LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014"

Transcrição

1 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014

2 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas Neutropenia Presente Ausente Anemia Presente Presente Plaquetas Trombocitopenia Trombocitose Organomegalia Leve Grave

3 FREQUENCIA Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

4 CARACTERÍSTICAS DAS LEUCEMIAS MIELÓIDES AGUDAS Definição Freqüência: 80% das leucemias agudas de adultos Subclassificação: M0 M7 Fatores de risco: Síndrome de Down, Síndrome de Bloom, Anemia de Fanconi, exposição ao benzeno, radiação, agentes alquilantes. Sintomas: fadiga, febre e infecções oportunistas, sangramentos cutâneos e por mucosa, infiltração tecidual: M4/M5, hiperplasia gengival, sintomas neurológicos, massas tumorais (sarcoma granulocítico, cloroma). Fatores prognósticos favoráveis: idade, resposta á quimioterapia Fatores prognósticos desfavoráveis: < 2 anos, >60 anos, marcada leucocitose ao diagnóstico, história de síndrome mielodisplásicas. Sobrevida: 5 anos (20%)

5 Sangue Periférico: Anisopoiquilocitose Presença de eritroblastos Neutropenia, Neutrófilos hipogranulares e hipossegmentados Trombocitopenia com plaquetas grandes e atípicas Leucometria 50% > /mm3, 20% > /mm3 Leucemia aleucêmica Medula óssea Hipercelular, 20% ou mais de células blásticas Citogenética 90% apresentam anormalidades cromossômicas Pós-SMD deleções ou monossomia do cromossomo 5 ou 7 Citoquímica Mieloblastos MPO, SBB, Cloroacetato esterase M4 e M5 são positivas para esterases inespecíficas M5, M6 e M7 são positivas para PAS

6 DIAGNÓSTICO S angue Periférico: Anisopoiquilocitose Presença de eritroblastos Neutropenia, Neutrófilos hipogranulares e hipossegmentados Trombocitopenia com plaquetas grandes e atípicas Leucometria 50% > /mm 3, 20% > /mm 3 Leucemia aleucêmica Medula óssea Hipercelular, 20% ou mais de células blásticas Citogenética 90% apresentam anormalidades cromossômicas Pós-SMD deleções ou monossomia do cromossomo 5 ou 7 Citoquímica Mieloblastos são positivos para MPO, SBB, Cloroacetato esterase M4 e M5 são positivas para esterases inespecíficas M5, M6 e M7 são positivas para PAS

7 Critérios para o diagnóstico de LMA M0 Leucemia Mieloblástica Aguda Minimamente Diferenciada SANGUE PERIFÉRICO Características gerais das LMAs MEDULA ÓSSEA Blastos 20% das células nucleadas da medula óssea (excluir linfócitos, plasmócitos, macrófagos e mastócitos da contagem). Blastos 20% das células não eritróides da medula óssea CITOQUÍMICA < 3% blastos positivos para SBB e Mieloperoxidase IMUNOFENOTIPAGEM CD13, CD33, HLA-DR, mieloperoxidase, expressão variável de TdT, CD2, CD4, CD7 e CD71 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL LLA-L2, LMA-M1, M5a, M7 e Leucemia Basofílica

8 LMA M0 Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

9 Critérios para o diagnóstico de LMA M1 Leucemia Mielóide Aguda sem maturação SANGUE PERIFÉRICO Características gerais das LMAs. MEDULA ÓSSEA Blastos 20% das células nucleadas Blastos 90% das células não eritróides da medula óssea (excluir linfócitos, plasmócitos, macrófagos e mastócitos). Componente monocítico da medula óssea (promonócitos e monócitos) <10% de células não eritróides. Componente granulocítico da medula óssea (promielócitos a polimorfonucleares ) < 10% de células não eritróides. CITOQUÍMICA > 3% de blastos positivos para Sudan Black B ou para mieloperoxidase por microscopia ótica. IMUNOFENOTIPAGEM CD13, CD33, CD34, HLA-DR DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL LLA-L2, LMA-M0, M5a, M7, Leucemia basofílica

10 LMA M1 Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

11 Critérios para o diagnóstico de LMA M % das LMAs SANGUE PERIFÉRICO Não há critérios definidos. MEDULA ÓSSEA Blastos: > 20 % das células medulares Mieloblastos: % das células não eritróides Auer Precursores monocíticos < 20% Granulócitos: > 10% CITOQUÍMICA Blastos mieloperoxidase e sudan black positivos (>3%) CITOGENÉTICA t(8;21) 18% dos pacientes Associada com a fusão dos genes ETO/AML1 IMUNOFENOTIPAGEM CD13, CD33, CD34, HLA-DR, CD99 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Reação leucemóide, Síndrome mielodisplásica, LMA-M1, M3, M4 e M6

12 LMA M2

13 LMA M2

14 Critérios para o diagnóstico de LMA M3 Leucemia promielocítica hipergranular, promielócitos dismórficos. Leucemia promielocítica com t(15;17) na classificação WHO 10 15% das LMAs SANGUE PERIFÉRICO Leucopenia na apresentação com promielócitos anormais Complicações hemorrágicas - CID MEDULA ÓSSEA >50% promielócitos hipergranulares Auer Blastos: podem ser encontrados em percentual inferior a 20% Assincronismo de maturação nuclear-citoplasmática CITOGENÉTICA t(15;17) gene PML no 15q22 e gene do receptor alfa do ácido retinóico no 17q21 mrna híbrido produz receptor anormal do ácido retinóico que bloqueia a diferenciação mielóide IMUNOFENOTIPAGEM CD13, CD33, CD99 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Agranulocitose, LMA-M2 VARIANTE MICROGRANULAR Diagnóstico diferencial: LMA M4 e M5b Citoquímica: MPO, SBB e CAE

15 LMA M3 Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

16 LMA M3

17 Translocação 15;17 Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

18 M3 VARIANTE

19 Critérios para classificação de LMA-M4 Leucemia Mielomonocítica Aguda % das LMAs Características: marcada leucocitose, organomegalia, linfadenopatia e outras infiltrações teciduais. SANGUE PERIFÉRICO Monocitose: > 5.000/mm 3 Alguns casos: eosinofilia... M4Eo MEDULA ÓSSEA Blastos 20% das células medulares (Auer) Blastos 20% das células medulares não eritróides Componente granulocítico > 20% de células não eritróides Componente monocítico medular > 20% das células não eritróides Componente monocítico < 20% com monocitose > 5.000/mm 3. CITOQUÍMICA Cloroacetato esterase granulócitos Alfa naftil acetato esterase - monócitos CITOGENÉTICA Deleção ou inversão do braço longo do cromossomo 16 M4Eo, correlaciona com o gene híbrido CBFβ/MYH11. IMUNOFENOTIPAGEM CD13, CD14, CD33, CD36, CD64, CD68, HLA-DR, lisozima, mieloperoxidase DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL: Reação leucemnóide, Síndrome mielodisplásica, M2, M5, M3 microgranular

20 LMA M4

21 M4 - CLOROACETATO ESTERASE

22 M4 - MIELOPEROXIDASE M4- ESTERASE

23 Critérios para classificação de LMA-M5 10 a 12% das LMAs Alta freqüência de infiltração tecidual, organomegalia e linfadenopatia Muramidase sérica e urinária freqüentemente extremamente alta SANGUE PERIFÉRICO Leucocitose, mediana de /mm 3 > células monocíticas no sangue periférico MEDULA ÓSSEA M5 Blastos 20 % células medulares Blastos 20% de células não eritróides da medula Componente monocítico > 80% de células não eritróides M5a: > 80% monoblastos M5b: <80% monoblastos CITOQUÍMICA Esterase inespecífica, alfa-naftil butirato esterase ou alfa-naftil acetato esterase positivas Mieloperoxidase e sudan black B ausente ou atividade fraca e difusa CITOGENÉTICA Anormalidades no braço longo do cromossomo 11, com translocações ou deleções. t(8;16) associada com significativa fagocitose Expressão do proto-oncogene FOS no cromossomo 14 tem sido ligado a proliferação e diferenciação nas células leucêmicas das leucemias M4 e M5. IMUNOFENOTIPAGEM: CD13, CD14, CD33, CD36, CD64, HLA-DR DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL: M5a: LLA-L2, LMA-M0, M1 e M7 M5b: M4, síndrome mielodisplásica

24 LMA M5a M5 - ERITROFAGOCITOSE

25 LMA M5b

26 LMA M5a Monoblastos esterase inespecifica

27 LMA M5b

28 LMA M5b Promonócitos

29 Esterase LMA M5b

30 Critérios para classificação de LMA-M6 3-5% das LMAs, 20% das LMA relacionadas à terapia Mais freqüente em adultos com mais de 50 anos SANGUE PERIFÉRICO Anemia com poiquilocitose e anisocitose Fosfatase alcalina leucocitária normal ou aumentada Presença de eritroblastos com configurações nucleares anormais Leucopenia e trombocitopenia MEDULA ÓSSEA 50% de todas as células nucleadas na medula são eritróides Diseritropoese: Morfologia anormal dos eritroblastos com células megaloblastóides, padrão anormal de cromatina, fragmentação nuclear, vacúolos citoplasmáticos, corpúsculos de Howell-Jolly e sideroblastos em anel. Eritroblastos com reação PAS positiva. 30% ou mais de todas as células não eritróides são mieloblastos (Auer) Dismegacariopoese- formas mononucleares e micromegacariócitos Disgranulopoese com hipogranularidade e formas pseudo-pelger CITOGENÉTICA Aneuploidia (número anormal de cromossomos) e anormalidades dos cromossomos 5 e 7 Pode evoluir para M1 ou M2 IMUNOFENOTIPAGEM Positivos para: CD13, CD33, CD36, CD71, HLA-DR, Glicoforina A DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL: Anemia megaloblástica, diseritropoese secundária, síndrome mielodisplásica, LMA-M2. SOBREVIDA: M6a (30 meses), M6b (30 meses)

31 LMA M6

32 Critérios para classificação de LMA-M7 Leucemia megacarioblástica aguda Mielosclerose maligna aguda Mielodisplasia aguda com mielofibrose Mielofibrose aguda 3 a 12% das LMA Pode ocorrer de novo ou como uma transformação leucêmica de LMC, síndromes mielodisplásicas e é comum em crianças com Síndrome de Down. SANGUE PERIFÉRICO Micromegacariócitos Plaquetas atípicas Pancitopenia no diagnóstico inicial Blastos pleomórficos, tamanho variável, com projeções citoplasmáticas, cromatina densa, citoplasma vacuolizado, grânulos finos, citoplasma irregular. Fragmentos de megacariócitos podem estar presentes MEDULA ÓSSEA Aspirado seco Acima de 20% de megacarioblastos (CD41 e CD61) Aumento de reticulina Fibrose medular: secreção pelo megacarioblasto de citocinas fibrogênicas Diagnóstico diferencial: LLA, LMA-M0, M1, M5a e doença mieloproliferativa transitória (M7)

33 LMA M7

34 LMA M7 Promegacariócitos

35 LMA M7

36 LMA M7 PAS LMA M7 CD 61

37 CLASSIFICAÇÃO WHO LEUCEMIAS MIELÓIDES AGUDAS Leucemias agudas com anormalidades citogenéticas A LMA com t (8;21) B LMA com INV (16) C LMA com t (14;17) D LMA com anormalidades 11q23 Leucemia Mielóide Aguda com Displasia Multilinhagem A B Pós síndrome mielodisplásica Sem síndrome mielodisplásica anterior LMA e síndrome mielodisplásica relacionada à terapia A B Relacionada a agentes alquilantes Relacionada à inibidores de topoisomerase II

38 CLASSIFICAÇÃO WHO LEUCEMIAS MIELÓIDES AGUDAS 4. Leucemia Mielóide Aguda de outra categoria A LMA minimamente diferenciada B LMA sem maturação C LMA com maturação D Leucemia mielomonocítica aguda E Leucemia Eritróide Aguda F Leucemia Megacarioblástica Aguda G Leucemia Basofílica Aguda H Panmielose Aguda com Mielofibrose I Sarcoma Mielóide 5 Leucemia aguda de linhagem ambígua

39 LEUCEMIAS LINFOBLÁSTICAS AGUDAS (LLAs) Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

40 LEUCEMIAS LINFOBLÁSTICAS AGUDAS CLASSIFICAÇÃO FAB L1 = linfoblastos pequenos, citoplasma escasso, nucéolo de difícil visualização, em geral, CD 10 positivo; L2=linfoblastos grandes, nucléolos evidentes, citoplasma basófilo, difíceis de distinguir das LMAs; L3= também chamada de Burkitt- like, apresenta linfoblastos grandes, com citoplasma abundante, geralmente hiperbasófilo, núcleo grande, mucléolos evidentes e intensamente vacuolizado.

41 LLA L1 Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

42 LLA L1

43 LLA L2 Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

44 LLA L2

45 LLA L3 Wintrobe's Atlas of Clinical Hematology 20 Edition

46 LLA L3

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

Neoplasias Hematológicas.

Neoplasias Hematológicas. Neoplasias Hematológicas. Marcos Fleury Faculdade de Farmácia UFRJ mkfleury@ufrj.br Neoplasias Hematológicas. São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células c hematológicas malignas ou

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial 2010/2011 Módulo V.I. Medicina Laboratorial Tema da Aula: Docente: Dr. Manuel Garrido Data: 08/11/2010 Número da Aula Previsto: 5ª aula Desgravador: Adriana Vasconcelos Oliveira Corrector: Micaela Caixeiro

Leia mais

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014 NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO Hye, 2014 O QUE GERA A SUSPEITA DE MALIGNIDADE HEMATOLÓGICA? Falta de energia; Facilidade de sangramentos; Infecções frequentes; Emagrecimento inexplicável; INVESTIGAÇÃO

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas Elizabeth Xisto Souto Médica hematologista do Hospital Brigadeiro Responsável médica pelo setor de Citometria de Fluxo São Paulo Laboratório DASA Foco de atuação:

Leia mais

PARTE 2 SÉRIE BRANCA DESENVOLVIMENTO NORMAL DA LINHAGEM MIELÓIDE. Mieloblastos

PARTE 2 SÉRIE BRANCA DESENVOLVIMENTO NORMAL DA LINHAGEM MIELÓIDE. Mieloblastos RECOMENDAÇÕES DO ICSH PARA A PADRONIZAÇÃO DA NOMENCLATURA E DA GRADUAÇÃO DAS ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS NO SANGUE PERIFÉRICO. (Tradução e adaptação do Dr. Marcos Kneip Fleury Assessor Científico do PNCQ em

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA

DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DIAGNÓSTICO DA LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Citologia da medula óssea (mielograma)

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN)

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) MIELOGRAMA Medula Óssea Mielograma Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) Biópsia de Medula Óssea Crista ilíaca insere-se agulha para retirada de fragmento ósseo Mielograma (aspirativo) Biópsia de Medula Óssea

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

Leucemias Agudas HEMATOLOGIA II. Curso de Farmácia 8 º período LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC LLA LMA LMC

Leucemias Agudas HEMATOLOGIA II. Curso de Farmácia 8 º período LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC LLA LMA LMC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia 8 º período Leucemias Agudas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 LEUCEMIAS AGUDAS Transformação neoplásica

Leia mais

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br LEUCEMIAS PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico carmoao@terra.com.br LEUCEMIA O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Leucemias. Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF

Leucemias. Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF Leucemias Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF Leucemia Neoplasia maligna das células das linhagens hematopoiéticas situada na Medula Óssea (M.O.). Mielograma Citologia aspirativa da Medula Óssea.

Leia mais

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia.

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia. CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 1 2 Alterações da célula mãe (stem) hematopoiética que envolvem uma ou mais linhas da série mieloide (eritróide, mielóide ou megacariocítica) As células linfóides são

Leia mais

IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS

IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS Curso Pré-Congresso: IMUNOFENOTIPAGEM NAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná LEUCEMIA AGUDA Definição É uma

Leia mais

17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante.

17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante. 17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante. Tipos de Leucemia Leucemia mielóide aguda () 45% Leucemia linfocítica crônica (LLC) 30% Leucemia mielóide crônica (LMC)

Leia mais

Alterações Hematológicas na Síndrome de Down

Alterações Hematológicas na Síndrome de Down Alterações Hematológicas na Síndrome de Down Christina Matzenbacher Bittar Médica Hematologista PhD em Clínica Médica Hospital de Clínicas de Porto Alegre Hospital Mãe de Deus Porto Alegre Brasília, 7

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante.

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação O hemograma é um exame complementar muito importante. Doenças do sangue Anemias Doenças hemorrágicas: hemofilia, cirrosse hepática,

Leia mais

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL CARACTERIZAÇÃO IMUNOFENOTÍPICA POR CITOMETRIA DE FLUXO DRA MAURA R VALERIO IKOMA SERVIÇO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA IMUNOFENOTIPAGEM DE MO A

Leia mais

Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) Epidemiologia

Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) Epidemiologia Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Maria Lucia de Martino Lee Desordem do grupo pediátrico previamente denominada leucemia mielóide crônica juvenil (LMCJ) ou LMMC (equivalente

Leia mais

Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba

Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba SINDROMES MIELODISPLÁSICAS Bases do Diagnóstico e Classificação Marco Aurélio Salvino Marco Aurélio Salvino Hematologia/Hupes-Universidade Federal da Bahia CTMO/Hemoba SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1- Definição

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia Prof. Christian Leucemias Crônicas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 1 LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Leia mais

PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 834, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas da Leucemia Mieloide Aguda do Adulto. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Faculdade de Medicina da Universidade do Porto 23º Seminário de Biopatologia Linfomas e Leucemias Prof. Clara Sambade 18/04/07 Pessoal, a este tipo de letra encontram-se as respostas às perguntas baseadas

Leia mais

ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO

ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO ANEXO DIRETRIZES DIAGNÓSTICAS E TERAPÊUTICAS LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA DO ADULTO 1- METODOLOGIA DE BUSCA E AVALIAÇÃO DE LITERATURA Considerando a heterogeneidade das entidades patológicas que se descrevem

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Aula desgravada de Biopatologia. Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Aula desgravada de Biopatologia Linfomas e leucemias Leccionada por: Profª Clara Sambade 30/04/2007 O texto representa a desgravação da aula, enquanto as

Leia mais

Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos. Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury

Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos. Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury Leucemia Mieloide Crônica: diagnóstico, fisiopatologia e fatores prognósticos Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury Definição Incidência Clínica Exames diagnósticos Fisiopatologia História

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia Leucograma Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Os Neutrófilos são os granulócitos mais comuns no sangue. (55-70% de todos os Leucócitos

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral Doenças hematológicas tumorais Leucemias Linfomas Mieloma múltiplo Macrogobulinemia de Waldenstrom: discrasia de células plasmáticas com

Leia mais

Centro Tecnológico de Atualização e Formação Profissional Ltda. Hematologia Clínica. Prof. Jairo Alves de Oliveira, M.Sc.

Centro Tecnológico de Atualização e Formação Profissional Ltda. Hematologia Clínica. Prof. Jairo Alves de Oliveira, M.Sc. Centro Tecnológico de Atualização e Formação Profissional Ltda. Hematologia Clínica Prof. Jairo Alves de Oliveira, M.Sc. 2007 Programa de Hematologia Clínica Hematopoiese Cinética medular Metabolismo da

Leia mais

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Caso clínico Paciente de 22 anos, sexo masculino Quadro de astenia há 2 semanas Exame Físico REG,

Leia mais

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS (2013) ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS E SUAS RELAÇÕES COM PATOLOGIAS. PARA QUE SERVE? E COMO SE INTERPRETA? Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 DEFINIÇÃO: - Proliferação neoplásica clonal de uma linhagem de células do sistema hematopoético Representam um grupo heterogêneo de desordens hematopoéticas malignas

Leia mais

LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial.

LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial. ATUALIZA CURSOS PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ONCOLÓGICA DYANA CHASTINET REUTER LEUCEMIAS MIELOIDES AGUDAS: manifestações clínicas e diagnóstico laboratorial. Salvador, BA 2014 DYANA CHASTINET REUTER LEUCEMIAS

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada.

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada. Questão 1 Uma paciente de 35 anos é internada com história de cinco dias de cefaleia progressiva, febre e astenia. A avaliação laboratorial mostrou contagem plaquetária de 23.000/mm³, anemia com hemácias

Leia mais

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120 SUMÁRIO 1 Hemograma... 21 Introdução e filosofia de trabalho... 21 Registro e processamento de dados... 29 Coleta de material... 31 Contadores eletrônicos... 35 Microscopia... 44 Critérios para indicação

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

Diagnóstico das Síndromes Mielodisplásicas. Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury

Diagnóstico das Síndromes Mielodisplásicas. Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury Diagnóstico das Síndromes Mielodisplásicas Maria de Lourdes Chauffaille Unifesp, Grupo Fleury Agenda: Diagnóstico das SMD Definição, fisiopatologia e incidência Manifestações clínicas Exames diagnósticos:

Leia mais

avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br

avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br avaliar : como Prof Simone Maia Presidente ANACITO presidente@anacito.org.br Alteracoes pos radioterapia e quimioterapia: como avaliar Os efeitos iatrogênicos causados na morfologia do epitélio pela radioterapia

Leia mais

Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA

Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA PARTE I - PRINCÍPIOS BÁSICOS DE HEMATOLOGIA CAPÍTULO 1 - Introdução à Hematologia e Procedimentos Básicos de Laboratório, 3 Introdução à Hematologia, 4 O Microscópio,

Leia mais

ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS NAS DOENÇAS

ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS NAS DOENÇAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS NAS DOENÇAS LEUCOPOESE MATURAÇÃO GRANULOCÍTICA MIELOBLASTO PROMIELÓCITO MIELOCITO METAMIELÓCITO BASTONETE SEGMENTADO MIELOBLASTO Mieloblasto é o nome que se dá aos glóbulos brancos

Leia mais

Síndrome Mielodisplásica

Síndrome Mielodisplásica Síndrome Mielodisplásica As sídromes mielodisplásicas, apresentam características heteregêneas não ser progressivas, e ter poucas conseqüências na saúde ou expectativa de vida de uma pessoa. Podem progredir

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Anemia Megaloblástica Paula Loureiro Hematologista,MSC Recife-Pe Congresso SBPC- Salvador ador 2007 DEFINIÇÃO A anemia não é um diagnóstico, mas sim

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SANGUE

ALTERAÇÕES NO SANGUE ALTERAÇÕES NO Alterações no sangue são mais frequentes em crianças com síndrome de Down do que no resto da população. Existem algumas diferenças nas contagens das células sanguíneas e também uma maior

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1

DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1 DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1 DIAGNOSIS OF MYELODYSPLASTIC SYNDROMES 1 Andréa Silvestre Lobão COSTA 2, Maria Eugenia Furtado dos ANJOS 3, Ana Cristina Simões BELTRÃO 4 e Lacy Cardoso de

Leia mais

CFU - E CFU - G CFU - GM. CFU - Meg

CFU - E CFU - G CFU - GM. CFU - Meg Morfologia leucocitária Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Morfologia Leucocitária. 1 Morfologia Leucocitária. CFU - Eos Eosinófilo Stem cell CFU

Leia mais

Doenças Hematológicas. Patologia Bucal. Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes

Doenças Hematológicas. Patologia Bucal. Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes Doenças Hematológicas Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes Sangue Tecido fluido: porção celular em meio líquido (plasma) Porção celular: 45% do volume Plasma: 55% restantes Responde por 7% do peso corporal 5 litros

Leia mais

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P6 Hematologia e Hemoterapia Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração:

Leia mais

Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem

Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem Alterações morfológicas no hemograma nas síndromes mielodisplásicas: sua relação com os tipos OMS e as alterações encontradas na imunofenotipagem Morphological changes in the blood smear in myelodysplastic

Leia mais

ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume:

ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume: Manual da Coleta ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: É recomendável que as amostras de Imunofenotipagem por Citometria de Fluxo para Classificação de Leucemias e de Imunofenotipagem de Líquidos Biológicos venham

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Hemocitopoese Disciplina: Histologia Prof. Me. Cássio Resende de Morais Introdução Elementos figurados; Hemácias: Transporte

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS E SUAS RELAÇÕES COM PATOLOGIAS.

ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS E SUAS RELAÇÕES COM PATOLOGIAS. ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS E SUAS RELAÇÕES COM PATOLOGIAS. PARA QUE SERVE? E COMO SE INTERPRETA? NEUTRÓFILOS COM VACÚOLOS Intoxicação por benzeno Terapia com fator estimulante de células (GSF) Anomalia de

Leia mais

Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS

Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS Diagnóstico laboratorial em oncohematologia LEUCEMIAS AGUDAS Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Leucemias Agudas Leucemias agudas são um grupo heterogêneo de neoplasias originadas

Leia mais

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Pancitopenia: definição Pancitopenia Anemia Leucopenia Plaquetopenia Pancitopenia: abordagem clínica Pancitopenia:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS ÁREA DE BIOANÁLISES AVALIAÇÃO DOS MARCADORES CELULARES POR CITOMETRIA DE FLUXO

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune

Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Púrpura Trombocitopênica Auto-imune Rafael Machado Mantovani E-mail: rafaelmm@uai.com.br Introdução

Leia mais

Citologia e Histologia I Tecido Sanguíneo. Docente: Sheila C. Ribeiro Maio/2016

Citologia e Histologia I Tecido Sanguíneo. Docente: Sheila C. Ribeiro Maio/2016 Citologia e Histologia I Tecido Sanguíneo Docente: Sheila C. Ribeiro Maio/2016 Introdução Hematopoese Hemocitopoese Hemopoese Produção células sanguíneas Diferenciação e Maturação Renovação, Proliferação

Leia mais

Investigação Laboratorial de LLA

Investigação Laboratorial de LLA Investigação Laboratorial de LLA Ana Paula Fadel RESUMO A leucemia linfóide aguda (LLA) é a doença que ocorre principalmente na infância em crianças de 2 e 10 anos correspondendo a 70% dos casos; em adultos

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Bases Moleculares do Câncer e Ação A

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Estudo da permeabilidade intestinal em pacientes leucêmicos antes da quimioterapia

Universidade Federal de Minas Gerais Estudo da permeabilidade intestinal em pacientes leucêmicos antes da quimioterapia Universidade Federal de Minas Gerais Estudo da permeabilidade intestinal em pacientes leucêmicos antes da quimioterapia Juliana Brovini Leite Belo Horizonte 2012 Juliana Brovini Leite Estudo da permeabilidade

Leia mais

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS MARCELO GUSTAVO DE PIER RESUMO A caracterização imunofenotípica tem sido o método preferencial para a determinação da linhagem celular e análise da maturação das células

Leia mais

Semiologia Abordagem ao paciente Hematológico. Prof. Ivan da Costa Barros Monitor: Pedro Gemal. Universidade Federal Fluminense

Semiologia Abordagem ao paciente Hematológico. Prof. Ivan da Costa Barros Monitor: Pedro Gemal. Universidade Federal Fluminense Semiologia Abordagem ao paciente Hematológico Prof. Ivan da Costa Barros Monitor: Pedro Gemal Universidade Federal Fluminense Hemopatias Primárias Secundárias Distúrbios das séries homopoiégcas - Eritrocitária

Leia mais

Carcinoma Escamoso Invasor

Carcinoma Escamoso Invasor Carcinoma Escamoso Invasor Lesões Precursoras do Carcinoma Cervical de Células C Escamosas Morfogênese do Carcinoma Cervical Mucosa ectocervical Mucosa endocervical Hiperplasia de Células de Reserva Displasia

Leia mais

Considerações da AEQ no âmbito da Hematologia: Experiência PNAEQ

Considerações da AEQ no âmbito da Hematologia: Experiência PNAEQ Considerações da AEQ no âmbito da Hematologia: Experiência PNAEQ Ana Paula Faria PNAEQ Departamento de Epidemiologia pnaeq@insa.min-saude.pt Armandina Miranda UDR Departamento de Promoção da Saúde armandina.miranda@insa.min-saude.pt

Leia mais

HEMATOLOGIA. Resposta às reclamações à chave da Prova Nacional de Seriação Internatos Médicos IM2011-A e IM2011-B

HEMATOLOGIA. Resposta às reclamações à chave da Prova Nacional de Seriação Internatos Médicos IM2011-A e IM2011-B HEMATOLOGIA Resposta às reclamações à chave da Prova Nacional de Seriação Internatos Médicos IM2011-A e IM2011-B Pergunta 1 do teste branco (21 do teste azul, 81 do teste amarelo) Relativamente à eritropoiese,

Leia mais

CATARINA MARIA SOUSA MAIA

CATARINA MARIA SOUSA MAIA LEUCEMIA NO CÃO Relatório Final de Estágio Licenciatura em Medicina Veterinária CATARINA MARIA SOUSA MAIA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VILA REAL, 2008 Júri de Apreciação Presidente: 1º Vogal:

Leia mais

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Fase pré - analítica Recepção e cadastro - Nome do Exame Indicação do exame papel do

Leia mais

Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos

Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos Tradução Voluntária: Gisela Cristina Lopes Revisão: Sílvia R Brandalise e Carmen C M Rodrigues Centro Infantil Boldrini Novembro

Leia mais

Normocítica, normocrómica VGM 80-95 fl CHGM > 30 g/dl. Deficiências múltiplas. Falha medular (pósquimioterapia, por carcinoma,..

Normocítica, normocrómica VGM 80-95 fl CHGM > 30 g/dl. Deficiências múltiplas. Falha medular (pósquimioterapia, por carcinoma,.. Patologia de eritrócito PATOLOGIA DO ERITRÓCITO - ANEMIAS: Quadro resumo Microcítica, hipocrómica VGM < 80 fl CHGM < 30 g/dl Deficiência de ferro Talassemia Anemia das doenças crónicas (alg. casos) Envenenamento

Leia mais

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 A respeito do diagnóstico do Mieloma Múltiplo, qual entre as alternativas não representa um critério de diagnóstico? A) Componente M na Urina. B) Cálcio sérico >12mg/dl.

Leia mais

A LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA E O USO DO MESILATO DE IMATINIBE EM SEU TRATAMENTO. Nathália Lopez Duarte. Rio de janeiro

A LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA E O USO DO MESILATO DE IMATINIBE EM SEU TRATAMENTO. Nathália Lopez Duarte. Rio de janeiro A LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA E O USO DO MESILATO DE IMATINIBE EM SEU TRATAMENTO Nathália Lopez Duarte Rio de janeiro Dezembro de 2005 Por: Nathália Lopez Duarte A LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA E O USO DO MESILATO

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Médico Hematologista Clínico

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Médico Hematologista Clínico Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014 Médico Hematologista Clínico Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 09 de fevereiro de 2014 Nível Superior Médico Hematologista Clínico

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. POLYDORO ERNANI SÃO THIAGO SUÉLEN SANT`ANNA RODRIGUES ANÁLISE RETROSPECTIVA DAS CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E LABORATORIAIS DOS PACIENTES

Leia mais

UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE RENY LOPES CUNHA LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA EM INDIVÍDUOS ADULTOS JOVENS

UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE RENY LOPES CUNHA LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA EM INDIVÍDUOS ADULTOS JOVENS UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE RENY LOPES CUNHA LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA EM INDIVÍDUOS ADULTOS JOVENS Governador Valadares 2011 1 RENY LOPES CUNHA LEUCEMIA LINFOCÍTICA AGUDA EM INDIVÍDUOS ADULTOS

Leia mais

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS Estratégias Atuais e Importância no Contexto do TMO JAÚ 02/07/2011 Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA

Leia mais

Síndromes mielodisplásicas e mielodisplásicas/mieloproliferativas

Síndromes mielodisplásicas e mielodisplásicas/mieloproliferativas REVISTA BRASILEIRA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA Artigo Especial / Special Article Síndromes mielodisplásicas e mielodisplásicas/mieloproliferativas Myelodysplastic syndromes and diseases with myelodysplastic

Leia mais