APOSTILA DE GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSTILA DE GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL"

Transcrição

1 APOSTILA DE GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL Professora: Elisandra Bar de Figueiredo Elaboração da apostila: Elisandra Bar de Figueiredo Home-page: Joinville, fevereiro de 2011

2

3 PLANO DE ENSINO DE GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL Departamento: Matemática Disciplina: Geometria Plana e Espacial Sigla: GPE0001 Semestre/Ano: 01/2011 Carga Horária Total: 72 horas Teórica: 72 horas Prática: 0 Curso: Licenciatura em Matemática. Professora: Elisandra Bar de Figueiredo. Objetivo Geral da Disciplina: Capacitar o aluno para a compreensão dos teoremas relacionados à geometria e para as aplicações de propriedades de guras e sólidos geométricos. Ementa: Ângulos, Teorema de Tales, Polígonos, Pirâmides, Prismas, Poliedros, Teorema de Euler, Cilindros, Cone, Esfera. Objetivos Especícos da Disciplina: Desenvolver a capacidades do aluno de observação e representação dos objetos geométricos e físicos. Identicar os diversos tipos de guras planas e sólidos geométricos. Fornecer ao aluno, uma bagagem de conhecimento que lhes permita resolver problemas práticos e abstratos encontrados no dia a dia ou em outras disciplinas. Iniciar o aluno a utilizar o rigor lógico nos pensamentos dedutivo e indutivo. Cronograma de Atividades: 1. Noções primitivas e Postulados 1.1. Noções primitivas 1.2. Postulados: existência, determinação e inclusão 1.3. Segmentos de reta 1.4. Posições relativas entre retas e planos 2. Ângulos 2.1. Denição 2.2. Medida de ângulos 2.3. Ângulos internos de guras geométricas planas 3. Triângulos e Quadriláteros 3.1. Congruência de triângulos i

4 3.2. Paralelismo e perpendicularidade 3.3. Pontos notáveis no triângulo 3.4. Quadriláteros notáveis 4. Circunferência e círculo 4.1. Ângulos na circunferência 4.2. Quadriláteros inscritos e circunscritos 5. Semelhança de Triângulos 5.1. Teorema de Tales 5.2. Triângulos semelhantes 5.3. Relações métricas no triângulo retângulo 5.4. Triângulos quaisquer 6. Figuras planas 6.1. Polígonos regulares 6.2. Polígonos inscritos e circunscritos em circunferências 6.3. Perímetros e comprimento de circunferência 7. Área de guras planas 7.1. Área de regiões poligonais 7.2. Área do círculo e de suas partes 8. Poliedros 8.1. Conceitos gerais de poliedros 8.2. Poliedros convexos 8.3. Teorema de Euler 9. Prismas 9.1. Denição, elementos e classicação 9.2. Área da base, da superfície lateral e total 9.3. Volume 9.4. Princípio de Cavalieri 10. Pirâmides Denição, elementos e classicação ii

5 10.2. Área da base, da superfície lateral e total Volume Tetraedro Tronco de pirâmide 11. Cilindros Denição, elementos e classicação Seção meridiana Área da base, da superfície lateral e total Volume 12. Cones Denição, elementos e classicação Seção meridiana Área da base, da superfície lateral e total Volume 12.5 Tronco de cone 13. Esfera Denição e elementos Área da superfície esférica Volume Seções 14.5 Fuso esférico 14.6 Cunha esférica Avaliações: Serão realizadas 4 avaliações escritas individuais, com a seguinte distribuição de conteúdos: 1 a P rova: referente ao Capítulos 1, 2 e 3: nota x 2 a P rova: referente ao Capítulos 4, 5 e 6: nota y 3 a P rova: referente aos Capítulos 7, 8, 9 e 10: nota z 4 a P rova: referente ao Capítulo 11, 12 e 13: nota w Média Semestral: A nota semestral será calculada pela média aritmética das notas das quatro avaliações, ou seja Média= x + y + z + w. 2 iii

6 Datas das Avaliações: 1 a P rova: 29/03/2011 (terça-feira, entre 9h20min e 11h50min) 2 a P rova: 03/05/2011 (terça-feira, entre 9h20min e 11h50min) 3 a P rova: 02/06/2011 (quinta-feira, entre 7h e 9h20min) 4 a P rova: 28/06/2011 (terça-feira, entre 9h20min e 11h50min) EXAME: 05/07/2011 (terça-feira, entre 9h20min e 11h50min) Segunda chamada das provas Caso o acadêmico não possa comparecer a qualquer uma das avaliações, deverá entrar com pedido ocial de solicitação de segunda chamada desta prova, no prazo de cinco dias úteis, de acordo com a Resolução 018/2004 Consepe. As provas de segunda chamada, quando deferidas, ocorrerão sempre antes da realização da próxima avaliação programada, em data, horário e local a serem divulgados no mural do DMAT e na página da disciplina. É de responsabilidade do acadêmico acompanhar os trâmites do seu processo de segunda chamada. BIBLIOGRAFIA IEZZI, G. et all. Geometria Plana. Coleção Fundamentos da Matemática Elementar. Volume 09, 8 a edição, Editora Atual, IEZZI, G. et all. Geometria Espacial. Coleção Fundamentos da Matemática Elementar. Volume 10, 6 a edição, Editora Atual, KALEFF, A. M. Vendo e entendendo poliedros: do desenho ao cálculo do volume através de quebra-cabeças geométricos e outros materiais concretos. 2 a edição, EDUFF, Rio de Janeiro, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BARBOSA, J.L.M. Geometria Euclidiana Plana. Coleção do Professor de Matemática, SBM, CARVALHO, P.C.P. Introdução à Geometria Espacial. Coleção do Professor de Matemática, SBM, GARBI, G. G.. C.Q.D.. 1 a edição, Livraria da Física, LIMA, E.L., CARVALHO, P.C.P., WAGNER, E. e MORGADO, A.C. A Matemática do Ensino Médio. Volume 2. Coleção do Professor de Matemática, SBM, LIMA, E.L. Medida e Forma em Geometria. Coleção do Professor de Matemática, SBM, MORGADO, A.C., WAGNER, E. e JORGE, M. Geometria I. Editora VestSeller, MORGADO, A.C., WAGNER, E. e JORGE, M. Geometria II. Editora VestSeller, iv

7 Horário de Monitoria Monitor: Início Final Segunda Terça Quarta Quinta Sexta 07:30 08:20 08:20 09:10 09:20 10:10 10:10 11:00 11:00 11:50 13:30 14:20 14:20 15:10 15:20 16:10 16:10 17:00 17:00 17:50 18:10 19:00 19:00 19:50 19:50 20:40 Horário de Atendimento da Professora Início Final Segunda Terça Quarta Quinta Sexta 07:30 08:20 08:20 09:10 09:20 10:10 10:10 11:00 11:00 11:50 13:30 14:20 14:20 15:10 15:20 16:10 16:10 17:00 17:00 17:50 18:10 19:00 19:00 19:50 19:50 20:40 v

8 Conteúdo 1 Noções primitivas e postulados Estrutura Matemática Noções primitivas, postulados e denições Noções primitivas Proposições primitivas Denições Posições relativas entre pontos, retas e planos Determinação de um plano Exercícios Elementos do espaço, do plano e da reta Conceitos Exercícios Triângulos Conceitos - Elementos - Classicação Elementos do ABC Classicação Congruência de triângulos Exercícios Paralelismo e Perpendicularismo Ângulos das paralelas Desigualdades nos triângulos Perpendicularidade Exercícios Quadriláteros Quadriláteros - denição e elementos Quadriláteros notáveis - denições Propriedades dos trapézios Propriedades dos paralelogramos Propriedades dos retângulos Propriedades dos losangos Resumo Base média do triângulo Base média do trapézio Exercícios vi

9 6 Pontos notáveis do triângulo Incentro Circuncentro Ortocentro Baricentro Exercícios Polígonos Denições e elementos Diagonais - Ângulos internos - Ângulos externos Exercícios Circunferência e círculo Denições e elementos Interior e exterior de uma circunferência Posições relativas entre duas circunferências Posições relativas entre uma reta e uma circunferência Quadriláteros circunscritíveis Exercícios Ângulos na circunferência Congruência Ângulo central Ângulo inscrito Quadrilátero inscritível Ângulo de segmento Ângulo excêntrico Exercícios Teorema de Tales e Semelhança de triângulos Feixe de retas paralelas Teorema das bissetrizes Semelhança de triângulos Casos de semelhança de triângulos Exercícios Relações métricas nos triângulos Triângulos retângulos Aplicações do teorema de Pitágoras Triângulos quaisquer Exercícios Polígonos regulares Conceitos e propriedades Medida do lado e do apótema de polígonos regulares Exercícios vii

10 13 Comprimento da circunferência Conceitos e propriedades Comprimento de um arco de circunferência Exercícios Áreas de superfícies planas Equivalência plana Área Exercícios Poliedros convexos Superfície poliédrica e poliedros Poliedros de Platão Exercícios Prismas Denições e elementos Paralelepípedos e romboedros Volume de um sólido Volume de um paralelepípedo retângulo Princípio de Cavalieri Volume de um prisma Exercícios Cilindro Denições e elementos Área lateral e total Volume do cilindro Exercícios Pirâmide Denições e elementos Volume da pirâmide Tronco de pirâmide Exercícios Cone Denições e elementos Áreas lateral e total Volume do cone Tronco de cone Exercícios Esfera Denições Área e volume Exercícios viii

11 Capítulo 1 Noções primitivas e postulados 1.1 Estrutura Matemática 1. Noções primitivas - estabelecidas sem denição; 2. Proposições primitivas (postulados ou axiomas) - são armações aceitas sem demonstração; 3. Denição - caracterização de elementos; 4. Propriedades, proposições, teoremas, corolários, lemas - são armações que devem ser provadas 1

12 1.2 Noções primitivas, postulados e denições Noções primitivas Adotaremos sem denir os conceitos de NOTAÇÕES: Ponto, Reta e Plano. Ponto: letras latinas maiúsculas - A, B, C, Reta: letras latinas minúsculas - r, s, t, Plano: letras gregas minúsculas - α, β, γ, Proposições primitivas 1. Postulado da existência (a) Existe reta e numa reta, bem como fora dela, existem innitos pontos. (b) Existe plano e num plano, bem como fora dele, há innitos pontos. 2. Postulados da determinação (a) Da reta: dois pontos distintos, A e B, determinam uma única reta que passa por eles. Denotaremos esta reta por AB. (b) Do plano: três pontos, A, B e C, não colineares (pontos que não pertencem a uma mesma reta) determinam um único plano que passa por eles. Denotaremos este plano por (A, B, C). 3. Postulado da inclusão: Se uma reta tem dois pontos distintos contidos num plano, então esta reta está contida nesse mesmo plano Denições Denimos: 1. Pontos coplanares são pontos que pertencem a um mesmo plano. 2. Duas retas, r e s, são paralelas se ou são coincidentes ou são coplanares e não possuem nenhum ponto em comum. Notação: r s. 3. Duas retas são concorrentes se elas tem um único ponto de interseção. 4. Duas retas são reversas se não existe um plano que contém as duas retas. 2

13 1.2.4 Posições relativas entre pontos, retas e planos { P = Q 1. Pontos P e Q : P Q 2. Ponto P e reta r : { P r P / r { P α 3. Ponto P e plano α : P / α { r = s paralelas: r s = coplanares: 4. Retas r e s : concorrentes: r s = {P } 5. Reta r e plano α : 6. Planos α e β : { não coplanares: reversas: r s = r α r α = r r α r α = r concorrente com α r α = {P } α β α β = α e β secantes α β = r OBSERVAÇÃO Se a interseção de dois planos não é vazia, então é sempre uma reta. 1.3 Determinação de um plano Existem quatro maneiras de determinar um plano: 1. Três pontos não colineares - Postulado da determinação. 2. Uma reta e um ponto fora dela - Teorema: TEOREMA Se uma reta e um ponto são tais que o ponto não pertence à reta, então eles determinam um único plano que os contém. 3. duas retas concorrentes - Teorema: TEOREMA Se duas retas são concorrentes, então elas determinam um único plano que as contém. 4. duas retas paralelas distintas - Teorema: TEOREMA Se duas retas são paralelas entre si e distintas, então elas determinam um único plano que as contém. 3

14 1.4 Exercícios 1. Retas reversas podem ser paralelas? 2. Quantos são os planos determinados por quatro pontos distintos? 3. Prove que: três retas, duas a duas concorrentes, não passando pelo mesmo ponto, estão contidas no mesmo plano. 4. Três retas, duas a duas concorrentes, passando pelo mesmo ponto, estão contidas no mesmo plano? 5. Na gura abaixo temos um sólido cujas faces estão contidas em seis planos distintos (o sólido é um paralelepípedo). Determine a interseção dos planos α e β, sendo α o plano determinado pelas retas AB e HG e β o plano determinado pelas retas BC e EH. 6. Classique em V (verdadeiro) ou F (falso) justicando a resposta. (a) Por um ponto passam innitas retas. (b) Uma reta contém dois pontos distintos. (c) Dois pontos distintos determinam uma e uma só reta. (d) Por três pontos dados passa uma só reta. (e) Três pontos distintos são sempre colineares. (f) Três pontos distintos são sempre coplanares. (g) Quatro pontos todos distintos determinam duas retas. (h) Três pontos pertencentes a um plano são sempre colineares. (i) Quaisquer que sejam os pontos A e B, se A é distinto de B, então existe uma reta a tal que A a e B a. (j) Quaisquer que sejam os pontos P e Q e as retas r e s, se P é distinto de Q, e P e Q pertencem às retas r e s, então r = s. (k) Três pontos distintos determinam um plano. (l) Um ponto e uma reta determinam um único plano. (m) Duas retas distintas paralelas e uma reta concorrente com as duas determinam dois planos distintos. (n) Três retas distintas, duas a duas paralelas, determinam um ou três planos. (o) Três retas distintas, duas a duas concorrentes, determinam um ou três planos. 7. Usando quatro pontos todos distintos, sendo três deles colineares, quantas retas podemos construir? 4

15 8. Quantas e quais são as retas determinadas por pares de pontos A, B, C e D, dois a dois distintos, se eles não são coplanares. 9. Quais são os planos determinados por quatro pontos distintos A, B, C e D? 10. Prove que: duas retas paralelas distintas e uma concorrente com as duas são coplanares. 11. Quantos são os planos que passam por uma reta? Justique. 12. Prove que: se duas retas são paralelas e distintas, todo plano que contém uma delas e um ponto da outra, contém a outra. 13. Num plano α há uma reta r e um ponto P não pertencente a r. Prove que: se conduzirmos por P uma reta s, paralela a r, então s está contida em α. 14. Duas retas distintas r e s, reversas a uma terceira reta t, são reversas entre si? Justi- que. 15. Prove que: Duas retas reversas e uma concorrente com as duas determinam dois planos distintos. 16. Classique em V (verdadeiro) ou F (falso) justicando a resposta. (a) Duas retas distintas determinam um plano. (b) Duas retas concorrentes são coplanares. (c) Duas retas coplanares são concorrentes. (d) Duas retas distintas não paralelas são reversas. (e) Duas retas que não tem um ponto em comum são paralelas. (f) Duas retas coplanares ou são paralelas ou são concorrentes. (g) r s = r e s são reversas. (h) r e s são reversas r s =. (i) A condição r s = é necessária para que r e s sejam reversas. (j) A condição r s = é suciente para que r e s sejam reversas. (k) A condição r s = é necessária para que duas retas distintas r e s sejam paralelas. (l) A condição r s = é suciente para que duas retas r e s sejam paralelas. (m) Dois planos secantes tem innitos pontos em comum. 17. Num plano α há duas retas AB e CD concorrentes num ponto O. Fora de α há um ponto P. Qual a interseção dos planos β = (P, A, B) e γ = (P, C, D)? 18. Duas retas r e s são reversas. Em r há um ponto R e em s há um ponto S. Qual é a interseção dos planos α = (r, S) e β = (s, R)? 5

16 Capítulo 2 Elementos do espaço, do plano e da reta 2.1 Conceitos 1. Um ponto de uma reta divide a mesma em dois conjuntos de pontos chamado semirretas, sendo o ponto de divisão chamado origem de cada semirreta. Notação: AB 2. Dados dois pontos A e B em uma reta r chama-se segmento AB ao conjunto de pontos de r que estão entre A e B, que são os extremos do segmento. 3. Dois segmentos de reta são consecutivos se uma extremidade de um deles é também extremidade do outro. 4. Dois segmentos de reta são colineares se pertencem a mesma reta. 5. Dois segmentos de reta colineares e consecutivos são adjacentes se possuem apenas uma extremidade em comum. 6. Uma reta r de um plano α divide α em dois conjuntos de pontos chamados semiplanos, sendo a reta de divisão chamada origem de cada semiplano. 7. Um plano qualquer divide o espaço em dois conjuntos de pontos chamados semiespaços, sendo o plano de divisão chamado origem de cada semiespaço. 6

17 8. Um conjunto de pontos é convexo se, para todo par de pontos A e B do conjunto, o segmento AB está inteiramente contido no conjunto. Quando o conjunto não é convexo ele é dito côncavo. 9. Ângulo é a união de duas semirretas com mesma origem. 10. Se as duas semirretas que determinam um ângulo não são opostas então este ângulo determina dois setores angulares, um convexo e um côncavo. O setor convexo é chamado interior do ângulo. 11. Ângulo entre duas retas é o menor ângulo formado por elas. 12. Ângulo entre duas retas reversas é o ângulo formado por duas retas concorrentes paralelas as duas primeiras. 13. Congruência (a) Dois segmentos são congruentes quando podem ser levados a coincidir por superposição, mediante um deslocamento rígido de um deles. (b) Duas guras são congruentes quando podem ser levadas a coincidir por superposição, mediante um deslocamento rígido de uma delas. 7

18 14. Bissetriz de um ângulo é a semirreta que divide o ângulo em dois ângulos congruentes. 15. Duas retas são perpendiculares quando são concorrentes e formam quatro ângulos congruentes. Notação: r s. 16. Qualquer um dos ângulos formados pelas retas perpendiculares chama-se ângulo reto. 17. Dois ângulos são adjacentes quando possuem o mesmo vértice e um lado em comum. 18. (a) α é um ângulo agudo se α < 1R; (b) α é um ângulo obtuso se α > 1R; (c) α é um ângulo raso se α = 2R. 19. Dois ângulos α e β são: (a) complementares se α + β = 1R; (b) suplementares se α + β = 2R; (c) replementares se α + β = 4R. 20. Dois ângulos são opostos pelo vértice, (opv), quando os lados de um são as semirretas opostas dos lados do outro. 21. Medida de um segmento: Medir um segmento é compará-lo com um outro tomado como unidade. Notação: m(ab), AB ou simplesmente AB. 8

19 Consequência: Dois segmentos são congruentes quando possuem a mesma medida. 22. Medida de ângulos: Medir um ângulo é compará-lo com outro ângulo tomado como unidade. (a) Sistema sexagesimal: Unidade - grau - 1 = 1 90 R. Múltiplos - subunidades minuto: 1 = 1 60, segundo: 1 = (b) Sistema decimal: Unidade - grado - 1gr = R. Múltiplos - subunidades decígrado: centígrado: 1dgr = 0, 1gr, 1cgr = 0, 01gr. TEOREMA Se dois ângulos são opostos pelo vértice, então eles são congruentes. 2.2 Exercícios 1. As bissetrizes de dois ângulos adjacentes suplementares são perpendiculares. 2. As bissetrizes de dois ângulos opostos pelo vértice são semirretas opostas. 3. Sendo AB e BC segmentos colineares e consecutivos, AB o quádruplo de BC e AC = 45u.c., determine AB e BC. 4. O segmento AB de uma reta é igual ao quíntuplo do segmento CD dessa mesma reta. Determine a medida do segmento AB, considerando como unidade de medida a quinta parte do segmento CD. Capítulo 2 do livro texto volume 9: 17, 22 e 23 Capítulo 3 do livro texto volume 9: 30-33, 44, 62, 67, 72, 77 e 78. 9

20 Capítulo 3 Triângulos 3.1 Conceitos - Elementos - Classicação DEFINIÇÃO Dados três pontos A, B e C não colineares a união dos segmentos AB, BC e AC chama-se triângulo ABC. Notação: Triângulo ABC = ABC Elementos do ABC Vértices: os pontos A, B e C; Lados: os segmentos AB, BC e AC; Ângulos (ou ângulos internos): BÂC ou Â, A ˆBC ou ˆB e AĈB ou Ĉ. Dizemos que os lados AB, BC e AC e os ângulos Ĉ, Â e ˆB são, respectivamente opostos Classicação Quanto aos lados: 1. Equilátero - os três lados congruentes. 2. Isósceles - dois lados congruentes. Num triângulo isósceles o lado não congruente é chamado base e o ângulo oposto à base é o ângulo do vértice. 3. Escaleno - quaisquer dois lados não são congruentes. Quanto aos ângulos: 1. Acutângulo - os três ângulos agudos. 2. Retângulo - um ângulo reto. O lado oposto ao ângulo reto num triângulo retângulo é chamado hipotenusa e os outros dois são catetos. 3. Obtusângulo - um ângulo obtuso. 4. Equiângulo - os três ângulos congruentes. 10

21 DEFINIÇÃO Altura de um triângulo é o segmento de reta perpendicular à reta suporte de um lado do triângulo com extremidades nesta reta e no vértice oposto ao lado considerado. DEFINIÇÃO Bissetriz interna de um triângulo é o segmento, com extremidades num vértice e no lado oposto, que divide o ângulo desse vértice em dois ângulos congruentes. DEFINIÇÃO Dado um ABC e sendo CX a semirreta oposta à semirreta CB, o ângulo ê = eˆ C = AĈX é o ângulo externo do ABC adjacente a Ĉ e não adjacente aos ângulos  e ˆB. DEFINIÇÃO Mediana de um triângulo é o segmento com extremidades num vértice e no ponto médio do lado oposto. DEFINIÇÃO Um triângulo é congruente a outro se é possível estabelecer uma correspondência entre seus vértices de modo que: seus lados são ordenadamente congruentes aos lados do outro; seus ângulos são ordenadamente congruentes aos ângulos do outro. 3.2 Congruência de triângulos 1. Lado-Ângulo-Lado (LAL): dois lados e o ângulo compreendido respectivamente congruentes; 11

22 2. Ângulo-Lado-Ângulo (ALA): um lado e seus dois ângulos adjacentes respectivamente congruentes; 3. Lado-Lado-Lado (LLL): três lados respectivamente congruentes; 4. Lado-Ângulo-Ângulo oposto (LAA O ): um lado, um ângulo adjacente e o ângulo oposto ao lado respectivamente congruentes; 5. Caso especial de triângulos retângulos - a hipotenusa e um dos catetos respectivamente congruentes. TEOREMA Um triângulo é isósceles se, e somente se, seus ângulos da base são congruentes. COROLÁRIO Um triângulo equilátero possui os três ângulos congruentes. 3.3 Exercícios 1. Prove que a mediana relativa à base de um triângulo isósceles é também bissetriz. Capítulo 4 do livro texto volume 9: 80, 91, 93-96,

23 Capítulo 4 Paralelismo e Perpendicularismo 4.1 Ângulos das paralelas Sejam r e s retas paralelas e t uma reta concorrente com r e s (t é dita transversal às paralelas r e s). Os oito ângulos determinados por estas retas e indicados na gura abaixo são classicados como: alternos: α 1 e α 7, α 2 e α 8, α 3 e α 5, α 4 e α 6 ; correspondentes: α 1 e α 5, α 2 e α 6, α 3 e α 7, α 4 e α 8 ; colaterais: α 1 e α 8, α 2 e α 7, α 3 e α 6, α 4 e α 5. PROPRIEDADES 1. Os ângulos alternos são congruentes. 2. Os ângulos correspondentes são congruentes. 3. Os ângulos colaterais são suplementares. 13

24 PROPOSIÇÃO Um ângulo externo de um triângulo é a soma dos dois ângulos internos não adjacentes. COROLÁRIO A soma dos ângulos internos de um triângulo é 180. COROLÁRIO Num triângulo equilátero cada ângulo interno mede Desigualdades nos triângulos 1. Ao maior lado opõe-se o maior ângulo. 14

25 2. Ao maior ângulo opõe-se o maior lado. 3. DESIGUALDADE TRIANGULAR. Em cada triângulo cada lado é menor que a soma dos outros dois. E consequentemente cada lado é maior que a diferença dos outros dois. 4.3 Perpendicularidade DEFINIÇÃO Duas retas são perpendiculares se são concorrentes e formam um ângulo de 90. DEFINIÇÃO A projeção de um ponto P sobre uma reta r é o ponto P r obtido pela interseção de r com a reta perpendicular a r e passando por P. DEFINIÇÃO A distância do ponto P até a reta r é a distância de P até a sua projeção P. 15

26 DEFINIÇÃO A distância entre duas retas paralelas é a distância entre um ponto qualquer de uma delas até a outra reta. DEFINIÇÃO A mediatriz de um segmento é a reta perpendicular ao segmento que passa pelo seu ponto médio. PROPRIEDADE DOS PONTOS DA MEDIATRIZ. Todo ponto da mediatriz é equidistante das extremidades do segmento. PROPOSIÇÃO As mediatrizes dos lados de um triângulo interceptam-se num mesmo ponto que está a igual distância dos vértices do triângulo. 16

27 DEFINIÇÃO O ponto de interseção das mediatrizes de um triângulo é chamado circuncentro e é o centro da circunferência circunscrita ao triângulo. PROPRIEDADE DOS PONTOS DA BISSETRIZ. Todo ponto da bissetriz de um ângulo é equidistante dos lados deste ângulo. PROPOSIÇÃO As bissetrizes de um triângulo interceptam-se num mesmo ponto que está a igual distância dos lados deste triângulo. DEFINIÇÃO O ponto de interseção das bissetrizes de um triângulo é chamado incentro e é o centro da circunferência inscrita ao triângulo. 17

28 4.4 Exercícios 1. Com três segmentos cujos comprimentos são 9 cm, 13 cm e 23 cm é possível construir um triângulo? Justique sua resposta. 2. Na gura abaixo sabe-se que: AB//P Q; AB AM; BM MQ; m(bâc) =70 e m(p ˆQM) =55. Determine a medida de β. 3. No triângulo ABC da gura abaixo tem-se CD perpendicular a AB, BE perpendicular a AC e CD BE. Mostre que ABC é um triângulo isósceles. 4. O triângulo ABC abaixo é um triângulo retângulo com ângulo reto em  e não é isósceles. Além disso, AD é bissetriz do ângulo BÂH, AE é bissetriz do ângulo CÂH e AH é uma altura do triângulo ABC. Com os dados acima classique em V (verdadeiro) ou F (falso) as armações abaixo justicando sua resposta. (a) m(dâe) = 45. (b) O triângulo ADE é isósceles. (c) O triângulo BAE é isósceles. (d) O triângulo CAD é isósceles. Capítulo 4 do livro texto volume 9: 114, 115, 116; Capítulo 5 do livro texto volume 9: 135, 139, 140, 146, 147, 154, 155, 156, 167, 169, 185; Capítulo 6 do livro texto volume 9: 191, 198, 199, 200, 202, 203, 221,

29 Capítulo 5 Quadriláteros 5.1 Quadriláteros - denição e elementos DEFINIÇÃO Sejam A, B, C e D quatro pontos de um mesmo plano, todos distintos e três não colineares. Se os segmentos AB, BC, CD e DA interceptam-se apenas nas extremidades, a união destes quatro segmentos é um quadrilátero. Notação: Quadrilátero ABCD = ABCD = AB BC CD DA. OBSERVAÇÃO Um quadrilátero é um polígono simples de quatro lados. ELEMENTOS DO QUADRILÁTERO ABCD Vértices: os pontos A, B, C e D; Lados: os segmentos AB, BC, CD e DA; Ângulos (ou ângulos internos): DÂB ou Â, A ˆBC ou ˆB, BĈD ou Ĉ e C ˆDA ou ˆD; Diagonais: os segmentos AC e BD. PROPOSIÇÃO A soma dos ângulos internos de um quadrilátero é 360 graus e a soma dos ângulos externos de um quadrilátero convexo é também 360 graus. 19

30 5.2 Quadriláteros notáveis - denições 1. TRAPÉZIO - é o quadrilátero plano convexo que possui um par de lados paralelos, que são chamados de bases do trapézio. Classicação: Trapézio isósceles - se os lados não paralelos são congruentes; Trapézio escaleno - se os lados não paralelos não são congruentes; Trapézio retângulo - se possui dois ângulos retos. 2. PARALELOGRAMO - é o quadrilátero plano convexo que possui os lados opostos para-lelos. ABCD é paralelogramo AB//CD e BC//AD. 3. RETÂNGULO - é o quadrilátero plano convexo que possui os quatro ângulos congruentes. ABCD é retângulo  ˆB Ĉ ˆD. 4. LOSANGO - é o quadrilátero plano convexo que possui os quatro lados congruentes. ABCD é losango AB BC CD DA. 5. QUADRADO é o quadrilátero plano convexo que possui os quatro lados congruentes e os quatro ângulos congruentes. ABCD é quadrado AB BC CD DA e  ˆB Ĉ ˆD. PROPOSIÇÃO Todo quadrado é losango e retângulo. 20

31 5.3 Propriedades dos trapézios 1. Em qualquer trapézio ABCD com bases AB e CD temos que Â+ ˆD = ˆB +Ĉ = Os ângulos de cada base de um trapézio isósceles são congruentes. 3. As diagonais de um trapézio isósceles são congruentes. 5.4 Propriedades dos paralelogramos 1. Um quadrilátero convexo ABCD é um paralelogramo se, e somente se, possui os ângulos opostos congruentes. 21

32 2. Um quadrilátero convexo ABCD é um paralelogramo se, e somente se, possui os lados opostos congruentes. 3. Um quadrilátero convexo ABCD é um paralelogramo se, e somente se, as diagonais se interceptam nos respectivos pontos médios. 4. Todo quadrilátero convexo que tem dois lados paralelos e congruentes é um paralelogramo. 5.5 Propriedades dos retângulos 1. Um paralelogramo ABCD é um retângulo se, e somente se, tem as diagonais congruentes. 22

33 5.6 Propriedades dos losangos 1. Um paralelogramo ABCD é um losango se, e somente se, tem as diagonais perpendiculares. 5.7 Resumo Note que se um quadrilátero convexo tem diagonais que se cortam ao meio, então ele é um paralelogramo; tem diagonais que se cortam ao meio e são congruentes, então ele é um retângulo; tem diagonais que se cortam ao meio e são perpendiculares, então ele é um losango; tem diagonais que se cortam ao meio, são congruentes e são perpendiculares, então ele é um quadrado. 5.8 Base média do triângulo 1. Se um segmento tem extremidades nos pontos médios de dois lados de um triângulo, então ele é paralelo ao terceiro lado e mede metade do terceiro lado. 23

34 2. Se um segmento paralelo a um lado de um triângulo tem uma extremidade no ponto médio de um lado e a outra extremidade no terceiro lado, então esta extremidade é ponto médio do terceiro lado. 5.9 Base média do trapézio 1. Se um segmento tem extremidades nos pontos médios dos lados não paralelos de um trapézio, então ele é paralelo às bases e é igual a semissoma das bases. 2. Se um segmento paralelo às bases de um trapézio tem uma extremidade no ponto médio de um dos outros lados e a outra extremidade no quarto lado, então esta extremidade é ponto médio deste lado. 24

35 5.10 Exercícios 1. Prove que as bissetrizes dos ângulos formados pelas diagonais de um retângulo são paralelas aos lados do retângulo. 2. Sejam AB e P Q dois segmentos que interceptam-se num ponto X. Prove que se X é ponto médio dos dois segmentos, então o quadrilátero formado pelos pontos A, P, B e Q é um paralelogramo. 3. Demonstre que unindo-se, consecutivamente, os pontos médios dos lados de um retângulo obtém-se um losango. 4. Considere um losango ABCD se o ângulo formado pela mediana BX com um dos lados do losango mede 50 (veja a gura abaixo), determine a medida de todos os ângulos internos e externos deste losango. 5. No trapézio abaixo sabe-se que AD DC CB e BD BA. Determine a medida do ângulo Â. Na gura abaixo temos que D é ponto médio de AB, E é ponto médio de BC e a reta r é paralela a reta AB. Prove que ADHC é um paralelogramo e que DE = AC Considere um trapézio isósceles ABCD com bases AB e CD. Seja O o ponto de interseção das suas diagonais. (a) Prove que os triângulos BOC e AOD são congruentes. (b) Se a razão entre a medida dos ângulos  e ˆD é 2, determine a medida de todos 7 os ângulos internos desse trapézio. Capítulo 7 do livro texto volume 9: 227, 229, 231, 234, 235, 254, 256,

36 Capítulo 6 Pontos notáveis do triângulo 6.1 Incentro DEFINIÇÃO Num triângulo ABC incentro é o centro da circunferência inscrita nesse triângulo. PROPRIEDADE. O incentro é o ponto de interseção das três bissetrizes de um triângulo. Para provar isto usamos o propriedade dos pontos da bissetriz. Visto no resumo de Perpendicularismo. 6.2 Circuncentro DEFINIÇÃO Num triângulo ABC circuncentro é o centro da circunferência circunscrita a este triângulo. PROPRIEDADE. O circuncentro é o ponto de interseção das três mediatrizes de um triângulo. Para provar isto usamos o propriedade dos pontos da mediatriz. Visto no resumo de Perpendicularismo. 6.3 Ortocentro DEFINIÇÃO Ortocentro é o ponto de interseção das três alturas de um triângulo. A prova que as três alturas de um triângulo se interceptam num mesmo ponto pode ser encontrada no livro texto no capítulo Baricentro PROPOSIÇÃO As três medianas de um triângulo de interceptam-se num mesmo ponto, chamado baricentro do triângulo, que divide a mediana em duas partes tais que a parte que contém o vértice é o dobro da outra. DEMONSTRAÇÃO: 26

37 27

38 6.5 Exercícios 1. O triângulo ABC abaixo é um triângulo equilátero com incentro no ponto O. Prove que O é também circuncentro e ortocentro deste triângulo. 2. Considere o trapézio ABCD com AB//CD, AB = 8u.c. e CD = 5u.c., representado na gura abaixo. Se G é o baricentro do triângulo ABC qual a medida de ZY? 3. Se o quadrilátero ABCD é um paralelogramo e M é o ponto médio da AB. Determine m(p M), sendo m(dp ) = 16 cm. 4. Na Figura abaixo P é o ponto médio de AC e P Q é paralelo a BC. Sendo BC = 40 u.c. e AC = 50 u.c., determine P Q e P O. Capítulo 8 do livro texto volume 9: 277, 278, 280, 281, 282, 285, 288, 289,

39 Capítulo 7 Polígonos 7.1 Denições e elementos DEFINIÇÃO Dada uma sequência de pontos distintos (A 1, A 2, A 3,, A n ), com n 3, em um plano α, sendo que três pontos consecutivos não são colineares, considerando A n, A 1 e A 2 consecutivos, chama-se polígono de n lados a união dos segmentos A 1 A 2, A 2 A 3,, A n 1 A n, A n A 1. Notação: Polígono A 1 A 2 A n 1 A n = A 1 A 2 A 2 A 3 A n 1 A n A n A 1. EXEMPLO Identique quais casos abaixo são polígonos. TIPOS DE POLÍGONOS Um polígono é simples se a interseção de quaisquer dois lados não consecutivos é vazia. Um polígono é complexo quando não é simples. Um polígono é convexo se a reta determinada por dois vértices consecutivos quaisquer deixa os demais vértices num mesmo semiplano dos dois que ela determina. Um polígono que não é convexo é chamado de polígono côncavo. OBSERVAÇÃO Por denição, um quadrilátero é sempre um polígono simples. 29

40 EXEMPLO Classique os polígonos dados no Exemplo 1. ELEMENTOS DE UM POLÍGONO Considerando o polígono A 1 A 2 A n 1 A n, temos: Vértices - Lados - Ângulos (internos) - Ângulos externos de um polígono convexo - Lados Consecutivos - Ângulos Consecutivos - Perímetro - Diagonais - NOME DOS POLÍGONOS De acordo com o número de lados os polígonos recebem nomes especiais. Veja a seguir a correspondência, sendo n o número de lados. n = 3 triângulo ou trilátero n = 4 quadrângulo ou quadrilátero n = 5 pentágono n = 6 hexágono n = 7 heptágono n = 8 octógono n = 9 eneágono n = 10 decágono 30

41 n = 11 undecágono n = 12 dodecágono n = 15 pentadecágono n = 20 icoságono DEFINIÇÃO Um polígono convexo é regular se tem todos os lados congruentes (equilátero) e todos os ângulos congruentes (equiângulo). EXEMPLO O triângulo regular é o triângulo equilátero. O quadrilátero regular é o quadrado. Para os demais polígonos usamos a notação regular. Exemplo: pentágono regular, icoságono regular. 7.2 Diagonais - Ângulos internos - Ângulos externos PROPOSIÇÃO O número de diagonais de um polígono convexo de n lados, n 3, é n(n 3) dado por d =. 2 PROPOSIÇÃO A soma S i dos ângulos internos de um polígono convexo de n lados, n 3, é S i = (n 2)

42 PROPOSIÇÃO A soma S e dos ângulos externos de um polígono convexo de n lados, n 3, é S e = 360. COROLÁRIO Num polígono convexo regular de n lados, n 3, cada ângulo interno e (n 2) 180 externo medem, respectivamente, a i = e a e = 360 n n. 7.3 Exercícios 1. Na gura abaixo temos um hexágono e um pentágono regular. Determine a medida de α, β, θ e δ. 2. Três polígonos convexos têm o número de lados expresso pelos números inteiros n, n+1 e n+2. Sabendo que a soma dos ângulos internos dos três polígonos é 2700, determine o número de diagonais de cada um destes polígonos. 3. Considere um polígono convexo de 6 lados. Sabendo que as medidas dos ângulos internos desse polígono formam uma progressão aritmética e a proporção entre o menor ângulo e a razão desta progressão é 15, determine a medida de todos os ângulos internos 2 deste polígono. Capítulo 9 do livro texto volume 9: 294, 295, 298, 311, 320, 322, 324, 326,

43 Capítulo 8 Circunferência e círculo 8.1 Denições e elementos DEFINIÇÃO Circunferência é o conjunto de pontos de um plano α cuja distância de um ponto O α é igual a uma distância r > 0 xa dada. O ponto O é chamado centro e r é o raio da circunferência. Notação: Circunferência de centro O e raio r : λ(o, r), assim, λ(o, r) = {p α/d(p, O) = r} Interior e exterior de uma circunferência Dado um ponto X α e uma circunferência λ(o, r) α, podemos ter: 1. X interno a λ d(x, O) < r; 2. P pertence a λ d(p, O) = r; 3. Y externo a λ d(y, O) > r; O conjunto de todos os pontos interiores a λ(o, r) é o interior da circunferência e o conjunto dos pontos exteriores é o seu exterior. ELEMENTOS DA CIRCUNFERÊNCIA λ(o, r): Centro - Raio - Corda - Diâmetro - Arco de circunferência - Arco menor - 33

44 Arco maior - Semicircunferência - DEFINIÇÃO Círculo ou disco é o conjunto de pontos de um plano α cuja distância de um ponto O α é menor ou igual a uma distância r > 0 xa dada. O ponto O é chamado centro e r é o raio do círculo. Notação: Circulo de centro O e raio r : c(o, r), assim, c(o, r) = {p α/d(p, O) r}. OBSERVAÇÃO O círculo c(o, r) é a união da circunferência λ(o, r) com o seu interior. ELEMENTOS DO CÍRCULO c(o, r): Setor circular - Segmento circular - Semicírculo Posições relativas entre duas circunferências Sejam λ 1 (O 1, r 1 ) e λ 2 (O 2, r 2 ) duas circunferências, com r 1 > r 2 e d = d(o 1, O 2 ). Podemos ter, 1. λ 2 λ 1 não tangentes, então d < r 1 r 2 ; 2. λ 2 λ 1 tangentes, então d = r 1 r 2 ; 3. λ 2 e λ 1 tangentes externas, então d = r 1 + r 2 ; 4. λ 2 e λ 1 secantes, então r 1 r 2 < d < r 1 + r 2 ; 5. λ 2 externa a λ 1, então d > r 1 + r 2. 34

45 8.3 Posições relativas entre uma reta e uma circunferência 1. t tangente a λ(o, r), então d(o, t) = r; 2. s secante a λ(o, r), então d(o, s) < r; 3. l exterior a λ(o, r), então d(o, l) > r. PROPRIEDADES DA RETA SECANTE A UMA CIRCUNFERÊNCIA Seja s uma reta secante à circunferência λ(o, r), não passando por O, com s λ = {A, B}. Então, temos (a) Se M é ponto médio da corda AB, então OM s. (b) Se l é uma reta perpendicular à reta s, passando por O e P s l, então P é ponto médio de AB. PROPRIEDADES DA RETA TANGENTE A UMA CIRCUNFERÊNCIA 1. Toda reta perpendicular a um raio na sua extremidade da circunferência é tangente à circunferência. 35

46 2. Seja t uma reta tangente à circunferência λ(o, r) no ponto T. Então, OT t. PROPOSIÇÃO Se de um ponto P conduzirmos os segmentos P A e P B tangentes a circunferência λ(o, r), com A, B λ, então P A P B. 8.4 Quadriláteros circunscritíveis DEFINIÇÃO Um quadrilátero convexo é circunscrito a uma circunferência se seus quatro lados são tangentes à circunferência. PROPOSIÇÃO Um quadrilátero convexo ABCD é circunscrito a uma circunferência λ se, e somente se, AB + CD = AD + BC. 36

47 8.5 Exercícios 1. Determine os raios das circunferências centradas em A, B e C, sendo m(ab) = 12, m(bc) = 13 e m(ac) = 17. Capítulo 10 do livro texto volume 9: 337, 339, 342, 343, 353, 357, 358, 361, 364, 370,

48 Capítulo 9 Ângulos na circunferência 9.1 Congruência DEFINIÇÃO Duas circunferências são congruentes se possuem o mesmo raio. DEFINIÇÃO Dois arcos são congruentes se são arcos de circunferências de mesmo raio e possuem o mesmo ângulo de abertura. 9.2 Ângulo central DEFINIÇÃO Ângulo central relativo a circunferência λ(o, r) é o ângulo que tem o vértice no centro da circunferência. Todo ângulo central determina na circunferência um arco AB correspondente, sendo A e B os pontos onde o ângulo intercepta a circunferência. Na gura abaixo α = AÔB é um ângulo central com arco AB correspondente. DEFINIÇÃO A medida de uma arco de circunferência é igual a medida do ângulo central correspondente. 9.3 Ângulo inscrito DEFINIÇÃO Ângulo inscrito na circunferência λ(o, r) é um ângulo que tem o vértice na circunferência e os lados são secantes a circunferência. Na gura abaixo α é ângulo inscrito com ângulo AÔB como ângulo central correspondente. 38

49 PROPOSIÇÃO A medida de um ângulo inscrito é metade da medida do ângulo central correspondente. PROPOSIÇÃO Todo ângulo reto é inscritível numa semicircunferência. Reciprocamente, todo ângulo inscrito numa semicircunferência, com os lados passando pelas extremidades da semicircunferência é um ângulo reto. 9.4 Quadrilátero inscritível DEFINIÇÃO Um quadrilátero que tem os vértices numa circunferência é um quadrilátero inscrito nesta circunferência. 39

50 PROPOSIÇÃO Um quadrilátero convexo é inscritível numa circunferência se, e somente se, os ângulos opostos são suplementares. 9.5 Ângulo de segmento DEFINIÇÃO Ângulo de segmento ou ângulo semi-inscrito relativo a uma circunferência é um ângulo que tem o vértice na circunferência, um lado secante e o outro lado tangente à circunferência. Na gura abaixo α é o ângulo do segmento circular AB. PROPOSIÇÃO A medida do ângulo de segmento é metade da medida do ângulo central correspondente. 40

51 9.6 Ângulo excêntrico DEFINIÇÃO Se duas cordas se interceptam num ponto no interior a uma circunferência, distinto do centro, então qualquer um dos ângulos que elas formam é chamado ângulo excêntrico interior. Na gura abaixo β e θ são ângulos excêntricos interiores. DEFINIÇÃO Se com origem num ponto exterior a uma circunferência traçarmos duas semirretas, ambas secantes à circunferência, ou ambas tangentes, ou uma secante e a outra tangente, estas semirretas formam um ângulo que é chamado ângulo excêntrico exterior. Nas guras abaixo α é sempre um ângulo excêntrico exterior. 9.7 Exercícios 1. Demonstre que: se duas cordas de uma mesma circunferência são congruentes, então os arcos correspondentes às cordas são congruentes. 2. Seja AB o diâmetro de uma circunferência e C um ponto sobre a circunferência tal que a medida do arco BC seja igual a 32. Calcule a medida dos ângulos A ˆBC e AĈB. 3. Prove que um trapézio inscrito em uma circunferência é isósceles. 4. Determine a medida de um ângulo excêntrico interior, em relação à medida dos arcos que ele compreende. 5. Determine a medida de um ângulo excêntrico exterior, em relação à medida dos arcos que ele compreende. 6. Determine a medida do ângulo α representado abaixo, sabendo que CD = R, sendo R o raio da circunferência. Capítulo 11 do livro texto volume 9: 378, 382, 383, 385, 386, 389, 390, 392, 393, 394, 395,

52 Capítulo 10 Teorema de Tales e Semelhança de triângulos 10.1 Feixe de retas paralelas DEFINIÇÃO Feixe de retas paralelas é um conjunto de retas coplanares paralelas entre si. DEFINIÇÃO Reta transversal a um feixe de retas paralelas é uma reta concorrente com as retas do feixe. DEFINIÇÃO Pontos correspondentes de duas retas transversais a um feixe de retas paralelas são os pontos destas transversais que estão numa mesma reta do feixe. DEFINIÇÃO Segmentos correspondentes de duas retas transversais são os segmentos cujas extremidades são os respectivos pontos correspondentes. Na gura abaixo são segmentos correspondentes AB e EF ; BC e F G; CD e GH e ainda, AC e EG entre outros. TEOREMA (Teorema de Tales) Se duas retas são transversais de um feixe de para-lelas, então a razão entre dois segmentos quaisquer de uma delas é igual à razão entre os respectivos segmentos correspondentes da outra. Na gura acima temos, AB BC = EF F G ; BC CD = F G GH ; AB CD = EF GH ; entre outros. 42

53 EXEMPLO Determine o valor das incógnitas nas guras abaixo. EXEMPLO Na gura abaixo, onde r//s//t, temos que m(ac) + m(ae) = 20 cm; m(ad) m(ab) = 5 3 e as medidas dos segmentos AB e BC são proporcionais a 1 e 3, respectivamente. Calcule as medidas de AB, BC, AD, e DE. 43

54 10.2 Teorema das bissetrizes TEOREMA (Teorema da bissetriz interna) Considere o triângulo ABC e seja AD bissetriz interna do ângulo A. Então, BD AB = CD, como na gura. AC TEOREMA (Teorema da bissetriz externa) Considere o triângulo ABC e seja AD bissetriz externa do ângulo A. Se AD intercepta BC no ponto D, então, BD AB = CD AC, como na gura. 44

55 EXEMPLO Considere o triângulo ABC na gura abaixo. Sendo AS bissetriz de  AD bissetriz externa de Â. Determine CD, dados BS = 8u.c. e SC = 6u.c.. e 10.3 Semelhança de triângulos DEFINIÇÃO Dois triângulos são semelhantes se possuem os três ângulos ordenadamente congruentes e os lados homólogos proporcionais (dois lados são homólogos se cada um deles está em um dos triângulos e ambos são opostos a ângulos congruentes). Na gura abaixo, se ABC é semelhante ao EF G, então  Ê; ˆB ˆF ; Ĉ Ĝ k = AB EF = BC F G = AC EG. e Notação: ABC EF G, Se a constante de proporção k for igual a 1 temos que os triângulos são congruentes. TEOREMA (Teorema fundamental) Se uma reta paralela a um dos lados de um triângulo intercepta os outros dois lados em pontos distintos, então o triângulo que ela determina é semelhante ao primeiro. 45

56 10.4 Casos de semelhança de triângulos 1. Primeiro caso (Ângulo-Ângulo): Se dois triângulos possuem dois ângulos ordenadamente congruentes, então eles são semelhantes. 2. Segundo caso (Lado-Ângulo-Lado): Se dois lados de um triângulo são proporcionais aos homólogos de outro triângulo e os ângulos compreendidos são congruentes, então os triângulos são semelhantes. 3. Terceiro caso (Lado-Lado-Lado): Se dois triângulos tem os lados homólogos proporcionais, então os triângulos são semelhantes Exercícios 1. Considere o triângulo ABC representado na gura abaixo. Calcule o perímetro do quadrilátero EF CG sabendo que: a circunferência inscrita é tangente ao lado AB no ponto E; AB = 12u.c., AC = 8u.c., BC = 16u.c. e os lados EG e EF são paralelos a BC e AC, respectivamente. 46

57 2. Sabendo que a razão de semelhança entre dois triângulos semelhante é k, Determine: (a) a razão de semelhança entre os perímetros destes triângulos; (b) a razão de semelhança entre as alturas homólogas destes triângulos; (c) a razão de semelhança entre os raios dos círculos inscritos nestes triângulos; 3. Na gura abaixo considere AB = 8 u.c., BC = 12 u.c. e BF DE um losango inscrito no triângulo ABC. Determine a medida do lado deste losango. 4. Na gura abaixo o triângulo ABC é equilátero, as três retas ligando os lados AB a AC são paralelas a BC e dividem o lado AB em quatro segmentos congruentes. Se DG + EH + F I = 18 u.c., determine o raio da circunferência circunscrita ao triângulo ABC. 5. Considere a circunferência circunscrita a um triângulo ABC, conforme a gura abaixo. Seja AE um diâmetro dessa circunferência e BD a altura do triângulo ABC relativa ao vértice B. (a) Mostre que os triângulos ABE e BCD são semelhantes. (b) Sendo AE = 15 u.c., AB = 5 u.c. e BC = 7 u.c., calcule a altura BD. Capítulo 12 do livro texto volume 9: 416, 418, 421, 422, 424, 430, 435, 441, 443, 444 Capítulo 13 do livro texto volume 9: 450, 455, 458, 461, 471, 472, 478,

58 Capítulo 11 Relações métricas nos triângulos 11.1 Triângulos retângulos Seja ABC um triângulo retângulo com ângulo reto em A e AD altura deste triângulo relativa ao lado BC, conforme a gura abaixo. Elementos: BC - AB - AC - AD - BD - CD - PROPOSIÇÃO Na gura acima temos que DBA ABC DAC. 48

59 TEOREMA (Teorema de Pitágoras) A soma dos quadrados dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa. TEOREMA (Recíproca do teorema de Pitágoras) Se num triângulo o quadrado de um lado é igual à soma dos quadrados dos outros dois lados, então o triângulo é retângulo Aplicações do teorema de Pitágoras 1. Medida da diagonal de um quadrado de lado a : 2. Medida da altura de um triângulo equilátero de lado a : 3. Seja α a medida de um dos ângulos agudos de um triângulo retângulo. Dena cateto oposto seno de α por: sin α = hipotenusa cateto adjacente cosseno de α por: cos α = hipotenusa cateto oposto tangente de α por: tan α = cateto adjacente Com isto temos, 49

60 do quadrado: sin(45 ) = cos(45 ) = tan(45 ) = do triângulo equilátero: sin(30 ) = cos(30 ) = tan(30 ) = sin(60 ) = cos(60 ) = tan(60 ) = EXEMPLO No triângulo ABC da gura abaixo tem-se que: AH é altura; DE//AB; DF //AC; m(ĉ) = 30 ; AC = 6u.c.; AB = 5u.c. e DH = 3 u.c.. Determine o 2 perímetro do triângulo DEF. 50

61 11.3 Triângulos quaisquer TEOREMA (Lei dos cossenos) Em qualquer triângulo, o quadrado de um lado é igual à soma dos quadrados dos outros dois menos duas vezes o produtos destes dois lados pelo cosseno do ângulo por eles formado. TEOREMA (Lei dos senos) Os lados de um triângulo são proporcionais aos senos dos ângulos opostos e a constante de proporcionalidade é o diâmetro da circunferência circunscrita ao triângulo. 51

62 11.4 Exercícios 1. Na Figura 11.1, determine a medida do ângulo Ĉ. 2. Na Figura 11.2, o triângulo ABC é equilátero de lado 4 u.c., M é o ponto médio do lado AC e P B = 1 u.c.. Calcule o perímetro do triângulo AP M. 3. Na Figura 11.3, Â = 45 e BC = 4 2 u.c., determine o determine o raio da circunferência circunscrita ao triângulo ABC. 4. Na Figura 11.4, AB é igual ao raio do círculo de centro O, BC = 26u.c. e BH é perpendicular a AC. Calcule HC. Figura 11.1: Ex.2 Figura 11.2: Ex. 3 Figura 11.3: Ex. 4 Figura 11.4: Ex. 5 Capítulo 14 do livro texto volume 9: 509, 512, 516, 523, 527, 530, 534, 538, 556, 576, 598, 617, 618 Capítulo 15 do livro texto volume 9: 626, 627, 629, 632, 637, 640, 641, 653, 655, 656,

63 Capítulo 12 Polígonos regulares 12.1 Conceitos e propriedades DEFINIÇÃO Um polígono convexo é regular se tem todos os lados congruentes e todos os seus ângulos internos congruentes ou seja, um polígono é regular se é equilátero e equiângulo. PROPRIEDADE 1. Dividindo-se uma circunferência λ(o, r) em n (n 3) arcos congruentes, temos: (a) todas as cordas determinadas por dois pontos de divisão consecutivos, reunidas, formam um polígono regular de n lados inscrito em λ(o, r); (b) as tangentes a λ(o, r) traçadas pelos pontos de divisão determinam um polígono regular de n lados circunscrito a esta circunferência. PROPRIEDADE 2. Dado um polígono convexo regular P de n lados (n 3), temos: (a) P é inscritível numa circunferência, isto é, existe uma única circunferência que passa pelos seus vértices. (b) P é circunscritível a uma circunferência, isto é, existe uma única circunferência inscrita em P. 53

64 ELEMENTOS NOTÁVEIS DE UM POLÍGONO REGULAR. 1. Centro: 2. Ângulo cêntrico: 3. Apótema: 12.2 Medida do lado e do apótema de polígonos regulares Indicaremos por l n a medida do lado e por a n a medida do apótema do polígono regular de n lados. EXEMPLO Calcule o lado e o apótema do polígono regular abaixo conhecendo o raio R da circunferência circunscrita. 1. Quadrado: 54

65 2. Triângulo equilátero: 3. Hexágono regular: 4. Octógono regular: 5. Dodecágono regular: 55

66 EXEMPLO Calcule o apótema de um polígono regular dados R e l n. EXEMPLO Calcule l 2n dados R e l n. 56

67 12.3 Exercícios 1. Determine a razão entre os raios de dois círculos, sabendo que o primeiro está circunscrito a um triângulo regular e no segundo está inscrito um quadrilátero regular. Além disso, o perímetro do triângulo e do quadrilátero é o mesmo. 2. Na gura abaixo temos inscritos na circunferência, de raio 4u.c., um polígono de 5 lados e um de 10 lados e circunscrito à circunferência um de 10 lados. Sendo AB = u.c. o lado do polígono de 5 lados, determine sem usar senos e cossenos de ângulos que não sejam os conhecidos: (a) cos 72 ; (b) o apótema do polígono de 5 lados inscrito na circunferência; (c) o lado (BP) do polígono de 10 lados inscrito na circunferência; (d) o apótema do polígono de 10 lados inscrito na circunferência; (e) o lado (UV ) do polígono de 10 lados circunscrito à circunferência; (f) a aproximação para π usando o polígono de 10 inscrito e o de 10 lados circunscrito a circunferência. Capítulo 16 do livro texto volume 9: 688, 700, 701, 703, 704, 705, 711, 717, 718, 719, 721, 722,

68 Capítulo 13 Comprimento da circunferência 13.1 Conceitos e propriedades Seja λ(o, R) uma circunferência e considere o polígono regular A 1 B 1 C 1 D 1 N 1 de n lados inscrito em λ e ABCD N o polígono regular de n lados circunscrito a λ. Na gura acima temos: OP = R = A n - apótema do polígono circunscrito; OP 1 = r = a n - apótema do polígono inscrito; AB = L n - lado do polígono circunscrito; A 1 B 1 = l n - lado do polígono inscrito; Note que os triângulos AOB e A 1 OB 1 são semelhantes. 58

69 Logo, AB A 1 B 1 = OP OP 1 L n l n = R r n L n n l n = R r P n p n = R r, onde P n é o perímetro do polígono circunscrito e p n é o perímetro do polígono inscrito. Como R > r, segue que, P n > p n. Além disso, conforme aumenta o número de lados do polígono, temos que p n aumenta, enquanto P n diminui. EXEMPLO Verique que p 3 < p 4 < p 6 < p 12 < P 12 < P 6 < P 4 < P 3, sendo p n o perímetro do polígono regular de n lados inscrito numa circunferência de raio R e P n o perímetro do polígono regular de n lados circunscrito numa circunferência de raio R. 59

70 DEFINIÇÃO Dada uma circunferência λ(o, R), o segmento maior que o perímetro de todos os polígonos convexos inscritos e menor que o perímetro de todos os polígonos convexos circunscritos é chamado segmento reticante da circunferência ou perímetro do círculo denido pela circunferência. DEFINIÇÃO O comprimento do segmento reticante da circunferência ou do perímetro do círculo é chamado comprimento da circunferência. Notação: C. OBSERVAÇÃO Os perímetros dos polígonos inscritos e circunscritos em λ aproximam o comprimento da circunferência. PROPOSIÇÃO A razão entre o perímetro do círculo e seu diâmetro é um número constante representado por π, isto é, C 2R = π. DEMONSTRAÇÃO: Considere duas circunferências λ 1 (O 1, R 1 ) e λ 2 (O 2, R 2 ) com comprimento C 1 e C 2, respectivamente. Sejam p 1 e P 1 os perímetros de um polígono regular de n lados inscrito e circunscrito em λ 1 (O 1, R 1 ); p 2 e P 2 os perímetros de um polígono regular de n lados inscrito e circunscrito em λ 2 (O 2, R 2 ). Temos que p 1 < C 1 < P 1 e p 2 < C 2 < P 2, donde p 1 < C 1 < P 1 p e 2 < C 2 < P 2. 2R 1 2R 1 2R 1 2R 2 2R 2 2R 2 Além disso, por semelhança de triângulos temos que Logo, Portanto, p 1 p 2 = R 1 R 2 = P 1 P 2. p 2 2R 2 < C 1 2R 1 < P 2 2R 2. C 1 = C 2, 2R 1 2R 2 ou seja, a razão entre o perímetro do círculo e seu diâmetro é um número constante. EXEMPLO Use o perímetro de polígonos, de n lados, inscritos e circunscritos a uma circunferência de raio R para aproximar o valor de π. Considere n = 3, 4, 6,

71 13.2 Comprimento de um arco de circunferência O comprimento de um arco de circunferência l é proporcional à sua medida α. Para α em graus: Para α em radianos: OBSERVAÇÃO Chama-se radiano todo arco de circunferência cujo comprimento é igual ao comprimento do raio da circunferência que o contém. Assim, numa circunferência há 2π radianos e consequentemente 13.3 Exercícios 1 rad = 360 2π = 180 π. 1. Uma pista circular está limitada por duas circunferências concêntricas cujos comprimentos valem, respectivamente, 3km e 2,4km. Determine a largura da pista. 2. Determine o perímetro da região sombreada sendo ABCD um quadrado de lado 48u.c. e os arcos são centrados em A, B, C e D. D C A B 3. Calcule o comprimento da circunferência inscrita no trapézio retângulo ABCD com bases m(ad) = 10 e m(bc) = 15. Capítulo 17 do livro texto volume 9: , , 762,

72 Capítulo 14 Áreas de superfícies planas 14.1 Equivalência plana DEFINIÇÃO Dois polígonos são equivalentes se podem ser decompostos em igual número de polígonos dois a dois congruentes entre si. Notação: P 1 P 2. EXEMPLO Um retângulo de dimensões b e h e um paralelogramo com um lado medindo b e altura relativa a este lado medindo h são equivalentes. Notação: R(b, h) P (b, h) Área DEFINIÇÃO Área de uma superfície plana é um número real positivo associado a superfície de forma que: (i) superfícies equivalentes possuem a mesma área; (ii) a uma soma de superfícies está associada uma área que é a soma das áreas das superfícies parcelas; (iii) se uma superfície R 1 está contida em uma outra R 2, então a área de R 1 é menor ou igual que a área de R 2. UNIDADE DE MEDIDA DE ÁREA. Considere o quadrado Q(1, 1) de lado 1u.c.. Este quadrado é a unidade de medida de área, isto é, 1 u.a. = Q(1, 1). 62

73 Retângulo R(b, h) : A = b h u.a. ÁREAS DE POLÍGONOS Quadrado Q(a, a) : A = a 2 u.a. Paralelogramo P (b, h) : A = b h u.a. Triângulo T (b, h) : A = b h 2 u.a. Triângulo Equilátero de lado a A = a2 3 4 u.a. Trapézio T ra (b 1, b 2, h) : A = (b 1 + b 2 ) h 2 u.a. Losango L(d 1, d 2 ) sendo d 1 e d 2 as medidas de suas diagonais: A = d 1 d 2 2 u.a. Polígono regular com medidas: n = número de lados a = medida do apótema l = medida do lado p = semiperímetro, então A = p a u.a. 63

74 ÁREA DO CÍRCULO E DE SUAS PARTES Círculo de raio R : A = semiperímetro apótema = 2πR 2 R = πr 2 u.a. setor circular de abertura α : A = παr2 360 u.a. Segmento circular: A = (área do setor) - (área do triângulo). RAZÃO ENTRE ÁREAS Razão entre as áreas de dois triângulos semelhantes. Suponha que ABC DEF com AB DE = AC DF = BC = k, então EF A ABC A DEF = k 2. Razão entre as áreas de dois polígonos semelhantes. Dizemos que dois polígonos são semelhantes se podem ser decompostos em triângulos semelhantes, consequentemente seus ângulos são ordenadamente congruentes e seus lados homólogos proporcionais. Se a proporção de semelhança entre dois polígonos for k, então a razão entre as suas áreas será k 2. 64

75 14.3 Exercícios 1. A gura 1 representa um determinado encaixe no plano de 7 ladrilhos poligonais regulares (1 hexágono, 2 triângulos, 4 quadrados), sem sobreposições e cortes. Sabe-se que o lado do hexágono mede 1u.c.. (a) Determine a área dos ladrilhos que compõe a gura 1. (b) Classique (quanto a lados e ângulos) e determine a área dos 6 ladrilhos triangulares colocados perfeitamente nos espaços da gura 1, como indicado na gura Determine a área de um octógono regular de lado medindo 4 u.c.. 3. Determine a área do triângulo abaixo. 4. Um agrimensor desejava encontrar a área de um lote de terra ABCDE, cujo diagrama está abaixo. Para determinar a área ele traçou uma reta passando por E na direção norte-sul e as retas passando por A, B, C e D na direção leste-oeste e descobriu que AO = 37m, BR = 47m, CQ = 42m, DP = 28m, P Q = 13m, QE = 7m, ER = 19m e RO = 18m. Com esses dados, ele encontrou a área que queria. Calcule-a, agora, você. Norte Oeste Leste Sul 65

76 5. Prove que a área de um triângulo de lados medindo a, b e c é dada por A = p(p a)(p b)(p c), sendo p o semiperímetro. Dica: xe um dos lados como base e determine a altura relativa a este lado em função da medida dos lados e do semiperímetro e use a lei dos cossenos. 6. Considere um hexágono regular de apótema 5 3 u.c. inscrito numa circunferência de raio R. Determine a área interior a circunferência e exterior ao hexágono. 7. O perímetro do triângulo equilátero ABC é 12 cm, onde A, B e C são os centros das circunferências ilustradas na gura abaixo. Calcule a área da região hachurada, delimitada pelas circunferências. 8. A gura representa três semicírculos, mutuamente tangentes dois a dois, de diâmetros AD, AC e CD. Sendo CB perpendicular a AD, e sabendo-se que AB = 4 e DB = 3, determine a área da região sombreada na gura. 9. Determine a área sombreada na gura abaixo sabendo que AC é diâmetro de uma circunferência com centro em O, B é um ponto desta circunferência, m(côb) =30 e OA = 2 cm. Capítulo 19 do livro texto volume 9: 795, 799, 800, 807, 813, 819, 820, 824, 832, 840, 846, 858, 859, 903, 904, 906, 913,

77 Capítulo 15 Poliedros convexos 15.1 Superfície poliédrica e poliedros DEFINIÇÃO Superfície Poliédrica limitada convexa é um número nito de polígonos planos e convexos, tais que (i) dois polígonos não estão num mesmo plano; (ii) cada lado de cada polígono não está em mais que dois polígonos; (iii) havendo lados de polígonos que estão em apenas um polígono eles devem formar uma única poligonal fechada, plana ou não, chamada contorno; (iv) o plano de cada polígono deixa os demais num mesmo semiespaço (condição de convexidade). As superfícies poliédricas limitadas convexas que tem contorno são chamadas abertas. As que não possuem contorno são chamadas fechadas. OBSERVAÇÕES Uma superfície poliédrica limitada convexa aberta ou fechada não é uma região convexa EXEMPLO

78 ELEMENTOS. Faces - Arestas - Vértices - Ângulos das faces - Ângulos poliédricos - DEFINIÇÃO Considere um nito n (n 4) de polígono convexos tais que: (i) dois polígonos não estão num mesmo plano; (ii) cada lado de cada polígono é comum a dois e somente dois polígonos; (iii) o plano de cada polígono deixa os demais num mesmo semiespaço (condição de convexidade). Nestas condições cam determinados n semiespaços, cada um tendo origem no plano do polígono e contendo os demais. A interseção destes semiespaços é chamado poliedro convexo. OBSERVAÇÃO Um poliedro possui faces, arestas e vértices; A união das faces é a superfície do poliedro; Um poliedro convexo é uma região convexa. 68

79 TEOREMA (Relação de Euler) Para todo poliedro convexo vale a relação V A + F = 2, sendo V o número de vértices, A o número de arestas e F o número de faces do poliedro. 69

80 DEFINIÇÃO Os poliedros para os quais vale a relação de Euler são chamados Poliedros eulerianos. OBSERVAÇÃO odo poliedro convexo é euleriano, mas nem todo poliedro euleriano é convexo. EXEMPLO Determine o número de arestas e faces dos poliedros do Exemplo Poliedros de Platão DEFINIÇÃO Um poliedro é chamado Poliedro de Platão se satisfaz as seguintes condições: (i) todas as faces tem o mesmo número de arestas; (ii) todos os ângulos poliédricos tem o mesmo número de arestas; (iii) vale a relação de Euler (V + F A = 2). TEOREMA Existem cinco, e somente cinco, classes de poliedros de Platão. 70

81 DEFINIÇÃO Um poliedro convexo é regular quando: (i) suas faces são polígonos regulares; (ii) seus ângulos poliédricos são congruentes. TEOREMA Existem cinco, e somente cinco, tipos de poliedros de regulares. OBSERVAÇÃO Todo poliedro regular é poliedro de Platão, mas nem todo poliedro de Platão é regular Exercícios 1. Determine o número de vértices de um poliedro convexo que tem três faces triangulares, 1 face quadrangular, 1 pentagonal e 2 hexagonais. 2. Um poliedro convexo de 28 arestas possui faces triangulares e heptagonais (7 lados). Quantas faces tem de cada tipo se a soma dos ângulos das faces é 64 ângulos retos? 3. Um poliedro convexo possui apenas faces triangulares, quadrangulares e pentagonais. Sabe-se que o número de faces triangulares excede o que faces pentagonais em duas unidades. Calcule o número de faces de cada tipo sabendo que o poliedro tem 7 vértices. 4. Da superfície de um poliedro regular de faces pentagonais tiram-se as três faces adjacentes a um vértice comum. Calcule o número de arestas, faces e vértices da superfície poliédrica que resta. 5. Um poliedro convexo possui 21 faces, 1 ângulo pentaédrico, 10 ângulos tetraédricos e os demais ângulos triédricos. (a) Calcule o número de vértices e de arestas deste poliedro. (b) Sabendo que o poliedro possui apenas faces triangulares, quadrangulares e pentagonais, e que o número de faces triangulares é igual ao número de faces quadrangulares. Determine o número de faces de cada tipo. Capítulo 7 do livro texto volume 10: 182, 184, 185, 186, 191, 192, 194, 196, 201,

82 Capítulo 16 Prismas 16.1 Denições e elementos DEFINIÇÃO Considere um polígono convexo de n lados (n 3) contido num plano α e um segmento de reta P Q cuja reta suporta intercepta α. Prima ou prisma convexo limitado é a união de todos os segmentos congruentes e paralelos a P Q com uma extremidade nos pontos do polígono. ELEMENTOS. Duas bases congruentes - n faces laterais - 2n arestas das bases - n arestas laterais - 2n vértices - 2n ângulos triedros - OBSERVAÇÃO Nos prismas vale a relação de Euler. DEFINIÇÃO A altura de um prisma é a distância h entre os planos das bases. 72

83 DEFINIÇÃO Seção de um prisma é a interseção do prisma com um plano que intercepta todas suas arestas laterais. Uma seção de um prisma é um polígono com o mesmo número de lados que as bases do prisma e com vértices em cada aresta lateral do prisma. OBSERVAÇÕES Seção reta ou seção normal é uma seção cujo plano é perpendicular às arestas laterais. DEFINIÇÃO Superfície lateral de um prisma é a união das faces laterais. A área desta superfície é chamada área lateral do prisma e indicada por A l. DEFINIÇÃO Superfície total de um prisma é a união da superfície lateral e das bases deste prisma. A área desta superfície é chamada área total do prisma e indicada por A t. CLASSIFICAÇÃO DOS PRISMAS. Prisma reto é aquele cujas arestas laterais são perpendiculares aos planos das bases. Suas faces laterais são retângulos e sua altura é igual ao comprimento das arestas laterais. Prisma oblíquo é aquele cujas arestas laterais são oblíquas aos planos das bases. Prisma regular é um prisma reto cujas bases são polígonos regulares. NATUREZA DOS PRISMAS. Um prisma será triangular, quadrangular, pentagonal etc, conforme a base for um triângulo, quadrilátero, pentágono etc Paralelepípedos e romboedros Paralelepípedo é um prisma cujas bases são paralelogramos. Sua superfície total é composta por seis paralelogramos. Paralelepípedo reto é um prisma reto cujas bases são paralelogramos. Sua superfície total é composta por dois parale-logramos e quatro retângulos. Paralelepípedo reto retângulo ou paralelepípedo retângulo ou ortoedro é um prisma reto cujas bases são retângulos. Sua superfície total é composta por seis retângulos. Cubo é paralelepípedo retângulo cujas arestas são congruentes. Romboedro é um paralelepípedo que possui as doze arestas congruentes entre si. Sua superfície total é composta por seis losangos. Romboedro reto é um paralelepípedo reto que possui as doze arestas congruentes entre si. Sua superfície total é composta por quatro quadrados e dois losangos. Romboedro reto-retângulo ou cubo é um romboedro reto cujas bases são quadrados. Sua superfície total é composta por seis quadrados. 73

84 16.3 Volume de um sólido DEFINIÇÃO Volume de um sólido é um número real positivo associado ao sólido de forma que (i) sólidos congruentes tem volumes iguais; (ii) se um sólido S é a união de dois sólidos S 1 e S 2 que não tem pontos interiores em comum então o volume de S é a soma dos volumes de S 1 e S 2. UNIDADE DE MEDIDA. A unidade de medida de volume é o cubo de aresta 1u.c. Assim, o volume desse cubo é 1u.v. (1 unidade de volume). Se a unidade de comprimento for cm, então seu volume será 1cm 3. DEFINIÇÃO Dois sólidos são equivalentes se tem volumes iguais na mesma unidade de volume Volume de um paralelepípedo retângulo Considere um paralelepípedo retângulo com dimensões a, b e c. Comparando este paralelepípedo com o cubo de aresta 1, temos que este cubo encaixa a b c vezes no paralelepípedo, ou seja, o volume deste paralelepípedo é V = abc. OBSERVAÇÃO Se considerarmos no paralelepípedo acima como base a face de dimensões a e b e como altura a dimensão c podemos escrever o volume de um paralelepípedo retângulo como V = A b h, ou seja, o volume é o produto a área da base pela altura do paralelepípedo. OBSERVAÇÃO O volume de um cubo de aresta medindo a é V = a Princípio de Cavalieri Considere um número nito de chapas retangulares (paralelepípedos retângulos) de mesmas dimensões e, consequentemente, de mesmo volume. Considere a formação de dois sólidos diferentes, A e B, com esta coleção de chapas, como na gura abaixo. 74

85 O Volume ocupado por estas chapas nos sólidos A e B é o mesmo. Se estes sólidos são colocados sobre um mesmo plano α e situados num mesmo semiespaço dos determinados por α, qualquer plano β secante aos sólidos A e B e paralelo a α determina em A e B superfícies de mesma área (superfícies equivalentes). A mesma ideia pode ser estendida para duas pilhas com o mesmo número de moedas congruentes. O fato que acabamos de caracterizar intuitivamente é formalizado pelo princípio de Cavalieri ou postulado de Cavalieri (Francesco Bonaventura Cavalieri, ) que segue: "Dois sólidos que tem a mesma altura e, sempre que seccionados por um mesmo plano geram áreas iguais, tem o mesmo volume." 16.6 Volume de um prisma A 1 = A 2 V S1 = V S2. Consideremos um prisma P 1 com altura h e área da base B 1 = A e um paralelepípedo retângulo P 2 com altura h e área da base B 2 = A (o prisma e o paralelepípedo tem alturas congruentes e bases equivalentes). Se posicionarmos as bases do prisma e do paralelepípedo em um mesmo plano α de modo a deixá-los num mesmo semiespaço, determinado por este plano, qualquer plano β, paralelo a α, que seccionar P 1 também secciona P 2 e as seções (B 1 e B 2, respectivamente) tem áreas iguais, pois são congruentes às respectivas bases. Então, pelo princípio de Cavalieri o prisma P 1 e o paralelepípedo P 2 tem o mesmo volume, ou seja, V = A h = área da base altura. 75

86 16.7 Exercícios 1. Determine a natureza do prisma cuja soma dos ângulos das faces é 72 retos. 2. O apótema da base de um prisma triangular regular mede 3cm e a área lateral é 72cm 2. Determine a altura deste prisma. 3. Determine a área de superfície total de um cubo com aresta medindo au.c. 4. Determine o número de diagonais de um prisma cuja base é um polígono convexo de n lados. 5. Mostre que as diagonais de um paralelepípedo retângulo são congruentes. 6. Determine a medida da diagonal de um cubo com aresta medindo au.c. 7. Determine a área de superfície total de um paralelepípedo retângulo com dimensões a, b e c. 8. Determine a medida da diagonal de um paralelepípedo retângulo com dimensões a, b e c. 9. Determine a área total de um prisma triangular regular cuja base é um triângulo retângulo isósceles de hipotenusa medindo 6cm e altura do prisma é 10 cm. 10. Uma barra de chocolate tem a forma de um prisma reto de 12cm de altura. A base tem a forma de um trapézio isósceles na qual os lados paralelos medem 2,5cm e 1,5cm e os lados não paralelos medem, cada um, 2cm. Determine a quantidade necessária de papel para embrulhar esta barra e a quantidade de chocolate. 11. Um tanque em forma de paralelepípedo retângulo cuja base tem lados medindo 80u.c. e 120u.c. e está parcialmente cheio de água. Um objeto maciço, de formato indeterminado, ao ser mergulhado completamente no tanque, faz o nível da água subir 7,5u.c.. Determine o volume desse objeto. 12. As dimensões a, b e c de um paralelepípedo retângulo são proporcionais aos números 2, 4 e 7, sabendo que a área total desse sólido é 900u.a.. Determine: (a) as dimensões do paralelepípedo; (b) o volume do paralelepípedo; 76

Geometria plana. Índice. Polígonos. Triângulos. Congruência de triângulos. Semelhança de triângulos. Relações métricas no triângulo retângulo

Geometria plana. Índice. Polígonos. Triângulos. Congruência de triângulos. Semelhança de triângulos. Relações métricas no triângulo retângulo Índice Geometria plana Polígonos Triângulos Congruência de triângulos Semelhança de triângulos Relações métricas no triângulo retângulo Quadriláteros Teorema de Tales Esquadros de madeira www.ser.com.br

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%) Distribuição das.08 Questões do I T A 9 (8,97%) 0 (9,9%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais (, 0 (9,6%) Geo. Analítica Conjuntos (,96%) Geo. Espacial Funções Binômio de Newton

Leia mais

MATEMÁTICA ANGULOS ENTRE RETAS E TRIÂNGULOS. 3. A medida do complemento: a) do ângulo de 27º 31 é: b) do ângulo de 16º 15 28 é:

MATEMÁTICA ANGULOS ENTRE RETAS E TRIÂNGULOS. 3. A medida do complemento: a) do ângulo de 27º 31 é: b) do ângulo de 16º 15 28 é: MATEMÁTICA Prof. Adilson ANGULOS ENTRE RETAS E TRIÂNGULOS 1. Calcule o valor de x e y observando as figuras abaixo: a) b) 2. Calcule a medida de x nas seguintes figuras: 3. A medida do complemento: a)

Leia mais

CURSO DE GEOMETRIA LISTA

CURSO DE GEOMETRIA LISTA GEOMETRI Ângulos Obs.: Dois ângulos são congruentes quando têm a mesma abertura. Exemplos: Ângulos complementares Soma (medida) 90º Ângulos suplementares Soma (medida) 180º issetriz bissetriz de um ângulo

Leia mais

Aula 10 Triângulo Retângulo

Aula 10 Triângulo Retângulo Aula 10 Triângulo Retângulo Projeção ortogonal Em um plano, consideremos um ponto e uma reta. Chama-se projeção ortogonal desse ponto sobre essa reta o pé da perpendicular traçada do ponto à reta. Na figura,

Leia mais

Geometria Euclidiana Plana Parte I

Geometria Euclidiana Plana Parte I CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.1 Geometria Euclidiana Plana Parte I Joyce Danielle de Araújo - Engenharia de Produção Lucas Araújo dos Santos - Engenharia de Produção O que veremos

Leia mais

Aula 5 Quadriláteros Notáveis

Aula 5 Quadriláteros Notáveis Aula 5 Quadriláteros Notáveis Paralelogramo Definição: É o quadrilátero convexo que possui os lados opostos paralelos. A figura mostra um paralelogramo ABCD. Teorema 1: Se ABCD é um paralelogramo, então:

Leia mais

Geometria Plana. Exterior do ângulo Ô:

Geometria Plana. Exterior do ângulo Ô: Geometria Plana Ângulo é a união de duas semiretas de mesma origem, não sendo colineares. Interior do ângulo Ô: Exterior do ângulo Ô: Dois ângulos são consecutivos se, e somente se, apresentarem um lado

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 1. Crie dois pontos livres. Movimente-os. 2. Construa uma reta passando por estes dois pontos. 3. Construa mais dois pontos livres em qualquer lugar da tela, e o

Leia mais

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab.

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab. MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito Questão 01 [ 2,00 pts ] Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso

Leia mais

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas MODULO 1 - AULA 1 Aula 1 Áreas de Superfícies Planas Superfície de um polígono é a reunião do polígono com o seu interior. A figura mostra uma superfície retangular. Área de uma superfície é um número

Leia mais

Definição de Polígono

Definição de Polígono Definição de Polígono Figura plana limitada por segmentos de recta, chamados lados dos polígonos onde cada segmento de recta, intersecta exactamente dois outros extremos; se os lados forem todos iguais

Leia mais

Segmento de reta GEOMETRIA PLANA

Segmento de reta GEOMETRIA PLANA GEOMETRIA PLANA Noções primitivas Os elementos primitivos da geometria são o ponto, a reta e o plano, cujas definições são impossíveis de serem enunciadas, pois só se tem uma noção intuitiva do que sejam.

Leia mais

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 TEOREMA DE TALES. Na figura abaixo as retas r, s e t são (A) 0 (B) 6 (C) 00 (D) 80 (E) 0. Três retas paralelas são cortadas por duas Se AB = cm; BC = 6 cm e XY = 0 cm a medida, em cm, de XZ é: (A) 0 (B)

Leia mais

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura.

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura. NOME: ANO: º Nº: POFESSO(A): Ana Luiza Ozores DATA: Algumas definições Áreas: Quadrado: EVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência A, onde representa o lado etângulo: A b h, onde b representa a

Leia mais

Conceitos e fórmulas

Conceitos e fórmulas 1 Conceitos e fórmulas 1).- Triângulo: definição e elementos principais Definição - Denominamos triângulo (ou trilátero) a toda figura do plano euclidiano formada por três segmentos AB, BC e CA, tais que

Leia mais

Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano

Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano A Geometria espacial (euclidiana) funciona como uma ampliação da Geometria plana (euclidiana) e trata dos métodos apropriados para o estudo

Leia mais

Prof. Jorge. Estudo de Polígonos

Prof. Jorge. Estudo de Polígonos Estudo de Polígonos Enchendo a piscina A piscina de um clube de minha cidade, vista de cima, tem formato retangular. O comprimento dela é de 18 m. o fundo é uma rampa reta. Vista lateralmente, ela tem

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA À AGRIMENSURA PROF. JORGE WILSON

MATEMÁTICA APLICADA À AGRIMENSURA PROF. JORGE WILSON MATEMÁTICA APLICADA À AGRIMENSURA PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM DEFINIÇÕES GEOMETRIA PLANA Ponto: Um elemento do espaço que define uma posição. Reta: Conjunto infinito de pontos. Dois pontos são

Leia mais

Sessão Leitura 45 Fixação 47 Pintou no Enem 72

Sessão Leitura 45 Fixação 47 Pintou no Enem 72 SUMÁRIO Geometria Plana Teoria O ponto a reta e o plano 4 Semirretas e segmentos 4 Semiplanos e ângulos 5 Classificação dos ângulos em função de suas medidas 6 Ângulos consecutivos e ângulos adjacentes

Leia mais

Matemática Essencial: Alegria Financeira Fundamental Médio Geometria Trigonometria Superior Cálculos

Matemática Essencial: Alegria Financeira Fundamental Médio Geometria Trigonometria Superior Cálculos Matemática Essencial: Alegria Financeira Fundamental Médio Geometria Trigonometria Superior Cálculos Geometria Plana: Áreas de regiões poligonais Triângulo e região triangular O conceito de região poligonal

Leia mais

QUADRILÁTEROS. Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada,

QUADRILÁTEROS. Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada, QUADRILÁTEROS Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada, A B C Lados: AB BC CD AD Vértices: A B C D Diagonais: AC BD D Algumas

Leia mais

DESENHO GEOMÉTRICO Matemática - Unioeste Definição 1. Poligonal é uma figura formada por uma sequência de pontos (vértices)

DESENHO GEOMÉTRICO Matemática - Unioeste Definição 1. Poligonal é uma figura formada por uma sequência de pontos (vértices) DESENHO GEOMÉTRICO Matemática - Unioeste - 2010 1 Polígonos Definição 1. Poligonal é uma figura formada por uma sequência de pontos (vértices) A 1, A 2,..., A n e pelos segmentos (lados) A 1 A 2, A 2 A

Leia mais

MAT 240- Lista de Exercícios. 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM.

MAT 240- Lista de Exercícios. 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM. 1 MAT 240- Lista de Exercícios 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM. 2. Seja G o baricentro e O o circuncentro do ABC. Na reta que contém

Leia mais

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA 1. Prismas Geometria Métrica

Leia mais

APOSTILA 2015 DESENHO GEOMÉTRICO PROFESSOR: DENYS YOSHIDA DESENHO GEOMÉTRICO 2º ANO - ENSINO MÉDIO - 2015 1

APOSTILA 2015 DESENHO GEOMÉTRICO PROFESSOR: DENYS YOSHIDA DESENHO GEOMÉTRICO 2º ANO - ENSINO MÉDIO - 2015 1 APOSTILA 015 DESENHO GEOMÉTRICO PROFESSOR: DENYS YOSHIDA DESENHO GEOMÉTRICO º ANO - ENSINO MÉDIO - 015 1 Sumário 1.Geometria Espacial...4 1.1 Definições básicas da Geometria Espacial...4 1. Posições de

Leia mais

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES B3 CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES Circunferência Circunferência é um conjunto de pontos do plano situados à mesma distância de um ponto fixo (centro). Corda é um segmento de recta cujos extremos

Leia mais

1ª Aula. Introdução à Geometria Plana GEOMETRIA. 3- Ângulos Consecutivos: 1- Conceitos Primitivos: a) Ponto A. b) Reta c) Semi-reta

1ª Aula. Introdução à Geometria Plana GEOMETRIA. 3- Ângulos Consecutivos: 1- Conceitos Primitivos: a) Ponto A. b) Reta c) Semi-reta 1ª Aula 3- Ângulos Consecutivos: Introdução à Geometria Plana 1- Conceitos Primitivos: a) Ponto A Na figura, os ângulos AÔB e BÔC são consecutivos, portanto AÔC=AÔB+AÔC b) Reta c) Semi-reta d) Segmento

Leia mais

Geometria Plana - Aula 05

Geometria Plana - Aula 05 Geometria Plana - Aula 05 Elaine Pimentel Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Matemática Geometria Plana Especialização 2008 - p. 1 Esquema da aula Quadrilátero - definição e. Quadriláteros

Leia mais

Relação de Euler nos prismas V= número de vértices A= número de arestas F= número de faces

Relação de Euler nos prismas V= número de vértices A= número de arestas F= número de faces Prismas A reunião dos infinitos segmentos, paralelos a s, que têm um de seus extremos no polígono ABCDEF contido em e outro extremo pertencente ao plano, constitui um sólido geométrico chamado prisma.

Leia mais

Duração: 90 minutos (3 valores) Sabe-se que a b. Atendendo à gura, calcule a medida do ângulo D indicado.

Duração: 90 minutos (3 valores) Sabe-se que a b. Atendendo à gura, calcule a medida do ângulo D indicado. aculdade de Ciências Departamento de Matemática e Informática Licenciatura em Informática, Diurno 1 0 Teste de undamentos de Geometria. Correcção. ariante Duração: 90 minutos 18.0.01 1. ( valores) Sabe-se

Leia mais

NOME: ANO: 3º Nº: PROFESSOR(A):

NOME: ANO: 3º Nº: PROFESSOR(A): NOME: ANO: º Nº: PROFESSOR(A): Ana Luiza Ozores DATA: Algumas definições Triângulos: REVISÃO Lista 06 Triângulos e Quadriláteros Classificação quanto aos lados: Escaleno (todos os lados diferentes), Isósceles

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS DA NATUREZA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 27 de outubro de 2015) AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 No caso específico

Leia mais

GEOMETRIA NO PLANO. Linha Conjunto infinito de pontos que pode ser desenhado por um único movimento contínuo (objecto geométrico a uma dimensão).

GEOMETRIA NO PLANO. Linha Conjunto infinito de pontos que pode ser desenhado por um único movimento contínuo (objecto geométrico a uma dimensão). GEOMETRIA NO PLANO 1 Noções Elementares Ponto O objecto geométrico mais elementar (sem dimensão). Linha Conjunto infinito de pontos que pode ser desenhado por um único movimento contínuo (objecto geométrico

Leia mais

PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães

PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães Nível Iniciante Propriedade 1 Num triângulo retângulo ABC, a mediana BM relativa à hipotenusa mede

Leia mais

Mediana, Altura, Bissetriz e Mediatriz de um Triângulo

Mediana, Altura, Bissetriz e Mediatriz de um Triângulo Mediana, Altura, Bissetriz e Mediatriz de um Triângulo Mediana Definição: Denomina-se mediana de um triângulo o segmento que liga um vértice ao ponto médio do lado oposto a este vértice. AM A é mediana

Leia mais

Polígonos PROFESSOR RANILDO LOPES 11.1

Polígonos PROFESSOR RANILDO LOPES 11.1 Polígonos PROFESSOR RANILDO LOPES 11.1 Polígonos Polígono é uma figura geométrica plana e fechada formada apenas por segmentos de reta que não se cruzam no mesmo plano. Exemplos 11.1 Elementos de um polígono

Leia mais

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750 Lista de exercícios de Geometria Espacial PRISMAS 1) Calcular a medida da diagonal de um paralelepípedo retângulo de dimensões 10 cm, 8 cm e 6 cm 10 2 cm 2) Determine a capacidade em dm 3 de um paralelepípedo

Leia mais

1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA

1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA ESPACIAL I 1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA Só relembrando a primeira aula de Geometria Plana, aqui vão algumas dicas bem úteis para abordagem geral de uma questão de geometria:

Leia mais

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA 40 5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA Propriedade: O lugar geométrico dos pontos do plano situados a uma distância constante r de um ponto fixo O é a circunferência de centro O e raio r. Notação: Circunf(O,r). Sempre

Leia mais

PROFESSOR: DENYS YOSHIDA

PROFESSOR: DENYS YOSHIDA APOSTILA 015 DESENHO GEOMÉTRICO PROFESSOR: DENYS YOSHIDA DESENHO GEOMÉTRICO 1º ANO - ENSINO MÉDIO - 015 1 Sumário 1. Trigonometria no triangulo retângulo...3 1.1 Triângulo retângulo...4 1. Teorema de Pitágoras...,,,,,,,...4

Leia mais

RETAS PARALELAS INTERCEPTADAS POR UMA TRANSVERSAL

RETAS PARALELAS INTERCEPTADAS POR UMA TRANSVERSAL GEOMETRIA PLANA MEDIDAS DE ÂNGULOS: Raso, se é igual a 180º; Nulo, se, é igual a 0º; Reto:é igual a 90 ; Agudo: é maior que 0 e menor que 90 ; Obtuso: é maior que 90 e menor que 180. IMPORTANTE: se a soma

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Métrica Plana p. 0 Na figura a seguir tem-se r // s // t e y. diferença y é igual a: a) c) 6 e) b) d) 0 8 ( I) y 6 y (II) plicando a propriedade

Leia mais

MA13 Geometria AV1 2014

MA13 Geometria AV1 2014 MA13 Geometria AV1 2014 Questão 1 [ 2,0 pt ] Considere um paralelogramo ABCD e sejam M o centro da circunferência definida pelos vértices A, B e C N o centro da circunferência definida pelos vértices B,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo DEFINIÇÃO Triângulo ou trilátero é um polígono de três lados. Observações: a) O triângulo não possui diagonais;

Leia mais

Construções Fundamentais. r P r

Construções Fundamentais. r P r 1 Construções Fundamentais 1. De um ponto traçar a reta paralela à reta dada. + r 2. De um ponto traçar a perpendicular à reta r, sabendo que o ponto é exterior a essa reta; e de um ponto P traçar a perpendicular

Leia mais

GEOMETRIA BÁSICA 2011-2 GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 08/11/2011

GEOMETRIA BÁSICA 2011-2 GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 08/11/2011 GEOMETRIA BÁSICA 2011-2 GGM00161-TURMA M2 Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 08/11/2011 Definição : Considere dois planos paralelos α e β e um segmento de reta PQ, cuja reta suporte r intercepta o plano

Leia mais

Áreas e Aplicações em Geometria

Áreas e Aplicações em Geometria 1. Introdução Áreas e Aplicações em Geometria Davi Lopes Olimpíada Brasileira de Matemática 18ª Semana Olímpica São José do Rio Preto, SP Nesse breve material, veremos uma rápida revisão sobre áreas das

Leia mais

Geometria Plana 03 Prof. Valdir

Geometria Plana 03 Prof. Valdir Geometria lana 03 rof. Valdir TS TÁVEIS E U TRIÂGUL 1. RIETR É o ponto de equilíbrio ou centro de gravidade do triângulo. baricentro coincide com o ponto de intersecção das medianas do triângulo (na figura

Leia mais

POLÍGONOS E FIGURAS GEOMÉTRICAS ESPACIAIS

POLÍGONOS E FIGURAS GEOMÉTRICAS ESPACIAIS http://apostilas.netsaber.com.br/ver_apostila.php?c=622 ANGELO ROBERTO BONFIETI JUNIOR - MATRÍCULA 97003133 - BM3 01-011 POLÍGONOS E FIGURAS GEOMÉTRICAS ESPACIAIS ANGELO ROBERTO BONFIETI JUNIOR - MATRÍCULA

Leia mais

Bissetrizes e suas propriedades.

Bissetrizes e suas propriedades. Semana Olímpica 013 - Prof. ícero Thiago - olégio ETP/SP issetrizes e suas propriedades. Teorema 1. Seja XOY umângulodadoep umpontoemseuinterior. Então, adistância de P a XO é igual à distância de P a

Leia mais

Semi-Reta: é uma parte da reta limitada por apenas um ponto. É representada como mostra a figura acima.

Semi-Reta: é uma parte da reta limitada por apenas um ponto. É representada como mostra a figura acima. 01. Conceitos Primitivos: Ponto: é representado por uma letra maiúscula do nosso alfabeto. Reta: é representado por uma letra minúscula do nosso alfabeto. Plano: é representado por uma letra grega. 0.

Leia mais

DESENHO GEOMÉTRICO. Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira. Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância

DESENHO GEOMÉTRICO. Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira. Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância Departamento de Arquitetura e Urbanismo Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira 20 Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância Desenho Geométrico Universidade Federal de Viçosa Reitora

Leia mais

ICARO SISTEMA DE ENSINO MATEMÁTICA APLICADA. www.portalicaro.com.br atendimento@portalicaro.com.br

ICARO SISTEMA DE ENSINO MATEMÁTICA APLICADA. www.portalicaro.com.br atendimento@portalicaro.com.br MATEMÁTICA APLICADA Disciplina: Matemática Aplicada Trigonometria e aplicações Introduzimos aqui alguns conceitos relacionados com a Trigonometria no triângulo retângulo, assunto comum na oitava série

Leia mais

MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III

MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III 0 Dois círculos de centros A e B são tangentes exteriormente e tangenciam interiormente um círculo de centro C. Se AB = cm, AC = 7 cm e BC = 3 cm, então o raio

Leia mais

Circunferência. MA092 Geometria plana e analítica. Interior e exterior. Circunferência e círculo. Francisco A. M. Gomes

Circunferência. MA092 Geometria plana e analítica. Interior e exterior. Circunferência e círculo. Francisco A. M. Gomes Circunferência MA092 Geometria plana e analítica Francisco A. M. Gomes UNICAMP - IMECC Setembro de 2016 A circunferência é o conjunto dos pontos de um plano que estão a uma mesma distância (denominada

Leia mais

Geometria Elementar gênese e desenvolvimento. Roberto Ribeiro Paterlini

Geometria Elementar gênese e desenvolvimento. Roberto Ribeiro Paterlini Geometria Elementar gênese e desenvolvimento Roberto Ribeiro Paterlini Copyright março de 2010 by Roberto Ribeiro Paterlini Departamento de Matemática, UFSCar A presente versão está disponível na página

Leia mais

Aula 3 Polígonos Convexos

Aula 3 Polígonos Convexos MODULO 1 - AULA 3 Aula 3 Polígonos Convexos Conjunto convexo Definição: Um conjunto de pontos chama-se convexo se, quaisquer que sejam dois pontos distintos desse conjunto, o segmento que tem esses pontos

Leia mais

1. Primeiros conceitos

1. Primeiros conceitos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Geometria Plana I Prof.:

Leia mais

SOLUCÃO DAS ATIVIDADES COM GEOPLANO QUADRANGULAR

SOLUCÃO DAS ATIVIDADES COM GEOPLANO QUADRANGULAR SOLUCÃO DAS ATIVIDADES COM GEOPLANO QUADRANGULAR Observações. Os pinos do geoplano quadrangular são chamados de pontos. A distância horizontal ou vertical entre dois pontos consecutivos é estabelecida

Leia mais

Exercícios Propostos. Exercício 1: Cinco retas distintas em um plano cortam-se em n pontos. Determine o maior valor que n pode assumir.

Exercícios Propostos. Exercício 1: Cinco retas distintas em um plano cortam-se em n pontos. Determine o maior valor que n pode assumir. Exercícios Propostos Exercício 1: Cinco retas distintas em um plano cortam-se em n pontos. Determine o maior valor que n pode assumir. Exercício 2: As bissetrizes de dois ângulos adjacentes AÔB e BÔC são,

Leia mais

Escola da Imaculada. Estudo da Pirâmide. Aluno (a): Professora: Jucélia 2º ano ensino médio

Escola da Imaculada. Estudo da Pirâmide. Aluno (a): Professora: Jucélia 2º ano ensino médio Escola da Imaculada Estudo da Pirâmide Aluno (a): Professora: Jucélia 2º ano ensino médio Estudo da Pirâmide 1- Definição As pirâmides são poliedros cuja base é uma região poligonal e as faces laterais

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL

GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL 3 a edição PROF A. DEISE MARIA BERTHOLDI COSTA PROF. JOSÉ LUIZ TEIXEIRA PROF. PAULO

Leia mais

Turma preparatória para Olimpíadas.

Turma preparatória para Olimpíadas. p: João Alvaro w: www.matemaniacos.com.br e: joao.baptista@iff.edu.br Turma preparatória para Olimpíadas. TRIÂNGULOS - V01 DEFINIÇÃO Sejam três pontos não colineares A, B e C, o triângulo ABC é uma figura

Leia mais

TÓPICOS SOBRE POLÍGONOS

TÓPICOS SOBRE POLÍGONOS Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática TÓPICOS SOBRE POLÍGONOS Autor: Eriem Cortez Marques Orientador: Roberto Ribeiro Paterlini Disciplina:

Leia mais

CM127 - Lista 3. Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis. 1. Faça todos os exercícios dados em aula.

CM127 - Lista 3. Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis. 1. Faça todos os exercícios dados em aula. CM127 - Lista 3 Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis 1. Faça todos os exercícios dados em aula. 2. Determine as medidas x e y dos ângulos dos triângulos nos itens abaixo 3. Dizemos que um triângulo

Leia mais

Geometria Plana Noções Primitivas

Geometria Plana Noções Primitivas Geometria Plana Noções Primitivas Questão 1 (CESGRANRIO-85) Numa carpintaria, empilham-se 50 tábuas, umas de 2 cm e outras de 5 cm de espessura. A altura da pilha é de 154 cm. A diferença entre o número

Leia mais

Colégio Universitas06 Data: 7 Mai 2013. Professor(a): Adriana Santos. Exercícios extras

Colégio Universitas06 Data: 7 Mai 2013. Professor(a): Adriana Santos. Exercícios extras Colégio Universitas06 Data: 7 Mai 2013 Professor(a): Adriana Santos Aluno(a): Nota: nº: Exercícios extras 1 Escreva se cada objeto desenhado dá ideia de sólido geométrico, região plana ou contorno. Em

Leia mais

ATIVIDADES COM GEOPLANO QUADRANGULAR

ATIVIDADES COM GEOPLANO QUADRANGULAR ATIVIDADES COM GEOPLANO QUADRANGULAR Observações. Os pinos do geoplano quadrangular são chamados de pontos. A distância horizontal ou vertical entre dois pontos consecutivos é estabelecida como a unidade

Leia mais

Desenho geométrico. Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta:

Desenho geométrico. Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta: Desenho geométrico Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta: Linha que estabelece a menor distância entre 2 pontos. Por 1 ponto podem passar infinitas retas. Por 2

Leia mais

FEIXE DE RETAS PARALELAS TEOREMA DE TALES

FEIXE DE RETAS PARALELAS TEOREMA DE TALES 222 FEIXE DE RETAS PARALELAS Feixe de retas paralelas é um conjunto de retas distintas de um plano, paralelas entre si. As retas a, d e c da figura constituem um feixe de retas paralelas. r s Transversal

Leia mais

Aula 09 (material didático produzido por Paula Rigo)

Aula 09 (material didático produzido por Paula Rigo) EMBAP ESCOLA DE MÚSICA E BELAS ARTES DO PARANÁ DISCIPLINA DE DESENHO GEOMÉTRICO E GEOMETRIA DESCRITIVA Profª Eliane Dumke e-mail: eliane.dumke@gmail.com Aula 09 (material didático produzido por Paula Rigo)

Leia mais

GEOMETRIA GRÁFICA TIPO A GEOMETRIA GRÁFICA TIPO B

GEOMETRIA GRÁFICA TIPO A GEOMETRIA GRÁFICA TIPO B 1 GEOMETRIA GRÁFICA TIPO A GEOMETRIA GRÁFICA 1. Considere um quadrilátero RSTU, satisfazendo RS = ST = TU = UR, como o exemplo ilustrado abaixo. Considerando esses dados, podemos afirmar que: 0-0) SU é

Leia mais

Aprendendo Geometria com Origami

Aprendendo Geometria com Origami Luciana Leroy Aprendendo Geometria com Origami Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2010 2 Luciana Leroy Aprendendo Geometria com Origami Monografia apresentada ao Programa

Leia mais

LISTÃO DE EXERCÍCIOS DE REVISÃO IFMA PROFESSOR: ARI

LISTÃO DE EXERCÍCIOS DE REVISÃO IFMA PROFESSOR: ARI 01.: A figura mostra um edifício que tem 15 m de altura, com uma escada colocada a 8 m de sua base ligada ao topo do edifício. comprimento dessa escada é de: a) 12 m. b) 30 m. c) 15 m. d) 17 m. e) 20 m.

Leia mais

AVF - MA Gabarito

AVF - MA Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL AVF - MA13-016.1 - Gabarito Questão 01 [,00 pts ] Em um triângulo ABC de perímetro 9, o lado BC mede 3 e a distância entre os pés das bissetrizes interna

Leia mais

Lista 3. Geometria, Coleção Profmat, SBM. Problemas selecionados da seção 2.5, pág. 81 em diante.

Lista 3. Geometria, Coleção Profmat, SBM. Problemas selecionados da seção 2.5, pág. 81 em diante. MA13 Exercícios das Unidades 4 e 5 2014 Lista 3 Geometria, Coleção Profmat, SBM. Problemas selecionados da seção 2.5, pág. 81 em diante. 1) Seja ABCD um quadrilátero qualquer. Prove que os pontos médios

Leia mais

LISTA 2 GEOMETRIA PLANA PROF. NATHALIE 1º Ensino Médio

LISTA 2 GEOMETRIA PLANA PROF. NATHALIE 1º Ensino Médio LISTA 2 GEOMETRIA PLANA PROF. NATHALIE 1º Ensino Médio 11. Em cada uma das figuras, o centro da circunferência é O. Calcule o valor de x. (a) 35 b) 70 ) a) b) 01. Qual é o polígono cuja soma dos ângulos

Leia mais

1 A AVALIAÇÃO ESPECIAL UNIDADE I -2014 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C.

1 A AVALIAÇÃO ESPECIAL UNIDADE I -2014 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. 1 A AVALIAÇÃO ESPECIAL UNIDADE I -014 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 01. (UESC-Adaptada) (x + )!(x + )! O valor de x N, que

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo I Aula 04 TRIÂNGULOS Triângulo é um polígono de três lados. É o polígono que possui o menor número de lados. Talvez seja o polígono mais importante

Leia mais

Equilátero Isósceles Escaleno

Equilátero Isósceles Escaleno TRIÂNGULOS Triângulo são polígonos formados por três lados. Os polígonos, por sua vez, são figuras geométricas formadas por segmentos de reta que, dois a dois, tocam-se em seus pontos extremos, mas que

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 TEOREMA DE TALES 1. Na figura abaixo as retas r, s e t são (A) 0 (B) 6 (C) 00 (E) 0. Três retas paralelas são cortadas por duas Se AB = cm; BC = 6 cm e XY = 10 cm a medida, em cm, de XZ é: (A) 0 (B) 10

Leia mais

Lista 5. Geometria, Coleção Profmat, SBM. Problemas selecionados da seção 4.1, pág. 147 em diante.

Lista 5. Geometria, Coleção Profmat, SBM. Problemas selecionados da seção 4.1, pág. 147 em diante. MA13 Exercícios das Unidades 8, 9 e 10 2014 Lista 5 Geometria, Coleção Profmat, SBM. Problemas selecionados da seção 4.1, pág. 147 em diante. 1) As retas r, s e t são paralelas com s entre r e t. As transversais

Leia mais

1. Sendo (x+2, 2y-4) = (8x, 3y-10), determine o valor de x e de y. 2. Dado A x B = { (1,0); (1,1); (1,2) } determine os conjuntos A e B. 3. (Fuvest) Sejam A=(1, 2) e B=(3, 2) dois pontos do plano cartesiano.

Leia mais

Lista 1: Vetores -Turma L

Lista 1: Vetores -Turma L Lista 1: Vetores -Turma L Professora: Ivanete Zuchi Siple 1. Dados os vetores u e v da gura, mostrar num gráco um representante do vetor: (a) u v (b) v u (c) u + 4 v u v. Represente o vetor x = u + v w

Leia mais

TRABALHO DE DEPENDÊNCIA TURMA: 2ª SÉRIE CONTEÚDOS RELATIVOS AO 1º E 2º BIMESTRE MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ROGERIO

TRABALHO DE DEPENDÊNCIA TURMA: 2ª SÉRIE CONTEÚDOS RELATIVOS AO 1º E 2º BIMESTRE MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ROGERIO TRABALHO DE DEPENDÊNCIA TURMA: 2ª SÉRIE CONTEÚDOS RELATIVOS AO 1º E 2º BIMESTRE MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ROGERIO OBSERVAÇÕES: 1) AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA A PARTE COM

Leia mais

3.6 TRIÂNGULOS. Definição: Dados três pontos A, B e C, no plano e não-colineares, a figura formada pelos segmentos AB, BC e AC chamamos de triângulo.

3.6 TRIÂNGULOS. Definição: Dados três pontos A, B e C, no plano e não-colineares, a figura formada pelos segmentos AB, BC e AC chamamos de triângulo. 21 3.6 TRIÂNGULOS Definição: Dados três pontos A, B e C, no plano e não-colineares, a figura formada pelos segmentos AB, BC e AC chamamos de triângulo. Propriedades P1. Num triângulo qualquer, a soma das

Leia mais

Geometria Euclidiana Plana Parte I

Geometria Euclidiana Plana Parte I CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2 Geometria Euclidiana Plana Parte I Joyce Danielle de Araújo - Engenharia de Produção Vitor Bruno Santos Pereira - Engenharia Civil CURSO INTRODUTÓRIO

Leia mais

Exercícios Triângulos (1)

Exercícios Triângulos (1) Exercícios Triângulos (1) 1. Na figura dada, sabe-se que r // s. Calcule x. 2. Nas figuras abaixo, calcule o valor de x. 5. (PUC-SP) Na figura seguinte, as retas r e s são paralelas. Encontre os ângulos

Leia mais

Ficha Formativa de Matemática 7º Ano Tema 5 Figuras Geométricas

Ficha Formativa de Matemática 7º Ano Tema 5 Figuras Geométricas 1. Observa as linhas seguintes. 1.1. Identifica: a) as linhas poligonais; b) as linhas poligonais simples; c) as linhas poligonais fechadas. 1.2. Das linhas poligonais, identifica as que definem: a) polígonos

Leia mais

I - INTRODUÇÃO II LUGARES GEOMÉTRICOS, ÂNGULOS E SEGMENTOS 1. POSTULADOS DO DESENHO GEOMÉTRICO

I - INTRODUÇÃO II LUGARES GEOMÉTRICOS, ÂNGULOS E SEGMENTOS 1. POSTULADOS DO DESENHO GEOMÉTRICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA Professores: Deise Maria Bertholdi Costa, Luzia Vidal de Souza, Paulo Henrique Siqueira,

Leia mais

Polígonos. Disciplina: Matemática Aplicada Prof. Filipe Arantes Fernandes

Polígonos. Disciplina: Matemática Aplicada Prof. Filipe Arantes Fernandes Polígonos Disciplina: Matemática Aplicada Prof. Filipe Arantes Fernandes filipe.arantes@ifsudestemg.edu.br Polígonos Polígonos é uma linha fechada formada apenas por segmentos de reta que não se cruzam

Leia mais

Apostila Matemática 2. Geometria Plana. Geometria Espacial. Geometria Analítica. Trigonometria

Apostila Matemática 2. Geometria Plana. Geometria Espacial. Geometria Analítica. Trigonometria Apostila Matemática Geometria Plana Geometria Espacial Geometria Analítica Trigonometria 0 GEOMETRIA PLANA. DEFINIÇÕES Ponto: Um elemento do espaço que define uma posição. Reta: Conjunto infinito de pontos.

Leia mais

RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_2007_ 2A FASE. RESOLUÇÃO PELA PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_2007_ 2A FASE. RESOLUÇÃO PELA PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÀO DA PROVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR DA FUVEST_007_ A FASE RESOLUÇÃO PELA PROFA MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Se Amélia der R$3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia Se Maria

Leia mais

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere os conjuntos S = {0,2,4,6}, T = {1,3,5} e U = {0,1} e as afirmações: I. {0} S e S U. II. {2} S\U e S T U={0,1}.

Leia mais

FUVEST VESTIBULAR 2005 FASE II RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA.

FUVEST VESTIBULAR 2005 FASE II RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. FUVEST VESTIBULAR 00 FASE II PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. Q 0. Para a fabricação de bicicletas, uma empresa comprou unidades do produto A, pagando R$9, 00, e unidades do produto B, pagando R$8,00. Sabendo-se

Leia mais

Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro e Acad. Taís Aline Bruno de Azevedo.

Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro e Acad. Taís Aline Bruno de Azevedo. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA SECRETARIA DE ENSINO À DISTÂNCIA O NÚMERO DE OURO Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro

Leia mais