Introdução aos Conversores CC-CC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução aos Conversores CC-CC"

Transcrição

1 INIUO E ELERÔNICA E POÊNCIA epartamento de Engenhara Elétrca Centro ecnológco UNIERIAE FEERAL E ANA CAARINA Introdução ao Converore CCCC Reponável pelo Etudo: Clóv Antôno Petry (INEP/EEL UFC) Orentador: Prof. Ivo Barb, r. Ing. (INEP/EEL UFC) Agoto/2 Caxa Potal 59, CEP: Floranópol C el. : (48) Fax: (48) Internet:

2 2 Índce ÍNICE... 2 INROUÇÃO FUNAMENO OBRE CONERORE CCCC CONEROR BUCK CONEROR BOO CONEROR BUCKBOO CONEROR FLYBACK (BUCKBOO IOLAO)... 7 CONEROR FORWAR (BUCK IOLAO) OPERAÇÃO EM MALHA FECHAA CONCLUÃO... 7 BIBLIOGRAFIA... 7

3 3 Introdução Nete trabalho apreentame o prncpa converore CCCC, com o objetvo de ntroduzr o etudante da dcplna de no etudo do converore CCCC, bem como do prncpa fundamento teórco envolvdo na concepção e anále dete converore. 2 Fundamento obre converore CCCC Converore CCCC ão tema formado por emcondutore de potênca operando como nterruptore, e por elemento pavo, normalmente ndutore e capactore que tem por função controlar o fluxo de potênca de uma fonte de entrada para uma fonte de aída. Na Fgura motrae o dagrama elétrco e a forma de onda da tenão de aída de um converor CCCC báco. o Ro o on Fgura Converor CCCC e forma de onda da tenão de aída. O ntervalo de comutação é defndo como: = F F é a freqüênca de comutação. Eta freqüênca tende a er a ma alta poível, dmnundo am o volume do elemento magnétco e capactvo do converor. A razão entre o ntervalo de comutação ( ) e o ntervalo de condução do nterruptor ( on ) é defndo por razão cíclca e dada por: = on A tenão méda na aída dete converor é calculada por: on on o = dt =

4 4 Uando = teme: on o = A relação entre a tenão de aída e a tenão de entrada é defnda por ganho etátco do converor e dada então por: = o Pelo gráfco motrado na Fgura 2 podee notar que a varação da tenão de aída com a razão cíclca é lnear.,75 o/,5,25,25,5,75 Fgura 2 Ganho etátco em função de. O na de comando do nterruptor podem er gerado com freqüênca de comutação fxa ou varável. Uma forma de gerar o na de comando com freqüênca fxa é atravé de modulação por largura de pulo (PWM). Na Fgura 3 motrae uma forma mple de realzar PWM. r Gerador de Rampa CC c g c on on Fgura 3 Exemplo de um crcuto PWM.

5 5 3 Converor Buck O converor Buck é um converor abaxador de tenão, caracterzado por ter entrada em tenão e aída em corrente. Na Fgura 4 motrae o dagrama elétrco do converor Buck. a Lo Co Ro o b Fgura 4 Converor Buck. A etapa de funconamento do converor Buck ão decrta a egur. a Etapa (, ): etá conduzndo. A corrente crcula por L o e pela aída. Neta etapa fornece energa para a aída e para a magnetzação do ndutor L o. 2 a Etapa (, () ): etá bloqueado. No ntante de abertura de o dodo entra em condução. A energa do ndutor é tranferda para a carga, to é, o ndutor é demagnetzado. A forma de onda da tenão ab é motrada na Fgura 5. ab Fgura 5 enão ab. Como a tenão méda obre o ndutor deve er nula, então: o = o = ab _ med = dt Na Fgura 6 motrae a varação da tenão de aída em função da razão cíclca para o converor Buck.

6 6,75 o/,5,25,25,5,75 Fgura 6 Ganho etátco em função de. A prncpa forma de onda do converor Buck ão motrada na Fgura 7. Lo o o ILo Io Co Fgura 7 Prncpa forma de onda do converor Buck. O converor Buck pode operar em trê modo de operação: º Condução Contínua: a corrente em L o não e anula durante um período de comutação; 2º Condução econtínua: a corrente em L o e anula a cada período de comutação; 3º Condução Crítca: a corrente em L o etá no lmar de e anular a cada período de comutação. A prncpa caracterítca do converor Buck ão: Pode apena dmnur a tenão na aída; A corrente de aída tem boa qualdade; A corrente na entrada é decontínua. Quetão: O converor Buck pode operar em carga??

7 7 4 Converor Boot O converor Boot é um converor elevador de tenão, caracterzado por ter entrada em corrente e aída em tenão. Na Fgura 8 motrae o dagrama elétrco do converor Boot. L Co Ro o Fgura 8 Converor Boot. A etapa de funconamento do converor Boot ão decrta a egur. a Etapa (, ): etá conduzndo. O ndutor L é magnetzado. A fonte fornece energa ao ndutor. 2 a Etapa (, () ): etá bloqueado. O dodo entra em condução. A fonte e o ndutor L fornecem energa à aída. A tenão na carga aumenta. A forma de onda da tenão obre o ndutor é motrada na Fgura 9. L (o) Fgura 9 enão obre o ndutor. Como a tenão méda obre o ndutor deve er nula, então: o dt = ( ) = ( ) o dt Na Fgura motrae a varação da tenão de aída em função da razão cíclca para o converor Boot.

8 8 75 o/ 5 25,25,5,75 Fgura Ganho etátco em função de. A prncpa forma de onda do converor Boot ão motrada na Fgura 7. Lo o o ILo Io Co Fgura Prncpa forma de onda do converor Boot. A prncpa caracterítca do converor Boot ão: Pode apena aumentar a tenão na aída; A corrente de aída é decontínua; A corrente na entrada tem boa qualdade. Quetão: O converor Boot pode operar em carga??

9 9 5 Converor BuckBoot O converor BuckBoot é um converor que pode operar como abaxador ou elevador de tenão, caracterzado por ter entrada em tenão e aída em tenão. Na Fgura 2 motrae o dagrama elétrco do converor BuckBoot. L Co Ro o Fgura 2 Converor BuckBoot. A etapa de funconamento do converor BuckBoot ão decrta a egur. a Etapa (, ): etá conduzndo. A fonte fornece energa para a magnetzação do ndutor L. 2 a Etapa (, () ): etá bloqueado. A energa do ndutor L é tranferda atravé do dodo para a aída. O ndutor L é demagnetzado. A forma de onda da tenão obre o ndutor é motrada na Fgura 3. L o Fgura 3 enão no ndutor. Como a tenão méda obre o ndutor deve er nula, então: o dt = ( ) = dt o Na Fgura 4 motrae a varação da tenão de aída em função da razão cíclca para o converor BuckBoot.

10 7,5 o/ 5 2,5,25,5,75 Fgura 4 Ganho etátco em função de. A prncpa forma de onda do converor BuckBoot ão motrada na Fgura 5. Lo ILo o Io ICo Co o o (o) Fgura 5 Prncpa forma de onda do converor BuckBoot. A prncpa caracterítca do converor BuckBoot ão: É um converor à acumulação de energa; Pode operar como elevador ou abaxador; A corrente de aída é decontínua; A corrente na entrada é decontínua. Quetão: O converor BuckBoot pode operar em carga??

11 6 Converor Flyback (BuckBoot olado) O converor Flyback é um converor dêntco ao converor BuckBoot, ma que apreenta olação galvânca entre a tenão de entrada e de aída. Na Fgura 6 motrae o dagrama elétrco do converor Flyback, bem como a eqüênca de pao para obter o converor Flyback do converor BuckBoot. BUCKBOO n:? L Co Ro Lpr Lec Co Ro? Qual a polardade do tranformador?? n: n: Lpr Lec Co Ro o Lpr Lec Co Ro o Fgura 6 Converor Flyback. A etapa de funconamento do converor Flyback ão decrta a egur. a Etapa (, ): etá conduzndo. A fonte fornece energa para a magnetzação do enrolamento prmáro do tranformador. O dodo etá reveramente polarzado. 2 a Etapa (, () ): etá bloqueado. A energa armazenada no tranformador é levada para a aída atravé do dodo. A forma de onda da tenão no prmáro do tranformador é motrada na Fgura 3. pr no Fgura 7 enão no prmáro. Como a tenão méda obre enrolamento prmáro do tranformador deve er nula, então: dt = ( ) n dt o

12 2 n o = Chamando ' n o = o teme: o ' = A tenão o é a tenão de aída referda ao lado prmáro. Na Fgura 8 motrae a varação da tenão de aída em função da razão cíclca para o converor Flyback. 7,5 o'/ 5 2,5,25,5,75 Fgura 8 Ganho etátco em função de. A vantagem do uo de um tranformador pode er vlumbrada atravé de um exemplo. uponhamo um converor BuckBoot com tenão de entrada de e tenão deejada na aída de 2. A razão cíclca nomnal era: o = 2 = 2 n = o,7 Eta razão cíclca é batante baxa para operação em malha fechada. Uando um tranformador, ou eja, um converor Flyback no lugar do converor BuckBoot podee ecolher a razão cíclca nomnal e em eguda adaptar a tenõe atravé da relação de tranformação. Ecolhendo então uma razão cíclca nomnal de,3 teríae: n n =,3 =,3 ' o = n ' o 42,86 = = = 3,57 o 2 42,86 A prncpa forma de onda do converor Flyback ão motrada na Fgura 9.

13 3 pr ec no o /n Ipr Iec no (/no) Fgura 9 Prncpa forma de onda do converor Flyback. A prncpa caracterítca do converor Flyback ão: É um converor à acumulação de energa; A aída é olada da entrada; Permte ajutar a razão cíclca de operação atravé da relação de tranformação; Poblta uar vára aída; Pode operar como elevador ou abaxador; A corrente de aída é decontínua; A corrente na entrada é decontínua. Quetão: O converor Flyback pode operar em carga??

14 4 7 Converor Forward (Buck olado) O converor Forward é um converor dêntco ao converor Buck, ma que apreenta olação galvânca entre a tenão de entrada e de aída. Na Fgura 2 motrae o dagrama elétrco do converor Forward, bem como a eqüênca de pao para obter o converor Forward do converor Buck. BUCK Lo Lo Co Ro Lpr Lec Co Ro Como elmnar a energa armazenada devdo à magnetzante?? Lde Lo Lde Lo Lpr Lec Co Ro Lpr Lec Co Ro empre tera corrente no enrolamento de demagnetzação!! de No ecundáro crculara uma corrente por!! Lde 2 Lo Lde 2 Lo Lpr Lec 3 Co Ro Lpr Lec 3 Co Ro o Fgura 2 Converor Forward. A etapa de funconamento do converor Forward ão decrta a egur. a Etapa (, ): etá conduzndo. A fonte fornece energa para a carga atravé do tranformador. O dodo 2 conduz e e 3 etão bloqueado. 2 a Etapa (, () ): etá bloqueado. O dodo 3 conduz a corrente da carga. O tranformador é demagnetzado atravé dodo, eta energa é devolvda para a fonte. A forma de onda da tenão no ndutor é motrada na Fgura 2. Lo /no o Fgura 2 enão no ndutor.

15 5 Como a tenão méda obre o ndutor deve er nula, então: ( ) o dt = o n n o = Chamando ' o = ' n o = o teme: dt A tenão o é a tenão de aída referda ao lado prmáro. Na Fgura 22 motrae a varação da tenão de aída em função da razão cíclca para o converor Forward.,75 o'/,5,25,25,5,75 Fgura 22 Ganho etátco em função de. A prncpa forma de onda do converor Forward ão motrada na Fgura 23. No ntante x a demagnetzação do tranformador etá completa. A prncpa caracterítca do converor Forward ão: É um converor de tranferênca dreta de energa; A aída é olada da entrada; Permte ajutar a razão cíclca de operação atravé da relação de tranformação; Poblta uar vára aída; Pode operar como abaxador, devdo apena à razão cíclca; A corrente de aída é de boa qualdade; A corrente na entrada é decontínua. Quetão: O converor Forward pode operar em carga??

16 6 pr ec de /n /n Ipr Iec Ide x Fgura 23 Prncpa forma de onda do converor Forward. 8 Operação em malha fechada Para manter a tenão de aída, ou corrente de aída, no valor deejado e ndependente da varaçõe do componente, da tenão de entrada e da carga, é neceáro operar o converor em malha fechada. Operar em malha fechada gnfca ajutar a razão cíclca para obter a tenão correta na aída empre que ocorrer alguma varação que poa devar a tenão de aída do valor correto, por exemplo, varação da carga. Na Fgura 24 motrae o converor Buck operando em malha fechada atravé da modulação por largura de pulo (PWM). O compenador deve er etudado conforme a aplcação e conforme a caracterítca de deempenho eperada do tema. Lo Co Ro o R R4 C2 R2 ref R3 g Fgura 24 Exemplo de converor em malha fechada.

17 7 9 Concluão Nete trabalho apreentarame o prncpa converore, como uma ntrodução ao etudo de converore CCCC. A etapa de funconamento, prncpa forma de onda, ganho etátco e prncpa caracterítca foram dcutdo. Para o converore olado motroue também a eqüênca de pao motrando a orgem da topologa. Apreentoue também o prncípo de funconamento de um tema em malha fechada. Bblografa [] BARBI, Ivo & MARIN, enzar Cruz. Converore CCCC Báco Não Iolado. Edção do Autore, Floranópol, C Bral, 2. [2] MELLO, Luz F. Perera de. Anále e Projeto de Fonte Chaveada. Edtora Érca, ão Paulo, P Bral, 976.

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

Conversor eletro-hidráulico I/H e válvula direcional WSR,

Conversor eletro-hidráulico I/H e válvula direcional WSR, Converor eletrohdráulco I/H e válvula dreconal WSR, tecnologa de atuadore para poconar clndro em turbocompreore Tecnologa conoldada O converor eletrohdráulco I/H e a válvula drecona WSR ão a olução econômca

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez apactores Prof. Ernesto F. F. Sumáro 1. Introdução 2. apactores 3. lassfcações de capactores 4. Especfcação de capactores 5. Assocação de capactores 6. Exercícos propostos Slde 2 1. Introdução apactor

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Estabilidade para Pequenas Perturbações e Dimensionamento de Estabilizadores. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores _

Estabilidade para Pequenas Perturbações e Dimensionamento de Estabilizadores. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores _ Etabldade para Pequena Perturbaçõe e Dmenonamento de Etablzadore Metrado em Engenhara Electrotécnca e de Computadore _ Dnâmca e Etabldade de Stema de Energa J. A. Peça Lope Conceto Teórco Repreentação

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 2. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 2. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 2 cassiano@ieee.org 1 Conversores CC-CC Não Isolados Buck (abaixador) Boost (elevador) Buck-boost (abaixador-elevador) Conversores em ponte Reversível em corrente Reversível

Leia mais

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC eparameno de Engenhara Elérca Aula. onversor Buck Prof. João Amérco lela Bblografa BAB, vo. & MANS enzar ruz. onversores - Báscos Não-solados. ª edção, UFS,. MOHAN Ned; UNEAN ore M.; OBBNS Wllam P. Power

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores Esta aula: Concetos fundamentas: bpolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Conenções Transferênca de energa Resstores TEORA DE CRCUTOS Crcuto elétrco: Coleção de dspostos elétrcos conectados

Leia mais

Análise e Projeto de um Micro-Conversor Boost com Gerenciamento de Carga de Bateria para Células Fotovoltaicas

Análise e Projeto de um Micro-Conversor Boost com Gerenciamento de Carga de Bateria para Células Fotovoltaicas Análse e Projeto de um Mcro-Conversor Boost com Gerencamento de Carga de Batera para Células Fotovoltacas Everson Mattos, Antóno M. S. S. Andrade, Máro L. da S. Martns Unversdade Federal de Santa Mara

Leia mais

Filtros Analógicos Ativos

Filtros Analógicos Ativos Filtro Analógico Ativo Topologia Sallen-Key FPB Prof. láudio A. Fleury onteúdo. Introdução. Filtro Paa-Baixa de a. Ordem 3. Mudança de Ecala 4. Filtro Paa-Alta de a. Ordem 5. Filtro Paa-Faixa e ejeita-faixa

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

PROJETO DE AMPLIFICADORES DE BAIXO RUÍDO DE RF EM TECNOLOGIA CMOS USANDO UM MODELO BASEADO EM CORRENTE

PROJETO DE AMPLIFICADORES DE BAIXO RUÍDO DE RF EM TECNOLOGIA CMOS USANDO UM MODELO BASEADO EM CORRENTE VIRGINIA HELENA VAROTTO BARONCINI PROJETO DE AMPLIFICADORES DE BAIXO RUÍDO DE RF EM TECNOLOGIA CMOS USANDO UM MODELO BASEADO EM CORRENTE Dertação apreentada como requto parcal à obtenção do rau de Metre

Leia mais

TEORIA DA GERAÇÃO DE QUANTUM BITS EMARANHADOS NO CAMPO TEMPORAL

TEORIA DA GERAÇÃO DE QUANTUM BITS EMARANHADOS NO CAMPO TEMPORAL TEORIA DA GERAÇÃO DE QUANTUM BITS EMARANHADOS NO CAMPO TEMPORAL Cao Olndo de Mranda e Slva Júnor Inttuto de Cênca e Tecnologa,Unverdade Federal do Vale do Jequtnhonha e Mucur, 39100-000, Damantna MG, Bral

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula.

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula. Probabldade e Etatítca I Antono Roque Aula Medda de Dperão A medda de tendênca central não ão ufcente para e caracterzar um conjunto de dado. O motvo é que ete varação na natureza, to é, dado que venham

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

() 1. Disciplina: Princípios de Sistemas de Controle

() 1. Disciplina: Princípios de Sistemas de Controle Dcplna: Prncíp de Stema de Cntrle ) Efera de rlament vã er endurecda pr eframent úbt, pr merã em um banh de água à temperatura de 40 C. Supnha que tenham lhe pedd para planejar um prce cntínu n qual a

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 2 a 24 de agoto de 2005 Belém Pará Bral Códgo: BEL 3 7679 Tópco: Stema de Montoramento e Tratamento de dado REDES EURAIS A CLASSIFICAÇÃO DE EVETOS DE QUALIDADE DE EERGIA ELÉTRICA: UMA ABORDAGEM

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE IV - MEDIDAS DE DISPERSÃO OU VARIAÇÃO

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE IV - MEDIDAS DE DISPERSÃO OU VARIAÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE IV - MEDIDAS DE DISPERSÃO OU VARIAÇÃO 0 INTRODUÇÃO A medda de varação ou dperão, avalam a dperão ou a varabldade da eqüênca numérca em anále, ão medda que fornecem nformaçõe

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

ESTABILIZADORES DE TENSÃO ALTERNADA PARA ALIMENTAÇÃO DE CARGAS NÃO- LINEARES: ESTUDO DE VARIAÇÕES TOPOLÓGICAS E MÉTODOS DE CONTROLE

ESTABILIZADORES DE TENSÃO ALTERNADA PARA ALIMENTAÇÃO DE CARGAS NÃO- LINEARES: ESTUDO DE VARIAÇÕES TOPOLÓGICAS E MÉTODOS DE CONTROLE UNIERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PROJETO DE TESE DE DOUTORADO ESTABILIZADORES DE TENSÃO ALTERNADA PARA ALIMENTAÇÃO DE CARGAS NÃO LINEARES: ESTUDO DE

Leia mais

Resistores. antes de estudar o capítulo PARTE I

Resistores. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B 6 capítulo Resstores seções: 61 Consderações ncas 62 Resstênca elétrca Le de Ohm 63 Le de Joule 64 Resstvdade antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas prncpas do capítulo

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais

CONVERSOR BIDIRECIONAL CC-CC DE ALTO GANHO PARA APLICAÇÃO EM PEQUENOS SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

CONVERSOR BIDIRECIONAL CC-CC DE ALTO GANHO PARA APLICAÇÃO EM PEQUENOS SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNVERSDADE FEDERAL DO CEARA DEPARATAMENTO DE ENGENHARA ELÉTRCA GRUPO DE PROCESSAMENTO DE ENERGA E CONTROLE Fortaleza, 0. CONVERSOR BDRECONAL CC-CC DE ALTO GANHO PARA APLCAÇÃO EM PEQUENOS SSTEMAS DE GERAÇÃO

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico...

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico... Indice Índice Pág. 1. Introdução... 1 1.1 Âmbito... 1 1. Motivação... 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. O Motor de Indução Trifáico... 5.1 Parâmetro que Caracterizam o eu Funcionamento... 5. Modelo

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

MODELAGEM DO ACIONAMENTO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO POR INVERSOR DE FREQUÊNCIA COM RELAÇÃO V/F CONSTANTE NO AMBIENTE MATLAB/SIMULINK

MODELAGEM DO ACIONAMENTO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO POR INVERSOR DE FREQUÊNCIA COM RELAÇÃO V/F CONSTANTE NO AMBIENTE MATLAB/SIMULINK MODELAGEM DO ACIONAMENTO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO POR INVERSOR DE FREQUÊNCIA COM RELAÇÃO V/F CONSTANTE NO AMBIENTE MATLAB/SIMULINK Da Slva, W. G.*; Freta, M. A. A**; Alvarenga, B.*; Souto, O. C. N.***;

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Retificadores. Prof. Clóvis Antônio Petry. Cenro Federal de Educação Tecnológca de Sana Caarna Deparameno de Elerônca Refcadore Flro Capaco Prof. Cló Anôno Pery. Floranópol, noembro de 2007. Na próxma aula Seqüênca de coneúdo: 1. Flro capaco. www.cefec.edu.br/~pery

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

JÚLIO VÍTOR KUNZLER JÚNIOR ANÁLISES TEÓRICA E EXPERIMENTAL DO GERADOR ASSÍNCRONO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO O GEADA, E CONTRIBUIÇÃO À SUA OPERAÇÃO

JÚLIO VÍTOR KUNZLER JÚNIOR ANÁLISES TEÓRICA E EXPERIMENTAL DO GERADOR ASSÍNCRONO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO O GEADA, E CONTRIBUIÇÃO À SUA OPERAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA JÚLIO VÍTOR KUNZLER JÚNIOR ANÁLISES TEÓRICA E EXPERIMENTAL DO GERADOR ASSÍNCRONO DE DUPLA ALIMENTAÇÃO

Leia mais

CONVERSORES CC-CC Aplicações: Controlo de motores de CC-CC Fontes de alimentação comutadas Carga de baterias bateria

CONVERSORES CC-CC Aplicações: Controlo de motores de CC-CC Fontes de alimentação comutadas Carga de baterias bateria CÓNCA PÊNCA Aplcações: CN CC-CC CN CC-CC Crolo de moores de CC-CC Fes de almenação comuadas Carga de baeras ensão cínua de enrada moor de correne cínua crolo e comando baera ede CA ecfcador não crolado

Leia mais

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva

Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva 6 Capítulo Retificadores Monofásicos de Meia Onda com Carga Resistiva-Indutiva Meta deste capítulo Estudar os conversores ca-cc monofásicos operando com carga resistiva-indutiva objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES

ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃO-LINEARES ESTABILIZADOR DE TENSÃO ALTERNADA PARA CARGAS NÃOLINEARES Clóvis Antônio Petry, João Carlos dos Santos Fagundes e Ivo Barbi Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Elétrica Instituto

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Metrado em Economa Monetára e Fnancera O PARADOXO DA CORRELAÇÃO DO CONSUMO NA PRESENÇA DE PROBABILIDADES SUBJECTIVAS HETEROGÉNEAS

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias Clássicas

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias Clássicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Contínua Topologias

Leia mais

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3 apítulo a físca xercícos propostos nae apítulo apactores apactores Resoluções os exercícos propostos P.8 a) aos: ε 0 8,8 0 F/m; (0,0 0,50) m ; 0 m ε 0 8,8 0 0,0 0,50 0 6,6 0 0 F b) ao:.000 V 6,6 00.000,

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7

Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7 Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7 Prof. Daniel Coutinho daniel.coutinho@ufsc.br Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina PGEAS/UFSC DAS9060

Leia mais

Apresentação de Motores Elétricos Trifásicos ABNT

Apresentação de Motores Elétricos Trifásicos ABNT Apreentação de Motore Elétrico Trifáico ABNT Apreentação de Motore Elétrico Apreentação de Motore Elétrico Caixa de Ligação Olhal para Prena-cabo Ventilador Rolamento de Efera Chaveta Ponta de Eixo Tampa

Leia mais

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n )

2 - Definições: (a) Corrente Primária Nominal (I pn ) (b) Corrente Secundária Nominal (I sn ) (c) Relação de Transformação Nominal (k n ) Trfrdre de Crrete Clever Perer TRNSFORMDORES DE CORRENTE 1 - trduçã: Trfrdre de truet de edçã de rteçã TC TP e TPC Trfrdre de Crrete Fuçõe Bác - Reduzr crrete vlre egur r edçã. - lr crcut rár d ecudár.

Leia mais

Sistemas Electrónicos. Amplificadores Operacionais

Sistemas Electrónicos. Amplificadores Operacionais 3-3- Unerdade de Aer Departament de Electrónca, Telecmuncaçõe e nfrmátca Stema Electrónc Metrad ntegrad em Engenhara de Cmputadre e Telemátca Amplfcadre Operacna Slde Sumár O Nullr e cncet de curt-crcut

Leia mais

Estudo de Curto-Circuito

Estudo de Curto-Circuito Estudo de Curto-Crcuto Rotero. Objetvo / aplcações. Natureza da corrente de defeto 3. Resposta em regme (4 tpos de defeto) 4. Resposta transtóra 5. Conclusões Objetvo Determnação de correntes e tensões

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR EXPEIÊNCIA 06 CAGA E DESCAGA DE UM CAPACITO 1. OBJETIVOS a) Levantar, em um crcuto C, curvas de tensão no resstor e no capactor em função do tempo, durante a carga do capactor. b) Levantar, no mesmo crcuto

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

Alocação Ótima de Equipamentos FACTS em Sistemas Elétricos de Potência

Alocação Ótima de Equipamentos FACTS em Sistemas Elétricos de Potência Alocação Ótma de Equpamento AC em tema Elétrco de Potênca J. W. Marangon Lma, A.C. Zambron de ouza, Leonardo H. de Mello, B. I. Lma Lope, Clodomro Unhuay, R. Corad Leme, Wellngton Da, UNIEI, A. A. Chave

Leia mais

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B capítulo 10 Receptores elétrcos seções: 101 Receptor Força contraeletromotrz 102 Crcutos gerador-receptor e gerador-receptor-resstor antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA. Exp. 2

CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA. Exp. 2 r od la ort no C UNESDADE DE MOG DAS CUZES - ENGENHAA EÉCA Prof. Joé oberto Marque CUSO DE ENGENHAA EÉCA EEÔNCA DE POÊNCA Ex. ONE CHAEADA PWM ABAXADOA BUCK Objetivo: O objetivo deta exeriência é demontrar

Leia mais

Projeto de Fontes Chaveadas

Projeto de Fontes Chaveadas Univeridade Federal de Santa atara Departamento de Engenharia Elétrica Intituto de Eletrônica de Potência Projeto de Fonte haveada Prof. Alexandre Ferrari de Souza, Dr. Programa a Semana: Introdução apítulo

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS

RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS RESULTADOS PARCIAIS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE CONVERSOR CC-CC PARA APLICAÇÃO EM PAINÉIS FOTOVOLTAICOS Autores: Felipe JUNG, Tiago DEQUIGIOVANI, Jessé de PELEGRIN, Marcos FIORIN Identificação autores:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ÍCARO BERND RAFAEL ADELINO TOMAZ SISTEMA DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ÍCARO BERND RAFAEL ADELINO TOMAZ SISTEMA DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ÍCARO BERND RAFAEL ADELINO TOMAZ SISTEMA DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA Palhoça 01 ÍCARO BERND RAFAEL ADELINO TOMAZ SISTEMA DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA Trabalho de

Leia mais

TIPOS DE GERADORES DE CC

TIPOS DE GERADORES DE CC ANOTAÇÕS D MÁQUINAS LÉTRICAS 17 TIPOS D GRADORS D CC S dfnm m função dos tpos d bobnas dos pólos. ssas bobnas, atravssadas pla corrnt d xctação, produzm a força magntomotrz qu produz o fluxo magnétco ndutor.

Leia mais

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento Le dos transformadores e seu prncípo de funconamento Os transformadores operam segundo a le de Faraday ou prmera le do eletromagnetsmo. Prmera le do eletromagnetsmo Uma corrente elétrca é nduzda em um

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Análise de circuitos elétricos Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2008

Análise de circuitos elétricos Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2008 Análse de crcutos elétrcos Pro. Eng uz Antono argas Pnto 008 Geração de orrente alternada... 3 Fluxo magnétco... 3 Freqüênca de um snal senodal... 5 e de Ohm para crcutos de corrente alternada... 7 rcuto

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 Undade apítulo 15 Indução eletromagnétca esoluções dos testes propostos 1 T.372 esposta: d ob ação da força magnétca, elétrons se deslocam para a extremdade nferor da barra metálca. essa extremdade,

Leia mais

TRANSFORMADORES DE POTENCIAL

TRANSFORMADORES DE POTENCIAL TRANSFORMADORES DE POTENCIA 1 - Introdução: Tio de TP TP Eletromagnético (TP) TP Caacitivo (TPC) Até 138 k Acima de 138 k Funçõe Báica - Iolamento contra alta tenõe. - Fornecimento no ecundário de uma

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal.

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal. Dagrama de Blc Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar cada um dete ubtema,

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

Webinar ABB - Voltimum Softstarter Especificação, Aplicação e Vantagens

Webinar ABB - Voltimum Softstarter Especificação, Aplicação e Vantagens ABB Produtos Baixa Tensão Seminário online Economia de energia através de Inversores de frequência e seu funcionamento Webinar ABB - Voltimum Softstarter Especificação, Aplicação e Vantagens Por: José

Leia mais

5. DIAGRAMA EM BLOCOS

5. DIAGRAMA EM BLOCOS Stema de Cntrle 5. DIAGRAMA EM BLOCOS Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar

Leia mais

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES Fontes Chaveadas - Cap. 5 CONVRSORS QUAS-RSSONANTS J. A. Pomilio 5. CONVRSORS QUAS-RSSONANTS Os conversores quase-ressonantes procuram associar as técnicas de comutação suave presentes nos conversores

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030 EG04030 AÁISE DE IRUITOS I Aula 20 ircuito de ª ordem: análie no domínio do tempo apacitore e indutore em regime permanente ; circuito diviore de corrente e de tenão em capacitore e indutore Sérgio Haffner

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

4 Modulação por código de pulsos (PCM-Pulse Code Modulation)

4 Modulação por código de pulsos (PCM-Pulse Code Modulation) Engª de Stema e Informátca Fundamento de Telecomuncaçõe 4/5 4 Modulação por códgo de pulo (PCM-Pule Code Modulaton) Nete capítulo remo a tranmão de na analógco atravé da modulação por códgo de pulo. A

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

ESTUDO DA TRANSFORMAÇÃO αβ0

ESTUDO DA TRANSFORMAÇÃO αβ0 CAPÍTUO ETUDO DA TAFOAÇÃO αβ. ITODUÇÃO O prmero passo a ser dado na obtenção de modelos mas adequados para a análse da máquna de ndução é o estudo da transformação αβ. Consste numa transformação lnear

Leia mais

Princípios De Eletrônica Analógica Prof. Luiz Antonio Vargas Pinto Revisada em 22-03-2010 2007-2010

Princípios De Eletrônica Analógica Prof. Luiz Antonio Vargas Pinto Revisada em 22-03-2010 2007-2010 Prncípos e letrônca Analógca Prof. Luz Antono argas Pnto evsada em -3-7- Índce Introdução... 3 Fonte retfcadora ½ onda e fltro a capactor... 4 Fonte retfcadora de onda completa e fltro a capactor... 4

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA CAPÍTULO 5 A COMPONENTE IMÉTICA INTANTÂNEA E A MÁQUINA IMÉTICA 5. INTODUÇÃO O emprego das componentes smétrcas nstantâneas permte a obtenção de modelos mas smples que aqueles obtdos com a transformação

Leia mais

CONVENÇÃO DE SINAIS. Bipolo Receptor. I = corrente recebida V = tensão manifestada "Tensão e Corrente em sentidos contrários".

CONVENÇÃO DE SINAIS. Bipolo Receptor. I = corrente recebida V = tensão manifestada Tensão e Corrente em sentidos contrários. OTA DE AULA DE COVERÃO 1 COVEÇÃO DE A Bipolo Gerador Bipolo Receptor Circuito Convencional E + - V + - E + - V + - E = tensão produzida = corrente produzida "Tensão e Corrente no mesmo sentido". = corrente

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenhara de Lorena EEL LOB1053 - FÍSICA III Prof. Dr. Durval Rodrgues Junor Departamento de Engenhara de Materas (DEMAR) Escola de Engenhara de Lorena (EEL) Unversdade

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais