Armazenamento de pupas de Cotesia flavipes (Hymenoptera: Braconidae) em baixas temperaturas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Armazenamento de pupas de Cotesia flavipes (Hymenoptera: Braconidae) em baixas temperaturas"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO MOURA LACERDA CURSO DE AGRONOMIA Armzenmento de pups de Cotesi flvipes (Hymenopter: Brconide) em ixs temperturs FILIPE AURÉLIO MORSOLETTO Rieirão Preto, SP 2014

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO MOURA LACERDA CURSO DE AGRONOMIA Armzenmento de pups de Cotesi flvipes (Hymenopter: Brconide) em ixs temperturs FILIPE AURÉLIO MORSOLETTO Orientdor: Prof. Dr. Alexndre de Sene Pinto Trlho presentdo o Centro Universitário Mour Lcerd, como exigênci pr otenção do título de Engenheiro Agrônomo. Rieirão Preto, SP 2014

3 ii Primeirmente Deus, pelo dom d vid; os meus pis, Vilson Morsoletto e Eni Leil Cost Morsoletto, que possiilitrm relizção desse sonho; os meus migos de sl Lucs André Genri, Wlter Mendes Neto, Dougls Stell Mores, Rodrigo Lim Dine e João Roerto Pedro Berchn, que estiverm comigo nesses nos de fculdde. À Betriz Turç Vin, minh nmord, que me judou muito e me compnhou ness jornd. DEDICO

4 iii AGRADECIMENTOS Primeirmente grdeço Deus, que iluminou meu cminho durnte ess cminhd. Agrdeço minh fmíli, que me judou e me poiou nestes nos de fculdde. Ao meu orientdor Alexndre de Sene Pinto, que sempre me judou e me orientou pr que este trlho otivesse sucesso. À Biocn, que sempre disponiilizou o mteril necessário pr o trlho, em especil à Mrci Aprecid Mendonç d Silv, Adrin Mri Leite e Cmil Cristin Blino d Silv. A minh Mãe Eni Leil Cost Morsoletto, em especil, e Betriz Turç Vinn, que prticiprm n relizção do trlho me judndo sempre que possível. A Bug, em especil o Diogo Rodrigues Crvlho, que disponiilizou um de sus câmrs climtizds pr relizção do trlho. Aos funcionários e professores do Centro Universitário Mour Lcerd, que estiverm presentes durnte todo o curso de Agronomi, em especil os funcionários Serfim, Vlmor e Cssio.

5 iv SUMÁRIO Págin RESUMO... SUMMARY... v vi 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 30

6 v RESUMO A crição mssl do prsitoide lrvl Cotesi flvipes (Cm.) (Hymenopter: Brconide) em lgrts de Ditre scchrlis (F.) (Lepidopter: Crmide) compreende váris etps e um dels, o rmzenmento desse gente de controle iológico sem comprometimento de su qulidde, é pouco estuddo. O ojetivo desse trlho foi vlir o efeito do rmzenmento de pups recém-formds de C. flvipes, em msss, ns temperturs de 6,7 e 9,3ºC sore os prâmetros iológicos dos insetos rmzendos e dos seus descendentes em lortório. As msss do prsitoide form rmzends em câmr climtizd mrc Eletrol e periodicmente sete msss erm retirds, pssvm por dus hors em um sl 20ºC e erm mntids em câmr climtizd, 26,7ºC pr s vlições. Dus msss dvm origem às fêmes pr o prsitismo de 30 lgrts de D. scchrlis de 3º ínstr pr o teste de prsitismo. As outrs cinco msss erm utilizds no teste de viilidde d emergênci. Form mntids 10 msss como testemunh em câmr climtizd 26,7ºC, pr comprção com o mteril rmzendo. A porcentgem médi de prsitismo ds lgrts por C. flvipes foi significtivmente superior qundo s msss do prsitoide ficrm rmzends 6,7ºC por té 10 dis e 9,3ºC por té 7 dis. Os prâmetros iológicos do prsitoide ns gerções F 0 e F 1 não form lterdos em relção à testemunh (não rmzend) té 7 dis n tempertur de 6,7ºC e té 5 dis 9,3ºC de rmzenmento. Plvrs-chve: iologi, controle de qulidde, controle iológico, prsitoide lrvl.

7 vi SUMMARY Storge of pupe of Cotesi flvipes (Hymenopter: Brconide) t low tempertures. The mss rering of lrvl prsitoid Cotesi flvipes (Cm.) (Hymenopter: Brconide) on lrve of Ditre scchrlis (F.) (Lepidopter: Crmide) comprises severl steps nd one of them, the storge of this iocontrol gent without compromising its qulity, is little studied. The im of this study ws to evlute the effect of storge of newly formed pupe of C. flvipes in cocoon cluster, in tempertures of 6.7 nd 9.3 C on the iologicl prmeters of stored insects nd their progeny in the lortory. The cocoon clusters of the prsitoid were stored in ir-conditioned rooms nd periodiclly seven cocoon clusters were withdrwn, pssed for two hours in room t 20 C nd were mintined t climte chmer t 26.7ºC for reviews. Two cocoon clusters gve rise to femles for the prsitism of 30 3 rd instr D. scchrlis lrve for prsitism test. The five other cocoon clusters were used in the emergence viility test. 10 cocoon clusters s not stored control were kept for comprison with the stored mteril. The verge percentge of prsitism of lrve y C. flvipes ws significntly higher when the cocoon cluster of the prsitoid were stored t 6.7 C for up to 10 dys nd 9.3ºC for up to 7 dys. The iologicl prmeters of the prsitoid in the F 0 nd F 1 genertions were not chnged compred to the control (not stored) up to 7 dys t temperture of 6.7ºC nd up to 5 dys t 9.3ºC storge. Keywords: iology, qulity control, iologicl control, lrvl prsitoid.

8 1 INTRODUÇÃO As prgs estão entre os ftores que determinm grndes perds de produtividde n cultur d cn-de-çúcr. Entre els, destc-se roc d cn-de-çúcr, Ditre scchrlis (Fricius, 1794) (Lepidopter: Crmide), como um ds mis importntes d cultur (BOTELHO; MACEDO, 1988; PINTO; CANO; SANTOS, 2006). O controle desse inseto tem sido relizdo com sucesso desde décd de 1970, utilizndo-se o prsitoide lrvl e exótico Cotesi flvipes (Cm.) (Hymenopter: Brconide), crido msslmente em lortórios de todo o Brsil (PINTO; GARCIA; OLIVEIRA, 2006). A produção mssl do prsitoide C. flvipes em lortório é relizd com lgrts de D. scchrlis, sendo esse o único limento necessário (CANO; SANTOS; PINTO, 2006). Um grnde dificuldde n produção mssl de C. flvipes, é necessidde de lierção que deve ser feit logo que emergem os dultos, devido su curt longevidde. Acredit-se que s pups possm ser rmzends ntes d emergênci dos dultos, com isso, fzem-se necessários estudos sore tempo, tempertur e viilidde com o rmzenmento pr primorr ess crição mssl. Alguns estudos sore o rmzenmento desse prsitoide form relizdos. Crvlho et l. (2008) verificrm que é possível rmzenr pups recém formds de C. flvipes em tempertur de 2,7ºC por té 5 dis e Ivn

9 2 et l. (2010) concluírm que dultos desse prsitoide podem ser rmzendos 10ºC por té 72 hors. Dinte disso, o ojetivo desse trlho será verificr o efeito do rmzenmento de pups em diferentes temperturs n sorevivênci e qulidde de C. flvipes té gerção F 1.

10 2 REVISÃO DE LITERATURA Apesr d diversidde de inimigos nturis no controle de Ditre scchrlis, os prsitoides lrvis são os mis utilizdos no Brsil e no mundo, especilmente vespinh Cotesi flvipes, em lierções inundtivs, ou sej, lierções de grndes quntiddes, visndo interromper o crescimento populcionl d prg (BOTELHO; MACEDO, 2002). No Brsil, s primeirs tenttivs de introdução de C. flvipes form relizds pel Copersucr e pelo Deprtmento de Entomologi d Escol Superior de Agricultur Luiz de Queiroz d Universidde de São Pulo/USP, em 1971 (TERÁN, 1975; GALLO, 1977, citdo por MENDONÇA; RISCO; COSTA, 1977). Entretnto, esss tenttivs ficrm restrits à oservção de lortório e poucs lierções isolds, sendo que nenhum recuperção em lvour de cn-de-çúcr foi menciond. Dificulddes ns crições em lortório form os principis ostáculos que justificrm interrupção ds tividdes com esse prsitoide. Em ril de 1974, foi introduzid, em Algos, um populção de C. flvipes proveniente de Trinidd Togo, inicindo-se então prticipção desse prsitoide no Progrm Ncionl de Controle Biológico de Ditre spp. no Brsil, desenvolvido pelo Instituto de Açúcr e Álcool (IAA)/Plnlsucr (MENDONÇA; COSTA; RISCO, 1976). Entre , C. flvipes foi introduzid em Pernmuco, Prí, Rio Grnde do Norte, Sergipe, Bhi e Rio de Jneiro pr controlr D. scchrlis e Ditre flvipennell (Box), e em São Pulo e Ampá, pr controlr D. scchrlis (MACEDO; BOTELHO; MENDES, 1977; MENDONÇA;

11 4 COSTA; RISCO, 1976; PEREIRA; LIMA; VILAS BOAS, 1977; RISCADO; LIMA FILHO, 1976; RISCADO; LIMA FILHO; BARBOSA, 1977; RISCO, 1976; SOUZA; SILVA, 1976). Desde primeir lierção de C. flvipes em lvours de cn-deçúcr em Algos, em julho de 1974, oservou-se seu potencil, um vez que 16 dis pós lierção, msss de csulos form recuperds em lgrts de D. flvipennell. De , verificrm-se outrs recuperções em diferentes regiões cnvieirs de Algos, em como nos estdos de Pernmuco, Prí, Rio Grnde do Norte, Sergipe, Bhi, Rio de Jneiro, São Pulo e Ampá, permitindo concluir que o prsitoide se estelecer (MENDONÇA; COSTA; RISCO, 1976). No Estdo de São Pulo, o progrm de controle iológico d roc d cn conduzido pelo IAA/Plnlsucr desde 1972 começou com levntmentos de intensidde de infestção d prg e estudos de lterntivs de controle (MACEDO; BOTELHO, 1986). Em 1975, inicirm-se s pesquiss com C. flvipes, prtir de mteril procedente do nordeste do Brsil. Até 1978, o perfeiçomento n tecnologi tornou produção de C. flvipes em lortório mis simples e melhori de seu desempenho no cmpo deu-se com introdução de novs linhgens origináris de regiões mis fris e úmids d Índi e do Pquistão, relizds em 1978 (MACEDO, 1978). Os resultdos demonstrrm que o controle iológico de D. scchrlis pelo sistem de lierção de C. flvipes, desenvolvido pelo IAA/Plnlsucr, foi eficiente, com rel contriuição n redução d intensidde de infestção d prg, despeito de ftores desfvoráveis, como expnsão d áre cultivd e plntio de vrieddes mis suscetíveis (MACEDO; BOTELHO, 1986). C. flvipes é um endoprsitoide lrvl, um espécie de microhimenóptero considerd hoje um dos mis eficientes gentes de controle iológico d roc-d-cn-de-çúcr (PARRA; BOTELHO; PINTO, 2010). Seu desenvolvimento é holometólico, com ciclo de vid (ovo dulto) o redor de 20 dis, dependendo d tempertur e idde do hospedeiro (PÁDUA; PARRA, 1994; CAMPOS-FARINHA, 1996). As fêmes originm-se

12 5 de ovos fertilizdos, enqunto os mchos são produzidos por prtenogênese rrenótoc, ou sej, de ovos não fertilizdos, sendo, consequentemente, hploides (NARANG; BARTLETT; FAUST, 1994; SCANDIUZZI et l., 2009). A fême, o encontrr seu hospedeiro, deposit seus ovos n hemocele, os quis ficm flutundo livremente n hemolinf d lgrt. São rredonddos n porção cefálic, lrgos medilmente e fildos n prte posterior medindo cerc de 0,09 mm de comprimento, logo depois de serem depositdos. O número de ovos colocdos pel fême vri de cordo com idde do hospedeiro, podendo chegr lgums dezens, sendo mior ns lgrts mis desenvolvids (BREWER; KING, 1981). Zério et l. (2011) confirmrm firmção nterior, otendo mior quntidde de csulos contendo pups de C. flvipes qundo lgrts de D. scchrlis mis desenvolvids form prsitds. Após três qutro dis, eclode lrv, que pss por três ínstres em um período de 4 12 dis, medindo no finl desse estágio proximdmente 3 mm de comprimento. A lrv de terceiro ínstr present colorção rncoleitos rilhnte, com segmentção fcilmente oservd, corpo fildo ns extremiddes, emergindo do hospedeiro um dois dis depois de estr nesse estádio (CAMPOS-FARINHA, 1996). Pádu (1983), o vlir o efeito d nutrição de D. scchrlis sore o prsitismo de C. flvipes, oservou que durção médi d fse ovo-lrv foi de 10,6 dis, viilidde médi de emergênci foi de 80,84%, o peso médio de csulos foi de 0,0288 mg e rzão sexul ficou o redor de 0,8, qundo crição foi relizd em lgrts crids em diet à se de germe-de-trigo. Mouti e Courtois (1952) qundo estudrm o ciclo iológico C. flvipes e Goi et l. (1994), qundo vlirm o efeito do prsitismo de C. flvipes em lgrts de D. scchrlis de quinto ínstr, otiverm durções d fse ovolrv semelhntes, de 13 e 11,9 dis, respectivmente. Lim (2011) verificou resultdos semelhntes os nteriores, em diet à se de germe-de-trigo. A pup é protegid por um csulo construído pel lrv com fios de sed, sendo que os indivíduos provenientes de um mesmo hospedeiro

13 6 gerlmente se dispõem grupdmente, formndo um mss. Os insetos permnecem ness fse por período vriável, dependendo d tempertur, em médi cinco dis (CAMPOS-FARINHA, 1996). Lim (2011) verificou durção ovo-lrv o redor de 12 dis e pupl o redor de oito dis, sendo esse vlor finl discordnte d miori dos trlhos, que foi o redor de qutro dis 27ºC (MOUTIA; COURTOIS, 1952; GIFFORD; MANN, 1967; PÁDUA, 1983; 1986). O dulto mede proximdmente 4 mm, é de colorção pret com ss hilins e present dimorfismo sexul; fême possui ntens menores qundo comprds às dos mchos (PINTO; BOTELHO; OLIVEIRA, 2009). A sorevivênci médi do dulto em lortório é de cerc de 24 hors um tempertur de 24±2 o C (WIENDENMANN; SMITH JR.; DARNELL, 1992). A fix fvorável pr o desenvolvimento de C. flvipes situ-se entre 20 e 30 o C (PÁDUA; PARRA, 1994), sendo tolernte ixs umiddes (MOHYUDDIN, 1971). O prsitismo de lgrts de D. scchrlis por fêmes de C. flvipes com diferentes iddes foi estuddo por Pinto et l. (2009), que concluírm que quels com um di são s preferids pr o prsitismo, ms utilizção de fêmes de dois dis comprometem pouco qulidde do prsitoide. Nesse ensio, os dultos viverm e prsitrm té qutro dis pós emergênci. O comportmento de loclizção do hospedeiro é medido por um sustânci hidrossolúvel, presente ns fezes ds lgrts de D. scchrlis, e o contto com ests induzem à procur, crcterizd pel redução no ritmo de locomoção e ttemento ds fezes com s ntens (LEERDAM; SMITH; FUCHS, 1986). Segundo Botelho e Mcedo (2002), tempertur exerce forte influênci n cpcidde de usc e n sorevivênci de C. flvipes, devendose evitr, ns lierções, s hors mis quentes do di. Em determinds regiões e époc, lierção no finl d trde grnte melhor condições de sorevivênci do inseto do que s lierções pel mnhã.

14 7 O número de cópuls e de oviposições podem lterr rzão sexul de um prsitoide. Vlores superiores 0,5 podem ser enéficos em progrms de controle iológico, visto que os mchos não contriuem pr redução de prgs trvés do prsitismo (COMINS; WELLINGS, 1985). Lim (2011) oservou rzão sexul vrindo de 0,6 0,8 no seu trlho testndo diferentes diets de crição de lgrts. Pádu (1986) tmém verificou vlores semelhntes os d utor nterior. O prsitismo de lgrts por C. flvipes foi vriável no trlho de Lim (2011), onde utor consttou que porcentgem médi de prsitismo foi superior em lgrts crids em diet à se de germe-de-trigo torrdo (o redor de 78%) do que à se de levedur de cervej (o redor de 45%). Os resultdos de Pádu (1986) form superiores os reltdos pel utor nterior. No Brsil, existem poucos estudos relizdos em termos de controle de qulidde. O prsitoide C. flvipes, utilizdo tulmente em 3 milhões de h de cn-de-çúcr, pr o controle de D. scchrlis, tem o seu controle de qulidde feito em usins de cn-de-çúcr com se no vigor e spectos ds msss (csulos), n gressividde e n rzão sexul (PREZOTTI; PARRA, 2002). Hivizi et l. (2007) estudrm lguns prâmetros pr o controle de qulidde de C. flvipes em lortório; um desses foi dptção do modelo de Dutton e Bigler (1995) pr C. flvipes, conseguindo pouco mis de 50% de insetos presos à col n prte superior do recipiente (insetos vodores). Os prsitoides cridos sore D. scchrlis provenientes de diets à se de germe-de-trigo e levedurs de cn e cervej, tiverm um om desenvolvimento, segundo Lim (2011). A diet à se de levedur de cn foi que presentou no gerl melhores resultdos. No entnto, diet à se de germe-de-trigo torrdo foi que se destcou, qundo vlidos os prâmetros considerdos importntes pr determinr eficiênci do inseto produzido em crições mssis; segundo Hivizi, et l. (2009), esses prâmetros são

15 8 porcentgem de prsitismo, que deve ser superior 85%, e viilidde de emergênci, que deve ser cim de 90%. O rmzenmento de pups de C. flvipes seri um tividde importnte no sistem de crição desse prsitoide. Entretnto, ess tividde não poderi prejudicr sorevivênci e qulidde do prsitoide. Crvlho et l. (2008) estudrm o efeito d ix tempertur de refrigerdores comuns, o redor de 2,7ºC e 40% de umidde reltiv do r (UR), no rmzenmento de C. flvipes, vlindo os prâmetros iológicos d gerção F 0 e F 1, concluindo que té cinco dis é possível rmzenr pups recémformds do prsitoide em ix tempertur. Ivn et l. (2010) estudrm o rmzenmento de dultos recémemergidos de C. flvipes em tempertur d prte inferior de refrigerdores comuns (10±2ºC, 45±5% de UR) e concluírm que té 72 h qulidde do prsitoide e de seus descendentes não é fetd.

16 3 MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi desenvolvido no lortório de controle iológico Biocn, loclizdo em Pontl, SP, onde form otids s msss (conjunto de pups em csulos grupdos por fios de sed) de Cotesi flvipes crido em lgrts de Ditre scchrlis de um crição mssl e comercil, utilizndo diet rtificil à se de levedur de cn modificd de Crvlho et l. (1990) pel Biocn. Form testds dus temperturs no rmzenmento (6,86 ± 0,03 e 9,35 ± 0,01ºC, 64,56 ± 0,18 e 67,02 ± 0,06% de UR, respectivmente) de msss de C. flvipes, em épocs distints. Form confinds 210 msss com té 24 h de formção em cd tempertur, seprds em sete msss cd recipiente, dndo um totl de 30 recipientes. Foi utilizd um sl climtizd pr s dus temperturs (Figur 1). A cd dois dis (exceto os finis de semn) er retirdo um recipiente contendo sete msss, que er mntido por dus hors em tempertur de 21±1ºC pr climtção. Em seguid, s msss erm individulizds em plcs crílics (8 cm de diâmetro por 2 cm de ltur) e colocds em câmr climtizd (B.O.D) mntid à 26,71 ± 0,01ºC, UR de 66,75 ± 0,18% e fotofse de 12h (Figur 1). Ds sete msss, dus erm usds pr vlição dos prâmetros iológicos d gerção F 1 pós emergênci dos dultos (Figur 2). Os dultos, pós emergênci, permnecim no mínimo 8 h juntos pr cópul. Posteriormente, fêmes copulds erm forçds prsitr um lgrt cd, num totl de 30 lgrts de terceiro ínstr pr cd dt. As

17 10 lgrts prsitds erm mntids em grupo de cinco em plc crílic com diet rtificil de relimentção n câmr climtizd descrit nteriormente (Figurs 1 e 2). Er notd dt de prsitismo, de formção ds msss e de emergênci dos dultos e, pós formção ds msss, s mesms erm quntificds, pr o cálculo d porcentgem de prsitismo, e individulizds em plcs crílics (8 cm de diâmetro por 2 cm de ltur) pr vlição do número de csulos totis e inviáveis e o número de mchos e fêmes por mss, pós emergênci e morte dos dultos. Figur 1. Esquem do ensio de rmzenmento de msss de Cotesi flvipes e vlição d qulidde dos insetos rmzendos. As outrs cinco msss erm utilizds no teste de viilidde d gerção F 0 (Figurs 1 e 2). Erm mntids n câmr climtizd descrit nteriormente e, pós emergênci e morte dos dultos, s mesms erm

18 11 vlids qunto o número totl de csulos, de pups inviáveis e número de mchos e fêmes emergidos. Tmém er notd dt de emergênci dos dultos. Figur 2. Visão gerl dos recipientes rmzendos, contendo o mteril iológico, n câmr climtizd mntid 27±2ºC, UR de 70±15% e fotofse de 12h. Pr cd tempertur estudd foi mntid em câmr climtizd mntid à 27±2ºC, UR de 70±15% e fotofse de 12h um testemunh retird do lote utilizdo no ensio. Form seprds 10 msss recém formds e individulizds em plcs crilícs (Figur 1). Foi vlid dt de formção ds msss e de emergênci dos dultos, número de csulos viáveis e inviáveis por mss e o número de mchos e fêmes emergido, pr servir

19 12 como pdrão pr os prâmetros iológicos de cd lote retirdo em diferentes dts do rmzenmento em ixs temperturs. Foi mntido um Dt Logger de tempertur e umidde, mrc Instrutherm, modelo HT-500, que registrv tempertur e umidde reltiv do r n sl de rmzenmento e n câmr climtizd (Figur 2) utilizdos nos ensios. Todos os ddos otidos form sumetidos nálise de vriânci (ANOVA). Qundo o teste F d ANOVA indicou significânci de 5% de proilidde de erro, procederm-se s nálises complementres por meio do teste de Tukey 5% de proilidde, onde s médis form comprds. Todos os cálculos esttísticos form relizdos pelo progrm Sttistic for Windows (STATSOFT, 1996).

20 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO No primeiro ensio, onde msss recém formds de Cotesi flvipes form rmzends 6ºC, tempertur rel otid foi de 6,86 ± 0,03ºC e 64,56 ± 0,18% de umidde reltiv do r (UR). Um testemunh permneceu té morte dos dultos 26,71 ± 0,01ºC, UR de 66,75 ± 0,18% e fotofse de 12h, que serviu como pdrão pr os resultdos otidos com o rmzenmento. Após três dis do rmzenmento, não houve diferençs significtivs entre os trtmentos (testemunh e gerções F 0 e F 1 do mteril rmzendo) qunto os prâmetros durção médi do período pupl, número médio de csulos (contendo pups) por mss, rzão sexul e porcentgem médi de viilidde d emergênci (Figur 3). Após cinco dis do rmzenmento, houve diferenç significtiv entre os trtmentos pens qunto o prâmetro durção médi do período pupl, que foi significtivmente menor no trtmento gerção F 0 ds pups rmzends (Figur 4).

21 14 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 87,2 81,0 81,8 91,8 90,2 94,3 69,2 59,9 64,3 4,0 4,0 4,3 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 3. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 3 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Não se pôde explicr ess lterção n durção do período pupl qundo s pups do prsitoide form rmzends por cinco dis. Entretnto, o vlor otido pr testemunh e pr gerção F 1 está de cordo com Mouti e Courtois (1952), Gifford e Mnn (1967) e Pádu (1983; 1986). Lim (2011) oteve vlor muito superior o do tul trlho, ms pr o mteril de cmpo o vlor foi próximo.

22 15 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 91,8 87,2 83,8 95,2 90,2 61,7 69,2 49,1 49,1 4,0 3,0 4,1 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 4. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 5 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Aos sete dis pós o início do rmzenmento, tmém não se verificou diferençs significtivs entre os trtmentos qunto os prâmetros iológicos estuddos (Figur 5).

23 16 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 87,2 99,0 81,4 91,8 87,6 92,3 65,4 69,2 70,5 4,0 4,2 4,5 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 5. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 7 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Entretnto, pós 10 dis do rmzenmento 6,7ºC, o trtmento d gerção F 1 do mteril rmzendo presentou mior durção médi do período lrvl e o menor número médio de csulos por mss, diferindo esttisticmente dos demis trtmentos (Figur 6). Lim (2011) oteve 58,10 ± 4,27 csulos por mss em mteril de cmpo, sendo o vlor otido pr os descendentes do prsitoide rmzendo inferior o de cmpo d utor. Segundo Hivizi et l. (2009), esses prâmetros não são os mis importntes pr se medir qulidde de C. flvipes produzido em lortório, ms segundo Lim (2011), são prâmetros importntes pr grntir um o produção do gente em crições mssis comerciis.

24 17 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 87,2 93,0 69,2 71,6 91,8 90,5 78,9 41,6 47,1 4,0 3,6 5,0 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 6. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 10 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Um menor número de csulos por mss, como o ocorrido pós 10 dis de rmzenmento tempertur de 6,7ºC (Figur 6), certmente diminui eficiênci d produção do prsitoide em crições mssis e prejudic eficáci desse gente no controle de Ditre scchrlis em cmpo, o menos n primeir gerção. Aos 12 dis de rmzenmento, o número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci form significtivmente inferiores no trtmento gerção F 1 pós rmzenmento em relção os demis trtmentos, que não diferirm entre si (Figur 7).

25 18 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 87,2 93,0 69,2 91,8 83,2 84,9 64,1 28,9 17,4 4,0 4,4 4,2 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 7. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 12 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Lim (2011) oteve rzão sexul o redor de 0,8 pr mteril de cmpo, semelhnte o oservdo por Pádu (1986) em lortório, permitindo considerr que rzões sexuis ixs como oservd os 12 dis n progênie do mteril rmzendo devem ser considerds indequds pr crições mssis de C. flvipes. Aos 14 dis de rmzenmento, o prsitismo de lgrts pels fêmes oriunds do mteril rmzendo 6,7ºC foi muito ixo (Tel 1) e por isso os resultdos otidos não form comprdos com o dos demis trtmentos. O número médio de csulos por mss e porcentgem médi de emergênci form significtivmente menores no trtmento gerção F 0 rmzend em relção à testemunh não rmzend (Figur 8).

26 19 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 87,2 91,8 58,0 69,2 45,7 26,4 4,0 4,0 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 8. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 14 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste t (p>0,05). Após 17 dis de rmzenmento, durção do período pupl foi significtivmente superior no trtmento F 0 rmzendo, diferindo d testemunh, que por su vez diferiu do trtmento F 1 rmzendo com o mior vlor (Figur 9). O trtmento F 1 rmzendo presentou os menores vlores de número médio de csulos por mss e rzão sexul médi em relção os demis trtmentos (Figur 9). Qunto à porcentgem médi de emergênci, o trtmento F 0 rmzendo presentou o menor vlor, diferindo esttisticmente dos demis trtmentos (Figur 9).

27 20 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 87,2 79,2 69,2 84,5 91,8 55,2 82,1 4,0 3,0 c 5,4 17,2 3,7 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 9. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 17 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Aos 19 e 21 dis de rmzenmento, não houve prsitismo ds fêmes oriunds do rmzenmento (Tel 1). Os trtmentos testemunh e gerção F 0 diferirm significtivmente pens qunto o prâmetro porcentgem médi de emergênci, sendo esse último trtmento que presentou os menores vlores (Figurs 10 e 11).

28 21 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 87,2 86,8 86,2 91,8 69,2 57,7 4,0 3,4 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 10. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 19 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste t (p>0,05). A prtir dos 12 dis de rmzenmento 6,7ºC ocorreu diferençs significtivs entre os trtmentos, sendo que queles dos três os 10 dis que presentrm os miores vlores (Tel 1) e o mis desejdos pr um sistem de crição ou pr o controle d roc-d-cn em cmpo. Pr o rmzenmento 9,3ºC, os melhores vlores de prsitismo form otidos té sete dis, ocorrendo diferençs esttístics prtir desse período (Tel 1).

29 22 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 87,2 83,2 89,9 91,8 69,2 28,5 4,0 4,2 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 11. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 21 dis do rmzenmento 6,7ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste t (p>0,05). Qunto o rmzenmento de msss à tempertur médi de 9,3ºC, não houve diferençs significtivs entre os trtmentos qunto os prâmetros estuddos té os cinco dis (Figurs 12 e 13).

30 23 Tel 1. Porcentgem médi de prsitismo de lgrts de Ditre Dis pós o rmzenmento scchrlis por fêmes de Cotesi flvipes d gerção F 0 rmzends os 6,7 ou 9,3ºC por diferentes períodos. 6,7ºC 9,3ºC 3 96,67 ± 3, ,67 ± 3, ,00 ± 10,00 100,00 ± 0, ,67 ± 3,00 80,00 ± 13, ,33 ± 12,00 53,33 ± 16, ,33 ± 16,00 30,00 ± 15,00 c 14 3,33 ± 3,00 c 0,00 ± 0,00 d 17 40,00 ± 16,00 0,00 ± 0,00 d 19 0,00 ± 0,00 c 0,00 ± 0,00 d 1 Médis n linh seguids pels mesms letrs não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Entretnto, pós sete dis de rmzenmento, o trtmento gerção F 0 rmzendo presentou menor durção médi do período pupl em relção os demis trtmentos, com diferenç esttístic (Figur 14).

31 24 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 120,8 95,6 91,2 79,2 78,8 74,4 95,5 89,6 87,0 4,0 4,0 4,0 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 12. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 3 dis do rmzenmento 9,3ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Aind os sete dis de rmzenmento 9,3ºC, o trtmento gerção F 1 rmzendo diferiu significtivmente dos demis trtmentos qunto os prâmetros número médio de csulos por mss e rzão sexul, presentndo os menores vlores (Figur 14).

32 25 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 95,6 88,4 77,8 79,2 79,4 95,5 85,0 91,2 59,0 4,0 4,2 4,0 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 13. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 5 dis do rmzenmento 9,3ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Aos 10 dis de rmzenmento, o trtmento gerção F 0 rmzendo presentou o menor vlor de porcentgem médi de emergênci, diferindo significtivmente pens d testemunh (Figur 15). O trtmento gerção F 1 rmzendo presentou os menores vlores de número médio de csulos por mss e rzão sexul, diferindo esttisticmente dos demis trtmentos (Figur 15).

33 26 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 95,6 95,4 79,2 77,6 95,5 92,1 91,6 53,3 50,4 4,0 3,4 4,0 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 14. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 7 dis do rmzenmento 9,3ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). N últim vlição possível, os 12 dis do rmzenmento 9,3ºC, o trtmento gerção F 1 rmzendo presentou os menores vlores de número médio de csulos por mss e rzão sexul médi, diferindo significtivmente dos demis trtmentos, e os dois trtmentos do prsitoide rmzendo diferirm d testemunh qunto à porcentgem médi de emergênci, presentndo os menores vlores (Figur 16).

34 27 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 95,6 112,6 79,2 86,0 95,5 83,5 89,2 44,6 39,0 4,0 4,0 4,2 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 15. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 10 dis do rmzenmento 9,3ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Os resultdos otidos permitem considerr que o rmzenmento de msss de C. flvipes 6,7ºC é possível por té sete dis e 9,3ºC por té cinco dis, sem comprometer qulidde do prsitoide rmzendo e nem dos seus descendentes d primeir gerção.

35 28 Testemunh Armzendo F0 Armzendo F1 95,6 105,6 79,2 86,5 95,5 78,0 62,9 36,3 4,0 3,8 4,3 9,8 Período pupl (dis) Csulos/mss Rzão sexul (%) Emergênci (%) Figur 16. Durção médi do período pupl, número médio de csulos por mss, rzão sexul médi e porcentgem médi de emergênci de Cotesi flvipes (gerções F 0 e F 1 ) pós 12 dis do rmzenmento 9,3ºC (testemunh 26,8ºC). Coluns seguids pels mesms letrs ou sem els não diferem entre si pelo teste de Tukey (p>0,05). Nesse ensio, os resultdos otidos pr 9,3ºC foi semelhnte àqueles de Crvlho et l. (2008) pr 2,7ºC e superiores o otido por Ivn et l. (2010) pr dultos 10ºC. Novos ensios serim interessntes pr vlir o efeito do rmzenmento em diferentes temperturs, inferiores 6ºC, e o efeito em lgums gerções do prsitoide.

36 5 CONCLUSÕES Bsedo ns condições em que o experimento foi conduzido, pode-se concluir que o rmzenmento de msss de Cotesi flvipes recémformds 6,7 ou 9,3ºC é possível por té sete ou cinco dis, respectivmente, sem comprometer qulidde do prsitoide rmzendo e dos seus descendentes d primeir gerção.

37 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOTELHO, P.S.M.; MACEDO, N. Controle integrdo d roc-d-cn-deçúcr Ditre scchrlis (Fr. 1974) (Lepidopter: Pyrlide). Brsil Açucreiro, v.106, n.2, p.2-12, BOTELHO, P.S.M.; MACEDO, N. Cotesi flvipes pr o controle de Ditre scchrlis, cp.25. In: PARRA, J.R.P.; BOTELHO, P.S.M; CORRÊA- FERREIRA, B.S.; BENTO, J.M.S. (eds.). Controle iológico no Brsil: prsitoides e preddores. São Pulo: Mnole, p BREWER, F.D.; KING, E.G. Food consumption nd utiliztion y sugrcne orers prsitized y Apnteles flvipes. Journl of Georgi Entomologicl Society, v.16, p , CAMPOS-FARINHA, A.E.C. Biologi reprodutiv de Cotesi flvipes (Hymenopter: Brconide) f. Tese (Doutordo em Entomologi) Universidde Estdul Pulist, Rio Clro, COMINS, H.N; WELLINGS, P.W. Density-relted prsitoid sex rtio: Influence on host-prsitoid dynmics. Journl Animl Ecology, Oxford, v.54, p , CANO, M.A.V.; SANTOS, E.M.; PINTO, A. de S. Produção de Cotesi flvipes pr o controle d roc-d-cn. In: PINTO, A. de S. (org.) Controle de prgs d cn-de-çúcr. Sertãozinho: Biocontrol, p (Boletim Técnico Biocontrol, 1) CARVALHO, L.R.R.; ARAÚJO, J.R.; CAMPOS, M.B.S.; PIZANO, M.A. Levedur de destilri em sustituição o germe de trigo n diet de

38 31 relimentção de Ditre scchrlis pr produção de prsitoides. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 12., 1990, Belo Horizonte. Resumos... Belo Horizonte: SEB, 1990, p.4. CARVALHO, J.S.; VACARI, A.M.; DE BORTOLI, S.A.; VIEL, S.R. Efeito do rmzenmento de pups de Cotesi flvipes (Cmeron, 1891) (Hymenopter: Brconide) em ix tempertur. Boletín de Snidd Vegetl Plgs, v.34, n.1, p.21-26, DUTTON, A.; BIGLER, F. Flight ctivitiy ssessment of the egg prsitoid Trichogrmm rssice (Hym.: Trichogrmmtide) in lortory nd field conditions. Entomophg, v.40, p , GIFFORD, J.R; MANN, G.A. Biology, rering nd tril relese of Apnteles flvipes in the Florid Evergldes to control the sugrcne orer. Journl of Economic Entomoloy, v.60, n.1, p.44-47, GOBBI, N; CHAUD-NETTO, J; DINIZ-FILHO, J.A.F; TORNISIELO, S.M.T; ALMEIDA, L.C; NAZARETH, S.L. Estudo do relcionmento entre Cotesi flvipesi (Cmeron) e Ditre scchrlis (Fricius). II. Efeito do prsitismo no consumo de lgrts de 5º ínstr. Anis d Sociedde Entomológic Brsileir, v.23, n.1, p.45-49, HIVIZI, C.L.; BUENO, V.H.P.; SILVA, A.C.; CARVALHO, L.M. Controle de qulidde do prsitóide Cotesi flvipes. In: BUENO, V.H.P. (Org.). Controle iológico de prgs: produção mssl e controle de qulidde. Lvrs: UFLA, Cp.13, p HIVIZI, C.L.; BUENO, V.H.P.; CARVALHO, L.M.; CARVALHO, A.R. Qulity control of the prsitoid Cotesi flvipes (Cmeron) (Hymenopter: Brconide) produced under mss-rering system. Bulletin Glol IOBC, v.3, p.65-68, IVAN, E.A.F.; MOÇO, C.A.; PINTO, A. de S.; PARRA, J.R.P. Armzenmento de dultos de Cotesi flvipes em ixs temperturs. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 23., Ntl, Resumos... Ntl: UFRN/EMPARN, (CD-ROM)

39 32 LEERDAM, M.B.; SMITH J.R.; FUCHS, T.W. Frss-medited, host-finding ehvior of Cotesi flvipes, rconid prsite of Ditre scchrlis (Lep.: Pyrlide). Annls of the Entomologicl Society of Americ, v.7, p , LIMA, A.A. de. Comprção de diets rtificiis pr crição de Ditre scchrlis (Lepidopter: Crmide) e vlição d qulidde de Cotesi flvipes (Hymenopter: Brconide) em crições mssis f. Dissertção (Mestrdo em Snidde Vegetl, Segurnç Alimentr e Amientl) Instituto Biológico, São Pulo. MACEDO, N. New strin of Apnteles flvipes ws imported to increse its dpttive potencil in the Southern Brzil. Entomology Newsletter, v.4, p.11-12, MACEDO, N.; BOTELHO, P.S.M. Ten yers of iologicl control of Ditre scchrlis y Apnteles flvipes In São Pulo. In: CONGRESS OF INTERNATIONAL SOCIETY OF SUGARCANE TECHNOLOGISTS, 19., Jkrt, Proceedings Jkrt: ISSCT, MACEDO, N.; BOTELHO, P.S.M.; MENDES, A.C. Lierção de Apnteles flvipes Cm. em São Pulo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 4., Goiâni, Resumos... Goiâni: SEB, MENDONÇA, A.F.; COSTA, J.M.B.; RISCO, S.H.B. Situção tul do controle d roc d cn-de-çúcr Ditre spp. no estdo de Algos, Brsil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 3., Mceió, Resumos... Mceió: SEB, MENDONÇA, A.F.; RISCO, S.H.B.; COSTA, J.M.B. Introduction nd rering of Apnteles flvipes Cmeron (Hym.: Brconide) in Brsil. In: CONGRESS OF INTERNATIONAL SOCIETY OF SUGARCANE TECHNOLOGISTS, 16., São Pulo, Proceedings São Pulo: ISSCT, p MOHYUDDIN, A.L. Comprtive iology nd ecology of Apnteles flvipes (Cm.) nd Apnteles sesmie Cm. s prsites of grminceous orers. Bulletin of Entomologicl Reserch, v.61, p.33-39, 1971.

40 33 MOUTIA, L.A; COURTOIS, C.M. Prsites of the moth-orers of sugr-cne in Muritius. Bolletin of Entomologicl Reserch, v.43, p , NARANG, S.K.; BARTLETT, A.C.; FAUST, R.M. Applictions of genetics to rthropods of iologicl control of significnce. Boc Rton: CRC Press, 199p., PÁDUA, L.E.M. Biologi comprd de Apnteles flvipes (cmeron, 1981) (Hymenopter: Brconide) pr determinção ds exigêncis térmics f. Dissertção (Mestrdo em Entomologi) Escol Superior de Agricultur Luiz de Queiroz, USP, Pircic. PÁDUA, L.E.M. Influênci d nutrição, tempertur e umidde reltiv do r n relção Apnteles flvipes (cmeron, 1981) (Hymenopter: Brconide) Ditre scchrlis (Fricius, 1794) p. Tese (Doutordo em Entomologi) Escol Superior de Agricultur Luiz de Queiroz, USP, Pircic. PÁDUA, L.E.M; PARRA, J.R.P. Efeito d tempertur e umidde reltiv do r n iologi de Cotesi flvipes (Cmeron). Anis d Sociedde Entomológic do Brsil, v.23, p , PARRA, J.R.P.; BOTELHO, P.S.M.; PINTO, A. de S. Controle iológico de prgs como um componente chve pr produção sustentável d cn-deçúcr. In: CORTEZ, L.A.B. (Org.). Bioetnol de cn-de-çúcr: P&D pr produtividde e sustentilidde. São Pulo: Blucher, p PEREIRA, C.E.F.; LIMA, R.O.R.; VILAS BOAS, A.M. Introdução e dptção de Apnteles flvipes Cm. (Brconide), prsito de Ditre spp. nos Estdos de Pernmuco, Prí e Rio Grnde do Norte. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 4., Goiâni, Resumos... Goiâni: SEB, PINTO, A. de S.; BOTELHO, P.S.M.; OLIVEIRA, H.N. de. Gui ilustrdo de prgs e insetos enéficos d cn-de-çúcr. Pircic: CP 2, p.

41 34 PINTO, A. de S.; CANO, M.A.V.; SANTOS, E.M. dos. A roc-d-cn, Ditre scchrlis. In: PINTO, A. de S. (org.) Controle de prgs d cnde-çúcr. Sertãozinho: Biocontrol, p (Boletim Técnico Biocontrol, 1) PINTO, A. de S.; GARCIA, J.F.; OLIVEIRA, H.N. de. Mnejo ds principis prgs d cn-de-çúcr. In: SEGATO, S.V.; PINTO, A. de S.; JENDIROBA, E.; NÓBREGA, J.C.M. de. (orgs.) Atulizção em produção de cn-deçúcr. Pircic: CP 2, p PINTO, A. de S.; LIMA, A.A. de; VASCONCELOS, G. dos R.; PARRA, J.R.P.; SCANDIUZZI, G.F. Influênci d idde de Cotesi flvipes (Hymenopter: Brconide) no prsitismo de lgrts de Ditre scchrlis (Lepidopter: Crmide). In: SIMPÓSIO DE CONTROLE BIOLÓGICO, 11., Bento Gonçlves, Resumos... Porto Alegre: Unisinos/Emrp Uv e Vinho, (CD-ROM) PREZOTTI, L.; PARRA, J.R.P. Controle de qulidde em crições mssis de prsitoides e preddores. In: PARRA, J.R.P.; BOTELHO, P.S.M.; CORRÊA- FERREIRA, B.S.; BENTO, J.M.S. (Eds.). Controle iológico no Brsil: prsitoides e preddores. São Pulo: Mnole, Cp.17, p RISCADO, G.M.; LIMA FILHO, M. Situção d Ditre spp. nos cnviis do Estdo do Rio de Jneiro e Sntos (Progrm Ncionl de Controle Biológico de Ditre spp. No Brsil) IAA/PLANALSUCAR. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 3., Mceió, Resumos... Mceió: SEB, RISCADO, G.M.; LIMA FILHO, M.; BARBOSA, J.T. Complexo de Inimigos nturis de Ditre spp. e su ção de controle no Rio de Jneiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 4., Goiâni, Resumos... Goiâni: SEB, RISCO, S.H.B. Control iológico de l roc de l cñ de zúcr Ditre spp. en el Brsil. Reltório de ls pesquiss y resultdos otenidos durnte el período enero/ril/76. Algos, Plnlsucr Coordendori Regionl do Nordeste, p.

42 35 SCANDIUZZI, G.F.; LIMA, A.A.; PINTO, A. de S.; VASCONCELOS, G. dos R. Comprovção d prtenogênese rrenótoc de Cotesi flvipes prsitndo Ditre scchrlis. SIMPÓSIO DE CONTROLE BIOLÓGICO, 11., Bento Gonçlves, Anis... Porto Alegre: Unisinos, (CD-ROM) SOUZA, H.D.; SILVA, M.F. A roc d cn-de-çúcr e seu comportmento n região cnvieir d Bhi. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 3., Mceió, Resumos... Mceió: SEB, STATSOFT. Sttistic for Windows: computer progrm mnul. Tuls, OK: SttSoft Inc., TÉRAN, F.O. Controle iológico d roc de cn-de-çúcr ns usins cooperds. In: SEMINÁRIO COPERSUCAR DA AGROINDÚSTRIA AÇUCAREIRA, 3., 1975, Águs de Lindói. Anis... Pircic: Copersucr, WIENDENMANN, R.N.; SMITH JR., J.W.; DARNELL, P.O. Lortory rering nd iology of the prsite Cotesi flvipes (Hym.: Brconide) using Ditre scchrlis (Lep.: Pyrlide) s host. Environmentl Entomology, v.21, p , ZÉRIO, N.G.; LIMA, A.A. de; PINTO, A. de S.; PARRA, J.R.P.; COSTA, V.A. Idde de lgrts de Ditre scchrlis influencindo o prsitismo de Cotesi flvipes. In: SIMPÓSIO DE CONTROLE BIOLÓGICO, 12., São Pulo, Resumos... São Pulo: Instituto Biológico, (CR-ROM)

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE SEMEADURA. Palavras chave: Produção de biomassa, bovinos de leite, plantas daninhas

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE SEMEADURA. Palavras chave: Produção de biomassa, bovinos de leite, plantas daninhas AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE SEMEADURA Iuri Nio 1, Aln Dltoé 1, Itmr Gsprin 1, Pulo Seen 1, Adrino Moreir 1, Krine Al 1, Alfredo Mrtini 1, Neuri Antonio Feldmnn 2, Fin Rquel

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS

MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS Rodrigo Silv Diniz (1), Édio Luiz d Cost (2), Gerldo Antônio Resende Mcêdo (3), Heloís

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO Teti, L.M.E.H. (1) ; Sntos, V.M. (1) ; Escor, I.E.C. (1) ; Mi, L.C. (1) lyssndr_teti@hotmil.com (1) Lortório de Micorrizs,

Leia mais

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE Bruno Henrique Srdinh de Souz 1, Alcebídes Ribeiro Cmpos 2 1 Biólogo, emil: souzbhs@gmil.com, 2 Docente

Leia mais

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.)

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.) INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Cmpomnesi spp.) Jênifer Silv NOGUEIRA¹, Fbino Guimrães d SILVA², Antônio Pulino d COSTA NETTO³, Pedro Ferreir MORAIS 4, Geicine Cintr de SOUZA

Leia mais

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico Influênci d Remoção dos Extrtivos de Resíduos de Mdeirs no Seu Poder Clorífico T. Rossi, L. F. de Mour, P. R. Torquto c, J. O. Brito d. University of São Pulo, Pircic, ticine@usp.r. University of São Pulo,

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Martins 2, A. Ramos 3, P. Sequeira 1

A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Martins 2, A. Ramos 3, P. Sequeira 1 CARACTERIZAÇÃO DO VINGAMENTO DA AZEITONA EM CULTIVARES DE OLIVEIRA EM AUTOPOLINIZAÇÃO CHARACTERIZATION OF OLIVE CULTIVARS FRUIT SET IN SELF-POLLINATION A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Mrtins 2, A. Rmos 3, P. Sequeir

Leia mais

Supressão de Plantas Daninhas por Crotalaria júncea em Diferentes Espaçamentos de Semeadura

Supressão de Plantas Daninhas por Crotalaria júncea em Diferentes Espaçamentos de Semeadura 10 12 de novemro de 2010 Supressão de Plnts Dninhs por Crotlri júnce em Diferentes Espçmentos de Semedur Bruce Jmes dos Sntos 1, Crolin Wisintiner 1, Vldimir Sperândio Porto 1, Vinicius André Pereir 1

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RISCO RURAL PORTARIA Nº 193, DE 8 DE JUNHO DE 2011 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE RISCO

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ACEITABILIDADE DE PÃES DOCE ENRIQUECIDOS COM MORINGA OLEÍFERA LAM. (MORINGACEAE)

AVALIAÇÃO DA ACEITABILIDADE DE PÃES DOCE ENRIQUECIDOS COM MORINGA OLEÍFERA LAM. (MORINGACEAE) AVALIAÇÃO DA ACEITABILIDADE DE PÃES DOCE ENRIQUECIDOS COM MORINGA OLEÍFERA LAM. (MORINGACEAE) SILVA, J.C. PEREIRA, L.A.; CIABOTTI, S. TEIXEIRA, E.M.B. 1 Estudnte 4 período de Tecnologi Alimentos no CEFET

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA. Antônio Lucrécio dos Sntos Neto; Diego Coelho dos Sntos; Felipe de Lim Vilel; Lucin Mgd de Oliveir; Mri Lene Moreir de Crvlho

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868 Anis do Congresso de Pesquis, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868 RESPOSTA DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE ARROZ (ORYZA SATIVA) AO ATAQUE DA BROCA-DO-COLMO (DIATRAEA SACCHARALIS) NASCIMENTO, Jcqueline

Leia mais

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL I Jornd Científic e VI FIP do CEFET Bmuí Bmuí/MG - 8 ESTUDO COM LUNOS DO CEFET BMBUÍ SOBRE ENERGI ELÉTRIC E MEIO MBIENTE, PROPONDO EDUCÇÃO MBIENTL Bárr níl de OLIVEIR (); Ronilson Rodrigues COST (); Chrles

Leia mais

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Rmulri reol) EM ALGODÃO ADENSADO Autores: Alfredo Riciere Dis Fundção Chpdão Rento Anstácio Guzin - UFMS Cleer Brndino Ferreir

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

PEST MANAGEMENT. Embrapa Soja, CP 231, 86001-970 Londrina, PR, Brasil. Edited by André L Lourenção IAC. Neotropical Entomology 39(6):996-1001 (2010)

PEST MANAGEMENT. Embrapa Soja, CP 231, 86001-970 Londrina, PR, Brasil. Edited by André L Lourenção IAC. Neotropical Entomology 39(6):996-1001 (2010) 996 Novemer - Decemer 2010 PEST MANAGEMENT Oviposição, Desenvolvimento e Reprodução de Spodopter frugiperd (J.E. Smith) (Lepidopter: Noctuide) em Diferentes Hospedeiros de Importânci Econômic EDUARDO M

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO CV. GOLD EM ACLIMATAÇÃO

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO CV. GOLD EM ACLIMATAÇÃO Avlição do crescimento folir e rdiculr de muds micropropgds do cxizeiro Volumen cv. Gold 26, em Nº climtção 3, Págins 87-96 IDESIA (Chile) Septiemre - Diciemre 2008 AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR

Leia mais

PARASITISMO DE Diatraea saccharalis POR Cotesia flavipes LIBERADO PELA TÉCNICA DE ESPALHAMENTO DE PUPAS PROTEGIDAS POR CÁPSULAS EM CANAVIAL

PARASITISMO DE Diatraea saccharalis POR Cotesia flavipes LIBERADO PELA TÉCNICA DE ESPALHAMENTO DE PUPAS PROTEGIDAS POR CÁPSULAS EM CANAVIAL PARASITISMO DE Ditre scchrlis POR Cotesi flvipes LIBERADO PELA TÉCNICA DE ESPALHAMENTO DE PUPAS PROTEGIDAS POR CÁPSULAS EM CANAVIAL Lucs Vinicius Cntori 1 ; Alberto Antônio Dis Gomes 2 ; Edurdo Augusto

Leia mais

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta Cultivndo o Ser 46 Crcterístics produtivs de cenour Esplnd em função do modo de plicção de composto orgânico e utilizção de coertur mort Fáio Steiner 1, Márci de Mores Echer 1 e An Crolin Cristo Leite

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RAIZ NUA E DA RAIZ PROTEGIDA NA COUVE FLOR

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RAIZ NUA E DA RAIZ PROTEGIDA NA COUVE FLOR ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA RAIZ NUA E DA RAIZ (22/23) PROTEGIDA NA COUVE FLOR REGATO*, Mrin August Durte*; GUERREIRO, Idáli Mnuel; SILVA, Osvldo Pntleão; DÔRES, José Mnuel Escol Superior Agrári de Bej Ru

Leia mais

EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS.

EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS. EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS. Effect of low density lipoprotein on the viility of cooling sheep spermtozo SILVA, M.C 1 ; SNOECK, P.P.N

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Palavras-chave: Anacardium occidentale, resistência varietal, praga, Anthistarcha binocularis.

Palavras-chave: Anacardium occidentale, resistência varietal, praga, Anthistarcha binocularis. REAÇÃO DE CLONES DE CAJUEIRO-ANÃO-PRECOCE AO ATAQUE DA BROCA-DAS- PONTAS Antônio Lindemberg Mrtins MESQUITA 1, João Rodrigues de PAIVA 1, Jorge Anderson GUIMARÃES 1, Rimundo BRAGA SOBRINHO 1 e Vitor Hugo

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Crescimento de soja geneticamente modificada com os genes AtDREB1A e AtDREB2A sob déficit hídrico

Crescimento de soja geneticamente modificada com os genes AtDREB1A e AtDREB2A sob déficit hídrico Cresimento de soj genetimente modifid om os genes tdre1 e tdre2 so défiit hídrio INCO, L.F. 1 ; CRVLHO, J.F.C. 2 ; TERSSI, F.S 1.; SEINO, Y.W. 1 ; TREVIZN, F.H. 1 ; ONOFRE, E. 3 ; NEUMIER, N. 4 ; OLIVEIR,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 14-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 15, 2015 Dengue Em 2015,

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

Ligia Ma r i a Piassi, 1 Ca r i n e Da h l Co r c i n i, 2 An d r e a Pa n z a r d i, 3 RESUMO

Ligia Ma r i a Piassi, 1 Ca r i n e Da h l Co r c i n i, 2 An d r e a Pa n z a r d i, 3 RESUMO Efeito de crioprotetores impermeáveis sore viilidde in vitro de espermtozoides... 1161 EFEITO DE CRIOPROTETORES IMPERMEÁVEIS SOBRE A VIABILIDADE IN VITRO DE ESPERMATOZOIDES CONGELADOS DE CAMUNDONGOS (Mus

Leia mais

Avaliação da termorretificação sobre a colagem na madeira de Eucalyptus saligna e Pinus caribaea var. hondurensis

Avaliação da termorretificação sobre a colagem na madeira de Eucalyptus saligna e Pinus caribaea var. hondurensis SCIENTIA FORESTALIS n. 1, p. 1-13, jun. Avlição d termorretificção sore colgem n mdeir de Euclyptus slign e Pinus crie vr. hondurensis Vlution of the thermo-retificted wood in dhesive onding of Euclyptus

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS

VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 2 DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 3 RESUMO - Desenvolveu-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A EQUIVALENTES DE THÉVENIN E NORTON E MÉTODOS DIRETO E INDIRETO DE MEDIR UMA RESISTÊNCIA

Leia mais

Produção de alface e cenoura sob dois ciclos lunares

Produção de alface e cenoura sob dois ciclos lunares Produção de lfce e cenour so dois ciclos lunres Smuel Luiz de Souz; José M. Q. Luz; Denise G. Sntn; Monlis A. D. d Silv UFU-Instituto de Ciêncis Agráris, Cx. Postl 593, Cep. 38.400-783 Uerlândi MG, jmgno@umurm.ufu.r

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE DE JULHO DE 15. ##TEX O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de sus tribuições e competêncis

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Circuitos simples em corrente contínua resistores

Circuitos simples em corrente contínua resistores Circuitos simples em corrente contínu resistores - Conceitos relciondos esistênci elétric, corrente elétric, tensão elétric, tolerânci, ssocição em série e prlelo, desvio, propgção de erro. Ojetivos Fmilirizr-se

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 5-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 4, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Caracterização química e física de substratos para a produção de mudas de. alface 17

Caracterização química e física de substratos para a produção de mudas de. alface 17 Crcterizção químic e físic de sustrtos pr produção de muds de lfce 17 Cludi Klein 18, Juceline Vnin 19, Eunice Oliveir Clveteu 20, Vilson Antonio Klein 21. Resumo- O conhecimento dos sustrtos utilizdos

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 27 de setemro 01 de outuro de 2010 PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA E ACUMULO DE NUTRIENTES EM MUDAS DE PEREIRA ALINE DAS GRAÇAS SOUZA 1, NILTON NAGIB JORGE CHALFUN 2, ADEMÁRIA APARECIDA DE SOUZA 3, VALDEMAR FAQUIN

Leia mais

AVALIAÇAO DO CONHECIMENTO DOS ALUNOS DO CEFET- BAMBUÍ SOBRE GERAÇÃO DE RESÍDUOS E SOBRAS DE ALIMENTO.

AVALIAÇAO DO CONHECIMENTO DOS ALUNOS DO CEFET- BAMBUÍ SOBRE GERAÇÃO DE RESÍDUOS E SOBRAS DE ALIMENTO. AVALIAÇAO DO CONHECIMENTO DOS ALUNOS DO CEFET- BAMBUÍ SOBRE GERAÇÃO DE RESÍDUOS E SOBRAS DE ALIMENTO. Ronilson Rodrigues CO (); Neimr de Freits DUARTE (); Bárr Aníl de OLIVEIRA () () Aluno do Curso Técnico

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa BIO 3E ul 07 07.01. Pr determinr se um crcterístic genétic é dominnte ou recessiv trvés d interpretção de um genelogi, deve-se procurr um cruzmento entre indivíduos normis que tenh, pelo menos, um descendente

Leia mais

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$ 81,9(56,'$'( )('(5$/ ' 5, '( -$1(,5 &1&856 '( 6(/(d 0$7(0É7,&$ -867,),48( 7'$6 $6 68$6 5(667$6 De um retângulo de 18 cm de lrgur e 48 cm de comprimento form retirdos dois qudrdos de ldos iguis 7 cm, como

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ INTERMITENTE EMITIDA POR LED SOBRE AS CARACTERÍSTICAS FITOTÉCNICAS E ANATÔMICAS DE CRISÂNTEMO

SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ INTERMITENTE EMITIDA POR LED SOBRE AS CARACTERÍSTICAS FITOTÉCNICAS E ANATÔMICAS DE CRISÂNTEMO GABRIEL PRADO GARDE SUPLEMENTAÇÃO DE LUZ INTERMITENTE EMITIDA POR LED SOBRE AS CARACTERÍSTICAS FITOTÉCNICAS E ANATÔMICAS DE CRISÂNTEMO (Dendrnthem grndiflor Tzevelev) Dissertção presentd à Universidde

Leia mais

Influência de diferentes sistemas de preparo do solo nas propriedades físicas de um Lat

Influência de diferentes sistemas de preparo do solo nas propriedades físicas de um Lat 65 Revist Brsileir de Engenhri Agrícol e Amientl, v.8, n.1, p.65-71, 2004 Cmpin Grnde, PB, DEAg/UFCG - http://www.grimi.com.r Influênci de diferentes sistems de prepro do solo ns proprieddes físics de

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2012.029 UTILIZAÇÃO DE PRÉ-TRATAMENTO A BASE DE NANOTECNOLOGIA EM LINHA DE PINTURA DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA Alerto Nei Crvlho Cost 1 José Crlos dos Sntos 2 José Edurdo

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

VII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2013 13 a 15 de agosto de 2013 Campinas, São Paulo

VII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2013 13 a 15 de agosto de 2013 Campinas, São Paulo VII Congresso Interinstitucionl de Inicição Científic CIIC 2013 13 15 de gosto de 2013 Cmpins, São Pulo ENRIZMENTO DE ESTCS DE LECRIM (Rosmrinus officinlis L.) EM DIFERENTES SUBSTRTOS Gbrielle Louise Quirino

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Praticidade que atrapalha

Praticidade que atrapalha Prticidde que trplh Estmos no início do período reprodutivo d soj e o momento pr plicções de fungicids contr ferrugem siátic se proxim. N busc por um mior prticidde no cmpo, um prátic que tem se torndo

Leia mais

RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA COM EFLUENTE TRATADO

RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA COM EFLUENTE TRATADO XLIII Congresso Brsileiro de Engenhri Agrícol - CONBEA 214 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Cmilo - Cmpo Grnde - MS 27 31 de julho de 214 RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA

Leia mais

ISSN 1808-981X 19 BROTAÇÃO E ALTURA DE PLANTAS DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA VELOCIDADE DE PLANTIO MECANIZADO EM DOIS SISTEMAS DE PREPARO DO SOLO

ISSN 1808-981X 19 BROTAÇÃO E ALTURA DE PLANTAS DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA VELOCIDADE DE PLANTIO MECANIZADO EM DOIS SISTEMAS DE PREPARO DO SOLO ISSN 1808-981X 19 BROTÇÃO E LTUR DE PLNTS DE MNDIOC EM FUNÇÃO D VELOCIDDE DE PLNTIO MECNIZDO EM DOIS SISTEMS DE PREPRO DO SOLO Sprouting nd height of the cssv plnts in terms of speed of the mechnized plnting

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Avaliação do clareamento dental exógeno por meio de fotografia digital

Avaliação do clareamento dental exógeno por meio de fotografia digital REVISTA DE ODONTOLOGIA DA UNESP ARTIGO ORIGINAL Rev Odontol UNESP, Arrqur. jn./fev., 2010; 39(1): 9-13 2009 - ISSN 1807-2577 Avlição do clremento dentl exógeno por meio de fotogrfi digitl Breno CARNEVALLI,

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Rev Brs Agrometeorologi, v 14, n 1, p 5363, 2006 Rev Brs Agrometeorologi, v 14, n 1, p 5363, 2006 Receido pr pulicção em 22/11/05 Aprovdo em 1/04/06 53 ISSN 0104134 Relção entre tempertur mínim do r medid

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROVA DE BIOLOGIA- VESTIBULAR 2007 ABERTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROVA DE BIOLOGIA- VESTIBULAR 2007 ABERTA Vestiulndo We Pge www.vestiulndowe.com.r UNIVERSIDDE FEDERL DE JUIZ DE FOR PROV DE IOLOGI- VESTIULR 2007 ERT 01) O esquem ixo ilustr de form sintétic o processo de formção de gmets (meiose) de um indivíduo

Leia mais