Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor."

Transcrição

1 Este material foi desenvolvido especialmente para a disciplina Gestão da TI ministrada no curso de graduação em Sistemas de Informação da AES (Academia de Ensino Superior). Algumas imagens são de domínio público e foram obtidas através da Internet. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor. Gestão da TI Curso: Prof.: Sistemas de Informação Luis Claudio dos Santos, M.Sc. A ITIL é marca registrada da OGC. OGC é uma marca registrada do Office of Government Commerce. IT Infrastructure Library é uma marca registra pela CCTA. itsmf é uma marca registrada do IT Service Management Forum Ltda

2 Controle de Alterações Versão /03/2008 Versão resumida e sem revisão do texto. Apenas como primeira leitura para relembrar notas de aula. Contém apenas Introdução, Central de Serviço e Livro de Suporte. Versão /03/2008 Versão completamente revisada definitiva para estudo. Contém todo o conteúdo necessário para estudar para a prova: Introdução à ITIL, Processos de Suporte a Serviços e Processos de Entrega de Serviços. ATENÇÃO Esta é uma versão resumida do conteúdo completo somente para efeitos didáticos. Não é recomendado utilizar somente este material a fim de preparação para a certificação ITIL. 2

3 Sumário 1. INTRODUÇÃO Terminologia Básica CENTRAL DE SUPORTE Objetivos Os Processos de Suporte GERENCIAMENTO DE INCIDENTES (Incident Management) Objetivos Entradas, Atividades e Saídas Indicadores de Desempenho (KPIs) GERENCIAMENTO DE PROBLEMAS (Problem Management) Objetivos Entradas, Atividades e Saídas Indicadores de Desempenho (KPIs) GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS (Change Management) Objetivos Entradas, Atividades e Saídas Indicadores de Desempenho (KPIs) GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO (Release Management) Objetivos Entradas, Atividades e Saídas Indicadores de Desempenho (KPIs) GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO (Configuration Management) Objetivos Entradas, Atividades e Saídas Indicadores de Desempenho (KPIs) Os Processos de Entrega de Serviços Gerenciamento do Nível de Serviço (Service Level Management) Objetivos Entradas, Atividade e Saídas Indicadores de Desempenho (KPIs) Gerenciamento da Disponibilidade (Avaiability Management)

4 12.1. Objetivos Entradas, Atividades e Saídas Indicadores de Desempenho Gerenciamento da Capacidade (Capacity Management) Objetivos Entradas, Atividades e Saídas Indicadores de Desempenho Gerenciamento da Continuidade (Continuity Management) Objetivos Entradas, Atividades e Saídas Gerenciamento Financeiro da TI Objetivos Indicadores de Desempenho ANEXOS Matriz Impacto versus Prioridade Indicadores de Desempenho (KPI) Ciclo PDCA TNEF, TMPR e TMIS Qualidade de Serviço

5 1. INTRODUÇÃO A ITIL se refere a um conjunto de boas práticas de TI que pode ser adaptado para as necessidades de cada empresa. A ITIL é escalável, ou seja, pode ser aplicada a qualquer tipo de empresa independente de seu tamanho. A razão principal da adoção de boas práticas é a construção e adoção de processos visando melhoria contínua. No caso da ITIL o foco é a criação de processos de Gerenciamento dos Serviços de TI. Os processos descritos na ITIL estão em conformidade com o British Standards Institution s Code of Practice for IT Service Management, de onde a ITIL foi baseada. O OGC (Office of Government Commerce) é o mantenedor da ITIL e o itsmf é o fórum homologado pelo OGC para discutir as melhores práticas e fomentar o crescimento da ITIL em todo o mundo. A versão 2 da ITIL foi finalizada e divulgada no ano de 2000 e é composta por 07 livros. Neste curso, vamos estudar apenas 02 destes livros, que são os livros: Suporte a Serviços (Service Support) e Entrega de Serviços (Service Delivery). O livro de Suporte contém processos de nível OPERACIONAL e o livro de Entrega contém processos de nível TÁTICO. A imagem abaixo representa os 07 livros da ITIL e demonstra que os livros de suporte e entrega são livros relacionados ao Gerenciamento de Serviços em TI (Service Management) que, como já dissemos, é foco principal da adoção dos processos da ITIL. 5 Os processos Operacionais contidos no livro de Suporte são:

6 Gerenciamento de INCIDENTES; Gerenciamento de PROBLEMAS; Gerenciamento de MUDANÇAS; Gerenciamento de LIBERAÇÃO; Gerenciamento da CONFIGURAÇÃO. Os processos Táticos contidos no livro de Entrega são: Gerenciamento de NÍVEL DE SERVIÇO; Gerenciamento de CONTINUIDADE; Gerenciamento de CAPACIDADE; Gerenciamento de DISPONIBILIDADE; Gerenciamento FINANCEIRO DA TI. Atualmente a TI possui vários desafios. Um dos principais é o alinhamento dos serviços prestados pela TI com as necessidades do negócio. A TI precisa entender de negócios para poder tomar decisões de investimentos levando em conta os objetivos estratégicos da empresa. Qualquer esforço relacionado à Tecnologia da Informação deve gerar bons resultados para o negócio. Por outro lado, aumenta cada vez mais a dependência dos negócios com relação à TI. Se alguns serviços prestados pela TI param, muitas operações da empresa também acabam parando. Óbvio que isso pode variar de negócio para negócio, mas, quanto mais moderno e lucrativo o negócio se torna, mais ele depende de tecnologias e, como conseqüência, mais ele depende da própria TI. 6 Outro fator importante é que o ambiente de TI vem se tornando cada vez mais complexo. O número de soluções, produtos e fornecedores aumenta a cada dia, fazendo com que a vida do gestor de TI se complique. A redução de custos também é sempre uma necessidade. Se por um lado o ambiente fica cada vez mais complexo, as organizações dependem cada vez mais da TI e o investimento em TI precisa sempre gerar retorno, por outro, a redução de custos sempre é mencionada! Ou seja, a TI precisa ter meios para justificar seus investimentos. Manter a segurança sobre as Informações também possui grande relevância para os gestores de TI e a organização proposta pela ITIL possui efeitos diretos de curto prazo relacionados à segurança da informação, assim como efeitos indiretos de médio e longo prazo. No mínimo, haverá um ambiente mais controlado onde qualquer nova implementação visando segurança será mais facilmente incorporadas ao ambiente. Finalmente, a conformidade com leis e regulamentos no século XXI tem sido um dos maiores impulsionadores das boas práticas em qualquer área. Construir e manter processos exige muito esforço. As vantagens e razões que justificam tal investimento nem sempre são claras na cabeça de diretores e presidentes. Algumas leis, como a Sarbanes

7 Oxley, a Basiléia, etc, têm cumprido um papel importante no sentido de regular e acelerar a adoção de normas e boas práticas no ambiente de TI. A ITIL se tornou padrão de fato e é utilizada por mais empresas em todo o mundo. Ela é composta por um conjunto de processos vistos como um consenso na área de TI já testados e aprovados por várias empresas. Os processos da ITIL são compatíveis com a norma ISO de Gerenciamento de Serviços de TI criada em dezembro de A ISO é voltada para empresas prestadoras de serviços, que tem como foco avaliar a conformidade dos processos da empresa com as práticas sugeridas. 2. Terminologia Básica Alguns termos merecem esclarecimento, pois deverão ser utilizados ao longo do curso de acordo com o que é definido na ITIL. Ressalte se que o que está no livro da ITIL é o padrão de mercado aceito mundialmente. A ITIL é um conjunto de livros que contém boas práticas. Boas práticas são práticas já testadas e aceitas no mercado como o melhor caminho a ser seguido para se ter sucesso em uma determinada área. As boas práticas são recomendações, não exigências. Uma norma, por exemplo, contém requisitos que devem ser seguidos em sua totalidade. A ITIL não é uma norma. Um exemplo de norma relacionada a Gerenciamento de Serviços de TI é a norma ISO Ela contém mais de 150 requisitos que devem ser seguidos, todos, pelas empresas certificadas. Outro exemplo, é a norma ISO Um processo é um conjunto de atividades executadas sequencialmente de acordo com procedimentos estabelecidos pela organização com o objetivo de gerar um ou mais resultados as saídas a partir de uma ou mais necessidades geradas pela organização as entradas. 7 ENTRADA SAÍDA Figura 1: Exemplo de processo com 05 atividades intermediárias. A figura acima representa um processo genérico que, para gerar a saída desejada a partir de uma entrada, necessita de 05 atividades. Cada atividade é desenvolvida seguindo procedimentos definidos pela organização. E qual é o objetivo de se adotar um processo em qualquer área? Buscar a melhoria contínua. Adotar processos permite à empresa padronizar a forma de se trabalhar, pois a empresa moderna precisa depender de processos e não de pessoas.

8 Através dos processos, a empresa poderá se tornar mais eficiente. Eficiência é fazer o que deve ser feito de uma maneira melhor (em menos tempo, consumindo menos recursos, etc). Eficácia é simplesmente fazer o que deve ser feito. Considere o exemplo de dois alunos que tiram 10 em uma prova. O aluno A estudou 02 horas em casa e o aluno B precisou estudar 10 horas. Ambos foram plenamente eficazes, pois resolveram todas as questões, mas o aluno A foi muito mais eficiente que o aluno B. Um processo será mais ou menos eficiente dependendo das atividades que contiver e das regras associadas a tais atividades. O aluno B poderá notar que uma atividade importante que falta em seu processo é: Assistir às aulas. Alguns procedimentos associados a esta atividade podem ser: Prestar atenção ao que o professor fala. ; Fazer anotações. ; Fazer perguntas para esclarecer dúvidas. ; etc. Por outro lado, o que acontece se não há processos na empresa? Cada pessoa trabalha da forma que acha ser correto e cada um terá o seu método mais correto que nem sempre será o melhor método para a empresa. Outra definição importante é a definição de usuário e de cliente. Usuários são aqueles que utilizam o serviço e clientes são aqueles que pagam pelo serviço. No caso de um pet shop, o usuário pode ser um cão ou um gato, mas o cliente será o dono do animal. No nosso caso de TI, nem sempre o cliente é o usuário em si. 8

9 3. CENTRAL DE SUPORTE 3.1. Objetivos A Central de Suporte não é um processo da ITIL. Ela é uma função desempenhada por uma ou mais pessoas. Um exemplo de Central de Suporte é o Call Center existente em muitas organizações com foco em receber e registrar chamadas telefônicas de usuários. O maior objetivo da Central de Suporte é implantar um ponto único de contato entre os usuários e o provedor de TI. A ITIL usa o termo SPOC (Single Point of Contact) para designar este ponto que é, na verdade, um número de telefone 0800, um de suporte, uma página de abertura de chamado que pode ser acessada via browser, etc. No curto prazo, a adoção do SPOC deve gerar reatividade por parte dos usuários, mas, a médio e longo prazo, irá gerar maior eficiência na prestação de serviços. A implantação da Central de Suporte é o primeiro passo dentro de um projeto de práticas para Gerenciar os Serviços de TI com base na ITIL. Sem a central, é impossível implantar os processos essenciais do livro de suporte da ITIL (Problemas, Incidentes, Mudanças, Liberação e Configuração). 9 Alguns objetivos secundários da Central de Suporte são: Ser o ponto único de acesso entre o usuário e o provedor de TI (SPOC); Registrar todos os incidentes; Dar suporte à implantação do processo de Gerenciamento de Incidentes; Dar suporte à implantação de outros processos da ITIL. O processo de Gerenciamento de Incidentes é o primeiro processo implementado dentro da central. Dependendo do porte da empresa, a central pode se chamar: o Central de Chamados (Call Center): atende a um grande volume de chamados sem, necessariamente, prestar algum suporte inicial (o processo de Gerenciamento de Incidentes não é implementado dentro dela); o Central de Suporte (Help Desk): integra o processo de Gerenciamento de Incidentes com foco em resolver incidentes básicos prestando o suporte de 1º ou de 2º nível; o Central de Serviços (Service Desk): integra outros processos além do Gerenciamento de Incidentes.

10 As pessoas que trabalham na central precisam ter habilidades de relacionamento interpessoal, tais como ser paciente, comunicativo, assertivo e empático a fim de lidar diretamente com o usuário. Obviamente, dependendo do caso, também será necessário possuir conhecimento técnico especializado (equipes de suporte de 2º e 3º níveis). Para o suporte de 1º nível, as habilidades interpessoais não técnicas são essenciais e mais importantes que o conhecimento técnico, haja visto que o suporte inicial prestado se resumirá a aplicar soluções de contorno conhecidas e simples ou atender a requisições de serviços tais como responder a dúvidas administrativas dos usuários, alterar informações de cadastro, etc. 10

11 4. Os Processos de Suporte Costuma se dizer que estes são processos OPERACIONAIS. O principal objetivo deles é restabelecer a operação do serviço o mais rapidamente possível para o usuário. 11

12 5. GERENCIAMENTO DE INCIDENTES (Incident Management) 5.1. Objetivos Este processo tem como objetivo restaurar o serviço o mais rápido possível prestando suporte inicial de 1º, 2º ou 3º nível (depende do porte da empresa) aplicando uma solução de contorno conhecida durante o primeiro contato do usuário, se possível Entradas, Atividades e Saídas A principal entrada deste processo é o chamado do usuário relacionado à indisponibilidade total ou parcial de um serviço. A principal saída é o incidente contornado a partir da aplicação de uma solução de contorno conhecida e a aprovação do usuário com relação ao seu restabelecimento. É importante ressaltar que é o usuário quem fecha o incidente. GERENCIAMENTO DE INCIDENTES Usuário acessa a central de serviço através do SPOC. Detecção do Incidente; Registro de Incidente; Classificação; Priorização; Suporte Inicial (1º, 2º nível, etc); Restauração do Serviço; Fechamento. Incidente Geração de 12 Este processo é normalmente é implantado dentro da própria central de suporte. Vale ressaltar que o gerenciamento de incidentes é um processo REATIVO, ou seja, busca soluções de contorno para incidentes de acordo com as requisições dos usuários. O resultado principal da adoção deste processo é fazer com que pequenos incêndios do dia a dia de TI sejam contornados rapidamente sem o envolvimento da equipe de TI de mais alto nível. O termo formal utilizado pela ITIL é Incidente. Qual seria a diferença entre incidente e problema? Para a ITIL, ambas são ocorrências que causam interrupção total ou parcial do serviço. Porém, o incidente possui uma solução de contorno conhecida e o problema não. O que acontece se há muitos incidentes e recursos limitados para resolver? Vimos que uma das atividades deste processo é a priorização. Ao priorizar os incidentes, a equipe poderá ordenar o agendamento da solução, principalmente nos casos em que o incidente necessitar de alguma atuação de 2º ou 3º nível.

13 O procedimento relacionado ao cálculo da prioridade está relacionado à combinação de dois fatores: impacto * Urgência. Prioridade = Impacto * Urgência. Impacto = é o efeito do incidente no negócio; Urgência = tempo máximo para que o incidente seja resolvido Indicadores de Desempenho (KPIs) Número de incidentes, por área de negócio, departamento, natureza, etc; Quantidade de incidentes resolvidos por operador; Porcentagem de incidentes resolvidos usando a BDGC. 13

14 6. GERENCIAMENTO DE PROBLEMAS (Problem Management) 6.1. Objetivos Podemos dizer que há dois objetivos principais neste processo. Na verdade, muitos dizem que o processo de gerenciamento de problemas se divide em dois subprocessos que podem ser definidos de acordo com estes dois objetivos: 1º Encontrar a causa raiz de problemas; 2º Gerenciar o erro conhecido relacionado à causa encontrada Entradas, Atividades e Saídas A principal entrada é o registro de um problema na BDGC gerado por um incidente cuja solução de contorno não é conhecida. A principal saída é uma requisição de mudança na configuração da infra estrutura de TI. Problema reportado. GERENCIAMENTO DE PROBLEMAS Registro de Problema; Classificação; Priorização (urgência versus impacto); Identificação da causa raiz do problema; Gerar requisição de mudança (erradicar); Ação proativa evitando recorrência dos mesmos incidentes; Ação proativa evitando recorrência dos mesmos problemas. Erro aceito. Requisição de 14 Não há como implantar o gerenciamento de problemas, sem que antes o processo de gerenciamento de incidentes tenha sido implantado. A qualidade das informações geradas durante o tratamento inicial do incidente será decisiva para a agilidade do processo de identificação da causa raiz. Investigação da Causa Raiz: A entrada deste sub processo é o registro de um problema vindo do processo de gerenciamento de incidente. A saída deste sub processo é a causa raiz identificada. Controle de Erros: A entrada deste sub processo é um erro identificado, ou seja, a causa raiz descoberta passa a ser vista agora como um erro conhecido na infraestrutura. A saída deste sub processo é uma requisição de mudança (RDM) na infraestrutura. Neste ponto, o processo de gerenciamento de problema ativa o processo de gerenciamento de mudança.

15 O gerenciamento de problema deve ser tanto REATIVO quanto PROATIVO. No início, este processo tende a ser muito mais reativo, apenas atendendo aos problemas gerados pelos incidentes que deram entrada na central de suporte. Com o amadurecimento dos processos, cada vez menos incidentes e problemas serão gerados. Com isso, a equipe de gerenciamento de problemas começará a ter tempo de agir de forma proativa buscando identificar os fatores que geram a recorrência de problemas e incidentes e os eliminando. Ou seja, pode se dizer que este processo começa na proporção 80% reativo e 20% proativo e, com o tempo, se aproxima cada vez mais da proporção 20% reativo e 80% proativo. Figura 2: Incidente, que gera um problema, que gera um erro conhecido. ATENÇÃO Um incidente não vira um problema. Ele pode gerar um problema. São registros diferentes na BDGC, porém relacionados Indicadores de Desempenho (KPIs) Número de problemas por estado, classificação, priorização, etc; Ralação do esforço reativo versus esforço proativo da equipe; Tempo médio para encontrar causa raiz de problemas; Número de Requisições de Mudança geradas pelo Controle de Erros; Tempo para solução de problemas versus tempo estimado. 15

16 7. GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS (Change Management) 7.1. Objetivos Gerenciar todas as mudanças na configuração da infra estrutura de TI que possam impactar a habilidade do provedor de TI em prestar serviços Entradas, Atividades e Saídas A principal entrada é uma requisição de mudança que pode vir do processo de Gerenciamento de Problemas ou de qualquer outro processo. A principal saída é a aprovação da mudança ou um relatório do Comitê de Mudança. GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS Requisição de Mudança. Registro; Classificação (menor, normal, significativa ou urgente); Priorização (urgência versus impacto); Autorização (avaliação pelo Comitê de Mudança); Elaboração do Plano de Desenvolvimento; Elaboração do Plano de Back Out (retroceder); Revisão e Avaliação. Mudança aprovada. Relatório do Comitê de Mudança. 16 Muitas vezes a indisponibilidade está relacionada a alguma mudança realizada de forma inadequada ou não planejada. Isso acontece porque as mudanças nos levam de um estado atual conhecido (operacional) a um estado desconhecido para o qual temos apenas projeções, expectativas, probabilidades, etc, mas nenhuma certeza. O processo de gerenciamento de mudança tenta diminuir ao máximo os riscos associados de se levar a TI para a nova configuração desejada no estado pretendido. Figura 3: Processo de mudança nos faz mudar para um estado desconhecido. Vale ressaltar que o processo de gerenciamento de mudanças é responsável apenas por decidir e coordenar as mudanças. Ele não tem como objetivo executar a mudança propriamente dita. A execução será realizada por uma equipe técnica

17 responsável pela área da mudança (área de redes, desenvolvimento, etc) dentro do processo de liberação. Mudanças muito simples, tais como alteração de senha, de login, etc, não devem fazer parte do escopo deste processo, pois isso seria altamente ineficiente. Dentro deste processo, alguns termos utilizados são: o RDM Requisição de Mudança (ou RFC Request for Change): É a documentação com os detalhes da mudança solicitada; o PFM Programação de Mudança Futura (ou FSC Foward Schedule of Changes): É a agenda de mudanças aprovadas cuja implementação está programada para uma data futura (dependendo de disponibilidade de orçamento, sincronização de disponibilidade da equipe, etc). Este processo se relaciona diretamente com o processo de gerenciamento da liberação, pois a saída do processo de mudança (caso aprovada) é a entrada para o processo de liberação. Algumas mudanças significativas implicam grandes orçamentos, prazos relativamente longos e escopos muito abrangentes. Nestes casos, a ITIL recomenda que as mudanças sejam tratadas como um projeto na organização. Assim como existem os frameworks de boas práticas em gerenciamento de serviços de TI (como a ITIL), existem frameworks de boas práticas para gerenciamento de projetos. 17 O maior exemplo na atualidade é o livro denominado PMBOK (Project Management Body of Knowledge) do PMI (Project Management Institute). O PMI confere a certificação PMP (Project Management Professional) a profissionais que comprovem pelo menos horas em atividades de gerenciamento de projetos e que sejam aprovados na prova de certificação Indicadores de Desempenho (KPIs) Número de requisições de mudanças autorizadas; Número de incidentes relacionados com uma mudança; Número de requisições de mudanças urgentes; Número de requisições de mudanças normais; Número de requisições de mudanças para correção de erro; Número de requisições de mudanças para melhoria na infra estrutura; Etc.

18 8. GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO (Release Management) 8.1. Objetivos Executar a liberação (roll out) das mudanças aprovadas pelo Gerenciamento de Mudanças na infra estrutura de TI, principalmente aquelas relacionadas a novas versões de softwares Entradas, Atividades e Saídas A principal entrada é a aprovação de uma mudança relacionada a softwares vinda do processo de Gerenciamento de Mudanças. A principal saída é a mudança implementada na infra estrutura de TI da organização. GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO Mudança aprovada. Planejamento da Liberação; Desenvolvimento (aquisições, etc); Construção; Teste em ambiente não operacional; Aprovação; Planejamento de Implantação (Roll Out); Comunicação, Preparação e Treinamento; Distribuição e Instalação. Mudança liberada na infra estrutura. 18 Este processo é alimentado pelo processo de gerenciamento de mudanças. O relacionamento entre ambos os processos é tão estreito que muitos dizem que ambos deveriam ser tratados como um só processo. Juntamente com o processo de mudanças, o processo de liberação protege o ambiente de produção. A pressão por realizar mudanças rápidas no ambiente de TI é sempre muito grande. Diariamente surgem promessas de novas soluções, novos produtos, etc, que prometem fazer milagres pela empresa. A maior preocupação do provedor de TI é realizar as mudanças que gerem valor ao negócio sem causar impacto negativo nos serviços. A empresa deve evoluir sem degradar os serviços ou problemas operacionais maiores devido a erros de projeto, excessos de expectativas, promessas infundadas, investimentos desnecessários, etc. As liberações irão alterar a configuração do ambiente de TI. Todas as alterações deverão se refletir na BDGC, que possui uma representação lógica de toda a configuração do ambiente de TI da organização.

19 No processo de liberação, alguns termos são utilizados: o BSD Biblioteca de Software Definitivo (ou DSL Definitive Software Library). É o local onde são armazenadas as cópias físicas de softwares autorizados; o DHD Depósito de Hardware Definitivo (ou DHS Definitive Hardware Store). É o local onde são armazenados os componentes de hardware em estoque Indicadores de Desempenho (KPIs) Número de liberações implantadas no prazo e orçamento previstos; Número de liberações que resultaram em retrocesso (back out); Número de inconsistências encontradas na BDGC em auditoria; Número de inconsistências encontradas na BDS ou no DHD em auditoria. 19

20 9. GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO (Configuration Management) 9.1. Objetivos Criar e manter a base de dados de gerenciamento da configuração, a BDGC, que é um modelo lógico da infra estrutura de TI de uma organização Entradas, Atividades e Saídas As principais entradas são a necessidade de se inserir novos registros de Itens de Configuração ou mudanças de estados destes itens (ativo, estoque, etc), gerados principalmente pelo processo de controle de mudanças e liberação. A principal saída é a BDGC atualizada. Projeto Inicial Mudança Liberação GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO Planejamento do Escopo; Definição do Nível de Detalhamento; Identificação de Itens de Configuração; Construção e Alimentação da BDGC; Controle de Estado (ativo, estoque, manutenção, aposentado, etc); Acompanhamento e Auditoria. BDGC B S D D H D 20 Este processo é um processo que suporta todos os outros processos e gera informações utilizadas por eles. É inadmissível se pensar em implantar os processos de gerência de incidentes ou gerência de problema, por exemplo, sem implantar a gerência da configuração. O mesmo vale para todos os outros processos. É extremamente necessário que seja utilizada uma ferramenta com funcionalidades que permitam a interação com um banco de dados e o estabelecimento de relações entre os ICs. Esta ferramenta não é apenas uma ferramenta de inventário de hardware ou de software. ATENÇÃO O principal benefício de ferramentas utilizadas para dar suporte aos processos baseados na ITIL é a capacidade de estabelecer relações entre os diversos ICs.

21 Os relacionamentos entre ICs existentes na BDGC permitirá encontrar respostas rápidas para questões como: Qual o valor total investido nos PCs em operação na empresa? Quantas vezes um determinado tipo de incidente aconteceu na empresa? Qual o tempo médio para solucionar um incidente de um determinado tipo? Qual dia da semana há mais registro de incidentes? Um determinado serviço depende de quais itens de configuração? Etc. A combinação destas informações irá gerar o conhecimento necessário para que os responsáveis pelo negócio possam tomar decisões estratégicas. O processo de mudança protege a BDGC contra registros redundantes, inconsistência ou falta de informações. Em pequenas ou médias organizações, a função do gerente da configuração, de mudança e de liberação poderá até ser executada pela mesma pessoa. O termo baseline é usado para definir um estado instantâneo da BDGC. Funciona como uma fotografia de um estado da configuração do ambiente de TI em um dado instante que pode servir para reparar uma configuração operacional anterior quando uma mudança implementada for mal sucedida. A BDGC contém a representação lógica de toda a configuração da operação da TI em uma empresa. Esta base de dados é denominada BDGC (Base de Dados de Gerenciamento da Configuração). Os itens armazenados na BDGC são denominados Itens de Configuração (ICs). 21 Exemplos de itens de configuração são: A descrição de um hardware ou software utilizado por um usuário; Um serviço prestado pelo provedor de TI; Informações sobre os usuários, clientes e fornecedores; Informações sobre um incidente ou problema registrado. Etc. ATENÇÃO Não confundir os itens da BSD e da DHD com item de configuração (ICs). Um item de configuração é uma informação lógica armazenada na BDGC. A BSD e o DHD são locais físicos (uma sala ou depósito) que contêm itens físicos (CDs, manuais, componentes de) Indicadores de Desempenho (KPIs) Número de incidentes gerados por inconsistência de informações; Número de problemas gerados por inconsistência de informações; # de inconsistências encontradas na BDGC; Etc.

22 10. Os Processos de Entrega de Serviços Costuma se dizer que estes são processos TÁTICOS. Os processos de entrega procuram manter o melhor equilíbrio entre o esforço e o custo envolvidos na entrega dos serviços com respeito a itens como qualidade, disponibilidade, etc. 22

23 11. Gerenciamento do Nível de Serviço (Service Level Management) Objetivos O principal foco deste processo é assegurar a qualidade dos serviços prestados pela área de TI a um custo aceitável para o negócio. Ele forma o vínculo necessário entre as expectativas dos usuários e clientes e os resultados que o provedor de TI é capaz de entregar Entradas, Atividade e Saídas A principal entrada deste processo é a demanda dos usuários por maior qualidade nos serviços prestados. As principais saídas são o catálogo de serviços, com os indicadores devidos, e o nível de serviço implementado. Requisição de Nível de Serviço GERENCIAMENTO DO NÍVEL DE SERVIÇO Identificação de demanda; Definição do catálogo de serviços; Negociação dos acordos; Monitoração dos níveis de serviço; Revisão. Catálogo de Serviço Nível de Serviço Implementado 23 O processo de gerenciamento de nível de serviço utiliza como ferramentas principais: ANSs Acordos de Nível de Serviço (SLA Service Level Agreement) Os ANS s permitem que o provedor de TI e o cliente decidam sobre que serviços devem ser fornecidos, sobre a disponibilidade necessária e sobre os custos. Estes níveis devem ser mensuráveis para que se possa verificar o cumprimento ou não do acordo. ANO Acordos de Nível Operacional Alguns serviços de TI dependem de outros serviços providos dentro da própria organização por outros departamentos. Acordos internos entre departamentos sobre a disponibilidade destes serviços rede estarão definidos em ANOs. Estes acordos são semelhantes aos ANS s, mas seu foco é voltado para dentro da organização de TI.

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor.

Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor. Este material foi desenvolvido especialmente para a disciplina Gestão da TI ministrada no curso de graduação em Sistemas de Informação da AES (Academia de Ensino Superior). Algumas imagens são de domínio

Leia mais

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

ITIL. Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br ITIL Fundamentos do Gerenciamento de Serviços de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Objetivo Prover uma visão geral sobre Gerenciamento de Serviços de TI: Conceito; Desafios; Estrutura; Benefícios;

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI

GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 8 GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes - ITIL. Prof. Rafael Marciano

Gerenciamento de Incidentes - ITIL. Prof. Rafael Marciano Gerenciamento de Incidentes - ITIL Prof. Rafael Marciano Conteúdo Objetivos Conceitos e Definições Atividades Indicadores Chaves de Desempenho Papéis Desafios Um pouco sobre a certificação ITIL Foundations

Leia mais

Sequência da Apresentação

Sequência da Apresentação Fernando Welter Orientador: Paulo Roberto Dias Sequência da Apresentação Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento do sistema Operacionalidade da implementação Resultados e discussões

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL v.3

Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame simulado B, versão 3.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Não existem perguntas capciosas.

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 ISO/IEC 20000:2005 Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 André Jacobucci andre.jacobucci@ilumna.com +55 11 5087 8829 www.ilumna.com Objetivos desta Apresentação

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

Gestão de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI)

Gestão de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI) Introdução ao ITIL ITIL de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI) Service-Desk de Configurações de Incidentes de Problemas de Alterações de Versões de Serviços

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI ITIL Overview Gestão de Serviços de TI Sobre a ILUMNA Atuando na área Gerenciamento de Serviços em TI (ITSM) desde 1997, a ILUMNA presta serviços de Consultoria, Educação e Tecnologia, com o objetivo de

Leia mais

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 Gerência de Níveis de Serviço Manter e aprimorar a qualidade dos serviços de TI Revisar continuamente os custos e os resultados dos serviços para garantir a sua adequação Processo

Leia mais

2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005

2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005 ITIL (IT Infrastructure Library) ITIL - Information Technology Infrastructure Library Uma Introdução 2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005 05/03/2005 GE-SP ITIL 1 Apresentadores Carlos Teixeira - Automidia

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL

GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Felipe Tanji Caldas GERENCIAMENTO DE INCIDENTES COM AS PRÁTICAS ITIL São Paulo 2011 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Felipe Tanji Caldas GERENCIAMENTO DE INCIDENTES

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Certificado de Profissional em Gerenciamento de Serviços: Liberação & Controle (baseado em ITIL )

Certificado de Profissional em Gerenciamento de Serviços: Liberação & Controle (baseado em ITIL ) Requisitos do Exame Certificado de Profissional em Gerenciamento de Serviços: Liberação & Controle (baseado em ITIL ) Data da Publicação 21-8-2007 Data de Início 1-12-2004 Grupo Alvo O Exame para o Profissional

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

Exame de Fundamentos ITIL v.3

Exame de Fundamentos ITIL v.3 Exame de Fundamentos ITIL v.3 Exame de Fundamentos ITIL v.3: Exame simulado A, versão 3.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Não existem perguntas capciosas.

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

ivirtua Solutions 4 ITIL

ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions ITIL WHITEPAPER ITIL INTRODUÇÃO O ITIL é o modelo de referência para endereçar estruturas de processos e procedimentos à gestão de TI, organizado em disciplinas

Leia mais

Introdução. A Travessia do Rio

Introdução. A Travessia do Rio Apresentação 1 Introdução A Travessia do Rio 2 Cenário atual / Motivação Processos de negócios mudando rapidamente; Infra-estrutura de TI complexa e em constante atualização; TRIPÉ: Qualidade Tempo Custo

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

MOD9 Processos de Transição de Serviços

MOD9 Processos de Transição de Serviços Curso ITIL Foundation MOD9 Processos de Transição de Serviços Service Transiction Professor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com 1 Curso ITIL Foundation Transição significa

Leia mais

Café da Manhã Corporativo

Café da Manhã Corporativo Café da Manhã Corporativo O ITIL como ferramenta de Governança de TI Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Especialista Newtrend em Governança de TI, é um profissional

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL

Gledson Pompeu 1. Cenário de TI nas organizações. ITIL IT Infrastructure Library. A solução, segundo o ITIL Cenário de TI nas organizações Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA

ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL V3 (aula 6) AGENDA: A VERSÃO 3 ESTRATÉGIA DO SERVIÇO DESENHO DO SERVIÇO TRANSIÇÃO DO SERVIÇO OPERAÇÃO DO SERVIÇO MELHORIA CONTÍNUA ITIL - Livros Estratégia de Serviços (Service Strategy): Esse livro

Leia mais

Fundamentos em Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Fundamentos em Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Módulo 1 Introdução Curso e-learning Fundamentos em Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material

Leia mais

Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa

Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa Canais: fpedrosa@gmail.com http://tinyurl.com/ycekmjv INMETRO - Infraestrutura - (CESPE 2009) 81 Gerenciamento de nível de serviço é uma forma de entrega

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente;

ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL ITIL - Por que surgiu? Dependências de TI; A qualidade, quantidade e disponibilidade de infra-estrutura de TI afetam diretamente; ITIL Mas o que gerenciar? Gerenciamento de Serviço de TI. Infra-estrutura

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Conceitos Básicos e Implementação Dataprev 2006 Analista de Banco de Dados 106 A aplicação de gerenciamento de níveis de serviço, por si só, garante a oferta de bons serviços.

Leia mais

Esta fase tem o propósito de planejar, gerenciar mudanças nos serviços e implantar liberações de serviços com sucesso no ambiente de produção.

Esta fase tem o propósito de planejar, gerenciar mudanças nos serviços e implantar liberações de serviços com sucesso no ambiente de produção. Governança de TI aula 11 Transição de Serviço Esta fase tem o propósito de planejar, gerenciar mudanças nos serviços e implantar liberações de serviços com sucesso no ambiente de produção. Os objetivos

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

Caderno de Exames Simulados - ITIL V3

Caderno de Exames Simulados - ITIL V3 EXAME SIMULADO ITIL V3 NÚMERO 1 01. Qual dos seguintes será beneficiado através do uso de um modelo da configuração? 1- Avaliação do impacto e causa de incidentes e problemas. 2- Avaliação do impacto de

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Grupo de Estudos ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM Rodrigo Pementa, ITIL Certified Daniel Andrade, ITIL Certified

Grupo de Estudos ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM Rodrigo Pementa, ITIL Certified Daniel Andrade, ITIL Certified Grupo de Estudos ITIL Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM Rodrigo Pementa, ITIL Certified Daniel Andrade, ITIL Certified Desafios das Organizações de TI Participar na solução dos problemas de negócio;

Leia mais

O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1

O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1 O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1 Exemplo de Relatório Velocidade na Resolução dos incidentes 97% 95% Qualidade na resolução dos incidentes 85%

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

EXIN IT Service Management Foundation based on ISO/IEC 20000

EXIN IT Service Management Foundation based on ISO/IEC 20000 Exame simulado EXIN IT Service Management Foundation based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

FUNDAMENTOS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI

FUNDAMENTOS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI FUNDAMENTOS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TI SUMÁRIO Visão Geral... 5 1. Introdução... 6 Introdução ao Cenário...6 Introdução a ITIL...8 Organizações envolvidas com a ITIL...9 Os Livros da ITIL...12

Leia mais

ITIL V3 (aula 5) AGENDA: GERENCIAMENTO DE CAPACIDADE GERENCIAMENTO DE CONTINUIDADE GERENCIAMENTO FINANCEIRO

ITIL V3 (aula 5) AGENDA: GERENCIAMENTO DE CAPACIDADE GERENCIAMENTO DE CONTINUIDADE GERENCIAMENTO FINANCEIRO ITIL V3 (aula 5) AGENDA: GERENCIAMENTO DE CAPACIDADE GERENCIAMENTO DE CONTINUIDADE GERENCIAMENTO FINANCEIRO Gerenciamento de Capacidade Escopo Hardware Elementos de rede Periféricos Softwares Pessoas Quando

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SISTEMAS FÁBIO MAMORÉ CONDE

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SISTEMAS FÁBIO MAMORÉ CONDE ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SISTEMAS FÁBIO MAMORÉ CONDE MELHORES PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO (TI). PORTO VELHO RO 2008

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v3 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v3 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v3 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v3 Livros ITIL v3 Novos Conceitos Serviço de TI: Meio para entregar valor aos clientes propicia

Leia mais

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe 1 FANESE Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe ITIL V2 Service Support Aracaju, Setembro de 2009 EDUARDO DA PAIXÃO RODRIGUES LUCIELMO DE AQUINO SANTOS 2 ITIL V2 Service Support Trabalho de graduação

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE INCIDENTE GERENCIAMENTO DE PROBLEMA

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE INCIDENTE GERENCIAMENTO DE PROBLEMA ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE INCIDENTE GERENCIAMENTO DE PROBLEMA Padronizando Conceitos Risco: é a medida para um fator de incerteza Avaliação: considera a pior situação, no pior momento,

Leia mais

Unidade III. A primeira publicação foi no final dos anos 1990; a segunda versão ocorreu em 2000/2001, e a atual versão (3) foi lançada em 2007.

Unidade III. A primeira publicação foi no final dos anos 1990; a segunda versão ocorreu em 2000/2001, e a atual versão (3) foi lançada em 2007. Unidade III 3 INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY (ITIL) O ITIL (The IT Infrastructure Library) foi criado pela Agência de Telecomunicações e Computação do governo do Reino Unido (CCTA UK Government

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

SERPRO Serviço Federal de Processamento. Gerenciamento das Redes Locais no SERPRO. Jones Lamanna Tesser jones.tesser@serpro.gov.br

SERPRO Serviço Federal de Processamento. Gerenciamento das Redes Locais no SERPRO. Jones Lamanna Tesser jones.tesser@serpro.gov.br Capítulo 1 SERPRO Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: SERPRO Serviço Federal de Processamento de Dados www.serpro.gov.br Gerenciamento das Redes Locais no SERPRO. Jones Lamanna Tesser

Leia mais

Professor Edmir Braga Curso Técnico Informática Advice

Professor Edmir Braga Curso Técnico Informática Advice Professor Edmir Braga Curso Técnico Informática Advice SUMÁRIO Visão Geral... 4 1. Introdução... 5 Introdução ao Cenário... 5 Introdução a ITIL... 7 Organizações envolvidas com a ITIL... 8 Os Livros da

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Governança de TI ITIL v.2&3 Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento

Leia mais

IT Service Management Foundation based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation based on ISO/IEC 20000 Edição setembro 2011 Copyright 2011 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied or

Leia mais

Proposta de uma métrica para avaliação da gestão de serviços médicos baseada no modelo ITIL

Proposta de uma métrica para avaliação da gestão de serviços médicos baseada no modelo ITIL Proposta de uma métrica para avaliação da gestão de serviços médicos baseada no modelo ITIL Vidal Olavo Plessmann Gonçalves Márcia Ito Núcleo de Pesquisa em Ciências de Serviços (CiSe) - Centro Estadual

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

ITIL V3 (aula 8) AGENDA: REVISÃO FERRAMENTAS EXAME

ITIL V3 (aula 8) AGENDA: REVISÃO FERRAMENTAS EXAME ITIL V3 (aula 8) AGENDA: REVISÃO FERRAMENTAS EXAME Revisão dos livros - ITIL Incident Management (Gerenciamento de incidentes) reduzir o tempo de indisponibilidade (downtime) dos serviços Problem Management

Leia mais

Implementar as diretrizes de um

Implementar as diretrizes de um ITIL prático Boa e prática No fundo, o ITIL apenas formaliza e organiza as práticas já adotadas por bons gestores de TI. Conheça-as com exemplos. por Alex D. Paul CAPA tey teyoo sxc.hu Implementar as diretrizes

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Novembro - 2008 2 Referências

Leia mais

As Service Management Functions - SMFs

As Service Management Functions - SMFs As Service Management Functions - SMFs Última revisão feita em 13 de Setembro de 2007. Objetivo Estamos de volta com mais um artigo da nossa série, nesta sexta parte pretendo apresentar para vocês o conceito

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação Catálogo de Serviços Conceitos, Maturidade Atual e Desafios 2012 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Esta publicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

Grupo de Estudos ITIL. Service Support Service Desk Rodrigo Pementa, ITIL Certified Daniel Andrade, ITIL Certified

Grupo de Estudos ITIL. Service Support Service Desk Rodrigo Pementa, ITIL Certified Daniel Andrade, ITIL Certified Grupo de Estudos ITIL Service Support Service Desk Rodrigo Pementa, ITIL Certified Daniel Andrade, ITIL Certified Missão Facilitar a restauração dos Serviços de TI ao seu estado operacional normal com

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO Termo Descrição Ambiente de Desenvolvimento Ambiente onde propriamente são desenvolvidas e validadas pelo desenvolvedor as linhas de código implementadas.

Leia mais

Proposta. ISO 20.000 / 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ISO 20.000 / 2011 - Fundamentos

Proposta. ISO 20.000 / 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ISO 20.000 / 2011 - Fundamentos ISO 20.000 / 2011 Fundamentos Apresentação Executiva 1 O treinamento de ISO 20.000 Foundation tem como premissa fornecer uma visão geral da publicação da norma ISO/IEC 20000 capacitando o aluno a entender

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA 2 INTRODUÇÃO O processo de gerenciamento de problema busca eliminar, de forma permanente, os problemas e os incidentes repetitivos que afetam a

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Junho - 2008 Referências Acessos

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Proposta ITIL V3 HAND S ON. Apresentação Executiva. ITIL V3 Hand s ON

Proposta ITIL V3 HAND S ON. Apresentação Executiva. ITIL V3 Hand s ON ITIL V3 HAND S ON Apresentação Executiva 1 Os treinamentos de ITIL Hand s On, abordam os processos da gestão de serviços de TI do ITIL v3 e são recomendados e necessários, para quem quer ser tornar um

Leia mais

Grupo de Estudos ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM. Gerenciamento de Release

Grupo de Estudos ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM. Gerenciamento de Release Grupo de Estudos ITIL Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM Gerenciamento de Release Agenda Missão Descrição Conceitos básicos Principais Atividades Entradas / Saídas Diagrama do Processo Principais Benefícios

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais