica. I. Que belo dia! II. Um excelente livro de raciocínio lógico. III. O jogo terminou empatado? IV. Existe vida em outros planetas do universo. V. Escreva uma poesia. A frase que não possui essa característica comum é a (A) I. (B) II. (C) III. (D) IV. (E) V. Solução: Nessa questão, a maior dificuldade é saber o que a questão considera como característica lógica comum. Aqui, essa característica lógica comum é sabermos se as frases são ou não proposições. Isso ocorre com certa frequência com questões de concurso, os enunciados às vezes não são muito claros. Qual o problema de perguntar Qual das frases abaixo é uma proposição?. Pois é exatamente isso que a questão quer saber. Vamos analisar cada frase: I. Que belo dia! Temos uma frase exclamativa, que já vimos que não é uma proposição. II. Um excelente livro de raciocínio lógico. Aqui está faltando o predicado, pois nada é dito a respeito de um excelente livro de raciocínio lógico. Assim, esta frase não é uma proposição. III. O jogo terminou empatado? Temos uma frase interrogativa, que já vimos que não é uma proposição. IV. Existe vida em outros planetas do universo. Bom, se existir vida em outro planeta, esta frase será verdadeira, caso não exista vida em outro planeta, esta frase será falsa. Portanto, essa frase é uma proposição. V. Escreva uma poesia. Prof. Marcos Piñon 7 de 69

8 Temos uma frase no imperativo, que já vimos que não é uma proposição. Resposta letra D Voltando à teoria, devemos saber que as proposições podem ser simples ou compostas: A proposição simples é o elemento básico da lógica matemática. Ao dizer Arnaldo é alto estamos fazendo uma única afirmação (ser alto) a respeito de uma única pessoa (Arnaldo). Se disséssemos, por exemplo, Arnaldo é alto e magro, estaríamos diante de duas informações (ser alto e ser magro) a respeito de uma pessoa (Arnaldo). Esse segundo exemplo é o que chamamos proposição composta que é o conjunto de duas ou mais proposições simples. Podemos ver pela definição de proposição composta que ela pode possuir duas ou mais proposições simples, que é o que normalmente encontramos em questões de concurso. Costumamos denominar as proposições simples por letras (A, B, C, P, Q...). Arnaldo é alto A: Arnaldo é Alto Quando estamos diante de uma proposição composta, denominamos cada proposição simples contida nela por uma letra distinta. Arnaldo é alto e magro A: Arnaldo é Alto B: Arnaldo é magro Outro importante elemento da lógica matemática são os operadores lógicos. Eles são os elementos que unem as proposições. A seguir, apresentamos os operadores utilizados na lógica: ~: negação : conjunção (chamado de e ou mas ) v: disjunção (chamamos pela palavra ou ) : condicional (lemos "se... então...") : bicondicional (lê-se "...se e somente se...") v: disjunção exclusiva (sua leitura é "ou...ou...") Os mais comuns em questões de concurso são: ~,, v,. Os outros dois ( e v) também aparecem, só que com menos frequência. Prof. Marcos Piñon 8 de 69

9 Devemos saber, agora, que toda e qualquer proposição deve possuir um valor lógico Verdade ou Falsidade. Se uma proposição é verdadeira, seu valor lógico é verdade e se uma proposição é falsa seu valor lógico é falsidade. Nunca poderá existir uma proposição que seja falsa e verdadeira ao mesmo tempo. Assim, para dizer que uma proposição composta é verdadeira ou falsa, devemos analisar dois itens: o valor lógico de suas proposições simples e o tipo de operador lógico que as une. Vamos ver agora, como funciona cada operador. Para isso, utilizaremos umas tabelinhas chamadas de tabelas-verdade. Essas tabelas indicam qual o resultado da operação para cada possibilidade de valor lógico de suas proposições. ~: negação Vamos ver sua tabela verdade: A ~A V F F V A negação transforma o valor lógico da proposição em seu valor oposto, ou seja, se p é verdadeiro, ~p é falso, ou se p é falso, ~p é verdadeiro. Assim, a negação de p é igual a ~p e a negação de ~p é igual a p. : conjunção ( e ou mas ) Fazendo sua tabela verdade: A B A B V V V V F F F V F F F F Vemos que na conjunção, o valor lógico resultante da operação só será verdadeiro quando todas as suas proposições forem verdadeiras. Caso contrário, se alguma proposição for falsa, o valor lógico resultante será falso, ou seja, basta uma proposição falsa para o resultado ser falso. v: disjunção ( ou ) Construindo sua tabela verdade: Prof. Marcos Piñon 9 de 69

10 A B A v B V V V V F V F V V F F F Percebemos que na disjunção, o valor lógico resultante da operação só será falso quando todas as suas proposições forem falsas. Caso contrário, se alguma proposição for verdadeira, o valor lógico resultante será verdadeiro, ou seja, basta uma proposição verdadeira para o resultado ser verdadeiro. : condicional ( se... então... ) Fazendo sua tabela verdade, temos: A B A B V V V V F F F V V F F V Aqui, vemos que na condicional o valor lógico resultante só será falso se a primeira proposição for verdadeira e a segunda proposição for falsa. Existe uma denominação utilizada na condicional que é de vital importância no estudo para concursos que é saber quem é a condição necessária e quem é a condição suficiente. Numa condicional A B, dizemos que: A é condição suficiente para B B é condição necessária para A : bicondicional (... se e somente se... ) Fazendo sua tabela verdade: A B A B V V V V F F F V F F F V Agora, vemos que na bicondicional o valor lógico da operação será verdadeiro se as duas proposições tiverem o mesmo valor, ou seja, se as duas forem verdadeiras ou as duas forem falsas. Caso contrário, se as duas proposições tiverem valores lógicos diferentes, o valor lógico resultante da operação será falso. Prof. Marcos Piñon 10 de 69

11 Aqui também existe uma denominação particular. Numa bicondicional A B, dizemos que: A é condição necessária e suficiente para B B é condição necessária e suficiente para A Podemos olhar para uma bicondicional como sendo a união de duas condicionais. Vejamos: A B é o mesmo que (A B) (B A). v: disjunção exclusiva ( ou... ou... ) Fazendo sua tabela verdade: A B A v B V V F V F V F V V F F F Para esse operador devemos observar que seu resultado será verdadeiro se os valores lógicos das duas proposições forem diferentes. Caso contrário, se os valores lógicos das duas proposições forem iguais, seu valor lógico será falso. Vale destacar que este operador v difere do operador v, pois se as duas proposições ( A e B ) forem verdadeiras, o resultado será verdadeiro para a disjunção simples ( ou ) e será falso para a disjunção exclusiva ( ou... ou... ). Antes das questões, vamos aprender a construir uma tabela verdade qualquer. Para construir a tabela-verdade, primeiro é importante saber quantas linhas e quantas colunas terá esta tabela. Para ilustrar melhor essa explicação, vamos construir a tabela-verdade da proposição (A v B) (C ~A). Para começar, o número de linhas vai depender da quantidade de variáveis distintas da proposição. Essa quantidade é dada por 2 n, onde n é a quantidade de variáveis. Ou seja, quando temos 2 variáveis, teremos 2 2 = 4 linhas. Para 3 variáveis, teremos 2 3 = 8 linhas, e assim por diante. No caso do nosso exemplo, temos 3 variáveis (A, B e C), portanto, teremos 2 3 = 8 linhas. Agora, precisamos saber quantas colunas terá nossa tabela. Esse número de colunas pode variar, mas deve ter no mínimo uma coluna para cada variável e uma coluna para o resultado a ser calculado. No nosso exemplo teríamos 4 colunas (3 variáveis + 1 resultado). Essa é a quantidade mínima. De forma mais didática, fazemos uma coluna para cada variável e uma coluna para cada Prof. Marcos Piñon 11 de 69

12 operação. No nosso exemplo temos 3 variáveis (A, B e C) e 4 operações ( ~A, v, e ), um total de = 7 colunas. Temos, também, que adicionar uma linha para o cabeçalho, que terá primeiro as variáveis e depois as operações, prevalecendo a ordem da matemática. Vamos partir para o desenho: A B C ~A A v B C ~A (A v B) (C ~A) Cabeçalho 8 linhas Agora, é só preencher a tabela. Começamos pelas variáveis, listando todas as possíveis combinações. No nosso exemplo A, B e C podem ser: VVV, VVF, VFV, VFF, FVV, FVF, FFV e FFF. A B C ~A A v B C ~A (A v B) (C ~A) V V V V V F V F V V F F F V V F V F F F V F F F Por fim, fazemos as operações, sempre na ordem da matemática (primeiro o que está dentro dos parênteses, em seguida, o que está dentro dos colchetes e, por fim, o que está fora): A B C ~A A v B C ~A (A v B) (C ~A) V V V F V F F V V F F V F F V F V F V F F V F F F V F F F V V V V V V F V F V V F F F F V V F V V F F F V F F V Pra fixar, vamos às questões! 7 colunas Prof. Marcos Piñon 12 de 69

13 (Agente Fiscal de Rendas/SP 2006 FCC) Considere a proposição Paula estuda, mas não passa no concurso. Nessa proposição, o conectivo lógico é: (A) condicional. (B) bicondicional. (C) disjunção inclusiva. (D) conjunção. (E) disjunção exclusiva. Solução: Nessa questão, devemos simplesmente identificar qual o conectivo da frase Paula estuda, mas não passa no concurso. Vimos que os conectivos unem duas proposições simples. Assim: Paula estuda, mas não passa no concurso Separando as proposições simples, percebemos que o conectivo é o mas, que, como vimos na parte teórica, trata-se de uma conjunção. Resposta letra D (TJ/SE 2009 FCC) Considere as seguintes premissas: p : Trabalhar é saudável q : O cigarro mata. A afirmação Trabalhar não é saudável" ou "o cigarro mata é FALSA se (A) p é falsa e ~q é falsa. (B) p é falsa e q é falsa. (C) p e q são verdadeiras. (D) p é verdadeira e q é falsa. (E) ~p é verdadeira e q é falsa. Solução: Nessa questão, temos as proposições simples p e q, e devemos saber quando que a proposição composta ~p v q é falsa. Vimos que para uma disjunção ser falsa, todas as suas proposições devem ser falsas. Assim, ~p deve ser falsa e q deve ser falsa para que a proposição ~p v q seja falsa. Ou seja, p deve ser verdadeira e q deve ser falsa. Vamos analisar cada alternativa: Prof. Marcos Piñon 13 de 69

14 (A) p é falsa e ~q é falsa. Vimos que a proposição p deve ser verdadeira. Alternativa incorreta. (B) p é falsa e q é falsa. Vimos que a proposição p deve ser verdadeira. Alternativa incorreta. (C) p e q são verdadeiras. Vimos que a proposição q deve ser falsa. Alternativa incorreta. (D) p é verdadeira e q é falsa. Realmente, p deve ser verdadeira e q deve ser falsa. Alternativa correta. (E) ~p é verdadeira e q é falsa. Vimos que a proposição ~p deve ser falsa. Alternativa incorreta. Resposta letra D (PROMINP 2010 CESGRANRIO) Assinale a alternativa que apresenta uma proposição composta cujo valor lógico é verdadeiro. (A) 4 2 = 2 4 ( 3) 2 = 9 (B) = 6 v 21 é primo (C) < 2 (D) 3 2 = 8 1 < 2 (E) 3 2 = Solução: Bom, a questão pede que marquemos a alternativa que apresenta uma proposição composta com valor lógico verdadeiro. Para isso, vamos analisar cada alternativa: (A) 4 2 = 2 4 ( 3) 2 = 9 Nessa alternativa, estamos diante de uma conjunção ( ). Toda conjunção só será verdadeira se os valores lógicos de suas proposições simples forem todos verdadeiros. Com isso, devemos testar se 4 2 = 2 4 é verdadeiro e se ( 3) 2 = 9 também é verdadeiro: 4 2 = = 16 Temos uma identidade, o que prova que esta proposição simples é verdadeira. Prof. Marcos Piñon 14 de 69

15 ( 3) 2 = 9 9 = -9 Como 9 não é igual a 9, estamos diante de uma proposição falsa. Assim: 4 2 = 2 4 ( 3) 2 = 9 V F (a conjunção V F possui valor lógico falso) F Portanto, este item não possui valor lógico verdadeiro. Item errado! (B) = 6 v 21 é primo Nessa alternativa, estamos diante de uma disjunção (v). Toda disjunção será verdadeira se os valores lógicos de qualquer uma de suas proposições simples forem verdadeiros. Com isso, basta que = 6 seja verdadeiro ou que 21 é primo seja verdadeiro: = 6 5 = 6 Como 5 não é igual a 6, estamos diante de uma proposição falsa. 21 é primo Como 21 não é um número primo, já que ele é divisível por 1, 3, 7 e 21, esta proposição é falsa (lembrando que um número natural é primo quando ele é divisível apenas por 1 e por ele mesmo). Assim: = 6 v 21 é primo F v F (a disjunção F v F possui valor lógico falso) F Portanto, este item não possui valor lógico verdadeiro. Item errado! (C) < 2 Nessa alternativa, estamos diante de uma condicional ( ). A condicional será verdadeira sempre que a primeira proposição for falsa ou quando as duas proposições forem verdadeiras. Com isso, basta que 7 7 seja falsa, ou, se 7 7 for verdadeira, que 1 < 2 também seja verdadeira: 7 7 Como 7 = 7, esta proposição é verdadeira. Com isso, a proposição 1 < 2 também deverá ser verdadeira para que a condicional seja verdadeira: Prof. Marcos Piñon 15 de 69

16 1 < 2 Como 1 é maior do que 2, esta proposição é falsa. Assim: < 2 V F (a condicional V F possui valor lógico falso) F Portanto, este item não possui valor lógico verdadeiro. Item errado! (D) 3 2 = 8 1 < 2 Nessa alternativa, estamos mais uma vez diante de uma condicional ( ). Vimos no item anterior que a condicional será verdadeira sempre que a primeira proposição for falsa ou quando as duas proposições forem verdadeiras. Com isso, basta que 3 2 = 8 seja falsa, ou, se 3 2 = 8 for verdadeira, que 1 < 2 também seja verdadeira: 3 2 = 8 9 = 8 Como 9 não é igual a 8, esta proposição é falsa. Assim, isso já é suficiente para que a proposição 3 2 = 8 1 < 2 seja verdadeira, pois para F K, K pode possuir qualquer valor lógico que esta condicional será verdadeira. Item correto! (E) 3 2 = Só para ilustrar, estamos mais uma vez diante de uma condicional. Assim: 3 2 = 1 1 = 1 Como 1 é igual a 1, esta proposição é verdadeira. 4 3 Como 4 é maior do que 3, esta proposição é falsa. Com isso: 3 2 = V F (a condicional V F possui valor lógico falso) F Portanto, este item não possui valor lógico verdadeiro. Item errado! Resposta letra D. Prof. Marcos Piñon 16 de 69

17 07 - (CITEPE 2009 CESGRANRIO) Considere as proposições simples abaixo. p: Janaína é irmã de Mariana. q: Mariana é filha única. Simbolizam-se por ~p e ~q, respectivamente, as negações de p e de q. A proposição composta ~p q corresponde a: (A) Janaína é irmã de Mariana e Mariana é filha única. (B) Janaína não é irmã de Mariana e Mariana é filha única. (C) Janaína não é irmã de Mariana ou Mariana é filha única. (D) Janaína não é irmã de Mariana ou Mariana não é filha única. (E) Se Janaína não é irmã de Mariana, então Mariana é filha única. Solução: Nessa questão, temos: p: Janaína é irmã de Mariana. q: Mariana é filha única. Queremos saber como fica na linguagem corrente a proposição ~p q: ~p: Janaína não é irmã de Mariana. Assim, ~p q ~p q: Janaína não é irmã de Mariana e Mariana é filha única Resposta letra B (TRT 9ª Região 2004 FCC) Leia atentamente as proposições simples P e Q: P: João foi aprovado no concurso do Tribunal. Q: João foi aprovado em um concurso. Do ponto de vista lógico, uma proposição condicional correta em relação a P e Q é: (A) Se não Q, então P. (B) Se não P, então não Q. (C) Se P, então Q. (D) Se Q, então P. Prof. Marcos Piñon 17 de 69

18 (E) Se P, então não Q. Solução: Vimos que numa condicional, quando a primeira proposição simples é verdadeira, a segunda também deverá ser verdadeira para que a condicional seja verdadeira. Caso a primeira proposição simples seja falsa, a segunda proposição simples pode ser verdadeira ou falsa que a condicional será verdadeira. Agora, vamos analisar cada alternativa: (A) Se não Q, então P. Se João não foi aprovado em um concurso então João foi aprovado no concurso do Tribunal. Veja que se a primeira proposição simples for verdadeira (João não foi aprovado em um concurso) a segunda será falsa (pois ele não poderá ter sido aprovado no concurso do Tribunal). Portanto, essa condicional não está correta. (B) Se não P, então não Q. Se João não foi aprovado no concurso do Tribunal então João não foi aprovado em um concurso. Veja que se a primeira proposição simples for verdadeira (João não foi aprovado no concurso do Tribunal) a segunda poderá ser falsa ou verdadeira (pois ele pode ou não ter sido aprovado em outro concurso). Portanto, essa condicional não está correta. (C) Se P, então Q. Se João foi aprovado no concurso do Tribunal então João foi aprovado em um concurso. Veja que se a primeira proposição simples for verdadeira (João foi aprovado no concurso do Tribunal) com certeza a segunda será verdadeira (pois ele certamente terá sido aprovado em um concurso: o do próprio Tribunal). Portanto, essa condicional está correta. (D) Se Q, então P. Se João foi aprovado em um concurso então João foi aprovado no concurso do Tribunal. Veja que se a primeira proposição simples for verdadeira (João foi aprovado em um concurso) a segunda poderá ser falsa ou verdadeira (pois ele poderá ter sido Prof. Marcos Piñon 18 de 69

19 aprovado ou não no concurso do Tribunal, já que ele pode ter sido aprovado em outro concurso). Portanto, essa condicional não está correta. (E) Se P, então não Q. Se João foi aprovado no concurso do Tribunal então João não foi aprovado em um concurso. Veja que se a primeira proposição simples for verdadeira (João foi aprovado no concurso do Tribunal) a segunda certamente será falsa (pois ele realmente foi aprovado em um concurso). Portanto, essa condicional não está correta. Resposta letra C (Agente Fiscal de Rendas/SP 2006 FCC)) Considere o argumento seguinte: Se o controle de tributos é eficiente e é exercida a repressão à sonegação fiscal, então a arrecadação aumenta. Ou as penalidades aos sonegadores não são aplicadas ou o controle de tributos é ineficiente. É exercida a repressão à sonegação fiscal. Logo, se as penalidades aos sonegadores são aplicadas, então a arrecadação aumenta. Se para verificar a validade desse argumento for usada uma tabela-verdade, qual deverá ser o seu número de linhas? (A) 4 (B) 8 (C) 16 (D) 32 (E) 64 Solução: Lembram-se da quantidade de linhas da tabela-verdade? É igual 2 n, onde n é a quantidade de variáveis. Assim, basta contarmos a quantidade de variáveis envolvidas no argumento: Se o controle de tributos é eficiente e é exercida a repressão à sonegação fiscal, então a arrecadação aumenta. Ou as penalidades aos sonegadores não são aplicadas ou o controle de tributos é ineficiente. É exercida a repressão à sonegação fiscal. Prof. Marcos Piñon 19 de 69

20 Logo, se as penalidades aos sonegadores são aplicadas, então a arrecadação aumenta. Pelas cores que eu destaquei, podemos perceber que temos 4 variáveis (letras que representam as proposições simples). Por exemplo: p: o controle de tributos é eficiente q: é exercida a repressão à sonegação fiscal r: a arrecadação aumenta s: as penalidades aos sonegadores são aplicadas Portanto, o número de linhas da tabela verdade é dado por: 2 n = 2 4 = 16 Resposta letra C (Agente Fiscal de Rendas/SP 2006 FCC) Na tabela-verdade abaixo, p e q são proposições. p q? V V F V F V F V F F F F A proposição composta que substitui corretamente o ponto de interrogação é (A) p q (B) ~ (p v q) (C) p q (D) p q (E) ~(p q) Solução: Bom, uma maneira de resolver essa questão é construir a tabela-verdade de cada alternativa e compará-las com o enunciado. Vamos lá! (A) p q Essa é direta Prof. Marcos Piñon 20 de 69

21 Portanto, alternativa incorreta. p q p q V V V V F F F V F F F V (B) ~ (p v q) Aqui temos a negação de uma disjunção simples Portanto, alternativa incorreta. p q p v q ~(p v q) V V V F V F V F F V V F F F F V (C) p q Essa também é direta Portanto, alternativa incorreta. p q p q V V V V F F F V F F F F (D) p q Mais uma direta Portanto, alternativa incorreta. p q p q V V V V F F F V V F F V Prof. Marcos Piñon 21 de 69

22 (E) ~(p q) Aqui temos a negação de uma condicional Portanto, alternativa correta. Resposta letra E. p q p q ~(p q) V V V F V F F V F V V F F F V F Tautologia, Contradição e Contingência Esses assuntos são bem simples. Tratam-se, na verdade, de casos particulares das proposições compostas. Por meio da tabela-verdade é possível identificá-los de maneira rápida e direta. Vejamos: Tautologia - Dizemos que uma proposição composta é uma tautologia (ou uma proposição logicamente verdadeira) quando, ao testarmos todos os possíveis valores lógicos de suas proposições simples, por meio de sua tabela-verdade, a última coluna contém somente a letra V. Ou melhor, é toda proposição composta cujo valor lógico será sempre verdadeiro, independentemente dos valores lógicos de suas proposições simples. Exemplo: p v ~p p ~p p v ~p V F V F V V Contradição - Dizemos que uma proposição composta é uma contradição (ou uma proposição logicamente falsa) quando, ao testarmos todos os possíveis valores lógicos de suas proposições simples, por meio de sua tabela-verdade, a última coluna contém somente a letra F. Ou melhor, é toda proposição composta cujo valor lógico será sempre F (falsidade), independentemente dos valores lógicos de suas proposições simples. A contradição é o oposto da tautologia, pois enquanto na tautologia há unanimidade da letra V na última coluna da tabelaverdade, na contradição somente aparece a letra F. Prof. Marcos Piñon 22 de 69

23 Exemplo: p ~p p ~p p ~p V F F F V F Aqui vale fazer uma observação: Toda negação de uma tautologia consiste numa contradição e toda negação de uma contradição resulta numa tautologia. A contingência é toda proposição composta que não é nem uma tautologia nem uma contradição. Há, pelo menos, um V e um F na última coluna da tabelaverdade. É bem simples, caso a proposição composta não seja nem uma tautologia nem uma contradição, será chamada de contingência. Exemplo: p q Vamos às questões!!! p q p q V V V V F F F V F F F F (Agente Fiscal de Rendas/SP 2006 FCC) Seja a sentença aberta A: (~p v p) e a sentença B: Se o espaço for ocupado por uma (I), a sentença A será uma (II). A sentença B se tornará verdadeira se I e II forem substituídos, respectivamente, por (A) tautologia e contingência. (B) contingência e contingência. (C) contradição e tautologia. (D) contingência e contradição. (E) tautologia e contradição. Solução: Essa é uma questão muito interessante. Podemos perceber que o retângulo poderá tornar a sentença A uma tautologia, uma contradição ou uma contingência. Vejamos: A: (~p v p) Prof. Marcos Piñon 23 de 69

24 Analisando esta bicondicional, podemos perceber que (~p v p) será sempre verdadeira: p ~p ~p v p V F V F V V Assim, podemos reescrever A da seguinte forma: A: V Logo, sabendo que uma bicondicional é verdadeira quando os dois termos possuem o mesmo valor lógico e que a bicondicional é falsa quando os dois termos possuem valores lógicos diferentes, podemos concluir que A será verdadeira quando o retângulo for verdadeiro e será falsa quando o retângulo for falso. Assim, temos três opções para o retângulo: sempre verdadeiro (tautologia), sempre falso (contradição) ou às vezes verdadeiro às vezes falso (contingência). Para cada uma dessas três opções, a proposição A terá um comportamento diferente: Para o retângulo considerado uma tautologia A também é uma tautologia Para o retângulo considerado uma contradição A também é uma contradição Para o retângulo considerado uma contingência A também é uma contingência Portanto, a única alternativa apresentada que satisfaz essa análise é a letra B. Resposta letra B (Agente Fiscal de Rendas/SP 2006 FCC) Dada a sentença ~(~p q r), complete o espaço com uma e uma só das sentenças simples p, q, r ou a sua negação ~p, ~q ou ~r para que a sentença dada seja uma tautologia. Assinale a opção que responde a essa condição. (A) Somente q. (B) Somente p. (C) Somente uma das duas: q ou r. (D) Somente uma das três: ~p, q ou r. (E) Somente uma das três: p, ~q ou ~r. Solução: Bom, devemos lembrar que uma condicional só será falsa se a primeira proposição for verdadeira e a segunda for falsa, ou seja, se o retângulo tiver valor Prof. Marcos Piñon 24 de 69

25 lógico verdadeiro e a proposição ~(~p q r) tiver valor lógico falso. Assim, vamos primeiro verificar as possibilidades da proposição ~(~p q r) ser falsa. Olhando com cuidado, podemos perceber que temos uma negação da proposição (~p q r). Assim, essa negação só será falsa quando a proposição (~p q r) for verdadeira. Essa proposição é uma conjunção, que só será verdadeira quando ~p, q e r forem verdadeiras simultaneamente. Com isso, podemos concluir que sempre que o retângulo for substituído pelas proposições ~p, q ou r, a condicional poderá ter um valor falso (e não será uma tautologia), pois teremos: ~p sendo verdadeiro ~p ~(~p q r) V ~(V q r), que será falso para q e r verdadeiros q sendo verdadeiro q ~(~p q r) V ~(~p V r), que será falso para ~p e r verdadeiros r sendo verdadeiro r ~(~p q r) V ~(~p q V), que será falso para ~p e q verdadeiros Assim, podemos concluir que só teremos tautologia quando p, ~q ou ~r substituírem o retângulo. Resposta letra E (PROMINP 2010 CESGRANRIO) Abaixo são apresentadas 3 proposições compostas. I. p ~p II. p v ~p III. p p É(São) tautologia(s) APENAS (A) I. (B) II. (C) I e II. (D) I e III. (E) II e III. Prof. Marcos Piñon 25 de 69

26 Solução: Conforme vimos acima, uma proposição composta é considerada uma tautologia (ou logicamente verdadeira) se sua tabela-verdade apresenta apenas valor V para todos os possíveis valores lógicos de suas proposições simples. Assim, vamos analisar cada um dos três itens por meio de suas tabelas-verdade: I. p ~p p ~p p ~p V F F F V F Olhando para a tabela-verdade, percebemos que não se trata de uma tautologia, e sim, de uma contradição (só apresenta valor F na última coluna). Item errado. II. p v ~p p ~p p v ~p V F V F V V Olhando para a tabela-verdade, percebemos que se trata de uma tautologia, pois só aparece valor V na última coluna. Item correto. III. p p p V F p p V V Olhando para a tabela-verdade, percebemos que se trata de uma tautologia, pois só aparece valor V na última coluna. Item correto. Portanto, apenas II e III são tautologias. Resposta letra E (CITEPE 2009 CESGRANRIO) Tautologias são proposições compostas cuja tabela-verdade dá sempre verdadeiro, não importando se as proposições simples p e q são verdadeiras ou falsas. Na proposição composta p (p q) os símbolos e representam conectivos. Assinale a alternativa que apresenta, na ordem, conectivos que, ao substituírem o quadrado e o triângulo, transformam a proposição composta em uma tautologia. Prof. Marcos Piñon 26 de 69

27 (A) v (B) (C) (D) (E) v Solução: Bom, uma maneira de resolver essa questão é testar cada uma das cinco alternativas e verificar se resultam em tautologia ou não. Vamos lá! (A) v p q p v q p (p v q) V V V V V F V V F V V V F F F V Portanto, já encontramos a resposta da nossa questão. Item correto. De qualquer forma, vamos continuar testando as outras alternativas. (B) p q p q p (p q) V V V V V F F F F V F V F F F V Portanto, não é uma tautologia. Item errado. (C) p q p q p (p q) V V V V V F F F F V V F F F V F Portanto, não é uma tautologia. Item errado. (D) Prof. Marcos Piñon 27 de 69

28 p q p q p (p q) V V V V V F F F F V F F F F F F Portanto, não é uma tautologia. Item errado. (E) v p q p v q p (p v q) V V V V V F V V F V V F F F F F Portanto, não é uma tautologia. Item errado. Resposta letra A Implicação Lógica Dizemos que uma proposição A implica em outra B, se B é verdadeira todas as vezes que A é verdadeira. Assim, em nenhuma linha da tabela-verdade de A e B aparece VF, ou seja, não temos simultaneamente o A verdadeiro e o B falso. Usamos para a implicação o símbolo. Vamos ver um exemplo: p (p v q) p q p v q V V V V F V F V V F F F Podemos dizer que p p v q, pois sempre que o p é verdadeiro, p v q também é verdadeiro. Devemos notar que uma proposição A implica numa proposição B, sempre que a condicional A B for verdadeira. Das possíveis implicações, a mais importante para concurso é a propriedade transitiva: Prof. Marcos Piñon 28 de 69

29 (p q) (q r) p r p q r p q q r (p q) (q r) p r V V V V V V V V V F V F F F V F V F V F V V F F F V F F F V V V V V V F V F V F F V F F V V V V V F F F V V V V 4 - Equivalência Lógica Dizemos que duas proposições são equivalentes se elas forem formadas pelas mesmas proposições simples e suas tabelas-verdade forem iguais. Ou seja, pra os mesmos valores lógicos de suas proposições simples, seus valores resultantes serão sempre os mesmos. Usamos para a equivalência o símbolo " ". Vamos ver um exemplo: A proposição ~p v q e a proposição p q : p q ~p ~p v q p q V V F V V V F F F F F V V V V F F V V V Podemos dizer que ~p v q p q, pois as suas tabelas verdade são iguais, conforme mostrado acima. Devemos notar que uma proposição A é equivalente à proposição B, sempre que a bicondicional A B for verdadeira. Negação de proposições compostas Algumas das principais equivalências são aquelas que negam as proposições compostas. Já vimos o operador ~ (negação) utilizado numa proposição simples. Veremos, agora, o que ocorre se negarmos uma proposição composta. O resultado dependerá da estrutura dessa proposição. Negação da conjunção: ~(p q) Prof. Marcos Piñon 29 de 69

30 Para realizar a negação de uma conjunção, executaremos 3 passos: 1- Negamos o p 2- Negamos o q 3- Substituímos o e pelo ou Portanto, a negação de (p q) é (~p v ~q). Podemos dizer então que: ~(p q) ~p v ~q Não iremos demonstrar aqui, como chegamos a este resultado. Basta saber que a tabela-verdade da proposição composta e de sua negação devem ser opostas, ou seja, sempre que uma for verdadeira, a outra deverá ser falsa e sempre que uma for falsa a outra deverá ser verdadeira. p q ~p ~q p q ~(p q) ~p v ~q V V F F V F F V F F V F V V F V V F F V V F F V V F V V Negação da disjunção: ~(p v q) Para realizar a negação de uma disjunção, executaremos, também, 3 passos: 1- Negamos o p 2- Negamos o q 3- Substituímos o ou pelo e Portanto, a negação de (p v q) é (~p ~q). Podemos dizer então que: ~(p v q) ~p ~q Da mesma forma que a conjunção, vamos apenas demonstrar a tabela-verdade: p q ~p ~q p v q ~(p v q) ~p ~q V V F F V F F V F F V V F F F V V F V F F F F V V F V V Negação da condicional: ~(p q) Para realizar a negação de uma condicional, executaremos, mais uma vez, 3 passos: Prof. Marcos Piñon 30 de 69

31 1- Mantemos o p 2- Negamos o q 3- Substituímos o se... então... pelo e Portanto, a negação de (p q) é (p ~q). Podemos dizer então que: ~(p q) p ~q Vamos, mais uma vez, apenas demonstrar a tabela-verdade: p q ~p ~q p q ~(p q) p ~q V V F F V F F V F F V F V V F V V F V F F F F V V V F F Negação da bicondicional: ~(p q) Na negação da bicondicional (p q), que como vimos acima, é o mesmo que (p q) (q p), faremos o que já aprendemos para a negação da conjunção e da condicional. Vejamos: 1- Chamamos p q de k 2- Chamamos q p de j Teremos então uma conjunção: k j Para negar uma conjunção, já vimos que devemos negar as proposições e trocar o operador e por ou. Assim: ~(k j) = ~k v ~j Retornando os valores de k e j, temos: ~(p q) v ~(q p) Substituindo, agora, o que aprendemos para a negação da condicional, temos: ~(p q) v ~(q p) = (p ~q) v (q ~p) Portanto, a negação de (p q) é (p ~q) v (q ~p). ~(p q) (p ~q) v (q ~p) Vamos, mais uma vez, apenas demonstrar a tabela-verdade: Prof. Marcos Piñon 31 de 69

32 p q ~p ~q p q ~(p q) (p ~q) (q ~p) (p ~q) v (q ~p) V V F F V F F F F V F F V F V V F V F V V F F V F V V F F V V V F F F F Vamos a algumas questões! (PROMINP 2010 CESGRANRIO) A negação de p ~q é (A) p q (B) ~p q (C) p v q (D) p ~q (E) p q Solução: Devemos saber que a negação de uma condicional A B é dada por: ~(A B) = A ~B Ou seja, mantemos o primeiro termo (A), substituímos a condicional ( ) por uma conjunção ( ), e negamos o segundo termo (B) Assim, a negação de p ~q é dada por: ~(p ~q) = p ~(~q) ~(p ~q) = p q Resposta letra E (CITEPE 2009 CESGRANRIO) A negação da proposição composta Janaína é irmã de Mariana e Mariana não é filha única é (A) se Janaína é irmã de Mariana, então Mariana é filha única. (B) se Janaína não é irmã de Mariana, então Mariana não é filha única. (C) se Janaína não é irmã de Mariana, então Mariana é filha única. (D) Janaína é irmã de Mariana e Mariana é filha única. (E) Janaína não é irmã de Mariana ou Mariana é filha única. Solução: Prof. Marcos Piñon 32 de 69

33 Passando a proposição Janaína é irmã de Mariana e Mariana não é filha única para a linguagem simbólica, temos: Janaína é irmã de Mariana e Mariana não é filha única Portanto, devemos negar uma proposição composta do tipo A B (uma conjunção). Sabemos que a negação dessa conjunção é dada por: ~(A B) = ~A v ~B Assim, a negação de p ~q é dada por: ~(p ~q) = ~p v ~(~q) que é o mesmo que ~(p ~q) = ~p v q Assim, temos: p: Janaína é irmã de Mariana. q: Mariana é filha única. e ~p: Janaína não é irmã de Mariana. ~q: Mariana não é filha única. Por fim, ~p v q = Janaína não é irmã de Mariana ou Mariana é filha única Resposta letra E. p ~q Voltando para a teroria... Mais Equivalências Lei Associativa (A B) C A (B C) (A v B) v C A v (B v C) Prof. Marcos Piñon 33 de 69

34 Essa propriedade, que vale apenas para a conjunção e para a disjunção, pode ser verificada por meio da tabela-verdade. Vamos demonstrar a propriedade para a conjunção: A B C A B (A B) C B C A (B C) V V V V V V V V V F V F F F V F V F F F F V F F F F F F F V V F F V F F V F F F F F F F V F F F F F F F F F F F O mesmo pode ser verificado para a disjunção (tente em casa!). Lei Distributiva A (B v C) (A B) v (A C) A v (B C) (A v B) (A v C) Mais uma vez, a propriedade só vale para a conjunção e para a disjunção. Vamos demonstrar, por meio da tabela-verdade: A B C B v C A (B v C) A B A C (A B) v (A C) V V V V V V V V V V F V V V F V V F V V V F V V V F F F F F F F F V V V F F F F F V F V F F F F F F V V F F F F F F F F F F F F Dupla Negação ~(~A) A Essa é bem intuitiva. Vamos direto para a tabela-verdade: A ~A ~(~A) V F V F V F Equivalências da Condicional Prof. Marcos Piñon 34 de 69

35 ~A A A Vamos direto para a tabela-verdade: A B ~A v B A B ~B ~A A ~A ~A A V F V F V F Essas são as equivalências mais importantes. Vamos demonstrar as duas com uma única tabela-verdade: A B ~A ~B A B ~A v B ~B ~A V V F F V V V V F F V F F F F V V F V V V F F V V V V V Equivalências da Bicondicional A B (A B) (B A) A B (A B) v (~A ~B) Para concluir, as duas últimas equivalências: A B A B B A A B (A B) (B A) V V V V V V V F F V F F F V V F F F F F V V V V A B ~A ~B A B ~A ~B A B (A B) v (~A ~B) V V F F V F V V V F F V F F F F F V V F F F F F F F V V F V V V Agora, para fixar, vamos listar todas as equivalências citadas acima: (A B) C A (B C) (A v B) v C A v (B v C) A (B v C) (A B) v (A C) A v (B C) (A v B) (A v C) Prof. Marcos Piñon 35 de 69

36 ~(~A) A ~A A A A B ~A v B A B ~B ~A A B (A B) (B A) A B (A B) v (~A ~B) Não é preciso decorar essas equivalências, pois todas elas podem ser demonstradas a qualquer momento. No entanto, na medida em que formos resolvendo as questões, iremos perceber que elas podem ser muito úteis. Com o tempo, algumas dessas equivalências serão decoradas por você naturalmente. Isso fará com que você ganhe tempo na hora da prova. Vamos às questões!!! (Agente Fiscal de Rendas/SP 2006 FCC) Se p e q são proposições, então a proposição p (~q) é equivalente a (A) ~(q ~p) (B) ~(p v q) (C) ~(p ~q) (D) ~(p q) (E) ~q ~p Solução: Nessa questão, podemos simplesmente construir a tabela-verdade de todas as alternativas e compará-las com a tabela verdade da proposição do enunciado. Outra forma de resolver é tentar simplificar as proposições das alternativas tentando encontrar a proposição do enunciado. Vejamos: (A) ~(q ~p) A negação dessa condicional é dada por: ~(q ~p) = q ~(~p) = q p = p q (que é diferente da proposição do enunciado). Item errado (B) ~(p v q) A negação dessa disjunção é dada por: ~(p v q) = ~p ~q (que é diferente da proposição do enunciado). Item errado. (C) ~(p ~q) Prof. Marcos Piñon 36 de 69

37 A negação dessa condicional é dada por: ~(p ~q) = p ~(~q) = p q (que é diferente da proposição do enunciado). Item errado. (D) ~(p q) A negação dessa condicional é dada por: ~(p q) = p ~q (que é igual à proposição do enunciado). Item correto. (E) ~q ~p Nessa última alternativa, já temos a condicional resultante. Sabemos que uma condicional qualquer só possui um possível valor lógico falso, enquanto que uma conjunção só possui um possível valor lógico verdadeiro. Logo, essas proposições não podem ser equivalentes. Item errado. Resposta letra D (PROMINP 2010 CESGRANRIO) Assinale a alternativa que apresenta uma proposição logicamente equivalente a ~p q. (A) p q (B) p ~q (C) q ~p (D) ~q p (E) ~q ~p Solução: Devemos lembrar que duas proposições são ditas equivalentes quando elas possuem a mesma tabela-verdade, ou seja, os mesmos valores lógicos. Assim, para resolver esta questão basta construir a tabela verdade de cada uma das alternativas e comparar com a tabela-verdade de ~p q: p q ~p ~p q V V F V V F F V F V V V F F V F Comparando com as alternativas, temos: (A) p q Prof. Marcos Piñon 37 de 69

38 p q ~p p q ~p q V V F V V V F F F V F V V V V F F V V F Item errado, pois as tabelas-verdade não são iguais. (B) p ~q p q ~p ~q p ~q ~p q V V F F F V V F F V V V F V V F V V F F V V V F Item errado, pois as tabelas-verdade não são iguais. (C) q ~p p q ~p q ~p ~p q V V F F V V F F V V F V V V V F F V V F Item errado, pois as tabelas-verdade não são iguais. (D) ~q p p q ~p ~q ~q p ~p q V V F F V V V F F V V V F V V F V V F F V V F F Item correto, pois suas tabelas-verdade são iguais. Essa é a resposta. (E) ~q ~p Prof. Marcos Piñon 38 de 69

VEJA O CONTEÚDO DO ÚLTIMO EDITAL (2011/2012, ORGANIZADO PELA FCC)

VEJA O CONTEÚDO DO ÚLTIMO EDITAL (2011/2012, ORGANIZADO PELA FCC) AULA 01 CONCEITOS BÁSICOS DE LÓGICA E PRINCÍPIOS Olá amigos, meu nome é Adeilson de Melo. Fui convidado para ministrar aulas dessa apaixonante matéria que é o Raciocínio Lógico Matemático. ESPERO QUE TODOS

Leia mais

CEDERJ MÉTODOS DETERMINÍSTICOS 1 - EP4. Prezado Aluno,

CEDERJ MÉTODOS DETERMINÍSTICOS 1 - EP4. Prezado Aluno, CEDERJ MÉTODOS DETERMINÍSTICOS 1 - EP4 Prezado Aluno, Neste EP daremos sequência ao nosso estudo da linguagem da lógica matemática. Aqui veremos o conectivo que causa mais dificuldades para os alunos e

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático

Raciocínio Lógico Matemático Raciocínio Lógico Matemático Cap. 5 - Equivalência Lógica Equivalência Lógica Caro aluno, no último capítulo estudamos as implicações lógicas e foi enfatizado que o ponto fundamental da implicação lógica

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Agente de Polícia Federal Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova de Agente / PF Neste artigo, farei a análise das questões

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do TRE/MT, aplicada em 13/12/2015.

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do TRE/MT, aplicada em 13/12/2015. de Raciocínio Lógico do TRE/MT, aplicada em 13/12/2015. Raciocínio Lógico p/ TRE-MT Analista Judiciário QUESTÃO 19 Um grupo de 300 soldados deve ser vacinado contra febre amarela e malária. Sabendo-se

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do MPOG/ENAP de 2015, aplicada em 30/08/2015.

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do MPOG/ENAP de 2015, aplicada em 30/08/2015. de Raciocínio Lógico do MPOG/ENAP de 2015, aplicada em 30/08/2015. Considerando a proposição P: Se João se esforçar o bastante, então João conseguirá o que desejar, julgue os itens a seguir. 43 A proposição

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

I. Conjunto Elemento Pertinência

I. Conjunto Elemento Pertinência TEORI DOS CONJUNTOS I. Conjunto Elemento Pertinência Conjunto, elemento e pertinência são três noções aceitas sem definição, ou seja, são noções primitivas. idéia de conjunto é praticamente a mesma que

Leia mais

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Negação de Proposições e Leis de De Morgan... 3 Relação das questões comentadas... 9 Gabaritos...

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Negação de Proposições e Leis de De Morgan... 3 Relação das questões comentadas... 9 Gabaritos... Aula demonstrativa Apresentação... 2 Negação de Proposições e Leis de De Morgan... 3 Relação das questões comentadas... 9 Gabaritos... 11 1 Apresentação Olá, pessoal! Tudo bem com vocês? Vamos sair na

Leia mais

SISTEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU

SISTEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU SISTEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU I INTRODUÇÃO: Os sistemas de equação são ferramentas muito comuns na resolução de problemas em várias áreas ( matemática, química, física, engenharia,...) e aparecem sempre

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico Nível III Fase II 2014

Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico Nível III Fase II 2014 1 2 Questão 1 Um dado é feito com pontos colocados nas faces de um cubo, em correspondência com os números de 1 a 6, de tal maneira que somados os pontos que ficam em cada par de faces opostas é sempre

Leia mais

Exercício. Exercício

Exercício. Exercício Exercício Exercício Aula Prática Utilizar o banco de dados ACCESS para passar o MER dos cenários apresentados anteriormente para tabelas. 1 Exercício oções básicas: ACCESS 2003 2 1 Exercício ISERIDO UMA

Leia mais

TESTES RESOLVIDOS. É uma sentença aberta. Nada podemos afirmar, não conhecemos o conteúdo da frase. Não é uma proposição.

TESTES RESOLVIDOS. É uma sentença aberta. Nada podemos afirmar, não conhecemos o conteúdo da frase. Não é uma proposição. LÓGICA PROPOSICIONAL 1. PROPOSIÇÃO CONCEITO DE PROPOSIÇÃO Uma proposição é toda a oração que pode ser classificada como verdadeira ou falsa, não ambas. Por exemplo: 2 é um número primo. Resposta: É uma

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 26 A FREQUÊNCIIA RELATIIVA PARA ESTIIMAR A PROBABIILIIDADE Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL

Leia mais

Probabilidade. Luiz Carlos Terra

Probabilidade. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá os conceitos básicos de probabilidade que é a base de toda inferência estatística, ou seja, a estimativa de parâmetros populacionais com base em dados amostrais.

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº06

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº06 Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº06 Assunto: Noções de Estatística 1. Conceitos básicos Definição: A estatística é a ciência que recolhe, organiza, classifica, apresenta

Leia mais

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA A 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2º BIMESTE QUESTÃO 01 SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES Descritor 11 Resolver problema envolvendo o cálculo de perímetro de figuras planas. Os itens referentes a

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Álgebra Linear Professor: André Luiz Galdino Aluno(a): 4 a Lista de Exercícios 1. Podemos entender transformações lineares

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

Aula 00. Raciocínio Lógico Quantitativo para IBGE. Raciocínio Lógico Quantitativo Professor: Guilherme Neves

Aula 00. Raciocínio Lógico Quantitativo para IBGE. Raciocínio Lógico Quantitativo Professor: Guilherme Neves Aula 00 Raciocínio Lógico Quantitativo Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Raciocínio Lógico Quantitativo Apresentação... 3 Modelos de questões resolvidas

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 2 do livro de Taha (2008): Introdução O modelo de PL de duas variáveis Propriedades

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do STJ de 2015, aplicada em 27/09/2015.

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do STJ de 2015, aplicada em 27/09/2015. de Raciocínio Lógico do STJ de 20, aplicada em 27/09/20. Raciocínio Lógico p/ STJ Mariana é uma estudante que tem grande apreço pela matemática, apesar de achar essa uma área muito difícil. Sempre que

Leia mais

Realizando cálculos para o aparelho divisor(iii)

Realizando cálculos para o aparelho divisor(iii) Realizando cálculos para o aparelho divisor(iii) A UU L AL A A fresagem helicoidal é empregada na fresagem de ranhuras de peças como brocas, alargadores, machos e engrenagens helicoidais. Vamos supor,

Leia mais

Bases Matemáticas. Daniel Miranda 1. 23 de maio de 2011. sala 819 - Bloco B página: daniel.miranda

Bases Matemáticas. Daniel Miranda 1. 23 de maio de 2011. sala 819 - Bloco B página:  daniel.miranda Daniel 1 1 email: daniel.miranda@ufabc.edu.br sala 819 - Bloco B página: http://hostel.ufabc.edu.br/ daniel.miranda 23 de maio de 2011 Elementos de Lógica e Linguagem Matemática Definição Uma proposição

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

Treinamento sobre Progress Report.

Treinamento sobre Progress Report. Treinamento sobre Progress Report. Objetivo O foco aqui é trabalhar o desenvolvimento pessoal de cada aluno. O instrutor irá analisar cada um e pensar em suas dificuldades e barreiras de aprendizado e,

Leia mais

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015

Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 GEOMETRIA Adriana da Silva Santi Coord. Pedagógica de Matemática SMED - Abril/2015 O MATERIAL COMO SUPORTE DO PENSAMENTO Muita gente usa o material na sala de aula como se a Geometria estivesse no material.

Leia mais

Lista de Exercícios Critérios de Divisibilidade

Lista de Exercícios Critérios de Divisibilidade Nota: Os exercícios desta aula são referentes ao seguinte vídeo Matemática Zero 2.0 - Aula 10 - Critérios de - (parte 1 de 2) Endereço: https://www.youtube.com/watch?v=1f1qlke27me Gabaritos nas últimas

Leia mais

TESTES SOCIOMÉTRICOS

TESTES SOCIOMÉTRICOS TESTES SOCIOMÉTRICOS Docente: Mestre Mª João Marques da Silva Picão Oliveira TESTES SOCIOMÉTRICOS * O Teste Sociométrico ajuda-nos a avaliar o grau de integração duma criança/jovem no grupo; a descobrir

Leia mais

Lógica de Predicados

Lógica de Predicados Lógica de Predicados Conteúdo Correção dos Exercícios (Rosen 47) Prioridade dos Quantificadores (Rosen 38) Ligando Variáveis (Rosen 38) Predicados com duas variáveis. Equivalências lógicas (Rosen 39) Negando

Leia mais

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá.

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá. ANÁLISE GRÁFICA QUANDO y. CORRESPONDE A ÁREA DA FIGURA Resposta: Sempre quando o eio y corresponde a uma taa de variação, então a área compreendida entre a curva e o eio do será o produto y. Isto é y =

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ICMS-PE Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ICMS-PE Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ICMS-PE Neste artigo, farei a análise das questões de Matemática

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

Usando potências de 10

Usando potências de 10 Usando potências de 10 A UUL AL A Nesta aula, vamos ver que todo número positivo pode ser escrito como uma potência de base 10. Por exemplo, vamos aprender que o número 15 pode ser escrito como 10 1,176.

Leia mais

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Xpath e XSLT Rogério Araújo

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Xpath e XSLT Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Xpath e XSLT Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Xpath e XSLT Rogério Araújo Questões A persistência é o menor

Leia mais

Em linguagem matemática, essa proprieade pode ser escrita da seguinte maneira: x. 1 = x Onde x representa um número natural qualquer.

Em linguagem matemática, essa proprieade pode ser escrita da seguinte maneira: x. 1 = x Onde x representa um número natural qualquer. MATEMÁTICA BÁSICA 5 EXPRESSÕES ALGÉBRICAS - EQUAÇÕES A expressão numérica é aquela que apresenta uma sequência de operações e de números. Também já sabemos que as letras são usadas em Matemática para representar

Leia mais

M =C J, fórmula do montante

M =C J, fórmula do montante 1 Ciências Contábeis 8ª. Fase Profa. Dra. Cristiane Fernandes Matemática Financeira 1º Sem/2009 Unidade I Fundamentos A Matemática Financeira visa estudar o valor do dinheiro no tempo, nas aplicações e

Leia mais

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO UM JOGO BINOMIAL São muitos os casos de aplicação, no cotidiano de cada um de nós, dos conceitos de probabilidade. Afinal, o mundo é probabilístico, não determinístico; a natureza acontece

Leia mais

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza.

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza. A UU L AL A Dureza Rockwell No início do século XX houve muitos progressos no campo da determinação da dureza. Introdução Em 1922, Rockwell desenvolveu um método de ensaio de dureza que utilizava um sistema

Leia mais

Prospecção Inteligente

Prospecção Inteligente CONSORCIO NACIONAL GAZIN Prospecção Inteligente Inicialmente parece simples: prospectar é pesquisar, localizar e avaliar clientes potenciais. Mas o que parece óbvio nem sempre é feito da maneira correta.

Leia mais

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados?

Como fazer para deixar firme uma estante de hastes com prateleiras que está balançando para os lados? o triângulo é uma das figuras mais importantes da Geometria, e também uma das mais interessantes. Na nossa vida diária, existem bons exemplos de aplicação de triângulos e de suas propriedades. Quer ver

Leia mais

15.053 26 de fevereiro de 2002

15.053 26 de fevereiro de 2002 15.053 26 de fevereiro de 2002 Análise de Sensibilidade apresentado como Perguntas Freqüentes Pontos ilustrados em um exemplo contínuo de fabricação de garrafas. Se o tempo permitir, também consideraremos

Leia mais

Somando os termos de uma progressão aritmética

Somando os termos de uma progressão aritmética A UA UL LA Somando os termos de uma progressão aritmética Introdução Um pouco de História Na aula passada, mostramos como calcular qualquer termo de uma progressão aritmética se conhecemos um de seus termos

Leia mais

Observando embalagens

Observando embalagens Observando embalagens A UUL AL A O leite integral é vendido em caixas de papelão laminado por dentro. Essas embalagens têm a forma de um paralelepípedo retângulo e a indicação de que contêm 1000 ml de

Leia mais

Notas de aula de Lógica para Ciência da Computação. Aula 11, 2012/2

Notas de aula de Lógica para Ciência da Computação. Aula 11, 2012/2 Notas de aula de Lógica para Ciência da Computação Aula 11, 2012/2 Renata de Freitas e Petrucio Viana Departamento de Análise, IME UFF 21 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Ineficiência das tabelas de verdade

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA Aula 01 Introdução a Geometria Plana Ângulos Potenciação Radiciação Introdução a Geometria Plana Introdução: No estudo da Geometria Plana, consideraremos três conceitos primitivos:

Leia mais

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado.

Probabilidade. Evento (E) é o acontecimento que deve ser analisado. Probabilidade Definição: Probabilidade é uma razão(divisão) entre a quantidade de eventos e a quantidade de amostras. Amostra ou espaço amostral é o conjunto formado por todos os elementos que estão incluídos

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

www.interaulaclube.com.br

www.interaulaclube.com.br A UU L AL A O mar Observe atentamente a figura abaixo. Uma olhada mais despreocupada para o desenho pode dar a impressão de que estamos diante de uma região desértica na superfície da Terra. Mas, prestando

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico da ANS (Técnico Administrativo) de 2016, aplicada em 21/02/2016.

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico da ANS (Técnico Administrativo) de 2016, aplicada em 21/02/2016. Raciocínio Lógico p/ NS Resolução da Prova de Raciocínio Lógico da NS (Técnico dministrativo) de 2016, aplicada em 21/02/2016. 11 - De acordo com o raciocínio lógico-matemático, a negação da frase: o obstetra

Leia mais

CABELO ELÁSTICO TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER

CABELO ELÁSTICO TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER CABELO ELÁSTICO TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É UM CABELO EMBORRACHADO? O cabelo emborrachado, elástico ou chiclete é um cabelo em que a fibra perdeu a elasticidade natural, além da umidade, o que

Leia mais

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES OPERAÇÕES COM FRAÇÕES Adição A soma ou adição de frações requer que todas as frações envolvidas possuam o mesmo denominador. Se inicialmente todas as frações já possuírem um denominador comum, basta que

Leia mais

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas.

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas. Definição Uma matriz do tipo m n (lê-se m por n), com m e n, sendo m e n números inteiros, é uma tabela formada por m n elementos dispostos em m linhas e n colunas. Estes elementos podem estar entre parênteses

Leia mais

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA X 1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS 1.2 Triângulo equilátero circunscrito A seguir, nós vamos analisar a relação entre alguns polígonos regulares e as circunferências.

Leia mais

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo

números decimais Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos 2 de um bolo se dividirmos esse bolo A UA UL LA Frações e números decimais Introdução Inicialmente, as frações são apresentadas como partes de um todo. Por exemplo, teremos de um bolo se dividirmos esse bolo em cinco partes iguais e tomarmos

Leia mais

O erro dessa questão foi traduzir o nem como ou não, quando na verdade o correto é traduzir o nem como e não :

O erro dessa questão foi traduzir o nem como ou não, quando na verdade o correto é traduzir o nem como e não : Resolução da Prova de Raciocínio Lógico da DPU (Nível Superior) de 2016, aplicada em 24/01/2016. Um estudante de direito, com o objetivo de sistematizar o seu estudo, criou sua própria legenda, na qual

Leia mais

2 Conceitos Básicos. onde essa matriz expressa a aproximação linear local do campo. Definição 2.2 O campo vetorial v gera um fluxo φ : U R 2 R

2 Conceitos Básicos. onde essa matriz expressa a aproximação linear local do campo. Definição 2.2 O campo vetorial v gera um fluxo φ : U R 2 R 2 Conceitos Básicos Neste capítulo são apresentados alguns conceitos importantes e necessários para o desenvolvimento do trabalho. São apresentadas as definições de campo vetorial, fluxo e linhas de fluxo.

Leia mais

Exemplo COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR O QUE DEVE CONSTAR EM UM TRABALHO ESCOLAR? Um Trabalho Escolar que se preze, de nível fundamental, deve conter:

Exemplo COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR O QUE DEVE CONSTAR EM UM TRABALHO ESCOLAR? Um Trabalho Escolar que se preze, de nível fundamental, deve conter: COMO FAZER UM TRABALHO ESCOLAR O QUE DEVE CONSTAR EM UM TRABALHO ESCOLAR? Um Trabalho Escolar que se preze, de nível fundamental, deve conter: 1. Capa 2. Folha de Rosto 3. Sumário 4. Introdução 5. Texto

Leia mais

Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall.

Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall. Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall. Problema Seja, por exemplo, calcular o valor do limite fundamental f(x)=sen(x)/x quando x tende a zero. Considerações Fazendo-se a substituição do valor 0

Leia mais

Fonte:intervox.nce.ufrj.br/~diniz/d/direito/ ouapostila_portugues_varlinguistica_2.pdf

Fonte:intervox.nce.ufrj.br/~diniz/d/direito/ ouapostila_portugues_varlinguistica_2.pdf Sobre Variação Linguística Você já conversou com uma pessoa simples, que vive na roça? Teve oportunidade de observar como essa pessoa fala? Leia o texto a seguir: Texto I Seu dotô me conhece? Patativa

Leia mais

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano

Módulo de Princípios Básicos de Contagem. Segundo ano Módulo de Princípios Básicos de Contagem Combinação Segundo ano Combinação 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Numa sala há 6 pessoas e cada uma cumprimenta todas as outras pessoas com um único aperto

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Erica Castilho Rodrigues 2 de Setembro de 2014 Erro Puro 3 Existem dois motivos pelos quais os pontos observados podem não cair na reta

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DO BANCO DO BRASIL

COMENTÁRIO DA PROVA DO BANCO DO BRASIL COMENTÁRIO DA PROVA DO BANCO DO BRASIL Prezados concurseiros, segue abaixo os comentários das questões de matemática propostas pela CESPE no último concurso para o cargo de escriturário do Banco do Brasil

Leia mais

Prefácio. 2. As lições são programadas para pessoas que cumpram os seguintes requisitos:

Prefácio. 2. As lições são programadas para pessoas que cumpram os seguintes requisitos: Prefácio 1. Este curso foi preparado pelo Seminário por Extensão às Nações (SEAN). Para que se obtenha o máximo benefício de um seminário por extensão, é recomendável estudar sob a direção de um orientador,

Leia mais

Resolução de Questões!!!

Resolução de Questões!!! 1) Considere a seguinte proposição: Raciocínio Lógico Se João está na praia, então João não usa camiseta. Resolução de Questões!!! A negação da proposição acima é logicamente equivalente à proposição:

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Calculando volume de sólidos geométricos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Calculando volume de sólidos geométricos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 06 matemática Calculando volume de sólidos geométricos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL

NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL NOVA VERSÃO SAFE DOC MANUAL COMO ACESSAR O APLICATIVO SAFE DOC CAPTURE Acesse o aplicativo SAFE-DOC CAPTURE clicando no ícone na sua área de trabalho: SAFE-DOC Capture Digite o endereço do portal que é

Leia mais

Contratar um plano de saúde é uma decisão que vai além da pesquisa de preços. Antes de

Contratar um plano de saúde é uma decisão que vai além da pesquisa de preços. Antes de Planos de saúde: Sete perguntas para fazer antes de contratar Antes de aderir a um plano de saúde, o consumidor precisa se informar sobre todas as condições do contrato, para não correr o risco de ser

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA Fatoração Equação do 1º Grau Equação do 2º Grau Aula 02: Fatoração Fatorar é transformar uma soma em um produto. Fator comum: Agrupamentos: Fatoração Quadrado Perfeito Fatoração

Leia mais

FRAÇÃO. Número de partes pintadas 3 e números de partes em foi dividida a figura 5

FRAÇÃO. Número de partes pintadas 3 e números de partes em foi dividida a figura 5 Termos de uma fração FRAÇÃO Para se representar uma fração através de figuras, devemos dividir a figura em partes iguais, em que o numerador representar a parte considera (pintada) e o denominador representar

Leia mais

O texto de hoje da UNESCO é simples mas deveria ser pensado por todos nós. Vamos a ele:

O texto de hoje da UNESCO é simples mas deveria ser pensado por todos nós. Vamos a ele: COMUICAÇÃO ( 2.communication) Extraído de páginas 76 e 77 do guia para professores da U ESCO: (Understanding and responding to children s needs in Inclusive Classrooms) www.unesco.org.com; traduzido do

Leia mais

Pelo que foi exposto no teorema de Carnot, obteve-se a seguinte relação:

Pelo que foi exposto no teorema de Carnot, obteve-se a seguinte relação: 16. Escala Absoluta Termodinâmica Kelvin propôs uma escala de temperatura que foi baseada na máquina de Carnot. Segundo o resultado (II) na seção do ciclo de Carnot, temos que: O ponto triplo da água foi

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas RISCO E RETORNO Aula 2 Retorno Total É a variação total da riqueza proporcionada por um ativo ao seu detentor. Fonte: Notas de Aula do Prof. Claudio Cunha Retorno Total Exemplo 1

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2.

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2015 Nível 1 1 SOLUÇÕES N2 2015 N2Q1 Solução O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Com um

Leia mais

Aula de Raciocínio Lógico em Exercícios Questões MP/RJ Professora: Karine Waldrich

Aula de Raciocínio Lógico em Exercícios Questões MP/RJ Professora: Karine Waldrich Aula de Raciocínio Lógico em Exercícios Questões MP/RJ Professora: Karine Waldrich Oi, pessoal, tudo bem? Vim aqui hoje para USAR a FGV. FGV SUA LINDA, VOU LHE USAR!! kkkkkk Brincadeiras à parte, vou usar

Leia mais

Quatro alunos do 6º ano de uma escola, em uma aula de matemática, fizeram as seguintes afirmativas:

Quatro alunos do 6º ano de uma escola, em uma aula de matemática, fizeram as seguintes afirmativas: ATIVIDADE PROVÃO 2º BIMESTRE 6º ANO MAT PROVA DIA 09/07 QUESTÃO 01 (Descritor: estabelecer uma conclusão baseando-se nas definições de divisores e múltiplos de um número natural e números primos) Quatro

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Veja nesta aula uma introdução aos elementos básicos da perspectiva. (Mateus Machado) 1. DEFINIÇÃO INTRODUÇÃO A PERSPECTIVA Podemos dizer que a perspectiva é sem dúvida uma matéria dentro do desenho

Leia mais

Componentes básicos de Bijutaria em Arame Parte 2

Componentes básicos de Bijutaria em Arame Parte 2 Componentes básicos de Bijutaria em Arame Parte 2 Introdução Para além do arame, um dos materiais que dá mais interesse às peças de bijutaria são as contas. Podem ser de vidro, cristal, metal, madeira,

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Descobrindo medidas desconhecidas (I)

Descobrindo medidas desconhecidas (I) Descobrindo medidas desconhecidas (I) V ocê é torneiro em uma empresa mecânica. Na rotina de seu trabalho, você recebe ordens de serviço acompanhadas dos desenhos das peças que você tem de tornear. Vamos

Leia mais

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis 1 4.1 Funções de 2 Variáveis Em Cálculo I trabalhamos com funções de uma variável y = f(x). Agora trabalharemos com funções de várias variáveis. Estas funções aparecem naturalmente na natureza, na economia

Leia mais

Técnicas de Contagem I II III IV V VI

Técnicas de Contagem I II III IV V VI Técnicas de Contagem Exemplo Para a Copa do Mundo 24 países são divididos em seis grupos, com 4 países cada um. Supondo que a escolha do grupo de cada país é feita ao acaso, calcular a probabilidade de

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística TESTES DE HIPÓTESES (ou Testes de Significância) Estimação e Teste de Hipóteses Estimação e teste de hipóteses (ou significância) são os aspectos principais da Inferência Estatística

Leia mais

Primeira Lista de Exercícios de Métodos Numéricos II Primeiro semestre de 2015

Primeira Lista de Exercícios de Métodos Numéricos II Primeiro semestre de 2015 Primeira Lista de Exercícios de Métodos Numéricos II Primeiro semestre de 015 Introdução Antes de apresentar a lista, introduzirei alguns problemas já vistos em sala de aula para orientar e facilitar a

Leia mais

Modelo Entidade Relacionamento (MER) Professor : Esp. Hiarly Alves

Modelo Entidade Relacionamento (MER) Professor : Esp. Hiarly Alves Tópicos Apresentação Entidade, Atributo e Relacionamento Cardinalidade Representação simbólica Generalizações / Especializações Agregações Apresentação O Modelo Entidade-Relacionamento tem o objetivo de

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL SENSORES MAGNETO-RESTRITIVOS UM CRUZAMENTO DE DOIS TIPOS DE SENSORES CONHECIDOS.

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL SENSORES MAGNETO-RESTRITIVOS UM CRUZAMENTO DE DOIS TIPOS DE SENSORES CONHECIDOS. MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL SENSORES MAGNETO-RESTRITIVOS UM CRUZAMENTO DE DOIS TIPOS DE SENSORES CONHECIDOS. Figura 1: Aqui uma vista dos sensores do eixo comando de válvulas de um NISSAN Máxima 2012.

Leia mais

AULA 66-70 Array, Herança. Curso: Informática (Subseqüente) Disciplina: Programação Orientada a Objetos Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.

AULA 66-70 Array, Herança. Curso: Informática (Subseqüente) Disciplina: Programação Orientada a Objetos Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu. AULA 66-70 Array, Herança Curso: Informática (Subseqüente) Disciplina: Programação Orientada a Objetos Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br Array (Vetores) Os vetores são coleções de dados de

Leia mais

24/06/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

24/06/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República Palavras do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na Escola Municipal de Rio Largo, durante encontro para tratar das providências sobre as enchentes Rio Largo - AL, 24 de junho de 2010 Bem,

Leia mais

Silogística Aristotélica

Silogística Aristotélica Silogística Aristotélica Prof. Paulo Margutti Com base na possibilidade de padronizar todas as sentenças de conformidade com os tipos A, E, I e O, Aristóteles considerava que todos os argumentos poderiam

Leia mais

Aula 11: Desvios e Laços

Aula 11: Desvios e Laços Aula 11: Desvios e Laços Nesta aula explicaremos alguns comandos que podem alterar o fluxo dos seus programas em JavaScript. Você aprenderá a estrutura dos comandos de desvios e laços. Entenderá como funcionam

Leia mais

Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas

Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas Parabéns por você ter chegado até aqui isso mostra o seu real interesse em aprender como se ganhar dinheiro na internet logo abaixo te darei algumas dicas! Dica 1 para Ganhar Dinheiro na Internet Com Crie

Leia mais

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de primeiro grau Introdução Equação é toda sentença matemática aberta que exprime

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? Por que avaliar os trabalhos? Como os avaliadores devem proceder?

MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? Por que avaliar os trabalhos? Como os avaliadores devem proceder? MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

Matemática - Módulo 1

Matemática - Módulo 1 1. Considerações iniciais Matemática - Módulo 1 TEORIA DOS CONJUNTOS O capítulo que se inicia trata de um assunto que, via-de-regra, é abordado em um plano secundário dentro dos temas que norteiam o ensino

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Campus de Lhanguene, Av. de Moçambique, km 1, Tel: +258 21401078, Fax: +258 21401082, Maputo Cursos de Licenciatura em Ensino de Matemática

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros exercícios)

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros exercícios) UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros eercícios) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Eercícios

Leia mais