ECOBOLETIM ÍNDICE CANDIDATAS JOVENS DO PEV NAS LISTAS DA CDU AO PARLAMENTO EUROPEU 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECOBOLETIM ÍNDICE CANDIDATAS JOVENS DO PEV NAS LISTAS DA CDU AO PARLAMENTO EUROPEU 2014"

Transcrição

1 EOBOLETI Boltim Informtivo d Juvntud do Prtido Ecologist Os Vrds númro 10. ABRIL dição smstrl ÍNDIE 02 Abril é o sonho qu s constrói dirimnt 03 Ecolojovm procupd com minto ns scol m difícios públicos 04 Ecolojovm súd o Di Ncionl do Estudnt 05 Ecolojovm dbtu m Aviro situção d Juvntud 06/07Acmpmnto d Juvntud Ecologist m Vil Rl 08 Ecolojovm prsnt n AG do NJ 09 A Juvntud mrc um futuro um pís mlhor 10 25º Anivrsário d Ecolojovm 11 A tu Voz Ecologist Est no, 25 d io, trmos liçõs pr o Prlmnto Europu. Principlmnt ntr lguns jovns é comum olhr-s com um crto distncimnto nst cto litorl, pois podr-s-á pnsr qu tm pouc influênci n vid dos portuguss no di--di d cd um d nós. No ntnto, grnd prt ds polítics doptds no nosso pís são pnsds dcidids n União Europi. E flmos d mdids qu, muits vzs, prjudicm situção dos jovns portuguss qu dstrom su vid, dixndo-os sm prspctivs d futuro. uits dsts mdids qu vêm piorr noss qulidd d vid, são provds plos dputdos do PSD, do DS-PP do PS no Prlmnto Europu, sndo rpidmnt implmntds pls msms forçs prtidáris m Portugl. Os dputdos d DU no Prlmnto Europu combtm dnuncim sts polítics, prsntm proposts qu dfndm os diritos dos jovns os intrsss qu vão o ncontro ds sus ncssidds. Assim, sts liçõs pr o Prlmnto Europu são d grnd importânci pr dtrminr qu futuro qurmos pr Europ, ms tmbém pr Portugl pr cd um d nós. A Ecolojovm - «Os Vrds» condn o modlo d Europ qu stá sr construído, m qu não são rspitds s spcificidds d cd Estdo mbro su sobrni, ond há xplorção vrddiros tntdos os diritos dos ciddãos. A União Europi, psr do qu prgo, tm fomntdo dsiguldds, injustiç, xclusõs rtrocssos sociis. S Europ continu sguir st prigoso rumo, os píss nunc consguirão lcnçr cosão socil, o rspito plos diritos dos ciddãos, sustntbilidd finncir mbintl. Exist, pois, um grnd ncssidd d mudr st modlo uropu d fzr fc à cris à ustridd impost vários píss. ANDIDATAS JOVENS DO PEV NAS LISTAS DA DU AO PARLAENTO EUROPEU 2014 Os jovns cologists dfndm um outr Europ qu sj sustntávl, quilibrd, d cooprção, d solidridd, d justiç socil d pz. Dfndmos um outr Europ dircciond pr os diritos dos ciddãos crditmos qu os jovns têm um ppl fundmntl nst procsso d trnsformção d Europ. A Ecolojovm dfnd um outr Europ mbintlmnt mis sustntávl, qu ncr o combt às ltrçõs climátics como um fctiv prioridd, um Europ sm nrgi nuclr, ond dfs do mbint constitu um objctivo d tods s orintçõs polítics. Os jovns cologists dfndm um outr Europ qu promov prticipção dos jovns, um Europ dmocrátic, d inclusão, d solidridd d cooprção ntr Estdos, qu promov qulidd d vid, qu grnt mis mprgo mis sgurnç, qu dfnd os srviços públicos ssnciis à populção. A Ecolojovm - «Os Vrds» strá mpnhd n cmpnh pr s liçõs uropis, xigindo um outr Europ pr todos plndo o voto n DU, pr qu os jovns s fçm ouvir trvés do su voto. Todos os jovns qu stjm procupdos instisfitos com o rumo qu Portugl Europ stão tomr, todos os qu são fctdos prjudicdos com s polítics d mpobrcimnto d ustridd, têm n DU ltrntiv ncssári st mudnç. Votr Vrd é votr pr lgr urodputdos qu ssumm no Prlmnto Europu qu qurm um outr Europ difrnt mlhor, com outro modlo político, conómico socil, qu grnt um mlhor mbint, mis dsnvolvimnto, cooprção, solidridd, justiç socil pz n Europ no undo. Prcismos d vozs no Prlmnto Europu qu fçm ouvir s ncssidds spirçõs do povo português s spcificidds do nosso pís no contxto uropu. É possívl scolhr outro cminho pr um Europ Vrd. Tu dcids qu Europ! SUSANA SILVA, 33 nos. Licncid m Eng.Gstão Ord. Rurl. mbro d omissão Excutiv do onslho Ncionl do PEV. Dirignt d Ecolojovm. mbro d Assmbli unicipl do Brriro ARIANA SILVA, 31 nos. Licncid m Ensino do Português. mbro do onslho Ncionl do PEV. Dirignt d Ecolojovm. mbro d Ass. unicipl d Guimrãs

2 Ecolojovm - «Os Vrds» procupd com minto ns scols m difícios públicos Abril é o sonho qu s constrói dirimnt ommormos os 40 Anos d Rvolução dos rvos, qu nos troux pz, librdd, dmocrci sprnç num futuro mis risonho! O 25 d Abril prmitiu tr um onstituição qu dfnd grnt um conjunto d diritos cívicos, sociis, conómicos culturis. om o 25 d Abril conquistámos: o dirito um vid dign, tr súd, trblhr com diritos! o dirito tr um hbitção condign, um mbint sdio à qulidd d vid! o dirito à juvntud, studr, cdr à cultur prticr o dsporto! o dirito dcidirmos por nós próprios, como pssos livrs como pís sobrno! s hoj todos sts diritos stão postos m cus: Qundo s mdids d ustridd lvrm à dstruição d 623 mil mprgos dsd Qundo num univrso d 814 mil dsmprgdos m 2014, o qu rprsnt um tx d dsmprgo d crc 15,3%, mis d 425 mil dsmprgdos stão xcluídos ds prstçõs d Sgurnç Socil. Qundo há cd vz mis sm-brigo num pís com 735 mil css vzis! Qundo muits dsss css vzis té são propridd públic, ou sj do Estdo, ds câmrs d Snt s d isricórdi d Lisbo, é indmissívl qu não hj um bols d hbitção socil pr, d imdito, colhr qum fic sm tcto. Qundo Portugl é o sgundo pís d União Europi com mior prcntgm d migrnts, tndo migrdo 400 mil portuguss ntr , o qu rprsnt trcir mior vg d migrção com nívis próximos ds décds d do século XX, com grvnt d qu stão sir mis pssos do qu s qu nscm. Qundo há cinco nos conscutivos qu o crscimnto nturl d populção tm um sldo ngtivo, pois stão morrr mis 2 pssos do qu s qu nscm, o qu fz qu Portugl sj um dos Estdos qu mis prdrm n UE do ponto d vist dmográfico. Qundo súd dix d sr um dirito pr pssr sr vist como um ngócio privdo, ond os Grupos do Espírito Snto Súd (ESS), d José d llo Súd (JS) dos Hospitis Privdos d Portugl (HPP) rgistrm lucros n ordm d 700 milhõs d uros m Qundo os corts orçmntis no nsino pré-scolr, básico scundário rprsntm 900 milhõs d uros form consguidos m grnd mdid trvés do umnto do númro d lunos por turm o dspdimnto d profssors, sndo qu s fmílis portuguss são ds qu mis contribum pr s dspss d ducção m tod União Europi. Qundo há sfixi finncir d univrsidds politécnicos qu conduz o umnto do vlor ds propins, já d si lvds, pgs plos studnts s sus fmílis s bolss sociis são tão insuficints qu cbm por fstr cd vz mis studnts do csso frquênci do nsino suprior. Qundo s dsinvst n invstigção cintífic trvés d um rdução d 70% ds bolss d doutormnto concdids d 40% ns d pós-doutormnto m 2013 fc 2012, tl dmonstr um clro dsprzo pr com os cintists qu mrcm sr trtdos com rspito dignidd, num ár m qu prcridd tm sido o prdigm dst ctividd. Prnt tudo isto, Ecolojovm não s rsign! Porqu qurmos sr flizs no nosso pís! Porqu Abril é o sonho qu s constrói dirimnt! O minto é um substânci ltmnt prigos pr súd públic foi utilizdo n construção d muits scols, ttros, hospitis, pvilhõs dsportivos tmbém no fbrico d tubos cnlizçõs, como componnt pr isolmntos térmicos ou léctricos como mtril d construção, dvido à su grnd durbilidd bixo custo. ontudo, prtir d décd d 60 com bs m váris invstigçõs studos pidmiológicos, consttou-s prigosidd do minto, rconhcido como um dos miors polunts d origm industril com fitos cncrígnos. Form tmbém divulgdos ddos pl Orgnizção undil d Súd xistm divrss Rcomndçõs do onslho d Europ d União Europi, ssim como um Dirctiv doptd m 1999, no sntido d lrtr pr os riscos pr súd públic qu o minto, ns sus divrss vrints rprsnt, bm como s donçs suscptívis d provocr, dsigndmnt donçs rspirtóris cncro pulmonr, limitndo su colocção no mrcdo. Prnt isto, o Prtido Ecologist «Os Vrds» tm vindo trvr um long btlh, tndo prsntdo m 2003 n Assmbli d Rpúblic um rsolução qu solicitv o Govrno rlizção d um listgm d tods s dificçõs públics qu continhm minto n su construção, pr qu postriormnt s procdss o su trtmnto. Ess rsolução foi provd ms nunc foi cumprid. Assim, m 2010 «Os Vrds» prsntrm um Projcto d Li qu du dpois origm à Li n.º 2/2011, d 9 d Fvriro, qu proíb utilizção d minto m novs construçõs qu obrig o Govrno fzr um listgm dos difícios públicos qu contêm minto, bm como um plno pr su rmoção. O przo stipuldo n li pr sts procdimntos trminou há dois nos plo qu Ecolojovm - «Os Vrds» considr qu st ssunto é grv xig mdids séris, não s podndo ficr pns no plno ds intnçõs. Em rço d 2013 o inistério d Educção iênci divulgou list ds 52 scols ond srim rmovids com urgênci s cobrturs d fibrocimnto ms, tndo m cont todos os riscos pr súd públic pr o mbint, st mdid é mnifstmnt insuficint, com grvnt d não str sr rigorosmnt cumprid. É d slintr qu n miori dos píss d União Europi, dsigndmnt m Itáli, n Bélgic, m Frnç, no Rino Unido, n Almnh mis rcntmnt m Espnh, tm vindo sr plicdo o princípio d prcução, proibindo o uso do minto procdido à su grdul substituição com o objctivo d rduzir riscos. Estim-s qu Portugl tm crc d 4 mil difícios públicos, como scols, hospitis, pvilhõs dsportivos, bibliotcs, ttros ou musus, ond trblhm ou corrm dirimnt milhrs d pssos, d tods s fixs táris. Est é um ssunto qu procup Ecolojovm - «Os Vrds», qu considr urgnt qu s procd à invntrição d todos os difícios públicos qu contnhm n su construção plcs d fibrocimnto, qu sj lbord um listgm dsss difícios fixdo um plno d cção com vist à rmoção dsss plcs à su substituição por outros mtriis. Os jovns cologists dfndm ind qu sj ssgurd rmoção dst substânci, d cordo com os procdimntos d sgurnç mbintl rcomnddos intrncionlmnt, nívl dos quipmntos, do isolmnto d ár, d protcção dos trblhdors, do condicionmnto, trnsport, rmzngm dposição dos mtriis d fibrocimnto rtirdos. E, por fim, qu sj nlisd ár intrvnciond com vist grntir liminção totl d poirs ns struturs no locl qu sj totlmnt proibido o uso d fibrocimnto n construção d difícios públicos, dsigndmnt, m construçõs scolrs, m quipmntos d súd dsportivos. 3

3 Ecolojovm - «Os Vrds» dbtu m Aviro situção d juvntud N últim runião d Ecolojovm - «Os Vrds», qu dcorru di 22 d Fvriro m Aviro, juvntud do Prtido Ecologist «Os Vrds» dbtu váris qustõs sobr polític ncionl, ds quis s dstcm os sguints pontos: Bolss d Invstigção intífic Ecolojovm - «Os Vrds» súd o Di Ncionl do Estudnt Em rço d 1947, milhrs d jovns d todo o pís runirms m dois cmpmntos, conscints d importânci d pz pr o progrsso dsnvolvimnto dos povos, tndo sido fortmnt rprimidos plo rgim fscist muitos dsss jovns form violntmnt grdidos prsos. Ess rprssão originou um norm movimnto m solidridd com lut dos jovns. Dsd ntão, ssinl-s o di 28 d rço m Portugl como o Di Ncionl d Juvntud, como um form d lut plos sus diritos. A Ecolojovm - «Os Vrds» dnunci situção ctul dos jovns qu sofrm dirimnt s consquêncis d mdids injusts incitávis, qu promovm os bixos slários, impdindo su mncipção rlizção. São milhrs os jovns qu s vm obrigdos migrr m busc d mlhors condiçõs d vid, são milhrs os jovns qu stão dsmprgdos ou m situção d prcridd, vivndo num rlidd m qu lhs vm sr ngdos os sus diritos, ond o su prsnt é ngdo o futuro hipotcdo. 4 São milhrs os jovns qu são obrigdos bndonr os studos, dvido os lvdos custos do nsino, dvido os corts ns bolss d studo nos poios sociis. Hoj, mis do qu nunc, é urgnt lutr plos diritos dos jovns mudr d polítics, sndo muitos os motivos qu nos lvm continur lut d juvntud. Os jovns sofrm com s polítics d ustridd mpobrcimnto ms não citm invitbilidds lutm contr sts mdids, lutm pls sus vids lutm plo su futuro! Os Jovns Ecologists súdm solidrizm-s com mnifstção d jovns trblhdors m protsto contr s polítics d ustridd do Govrno, promovid pl Intrjovm GTP-IN. À prcári situção m qu s ncontrm os bolsiros d invstigção cintífic, os quis tm vindo sr ngd um séri d diritos, o govrno vio gor grvr situção cortndo d form bsurd o númro d bolss, conform os rsultdos divulgdos m Jniro, grndo just contstção protsto dos bolsiros d comunidd cintífic. Em rsultdo dst contstção m mdos d fvriro o govrno nunciou tribuição d mis bolss d Doutormnto Pós-dourmnto, o qu não colmt rdução ns Bolss d Doutormnto (40 %) Pós-Doutormnto (65%) comprdo com o no ntrior. Em rlção às cndidturs prsntds no concurso d 2013, pns crc d 10% dos cndidtos foi tribuíd bols d invstigção. O cort ns bolss d doutormnto pós-doutormnto rflt visão limitd qu st govrno tm pr com invstigção cintífic m Portugl, qundo dvri sr strtégico pr o pís, rforçr o sistm cintífico tcnológico trvés d vlorizção do mprgo cintífico contribuindo pr fixção d inúmros jovns cintists por consguint contribuindo pr o dsnvolvimnto do pís. A Ecolojovm «Os Vrds» dmonstr tmbém su procupção pl rdução d bolss tribuíds pr s ciêncis sociis, sndo sts árs rlgds pr um ppl scundário. Abndono do nsino suprior O progrm qu o inistério d Educção iênci (E) stá prprr dsigndo «Progrm Rtomr» com o intuito d poir os lunos qu tnhm bndondo o nsino suprior por motivos conómicos qu s ncontrm intivos, mis não é do qu um progrm d rconhcimnto d polític dsstros qu o Govrno PSD/DS tm vindo implmntr, com rprcussõs dirts no nsino suprior, nomdmnt o nívl d tribuição d bolss d studo. É incomprnsívl qu, fc às dificuldds conómics d milhrs d studnts, rflxo ds polítics dst govrno, o E m vz d umntr o númro d bolss d studo o rsptivo vlor, tnh dsncddo critérios fórmuls mtmátics complxs pr limitr rstringir o csso à bols d studo, conduzindo o bndono d muitos studnts do nsino suprior à impossibilidd d muitos jovns prossguirm os studos pós-scundário. Or st, progrm é um mdid plitiv finncid por fundos comunitários, qundo dvri sr rsponsbilidd do ministério corrspondr às ncssidds conómics dos lunos m tmpo oportuno. Est progrm dirigido pr jovns intivos qu bndonrm o nsino suprior por motivos conómicos, srá mis um «Progrm Rtirr» inscriçõs do IEFP, prtndndo ludibrir os portuguss com ddos sttísticos, como por xmplo com dscid d tx d dsmprgo. Aminto nos stblcimntos públicos d nsino Sndo o minto um substânci ltmnt prigos pr súd públic utilizdo n construção d muits scols, m spcil nos nos 80, Ecolojovm - «Os Vrds» stá procupd por um ldo com os sucssivos trsos n rmoção d plcs d fibrocimnto com minto ds scols já idntificds, por outro com ncssidd d um lvntmnto xustivo ds scols ond porvntur possm xistir plcs d fibrocimnto com minto, sobrtudo m stblcimntos d nsino qu stão hoj sobr comptênci d câmrs municipis. N últim runião foi ind ddo dstqu o 25º nivrsário d Ecolojovm - «Os Vrds», qu s commor st no. Assim, o longo d 2014 stão prvists váris inicitivs pr commorr sts 25 nos, nomdmnt dbts, trtúlis o cmpmnto nul d dcorrrá d d Agosto m locl ind dfinir. A Ecolojovm - «Os Vrds» foi crid m 25 d Fvriro d 1989, pl própri ncssidd qu s fz sntir d crição d um orgnizção juvnil pr s ddicr um ár spcífic: juvntud. A intrvnção d Ecolojovm pss não só por pnsr o prsnt, ms cim d tudo por gir no prsnt n construção d um futuro mis justo sustntávl. A Ecolojovm - «Os Vrds» rcus tristz d pssividd, do conformismo, mdiocridd d submissão. Rfltimos, sntimos! Por isso indignmo-nos com o qu nos rodi mpnhmo-nos por qulidd, justiç pz. Acrditmos n trnsformção, obr d cpcidd prticiptiv d intrvnção dos jovns, d su cpcidd d diálogo, d su intligênci d su critividd. Acrditmos num socidd cológic just crditmos qu su construção pss pl fort prticipção dos jovns, pl su irrvrênci dinâmic, não mnosprzndo xpriênci dos outros... todos! Nsts 25 nos Ecolojovm tm vrificdo qu situção dos jovns portuguss tm vindo grvr-s, com o dsmprgo prcridd no trblho (mpurrndo os jovns pr migrção), com dificuldd no csso n frquênci do nsino (cd vz mis litizdo), com dificuldd no csso à hbitção (rtorno/mnutnção m cs dos pis), os trnsports públicos, à cultur o dsporto qu não stão cssívis todos, ntr tnts outrs ofnsivs qu os diritos dos jovns têm sofrido. Tods sts situçõs trzm séris dificuldds à mncipção dos jovns, compromtndo o su prsnt o su futuro. 5

4 Acmpmnto Ecolojovm - «Os Vrds» m Vil Rl, sob o lm PENSAR O PRESENTE, ONSTRUIR O FUTURO. A Ecolojovm - «Os Vrds» rlizou o su cmpmnto ntr os dis 28 d Agosto 1 d Stmbro, no distrito d Vil Rl, dndo spcil dstqu Vil Pouc d Aguir, ond promovu inicitivs qu contrm com prsnç do dputdo à Assmbli d Rpúblic tmbém cndidto pl DU às liçõs utárquics, José Luís Frrir. Os Jovns Ecologists promovrm o su cmpmnto m dfs dos diritos dos jovns, pr PENSAR O PRESENTE, ONSTRUIR O FUTURO, trvés d váris ctividds momntos d convívio, como visits pontos d intrss, cminhds, workshops d rutilizção d mtriis, jogos, distribuição d documntos, dbts. N cção d contcto com s populçõs, Ecolojovm distribuiu um documnto, ond considr qu nos últimos tmpos tmos ssistido tqus constnts os nossos diritos um dgrdção crscnt d noss qulidd d vid. Os jovns sntm muito prticulrmnt sts dificuldds, qu os impossibilitm d construir su vid, d s rlizrm tnto do ponto d vist pssol como profissionl, pois s sus vids stão mrcds pl insgurnç pl prcridd. Dpois d 48 nos d fscismo, o 25 d Abril briu ports à oportunidd d progrsso dsnvolvimnto um conjunto d conquists diritos consgrdos n onstituição d Rpúblic Portugus, como concrtizção d diritos tão lmntrs como o csso à súd, à ducção, à cultur, o dsporto, o trblho com diritos, o mbint, ntr outros. Ao longo ds últims décds, Portugl tm vindo dsprdiçr oportunidds d construir um socidd mis just, quilibrd, qu promov o bm-str ds populçõs qu grnt pdrõs mbintis sustntávis. Hoj, ssistimos um tnttiv d imposição d norms rtrocssos sociis, qu têm consquêncis ngtivs pr populção m grl, muito prticulrmnt, pr os jovns, qu vm ngdo o su prsnt hipotcdo o su futuro. Os prtidos qu s têm ltrndo no govrno - PSD, DS-PP PS - têm sguido um modlo qu já du provs qu não funcion qu não tm como procupção cntrl s pssos o dsnvolvimnto do pís. As polítics qu plicm stão o srviço do podr conómico, promovm s injustiçs sociis, dscurm s ncssidds mis básics consrvção d nturz. 6 A Ecolojovm Juvntud DU têm ltrntivs proposts pr qu os jovns possm tr qulidd d vid qu têm dirito: - rição d spços d discussão prticipção juvnis; - rição d quipmntos municipis pr juvntud; - Apoio às inicitivs culturis d lzr; - rição d infr-struturs rcintos pr prátic dsporti- v, d csso grtuito univrsl; - Promoção d polítics d incntivo pr fixção d mpr- ss nos municípios, pr crição d mprgo pr os jovns; - Promoção d progrms d hbitção custos controldos d rbilitção urbn; - Instlção d gbints d poio tndimnto juvnis orintdos pr informção ncminhmnto m domínios como cultur, súd públic, síds profissionis; Nós, jovns cologists, condnmos st lógic, não citmos st situção crditmos qu é possívl um mundo mlhor, ssnt n frtrnidd, solidridd, justiç sustntbilidd. Um mundo um pís ond todos nós possmos vivr noss juvntud m tod su plnitud, com diritos, indo o ncontro ds nosss spirçõs ncssidds. Por tudo isto, porqu não citmos o dsstr qu nos qurm impor porqu há ltrntivs, Ecolojovm plou o voto ns liçõs utárquics d 29 d Stmbro, pois significv votr pr os órgãos utárquicos, um conquist do 25 d Abril, qu troux o dsnvolvimnto dos conclhos ds frgusis contribuiu pr qulidd d vid ds populçõs Ao votrmos DU stmos mostrr um crtão vrmlho o PS, PSD DS-PP, tnto nívl locl como ncionl, à troik, o msmo tmpo qu lutmos por um polític utárquic o srviço ds populçõs d juvntud. - Elborção d projctos qu contribum pr formção d consciênci socil polític ds novs grçõs pr pro moção firmção dos vlors d dmocrci, solidridd, pz multiculturlidd; - Promoção d polítics spcífics pr os jovns trblhdo- rs ds utrquis qu vlorizm s sus condiçõs d trblho stbilidd profissionl. A Ecolojovm - «Os Vrds» crdit qu com sts mdids com um ruptur com s polítics d dirit é possívl trmos um vid mlhor! 7

5 Assmbli grl do onslho Ncionl d Juvntud (NJ) OÇÃO «Pl dfs ptriótic d dmocrci portugus» izou-s 62ª o d 2013, rl br m m Lisbo. z D d 9 d Juvntud, l n io c No pssdo di N ho fs ptriótirl do onsl um Pl d s, õ oç Assmbli G s ds s forms prsntou du Plo fim d to tr ou A Ecolojovm s ci portugu c d dmocr rs. d rço, ntr s mulh pssdo di 15 do, G d violênci co A m ti minto ns qu n úl br o prigo do so ão D rfrir ind oç z provr um Ecolojovm f. ifícios públicos scols m d O nosso pís viv tulmnt tmpos d grnds gitds mudnçs. udnçs nm smpr consnsuis comprndids pl gnrlidd dos portuguss qu ftm ftrão Portugl d form grv profund. Indpndntmnt ds dcisõs polítics qu possm dvir d lgum idologi concrtizd nos plnos do govrno português lito, é imprtivo qu num dmocrci não s drrubm os licrcs bsilrs d um socidd sm qu plo mnos sts sjm discutidos mplmnt d form prticipd por tods s forçs qu constitum o pís. Num ltur m qu s procur ltrr d form rdicl o nosso prdigm socil é imprtrívl qu tmbém s orgnizçõs d juvntud sjm sclrcids ouvids nst procsso d mudnç. O onslho Ncionl d Juvntud nqunto pltform rprsnttiv d váris orgnizçõs d juvntud portuguss não pod não fic lhi sts vriçõs rpntins d rumo sm qu s ntnd os fins ds msms não citndo qulqur custo os mios pls quis s rlizm. Assim, o onslho Ncionl d Juvntud runido m Assmbli Grl dlibr: - Afirmr dfs dos vlors dmocráticos d socidd portugus, xplndos n onstituição d Rpúblic; - Fzr um plo ptriótico m dfs d sobrni d Rpúblic Portugus; - Opor-s à ingrênci chntgm d orgnizçõs strngirs xtrns à socidd portugus nos dstinos d noss populção; - Aplr smpr pl dfs d étic vrdd polític. Não citndo qu m dmocrci sirvm tods quisqur mntirs com vist gnhr votos à cont d mntirs, muits vzs sm vrgonh sm scrúpulos, promovndo o populismo dmgogi, crscntndo obscuridd ignorânci os dbts públicos; - Sudr os combtnts dmocráticos qu procurm dfndr Rpúblic, nomdmnt trvés ds divrss mnifstçõs qu têm ocorrido um pouco por todo o pís nos últimos tmpos. Finlmnt st documnto dvrá sr nvido o «Scrtário d Estdo do Dsporto Juvntud» do Govrno d Portugl dndo cont d crscnt procupção dos jovns m rlção à form o modlo d tomd d dcisõs polítics qu ocorrm tulmnt no pís. 8 OÇÃO Plo fim d tods s forms d violênci contr s mulhrs A violênci contr s mulhrs é spcilmnt lmbrd 25 d Novmbro, dt instituíd pl Orgnizção ds Nçõs Unids como o Di Intrncionl pl Eliminção d Violênci contr s ulhrs. A violênci contr s mulhrs é um violção dos diritos humnos um grv problm socil, conómico político, qu constitui um obstáculo à prticipção n vid socil públic, dificultndo su rlizção como ciddãs d plnos diritos. A nívl globl, m plno século XXI, s mulhrs continum sr s principis vítims d homicídios tnttivs d homicídio por rzõs d génro, d violênci doméstic, d violênci no nmoro, d ssédio sxul d mutilção gnitl. É tmbém crto qu s criss conómics sociis grvm s situçõs d xplorção d vulnrbilidd ds mulhrs, conduzindo à pobrz à xclusão, o qu tmbém impulsion o tráfico d mulhrs prostituição. Em Portugl, mior prt dos homicídios d mulhrs contc num contxto d violênci doméstic, tndo-s vrificdo no primiro smstr dst no, 20 homicídios 21 tnttivs d homicídio d mulhrs, sndo qu o númro d mulhrs ssssinds tm vindo umntr. É urgnt implmntção d mdids d vlorizção do ppl ds mulhrs n socidd, n promoção d iguldd d diritos, d fctivos plnos d combt tods s forms d violênci contr s mulhrs, pr d liminção ds discriminçõs qu continum xistir d protcção poio ficz às vítims. O onslho Ncionl d Juvntud NJ runido m Assmbli Grl, dlibr: A Juvntud mrc um futuro um pís mlhor uito s tm fldo sobr o fim do progrm d justmnto, do príodo pós-troik do qu srá o futuro do nosso pís, qundo os rprsntnts do Bnco ntrl Europu (BE), d omissão Europi (E) do Fundo ontário Intrncionl (FI), nos dixrm d visitr vlir. s não podmos flr do futuro sm nts fzr um rápido blnço do qu têm sido sts qus três nos d troiks (intrn xtrn) no nosso pís nos nossos dstinos coltivos. Três nos dst progrm d dsjustmnto d noss conomi têm lvdo : - um mpobrcimnto grdul cntudo do pís d gnrlidd ds fmílis portuguss umnto d impostos. - um ncrrmnto compulsivo cgo d srviços públicos, scols, cntros súd, corrios, tribunis, frgusis, num complt ignorânci do qu rprsntm todos sts srviços d proximidd, pr populção. - três nos d procssos cntudos d privtizçõs d sctors strtégicos do nosso pís, os quis s dvrim mntr smpr n sfr públic, long d intrsss privdos, spcultivos cujo objctivo é pns só, o lucro. A troik intrn mtrilizd no ctul Govrno PSD/DS tm vindo prprr privtizção dos rsíduos, sndo spctávl qu rpidmnt o fçm tmbém pr Águ. - três nos rmtr os nossos jovns pr um migrção forçd, juvntud com formção d xclênci, qu bndon o nosso pís com pouc prspctiv d rgrsso. A migrção d jovns nfrmiros é, tlvz, um dos csos mis chocnts, com um vlor igul 1/3 dos nfrmiros formdos nulmnt por tods s scols do pís. No no pssdo, migrrm 120 mil portuguss. Estmos prnt um vrddir rosão humn ssnt num migrção forçd. - três nos m qu tx d dsmprgo jovm tingiu os 36% sgundo ddos do INE, sndo qu no no pssdo, Portugl r um dos píss d UE com mis dsmprgo juvnil. E muito mis xmplos podrímos qui numrr, sobr o qu têm sido sts três nos d progrm d dsjustmnto, ms o qu Ecolojovm - «Os Vrds» dfnd é o gor o futuro. E qui, os jovns cologists considrm qu pns com um vrddir mudnç d polític, podrmos tr um pís livr d troiks. Dfndmos um fort post n produção ncionl, n dfs dos srviços públicos, n dinmizção d noss conómic cim d tudo, rgnhr noss sobrni ncionl. S não houvr st mudnç d polític, não tnhmos dúvids d qu o tão nuncido pós-troik vi pns rprsntr o pisódio sguint do pisódio d hoj, com o PIB cir, dívid públic crscr, conomi stgnd, o dsmprgo migrção umntr, o psso qu o pís os portuguss vão continur mpobrcr. É hoj clro pr todos nós, qu o nosso pís trmin st príodo não d justmnto, ms d xtrmo dsjustmnto, prso um dívid insustntávl impgávl, qu rprsnt um vrddiro ntrv um polític d dsnvolvimnto. Exigir rngocição d dívid não signific, como muitos o qurm dr ntndr, qu não qurmos pgr, muito plo contrário, nós qurmos pgr tr condiçõs qu nos prmitm ss pgmnto, sss condiçõs são sm dúvid rngocir dívid, pr qu o dinhiro não sj pns pr pgr juros, ms tmbém pr qu hj invstimnto público d qulidd, pr dinmizr noss conomi. Não nos podmos iludir, não xist nnhum pís qu consig pgr su dívid s não produzir. E pr Ecolojovm st qustão é clr. Nós dvmos tr o podr d dcidir o nosso futuro, noss Juvntud dv tr o dirito d nscr, crscr vivr num pís d oportunidds com qulidd d vid. A Ecolojovm - «Os Vrds» considr qu tod qulqur linh polític, conómic socil sguir no chmdo príodo póstroik dvrão dfndr cim d tudo os intrsss do pís, su sobrni, o su povo su Juvntud. É st linh qu os Jovns Ecologists dfndm. - Solidrizr-s com tods s mulhrs vítims d violênci; - nifstr-s contr tods s forms d violênci contr s mulhrs; - Promovr ssocir-s projctos qu combtm tods s forms d violênci contr s mulhrs, snsibilizndo socidd pr st grv problm. 9

6 A tu voz Ecologist Ensino m Portugl 25º Anivrsário d Ecolojovm - «Os Vrds» 25 nos gir m dfs dos diritos dos jovns por um mundo mis justo sustntávl 18º Fstivl undil d Juvntud dos Estudnts No di 25 d Fvriro ssinlou-s o 25º nivrsário d Ecolojovm - «Os Vrds. Ao longo dst no os jovns cologists vão promovr um conjunto d inicitivs locis ncionis d form ssinlr st importnt dt n vid d Ecolojovm. Ao longo dsts 25 nos, Ecolojovm tm trvdo muits luts m dfs dos diritos dos jovns m dfs d um mlhor mbint qulidd d vid. A Ecolojovm, rprsntndo muitos jovns, tm intgrdo divrss pltforms m dfs d pz, d librdd, d dmocrci dos diritos humnos, com vist à construção d um mundo mis solidário, justo sustntávl, ond os jovns possm concrtizr os sus sonhos spirçõs. Acrditmos qu o crscimnto consolidção do projcto cologist pss fundmntlmnt pl prticipção intrvnção dos jovns, qu têm n Ecolojovm o su spço oportunidd d fzr ouvir su voz. Est projcto não sri possívl sm os jovns qu ssumirm cologi dfs dos diritos como um prioridd um mnir d sr d str. Durnt sts 25 nos d xistênci d Ecolojovm, o pís rcuou muito dvido às polítics dos sucssivos govrnos PS PSD, com ou sm o DS. O rsultdo dsts polítics é situção qu vivmos ctulmnt, com grvs impctos n juvntud. No ntnto, os jovns cologists olhm pr sts dificuldds dvrsidds com um sntimnto rforçdo d qu é prciso continur lutr, rjitndo o diálogo ds invitbilidds, porqu sbmos qu é possívl trmos um mundo mlhor. Dqui pr frnt prtndmos rforçr cd vz mis st nosso projcto, contndo pr isso, com todos os jovns qu prtndm colborr cooprr connosco n construção d um mundo mis vrd. A juvntud pod continur contr com Ecolojovm n dfs dos sus diritos. Em Dzmbro d 2013 tv lugr no Equdor, m Quito, o 18º Fstivl undil d Juvntud dos Estudnts, qu contou com prsnç d váris ssociçõs orgnizçõs d juvntud do nosso pís. A Ecolojovm - «Os Vrds» psr d fzr prt do omité Ncionl Prprtório do Fstivl, não consguiu str prsnt no Fstivl. No ntnto, fizmos qustão d nvir um sudção, congrtulndo st importnt vnto, qu rún jovns d todos os píss qu lutm pl rfirmção dos vlors d pz, d librdd d dmocrci, sndo qu st srá mis um psso pr um socidd mis just um mundo mis quilibrdo. A Ecolojovm rlmbr ind qu com o tmpo, juvntud tm dsmpnhdo um ppl fundmntl n trnsformção d socidd, n lut por um mundo d pz, dmocrci, rspito plos diritos humnos, plo dirito d todos à súd, cultur, ducção, dsporto, mio mbint qulidd d vid. Todos sbmos qu m todo o mundo, juvntud pss por grnds dificuldds, com tqus os sus diritos, sndo qu orgnizção dst Fstivl é um vnto importnt qu contribui pr rflxão dos problms qu fctm os jovns, fortlcndo unindo juvntud do mundo n lut plos sus diritos. A Ecolojovm considr ind qu o Fstivl contribui pr construção d um socidd mis just, pr grntir todos os ciddãos os sus diritos oportunidd d tr um mbint sdio cologicmnt quilibrdo. Ecolojovm - «Os Vrds» prticipou no South Europ Summr cmp m rslh Em Portugl o Ensino tornou-s incssívl pr muitos. Em 2013 vrificrm-s mtriculdos no nsino suprior; mnos crc d fc o no ntrior. Em 2010, 19,5% dos studnts do nsino suprior studvm com bolss d studo, m 2011 ss vlor pssou pr os 17,1%. Em 2008, studnts do nsino público não suprior rm subsididos m trnsports públicos; m 2011 pns rm subsididos. Não são, no ntnto, ncssários ddos sttísticos pr qu lguém qu stud há 14 nos, tnh prcção d dsvlorizção do Ensino m Portugl. Vj-s, ntão, o Orçmnto do Estdo pr 2014 no qu diz rspito o nsino: Notíci comunicção socil d 15 d Outubro d 2013 qu o finncimnto no nsino básico suprior público sofr um cort d 500 milhõs d uros, nqunto qu stblcimntos privdos vêm s sus trnsfrêncis sr umntds. Pr lém do dinhiro qu os stblcimntos privdos rcbm d mnslidds, é ind crscido o poio do stdo, nqunto qu os stblcimntos d nsino público pns rcbm os poios do stdo pr mntr s ports brts, o qu muits vzs signific um dgrdção físic, té msmo socil, do stblcimnto. E, utomticmnt, implic tmbém, mnors rcursos. Estrmos ntão litizr o nsino m Portugl? Aquls qu mis prcism d poios pr studr são quls qu mnos os têm? A comunicção socil notíci nss msm dt um cort d 4,1% no Ensino Suprior, o qu lvrá um umnto no vlor ds propins justificdo plos stblcimntos d nsino suprior com ncssidd d ssgurr o su norml funcionmnto. Estudo num fculdd qu s gb d sr um ds mlhors fculdds do pís, té d Europ. Um fculdd públic ond todos os nos ficm 1 102,33. Tndo m cont durção d 5 nos do curso, isso dá um totl d 5 511,65. Tlvz pr lguns st vlor não sj lvdo, ms pnsm ntão num fmíli com dois filhos frquntr o nsino suprior, o vlor crsc pr ,3. Tlvz não sj ind chocnt o suficint, ms ntão fmílis com 3 ou 4 filhos? O vlor ting os ,6. For todo o cpitl ncssário invstir pr qu chgum o nsino suprior, com o vlor d livros scolrs, psss scolrs, mtril scolr. E s chgrm o nsino suprior, não contm pns com s propins. d livro cust à volt d 50 m cdirs gris. Sndo qu os d cdirs spcífics podm tingir os 150. A Ecolojovm - «Os Vrds» prticipou no South Europ Summr cmp m rslh, orgnizdo pl Fdrção dos Jovns Vrds Europus (FEG) plos Jovns Vrds do ditrrânio. Est cmpmnto dcorru d d Agosto d 2013 juvntud cologist portugus stv rprsntd por Filip Goms por Tâni Simõs. om sts prços ofnsivos, plo mnos, do mu ponto d vist, todos os nos o Govrno dcid ftur justs m poios univrsidds, nsino público, fmílis fins, cortndo m bolss d studo, finncimntos subsídios, fzndo com qu milhrs d studnts s vjm ntr spd prd pr pgr propins; obrigndo qu tnhm qu inicir su vid profissionl nts d trminrm su vid scolr, ou pior, obrigndo qu muitos dsistm dos cursos, ou não tnhm msmo possibilidds d os inicir. S m dissrm qu o nsino é vlorizdo m Portugl, rirm-i. Um pís qu vloriz ducção, não cobr por l. Não dix qu ducção sj pns pr quls qu podm pgr, ms sim pr todos os qu dl prtndm usufruir. D nd srv obrigr lguém studr té o 12º no s ss lguém ssim não o dsj. s não poir quls qu o prtndm fzr, pns compromt o futuro d um pís qu já s ncontr bstnt compromtido. Btriz Goulrt Pinhiro, studnt d Engnhri do Ambint no Instituto Suprior Técnico, mmbro do colctivo d Lisbo. Ddos sttísticos: Font: vm olojo c E d n Ag 10 DU u - Vot io to Europ n m 25 d (FEG) rl r o P Europus p s s rd õ iç V El ns Julho ão d Jov d Grl d Fdrç i Assmbl gosto A d colojovm nto d E m Acmp Bj Distrito d 11

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

Resumo Executivo. Análise da Cobertura

Resumo Executivo. Análise da Cobertura x f R T V z E s s FQ Z KL o H R ut K qw A O V B U r G M o z Rsumo Excutivo Anális d Cobrtur d Imprns sobr Mulhr Trblho Estudo coordndo pl ANDI Comunicção Diritos plo Instituto Ptríci Glvão no âmbito do

Leia mais

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10

IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 de 01 a 10 IMPACTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO P PARA OS PROFISSIONAIS E OS SISTEMAS CONTÁBEIS NBC TSP 16 d 01 10 PALESTRANTE: Domingos Poubl d Cstro Rio d Jniro, 28 d gosto

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Academia de Futebol forma novos talentos TEMOS OFERTA SUFICIENTE E DE QUALIDADE PARA OS MUNÍCIPES. ALA promove cursos

Academia de Futebol forma novos talentos TEMOS OFERTA SUFICIENTE E DE QUALIDADE PARA OS MUNÍCIPES. ALA promove cursos Dirctor: Pulo Pimnt Ano XXI Nº 241 ABRIL 2009 Prço 1.25 (IVA incluido) Lin Andrês Junt d Montlvr consguiu mntr quilibrio págin 6 António Morir Vrdor d Cultur d CM Amdor TEMOS OFERTA SUFICIENTE E DE QUALIDADE

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE AS QUESTÕES DA DIVERSIDADE NO CURRÍCULO

REFLEXÃO SOBRE AS QUESTÕES DA DIVERSIDADE NO CURRÍCULO REFLEXÃO SOBRE S QUESTÕES D DIVERSIDDE NO CURRÍCULO CURRÍCULO: DIVERSIDDE N EDUCÇÃO BÁSIC 1 1 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO divrsi socioculturl brsilir prsnt no contxto ducção scolr tm suscitdo divrsi discussõs

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 12/SI/2015

ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 12/SI/2015 ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 12/SI/2015 SISTEMA DE INCENTIVOS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO VALE I&D 30 DE JULHO DE 2015 Págin 1 d 3 Altrção o Aviso d

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 15/SI/2015

ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 15/SI/2015 ALTERAÇÃO Nº1 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º 15/SI/2015 SISTEMA DE INCENTIVOS QUALIFICAÇÃO DAS PME VALE INOVAÇÃO 30 DE JULHO DE 2015 Págin 1 d 3 Altrção o Aviso d Concurso 1. Fc à

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

Editorial. Renata Reis Secretaria Técnica da Rede de Escolas Técnicas do SUS. RET-SUS outubro de 2005

Editorial. Renata Reis Secretaria Técnica da Rede de Escolas Técnicas do SUS. RET-SUS outubro de 2005 Editoril N dição dst mês, você vi sbr sobr o mp d dsiguldd socil no Brsil: o qu dizm dd do PNUD (Progrm ds Nçõs Unids pr o Dsnvolvimnto) outr dois rltóri, um d ONU outro do Bnco Mundil. A ntrvist é um

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

i.cismep completa dez anos de prestação de serviço Doação de órgãos UAPS Dom Bosco Programa Saúde na Escola 3ª EDIÇÃO INFORMATIVO DA PREFEITURA

i.cismep completa dez anos de prestação de serviço Doação de órgãos UAPS Dom Bosco Programa Saúde na Escola 3ª EDIÇÃO INFORMATIVO DA PREFEITURA 3ª EDIÇÃO INFORMATIVO DA PREFEITURA i.cismp complt dz nos d prstção d srviço A Instituição d Cooprção Intrmunicipl do Médio Propb (i.cismp) commor um décd d tndimnto à populção. O consórcio, qu intgr o

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Taxas de Câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio.

Taxas de Câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio. II A condição d pridd não cobrt d tx d juro Introdução Prtndu-s chmr tnção do studnt d Polític conómic pr concitos lmntrs, indispnsávis pr comprnsão d dtrminção do quilíbrio no mrcdo cmbil qu srão utilizdos

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Mais Saúde. estágio inicial. rpc.com.br/comercial

Mais Saúde. estágio inicial. rpc.com.br/comercial Mis Súd vz mis tnts com os com qu s pssos fiqum cd A busc por um vid sudávl fz s hábitos rotiniros. cuiddos d su súd os su é um dos ftors qu tm vrid sudávl blncd A limntção corrt com dit limntrs nutricionists

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33 Balanço Social Em 31 d dzmbro d 2015 2014 1 - Bas d Cálculo 2015 Valor (Mil rais) 2014 Valor (Mil rais) Rcita líquida (RL) 190.202 292.969 Rsultado opracional (RO) 111.720 (16.955) Rsultado Financiro (29.648)

Leia mais

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002.

LEI n 45712002 De 29 de abril de 2002. PREFEITURA i1 UN ICLPL I)I (;ARRI Prç Mrchl Dodoro d Fonsc s/ny Cntro. CEP: 49.830-0()0 CGC 13 112669/0001-17 * Tlfon (0'x79)354 1240 1 E-Mil: LEI n 45712002 D 29 d bril d 2002. Autoriz o Podr Excutivo

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL Plano d Estudo 5º ano - ANUAL Disciplina: Ciências Naturais Unidad Tmática Contúdos 1 Importância das rochas do solo na manutnção dvida. Por qu razão xist vida na Trra? Qu ambint xistm na Trra? Ond xist

Leia mais

5 - Revista do Mestrado em Educação - UFMS

5 - Revista do Mestrado em Educação - UFMS polítics Est rtigo corrnts procur discutir Rvolução como s Informcionl modificçõs sociis, Globlizção conômics mpmnto Economi têm sucinto ltrdo s s inicitivs mns por polític ducção, duccionl tntndo rlizr

Leia mais

2.5. Estrutura Diamétrica

2.5. Estrutura Diamétrica F:\MEUS-OCS\LIRO_EF_44\CAP_I_ESTRUTURA-PARTE_4.doc 5.5. Estrutura iamétrica A strutura diamétrica é tamém dnominada d distriuição diamétrica ou distriuição dos diâmtros. Concitua-s distriuição diamétrica

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE EVENTOS // 2015. Janeiro

PROGRAMA ANUAL DE EVENTOS // 2015. Janeiro PROGRAMA ANUAL DE EVENTOS // 15 Jniro 3 sb Fir Smnl Fir d Artsnto Prç d Gliz 10 sb Fir Smnl Fir d Artsnto Prç d Gliz 10 14 fv sb sb Exposição/Workshop "Ciddão Curdor" Fórum Culturl d Crvir 11 Fir d Arts

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida página 1 Acontcu... Concurso Conclhio d Litura Era uma vz... É assim qu comçam as histórias... Esta história comçou há crca d três anos numa bibliotca scolar, ond dznas d livros, arrumadinhos m stants,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

Seguradoras, corretores e interações De canais para redes

Seguradoras, corretores e interações De canais para redes Robrto Ciccon Insurnc Lr 27 11 2013 Sgurdors, corrtors intrçõs D cnis pr rs Rsumo N r do consumidor cpcitdo, s sgurdors prcism trblhr um form multicnl mntndo o ldo pssol s pssos confim mis m pssos Sgurdors,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Centro de Apoio Operacional as Promotorias de Justiça da Infância e Juventude CAOPIJ

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Centro de Apoio Operacional as Promotorias de Justiça da Infância e Juventude CAOPIJ MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Cntro d Apoio Oprcionl s Promotoris d stiç d Infânci vntd CAOPI Adqção do Ambint Escolr pr Inclsão ds Crinçs Adolscnts com Ncssidds Edctivs Espciis nos mnicípios

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Govrno do Estdo do Rio Grnd do Nort Scrtrido d Estdo d Educção d Cultur SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritori d Psquis Pós-Grdução PROPEG Gbint do Pró-Ritor Cmpus Univrsitário

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA PROFESSORES 2015-2016 (2º príodo) Atualizado a 05-01-2016 (http://criatividad.nt) Nota: O prço d

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

Vortice. Magnetismo. Espiritismo. Jornal. Informativo sobre Magnetismo

Vortice. Magnetismo. Espiritismo. Jornal. Informativo sobre Magnetismo Vortic Jornl Informtivo sobr Mgntismo ANO II, n.º 03 Arcju/Srgip/Brsil, gosto/2009 jvortic@gmil.com Mgntismo & Espiritismo Durnt um psquis qu rlizi nos Ests Unis sobr o Mgntismo, ncontri vários livros

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

ABFO. Nova Diretoria ABFO: Gestão 2013 a 2017. Associe-se a ABFO. Acessem o site: www.abfo.org.br

ABFO. Nova Diretoria ABFO: Gestão 2013 a 2017. Associe-se a ABFO. Acessem o site: www.abfo.org.br Boltim 1 ABFO Stmbro 2013 Nov Dirtori ABFO: Gstão 2013 2017 Dirtor Prsidnt: Ptríci Viir Guds Figuir Dirtor Vic-Prsidnt: Crolin Mcil Ris Gonzg Dirtor Administrtivo Grl: Andr Thomzin Tufnin Dirtor Finnciro

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO POR BENEFICIÁRIOS DE PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO A prnchr plo IEFP, I.

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

Um parceiro com objectivos

Um parceiro com objectivos Um prceiro com objectivos Índice 1. Sistem de Automção scolr... 3 2. Portri... 5 3. Gestão Finnceir I... 6 4. Sls de Aul... 14 5. Internet... 15 6. Gestão de Alunos.. 16 7. sttístics. 17 8. Inforvist:

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais