Emerson Marcos Furtado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Emerson Marcos Furtado"

Transcrição

1 Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd Profssor do Curso Positivo d Curitiba dsd Profssor da Univrsidad Positivo d 2000 a Autor d livros didáticos dstinados a concursos públicos nas áras d matmática, matmática financira, raciocínio lógico statística. Sócio-dirtor do Instituto d Psquisas Projtos Educacionais Praxis d 2003 a Profssor sócio do Colégio Positivo d Joinvill dsd Sócio-dirtor da Emprsa Torma Produção d Matriais Didáticos Ltda. dsd Autor d matrial didático para sistmas d nsino do Grupo Positivo d 2005 a Profssor do Concursos Editora d Curitiba (CEC) dsd 1992, lcionando as disciplinas d raciocínio lógico, statística, matmática matmática financira. Consultor da Emprsa Rsult Consultoria m Avaliação d Curitiba d 1998 a Consultor m Estatística Aplicada com projtos d psquisa dsnvolvidos nas áras socioconômica, qualidad, ducacional, industrial liçõs dsd Mmbro do Instituto d Promoção d Capacitação Dsnvolvimnto (Iprocad) dsd Autor d qustõs para concursos públicos no stado do Paraná dsd 2003.

2 Juros simpls: montant, capital, prazo taxa Na tlvisão, m jornais, m rvistas ou m lojas, é comum ouvirmos falar m juros. Essa palavra também é mncionada quando nos rfrimos à dívida xtrna, às aplicaçõs financiras, ou msmo, a uma dívida pssoal qu, muitas vzs, não srá saldada à vista. Quando uma pssoa ou uma instituição dispõ d fundos para mprstar, o prço dss crédito é chamado d juro. Tcnicamnt, podmos dizr qu juro é o custo do crédito ou a rmunração do capital. O juro xist porqu muitas pssoas prfrm consumir sus bns no prsnt não no futuro. Dssa forma, s uma pssoa não tm todo o dinhiro ncssário para a aquisição d um produto, msmo assim, dsja adquiri-lo no momnto, dv havr uma compnsação por pagá-lo somnt no futuro. Fiqu atnto a algumas dfiniçõs importants: Capital ou principal bm ou quantia m dinhiro sobr o qual há rmunração. Taxa d juros coficint mprgado m uma unidad d tmpo xprsso como porcntagm do capital. Príodo ou tmpo tmpo m qu o capital srá rmunrado. Juros rmunração do capital. Montant capital inicial adicionado ao juro do príodo. Exmplo: Suponha qu uma pssoa aplicou um capital d R$1.000,00 a uma taxa d 20% ao ano plo prazo d três anos. Quanto rndrá d juros simpls ssa aplicação? Quando o rgim d capitalização é d juros simpls, o juro d cada príodo é calculado sobr o capital inicial: J 1 J 2 J ,20 200,00 213

3 O juro total srá a soma dos juros obtidos m todos os anos, ou sja: J J 600,00 E o Montant é a soma do capital com o juro: M Gnralizando, a fórmula para s calcular o valor do juro m um rgim d capitalização simpls é dada por: J C. i. t No xmplo antrior, sria possívl ftuar: J , D forma análoga, para s calcular o valor do montant m um rgim d capitalização simpls podríamos utilizar a sguint rlação: M C + J M C + C. i. t M C. (1 + i. t) Para usarmos ssas fórmulas, é ncssário qu a unidad d tmpo do prazo da taxa d juros sja a msma unidad d mdida do tmpo. Assim, s a taxa for 10% ao mês, por xmplo, o tmpo dv sr também mdido m mss. Taxas quivalnts taxas proporcionais Taxas proporcionais Duas taxas são considradas proporcionais quando os valors das taxas dos príodos formam uma proporção. Ou sja, quando rduzidas às msmas unidads, as taxas sjam iguais. 214

4 Exmplos: As taxas 1% ao mês 6% ao smstr são proporcionais. As taxas 5% ao trimstr 20% ao ano são proporcionais. Taxa quivalnts Duas taxas s dizm quivalnts s, aplicadas a um msmo capital plo msmo prazo d tmpo, ambas produzm o msmo montant. Exmplos: Em um rgim d juros simpls, são quivalnts as taxas: 1% ao mês 6% ao smstr; 5% ao trimstr 20% ao ano. Em um rgim d juros compostos, são quivalnts as taxas: 1% ao mês 6,15% ao smstr; 5% ao trimstr 21,63% ao ano. Conclusão: Os xmplos antriors sclarcm qu, no rgim d juros simpls, as taxas d juros proporcionais smpr srão taxas quivalnts, pois, s o capital é o msmo o príodo d tmpo também é o msmo, obrigatoriamnt a taxa dvrá sr a msma para produzir o msmo montant. No caso do rgim d juros compostos, as taxas proporcionais não são, m gral, taxas quivalnts, pois não produzm os msmos montants. Dscontos simpls Quando uma pssoa compra uma mrcadoria a paga à vista, m gral, rcb por isso um dsconto no pagamnto. Entrtanto, não é apnas m liquidaçõs ou promoçõs d vndas qu utilizamos o concito d dsconto. Exmplo: Paulo fz uma aplicação financira com vncimnto prdtrminado, ants da data do vncimnto, prcisa d dinhiro. Como l pod captar rcursos financiros utilizando o título adquirido na aplicação financira? 215

5 Paulo pod transfrir o título da aplicação para um trciro, rcbndo na transfrência o principal aplicado, adicionado aos juros qu foram capitalizados no príodo. Nss caso, há uma opração d dsconto, pois l prcisou trocar o título por dinhiro ants da data do vncimnto, por isso, não trá dirito ao valor nominal do título. N A i d D t O diagrama ilustra uma opração d dsconto, na qual um título cujo valor nominal (ou d fac) é igual a N (valor nominal) srá dscontado t príodos ants do vncimnto a uma taxa d dsconto i d. O valor atual A é o valor atual (valor dscontado) o valor D é o valor do dsconto. Dsconto racional, ral ou por dntro Um dsconto é dnominado dsconto racional, ral ou por dntro quando é calculado sobr o Valor Atual do título. Exmplo: José possui um título no valor nominal d R$11.000,00, com vncimnto m quatro mss. El prtnd dscontá-lo m uma instituição financira qu raliza o dsconto racional cobra uma taxa d juros simpls d 36% ao ano. Quanto srá o valor do dsconto do valor dscontado? Obsrv a ilustração: N A 4 mss 0 t 216

6 Das informaçõs do problma, tmos: N ,00 n 4 mss A taxa d 36% ao ano é proporcional a 3% ao mês, pois 036, 003,. 12 Quando o dsconto é sobr o valor atual, dv-s pnsar qu aplicando o valor atual nas condiçõs do dsconto racional, o montant é, na vrdad, o valor nominal do título: M C. (1 + i. t) N A. (1 + i. t) A. (1 + 0,03. 4) A. (1,12) A 112, A 9.821,43 Logo, o valor dscontado racional é aproximadamnt igual a R$9.821,43 o dsconto racional é a difrnça ntr o valor nominal o atual do título: D N A D ,43 D 1.178,57 Assim, o valor do dsconto é aproximadamnt igual a R$1.178,57. Fórmulas O montant é dado por: M C. (1 + i. t) Considrando M N (valor nominal) C A (valor atual), tmos: N A. (1 + i. t) 217

7 Isolando na quação antrior o valor atual, tmos: N A 1+it Essa quação prmit rlacionar o valor atual (A) com o valor nominal (N), a taxa d dsconto (i) o prazo d dsconto (t). Mas o dsconto é dado por: D N A Logo, sndo D r o dsconto racional, tmos: D r N N- 1 + it D N.( 1+ it ) - N r 1+ it D r Nit 1 + it Essa última quação prmit rlacionar o dsconto racional (D r ) com o valor nominal (N), a taxa d dsconto (i) o prazo d dsconto (t). Essas fórmulas são útis quando s dsja vlocidad na rsolução da qustão. Por outro lado, las s tornam dsncssárias s considrarmos qu o valor atual é o capital qu, quando aplicado nas msmas condiçõs do dsconto, tm como montant o valor nominal. Dsconto comrcial, bancário ou por fora Um dsconto é dnominado dsconto comrcial, bancário ou por fora quando é calculado sobr o Valor Nominal do título. Exmplo: José possui um título no valor nominal d R$11.000,00, com vncimnto m quatro mss. El prtnd dscontá-lo m uma instituição financira qu raliza o dsconto comrcial cobra uma taxa d juros simpls d 36% ao ano. Quanto srá o valor do dsconto do valor dscontado? 218

8 Solução: Obsrv a ilustração: N A 4 mss 0 t Das informaçõs do problma, tmos: N ,00 n 4 mss A taxa d 36% ao ano é proporcional a 3% ao mês, pois 036, 003,. 12 Quando o dsconto é sobr o valor nominal, dv-s aplicar dirtamnt sobr o valor nominal. Assim, dscontando-s o valor nominal obtém-s o valor atual: A N. (1 i. t) A (1 0,03. 4) A (0,88) A 9.680,00 Logo, o valor dscontado comrcial simpls é igual a R$9.680,00. O dsconto comrcial simpls é igual a: D N A D ,00 D 1.320,00 Assim, o valor do dsconto é igual a R$1.320,

9 Fórmulas O dsconto comrcial d um título, rprsntado por D c, por incidir sobr o valor nominal, é dado por: D c N. i. t Mas, o valor atual do título, rprsntado por A c, é dado por: Logo: A c N D c A c N N. i. t A c N. (1 it) O valor A c é dnominado valor atual comrcial. Concluindo, para rsolvr problmas d dscontos, basta lmbrar qu no dsconto racional, dv-s capitalizar A para s obtr N, no dsconto comrcial, dv-s dscapitalizar N para s obtr A. Taxa d juros ftiva A taxa d juros ftiva é a taxa aplicada sobr o valor dscontado comrcial (ou bancário), qu gra no príodo considrado um montant igual ao valor nominal. Taxa ftiva para dsconto comrcial simpls Sndo i a taxa ftiva, tmos: N N A c.(1+i. t) 1+ i. t A N -1 N Ac i. t - 1 i A t c m qu A c é o valor dscontado no caso d uma opração d dsconto comrcial, N é o valor nominal do título na data do corrspondnt vncimnto t é o prazo d tmpo do título. c 220

10 Vamos calcular a taxa ftiva d juros por mio d um xmplo já rsolvido antriormnt. Exmplo: João prtnd saldar um título d R$11.000,00, quatro mss ants do corrspondnt vncimnto. Sabndo-s qu o dsconto srá dado sobr o valor nominal, qual a taxa ftiva mnsal d juros da opração? Os valors ncontrados foram: N ,00 A c 9.680,00 t 4 mss A taxa mnsal ftiva d juros é dada por: i N Ac i t 4 0,0341 Portanto, a opração foi ralizada a uma taxa ftiva aproximada d 3,41% d juros simpls ao mês. Taxa ftiva para dsconto bancário Sndo i a taxa ftiva, tmos: N N A b.(1+i.t) 1+ i. t A N -1 N Ab i. t - 1 i A t b m qu A b é o valor dscontado no caso d uma opração d dsconto bancário, N é o valor nominal do título na data do corrspondnt vncimnto t é o prazo d tmpo do título. b 221

11 Exmplo: Juca prtnd mprstar d um banco qu cobra, m rgim d juros simpls, uma taxa d juros d 3% ao mês uma taxa administrativa fixa d 2%. El prtnd fazr um financiamnto saldá-lo pagando R$11.000,00 após 4 mss. Qual a taxa ftiva mnsal d juros no financiamnto? Os valors ncontrados foram: N ,00 A b 9.460,00 t 4 mss A taxa mnsal ftiva d juros é dada por: i i N -1 Ab t ,0353 Logo, a opração foi ralizada a uma taxa ftiva aproximada d 3,53% d juros simpls ao mês. Obsrvação: No caso d dsconto racional, a taxa d juros da opração financira é xatamnt igual à taxa ftiva dssa opração, pois ambas são calculadas sobr o valor atual ( não nominal), sm a adição d taxas administrativas. Nss caso, a taxa ftiva é também chamada d taxa d rntabilidad. Rlação ntr taxa ftiva taxa d juros para dsconto comrcial Para rlacionar a taxa ftiva com a taxa d juros para dsconto comrcial, vamos considrar os dscontos racional comrcial. Sndo i a taxa ftiva i a taxa para dsconto comrcial, tmos: 222

12 D r Ni.. t 1 + i. t D c Nit.. Como os dscontos dvm sr iguais, tmos: Exmplo: Ni.. t i Nit.. i 1+ it 1+ it i + i ii. t i - i. it i i i.( 1- it.) i i 1 - it. Numa opração financira d dsconto comrcial a taxa d juros simpls praticada é d 3% ao mês, um título foi dscontado com quatro mss d antcdência m rlação à data do corrspondnt vncimnto. Qual é a taxa ftiva mnsal d juros da opração financira? Das informaçõs do nunciado, tmos: i 3% ao mês t 4 mss Logo: i i 1 - it. i 003, 1-0, i 003, 088, 0,

13 Portanto, a taxa ftiva mnsal d juros na opração financira foi aproximadamnt igual a 3,41%. Rlação ntr dsconto racional comrcial Por mio d xmplos, obsrvamos antriormnt qu, nas msmas condiçõs, o dsconto comrcial é maior do qu o dsconto racional, ou sja: D c > D r Os dscontos comrcial racional são dados, rspctivamnt, por: D c Nit.. Nit D.. r 1 +it. Dividindo mmbro a mmbro as duas últimas quaçõs, obtmos: D D c r D D c r Nit.. Nit.. 1+ it. 1+ it. D D. 1+ it. c r ( ) Dssa forma, o dsconto comrcial pod sr intrprtado como sndo o montant do dsconto racional calculado para um msmo príodo msma taxa. Exmplo: O dsconto comrcial d um título dscontado quatro mss ants do corrspondnt vncimnto à taxa d 3% ao mês é d R$1.320,00. Qual é o dsconto racional? Do nunciado, tmos: i 3% ao mês t 4 mss D c 1.320,00 224

14 Então, o dsconto racional srá dado por: D D. 1+ it. c r ( ) 1.320,00 D.(1+0,03.4) r 1.320,00 1,12.D r D r , , r 1.178,57 Logo, o dsconto racional srá aproximadamnt igual a R$1.178,57. Juros compostos Vamos iniciar o studo dos juros compostos rcordando um xrcício qu foi rsolvido m juros simpls. Para ilustrar, suponha qu uma pssoa aplicou um capital d R$1.000,00 a uma taxa d 20% ao ano plo prazo d três anos. Quanto rndrá d juros compostos ssa aplicação? Informaçõs: Juros compostos. C 1.000,00. i 20% ao ano. t 3 anos. Para uma mlhor comprnsão dos dois rgims d capitalização, vamos aprsntar um studo comparativo por mio d uma tabla: 225

15 Juros simpls Juros compostos 1.º ano J ,00 x 0,2 x 1 200,00 M 1 C + J 1 M , ,00 M ,00 J ,00 x 0,2 200,00 M 1 C + J 1 M , ,00 M ,00 2.º ano J ,00 x 0,2 x 1 200,00 M 2 M 1 + J 2 M , ,00 M ,00 J ,00 x 0,2 240,00 M 2 M 1 + J 2 M , ,00 M ,00 3.º ano J ,00 x 0,2 x 1 200,00 M 3 M 2 + J 3 M , ,00 M ,00 J ,00 x 0,2 288,00 M 3 M 2 + J 3 M , ,00 M ,00 S foss ftuada m rgim d juros simpls, a aplicação rndria R$600,00. Já a aplicação no rgim d juros compostos, rndu R$728,00. Para ilustrar, obsrv nos gráficos os valors dos montants alcançados nos dois rgims a uma msma taxa d juros Montant (Rais) Juros simpls Juros compostos 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 Tmpo m (anos) 226

16 Cálculo do montant m juros compostos Um capital C aplicado a uma taxa d juros i durant um prazo t trá o montant M dado por: M C. (1 + i) t Substituindo os dados do problma, ncontramos o msmo valor do montant: M (1 + 0,20) 3 M (1,20) 3 M ,728 M O juro é smpr a difrnça ntr o montant o capital, ou sja: J M C J J 728 Na fórmula do montant, a xprssão (1 + i) t é chamada d fator d acumulação d um capital é, gralmnt, tablado para difrnts valors d i d t. Taxas quivalnts Duas taxas, rlacionadas com difrnts príodos d capitalização, são considradas quivalnts s, aplicadas ao msmo capital durant o msmo prazo d tmpo, produzirm montants d msmo valor. Exmplo: 1.ª aplicação: aplicar R$1.000,00, durant um ano, à taxa d 1% ao mês; 2.ª aplicação: aplicar R$1.000,00, durant um ano, à taxa d 12,68% ao ano. 227

17 Os montants obtidos m ambas as aplicaçõs trão o msmo valor, obsrv: Cálculo do montant à taxa d 1% ao mês: M 1.000,00. (1 + 0,01) ,80 Cálculo do montant à taxa d 12,68% ao ano: M 1.000,00. (1 + 0,1268) ,80 Como os montants produzidos são iguais, as taxas são quivalnts. Podmos rlacionar duas taxas quivalnts por mio da igualdad xistnt ntr os montants. Para xmplificar, considr um capital C as sguints taxas: M C. (1 + i p ) p M C. (1 + i q ) q Para qu ssas taxas sjam quivalnts, o montant produzido por ambas dv sr o msmo, logo: C. (1 + i p ) p C. (1 + i q ) q Dividindo ambos os mmbros da última igualdad por C, tmos: Exmplo: (1 + i p ) p (1 + i q ) q Em rgim d juros compostos, a taxa mnsal d 10% é quivalnt a qu taxa trimstral? (1 + i p ) p (1 + i q ) q (1 +0,10) 3 (1 + i t ) (1,10) i t 1, i t 1,331 1 i t i t 0,331 i t 33,1% ao trimstr 228

18 Logo, m rgim d juros compostos, a taxa mnsal d 10% é quivalnt à taxa trimstral d 33,1%. Quando a qustão é d quivalência d taxas, a idia é, a partir do msmo Capital, produzir o msmo montant o qu, consquntmnt, nos lvará à igualdad ntr os fators d acumulação d capital. Rsolução d qustõs 1. (Csgranrio) Uma mprsa ofrc aos sus clints dsconto d 10% para pagamnto no ato da compra ou dsconto d 5% para pagamnto um mês após a compra. Para qu as opçõs sjam indifrnts, a taxa d juros mnsal praticada dv sr, aproximadamnt, a) 0,5%. b) 3,8%. c) 4,6%. d) 5,0%. ) 5,6%. 2. (Csgranrio) Um título com valor d fac d R$1.000,00 faltando três mss para su vncimnto, é dscontado m um banco qu utiliza taxa d dsconto bancário, ou sja, taxa d dsconto simpls por fora, d 5% ao mês. O valor prsnt do título, m rais, é: a) 860,00. b) 850,00. c) 840,00. d) 830,00. ) 820, (Csgranrio) Uma quantia d R$20.000,00 aplicada a uma taxa d 2% ao mês no rgim d juros compostos, ao final d três mss, gra um montant, m rais, d: a) ,24. b) ,

19 c) ,16. d) ,00. ) , (Csgranrio) Uma loja ofrc um aparlho clular por R$1.344,00 à vista. Ess aparlho pod sr comprado a prazo, com juros d 10% ao mês, m dois pagamntos mnsais iguais: um, no ato da compra, outro, um mês após a compra. O valor d cada um dos pagamntos mnsais é, m rais, d: a) 704,00. b) 705,60. c) 719,00. d) 739,20. ) 806, (Csgranrio) João tomou um mpréstimo d R$900,00 a juros compostos d 10% ao mês. Dois mss dpois, João pagou R$600,00, um mês após ss pagamnto, liquidou o mpréstimo. O valor dss último pagamnto foi, m rais, aproximadamnt, a) 240,00. b) 330,00. c) 429,00. d) 489,00. ) 538, (Csp) Antônio fz dois invstimntos sguints, m qu ambos pagam juros compostos d 3% a.m. I. três dpósitos mnsais, conscutivos iguais a R$2.000,00; o primiro foi fito no dia 01/03/2009. II. dois dpósitos mnsais, conscutivos iguais a R$3.000,00; o primiro foi fito no dia 01/03/

20 Considrando qu M1 M2 sjam, rspctivamnt, os montants das aplicaçõs I II na data do trciro dpósito corrspondnt ao invstimnto I, assinal a opção corrta: a) M2 - M1 R$90,90. b) M2 - M1 R$45,45. c) M2 M1. d) M1 - M2 R$45,45. ) M1 - M2 R$90,90 7. (Csp) Uma instituição financira capta invstimntos ofrcndo a taxa intrna d rtorno d 5% ao mês. S, ao invstir dtrminada quantia, um invstidor fz duas rtiradas, uma no valor d R$10.500,00 um mês após a data do dpósito, outra, no valor rstant d R$11.025,00, dois mss após o dpósito, ntão o valor invstido foi igual a: a) R$18.000,00. b) R$18.500,00. c) R$19.000,00. d) R$19.500,00. ) R$20.000, (Csgranrio) O gráfico a sguir rprsnta as voluçõs no tmpo do montant a juros simpls do montant a juros compostos, ambos à msma taxa d juros. M é dado m unidads montárias t, na msma unidad d tmpo a qu s rfr à taxa d juros utilizada. Montant (M) Composto Simpls c 0 1 Tmpo (t) 231

21 Analisando-s o gráfico, conclui-s qu para o crdor é mais vantajoso mprstar a juros: a) compostos, smpr. b) compostos, s o príodo do mpréstimo for mnor do qu a unidad d tmpo. c) simpls, smpr. d) simpls, s o príodo do mpréstimo for maior do qu a unidad d tmpo. ) simpls, s o príodo do mpréstimo for mnor do qu a unidad d tmpo. 9. (Csgranrio) Júlio fz uma compra d R$600,00, sujita à taxa d juros d 2% ao mês sobr o saldo dvdor. No ato da compra, fz o pagamnto d um sinal no valor d R$150,00. Fz ainda pagamntos d R$ 159,00 R$206,00, rspctivamnt, dias dpois d contraída a dívida. S quisr quitar a dívida 90 dias dpois da compra, quanto dvrá pagar, m rais? a) 110,00. b) 108,00. c) 106,00. d) 104,00. ) 102, (FCC) Uma mprsa obtv um financiamnto d $ à taxa d 120% ao ano capitalizados mnsalmnt (juros compostos). A mprsa pagou $6.000 ao final do primiro mês $3.000 ao final do sgundo mês. O valor qu dvrá sr pago ao final do trciro mês para liquidar o financiamnto (juros + principal) é: a) $3.250,00. b) $3.100,00. c) $3.050,00. d) $2.975,00. ) $2.750,

22 Dica d studo D nada adianta uma pssoa tr boa dsnvoltura nos cálculos sm o domínio dos concitos. Da msma forma, d nada adianta uma pssoa dominar os concitos sm o plno dsnvolvimnto dos cálculos. Portanto, o êxito no studo da matmática financira rsid na prática d xrcícios no domínio dos concitos. Rfrências FURTADO, Emrson Marcos. Liçõs d Matmática Financira. CEC: Curitiba, MORGADO, Augusto C.; CESAR, Bnjamin. Matmática Financira. Rio d Janiro: Campus, MORGADO, Augusto C.; WAGNER, Eduardo; ZANI, Shila C. Progrssõs Matmática Financira. SBM Socidad Brasilira d Matmática: Rio d Janiro, Gabarito 1. Suponha qu o prço do produto m qustão sja igual a 100 rais. Com o dsconto d 10% sobr o prço anunciado, o valor à vista passa a sr igual a 90 rais. Para pagamnto após um mês, o dsconto é d 5%, ou sja, o pagamnto dv sr d 95 rais. Assim, o juro é d rais sobr o valor qu dvria sr pago à vista, 90 rais. Para calcular a qu prcntual corrspondnt a 5 rais, m rlação a 90 rais (100%), basta dividir 5 por 90. Assim, 5/90 0,056 5,6%. Rsposta: E 233

23 2. S o título srá dscontado por fora, ntão o dsconto é comrcial incidnt sobr o valor nominal do título. Como a taxa d dsconto simpls é igual a 5% ao mês o dsconto é ralizado 3 mss ants do vncimnto, ntão o dsconto srá d 3. 5% 15% sobr o valor do título. Assim, o valor prsnt do título srá 15% mnor do qu o valor nominal, ou sja, srá 85% do valor nominal. Portanto, o valor prsnt (dscontado) é dado por: A 0, ,00 850,00 Rsposta: B 3. O montant d um capital d R$20.000,00, após três mss m rgim d juros compostos à taxa d 2% ao mês é dado por: M (1,02) 3 M , M ,16 Rsposta: C 4. Suponha qu o valor da 1.ª prstação sja igual a x rais. O saldo dvdor, imdiatamnt após o pagamnto da 1.ª prstação, é igual a (1.344 x). Como st saldo dvdor srá quitado após um mês, havrá a incidência d juros na taxa d 10%, ou sja, a 2ª prstação dv sr igual a (1.344 x). 1,10. S as prstaçõs são iguais, dv-s tr: x (1.344 x). 1,10 x 1.478,40 1,10x 1,10x + x 1.478,40 2,10x 1.478,40 x 1.478,40/2,10 x 704 Rsposta: A 234

24 5. O mpréstimo d 900 rais tm saldo dvdor igual a 1, rais após um mês, , após dois mss. O pagamnto d 600 rais após dois mss, dixa saldo dvdor d S o último pagamnto srá fito após três mss do mpréstimo, ainda s dv considrar o juro d 10% sobr o saldo dvdor d 489. Assim, o último pagamnto é igual a 1, ,90., ou sja, aproximadamnt 538,00. Rsposta: E 6. Na data do 3.º dpósito do invstimnto I, o montant do invstimnto I, é dado por: M (1,03) (1,03) (1,03) 0 M , M ,80 Na data do 3.º dpósito do invstimnto I, o montant do invstimnto II, é dado por: M (1,03) (1,03) M , M ,70 Logo, a difrnça ntr M 2 M 1 é dada por: M 2 M 1 90,90 Rsposta: A 7. A taxa intrna d rtorno é aqula qu anula o Valor Prsnt do Fluxo d Caixa, considrando-s rcbimntos pagamntos. Vamos supor qu o invstimnto inicial é igual a X. Logo, com as informaçõs do nunciado, é possívl construir uma tabla qu aprsnt os rcbimntos pagamntos ao longo do tmpo: Tmpo (m mss) Invstimnto (m rais) X

25 Assim, s a TIR é igual a 5% ao mês, dv-s dscontar os valors rcbidos nos instants 1 2 para o instant zro (data focal), somar sts rcbimntos quando lvados à data zro, subtrair o invstimnto inicial igualar a zro o Valor Prsnt: VP X /(1,05) / (1,05) 2 0 VP X /(1,05) / (1,1025) 0 VP X VP X X Logo, o invstimnto inicial foi d R$20.000,00. Rsposta: E 8. O gráfico compara uma aplicação ralizada a juros simpls com outra a juros compostos. Ao final do príodo 1, os gráficos s intrsctam. Assim, ao final do príodo 01 as duas aplicaçõs obtêm o msmo rndimnto. Em um príodo maior qu 01 o montant m um rgim d juros compostos aprsnta maior rndimnto do qu o montant m juros simpls. Entrtanto, para o príodo infrior ao instant 01, o montant m juros simpls aprsnta maior rndimnto do qu o montant m juros compostos. Rsposta: E 9. Júlio pagou R$150 à vista. Logo, o saldo dvdor no instant inicial da compra é igual a Sobr ss saldo dvdor dv-s tr juro d 2%, ou sja, 1, é o saldo dvdor após um mês. S a prstação após um mês é igual a 159 rais, ntão o saldo dvdor srá Sobr ss saldo dvdor há juro d 2%, d modo qu a dívida passará a sr d 1, S o pagamnto após dois mss é d 206, ntão saldo dvdor srá

26 Uma vz qu a quitação srá somnt após três mss da data da compra, ntão o pagamnto ncssário para saldar a dívida dv sr 2% maior do qu 100 rais, saldo dvdor após dois mss, ou sja, dv sr d 1, rais. Ess problma também podria sr rsolvido projtando-s todos os pagamntos para o mês 3 após a compra ftuando a soma dos pagamntos mnos o valor da compra. Rsposta: E 10. A taxa d 120% ao ano é proporcional a 10% ao mês. Esta dv sr a taxa ftiva mnsal utilizada para atualizar o saldo dvdor. O financiamnto é igual a Após um mês, o saldo dvdor é igual a , S o 1.º pagamnto é igual a 6.000, ntão o saldo dvdor logo após o 1.º pagamnto é igual a S ss saldo srá abatido ao final do 2.º mês, ntão havrá incidência d juros à taxa d 10%. Logo, o saldo dvdor é igual a , S o 2.º pagamnto é igual a 3.000, ntão o saldo dvdor logo após o 2.º pagamnto é igual a Ao final do 3.º mês, o saldo dvdor dv sr 10% maior do qu 2.500, ou sja, 1, Portanto, o valor qu dvrá sr pago ao final do trciro mês para liquidar o financiamnto é igual a Rsposta: E 237

27

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

CAPÍTULO 4 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 4 Exercícios Propostos 53. Calcular o valor dos juros pagos por um fiaciamto d capital d giro d $1.500 por cico dias cotratado à taxa d 3% a.m., capitalizada diariamt. Dados: P = $1.500, j = 3% a.m.. k =, m = 5 dias, J =? k

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO II/05 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 0//5 MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO E DOS INCENTIVOS APLICADA À ECONOMIA DO SETOR PÚBLICO Prof. Maurício

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Razão e Proporção. Noção de Razão. 3 3 lê-se: três quartos lê-se: três para quatro ou três está para quatro

Razão e Proporção. Noção de Razão. 3 3 lê-se: três quartos lê-se: três para quatro ou três está para quatro Razão Proporção Noção d Razão Suponha qu o profssor d Educação Física d su colégio tnha organizado um tornio d basqutbol com quatro quips formadas plos alunos da ª séri. Admita qu o su tim foi o vncdor

Leia mais

Capitulo 4 Resolução de Exercícios

Capitulo 4 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO i Taxa Proporcioal ou quivalt (juros simpls) i k Taxas Equivalts (juros compostos) 3 i i i i i i i 4 6 360 a s q t b m d Taxa Eftiva Nomial k i i p ao príodo d capitalização ; i k Taxa Ral Taxa

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico.

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico. Equilíbrio Térmico 1. (Unsp 2014) Para tstar os conhcimntos d trmofísica d sus alunos, o profssor propõ um xrcício d calorimtria no qual são misturados 100 g d água líquida a 20 C com 200 g d uma liga

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%)

66 (5,99%) 103 (9,35%) Análise Combinatória 35 (3,18%) Distribuição das 0 Qustõs do I T A 9 (8,6%) 66 (,99%) Equaçõs Irracionais 09 (0,8%) Equaçõs Exponnciais (,09%) Conjuntos 9 (,6%) Binômio d Nwton (,9%) 0 (9,%) Anális Combinatória (,8%) Go. Analítica Funçõs

Leia mais

5. MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 1

5. MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 1 5 MÁXIMOS E MÍNIMOS DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 5 Introdução: Considrmos os sguints nunciados: Quais são as dimnsõs d uma caia rtangular sm tampa com volum v com a mnor ára d supríci possívl? A tmpratura

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO POR BENEFICIÁRIOS DE PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO A prnchr plo IEFP, I.

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno:

Curso de Engenharia Mecânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica. Coordenador Professor: Rudson R Alves Aluno: Curso d Engnharia Mcânica Disciplina: Física 2 Nota: Rubrica Coordnador Profssor: Rudson R Alvs Aluno: Turma: EA3N Smstr: 1 sm/2017 Data: 20/04/2017 Avaliação: 1 a Prova Valor: 10,0 p tos INSTRUÇÕES DA

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europu PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A prnchr plo IEFP, I. P. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Cntro d Emprgo Data d Rcpção - - Númro do Procsso

Leia mais

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz Hwltt-Packard MTRIZES ulas 0 a 06 Elson Rodrigus, Gabril Carvalho Paulo Luiz no 06 Sumário MTRIZES NOÇÃO DE MTRIZ REPRESENTÇÃO DE UM MTRIZ E SEUS ELEMENTOS EXERCÍCIO FUNDMENTL MTRIZES ESPECIIS IGULDDE

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz

Hewlett-Packard MATRIZES. Aulas 01 a 06. Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luiz Hwltt-Packard MATRIZES Aulas 0 a 06 Elson Rodrigus, Gabril Carvalho Paulo Luiz Sumário MATRIZES NOÇÃO DE MATRIZ REPRESENTAÇÃO DE UMA MATRIZ E SEUS ELEMENTOS EXERCÍCIO FUNDAMENTAL MATRIZES ESPECIAIS IGUALDADE

Leia mais

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de Dsintgração Radioativa Os núclos, m sua grand maioria, são instávis, ou sja, as rspctivas combinaçõs d prótons nêutrons não originam configuraçõs nuclars stávis. Esss núclos, chamados radioativos, s transformam

Leia mais

2 x. ydydx. dydx 1)INTEGRAIS DUPLAS: RESUMO. , sendo R a região que. Exemplo 5. Calcule integral dupla. xda, no retângulo

2 x. ydydx. dydx 1)INTEGRAIS DUPLAS: RESUMO. , sendo R a região que. Exemplo 5. Calcule integral dupla. xda, no retângulo Intgração Múltipla Prof. M.Sc. Armando Paulo da Silva UTFP Campus Cornélio Procópio )INTEGAIS DUPLAS: ESUMO Emplo Emplo Calcul 6 Calcul 6 dd dd O fato das intgrais rsolvidas nos mplos srm iguais Não é

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 03

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 03 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 0 Em algum momnto da sua vida você dcorou a tabuada (ou boa part dla). Como você mmorizou qu x 6 = 0, não prcisa fazr st cálculo todas as vzs qu s dpara com l. Além

Leia mais

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tma O ciclo mnstrual tm a missão d prparar o organismo para consguir uma gravidz com êxito. O 1º dia d mnstruação corrspond ao 1º dia do ciclo mnstrual. Habitualmnt,

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

EXPRESSÕES LÓGICAS. 9.1 Lógica proposicional AULA 9

EXPRESSÕES LÓGICAS. 9.1 Lógica proposicional AULA 9 AULA 9 EXPRESSÕES LÓGICAS 9.1 Lógica proposicional Lógica é o studo do raciocínio 1. Em particular, utilizamos lógica quando dsjamos dtrminar s um dado raciocínio stá corrto. Nsta disciplina, introduzimos

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ]

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ] PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA [ Srra, ES ] [ 2008 ] Rfrências utilizadas na laboração dst matrial Olá, Aluno(a)! 1. LISKOV B. Data Abstraction and Hiararchy. In

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b

Resolução. Admitindo x = x. I) Ax = b Considr uma população d igual númro d homns mulhrs, m qu sjam daltônicos % dos homns 0,% das mulhrs. Indiqu a probabilidad d qu sja mulhr uma pssoa daltônica slcionada ao acaso nssa população. a) b) c)

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013 Txto para Coluna do NRE-POLI na Rvita Contrução Mrcado Pini - Novmbro 2013 Rico do Tomador do Agnt Financiro no Uo do Sitma Pric m rlação ao Sitma SAC no Financiamnto d Imóvi Ridnciai Prof. Dr. Claudio

Leia mais

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P

/ :;7 1 6 < =>6? < 7 A 7 B 5 = CED? = DE:F= 6 < 5 G? DIHJ? KLD M 7FD? :>? A 6? D P 26 a Aula 20065 AMIV 26 Exponncial d matrizs smlhants Proposição 26 S A SJS ntão Dmonstração Tmos A SJS A % SJS SJS SJ % S ond A, S J são matrizs n n ", (com dt S 0), # S $ S, dond ; A & SJ % S SJS SJ

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hwltt-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 05 Elson Rodrigus, Gabril Carvalho Paulo Luiz Ano: 2016 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO 2 PRODUTO CARTESIANO 2 Númro d lmntos d 2 Rprsntaçõs

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA Encontro d Ensino, Psquisa Extnsão, Prsidnt Prudnt, 0 a 3 d outubro, 014 0 UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA TÍTULO DO TRABALHO EM INGLES Mário Márcio dos Santos Palhars 1, Antonio Carlos Tamarozzi² Univrsidad

Leia mais

Enunciados equivalentes

Enunciados equivalentes Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matmática Txto 6 Enunciados quivalnts Sumário 1 Equivalência d nunciados 2 1.1 Obsrvaçõs................................ 5 1.2 Exrcícios rsolvidos...........................

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

O emprego da proporção na resolução de problemas

O emprego da proporção na resolução de problemas Proporção O mprgo da proporção na rsolução d problmas Vamos aprndr agora a rsolvr problmas utilizando a proporção. Considr o sguint problma Uma vara d 0 cm fincada vrticalmnt no solo produz numa dtrminada

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 Parágrafo único Nos casos m qu o afastamnto s stndr por tmpo suprior ao prvisto, dsd qu autorizada sua prorrogação, fará jus, às diárias corrspondnts ao príodo prorrogado. Art.

Leia mais

Matemática: Lista de exercícios 2º Ano do Ensino Médio Período: 1º Bimestre

Matemática: Lista de exercícios 2º Ano do Ensino Médio Período: 1º Bimestre Matmática: Lista d xrcícios 2º Ano do Ensino Médio Príodo: 1º Bimstr Qustão 1. Três amigos saíram juntos para comr no sábado no domingo. As tablas a sguir rsumm quantas garrafas d rfrigrant cada um consumiu

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica CONTROLE DIGITAL

Departamento de Engenharia Elétrica CONTROLE DIGITAL Dpartamnto d Engnharia Elétrica CONTROLE DIGITAL PROF. DR. EDVALDO ASSUNÇÃO Univrsidad Estadual Paulista UNESP Faculdad d Engnharia d Ilha Soltira FEIS Dpartamnto d Engnharia Elétrica DEE -03- Sumário

Leia mais

CURSO ON LINE RACIOCÍNIO LÓGICO PARA DESESPERADOS PROFESSORES: GUILHERME NEVES E VÍTOR MENEZES. Aula 1 Lógica de argumentação e diagramas lógicos

CURSO ON LINE RACIOCÍNIO LÓGICO PARA DESESPERADOS PROFESSORES: GUILHERME NEVES E VÍTOR MENEZES. Aula 1 Lógica de argumentação e diagramas lógicos 1 Aula 1 Lógica d argumntação diagramas lógicos I LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO (CONTINUAÇÃO).... 2 1 Rvisão..... 2 2 Técnica 1: liminando as linhas com prmissas falsas... 5 Técnica 2: tabla vrdad modificada...

Leia mais

3 Aritmética Computacional

3 Aritmética Computacional 33 3 Aritmética Computacional 3. Introdução Quando s utiliza um qualqur instrumnto d trabalho para ralizar uma tarfa dv-s tr um conhcimnto profundo do su modo d funcionamnto, das suas capacidads das suas

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores GERADORES E RECEPTORES Stor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Call Gradors São sstmas qu convrtm um dtrmnado tpo d nrga, m nrga létrca. Cram mantém nos sus trmnas, uma dfrnça d potncal. São xmplos d gradors

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS 1 Introdução ao tma Exist todo o intrss na abordagm dst tma, pois prmit a rsolução d um conjunto d situaçõs qu s aprsntam rgularmnt na vida das organizaçõs. Estas qustõs

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE Doris Cristina Vicnt da Silva Matos (UFS) Considraçõs iniciais Chgamos a 2010,

Leia mais

a) 1. b) 0. c) xnw. d) q (Espm 2014) Se a matriz 7. (Pucrs 2014) Dadas as matrizes A = [ 1 2 3] a) 18 b) 21 c) 32 d) 126 e) 720 Se a matriz M=

a) 1. b) 0. c) xnw. d) q (Espm 2014) Se a matriz 7. (Pucrs 2014) Dadas as matrizes A = [ 1 2 3] a) 18 b) 21 c) 32 d) 126 e) 720 Se a matriz M= Dtrminant. (Upg 4) Considrando as matrizs abaixo, sndo dt A = 5, dtb= dtc=, assinal o qu for orrto. x z x y x A =,B= 4 5 x+ z y C= ) x+ y+ z= 4 ) A C= 4) B C= 4 8) y = x 6) 6 4 A+ B= 6 5 T. (Uds 4) S A

Leia mais

Álgebra. Matrizes. . Dê o. 14) Dada a matriz: A =.

Álgebra. Matrizes.  . Dê o. 14) Dada a matriz: A =. Matrizs ) Dada a matriz A = Dê o su tipo os lmntos a, a a ) Escrva a matriz A, do tipo x, ond a ij = i + j ) Escrva a matriz A x, ond a ij = i +j ) Escrva a matriz A = (a ij ) x, ond a ij = i + j ) Escrva

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Processo de Seleção 2 0 Semestre 2008 Exame de Conhecimento em Física

Programa de Pós-Graduação Processo de Seleção 2 0 Semestre 2008 Exame de Conhecimento em Física UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS INSTITUTO DE FÍSICA C.P. 131, CEP 74001-970, Goiânia - Goiás - Brazil. Fon/Fax: +55 62 521-1029 Programa d Pós-Graduação Procsso d Slção 2 0 Smstr 2008 Exam d Conhcimnto m

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais