Efeito de Dietas Suplementadas com Sardinha em Conserva vs Licopeno na Prevenção da Obesidade e da Doença Cardiovascular em Ratos Wistar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeito de Dietas Suplementadas com Sardinha em Conserva vs Licopeno na Prevenção da Obesidade e da Doença Cardiovascular em Ratos Wistar"

Transcrição

1 Efeito de Diets Suplementds com Srdinh em Conserv vs Licopeno n Prevenção d Oesidde e d Doenç Crdiovsculr em Rtos Wistr Cristin Isel Crlos Rmos Dissertção presentd à Escol Superior Agrári de Brgnç pr otenção do Gru de Mestre em Biotecnologi Orientd por Isel Cristin F.R. Ferreir Nrcis Mri Bndrr Co-Orientd por José Mnuel Mestre Prtes Brgnç 2010

2 Em memóri do meu PAI e do meu Irmão Dinis, Crt um migo - 1.º niversário do flecimento do meu PAI (6 de Mio de 2010), Nós temos em comum o fcto de sermos filhos de pessos especiis. Não é qulquer Pi e Mãe que rçm tref de dr vid, voz, personlidde, formção pessol e profissionl, corgem e dicm de ter um vid socil e fmilir segundo o protótipo. Agrdeço Eles e Deus por tudo o que fizerm por mim e pelos meus irmãos, pesr de nem tudo ser um mr de ross, sim os espinhos existirm e s tempestdes tmém, ms contriuírm sem dúvid pr o Ser que hoje Sou. Com o meu Pi, prendi respeitr o próximo, ser honest, conhecer pz interior, olhr em frente mesmo qundo o cminho envolve esforço, dedicção, ter Deus presente em mim e n minh vid e cim de tudo, por muito que sej o ruído, ter noção de que é preciso não perder o nosso rumo (Personlidde). Podes não creditr, ms mior prte do processo de prendizgem foi-me trnsmitido trvés do seu silêncio, dos seus exemplos. Ms mior lição, foi pós su morte: sempre vi o meu Pi com um pesso discret, simples, eu diri stnte humilde, ser exltdo Penso que pelo que conheces de mim, não ches que estou exgerr, ms pens prtilhr lguns pensmentos e sentimentos. Recordo o di em que o meu PAI esteve em Brgnç no di d minh Bênção de Finlist, legri/orgulho que d Ele irrdiv,, lmento que ele não tenh chegdo est etp d minh vid, um etp que ele viu começr, ms é mis um, ds muits em que ele não está presente fisicmente, ms certmente onde quer que estej, ele continu fzer prte d minh vid, ser o meu Anjo d Gurd, trnsmitir-me serenidde e senstez necessári pr olhr em frente. Do Dinis, recordo não só os seus últimos momentos em que ele me escolheu pr estr com ele n su prtid, como todos em que eu er ind um crinç qundo ele me pegv o colo e ensinou s primeirs nots de músic e tocr órgão. Permitiu desse modo pr que músic fizesse prte d minh vid A ti, PAI grdeço tudo, e tods s plvrs não expressm o que me vi n lm e no corção

3 Tlvez tenh herddo do meu PAI, o tl silêncio e não mnifestr os meus sentimentos e gestos A todos eu grdeço, em especil às pessos que estiverm directmente ligds mim neste trlho e nest etp: À Doutor Nrcis Bndrr do INRB/L-IPIMAR, por ser pesso que É, por estr do meu ldo em tods s etps deste trlho por que ms pssmos, pel su cumplicidde, crinho, pel mizde que tem demonstrdo e pel orientção; À Professor Isel C.F.R. Ferreir d Escol Superior Agrári do Instituto Politécnico de Brgnç, pel su disponiilidde, eficiênci, orientção, pesr de não me conhecer pessolmente, ceitou e creditou ns minhs cpciddes, pelo seu poio todos níveis; Ao Professor Doutor José M.M. Prtes d Fculdde de Medicin Veterinári, pel su disponiilidde e grdo meu tê-lo como co-orientdor, e pelo modo como tod su equip: Dr.ª Pul Lopes, Dr.ª Susn Mrtins e Dr.ª Cristin Alfi me receerm, e poirm no decorrer deste trlho; Ao Doutor Rogério Mendes do INRB/L-IPIMAR, pel su pciênci, compnhmento e ensinmentos, e à Din Durte jud n rect finl deste trlho; À Engenheir Mri Leonor Nunes do INRB/L-IPIMAR, pelo seu profissionlismo e pel su energi, permitindo que este trlho se relizsse n Unidde de Vlorizção dos Produtos d Pesc e Aquicultur d qul é director; À D. Júli Ferreir do Lortório de Nutrição do INRB/L-IPIMAR pelo seu poio n fse inicil deste trlho, mizde, e pelos ons momentos que prtilhmos e continumos prtilhr como colegs de trlho; A todos os meus colegs do IPIMAR e do lortório Gerl Engenheir Crl Pires e em especil o Engenheiro Crlos Crdoso, por estr presente, e pel colorção demonstrd durnte o Mestrdo; ii

4 À Doutor Mri João Coelho Sous, pel su mizde desde os meus tempos de estudnte e que ms souemos cultivr de Norte Sul do pís o longo dos tempos, por todo o poio que prestou durnte est etp, por mis que eu escrev seu respeito não consigo demonstrr tão Grndios jud e Grtidão, e pgue d memóri o vnçdo ds hors que eu chegv su cs..., À Áli por me ceder o qurto e cm e por ser crinç Lind e Trnquil que É; À Doutor Anel Mrtins d Escol Superior Agrári do Instituto Politécnico de Brgnç, por tod Grr trnsmitid e por ser um Professor que dignific o ensino, por continur sempre disponível e ns minhs memóris, Admiro-; À Titi, que tem dedicdo o longo de su vid o sentido e o sentimento de ser mdrinh, ou sej, segund mãe, por todo o seu poio todos os níveis. Ao meu irmão João e pdrinho pel su serenidde, por me ceitr e respeitr como Sou; À minh Mãe, por ser um mulher de rms, nem mesmo qundo o seu corção estv despedçdo e o seu corpo dorido pel perd d Filho e Mrido se esqueceu dos outros 10 Rmos e não ixou os rços. Aprendi ind que qunts vezes El cnt com vontde de chorr ; Às minhs irmãs, em especil à Mri do Céu por estr sempre presente, pel su clm e por ser um Ser disponível os outros, não só, ms especilmente os domingos à trde pr me levr o comoio de volt Liso e às sexts de regresso Cs. À Helen por ser minh Géme, pel su independênci e pelo poio ns diferentes fses d minh vid, à MriNit pel su energi, jovilidde e corgem. A tods tenho como Amigs e têm lugr ctivo no meu corção, n minh vid. Aos meus sorinhos, em especil os que nutrem por mim o mesmo sentimento que eu por eles, Eles sem quem são; Aos migos de sempre e pr sempre, por me drem honr de prtilhr s sus vids e por me judrem crescer como pesso: (ordem lfétic) An, Bárr, Ermelind, Hugo, Ivone, Jon, Mgi, Mri, Mrin, Mris, Mrt, Orlndo, Susn e Vitóri. iii

5 Not Prévi N elorção dest dissertção, foi usd um pequen prte dos resultdos otidos no âmito do projecto Rtionle nd Options in Dietry Use of Cnned Srdines in Olive Oil nd Tomto (Omeg3, Lycopene, nd Oleic cid) Relted to Inflmmtory nd Athero-thromogenic Biomrkers in Oesity nd Metolic Syndrome finncido pel FCT (PTDC/SAU/70560/2006). Este projecto tinh como principl ojectivo vlir os principis enefícios pr súde (prevenção d doenç crdiovsculr e trtmento d oesidde) de um consumo regulr de produtos d pesc, ricos em ácidos gordos ómeg 3, no índice ómeg 3 dos fosfolípidos (humno e do rto), em componentes snguíneos (humno e do rto) e em diferentes tecidos (no rto). Assim, pens os resultdos reltivos o perfil de ácidos gordos e crotenóides (no rto) se encontrm neste documento. Acrescent-se ind que estes resultdos fzem prte de um trlho multidisciplinr que envolveu vários elementos pertencentes à Fculdde de Ciêncis Médics d UNL, Fculdde de Medicin Veterinári d UTL e INRB/IPIMAR. iv

6 ABSTRACT The min ojective of this study ws to evlute the effect of diets sed on longchin ftty cids, omeg 3 (ω3) nd omeg (ω6), prticulrly EPA (eicospentenoic cid), DHA (docos-hexneoic) nd AA (rquidonic cid) for the prevention of oesity nd crdiovsculr disese. Diets were supplemented with cnned srdines nd the percentge of EPA, DHA nd the rtio ω3/ω6 in liver, erythrocytes, nd dipose tissue of Wistr rts wsdetermined. It ws introduced nturl ntioxidnt tht exists in the tomto, the lycopene, with the min ojective to increse the eneficil effects of ω3 nd ω6 ftty cids. The incresed supplementtion of srdines promotes the decrese of AA decresed in liver, erythrocytes, nd dipose tissue. The incresed supplementtion of srdine (25 nd 50%) promotes the incresed level of EPA nd the ω3/ω6 index in liver, erythrocytes nd dipose tissue. The percentge of DHA incresed significntly only in liver, erythrocytes nd dipose tissue, with ddition of 25% srdine. The incorportion of lycopene supplementtion in the diets did not show ny interference on the ftty cids, however, incresed ftty cid supplementtion of ω3 PUFA (50% srdine) decreses the incorportion of lycopene in the liver. The diet supplemented with 25% srdine nd lycopene ppers to hve greter effect on crdiovsculr diseses nd prevention of rest nd prostte cncer, ecuse it ensures the optiml level of EPA, DHA nd lycopene, ll of them compounds/nutrients/sustnces fvourle to helth, prticulrly with scientific evidence supporting their enefits for the prevention for this diseses v

7 RESUMO O presente trlho teve como principl ojectivo vlir o efeito de diets suplementds à se de ácidos gordos de cdei long, ómeg 3 (ω3) e ómeg (ω6), nomedmente EPA (ácido eicospentenóico), DHA (ácido docos-hexneóico) e AA (ácido rquidónico), n prevenção d oesidde e doenç crdiovsculr. Pr tl, utilizrm-se diets suplementds com srdinhs em conserv e determinou-se percentgem de EPA, DHA e d rzão ω3/ω6 nos eritrócitos, fígdo e no tecido diposo de rtos Wistr. Pr mximizr os efeitos enéficos dos ácidos gordos ω3 e ω6, foi introduzido n diet o licopeno que é um ntioxidnte nturl que existe no tomte. Verificmos que o AA diminuiu no fígdo, nos eritrócitos e no tecido diposo, fce o umento d suplementção d srdinh. O EPA e rzão ω3/ω6 umentrm no fígdo, nos eritrócitos e no tecido diposo, devido o umento d suplementção d srdinh (25 e 50%). A percentgem de DHA umentou significtivmente pens no fígdo, nos eritrócitos e no tecido diposo, com suplementção de 25% srdinh. A incorporção de licopeno ns diets não evidenciou qulquer tipo de interferênci com os ácidos gordos, no entnto, o umento d suplementção de ácidos gordos PUFA ω3 (50% srdinh) diminui incorporção do licopeno no fígdo. A diet suplementd com 25% srdinh e licopeno ssegur níveis óptimos de EPA, DHA e licopeno, e prece presentr mior efeito ns doençs crdiovsculres e n prevenção do cncro d próstt e mmário. vi

8 Índice Not Prévi... iv ABSTRACT... v RESUMO... vi Índice... vii LISTA DE TABELAS... ix LISTA DE FIGURAS... x ABREVIATURAS... xii I. INTRODUÇÃO Oesidde e Doençs Crdiovsculres Efeitos enéficos dos ácidos gordos ω3 e ω6 n prevenção de doençs crdiovsculres Ácidos gordos Aspectos ioquímicos Ácidos gordos ω3 e ω Relção dos ácidos gordos ω3 e ω Efeitos enéficos do licopeno n prevenção de doençs crdiovsculres Ojectivos II. MATERIAL e MÉTODOS Produtos químicos Delinemento experimentl ds diets Avlição dos ácidos gordos e do licopeno ds diets Determinção do perfil de ácidos gordos Determinção do licopeno Avlição dos ácidos gordos e do licopeno no fígdo, tecido diposo e nos eritrócitos Selecção, colheit e preprção do fígdo, tecido diposo e dos eritrócitos pós o te Determinção dos ácidos gordos Determinção do licopeno vii

9 2.5. Análise Esttístic III RESULTADOS e DISCUSSÃO Avlição dos ácidos gordos e licopeno ds diets Determinção do perfil de ácidos gordos Determinção do licopeno Avlição dos ácidos gordos e do licopeno no fígdo, tecido diposo e nos eritrócitos Determinção dos ácidos gordos no fígdo Determinção dos ácidos gordos no tecido diposo Determinção dos ácidos gordos nos eritrócitos Comprção dos ácidos gordos no fígdo, tecido diposo e nos eritrócitos Determinção do licopeno IV. CONCLUSÕES V. REFERÊNCIAS viii

10 LISTA DE TABELAS Tel 1 Delinemento ds diets suplementds com srdinh em conserv e licopeno Tel 2 Distriuição dos grupos/diets ix

11 LISTA DE FIGURAS Figur 1 Exemplo de cmpnhs que ordm temátic d oesidde (http://www.google.pt/imges/oesidde) Figur 2 Estrutur dos principis ácidos gordos (LA, ALA, EPA, DHA e ARA) Figur 3 Metolismo dos ácidos gordos d fmíli ω3 e ω6 (dptdo de Mrtin et l., 2006) Figur 4 Aterosclerose (www.medmovies.com) Figur 5 Colesterol HDL e LDL (http://www.medmovie.com) Figur 6 - Licopeno (Rodriguez-Amy, 2001) Figur 7 - Perfil de ácidos gordos ds diets dministrds os 6 grupos. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) Figur 8 Concentrção de licopeno presente ns diets dos 6 grupos. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) Figur 9 - Perfil de ácidos gordos do fígdo (n=9), (A) G1, G3 e G4; (B) G1 e G2. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) Figur 10 - Perfil de ácidos gordos do fígdo (n=9), (A) G2, G3 e G5; (B) G2, G4 e G6. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) Figur 11 - Perfil de ácidos gordos do tecido diposo (n=9), (A) G1, G3 e G4; (B) G1 e G2. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) Figur 12 - Perfil de ácidos gordos do tecido diposo (n=9), (A) G2, G3 e G5; (B) G2, G4 e G6. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) Figur 13 Perfil de ácidos gordos dos eritrócitos (n=9), (A) G1, G3 e G4; (B) G1 e G2. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) Figur 14 - Perfil de ácidos gordos dos eritrócitos (n=9), (A) G2, G3 e G5; (B) G2, G4 e G6. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) Figur 15 - Perfil de ácidos gordos dos eritrócitos, do fígdo e do tecido diposo (n=9), (A) G1, (B) G3, (C) - G4, (D) G2, (E) G5 e (F) - G6. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs (p < 0,05) x

12 Figur 16 - Concentrção de licopeno presente no fígdo dos 6 grupos. Diferentes letrs correspondem diferençs significtivs entre os grupos (p < 0,05) xi

13 ABREVIATURAS ALA Ácido α-linoleico AA Ácido rquidónico DHA Ácido docos-hexenóico DPA Ácido docospentenóico EPA Ácido eicospentenóico MUFA Ácidos gordos monoinsturdos LDL Lipoproteíns de ix densidde HDL Lipoproteíns de elevd densidde n Número de mostrs / indivíduos NP Norm Portugues p Nível de significânci oservd WHO World Helth Orgniztion PUFA Ácidos gordos polinsturdos ω6 Ácidos gordos ómeg 6 ω3 Ácidos gordos ómeg 3 SFA Ácidos gordos sturdos LA Ácido linoleico AVC Acidente vsculr cererl GC Cromtogrfi gsos HPLC Cromtogrfi líquid de lt pressão DC Doenç crdiovsculr RNS - Espécies rectivs de zoto ROS Espécies rectivs de oxigénio EUA Estdos Unidos d Améric FAO Food nd Agriculture Orgniztion G Grupo BHT - Hidroxitolueno utildo xii

14 INTRODUÇÃO I. INTRODUÇÃO 1.1. Oesidde e Doençs Crdiovsculres A oesidde reflecte s modificções que têm vindo ocorrer no estilo de vid, tendo umentdo significtivmente o número de pessos com excesso ponderl e oess; tem, por isso, sido considerd pndemi modern o nível mundil. As doençs que estão ssocids à oesidde são: hipertensão, hipercolesterolemi, dietes tipo 2, os prolems d colun, osteortrose, rteriosclerose, o enfrte do miocárdio e o cidente vsculr cererl (AVC) (Nettleton e Ktz, 2005; Crpentier et l., 2006; Shoelson et l., 2006; Thorsdóttir et l., 2007). A Americn Hert Assocition (AHA) estim que percentgem d oesidde e dos indivíduos com excesso ponderl n Europ é de proximdmente 57,1%. A oesidde é um doenç crónic que necessit de prevenção e de trtmento prolongdo, e ument de form significtiv s txs de morilidde e mortlidde cusd pel doenç crdiovsculr (DC) (AHA, 2010). Segundo Rodrigues et l. (2008), oesidde infntil e d dolescênci present um elevdo crescimento, nunc ntes registdo, e no cso específico de Portugl, os índices de oesidde juvenil encontrm-se entre os mis ltos nível mundil. O excesso ponderl reflecte situções pouco sudáveis e é um risco crescido de doençs, como por exemplo, dietes, doenç coronári e vários tipos de cncro (Shoelson et l., 2006; Thorsdóttir et l., 2007; Rodrigues et l., 2008). As pessos com mus háitos limentres ingerem demsidos çúcres e gordurs. As gordurs e os çúcres em excesso fornecem energi dicionl. Se o nível de exercício físico não for suficiente pr queimr tod est energi, gordur ingerid é rmzend so form de gordur corporl, o que se trduz em excesso de peso (Thorsdóttir et l., 2007; Rodrigues et l., 2008). A figur 1 é um dos muitos exemplos de cmpnhs que lertm pr o prolem d oesidde. De cordo com os mesmos utores, um diet prudente e em estruturd, ssocid à ctividde físic regulr, são sem dúvid melhor estrtégi no controlo dest doenç (oesidde). O consumo de diets rics em gordur e çúcres é um dos fctores que levm à predisposição d oesidde, no entnto, existem outros fctores como os ntecedentes fmilires de oesidde, usênci de exercício físico, os mus háitos limentres e um doenç sujcente, como por exemplo dietes tipo 2 (Nettleton e Ktz, 2005; Rodrigues et l., 2008). 13

15 INTRODUÇÃO Figur 1 Exemplo de cmpnhs que ordm temátic d oesidde (http://www.google.pt/imges/oesidde). Como form de reduzir o excesso ponderl tem-se recorrido o uso de diets pores em gordur, no entnto, se-se que nturez d gordur, ou sej, o tipo e do gru de sturção dos ácidos gordos presentes n diet limentr, é de extrem importânci, ssim como quntidde que é ingerid (Rodrigues et l., 2008). Inúmeros estudos relizdos nos últimos nos têm demonstrdo que suplementção de diets rics em ácidos gordos ómeg-3 (ω3) polinsturdos (PUFA) e o consumo de peixe em quntidde dequd, lido um diet prudente e equilird, protegem os consumidores contr o excesso de peso corporl e contr intolerânci à glucose (resistênci à insulin dietes) (Nettleton e Ktz, 2005; Crpentier et l., 2006; Shoelson et l., 2006; Thorsdóttir et l., 2007; Prr, et l., 2008; Rodrigues et l., 2008; Rmel et l., 2009; Rmel et l., 2010). Os ácidos gordos polinsturdos (PUFA) provenientes do peixe ctum e corrigem s nomlis d sinlizção insulínic, e previnem s lterções d homeostse (regulção glol integrd) dos níveis de glucose, contriuindo deste modo pr prevenção d dietes tipo 2 e de outrs lterções crdiometólics que estão ssocids à oesidde (Nettleton e Ktz, 2005; Tirosh et l., 2005; Crpentier et l., 2006; Shoelson et l., 2006; Thorsdóttir et l., 2007; Prr, et l., 2008; Rodrigues et l., 2008; Rmel et l., 2009; Rmel et l., 2010). Este mecnismo de regulção é medido pelo decréscimo dos níveis dos ácidos gordos so form livre no sngue, pelo rmzenmento dos ácidos gordos no tecido diposo sucutâneo (depósito primário) e pel diminuição d cumulção dos ácidos gordos no tecido diposo sucutâneo profundo e intr-dominl (depósitos secundários), músculos, rins, e no fígdo, o que represent o depósito dos ácidos gordos ectópicos (Nettleton e Ktz, 2005; Tirosh et l., 2005; Thorsdóttir et l., 2007;Rodrigues et l., 2008). 14

16 INTRODUÇÃO Como consequênci, produção norml de prostglndins e de dipocitoquins (polipéptidos produzidos pels céluls diposs) que possuem proprieddes e ctividdes utócrins, prácrins e endócrins, tem condições pr se normlizr (Rodrigues et l., 2008). A desregulção ds dipocitoquins provoc resistênci insulínic, oesidde dominl, DC crónic e diversos tipos de cncro, como consequênci d síndrome metólic (Shoelson et l., 2006; Rodrigues et l., 2008). A síndrome metólic result d cominção de três ou mis componentes: oesidde dominl, níveis elevdos de triglicéridos plsmáticos, ixos níveis ds lipoproteíns de lt densidde (HDL) ssocidos à presenç de lipoproteíns de ix densidde (LDL) com elevdo potencil terogénico, hipertensão rteril, hiperglicemi e/ou resistênci insulínic. A síndrome metólic e oesidde têm umentdo em prlelo, e são por est rzão, considerdos como o fctor preditivo d DC (Rodrigues et l., 2008) Efeitos enéficos dos ácidos gordos ω3 e ω6 n prevenção de doençs crdiovsculres Ácidos gordos Aspectos ioquímicos Os ácidos gordos são constituídos por um grupo croxilo loclizdo no extremo d molécul, e n extremidde opost um grupo metilo não funcionl. A síntese dos ácidos gordos ocorre no fígdo, sendo, posteriormente, trnsferidos pr os outros tecidos,onde funcionm como comustíveis nos processos metólicos (Horton et l., 1996). A su clssificção é feit de cordo com o comprimento d cdei crond, o número, posição e configurção ds dupls ligções. Os ácidos gordos que não presentm dupls ligções n su estrutur moleculr são designdos de ácidos gordos sturdos (SFA), contrrimente, os ácidos gordos que possum dupls ligções são designdos de insturdos. Os ácidos gordos insturdos podem ser monoinsturdos (MUFA), qundo possuem pens um dupl ligção, ou polinsturdos (PUFA) qundo possuem dus ou mis dupls ligções (Cmpos, 1998). Segundo Huss (1995), os ácidos gordos tmém podem ser clssificdos como não essenciis, ou sej, são utilizdos pens pr fins energéticos, e essenciis qundo o nosso orgnismo não possui cpcidde de os sintetizr, sendo por este motivo necessári su ingestão e incorporção n diet humn. De cordo com o mesmo utor, os ácidos gordos 15

17 INTRODUÇÃO essenciis com mior importânci pertencem à fmíli dos ω3 e ω6, ω6 e são os ácidos linoleico (LA 18:2ω6) (Figur 2 (A)) e α-linolénico (ALA 18:3ω3) (Figur 2 (B)). (B) Os produtos resultntes es d ctividde d pesc são muito ricos em ácidos gordos, dos quis se destcm o mirístico mirístic (14:0), o plmítico (16:0) e o esteárico (18:0) (18:0 por serem os SFA mis comuns n composição do perfil de ácidos gordos dos produtos d pesc, no entnto, o ácido plmítico lmítico encontr-se em percentgens mui muito elevds comprtivmente com os restntes SFA. Em relção os MUFA, o ácido oleico (18:1ω9) (18:1 é o que se encontr em mior quntidde no perfil rfil de ácidos gordos dos produtos d pesc. Os PUFA tmém podem ser encontrdos nestes produtos em elevds quntiddes, dos quis se destcm pel su importânci o ácido eicospentneóico eicospentneói (EPA - 20:5ω3) (Figur 2 (C)) (C) e o ácido docos-hexneóico (DHA - 22:6ω3) (Figur 2 (D)), mos ω3, e o ácido ido rquidónico (ARA) (Figur (Figur 2 (E)), d série ω6,, representndo n mior prte dos csos proximdmente 90% do totl dos PUFA,, e em menor quntidde o ácido linoleico (LA) e α-lino linolénico (ALA) (Engler et l., 2005). Figur 2 Estrutur dos principis ácidos gordos (LA, ALA, EPA, DHA e ARA). (A) Ácido linoleico (http://pt.wikipedi.org/wiki/ficheiro:lanumering.png (B) Ácido α-linolénico (http://pt.wikipedi.org/wiki/ficheiro:alanumering.png (C) Ácido ecospentnenóico (http://pt.wikipedi. org/wiki/ficheiro:epanumering.png); (D) Ácido docos-hexenóico (http://pt.wikipedi.org/wiki/ficheiro:dhanumering.png (E) Ácido rquidónico (http://pt.wikipedi.org/wiki/ficheiro:aanumering.png). 16

18 INTRODUÇÃO Ácidos gordos ω3 e ω Metolismo Segundo DeFilippis et l. (2006) e Mrtin et l. (2006), os PUFA podem ser d fmíli ω3 e ω6, e são clssificdos deste modo devido à posição d primeir ligção dupl no terceiro e no sexto crono, respectivmente, prtir do terminl metilo. Os ácidos gordos do tipo ω3 e ω6 podem ser otidos directmente d limentção ou sintetizdos pelo orgnismo prtir do LA e do ALA, trvés d cção de enzims do tipo elongses e desturses. As elongses como o próprio nome indic, ctum trvés d dição de dois átomos de crono no início d cdei, e s desturses oxidm dois cronos d cdei resultndo n formção dum dupl ligção de configurção cis (Covington, 2004). A fmíli ω3 otém-se trvés d síntese do ALA e fmíli ω6 trvés d síntese do LA (Figur 3), prtir dos quis são sintetizdos os ácidos rquidónico (AA), eicospentenóico (EPA) e docos-hexneóico (DHA) (Souz et l., 2007). Figur 3 Metolismo dos ácidos gordos d fmíli ω3 e ω6 (dptdo de Mrtin et l., 2006). O ALA é responsável pel produção de EPA e DHA, que são precursores de um grupo de compostos eicosnóides do qul fzem prte prostglndins, tromoxnos, prostciclins, lipoxins e leucotrienos (Rodrigues e Moris, 2008). 17

19 INTRODUÇÃO De cordo com os mesmos utores, s gordurs e s proteíns do pescdo estão relciondos com os efeitos enéficos n prevenção de diverss doençs, prticulrmente n DC, devido à modificção de fctores de risco origindos pelos múltiplos mecnismos. As inflmções metólics de ix densidde não são detectds pelos doentes e desempenhm um ppel muito importnte no precimento ds referids doençs, um vez que dão origem o precimento e grvmento d terosclerose (Engler et l., 2005; Nettleton e Ktz, 2005; Breslow, 2006; Crpentier et l., 2006; Shoelson et l., 2006; Thorsdóttir et l., 2007; Prr, et l., 2008; Rodrigues e Moris, 2008; Rmel et l., 2009; Rmel et l., 2010). A terosclerose é um processo que origin lesões o nível do sistem vsculr, e é crcterizdo pel infiltrção ds céluls fgocitáris e do depósito do colesterol so form esterificd nos seus diferentes grus de oxidção (Figur 4). Este processo pode ser precoce, como por exemplo n dolescênci, sem que sej detectdo e despistdo. O colesterol so form esterificd provém ds lipoproteíns modificds, ou sej, que sofrem lterções provocds pels céluls ls fgocítics (fgocitose) originndo s fom cells (céluls espumoss). No desenvolvimento e consequente grvmento deste processo (teromtoso), s plcs umentm de extensão e originm o crescimento d espessur firo-musculr ds predes ds rtéris ris (Figur 4) (Rodrigues e Moris, 2008). Figur 4 Aterosclerose (www.medmovies.com). À medid que s plcs crescem pr o interior ds rtéris circulção snguíne é fectd, e trvés d instilidde ds plcs ocorre formção dum tromo n 18

20 INTRODUÇÃO superfície d lesão terogénic, dndo origem isquémi (ngin do peito) ou o enfrte do miocárdio (Rodrigues e Moris, 2008). O colesterol é um sustânci lipídic sintetizd no fígdo. É indispensável no orgnismo o nível d preservção ds memrns celulres, pr produção de hormons, vitmin D e ácidos ilires que fcilitm digestão ds gordurs (http://www.ehelthmd.com/lirry/lowercholesterol/lc_whtis.html). Existe, por vezes, um sore-produção de colesterol no orgnismo, o que provoc su entrd n circulção snguíne. O colesterol é um sustânci insolúvel no sngue sendo o seu trnsporte medido pels lipoproteíns que podem ser LDL ou HDL. Qundo s LDL estão em excesso no sngue, o colesterol pode cumulr-se, lentmente, ns predes ds rtéris que irrigm o corção e o cérero, tornndo-s mis estreits e menos flexíveis, como já foi descrito nteriormente. Por outro ldo, s HDL protegem s rtéris porque ctum o nível d eliminção ds LDL, diminuindo deste modo o risco de DC (Breslow, 2006; Rodrigues e Moris, 2008; Rmel et l., 2009; O orgnismo necessit do colesterol que é trnsportdo pels LDL pr que o metolismo ocorr normlmente, um vez que o colesterol é extremmente importnte pr inúmers iofunções, tis como hormonogénese e turnover ds iomemrns. O HDL ctu o nível d remoção do colesterol totl que é depositdo em excesso nos tecidos extr-hepáticos. Qundo os vlores de colesterol LDL estão ssocidos níveis ixos de HDL verific-se um dos fctores de risco pr DC. Por outro ldo, níveis elevdos de triglicéridos umentm tmém predisposição pr s doençs crdiovsculres, um vez que dão origem LDL de dimensões menores e mior densidde, estndo ests mis susceptíveis de oxidrem, ssim como, s HDL perdem su funcionlidde n remoção do colesterol tecidulr (Figur 5) (Rodrigues et l., 2008; Rmel et l., 2009). As LDL que circulm ou s que se cumulm n estrutur d prede vsculr podem sofrer, por su vez, recções de oxidção provocds por espécies rectivs, soretudo envolvids nos mecnismos de defes ou como y-products dos processos metólicos que utilizm o oxigénio. As LDL oxidds ctum no processo terogénico celerdo d prede vsculr disfuncionl (Rodrigues et l., 2008; Rmel et l., 2009). No entnto, o precimento ds LDL oxidds pode ter influênci no tipo de gordurs que são ingerids, podendo est cção ser minimizd com o consumo simultâneo de limentos ou trvés d incorporção de ingredientes com proprieddes ntioxidntes. 19

21 INTRODUÇÃO N Europ pontm-se pr vlores médios de colesterol totl no sngue inferiores 190 mg/dl, no entnto, n populção em gerl, tendênci será pr vlores superiores os recomendáveis pel Direcção Gerl de Súde (www.dg-sude.pt). Figur 5 Colesterol HDL e LDL (http://www.medmovie.com). Segundo Fehily et l. (1994) os MUFA e os PUFA do tipo ω6 presentes n gordur do peixe têm proprieddes o nível d prevenção dests doençs, um vez que contriuem pr redução dos níveis de colesterol totl. Os PUFA do tipo ω-3, como o EPA e o DHA possuem proprieddes nti-terogénics e nti-tromótics (Rodrigues e Moris, 2008), ssim como modulm o metolismo ds prostglndins possuindo, então, proprieddes nti-inflmtóris inflmtóris (DeFilippis, 2006; Mrtin et l., 2006) e proporcionndo desse modo enefícios significtivos pr súde e em-estr (Rodrigues e Moris, 2008). O umento do consumo dos produtos d pesc ou dos produtos suplementdos com ácidos gordos ω3 (EPA e DHA) tem sido indicdo n protecção contr s doençs do foro crdiovsculr e n morte premtur. Os ácidos gordos ω3 são os medidores que ctum o nível d ctivção dos fctores de trnscrição que estão relciondos com expressão dos genes envolvidos n oxidção e n síntese dos lípidos. O efeito result d redução dos níveis dos triglicéridos plsmáticos e d lterção ds LDL terogénics, tmém denominds de LDL tipo B. Pr lém destes efeitos, os ácidos gordos ω3 contriuem pr diminuição d crg excessiv siv produzid pel síndrome metólic, ssim como, modulção d inflmção, d normlizção d ctividde plquetári, d função endotelil e d tensão rteril (Rodrigues et l., 2008). 20

22 INTRODUÇÃO De cordo com Rodrigues et l. (2008), inúmeros estudos desde os nos 70 do século pssdo evidencim que o consumo do pescdo influenci directmente o estdo de súde, e mostrrm que existe um relção entre o consumo destes produtos e protecção contr s DC e morte precoce. Esses estudos demonstrrm ind que existe um diminuição n incidênci d morte premtur com origem no enfrte do miocárdio que estv intimmente relciondo com o umento do consumo de peixe. Ddo que os consumidorres de peixe presentvm txs de sorevivênci superiores à dos não consumidores, registndo este grupo (não consumidores de peixe) s txs mis elevds de doençs crdiovsculres. Os estudos indicrm ind que pr consumos semnis de um ou mis refeições à se de peixe os níveis de risco d DC diminuem significtivmente (Wng et l., 2006; Prr et l., 2008; Rodrigues et l., 2008; Rmel et l., 2009; Rmel et l., 2010). Estudos mis recentes, desde décd de 90, confirmrm que o umento do colesterol dietético é provocdo pelos elevdos níveis de colesterol presente no sngue, e como consequênci o risco ds doençs crdiovsculres tmém ument. Este fctor é de extrem importânci, um vez que o colesterol ingerido n diet está ssocido o consumo de SFA. Existem fctores que podem influencir form como o corpo irá intergir com o colesterol dietético, tis como idde, o sexo, distriuição d diposidde corporl, e o mis importnte composição d diet em ácidos gordos. Existem dus clsses de ácidos gordos dietéticos que podem umentr os níveis de colesterol plsmático, os SFA de origem niml e os ácidos gordos so form trns que são produzidos no processo de hidrogenção dos óleos vegetis (Engler et l., 2005; Moordin et l., 2006; Rodrigues et l., 2008). A estrtégi gerl pr diminuição do colesterol consiste em limitr ingestão de produtos ricos em colesterol e n redução de gordurs, especilmente s SFA de origem niml. O ácido oleico presente no zeite virgem e extr virgem fz prte ds gordurs serem incorpords n elorção dum diet prudente (Moordin et l., 2006; Rodrigues et l., 2008). O consumo de pescdo previne s doençs crdiovsculres, um vez que result d cominção de vários mecnismos tis como, redução dos triglicéridos plsmáticos, redução d pressão rteril, melhori d perfusão snguíne, melhori ds rritmis crdícs, diminuição d inflmção e melhori de rectividde vsculr (Breslow, 2006; Thorsdóttir et l., 2007; Rodrigues et l., 2008). A Americn Hert Assocition recomend à populção em gerl ingestão de dus ou mis refeições de peixe, rico em PUFA (ω3), nos regimes limentres e, os portdores ds doençs coronáris, um consumo diário igul ou superior 1 g de EPA e DHA (Rodrigues et l., 2008). 21

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROVA DE BIOLOGIA- VESTIBULAR 2007 ABERTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROVA DE BIOLOGIA- VESTIBULAR 2007 ABERTA Vestiulndo We Pge www.vestiulndowe.com.r UNIVERSIDDE FEDERL DE JUIZ DE FOR PROV DE IOLOGI- VESTIULR 2007 ERT 01) O esquem ixo ilustr de form sintétic o processo de formção de gmets (meiose) de um indivíduo

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico Influênci d Remoção dos Extrtivos de Resíduos de Mdeirs no Seu Poder Clorífico T. Rossi, L. F. de Mour, P. R. Torquto c, J. O. Brito d. University of São Pulo, Pircic, ticine@usp.r. University of São Pulo,

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Martins 2, A. Ramos 3, P. Sequeira 1

A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Martins 2, A. Ramos 3, P. Sequeira 1 CARACTERIZAÇÃO DO VINGAMENTO DA AZEITONA EM CULTIVARES DE OLIVEIRA EM AUTOPOLINIZAÇÃO CHARACTERIZATION OF OLIVE CULTIVARS FRUIT SET IN SELF-POLLINATION A.M. Cordeiro 1, P.C.S. Mrtins 2, A. Rmos 3, P. Sequeir

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

SEPARAÇÃO CROMATOGRÁFICA

SEPARAÇÃO CROMATOGRÁFICA SEPRÇÃO CROMTOGRÁFIC CLSSIFICÇÃO DE MÉTODOS CROMTOGRÁFICOS EM COLUN Classificação geral Método específico Fase estacionária Tipo de equilíbrio mostra Fase móvel Cromatografia líquida (LC) (fase móvel:

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

Equivalência Estrutural

Equivalência Estrutural Equivlênci Estruturl Jefferson Elert Simões sedo nos rtigos: Structurl Equivlence of Individuls in Socil Networks (Lorrin & White, 1971) Structurl Equivlence: Mening nd Definition, Computtion nd ppliction

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E HOMEOSTASE DO FERRO NO DIABETES TIPO 1 EM MODELOS ANIMAIS

PARTICIPAÇÃO E HOMEOSTASE DO FERRO NO DIABETES TIPO 1 EM MODELOS ANIMAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO NÚCLEO DE PESQUISAS EM BIOLOGIA LABORATÓRIO DE BIOQUÍMICA METABÓLICA PARTICIPAÇÃO E HOMEOSTASE DO FERRO NO DIABETES TIPO 1 EM MODELOS ANIMAIS Autor: Mís Silv Orientdor:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Colchões mais seguros

Colchões mais seguros Colchões mis seguros Eficáci comprovd n prevenção e terpi de úlcers por pressão Úlcers por pressão um grve risco à súde Apesr de todos os vnços d medicin, s úlcers por pressão (tmbém denominds escrs de

Leia mais

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopeneus vnnmei Alberto J. P. Nunes, Ph.D. 1 * Pedro Henrique Gomes dos Sntos 1 Silvi Pstore, M.Sc. 2 1 LABOMAR

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL RFEL RDOSO ntrodução O prinípio d proteção diferenil é de que som ds orrentes que entrm n

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

Sporanox é um medicamento para o tratamento de infecções fúngicas.

Sporanox é um medicamento para o tratamento de infecções fúngicas. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Spornox 100 mg cápsuls Itrconzol Lei tentmente este folheto ntes de tomr este medicmento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidde de o reler. - Cso

Leia mais

Vívian Paulino Figueiredo

Vívian Paulino Figueiredo Vívin Pulino Figueiredo A INFECÇÃO EXPERIMENTAL PELO Trypnosom cruzi AGRAVA O DESENVOLVIMENTO DE LESÕES ATEROSCLERÓTICAS EM CAMUNDONGOS APOE -/- Ouro Preto Mrço de 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 14-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 15, 2015 Dengue Em 2015,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO Teti, L.M.E.H. (1) ; Sntos, V.M. (1) ; Escor, I.E.C. (1) ; Mi, L.C. (1) lyssndr_teti@hotmil.com (1) Lortório de Micorrizs,

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL I Jornd Científic e VI FIP do CEFET Bmuí Bmuí/MG - 8 ESTUDO COM LUNOS DO CEFET BMBUÍ SOBRE ENERGI ELÉTRIC E MEIO MBIENTE, PROPONDO EDUCÇÃO MBIENTL Bárr níl de OLIVEIR (); Ronilson Rodrigues COST (); Chrles

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A EQUIVALENTES DE THÉVENIN E NORTON E MÉTODOS DIRETO E INDIRETO DE MEDIR UMA RESISTÊNCIA

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRABALHO PARA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO AMBIENTAL

ESTAÇÃO DE TRABALHO PARA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO AMBIENTAL ESTAÇÃO DE TRABALHO PARA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE CONFORTO AMBIENTAL José Homero Feitos Cvlcnti, (NEUROLAB) zevhom@uol.com.r Antonio Souto Coutinho, (PPEMP/CT/UFPB) soutocoutinho@produco.ct.ufp. Luiz Bueno

Leia mais

Citologia das alterações leucocitárias

Citologia das alterações leucocitárias Citologi ds lterções leucocitáris Principis lterções leucocitáris recionis o Infecções bcterins e processos inflmtórios gudos: frequentemente há leucocitose com desvio à esquerd gerlmente esclondo nesss

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 5-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 4, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais