Física C Intensivo V. 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física C Intensivo V. 2"

Transcrição

1 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6 V AC = (R 1 + R ) AC, logo AC = = = 1, A ( R1+ R) 5 A ddp entre A e B é dada por: V AB = R 1 AB = 1, =,6 V 0) D A tensão total é a soma das tensões de cada lâmpada: n lâmpadas = Vtotal = 117 = 7,8 lâmpadas Vlâmpadas 15 Como a tensão nos termnas de cada lâmpada não pode ultrapassar 15 V, deve-se seleconar 8 lâmpadas 0) 5 kω Prmeramente, vamos calcular a tensão da batera deal No momento em que os pontos a e b são conectados por um fo sem resstênca, temos: V T = R T T, logo V T = ,001 = Quando conectamos os pontos a e b por uma resstênca R, temos: V T = R T T, logo 1,5 = ( R) 0,000, então ( R) = 7500 Assm R = = 5000 Ω = 5 kω 04) 5 Ω e 5 Ω 05) E R máx = R + R 1máx = = 5 Ω R mn = R + R 1mn = = 5 Ω 06) A 07) E Como P lâmpada = V,5 = 4,5 = 0,5 A V R = R 7,5 = R 0,5 R = 15 Ω Como podemos observar na fgura que consta no exercíco, com a chave C aberta a corrente elétrca percorre as duas lâmpadas com mesma ntensdade (assocação em sére, = R), logo as duas possuem o mesmo brlho Mas, quando fechamos a chave C, a lâmpada A entra em curto-crcuto (apaga), dmnundo a resstênca equvalente do crcuto = R, consequentemente aumentando a ntensdade de corrente que sa da fonte e, por fm, aumentando o brlho da lâmpada B Ao nterrompermos a passagem da corrente numa das lâmpadas, por estarem em sére, todas apagarão 08) 5 Comentáro 01 Correta A partr da equação geral de defnção de resstênca elétrca: R V 45, = R= R= 5 Ω 0 0 Correta O crcuto é o mesmo 04 Incorreta É o dobro 08 Incorreta Eles estão lgados em paralelo 16 Incorreta Ao aconar a chave 1, a resstênca do crcuto é gual a 5 REQ = REQ = 75 Ω e, ao aconar a chave, a resstênca do crcuto passa 5 a ser REQ = REQ = 7, 5 Ω 6 Correta Segundo o enuncado da questão: Vamos admtr que, para que um LED funcone perfetamente, a corrente elétrca que o percorre deva ser de 0,0 ma Para garantr sso, um resstor de resstênca R é assocado ao LED Resstores em sére lmtam a corrente Físca C 1

2 09) E 1) A Stuação I = 0 (curto-crcuto) Stuação II = R Stuação III = R (assocação das resstêncas é em paralelo) 14) 5 Quando abrmos C 1, a corrente em 1 ca para zero (dmnu) Porém, como a assocação dos resstores é em paralelo, a ddp nos resstores L e L não se altera, logo as correntes mantêm-se constantes ) A Observando a fgura, podemos dzer que as malhas 1, e (ordem de cma para baxo) estão em paralelo De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére: V 1 = V = V Conhecdos os valores de corrente elétrca e resstênca da malha superor temos: V 1 = R 1 1 = 0 4 = 80 V Aplcando a propredade na malha central (): = V 80 = = 8 A R Aplcando a propredade na malha central (): R = V 80 = = 5 Ω Falso Em paralelo 0 Falso P = R = 150 0,6 = 54 W Verdadero = + + R1 R R = + + = 0 Ω Falso P = V P 1 > P > P R Inversamente proporconal à resstênca 16 Verdadero = Q 0,15 = Q Q = 45 C, t 00 em que t = 5 mn = 00 s Verdadero l 1 = l 1 = p 1 < p, pos R < R 1 15) C 11) E 1) A Numa resdênca, os aparelhos estão assocados em paralelo Como as lâmpadas ncalmente estão assocadas em sére, temos que a resstênca equvalente é dada por: = R Aplcando a le de Ohm: V = R, logo = R 5, então R = 40 Ω Calculando a nova resstênca equvalente (lâmpadas em paralelo), temos: = R 40 = = 4 Ω Aplcando a le de Ohm, temos: V = R, logo = V R = 4 = 5 A 16) E = R R = = V V = = V N R R R Físca C

3 17) C Calculando a resstênca equvalente do crcuto: Malhas em paralelo: R x = R R 1 = 8 1 R1+ R 8+ 1 = 4,8 Ω Total: = R x + R = 4,8 + 1, = 6 Ω Aplcando a le de Ohm: total = V = 4 6 = A Dvdndo a ntensdade de corrente nas malhas em paralelo: como a resstênca R é 1,5 vezes maor que R 1, a ntensdade de corrente em R 1 é 1,5 maor que em R, logo, a ntensdade de corrente que atravessa R 1 vale,4 A 0) E P = R = 1,5 = 6 W 01 Verdadera 0 Falsa A potênca dsspada em cada resstor é 9 W 04 Verdadera P paralelo = R = 1 W e P sére = R = 1 = 4 W 05 Falsa P > P > P 1 16 Falsa Quanto menor a resstênca do crcuto, maor a potênca dsspada Verdadera P total = P varstor Resolução 18) D A X V = R = V = 0 V 8 Y 1 V = 0 V paralelo 19) V X 60/11 X = V/R = 0/(60/11) = 5,5 A 60/11 Y 8 8 = 1,5 A Y V' = 8,5 5 V' = 44 V A resstênca equvalente, a ntensdade de corrente elétrca e a potênca dsspada em cada crcuto valem, respectvamente: I R 1 = R = Ω, 1 = V R = = 1 A, P 1 = R 1 1 = 1 = W II R = R = 1 Ω, = V R = 1 = 9 A, P = R = 1 9 = 7 W III R = R + R = 1,5 Ω, = V R = = A, 15, 1) C P T = potênca total dsspada nos cabos de transmssão P = G 5000 = = 5 A V 00 R = eq R = eq R = eq V Ω PT p = PG 1875 p = 5000 p = 0, 75 p = 7,5% % r = R r = 8 5 r = Ω P T = r P T = (5) P T = 1875 W Na lgação feta pelo motorsta, a ntensdade da corrente elétrca formada no fusível ( F ) é gual à soma das ntensdades das correntes elétrcas formadas em cada uma das lâmpadas () lgadas em paralelo: fusível = farol Físca C

4 A partr da defnção de potênca elétrca, temos: P = V farol farol = P V 4) E ) B farol = 55 = 1,5 A 6 Como fusível = 1,5 =,05 A, portanto o motorsta deve utlzar o fusível laranja Aplcando a 1ª le de Krchhoff (dvsão de corrente elétrca em assocação em paralelo): 5) E ) B As lâmpadas ncandescentes emtem luz devdo ao seu aquecmento As que mas se aquecem brlham mas Como as lâmpadas são guas, elas apresentam a mesma resstênca A potênca dsspada na forma de calor por um resstor depende da resstênca do resstor e da corrente que o percorre Assm, as lâmpadas que apresentam o mesmo brlho, já que a resstênca é a mesma, são as percorrdas pela mesma corrente No caso, L, L e L 4 a) Correta Se a resstênca do reostato for máxma, a assocação R V e R 1 será a menor possível, logo a resstênca equvalente também será a menor possível, então a ntensdade de corrente no crcuto será máxma b) Incorreta Se a resstênca do reostato for zero, a assocação R V e R 1 será a maor possível, logo a resstênca equvalente também será a maor possível, pos R 1 e R estarão em sére (soma dreta) c) Incorreta R 1 e R V só terão ntensdades de corrente elétrca guas se suas resstêncas forem guas, pos estão em paralelo d) Incorreta O valor de corrente em R 1 e R V também será muto pequeno (função lnear) e) Incorreta A tensão sobre R depende da ntensdade de corrente elétrca no crcuto, que por sua vez depende do valor do reostato R V Chamando R de R 1, R de R e R de R, temos: Calculando a resstênca equvalente entre R e R : R x = R R R R 6R R + R = = = 1, R R+ R 5R Calculando a resstênca equvalente do crcuto: = R 1 + R x = R + 1,R =, R Calculando a corrente elétrca que percorre o crcuto = V R = 1 R = 50, R As ddp em R, R e R x são guas, logo: V 1 = R 1 = R 50 R = 50 V e V = V x = R x = 1,R 50 R = 60 V Então, a razão solctada no problema vale: V1 50 V = 5 60 = 6 6) B,0,0 1 4 Físca C

5 1 " ' 1 = 0,15 A U = 6 0,15 U = 0,9 V ndcação do voltímetro = 0,15 A 4,0 ' = 0,6/6 ' = 0,1 A o amperímetro que está nesse trecho ndca 0,1 A ' 6,0 Ω 6,0 Ω = 0,15 A Ω " = 0,15 A 1 Ω " = 0,6/1 " = 0,05 A = 1,5/ = 0,15A 7) 80 = 0,15 A 4,0 U = 4 0,15 U = 0,6 V = 0,15 A = = = Ω R total = 4 + = Ω *V = R = 1 = 60 A amperímetro Físca C 5

6 * Pelo ramo que contém o voltímetro, temos o dobro da resstênca do outro ramo em paralelo, por sso neste passa metade da corrente que crcula no outro ramo Assm: = 0 A V 1 = R V = 0 1 V = 0 V (voltímetro) = 80 No amperímetro 1, o ramo possu resstênca R e corrente A Nos demas ramos, a resstênca é R e a corrente é 1A Logo, no amperímetro A : 1A + 1A + A + 1A + 1A = 6A 4) 1,1 kω 8) R = R + R = R 9) a) 1 V; b) zero 0) D 1) B No crcuto representado: P é voltímetro, pos, se fosse amperímetro, dexara a resstênca R em curto-crcuto Q é amperímetro, pos está assocado em sére com a fonte de tensão Calculando a resstênca equvalente entre R e R 1, temos: R x = R R 1, como a ponte está em equlíbro (galvanômetro), marca ntensdade de corrente elétrca gual R1+ R a zero, temos que: R x 00 = R 150, então: R x = R, substtundo fca: R1 R = R R1+ R, então R R = 1 R + R R 1, logo R R 1 = R Conclumos que: R 1 = R = R R 5) B 6) C cm 60 Ω 40 cm 4 R R = 50 Ω R BC R EG = R BE R CG R R = R R CE ddp = 0 R R CB = 500 Ω 0 Ω R 50 = R = 1,1 K Ω ) C ) D No equlíbro da ponte, podemos dzer que a) V 4 = V, b) V 1 = V 1 Logo, a) 1 R 4 = R ; b) 1 R 1 = R Conclumos que 1 R 4 R = 0 Na lustração abaxo, temos E = 1 V e a resstênca nterna do gerador gual à tangente do ângulo α, representado na fgura abaxo V (volts) 0 4,0 8, Logo, r = tg α = 8 = 0,5 Ω 16 (A) 6 Físca C

7 7) 4 V; Ω; 1 A Com base no gráfco: V = ε r quando V = 0 V = A 0 = ε r Quando V = 14 V = 5 A 14 = ε r 5 40) E 08 Verdadera V AB = ε r V AB = 0 1 V AB = 18 V 16 Falsa P = R P = 18 (1) P = 6 W = A η = 0,8 r =? No gerador: V = ε r como η = V ε 0,8 = V ε V = 0,8 ε A corrente de curto-crcuto é dada por: CC = ε r = 4 CC = 1 A 8) 18 V e 1,8 Ω Prmeramente, aplcando a equação do gerador quando a ntensdade de corrente elétrca no crcuto vale A V = ε r, como o crcuto externo não possu resstênca, temos V = 0 Logo, ε = r, então ε = r (1) Na sequênca, consderando o crcuto com uma resstênca 1,8 W entre a e b, com ntensdade de corrente elétrca 5 A V = ε r Logo, R = ε r assm: 1,8 5 = ε r 5, então 9 = ε r 5 () Substtundo a equação (1) na equação () temos: 9 = r r 5, então 9 = r 5, logo r = 9 = 1,8 Ω 5 Substtundo r = 1,8 W na equação (1), temos: ε = 1,8 = 18 V 9) Verdadera Com base no gráfco 0 Verdadera V = ε r 15 = 0 r,5 5 =,5 r ( 1) r = Ω 04 Verdadera No gerador: V = ε r V = ε Na câmara: V = R V = 18 Assm: V = V ε = 18 0 = 0 = 1 A 0,8 ε = ε r 0, ε = r ε = r No resstor: V = R V = 1 0,8 ε = 1, porém = A 0,8 ε = 1 ε = 4 ε = 0 V 08, Assm: ε = r 0 = r r = Ω 41) 4,0 V De acordo com a geometra dos crcutos e as polardades das plhas, concluímos que as plhas estão assocadas em sére entre s e em sére com a resstênca R Então: = 4 r plha + R = = 4 Ω Calculando a ntensdade de corrente elétrca que atravessa o resstor R, temos: V t =, logo t = V 1 15, 4 = = 0,5 A Req 4 Portanto, a tensão sobre o resstor R vale: V = R = 16 0,5 = 4,0 V 4) E Aplcando a equação da potênca máxma e da corrente de curto-crcuto ( cc ) do gerador, temos: P = ε ε ε logo 50 =, então: = 00 (1) 4r 4r r CC = ε r, logo ε = () r Substtundo a equação () na equação (1) temos: ε = 00, então: ε = 00 = 0 V Substtundo E = 0 V na equação (), temos: 0 =, r então: r =,0 Ω Resposta: a alternatva ncorreta é a letra E, pos a potênca máxma ocorre quando a ntensdade de corrente elétrca é gual a 5 A Físca C 7

8 4) B V = R ε = (4 + r) (eq 1) Chave aberta Resstênca equdstante do crcuto externo na condção de potênca máxma R EQ = r = 1 Ω Logo, assocaremos ao resstor de Ω outro resstor de Ω em paralelo 44) a) 1 V; b) r = 0,00 Ω e R = 0, Ω Com base na tabela: ε = 1 V V = V = 0 A a) ε = 1 V b) r = 0,0 Ω e R = 0,1 Ω V = ε r 1 = r 0 + = +0 r r = 0 = 0,0 Ω V = R = R 0 R = 0 E = 0,1 Ω Potênca total dsspada pela batera: P = ε = 60 = 600 W V = R ε = (r + 8) 6 (eq ) Igualando eq 1 e eq : (4 + r) 5 = (r + 8) r = r + 4 r = 4 r = Ω Então pelo eq 1 ε = (4 + ) ε = 60 V 47) a) 6 A b) 45 A V AB = R AB 0 = 5 = 6 A 45) V ε = 1 V r = 1 Ω = A V =? V = ε r V = 1 1 V = V 46)60 V;,0 Ω; 600 W Chave fechada a) = 6 A b) V T = ε r V TOTAL = = 78 V 8 Físca C

9 Assm: 78 = ε 6 ε = 90 V CC = ε r = 90 = 45 A c) η = ε V = = 0,6 ou 60% 00 50) a) R 1 = Ω; R = Ω e R = 1 Ω; b) 75% e 67%, respectvamente 48) C 5000 eletroplacas 0,15 V = 750 V por lnha r equvalente por lnha = 0,5 Ω 5000 r lnha = 150 Ω r total = 150 = 150 n lnha 140 = 8, Ω V = R 750 = ( ,) = 0,9 A tgα = r = 40 0 = Ω 49) a) 640 W b) V c) 60 % tgα = r = = 1 Ω a) P fornecda = V 1600 = 00 = 8 A P dsspada = r P dsspada = 8 = 640 W b) P útl = P fornecda P dsspada = 960 W P útl = 960 ε' = 960 ε' 8 = 960 ε' = V tgα = R 1 = 0 = Ω Físca C 9

10 a) R 1 = Ω; R = Ω b) Gerador: V = ε r V = 40 V = 40 5 V = 0 V η = V ε = 0 40 = 0,75 η = 75% Receptor: V = ε + r V = + 1 V = + 15 V = 15 V η = ε V = 15 = 0,67 η = 67% 5) a) 5,0 W b) 1,0 A c) 5,0 V V = 5 V m = 0 kg v = 0,5 m/s η = 0,8 P = m g = 0 = 00 N a) P = W = F d t t = F v = 00 0,5 = 0 W; b) η = ε' (x ) (x ) V = P útl 0,8 = 0 P P P total = 15 W; total total c) P consumda = V 15 = 5 = 5,0 A 5) D 51) C As forças que atuam no elevador são: T P T: força de tração P: peso do conjunto (elevador + pessoas) P = (m elevador + m pessoas ) g P = ( ) P = N A partr da defnção de potênca (P): P = ε t Uma vez que a velocdade do elevador é constante, pode-se afrmar que o elevador, à medda que sobe, adqure energa potencal gravtaconal = ε ε 1 0 = R+ r + 5+ = = 1 A V x V y = V x V y = + = +1 V 54) B Δε = m g Δh Logo, a expressão da potênca fca: P = m g h t Mas h = v Assm, P = m g v, em que v = 4 m/s t Procedendo às devdas substtuções numércas: P = P = W = 56 kw Consderando que essa seja a potênca elétrca do motor (P = U ), segue: = 0 55 A Vamos supor que a fonte de 1 V se comporte como gerador e a fonte de 6 V, como receptor: = 0 = 1 A = 0 Físca C

11 55) E = = 0 = 0,5 A No sentdo que fo suposto, ou seja, de y para x I Verdadera C = ε o A d II Falsa A capactânca se reduz à metade III Falsa Não depende da carga 04 Verdadera E p = C U ou E p = Q V ou E p = Q C A partr da últma expressão, temos que: C = Q E p Em termos de undade (dmensão) [F] = Coulomb Joule 08 Falsa O campo entre as placas é unforme 16 Falsa A capactânca aumentará, e a ddp dmnurá em relação à ncal 58) C 56) C Justfcatva: no momento do carregamento do capactor, a quantdade de carga elétrca cresce em função do tempo, enquanto a corrente elétrca dmnu Já no descarregamento de um capactor, ocorre o nverso Enquanto a carga elétrca dmnu, a corrente cresce, em função do tempo, a partr de um valor negatvo até atngr o valor gual a zero Portanto, a sequênca exata é F, V, V, F, F 57) C = 8 µf 01 Falsa C' = k C o k: constante delétrca 0 Verdadera Q = C V Q = = = 160 µc C 1 = C C C + C = C 4 = C C 4 = C + C4 + C 14 = C 1 + C 4 = 6 F 59) C = -6 F = 1 6 F C eq = C C + + C = C Físca C 11

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.195 esposta: d De U r, sendo 0, resulta U. Portanto, a força eletromotrz da batera é a tensão entre seus termnas quando

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 ndade apítulo 7 ssocação de resstores esoluções dos testes propostos T.6 esposta: b 0 V 5 V 5 V... 5 V 0 n 5 n n T.7 esposta: b = Igualando: Ω = ( + ) ( ) 3 Ω T.8 esposta: c Stuação ncal: I

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

Resposta: Interbits SuperPro Web 0,5

Resposta: Interbits SuperPro Web 0,5 1. (Eear 017) Um aparelho contnha as seguntes especfcações de trabalho: Entrada 9V- 500mA. A únca fonte para lgar o aparelho era de 1 V. Um cdadão fez a segunte lgação para não danfcar o aparelho lgado

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C apítulo da físca apactores Testes propostos ndade apítulo apactores Resoluções dos testes propostos T.55 Resposta: d O potencal elétrco de uma esfera condutora eletrzada é dado por: Vk 0 9 00 9 0,0 0 9

Leia mais

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3 apítulo a físca xercícos propostos nae apítulo apactores apactores Resoluções os exercícos propostos P.8 a) aos: ε 0 8,8 0 F/m; (0,0 0,50) m ; 0 m ε 0 8,8 0 0,0 0,50 0 6,6 0 0 F b) ao:.000 V 6,6 00.000,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

Associação de Resistores Física 2

Associação de Resistores Física 2 Assocação de esstores Físca 2 Aula 4. Sére I. A corrente elétrca é a mesma em cada resstor. II. A ddp total se dvde entre os resstores. III. A resstênca equvalente é a soma das resstêncas elétrcas de cada

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Física C Extensivo V. 5

Física C Extensivo V. 5 GABAITO Física C Extensivo V. 5 Exercícios 0) a) = 4 + = 6 Ω 06) = Ω b) V = 48 = 6 i = A c) = = 4. = V V = V =. = 6 V d) P = P = 4. = 6 w P = P =. = 08 w e) P total = P + P = 44 w f) gerador ideal P fornecida

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades VOM FÍSI esoluções das tvdades Sumáro apítulo 8 orrente elétrca... apítulo 9 Potênca elétrca... apítulo 0 nerga... apítulo esstores I Prmera e de Ohm...5 apítulo esstores II Segunda e de Ohm...7. apítulo

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca ndade Capítulo 9 Geadoes elétcos esoluções dos execícos popostos 1 P.19 Dados: 4 ; 1 Ω; 0 a) 0 4 1 4 b) Pot g Pot g 4 4 Pot g 96 W Pot º Pot º 0 4 Pot º 80 W Pot d Pot g Pot º Pot d 96 80 Pot

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Questões Eletricidade 6 Resistores

Prof. A.F.Guimarães Questões Eletricidade 6 Resistores Questão 1 (UNIMP) Um fusível é um nterruptor elétrco de proteção que quema, deslgando o crcuto, quando a corrente ultrapassa certo valor. rede elétrca de 110 V de uma casa é protegda por fusível de 15.

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

Física C Semiextensivo V. 3

Física C Semiextensivo V. 3 Semiextensivo V. 3 Exercícios 01) a) eq 4 + 1 16 Ω 06) 3 Ω 1 b) 48 16 i 3 A c) 1 1 4. 3 1 V V V 1. 3 36 V d) P 1 1 1 P 1 4. 3 36 w P P 1. 3 108 w e) P total P 1 + P 144 w f) gerador ideal P fornecida P

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR EXPEIÊNCIA 06 CAGA E DESCAGA DE UM CAPACITO 1. OBJETIVOS a) Levantar, em um crcuto C, curvas de tensão no resstor e no capactor em função do tempo, durante a carga do capactor. b) Levantar, no mesmo crcuto

Leia mais

MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPATAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professores: Edson Vaz e enato Mederos MAF 1292 Eletrcdade e Eletrônca NOTA DE AULA I Goâna 2014 CAPACITOES Um capactor (ou condensador)

Leia mais

Resistores. antes de estudar o capítulo PARTE I

Resistores. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B 6 capítulo Resstores seções: 61 Consderações ncas 62 Resstênca elétrca Le de Ohm 63 Le de Joule 64 Resstvdade antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas prncpas do capítulo

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág. ísca Setor Prof.: Índce-controle de Estudo ula 37 (pág. 88) D TM TC ula 38 (pág. 88) D TM TC ula 39 (pág. 88) D TM TC ula 40 (pág. 91) D TM TC ula 41 (pág. 94) D TM TC ula 42 (pág. 94) D TM TC ula 43 (pág.

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r F Físca 1998 1. Um certo calorímetro contém 80 gramas de água à temperatura de 15 O C. dconando-se à água do calorímetro 40 gramas de água a 50 O C, observa-se que a temperatura do sstema, ao ser atngdo

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca Undade C Capítulo Campos magnétcos esoluções dos exercícos propostos. Incalmente determnamos, pela regra da mão dreta n o, a dreção e o sentdo dos vetores ndução magnétca e que e orgnam no centro

Leia mais

GRANDEZAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS

GRANDEZAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenhara de Lorena EEL LOB1053 - FÍSICA III Prof. Dr. Durval Rodrgues Junor Departamento de Engenhara de Materas (DEMAR) Escola de Engenhara de Lorena (EEL) Unversdade

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professores: Edson Vaz e Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2013 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA 67 Anos Educando com o Coração Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael Frank de Rodrgues

Leia mais

Indutores ou bobinas: criam campos magnéticos numa dada região do circuito.

Indutores ou bobinas: criam campos magnéticos numa dada região do circuito. Unversdade Federal do Paraná Setor de Cêncas Exatas Departamento de Físca Físca III - Prof. Dr. Rcardo Luz Vana Referêncas bblográfcas: H. 33-2, 33-3, 33-4, 33-5, 33-6 S. 31-3, 31-4, 31-5 T. 26-7, 26-8,

Leia mais

Capítulo 26: Corrente e Resistência

Capítulo 26: Corrente e Resistência Capítulo 6: Corrente e esstênca Cap. 6: Corrente e esstênca Índce Corrente Elétrca Densdade de Corrente Elétrca esstênca e esstvdade Le de Ohm Uma Vsão Mcroscópca da Le de Ohm Potênca em Crcutos Elétrcos

Leia mais

Tópico 2. Resolução: a) R eq. = 3 + 7 R eq = 10 Ω 1 = 1 R eq 12 + 1 36 + 1 36 R = 0,9 Ω 1 = 40. a) A e B? b) C e D? c) R eq.

Tópico 2. Resolução: a) R eq. = 3 + 7 R eq = 10 Ω 1 = 1 R eq 12 + 1 36 + 1 36 R = 0,9 Ω 1 = 40. a) A e B? b) C e D? c) R eq. Tópco ssocação de resstores e meddas elétrcas 113 Tópco esolução: a) eq 3 + 7 eq 10 Ω 1 Nas lustrações a segur, como estão assocadas as lâmpadas: a) e? b) e? b) 1 1 eq 36 + 1 1 + 1 1 40 36 0,9 Ω eq c)

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

Lei das Malhas (KVL) Lei dos Nós (KCL)

Lei das Malhas (KVL) Lei dos Nós (KCL) Le das Malhas (KL) Le dos Nós (KCL) Electrónca Arnaldo Batsta 5/6 Electrónca_omed_ef KCL (Krchhoff Current Law) Nó é o ponto de lgação de dos ou mas elementos de crcuto amo é uma porção do crcuto contendo

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

Vamos apresentar um breve resumo dos conceitos mais importantes relativos ao funcionamento de circuitos em corrente alternada.

Vamos apresentar um breve resumo dos conceitos mais importantes relativos ao funcionamento de circuitos em corrente alternada. Corrente Alternada amos apresentar um breve resumo dos concetos mas mportantes relatvos ao funconamento de crcutos em corrente alternada. Uma tensão alternada é uma dferença de potencal que vara no tempo.

Leia mais

Curso de Circuitos Elétricos 2 a. Edição, L.Q. Orsini D. Consonni, Editora Edgard Blücher Ltda. Volume I Errata

Curso de Circuitos Elétricos 2 a. Edição, L.Q. Orsini D. Consonni, Editora Edgard Blücher Ltda. Volume I Errata Curso de Crcutos Elétrcos a Edção, Q rsn D Consonn, Edtora Edgard Blücher tda Pág5 Equação (5): dw( t) v( t) = dq( t) Pág5 no parágrafo após equação (36): Volume I Errata, caso em que não há energa ncal

Leia mais

Capítulo 30: Indução e Indutância

Capítulo 30: Indução e Indutância Capítulo 3: Indução e Indutânca Índce Fatos xpermentas; A e de Faraday; A e de enz; Indução e Tranferênca de nerga; Campos létrcos Induzdos; Indutores e Indutânca; Auto-ndução; Crcuto ; nerga Armazenada

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez apactores Prof. Ernesto F. F. Sumáro 1. Introdução 2. apactores 3. lassfcações de capactores 4. Especfcação de capactores 5. Assocação de capactores 6. Exercícos propostos Slde 2 1. Introdução apactor

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Na figura, são dados os vetores a, b e c.

Na figura, são dados os vetores a, b e c. 46 b FÍSICA a fgura, são dados os vetores a, b e c. u a b c Sendo u a undade de medda do módulo desses vetores, pode-se afrmar que o vetor d = a b + c tem módulo a) 2u, e sua orentação é vertcal, para

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES Prof(a) Stela Mara de arvalho Fernandes SSOIÇÃO DE ESISTOES ssocação de esstores em Sére Dos ou mas resstores estão assocados em sére quando são percorrdos pela mesma corrente elétrca. omo U D Somando

Leia mais

Física C Semiextensivo V. 4

Física C Semiextensivo V. 4 GRITO Física Semiextensivo V. 4 Exercícios 0) a) 0 ; b) 800 W; c) 4,0 Ω; d) 80 V. 0) a) P consumida 00 W V 0 V P V. i 00 0. i i 0 b) P útil? P consumida P útil + P dissipada 00 P útil + 400 P útil 800

Leia mais

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico Q1 Um clndro feto de materal com alta condutvdade térmca e de capacdade térmca desprezível possu um êmbolo móvel de massa desprezível ncalmente fxo por um pno. O rao nterno do clndro é r = 10 cm, a altura

Leia mais

Tensão, Corrente Elétrica e Resistência Elétrica

Tensão, Corrente Elétrica e Resistência Elétrica Tensão, Corrente Elétrca e Resstênca Elétrca Bblografa: Instalações Elétrcas Predas Geraldo Cavaln e Severno Cerveln Capítulo 1. Instalações Elétrcas Hélo Creder Capítulo 2. Curso de Físca Volume 3 Antôno

Leia mais

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t Matemátca 0 Dos veículos, A e B, partem de um ponto de uma estrada, em sentdos opostos e com velocdades constantes de 50km/h e 70km/h, respectvamente Após uma hora, o veículo B retorna e, medatamente,

Leia mais

Circuitos Elétricos. 1) Introducão. Revisão sobre elementos. Fontes independentes de tensão e corrente. Fonte Dependente

Circuitos Elétricos. 1) Introducão. Revisão sobre elementos. Fontes independentes de tensão e corrente. Fonte Dependente Crcutos Elétrcos 1) Introducão Resão sobre elementos Fontes ndependentes de tensão e corrente Estas fontes são concetos muto útes para representar nossos modelos de estudo de crcutos elétrcos. O fato de

Leia mais

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B capítulo 10 Receptores elétrcos seções: 101 Receptor Força contraeletromotrz 102 Crcutos gerador-receptor e gerador-receptor-resstor antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas

Leia mais

Estudo de Curto-Circuito

Estudo de Curto-Circuito Estudo de Curto-Crcuto Rotero. Objetvo / aplcações. Natureza da corrente de defeto 3. Resposta em regme (4 tpos de defeto) 4. Resposta transtóra 5. Conclusões Objetvo Determnação de correntes e tensões

Leia mais

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores Esta aula: Concetos fundamentas: bpolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Conenções Transferênca de energa Resstores TEORA DE CRCUTOS Crcuto elétrco: Coleção de dspostos elétrcos conectados

Leia mais

Física 10 Questões [Difícil]

Física 10 Questões [Difícil] Físca Questões [Dfícl] - (UF MG) Um líqudo encontra-se, ncalmente, à temperatura T o, pressão P o e volume o, em um recpente fechado e solado termcamente do ambente, conforme lustra a fgura ao lado. Após

Leia mais

Transistor Bipolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smith

Transistor Bipolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Transstor Bpolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smth Modelos de Grandes Snas e de 2a. Ordem Notas de Aula SEL 313 Crcutos Eletrôncos 1 Parte 9 1 o Sem/2017 Prof. Manoel Modelo TBJ para grandes snas Ebers-Moll

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

- Eletrônica Analógica 1 - Capítulo 2: Fundamentos dos transistores bipolares de junção (TBJ)

- Eletrônica Analógica 1 - Capítulo 2: Fundamentos dos transistores bipolares de junção (TBJ) - Eletrônca Analógca 1 - Capítulo 2: Fundamentos dos transstores bpolares de junção (TBJ) 1 Físca do TBJ 2 Tpos de lgação do TBJ 2.1 Confguração base-comum Sumáro Parta A Introdução ao TBJ e sua operação

Leia mais

37 [C] Verdadeira. Veja justificativa do item [B]. Moda = 8

37 [C] Verdadeira. Veja justificativa do item [B]. Moda = 8 Resposta da questão 1: [C] Calculando:,5 + 10 + 8 + 9,4 + 8 +,4 + x + 7,4 = 8, 8,5 + 10 + 8 + 9,4 + 8 +,4 + x + 7,4 = 5, x = 9,9 Moda = 8 8+ 8 Medana = = 8,5 + 10 + 8 + 9,4 + 8 +,4 + 7,4 Méda das outras

Leia mais

Introdução. Configuração Inversora. Amplificadores Operacionais. Configuração Não-Inversora. Amplificadores de Diferença

Introdução. Configuração Inversora. Amplificadores Operacionais. Configuração Não-Inversora. Amplificadores de Diferença ntrodução Confguração nersora mplfcadores peraconas Confguração Não-nersora mplfcadores de Dferença TE4 Fundamentos da Eletrônca Engenhara Elétrca Efeto do Ganho Fnto em Malha erta e da Faxa de Passagem

Leia mais

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM FÍSICA COENTE ELÉTICA, ESISTÊNCIA, DDP, ª E ª LEIS DE OHM. CAGA ELÉTICA (Q) Observa-se, expermentalmente, na natureza da matéra, a exstênca de uma força com propredades semelhantes à força gravtaconal,

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos da físca 3 Undade apítulo 15 Indução eletromagnétca esoluções dos testes propostos 1 T.372 esposta: d ob ação da força magnétca, elétrons se deslocam para a extremdade nferor da barra metálca. essa extremdade,

Leia mais

CEL033 Circuitos Lineares I

CEL033 Circuitos Lineares I 24/4/22 CEL33 Crcutos Lneares I N- Prof.: Ivo Chaves da Slva Junor vo.junor@ufjf.edu.br Análse de Malha MATLAB N- Banco de Dados Análse de Malha MATLAB Informações necessáras: - Valores das resstêncas

Leia mais

Cap. 6 - Energia Potencial e Conservação da Energia Mecânica

Cap. 6 - Energia Potencial e Conservação da Energia Mecânica Unversdade Federal do Ro de Janero Insttuto de Físca Físca I IGM1 014/1 Cap. 6 - Energa Potencal e Conservação da Energa Mecânca Prof. Elvs Soares 1 Energa Potencal A energa potencal é o nome dado a forma

Leia mais

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos Laboratóro de Mecânca Aplcada I Estátca: Roldanas e Equlíbro de Momentos 1 Introdução O conhecmento das condções de equlíbro de um corpo é mprescndível em númeras stuações. Por exemplo, o estudo do equlíbro

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca 3 Undade C Capítulo 4 Força agnétca esoluções dos exercícos propostos P.33 Característcas da força agnétca : dreção: perpendcular a e a, sto é: da reta s C u D r sentdo: deternado pela regra da

Leia mais

Transistores Bipolares de Junção Parte I Transistores Bipolares de Junção (TBJs) Parte I

Transistores Bipolares de Junção Parte I Transistores Bipolares de Junção (TBJs) Parte I Transstores Bpolares de Junção (TBJs) Parte I apítulo 4 de (SEDRA e SMITH, 1996). SUMÁRIO Introdução 4.1. Estrutura Físca e Modos de Operação 4.2. Operação do Transstor npn no Modo Atvo 4.3. O Transstor

Leia mais

valor do troco recebido foi a) R$ 0,50. b) R$ 1,00. c) R$ 1,50. d) R$ 2,50. e) R$ 2,00.

valor do troco recebido foi a) R$ 0,50. b) R$ 1,00. c) R$ 1,50. d) R$ 2,50. e) R$ 2,00. Nome: nº Data: / _ / 017 Professor: Gustavo Bueno Slva - Ensno Médo - 3º ano Lsta de Revsão 1. (Upe-ssa 017) Márca e Marta juntas pesam 115 kg; Marta e Mônca pesam juntas 113 kg; e Márca e Mônca pesam

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIÊNCI 04 LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNU 1. OBJETIVOS a) Determnar a força eletromotrz e a resstênca nterna de uma batera em um crcuto de malha únca. b) Calcular a resstênca nterna

Leia mais

Física E Extensivo V. 6

Física E Extensivo V. 6 GAARITO ísca E Extenso V. 6 Exercícos ) I. also. Depende da permeabldade do meo. II. Verdadero. III. Verdadero. ~ R µ. µ. π. d R π π. R R ) R cm 6 A 5) 5 6 A µ. R 4 π. -7. 6., π. 6,π. 5 T 8 A 3) A A regra

Leia mais

F-328 Física Geral III

F-328 Física Geral III F-328 Físca Geral III Aula exploratóra- 06 UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br F328 2 o Semestre de 2013 1 Corrente elétrca e resstênca Defnção de corrente: Δq = dq = t+δt Undade de corrente: 1 Ampère =

Leia mais

Ruído. SEL 371 Sistemas de comunicação. Amílcar Careli César Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP

Ruído. SEL 371 Sistemas de comunicação. Amílcar Careli César Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP Ruído SEL 371 Sstemas de comuncação Amílcar Carel César Departamento de Engenhara Elétrca da EESC-USP Atenção! Este materal ddátco é planejado para servr de apoo às aulas de SEL-371 Sstemas de comuncação,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2012 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Sentdo de rotaçãoo do corpo y orça 30 º x orça solo Um corpo de 4 kg está preso a um o e descreve

Leia mais

a t FR F Fa FR F FA F 8N , 2 m d v a Então: QUESTÃO 1 ALTERNATIVA (A) MÉDIA

a t FR F Fa FR F FA F 8N , 2 m d v a Então: QUESTÃO 1 ALTERNATIVA (A) MÉDIA QUESÃO 1 ALENAIVA (A) Entre os materas ctados, o chumbo apresenta a maor densdade. Sendo a densdade m d v no ráfco podemos observar que para um mesmo volume o corpo que apresentar maor massa terá maor

Leia mais

Resistores e Associação de Resistores

Resistores e Associação de Resistores Resistores e Associação de Resistores Gabarito Parte I: O esquema a seguir ilustra a situação: Como mostrado, a resistência equivalente é Ω. Aplicando a lei de Ohm-Pouillet: = R eq i 60 = i i = 15 A. a)

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-11b UNICAMP IFGW

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-11b UNICAMP IFGW F-18 Físca Geral I Aula exploratóra-11b UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br Momento Angular = r p O momento angular de uma partícula de momento em relação ao ponto O é: p (Note que a partícula não precsa

Leia mais

Aula 10: Corrente elétrica

Aula 10: Corrente elétrica Unversdade Federal do Paraná Setor de Cêncas Exatas Departamento de Físca Físca III Prof. Dr. Rcardo Luz Vana Referêncas bblográfcas: H. 28-2, 28-3, 28-4, 28-5 S. 26-2, 26-3, 26-4 T. 22-1, 22-2 Aula 10:

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário FEI 2016 Robótca Prof. Renaldo Banch Centro Unverstáro FEI 2016 6 a Aula IECAT Objetvos desta aula Momentos Lneares, angulares e de Inérca. Estátca de manpuladores: Propagação de forças e torques. Dnâmca de manpuladores:

Leia mais

Capítulo 24: Potencial Elétrico

Capítulo 24: Potencial Elétrico Capítulo 24: Potencal Energa Potencal Elétrca Potencal Superfíces Equpotencas Cálculo do Potencal a Partr do Campo Potencal Produzdo por uma Carga Pontual Potencal Produzdo por um Grupo de Cargas Pontuas

Leia mais

D = POLINÔMIO INTERPOLADOR DE NEWTON 1) DIFERENÇAS DIVIDIDAS 1.1) DIFERENÇAS DIVIDIDAS ORDINÁRIAS (D) Sejam n+1 pontos de uma função y = f(x):

D = POLINÔMIO INTERPOLADOR DE NEWTON 1) DIFERENÇAS DIVIDIDAS 1.1) DIFERENÇAS DIVIDIDAS ORDINÁRIAS (D) Sejam n+1 pontos de uma função y = f(x): POLINÔMIO INTERPOLAOR E NEWTON ) IFERENÇAS IVIIAS.) IFERENÇAS IVIIAS ORINÁRIAS () Sejam n pontos de uma função f():... n f( )... n - ferença dvdda de ordem zero: n n M - ferença dvdda de ordem um: M M

Leia mais

Órion MARATONA UFG FÍSICA. (Leonardo) NOME: Lista 03

Órion MARATONA UFG FÍSICA. (Leonardo) NOME: Lista 03 Óron ARATOA UFG FÍSICA (Leonardo) O: Lsta 03 01 - (FABC) A fgura representa um longo fo retlíneo percorrdo por uma corrente elétrca de ntensdade = 4mA. Podemos afrmar que a ntensdade do campo magnétco

Leia mais

Questão 01. Assinale, então, a estimativa da energia total acumulada no campo elétrico dessa parede. a) 0,7 ev b) 1,7 ev c) 7,0 ev d) 17 ev e) 70 ev

Questão 01. Assinale, então, a estimativa da energia total acumulada no campo elétrico dessa parede. a) 0,7 ev b) 1,7 ev c) 7,0 ev d) 17 ev e) 70 ev Questão 01 Algumas células do corpo humano são crcundadas por paredes revestdas externamente por uma película com carga postva e, nternamente, por outra película semelhante, mas com carga negatva de mesmo

Leia mais

12/19/2016. Turma Capacitores. Profa. Ignez Caracelli Física 3. Profa. Ignez Caracelli Física 3 2

12/19/2016. Turma Capacitores. Profa. Ignez Caracelli Física 3. Profa. Ignez Caracelli Física 3 2 Turma 09903-1 Capactores 1 2 1 Vsão Geral Bpolo: dspostvo contendo 2 ou mas termnas condutores A cada bpolo estão assocadas uma corrente (que o atravessa) e uma tensão (entre seus termnas). 3 Vsão Geral

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS. material condutor. - fonte de tensão + 1. INTRODUÇÃO 2. FONTES DE TENSÃO 3. CORRENTE ELÉTRICA

CIRCUITOS ELÉTRICOS. material condutor. - fonte de tensão + 1. INTRODUÇÃO 2. FONTES DE TENSÃO 3. CORRENTE ELÉTRICA Eletrcdade ásca Eletrcdade ásca CICUITOS ELÉTICOS s bateras e plhas fornecem tensão contínua perfetamente retfcada, ou seja, não há varação da dferença de potencal com o tempo, conforme o gráfco abaxo.

Leia mais

Física C Extensivo V. 8

Física C Extensivo V. 8 Extensivo V 8 Exercícios 0) E I Verdadeira C ε o A d II Falsa A capacitância se reduz à metade III Falsa Não depende da carga 0) B P Q Como o tempo de transferência é pequeno, a t potência é máxima 0)

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

MONTAGEM E ENSAIO DE UM AMPLIFICADOR OPERACIONAL DISCRETO

MONTAGEM E ENSAIO DE UM AMPLIFICADOR OPERACIONAL DISCRETO Faculdade de Engenhara da Unersdade do Porto Lcencatura em Engenhara Electrotécnca e de Computadores Electrónca II MONTAGEM E ENSAIO DE UM AMPLIFICADOR OPERACIONAL DISCRETO Jorge André Letão, Hugo Alexandre

Leia mais

Transistor Bipolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 8 Boylestad Cap. 10 Malvino

Transistor Bipolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 8 Boylestad Cap. 10 Malvino Transstor Bpolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smth Cap. 8 Boylestad Cap. 1 Malno Amplfcador C Notas de Aula SL 313 Crcutos letrôncos 1 Parte 6 1 o Sem/216 Prof. Manoel Análse de Amplfcadores Báscos Amplfcador

Leia mais

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico.

2ª PARTE Estudo do choque elástico e inelástico. 2ª PARTE Estudo do choque elástco e nelástco. Introdução Consderemos dos corpos de massas m 1 e m 2, anmados de velocdades v 1 e v 2, respectvamente, movmentando-se em rota de colsão. Na colsão, os corpos

Leia mais

Circuitos de uma malha (ou redutíveis a uma malha)

Circuitos de uma malha (ou redutíveis a uma malha) Circuitos de uma malha (ou redutíveis a uma malha) 1 Fig,24.1 24.1. Em certas ocasiões podemos ter circuitos elétricos muito complexos, com o aspecto de uma verdadeira rede. Qualquer circuito poligonal

Leia mais