2 Conceito de Marketing - Histórico 2.1 Marketing no Mundo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "x~w~::n#m@$ijw;;mm~wtmm.lli:wm.m~@wmmw@ 2 Conceito de Marketing - Histórico 2.1 Marketing no Mundo"

Transcrição

1 Markting m Bibliotcas: uma anális I OS CONCEITOS DE MARKETING EM BIBLIOTECAS * Tal procupação é part d outra d maior nvrgadura, d apropriação pla Bibliotconomia d concitos provnints a dos procssos d áras afins. Em dcorrência, s o prsnt studo partiu d uma rvisão, sua condução ao lgr o uso dos concitos nquanto catgoria d anális dos txtos rvisados, acabou nos lvando a rflxõs qu xtrapolam nívis mramnt dscritivos da problmática nvolvida. RESUMO: Anális do uso d concitos m l3ibliotconomia, qustionando a apropriação a aplicação do concito d marhtirui m bibliotcas, através da xposição do histórico do concito catcgorização d suas dfiniçõs. PALAVRAS-CHAVE: Bibliotcas; Markting. Como s sab, a apropriação d concitos pla Bibliotconomia, quando fita sm critérios rigorosos, ao invés d auxiliar, acaba dificultando a aprnsão a rsolução dos problmas. Diant disso, notamos a ncssidad d construção d critérios rigorosos para laboração apropriação d concitos na ára, uma vz qu ls srvm para dtrminar orintar práticas concrtas. A ára carc d um corpo concitual prciso, capaz d dar conta d sua complxidad atual. Claro, nossa prtnsão a qu não é ralizar tal tarfa, mas dar um passo para qu tal rflxão s faça. Quando isso ocorrr, nossos objtivos srão alcançados a ára com crtza ganhará m rigor atndimnto. Maria n::;d1~%~ ":Dh Cristina Tlls Frrira** :~w~n:. 2 Concito d Markting - Histórico 2.1 Markting no Mundo Sgundo Schilsingr (971), marhting não é uma atividad nova. Para l, "dsd a mais rmota antigüidad, os homns prmutam aquilo qu lhs sobra por aquilo d qu carcm (Schilsingr, 1971, pág. 580), isto é, stablcm rlaçõs comrciais. Por isso, tomado m ssência, o rnarhting xist dsd qu os primiros homns iniciaram a atividad d comrciar". 1 Introdução ãosndo a Bibliotconomia um campo d conhcimnto autônomo, com métodos concitos próprios, dv tomar d mpréstimo concitos d outras áras, como as Ciências Sociais, a Psicologia, a Lógica, 3 Filosofia, ntr outras. Ora, muitas vzs a utilização d tais concitos ocorr sm critérios rigorosos, como s os msmos fossm, m alguns casos xtrmos, soluçõs mágicas para problmas complxos, d difícil solução. Os discursos às vzs s portam como s fossm autênticas varinhas d condão, capazs d solucionar milagrosamnt as dificuldads qu afligm a ára. Sgundo o autor, s markttng não é atividad nova, a complxidad dos caminhos qu lvam o fluxo da produção ao mrcado consumidor, o é. "Novas diz o autor - são as quaçõs da produção m massa qu xigm soluçõs d mrcado m massa. Novos são os procssos a técnica smpr m crscnt volução dssa atividad d comrcia" (Ibid, pág. 581). utilizado nas Ciências conômicas Por outro lado, (Baptista 1988), afirma qu rnarhting tv origm na suprprodução. Durant a Primira Gurra Mundial, a produção industrial ficou concntrada m torno do conflito, não havndo quas produção d bns d consumo. Ao trminar a Gurra, as indústrias voltaram a produzir normalmnt, N Schilsingr diz ainda qu, dsd o advnto da máquina qu substituiu o al1sanato, tornando-s instrumnto d produção m massa, o rnarkting s agiganta procurando formar um mrcado d massa qu absorva a produção numa vlocidad crscnt. Sgundo l, dcorru daí o fato d o su mcanismo star Nss sntido, tomando como bas nossa própria xpriência as m função do trinômio produção-distribuição-consumo. dsconfianças dlas rsultants, procuramos nst artigo, através d uma anális Trinômio st, qu rqur spcializaçõs nos mais divrsos stors: da litratura sobr o tma do marlting m bibliotcas vrificar como a ára v01 utilizando o concito d markting nos difrnts studos ralizados sobr o Promoção d vndas, Psquisa d mrcados, Publicidad, Rlaçõs Públicas, assunto, a fim d obsrvar como a litratura apropriou-s do concito do marktinâ Técnica d varjo outros. administrativas. Txto laborado a partir d Trabalho d Conclusão Bihliotcária das Faculdads Ohjtivo 26 R. bras. Bibliotcon. d Curso aprsntado Do., São Paulo, v. 26, n.1/2, à ECA-USP jan.ljun.1993 FI. bras. Bibliotcon. Do., São Paulo, v.26, n.1i2, jan.ljun

2 Marhcting m Bibliotcas: unta anális não havndo dificuldad m colocar o produto ra maior do qu a ofrta. Marting m Bibliotcas: uma anális no mrcado, porqu a procu-, 2.2 Markting no Brasil No Brasil, a palavra markting também é ncontrada como Ainda sgundo o autor, foi nsta conjuntura qu nascu a prática d' mrcadologia m alguns autors. marhting. Para l sobrvio a Sgunda Gurra, novamnt, a produção Surgiu m 1947, como nologismo, no livro "Ciência da ficou concntra m torno do conflito. Ao fim da Gurra, a situação antrior da produção industrial xcssiva Administração", do profssor Álvaro Porto Moitinho, sndo concituado dss é o studo do mrcado comprnd o xam voltou, acrscida d novos modrnos produtos, tornando ncssária a modo: "Mrcadologia conhcimnto das condiçôs tndências do mrcado para qu, m utilização d rnarlting no mundo dos ngócios (Ibid. pág. 96). consqüência s possa orintar com acrto, a política comrcial" (Arants, Amélia Silvira (992), cornplmntando os dados d Baptista, informa 1985, pág. 62). qu os studos d markiting tivram início nst século, por mais d Em 1954, ao iniciar as suas atividads, a Escola d Administração d cinqünta anos, a função do rnarhting foi orintada para a produção vnda Emprsas d São Paulo usava a xprssão "Distribuição Vndas" para das mprsas. dsignar aquilo qu os povos d língua inglsa dnominavam marting "A orintação para a produção s caractrizava pla concntração dos (Richrs, 1985, pág. 80) sforços organizacionais no dsnvolvimnto d produtos na rdução dos Como a markting ngloba dois sntido - o d dnominar uma áras custos opracionais nos mios d produção", afirma l. E prossgu: "A d studos, o sntido d ação, d movimnto, - a palavra mrcadologia, orintação para vndas buscava influnciar o mrcado por mio d instrumntos juntamnt com a palavra rnrcadização, foi adotada m 1957, pla Escola promocionais, visando o aumnto do consumo dos produtos xistnts d Administração d Emprsas d São Paulo como tradução d markting. (Silvira, 1992, pág. 29). Como s vê, também no Brasil, a ntrada do marlting s dá no Sgundo a autora, ainda, ao analisar as causas da stagnação falências momnto m qu os projtos dsnvolvimntistas dos anos 50 são colocados das mprsas amricanas no final dos anos cinqünta, acrditava-s qu a m circulação a idéia d consumo m larga scala comça a tomar corpo razão qual o dsnvolvimnto d alguns stors stava sndo amaçada ou no país. rtardado, não ocorria porqu o mrcado stivss saturado, sim porqu havia uma falha administrativa na cúpula da organização. Dfndia-s qu a chav do sucsso mprsarial não ra produzir 2.3 Markting m Bibliotcas vndr, mas voltar a atnção para o clint, proporcionando sua satisfação, Apsar d Frguson 0977, pág. 15), afirmar qu a primira ocasrao m qu s ouviu falar m marhting aplicado aos srviços d informação, tornando a mprsa um órgão dstinado a criar atndr dmandas. A função d marhting passava a sr ntndida como uma forma d foi m um sminário ralizado na Univrsity of Maryland nos Estados Unidos, rspondr d manira ficint satisfatória as ncssidads xplícitas ou m 1971, m 1970, Escobar Sobrino 0975, pág. 43), na Espanha, já havia implícitas do consumidor, sndo os produtos dsnvolvidos voltados para 3 publicado uma obra intitulada "Marting para bibliotcários" Em 1971, vários organismos como a National Scinc Fundation's, a Division of Scinc Information o Dnvr Rsarch Institut's, no Colorado, Havia uma volução do foco ou filosofia d rnarhting ; da produção studos sobr rnarhting, a ponto d, m 1975, vnda d produtos para o conhcimnto das ncssidads do clint. "O comçaram mprndr st tma sr bastant discutido nas runiôs do National Forum for Scintific propósito ou objtivo da organização, sob o novo nfoqu passava a sr o nos Estados Unidos. lucro mdiant a satisfação do clint, ou sja, a criação manutnção d u[11and Tchnical Communication, solução d sus problmas clint satisfito spcíficos. como mio d dsnvolvimnto da mprsa" (Ibid. pág. 21) Nss aspcto, localizam-s nos anos 70 as primiras iniciativas d rnarkting m bibliotcas, tanto nos E.U.A. como na Europa, com os Invitávis dsdobramntos para o Brasil nos anos subsqünts. Apsar das visívis difrnças ntr autors, a xposição acirn' vidncia a xistência d um parallismo tmporal ntr as socidads d Em outras palavras, é no bojo das grands transformaçôs mundiais massa as novas stratégias d mrcado por las xigidas, ou sja, o martini Nss sntido, marhting é um fnômno contmporâno qu rspond i OCorridas nos sistmas d informação, a partir dos anos 70, qu o trmo marktinr, passa a fazr part do rprtório d Bibliotconomia, crscndo globalização dos mrcados consumidors. m importância dsd ntão. 28 R. bras. Bibliotcon. Do., Sao Paulo, v. 26, n.1/2, p ,Ian. rjun, 1993 R b. raso Bibliotcon. Do., São Paulo, V. 26, n.1/2,. lan./jun

3 Marhttng m Bibliotcas: uma anális Marting m Bibliotcas. uniq anális 3. As Dfiniçõs do Concito laçõs d troca. Silva nos dá a sguint dfinição: "São aqulas atividads rcidntais ncssárias para ftivar rlaçõs d troca". Outra variant d Silva Não é fácil aprndr o significado do trmo markting. A bibliografia é' ~976, pág. 31): "É o_conjunto d: atividads humanas qu tm por objtivo a variada dmonstra uma multiplicidad tal d pontos d vista qu, muitas vz, facilidad a ralização d trocas. torna-s difícil ncontrar pontos d contato ntr os autors. ' Kotlr'também nfatiza as rlaçõs d troca nsta dfinição: "Markting é Essa situação obrigou-nos a ralizar uma catgorização dos difrnts a administração ficaz, por part d uma organização, d suas rlaçõs d troca concitos, a fim d podrmos xtrair lmntos qu prmitam tntar comprndr com sus vários mrcados públicos". o sntido do trmo na litratura. Em qu psm as difrnças circunstanciais ntr os autors, o qu s O nosso lvantamnto foi xaustivo na dfinição do concito d markting pod notar é a xistência d uma convrgência d ntndimnto. Para os difrnts Dntr as muitas dfiniçõs ncontradas runidas nas catgorias por nós' stablcidas, dsconsidramos aqulas com contúdo mramnt rtórico como, autors, markting é um conjunto d procdimntos spcializados com o objtivo por xmplo, a d Zandr Campos da Silva m su Dicionário d Markting d rntabilizar organizaçõs. Propaganda. O autor afirma qu Marting comprovadamnt não é somnt uma ciência, mas também uma função, um stado d spírito (Silva, 1976, pág. 13). DEFINIÇÕES CATEGORIAS Para Kotlr, "Markting" é a altrnativa filosófica à força" (Kotlr, 1985, "MA é o dsmpnho das atividads d ngocros pág. 86). Entr os concitos por nós catgorizados, tmos um rol distribuído da MA * nquanto dirtamnt rlacionados com o fluxo d bns srviços sguint forma: conjunto d dos produtos até os consumidors ou usuários," A) Marhting nquanto conjunto d procdimntos spcializados. (Silva, 1976, p.12) procdimntos B) Markting nquanto stratégia d consumo. spcialixados C) Markting nquanto planjamnto d produção + stratégia d consumo. A) Markting nquanto conjunto d procdimntos "É a xcução, por uma mprsa, d todas as atividads ncssárias para criar, promovr distribuir produtos qu stjam d acordo com a dmanda atual ou potncial com a sua capacidad d produção." spcializados Para Silva, markting é o dsmpnho das atividads d ngócios dirtamnt rlacionados com o fluxo d bns srviços dos produtors até os consumidors ou usuários (Silva, 1976, pág. 12). É também "a xcução por uma mprsa, d todas as atividads ncssárias para criar, promovr distribuir produtos qu stjam d acordo com a dmanda atual ou potncial, com a sua capacidad d produção" (Ibid, pág. 30). (Silva, 1976, p.30) "É a xcução das atrividads qu dtrminam o fluxo d bns srviços do produtor até o último consumidor." (Silva, 1976, p.31) Além disso, "é a xcução das atividads qu dtrminam o fluxo d bns srviços do produtor até o último consumidor" (Ibid, pág. 31). Como s vê, Silva atribui ao markting um suposto papl catalisador nas atividads comrciais, rssaltando o carátr spcializado dos procdimntos m su conjunto. "É um procsso grncial nvolvndo as atividads d anális, planjamnto, implmntação control, O MA também pod sr visualizado como um procsso social m qu as ncssidads matriais d uma socidad são idntificadas, xpandidas srvidas por um conjunto d instituiçõs," Na msma linha, surg uma dfinição d Kotlr, qu nfoca difrnt' atividads, chamando, porém, a atnção para a qustão grncial. Para l "markting é um procsso grncial nvolvndo as atividads d anális, planjamnto, implmntação control. (Kotlr, 1985, p.86) O markting pod também sr visualizado como sndo um procss social m qu as ncssidads matriais d uma socidad são idntíficadas xpandidas srvidas por um conjunto d instituiçõs (Kotlr, 1975, pág. 86) _ Ainda como um conjunto 30 R. bras. Biblioton. d procdimntos, outra ênfas é dada Do., São Paulo, v. 26, n.1i2, jan.ljun as 'MA ~MARKETING R. bras. Biblioton. Do., São Paulo, v. 26, n.1/2, jan./jun

4 Marktirn; m Bibliotcas. unta anális Murkling m Bibliotcas. urna anális CATEGORIAS I DEFINIÇÕES MA * nquanto conjunto d procdimntos spcialixados "São aqulas atividads intlctuais ncssárias para ftivar rlaçõs d troca." (Silva, 1976, p.31) "Ê o conjunto d atividads humanas qu têm como objtivo a facilidad a ralização das trocas." (Kotlr, 1985, p.88) I) "MAé a administração ficaz por part d uma organização, d suas rlaçõs d troca com sus vários mrcados públicos." B) Markting nquanto stratégia d consumo (Kotlr, 1985, p.88) Em su Dicionário d Marlting Silva nos fornc duas dfiniçõs. Com pqunas variaçõs las vidnciam o papl do consumidor no procsso. Primiramnt o autor afirma qu Markting "é o dsmpnho das atividads comrciais qu dirigm o fluxo d mrcadorias srviços do produtor ao consumidor ou usuário". Dpois, continua dizndo qu "é a xcução da atividads d ngócios qu ncaminham o fluxo d mrcadorias srviços do produtor aos consumidors finais", qu podm sr "industriais comrciais". Prossguindo nssa linha, Silva conclui: "Ê o caminho mais curto qu lva ao mrcado os produtos xistnts, introduz os novos produtos, faz com qu um númro maior d pssoas particip mais cabalmnt da conomia d mrcado". CATEGORIAS MA * nquanto stratégia consumo d DEFINIÇÕES "Ê o dsmpnho das atividads comrciais qu dirigm o fluxo das mrcadorias srviços do produtor ao consumidor ou usuário." (Silva, 1976, p.35) 32 R. bras. Bibliotcon. Do., São Paulo, v. 26, n.1i2, jan.ljun CATEGORIAS I DEFINIÇÕES MA * nquanto stratégia consumo d "Ê O conjunto d todas as atividads cornrcrars rlacionadas com o movimnto d mrcadorias srviços, dsd sua produção física até su consumo final.." (Silva, 1976, p.36) "Ê a xcução das atividads d ngócios qu ncaminham o fluxo d srviços mrcadorias do produtor aos consumidors finais, industriais comrciais." (Silva, 1976, p.30) "Ê a xcução das atrividads qu dtrminam o fluxo d bns srviços do produtor até o último consumidor." (Silva, 1976, p.38) "Ê o caminho mais curto qu lva ao mrcado os produtos xistnts, introduz os novos produtos faz com qu um númro maior d pssoas particip mais cabalmnt da conomia d mrcado." (Silva, 1976, pa2) C) Markting nquanto planjamnto d produção + stratégia d consumo: A catgoria do rnarktirig nquanto planjamnto d produção, mais stratégia d consumo, é a qu nos fornc o maior númro d dfiniçõs. Várias são las. Algumas supõm a satisfação do consumidor, associada a planjamnto visando mlhorar a rntabilidad da mprsa. Primiramnt Baptista 0988, pág. 45), diz qu o "Marlting é a aplicação d vários conhcimntos cintíficos no sforço coordnado d planjar, organizar controlar as atividads da mprsa, qu orintam o f1uxo d mrcadorias srviços do produtor ao consumidor, d modo qu o consumidor fiqu plnamnt satisfito qu os objtivos da mprsa sjam alcançados. Complmntando a msma linha, Figuirdo 0991, pág. 13), diz qu "Markting é o sistma intgrado d atividads com o objtivo d planjar, produzir, promovr distribuir os produtos dsjados plos consumidors atuais potnciais, capazs d satisfazê-los". Silva afirma ainda qu "Marting é a anális control dos rcursos da mprsa, grados a partir do consumidor, com o objtivo d satisfazê-io m suas R. bras. Bibliotcon. Do., São Paulo, v. 26, n.1i2, jan./jun

5 Markting Markting m Bibliotcas: uma anális ncssidads dsjos, d forma lucrativa", (Silva, 1976, pág. 33). Silvira por sua vz, dfin Marting como sndo "um procsso Com uma séri d açõs programadas pla organização, qu s dsdobram no sntido d voltar-s para o mrcado, stablcr trocas voluntárias d valors com ss mrcado, por mio d um atndimnto ficint ficaz, ond o dlinamnto da ofrta, da organização m trmos d produto, prço, promoção distribuição, corrspond as ncssidads intrsss dos consumidors. Ajuda a organização a garantir sua sobrvivência dsnvolvimnto a longo prazo" (Silvira, 1989, pág.44). m Bibliotcas: uma anális s dstinam a otimizar o lucro d uma mprsa" (Silva, 1976, pág. 31). 4 Markting m Bibliotcas Em trabalho publicado m 1992, Silvira aprsnta um lvantamnto cronológico dos trabalhos sobr Markting m Bibliotcas. Sgundo Amélia Silvira, os primiros studos intrnacionais abordando o markting m bibliotcas univrsitárias, aparcm no início da década d stnta, momnto d procupação quanto aos princípios d markting. Ainda Silvira, na msma linha d dfinição afirma: "É a anális, o planjamnto, a implmntação o control d programas cuidadosamnt formulados projtados para propiciar trocas voluntárias d valors com mrcadosalvo, no propósito d atingir os objtivos organizacionais". Em 1977, Bllardo & Waldhart chamaram atnção para o fato d qu m algumas bibliotcas o markting significava sinônimo d promoção, publicidad propaganda, mbora ssas atividads rprsntassm part do programa d markting como um todo, consistindo para os autors m dcisõs atividads rlativas a anális sgmntação d mrcado ao composto d markting,. Sm mncionar a satisfação do consumidor, outros autors nfocam o bnfício do markting para a organização m si. Para Kotlr, Marlting "é a anális, o planjamnto, a implmntação control d programas cuidadosamnt formulados projtados para propiciar trocas voluntárias d valors com mrcadosalvo, no propósito d atingir os objtivos organizacionais" (Kotlr, 1985, pág. 88). Rssaltando o fato d qu cada bibliotca é um caso spcífico, os autors pondravam qu cada uma dlas tm "um stado d marlting" também, spcífico, isto é, "uma prcpção d matéria sgundo su próprio dsnvolvimnto". El complta ainda dizndo qu Marhting "é a ralização por part da organização, da atividads d anális, planjamnto, d irnplmntação d control, a fim d atingir sus objtivos d troca" (Kotlr, 1985, pág. 88). Silva fornc uma dfinição d carátr abrangnt: "Marting é a intração a intiração d todos os fators opracionais d todas as suas atividads funcionais, orintados para o consumidor d sus produtos, idéias srviços com os objtivos d tornar ótimo os sus lucros a longo prazo, promovr condiçõs d sobrvivência xpansão para a mprsa", (Silva, 1976, pág. 31). Afinado com sta idéia d rntabilidad, diz o autor: "Marting é o conjunto d atividads qu s dstinam a otimizar o lucro d uma mprsa assgurado a sua sobrvivência xpansão: (Silva, 1976, pág. 31). 3.1 Sínts das dfiniçõs Examinando-s as difrnts dfiniçõs, pod-s prcbr qu, apsar da divrsidad do aparnt caos, a noção d rntabilidad prpassa a maior part dlas, com variaçõs qu vão d uma maior xplicitação dsta msma rntabilidad nquanto objtivo do markting, até um dsvio complto da noção, não assumida no discurso. Como vimos no histórico, o qu stá m causa é a criação d novas stratégias d produção consumo d mrcado, capazs d rspondrm às novas configuraçõs sócio-conômicas das socidads d massa. Como diz Silva sm rodios, "Marhting é o conjunto d atividads qu 34 R. bras. Bibliotcon. Do., São Paulo, v. 26, n.1/2, jan.ljun.1993 Por outro lado, os autors manifstavam spranças d qu o rnarlting pudss rprsntar uma altrnativa futura d mudança na forma d administrar as bibliotcas univrsitárias m sus contxtos. Sgundo ainda Silvira, um outro autor, Mathw, aprsnta m 1980, a transformação da "função técnica" (lia-s conômica), do markting m função social. Prossguindo, Silvira afirma qu m 1982, Mark considrava qu o marlting não ra implmntado m bibliotcas univrsitárias, porqu os administradors não acrditavam m sua importância. Por outro lado, diz qu McDowll comntava nst msmo ano, qu muito já s havia falado a rspito do dsnvolvimnto d srviços produtos, mas poucas bibliotcas tinham partido para um concrto planjamnto d marlting, qu solucionass os problmas quanto a rdução d doaçôs cort no orçamnto da ducação suprior, visando aumntar a clintla mlhorar a rputação junto ao público m gral. Em 1983, continua Silvira, Hannabuss tcia considraçôs a rspito do markting como função administrativa qu, sgundo l, tinha muito a ofrcr às bibliotcas por mio da psquisa d mrcado. Sriam stablcidos dados qu possibilitassm a implantação d produtos srviços qu atndssm a dmanda d forma ftiva. Além da dtrminação produtos srviços, sriam stablcidos aspctos rlativos ao prço, distribuição promoção, bm como a vrificação sistmática quanto ao atingimnto dos Objtivos traçados. R. bras. Bibliotcon. Do., São Paulo, v. 26, n.1/2, jan.ljun

6 Markting m Bibliotcas: uma anális Para o autor, a adoção da atitud d markting, d sobrvivência às bibliotcas. Markting impunha-s como forma Esta ra também a visão d Rambhujum, qu ncarava a adoção d markting, como sndo um stado d spírito, prdisposição, atitud favorávl, ou vontad d aplicação d suas técnicas. Como Hannabuss, st autor considrava o markting como função inrnt à gstão das bibliotcas, stando su sucsso condicionado à intgração dos rsultados, ao nívl d planjamnto d implicação ou nvolvimnto das pssoas qu trabalhavam na organização. A nqut ralizada por Rambhujun, na Bibliotbêqu Unvrsitair d Bordaux, na França, m dois príodos sucssivos, 1978/ /81, rvlou a falta d comunicação ntr bibliotcários usuários, constatada plas informaçõs dos usuários qu não su dstino d uma forma dsjada pla bibliotca, plas informaçõs sobr a ração dos l:!suáriosjais potnciais qu não ram captados pla Bibliotca, no sntido d proporcionarm a rtroalimntação ncssária ao sistma. Concluiu o autor qu somnt uma aproximação com o markting, podria atnuar a situação d falta d comunicação rtroalimntação xistnt. Em 1984, informa Silvira, Lwis dfndia a idéia d qu o mrcado dvria provr as informaçõs para formar o sistma d mrcado. Sgundo o autor, ss sistma d mrcado sria instrumnto útil para avaliar o dsmpnho da bibliotca, dmonstrar sus rcursos, srviços produtos, xplorar novas tcnologias dntro d uma strutura adquada ao mrcado. Sgundo o autor, os princípios d markting prmitm o stablcimnto d um sistma d informaçõs, ralmnt intgrado rgulado plo mrcado. No ano sguint, Silvira nos diz qu, na Inglatrra, foi lançado um númro spcial d rvista spcializada "Information and Librarian Managr", runindo quatro trabalhos aprsntados pla "London and South East Circl of th Library Association's Collgs of Furthr and Highr Education Group". Naqula ocasião, um dos autors, o profssor Cronin, nfatizou a importância do rfinamnto dos srviços da inovação do ciclo d markting. Os dmais autors, Estv-Coll, Harris Cairns dfndram, basicamnt, a adoção da filosofia do markting m bibliotcas públicas acadêmicas, como forma d mlhor dfinir sus papéis. Por isso, para Silvira, xmplos mais incisivos da aplicação d técnicas d markting, stão nos trabalhos d Halprin & Strazdon & Lyl. Os dois artigos, d 1980, rfrm-s a studos d anális d mrcado ou d comunidad, mdindo ou dtrminando srviços prstados ao público. Ambos atribuíram valors numéricos m nívis aos srviços prstados, sndo os rsultados obtidos usados para simulação da scolha/utilidad. Para os autors, o conjunto d técnicas d anális d mrcado, foi um método útil para 36 R. bras. Bibliotcon. Do., São Paulo, v. 26, n.1/2, jan.ljun.1993 m Bibliotcas: uma anális rlacionar ftivamnt os srviços da bibliotca às ncssidads dos usuários. Além disso, Frguson, m 1977, afirmava qu markting ra uma nova palavra ao rdor do mundo da informação, também uma disciplina pragmática. Da msma forma, Silvira mostra como Parson, m 1982/83, focalizou as bibliotcas univrsitárias da África do Sul, dscrvndo aspctos rlativos a publicidad ao markting concluindo qu as difrnças ncontradas ntr os componnts d srviço podriam sr atribuídas a localização gográfica, aos cursos d tlcomunicação aos rcursos disponívis m cada bibliotca. 4.1 O concito sua filosofia S a rvisão d Amélia Silvira rvla um intrss indiscutívl para o psquisador profissional da ára, por outro lado mostra um limit claro. S autors xpostos abordam o assunto d forma bastant ampla, a rvisão apnas os rtomou, nfatizando os argumntos sobr a aplicação do markting m bibliotcas, sm qustionar nunca os concitos d markting m si, nm sua aplicação m bibliotcas. A autora limita-s a uma xposição cronológica dos trabalhos, tomando-os como "argumntos d autoridad" a srm acatados sm rflxão. Essa atitud é rforçada pla litura do artigo d Amélia Silvira, 1986, m ''Markting m Sistmas d Informação: visão gral". Nl a autora.dfnd xplicitamnt a adoção do concito d markting como filosofia d ação administrativa m sistmas d informação, além d abordar nss tipo d organização a sgmntação d mrcado, o produto, o prço, a promoção a distribuição como stratégia d markting. Todavia, não discut no trabalho jamais o concito d markting na prspctiva conõmica administrativa sua adquação ao studo dos complxos problmas qu nvolvm os sistmas d informação. 4.2 Qustionando o concito Assim como os trabalhos d Silvira, os d outros autors parcm sugrir a msma dirção d ausência ao tratar do markting m bibliotcas. Alan J. Andrasn, 1989, profssor psquisador do Collg of Commrc and Businss Administration da Univrsity of Illinois, m su trabalho intitulado "Avanço do Markting para bibliotcas", considra sua xpriência m consultorias para bibliotcas outras instituiçõs d srviço público, dizndo qu há concitos rrônos introduzidos no uso corrnt d markting.. "Há 'confusão ntr vnda ma rkting", "uso xagrado da stratégia do mlhor programa", "uso d dfiniçõs antiquadas d atituds". Para mlhorar as aplicaçõs atuais do markting, sugr a introdução d novos concitos do msmo, sm qustionar s é ou não prtinnt a aplicação do markting m bibliotcas. R. bras. Blbliotcon. Do., São Paulo, v. 26, n. 112, jan.ljun

7 MarktinM m Bibliotcas: uma anális Maruru; m Bibliotcas. uma anális Sofia Galvão Baptista (988), m "Aplicação d Marktinp, m Bibliotcas Srviços d Informação: uma introdução", aprsnta o assunto marhting m bibliotcas, através d sua origm concituação. Ela dfnd a aplicação do marting m bibliotcas srviços d informação na mdida m qu l "pod forncr um conjunto d técnicas instrumntos amplamnt tstados para idntificação das ncssidads prfrências do usuário". Como os dmais, a autora não qustiona s o conjunto d técnicas instrumntos amplamnt tstados, o são, tanto no contxto conômico administrativo, como no contxto d bibliotcas srviços d informação. Sm qustionar, a autora afirma qu o marlting pod dsprtar as ncssidads dsjos do usuário, tomando tal afirmação como sndo válida m si, algo a sr acatado, sm discussão. joyc A. Edingr, 1989, sobrvivência para as bibliotcas, uma stratégia d sobrvivência", programas d marhting. Porém, qustiona sobr o significado do considrando o marlting como stratégia d discut m "Marhting dos srviços da Bibliotca: as condiçôs ncssárias para o sucsso dos m nnhum momnto do trabalho, a autora s markting m bibliotcas. Com outro nfoqu, mas também sm rflxão, Donald W. King, 1989, m da Informação Scundária", fala da rlação dos da informação ao consumidor, como os componnts do "Marting dos Srviços Produtos srviços produtos markting Da msma forma, Darln E. Wigand dissrta sobr o tma m su trabalho "Distribuição do Produto da Bibliotca: a ncssidad d inovação". Nl, dscrv a "trcira variávl controlávl d marhting. o ponto d distribuição ou praça", sm s intrrogar sobr os instrumntos concituais d qu s srv. 5 Conclusõs A xposição da litratura sobr o "Marhting m Bibliotcas" lva-nos a qustionar a postura da Bibliotconomia no atual momnto, no qu s rfr a transfrência d concitos provnints d áras afins. S é rconfortant prcbr qu na busca d mdidas mais ficazs para o dsnvolvimnto da ára, os profissionais studiosos stjam atntos às inovaçõs, às soluçõs práticas "modrnas", às novas trminologias, por outro lado é incomprnsívl, o modo aprssado, sm rflxão, com qu a bibliotconomia assimila conhcimntos concitos. Não sndo uma ára autônoma, é natural qu procur apoio m outras disciplinas. Todavia, ssa atitud tm qu sr sguida d críticas, d rflxão sobr prssupostos dos concitos assimilados. notório 38 O modo xmplo como o concito d markting vm sndo usado pla ára é d apropriação indébita, indicando-nos a ncssidad d uma R. bras. Biblioton. Do., São Paulo, v. 26, n.1i2, jan.ljun.1993 mudança d atitud dos profissionais studiosos, ocon:r o sprado dsnvolvimnto do campo. a fim d qu ralmnt possa Como vimos, a noção d rntabilidad prpassa os divrsos concitos nas múltiplas dfiniçõs dos concitos d marktinp,m Economia Administração. Porém, quando s trata d dfinição nas "organizaçõs não lucrativas", o qu tmos é uma analogia forçada, qu não consgu disfarçar o primarismo d argumntaçõs como sta: "O lucro dss tipo d organização é rprsntado pla satisfação do USUáI10, ou sja: a criação manutnção d um clint satisfito como mio d dsnvolvimnto da mprsa" (Silvira, 1989, pág. 8} A informação, produto intangívl, na aplicação do concito d rnarting mostra-s quivalnt a um produto concrto, d contxto mrcadológico, como s foss um sabont. Dss modo, sua spcificidad não é considrada, ou sja: não é considrado o fato d qu la stá insrida m um contxto simbólico sujito a rgras difrnts das rgras do contxto das mrcadors concrtas. Logo, a utilização sm ajusts, d um msmo concito para fnômnos distintos é dscuido, falta d rigor, qu pouco podrá contribuir para o dsnvolvimnto da ára. Sndo assim, spramos qu profissionais studiosos caminhm m dirção à construção d critérios rigorosos no campo bibliotconômico. A ára stá xigindo uma linguagm prcisa, critriosa adquada, só dssa forma podrmos alcançar a ficiência nas práticas concrtas a rsolução dos problmas prtinnts qu há muito nos afligm.,.m."" m. ~ ~"' "...,.'..,.; ~...w...,..w " '.'~...,,-~.-.-~ '._._,.. w.wu... " "., ".wi " ,~.''''.'... "-~.,,."" _._._;_._._._._.',_,.,.,."~...",,.' ".. " ".,,'.,,~''''''''''..,:...'..N;." "'..;~...;.'.v..... ",.'...;,_ ".... ;7"..,]..... '.... y;.ú ú.,'''cc,.ú,..,,~ Th concpts of markting in library ABSTRACT: Thc papr analyss thc concpts in Library Scinc, qustíoníng thc appropriation anl th application of th "markting'tconccpt in libraris, through th historical prsntation of th concpt anl assignrnnt of its lfinitions into catcgoris. KEY WORDS: Libraris, Markting C::=:::.~::- ' _ _ :"'-~:~~:::::::'=:=:::::::::::':'='::::--=::::::~.:=:~::'='-==~=::===:,:,~::===:':~::::~:,::,=:=~~:::::D:=:;;:J REFERíNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAPTISTA, Sofia Galvão. Aplicação l markcting m bibliotcas srviços l informação: lima introdução. Ruista d Bihliotconomia d Brasilia, Brasilia, 1I'i(1): jan/jun 1988 BELLARDO, T. & WALDHART, Thornas ]. Markting products anl srvics in accadrnic libraris. Libri, Conpcnhagn, 27(3):181-94, CRONIN, Blais, cd. Th markting of library and information sruics, Lonlon: Aslib, 1981, 360p. R. bras. Biblioton. Do., São Paulo, v. 26, n.1i2, jan./jun

8 Markting m Bibliotcas. uma anális ESTEVE-COLL, Elisabcth, Markting and th accadmic library. Information and Lihrarv Managr, Carnhs, 5(3): 1-7, Dc FERGUSON, Douglas. Markcting onlin srviccs in thc univcrsity. Onlin, Wston, 1(3): 15-23, July FIGUEIREDO, Nic. Markting m sistma d informação. Mtodologias para a promoção do uso da informação. São Paulo: Nobl, 1»»1, p FIGUEIREDO, Nic. Técnicas idéias para promovr o uso da informação. Rvista Brasilira d Bihliotconomia Documntação, 21(3/4):85-100, jul/dcz, 1»88. HALPERIN, Michal & STRAZDON, Maurn. Masuring studcnt's prcfrcnccs for rfcrncc srvíccs: a conjoints analysis, Library Quatriy, Chicago, 50(2):208-24, apr. 1»80. HANABUSS, Stuart. Mcasuring th valu and markcting th scrvicc, anl approach to library bnfit. Aslih Procdings, London, 35(0):418-27, oct. 1»83. HARRIS, Colin. Surbcying thc us r anl uscr studis. Information and Library Managr, Carnbs, 5(3):»-14, sc. 1»85. KOTLER, Philip. Marting para orgariizaçôs qu não visam o lucro. São Paulo, Atlas, 1978,430 p. LYLE, jack W. Indiana Stat Untursity Undrgraduat Studnt's Cbannls of Knouidldg of and us of Cuningbam Mmorial Lihrary's Puhlic Snncs. Arlington, VA., Educational Rsourcs Informatíon Contr, 1980, 32 págs. (Eric Rcport). MARKEE, Kathrin M. Onlin Srvícs Markting In. NATIONAL ONLINE MEETING, Procdings. Mcdford, N.]. Larrd information, 1982, pág. 32»-34. McDOWELL, Billic L. Basic Stratgis for Markting Communty Collg Library Srvics. Comrnuriity ôfunior Collg Libraris, Nw York, 1(1)3»-43. Fali, MATHEW, Rajir M. Modcrn Markting Tcchniqus for thc Elfcctivc Managrncnt of Univrsity Librarics. Hrald of Library Scins, lndia, 1»(3);IY8-201, July, OLIVEIRA, Silas Marqus d. Markting sua aplicação m bibliotcas: uma abordagm prliminar. Ciência da Informação, 14(2):137-47, jul/dcz, PEAHSON, Annctt. Onlinc Inforrnation Rtricval in som African Univcrsity Libraris. In: INTEHNATIONAL ONLINE INFORMATION MEETING, ó, London, Procdings. Oxford, Lcarnd Information, '.445-')3. RAMBHUJUN, N. Corurtbution à Ia Connaissanc t Ia Msur ds Objctifs ds Bibliotbêqus Uniorsitairs. Bourdcaux, DEA Gcstion dcs Organisations. Univrsité d Bourdcaux, I 197», 88 p. SCHLENSINGER, Hugo. Dicionário d vndas. São Paulo: Ricla, 1»71, ó03 p. SILVA, Zandr Campos da. Dicionário d Martiru; propaganda. Rio d Janiro: Palias, 1»7ó, 208 p. SILVEIltA, Amólía. Org. Markting m bibliotcas srviços d informação: txtos slcionados. Brasília: IBICT, p. SILVEIRA, Amélia. Markting m hihliotcas univrsitárias. Florianópolis: Ed. Da UFSC, »8 p. SILVEIltA, Amélia. Markting m bibltotcas uniursitúrtas: volução, transfrência d princípios studo da aplicação no Sistma Intgrado d Bihliotccas da Univrsidad d São Paulo. São Paulo: ECA/USP, 1»89. 33ó p. Ts (doutorado). SILVEIltA, Arnélia. Markting m sistmas d inforrnacão: visão gral. Ciência da Informação, 15(1):45-52, jan/jun, 198ó. 40 R. bras. Bibliotcon. Do., São Paulo, v. 26, n.1/2, jan./jun.1993

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2 MARKETING DIGITAL: MARKETING PARA O NOVO MILÊNIO Cli An Barbosa da Cruz 1, Lângsson Lops da Silva 2 O prsnt artigo busca analisar o markting digital, como um lmnto difusor da intração ntr clints organizaçõs,

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Catya Marqus Agostinho

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

Mudando conceitos uma experiência de ensino de Português para estrangeiros

Mudando conceitos uma experiência de ensino de Português para estrangeiros Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Mudando concitos uma xpriência d nsino d Português para strangiros Luana Rnata Pinhiro Dias (Instituto Crvants SP) Schirli Schustr (Univrsidad

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Encontro Intrnacional d Produção Cintífica Csumar 23 a 26 d outubro d 2007 OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Adriana Carla d Souza Maldonado 1 ; Ludhiana

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO FLH NÃO É UM OPÇÃO José Wagnr Braidotti Junior (1) Rsumo prssão por mlhors indicadors d produtividad, disponibilidad confiabilidad nas organizaçõs tm aumntado a cada ano, tornando os divrsos procssos d

Leia mais

O ensino de língua espanhola no processo de formação do aluno da educação básica. Tânia Lazier Gabardo UTP

O ensino de língua espanhola no processo de formação do aluno da educação básica. Tânia Lazier Gabardo UTP O nsino d língua spanhola no procsso d formação do aluno da ducação básica Tânia Lazir Gabardo UTP Muito s tm discutido sobr os objtivos da Educação Básica do papl da disciplina d língua strangira no currículo

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG. PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Síntese do Projeto Político Pedagógico PERFIL DO PROFISSIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG. PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Síntese do Projeto Político Pedagógico PERFIL DO PROFISSIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Univrsidad Fdral d Alfnas. UNIFAL-MG Rua Gabril Montiro da Silva, 700 Alfnas / MG - CEP 37130-000 Fon: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Sínts do Projto Político

Leia mais

Terminologia em agropecuária: elaboração de glossários no par linguístico português-espanhol, voltados para o ensino da tradução técnica

Terminologia em agropecuária: elaboração de glossários no par linguístico português-espanhol, voltados para o ensino da tradução técnica Trminologia m agropcuária: laboração d glossários no par linguístico português-spanhol, voltados para o nsino da tradução técnica Introdução Francisca Prira da Silva - IFRR A psquisa intitulada Trminologia

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno Pág. 1 Caractrização Curso: PROEJA-FIC ( Curso d Formação Inicial Continuada m Alimntação Intgrado ao Ensino Fundamntal na Modalidad d EJA) Ano/Smstr ltivo: 2011 Príodo/Séri: 5ª a 8ª séri Turno: ( ) Matutino

Leia mais

Proposições sobre a psicanálise { TC "6.1 Uma releitura da microscopia relacional de W. Bion" \l 2 }relacional de W. Bion Olga Perazzolo

Proposições sobre a psicanálise { TC 6.1 Uma releitura da microscopia relacional de W. Bion \l 2 }relacional de W. Bion Olga Perazzolo Proposiçõs sobr a psicanális { TC "6.1 Uma rlitura da microscopia rlacional d W. Bion" \l 2 }rlacional d W. Bion Olga Prazzolo Considraçõs Introdutórias O trabalho s insr na proposta tmatizada plo binômio

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE Doris Cristina Vicnt da Silva Matos (UFS) Considraçõs iniciais Chgamos a 2010,

Leia mais

I CIPLOM. Abordagem funcional da gramática na Escola Básica

I CIPLOM. Abordagem funcional da gramática na Escola Básica Abordagm funcional da gramática na Escola Básica Vania Lúcia Rodrigus Dutra UERJ UFF 1- Introdução Os rsultados d avaliaçõs oficiais vêm apontando o fracasso da scola brasilira, d uma forma gral, no qu

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA Encontro d Ensino, Psquisa Extnsão, Prsidnt Prudnt, 0 a 3 d outubro, 014 0 UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA TÍTULO DO TRABALHO EM INGLES Mário Márcio dos Santos Palhars 1, Antonio Carlos Tamarozzi² Univrsidad

Leia mais

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ Pdro Valdcir Ribiro UNICENTRO/Irati Ms. Marcla d Fritas Ribiro Lops UNICENTRO/Irati 1.Introdução A língua spanhola

Leia mais

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual Química Química A A Química 0. ano Química 0. ano Manual Manual Cadrno Laboratório + Guia Cadrno dd Laboratório + Guia dodo (ofrta aluno) (ofrta ao ao aluno) À Prova Exam À Prova dd Exam Cadrno Atividads

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL Plano d Estudo 5º ano - ANUAL Disciplina: Ciências Naturais Unidad Tmática Contúdos 1 Importância das rochas do solo na manutnção dvida. Por qu razão xist vida na Trra? Qu ambint xistm na Trra? Ond xist

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

Conhecendo a trajetória de emergência de novidades : agricultores familiares, recriações e transformações no meio rural do sul do Rio Grande do Sul

Conhecendo a trajetória de emergência de novidades : agricultores familiares, recriações e transformações no meio rural do sul do Rio Grande do Sul Rvista Brasilira d Agrocologia ISSN: 1980-9735 Conhcndo a trajtória d mrgência d novidads : agricultors familiars, rcriaçõs transformaçõs no mio rural do sul do Rio Grand do Sul Knowing th trajctory of

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

Materiais didáticos e formação de professores

Materiais didáticos e formação de professores Matriais didáticos formação d profssors Lívia Márcia Tiba Rádis Baptista Univrsidad Fdral do Cará Considraçõs iniciais O matrial didático é um ponto d rfrência para o trabalho docnt, um rcurso a mais para

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA Mirian Magnus Machado 1 Jocaffi Albino Brda 2 RESUMO A organização Editora Gráfica Odorizzi Ltda, apsar d star a um longo tmpo

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE RECURSOS INFORMAÇÃO A EXPERIÊNCIAS COM EDUCAÇÃO A DISTÂNICIA 1 INTRODUÇÃO

CAPACITAÇÃO DE RECURSOS INFORMAÇÃO A EXPERIÊNCIAS COM EDUCAÇÃO A DISTÂNICIA 1 INTRODUÇÃO DA CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM SERViÇOS DE INFORMAÇÃO A EXPERIÊNCIAS COM EDUCAÇÃO A DISTÂNICIA Rgina Célia Baptista Blluzzo* Rsumo: Dscrv volução concitos; fitos d mudanças substanciais na socidad;

Leia mais

I CIPLOM O USO DO TEXTO LITERÁRIO NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

I CIPLOM O USO DO TEXTO LITERÁRIO NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA O USO DO TEXTO LITERÁRIO NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Maria Francisca da Silva UFRJ 1. Uma xpriência didática do uso do txto litrário A qustão qu m proponho a discutir nst trabalho é sobr

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 PLANO DE ENSINO CURSO: Agronomia MODALIDADE: Prsncial DISCIPLINA: Topografia Básica Planimtria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 ANO/SEMESTRE/ANO: 2014/4º FASE/SÉRIE: 4º sm. CARGA HORÁRIA: 04 horas (smanal) /

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

XI Congresso SPCE Guarda: 30 de Junho a 2 de Julho de 2011

XI Congresso SPCE Guarda: 30 de Junho a 2 de Julho de 2011 XI Congrsso SPCE Guarda: 30 d Junho a 2 d Julho d 2011 A FORMAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR PARA A MEDIAÇÃO 1 Ana Viira [1], Ricardo Viira [2] [1] CIIDIPL Cntro d Invstigação Idntidads Divrsidads do Politécnico

Leia mais

I CIPLOM. 1. Introdução

I CIPLOM. 1. Introdução Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A construção das idntidads d alunos m uma scola pública d Pacaraima m contxto d mobilidad gográfica lingüística na frontira Brasil/Vnzula

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2.

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2. Conslho Univrsitário - CONSUNI Câmara d Ensino Curso d Graduação m Pdagogia da UNIPLAC Quadro d Equivalência para Fins d Aprovitamnto d Estudos ntr duas Estruturas Curriculars Disciplinars ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

II Seminário NEPPAS: Caminhos e olhares da agroecologia nos sertões de Pernambuco Normas para envio de trabalho

II Seminário NEPPAS: Caminhos e olhares da agroecologia nos sertões de Pernambuco Normas para envio de trabalho II Sminário NEPPAS: Caminhos olhars da agrocologia nos srtõs d Prnambuco Normas para nvio d trabalho Srra Talhada, 26,27 28 d abril d 2012 Espaço Roda Mundo - Rodas d convrsas, rlatos trocas d xpriência

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA Tma: Sxualidad rlaçõs intrpssoais 1º Ano- EB1/JI DE VELAS Turma 2 Formas d Rcursos Atividads Objtivos Contúdos organização/ (humanos (por disciplina)

Leia mais

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (perguntas) em português e em espanhol

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (perguntas) em português e em espanhol Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Pragmática intrcultural ntoação: os nunciados intrrogativos (prguntas) m português m spanhol Lticia Rbollo Couto (UFRJ) 1 Natalia dos Santos

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL

A PRODUÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL A PRODUÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL Alxandr Carlos dos Santos Faria, Fridhild M.K. Manolscu 2 2 Ciências Sociais Aplicadas Univrsidad do Val do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 29 Urbanova CEP: 2244- São José dos

Leia mais

N os das páginas 3 a 9 10 a 12 13

N os das páginas 3 a 9 10 a 12 13 PROVA 1 Instruçõs CADERNO DE QUESTÕES 1- Você stá rcbndo o sguint matrial: a) st cadrno com o nunciado das qustõs discursivas, das qustõs objtivas, das qustõs rlativas às suas imprssõs sobr a prova, assim

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

Reflexões sobre a formação inicial e continuada de professores de espanhol no Brasil. Katia Aparecida da Silva Oliveira - UNIFAL

Reflexões sobre a formação inicial e continuada de professores de espanhol no Brasil. Katia Aparecida da Silva Oliveira - UNIFAL Rflxõs sobr a formação inicial continuada d profssors d spanhol no Brasil Katia Aparcida da Silva Olivira - UNIFAL Dsd a promulgação da li 11.161/2005, qu trata da obrigatoridad do nsino da língua spanhola

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

A LICENCIATURA EM ESPANHOL NA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA: NOVOS ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE

A LICENCIATURA EM ESPANHOL NA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA: NOVOS ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A LICENCIATURA EM ESPANHOL NA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA: NOVOS ESPAÇOS DE FORMAÇÃO DOCENTE Antonio Frrira da Silva

Leia mais

DNA DA VENDA TÉCNICA E EMOÇÃO A SERVIÇO DO SUCESSO MOACIR MOURA

DNA DA VENDA TÉCNICA E EMOÇÃO A SERVIÇO DO SUCESSO MOACIR MOURA Nº 2 OBSTÁCULOS DNA DA MOACIR MOURA DNA DA OBSTÁCULOS Ouvidos d mrcador. Escut sltivamnt o clint, mas continu sua linha d argumntação. As objçõs são justificativas do clint para comprar. Os Todo dsafios

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem

Conselho Federal de Enfermagem Conslho Fdral d Enfrmagm Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral d Enfrmagm Assssoria d Planjamnto Gstão do Cofn Brasília 2015 1 Assssoria d Planjamnto Gstão Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE.

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES):

Leia mais

I CIPLOM. Concepções e status da leitura em Inglês em cursos universitários em Maceió

I CIPLOM. Concepções e status da leitura em Inglês em cursos universitários em Maceió Concpçõs status da litura m Inglês m cursos univrsitários m Mació Introdução Tânia Maria Frrira Marqus - Cntro Univrsitário Csmac A maioria dos alunos aprsnta algumas dificuldads m rlação à litura d txtos

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais