IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS"

Transcrição

1 IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS Curso Pré-Congresso: IMUNOFENOTIPAGEM NAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná

2 LEUCEMIA AGUDA Definição É uma neoplasia de células hematopoéticas precursoras que apresentam proliferação anormal e parada de maturação em diferentes estágios de sua diferenciação. 20% LMA

3 EPIDEMIOLOGIA 4/ /ano em geral /ano/EUA LLA: casos/ano LMA: 9.700/ano > 60 anos 10/ /ano Crianças: LLA-B : em 85% 85-90% LLA-B precursoras Linfoma linfoblástico B: < 10% LLA-T : 15%, em adolescentes Linfoma linfoblástico T: >80% 40% dos linfomas Adultos: LMA LLA: em 15%: B 75% T 25%

4 CARACTERIZAÇÃO LABORATORIAL DE UMA NEOPLASIA HEMATOLÓGICA: ABORDAGEM INTEGRADA Morfologia Citoquímica Immunofenotipagem Citogenética Biologia molecular Ciclo celular Citometria de fluxo Imunohistoquímica

5 IMUNOFENÓTIPO DAS NEOPLASIAS HEMATOLÓGICAS UTILIDADE CLÍNICA DOS ESTUDOS FENOTÍPICOS - Classificação Diagnóstica - Avaliação Prognóstica - Monitorização Correlação fenótipo X citogenética X prognóstico

6 IMUNOFENÓTIPO DAS NEOPLASIAS HEMATOLÓGICAS ESTRATÉGIA 1- Estudo do que é Normal 2- Estudo do Fenótipo das Doenças

7 IMUNOFENÓTIPO DAS CÉLULAS LEUCÊMICAS Célula normal x Célula leucêmica Identificação Caracterização Quantificação

8 CARACTERIZAÇÃO FENOTÍPICA DAS CÉLULAS LEUCÊMICAS 1. Designação da Linhagem 2. Avaliação da Maturação Celular 3. Pesquisa de Aberrâncias Fenotípicas

9 CARACTERIZAÇÃO FENOTÍPICA DAS CÉLULAS LEUCÊMICAS 1. Antígenos que definem linhagem: * Mielóide: cympo * Linfóide B: cycd79a, cycd22 * Linfóide T: cycd3 2. Antígenos associados a imaturidade: ntdt, CD34, CD117

10 CARACTERIZAÇÃO FENOTÍPICA DAS CÉLULAS LEUCÊMICAS 2. Antígenos associados à maturação das linhagens: Mielóide: CD11b, CD13, CD33, CD65 Monocítica: CD11c, CD14, CD36, CD64, CD68, lactoferr Linfóide B: CD10, CD19, CD20, CD22, CD24, CyIgμ, K, L Linfóide T: CD1a, CD2, CD3, CD4, CD5, CD7, CD8 Linfóide NK: CD2, CD11b, CD16, CD56, CD57 Eritróide: CD36, CD71, CD105, Glicoforina A Plaquetária: CD41a, CD42b, CD61 Basofílica: CD9, CD13, CD33, CD123, CD203, HLA-DR Dendrítica: CD16, CD33, CD117, CD123, HLA-DR Mastocítica: CD2, CD25, CD33, CD68, CD117

11 CARACTERIZAÇÃO FENOTÍPICA DAS CÉLULAS LEUCÊMICAS 3. Pesquisa de Aberrâncias Fenotípicas: Expressão de antígenos de outra linhagem * LLA CD13, CD15, CD33 * LMA CD2, CD5, CD7 e/ou CD19, CD22, CD56 Assincronismo de expressão dos antígenos * CD11b, CD15 ou CD16 em células CD34++ *Ausência de expressão de antígenos. CD13 neg em LMA, CD5 neg em LLA-T Superexpressão de antígenos * CD34, CD14 na LMA; CD10 na LLA Parâmetros de dispersão anormais * FSC e SSC altos ou baixos

12 APLICAÇÃO DA CITOMETRIA DE FLUXO LEUCEMIAS AGUDAS Diagnóstico de linhagem linfóide vs mielóide. Subclassificação imunológica das leucemias agudas linfoblásticas precursoras B e T. Diagnóstico das leucemias agudas M0, M6, M7, dendríticas, mastócitos. Diagnóstico das leucemias de linhagem ambígua. Triagem diagnóstica de alterações cromossômico / genéticas. Ex: LMA-M3 c/ t(15;17); LLA-B c/ 11q23, t(9;22), t(1;19), t(12;21).

13 CLASSIFICAÇÕES FAB French/American/British 1976 MIC Morfológica/Imunológica/Citogenética 1986 REAL Revised European-American Classification of Lymphoid Neoplasms 1994 OMS Organização Mundial da Saúde 2001 E 2008

14 CLASSIFICAÇÃO 0MS Estratifica as linhagens linfóide, mielóide, histiocítica/dendrítica e mastocítica Postula a célula de origem para cada neoplasia Define entidades nosológicas Utiliza várias áreas do conhecimento: clínica, morfologia, citoquímica, imunofenótipo, biologia molecular É mutável

15 OMS-2008 CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS AGUDAS LEUCEMIAS LINFOIDES AGUDAS LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS LEUCEMIA AGUDA DE LINHAGEM AMBÍGUA

16 LEUCEMIAS AGUDAS DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL MIELÓIDE?? LINFÓIDE??

17 LEUCEMIAS AGUDAS DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL LLA-B LMA-M0 LLA-T MIELÓIDE!!! LINFÓIDE!!!

18 OMS-2008 CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS LINFOIDES AGUDAS 1- Leucemia/Linfoma linfoblástico B 2- Leucemia/Linfoma linfoblástico B com anormalidades genéticas: t(9;22), t(12;21), t(v;11q23), t(1;19), t(5;14), hiper e hipodiploide 3- Leucemia/Linfoma linfoblástico T 4- Leucemia/Linfoma linfoblástico NK

19 Leucemia / Linfoma Linfoblástico B

20 CD45 PerCP CD22 PE CD20 PE CD38 PE CD10 PE Esquema de Diferenciação da Célula B Normal CD10 FITC -> CD34 FITC -> TdT FITC -> Gate em CD CD34 PE -> CD34 FITC ->

21 CD38 PE -> LLA B CD34 FITC ->

22 LLA-B Pré-B cyigmμ(mu)+ CD19+, CD10+, TdT+ CD20-/+d, CD45++, CD34-/+, smigm t(1;19) 20-25% em crianças Não específico

23 LLA-B 11q23 CD19+, CD10-, CD15+, CD20-, CD34+, CD65+, q23, rearranjo MLL Sensibilidade: 95% Especificidade: 85% Khalidi, HS et al, Am J Clin Pathol, 111:467, 1999

24 LLA-B Comum Ph+ CD19+, CD10++, CD20+, CD34++, CD38-/+fr, CD13+fr t(9;22) Adultos Sensibilidade: 100% Especificidade: >90% Leukemia, 15:406, 2001

25 LLA PH+ CD10++ CD34++ CD38-/+ CD13+fr

26 LLA-L3 ou Linfoma de Burkitt FSC alto CD19+, CD20+, CD22+, CD10+, TdT- CD34-/+, migm+ Kappa ou Lambda+ Neoplasia de célula B madura

27 CD34 CD10 LLA-L3 ou Linfoma de Burkitt FSC CD79a IgM LAMBDA CD19 CD45

28 Leucemia /Linfoma Linfoblástico T cycd3+, CD7++, TdT+, CD1a-/+, mcd3-/+, CD4-/+, CD5-/+, CD8-/+, CD10-/+, CD34-/+

29 Leucemia/Linfoma de Células NK São raros tanto em adultos quanto em crianças Diagnóstico diferencial com Leucemias de células dendríticas Imunofenótipo: cycd3-, CD2-/+, CD4-/+, CD5-, CD7-/+, CD8-/+, CD16-, CD56+, TdT-, CD11b-/+, CD13-/+, CD33-/+, HLA-DR-/+.

30 OMS-2008 CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS 1- LMA FAB ou não especificada 2- LMA com anormalidades genéticas: t(8;21), t(15;17), inv16 ou t(16;16), t(9;11), t(6;9), inv3 ou t(3;3), t(1;22). 3- LMA com alterações relacionadas com Mielodisplasia 4- Neoplasias mieloides relacionadas a terapia 5- Sarcoma mieloide 6- Proliferações mieloides associadas a S. Down 7- Neoplasia de célula dendrítica plasmocitoide

31 OMS-2008 CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS Classificação FAB ou Não especificada LMA-M0 ou com diferenciação mínima LMA-M1 ou sem maturação LMA-M2 ou com maturação LMA-M4 ou mielomonocítica LMA-M5 ou monoblástica/monocítica LMA-M6 ou eritroide LMA-M7 ou megacarioblástica LMA-M8 ou basofílica Panmielose aguda com mielofibrose

32 CD13 Leucemia Mieloide Aguda cympo+, CD13+, CD33+, CD34+, CD117+, HLA-DR+, CD7-/+, CD11b-/+, CD15-/+ CD45 cympo negativa: M5, M6, M7, basofílica, dendrítica CD34

33 LMA com anormalidades citogenéticas recorrentes t(15;17) inv(16) ou t(16;16) t(8;21) 11q23 t(9;11) t(6;9) inv (3) ou t(3;3) t(1;22)

34 LMA com t(15;17) cympo+, CD15- CD13 heterogêneo CD33 homogêneo CD34-/+, HLA-DR- SSC alto 5-8% dos casos Hipergranular/Típica Hipo/Microgranular Orfao, A et al, Haematologica, 84:405, 1999

35 LMA M3 com t(15;17) AUTOFLUORESCÊNCIA cympo++ SSC/CD45 CD13 het CD33 homo CD34 neg DR neg

36 LMA com inv(16) ou t(16;16) Mieloblastos: cympo, CD13,CD33, CD34, CD117 Monoblastos: CD4, CD14, CD15, CD36, CD64, CD % dos casos LMMA c/ eosinofilia Número variável

37 LMA M4 com inv 16 Eosinófilos: 12,4% Mieloblastos: 36,0% Monoblastos: 28,2%

38 NEOPLASIA DE CD PLASMOCITÓIDE FSC alto MPO neg CD45++ CD56+ CD4+ CD123++ DR++

39 OMS-2008 CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS AGUDAS AMBÍGUAS 1- Leucemia aguda indiferenciada 2- Leucemia aguda de fenótipo misto B/Mieloide 3- Leucemia aguda de fenótipo misto T/Mieloide 4- Leucemia aguda de fenótipo misto com t(9;22) 5- Leucemia aguda de fenótipo misto com t(v;11q23)

40 LA de Linhagem Ambígua Escore Linfóide B Linfóide T Mielóide 2 CyCD79a CD3(cy/m) MPO CD22,IgM TCR 1 CD19 CD2 CD117 CD20 CD5 CD13 CD10 CD8 CD33 CD10 CD65 0,5 TdT TdT CD14 CD24 CD7 CD15 CD1a CD64 ESCORE > 2 Grupo EGIL, Leukemia, 12: 2038, 1998

41 LA de Linhagem Ambígua MPO-, cycd22+d, CD33+d

42 BLASTO: 78,9% LTN: 11,1% CD34 CD7 CD3 Doença Residual Mínima BLASTO: 0,04% LTN: 9,37% LLA-T CD34 CD7 CD3

43 A ACURÁCIA NA ESTRATIFICAÇÃO DIAGNÓSTICA DAS LEUCEMIAS AGUDAS LEVARÁ AO MELHOR MANEJO TERAPÊUTICO

44 HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UFPR OBRIGADA EQUIPE DE IMUNOFENOTIPAGEM Ana Paula de Azambuja Edna Martins Eliana L Lima Elisa Novello Juli Pimentel Maria Tadeu L Rocha Miriam P Beltrame Noeli T Silva Suély K Weiss Juliana Y Suzuki

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas Elizabeth Xisto Souto Médica hematologista do Hospital Brigadeiro Responsável médica pelo setor de Citometria de Fluxo São Paulo Laboratório DASA Foco de atuação:

Leia mais

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Caso clínico Paciente de 22 anos, sexo masculino Quadro de astenia há 2 semanas Exame Físico REG,

Leia mais

ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR)

ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR) ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR) PERÍODO DA MANHÃ: aulas 1) Utilização das Células Tronco Mesenquimais no Transplante Cardíaco e na doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH). Dra

Leia mais

Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS

Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Leucemias Agudas Leucemias agudas são um grupo heterogêneo de neoplasias originadas

Leia mais

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS Estratégias Atuais e Importância no Contexto do TMO JAÚ 02/07/2011 Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA

Leia mais

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL CARACTERIZAÇÃO IMUNOFENOTÍPICA POR CITOMETRIA DE FLUXO DRA MAURA R VALERIO IKOMA SERVIÇO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA IMUNOFENOTIPAGEM DE MO A

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Fundamentos da Citometria de Fluxo. Elizabeth Xisto Souto

Fundamentos da Citometria de Fluxo. Elizabeth Xisto Souto Fundamentos da Citometria de Fluxo Elizabeth Xisto Souto A Citometria de Fluxo consiste de tecnologia laser que analisa partículas suspensas em meio líquido e fluxo contínuo. Estas partículas podem ser

Leia mais

Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico

Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Dra. Nydia

Leia mais

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014 NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO Hye, 2014 O QUE GERA A SUSPEITA DE MALIGNIDADE HEMATOLÓGICA? Falta de energia; Facilidade de sangramentos; Infecções frequentes; Emagrecimento inexplicável; INVESTIGAÇÃO

Leia mais

Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo

Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo Imunologia Hematologia Diagnóstico baseado nas células Prognóstico baseado nas células Monitoramento de terapias Analise de lesões e morte celular Anatomia patológica

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial 2010/2011 Módulo V.I. Medicina Laboratorial Tema da Aula: Docente: Dr. Manuel Garrido Data: 08/11/2010 Número da Aula Previsto: 5ª aula Desgravador: Adriana Vasconcelos Oliveira Corrector: Micaela Caixeiro

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

ELDA PEREIRA NORONHA

ELDA PEREIRA NORONHA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO-INFANTIL MESTRADO ACADÊMICO ELDA PEREIRA

Leia mais

Investigação Laboratorial de LLA

Investigação Laboratorial de LLA Investigação Laboratorial de LLA Ana Paula Fadel RESUMO A leucemia linfóide aguda (LLA) é a doença que ocorre principalmente na infância em crianças de 2 e 10 anos correspondendo a 70% dos casos; em adultos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA

DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Citologia da medula óssea (mielograma)

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

Leucemia Linfóide Aguda no Adulto 21/06/2012

Leucemia Linfóide Aguda no Adulto 21/06/2012 Leucemia Linfóide Aguda no Adulto Fábio Pires S Santos Hematologista Hospital Israelita Albert Einstein 21/06/2012 Introdução Tópicos Fatores Prognósticos Tratamento LLA Ph-negativo LLA Ph-positivo Introdução

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS MARCELO GUSTAVO DE PIER RESUMO A caracterização imunofenotípica tem sido o método preferencial para a determinação da linhagem celular e análise da maturação das células

Leia mais

Classificação dos tumores hematopoéticos e linfoides de acordo com a OMS: padronização da nomenclatura em língua portuguesa, 4ª edição

Classificação dos tumores hematopoéticos e linfoides de acordo com a OMS: padronização da nomenclatura em língua portuguesa, 4ª edição J Bras Patol Med Lab v. 47 artigo de Atualização Update paper Classificação dos tumores hematopoéticos e linfoides de acordo com a OMS: padronização da nomenclatura em língua portuguesa, 4ª edição Primeira

Leia mais

Alterações Hematológicas na Síndrome de Down

Alterações Hematológicas na Síndrome de Down Alterações Hematológicas na Síndrome de Down Christina Matzenbacher Bittar Médica Hematologista PhD em Clínica Médica Hospital de Clínicas de Porto Alegre Hospital Mãe de Deus Porto Alegre Brasília, 7

Leia mais

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120 SUMÁRIO 1 Hemograma... 21 Introdução e filosofia de trabalho... 21 Registro e processamento de dados... 29 Coleta de material... 31 Contadores eletrônicos... 35 Microscopia... 44 Critérios para indicação

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia Prof. Christian Leucemias Crônicas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 1 LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Leia mais

HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL

HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL 1ª reunião em 10/12/1994 - Laboratório Fleury INÍCIO 2ª reunião em 18/03/1995 - Laboratório Sergio Franco 3ª reunião em 05/08/1995 - Fundação Maria Cecília Souto

Leia mais

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 DEFINIÇÃO: - Proliferação neoplásica clonal de uma linhagem de células do sistema hematopoético Representam um grupo heterogêneo de desordens hematopoéticas malignas

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS

CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Classificação das leucemias Por que classificar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca da epidemiologia e das bases genéticas do câncer pediátrico, julgue os itens a seguir. 41 As leucemias e linfomas são os tumores malignos mais frequentes em lactentes, enquanto os sarcomas ósseo

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Biopatologia Linfomas e leucemias Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 O texto representa a desgravação da aula, enquanto as

Leia mais

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br LEUCEMIAS PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico carmoao@terra.com.br LEUCEMIA O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos

Leia mais

PADRONIZAÇÃO NO USO DO REAGENTE TRANSFIX + EDTA K3 EM DIAGNÓSTICO DE LEUCEMIAS AGUDAS POR IMUNOFENOTIPAGEM

PADRONIZAÇÃO NO USO DO REAGENTE TRANSFIX + EDTA K3 EM DIAGNÓSTICO DE LEUCEMIAS AGUDAS POR IMUNOFENOTIPAGEM GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE PADRONIZAÇÃO NO USO DO REAGENTE TRANSFIX + EDTA K3 EM DIAGNÓSTICO

Leia mais

ARTIGO DE REVISÃO RESUMO

ARTIGO DE REVISÃO RESUMO ARTIGO DE REVISÃO Classificação da Organização Mundial da Saúde para os tumores dos tecidos hematopoético e linfoide, 4ª edição, 2008 - principais modificações introduzidas em relação à 3 a edição, 2001

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS PEDIÁTRICAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS PEDIÁTRICAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS PEDIÁTRICAS NO ESTADO DE SANTA CATARINA Júlio Araújo Zampirolo 1 ; Mateus Dressler de Espíndola 2 ; Rafael Coradin 2 ; Rafael Henrique Mastella Couto 2 ; Dr.

Leia mais

Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas

Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas J Bras Patol Med Lab v. 42 n. 2 p. 77-84 abril 2006 artigo original original paper Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas Laboratory diagnosis of acute myeloid leukemias Primeira submissão

Leia mais

PARTE 2 SÉRIE BRANCA DESENVOLVIMENTO NORMAL DA LINHAGEM MIELÓIDE. Mieloblastos

PARTE 2 SÉRIE BRANCA DESENVOLVIMENTO NORMAL DA LINHAGEM MIELÓIDE. Mieloblastos RECOMENDAÇÕES DO ICSH PARA A PADRONIZAÇÃO DA NOMENCLATURA E DA GRADUAÇÃO DAS ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS NO SANGUE PERIFÉRICO. (Tradução e adaptação do Dr. Marcos Kneip Fleury Assessor Científico do PNCQ em

Leia mais

Leucemias Agudas HEMATOLOGIA II. Curso de Farmácia 8 º período LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC LLA LMA LMC

Leucemias Agudas HEMATOLOGIA II. Curso de Farmácia 8 º período LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC LLA LMA LMC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia 8 º período Leucemias Agudas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 LEUCEMIAS AGUDAS Transformação neoplásica

Leia mais

Caso clínico 1 Síndrome linfoproliferativa. Dr. Edgar Gil Rizzatti

Caso clínico 1 Síndrome linfoproliferativa. Dr. Edgar Gil Rizzatti Caso clínico 1 Síndrome linfoproliferativa Dr. Edgar Gil Rizzatti Caso clínico 1: síndrome linfoproliferativa Identificação: História clínica: Exame físico: Homem de 60 anos, bancário, natural e procedente

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Neoplasias Hematológicas.

Neoplasias Hematológicas. Neoplasias Hematológicas. Marcos Fleury Faculdade de Farmácia UFRJ mkfleury@ufrj.br Neoplasias Hematológicas. São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células c hematológicas malignas ou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES ANÁLISE RETROSPECTIVA DAS CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E LABORATORIAIS DOS PACIENTES

Leia mais

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO I - DEFINIÇÕES 1. TCTH de Medula Óssea - Substituição de células-tronco hematopoéticas a partir de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

CAPÍTULO I: Introdução

CAPÍTULO I: Introdução 1 CAPÍTULO I: Introdução 2 A leucemia linfóide aguda (LLA) é uma neoplasia maligna resultante da proliferação clonal e acúmulo de células que exibem marcadores celulares associados aos estágios precoces

Leia mais

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Pancitopenia: definição Pancitopenia Anemia Leucopenia Plaquetopenia Pancitopenia: abordagem clínica Pancitopenia:

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA. Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA. Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Epidemiologia Neoplasias hematológicas Leucemias Linfomas Não Hodgkin Mieloma Multiplo D. Hodgkin Tumores sólidos

Leia mais

LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial.

LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial. ATUALIZA CURSOS PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ONCOLÓGICA DYANA CHASTINET REUTER LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial. Salvador, BA 2014 DYANA CHASTINET REUTER LEUCEMIAS

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO

ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO 1- METODOLOGIA DE BUSCA E AVALIAÇÃO DE LITERATURA Considerando a heterogeneidade das entidades patológicas que se descrevem

Leia mais

PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas da Leucemia Mieloide Aguda do Adulto. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando

Leia mais

CARLOS SITTA SABAINI

CARLOS SITTA SABAINI CARLOS SITTA SABAINI CORRELAÇÕES ENTRE HISTOPATOLOGIA, IMUNO- HISTOQUÍMICA E IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO NO DIAGNÓSTICO DE LINFOMAS NÃO-HODGKIN DE CÉLULAS B MADURAS, HU-UFSC, 1999-2007 Trabalho

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia.

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia. CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 1 2 Alterações da célula mãe (stem) hematopoiética que envolvem uma ou mais linhas da série mieloide (eritróide, mielóide ou megacariocítica) As células linfóides são

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Hematopoese, células-tronco e diferenciação Imunofenotipagem. Silvia I.A.C.de Pires Ferreira HEMOSC Lab Medico Santa Luzia Florianópolis, SC

Hematopoese, células-tronco e diferenciação Imunofenotipagem. Silvia I.A.C.de Pires Ferreira HEMOSC Lab Medico Santa Luzia Florianópolis, SC Hematopoese, células-tronco e diferenciação Imunofenotipagem Silvia I.A.C.de Pires Ferreira HEMOSC Lab Medico Santa Luzia Florianópolis, SC Hematopoese - Conceito Processo biológico coordenado com a expressão

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 23º Seminário de Biopatologia Linfomas e Leucemias Prof. Clara Sambade 18/04/07 Pessoal, a este tipo de letra encontram-se as respostas às perguntas baseadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE HOSPITAL DE CLÍNICAS DIRETORIA DE ENSINO E PESQUISA Edital n 001/2012 HC - Edital n 001/2012 HT Anos Prova Específica 06/11/2011 005 Hematologista

Leia mais

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO OSWALDO CRUZ CONCURSO PÚBLICO

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO OSWALDO CRUZ CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO OSWALDO CRUZ CONCURSO PÚBLICO Não deixe de preencher as informações a seguir: DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e II Curso Avançado em Citogenômica do Câncer - realizado pelo Laboratório de Citogenômica do Câncer da Universidade Federal do Ceará. 20 a 23 de novembro no Seara Praia Hotel em Fortaleza - Ceará. Carga

Leia mais

Pesquisa de DRM por Citometria de Fluxo: quando é útil e o que estamos fazendo como grupo no Brasil? Reunião GBCFLUX Hemo 2016

Pesquisa de DRM por Citometria de Fluxo: quando é útil e o que estamos fazendo como grupo no Brasil? Reunião GBCFLUX Hemo 2016 Pesquisa de DRM por Citometria de Fluxo: quando é útil e o que estamos fazendo como grupo no Brasil? Reunião GBCFLUX Hemo 2016 DRM : significância clínica LLA: impacto mais importante para definição terapêutica.

Leia mais

PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM LEUCEMIA LINFOÍDE AGUDA (LLA) EM UM HOSPITAL PEDIÁTRICO DE FORTALEZA-CE

PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM LEUCEMIA LINFOÍDE AGUDA (LLA) EM UM HOSPITAL PEDIÁTRICO DE FORTALEZA-CE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SOLANGE UCHÔA DE OLIVEIRA PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM LEUCEMIA LINFOÍDE AGUDA (LLA) EM UM HOSPITAL PEDIÁTRICO DE FORTALEZA-CE FORTALEZA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES AVALIAÇÃO DOS MARCADORES CELULARES POR CITOMETRIA DE FLUXO

Leia mais

ROSANA MORAIS LAMEGO

ROSANA MORAIS LAMEGO ROSANA MORAIS LAMEGO Transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas com doador familiar HLA-idêntico para leucemias agudas: Análise dos dados do Serviço de Transplante de Medula Óssea do Hospital

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS AO RETARDO NO DIAGNÓSTICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA NO NORDESTE DO BRASIL

FATORES ASSOCIADOS AO RETARDO NO DIAGNÓSTICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA NO NORDESTE DO BRASIL INSTITUTO MATERNO-INFANTIL PROFESSOR FERNANDO FIGUEIRA PROGRAMA DE MESTRADO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL FATORES ASSOCIADOS AO RETARDO NO DIAGNÓSTICO DAS LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) Epidemiologia

Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) Epidemiologia Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Maria Lucia de Martino Lee Desordem do grupo pediátrico previamente denominada leucemia mielóide crônica juvenil (LMCJ) ou LMMC (equivalente

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LABORATORIAL JOSÉ HUMBERTO DE LIMA MELO LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LABORATORIAL JOSÉ HUMBERTO DE LIMA MELO LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LABORATORIAL JOSÉ HUMBERTO DE LIMA MELO LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA RECIFE 2011 JOSÉ HUMBERTO DE LIMA MELO LEUCEMIA LINFÓIDE

Leia mais

Highlights. Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC. Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP

Highlights. Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC. Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP Highlights Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP Edimburgo, Escócia 11 a 14 de setembro de 2016 Reunião do

Leia mais

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL Graziele Francine Franco Mancarz 1 Bianca Manfroi da Silva 2 Delizie Albuquerque Freitas 3 Grasiele Mayara Bim 4

Leia mais

Caracterização da Resposta Imune Celular em Mulheres com Câncer de Ovário

Caracterização da Resposta Imune Celular em Mulheres com Câncer de Ovário Sálua Oliveira Calil de Paula Caracterização da Resposta Imune Celular em Mulheres com Câncer de Ovário Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia área

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM 95591764000105 Termo de Referência. 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM 95591764000105 Termo de Referência. 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014 Processo..: 23081.014681/2014-40 Pregão SRP 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014 Abertura: Dia: 06/11/2014 Hora: 09:00:00 Objeto Resumido: Modalidade de Julgamento : Menor Preço 1 ANTICORPO MONOCLONAL

Leia mais

Leucemia Mielóide Aguda

Leucemia Mielóide Aguda Leucemia Mielóide Aguda Fábio R. Kerbauy fkerbauy@einstein.br 21/06/2012 Leucemias Agudas - Histórico 1845: J H Bennett & Rudolf Virchow descreveram, aumento de baço e alteração da cor do sangue em achados

Leia mais

Curso de Patologia Digestiva

Curso de Patologia Digestiva Curso de Patologia Digestiva Neoplasias Linfóides do Tracto Gastro-Intestinal Aspectos Histológicos Sofia Loureiro dos Santos Serviço de Anatomia Patológica Hospital Fernando Fonseca, EPE SPG, Lisboa,

Leia mais

Leucemias. Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF

Leucemias. Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF Leucemias Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF Leucemia Neoplasia maligna das células das linhagens hematopoiéticas situada na Medula Óssea (M.O.). Mielograma Citologia aspirativa da Medula Óssea.

Leia mais

Amanda Faria de Figueiredo

Amanda Faria de Figueiredo Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho Pós-graduação em Ciências Biológicas - Biofísica Amanda Faria de Figueiredo Estudo do Perfil

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem

Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem Morphological changes in the blood smear in myelodysplastic

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down

Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down Universidade Federal De Minas Gerais Instituto De Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Projeto de Biologia Molecular Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down

Leia mais

ANÁLISE DAS MUTAÇÕES NOS GENES FLT3

ANÁLISE DAS MUTAÇÕES NOS GENES FLT3 1 Graciele Burnatt ANÁLISE DAS MUTAÇÕES NOS GENES FLT3 (DIT E D835) E NPM1 COMO MARCADORES MOLECULARES PARA ESTRATIFICAÇÃO DO PROGNÓSTICO EM PACIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA AGUDA Dissertação submetida

Leia mais

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Gerente de Produto 0peração Animais de Companhia- MERIAL Saúde Animal 2011 Trombopoiese Plaquetas são fragmentos

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

O que é Leucemia? http://www.abrale.org.br/doencas/leucemia/index.php?area=leucemia

O que é Leucemia? http://www.abrale.org.br/doencas/leucemia/index.php?area=leucemia O que é Leucemia? http://www.abrale.org.br/doencas/leucemia/index.php?area=leucemia O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos.

Leia mais

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA March 13-15, 2014 13 a 15 de março de 2014 SCIENTIFIC COMMITTEE / COMITÊ CIENTÍFICO Dr. Celso Arrais Dr. Vanderson

Leia mais

A IMUNOFENOTIPAGEM NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS LEUCEMIAS AGUDAS: UMA REVISÃO

A IMUNOFENOTIPAGEM NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS LEUCEMIAS AGUDAS: UMA REVISÃO A IMUNOFENOTIPAGEM NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS LEUCEMIAS AGUDAS: UMA REVISÃO Neiva Albertina da Silveira *, Sandra Mara Alessi Aristides Arraes ** Silveira NA, Arraes, SMAA. A imunofenotipagem no diagnóstico

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

Com Ciência - Células-tronco: a promessa da medicina regenerativa

Com Ciência - Células-tronco: a promessa da medicina regenerativa Página 1 de 5 Editorial A esperança celular Carlos Vogt Reportagens Pesquisa brasileira em CT já apresenta resultados Em meio à discussão ética, a pesquisa avança em todo o mundo Faltam leis, sobra polêmica

Leia mais

AVANÇOS E PERSPECTIVAS PARA O DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA

AVANÇOS E PERSPECTIVAS PARA O DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA ISSN 1809-0362 AVANÇOS E PERSPECTIVAS PARA O DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA Tereza Joelma Barbosa Almeida* * Graduada em Ciências Biológicas pelas Faculdades Jorge Amado Salvador-BA. Especialista

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA No- 3, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2013

CONSULTA PÚBLICA No- 3, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2013 CONSULTA PÚBLICA No- 3, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2013 O Secretário de Atenção à Saúde torna pública, nos termos do Art. 34, inciso II, c/c art. 59 do Decreto nº 4.176, de 28 de março de 2002, minuta de Portaria

Leia mais

CITOGENÉTICA NAS LEUCEMIAS LINFOIDES AGUDAS

CITOGENÉTICA NAS LEUCEMIAS LINFOIDES AGUDAS LENIZA COSTA LIMA LICHTVAN CITOGENÉTICA NAS LEUCEMIAS LINFOIDES AGUDAS Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente, Setor de Ciências da Saúde, Universidade

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ

CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ MARINGÁ 2015 Academia de de Ciências e e Tecnologia Instituto

Leia mais

Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba

Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba SINDROMES MIELODISPLÁSICAS Bases do Diagnóstico e Classificação Marco Aurélio Salvino Marco Aurélio Salvino Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1- Definição

Leia mais

OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ

OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ Introdução à classificação da OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ Wilks S. Cases of lardaceous disease and some allied affections, with remarks. Guys Hosp Rep 1856;17:103-3232

Leia mais