EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS."

Transcrição

1 EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS. Effect of low density lipoprotein on the viility of cooling sheep spermtozo SILVA, M.C 1 ; SNOECK, P.P.N 1.;SILVA, S.C.B 1 ; ÁLVARES, C.T.G 1, FUJII, J.B. 2, NEVES, M.M 2 ; HENRY, M 2 RESUMO O ojetivo deste experimento foi vlir o efeito d lipoproteín de ix densidde (LBD) em diferentes concentrções em sustituição gem de ovo integrl sore viilidde espermátic no processo de resfrimento de sêmen ovino. As mostrs de sêmen form vlids qunto às crcterístics físics mcro e microscópics ntes e pós-resfrimento. Após determinção d concentrção espermátic, form frcionds e diluíds em meio contendo gem de ovo e LBD ns proporções de 5, 1 e 2%. Após vlição do sêmen diluído, s mostrs form envsds e sumetids os tempos de equilírio de minutos, 3 minutos, 1 hor e 2 hors pré-resfrimento. As plhets form resfrids à tempertur de 5ºC num período de dus hors. O sêmen foi sumetido o teste de termorresistênci lento (TTR) pósresfrimento e o teste hiposmótico (HO) com frutose-citrto pós-resfrimento. As vlições de motilidde espermátic demonstrrm que o diluidor contendo gem de ovo foi superior (P<,5) o demis diluidores pósresfrimento e em todos os tempos de TTR. Não houve diferenç significtiv (P>,5) entre os trtmentos ns vlições de integridde funcionl de memrn plsmátic. Os resultdos demonstrrm que LBD purificd não deve sustituir gem de ovo integrl n composição dos diluidores pr resfrimento de sêmen ovino qundo d vlição d motilidde, no entnto, preservm integridde de memrn de form semelhnte gem de ovo. PALAVRAS-CHAVE: diluidor, gem de ovo, crneiro, Snt Inês. SUMMARY The purpose of this experiment ws to evlute the effect of low density lipoprotein (LDL) in different concentrtions in plce the egg yolk in the extender for cooling of sheep semen. Smples of semen were evluted fter cooling. After determining the sperm concentrtion the semen ws diluted in medi contining egg yolk or LDL in the proportions of 5, 1 nd 2%. After evluting the diluted semen, smples were divided nd different equilirium time ws tested: minutes, 3 minutes, 1 hour nd 2 hours efore cooling. The semen ws cooled to temperture of 5 C over period of two hours fter envse into,25 ml strws. The sperm ws sumitted to the thermo-resistnce slow test (TTR) nd hypoosmotic swelling test (HOS) fter cooling. Evlutions of sperm motility showed tht the extender contining egg yolk ws etter thn the others extenders with LDL (P <.5). There ws no significnt difference etween tretments in the evlutions of the sperm integrity of plsm memrne (P >.5). The results showed tht the purified LDL should not replce the egg yolk in full composition of semen extenders for cooling of sheep. KEYWORDS: extender, egg yolk, sheep, Snt Inês. 1 Curso de Medicin Veterinári d Universidde Estdul de Snt Cruz (UESC) 2 Escol de Veterinári d Universidde Federl de Mins Geris (UFMG)

2 INTRODUÇÃO A gem de ovo é freqüentemente utilizd n composição de diluidores pr criopreservção de espermtozóides dos mmíferos (ENGLAND, 1993), visndo à proteção ds céluls contr o choque térmico. Este mecnismo de proteção é triuído à frção lipoprotéic de ix densidde (LBD) que interge com s proteíns presentes no plsm seminl, impedindo o efeito deletério desss proteíns n memrn espermátic (MANJUNATH et l., 28). Apesr dos seus efeitos protetores, o uso d gem de ovo integrl present desvntgens, como possiilidde de trnsportr microrgnismos ptogênicos (SILVA et l., 22), lém de conter sustâncis que iniem respirção dos espermtozóides e promovem diminuição d motilidde espermátic (PACE; GRAHAM, 1974). Estudos recentes demonstrrm ser possível purificção d LBD, permitindo su utilizção em sustituição à gem de ovo integrl n formulção dos diluidores utilizdos n criopreservção de espermtozóides (MOUSSA et l., 22). A ção crioprotetor d LBD já foi demonstrd ns espécies ovin (AMIRAT et l, 24), eqüin (JULIANI et l, 24), cnin (VARELA JR, 24) e suín (DEMANIOWICZ; STRZEZEK 1996). Dest form, o presente trlho teve como ojetivo vlir o efeito d LBD em diferentes concentrções em sustituição gem de ovo integrl sore viilidde espermátic no processo de resfrimento de sêmen ovino. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi relizdo no Hospitl Veterinário d Universidde Estdul de Snt Cruz (UESC) no período de jneiro julho de 28. Form utilizdos nove crneiros d rç Snt Inês dultos, os quis form coletdos por meio de vgin rtificil (um ejculdo/niml) com uxílio de um fême no estro induzido. Os ejculdos form vlidos qunto às crcterístics físics mcroscópics (volume, cor, odor e specto) e microscópics (motilidde totl, motilidde progressiv, vigor e turilhonmento). O cálculo de concentrção espermátic foi relizdo com uxílio d câmr de Neuuer, com sêmen diluído n proporção de 1µl pr 399µl (1:4) de solução tmpond de formol-slin (CBRA, 1998). As mostrs form frcionds e diluíds em diferentes meios, que constituírm os grupos experimentis: D1) composto de tris, glicose, gem e 5% de glicerol 1221 mosmol/l (SALAMON; VISSER, 1972); D2) tris, glicose, 5% de LBD e 5% de glicerol 172 mosmol/l; D3) tris, glicose, 1% de LBD e 5% de glicerol 1138 mosmol/l e D4) tris, glicose, 2% de LBD e 5% de glicerol 1182 mosmol/l. Após diluição, s mostrs form novmente vlids no intuito de verificr possíveis lterções ns crcterístics seminis durnte o processo de diluição. O juste finl d diluição foi relizdo de form oter 15x1 6 sptz/plhet,25 ml. O sêmen envsdo foi sumetido o tempo de equilírio em tempertur miente (2-25ºC) pr permitir interção do meio diluidor com os espermtozóides. Form testdos os seguintes tempos de equilírio: minutos, 3 minutos, 1 hor e 2 hors pré-resfrimento. Após o equilírio s plhets form colocds em geldeir com tempertur intern estilizd entre 2 e 5ºC de modo permitir qued grdtiv de tempertur miente à 5ºC num período de dus hors. Ao finl d curv de resfrimento, o sêmen foi

3 vlido qunto à motilidde totl (MT), motilidde progressiv (MP) e vigor espermático (V), fim de verificr possíveis lterções ns crcterístics seminis durnte o processo de resfrimento. O sêmen resfrido foi vlido qunto à integridde funcionl de memrn plsmátic por meio do teste HO utilizndo solução de frutose-citrto com osmolridde proximd de 1 mosmol/l. As mostrs que otiverm os vlores mínimos de 3% de motilidde e vigor = 2 pós-resfrimento form sumetids o TTR pr sêmen ovino, sendo relizds vlições de motilidde espermátic e vigor pós um, dus e três hors de incução. O delinemento experimentl foi em esquem ftoril qutro x qutro (qutro diluidores versus qutro tempos de equilírio pré-resfrimento) e o ejculdo de cd reprodutor foi considerdo um repetição. RESULTADOS E DISCUSSÃO O sêmen fresco dos nimis utilizdos no experimento presentou colorção rnco mrfim, odor suis generis, specto leitoso e volume médio de 1,2 ±,3 ml. O vlor médio de turilhonmento foi 3,7 ±,6. A concentrção espermátic vriou de 1,7 x 1 9 7,1 x 1 9 espermtozóides/ml, tendo como médi 3,6 x 1 9 espermtozóides/ml. Vle ressltr que tods esss crcterístics estvm dentro dos pdrões requeridos pr o resfrimento e criopreservção de sêmen ovino, conforme estelecido pelo CBRA (1998). As médis de motilidde espermátic e vigor do sêmen fresco e pós-diluição estão dispostos n tel 1. Tel 1. Vlores médios e desvio pdrão de motilidde totl, motilidde progressiv e vigor dos espermtozóides ovinos pr cd trtmento ntes d refrigerção Trtmento Vriáveis Sêmen fresco D1 D2 D3 D4 Motilidde Totl (%) Motilidde Progressiv (%) Vigor (-5) 81,9 ± 8,1% 75,3± 9,9% 3,6 ±,5 76,9±7,7 68,6±9,4 3,3±,5 74,3±6,7 64,3±9,7 3,4±,5 74,5±1,2 54,7±23,6 3,6±,5 Não houve diferenç entre os trtmentos (P>,5). D1= gem de ovo (SALAMON & VISSER, 1972); D2=LBD5%; D3=LBD1%; D4=LBD2%. 65,2±29,7 56,9±27,2 3,1±1,5 Verificou-se neste estudo que os qutro diluidores testdos preservrm de mneir similr s crcterístics físics do sêmen pós-diluição, não hvendo diferenç significtiv (P>,5) entre os trtmentos, demonstrndo que o uso de LBD purificd ns proporções de 5, 1 e 2% é cpz de grntir proteção os espermtozóides ovinos de form semelhnte à gem de ovo, durnte este processo. MANJUNATH et l. (27) verificrm que o plsm seminl de ovinos contém proteíns vinculds lipídios chmds de BSP. Ests proteíns são produzids ns vesículs seminis e tum n memrn espermátic trvés d remoção de colesterol e fosfolipídios, fetndo negtivmente cpcidde dos espermtozóides de se mnterem viáveis. Dest form, LBD purificd ns proporções estudd é cpz de permitir ocorrênci destes mecnismos de proteção, com mesm eficiênci d gem de ovo integrl, durnte o processo de diluição de sêmen ovino. Os resultdos de motilidde espermátic progressiv e vigor pr cd trtmento pós o resfrimento estão demonstrdos n figur 1. As médis de motilidde progressiv pós o resfrimento de sêmen form diferentes entre os

4 diluidores testdos (P<,5), demonstrndo que o uso de LBD em proporções vrids, em sustituição gem de ovo, não confere mior proteção o choque térmico durnte o processo de refrigerção pr sêmen ovino. É possível que o efeito protetor d LBD pr sêmen ovino sej mis evidente pós descongelção, um vez que no resfrimento o diluidor se de gem de ovo foi mis eficz pr proteger motilidde espermátic. No entnto, é importnte ressltr que todos os diluidores preservrm de form semelhnte o vigor espermático (P>,5). 1 5 MP (%) Vigor Sêmen Fresco Tempo de equilírio (min.) Sêmen Fresco Tempo de equilírio (min.) Figur 1. Vlores médios de motilidde progressiv (%) e vigor espermático (-5) do sêmen ovino fresco e pós o resfrimento utilizndo diferentes meios diluidores Os resultdos de motilidde progressiv e vigor espermático pós três hors de TTR são mostrdos n figur MP (%) Vigor Tempo de equilírio (min.) Tempo de equilírio (min.) Figur 2. Vlores médios de motilidde progressiv (%) e vigor espermático (-5) do sêmen ovino sumetido três hor de incução 38ºC utilizndo diferentes meios diluidores Not-se que o D1 mnteve-se superior os demis diluidores em preservr motilidde progressiv (P<,5). Não houve diferenç significtiv ns vlições de vigor espermático pós s três hors de incução. Estes resultdos indicm que LBD, ns proporções estudds, em sustituição gem de ovo, não confere mior longevidde os espermtozóides ovinos resfridos, contrrindo Mouss et l. (22) que encontrrm melhores resultdos com o uso d LBD n su form purificd comprd o uso de

5 gem de ovo integrl n composição de diluidores pr criopreservção de sêmen. Os resultdos dos espermtozóides retivos o teste hiposmótico são presentdos n tel 2. Os diluidores preservrm de form semelhnte integridde funcionl de memrn plsmátic (P>,5), independente do tempo de equilí rio pré-resfrimento utilizdo. Tel 2. Porcentgem de espermtozóides ovinos retivos o teste hiposmótico, pós o resfrimento utilizndo-se diferentes diluidores e tempos de equilírio. Tempo de Equilírio Diluidor min. 3 min. 6 min. 12 min. D1 (gem) D2 (5% LBD) D3 (1% LBD) D4 (2% LBD) 57,2±18,1 51,6±25, 58,4±19,7 62,3±18,6 59,3±25,3 45,4±21,2 51,7±19,8 52,±17,8 66,3±17,8 62,4±19,8 63,4±2,9 56,6±21,3 57,8±21,7 55,4±19,9 57,7±23,3 52,6±2,4 HO%= % de lterções n região d cud pós o teste HO- % de lterções n região d cud ntes do teste HO (MELO & HENRY, 1999). HO sêmen fresco: 72,2±17,7. Os diluidores formuldos com LBD presentrm potencil semelhnte pr preservr integridde de memrn espermátic que diluidores formuldos com gem de ovo. É importnte slientr que integridde funcionl d memrn é um requisito essencil pr o processo de fertilizção, portnto, o sêmen resfrido com os diluidores testdos possivelmente present potencil pr ser utilizdo n inseminção rtificil. REFERÊNCIAS AMIRAT, L.; TAINTURIER, D.; JEANNEAU, L.; THORIN, C.; GERARD, O.; COURTENS, J.L., ANTON, M. Bull semen in vitro fertility fter cryopreservtion using egg yolk LBD: comprison with Optidyl, commercil egg yolk extender. Theriogenology, v.61, p , 24. CBRA. Colégio Brsileiro de Reprodução Animl. Mnul pr exme ndrológico e vlição de sêmen niml, p , DEMANIOWICZ, W.; STRZEZEK, J. The effect of lipoprotein frction from egg yolk on some of the iologicl properties of or spermtozo during storge of the semen in liquid stte. Reproduction in Domestic Animls, v31, p , ENGLAND, G. C. Cryopreservtion of dog semen. Journl of Reproduction nd Fertility Supplement v.47, p , JULIANI, G.; HENRY, M.; MELO, V.I. Freezing of equine semen in extenders with low density lipoproteins. In: INTERNACIONAL CONGRESS ON ANIMAL REPRODUTION, 15, 24, Porto Seguro. Anis...Belo Horizonte: Colégio Brsileiro de Reprodução Animl, 24. p.498. MANJUNATH, P.; BERGERON, A.; LEFEBVRE, J.; FAN, J. Seminl Plsm Proteins: Functions nd Interction With Protective Agents During Semen

6 Preservtion. Society of Reproduction nd Fertility Supplement, v.65, p , 27. MANJUNATH, P.; LUSIGNAN, M. F.; BERGERO, A. Sperm Protection y Extender Components. In: BIANNUAL MEETING, 6, 28, Budpeste. Anis Budpeste: Assocition for Applied Animl Andrology, 28. MOUSSA, M.; MARTINET, V.; TRIMECHE, A.; TAINTURIER, D.; ANTON, M. Low density lipoproteins extrcted from hem egg yolk y n esy method: crioprotective effect on frozen-thwed ull semen. Theriogenology, v.57, p , 22. PACE, M.M.; GRAHAM, E.F. Components in egg yolk which protect ovine spermtozo during freezing. Journl of Animl Science, v.39, p , SALAMON, S.; VISSER, D. Effect of composition of tris-sed diluent nd of thwing solution on survivl of rm spermtozo frozen y the pellet method. Aust. J. Biol. Sci. v. 25, p , SILVA, A.R.; CARDOSO, R.C.S.; UCHOA, D.C.; SILVA, L.D.M. Effect of Trisuffer, egg yolk nd glycerol on cnine semen freezing. The Veterinry Journl, v. 164, p , 22. VARELLA JR., A.S.; Efeito d Lipoprotein de ix densidde sore qulidde do sêmen cnino sumetido criopreservção. Dissertção de Mestrdo UFPEL Pelots-RS, 24.

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Influência da sensibilidade individual de varrões sobre a qualidade espermática após descongelação

Influência da sensibilidade individual de varrões sobre a qualidade espermática após descongelação 124 Influêni d sensiilidde individul de vrrões sore qulidde espermáti pós desongelção Influene of or individul sensiility on spermti qulity fter twing Rirdo Toniolli,* An Betriz Grç Durte,* Jorge Luiz

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES DE CÃES INCUBADOS A 37ºC POR UMA HORA, APÓS DILUIÇÃO EM TRIS-GEMA ACRESCIDO DE GLICEROL

VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES DE CÃES INCUBADOS A 37ºC POR UMA HORA, APÓS DILUIÇÃO EM TRIS-GEMA ACRESCIDO DE GLICEROL Ciência Animal,19(1):29-36,2009 VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES DE CÃES INCUBADOS A 37ºC POR UMA HORA, APÓS DILUIÇÃO EM TRIS-GEMA ACRESCIDO DE GLICEROL (Viability of dog sperm incubated at 37 C for 1 hour

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO Teti, L.M.E.H. (1) ; Sntos, V.M. (1) ; Escor, I.E.C. (1) ; Mi, L.C. (1) lyssndr_teti@hotmil.com (1) Lortório de Micorrizs,

Leia mais

VIABILIDADE IN VITRO DE ESPERMATOZOIDES OVINOS CRIOPRESERVADOS EM MEIOS CONTENDO LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE NAS FORMAS NATURAL E LIOFILIZADA

VIABILIDADE IN VITRO DE ESPERMATOZOIDES OVINOS CRIOPRESERVADOS EM MEIOS CONTENDO LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE NAS FORMAS NATURAL E LIOFILIZADA Valéria Spyridion Moustacas VIABILIDADE IN VITRO DE ESPERMATOZOIDES OVINOS CRIOPRESERVADOS EM MEIOS CONTENDO LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE NAS FORMAS NATURAL E LIOFILIZADA Dissertação apresentada à Escola

Leia mais

Ligia Ma r i a Piassi, 1 Ca r i n e Da h l Co r c i n i, 2 An d r e a Pa n z a r d i, 3 RESUMO

Ligia Ma r i a Piassi, 1 Ca r i n e Da h l Co r c i n i, 2 An d r e a Pa n z a r d i, 3 RESUMO Efeito de crioprotetores impermeáveis sore viilidde in vitro de espermtozoides... 1161 EFEITO DE CRIOPROTETORES IMPERMEÁVEIS SOBRE A VIABILIDADE IN VITRO DE ESPERMATOZOIDES CONGELADOS DE CAMUNDONGOS (Mus

Leia mais

V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110

V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110 V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110 Reconcentração do sêmen congelado de carneiros por centrifugação: efeito sobre a ocorrência de refluxo da dose inseminante

Leia mais

Efeito da unidade de resfriamento e conservação, do tempo de armazenamento e diluidor sobre as características do sêmen de cães

Efeito da unidade de resfriamento e conservação, do tempo de armazenamento e diluidor sobre as características do sêmen de cães 86 Efeito da unidade de resfriamento e conservação, do tempo de armazenamento e diluidor sobre as características do sêmen de cães Effect of the chilling sistems, time of conservation and extender on dog

Leia mais

EFEITO DO TEMPO NA INCLUSÃO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A QUALIDADE DO SÊMEN CANINO CRIOPRESERVADO

EFEITO DO TEMPO NA INCLUSÃO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A QUALIDADE DO SÊMEN CANINO CRIOPRESERVADO EFEITO DO TEMPO NA INCLUSÃO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A QUALIDADE DO SÊMEN CANINO CRIOPRESERVADO Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: SCHIAVON, Raquel

Leia mais

Teste de avaliação in vitro e criopreservação do sêmen de cão utilizando diferentes diluidores

Teste de avaliação in vitro e criopreservação do sêmen de cão utilizando diferentes diluidores 102 http://dx.doi.org/10.4322/rbcv.2015.239 Teste de avaliação in vitro e criopreservação do sêmen de cão utilizando diferentes diluidores In vitro evaluation test and dog semen's freeze with different

Leia mais

Effect of pigpel extender on the boar semen quality stored at different temperatures

Effect of pigpel extender on the boar semen quality stored at different temperatures Efeito do diluente pigpel na qualidade do sêmen suíno refrigerado em diferentes temperaturas Effect of pigpel extender on the boar semen quality stored at different temperatures Flavio Juliano 1 ; Carolina

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS

MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS MEDIDAS BIOMÉTRICAS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR COM CULTIVOS INTERCALARES, SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS Rodrigo Silv Diniz (1), Édio Luiz d Cost (2), Gerldo Antônio Resende Mcêdo (3), Heloís

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE MAMONA CLASSIFICADAS EM MESA DENSIMÉTRICA. Antônio Lucrécio dos Sntos Neto; Diego Coelho dos Sntos; Felipe de Lim Vilel; Lucin Mgd de Oliveir; Mri Lene Moreir de Crvlho

Leia mais

VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS

VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS VICDRYER UM PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE CAFÉ EM ALTAS TEMPERATURAS CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 2 DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 3 RESUMO - Desenvolveu-se

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.)

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.) INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Cmpomnesi spp.) Jênifer Silv NOGUEIRA¹, Fbino Guimrães d SILVA², Antônio Pulino d COSTA NETTO³, Pedro Ferreir MORAIS 4, Geicine Cintr de SOUZA

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Avaliação de diferentes crioprotetores intra e extracelulares na criopreservação de sêmen de touros

Avaliação de diferentes crioprotetores intra e extracelulares na criopreservação de sêmen de touros Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.65, n.2, p.415-420, 2013 Avaliação de diferentes crioprotetores intra e extracelulares na criopreservação de sêmen de touros [Evaluation of different intra and extracellular

Leia mais

Influência de diferentes sistemas de preparo do solo nas propriedades físicas de um Lat

Influência de diferentes sistemas de preparo do solo nas propriedades físicas de um Lat 65 Revist Brsileir de Engenhri Agrícol e Amientl, v.8, n.1, p.65-71, 2004 Cmpin Grnde, PB, DEAg/UFCG - http://www.grimi.com.r Influênci de diferentes sistems de prepro do solo ns proprieddes físics de

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ACEITABILIDADE DE PÃES DOCE ENRIQUECIDOS COM MORINGA OLEÍFERA LAM. (MORINGACEAE)

AVALIAÇÃO DA ACEITABILIDADE DE PÃES DOCE ENRIQUECIDOS COM MORINGA OLEÍFERA LAM. (MORINGACEAE) AVALIAÇÃO DA ACEITABILIDADE DE PÃES DOCE ENRIQUECIDOS COM MORINGA OLEÍFERA LAM. (MORINGACEAE) SILVA, J.C. PEREIRA, L.A.; CIABOTTI, S. TEIXEIRA, E.M.B. 1 Estudnte 4 período de Tecnologi Alimentos no CEFET

Leia mais

A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Martins 2, A. Ramos 3, P. Sequeira 1

A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Martins 2, A. Ramos 3, P. Sequeira 1 CARACTERIZAÇÃO DO VINGAMENTO DA AZEITONA EM CULTIVARES DE OLIVEIRA EM AUTOPOLINIZAÇÃO CHARACTERIZATION OF OLIVE CULTIVARS FRUIT SET IN SELF-POLLINATION A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Mrtins 2, A. Rmos 3, P. Sequeir

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO CV. GOLD EM ACLIMATAÇÃO

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR DE MUDAS MICROPROPAGADAS DO ABACAXIZEIRO CV. GOLD EM ACLIMATAÇÃO Avlição do crescimento folir e rdiculr de muds micropropgds do cxizeiro Volumen cv. Gold 26, em Nº climtção 3, Págins 87-96 IDESIA (Chile) Septiemre - Diciemre 2008 AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FOLIAR E RADICULAR

Leia mais

COMPARAÇÃO DO EFEITO CRIOPROTETOR DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE E DA GEMA DE OVO NO CONGELAMENTO DE SÊMEN CANINO.

COMPARAÇÃO DO EFEITO CRIOPROTETOR DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE E DA GEMA DE OVO NO CONGELAMENTO DE SÊMEN CANINO. COMPARAÇÃO DO EFEITO CRIOPROTETOR DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE E DA GEMA DE OVO NO CONGELAMENTO DE SÊMEN CANINO. Varela Junior, A. S. 1* ; Ulguin R.R. 1 ; Corcini, C.D. 1 ; Bianchi, I. 1 ; Serret,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE SEMEADURA. Palavras chave: Produção de biomassa, bovinos de leite, plantas daninhas

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE SEMEADURA. Palavras chave: Produção de biomassa, bovinos de leite, plantas daninhas AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA SOB DIFERENTES DENSIDADES DE SEMEADURA Iuri Nio 1, Aln Dltoé 1, Itmr Gsprin 1, Pulo Seen 1, Adrino Moreir 1, Krine Al 1, Alfredo Mrtini 1, Neuri Antonio Feldmnn 2, Fin Rquel

Leia mais

Avaliação de cultivares de cebola em cultivo de verão no município de Viçosa - MG.

Avaliação de cultivares de cebola em cultivo de verão no município de Viçosa - MG. Avlição de cultivres de cebol em cultivo de verão no município de Viços - MG. Sndr Oliveir de Souz 1 ; Phlevi Augusto de Souz; Alcin Mri d Silv; Fernndo Luiz Finger. 1 UFV - Deprtmento de Fitotecni - CEP

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

Aspectos da vigilância epidemiológica da raiva no município de Jacarezinho... Resumo. Abstract. Recebido para publicação 23/08/05 Aprovado em 12/02/06

Aspectos da vigilância epidemiológica da raiva no município de Jacarezinho... Resumo. Abstract. Recebido para publicação 23/08/05 Aprovado em 12/02/06 Aspectos d vigilânci epidemiológic d riv no município de Jcrezinho... Aspectos d vigilânci epidemiológic d riv no município de Jcrezinho, Prná, Brsil, 23 Aspects of the rbies epidemic surveillnce in the

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

SPERMOVA (2011) 1(1): 14-25 ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS

SPERMOVA (2011) 1(1): 14-25 ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS Spermov SPERMOVA (11) 1(1): 14-25 ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS P.S. Bruselli, M.F. Sá Filho, J.N.S. Sles, G.A. Crepldi, A.H. Souz, C.M. Mrtins, R. V. Sl, K.A.L. Neves Deprtmento

Leia mais

ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO

ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO Heliomr Bleeiro de Melo Júnior 1, Ivniele Nhs Durte 1, Mrcelo Muniz Benedetti 1, Elis Nscentes Borges 2 1. Pós Grdundos em Agronomi d

Leia mais

Produção de alface e cenoura sob dois ciclos lunares

Produção de alface e cenoura sob dois ciclos lunares Produção de lfce e cenour so dois ciclos lunres Smuel Luiz de Souz; José M. Q. Luz; Denise G. Sntn; Monlis A. D. d Silv UFU-Instituto de Ciêncis Agráris, Cx. Postl 593, Cep. 38.400-783 Uerlândi MG, jmgno@umurm.ufu.r

Leia mais

Crescimento de soja geneticamente modificada com os genes AtDREB1A e AtDREB2A sob déficit hídrico

Crescimento de soja geneticamente modificada com os genes AtDREB1A e AtDREB2A sob déficit hídrico Cresimento de soj genetimente modifid om os genes tdre1 e tdre2 so défiit hídrio INCO, L.F. 1 ; CRVLHO, J.F.C. 2 ; TERSSI, F.S 1.; SEINO, Y.W. 1 ; TREVIZN, F.H. 1 ; ONOFRE, E. 3 ; NEUMIER, N. 4 ; OLIVEIR,

Leia mais

Criopreservação de sêmen bovino utilizando diluente à base de PBS com três diferentes percentuais de gema de ovo

Criopreservação de sêmen bovino utilizando diluente à base de PBS com três diferentes percentuais de gema de ovo Criopreservação de sêmen bovino utilizando diluente à base de PBS com três diferentes percentuais de gema de ovo Paulo Ricardo Loss Aguiar Juliana Brunelli Moraes Eduardo Malschitzky Anderson C. Silva

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE DOUTORADO INTEGRADO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE DOUTORADO INTEGRADO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PROGRAMA DE DOUTORADO INTEGRADO EM ZOOTECNIA PESQUISA DE NOVO MÉTODO DE CONGELAÇÃO PARA SÊMEN DE OVINOS

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Avaliação da fitotoxicidade de duas diferentes formulações de nicosulfuron na cultura do milho associada à adubação nitrogenada em cobertura

Avaliação da fitotoxicidade de duas diferentes formulações de nicosulfuron na cultura do milho associada à adubação nitrogenada em cobertura vlição d fitotoxiidde de dus diferentes formulções de niosulfuron n ultur do milho ssoid à dubção nitrogend em obertur nderson L. Cvenghi 1 ; Sebstião C. Guimrães 2 ; Rogério D. de Cstro 1 ; Sérgio Y.

Leia mais

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.4, p.209-214, out./dez. 2012. Disponível em www.cbra.org.br. M.M. Neves 1,3, M. Henry 2.

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.4, p.209-214, out./dez. 2012. Disponível em www.cbra.org.br. M.M. Neves 1,3, M. Henry 2. Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.4, p.209-214, out./dez. 2012. Disponível em www.cbra.org.br Gema do ovo de galinha e a ação protetora de suas lipoproteínas de baixa densidade na criopreservação

Leia mais

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL I Jornd Científic e VI FIP do CEFET Bmuí Bmuí/MG - 8 ESTUDO COM LUNOS DO CEFET BMBUÍ SOBRE ENERGI ELÉTRIC E MEIO MBIENTE, PROPONDO EDUCÇÃO MBIENTL Bárr níl de OLIVEIR (); Ronilson Rodrigues COST (); Chrles

Leia mais

RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA COM EFLUENTE TRATADO

RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA COM EFLUENTE TRATADO XLIII Congresso Brsileiro de Engenhri Agrícol - CONBEA 214 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Cmilo - Cmpo Grnde - MS 27 31 de julho de 214 RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico Influênci d Remoção dos Extrtivos de Resíduos de Mdeirs no Seu Poder Clorífico T. Rossi, L. F. de Mour, P. R. Torquto c, J. O. Brito d. University of São Pulo, Pircic, ticine@usp.r. University of São Pulo,

Leia mais

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a)

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a) A integrl definid Prof. Méricles Thdeu Moretti MTM/CFM/UFSC. - INTEGRAL DEFINIDA - CÁLCULO DE ÁREA Já vimos como clculr áre de um tipo em específico de região pr lgums funções no intervlo [, t]. O Segundo

Leia mais

Martensítico Macio CA6NM

Martensítico Macio CA6NM Desenvolvimento de procedimentos de repro de trincs e recuperção de cvitção em turbins hidráulics fundids em Aço Inoxidável Mrtensítico Mcio CA6NM A. R. Cpr, R. R. de Gouvei, P. C. Okimoto, A. G. M. Puksiewisz,

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Circuitos simples em corrente contínua resistores

Circuitos simples em corrente contínua resistores Circuitos simples em corrente contínu resistores - Conceitos relciondos esistênci elétric, corrente elétric, tensão elétric, tolerânci, ssocição em série e prlelo, desvio, propgção de erro. Ojetivos Fmilirizr-se

Leia mais

Efeito da lipoproteína de baixa densidade sobre algumas características funcionais dos espermatozóides eqüinos criopreservados

Efeito da lipoproteína de baixa densidade sobre algumas características funcionais dos espermatozóides eqüinos criopreservados MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM VETERINÁRIA Efeito da lipoproteína de baixa densidade sobre algumas características funcionais

Leia mais

Supressão de Plantas Daninhas por Crotalaria júncea em Diferentes Espaçamentos de Semeadura

Supressão de Plantas Daninhas por Crotalaria júncea em Diferentes Espaçamentos de Semeadura 10 12 de novemro de 2010 Supressão de Plnts Dninhs por Crotlri júnce em Diferentes Espçmentos de Semedur Bruce Jmes dos Sntos 1, Crolin Wisintiner 1, Vldimir Sperândio Porto 1, Vinicius André Pereir 1

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

Este Caderno contém 30 questões de múltipla escolha, assim distribuídas: 01 a 15 Biologia; 16 a 30 Matemática.

Este Caderno contém 30 questões de múltipla escolha, assim distribuídas: 01 a 15 Biologia; 16 a 30 Matemática. Biologi Mtemátic Processo Seletivo 006 4 0 di INSTRUÇÕES Escrev seu Número de Inscrição neste retângulo: 4 5 6 7 8 Este Cderno contém 0 questões de múltipl escolh, ssim distriuíds: 0 5 Biologi; 6 0 Mtemátic.

Leia mais

ISSN 1808-981X 19 BROTAÇÃO E ALTURA DE PLANTAS DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA VELOCIDADE DE PLANTIO MECANIZADO EM DOIS SISTEMAS DE PREPARO DO SOLO

ISSN 1808-981X 19 BROTAÇÃO E ALTURA DE PLANTAS DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA VELOCIDADE DE PLANTIO MECANIZADO EM DOIS SISTEMAS DE PREPARO DO SOLO ISSN 1808-981X 19 BROTÇÃO E LTUR DE PLNTS DE MNDIOC EM FUNÇÃO D VELOCIDDE DE PLNTIO MECNIZDO EM DOIS SISTEMS DE PREPRO DO SOLO Sprouting nd height of the cssv plnts in terms of speed of the mechnized plnting

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

MARCELA LEITE CANDEIAS AVALIAÇÃO DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE GARANHÕES DA RAÇA MANGALARGA MARCHADOR

MARCELA LEITE CANDEIAS AVALIAÇÃO DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE GARANHÕES DA RAÇA MANGALARGA MARCHADOR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA MARCELA LEITE CANDEIAS AVALIAÇÃO DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE GARANHÕES

Leia mais

EFEITO DE NÍVEIS DE ENERGIA NA DIETA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO CICLÍDEO ORNAMENTAL ACARÁ-BANDEIRA

EFEITO DE NÍVEIS DE ENERGIA NA DIETA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO CICLÍDEO ORNAMENTAL ACARÁ-BANDEIRA 26 29 de novembro de 2013 Cmpus de Plms EFEITO DE NÍVEIS DE ENERGIA NA DIETA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO CICLÍDEO ORNAMENTAL ACARÁ-BANDEIRA Ttine de Sous Cruz 1, Wllce Henrique de Oliveir 2 1 - Alun do

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM CÃES. (Cryopreservation of semen and artificial insemination in dogs)

CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM CÃES. (Cryopreservation of semen and artificial insemination in dogs) Edição Especial CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM CÃES (Cryopreservation of semen and artificial insemination in dogs) Daniel Couto UCHOA 1, Ticiana Franco Pereira da SILVA 1, Antônio

Leia mais

CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA

CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA José Diorgenes Alves Oliveir 1, Krl dos Sntos Melo de Sous 2 1 Universidde Federl de Cmpin Grnde cmpus de Sumé; Ru Luiz Grnde,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Aurelan G Ribeiro de Araújo, ** Maria José Vilar *,*** Abstract

Aurelan G Ribeiro de Araújo, ** Maria José Vilar *,*** Abstract ARTIGO ORIGINAL ESCOLA DE COLUNA PARA PACIENTES COM LOMBALGIA CRÔNICA INESPECÍFICA: BENEFÍCIOS DA ASSOCIAÇÃO DE EXERCÍCIOS E EDUCAÇÃO AO PACIENTE Sndr C de Andrde, *,** Aureln G Rieiro de Arújo, ** Mri

Leia mais

Rev Brs Agrometeorologi, v 14, n 1, p 5363, 2006 Rev Brs Agrometeorologi, v 14, n 1, p 5363, 2006 Receido pr pulicção em 22/11/05 Aprovdo em 1/04/06 53 ISSN 0104134 Relção entre tempertur mínim do r medid

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DE MILHO VOLUNTÁRIO COM A TECNOLOGIA RR EM ÁREAS COM SAFRINHA DE SOJA COM A TECNOLOGIA RR

CONTROLE DE PLANTAS DE MILHO VOLUNTÁRIO COM A TECNOLOGIA RR EM ÁREAS COM SAFRINHA DE SOJA COM A TECNOLOGIA RR CONTROLE DE PLANTAS DE MILHO VOLUNTÁRIO COM A TECNOLOGIA RR EM ÁREAS COM SAFRINHA DE SOJA COM A TECNOLOGIA RR Mrcos Pulo Zmizi 1, Elindro Btist Kuhn Dos Anjos 1, Neuri Antonio Feldmnn 2 ; Fin Rquel Mühl

Leia mais

126 BARCELLOS, B. P. et al.

126 BARCELLOS, B. P. et al. 126 BARCELLOS, B. P. et al. DOI: 10.5216/cab.v12i1.4692 EFEITO DOS MEIOS DILUÍDORES MMC (MÍNIMA CONTAMINAÇÃO) E LGM (LACTOSE-GEMA MODIFICADO) NA VIABILIDADE DO SÊMEN DE CÃES CONSERVADO POR 24 HORAS EM

Leia mais

INFORMAÇÃO COLORIMÉTRICA DE MORANGOS REVESTIDOS COM AMIDO MODIFICADO

INFORMAÇÃO COLORIMÉTRICA DE MORANGOS REVESTIDOS COM AMIDO MODIFICADO INFORMAÇÃO COLORIMÉTRICA DE MORANGOS REVESTIDOS COM AMIDO MODIFICADO Aline Incio Alves 1, Dnielle Incio Alves 2, Smuel de Assis Silv 2, Sergio Henriques Sriv 3 1 Universidde Federl de Viços/Deprtmento

Leia mais

Archives of Veterinary Science v.5, p.35-39, 2000 Printed in Brazil ISSN: 1517-784X

Archives of Veterinary Science v.5, p.35-39, 2000 Printed in Brazil ISSN: 1517-784X Printed in Brazil ISSN: 1517-784X INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL INTRAUTERINA E CERVICAL EM UTILIZANDO SÊMEN REFRIGERADO (Intrauterine and cervical artificial insemination in sheep using cooled semen) MILCZEWSKI,

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

PROJETO DE MEDIDOR DE CONDUTIVIDADE TÉRMICA DOS MATERIAIS COMPÓSITOS DIAMANTADOS COM LIGANTES METÁLICOS

PROJETO DE MEDIDOR DE CONDUTIVIDADE TÉRMICA DOS MATERIAIS COMPÓSITOS DIAMANTADOS COM LIGANTES METÁLICOS 17º CBECIMt - Congresso Brsileiro de Engenhri e Ciênci dos Mteriis, 15 19 de Novemro de 2006, Foz do Iguçu, PR, Brsil. PROJETO DE MEDIDOR DE CONDUTIVIDADE TÉRMICA DOS MATERIAIS COMPÓSITOS DIAMANTADOS COM

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Palavras-chave: Anacardium occidentale, resistência varietal, praga, Anthistarcha binocularis.

Palavras-chave: Anacardium occidentale, resistência varietal, praga, Anthistarcha binocularis. REAÇÃO DE CLONES DE CAJUEIRO-ANÃO-PRECOCE AO ATAQUE DA BROCA-DAS- PONTAS Antônio Lindemberg Mrtins MESQUITA 1, João Rodrigues de PAIVA 1, Jorge Anderson GUIMARÃES 1, Rimundo BRAGA SOBRINHO 1 e Vitor Hugo

Leia mais

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE Bruno Henrique Srdinh de Souz 1, Alcebídes Ribeiro Cmpos 2 1 Biólogo, emil: souzbhs@gmil.com, 2 Docente

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta Cultivndo o Ser 46 Crcterístics produtivs de cenour Esplnd em função do modo de plicção de composto orgânico e utilizção de coertur mort Fáio Steiner 1, Márci de Mores Echer 1 e An Crolin Cristo Leite

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN Características físicas c) Motilidade (progressiva) % de sptz viáveis uma gota de sêmen em aumento de 100 a 400x na propriedade: 50% para doação de sêmen: 70% para

Leia mais

Produção de mudas de cultivares de alface utilizando duas espumas fenólicas em Altamira, Pará

Produção de mudas de cultivares de alface utilizando duas espumas fenólicas em Altamira, Pará Revist Verde de Agroecologi e Desenvolvimento Sustentável http://www.gv.com.r/revist/index.php/rvads ARTIGO CIENTÍFICO DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvds.v10i1.3072 Produção de muds de cultivres de lfce

Leia mais