5 Transformadas de Laplace

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5 Transformadas de Laplace"

Transcrição

1 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace Transformadas de Laplace definição Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo Sinal impulso unitário u o (t) 7 Sinal degrau unitário u 1 (t) 8 Sinal rampa unitária u 2 (t) 9 Sinal semi-parabólico u 3 (t) 9 Os demais sinais singulares u n (t) 10 Os sinais seno e co-seno Propriedades da Transformada de Laplace 11 Homogeneidade 11 Aditividade 11 Linearidade 11 Sinal transladado ( time shifting ) 11 Sinal multiplicado por exponencial e -at 11 Derivadas 12 Integral 13 Mudança de escala do tempo ( time scaling ) 13 1

2 Sinal multiplicado por t 14 Sinal multiplicado por 1/t 14 Convolução Teorema do Valor Inicial (TVI) e o Teorema do Valor Final (TVF) 15 Teorema do Valor Inicial (TVI) 15 Teorema do Valor Final (TVF) 15 Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Alguns exemplos de Transformadas de Laplace 18 Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Tabela da Transformada de Laplace de alguns sinais conhecidos A Transformada Inversa de Laplace 27 Caso 1 Pólos reais e distintos 28 Caso 2 Pólos complexos conjugados 28 Caso 1 Pólos múltiplos (duplos, triplos, etc.) 28 2

3 Exemplo Exemplo Exemplo Exemplo Solução EDO usando Transformadas de Laplace 34 Exemplo Exemplo Exemplo A reposta impulsional h(t) e H(s) 39 Exemplo Exemplo Exemplo

4 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace Neste capítulo estudaremos as Transformadas de Laplace. Elas apresentam uma representação de sinais no domínio da frequência em função de uma variável s que é um complexo, s = σ + jω. A Transformada de Laplace foi desenvolvida pelo matemático francês Pierre Simon Laplace ( ). Fig. 5.1 Pierre Simon Laplace ( ), francês. 4

5 5.2 Transformadas de Laplace definição Considere um sinal contínuo x(t) x(t) C {conjunto dos números complexos} ou seja, o sinal x(t) pode ter valores complexos, i.e., valores com parte real e com parte imaginária. A Transformada de Laplace deste sinal x(t), normalmente simbolizada por: permite expressar o sinal x(t) como: L { x(t) } ou X(s) L xt Xs xt dt eq. (5.1) A eq. (5.1) acima é chamada de transformada unilateral pois é definida para sinais x(t) onde x(t) = 0 para t < 0 e é a definição de Transformada de Laplace adoptada aqui pois é esta a que tem maior aplicação para sistemas dinâmicos. Fig. 5.2 Um sinal x(t) com valor nulo para t < 0 [i.e., x(t) = 0 para t < 0]. Além desta definição de Transformada de Laplace unilateral (para t 0) que adoptamos aqui, há também a Transformada de Laplace bilateral (definida para t, ou seja: t < 0 e t 0). 5

6 5.3 Transformadas de Laplace de alguns sinais conhecidos Sinal exponencial Como primeiro exemplo vamos utilizar o sinal exponencial xt u t eq. (5.2) Para um dado valor de a este sinal xt da eq. (5.2) está bem definido e assume o valor 0 ( zero ) à esquerda da origem pois está multiplicado pelo degrau unitário u 1 (t). Entretanto muitas vezes apenas escrevemos xt, t 0 e já fica subentendido que é nulo para t < 0. O sinal x(t) dado pela eq. (5.2) assume diferentes formas dependendo do valor de a. Se a > 0, x(t) é um sinal exponencial decrescente; se a < 0, x(t) é um sinal exponencial crescente; se a = 0; x(t) é um sinal degrau unitário. Os gráficos destes sinais podem ser vistos nas figuras 5.3 e 5.4. xt u t, a 0 xt u t, a 0 Fig. 5.3 Os sinais x(t) = e -at u 1 (t), para a > 0, exponencial decrescente (à esquerda), e para a < 0, exponencial crescente (à direita). xt u t, a 0 Fig. 5.4 O sinal x(t) = e -at u 1 (t), a = 0 (degrau unitário). 6

7 Calculando a Transformada de Laplace de x(t), pela definição [eq. (5.1)], temos que: L xt Xs e dt dt 1 s a 1 s a ou seja, Transformada de Laplace de um sinal exponencial é dada por: L 1 s a eq. (5.3) Exemplo 5.1: Considere os sinais xt,, t 0 (decrescente) e yt,, t 0 (crescente). Logo, as Transformadas de Laplace destes sinais são: Xs, e Ys, Sinal impulso unitário x(t) = u o (t) Para o sinal impulso unitário, usando novamente a definição da Transformada de Laplace [eq. (5.1)], temos: L xt Xs u t dt e agora, usando eq. (3.10) para a convolução acima de com o impulso unitário u t, L xt 1 Fig. 5.5 O sinal x(t) = u o (t), (impulso unitário). Logo, Transformada de Laplace do impulso unitário u o (t) é dada por: L u t 1 eq. (5.4) 7

8 Sinal degrau unitário u 1 (t) Embora já visto acima como caso particular do sinal xt, para t 0, vamos considerar novamente, agora como um sinal da família dos sinais singulares: x(t) = u 1 (t) Fig. 5.6 O sinal x(t) = u 1 (t), degrau unitário. Novamente, pela definição da Transformada de Laplace [eq. (5.1)], temos que: L xt Xs u t dt 1 s 1 s Logo, Transformada de Laplace do degrau unitário u 1 (t) é dada por: L u 1 s eq. (5.5) De forma semelhante pode-se calcular a Transformada de Laplace de outros sinais conhecidos como: u t, a rampa unitária, e demais sinais singulares contínuos: u t, u t,, u t, assim como também do seno, do co-seno, etc. sen ωt, cos ωt, sen ωt, cos ωt, etc. 8

9 Sinal rampa unitária u t x(t) = u 2 (t) Fig. 5.7 O sinal x(t) = u 2 (t), rampa unitária. e a Transformada de Laplace L xt Xs é dada por: L u t 1 s eq. (5.6) Sinal semi-parabólico u t x(t) = u 3 (t) Fig. 5.8 O sinal x(t) = u 3 (t), sinal semi-parabólico. A Transformada de Laplace L xt Xs é dada por: L u t Xs 1 s 9

10 Os demais sinais singulares Os resultados anteriores, para u t, impulso, u t, degrau, u t, rampa e u t, semi-parábola podem facilmente serem generalizados para toda a família de sinais singulares contínuos u t, n 0 vistos no capítulo 3: xt u t, n 0 A Transformada de Laplace L xt Xs é dada por: L u 1 s eq. (5.7) Sinais seno e co-seno x(t) = sen ωt u 1 (t) x(t) = cos ωt u 1 (t) Fig. 5.9 Os sinais x(t) = sen ω t u 1 (t) (à esquerda), e x(t) = cos ω t u 1 (t) (à direita). A Transformada de Laplace do seno é dada por: L sen ωt ω s ω eq. (5.8) e a Transformada de Laplace do co-seno é dada por: L cos ωt s s ω eq. (5.9) 10

11 5.4 Propriedades da Transformada de Laplace Muitas das propriedades que aqui mostramos são análogas às vistas anteriormente para Série de Fourier (capítulo 5) e Transformadas de Fourier (capítulo 6). Considere que x(t), x 1 (t) e x 2 (t) são sinais contínuos. Homogeneidade: L k xt k L xt Aditividade: L x t x t L x t + L x t Linearidade: Como já vimos em anteriormente, a linearidade é a propriedade da aditividade e da homogeneidade juntas: L x t β x t α L x t + β L x t Sinal transladado ( time shifting ): L xt a u t a e -as L xt = e -as X(s) Sinal multiplicado por exponencial e -at : L xt Xs a onde X(s) = L xt. Estas duas últimas propriedades são duais uma da outra pois: enquanto uma diz que a transformada do sinal transladado fica multiplicada por uma exponencial, a outra diz que a transformada de um sinal multiplicado por uma exponencial é um sinal transladado. 11

12 Derivadas: L xt s Xs x0 eq. (5.10) L xt s Xs s x0 x0 M eq. (5.10a) L dn dt n xt s n Xs s n1 x0 s x 0 x 0 eq. (5.10b) Os termos x0, s x0, x 0, etc nas fórmulas acima são chamados de resíduos. Note que se x(t) tem condições iniciais nulas, isto é, se x0 0, x0 0, x0 0,, etc. então os resíduos são todos nulos e derivar (em t) equivale a multiplicar por s (no domínio s, da frequência, de Laplace). Isto é, neste caso: L L xt s Xs xt s Xs M eq. (5.11) L x t s Xs Na verdade os resíduos aparecem porque tomamos a Transformada de Laplace unilateral. No caso da Transformada de Laplace bilateral não há resíduos e as transformadas das derivadas têm o resultado das equações em eq. (5.11). Entretanto, na Transformada de Laplace unilateral, que estamos considerando aqui, somente no caso em que as condições iniciais são nulas é que isso ocorre, isto é, somente no caso em que x0 0, x0 0, x0 0, é que as equações em eq. (5.11) são válidas. 12

13 Integral: L xt dt Xs s 1 s xt dt Aqui os resíduos são diferentes do caso da derivada. Entretanto, da mesma forma que derivar (em t) equivale a multiplicar por s (no domínio da frequência), sob certas condições integrar (em t) equivale a dividir por s (no domínio da frequência). Ou seja, se xt dt 0 Então a propriedade torna-se: L xt dt 1 s Xs. Mudança de escala do tempo ( time scaling ): L x t α Xα s, α 0 α Se o eixo da variável t for encolhido (0 < α < 1), então a Transformada de Laplace de x(t) ficará esticada (em s). Se o eixo da variável t for esticado (α > 1) então a Transformada de Laplace de x(t) ficará encolhida (em s). Equivalentemente, esta propriedade pode ser escrita como L xkt 1 k X, k 0 13

14 Sinal multiplicado por t L t xt dxs ds Novamente aqui temos uma dualidade. Esta última propriedade e a propriedade da derivada são duais uma da outra pois: enquanto uma diz que a transformada da derivada de x(t) é X(s) vezes s, a outra diz que a transformada de x(t) vezes t é a derivada de X(s). Sinal multiplicado por 1/t L 1 t xt Xsds Mais uma vez aqui temos uma dualidade. Esta última propriedade é dual da propriedade da integral pois, enquanto uma diz que a transformada da integral de x(t) é X(s) dividido por s, a outra diz que a transformada de x(t) dividido por t é um integral de X(s). Convolução L x 1 t x 2 t X 1 s X 2 s eq. (5.12) Portanto, a Transformada de Laplace da convolução de dois sinais x 1 (t) e x 2 (t) é o produto das transformadas X 1 (s) e X 2 (s) destes dois sinais. Recorde-se que a definição de convolução entre dois sinais x 1 (t) e x 2 (t) (capítulo 4, secções 4.3 e 4.4): x t x t x t τ x τ dτ x τx t τdτ eq. (5.13) Ou seja, a Transformada de Laplace transforma esta conta complicada da eq. (5.13) em uma simples multiplicação, eq. (5.12). 14

15 5.5 Teorema do Valor Inicial (TVI) e Teorema do Valor Final (TVF) Os teoremas do valor inicial (TVI) e do valor final (TVF) permitem que se descubra o valor inicial x(0 + ) e o valor final x( ) dos sinais x(t) cuja Transformada de Laplace X(s) sejam conhecidas. Teorema do Valor Inicial (TVI) x0 lim xt lim s Xs eq. (5.14) Teorema do Valor Final (TVF) x lim xt lim s Xs eq. (5.15) Exemplo 5.2: Considere o sinal exponencial decrescente xt u t, a 0, cuja Transformada de Laplace é dada por: Xs 1 s a Aplicando-se os teoremas TVI e TVF das equações eq. (5.14) e eq. (5.15) obtemos: x0 lim s Xs lim s s s 1 s a 1 e x lim s0 s Xs lim s0 s s a 0 que estão de acordo com o esperado pois x0 1 e x lim 0. 15

16 Exemplo 5.3: Considere o sinal x(t) cuja Transformada de Laplace é dada por: Xs 4s 1 s 2s Aplicando-se os teoremas TVI e TVF das equações eq. (5.14) e eq. (5.15) obtemos: x0 lim s Xs lim s 4s 1 s s ss 2 lim s 4s 1 s 2 4 ou seja, x lim s0 s Xs lim s0 s 4s 1 ss 2 lim s0 4s 1 s x0 4 e x 0,5 Exemplo 5.4: Considere o sinal x(t) cuja Transformada de Laplace é dada por: Xs 3 s 2s Aplicando-se os teoremas TVI e TVF das equações eq. (5.14) e eq. (5.15) obtemos: x0 lim s Xs lim s s s 3 ss 2 lim s 3 s 2 0 ou seja, x lim s0 s Xs lim s0 s 3 ss 2 lim s0 3 s x0 0 e x 1,5 16

17 Exemplo 5.5: Considere o sinal da rampa unitária xt u t, cuja Transformada de Laplace é dada pela eq. (5.6): Xs 1 s Aplicando-se os teoremas TVI e TVF das equações eq. (5.14) e eq. (5.15) obtemos: x0 lim s Xs lim s 1 s s s 2 lim s 1 s 0 x lim s Xs lim s 1 s0 s0 s 2 lim s0 que estão de acordo com o esperado pois 1 s x0 u 0 0 e x u Exemplo 5.6: Considere o sinal exponencial x(t) cuja Transformada de Laplace é dada por: Xs 1 s s 1 Aplicando-se os teoremas TVI e TVF das equações eq. (5.14) e eq. (5.15) obtemos: x0 lim s Xs lim s 1 s s 1 lim s s s 1 0 x lim s Xs lim s 1 s s 1 lim s s s 1 0 ou seja, x0 0 e x 0 17

18 5.6 Alguns exemplos de Transformadas de Laplace Exemplo 5.7: Considere o sinal da figura 5.8. x(t) = 2 u o (t a) A Transformada de Laplace deste sinal é dada por: X(s) = 2 e -as. O resultado acima é facilmente obtido aplicando-se as propriedades da homogeneidade e da translação ( time shifting ) visto que L u t 1. Fig O sinal x(t) = 2 u o (t a). Exemplo 5.8: Considere o sinal da figura 5.9. Escrevendo este sinal em termos de sinais singulares obtemos: 2 x(t) = u1(t a) 3 E portanto a Transformada de Laplace é dada por: X(s) as 2e = 3s Fig O sinal x(t) = ( 2/3) u 1 (t a). O resultado é obtido facilmente ao aplicar as propriedades da homogeneidade e da translação ( time shifting ) visto que L u t 1/. 18

19 Exemplo 5.9: Considere o sinal x(t) da figura Escrevendo este sinal em termos de sinais singulares obtemos: (t) = u (t) u (t 1) u (t 3) x E portanto a Transformada de Laplace é dada por: X(s) = 1 2 s e s s 2 e s 2s O resultado é obtido facilmente visto que L u t 1/, que L u t 1/s e aplicando-se as propriedades da aditividade e da translação ( time shifting ). Fig O sinal x(t) Exemplo 5.10: Já vimos na secção anterior que a Transformada de Laplace do degrau unitário u 1 (t) é dada pela eq. (5.5): L u t 1 s Também vimos no capítulo 2 (Sinais Singulares) que a derivada do degrau u 1 (t) é o impulso u o (t): du1(t) u o (t) = dt e que u 1 (0 - ) = 0, ou seja a condição inicial para u 1 (t) é nula. Portanto, aplicando-se a propriedade da derivada para as Transformada de Laplace temos que: L u t s L u t u 0 s 1 s 0 1 ou seja, L u t 1, da eq. (5.4), como era de se esperar. Semelhantemente, as Transformadas de Laplace de todos os sinais singulares u t, n 1 podem ser calculadas recursivamente e obtendo-se os já conhecidos resultados: L u t 1 s, L u t 1 s,, L u t 1 s. 19

20 L u t s L u t u 0 s 1 s 0 1 s L u t s L u t u 0 s 1 s 0 1 s L u t s L u t u 0 1 s s 0 1 s Exemplo 5.11: Olhando no sentido inverso do exemplo anterior podemos calcular as Transformadas de Laplace dos sinais singulares aplicando-se a propriedade da integral. Como e como u n (t) t = u n 1 (t)dt, n então u t dt 0, n L u t L u t dt 1 s L u n1t 1 s 1 s 1 s n 1 s n1 0 t u n1t dt t0 ou seja, L u t 1 s Da eq. (5.7), como era de se esperar. 20

21 Exemplo 5.12: Considere o sinal x(t) da figura Escrevendo este sinal em termos de sinais singulares obtemos: x(t) = a u1 (t + 2). Nitidamente x(t) 0 para valores de t < 0. Portanto, este sinal não tem Transformada de Laplace unilateral conforme definida na eq. (5.1). Fig O sinal x(t) ) = a u 1 (t+2). Exemplo 5.13: Considere o sinal x(t) da figura Este sinal em termos de sinais singulares tem a expressão: x(t) = a u1(2 t) Mas nitidamente aqui também x(t) 0 para valores de t < 0. Fig O sinal x(t) = a u 1 (2 t). Portanto, aqui novamente, este sinal não possui Transformada de Laplace unilateral conforme definida na eq. (5.1). Exemplo 5.14: Considere o sinal exponencial x t u t cuja Transformada de Laplace é dada pela eq. (5.3): L x t X s 21 1 s 1 Se o eixo t for esticado de 5 vezes (por uma mudança de escala), este sinal se torna em x 2 (t), também exponencial:

22 x t x t 5. u t cuja Transformada de Laplace é dada por (usando a transformada da exponencial) L x t X s L Fig Os sinais x t u t e x t. u t são de certa forma o mesmo sinal escritos em escalas de tempo diferentes. Um tem o eixo dos t 5 vezes mas esticado que o outro. Usando a propriedade da mudança de escala ( time scaling ) obtemos o mesmo X 2 (s) obtido acima: L x t X s 5 X5 s

23 Exemplo 5.15: Considere o sinal sinusoidal xt sen ωt u t cuja Transformada de Laplace é dada por [usando a transformada do seno eq. (5.8)] L xt Xs ω s ω eq. (5.16) vamos calcular a Transformada de Laplace co-seno, isto é, do sinal y(t) yt cos ωt u t usando apenas as propriedades da Transformada de Laplace. Primeiramente, como a derivada do seno é o co-seno, ou melhor, d dt sen ωt ω cos ωt então, usando a propriedade da derivada para Transformada de Laplace, eq. (5.10), temos que: L xt ω L cos ωt sen0 ω L cos ωt eq. (5.17) Por outro lado, usando novamente a propriedade da derivada para Transformada de Laplace, mas agora para a eq. (5.16), temos que: L d dt xt s ω s ω ω s s 2 ω 2 eq. (5.18) e agora, comparando a eq. (5.17) com a eq. (5.18) concluímos que transformada do co-seno é dada por: L cos ωt L yt Ys s s ω que corresponde à eq. (5.9) que foi calculada pela definição de Transformada de Laplace. 23

24 Exemplo 5.16: Os sinais cujas Transformadas de Laplace são mostrados na eq. (5.19) podem ser vistos como sinais singulares [ u 1 (t) = 1, u 2 (t)/2 = t, u 3 (t)/6 = t 2,, u 3 (t)/n! = t n ] multiplicados por exponencial ou, alternativamente, como o sinal exponencial multiplicado por t, por t 2, por t 3, L 1 s a L t 1 s a L t 2 s a eq. (5.19) L t L t 6 s a n! s a As relações da eq. (5.19) podem ser demonstradas de duas formas diferentes: i) aplicando-se a propriedade da multiplicação por exponencial para os sinais singulares u n (t) (degrau, rampa, etc.) divididos por n! pois, como já visto anteriormente na eq. (3.19), ou, alternativamente, u t t n!, t 0, n 0, 1, 2, 3, ii) aplicando-se recursivamente a propriedade do sinal multiplicado por t para o sinal exponencial. 24

25 Exemplo 5.17: Sinais oscilatórios amortecidos do tipo seno ou co-seno multiplicados por exponenciais decrescentes são comuns em sistemas estáveis. Considere o caso do seno amortecido: xt sen ωt u t Fig O sinal oscilatório amortecido xt senωt u t. Aplicando-se a propriedade do sinal multiplicado por exponencial facilmente obtêmse: ω Xs s a ω Considere agora o caso do co-seno amortecido: xt cos ωt u t Aplicando-se novamente a propriedade do sinal multiplicado por exponencial facilmente obtêm-se: Xs s a s a ω 25

26 5.7 Tabela da Transformada de Laplace de alguns sinais conhecidos x(t) X(s) = L { x(t) } x(t) = u o (t) Xs 1 x(t) = u 1 (t) x(t) = u 2 (t) x(t) = u 3 (t) x(t) = u n (t) Xs 1 s Xs 1 s Xs 1 s Xs 1 s x(t) = e at u 1 (t) Xs 1 s a x(t) = t e at u 1 (t) x(t) = t 2 e at u 1 (t) x(t) = t 3 e at u 1 (t) x(t) = t n e at u 1 (t) x(t) = sen ωt u 1 (t) x(t) = cos ωt u 1 (t) x(t) = e at sen ωt u 1 (t) x(t) = e at cos ωt u 1 (t) Xs Xs Xs Xs 1 s a 2 s a 3! s a n! s a ω Xs s ω s Xs s ω ω Xs s a ω s a Xs s a ω 26

27 5.8 Transformada Inversa de Laplace Nesta secção vamos desenvolver as técnicas de encontrar o sinal x(t) cuja Transformada de Laplace X(s) é conhecida. Ou seja, vamos calcular a Transformada inversa de Laplace de X(s). L Xs xt As Transformadas de Laplace dos principais sinais de interesse para sistemas lineares invariantes no tempo (SLIT) vêm em forma de uma fracção racional, ou seja, uma fracção do tipo: eq. (5.20) onde p(s) e q(s) são polinómios. Conforme podemos observar na tabela da secção anterior, as Transformadas de Laplace de muitos sinais vêm todas na forma eq. (5.20) onde p(s) e q(s) são polinómios menores, isto é, do primeiro ou segundo grau. Note também que em muitos casos p(s), o polinómio do numerador, tem apenas o termo independente (i.e., uma constante) p(s) = 1, p(s) = 2, p(s) = 3!, p(s) = n!, ou p(s) = ω. Em outras situações p(s) é um polinómio do primeiro grau: p(s) = s ou p(s) = (s + a). Sinais mais complexos são a combinação linear de sinais que aparecem na tabela da secção anterior e também apresentam transformadas do tipo eq. (5.20) e devem ser desmembrados em fracções parciais menores para obtermos a transformada inversa. Esse processo de desmembrar o X(s) na forma de fracção eq. (5.20) é chamada de expansão em fracções parciais. Vamos apresentar, através de exemplos, três casos de expansão em fracções parciais. A fracção racional da eq. (5.20) é a função de transferência de um sistema; as raízes do polinómio q(s) do denominador são chamadas de pólos. Os três casos que veremos são: pólos reais e distintos, pólos complexos e pólos múltiplos. Os demais casos serão apenas combinações destes 3 casos, como veremos nos exemplos da próxima secção. 27

28 Caso 1 Pólos reais e distintos: No caso de pólos reais e distintos q(s) pode ser factorado em s = a, s = b, qs s a s b e a expansão em fracções parciais deve ser da seguinte forma: eq. (5.21) Caso 2 Pólos complexos conjugados: No caso de pólos complexos conjugados, então q(s) pode ser expresso como: qs as bs c com Δ b 4ac 0 e a expansão em fracções parciais deve ser da seguinte forma: eq. (5.22) Caso 3 Pólos múltiplos (duplos, triplos, etc.): No caso de pólos múltiplos (i.e., pólos duplos, triplos, etc.), então q(s) pode ser expresso como: qs s a e a expansão em fracções parciais deve ser da seguinte forma: eq. (5.23) 28

29 Uma vez escrita nas formas eq. (5.21), eq. (5.22) e eq. (5.23), ou combinações destas, torna-se fácil achar a transformada inversa de Laplace fracção a fracção, com o uso da propriedade da linearidade e da tabela da secção anterior. Por exemplo, no caso da eq. (5.21): L A s a A L B s b B No caso da eq. (5.22), ela pode ser reescrita como As B as bs c As as bs c B as bs c As s α ω B ω ω s α ω e o cálculo das transformadas inversas L As s α ω e L B ω s α ω não é difícil de ser feito dando como resultado sinais do tipo e xt A cos ωt u t xt B ω sen ωt u t respectivamente. 29

30 No caso da eq. (5.23): L A s a A 2 t L B s a B t L C s a C Exemplo 5.18: Xs s 3 s 1s 2 eq. (5.24) Este é um caso de pólos reais e distintos. Para achar a transformada inversa de Laplace de X(s) fazemos a expansão em fracções parciais: Xs A s 1 B s 2 A Bs 2A B s 1s 2 e igualando o numerador A Bs 2A B com (s + 3), o numerador de X(s) na eq. (5.24), temos que: cuja solução é dada por e portanto, A B 1 2A B 3 A 2 B 1 30

31 xt L 2 1 L 1 2 2, t 0 Exemplo 5.19: Xs 2s 7s 7 s 1s 2 Aqui observamos que grau denominador e do numerador são o mesmo. Então, dividindo-se facilmente obtemos que Xs 2 s 3 s 1s 2 mas e L 2 2 u t L s 3 s 1s 2 já foi calculado no exemplo anterior (Exemplo 5.18), logo: xt 2 u t 2, t 0 Exemplo 5.20: Xs s 1 ss s 1 eq. (5.25) Este é um caso de combinação de um pólo real distinto (s = 0) e um par de pólos complexos. Para achar a transformada inversa de Laplace de X(s) fazemos a expansão em fracções parciais: 31

32 J. A. M. Felippe de Souza 5 Transformadas de Laplace Xs A s Bs C s s 1 A Bs A Cs A ss s 1 e igualando o numerador B As C As A com (s + 1), o numerador de X(s) em eq. (5.25), temos que: A B 0 A C 1 A 1 cuja solução é dada por A 1 B 1 C 0 e portanto, Xs 1 s s s s 1 1 s s 1 2 s s logo xt L 1 s L L 1 s L L 1 3 L e usando a tabela da secção anterior facilmente encontramos: 32

33 xt 1. cos 3 2 t 1 3. sen 3 2 t, t 0 1. cos 0.866t sen0.866t, t 0 Exemplo 5.21: Xs s 2s 3 s 1 eq. (5.26) Este é um caso de um pólo múltiplo (s = 1, triplo neste caso). Para achar a transformada inversa de Laplace de X(s) fazemos a expansão em fracções parciais: Xs A s 1 B s 1 C s 1 A Bs 1 Cs 1 s 1 A B C B 2Cs Cs s 1 e igualando o numerador A B C B 2Cs Cs com o numerador de X(s) em eq. (5.26) temos que: cuja solução é dada por

34 e portanto, Xs cuja transformada inversa é: xt L 1 s 1 L 1 1 s 1 1, Solução de equações diferenciais ordinárias (EDO) usando Transformada Laplace As Transformadas de Laplace são muito úteis na resolução de equações diferenciais ordinárias (EDO) transformando-as em equações algébricas no domínio s (também chamado domínio da frequência ) de fácil solução. O principal problema deixa de ser as equações diferenciais e passa a ser a transformada inversa de Laplace. As propriedades das derivadas para Transformada de Laplace [equações eq. (5.10) eq. (5.11)] são as mais importantes para a resolução de EDO. EDO descrevem a dinâmica de sistemas contínuos onde x(t) é a entrada ( input ) e y(t) é a saída ( output ). Normalmente, a entrada x(t) é conhecida assim como as condições iniciais da saída y(t), isto é, y(0), y [0], y [0], etc. e deseja-se calcular a saída y(t), a solução da EDO. O número de condições iniciais necessárias para resolver a EDO é a ordem da própria equação de diferencial (que é a ordem do sistema). Logo, se for de 1ª ordem, precisase de y(0); se for de 2ª ordem, precisa-se de y(0) e y (0), e assim por diante. 34

35 Exemplo 5.22: Considere a equação diferencial ordinária (EDO) com x(t) = u 1 (t) = degrau unitário e condições iniciais nulas, isto é, y(0)=0 e y (0)=0: y + 3y(t) = 2x(t) eq. (5.27) y(0)=0 e y (0)=0 x(t) = u 1 (t) = degrau unitário Fazendo-se a Transformada de Laplace dos termos da eq. (5.27) obtém-se: s Ys 3Ys 2 Xs ou seja, e portanto, s 3 Ys 2 Xs Ys Xs eq. (5.28) e, como x(t) = u 1 (t) = degrau unitário, temos que X(s) = 1/s, logo: s 3 Ys 2 s que é uma equação algébrica em s e cuja solução é: Ys 2 s s 3 Agora a solução y(t) desta EDO é encontrada fazendo-se a transformada inversa de Laplace de Y(s). yt L 1 Ys Este é um caso de um pólo real (distinto) s = 0 e um par de pólos complexos, raízes de s 3 0. Para achar a transformada inversa de Laplace de Y(s) fazemos a expansão em fracções parciais: 35

36 yt cos 3 t, t 0 J. A. M. Felippe de Souza 5 Transformadas de Laplace Ys A s Bs C s 3 A Bs Cs 3A ss 3 e igualando o numerador A Bs Cs 3A com 2, o numerador de Y(s), temos que cuja solução é dada por A B 0 C 0 3A 2 A B 2 3 e portanto, C 0 Xs 2 3 s 2 3s s s 2 3 s s 3 logo xt L s L 2 3 s s L 1 s L s s e usando a tabela da secção 5.7 a solução da EDO é encontrada: 36

37 Exemplo 5.23: Considere a equação diferencial ordinária (EDO) homogénea (ou seja, x(t) = 0, caso de sistemas livres, que não têm input ) e condições iniciais: y(0) = 0 e y (0) = 4. y + 5y + 9y(t) = x(t) = 0 eq. (5.29) y(0) = 0 e y (0) = 4; x(t) = 0 Fazendo-se a Transformada de Laplace da eq. (5.29) termo a termo obtém-se: s Ys s y0 y0 5sYs 5y0 9Ys 0 logo, e portanto, s Ys 4 5sYs 9Ys 0 s 5s 9 Ys 4 que é uma equação algébrica em s e cuja solução é: Ys 4 s 5s 9 Agora a solução y(t) desta EDO é encontrada fazendo-se a transformada inversa de Laplace de Y(s). yt L 1 Ys Este é um caso de um par de pólos complexos, raízes de s 5s 9 0. Para achar a transformada inversa de Laplace de Y(s) fazemos a expansão em fracções parciais: Ys 4 s 2,5 2,75 2,412 1,658 s 2,5 1,658 logo yt L 2,412 1,658 s 2,5 1,658 1,658 2,412 L s 2,5 1,658 37

38 e usando a tabela da secção 5.7, a solução da EDO é encontrada: yt 2,412, sen 1,658 t, t 0 Exemplo 5.24: Considere a equação diferencial ordinária (EDO) abaixo onde x(t) = u 1 (t) = degrau unitário, e as condições iniciais são: y(0) = 1 e y (0) = 0. y + y + y(t) = x(t) eq. (5.29a) y(0) = 1 e y (0) = 0; x(t) = u 1 (t) Fazendo-se a Transformada de Laplace da eq. (5.29a) termo a termo obtém-se: s Ys s y0 y0 sys y0 Ys Xs logo, e portanto, s Ys s sys 1 Ys 1 s s s 1 Ys s 1 s que é uma equação algébrica em s e cuja solução é: Ys s 1 ss s 1 que é a mesma equação eq. (5.26) já vista anteriormente no Exemplo A solução y(t) desta EDO é a transformada inversa de Laplace de Y(s): yt L 1 Ys já foi calculada no Exemplo 5.20 e é dada em eq. (5.26), ou seja, yt 1. cos 0.866t sen0.866t, t 0 38

39 5.10 A resposta impulsional h(t) e H(s) Note que para acharmos a Transformada inversa de Y(s), na eq. (5.27), era necessário conhecer x(t), ou melhor, X(s). Equações de diferenciais como as das eq. (5.27) ou eq. (5.29) descrevem a dinâmica de sistemas em que x(t) é a entrada, y(t) é a saída do sistema. Fig Diagrama de bloco esquemático de um sistema com entrada x(t), saída y(t) e resposta impulsional h(t). Conforme visto no capítulo 4 (Sistemas), a resposta impulsional ( impulse response ) h(t) será a resposta y(t) de um sistema linear e invariante no tempo (SLIT) quando a entrada x(t) for um impulso u o (t), como ilustra a figura Fig Diagrama de bloco esquemático da resposta impulsional h(t), a saída do sistema quando a entrada é o impulso u o (t). Um resultado clássico da teoria de sistemas, que vimos na secção 4.3, é que a saída y(t) de um sistema é a convolução entre h(t) e x(t), ou seja y (t) = h(t) * x(t) isto é, a saída de um sistema linear invariante no tempo (SLIT) toma a forma da integral de convolução, eq. (4.5): + y (t) = h(t τ) x( τ) dτ= h( τ) x(t τ) dτ. Usando a propriedade da convolução para a Transformada de Laplace, eq. (5.12), ou seja, a transformada da convolução é o produto das transformadas, temos então que: Y(s) + = H(s) X(s) eq. (5.30) 39

40 o que permite redesenhar o diagrama acima da Fig na forma mostrada na Fig Fig Diagrama de bloco esquemático de um sistema com entrada X(s), saída Y(s) e resposta impulsional H(s). Como a Transformada de Laplace do impulso unitário u o (t) é igual a 1, ou seja: L {u o (t)} = 1 conforme já visto, eq. (5.4), então quando a entrada x(t) é um impulso unitário u o (t), i.e., x(t) = u o (t) teremos que X(s) = 1 e portanto, pela eq. (5.30), Y(s) = H(s) 1, isto é, Y(s) = H(s), o que implica y(t) = h(t), isto é, a saída y(t) se torna a resposta impulsional, como seria de se esperar. Exemplo 5.25: Retomando o sistema do Exemplo 5.22, se imaginarmos que a equação diferencial eq. (5.27) descreve a dinâmica de um sistema, então, comparando a eq. (5.28) com a eq. (5.30) obtemos 2 Hs s 3 Isto é consistente com a definição de h(t) e H(s) (resposta impulsional do sistema), pois se a entrada x(t) for o degrau unitário, como era no Exemplo 5.22, x(t) = u 1 (t) então X(s) = 1/s e, pela eq. (5.30), temos que: 40

41 Ys Hs 1 s 2 ss 3 ou seja, o mesmo Y(s) que foi obtido no Exemplo 5.22 e que permitiu calcular a saída do sistema y(t) yt L 1 Ys Fig Sistema com entrada x(t), saída y(t) e resposta impulsional h(t). Entretanto, se a entrada do sistema fosse x(t) = u o (t) então X(s) = 1 e, pela eq. (5.30), temos que: Ys Hs 2 s 3 ou seja, a saída y(t) = h(t), conforme a própria definição da resposta impulsional h(t). A expressão deste h(t) é então achada fazendo-se ou seja, ht L Hs L Ys ht yt L 2 s 3 L s 3 e agora, pela propriedade da homogeneidade da Transformada de Laplace e usandose a tabela da secção 5.7, temos que a resposta impulsional é: ht yt 2 3 sen 3t, t 0 41

42 Observe que os pólos do sistema, raízes do polinómio q(s) do denominador de H(s), ou seja: qs s 3, s 3. Exemplo 5.26: No caso do Exemplo 5.23, a equação diferencial eq. (5.29), que descreve a dinâmica deste sistema, é na verdade onde x(t) = 0 pois a entrada deste sistema é nula. y + 5y + 9 y(t) = x(t) eq. (5.31) Agora, assumindo condições iniciais nulas, i.e., y(0) = 0 e y (0) = 0, e fazendo a Transformada de Laplace da equação eq. (5.31) termo a termo, facilmente obtém-se: s 2 Y(s) + 5sY(s) + 9Y(s) = X(s) o que nos fornece: Ys 1 s 5s 9 Xs que, novamente, comparando com a equação eq. (5.30) nos dá: Hs 1 s 5s 9 a resposta impulsional do sistema. Portanto, a resposta impulsional H(s) pode ser sempre obtida a partir da equação diferencial que descreve o sistema fazendo-se condições iniciais nulas. Além disso, os pólos do sistema são as raízes do polinómio qs s 5s 9 que se encontra no denominador de H(s), que são: s = 2,5 ± 1,658 j 42

43 Para se achar h(t) temos que calcular a Transformada inversa: ht L 1 Hs Reescrevendo q(s) como qs s 5s 9 s 2,5 2 2,75 e substituindo no denominador de H(s), temos Hs 1 s 2,5 2,75 0,603 1,658 s 2,5 1,658 logo, ht L 0,603 1,658 s 2,5 1,658 1,658 0,603 L s 2,5 1,658 e usando a tabela da secção 5.7, nos dá: ht 0,603, sen 1,658 t, t 0 Fig Sistema com entrada x(t), saída y(t) e resposta impulsional h(t). Exemplo 5.27: No caso do Exemplo 5.24, a equação diferencial eq. (5.29a), que descreve a dinâmica deste sistema, é y + y + y(t) = x(t) eq. (5.32) 43

44 Agora, assumindo condições iniciais nulas, i.e., y(0) = 0 e y (0) = 0, e fazendo a Transformada de Laplace da equação eq. (5.31) termo a termo, facilmente obtém-se: s Ys sys Ys Xs o que nos fornece: Ys 1 s s 1 Xs que, novamente, comparando com a equação eq. (5.30) nos dá: Hs 1 s s 1 a resposta impulsional do sistema. Mais uma vez a resposta impulsional H(s) foi obtida a partir da EDO que descreve o sistema fazendo-se condições iniciais nulas. Os pólos deste sistema são as raízes do polinómio qs s s 1 que se encontra no denominador de H(s), que são: s = 0,5 ± 0,866 j Para se achar h(t) temos que calcular a Transformada inversa: Reescrevendo q(s) como ht L 1 Hs qs s s 1 s 0,5 2 0,866 2 e substituindo no denominador de H(s), temos logo, Hs 1 s 0,5 0,866 0,866 ht 1,1547 L s 0,5 0,866 e usando a tabela da secção 5.7, nos dá: ht 1,1547, sen 0,866 t, t 0 44

Aula 05 Transformadas de Laplace

Aula 05 Transformadas de Laplace Aula 05 Transformadas de Laplace Pierre Simon Laplace (1749-1827) As Transformadas de Laplace apresentam uma representação de sinais no domínio da frequência em função de uma variável s que é um número

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92)

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) ADL22 4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) A transformada de Laplace fornece: (4.93) (4.94) A fim de separar X(s), substitua sx(s)

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace. Região de convergência. Propriedades da transformada de aplace. Sistemas caracterizados

Leia mais

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA.

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Aulas anteriores Tipos de Sinais (degrau, rampa, exponencial, contínuos, discretos) Transformadas de Fourier e suas

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Circuitos Elétricos III

Circuitos Elétricos III Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais A Transformada de Laplace em análise de circuitos parte 2 Equivalente

Leia mais

Análise e Processamento de Bio-Sinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Sinais e Sistemas. Licenciatura em Engenharia Física

Análise e Processamento de Bio-Sinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Sinais e Sistemas. Licenciatura em Engenharia Física Análise e Processamento de Bio-Sinais Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Licenciatura em Engenharia Física Faculdade de Ciências e Tecnologia Slide Slide 1 1 Tópicos: Representação de Sinais por

Leia mais

Período : exp( j α) α/2π = N/K (irredutível) em que se N,K Z então K é o período.

Período : exp( j α) α/2π = N/K (irredutível) em que se N,K Z então K é o período. Período : exp( j α) α/2π = N/K (irredutível) em que se N,K Z então K é o período. sin(t) = sin (t + T), ou exp(t) = exp(t+t) em que T é o período. [sin(a) e/ou cos(a) ]+[ sin(b) e/ou cos(b)] = o periodo

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do

Leia mais

Movimentos Periódicos: representação vetorial

Movimentos Periódicos: representação vetorial Aula 5 00 Movimentos Periódicos: representação vetorial A experiência mostra que uma das maneiras mais úteis de descrever o movimento harmônico simples é representando-o como uma projeção perpendicular

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

Aula 13 Análise no domínio da frequência

Aula 13 Análise no domínio da frequência Aula 13 Análise no domínio da frequência A resposta em frequência é a resposta do sistema em estado estacionário (ou em regime permanente) quando a entrada do sistema é sinusoidal. Métodos de análise de

Leia mais

Modelos Variáveis de Estado

Modelos Variáveis de Estado Modelos Variáveis de Estado Introdução; Variáveis de Estados de Sistemas Dinâmicos; Equação Diferencial de Estado; Função de Transferência a partir das Equações de Estados; Resposta no Domínio do Tempo

Leia mais

Aula 9. Diagrama de Bode

Aula 9. Diagrama de Bode Aula 9 Diagrama de Bode Hendrik Wade Bode (americano,905-98 Os diagramas de Bode (de módulo e de fase são uma das formas de caracterizar sinais no domínio da frequência. Função de Transferência Os sinais

Leia mais

Transformada de Laplace

Transformada de Laplace Capítulo 8 Transformada de Laplace A transformada de Laplace permitirá que obtenhamos a solução de uma equação diferencial ordinária de coeficientes constantes através da resolução de uma equação algébrica.

Leia mais

Cálculo da resposta no domínio do tempo: o papel dos pólos e zeros

Cálculo da resposta no domínio do tempo: o papel dos pólos e zeros Capítulo Cálculo da resposta no domínio do tempo: o papel dos pólos e zeros. Introdução O cálculo da resposta no domínio do tempoy(t) de um sistemag(t) pode ser calculado através da integral de convolução:

Leia mais

Transformada de Laplace. Parte 3

Transformada de Laplace. Parte 3 Transformada de Laplace Parte 3 Elementos de circuito no domínio da frequência O resistor no domínio da frequência Pela lei de OHM : v= Ri A transformada da equação acima é V(s) = R I(s) O indutor no domínio

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Aula 04 Sistemas Análise de Sinais Sistemas Introdução aos Sistemas A noção de sistemas é intuitiva. Quase tudo que nos rodeia é algum tipo de sistema. Qualquer mecanismo, ou dispositivo, que funcione

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS

ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS ANÁLISE LINEAR DE SISTEMAS JOSÉ C. GEROMEL DSCE / Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação UNICAMP, CP 6101, 13083-970, Campinas, SP, Brasil, geromel@dsce.fee.unicamp.br Campinas, Janeiro de 2007

Leia mais

Capítulo 4 Resposta em frequência

Capítulo 4 Resposta em frequência Capítulo 4 Resposta em frequência 4.1 Noção do domínio da frequência 4.2 Séries de Fourier e propriedades 4.3 Resposta em frequência dos SLITs 1 Capítulo 4 Resposta em frequência 4.1 Noção do domínio da

Leia mais

Transformada z. ADL 25 Cap 13. A Transformada z Inversa

Transformada z. ADL 25 Cap 13. A Transformada z Inversa ADL 25 Cap 13 Transformada z A Transformada z Inversa Qualquer que seja o método utilizado a transformada z inversa produzirá somente os valores da função do tempo nos instantes de amostragem. Portanto,

Leia mais

Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares

Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Dinâmica de Sistemas Lineares 1/57

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS PROBABILIDADES E COMBINATÓRIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 Introdução ao cálculo Conhecer terminologia das probabilidades de Probabilidades

Leia mais

Análise de Circuitos Elétricos III

Análise de Circuitos Elétricos III Análise de Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais Introdução à Transformada de Laplace A Transformada

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1 597 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Movimentos Periódicos Para estudar movimentos oscilatórios periódicos é conveniente ter algum modelo físico em mente. Por exemplo, um

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE II

SISTEMAS DE CONTROLE II SISTEMAS DE CONTROLE II - Algumas situações com desempenho problemático 1) Resposta muito oscilatória 2) Resposta muito lenta 3) Resposta com erro em regime permanente 4) Resposta pouco robusta a perturbações

Leia mais

2 - Modelos em Controlo por Computador

2 - Modelos em Controlo por Computador Modelação, Identificação e Controlo Digital 2-Modelos em Controlo por Computador 1 2 - Modelos em Controlo por Computador Objectivo: Introduzir a classe de modelos digitais que são empregues nesta disciplina

Leia mais

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Departamento de Matemática balsa@ipb.pt Mestrados em Engenharia da Construção Métodos de Aproximação em Engenharia 1 o

Leia mais

Aula 04 Representação de Sistemas

Aula 04 Representação de Sistemas Aula 04 Representação de Sistemas Relação entre: Função de Transferência Transformada Laplace da saída y(t) - Transformada Laplace da entrada x(t) considerando condições iniciais nulas. Pierre Simon Laplace,

Leia mais

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência Prof. Pedro L. D. Peres Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre 2013 Resposta em Frequência

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Análise de sistemas no domínio da frequência

Análise de sistemas no domínio da frequência Análise de sistemas no domínio da frequência Quando se analisa um sistema no domínio da frequência, pretende-se essencialmente conhecer o seu comportamento no que respeita a responder a sinais periódicos,

Leia mais

Transformadas de Laplace Engenharia Mecânica - FAENG. Prof. Josemar dos Santos

Transformadas de Laplace Engenharia Mecânica - FAENG. Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG SISTEMAS DE CONTROLE Prof. Josemar dos Santos Sumário Transformadas de Laplace Teorema do Valor Final; Teorema do Valor Inicial; Transformada Inversa de Laplace; Expansão em

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Estabilidade Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Já vimos que existem três requisitos fundamentais para projetar um sistema de controle: Resposta Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário Estabilidade

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 4 - Sistemas. 4 Sistemas

J. A. M. Felippe de Souza 4 - Sistemas. 4 Sistemas 4 Sistemas 4.1 Introdução aos Sistemas 3 4. Principais Classificações de Sistemas 7 Natureza física 7 Continuidade no tempo 9 Linearidade 10 4.3 Modelização de Sistemas 11 Exemplo 4.1 14 4.4 Outras Classificações

Leia mais

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário.

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. 10. NÚMEROS COMPLEXOS 10.1 INTRODUÇÃO Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. O número a é denominado parte real do número complexo

Leia mais

Controle I. Análise de resposta transitória Sistemas de primeira ordem

Controle I. Análise de resposta transitória Sistemas de primeira ordem Controle I Análise de resposta transitória Sistemas de primeira ordem input S output Sistemas de primeira ordem Sistema de primeira ordem do tipo G (s) a bs c input a bs c output Sistemas de primeira

Leia mais

O caso estacionário em uma dimensão

O caso estacionário em uma dimensão O caso estacionário em uma dimensão A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico no caso de o potencial ser independente do tempo. objetivos verificar que, no caso de o potencial ser independente

Leia mais

Introdução aos Sinais

Introdução aos Sinais Introdução aos Sinais Pedro M. Q. Aguiar, Luís M. B. Almeida Setembro, 2012 1 Conceito de sinal Um sinal representa a variação de uma grandeza como função de uma variável independente, que designaremos

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I

LABORATÓRIO DE CONTROLE I UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 1: ESTUDO DE FUNÇÕES DE TRANSFERÊNCIA E ANÁLISE DE RESPOSTA TRANSITÓRIA COLEGIADO DE

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

Fundamentos de Controle

Fundamentos de Controle Fundamentos de Controle Modelagem matemática de sistemas de controle Prof. Juliano G. Iossaqui Engenharia Mecânica Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Londrina, 2017 Prof. Juliano G. Iossaqui

Leia mais

Figura 2.1: Carro-mola

Figura 2.1: Carro-mola Capítulo 2 EDO de Segunda Ordem com Coeficientes Constantes 2.1 Introdução - O Problema Carro-Mola Considere um carro de massa m preso a uma parede por uma mola e imerso em um fluido. Colocase o carro

Leia mais

Introdução aos Circuitos Elétricos

Introdução aos Circuitos Elétricos Introdução aos Circuitos Elétricos A Transformada de Laplace Prof. Roberto Alves Braga Jr. Prof. Bruno Henrique Groenner Barbosa UFLA - Departamento de Engenharia A Transformada de Laplace História Pierri

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

2.3- DIAGRAMAS DE BLOCOS E DE FLUXO DE SINAL. FÓRMULA DE MASON DIAGRAMA DE BLOCOS DB

2.3- DIAGRAMAS DE BLOCOS E DE FLUXO DE SINAL. FÓRMULA DE MASON DIAGRAMA DE BLOCOS DB 2.3 DIRMS DE BLOOS E DE FLUXO DE SINL. FÓRMUL DE MSON DIRM DE BLOOS DB Os sistemas de controle, geralmente, são constituídos por vários componentes ou partes interligadas. Para mostrar estas interconexões

Leia mais

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. Erro em estado estacionário de sistemas de controle realimentados 2. Erro em estado estacionário de sistemas com realimentação não-unitária 3. Índice de

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Transformadas de Laplace

Transformadas de Laplace Transformadas de Laplace Notas de aulas - material compilado no dia 6 de Maio de 23 Computação, Engenharia Elétrica e Engenharia Civil Prof. Ulysses Sodré ii Copyright c 22 Ulysses Sodré. Todos os direitos

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Sistemas de Controle com

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC. Michael Paluch

Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC. Michael Paluch Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC Michael Paluch Avaliação 1. Avaliação Contínua a) 1 Teste dia 11 de abril de 2015 duração 90 minutes (40% de nota final)

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace uís Caldas de Oliveira lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace Região de convergência Propriedades da transformada de

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise ercícios Resolvidos Integral de inha de um ampo Vectorial ercício onsidere o campo vectorial F,, z =,, z. alcule o integral

Leia mais

Aula 4 Respostas de um SLIT

Aula 4 Respostas de um SLIT Aula 4 Respostas de um SLIT Introdução Características de um SLIT Resposta ao degrau unitário Resposta a entrada nula Resposta total A convolução entre dois sinais de tempo contínuo x(t) e h(t) é dada

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

MATERIAL MATEMÁTICA I

MATERIAL MATEMÁTICA I MATERIAL DE MATEMÁTICA I CAPÍTULO I REVISÃO Curso: Administração 1 1. Revisão 1.1 Potência de Epoente Inteiro Seja a um número real e m e n números inteiros positivos. Podemos observar as seguintes propriedades

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

Circuitos Elétricos III

Circuitos Elétricos III Circuitos Elétricos III Prof. Danilo Melges (danilomelges@cpdee.ufmg.br) Depto. de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais A Transformada de Laplace em análise de circuitos parte 1 A resistência

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios.

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. Exercícios A U L A 10 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. objetivo aplicar os conhecimentos adquiridos nas Aulas 4 a 9 por meio da

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Uma introdução ao estudo de funções multivariáveis

Uma introdução ao estudo de funções multivariáveis Uma introdução ao estudo de funções multivariáveis Universidade Federal do Amazonas Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente Janeiro de 2014 Bem-vindo Este material trata da introdução ao estudo de

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Métodos de Física Teórica II Prof. Henrique Boschi IF - UFRJ. 1º. semestre de 2010 Aula 2 Ref. Butkov, cap. 8, seção 8.2

Métodos de Física Teórica II Prof. Henrique Boschi IF - UFRJ. 1º. semestre de 2010 Aula 2 Ref. Butkov, cap. 8, seção 8.2 Métodos de Física Teórica II Prof. Henrique Boschi IF - UFRJ 1º. semestre de 2010 Aula 2 Ref. Butkov, cap. 8, seção 8.2 O Método de Separação de Variáveis A ideia central desse método é supor que a solução

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro.

Forças internas. Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Forças internas Objetivos da aula: Mostrar como usar o método de seções para determinar as cargas internas em um membro. Generalizar esse procedimento formulando equações que podem ser representadas de

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Segundo grau Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Introdução

Leia mais

Capítulo 2. Funções complexas. 2.1. Introdução

Capítulo 2. Funções complexas. 2.1. Introdução Capítulo Funções complexas 1 Introdução Neste capítulo consideram-se vários exemplos de funções complexas e ilustram-se formas de representação geométrica destas funções que contribuem para a apreensão

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escola Básica e Secundária de Velas Planificação Anual do 12º Ano Matemática A Ano letivo 2015 /2016 1º Período 2º Período 3º Período Nº DE BLOCOS PREVISTOS 39 32 24 Apresentação 0,5 1º Período 2º Período

Leia mais

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade

Leia mais

Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre (Parte II)

Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre (Parte II) Instituto Superior Técnico Sinais e Sistemas o teste 4 de Novembro de 0 Nome: Número: Duração da prova: horas Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

Matemática para Engenharia

Matemática para Engenharia Matemática para Engenharia Profa. Grace S. Deaecto Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP 13083-860, Campinas, SP, Brasil. grace@fem.unicamp.br Segundo Semestre de 2013 Profa. Grace S. Deaecto ES401

Leia mais

Aula 06 Análise no domínio do tempo Parte I Sistemas de 1ª ordem

Aula 06 Análise no domínio do tempo Parte I Sistemas de 1ª ordem Aula 06 Análise n dmíni d temp Parte I Sistemas de 1ª rdem input S utput Sistemas de primeira rdem Sistema de primeira rdem d tip a G(s) bs + c input a bs + c utput Sistemas de primeira rdem u seja: Y(s)

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES VERSÃO 1.0.2 Resumo. Este texto resume e complementa alguns assuntos dos Capítulo 9 do Boyce DiPrima. 1. Sistemas autônomos

Leia mais

Par Diferencial com Transístores Bipolares

Par Diferencial com Transístores Bipolares Resumo Par Diferencial com Transístores Bipolares Operação para grandes sinais Resistência diferencial de Entrada e Ganho Equivalência entre Amplificador diferencial e Amplificador em Emissor Comum Ganho

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 Para determinarmos um valor aproximado das raízes de uma equação não linear, convém notar inicialmente

Leia mais