Lógica formal. A) Sentenças I) Expressão II) Subdivisão 1. Aberta 2. Fechada III) Representação IV) Simbolização 1. Simples 2.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lógica formal. A) Sentenças I) Expressão II) Subdivisão 1. Aberta 2. Fechada III) Representação IV) Simbolização 1. Simples 2."

Transcrição

1 Lógica formal A) Sentenças I) Expressão II) Subdivisão 1. Aberta 2. Fechada III) Representação I) Simbolização 1. Simples 2. Composta B)Leis do pensamento I) Princípio da Identidade II) Principio do não-contraditório III) Princípio do 3º. Excluído C)Método da experimentação D)Método da Contradição E) Método da associação

2 Lógica formal Lógica Formal Trabalha apenas com a estrutura da informação e a forma do pensamento Não interessa a interpretação do conteúdo apenas como funciona a estrutura Possui linguagem própria para impedir as interpretações subjetivas Lógica Estudo da lógica é o estudo de princípios e métodos que visam diferenciar o que é certo do errado. Existem diversos métodos A) Sentenças Expressão de um pensamento COMPLETO Obs: Pensamento proposição premissas ou hipóteses SENTENÇA = sujeito + predicado EX: Hoje Choveu Algo declarado Aquilo a que se refere o sujeito EX: Se Lula é pernambucano (), então Pelé é maratonista (F) (E) Essa proposição é verdadeira Errada pela interpretação do conteúdo, a semântica. EX: Todo cachorro é verde Todo verde é vegetal Logo, todo cachorro é vegetal () Essa proposição é verdadeira Obs: Quando o examinador der o conceito ao qual deve-se fazer a comparação com as proposições determinadas, para se atribuir valor, aí considera-se o conteúdo. Ex: De acordo com o artigo 5º. Da CF...

3 I) Expressão Como expressar os pensamentos completos ou sentenças? a) Sentença Afirmativa EX: José passou no concurso b) Sentença Negativa EX: Não gosto de futebol c) Sentença Exclamativa EX: Que dia lindo! d) Sentença Interrogativa EX: Qual o seu nome? e) Sentença Imperativa EX: Estude bastante. Obs: Existem sentenças que não podem ser valoradas (sentença é apenas um pensamento completo). ALORAR é interpretar como ERDADEIRA ou FALSA. Obs: Lógica de 1ª. Ordem = lógica das sentenças Obs: Proposição funcional pode substituir a incógnita por uma quantidade pré-determinada Obs: Se tem quantificador lógico é uma proposição EX: Existir, Se...então, Todo... II) Subdivisão de sentenças 1. Aberta Não se pode determinar o sujeito Não se pode determinar se ERDADEIRAS ou FALSAS Quando não é possível valorar Foram retomadas no séc XIX, com a idéia de quantificadores lógicos. EX: ELE não passou no concurso EX: X + 3 = 9 Obs: Os quantificadores lógicos de X + 3 = 9 são: x; x; x.

4 2. Fechada Chamadas de proposições Expressam pensamento em sentido completo EX: JOÃO passou no concurso Tipo das sentença Afirmativas Fechadas Pode ocorrer ABERTA Negativas Fechadas Pode ocorrer ABERTA Exclamativas Abertas Pode ocorrer FECHADA (se conseguir contextualizar) Imperativas Abertas - Interrogativas Abertas -

5 III) Representação Por letras maiúsculas ou minúsculas. EX: p, q, r, s. I) Simbolização 1. Simples Pensamento completo Básicas, primitivas, átomos Expressam apenas 1 pensamento 2. Composta Fórmulas proposicionais, fórmulas, moléculas. Expressam mais de 1 pensamento B) Leis do pensamento São sentenças que quando valoradas se tornam proposições Princípios fundamentais da lógica proposicional I) Princípio da Identidade se qualquer enunciado é ERDADEIRO, então ele é ERDADEIRO II) Principio do não-contraditório Nenhum enunciado é ERDADEIRO E FALSO III) Princípio do 3º. Excluído Um enunciado é ERDADEIRO OU FALSO (não existe um 3º. alor; se existir é excluído)

6 C) Método da experimentação Em questão de ERDADE e MENTIRA 1º.) erifico as possibilidades 2º.) Perceber que todos podem fazer parte de um mesmo grupo 3º.) Experimeta-se pegando-se a sentença mais simples e começando a atribuir valor a ela P Sentença mais simples F Q erifica-se se P for ERDADEIRA, então qual a função de Q Idem 4º.) Use sempre a informação mais simples para começar a análise 5º.) Nesse método, pode-se ter todas as possibilidades, pois não há certeza do tipo que fala a verdade e do que mente. D) Método da contradição Quando existe uma contradição é impossível ter 2 verdades ou 2 mentiras. Só poderá haver F ou F. Ex: A diz X B diz não-x A diz que B mente 1º.) Aqui se tem certeza de que tem verdades e mentiras 2º.) Quando aparecerem argumentos que nitidamente estão em contradição (A diz X e B diz não-x, ou A diz que B mente) E) Método da associação Feito por tabela, na qual se cruzam todos as variáveis fornecidas (tipo aquelas revistinhas de lógica)

7 Conectivos lógicos na linguagem formal A) Revisão I) Sentenças II) Princípios III) Métodos I) Proposição ) Argumentos B) Operadores lógicos Linguagem da lógica formal I) Conjunção II) Disjunção III) Disjunção exclusiva I) Condicional ) Bicondicional I) Negação

8 Conectivos lógicos na linguagem formal A) Revisão I) Sentenças 1) Afirmativas fechadas 2) Negativas fechadas 3) Exclamativas abertas ou fechadas 4) Imperativas abertas 5) Interrogativas abertas II) Princípios 1) Não-contradição 2) Terceiro excluído 3) Identidade III) Métodos 1) Experimentação 2) Contradição

9 I) Proposição 1) Simples (apenas 1 idéia) 2) Compostas (mais de uma idéia) ) Argumentos Argumento válido as verdades das premissas garantem a verdade da conclusão Argumento inválido se tudo que falou for verdade, mas a conclusão for falsa 1) Argumento dedutivo a conclusão não tem idéia de amplitude; ela é fruto exclusivo das premissas (não inclui nada novo) 2) Argumento indutivo é o que a ciência precisa; não é trabalhado na lógica Dentro da lógica existem os argumentos: 1) Premissas ou hipóteses 2) Conclusões ou teses B) Operadores lógicos Linguagem da lógica formal Na matemática existem operadores para se trabalhar com números: +, -,., Dentro dessa idéia, na lógica dos operadores matemáticos, existem aqueles que a partir da conexão de proposições simples produzirão proposições compostas (a 3ª. proposição) Operadores lógicos conectam e até modificam os pensamentos A linguagem da lógica formal não apode mudar (o conteúdo não interessa)

10 Conectivos lógicos são utilizados para produzir novas proposições: SIMPLES COMPOSTA DO conectivo mais forte para o mais fraco: + v ^ v - Esses conectivos determinam a relação entre os termos. E pela hierarquia se define os parênteses antes ou depois do conectivo. Na mesma hierarquia, se coloca no termo que se deseja das destaque (ênfase). I) Conjunção E MAS TANTO...QUÃO (QUANTO) Símbolo ^ Na matemática x (multiplicação) Nos conjuntos P^Q Q^P Possui propriedade comutativa, pois o símbolo resultados. indica equivalência, ou seja, as operações produzem os mesmos

11 EX: P: José passou no concurso Q: Maria foi ao comércio P^Q: José passou no concurso E Maria foi ao comércio II) Disjunção ou disjunção inclusiva OU Símbolo v Na matemática + (soma) Nos conjuntos PvQ QvP Possui propriedade comutativa, pois o símbolo indica equivalência, ou seja, as operações produzem os mesmos resultados. EX: P: José passou no concurso Q: Maria foi ao comércio PvQ: José passou no concurso OU Maria foi ao comércio III) Disjunção exclusiva OU...OU Símbolo v, Na matemática + (soma) Nos conjuntos (P-Q) (Q-P) PvQ QvP

12 Possui propriedade comutativa, pois o símbolo indica equivalência, ou seja, as operações produzem os mesmos resultados. Aqui não entra quem faz as duas proposições (os elementos na intersecção dos conjuntos) Cespe só utiliza quando cita no comando da questão, e usualmente o faz com o símbolo (caso contrário é apenas ou v) EX: P: José passou no concurso Q: Maria foi ao comércio PvQ: OU José passou no concurso OU Maria foi ao comércio I) Condicional SE...ENTÃO QUANDO Símbolo P Q : PCQ (SE P então Q, logo P está contido em Q) Parece que tem relação entre antecedente e consequente, mas NÂO TEM. Pode ser estruturada com os termos: Q é consequente de P; Quem P Q (Ex: Quem estuda passa) No CESPE, quando o consequente (após o conectivo) é composto, ele vem entre parênteses; (e colocar entre parênteses o que está dentro do parênteses não faz diferença) Pela ordem, resolve-se o antecedente primeiro, pois é ele que determina o consequente SE anuncia o antecedente; ENTÃO anuncia o consequente Pelo diagrama dos conjuntos, pelo símbolo e nem pela ordem dos termos é possível comutar é o ÚNICO que não tem a propriedade comutativa

13 De P para Q = Condição suficiente (antecedente) P Q (consequente) De Q para P = condição necessária EX: P: José passou no concurso Q: Maria foi ao comércio P Q: SE José passou no concurso ENTÃO Maria foi ao comércio QUANDO José passou no concurso, Maria foi ao comércio ) Bicondicional SE E SOMENTE SE Símbolo (a condicional vai e volta) Na linguagem formal (P Q) ^ (Q P) Na linguagem dos conjuntos (PCQ) (QCP) (P Q) (Q P) Aqui os conjuntos são iguais Possui propriedade comutativa P é condição necessária E suficiente para Q Pode ocorrer isso na prova: Maria fez X como condição necessária para Y.

14 EX: P: José passou no concurso Q: Maria foi ao comércio P Q: José passou no concurso SE E SOMENTE SE Maria foi ao comércio I) Negação NÃO (use somente para negar proposições simples) É FALSO QUE NÂO É ERDADE QUE Símbolo ~ (a condicional vai e volta) NÂO CONECTA apenas MODIFICA É um modificador lógico Tanto faz a diagramação: ( Q ^ P) ou a diagramação: (Q^P) (P^Q) para negar uma proposição composta use apenas os modificadores: É FALSO QUE e NÃO È ERDADE QUE, para impedir ambiguidades. EX: P: José passou no concurso Q: Maria foi ao comércio (P^Q): NÃO É ERDADE QUE José passou no concurso E Maria foi ao comércio É FALSO QUE José passou no concurso E Maria foi ao comércio

15 Tabela-verdade A) Linhas B) A tabela 1) Com 2 termos 2) Com 3 ou mais termos C) Tabela-verdade 1) Conjunção 2) Disjunção 3) Disjunção exclusiva 4) Condicional 5) Bicondicional 6) Negação

16 Conectivos lógicos na linguagem formal A) Linhas Números de linhas de uma tabela 2 n Numero de valorações Proposições Onde n é o números de proposições na questão; e 2 n é o numero de linhas na tabela (= o resultado da potenciação) Exemplos: 1) Apenas um termo P 2 n = 2 1 = 2 São 2 linhas: P F

17 2) P^Q 2 n = 2 2 = 4 São 4 linhas: P Q F F F F 3) (P^Q) Q 2 n = 2 2 = 4 São 4 linhas 4) (P^Q) R 2 n = 2 3 = 8 São 8 linhas 5) (P Q) ^(SvR) 2 n = 2 4 = 16 São 16 linhas

18 B) A tabela 1) Com 2 termos Não importando a ordem de colocação das valorações porém, é interessante começar com (sempre) P F F Q F F 2) Com 4 ou mais linhas Ex: (P Q) ^(SvR) 2 n = 2 4 = 16 São 16 linhas Independente do numero de linhas: 1º. Numero de linhas da coluna 1 2 = numero a ser preenchido com (a outra parte com F) 2º. Numero de linhas da coluna 1 com 2 = numero a ser preenchido com (a outra parte com F) 3º. Numero de linhas da coluna 1 com F 2 = numero a ser preenchido com (a outra parte com F) 4º. Numero de linhas da coluna 2 com 2 = numero a ser preenchido com (a outra parte com F) 5º. Numero de linhas da coluna 2 com F 2 = numero a ser preenchido com (a outra parte com F) 6º....

19 P Q S R F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F

20 C) Tabela-verdade 1) Conjunção E MAS TÃO...QUANTO ^ P^Q Q^P P Q P Q P^Q Elemento no conjunto Pq o elemento Z esta na área comum dos conjuntos Propriedade Comutativa F F Pq é uma intersecção, e o elemento X não está na área comum F F Pq é uma intersecção, e o elemento Y não está na área comum F F F Pq o elemento W não está em nenhum dos conjuntos

21 2) Disjunção OU v PvQ QvP P Q P Q PvQ Elemento no conjunto Pq o elemento Z esta na área comum dos conjuntos Propriedade Comutativa F Pq é uma união, e o elemento X está na área comum F Pq é uma união, e o elemento Y está na área comum F F F Pq o elemento W não está em nenhum dos conjuntos

22 3) Disjunção exclusiva OU...OU v PvQ QvP (P-Q) (Q-P) P Q PvQ Elemento no conjunto F Pq o elemento Z esta na área comum dos conjuntos Propriedade Comutativa F Pq é uma união de diferenças, e o elemento X está na área comum F Pq é uma união de diferenças, e o elemento Y está na área comum F F F Pq o elemento W não está em nenhum dos conjuntos

23 4) Condicional SE...ENTÃO CONSEQUENTEMENTE P Q Q P P C Q P Q PvQ Elemento no conjunto Pq o elemento X pertence ao conjunto P, que pertence ao conjunto Q F F Pq é uma relação de inclusão, e o elemento X pertence a P e Q F Pq o elemento Y pertence apenas ao conjunto Q F F Pq o elemento W não está em nenhum dos conjuntos

24 5) Bicondicional SE E SOMENTE SE P Q Q P P=Q (PCQ) (QCP) P Q PvQ Elemento no conjunto Pq o elemento X esta na área comum dos conjuntos Propriedade Comutativa F F Pq os conjuntos são iguais, não há possibilidade de X ser apenas do P F F Pq os conjuntos são iguais, não há possibilidade de X ser apenas do Q F F Pq o elemento W não está em nenhum dos conjuntos

25 6) Negação P P F F Obs: Em relação aos conjuntos: Conjunção Disjunção Disjunção exclusiva Relação de pertinência Condicional Bicondicional Relação de inclusão

26 Tautologia e afins A) Tautologia B) Contradição C) Contingência

27 Conectivos lógicos na linguagem formal A) Tautologia Proposição composta = fórmula Proposição composta (2 ou mais proposições simples) será SEMPRE afirmativa Tautológica se for SEMPRE Proposição composta é sempre, independente dos valores que se atribui aos seus termos Ou não apresenta saída a sua própria lógica interna (é circular) Ou fala a mesma coisa com outras palavras (paráfrase) Exemplo: (A B) ( A v B) Se, então tautologia 1º. Primeiro passo verificar o numero de linhas = 2 termos, então 2 2 = 4 linhas 2º. Montar tabela com coluna para todos os termos 3º. verificar pela tabela-verdade se CADA afirmativa COMPOSTA é verdadeira 4º. erificar se a afirmativa composta que se afirma ser tautologia, realmente é uma, também verificando a tabelaverdade, entre os termos compostos que a COMPÕEM A B A A B A v B (A B ) ( A v B) F F F F F F F F Como todas as possibilidades são verdadeiras, então é uma AFIRMATIA TAUTOLÓGICA

28 Quando a tabela for muito grande (exigir muitas linhas), faça por conjunto (conforme conectivo lógico exigir) ver exercício 5 da pagina 108 do livro: [(P Q) ^ (Q R)] (P R) 1º. A tabela precisaria ter 8 linhas, pois são 3 termos simples = 2 3 = 8 2º. Pela proposição, e pensando em conjuntos PCQ e QCR, pois o conectivo lógico é o Se...então. 3º. No termo antecedente tem-se PCQCR, e todo esse termo está para PCR, do termo consequente: PCQ ^QCR PCR PCQ ^QCR PCR F F

29 B) Contradição É a negação da tautologia Uma proposição composta, formada por 2 ou mais proposições, é uma contradição ou contraválida se ela for SEMPRE F, independente da verdade de seus termos. C) Contingência Sempre que a proposição composta não for uma tautologia e nem uma contradição erifica-se pela construção da tabela-verdade Preposições contingentes ou proposições indeterminadas

30 Equivalências lógicas A) Conceito B) Leis 1) Distributiva 2) Condicional 3) Comutativa 4) DeMorgan 5) Dupla negação 6) Bicondicional 7) Associativa

31 Conectivos lógicos na linguagem formal A) Conceito Sempre cai em provas Duas proposições, ou dois pensamentos, são equivalentes quando produzem o mesmo efeito, ou o mesmo resultado (TEM AS MESMAS ALORAÇÔES) Ex: 2 x 3 = 3 x 2 (produzem os mesmos resultados, mas são operações matemáticas diferentes) São equivalentes quando formadas PELAS MESMAS PROPOSIÇÕES SIMPLES Ex: Os resultados produzidos nas tabelas-verdade são iguais em: E P E ^ P F F Só produzir resultados idênticos não é suficiente é preciso que as proposições simples sejam as mesmas Símbolo B) Leis Existem leis que verificam a equivalência:

32 1) Distributiva A v (B^C) (A v B) ^ (A v C) A ^ (B v C) (A ^ B) v (A ^ C) demonstração: A B C B v C A ^ (B v C) A ^ B A ^ C (A ^ B) v (A ^ C) F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F F

33 2) Condicional A B B A A B A v B Demonstração: A B B A: também é chamada de contra positiva ou contra recíproca É a que mais cai em provas. Quando aparecer o OU (v) na questão, pode-se pensa primeiro na lei condicional A B A B A B B A A v B F F F F F F F F F F F 3) Comutativa A ^ B B ^ A A v B B v A A v B B v A A B B A A B B A

34 4) De Morgan (A v B) ( A) ^ ( B) (A ^ B) ( A) v ( B) demonstração: A B A B A ^ B (A^B) ( A) v ( B) F F F F F F F F F F F F F 5) Dupla negação ( A) A A A ( A) F F F

35 6) Bicondicional A B (A B) ^ (B A) A B A B B A A B (A B) ^ (B A) F F F F F F F F F F 7) Associativa Segundo professor, ele nunca viu cair em prova. (A ^ B) ^ C A ^ (B ^ C) (A v B) v C A v (B v C)

Raciocínio Lógico. Negação da Conjunção e Disjunção Inclusiva (Lei de Morgan) Professor Edgar Abreu.

Raciocínio Lógico. Negação da Conjunção e Disjunção Inclusiva (Lei de Morgan) Professor Edgar Abreu. Raciocínio Lógico Negação da Conjunção e Disjunção Inclusiva (Lei de Morgan) Professor Edgar Abreu www.acasadoconcurseiro.com.br Raciocínio Lógico NEGAÇÃO DE UMA PROPOSIÇÃO COMPOSTA Agora vamos aprender

Leia mais

RECEITA FEDERAL ANALISTA

RECEITA FEDERAL ANALISTA SENTENÇAS OU PROPOSIÇÕES São os elementos que expressam uma idéia, mesmo que absurda. Estudaremos apenas as proposições declarativas, que podem ser classificadas ou só como verdadeiras (V), ou só como

Leia mais

Campos Sales (CE),

Campos Sales (CE), UNIERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO PROGRAD UNIDADE DESCENTRALIZADA DE CAMPOS SALES CAMPI CARIRI OESTE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA: Tópicos de Matemática SEMESTRE:

Leia mais

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO SENTENÇAS OU PROPOSIÇÕES MODIICADORES São os elementos que expressam uma idéia, mesmo que absurda. Estudaremos apenas as proposições declarativas, que podem ser classificadas ou só como verdadeiras (),

Leia mais

Matemática Régis Cortes. Lógica matemática

Matemática Régis Cortes. Lógica matemática Lógica matemática 1 INTRODUÇÃO Neste roteiro, o principal objetivo será a investigação da validade de ARGUMENTOS: conjunto de enunciados dos quais um é a CONCLUSÃO e os demais PREMISSAS. Os argumentos

Leia mais

CAPÍTULO I. Lógica Proposicional

CAPÍTULO I. Lógica Proposicional Lógica Proposicional CAPÍTULO I Lógica Proposicional Sumário: 1. Lógica proposicional 2. Proposição 2.1. Negação da proposição 2.2. Dupla negação 2.3. Proposição simples e composta 3. Princípios 4. Classificação

Leia mais

Proposições. Belo Horizonte é uma cidade do sul do Brasil = 4. A Terra gira em torno de si mesma. 5 < 3

Proposições. Belo Horizonte é uma cidade do sul do Brasil = 4. A Terra gira em torno de si mesma. 5 < 3 Proposições Lógicas Proposições O principal conceito usado nos estudos da lógica matemática é o de uma proposição. Uma proposição é essencialmente uma afirmação, transmite pensamentos completos, afirmando

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CÂMPUS ALEGRETE

INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CÂMPUS ALEGRETE 1 1. LÓGICA SETENCIAL E DE PRIMEIRA Conceito de proposição ORDEM Chama-se proposição todo o conjunto de palavras ou símbolos que exprimem um pensamento de sentido completo, seja este verdadeiro ou falso.

Leia mais

Ao utilizarmos os dados do problema para chegarmos a uma conclusão, estamos usando o raciocínio lógico.

Ao utilizarmos os dados do problema para chegarmos a uma conclusão, estamos usando o raciocínio lógico. CENTRO UNVERSITÁRIO UNA NOÇÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO Professor: Rodrigo Eustáquio Borges A disciplina Lógica Matemática tem como objetivo capacitar o aluno a reconhecer e aplicar os conceitos fundamentais

Leia mais

LÓGICA PROPOSICIONAL

LÓGICA PROPOSICIONAL FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia Redes de Computadores e Banco de dados Matemática Computacional Prof. Ulisses Cotta Cavalca LÓGICA PROPOSICIONAL Belo Horizonte/MG

Leia mais

Lógica para computação

Lógica para computação Lógica para computação PROPRIEDADES SEMÂNTICAS DA LÓGICA PROPOSICIONAL Professor Marlon Marcon Introdução Esta seção considera a análise de algumas propriedades semânticas da LP que relacionam os resultados

Leia mais

Professor conteudista: Ricardo Holderegger

Professor conteudista: Ricardo Holderegger Lógica Professor conteudista: Ricardo Holderegger Sumário Lógica Unidade I 1 SISTEMAS DICOTÔMICOS...3 1.1 Proposições...3 1.1.1 Proposições lógicas...3 1.1.2 Símbolos da lógica matemática...4 1.1.3 A negação...4

Leia mais

Lóg L ica M ca at M em e ática PROF.. J EAN 1

Lóg L ica M ca at M em e ática PROF.. J EAN 1 Lógica Matemática PRO. JEAN 1 LÓGICA MATEMÁTICA - CONTEÚDO Definição de Termo e Proposição alor Lógico Proposição Simples e Proposição Composta Conectivos Tabela-erdade 2 LÓGICA MATEMÁTICA INTRODUÇÃO ao

Leia mais

Lógica para Computação

Lógica para Computação Lógica para Computação Prof. Celso Antônio Alves Kaestner, Dr. Eng. celsokaestner (at) utfpr (dot) edu (dot) br Linguagem informal x linguagem formal; Linguagem proposicional: envolve proposições e conectivos,

Leia mais

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa.

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa. Tema 1 Lógica e Teoria dos Conjuntos 1. Proposições e valores lógicos. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CCA/ UFES Departamento de Engenharia Rural. Lista de exercícios 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CCA/ UFES Departamento de Engenharia Rural. Lista de exercícios 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CCA/ UFES Departamento de Engenharia Rural Disciplina: Lógica Computacional I Professora: Juliana Pinheiro Campos Data: 25/08/2011 Lista

Leia mais

Vimos que a todo o argumento corresponde uma estrutura. Por exemplo ao argumento. Se a Lua é cúbica, então os humanos voam.

Vimos que a todo o argumento corresponde uma estrutura. Por exemplo ao argumento. Se a Lua é cúbica, então os humanos voam. Matemática Discreta ESTiG\IPB 2012/13 Cap1 Lógica pg 10 Lógica formal (continuação) Vamos a partir de agora falar de lógica formal, em particular da Lógica Proposicional e da Lógica de Predicados. Todos

Leia mais

Rodada #01 Raciocínio Lógico

Rodada #01 Raciocínio Lógico Rodada #01 Raciocínio Lógico Professor Guilherme Neves Assuntos da Rodada RACIOCÍNIO LÓGICO: Conjuntos e suas operações. Números naturais, inteiros, racionais e reais e suas operações. Representação na

Leia mais

Proposições simples e compostas

Proposições simples e compostas Revisão Lógica Proposições simples e compostas Uma proposição é simples quando declara algo sem o uso de conectivos. Exemplos de proposições simples: p : O número 2 é primo. (V) q : 15 : 3 = 6 (F) r :

Leia mais

Concurso Público Conteúdo

Concurso Público Conteúdo Concurso Público 2016 Conteúdo Estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou eventos fictícios; deduzir novas informações das relações fornecidas e avaliar as condições usadas

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO LÓGICA PROPOSICIONAL

RACIOCÍNIO LÓGICO LÓGICA PROPOSICIONAL RACIOCÍNIO LÓGICO LÓGICA PROPOSICIONAL Atualizado em 12/11/2015 LÓGICA PROPOSICIONAL Lógica é a ciência que estuda as leis do pensamento e a arte de aplicá-las corretamente na investigação e demonstração

Leia mais

Aula 1 Teoria com resolução de questões FGV

Aula 1 Teoria com resolução de questões FGV Aula 1 Teoria com resolução de questões FGV AULA 01 Olá futuro servidor do TRT 12, Meu nome é Fabio Paredes, sou professor de Raciocínio Lógico Matemático e terei o prazer de ajudá-los nesta árdua missão

Leia mais

1 TEORIA DOS CONJUNTOS

1 TEORIA DOS CONJUNTOS 1 TEORIA DOS CONJUNTOS Definição de Conjunto: um conjunto é uma coleção de zero ou mais objetos distintos, chamados elementos do conjunto, os quais não possuem qualquer ordem associada. Em outras palavras,

Leia mais

1. = F; Q = V; R = V.

1. = F; Q = V; R = V. ENADE 2005 e 2008 Nas opções abaixo, representa o condicional material (se...então...), v representa a disjunção (ou um, ou outro, ou ambos) e ~ representa a negação (não). Com o auxílio de tabelas veritativas,

Leia mais

Álgebra das Proposições. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto

Álgebra das Proposições. Prof. Guilherme Tomaschewski Netto Álgebra das Proposições Prof. Guilherme Tomaschewski Netto guilherme.netto@gmail.com Roteiro! Lógica Matemática clássica! Proposições! alores lógicos! Conectivos! Fórmulas Lógicas! Exemplos de aplicações

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO Josimar Padilha RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO FUNDAMENTOS E MÉTODOS PRÁTICOS 2016 Capítulo 1 Lógica de Primeira Ordem-Proposicional Estruturas Lógicas CONCEITOS INICIAIS A lógica formal não se ocupa com

Leia mais

Raciocínio lógico matemático

Raciocínio lógico matemático Raciocínio lógico matemático Unidade 2: Introdução à lógica Seção 2.1: O que é a lógica? 1 Lógica Parte da filosofia que trata das formas do pensamento em geral e das operações intelectuais que visam determinar

Leia mais

Lógica: Quadrado lógico:

Lógica: Quadrado lógico: Lógica: 1. Silogismo aristotélico: Podemos encara um conceito de dois pontos de vista: Extensão a extensão é um conjunto de objectos que o conceito considerado pode designar ou aos quais ele se pode aplicar

Leia mais

(Lógica) Negação de Proposições, Tautologia, Contingência e Contradição.

(Lógica) Negação de Proposições, Tautologia, Contingência e Contradição. aula 07 (Lógica) Negação de Proposições, Tautologia, Contingência e Contradição. Professor: Renê Furtado Felix E-mail: rffelix70@yahoo.com.br Site: http://www.renecomputer.net/pdflog.html Negação de Proposições

Leia mais

Raciocínio lógico matemático

Raciocínio lógico matemático Raciocínio lógico matemático Unidade 2: Introdução à lógica Seção 2.3 Equivalências, contradições e tautologias 1 Proposições compostas Composta de duas ou mais proposições simples Tanto a primeira como

Leia mais

Nome: Data: Semestre: Curso: TADS Disciplina: Matemática Aplicada à Computação Professor: Shalimar Villar. Noções de Lógica

Nome: Data: Semestre: Curso: TADS Disciplina: Matemática Aplicada à Computação Professor: Shalimar Villar. Noções de Lógica Nome: Data: Semestre: Curso: TADS Disciplina: Matemática Aplicada à Computação Professor: Shalimar Villar Noções de Lógica Proposição: É uma sentença declarativa, seja ela expressa de forma afirmativa

Leia mais

Lógica Formal. Matemática Discreta. Prof. Vilson Heck Junior

Lógica Formal. Matemática Discreta. Prof. Vilson Heck Junior Lógica Formal Matemática Discreta Prof. Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Objetivos Utilizar símbolos da lógica proposicional; Encontrar o valor lógico de uma expressão em lógica proposicional;

Leia mais

Alex Lira. Olá, pessoal!!!

Alex Lira. Olá, pessoal!!! Olá, pessoal!!! Seguem abaixo os meus comentários das questões de Lógica que foram cobradas na prova para o cargo de Agente da Polícia Federal, elaborada pelo Cespe, realizada no último final de semana.

Leia mais

INSS 2016 Técnico CESPE

INSS 2016 Técnico CESPE INSS 2016 Técnico CESPE Art. 21. A alíquota de contribuição dos segurados contribuinte individual e facultativo será de 20 por cento sobre o respectivo salário-de-contribuição. Considerando o art. 21 da

Leia mais

Lógica e Metodologia Jurídica

Lógica e Metodologia Jurídica Lógica e Metodologia Jurídica Argumentos e Lógica Proposicional Prof. Juliano Souza de Albuquerque Maranhão julianomaranhao@gmail.com Puzzle 2 pessoas A e B fazem uma oferta um ao outro. O problema é identificar

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO. Quantas dessas proposições compostas são FALSAS? a) Nenhuma. b) Apenas uma. c) Apenas duas. d) Apenas três. e) Quatro.

RACIOCÍNIO LÓGICO. Quantas dessas proposições compostas são FALSAS? a) Nenhuma. b) Apenas uma. c) Apenas duas. d) Apenas três. e) Quatro. RACIOCÍNIO LÓGICO 01. Uma proposição é uma sentença fechada que possui sentido completo e à qual se pode atribuir um valor lógico verdadeiro ou falso. Qual das sentenças apresentadas abaixo se trata de

Leia mais

PROBLEMAS DE LÓGICA. Prof. Élio Mega

PROBLEMAS DE LÓGICA. Prof. Élio Mega PROBLEMAS DE LÓGICA Prof. Élio Mega ALGUNS CONCEITOS DA LÓGICA MATEMÁTICA Sentença é qualquer afirmação que pode ser classificada de verdadeira (V) ou falsa (F) (e exatamente uma dessas coisas, sem ambiguidade).

Leia mais

Rodada #1 Raciocínio Lógico

Rodada #1 Raciocínio Lógico Rodada #1 Raciocínio Lógico Professor Guilherme Neves Assuntos da Rodada Estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou eventos fictícios; deduzir novas informações das relações

Leia mais

INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA

INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA Matemática Aplicada a Computação rofessor Rossini A M Bezerra Lógica é o estudo dos princípios e métodos usados para distinguir sentenças verdadeiras de falsas. Definição

Leia mais

Lógica. Fernando Fontes. Universidade do Minho. Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65

Lógica. Fernando Fontes. Universidade do Minho. Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65 Lógica Fernando Fontes Universidade do Minho Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65 Outline 1 Introdução 2 Implicações e Equivalências Lógicas 3 Mapas de Karnaugh 4 Lógica de Predicados

Leia mais

Alfabeto da Lógica Proposicional

Alfabeto da Lógica Proposicional Ciência da Computação Alfabeto da Lógica Sintaxe e Semântica da Lógica Parte I Prof. Sergio Ribeiro Definição 1.1 (alfabeto) - O alfabeto da é constituído por: símbolos de pontuação: (, ;, ) símbolos de

Leia mais

Unidade I LÓGICA. Profa. Adriane Paulieli Colossetti

Unidade I LÓGICA. Profa. Adriane Paulieli Colossetti Unidade I LÓGICA Profa. Adriane Paulieli Colossetti O que é lógica A lógica ensina a colocar ordem no pensamento. Sistemas Dicotônicos Proposições: São sentenças declarativas, que satisfazem três princípios

Leia mais

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1 Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados

Leia mais

LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO

LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO 2009.3 Aquiles Burlamaqui Conteúdo Programático Unidade I Linguagens Formais Linguagens Formais Sigma Álgebras Relação entre Linguagens Formais e Sigma Álgebras Sigma Domínios

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Ano X - Concurso Público Conteúdo

Apostilas OBJETIVA Ano X - Concurso Público Conteúdo Conteúdo Introdução Estruturas lógicas. 2 Lógica de argumentação: analogias, inferências, deduções e conclusões. 3 Lógica sentencial (ou proposicional). 3.1 Proposições simples e compostas. 3.2 Tabelas-verdade.

Leia mais

PROFESSOR : ALEXANDRE PORTELA MATÉRIA: RACIOCÍNIO LÓGICO ASSUNTO: LÓGICA QUALITATIVA

PROFESSOR : ALEXANDRE PORTELA MATÉRIA: RACIOCÍNIO LÓGICO ASSUNTO: LÓGICA QUALITATIVA PROFESSOR : ALEXANDRE PORTELA MATÉRIA: RACIOCÍNIO LÓGICO ASSUNTO: LÓGICA QUALITATIVA 1)RELAÇÃO ENTRE PESSOAS,LUGARES,OBJETOS E EVENTOS: - Nesse tipo de associação vamos correlacionar pessoas aos seus lugares,

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA I. Curso: EB

ANÁLISE MATEMÁTICA I. Curso: EB ANÁLISE MATEMÁTICA I (com Laboratórios) Curso: EB Lógica - Resumo Ana Matos DMAT Noções básicas de Lógica Consideremos uma linguagem, com certos símbolos. Chamamos expressão a qualquer sequência de símbolos.

Leia mais

Lógica Proposicional Semântica e Tabelas Verdade

Lógica Proposicional Semântica e Tabelas Verdade Lógica Proposicional Semântica e Tabelas Verdade Prof. Marcos A. Schreiner Disciplina de Introdução à Lógica 30 de março de 2015 Prof. Marcos A. Schreiner (UFPR) 30 de março de 2015 1 / 20 1 Introdução

Leia mais

Ló gica. Para Concursos Públicos. Professor Luiz Guilherme

Ló gica. Para Concursos Públicos. Professor Luiz Guilherme Ló gica Para Concursos Públicos Professor Luiz Guilherme 2014 1 Lógica Para Concursos Públicos Proposição... 2 Valor Lógico das Proposições... 2 Axiomas da Lógica... 2 Tabela Verdade:... 3 Conectivos:...

Leia mais

(Questões de provas resolvidas e comentadas) Carlos R. Torrente

(Questões de provas resolvidas e comentadas) Carlos R. Torrente (Questões de provas resolvidas e comentadas) Carlos R. Torrente Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Torrente, Carlos Roberto Raciocínio lógico

Leia mais

Lógica e Metodologia Jurídica

Lógica e Metodologia Jurídica Lógica e Metodologia Jurídica Argumentos e Lógica Proposicional Prof. Juliano Souza de Albuquerque Maranhão julianomaranhao@gmail.com Quais sentenças abaixo são argumentos? 1. Bruxas são feitas de madeira.

Leia mais

Lógica Proposicional

Lógica Proposicional Slides da disciplina Lógica para Computação, ministrada pelo Prof. Celso Antônio Alves Kaestner, Dr. Eng. (kaestner@dainf.ct.utfpr.edu.br) entre 2007 e 2008. Alterações feitas em 2009 pelo Prof. Adolfo

Leia mais

4 AULA. Regras de Inferência e Regras de Equivalência LIVRO. META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência.

4 AULA. Regras de Inferência e Regras de Equivalência LIVRO. META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência. 1 LIVRO Regras de Inferência e Regras de Equivalência 4 AULA META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de:

Leia mais

APOSTILA DE LÓGICA. # Conceitos iniciais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE

APOSTILA DE LÓGICA. # Conceitos iniciais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INSTITUTO EDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CÂMPUS APODI Sítio Lagoa do Clementino, nº 999, RN 233, Km 2, Apodi/RN, 59700-971. one (084) 4005.0765 E-mail: gabin.ap@ifrn.edu.br

Leia mais

Exercícios e Respostas Lógica Matemática Prof. Jacson Rodrigues

Exercícios e Respostas Lógica Matemática Prof. Jacson Rodrigues Exercícios e Respostas Lógica Matemática Prof. Jacson Rodrigues As respostas encontram-se em itálico. 1. Quais das frases a seguir são sentenças? a. A lua é feita de queijo verde. erdadeira, pois é uma

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Introdução a Algoritmos (Parte II) Luis Martí Instituto de Computação Universidade ederal luminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

Iniciação a Lógica Matemática

Iniciação a Lógica Matemática Iniciação a Lógica Matemática Faculdade Pitágoras Prof. Edwar Saliba Júnior Julho de 2012 1 O Nascimento da Lógica É lógico que eu vou!, Lógico que ela disse isso! são expressões que indicam alguma coisa

Leia mais

Noções básicas de Lógica

Noções básicas de Lógica Noções básicas de Lógica Consideremos uma linguagem, com certos símbolos. Chamamos expressão a uma sequências de símbolos. Uma expressão pode ser uma expressão com significado expressão sem significado

Leia mais

Unidade: Proposições Logicamente Equivalentes. Unidade I:

Unidade: Proposições Logicamente Equivalentes. Unidade I: Unidade: Proposições Logicamente Equivalentes Unidade I: 0 Unidade: Proposições Logicamente Equivalentes Nesta unidade, veremos a partir de nossos estudos em tabelas-verdade as proposições logicamente

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Cap. 3 Tautologias, Contradições e Contingências

Raciocínio Lógico Matemático Cap. 3 Tautologias, Contradições e Contingências Raciocínio Lógico Matemático Cap. 3 Tautologias, Contradições e Contingências Capítulo3 Tautologias, Contradições e Contingências No capítulo anterior discutimos alguns aspectos da lógica matemática, destacando

Leia mais

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores 1 LIVRO Conectivos e Quantificadores Lógicos META: Introduzir os conectivos e quantificadores lógicos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Compreender a semântica dos conectivos

Leia mais

QUESTÕES REVISÃO DE VÉSPERA FUNAI

QUESTÕES REVISÃO DE VÉSPERA FUNAI QUESTÕES REVISÃO DE VÉSPERA FUNAI RACIOCÍNIO LÓGICO Prof. Josimar Padilha EDITAL: RACIOCÍNIO LÓGICO E QUANTITATIVO: 1. Lógica e raciocínio lógico: problemas envolvendo lógica e raciocínio lógico. 2. Proposições:

Leia mais

CCAE. Lógica Aplicada a Computação - Cálculo Proposicional - Parte I. UFPB - Campus IV - Litoral Norte. Centro de Ciências Aplicadas e Educação

CCAE. Lógica Aplicada a Computação - Cálculo Proposicional - Parte I. UFPB - Campus IV - Litoral Norte. Centro de Ciências Aplicadas e Educação CCAE Centro de Ciências Aplicadas e Educação UFPB - Campus IV - Litoral Norte Lógica Aplicada a Computação - Cálculo Proposicional - Parte I Estes slides foram criados pelo Professor Alexandre Duarte Para

Leia mais

Unidade II LÓGICA. Profa. Adriane Paulieli Colossetti

Unidade II LÓGICA. Profa. Adriane Paulieli Colossetti Unidade II LÓGICA Profa. Adriane Paulieli Colossetti Relações de implicação e equivalência Implicação lógica Dadas as proposições compostas p e q, diz-se que ocorre uma implicação lógica entre p e q quando

Leia mais

Compreender estruturas lógicas é, antes de tudo, compreender o que são proposições.

Compreender estruturas lógicas é, antes de tudo, compreender o que são proposições. Caros alunos, Antes de darmos início a nossa aula demonstrativa, vamos às apresentações pessoais e profissionais: meu nome é Letícia Protta, sou agente administrativo do Ministério do Trabalho e Emprego,

Leia mais

Professor: Adriano Sales Matéria: Lógica e Conjunto

Professor: Adriano Sales Matéria: Lógica e Conjunto Professor: Adriano Sales Matéria: Lógica e Conjunto Lógica Qual é o significado de argumentação? Segundo o dicionário Houaiss é: ARGUMENTAÇÃO: Arte, ato ou efeito de argumentar; Troca de palavras em controvérsia

Leia mais

Inteligência Artificial IA II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO

Inteligência Artificial IA II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO Inteligência Artificial IA Prof. João Luís Garcia Rosa II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO 2004 Representação do conhecimento Para representar o conhecimento do mundo que um sistema

Leia mais

Apostila de Raciocínio Lógico Notas de Aula Professor Joselias 2010 LÓGICA

Apostila de Raciocínio Lógico Notas de Aula Professor Joselias 2010 LÓGICA LÓGICA eremos nas próximas linhas a definição do que vem a ser uma proposição, bem como o seu cálculo proposicional antes de chegarmos ao nosso objetivo maior que é estudar as estruturas dos argumentos,

Leia mais

Rodada #1 Raciocínio Lógico

Rodada #1 Raciocínio Lógico Rodada #1 Raciocínio Lógico Professor Guilherme Neves Assuntos da Rodada RACIOCIŃIO LOǴICO: 1 Estruturas lógicas. 2 Lógica de argumentação: analogias, inferências, deduções e conclusões. 3 Lógica sentencial

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Aula Teórica 4: Semântica da Lógica Proposicional António Ravara Simão Melo de Sousa Departamento de Informática, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa Departamento de Informática,

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Cap. 2 Lógica Matemática

Raciocínio Lógico Matemático Cap. 2 Lógica Matemática Raciocínio Lógico Matemático Cap. 2 Lógica Matemática Capítulo2 1. Lógica Matemática No primeiro capítulo, discutimos uma série de conceitos atrelados à lógica de uma forma geral, mas de forma tendenciosa

Leia mais

Aula 1 Aula 2. Ana Carolina Boero. Página:

Aula 1 Aula 2. Ana Carolina Boero.   Página: Elementos de lógica e linguagem matemática E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Linguagem matemática A linguagem matemática

Leia mais

Argumentação e lógica formal O que é e para que serve a lógica

Argumentação e lógica formal O que é e para que serve a lógica Argumentação e lógica formal O que é e para que serve a lógica Para resolver este exercício tivemos que: Pensar, raciocinar, isto é, a partir de certas evidências inferir (concluir) outras. Para mostrar

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Lógica Computacional Consequência Tautológica e Lógica em Frases Quantificadas Leis de de Morgan Separação de Quantificadores Consequências Analíticas e Método Axiomático 3 Novembro 2016 Lógica Computacional

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO. Curso Superior de Tecnologia. Aula 02 TEORIA DOS CONJUNTOS

RACIOCÍNIO LÓGICO. Curso Superior de Tecnologia. Aula 02 TEORIA DOS CONJUNTOS Aula 02 TEORIA DOS CONJUNTOS 1. Definição de Conjuntos 2. Como se representa um Conjunto 3. Subconjunto, Pertinência e Continência 4. Conjunto das Partes 5. Operação com Conjuntos 1. União ou Reunião (Conjunção)

Leia mais

LISTA 01 RACIOCÍNIO LÓGICO TRIBUNAIS 2014 LISTA 01 RACIOCÍNIO LÓGICO TRIBUNAIS 2014

LISTA 01 RACIOCÍNIO LÓGICO TRIBUNAIS 2014 LISTA 01 RACIOCÍNIO LÓGICO TRIBUNAIS 2014 LISTA 01 RACIOCÍNIO LÓGICO TRIBUNAIS 2014 1) Determinar o valor verdade da proposição (p q) r, sabendo-se que AL (p) =, AL (q) = e AL (r) =. Proposições são afirmações que podem ser julgadas como verdadeira

Leia mais

Lógica Proposicional-2

Lógica Proposicional-2 Lógica Proposicional-2 Conetivas Booleanas Provas informais e formais com conetivas Booleanas Referência: Language, Proof and Logic Dave Barker-Plummer, Jon Barwise e John Etchemendy, 2011 Capítulos: 3-4-5-6

Leia mais

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA MAT1513 - Laboratório de Matemática - Diurno Professor David Pires Dias - 2017 Texto sobre Lógica (de autoria da Professora Iole de Freitas Druck) A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA Iniciemos

Leia mais

Resumo de Filosofia. Preposição frase declarativa com um certo valor de verdade

Resumo de Filosofia. Preposição frase declarativa com um certo valor de verdade Resumo de Filosofia Capítulo I Argumentação e Lógica Formal Validade e Verdade O que é um argumento? Um argumento é um conjunto de proposições em que se pretende justificar ou defender uma delas, a conclusão,

Leia mais

Argumentação e lógica formal. O que é e para que serve a lógica

Argumentação e lógica formal. O que é e para que serve a lógica Argumentação e lógica formal O que é e para que serve a lógica Para resolver este exercício tivemos que: Pensar, raciocinar, isto é, a partir de certas evidências concluir outras. Para mostrar aos colegas

Leia mais

Uma proposição composta é uma contradição, se for sempre falsa, independentemente do valor lógico das proposições simples que a compõem.

Uma proposição composta é uma contradição, se for sempre falsa, independentemente do valor lógico das proposições simples que a compõem. Tautologia Uma proposição composta é uma tautologia, se for sempre verdadeira, independentemente do valor lógico das proposições simples que a compõem. Exemplos: Contradição Uma proposição composta é uma

Leia mais

CURSO TROPA DE ELITE BATALHA FINAL AGENTE PENITENCIÁRIO/MG

CURSO TROPA DE ELITE BATALHA FINAL AGENTE PENITENCIÁRIO/MG CURSO TROPA DE ELITE BATALHA FINAL AGENTE PENITENCIÁRIO/MG RACIOCÍNIO LÓGICO (1ª Parte: Lógica Proposicional) (webercampos@gmail.com) 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO. Raciocínio Lógico Ficha 1 Prof. Nelson Carnaval

RACIOCÍNIO LÓGICO. Raciocínio Lógico Ficha 1 Prof. Nelson Carnaval RACIOCÍNIO LÓGICO Lógica proposicional Chama-se proposição toda sentença declarativa que pode ser classificada em verdadeira ou falsa, mas não as duas. Letras são usualmente utilizadas para denotar proposições.

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Autor: Jusdewbe Tatiane de Souza Mora 1 Introdução: LÓGICA O estudo da Lógica, é o estudo dos métodos e princípios usados para distinguir o raciocínio correto do incorreto. Esta definição

Leia mais

Noções de Lógica. Proposições Frases para as quais se pode atribuir o valor verdadeiro ou falso. Exs: 1) Quatro vezes três é igual a 12.

Noções de Lógica. Proposições Frases para as quais se pode atribuir o valor verdadeiro ou falso. Exs: 1) Quatro vezes três é igual a 12. Noções de Lógica Proposições Frases para as quais se pode atribuir o valor verdadeiro ou falso. Exs: 1) Quatro vezes três é igual a 12. 2) Florianópolis é capital de SC. 3) O Brasil faz fronteira com a

Leia mais

LÓGICA. CONCEITO DE PROPOSIÇÃO Uma proposição é toda a oração que pode ser classificada como verdadeira ou falsa, não ambas.

LÓGICA. CONCEITO DE PROPOSIÇÃO Uma proposição é toda a oração que pode ser classificada como verdadeira ou falsa, não ambas. LÓGICA 1. PROPOSIÇÃO CONCEITO DE PROPOSIÇÃO Uma proposição é toda a oração que pode ser classificada como verdadeira ou falsa, não ambas. Por exemplo: 2 é um número primo. Resposta: É uma proposição verdadeira

Leia mais

GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH. Professor Paulo Henrique PH Aula /

GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH. Professor Paulo Henrique PH Aula / 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH Professor Paulo Henrique PH Aula 02 R A C I O C Í N I O L Ó G I C O E B S E R H a u l a 0 2 Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Fundamentos de Lógica e Algoritmos

Fundamentos de Lógica e Algoritmos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS SÃO GONÇALO DO AMARANTE Fundamentos de Lógica e Algoritmos #EquivalênciaLógica Eliezio Soares elieziosoares@ifrn.edu.br

Leia mais

LÓGICA - 2. ~ q. Argumentos Regras de inferência. Proposições: 1) Recíproca 2) Contrária 3) Contra positiva. 1) Proposição recíproca de p q :

LÓGICA - 2. ~ q. Argumentos Regras de inferência. Proposições: 1) Recíproca 2) Contrária 3) Contra positiva. 1) Proposição recíproca de p q : LÓGICA - 2 Proposições: 1) Recíproca 2) Contrária 3) Contra positiva 1) Proposição recíproca de p q : q p 2) Proposição contrária de p q : ~ p 3) Proposição contra positiva de p q : ~ p ex. Determinar:

Leia mais

Tutoria Matemática para Informática Teoria geral dos conjuntos Pertinência Inclusão Operações com conjuntos

Tutoria Matemática para Informática Teoria geral dos conjuntos Pertinência Inclusão Operações com conjuntos Tutoria Matemática para Informática Teoria geral dos conjuntos Pertinência Є (pertence) ou Є (não pertence) Sempre verificando de elemento para conjunto { } ou Ø = vazio {Ø} = conjunto com elemento vazio

Leia mais

aula 01 (Lógica) Ementa Professor: Renê Furtado Felix Site:

aula 01 (Lógica) Ementa Professor: Renê Furtado Felix   Site: aula 01 (Lógica) Ementa Professor: Renê Furtado Felix E-mail: rffelix70@yahoo.com.br Site: http://www.renecomputer.net/pdflog.html Plano de Ensino CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Lógica Fuzzy. Conectivos e Inferência. Professor: Mário Benevides. Monitores: Bianca Munaro Diogo Borges Jonas Arêas Renan Iglesias Vanius Farias

Lógica Fuzzy. Conectivos e Inferência. Professor: Mário Benevides. Monitores: Bianca Munaro Diogo Borges Jonas Arêas Renan Iglesias Vanius Farias Lógica Fuzzy Conectivos e Inferência Professor: Mário Benevides Monitores: Bianca Munaro Diogo Borges Jonas Arêas Renan Iglesias Vanius Farias Conectivos O que são conectivos? São operadores que conectam

Leia mais

Variável. Expressões. Atribuição. Tipos básicos Declaração. Aritméticas Lógicas. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes

Variável. Expressões. Atribuição. Tipos básicos Declaração. Aritméticas Lógicas. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes Programação de Computadores III Aula 3 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS TADS 2008/1 1º PERÍODO MP1 1º ETAPA 11/07/2008 MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO 2008/1

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS TADS 2008/1 1º PERÍODO MP1 1º ETAPA 11/07/2008 MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO 2008/1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS TADS 2008/1 1º PERÍODO MP1 1º ETAPA 11/07/2008 MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO 2008/1 Dados de identificação do Aluno: Nome: Login: Cidade: CA: Data da Prova: / / ORIENTAÇÃO

Leia mais

Apresentação Plano de ensino Curso Conceitos básicos de lógica Introdução aos algoritmos - resolução de problemas Conceitos de programação Conceitos

Apresentação Plano de ensino Curso Conceitos básicos de lógica Introdução aos algoritmos - resolução de problemas Conceitos de programação Conceitos Apresentação Plano de ensino Curso Conceitos básicos de lógica Introdução aos algoritmos - resolução de problemas Conceitos de programação Conceitos e Construção de algoritmos: estruturas de controle Introdução

Leia mais

18/01/2016 LÓGICA MATEMÁTICA. Lógica é usada para guiar nossos pensamentos ou ações na busca da solução. LÓGICA

18/01/2016 LÓGICA MATEMÁTICA. Lógica é usada para guiar nossos pensamentos ou ações na busca da solução. LÓGICA LÓGICA MATEMÁTICA Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com Lógica é usada para guiar nossos pensamentos ou ações na busca da solução. LÓGICA A lógica está

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Apostila da Disciplina de. Lógica. Prof. João Carlos Gluz

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Apostila da Disciplina de. Lógica. Prof. João Carlos Gluz Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Apostila da Disciplina de Lógica Prof. João Carlos Gluz São Leopoldo, março de 2009 UNISINOS Lógica Apostila 1 Sumário CAPÍTULO 1 LÓGICA PROPOSICIONAL...1

Leia mais

Fundamentos de Lógica Matemática

Fundamentos de Lógica Matemática Webconferência 3-01/03/2012 Inferência Lógica Prof. L. M. Levada http://www.dc.ufscar.br/ alexandre Departamento de Computação (DC) Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) 2012/1 Objetivos Análise

Leia mais

Matemática Discreta. Lógica Proposicional. Profa. Sheila Morais de Almeida. agosto DAINF-UTFPR-PG

Matemática Discreta. Lógica Proposicional. Profa. Sheila Morais de Almeida. agosto DAINF-UTFPR-PG Matemática Discreta Lógica Proposicional Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG agosto - 2016 Tautologias Tautologia é uma fórmula proposicional que é verdadeira para todos os possíveis valores-verdade

Leia mais

Usando as regras de Morgan, de a negação das proposições:

Usando as regras de Morgan, de a negação das proposições: LÓGICA MATEMÁTICA Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com EXERCÍCIOS Usando as regras de Morgan, de a negação das proposições: a) É falso que não está frio

Leia mais