Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS"

Transcrição

1 Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS

2 Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica

3 Leucemias Agudas Leucemias agudas são um grupo heterogêneo de neoplasias originadas das células progenitoras, com ligação às linhagens celulares hematopoéticas. Instalação abrupta, proliferação descontrolada de células com parada de maturação (blastos) e infiltrando tecidos.

4 Leucemias Agudas Diagnóstico Morfológico LLA 25% ou mais de linfoblastos na medula óssea. Leucemia aleucêmica. Linfoma linfoblástico. LMA 20% ou mais de mieloblastos em sangue periférico e ou medula óssea. OMS/2001

5 Leucemias Linfoblásticas Agudas 75% < 15 anos 30% neoplasias da infância LLA- B: 85% LLA- T: 10 a 15% S. L. D. em 5 anos com tratamento clínico: 75% a 83% Ativação aberrante de proto-oncogenes: MYC, TAL1, LYL1, LMO2 e HOX11 Geração das fusões gênicas das quinases ativas: BCR- ABL ou fatores de transcrição: TEL-AML1, E2A-PBX1 e MLL

6 FREQUENCIA ESTIMADA DE GENOTIPOS ESPECÍFICOS DE LLA EM CRIANÇAS E ADULTOS Crianças Linhagem B Linhagem T Adultos Linhagem B Linhagem T Pui C et al. N Engl J Med 2004;350:

7 Sobrevida Livre de Doença conforme Genotipo Marcos de Lima Board Review HIAE /Junho 2007

8 Marcos de Lima Board Review Junho 2007

9 Leucemias Agudas Morfologia corantes pancromáticos ou derivados de Romanowsky (70 a 80%) Coloração citoquímicas (80 a 85%) Imunofenotipagem com marcadores monoclonais (acima de 90%) Automação por Citometria de Fluxo Expressões proteicas decorrentes de alterações gênicas (100%) Bowman GP et al The contribution of cytochemistry and immunophenotyping to the reproducibility of the FAB classification in acute leukemia.blood 1986;68:

10 CLASSIFICAÇÕES Franco-Américo-Britânica (FAB) critérios morfológicos e citoquímicos LMA : M1 a M6 LLA : L1, L2 e L início dos CRITÉRIOS IMUNOFENOTÍPICOS LMA : inclusão da M7 LLA : subtipos B e T 1988 classificação MIC CRITÉRIOS CITOGENÉTICOS 1991 aprimoramento das subclassificações LMA : inclusão da M0 LLA: classificação dos subtipos B e T Organização Mundial da Saúde (OMS) critérios morfológicos, citoquímicos, imunofenotípicos e citogenéticos para avaliar o prognóstico e definir tratamento

11 LLA - B: Linfoblastos tipo L1, L2 e L3 pela classificação FAB.

12 VBM, 3a LLA-L3

13 DESR, 6a LLA pré-b CALLA(+) VBM, 3a LLA-L3

14 EJDM, 51a LLA pré-b CALLA (-)

15 TAL, 49a LLA B precursora DESR, 6a LLA PRÉ-B CALLA(+)

16 TAL, 49a LLA B precursora

17 ASF, 28a LMA M0 P.O. 32a LMA M0

18 IMUNOFENOTIPAGEM CITOMETRIA DE FLUXO Leucemias Agudas - Linhagem celular - Clonalidade - Maturação celular - Monitorização terapêutica - Doença residual mínima

19 Linhagem celular Painel Primário ANTICORPOS MPO / CD13 / CD33 CD79a / CD19 / CD22c CD3c / CD7 / CD2 / CD5 LINHAGEM Mielóide Linfóide B Linfóide T Antígenos de Imaturidade ou Ativação: TdT, CD34, HLA-DR Pode identificar a maioria das leucemias agudas Diferencia as LMA M0, LMA M3v,LMA M7 x LLA

20 Leucemias Agudas!"#$% $ &'()* +,$ +- +,'(#. + -.

21 Célula Progenitora! "# Célula Pró-T - $ ( 0 "# $ %& ' '' (& "# $ %) ( '! 1 ( %& '' '! 1 %! (& "# $ %& %) ') * +, '' (& *, ( 0. 1! ') * +,. '', ( '! (, * ' ' 1.. 3* '! ( $αβ $αβ %& (& # /. -. # / '1!,

22 Maturação celular Leucemia Linfoblástica Aguda - B CD19, CD79a, CD22c MIC EGIL OMS LLA pró-b (pré-pré B) BI LLA-B precursora /0/1 LLA B comum LLA pré B BII - CD10 BIII - IgMc LLA pré-b LLA B madura BIV - Igm LLA B madura LLA ex.mielóide

23 LLA-B PRECURSORA / EXPRESSÃO ABERRANTE LINHAGEM MIELÓIDE CD13 e CD33 CD45xSS CD33xCD45 CD13xCD45 CD79axCD45 HLA-DRxCD45 CD34xCD45 CD19xCD45 CD10xCD45 IgMcxCD19xCD45

24 LLA pré B CALLA(+) Expressões antigênicas intracitoplasmáticas CD79a: 92,8% (+) IgMc: 60,8% (+/++)

25 LLA pré B CALLA(+) CD19/IgMc: 62,3% CD19/CD10: 85,9%

26 LLA pré B CALLA(+) CD34/HLA-DR: 85,6% HLA-DR: 90,8% (+)

27 LLA B MADURA LINFOMA DE BURKITT CD45xSS TdTxCD19 CD34xCD45 CD20xCD45 CD22xCD45 KAPPA(sup)xCD19 CD19xCD45 HLA-DRxCD45 CD10xCD45 IgM (sup)xcd19

28 !"#"$%%& '()("#"*%& $+,$%+,-.++,-/0+,$-+ $$!"#"/1& '()("#"$%%& $+,$%++,%0+,-.+,.20+, 3++ $$4-!"#"2& '()("#"/2& $+,$%,%,-.+,$2+,12+,56$ / $8-9 $65 1

29 Maturação celular CLASSIFICAÇÃO IMUNOLÓGICA DAS LLA - T Pré-T T-precoce Cortical T madura * CD3 (citop) CD7 * CD2 * * CD7 CD2 * *CD7 CD2 * *CD7 *CD4 TdT TdT TdT TdT CD5 * *CD8 * * CD4* * CD1 ou * CD5 CD8* *CD3 CD3 (citop) CD3 (citop) TCR Gamma-Delta TCR Alpha/Beta,*36+*

30 Maturação celular Leucemia Linfoblástica Aguda - T '( MIC EGIL LLA pró T TI - CD 7 LLA pré T TII - Cortical precoce CD2,CD5 LLA T cortical TIII - Cortical tardia CD1a LLA T madura TIV - Medular CD3m LLA ex. mielóide OMS Leucemia Linfoblástica T precursora / LL

31 LLA-T cortical tardia / LLA Tímica FSC x SSC 96% de blastos em MO CD3c: 94,3% (+)

32 LLA-T cortical tardia / LLA Tímica CD7-99,1%(+) CD2-99,2%(+)

33 LLA-T cortical tardia / LLA Tímica CD3c: 94,3% (+) CD3s: 13,6% (-)

34 LLA-T cortical tardia / LLA Tímica CD4/CD8: 95,7% / 97,7% CD1A/CD5: 56,9% / 96,9%

35 Leucemias Mielóides Agudas + :; + <: + : 3-

36 Célula Progenitora!" # $ Pluripotente, 78 +6,, %%( " # $ 78 6, 78 +, 78, = , % %, : "# $ %1 (% % %' # $,, % 9% ' % 9 %1, %1 % %%, %%0 %1 6 ;. % ' 9% 0 9', % 6. 9 %1 % %% 9! %%0 %1 % %%0 %. %%0! % %%0 <%%1

37 CLASSIFICAÇÃO IMUNOLÓGICA DA LMA * CD33 M0 CD33 * * CD13 (citop) * Anti MPO (citop) * CD13 (citop) * Anti MPO (citop) * Glicoforina A * CD71 * CD41 * CD61 * CD42 M6 M7

38 3!-!.(=.( ("(

39 3!-!1!(= ("()(>

40 Classificação da OMS 7 ;>?,#A!B'%CA;''B;''C3#,%6: 1%'D,#/A%9CA %;''CA%9B%9CA %B;''C37β3,E"%% %)%'D,#A%1B%(CA;''B;%'C3,$#$α 1!D,#.%%;'3, 19D,#..F...,G /.,#3,..,#3,...;.,#3,..0...**,#I J...,#= GI,#. GI,# GI =.0. H -/ H -/ H -/ H -/ 1D %)D )1D %1'1D 9D 19D 1D $ $ $

41 Vanderson Rocha Board Review-MDAnderson/HIAE/ Junho 2007

42 Vanderson Rocha Board Review-MDAnderson/HIAE/ Junho 2007

43 3!-!+!(B (( "#>C:

44 LMA M1/ sem Maturação Doença Residual Mínima

45 LMA M1 / sem Maturação Doença Residual Mínima

46 LMA M1 / sem Maturação Linhagem Mielóide

47 LMA M1 / sem Maturação Linhagem Mielóide

48 3!-!!"#B D=( "-

49 LMA M2 CD45xSS HLA-DRxSS MPO(c)xCD45 FSxSS CD34xSS CD33xSS CD13xSS CD117xSS CD4xSS

50 3!-!< =E EBD= F>G-

51 LMA M3 CD45xSS CD2xCD45 HLA-DRxCD45 CD34xCD45 MPO(c)xCD45 CD56xCD45 CD33xCD45 CD13xCD45 CD117xCD45 CD71xCD45

52 LMA M4 Mieloblastos> 20% e monoblastos e promonócitos >20%

53 3!-!!( HD- GH

54 C.O.S. Medula Óssea - LMA-M5a 14/06/2006 /<5 SSxCD45 / J.A.B. Sangue Periférico - LMA-M5b 16/06/2006 /<5 SSxCD45 /5

55 C.O.S. Medula óssea - LMA-M5a 14/06/2006 /5 / /<< J.A.B. Sangue Periférico - LMA-M5b 16/06/2006 /5 / /<<

56 C.O.S. Medula óssea - LMA-M5a 14/06/2006 /1 3-+/I J.A.B. Sangue Periférico - LMA-M5b 16/06/2006 /1 3-+/I

57 C.O.S. Medula óssea - LMA-M5a 14/06/2006 /< / J.A.B. Sangue Periférico - LMA-M5b 16/06/2006 /< /

58 C.O.S. Medula óssea - LMA-M5a 14/06/2006 / /< J.A.B. Sangue Periférico - LMA-M5b 16/06/2006 / /<

59 C.O.S. Medula óssea - LMA-M5a 14/06/2006 /5 / J.A.B. Sangue Periférico - LMA-M5b 16/06/2006 /5 /1

60 C.O.S. Medula óssea - LMA-M5a 14/06/2006 / 5 / J.A.B. Sangue Periférico - LMA-M5b 16/06/2006 / 5 /5

61 /$+,$-,--,$+, $2$5+,$-+:;7<=7,--++ :787<=7,$2,-.,3 JD- K6< L- 565

62 Leucemias Agudas "#L "#&O, $-. M5:N, K+$ K.( +, +K.(

63 3-3K K.( (+&O,3 SCORE B T MIELÓIDE 2 CD79a c CD22 c IgM c CD3m / c TCR MPO 1 CD19, CD20 CD10 CD2, CD5, CD8, CD10 CD117 CD33 CD13 CD65 0,5 TdT CD24 TdT, CD7 CD1a CD14 CD15 CD64 GC(

64 Imunofenotipagem de Doenças Oncohematológicas nov/91 a julho/07 Nº total de casos analisados: 6 234

65 6234 pacientes analisados de novembro de 1991 a julho de 2007 LEUCEMIAS AGUDAS 1954 (31,3%) Leucemias Mielóides ides Agudas 1084 (17,4%) Leucemias Linfoblásticas Agudas 854 (13,7%) Leucemias Bifenotípicas 16 ( 0,2%) Síndrome Mielodisplásica sica 79 (1,3%)

66 /= <5 H0P$01

67 OBRIGADA PELA ATENÇÃO! Nydia Strachman Bacal Grupo de Citometria de Fluxo do Laboratório rio Clínico HIAE Ana Claudia Miranda Brito Alexandra M.P. Cavalcante João Carlos de C. Guerra Sonia Tsukasa Nozawa Ruth Hissae Kanayama

68 Objective 1: AmpliChip Leukemia MILE: Clinical Objectives Clinical accuracy of the microarray test as compared to standard leukemia laboratory methods ( gold standard ) n = 4000 patients Gold standard Diagnostic Information Microarray-based gene expression profile Morphology Cytogenetics Immunophenotyping Cytochemistry FISH PCR Robin Foá Atibaia 03/2007

69 AmpliChip Leukemia The MILE multi-center premarketing study Microarray Innovations in LEukemia A retrospective and prospective study to compare laboratory standard leukemia tests with a new microarray-based gene expression test Robin Foá Atibaia 03/2007

70 AmpliChip Leukemia Key hematological centers participating in Phase-I The MILE study will be conducted in collaboration with the European Leukemia Network plus US participants European Leukemia Network (WP13) Principal Investigator: T. Haferlach Site 1 Montpellier / France Site 2 Munich / Germany Site 3 Berlin / Germany Site 4 Rome / Italy Site 5 Padua / Italy Site 6 Salamanca / Spain Site 7 Cardiff / UK US Sites Memphis, La Jolla Robin Foá Atibaia 03/2007

71 Classification performance of 17 - class algorithm: MDS not included in data set Class Name N Sensitivity Specificity C1 mature B-ALL with t(8;14) C2 Pro-B-ALL with t(11q23)/mll C3 c-all/pre-b-all with t(9;22) C4 T-ALL C5 ALL with t(12;21) C6 ALL with t(1;19) C7 ALL with hyperdiploid karyotype C8 c-all/pre-b-all without t(9;22) C9 AML with t(8;21) C10 AML with t(15;17) C11 AML with inv(16)/t(16;16) C12 AML with t(11q23)/mll C13 AML with normal karyotype + other abnormalities C14 AML complex aberrant karyotype C15 CLL C16 CML C18 None of the above Accuracy by cross-validation: 95.65% - based on 30fold CV - HG-U133 Plus 2.0-2,647 samples for training Robin Foá Atibaia 03/2007

72 AmpliChip Leukemia Test MILES Stage I data presented at ASH conference 2006 [852] An International Multi-Center Microarray Study for the Molecular Classification of Leukemia Identifies Novel Sub-Groupings in MDS Overlapping with AML. Session Type: Oral Session Authors: Ken I. Mills, Torsten Haferlach, Jesus M. Hernandez, Wolf-Karsten Hofmann, Alexander Kohlmann, Mickey Williams, Lothar Wieczorek Date/Time: Tuesday, December 12, :45 AM Session Info: Simultaneous Session: Myelodysplastic Syndromes: Molecular Biology (8:00 AM-10:00 AM) Robin Foá Atibaia 03/2007

73 Illumina

IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS

IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS Curso Pré-Congresso: IMUNOFENOTIPAGEM NAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná LEUCEMIA AGUDA Definição É uma

Leia mais

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas Elizabeth Xisto Souto Médica hematologista do Hospital Brigadeiro Responsável médica pelo setor de Citometria de Fluxo São Paulo Laboratório DASA Foco de atuação:

Leia mais

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Caso clínico Paciente de 22 anos, sexo masculino Quadro de astenia há 2 semanas Exame Físico REG,

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial 2010/2011 Módulo V.I. Medicina Laboratorial Tema da Aula: Docente: Dr. Manuel Garrido Data: 08/11/2010 Número da Aula Previsto: 5ª aula Desgravador: Adriana Vasconcelos Oliveira Corrector: Micaela Caixeiro

Leia mais

Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico

Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Dra. Nydia

Leia mais

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL CARACTERIZAÇÃO IMUNOFENOTÍPICA POR CITOMETRIA DE FLUXO DRA MAURA R VALERIO IKOMA SERVIÇO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA IMUNOFENOTIPAGEM DE MO A

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas

Leia mais

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Fase pré - analítica Recepção e cadastro - Nome do Exame Indicação do exame papel do

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

ELDA PEREIRA NORONHA

ELDA PEREIRA NORONHA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO-INFANTIL MESTRADO ACADÊMICO ELDA PEREIRA

Leia mais

Leucemias Agudas HEMATOLOGIA II. Curso de Farmácia 8 º período LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC LLA LMA LMC

Leucemias Agudas HEMATOLOGIA II. Curso de Farmácia 8 º período LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC LLA LMA LMC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia 8 º período Leucemias Agudas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 LEUCEMIAS AGUDAS Transformação neoplásica

Leia mais

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014 NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO Hye, 2014 O QUE GERA A SUSPEITA DE MALIGNIDADE HEMATOLÓGICA? Falta de energia; Facilidade de sangramentos; Infecções frequentes; Emagrecimento inexplicável; INVESTIGAÇÃO

Leia mais

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS Estratégias Atuais e Importância no Contexto do TMO JAÚ 02/07/2011 Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA

Leia mais

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS MARCELO GUSTAVO DE PIER RESUMO A caracterização imunofenotípica tem sido o método preferencial para a determinação da linhagem celular e análise da maturação das células

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

Neoplasias Hematológicas.

Neoplasias Hematológicas. Neoplasias Hematológicas. Marcos Fleury Faculdade de Farmácia UFRJ mkfleury@ufrj.br Neoplasias Hematológicas. São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células c hematológicas malignas ou

Leia mais

Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas

Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas J Bras Patol Med Lab v. 42 n. 2 p. 77-84 abril 2006 artigo original original paper Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas Laboratory diagnosis of acute myeloid leukemias Primeira submissão

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA. Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA. Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Epidemiologia Neoplasias hematológicas Leucemias Linfomas Não Hodgkin Mieloma Multiplo D. Hodgkin Tumores sólidos

Leia mais

CAPÍTULO I: Introdução

CAPÍTULO I: Introdução 1 CAPÍTULO I: Introdução 2 A leucemia linfóide aguda (LLA) é uma neoplasia maligna resultante da proliferação clonal e acúmulo de células que exibem marcadores celulares associados aos estágios precoces

Leia mais

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br LEUCEMIAS PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico carmoao@terra.com.br LEUCEMIA O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES AVALIAÇÃO DOS MARCADORES CELULARES POR CITOMETRIA DE FLUXO

Leia mais

LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial.

LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial. ATUALIZA CURSOS PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ONCOLÓGICA DYANA CHASTINET REUTER LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial. Salvador, BA 2014 DYANA CHASTINET REUTER LEUCEMIAS

Leia mais

ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR)

ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR) ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR) PERÍODO DA MANHÃ: aulas 1) Utilização das Células Tronco Mesenquimais no Transplante Cardíaco e na doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH). Dra

Leia mais

Investigação Laboratorial de LLA

Investigação Laboratorial de LLA Investigação Laboratorial de LLA Ana Paula Fadel RESUMO A leucemia linfóide aguda (LLA) é a doença que ocorre principalmente na infância em crianças de 2 e 10 anos correspondendo a 70% dos casos; em adultos

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Biopatologia Linfomas e leucemias Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 O texto representa a desgravação da aula, enquanto as

Leia mais

AVANÇOS E PERSPECTIVAS PARA O DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA

AVANÇOS E PERSPECTIVAS PARA O DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA ISSN 1809-0362 AVANÇOS E PERSPECTIVAS PARA O DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA Tereza Joelma Barbosa Almeida* * Graduada em Ciências Biológicas pelas Faculdades Jorge Amado Salvador-BA. Especialista

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

Fundamentos da Citometria de Fluxo. Elizabeth Xisto Souto

Fundamentos da Citometria de Fluxo. Elizabeth Xisto Souto Fundamentos da Citometria de Fluxo Elizabeth Xisto Souto A Citometria de Fluxo consiste de tecnologia laser que analisa partículas suspensas em meio líquido e fluxo contínuo. Estas partículas podem ser

Leia mais

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia Prof. Christian Leucemias Crônicas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 1 LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Leia mais

DIVISÃO ONCOLOGIA. ONCO - HEMATOLOGIA EXAME PRAZO MÉTODO FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH

DIVISÃO ONCOLOGIA. ONCO - HEMATOLOGIA EXAME PRAZO MÉTODO FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH DIVISÃO ONCOLOGIA ONCO - HEMATOLOGIA FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH PCR Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22 ) 11 d. u. PCR FISH Rearranjo PML RARA (Translocação: 15;17) 12

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA March 13-15, 2014 13 a 15 de março de 2014 SCIENTIFIC COMMITTEE / COMITÊ CIENTÍFICO Dr. Celso Arrais Dr. Vanderson

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e II Curso Avançado em Citogenômica do Câncer - realizado pelo Laboratório de Citogenômica do Câncer da Universidade Federal do Ceará. 20 a 23 de novembro no Seara Praia Hotel em Fortaleza - Ceará. Carga

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES ANÁLISE RETROSPECTIVA DAS CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E LABORATORIAIS DOS PACIENTES

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA

DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Citologia da medula óssea (mielograma)

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

Leucemia Linfóide Aguda no Adulto 21/06/2012

Leucemia Linfóide Aguda no Adulto 21/06/2012 Leucemia Linfóide Aguda no Adulto Fábio Pires S Santos Hematologista Hospital Israelita Albert Einstein 21/06/2012 Introdução Tópicos Fatores Prognósticos Tratamento LLA Ph-negativo LLA Ph-positivo Introdução

Leia mais

TÍTULO: ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUTURAIS NAS LEUCEMIAS: MECANISMOS DE REGULAÇÃO AO POTENCIAL CARCINOGÊNICO.

TÍTULO: ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUTURAIS NAS LEUCEMIAS: MECANISMOS DE REGULAÇÃO AO POTENCIAL CARCINOGÊNICO. TÍTULO: ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUTURAIS NAS LEUCEMIAS: MECANISMOS DE REGULAÇÃO AO POTENCIAL CARCINOGÊNICO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG RESPOSTA RÁPIDA 208/2014 Assunto: Azacitidina para tratamento de mielodisplasia SOLICITANTE Juiz de Direito da comarca de Coromandeu NÚMERO DO PROCESSO 0193.14.001135-7 DATA 16/04/2014 Coromandel, 14/04/2014

Leia mais

Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo

Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo Imunologia Hematologia Diagnóstico baseado nas células Prognóstico baseado nas células Monitoramento de terapias Analise de lesões e morte celular Anatomia patológica

Leia mais

CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ

CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ MARINGÁ 2015 Academia de de Ciências e e Tecnologia Instituto

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

ROSANA MORAIS LAMEGO

ROSANA MORAIS LAMEGO ROSANA MORAIS LAMEGO Transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas com doador familiar HLA-idêntico para leucemias agudas: Análise dos dados do Serviço de Transplante de Medula Óssea do Hospital

Leia mais

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 DEFINIÇÃO: - Proliferação neoplásica clonal de uma linhagem de células do sistema hematopoético Representam um grupo heterogêneo de desordens hematopoéticas malignas

Leia mais

ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume:

ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume: Manual da Coleta ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: É recomendável que as amostras de Imunofenotipagem por Citometria de Fluxo para Classificação de Leucemias e de Imunofenotipagem de Líquidos Biológicos venham

Leia mais

UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE RENY LOPES CUNHA LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA EM INDIVÍDUOS ADULTOS JOVENS

UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE RENY LOPES CUNHA LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA EM INDIVÍDUOS ADULTOS JOVENS UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE RENY LOPES CUNHA LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA EM INDIVÍDUOS ADULTOS JOVENS Governador Valadares 2011 1 RENY LOPES CUNHA LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA EM INDIVÍDUOS ADULTOS

Leia mais

Ontogenia de Linfócito T. Alessandra Barone

Ontogenia de Linfócito T. Alessandra Barone Ontogenia de Linfócito T Alessandra Barone Ontogenia de Linfócitos Desenvolvimento dos linfócitos Necessidade de desenvolvimento e maturação de linfócitos para produção de receptores de antígenos Estímulos

Leia mais

PADRONIZAÇÃO NO USO DO REAGENTE TRANSFIX + EDTA K3 EM DIAGNÓSTICO DE LEUCEMIAS AGUDAS POR IMUNOFENOTIPAGEM

PADRONIZAÇÃO NO USO DO REAGENTE TRANSFIX + EDTA K3 EM DIAGNÓSTICO DE LEUCEMIAS AGUDAS POR IMUNOFENOTIPAGEM GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE PADRONIZAÇÃO NO USO DO REAGENTE TRANSFIX + EDTA K3 EM DIAGNÓSTICO

Leia mais

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS PRESTEZA, PRECISÃO E PROXIMIDADE índice 1. 2. MORFOLOGIA... 5 3. CITOGENÉTICA... 5 4. IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO... 2 IMUNOGENÉTICA E HISTOCOMPATIBILIDADE...

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 23º Seminário de Biopatologia Linfomas e Leucemias Prof. Clara Sambade 18/04/07 Pessoal, a este tipo de letra encontram-se as respostas às perguntas baseadas

Leia mais

Guia do Professor para o Exercício de Microarray

Guia do Professor para o Exercício de Microarray Guia do Professor para o Exercício de Microarray Anastasios Koutsos Alexandra Manaia Julia Willingale-Theune Versão 2.3 Versão Portuguesa ELLS European Learning Laboratory for the Life Sciences Anastasios

Leia mais

CITOGENÉTICA NAS LEUCEMIAS LINFOIDES AGUDAS

CITOGENÉTICA NAS LEUCEMIAS LINFOIDES AGUDAS LENIZA COSTA LIMA LICHTVAN CITOGENÉTICA NAS LEUCEMIAS LINFOIDES AGUDAS Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Setor de Ciências da Saúde, Universidade

Leia mais

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN)

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) MIELOGRAMA Medula Óssea Mielograma Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) Biópsia de Medula Óssea Crista ilíaca insere-se agulha para retirada de fragmento ósseo Mielograma (aspirativo) Biópsia de Medula Óssea

Leia mais

Alterações Hematológicas na Síndrome de Down

Alterações Hematológicas na Síndrome de Down Alterações Hematológicas na Síndrome de Down Christina Matzenbacher Bittar Médica Hematologista PhD em Clínica Médica Hospital de Clínicas de Porto Alegre Hospital Mãe de Deus Porto Alegre Brasília, 7

Leia mais

Highlights. Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC. Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP

Highlights. Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC. Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP Highlights Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP Edimburgo, Escócia 11 a 14 de setembro de 2016 Reunião do

Leia mais

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia.

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia. CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 1 2 Alterações da célula mãe (stem) hematopoiética que envolvem uma ou mais linhas da série mieloide (eritróide, mielóide ou megacariocítica) As células linfóides são

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LABORATORIAL JOSÉ HUMBERTO DE LIMA MELO LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LABORATORIAL JOSÉ HUMBERTO DE LIMA MELO LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LABORATORIAL JOSÉ HUMBERTO DE LIMA MELO LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA RECIFE 2011 JOSÉ HUMBERTO DE LIMA MELO LEUCEMIA LINFÓIDE

Leia mais

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos 1. Técnicas Experimentais para o Estudo da Expressão Gênica O curso terá como base o estudo da expressão gênica utilizando um fator de transcrição.

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS PEDIÁTRICAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS PEDIÁTRICAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS PEDIÁTRICAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA Júlio Araújo Zampirolo 1 ; Mateus Dressler de Espíndola 2 ; Rafael Coradin 2 ; Rafael Henrique Mastella Couto 2 ; Dr.

Leia mais

ANÁLISE DAS MUTAÇÕES NOS GENES FLT3

ANÁLISE DAS MUTAÇÕES NOS GENES FLT3 1 Graciele Burnatt ANÁLISE DAS MUTAÇÕES NOS GENES FLT3 (DIT E D835) E NPM1 COMO MARCADORES MOLECULARES PARA ESTRATIFICAÇÃO DO PROGNÓSTICO EM PACIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA AGUDA Dissertação submetida

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1

DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1 DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1 DIAGNOSIS OF MYELODYSPLASTIC SYNDROMES 1 Andréa Silvestre Lobão COSTA 2, Maria Eugenia Furtado dos ANJOS 3, Ana Cristina Simões BELTRÃO 4 e Lacy Cardoso de

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO

ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO 1- METODOLOGIA DE BUSCA E AVALIAÇÃO DE LITERATURA Considerando a heterogeneidade das entidades patológicas que se descrevem

Leia mais

Amanda Faria de Figueiredo

Amanda Faria de Figueiredo Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho Pós-graduação em Ciências Biológicas - Biofísica Amanda Faria de Figueiredo Estudo do Perfil

Leia mais

Recomendações das indicações e laudo de imunofenotipagem para SMD (OMS):

Recomendações das indicações e laudo de imunofenotipagem para SMD (OMS): Recomendações das indicações e laudo de imunofenotipagem para SMD (OMS): Critérios diagnósticos de SMD Citopenia(s) estáveis há mais de 6 meses Critérios mínimos de diagnóstico baseados em OMS 2008 (hemograma,

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Gabriela Vasconcelos de Andrade Alves Caracterização Hematológica e Imunofenotípica em Pacientes com Leucemia Linfoblástica Aguda

Gabriela Vasconcelos de Andrade Alves Caracterização Hematológica e Imunofenotípica em Pacientes com Leucemia Linfoblástica Aguda Gabriela Vasconcelos de Andrade Alves Caracterização Hematológica e Imunofenotípica em Pacientes com Leucemia Linfoblástica Aguda Tese apresentada á Universidade Federal do Rio Grande do Norte RENORBIO

Leia mais

PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas da Leucemia Mieloide Aguda do Adulto. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando

Leia mais

SÍNDROME MIELODISPLÁSICA (SMD) POR ANEMIA REFRATÁRIA (AR) EM CÃO MYELODYSPLASTIC SYNDROME (MDS) FOR REFRACTORY ANEMIA (RA) IN DOG

SÍNDROME MIELODISPLÁSICA (SMD) POR ANEMIA REFRATÁRIA (AR) EM CÃO MYELODYSPLASTIC SYNDROME (MDS) FOR REFRACTORY ANEMIA (RA) IN DOG 1 SÍNDROME MIELODISPLÁSICA (SMD) POR ANEMIA REFRATÁRIA (AR) EM CÃO MYELODYSPLASTIC SYNDROME (MDS) FOR REFRACTORY ANEMIA (RA) IN DOG CARLOS C. KROETZ¹, MARCELA SIGOLO VANHONI¹, SANDRA VOGEL SEIXAS 1, DANIELE

Leia mais

ASPECTOS MORFOLÓGICOS, CITOQUÍMICOS E IMUNOLÓGICOS DA LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA NO ESTADO DO AMAZONAS

ASPECTOS MORFOLÓGICOS, CITOQUÍMICOS E IMUNOLÓGICOS DA LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA NO ESTADO DO AMAZONAS 1 ELIANA BRASIL ALVES ASPECTOS MORFOLÓGICOS, CITOQUÍMICOS E IMUNOLÓGICOS DA LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA NO ESTADO DO AMAZONAS ESTUDO OBSERVACIONAL EM PACIENTES ATENDIDOS NA FUNDAÇÃO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA

Leia mais

Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba

Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba SINDROMES MIELODISPLÁSICAS Bases do Diagnóstico e Classificação Marco Aurélio Salvino Marco Aurélio Salvino Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1- Definição

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CENTRO DE CONSULTORIA EDUCACIONAL JANAÍNA DA SILVA LEMOS LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA: AVANÇOS NO DIAGNÓSTICO

UNIVERSIDADE PAULISTA CENTRO DE CONSULTORIA EDUCACIONAL JANAÍNA DA SILVA LEMOS LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA: AVANÇOS NO DIAGNÓSTICO 0 UNIVERSIDADE PAULISTA CENTRO DE CONSULTORIA EDUCACIONAL JANAÍNA DA SILVA LEMOS LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA: AVANÇOS NO DIAGNÓSTICO RECIFE 2013 1 JANAÍNA DA SILVA LEMOS LLA: AVANÇOS NO DIAGNÓSTICO Monografia

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO ATUALIZA CURSOS PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM ANÁLISES CLÍNICAS LUIZ ARTUR KRAUSE DE SOUSA WALTERMAR CORREIA DOS SANTOS SILVA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO Salvador/BA.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROIMUNOLOGIA MARINA LIPKIN VASQUEZ

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROIMUNOLOGIA MARINA LIPKIN VASQUEZ UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROIMUNOLOGIA MARINA LIPKIN VASQUEZ ANÁLISE DO IMPACTO CLÍNICO DAS ALTERAÇÕES GENÉTICAS ENCONTRADAS NAS LEUCEMIAS AGUDAS

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Renata da Silva COMPARAÇÃO ENTRE AS TÉCNICAS DE IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO E REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE NO DIAGNÓSTICO DOS LINFOMAS

Renata da Silva COMPARAÇÃO ENTRE AS TÉCNICAS DE IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO E REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE NO DIAGNÓSTICO DOS LINFOMAS Renata da Silva COMPARAÇÃO ENTRE AS TÉCNICAS DE IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO E REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE NO DIAGNÓSTICO DOS LINFOMAS FOLICULAR E DIFUSO DE GRANDE CÉLULA B FLORIANÓPOLIS

Leia mais

Imunidade adaptativa celular

Imunidade adaptativa celular Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Pós-graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina RIM 5757 Integração Imunologia Básica-Clínica Imunidade adaptativa celular Cássia

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS CITOGENÉTICA NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Bases Moleculares do Câncer e Ação A

Leia mais

BIANCA CHIESA BIGARDI A IMPORTÂNCIA DA IMUNOFENOTIPAGEM NO DIAGNÓSTICO DAS LEUCEMIAS, COM DESTAQUE PARA A LEUCEMIA BIFENOTÍPICA

BIANCA CHIESA BIGARDI A IMPORTÂNCIA DA IMUNOFENOTIPAGEM NO DIAGNÓSTICO DAS LEUCEMIAS, COM DESTAQUE PARA A LEUCEMIA BIFENOTÍPICA BIANCA CHIESA BIGARDI A IMPORTÂNCIA DA IMUNOFENOTIPAGEM NO DIAGNÓSTICO DAS LEUCEMIAS, COM DESTAQUE PARA A LEUCEMIA BIFENOTÍPICA São Jose do Rio Preto- SP 2017 BIANCA CHIESA BIGARDI A IMPORTÂNCIA DA IMUNOFENOTIPAGEM

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Citometria de Fluxo: Entendendo o Laudo

Citometria de Fluxo: Entendendo o Laudo Citometria de Fluxo: Entendendo o Laudo AV. REBOUÇAS FMUSP 1929 Maria Mirtes Sales Médica Patologista Clínica Doutora em Patologia pela Faculdade de Medicina da USP Chefe da Seção de Citometria de Fluxo

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos. Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury

Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos. Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury Definição Incidência Clínica Exames diagnósticos Fisiopatologia História

Leia mais

Pesquisa 78 Relatório Anual INCA 2004 Pesquisa

Pesquisa 78 Relatório Anual INCA 2004 Pesquisa A produção do conhecimento científico, a formação de pesquisadores e a promoção do intercâmbio entre instituições nacionais e estrangeiras têm crescido nos últimos anos no INCA, onde são desenvolvidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS. Mariela Granero Farias

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS. Mariela Granero Farias UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS Mariela Granero Farias CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR E IMUNOFENOTÍPICA DE 35 CASOS DE

Leia mais

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA)

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) 29/08/2013 14:00-15:30 h PEDIATRIA (SALA SÃO PAULO) - DISCUSSÃO DE CASOS TCTH em Tumores Sólidos Moderador: Cláudio Galvão de Castro

Leia mais

Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem

Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem Morphological changes in the blood smear in myelodysplastic

Leia mais

MEDICINA LABORATORIAL

MEDICINA LABORATORIAL UCP - Sala 427 PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA LABORATORIAL 20 MAR 2015 A 19 FEV 2016 (120 horas presenciais 20 ECTS) CRONOGRAMA UC 1 - Conhecimentos gerais na otimização do diagnóstico em Medicina Laboratorial

Leia mais