Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico"

Transcrição

1 Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica

2 Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica

3 Essas partículas estão suspensas em meio líquido

4 Sistema que gera um fluxo contínuo laminar de partículas, que passam uma a uma frente a um feixe de laser CÂMERA DE FLUXO FOCO HIDRODINÂMICO LASER Orifício Orifício com com Diâmetro: a µm µm

5

6

7

8

9 Fotomultiplicadores FSC Sensor Impulsos elétricos Sinais analógicos Sinais digitais Freq Fluorescence Distribuição por frequência Histogramas Detector de Fluorescência (FL1,FL2, FL3 e FL4) (tubos fotomultiplicadores)

10 APC 633, Cy5 633, Lasers - Fluorocromos Fluorocromo Laser (nm) Emissão (nm) FITC R-PE (PE) Pe-Cy5 (TC1) PerCP (BD2) PerCP/Cy5.5 (BD) AAD Iodeto de propidium Texas Red

11 Citometria de Fluxo Imunofenotipagem Análise da expressão antigênica das células através da ligação antígeno anticorpo - fluorocromo Anticorpos monoclonais designados CDs Clusters of differentiation ligam-se as células nos determinantes antigênicos ou epítopos em sua membrana, citoplasma e intranuclearmente.

12 Citometros de Fluxo - Fluorocromos XL FC FACSCanto FACSalibur FACScan CYAN Alexa450 Alexa405 APC-Cy7 APC/Cy5 PE-Cy7 PE-Cy5.5 PE-Cy5 PE-TR PE FITC

13

14

15

16

17 ALGUMAS APLICAÇÕES CLÍNICAS ATUAIS Análise do conteúdo de DNA Quantificação de reticulócitos Análise da Subpopulação Linfocítica Diagnóstico e acompanhamento de Leucemias e Linfomas Diagnóstico e acompanhamento de Mieloma Multiplo Mielodisplasia / Doenças Mieloproliferativas Diagnóstico de Hemoglobinúria Paroxística Noturna Detecção de Anticorpos Antiplaquetários Disfunção plaquetária Quantificação de células progenitoras (stem cell) Detecção de Células Neoplásicas não hematopoéticas Monitoramento Quimioterapia / Doença Residual Mínima Avaliação imunológico de paciente transplantado e de infusão linfocitária Outras aplicações : Estudos da função celular, Apoptose, MDR (Múltipla Resistência à Drogas), Procedimentos em Hemoterapia (Detecção de Anticorpo em Anemia Auto-imune, Detecção de hemorragia feto materna, Controle de Qualidade de Leucodepleção, etc...), HLA-B27, Teste de Antígeno Leucocitário (HLA) e Cross Match.

18

19

20

21

22

23

24

25 Análise da Subpopulação Linfocítica IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA Anti-CD3 PerCP Anti-CD8 PE Anti-CD4FITC Anti-CD3 PerCP Anti-CD16 /CD56PE Anti-CD19 FITC

26

27 Aplicações: Monitorar Imunodeficiência Adquirida (AIDS) Imunofenotipagem de Linfomas Imunofenotipagem de Leucemias Monitorar transplantes Monitorar sistema imunológico Função plaquetária

28 Estratégia de Gates janelas 1. FS x SSC tamanho x granularidade 2.CD45 x SSC 3. Gates sequenciais CD19 CD3 CD138 CD34

29 EXPRESSÃO DO CD45 em Leucemia Aguda

30 Diagnóstico e acompanhamento de Leucemias, Linfomas e Mieloma Leucemias agudas Linfóides x Mielóides Leucemias Crônicas Linfocítica, Mielomonocítica Linfomas leucemizados Discrasia de Células Plasmáticas

31 Diferenciação Granulocítica MO normal Painéis de anticorpos monoclonais I II III IV V Mieloblasto Pro- Mielócito Meta- Neutrófilo mielócito mielócito Bastão CD34 CD117 HLA-DR CD13+forte CD33+forte CD117 CD13+forte CD33+forte CD15 CD13+fraco CD33+fraco CD15 CD11b CD13+ CD33+fraco CD15 CD11b CD16 CD13+forte CD33+fraco CD15 CD11b+forte CD16+forte CD34/CD117/CD45/CD13.33 Dra.Silvia Ines Pires Ferrreira Hemosc/ Sta Luzia -SC CD16/CD13/CD45/CD11b

32 LMA M3 CD45xSS CD2xCD45 HLA-DRxCD45 CD34xCD45 MPO(c)xCD45 CD56xCD45 CD33xCD45 CD13xCD45 CD117xCD45 CD71xCD45

33 Diferenciação Linfóide B MO Normal Painéis de anticorpos monoclonais I II III IV V Pró B Pré-pre-BI Pré-pre-BII Pré-pre-BIII Madura Plasmática CD34 TdT CD34 TdT CD10+forte (TdT) CD10+forte imatura CD10+fraco B IV CD19 CD19 CD19 CD19 CD19 CD22 CD22 CD22 CD22 CD22+forte CD45+fraco CD45+fraco CD45 CD45+forte CD45-/+ CD20+fraco CD20 CD20+forte Cit Igµ Cit Igµ Cit Igµ IgM sup. IgM sup. TdT/CD20/CD19/CD10 CD34/CD22/CD19/CD45 sigĸ/sigλ/cd20/cd10 Marcações Alternativas Cit Igµ/ Igµ sup /CD20/CD10 Dra. Silvia Ines Pires Ferrreira Hemosc/ Sta Luzia - SC

34 LLA B MADURA LINFOMA DE BURKITT CD45xSS TdTxCD19 CD34xCD45 CD20xCD45 CD22xCD45 KAPPA(sup)xCD19 CD19xCD45 HLA-DRxCD45 CD10xCD45 IgM (sup)xcd19

35 ASF, 28a LMA M0 P.O. 32a LMA M0

36 LLC- B: Células linfóides B com restrição de cadeia leve monoclonal para kappa baixa expressão e expressão antigênica de CD5+ e CD20+ baixa expressão

37 Leucemia de Células Cabeludas - Hairy cell

38 Mieloma Múltiplo

39 Mieloma Múltiplo Histograma de Tamanho x Complexidade Histograma CD138 x Complexidade

40 Mieloma Múltiplo Histograma de Monoclonalidade em Kappa intracitoplasmática

41 Mieloma Múltiplo CD56 x CD138 CD19 (-) nas células CD138 (+)

42 Mieloma Múltiplo Histograma CD45 x CD138 Histograma HLA-DR x CD138

43 Mieloma Múltiplo Histograma de Conteúdo de DNA com Hiperdiploidia

44 Mielodisplasia PAPEL DA IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO Técnica complementar / análise dentro de um contexto Quantificar blastos de forma exata Discriminar Mieloblastos de Promielócitos e dos Pró-monócitos Estudo de mudanças fenotípicas na MDS

45 M.O normal

46 Normal: CD34:2% MO nl

47 SÍNDROME MIELODISPLÁSICA FENÓTIPO ALTERADO QUALITATIVAMENTE Expressão antigênica assincrônica CD34/CD15/HLA-DR(-) Expressão antigênica diminuída ou aumentada CD45 fraca em Monócitos CD33 intenso / HLA-DR(+) em Neutrófilos Coexpressão aberrante CD56 em monócitos /CD2 ou CD19 em linhagem granulocítica FENÓTIPO COM ALTERAÇÕES NUMÉRICAS Linhagem celular ou maturação Aumento de células CD34(+) - mielóide, aumento de células monocíticas e eritróides e diminuição de neutrófilos M.C.DelCanizo et al Immunophenotypic analysis of myelodysplastic syndromes Haematologica/Journal of hematology vol.88(04):april 2003

48 MYELOBLAST PROMYELOCYTE MYELOCYTE META- MYELOCYTE BAND/ NEUTROPHIL CD CD13 CD33 CD15 CD11b CD CD65 CD64 CD CD16 CD34 HLA-DR CD117 CD54 Dr Alberto Orfao - Contribuição dos Estudos Imunofenotípicos na caracterização das Síndromes Mielodisplásicas Florianópolis - Setembro de 2004

49 MYELOBLAST PROMYELOCYTE MYELOCYTE META- MYELOCYTE BAND/ NEUTROPHIL CD CD13 CD33 CD15 CD11b CD CD65 CD64 CD CD16 CD34 HLA-DR CD117 CD54 Dr Alberto Orfao - Contribuição dos Estudos Imunofenotípicos na caracterização das Síndromes Mielodisplásicas Florianópolis - Setembro de 2004

50 HPN - Hemácias Ausência de expressão antigênica do CD59 em 34,9% das células identificadas por Glicoforina A Ausência de expressão antigênica do CD55 em 46,5% das células identificadas por Glicoforina A

51 HPN - Neutrófilos Controle normal: CD55(+) = 99,8% Ausência de expressão antigênica do CD55 em 97,7% dos neutrófilos.

52 HPN - Neutrófilos Controle normal: CD59 (+) = 100,0% Ausência de expressão antigênica de CD59 em 82,7% das células identificadas pelo CD13.

53 HPN - Monócitos Controle normal: CD14(+) = 99,8% Ausência de expressão do CD14 em 98,3% das células CD 64 (+)

54 Pesquisa de Anticorpo Anti-plaquetas Método Direto Total de casos 115 pacientes com plaquetopenia. Amostra: 10 ml de sangue em EDTA. Equipamento: Citômetro de Fluxo EPICS XL-MCL da Beckman Coulter Material: Método: - Anti-Human IgG FITC conjugate SIGMA (F-1641) - CD41 ou CD61 PE Immunotech (PN IM1416) - Tampão PBS-EDTA As Plaquetas separadas do sangue total coletada em EDTA, são lavadas e marcadas com CD41PE e IgG FITC e analisadas no Citômetro de Fluxo. João Carlos C. Guerra, MD, Ruth H Kanayama, PhD, Sonia S.Nozawa, PhD, Márcia R. Ioshida, PhD, Irina Y Takiri, PhD, Robson J. Lazaro, PhD, Nelson Hamerschlak, MD, Luiz Gastão M. Rosenfeld, MD, Celso Carlos C. Guerra MD and Nydia S. Bacal, MD. Low Platelet Counts: Diagnosis Using Flow Cytometry and Anti Platelet Antibody Blood (ASH Annual Meeting Abstracts) : abstract 3966.

55 Controle Negativo Plaquetas /mm³ CSM, 20 anos,masc. Plaquetas /mm³ CSM

56 AVS AVS, 31 anos, fem. Plaquetas /mm³

57 O antígeno está ausente ou presente em baixa expressão em pacientes com Síndrome de Bernard-Soulier é identificado pelo anticorpo CD42b que é específico para a glicoproteina plaquetária GPIb Essa glicoproteina plaquetária serve como receptor para o Fator Von Willebrand e tem alta afinidade ao receptor de trombina. CD42a(GPIX), CD42d(GPV) raramente utilizadas. CD41 (GPIIb) and CD61 (GPIIIa) Trombastenia de Glanzmann

58 Quantificação de células progenitoras CD34 (+) - Citometria de Fluxo Protocolo ISHAGE Plataforma dupla Sangue periférico Medula Óssea Aférese Cordão Umbilical

59 Marcação fluorescente ligada ao cálcio permite o estudo de ativação celular

60

61

62

63 Imunofenotipagem Paineis Proliferativos - utilizados no HIAE 1. Leucose Aguda : MPO, CD79a, CD3intra e/ou CD45 x SS Primeiro passo : 2 CD por linhagem CD2-CD7 / CD10-CD19 / CD13-CD33 /CD4-CD14(My4) e CD34 / HLA-DR Conforme linhagem segue com outros Atc específicos : CD20, CD22, IgM intra, Kappa e Lambda intra e/ou sup. CD 3sup., CD38, CD5, CD8 raramente TdT CD11b, CD14(MO2), CD15, CD41,CD64, CD71, Glicoforina A, CD117

64 Imunofenotipagem Painéis Proliferativos utilizados no HIAE 2. Doenças Linfoproliferativas B CD19 (+) ou CD20(+) ou CD138 : CD5, CD10, CD11c, CD22,CD23,CD25, FMC- 7; IgM, Kappa e Lambda intra ou sup.,cd103, IgG,CD38, CD56 e HLA-DR 3. Doenças Linfoproliferativas T -CD2, CD3intra e sup., CD4, CD5, CD7, CD8, -CD11b, CD16, CD25, CD38, CD56, CD71 e HLA-DR, Outros CD disponíveis: -CD30, CD1-A, CD79b, IgG, IgD e IgA, TCRαβ/TCRγλ, Ti -gamma.

65 LEUCEMIA AGUDA Painel inicial FITC PE PE-Cy5 MPO c CD79a c CD3 c CD15 CD33 CD45 CD2 CD7 CD45 HLADR CD34 CD45 CD10 CD19 CD45 IgG1FITC IgG1PE CD45PE-Cy5 LLA-B LMA LLA T FITC PE PE-Cy5 FITC PE PE-CY5 FITC PE PE-Cy5 CD22 CD20 CD45 CD14 CD45 CD5 CD1a CD45 kappa CD19 CD15 CD13 CD45 TCR g//d TCR al/b CD45 Lambda CD19 CD71 glicofor. CD45 CD8 CD4 CD3 IgM c CD41 CD117 CD45 CD38 CD56 CD45 CD22c? CD64 CD11b CD45 CD4 CD45

66 Doenças Linfoproliferativas Crônicas Painel inicial FITC PE PE Cy-5 HLA DR CD20 CD19 CD2 CD7 CD3 IgG IgG IgG linoproliferativa B linfoprolifertativa T Plasmocitária FITC PE PE Cy-5 FITC PE PE Cy-5 FITC PE PE-Cy5 kappa CD19 CD8 CD4 CD3 CD138 CD117 CD19 Lambda CD19 CD16 CD56 CD3 CD38 CD56 CD19 CD5 CD20 CD19 CD25 CD56 CD3 CD138 CD56 CD117 CD22 CD23 CD19 CD5 HLADR CD3 CD138 CD38 CD117 FMC7 CD11c CD19 CD79b CD38 CD19 CD103* CD25* CD19* *somente p/ HCL IgM IgD IgG CD30 CD15 CD15 ** Para suspeita de Linfoma de Hodgkin ou Linfomas agressivos de grandes células, marcar com CD30 e CD15.

67 IMUNOFENOTIPAGEM PAINEL PROLIFERATIVO NOVEMBRO/1991 A JULHO/2007 PATOLOGIAS N DE CASOS LEUCEMIAS AGUDAS 1954 (31,3%) LMA 1084 (17,4%) LLA 854 (13,7%) L. Bifenotipica 16 (0,2%) NEOPLASIAS DE CÉLULAS B MADURAS 1441 (23,1%) DLPC-B/LNH-B 1238 (19,9%) NEOPLASIAS DE CÉLULAS PLASMÁTICAS 203 (3,2%) DLPC-T / NK 83 (1,3%) DOENÇAS MIELOPROLIFERATIVAS CRÔNICAS 55 (0,9%) SMD e LMMoC 79 (1,3%) Linfoma de Hodgkin 1 (0,02%) MO SEM DOENÇAS ONCOHEMATOLOGICAS, CONTROLES 2589 (41,5%) PÓS TRATAMENTOS, MO NORMAL e OUTRAS PATOLOGIAS HEMATOGONIAS 30 (0,49%) 6232 (100%)

68 Imunofenotipagem de Doenças Oncohematológicas nov/91 a julho/07 Nº total de casos analisados: 6 234

69 Diagnósticos acima de 60 casos entre os 6234 casos nov/91 a julho/07

70 OBRIGADA PELA ATENÇÃO! Nydia S. Bacal Grupo de Citometria de Fluxo do Laboratório Clínico HIAE Ana Claudia Miranda Brito Alexandra M.P. Cavalcante João Carlos de C. Guerra Sonia Tsukasa Nozawa Ruth Hissae Kanayama

71 Citometro de Fluxo- nova geração FC 500 Beckman Coulter HIAE: 35% ª geração Epics Profile II ª geração Epics XL MCL ª geração FC 500 Laboratórios Externos: 65%

72 Imunofenotipagem Linfocitária Imunofenotipagem em doenças oncohematológicas Quantificação de células CD34+ Pesquisa de HPN Avaliação de disfunção e ativação plaquetária Analise do conteúdo de DNA

73 Fotomultiplicadores captam a fluorescência Impulsos elétricos/ Sinais analógicos Sinais digitais Distribuição por frequência/ Histogramas R1

74 Fenotipos alterados Síndrome Mielodisplásica Dr Alberto Orfao - Contribuição dos Estudos Imunofenotípicos na caracterização das Síndromes Mielodisplásicas Florianópolis - Setembro de 2004 Anormalidades Stetler-Stevenson et al Wells et al Imunofenotípicas Blood, 2001 Blood, 2003 Mieloblastos Números anormais 24/42 (53%) 72/115 (62%) CD2+ 12/45 (27%) NR Maturação de neutrófilos: SSC anormal 35/45 (84%) 9/115 (8%) CD45Be NR 4/115 (3%) Padrão anormal CD13/CD16 21/27 (78%) 27/115 (23%) Relação anormal HLADR/CD11b NR 6/115 (5%) Padrão anormal CD11b/CD16 19/27 (70%) NR Desvio à esquerda assincrônico NR 26/115 (23%) CD56+ 7/33 (21%) 18/115 (16%) CD33- NR 6/115 (5%) CD34+ NR 7/115 (6%) Presença de Ags linfóides 17/45 (38%) 4/115 (3%)

75 Fenotipos alterados Síndrome Mielodisplásica Dr Alberto Orfao - Contribuição dos Estudos Imunofenotípicos na caracterização das Síndromes Mielodisplásicas Florianópolis - Setembro de 2004 Anormalidades Stetler-Stevenson et al Wells et al Imunofenotípicas Blood, 2001 Blood, 2003 Células Monocíticas SSC anormal NR 1/115 (1%) CD13- ou CD16- NR 1/115 (1%) Relação anormal HLADR/CD11b NR 5/115 (4%) CD56+ 11/33 (33%) 19/115 (17%) CD33- or CD14- NR 3/115 (3%) CD34+ NR 14/115 (12%) Presença de Ags linfóides NR 38/115 (33%) Células Eritróides CD71 alterado, GphA ou CD45 34/44 (77%) NR Células Megacariocíticas Número aumentado 26/44 (59%) NR

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Fase pré - analítica Recepção e cadastro - Nome do Exame Indicação do exame papel do

Leia mais

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL CARACTERIZAÇÃO IMUNOFENOTÍPICA POR CITOMETRIA DE FLUXO DRA MAURA R VALERIO IKOMA SERVIÇO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA IMUNOFENOTIPAGEM DE MO A

Leia mais

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas Elizabeth Xisto Souto Médica hematologista do Hospital Brigadeiro Responsável médica pelo setor de Citometria de Fluxo São Paulo Laboratório DASA Foco de atuação:

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS

IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS Curso Pré-Congresso: IMUNOFENOTIPAGEM NAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná LEUCEMIA AGUDA Definição É uma

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS

Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Leucemias Agudas Leucemias agudas são um grupo heterogêneo de neoplasias originadas

Leia mais

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Caso clínico Paciente de 22 anos, sexo masculino Quadro de astenia há 2 semanas Exame Físico REG,

Leia mais

ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR)

ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR) ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR) PERÍODO DA MANHÃ: aulas 1) Utilização das Células Tronco Mesenquimais no Transplante Cardíaco e na doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH). Dra

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL

HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL 1ª reunião em 10/12/1994 - Laboratório Fleury INÍCIO 2ª reunião em 18/03/1995 - Laboratório Sergio Franco 3ª reunião em 05/08/1995 - Fundação Maria Cecília Souto

Leia mais

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS PRESTEZA, PRECISÃO E PROXIMIDADE índice 1. 2. MORFOLOGIA... 5 3. CITOGENÉTICA... 5 4. IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO... 2 IMUNOGENÉTICA E HISTOCOMPATIBILIDADE...

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial 2010/2011 Módulo V.I. Medicina Laboratorial Tema da Aula: Docente: Dr. Manuel Garrido Data: 08/11/2010 Número da Aula Previsto: 5ª aula Desgravador: Adriana Vasconcelos Oliveira Corrector: Micaela Caixeiro

Leia mais

Neoplasias Hematológicas.

Neoplasias Hematológicas. Neoplasias Hematológicas. Marcos Fleury Faculdade de Farmácia UFRJ mkfleury@ufrj.br Neoplasias Hematológicas. São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células c hematológicas malignas ou

Leia mais

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS MARCELO GUSTAVO DE PIER RESUMO A caracterização imunofenotípica tem sido o método preferencial para a determinação da linhagem celular e análise da maturação das células

Leia mais

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS Estratégias Atuais e Importância no Contexto do TMO JAÚ 02/07/2011 Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional Procedimento Operacional QUANTIFICAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES LINFOCITÁRIAS CD4/CD8/CD3/CD45 PATRICIA VIANNA BONINI PALMA Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto Centro de Terapia Celular, CRH-HCFMRP-USP Objetivo

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Biopatologia Linfomas e leucemias Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 O texto representa a desgravação da aula, enquanto as

Leia mais

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014 NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO Hye, 2014 O QUE GERA A SUSPEITA DE MALIGNIDADE HEMATOLÓGICA? Falta de energia; Facilidade de sangramentos; Infecções frequentes; Emagrecimento inexplicável; INVESTIGAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM 95591764000105 Termo de Referência. 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM 95591764000105 Termo de Referência. 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014 Processo..: 23081.014681/2014-40 Pregão SRP 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014 Abertura: Dia: 06/11/2014 Hora: 09:00:00 Objeto Resumido: Modalidade de Julgamento : Menor Preço 1 ANTICORPO MONOCLONAL

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

PARTE 2 SÉRIE BRANCA DESENVOLVIMENTO NORMAL DA LINHAGEM MIELÓIDE. Mieloblastos

PARTE 2 SÉRIE BRANCA DESENVOLVIMENTO NORMAL DA LINHAGEM MIELÓIDE. Mieloblastos RECOMENDAÇÕES DO ICSH PARA A PADRONIZAÇÃO DA NOMENCLATURA E DA GRADUAÇÃO DAS ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS NO SANGUE PERIFÉRICO. (Tradução e adaptação do Dr. Marcos Kneip Fleury Assessor Científico do PNCQ em

Leia mais

ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume:

ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume: Manual da Coleta ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: É recomendável que as amostras de Imunofenotipagem por Citometria de Fluxo para Classificação de Leucemias e de Imunofenotipagem de Líquidos Biológicos venham

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

Hemoglobinúria Paroxística Noturna.» Dra. Nydia Strachman Bacal» Hematologista e Patologista Clínica» MBA em Economia e Gestão na Saúde

Hemoglobinúria Paroxística Noturna.» Dra. Nydia Strachman Bacal» Hematologista e Patologista Clínica» MBA em Economia e Gestão na Saúde Hemoglobinúria Paroxística Noturna Diagnóstico e Tratamento t» Dra. Nydia Strachman Bacal» Hematologista e Patologista Clínica» MBA em Economia e Gestão na Saúde Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista

Leia mais

Alterações Hematológicas na Síndrome de Down

Alterações Hematológicas na Síndrome de Down Alterações Hematológicas na Síndrome de Down Christina Matzenbacher Bittar Médica Hematologista PhD em Clínica Médica Hospital de Clínicas de Porto Alegre Hospital Mãe de Deus Porto Alegre Brasília, 7

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Pancitopenia: definição Pancitopenia Anemia Leucopenia Plaquetopenia Pancitopenia: abordagem clínica Pancitopenia:

Leia mais

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia Prof. Christian Leucemias Crônicas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 1 LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA

Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA PARTE I - PRINCÍPIOS BÁSICOS DE HEMATOLOGIA CAPÍTULO 1 - Introdução à Hematologia e Procedimentos Básicos de Laboratório, 3 Introdução à Hematologia, 4 O Microscópio,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM CITOMETRIA DE FLUXO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM CITOMETRIA DE FLUXO RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM CITOMETRIA DE FLUXO NEUZA FILIPA DA SILVA RIBEIRO Dissertação de Mestrado em Oncologia 2010 NEUZA FILIPA DA SILVA RIBEIRO RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM CITOMETRIA DE FLUXO Dissertação

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN)

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) MIELOGRAMA Medula Óssea Mielograma Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) Biópsia de Medula Óssea Crista ilíaca insere-se agulha para retirada de fragmento ósseo Mielograma (aspirativo) Biópsia de Medula Óssea

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Mieloma Múltiplo: 50 casos diagnosticados por citometria de fluxo

Mieloma Múltiplo: 50 casos diagnosticados por citometria de fluxo Bacal NS et al Rev. bras. hematol. hemoter. 2005;27(1):31-36 Artigo / Article Mieloma Múltiplo: 50 casos diagnosticados por citometria de fluxo Multiple Myeloma: 50 cases diagnosed by flow cytometry Mariana

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

ST3395. Tecnologista em Saúde Pública. Prova Objetiva e Discursiva. Citometria de fluxo

ST3395. Tecnologista em Saúde Pública. Prova Objetiva e Discursiva. Citometria de fluxo Citometria de fluxo Tecnologista em Saúde Pública Prova Objetiva e Discursiva Conhecimentos Específicos na Área de Atuação 01. A resposta imune adquirida a parasitas que possuem a capacidade de infectar

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

Curso de Patologia Digestiva

Curso de Patologia Digestiva Curso de Patologia Digestiva Neoplasias Linfóides do Tracto Gastro-Intestinal Aspectos Histológicos Sofia Loureiro dos Santos Serviço de Anatomia Patológica Hospital Fernando Fonseca, EPE SPG, Lisboa,

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120 SUMÁRIO 1 Hemograma... 21 Introdução e filosofia de trabalho... 21 Registro e processamento de dados... 29 Coleta de material... 31 Contadores eletrônicos... 35 Microscopia... 44 Critérios para indicação

Leia mais

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim.

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Assinale com uma cruz no(s) quadrado(s) que antecede(m) a(s)resposta(s) verdadeira(s):

Leia mais

MEDICINA LABORATORIAL

MEDICINA LABORATORIAL UCP - Sala 427 PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA LABORATORIAL 20 MAR 2015 A 19 FEV 2016 (120 horas presenciais 20 ECTS) CRONOGRAMA UC 1 - Conhecimentos gerais na otimização do diagnóstico em Medicina Laboratorial

Leia mais

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA Nydia Strachman Bacal Médica Hematologista Patologista Clínica Morfologia plaquetária Hemostasia primária ria Métodos laboratoriais: diagnóstico classificação de disfunções

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

Síndrome Mielodisplásica

Síndrome Mielodisplásica Síndrome Mielodisplásica As sídromes mielodisplásicas, apresentam características heteregêneas não ser progressivas, e ter poucas conseqüências na saúde ou expectativa de vida de uma pessoa. Podem progredir

Leia mais

DOENÇAS TRATÁVEIS. Existem dois tipos de transplante:

DOENÇAS TRATÁVEIS. Existem dois tipos de transplante: DOENÇAS TRATÁVEIS Nestes casos, o tratamento com células estaminais e progenitoras hematopoiéticas é eficaz e está totalmente comprovado, padronizado e generalizado. Para algumas destas doenças, as células

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P6 Hematologia e Hemoterapia Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração:

Leia mais

ELDA PEREIRA NORONHA

ELDA PEREIRA NORONHA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO-INFANTIL MESTRADO ACADÊMICO ELDA PEREIRA

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante.

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação O hemograma é um exame complementar muito importante. Doenças do sangue Anemias Doenças hemorrágicas: hemofilia, cirrosse hepática,

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA QUESTÃO 21 A doença de Von Willebrand combina a presença da anormalidade da função plaquetária com a deficiência da atividade de um fator da coagulação.

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte Perguntas Frequentes Desde quando o Banco Público de Células Estaminais do Cordão Umbilical serve gratuitamente a criopreservação às grávidas? O Despacho do Banco Público de células estaminais do cordão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos antígenos eritrocitários, julgue os itens a seguir. 41 No fenótipo McLeod, a presença da proteína Kx leva à produção de glóbulos vermelhos acantocíticos e à anemia hemolítica. 42 Indivíduos

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

Plataforma de Citometria de Fluxo Núcleo de Purificação Celular (Sorting) Instituto Oswaldo Cruz - FIOCRUZ

Plataforma de Citometria de Fluxo Núcleo de Purificação Celular (Sorting) Instituto Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Plataforma de Citometria de Fluxo (Sorting) Instituto Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Citometria de Fluxo Cell Sorting fundamentos e aplicações AUTOR RAQUEL FERRAZ: Bacharel em Biomedicina pela Universidade Severino

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

ALGORITMOS DE DIAGNÓSTICO NA INVESTIGAÇÃO LABORATORIAL DAS PLAQUETOPENIAS

ALGORITMOS DE DIAGNÓSTICO NA INVESTIGAÇÃO LABORATORIAL DAS PLAQUETOPENIAS ALGORITMOS DE DIAGNÓSTICO NA INVESTIGAÇÃO LABORATORIAL DAS PLAQUETOPENIAS Dr. João Carlos de Campos Guerra setembro 2004 Pluripotent Stem Cell Myeloid Stem Cell B Stem Cell T Stem Cell CFU-GEMM Pre B Cell

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br LEUCEMIAS PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico carmoao@terra.com.br LEUCEMIA O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS E IMUNOFENOTÍPICOS DE

Leia mais

Tecnologia com Avançada Precisão, Especificidade e Produtividade

Tecnologia com Avançada Precisão, Especificidade e Produtividade Tecnologia com Avançada Precisão, Especificidade e Produtividade Novos corantes fluorescentes com melhor especificidade celular: A precisão e exatidão que você espera da Sysmex: - Quantificação dos eritroblastos

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia.

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia. CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 1 2 Alterações da célula mãe (stem) hematopoiética que envolvem uma ou mais linhas da série mieloide (eritróide, mielóide ou megacariocítica) As células linfóides são

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS

INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS INFECÇÃO HIV: PERSPECTIVAS ACTUAIS MARIA JORGE ARROZ, MD INSA PORTUGAL CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DO VIH A infecção requer a proteína CD4 na superfície da célula como receptor, logo apenas pode infectar

Leia mais

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA March 13-15, 2014 13 a 15 de março de 2014 SCIENTIFIC COMMITTEE / COMITÊ CIENTÍFICO Dr. Celso Arrais Dr. Vanderson

Leia mais

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e II Curso Avançado em Citogenômica do Câncer - realizado pelo Laboratório de Citogenômica do Câncer da Universidade Federal do Ceará. 20 a 23 de novembro no Seara Praia Hotel em Fortaleza - Ceará. Carga

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES AVALIAÇÃO DOS MARCADORES CELULARES POR CITOMETRIA DE FLUXO

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Grupo: Sub-Grupo: 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 01-EXAMES LABORATORIAIS PARA IDENTIFICACAO DE DOADOR E RECEPTOR DE CELULAS-TRONCO HEMATOPOETICAS

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

Programa de Treinamento para a América Latina (Latin American Training Program - LATP) Inscrição para 2015 1. Objetivo 2. Elegibilidade Candidatos

Programa de Treinamento para a América Latina (Latin American Training Program - LATP) Inscrição para 2015 1. Objetivo 2. Elegibilidade Candidatos American Society of Hematology Programa de Treinamento para a América Latina (Latin American Training Program - LATP) Inscrição para 2015 Prazo: Segunda-feira, 16 de Março de 2015 1. Objetivo O objetivo

Leia mais

Entendendo. a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro

Entendendo. a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro Entendendo a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro International Myeloma Foundation 12650 Riverside Drive, Suite 206 North Hollywood, CA 91607 USA Telephone: 800-452-CURE (2873) (USA & Canada)

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO FRITZ, E. R.¹; GARCIA, M. C. ² ; FILIPINI, S. M. 3 1,2,3, Universidade do Vale do

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia Leucograma Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Os Neutrófilos são os granulócitos mais comuns no sangue. (55-70% de todos os Leucócitos

Leia mais

LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial.

LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial. ATUALIZA CURSOS PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ONCOLÓGICA DYANA CHASTINET REUTER LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial. Salvador, BA 2014 DYANA CHASTINET REUTER LEUCEMIAS

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE HEMSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina RTINA DE EXAMES DE HISTCMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE LABRATÓRI RI DE IMUNGENÉTICA Farmacêutica-Bioquímica: Mariana Chagas Laboratório rio de

Leia mais

Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem

Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem Morphological changes in the blood smear in myelodysplastic

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Diagnóstico laboratorial em oncohematologia I DOENÇAS LINFOPROLIFERATIVAS CRÔNICAS Dr. João Carlos de Campos Guerra Departamento de Patologia Clínica

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA Pedido de Credenciamento de Programa Nome Completo da Instituição Hospital Universitário Professor Edgard Santos / Universidade Federal da Bahia Endereço Completo

Leia mais