ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume:"

Transcrição

1 Manual da Coleta

2 ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: É recomendável que as amostras de Imunofenotipagem por Citometria de Fluxo para Classificação de Leucemias e de Imunofenotipagem de Líquidos Biológicos venham acompanhadas de informações clínico-laboratoriais, preferencialmente preenchidas pelo MÉDICO do paciente e no formulário específico de solicitação de exames fornecidos pelo Mantis Diagnósticos Avançados, com carimbo e assinatura. IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Citometria de Fluxo Material: Sangue Periférico e/ou Medula Óssea Volume: Sangue Periférico 4-5 ml em EDTA Medula Óssea 2 3 ml em EDTA Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Rotina: Diária Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, porém esta não deve entrar em contato direto com o gelo. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume de medula óssea inferior a 2 ml para não comprometer a amostra. Evitar colher mais que 3 ml de medula óssea pois há risco de contaminação por elementos do sangue periférico. A obtenção de medula óssea NÃO deve ser realizada no mesmo orifício ósseo utilizado para realização de aspirado de medula óssea (AMO), com isso evita-se hipocelularidade do material para imunofenotipagem. Em caso de aspirado seco é possível processar a biópsia de medula óssea. Os fragmentos de biópsias de medula óssea, linfonodos, tecidos ou massas neoplásicas devem ser acondicionados em soro fisiológico ou meio de cultura. Enviar a maior quantidade de material possível, evitando áreas necróticas. NÃO USAR FORMOL. Enviar material ao laboratório imediatamente após a coleta. Os fragmentos da aspiração por agulha fina (PAAF) em soro fisiológico ou PBS (máximo de 5 ml). Enviar material ao laboratório imediatamente após a coleta. Aplicação: Diagnóstico de infiltração por doenças onco-hematológicas.

3 processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. Todos os procedimentos de coleta de medula óssea realizadas no Mantis devem ser agendados, sendo o máximo 2 procedimentos pela manhã (9h30 e 10h30) e dois procedimentos a tarde (14h30 e 15h30), salvo exceções que devem ser conversadas com o médico hematologista responsável. O Mantis faz apenas coleta de punção e biópsia de medula óssea em adultos, e não faz biópsias de linfonodos ou teciduais. Estas devem ser acondicionadas em soro fisiológico ou meio de cultura, ressaltando que devem ser processadas em no máximo 6 horas após a coleta, e não podem ser guardadas para processamento posterior, uma vez que perde a viabilidade celular. O Mantis NÃO se responsabiliza pelo transporte das amostras de biópsia coletadas, mas não realizadas neste laboratório. IF002 - Imunofenotipagem para Hemoglobinúria Paroxística Noturna Técnica: Citometria de Fluxo Material: Sangue Periférico. Volume: 4-5 ml em EDTA. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta, ou em longas distâncias, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume inferior a 2 ml para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Diagnóstico e monitoração de Hemoglobinúria Paroxística Noturna. processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. IF003 - Imunofenotipagem de Subpopulações Linfocitárias Técnica: Citometria de Fluxo Material: Sangue Periférico.

4 Volume: 4-5 ml em EDTA. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longas distâncias, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume inferior a 2 ml para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Acompanhamento da resposta imunológica em pacientes com imunodeficiências ou pós transplante de medula óssea. processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. IF004 - Imunofenotipagem para Linfócitos T Helper CD4 Técnica: Citometria de Fluxo Material: Sangue Periférico. Volume: 4-5 ml em EDTA. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longas distâncias, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume inferior a 2 ml para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Acompanhamento da resposta imunológica em pacientes HIV positivos ou outras imunodeficiências.

5 processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. IF005 - Imunofenotipagem para Linfócitos T Supressor CD8 Técnica: Citometria de Fluxo Material: Sangue Periférico. Volume: 4-5 ml em EDTA. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longas distâncias, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume inferior a 2 ml para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Acompanhamento da resposta imunológica em pacientes HIV positivos ou outras imunodeficiências. processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. IF006 - Marcador Isolado CD (...) Técnica: Citometria de Fluxo Material: Sangue Periférico Volume: Sangue Periférico 4-5 ml em EDTA Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for altas ou longas distâncias, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo.

6 Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume inferior a 2 ml de sangue periférico para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Depende do marcador analisado, a critério do médico solicitante. Usualmente são analisados os marcadores CD20, CD56, CD3, CD4, CD8 em sangue periférico ou ZAP70 em casos de leucemia linfocítica crônica. processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. IF007 - Determinação de Células CD34, CD45 Positivas Técnica: Citometria de Fluxo Código CBHPM viabilidade celular: (utilizar junto com o código anterior quando for solicitado CD34 com viabilidade), e código se for quantificar CD3 em bolsa de aférese. Material: Sangue Periférico, Medula Óssea, Aférese ou Sangue de Cordão Umbilical. Volume: Sangue Periférico 4-5 ml em EDTA, Medula Óssea 2-3 ml em EDTA, Aférese 500µl em ACD ou EDTA. Sangue do Cordão Umbilical 500µl em ACD. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for altas ou longas distâncias, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Instruções de coleta: Colher 4 a 5 ml de sangue periférico em EDTA ou 0,5ml da aférese ou sangue de cordão umbilical colhidos no banco de sangue. Em casos de coleta de medula óssea do doador, sugere-se separar 2 a 3 ml da medula óssea, enviar em EDTA em temperatura ambiente. Aplicação: Contagem de células tronco-hematopoiéticas em material para transplante. A determinação da porcentagem de células CD34 + no sangue periférico é o melhor parâmetro para indicar o momento de se iniciar o procedimento de coleta de células tronco hematopoéticas de sangue periférico e a quantidade de aféreses necessárias para que se atinja o valor de células desejado a ser infundido por transplante de células tronco.

7 Orientações ao paciente: Não necessita jejum. O material deve ser coletado em um banco de sangue ou hospital, e enviado ao laboratório imediatamente. O exame de análise de CD34 é considerado exame de URGÊNCIA, e os resultados serão liberados o mais breve possível (de 3 a 6 horas após a entrada no laboratório). Entretanto, todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. IF008 - Imunofenotipagem em Líquidos Biológicos ou PAAF de Linfonodos Técnica: Citometria de Fluxo Material: Líquido Cefalorraquidiano (LCR) ou líquidos biológicos (líquido ascítico, pleural, pericárdico, etc.). Volume: 3-5 ml in natura ou 0,5 ml em albumina humana. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 3 horas após a coleta. Rotina: Diária Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada imediatamente ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 3 horas após a coleta para não comprometer a viabilidade celular. Instruções de coleta: Coletar 3-5 ml de Líquido Cefalorraquidiano (LCR) ou do líquido desejado (líquido ascítico, pleural, pericárdico, etc.), in natura, sem anticoagulante. Enviar material ao laboratório imediatamente após a coleta. Contaminação da amostra com sangue periférico durante a punção e presença de imunoglobulinas livres do plasma pode comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Diagnóstico de infiltração por doenças onco-hematológicas. o líquor deve ser processado no máximo 6 horas após a coleta, e não pode ser guardado para processamento posterior, uma vez que perde a viabilidade celular. O Mantis não faz coleta de líquor ou líquidos biológicos. A coleta de Líquor e Líquidos biológicos deve ser realizada por um médico, conforme indicação clínica. IF009 - Imunofenotipagem em Biópsia de Linfonodos e Teciduais Técnica: Citometria de Fluxo Material: Sangue Periférico; Medula Óssea; fragmentos de biópsias de medula óssea, linfonodos, tecidos ou massas neoplásicas; punção por agulha fina (PAAF) de linfonodos ou massas neoplásicas.

8 Volume: Sangue Periférico 4-5 ml em EDTA Medula Óssea 2 3 ml em EDTA Fragmentos acondicionados em 1-2 ml em soro fisiológico ou meio de cultura. Punção por agulha fina (PAAF) de linfonodos ou massas neoplásicas em 1-2 ml em soro fisiológico. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Rotina: Diária Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, porém esta não deve entrar em contato direto com o gelo. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume de medula óssea inferior a 2 ml para não comprometer a amostra. Evitar colher mais que 3 ml de medula óssea pois há risco de contaminação por elementos do sangue periférico. A obtenção de medula óssea NÃO deve ser realizada no mesmo orifício ósseo utilizado para realização de aspirado de medula óssea (AMO), com isso evita-se hipocelularidade do material para imunofenotipagem. Em caso de aspirado seco é possível processar a biópsia de medula óssea. Os fragmentos de biópsias de medula óssea, linfonodos, tecidos ou massas neoplásicas devem ser acondicionados em soro fisiológico ou meio de cultura. Enviar a maior quantidade de material possível, evitando áreas necróticas. NÃO USAR FORMOL. Enviar material ao laboratório imediatamente após a coleta. Os fragmentos da aspiração por agulha fina (PAAF) em soro fisiológico ou PBS (máximo de 5 ml). Enviar material ao laboratório imediatamente após a coleta. Aplicação: Diagnóstico de infiltração por doenças onco-hematológicas. processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. Todos os procedimentos de coleta de medula óssea realizadas no Mantis devem ser agendados, sendo o máximo 2 procedimentos pela manhã (9h30 e 10h30) e dois procedimentos a tarde (14h30 e 15h30), salvo exceções que devem ser conversadas com o médico hematologista responsável. O Mantis faz apenas coleta de punção e biópsia de medula óssea em adultos, e não faz biópsias de linfonodos ou teciduais. Estas devem ser acondicionadas em soro fisiológico ou meio de

9 cultura, ressaltando que devem ser processadas em no máximo 6 horas após a coleta, e não podem ser guardadas para processamento posterior, uma vez que perde a viabilidade celular. O Mantis NÃO se responsabiliza pelo transporte das amostras de biópsia coletadas, mas não realizadas neste laboratório. Morfologia IF010 - Mielograma Técnica: Análise morfológica por microscopia óptica. Material: Medula óssea. Volume: Acima de 2 lâminas de medula óssea estendidas, em forma de squash ou imprint da biópsia. IDEAL: 5 a 10 lâminas de extensão, 2 a 4 lâminas Squash. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 5 dias após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 5 dias após a coleta. Instruções de coleta: O aspirado de medula óssea deve ser colocado em placa de petri ou diretamente sobre as lâminas de microscopia, seguida da extensão do sangue para exame de microscopia. Ideal: 5 a 10 lâminas de extensão, 2 a 4 lâminas Squash. As lâminas devem ser fixadas em folha própria identificada com nome completo do paciente, número de identificação da amostra, data da coleta e indicação clínica. Aplicação: Avaliar a morfologia celular. de segunda à sexta-feira, das 08:00 h às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. Todos os procedimentos de coleta de medula óssea realizadas no Mantis devem ser agendados, sendo o máximo 2 procedimentos pela manhã (9h30 e 10h30) e dois procedimentos a tarde (14h30 e 15h30), salvo exceções que devem ser conversadas com o médico hematologista responsável. O Mantis faz apenas coleta de punção e biópsia de medula óssea em adultos, e não faz biópsias de linfonodos ou teciduais. Estas devem ser acondicionadas em soro fisiológico ou meio de cultura, ressaltando que devem ser processadas em no máximo 6 horas após a coleta, e não podem ser guardadas para processamento posterior, uma vez que perde a viabilidade celular.

10 O Mantis NÃO se responsabiliza pelo transporte das amostras de biópsia coletadas, mas não realizadas neste laboratório. IF011 - Citoquímica para Classificar Leucemias Ferro Medular, Alfa-Naftil Acetato Esterase (ANAE), Mieloperoxidase (MPO). Técnica: Coloração citoquímica seguida de análise morfológica por microscopia óptica Material: Medula Óssea. Volume: 6-8 lâminas. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 5 dias após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 5 dias após a coleta. Instruções de coleta: O médico que faz a coleta do mielograma deve separar as lâminas para citoquímicas. Não necessita jejum. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08:00 h às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo Aplicação: A critério clínico. de segunda à sexta-feira, das 08:00 h às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. IF014 Aspirado de Medula Óssea com Biópisa Técnica: Exame anatomopatológico em parafina. Material: fragmentos de biópsias de medula óssea, acondicionados em formol. Volume: fragmento de 1 a 2 cm. Em temperatura ambiente. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada ao laboratório de anatomia patológica de preferência do paciente. Instruções de coleta: Fragmentos de biópsias coletados pelo médico hematologista do Mantis seguindo procedimento de coleta de medula óssea (ITR-301).

11 OBS: Amostra é encaminhada para laboratório de apoio, de preferencia pelo próprio paciente, salvo exceções com autorização prévia da coordenação. Aplicação: Diagnóstico de infiltração por doenças onco-hematológicas. Orientações ao paciente: Todos os procedimentos de coleta de medula óssea realizadas no Mantis devem ser agendados, sendo o máximo 2 procedimentos pela manhã (9h30 e 10h30) e dois procedimentos a tarde (14h30 e 15h30), salvo exceções que devem ser conversadas com o médico hematologista responsável. O Mantis faz apenas coleta de punção e biópsia de medula óssea em adultos, e não faz biópsias de linfonodos ou teciduais. Estas devem ser acondicionadas em soro fisiológico ou meio de cultura, ressaltando que devem ser processadas em no máximo 6 horas após a coleta, e não podem ser guardadas para processamento posterior, uma vez que perde a viabilidade celular. O Mantis NÃO se responsabiliza pelo transporte das amostras de biópsia coletadas, mas não realizadas neste laboratório. DOENÇAS INFECCIOSAS É recomendável que as amostras para pesquisa de Doenças infecciosas venham acompanhadas preferencialmente de informações clínico-laboratoriais, preenchidas pelo MÉDICO do paciente e requisição médica com carimbo e assinatura. DI001 - Antigenemia para diagnóstico de Citomegalovírus (CMV) Técnica: Imunofluorescência Indireta para pesquisa de Citomegalovírus em sangue periférico. Material: Sangue Periférico. Volume: Sangue Periférico 3-5 ml em um tubo contendo anticoagulante EDTA. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 6 horas após a coleta. Rotina: A amostra deve ser encaminhada ao laboratório no prazo máximo de 6 horas após a coleta, sendo o horário limite para o recebimento até as 13h00 de segunda a sexta-feira. Transporte: A amostra deve ser transportada em recipiente fechado, mantendo as mesmas condições do armazenamento, no prazo máximo de 6 horas após coleta. Instruções de coleta: Sangue Periférico coletar 3-5 ml em um tubo contendo anticoagulante EDTA. A amostra só deverá ser coletada se os prazos pré-determinados para recebimento puderem ser cumpridos.

12 Aplicação: Monitoramento da replicação precoce do citomegalovírus em amostra de sangue, principalmente em pacientes imunodeprimidos. Orientações ao paciente: Não necessita de jejum, a coleta é realizada somente até às 13h de segunda a sexta-feira. CITOGENÉTICA CONVENCIONAL CG001 - Cariótipo de medula óssea com bandeamento G Técnica: Banda G Material: Medula Óssea Volume: Medula Óssea 2-3 ml em Heparina Sódica. Em temperatura ambiente. Caso no dia da coleta a temperatura ambiente estiver alta, pode ser mantido sob refrigeração, não podendo ser congelado. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Também não deve ser submetida a agitação mecânica. Instruções de coleta: Recomenda-se coletar volume de 2 a 3 ml de medula óssea. Evitar colher mais que 3 ml de medula óssea pois há risco de contaminação por elementos do sangue periférico. A obtenção de medula óssea NÃO deve ser realizada no mesmo orifício ósseo utilizado para realização de aspirado de medula óssea (AMO), com isso evita-se hipocelularidade do material para citogenética. A amostra deve ser bem homogeneizada para evitar formação de coágulos. Aplicação: Para análise de alterações cromossômicas numéricas e estruturais em Leucemia Mielóide Aguda, Síndrome Mielodisplásica, Leucemia Promielocítica Aguda, Neoplasia Mieloproliferativa, Leucemia Linfoblástica Aguda e Mieloma Múltiplo. Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Preferencialmente não realizar a coleta no mesmo dia em que o paciente tiver recebido tratamento quimioterápico ou radioterápico, entretanto, caso não seja possível, encaminhar a amostra com um lembrete sobre o tratamento realizado. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo.

13 CG002 - Cariótipo de sangue periférico com bandeamento G Técnica: Banda G Material: Sangue Periférico Volume: Sangue Periférico 5-10 ml em Heparina Sódica. Em temperatura ambiente. Caso no dia da coleta a temperatura ambiente estiver alta, pode ser mantido sob refrigeração, não podendo ser congelado. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Também não deve ser submetida a agitação mecânica. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume inferior a 2 ml para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Para análise de alterações cromossômicas numéricas e estruturais em LMC e em LMA e LLA se houver blastos > 20% no sangue periférico. Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Preferencialmente não realizar a coleta no mesmo dia em que o paciente tiver recebido tratamento quimioterápico ou radioterápico, entretanto, caso não seja possível, encaminhar a amostra com um lembrete sobre o tratamento realizado. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 h às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CITOGENÉTICA MOLECULAR CG004 - Rearranjo PML/RARA - Translocação (15;17) Técnica: FISH Material: Medula Óssea. Volume: Medula Óssea 2-3 ml em Heparina Sódica. Em temperatura ambiente. Caso no dia da coleta a temperatura ambiente estiver alta, pode ser mantido sob refrigeração, não podendo ser congelado. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta.

14 Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Também não deve ser submetida a agitação mecânica. Instruções de coleta: Recomenda-se coletar volume de 2 a 3 ml de medula óssea. Evitar colher mais que 3 ml de medula óssea pois há risco de contaminação por elementos do sangue periférico. A obtenção de medula óssea NÃO deve ser realizada no mesmo orifício ósseo utilizado para realização de aspirado de medula óssea (AMO), com isso evita-se hipocelularidade do material para citogenética. A amostra deve ser bem homogeneizada para evitar formação de coágulos. Aplicação: Investigação da Leucemia Promielocítica Aguda (LMA M3). Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Preferencialmente não realizar a coleta no mesmo dia em que o paciente tiver recebido tratamento quimioterápico, entretanto, caso não seja possível, encaminhar a amostra com um lembrete sobre o tratamento realizado. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG005 - Painel Chromoprobe para LLA: t(12;21), t(9;22), MLL, CEP4, CEP10, CEP17 Técnica: FISH Material: Medula Óssea. Volume: Medula Óssea 2-3 ml em Heparina Sódica. Em temperatura ambiente. Caso no dia da coleta a temperatura ambiente estiver alta, pode ser mantido sob refrigeração, não podendo ser congelado. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Também não deve ser submetida a agitação mecânica. Instruções de coleta: Recomenda-se coletar volume de 2 a 3 ml de medula óssea. Evitar colher mais que 3 ml de medula óssea pois há risco de contaminação por elementos do sangue periférico. A obtenção de medula óssea NÃO deve ser realizada no mesmo orifício ósseo utilizado para realização de aspirado de medula óssea (AMO), com isso evita-se hipocelularidade do material para citogenética. A amostra deve ser bem homogeneizada para evitar formação de coágulos.

15 Aplicação: Investigação de Leucemia Linfóide Aguda. Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Preferencialmente não realizar a coleta no mesmo dia em que o paciente tiver recebido tratamento quimioterápico, entretanto, caso não seja possível, encaminhar a amostra com um lembrete sobre o tratamento realizado. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG006 - Rearranjo IGH/BCL2 - t(14;18) Técnica: FISH Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina) ou Esfregaço de linfonodo/massa tumoral ou Imprint de linfonodo/massa tumoral ou Medula Óssea ou Sangue Periférico. Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor. Favor enviar relatório AP correspondente. Esfregaço ou imprint (touch prep): de linfonodo ou massa tumoral. Favor enviar relatório AP correspondente. Se a Medula óssea ou o sangue periféricos estiverem altamente infiltrados por células neoplásicas ( 20% células nucleadas): Medula óssea: 2 a 3 ml em tubo com heparina sódica. Sangue Periférico: 5 a 10 ml em tubo com heparina sódica. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: Bloco de parafina: por tempo indeterminado. Esfregaço ou imprint (touch prep): até 48 horas após a coleta. Sangue Periférico: até 48 horas após a coleta. Medula Óssea: até 48 horas após a coleta. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo o sangue periférico e/ou a medula óssea, deve ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada,

16 sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Também não deve ser submetida a agitação mecânica. Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Recomenda-se coletar volume de 2 a 3 ml de medula óssea. Evitar colher mais que 3 ml de medula óssea pois há risco de contaminação por elementos do sangue periférico. A obtenção de medula óssea NÃO deve ser realizada no mesmo orifício ósseo utilizado para realização de aspirado de medula óssea (AMO), com isso evita-se hipocelularidade do material para citogenética. A amostra deve ser bem homogeneizada para evitar formação de coágulos. Recomenda-se também não coletar volume inferior a 2 ml de sangue periférico para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Diagnóstico de Linfomas Foliculares e Linfoma Difuso de Grandes Células B. Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Preferencialmente não realizar a coleta no mesmo dia em que o paciente tiver recebido tratamento quimioterápico, entretanto, caso não seja possível, encaminhar a amostra com um lembrete sobre o tratamento realizado. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG007 - Rearranjo CCND1/IGH - t(11;14) por sondas FISH Técnica: FISH Material: Sangue Periférico Volume: Sangue Periférico 5-10 ml em Heparina Sódica, com presença de células anormais comprovada na Hematologia (>10%). Em temperatura ambiente. Caso no dia da coleta a temperatura ambiente estiver alta, pode ser mantido sob refrigeração, não podendo ser congelado. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Também não deve ser submetida a agitação mecânica. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume inferior a 2 ml para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Investigação de Linfoma do Manto.

17 Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Preferencialmente não realizar a coleta no mesmo dia em que o paciente tiver recebido tratamento quimioterápico, entretanto, caso não seja possível, encaminhar a amostra com um lembrete sobre o tratamento realizado. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG008 - Rearranjo API2/MALT1 - t(11;18) por sondas FISH Técnica: FISH Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina) Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor. Favor enviar relatório AP correspondente. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Investigação de Linfoma MALT. Orientações ao paciente: Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG009 - Painel para LLC: deleção ATM, trissomia 12, deleção 13q14.3, deleção TP53 por sondas FISH Técnica: FISH Material: Sangue Periférico Volume: Sangue Periférico 5-10 ml em Heparina Sódica. Em temperatura ambiente. Caso no dia da coleta a temperatura ambiente estiver alta, pode ser mantido sob refrigeração, não podendo ser congelado. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta.

18 Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo, devendo ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Também não deve ser submetida a agitação mecânica. Instruções de coleta: Recomenda-se não coletar volume inferior a 2 ml para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Investigação de Leucemia Linfocítica Crônica. Este teste deveria ser realizado pouco antes do início do tratamento OU se a apresentação clínica do paciente mudar drasticamente durante o curso da doença. Para este teste, células anormais devem constituir >10% de células nucleadas para se detectar anormalidades. Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Preferencialmente não realizar a coleta no mesmo dia em que o paciente tiver recebido tratamento quimioterápico, entretanto, caso não seja possível, encaminhar a amostra com um lembrete sobre o tratamento realizado. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG011 - Análise do gene HER2/neu (ERBB2) por sondas FISH Técnica: FISH Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina) Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor. Favor enviar relatório AP correspondente. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Indica elegibilidade para o tratamento com Trastuzumab. Orientações ao paciente: Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às

19 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG012 - Análise do gene ALK por sondas FISH Técnica: FISH Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina) Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor. Favor enviar relatório AP correspondente. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Indica elegibilidade para o tratamento com Crizotinib. Orientações ao paciente: Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG013 - Análise do gene EGFR por sondas FISH Técnica: FISH Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina) Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor. Favor enviar relatório AP correspondente. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam

20 proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Indica elegibilidade para o tratamento com Erlotinib ou Gefitinib. Orientações ao paciente: Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG014 - Análise das regiões cromossômicas 1p e 19q por sondas FISH Técnica: FISH Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina) Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor. Favor enviar relatório AP correspondente. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Para diagnóstico de Oligodendroglioma (e outros gliomas) e prediz resposta à terapia. Orientações ao paciente: Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG015 - Análise do gene MYCN por sondas FISH Técnica: FISH Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina)

21 Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor. Favor enviar relatório AP correspondente. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Indicador prognóstico e preditivo em neuroblastoma. Orientações ao paciente: Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG019 - Análise do número de cópias dos cromossomos sexuais (XY) por sondas FISH Técnica: FISH Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina) ou Medula Óssea ou Sangue Periférico. Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor. Favor enviar relatório AP correspondente. Medula óssea: 2 a 3 ml em tubo com heparina sódica. Sangue Periférico: 5 a 10 ml em tubo com heparina sódica. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: TFIP: indeterminado. Sangue Periférico: até 48 horas após a coleta. Medula Óssea: até 48 horas após a coleta. Rotina: Somente de 2ª a 4ª feira quando a amostra for medula óssea ou sangue periférico. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo o

22 sangue periférico e/ou a medula óssea, deve ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Também não deve ser submetida a agitação mecânica. Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Recomenda-se coletar volume de 2 a 3 ml de medula óssea. Evitar colher mais que 3 ml de medula óssea pois há risco de contaminação por elementos do sangue periférico. A obtenção de medula óssea NÃO deve ser realizada no mesmo orifício ósseo utilizado para realização de aspirado de medula óssea (AMO), com isso evita-se hipocelularidade do material para citogenética. A amostra deve ser bem homogeneizada para evitar formação de coágulos. Recomenda-se também não coletar volume inferior a 2 ml de sangue periférico para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Análise do quimerismo pós-transplante de células tronco-hematopoéticas realizados entre indivíduos de sexos diferentes. Permite identificar mutações cromossômicas envolvendo os cromossomos sexuais X e Y. Orientações ao paciente: Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG100 - OncoScan : CGH-array com 350 mil sondas SNPs, CNV e mutações recorrentes no câncer. Técnica: Microarranjo. Material: TFIP (Tecido Fixado e Impregnado em parafina - Bloco de Parafina) Volume: Bloco de parafina: contendo fragmentos de tumor (primário ou metastático) Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. Transporte: O material biológico deve ser transportado em temperatura máxima de 20-25ºC. Durante o envio os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina.

23 Instruções de coleta: Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Pesquisa de variação do número de cópias (CNV) em tumores. Orientações ao paciente: Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histológico do tumor metastático e de tumor primário. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sexta-feira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. CG101 - CytoScan 750K : CGH-array com 750 mil sondas SNPs e CNV Técnica: Microarranjo. Material: Medula Óssea ou Sangue Periférico. Volume: Medula óssea: 2 a 3 ml em tubo com heparina sódica. Sangue Periférico: 5 a 10 ml em tubo com heparina sódica. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra: até 48 horas após a coleta. Rotina: Somente de 2ª a 5ª feira. Transporte: Em embalagem plástica ou isopor, lacrada e sem gelo. O sangue periférico ou a medula óssea deve ser encaminhada assim que possível ao laboratório, não ultrapassando o prazo máximo de 48 horas após a coleta. Em localidades onde a temperatura ambiente for alta ou longa distância, a amostra deve ser acondicionada em embalagem refrigerada, sendo que a amostra não deve entrar em contato com o gelo. Instruções de coleta: Recomenda-se coletar volume de 2 a 3 ml de medula óssea. Evitar colher mais que 3 ml de medula óssea pois há risco de contaminação por elementos do sangue periférico. A obtenção de medula óssea NÃO deve ser realizada no mesmo orifício ósseo utilizado para realização de aspirado de medula óssea (AMO), com isso evita-se hipocelularidade do material para citogenética. A amostra deve ser bem homogeneizada para evitar formação de coágulos. Recomenda-se também não coletar volume inferior a 2 ml de sangue periférico para não comprometer a amostra, ou utilizar tubo específico para menores volumes de sangue. Aplicação: Avaliação genômica em pacientes com autismo, deficiência intelectual e síndromes múltiplas congênitas. processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo.

24 BIOLOGIA MOLECULAR BM001- Análise do gene KRAS - exons 2 e 3 Técnica: Pirosequenciamento códons 12, 13 e 61 (exon 2 e exon 3) do gene KRAS. Material: Blocos de parafina (TFIP - Tecido Fixado e Impregnado em Parafina) e lâmina do material patológico do bloco de referência. Volume: TFIP - Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor. Lâmina: 01 Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Não existe prazo de envio após coleta para esse tipo de amostra biológica. Instruções de coleta: Amostra TFIP deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Predição de resposta à terapia alvo específica em pacientes com câncer colorretal. Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sextafeira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. É obrigatória a assinatura do termo de consentimento informado específico. BM002 - Análise do gene BRAF - códons 600, Técnica: Pirosequenciamento dos códons 600, (éxons 15 e 11) do gene BRAF. Material: Blocos de parafina (TFIP - Tecido Fixado e Impregnado em parafina) e lâmina do material patológico do bloco de referência. Volume: TFIP - Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor. Lâmina: 01. Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado.

25 envio os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Não existe prazo de envio após coleta para esse tipo de amostra biológica. Instruções de coleta: Amostra TFIP deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência. Aplicação: Predição de resposta à terapia alvo específica em pacientes com melanoma metastático. Marcador molecular de diagnóstico e prognóstico em carcinoma papilífero de tireóide. Orientações ao paciente: Não necessita jejum. Amostra TFIP deverá ser acompanhada de uma cópia do laudo histopatológico. O material deve ser entregue no laboratório de segunda à sextafeira, das 08h00 às 18h00 e no sábado das 08h00 às 10h00. Ressaltando que todo material que for encaminhado para o laboratório após as 15h00, poderá ser armazenado e processado no dia seguinte, podendo interferir no prazo de entrega do laudo. Obrigatoriedade da assinatura do termo de consentimento informado específico. BM003 - Análise do gene EGFR - códons 719, 768, 790, e deleções do exon 19 Técnica: Pirosequenciamento dos códons 719, 768, 790, e as deleções do exon 19 do gene EGFR. Material: Blocos de parafina (TFIP - Tecido Fixado e Impregnado em parafina) e lâmina do material patológico do bloco de referência. Volume: TFIP - Amostra TFIP enviada deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor. Lâmina: 01 Em temperatura ambiente. Viabilidade da amostra por tempo indeterminado. envio, os TFIP devem ser acondicionados em embalagens fechadas, que permitam proteger o material de deformações mecânicas e calor, preferencialmente em uma caixa de lâmina para não danificar o bloco de parafina. Não existe prazo de envio após coleta para esse tipo de amostra biológica. Instruções de coleta: Amostra TFIP deverá conter áreas suficientes e viáveis de tumor e ser enviada juntamente com 01 lâmina do material patológico do bloco de referência.

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS PRESTEZA, PRECISÃO E PROXIMIDADE índice 1. 2. MORFOLOGIA... 5 3. CITOGENÉTICA... 5 4. IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO... 2 IMUNOGENÉTICA E HISTOCOMPATIBILIDADE...

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Fase pré - analítica Recepção e cadastro - Nome do Exame Indicação do exame papel do

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado.

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado. INTRODUÇÃO Este manual tem por finalidade se adequar às exigências do Programa de Qualidade e às Normas de Biossegurança nos Serviços de Saúde. Desta forma procuramos sistematizar as orientações para coleta,

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos Centro Nacional de Epidemiologia Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos O agente

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ

INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ INFECÇÃO ASSOCIADA AO ZIKA VÍRUS ORIENTAÇÕES: COLETA AMOSTRAS LABORATORIAIS VERSÃO PARANÁ 15 Fone: (41) 3330 4467. Página 1 Diagnóstico Laboratorial Lacen/PR Amostras de Recém-Natos (RN) com Microcefalia

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas Elizabeth Xisto Souto Médica hematologista do Hospital Brigadeiro Responsável médica pelo setor de Citometria de Fluxo São Paulo Laboratório DASA Foco de atuação:

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Patologia. Pathos = sofrimento, doença.

Patologia. Pathos = sofrimento, doença. Patologia Pathos = sofrimento, doença. Especialidade médica que estuda as causas (etiologia), mecanismos de desenvolvimento (patogênese), alterações morfológicas nas células e órgãos e explica os sinais

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

DIVISÃO ONCOLOGIA. ONCO - HEMATOLOGIA EXAME PRAZO MÉTODO FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH

DIVISÃO ONCOLOGIA. ONCO - HEMATOLOGIA EXAME PRAZO MÉTODO FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH DIVISÃO ONCOLOGIA ONCO - HEMATOLOGIA FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH PCR Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22 ) 11 d. u. PCR FISH Rearranjo PML RARA (Translocação: 15;17) 12

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Caso clínico Paciente de 22 anos, sexo masculino Quadro de astenia há 2 semanas Exame Físico REG,

Leia mais

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014 NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO Hye, 2014 O QUE GERA A SUSPEITA DE MALIGNIDADE HEMATOLÓGICA? Falta de energia; Facilidade de sangramentos; Infecções frequentes; Emagrecimento inexplicável; INVESTIGAÇÃO

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional Procedimento Operacional QUANTIFICAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES LINFOCITÁRIAS CD4/CD8/CD3/CD45 PATRICIA VIANNA BONINI PALMA Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto Centro de Terapia Celular, CRH-HCFMRP-USP Objetivo

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada

Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Instruções para coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Doação Não-Aparentada Objetivo: Orientar o procedimento para a coleta de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário SCUP. Clientela: Profissionais

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL POP nº 2.1 - GENÉTICA FORENSE Publicado em SET/2013 COLETA DE MATERIAL BIOLÓGICO REFERÊNCIA

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé.

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé. A Cytothera pertence ao grupo farmacêutico MEDINFAR e dedica a sua actividade à investigação e criopreservação de células estaminais. O método pioneiro de isolamento e criopreservação de células estaminais

Leia mais

7. SEÇÃO DE MICOLOGIA

7. SEÇÃO DE MICOLOGIA 7. SEÇÃO DE MICOLOGIA 7.1 Orientações gerais de coleta e transporte das amostras em relação ao exame solicitado EXAMES MATERIAL BIOLÓGICO ONDE COLHER Pele, couro cabeludo, unha, cabelo em placa de Petri

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA PATOLÓGICA DO HC/UNICAMP

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA PATOLÓGICA DO HC/UNICAMP 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA PATOLÓGICA DO HC/UNICAMP APRESENTAÇÃO: O Laboratório de Anatomia Patológica é uma área de apoio diagnóstico, responsável pela elaboração

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Bases Moleculares do Câncer e Ação A

Leia mais

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide SUBSTÂNCIA LOCALIZAÇÃO INDICAÇÃO Acetato de Abiraterona Anastrozol Bicalutamida Bussulfano Metastático resistente à castração em homens que receberam quimioterapia prévia com docetaxel Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial 2010/2011 Módulo V.I. Medicina Laboratorial Tema da Aula: Docente: Dr. Manuel Garrido Data: 08/11/2010 Número da Aula Previsto: 5ª aula Desgravador: Adriana Vasconcelos Oliveira Corrector: Micaela Caixeiro

Leia mais

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte Perguntas Frequentes Desde quando o Banco Público de Células Estaminais do Cordão Umbilical serve gratuitamente a criopreservação às grávidas? O Despacho do Banco Público de células estaminais do cordão

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA.

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA. Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão Instituto Geral de Perícias Instituto de Análises Laboratoriais Laboratório de Genética Forense ANEXO I REGRAS PARA

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP EXAMES BPAI (solicitação feita somente em formulário específico de BPAI) MATERIAL BIOLÓGICO EXAMES INSTRUÇÕES DE COLETA CID / BPA CÓDIGO DO LAUDO MÉDICO BPA NECESSIDADE BPAI AMBULATÓRIO ENFERMARIA Genotipagem

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA EXAMES BPAI (solicitação somente em formulário específico de BPAI) MATERIAL BIOLÓGICO EXAMES INSTRUÇÕES DE COLETA CID / BPA CÓDIGO DO LAUDO MÉDICO BPA NECESSIDADE BPAI AMBULATÓRIO ENFERMARIA Genotipagem

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representado pelo Dr. Luiz de Melo Amorim Filho, Diretor Geral do Instituto Estadual

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007 Foi publicada no Diário Oficial de 31 de agosto de 2007, RESOLUÇÃO CFM -1823/2007 que torna-se uma norma que trata da interface entre patologistas e demais médicos,

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Grupo: Sub-Grupo: 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 01-EXAMES LABORATORIAIS PARA IDENTIFICACAO DE DOADOR E RECEPTOR DE CELULAS-TRONCO HEMATOPOETICAS

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Biopatologia Linfomas e leucemias Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 O texto representa a desgravação da aula, enquanto as

Leia mais

Mutações Cromossômicas Estruturais

Mutações Cromossômicas Estruturais Genética Básica Mutações Cromossômicas Estruturais Aline Intorne Definição: Mudança substancial na estrutura do cromossomo, possivelmente, afetando mais do que um único gene. Segmentos de cromossomos podem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso

REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso O envio da documentação pode ser por Correio - Carta Registrada ou Sedex para Caixa Postal 11.284 - CEP 05422-970 - São Paulo - SP - A/C SECOT.

Leia mais

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos 1. Técnicas Experimentais para o Estudo da Expressão Gênica O curso terá como base o estudo da expressão gênica utilizando um fator de transcrição.

Leia mais

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO I - DEFINIÇÕES 1. TCTH de Medula Óssea - Substituição de células-tronco hematopoéticas a partir de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS Rua: Victor Sopelsa, nº 3000 Bairro Salete E-mail: sac-lableite@uncnet.br Fone: (49) 3441-1086 Fax: (49) 3441-1084 Cep: 89.700-000 Concórdia Santa Catarina Responsável /Gerente

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Data aprovação:11/11/14 LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 ramal HC- 6077 - Ramal - 287 INSTRUÇÕES DE COLETA ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DO MATERIAL Contagem de Plaquetas (manual)

Leia mais

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e II Curso Avançado em Citogenômica do Câncer - realizado pelo Laboratório de Citogenômica do Câncer da Universidade Federal do Ceará. 20 a 23 de novembro no Seara Praia Hotel em Fortaleza - Ceará. Carga

Leia mais

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 Testes Rápidos Diagnóstico de HIV Deverão ser solicitados para uso na Campanha com antecedência; O GVE deverá propor um fluxo de entrega dos kits

Leia mais

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA)

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) 29/08/2013 14:00-15:30 h PEDIATRIA (SALA SÃO PAULO) - DISCUSSÃO DE CASOS TCTH em Tumores Sólidos Moderador: Cláudio Galvão de Castro

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER Prezado (a) cliente: Para nós é importante oferecer a você o apoio necessário neste momento. Para abertura do processo de indenização

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO Este Manual tem por objetivo fazer cumprir as Normas estabelecidas na Resolução

Leia mais

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P6 Hematologia e Hemoterapia Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração:

Leia mais

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS Coração 0505020041 TRANSPLANTE DE CORACAO Fígado 0505020050 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR FALECIDO) 0505020068 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR VIVO) Pâncreas 0505020076

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down

Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down Universidade Federal De Minas Gerais Instituto De Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Projeto de Biologia Molecular Aspectos peculiares da leucemia em crianças com Síndrome de Down

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais