Uma proposição é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. Exemplos:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma proposição é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. Exemplos:"

Transcrição

1 1 Noções Básicas de Lógica 1.1 Proposições Uma proposição é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. 1. Os sapos são anfíbios. 2. A capital do Brasil é Porto Alegre. 3. O tomate é um tubérculo. 4. Por favor, estudem! 5. Escreva o nome da sua mãe. 6. Em um triângulo retângulo, a soma dos quadrados dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa. 7. A avenida Ipiranga, em Porto Alegre, RS, tem 6km de comprimento. 8. Toda água do planeta terra é potável. 9. O beija-flor é um pássaro. 10. ai trabalhar! 11. ocê gosta de cerveja? = Pablo Picasso é um pintor famoso. 14. aça um breve resumo de sua vida. 15. Maria,CP:...,comprou um carro 0 km. 16. Existem formas de vida em outros planetas Todos os alunos da URGS amam Matemática Discreta. Quais das frases acima são proposições? Quais são verdadeiras? Quais são falsas? Toda proposição é verdadeira ou falsa, ou seja, toda proposição assume um valor verdade ou lógico ( ou ). As proposições acima são chamadas de simples ou atômicas, pois não podem ser decompostas em mais de uma proposição. Em geral, as proposições são compostas, ou seja, são obtidas através de duas ou mais proposições simples, e seu valor lógico depende dos valores verdade de cada uma das proposições que a compõe. Notação: usaremos as letras p, q, r e s para designar proposições. 1

2 1.2 Conetivos Lógicos Para compor proposições usamos os conetivos lógicos. Existem dois tipos de conetivos: unários e binários. Unário: modifica uma proposição (não). Binários: unem duas proposições (e, ou, se então, se e somente se) 1. Baleias são mamíferos e aranhas são repteis. 2. ou comprar um Gol ou um Ka. 3. Se eu ganhar na loto então presentearei cada aluno com um iate. 4. Hoje não é domingo. 5. Passarei em Matemática Discreta se e somente se eu estudar muito Negação Seja p uma proposição, a negação de p é a proposição Não é verdade que p. Notação: p, p Tabela erdade: Exemplo: p : Hoje é terça-feira p : Não é verdade que hoje é terça-feira. Ou equivalentemente: Hoje não é terça-feira Conjunção p p Sejam p e q duas proposições, a conjunção de p e q é a proposição p e q. Esta proposição será verdadeira somente quando p e q forem verdadeiras. Notação: p q Tabela erdade: Exemplo: p : Comi 20 chocolates. q : Estou com sede. p q : Comi 20 chocolates e estou com sede. p q p q Disjunção Sejam p e q duas proposições, a disjunção de p e q é a proposição p ou q. Esta proposição será verdadeira se uma das proposições p ou q for verdadeira. 2

3 Notação: p q Tabela erdade: Exemplo: p : Comprei um Gol. q : Comprei uma errari. p q : Comprei um Gol ou comprei uma errari. p q p q Condição Sejam p e q duas proposições, a condição entre p e q é a proposição Se p então q, ou A condição p é suficiente para q, ou q se p, ou q é conseqüência de p. Esta proposição só não será verdadeira quando q for falsa e p for verdadeira. p q p q Notação: p q Tabela erdade: Exemplo: p : Roubei um banco. q : Comprei uma errari. p q : Se eu roubar um banco então comprarei uma errari Bicondição Sejam p e q duas proposições, a bicondição entre p e q é a proposição p se e somente se q, ou p se e só se q, ou p sss q. Esta proposição é verdadeira somente quando as duas proposições (p e q) tem o mesmo valor-verdade. p q p q Notação: p q Tabela erdade: Exemplo: p : Estudei muito Matemática Discreta. q : Passei em Matemática Discreta. p q : Estudei muito Matemática Discreta se e somente se eu passei em Matemática Discreta. Quadro-resumo dos conetivos: p q p q p q p q p q 3

4 Podemos agora combinar proposições compostas utilizando conetivos e parênteses. Para isso definimos uma ordem entre esses operadores: 1. Conetivos dentro do parênteses - dos mais internos para os mais externos. 2. : negação 3., : conjunção, disjunção 4. : condicional 5. : bicondicional 1. (p q) 2. (p q) 3. p q p q p q (p q) p q p q (p q) p q p q p q Observação: Nem todas as combinações de conetivos com proposições e parênteses são válidas - regras de sintaxe. Por exemplo a combinação: p q r não é válida. Exercício: Construa a tabela-verdade para a proposição: p q r 4

5 1.3 Tautologia e Contradição Definição 1.1. Uma proposição é uma tautologia se ela for sempre verdadeira independentemente dos valores lógicos das proposições que a compõe. Ou seja, a última coluna de sua tabela verdade só possui s. Exemplo: p p p p p p Definição 1.2. Uma proposição é uma contradição se ela for sempre falsa independentemente dos valores lógicos das proposições que a compõe. Ou seja, a última coluna de sua tabela verdade só possui s. Exemplo: p p p p p p Notação: tautologia: e contradição: Definição 1.3. Dadas duas proposições p e q dizemos que p implica q se a proposição Se p então q. é uma tautologia. Notação: p = q 1. Adição: p = p q 2. Simplificação: p q = p p q p q p p q p q p q p q p Definição 1.4. Dadas duas proposições p e q dizemos que p é equivalente a q se a proposição p se e somente se q. é uma tautologia. Notação: p q Note que a bicondição é verdadeira somente quando as duas proposições tem o mesmo valor verdade, assim se duas proposições tem a última coluna de suas tabelas-verdade iguais então elas são equivalentes. A recíproca também é verdadeira, ou seja, se duas proposições são equivalentes então a última coluna de suas tabelas-verdade são iguais. Utilizando esse resultado e os exemplos de tabela-verdade 1. e 3. da aula passa podemos afirmar que: (p q) p q Essa é uma importante propriedade das equivalências chamada Lei de De Morgan. eremos a seguir várias outras. 5

6 1.4 Propriedades das Equivalências Sejam p, q e r proposições uma tautologia e uma contradição. As seguintes propriedades são válidas: 1. Idempotência: p p p e p p p 2. Comutatividade: p q q p e p q q p 3. Associatividade: p (q r) (p q) r e p (q r) (p q) r 4. Distributividade: p (q r) (p q) (p r) e p (q r) (p q) (p r) 5. Identidades: p e p p p e p p 6. Complementares: p p e p p 7. Dupla negação : ( p) p 8. Absorção: p (p q) p e p (p q) p 9. Leis de De Morgan: (p q) p q (p q) p q As afirmações acima podem ser verificadas através de tabelas-verdade. aremos alguns exemplos. 1. p (p q) p Iniciamos com a tabela-verdade de p (p q). p q p q p (p q) Notamos que a primeira e a última coluna da tabela acima são iguais, assim, pela observação acima, temos que: p (p q) p. 2. p (q r) (p q) (p r) azemos a tabela-verdade das proposições que queremos mostrar que são equivalentes. p q r q r p (q r) 6

7 p q r p q p r (p q) (p r) emos que a última coluna da primeira tabela é igual a última coluna da segunda tabela, assim, pela observação anterior p (q r) (p q) (p r). Também poderíamos ter feito a comparação em uma única tabela, e mostrar que p (q r) (p q) (p r) é uma tautologia; essa tabela tem a primeira linha dada abaixo. p q r q r p (q r) p q p r (p q) (p r) p (q r) (p q) (p r) Uma das aplicações das propriedades das equivalências é na simplificação de comandos. p (p q) p ( p q) (p p) (p q) (p q) (p q) 1.5 Equivalências undamentais As equivalências abaixo serão a base de algumas técnicas de demonstração. 1. p q p q 2. p q q p (contraposição) 3. p q p q (absurdo) Exercício: Utilize as tabelas abaixo para mostrar as três equivalências acima. p q p q p q p q p q p q 7

8 1.6 Quantificadores Consideramos a sentença p : n 5. O valor lógico dessa proposição varia com os valores de n. Se n = 1, p é falsa, se n = 7, p é verdadeira, se n = 129, p é verdadeira e se n = 4, p é falsa. Isso nos leva a pensar em proposições sobre conjunto de valores. Definição 1.5. Seja A um conjunto qualquer. Uma proposição sobre A é uma proposição cujo valor lógico depende do elemento x A considerado. Uma proposição p a qual descreve alguma proposição de um elemento x A é denominada, em geral, por p(x). Toda proposição p em A determina: Conjunto-verdade de p : são os elementos de A para os quais p é verdadeira. Notação: (p) = {x A; p(x) e } Conjunto-falsidade de p : são os elementos de A para os quais p é falsa. Notação: (p) = {x A; p(x) e } 1. p : n 3 8 em A = N (p) = {2, 3, 4, 5,...} = {n N ; n 2} (p) = {0, 1} 2. p : n 0 em A = N (p) = N (p) = 3. p : n = 3 em A = N (p) = (p) = N Os dois últimos exemplos são uma TAUTOLOGIA e uma CONTRADIÇÃO. Dizemos que uma proposição p em A é uma TAUTOLOGIA se (p) = A e dizemos que uma proposição p em A é uma CONTRADIÇÃO se (p) = Quantificador Universal Seja A um conjunto e p uma proposição em A. Usamos o símbolo para designar o quantificador universal. Escrevemos: ( x A) p(x) ou x A, p(x) ou ( x A) (p(x)) Podemos ler qualquer uma das afirmações acima dos seguintes modos: Para todo x pertencente a A, p(x) é verdadeira. ou Para cada x pertencente a A, p(x) é verdadeira. ou Para qualquer x pertencente a A, p(x) é verdadeira. 8

9 1.6.2 Quantificador Existencial Seja A um conjunto e p uma proposição em A. Usamos o símbolo para designar o quantificador existencial. Escrevemos: ( x A) p(x) ou x A, p(x) ou ( x A) (p(x)) Podemos ler qualquer uma das afirmações acima dos seguintes modos: Existe x pertencente a A, tal que p(x) é verdadeira. ou Existe pelo menos um x pertencente a A, tal que p(x) é verdadeira. Quantificador Existencial Único: Usamos o símbolo! para designar o quantificador existencial único. Escrevemos: (! x A) p(x) e lemos: Existe e é único o x pertencente a A, tal que p(x) é verdadeira. O conetivo e é fundamental nessa afirmação, usando esse conetivo podemos reescrever a afirmação de modo equivalente: (! x A) p(x) ( ( x A) p(x) ) [( ( x A) p(x) ( y A) p(y) ) x = y ] Exemplo: (! n N) n 2 = alores-verdade de proposições quantificadas Seja A um conjunto e p uma proposição em A. A proposição ( x A) p(x) é verdadeira se e somente se (p) = A e é falsa caso contrário, ou seja, caso (p) A. A proposição ( x A) p(x) é verdadeira se e somente se (p) e é falsa caso contrário, ou seja, caso (p) =. Resumindo: ( x A) p(x) é sss (p) = A ( x A) p(x) é sss (p) A ( x A) p(x) é sss (p) ( x A) p(x) é sss (p) = (! x A) p(x) é sss (! x A) p(x) é sss 1. ( n N) n ( n N) n ( n N) n! ( n N) n! ( n N) n 0 6. ( n N) n 0 9

10 Observação: Note que sempre que uma proposição do tipo ( x A) p(x) é então a proposição ( x A) p(x) também é, e equivalentemente, se uma proposição do tipo ( x A) p(x) é, então a proposição ( x A) p(x) também é. Podemos afirmar, mesmo que... que: Quantificador Universal = Quantificador Existencial Generalizando: Sejam A 1, A 2,... A n conjuntos, x 1 A 1, x 2 A 2,..., x n A n e p(x 1, x 2,..., x n ) uma proposição envolvendo x 1, x 2,..., x n. Devemos quantificar cada x i separadamente. 1. ( n N)( m N) m > n é pois 2. ( n N)( m N) m > n é pois Cuidado! A ordem dos quantificadores não pode ser alterada!!! 3. ( x R)(!y R) x + y = 0 é pois 4. ( x R)( y R) x + y = 0 é pois 5. ( x R)( y R) x + y = y + x é pois 6. ( x R)( y R)( z R) (x + y) + z = x + (y + z) é pois 1.7 Negação de proposições quantificadas Seja A um conjunto e p uma proposição em A. Sabemos que a proposição ( x A) p(x) é verdadeira se e somente se (p) = A e é falsa caso (p) A, ou seja, se existir x A tal que p(x) não é verdade. Assim: [ ( x A) p(x) ] ( x A) p(x) Analogamente, sabemos que a proposição ( x A) p(x) é verdadeira se e somente se (p) e é falsa caso (p) = ou seja, se para cada x A, p(x) não é verdade. Assim: [ ( x A) p(x) ] ( x A) p(x) 1. ( x R) x 2 0 é pois [ ( x R) x 2 0 ] ( x R) (x 2 0) ( x R)(x 2 < 0) é falso. 2. ( n N) (n + 1) é par é... pois [ ( n N) (n + 1) é par ] ( n N) ( (n + 1) é par ) 3. ( x R) x R é... pois [ ( x R) x R ] ( n N) ( (n + 1) é ímpar ) 10

11 ejamos o que acontece com duas variáveis: Sejam A e B dois conjuntos, x A, y B e p(x, y) uma proposição em A B. A proposição ( x A)( y B) p(x, y) é verdadeira se para cada par ordenado (x, y) A B a proposição p(x, y) for verdadeira; e será falsa se existir um par ordenado (x, y) A B tal que p(x, y) é falsa. Assim: [ ( x A)( y B) p(x, y) ] ( x A)( y B) p(x, y) A proposição ( x A)( y B) p(x, y) é verdadeira se existe um par ordenado (x, y) A B a proposição p(x, y) é verdadeira; e será falsa se não existir um tal par ordenado, ou seja se para cada (x, y) A B p(x, y) for falsa. Assim: Similarmente obtemos: [ ( x A)( y B) p(x, y) ] ( x A)( y B) p(x, y) e [ ( x A)( y B) p(x, y) ] ( x A)( y B) p(x, y) [ ( x A)( y B) p(x, y) ] ( x A)( y B) p(x, y) Exercício: Negue as proposições abaixo. 1. ( n N)( m N) m > n 2. ( n N)( m N) m > n 3. ( x R)(!y R) x + y = 0 4. ( x R)( y R) x + y = 0 5. ( x R)( y R) x + y = y + x 6. ( x R)( y R)( z R) (x + y) + z = x + (y + z) 11

12 2 Técnicas de demonstração Classificação das proposições matemáticas: Teorema: proposição importante que se pode mostrar que é verdadeira. Corolário: proposição decorrente de um teorema. Lema: proposição auxiliar ao teorema. Conjectura: proposição que ainda não foi provada. Axioma: proposição evidente que assumimos verdadeira. Postulado: proposição não evidente, nem demonstrável que se admite como princípio. Definição: equivalência entre um termo desconhecido e termos conhecidos. A prova ou demonstração de um teorema é uma seqüência de afirmações que chamamos de argumento. As afirmações usadas nos argumentos incluem axiomas, postulados, lemas, definições, outros teoremas já demonstrados e a hipótese do teorema. As regras de inferências, que é o modo matemático de tirar conclusões de afirmações, são os pilares de uma demonstração. Regras de Inferência 1. Adição: p = (p q) 2. Simplificação: (p q) = p 3. Modus Ponens: p (p q) = q 4. Modus Tollens: q (p q) = p 5. Syllogismo Hipotético:(p q) (q r) = (p r) 6. Syllogismo Disjuntivo: (p q) p = q Muitos teoremas são do tipo p = q, por isso veremos técnicas para mostrar implicações; além disso, se um teorema for do tipo p q, podemos mostrá-lo utlizando a seguinte equivalência: (p q) (p = q) (q = p) Em uma proposição do tipo p = q denominamos p hipótese e q tese ou conclusão. 2.1 Tipos de demonstração de p = q Prova Direta É baseada na tabela verdade de p q; pois nessa tabela verdade vemos que p q é falsa somente quando q é falsa e p é verdadeira, por isso para mostrar que p = q basta mostrar que se p é verdadeira então q também é verdadeira. Assim, nesse tipo de demonstração, assumimos p verdadeira, e por argumentação concluímos que q é verdadeira. Exemplo: Seja n N. Se n é um número ímpar então n 2 é um número ímpar. 12

13 2.1.2 Prova por Contraposição É baseada na equivalência fundamental: p q q p. Ou seja, mostramos diretamente sua contrapositiva. Exemplo: Seja n N. Se 3n + 2 é um número ímpar então n é um número ímpar Prova por redução ao absurdo É baseada na equivalência fundamental: p q p q. Ou seja, mostramos diretamente que p q. Exemplo: Seja n N. Se n é um número ímpar então n 2 é um número ímpar Prova por vacuidade Quando a hipótese, p, é falsa então p q é verdadeira Prova trivial Quando a tese, q, é verdadeira então p q é verdadeira. 13

14 2.1.6 Prova por casos É baseada na equivalência : ( (p1 p 2... p n ) = q ) (p 1 = q) (p 2 = q)... (p n = q) Prova por indução Aguarde, será dada em uma seção a parte. 2.2 Mais exemplos de demonstrações Definição 2.1. Sejam a e d elementos de Z. Dizemos que a é um múltiplo de d, ou equivalentemente, d é um divisor de a, ou, a é divisível por d, ou ainda, d divide a, se e somente se ( q Z) a = d q. Notação: d a para d divide a. Proposição 2.2. Sejam a, b, d Z. Se d divide a e d divide b então d divide qualquer combinação (linear) de a e b. Ou seja, ( a, b, d Z) d a d b = d (α a + β b) α, β Z. Demonstração.... Observação 2.3. Dado a Z, (a 1) (a n 1) n N. De fato, (a n 1) = (a 1) (a n 1 + a n 2 + a 2 + a + 1) 14

Uma proposição é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. Exemplos:

Uma proposição é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. Exemplos: 1 Noções Básicas de Lógica 1.1 Proosições Uma roosição é uma frase ue ode ser aenas verdadeira ou falsa. 1. Os saos são anfíbios. 2. A caital do Brasil é Porto Alegre. 3. O tomate é um tubérculo. 4. Por

Leia mais

Lógica. Fernando Fontes. Universidade do Minho. Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65

Lógica. Fernando Fontes. Universidade do Minho. Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65 Lógica Fernando Fontes Universidade do Minho Fernando Fontes (Universidade do Minho) Lógica 1 / 65 Outline 1 Introdução 2 Implicações e Equivalências Lógicas 3 Mapas de Karnaugh 4 Lógica de Predicados

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES

MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES MATEMÁTICA DISCRETA CONCEITOS PRELIMINARES Newton José Vieira 21 de agosto de 2007 SUMÁRIO Teoria dos Conjuntos Relações e Funções Fundamentos de Lógica Técnicas Elementares de Prova 1 CONJUNTOS A NOÇÃO

Leia mais

LÓGICA EM COMPUTAÇÃO

LÓGICA EM COMPUTAÇÃO CEC CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS LÓGICA EM COMPUTAÇÃO TAUTOLOGIA - EQUIVALÊNCIA E INFERÊNCIA VERSÃO: 0.1 - MARÇO DE 2017 Professor: Luís Rodrigo E-mail: luis.goncalves@ucp.br

Leia mais

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação SMA 341 - Elementos de Matemática Notas de Aulas Ires Dias Sandra Maria Semensato de Godoy São Carlos 2009 Sumário 1 Noções

Leia mais

Universidade Aberta do Brasil - UFPB Virtual Curso de Licenciatura em Matemática

Universidade Aberta do Brasil - UFPB Virtual Curso de Licenciatura em Matemática Universidade Aberta do Brasil - UFPB Virtual Curso de Licenciatura em Matemática Argumentação em Matemática Prof. Lenimar Nunes de Andrade e-mail: numerufpb@gmail.com ou lenimar@mat.ufpb.br versão 1.0

Leia mais

Lógica. Cálculo Proposicional. Introdução

Lógica. Cálculo Proposicional. Introdução Lógica Cálculo Proposicional Introdução Lógica - Definição Formalização de alguma linguagem Sintaxe Especificação precisa das expressões legais Semântica Significado das expressões Dedução Provê regras

Leia mais

n. 18 ALGUNS TERMOS...

n. 18 ALGUNS TERMOS... n. 18 ALGUNS TERMOS... DEFINIÇÃO Uma Definição é um enunciado que descreve o significado de um termo. Por exemplo, a definição de linha, segundo Euclides: Linha é o que tem comprimento e não tem largura.

Leia mais

Cálculo proposicional

Cálculo proposicional O estudo da lógica é a análise de métodos de raciocínio. No estudo desses métodos, a lógica esta interessada principalmente na forma e não no conteúdo dos argumentos. Lógica: conhecimento das formas gerais

Leia mais

Lógica e Matemática Discreta

Lógica e Matemática Discreta Lógica e Matemática Discreta Proposições Prof clezio 26 de Abril de 2017 Curso de Ciência da Computação Inferência Lógica Uma inferência lógica, ou, simplesmente uma inferência, é uma tautologia da forma

Leia mais

Lógica Matemática UNIDADE II. Professora: M. Sc. Juciara do Nascimento César

Lógica Matemática UNIDADE II. Professora: M. Sc. Juciara do Nascimento César Lógica Matemática UNIDADE II Professora: M. Sc. Juciara do Nascimento César 1 1 - Álgebra das Proposições 1.1 Propriedade da Conjunção Sejam p, q e r proposições simples quaisquer e sejam t e c proposições

Leia mais

Cálculo proposicional

Cálculo proposicional O estudo da lógica é a análise de métodos de raciocínio. No estudo desses métodos, a lógica esta interessada principalmente na forma e não no conteúdo dos argumentos. Lógica: conhecimento das formas gerais

Leia mais

Cálculo proposicional

Cálculo proposicional Notas de aula de MAC0329 (2003) 9 2 Cálculo proposicional Referências para esta parte do curso: capítulo 1 de [Mendelson, 1977], capítulo 3 de [Whitesitt, 1961]. Proposição Proposições são sentenças afirmativas

Leia mais

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte:

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte: Prova de Implicações Uma implicação é verdadeira quando a verdade do seu antecedente acarreta a verdade do seu consequente. Ex.: Considere a implicação: Se chove, então a rua está molhada. Observe que

Leia mais

Fundamentos de Lógica Lógica Proposicional

Fundamentos de Lógica Lógica Proposicional Fundamentos de Lógica Lógica Proposicional Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro Alguns fatos históricos Primeiros grandes trabalhos de lógica escritos

Leia mais

Introdução à Lógica Matemática

Introdução à Lógica Matemática Introdução à Lógica Matemática Disciplina fundamental sobre a qual se fundamenta a Matemática Uma linguagem matemática Paradoxos 1) Paradoxo do mentiroso (A) Esta frase é falsa. A sentença (A) é verdadeira

Leia mais

Lógica para computação

Lógica para computação Lógica para computação PROPRIEDADES SEMÂNTICAS DA LÓGICA PROPOSICIONAL Professor Marlon Marcon Introdução Esta seção considera a análise de algumas propriedades semânticas da LP que relacionam os resultados

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 1 Elementos de Lógica e Linguagem Matemática. Prof. Rodrigo Hausen. 24 de junho de 2014

Bases Matemáticas. Aula 1 Elementos de Lógica e Linguagem Matemática. Prof. Rodrigo Hausen. 24 de junho de 2014 Aula 1 Elementos de Lógica e Linguagem Matemática Prof. Rodrigo Hausen 24 de junho de 2014 Definição Uma proposição é uma sentença declarativa que é verdadeira ou falsa, mas não simultaneamente ambas.

Leia mais

1 TEORIA DOS CONJUNTOS

1 TEORIA DOS CONJUNTOS 1 TEORIA DOS CONJUNTOS Definição de Conjunto: um conjunto é uma coleção de zero ou mais objetos distintos, chamados elementos do conjunto, os quais não possuem qualquer ordem associada. Em outras palavras,

Leia mais

Aula 1 Aula 2. Ana Carolina Boero. Página:

Aula 1 Aula 2. Ana Carolina Boero.   Página: Elementos de lógica e linguagem matemática E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Linguagem matemática A linguagem matemática

Leia mais

Lógica Formal. Matemática Discreta. Prof Marcelo Maraschin de Souza

Lógica Formal. Matemática Discreta. Prof Marcelo Maraschin de Souza Lógica Formal Matemática Discreta Prof Marcelo Maraschin de Souza Implicação As proposições podem ser combinadas na forma se proposição 1, então proposição 2 Essa proposição composta é denotada por Seja

Leia mais

Lista 2 - Bases Matemáticas

Lista 2 - Bases Matemáticas Lista 2 - Bases Matemáticas (Última versão: 14/6/2017-21:00) Elementos de Lógica e Linguagem Matemática Parte I 1 Atribua valores verdades as seguintes proposições: a) 5 é primo e 4 é ímpar. b) 5 é primo

Leia mais

Gestão Empresarial Prof. Ânderson Vieira

Gestão Empresarial Prof. Ânderson Vieira NOÇÕES DE LÓGICA Gestão Empresarial Prof. Ânderson ieira A maioria do texto apresentado neste arquivo é do livro Fundamentos de Matemática Elementar, ol. 1, Gelson Iezzi e Carlos Murakami (eja [1]). Algumas

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1 Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/81 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

LÓGICA PROPOSICIONAL

LÓGICA PROPOSICIONAL FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia Redes de Computadores e Banco de dados Matemática Computacional Prof. Ulisses Cotta Cavalca LÓGICA PROPOSICIONAL Belo Horizonte/MG

Leia mais

UNIP Ciência da Computação Prof. Gerson Pastre de Oliveira

UNIP Ciência da Computação Prof. Gerson Pastre de Oliveira Aula 6 Lógica Matemática Álgebra das proposições e método dedutivo As operações lógicas sobre as proposições possuem uma série de propriedades que podem ser aplicadas, considerando os conectivos inseridos

Leia mais

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 2 13 de agosto de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Pré-Cálculo. Humberto José Bortolossi. Aula 2 13 de agosto de Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Pré-Cálculo Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Aula 2 13 de agosto de 2010 Aula 2 Pré-Cálculo 1 Problemas de organização e erros frequentes Problemas

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 06 Lógica Proposicional Lógica Proposicional Lógica simples. A sentenças são formadas por conectivos como: e, ou, então.

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Analítica

Álgebra Linear e Geometria Analítica Álgebra Linear e Geometria Analítica Engenharia Electrotécnica Escola Superior de Tecnologia de Viseu www.estv.ipv.pt/paginaspessoais/lucas lucas@mat.estv.ipv.pt 2007/2008 Álgebra Linear e Geometria Analítica

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

Apêndice B: Resolução dos Exercícios Propostos

Apêndice B: Resolução dos Exercícios Propostos Apêndice B: Resolução dos Exercícios Propostos É importante que o aluno verifique a resolução dos exercícios somente após ter tentado resolvê-los. De fato, para que ocorra a aprendizagem é importante que

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/81 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 06 Lógica Proposicional Edirlei Soares de Lima Lógica Proposicional Lógica muito simplificada. A sentenças são formadas por conectivos como:

Leia mais

Bases Matemáticas. Como o Conhecimento Matemático é Construído. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. Definições Axiomas.

Bases Matemáticas. Como o Conhecimento Matemático é Construído. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. Definições Axiomas. 1 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2012-9-21 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Construído 2 Definições Axiomas Demonstrações Teoremas Demonstração: prova de que um

Leia mais

Negação. Matemática Básica. Negação. Negação. Humberto José Bortolossi. Parte 3. Regras do Jogo. Regras do Jogo

Negação. Matemática Básica. Negação. Negação. Humberto José Bortolossi. Parte 3. Regras do Jogo. Regras do Jogo Matemática Básica Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 3 Parte 3 Matemática Básica 1 Parte 3 Matemática Básica 2 Qual é a negação do predicado

Leia mais

4 AULA. Regras de Inferência e Regras de Equivalência LIVRO. META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência.

4 AULA. Regras de Inferência e Regras de Equivalência LIVRO. META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência. 1 LIVRO Regras de Inferência e Regras de Equivalência 4 AULA META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de:

Leia mais

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17)

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Lista 1 - Bases Matemáticas Elementos de Lógica e Linguagem Matemática 1

Leia mais

Afirmações Matemáticas

Afirmações Matemáticas Afirmações Matemáticas Na aula passada, vimos que o objetivo desta disciplina é estudar estruturas matemáticas, afirmações sobre elas e como provar essas afirmações. Já falamos das estruturas principais,

Leia mais

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa.

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa. Tema 1 Lógica e Teoria dos Conjuntos 1. Proposições e valores lógicos. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira

Leia mais

Prof. Jorge Cavalcanti

Prof. Jorge Cavalcanti Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 01 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Demonstrações Matemáticas Parte 2

Demonstrações Matemáticas Parte 2 Demonstrações Matemáticas Parte 2 Nessa aula, veremos aquele que, talvez, é o mais importante método de demonstração: a prova por redução ao absurdo. Também veremos um método bastante simples para desprovar

Leia mais

Matemática Discreta - 01

Matemática Discreta - 01 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 01 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/26 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

Matemática Discreta - 04

Matemática Discreta - 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Lógica Proposicional Parte I. Raquel de Souza Francisco Bravo 11 de outubro de 2016

Lógica Proposicional Parte I. Raquel de Souza Francisco Bravo   11 de outubro de 2016 Lógica Proposicional Parte I e-mail: raquel@ic.uff.br 11 de outubro de 2016 Lógica Matemática Cáculo Proposicional Uma aventura de Alice Alice, ao entrar na floresta, perdeu a noção dos dias da semana.

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Fundamentos de Lógica No nosso dia a dia, usamos todo o tipo de frases: Cinco é menor

Leia mais

Lógica Texto 11. Texto 11. Tautologias. 1 Comportamento de um enunciado 2. 2 Classificação dos enunciados Exercícios...

Lógica Texto 11. Texto 11. Tautologias. 1 Comportamento de um enunciado 2. 2 Classificação dos enunciados Exercícios... Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matemática Texto 11 Tautologias Sumário 1 Comportamento de um enunciado 2 1.1 Observações................................ 4 2 Classificação dos enunciados 4 2.1

Leia mais

Vimos que a todo o argumento corresponde uma estrutura. Por exemplo ao argumento. Se a Lua é cúbica, então os humanos voam.

Vimos que a todo o argumento corresponde uma estrutura. Por exemplo ao argumento. Se a Lua é cúbica, então os humanos voam. Matemática Discreta ESTiG\IPB 2012/13 Cap1 Lógica pg 10 Lógica formal (continuação) Vamos a partir de agora falar de lógica formal, em particular da Lógica Proposicional e da Lógica de Predicados. Todos

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA CÁLCULO PROPOSICIONAL PROFESSOR WALTER PAULETTE FATEC SP

MATEMÁTICA DISCRETA CÁLCULO PROPOSICIONAL PROFESSOR WALTER PAULETTE FATEC SP 1 MATEMÁTICA DISCRETA CÁLCULO PROPOSICIONAL PROFESSOR WALTER PAULETTE FATEC SP 2009 02 2 CÁLCULO PROPOSICIONAL 1. Proposições Uma proposição é uma sentença declarativa que pode ser verdade ou falsa, mas

Leia mais

Demonstrações. Terminologia Métodos

Demonstrações. Terminologia Métodos Demonstrações Terminologia Métodos Técnicas de Demonstração Uma demonstração é um argumento válido que estabelece a verdade de uma sentença matemática. Técnicas de Demonstração Demonstrações servem para:

Leia mais

Lógica Proposicional e Álgebra de Boole

Lógica Proposicional e Álgebra de Boole Lógica Proposicional e Álgebra de Boole A lógica proposicional remonta a Aristóteles, e teve como objectivo modelizar o raciocínio humano. Partindo de frases declarativas ( proposições), que podem ser

Leia mais

Elementos de Matemática

Elementos de Matemática Elementos de Matemática Álgebra de Boole Roteiro no. 10 - Atividades didáticas de 2007 8 de Outubro de 2007- Arq: elementos10.tex Departamento de Matemática - UEL Prof. Ulysses Sodré E-mail: ulysses(at)matematica(pt)uel(pt)br

Leia mais

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS.

A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. A DEFINIÇÃO AXIOMÁTICA DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS. SANDRO MARCOS GUZZO RESUMO. A construção dos conjuntos numéricos é um assunto clássico na matemática, bem como o estudo das propriedades das operações

Leia mais

Elementos de Lógica Matemática. Uma Breve Iniciação

Elementos de Lógica Matemática. Uma Breve Iniciação Elementos de Lógica Matemática Uma Breve Iniciação Proposições Uma proposição é uma afirmação passível de assumir valor lógico verdadeiro ou falso. Exemplos de Proposições 2 > 1 (V); 5 = 1 (F). Termos

Leia mais

Fundamentos 1. Lógica de Predicados

Fundamentos 1. Lógica de Predicados Fundamentos 1 Lógica de Predicados Predicados e Quantificadores Estudamos até agora a lógica proposicional Predicados e Quantificadores Estudamos até agora a lógica proposicional A lógica proposicional

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático

Raciocínio Lógico Matemático Raciocínio Lógico Matemático Cap. 4 - Implicação Lógica Implicação Lógica Antes de iniciar a leitura deste capítulo, verifique se de fato os capítulos anteriores ficaram claros e retome os tópicos abordados

Leia mais

Lógica predicados. Lógica predicados (continuação)

Lógica predicados. Lógica predicados (continuação) Lógica predicados (continuação) Uma formula está na forma normal conjuntiva (FNC) se é uma conjunção de cláusulas. Qualquer fórmula bem formada pode ser convertida para uma FNC, ou seja, normalizada, seguindo

Leia mais

Lógica Formal. Matemática Discreta. Prof. Vilson Heck Junior

Lógica Formal. Matemática Discreta. Prof. Vilson Heck Junior Lógica Formal Matemática Discreta Prof. Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Objetivos Utilizar símbolos da lógica proposicional; Encontrar o valor lógico de uma expressão em lógica proposicional;

Leia mais

Notas de Aula 2: Métodos de Prova

Notas de Aula 2: Métodos de Prova IFMG Campus Formiga Matemática Discreta Notas de Aula 2: Métodos de Prova Prof. Diego Mello 2o. Semestre 2012 Sumário 1 Introdução 2 2 Conceitos 2 3 Teoremas 4 4 Métodos de Prova 6 4.1 Prova Direta........................................

Leia mais

INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA

INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA INTRODUÇÃO À LÓGICA MATEMÁTICA Matemática Aplicada a Computação rofessor Rossini A M Bezerra Lógica é o estudo dos princípios e métodos usados para distinguir sentenças verdadeiras de falsas. Definição

Leia mais

Atenção: Esse conectivo transmite a ideia de e / ou e não apenas a de exclusão como muitas pessoas imaginam.

Atenção: Esse conectivo transmite a ideia de e / ou e não apenas a de exclusão como muitas pessoas imaginam. CONCEITO DE PROPOSIÇÃO É todo conjunto de palavras ou símbolos que exprimem uma ideia de sentido completo e que, além disso, pode ser julgado como verdadeiro (V) ou falso (F). NÃO SÃO PROPOSIÇÕES Frases

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 3

Lógica Proposicional Parte 3 Lógica Proposicional Parte 3 Nesta aula, vamos mostrar como usar os conhecimentos sobre regras de inferência para descobrir (ou inferir) novas proposições a partir de proposições dadas. Ilustraremos esse

Leia mais

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores 1 LIVRO Conectivos e Quantificadores Lógicos META: Introduzir os conectivos e quantificadores lógicos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Compreender a semântica dos conectivos

Leia mais

Conceitos Básicos Projeto Novos Talentos - CAPES Computação no Ensino Fundamental Atividade 1 Parte 2 Prof: João Bosco m. Sobral / Prof.

Conceitos Básicos Projeto Novos Talentos - CAPES Computação no Ensino Fundamental Atividade 1 Parte 2 Prof: João Bosco m. Sobral / Prof. Conceitos Básicos Projeto Novos Talentos - CAPES Computação no Ensino Fundamental Atividade 1 Parte 2 Prof: João Bosco m. Sobral / Prof. Fernando Cruz Lógica é um tema fascinante. Mas o que é Lógica? Qual

Leia mais

SMA0341 e SLC Elementos de Matemática Notas de Aulas

SMA0341 e SLC Elementos de Matemática Notas de Aulas Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação SMA0341 e SLC0603 - Elementos de Matemática Notas de Aulas Ires Dias Sandra Maria Semensato de Godoy São Carlos 2012 Sumário

Leia mais

Fundamentos de Lógica Matemática

Fundamentos de Lógica Matemática Webconferência 3-01/03/2012 Inferência Lógica Prof. L. M. Levada http://www.dc.ufscar.br/ alexandre Departamento de Computação (DC) Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) 2012/1 Objetivos Análise

Leia mais

Lógica Matemática. Prof. Gerson Pastre de Oliveira

Lógica Matemática. Prof. Gerson Pastre de Oliveira Lógica Matemática Prof. Gerson Pastre de Oliveira Programa da Disciplina Proposições e conectivos lógicos; Tabelas-verdade; Tautologias, contradições e contingências; Implicação lógica e equivalência lógica;

Leia mais

Matemática discreta e Lógica Matemática

Matemática discreta e Lógica Matemática AULA 1 - Lógica Matemática Prof. Dr. Hércules A. Oliveira UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa Departamento Acadêmico de Matemática Ementa 1 Lógica Sentenças, representação

Leia mais

2013/1S EP33D Matemática Discreta Avaliação 01

2013/1S EP33D Matemática Discreta Avaliação 01 013/1S EP33D Matemática Discreta Avaliação 01 Data: 10/07/013 Início: 13h00min Duração: 03 aulas h30min) OBSERVAÇÕES: i) a prova é individual; ii) qualquer forma de consulta não autorizada acarretará no

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Apostila da Disciplina de. Lógica. Prof. João Carlos Gluz

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Apostila da Disciplina de. Lógica. Prof. João Carlos Gluz Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Apostila da Disciplina de Lógica Prof. João Carlos Gluz São Leopoldo, março de 2009 UNISINOS Lógica Apostila 1 Sumário CAPÍTULO 1 LÓGICA PROPOSICIONAL...1

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Lógica Computacional Modus Ponens e Raciocínio Hipotético Introdução e eliminação da Implicação e da Equivalência Completude e Coerência do Sistema de Dedução Natural 24 Outubro 2016 Lógica Computacional

Leia mais

Ló gica. Para Concursos Públicos. Professor Luiz Guilherme

Ló gica. Para Concursos Públicos. Professor Luiz Guilherme Ló gica Para Concursos Públicos Professor Luiz Guilherme 2014 1 Lógica Para Concursos Públicos Proposição... 2 Valor Lógico das Proposições... 2 Axiomas da Lógica... 2 Tabela Verdade:... 3 Conectivos:...

Leia mais

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Elementos de Lógica Matemática Uma Breve Iniciação Gláucio Terra glaucio@ime.usp.br Departamento de Matemática IME - USP Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Vamos aprender a falar aramaico? ǫ > 0 ( δ

Leia mais

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Apresentamos aqui diversas propriedades gerais dos números inteiros que não precisarão ser provadas quando você, aluno, for demonstrar teoremas nesta disciplina.

Leia mais

Aula 6: Dedução Natural

Aula 6: Dedução Natural Lógica para Computação Primeiro Semestre, 2015 DAINF-UTFPR Aula 6: Dedução Natural Prof. Ricardo Dutra da Silva Em busca de uma forma de dedução mais próxima do que uma pessoa costuma fazer, foi criado

Leia mais

Lógica e Raciocínio. Lógica Proposicional. Universidade da Madeira.

Lógica e Raciocínio. Lógica Proposicional. Universidade da Madeira. Lógica e Raciocínio Universidade da Madeira http://dme.uma.pt/edu/ler/ Lógica Proposicional 1 Proposição Uma rase é uma proposição apenas quando admite um dos dois valores lógicos: Falso (F) ou Verdadeiro

Leia mais

Modus ponens, modus tollens, e respectivas falácias formais

Modus ponens, modus tollens, e respectivas falácias formais Modus ponens, modus tollens, e respectivas falácias formais Jerzy A. Brzozowski 28 de abril de 2011 O objetivo deste texto é apresentar duas formas válidas de argumentos o modus ponens e o modus tollens

Leia mais

Dedução Natural e Sistema Axiomático Pa(Capítulo 6)

Dedução Natural e Sistema Axiomático Pa(Capítulo 6) Dedução Natural e Sistema Axiomático Pa(Capítulo 6) LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Dedução Natural 3. Sistemas axiomático Pa 4. Lista

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/81 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

19 AULA. Princípio da Boa Ordem LIVRO. META Introduzir o princípio da boa ordem nos números naturais e algumas de suas conseqüências.

19 AULA. Princípio da Boa Ordem LIVRO. META Introduzir o princípio da boa ordem nos números naturais e algumas de suas conseqüências. LIVRO Princípio da Boa Ordem META Introduzir o princípio da boa ordem nos números naturais e algumas de suas conseqüências. OBJETIVOS Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Aplicar o princípio

Leia mais

Campos Sales (CE),

Campos Sales (CE), UNIERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO PROGRAD UNIDADE DESCENTRALIZADA DE CAMPOS SALES CAMPI CARIRI OESTE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA: Tópicos de Matemática SEMESTRE:

Leia mais

Os números inteiros. Capítulo 2

Os números inteiros. Capítulo 2 6 Capítulo 2 Os números inteiros Intuitivamente, o conjunto Z dos números inteiros é composto pelos números naturais e pelos "negativos". Como justificamos de uma forma simples qual a origem dos números

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

CRÉDITOS: 0 OBRIGATÓRIA: SIM CURSO:

CRÉDITOS: 0 OBRIGATÓRIA: SIM CURSO: DISCIPLINA: Nivelamento em Matemática II CÓDIGO: MDPMAT027 SIGLA: NM PROFESSOR: A definir CARGA HORÁRIA: 10h DATA DE INÍCIO: 02/01/2017 DATA DE FIM: 06/01/2017 CRÉDITOS: 0 OBRIGATÓRIA: SIM CURSO: NÃO M

Leia mais

Lógica Proposicional (Consequência lógica / Dedução formal)

Lógica Proposicional (Consequência lógica / Dedução formal) Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Matemática Aplicada Prof. Edécio Fernando Iepsen Lógica Proposicional (Consequência lógica /

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/59 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

Proposições simples e compostas

Proposições simples e compostas Revisão Lógica Proposições simples e compostas Uma proposição é simples quando declara algo sem o uso de conectivos. Exemplos de proposições simples: p : O número 2 é primo. (V) q : 15 : 3 = 6 (F) r :

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

Seminário Semanal de Álgebra. Técnicas de Demonstração

Seminário Semanal de Álgebra. Técnicas de Demonstração UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÂMPUS CATALÃO Seminário Semanal de Álgebra Técnicas de Demonstração Catalão, 26/11/2013. Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Seminário Semanal de Álgebra Orientador:

Leia mais

A Lógica Matemática se ocupa da análise e relações entre certas sentenças, quase sempre de conteúdo matemático, chamadas proposições.

A Lógica Matemática se ocupa da análise e relações entre certas sentenças, quase sempre de conteúdo matemático, chamadas proposições. Capítulo 1 CÁLCULO PROPOSICIONAL 1. PROPOSIÇÕES E CONECTIVOS A Lógica Matemática se ocupa da análise e relações entre certas sentenças, quase sempre de conteúdo matemático, chamadas proposições. Uma proposição

Leia mais

Regras de Inferência. Matemática Discreta. Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG. março

Regras de Inferência. Matemática Discreta. Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG. março Matemática Discreta Regras de Inferência Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG março - 2017 Argumentos Válidos em Lógica Proposicional Considere o argumento: Se João pensa, então João existe.

Leia mais

Como primeira e indispensável parte da Lógica Matemática temos o Cálculo Proporcional ou Cálculo Sentencial ou ainda Cálculo das Sentenças.

Como primeira e indispensável parte da Lógica Matemática temos o Cálculo Proporcional ou Cálculo Sentencial ou ainda Cálculo das Sentenças. NE-6710 - SISTEMAS DIGITAIS I LÓGICA PROPOSICIONAL, TEORIA CONJUNTOS. A.0 Noções de Lógica Matemática A,0.1. Cálculo Proposicional Como primeira e indispensável parte da Lógica Matemática temos o Cálculo

Leia mais

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas. Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy

SMA Elementos de Matemática Notas de Aulas. Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy SMA - 341 - Elementos de Matemática Notas de Aulas Ires Dias - Sandra Maria Semensato de Godoy 2006 Capítulo 1 Noções de Lógica Lógica é a higiene usada pelos matemáticos para conservar suas idéias saudáveis

Leia mais

Conhecimento e Raciocínio Lógica Proposicional

Conhecimento e Raciocínio Lógica Proposicional Conhecimento e Raciocínio Lógica Proposicional Agente Baseado em Conhecimento ou Sistema Baseado em Conhecimento Representa conhecimento sobre o mundo em uma linguagem formal (KB) Raciocina sobre o mundo

Leia mais

Matemática Discreta. Lógica Proposicional. Profa. Sheila Morais de Almeida. agosto DAINF-UTFPR-PG

Matemática Discreta. Lógica Proposicional. Profa. Sheila Morais de Almeida. agosto DAINF-UTFPR-PG Matemática Discreta Lógica Proposicional Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG agosto - 2016 Tautologias Tautologia é uma fórmula proposicional que é verdadeira para todos os possíveis valores-verdade

Leia mais