Resoluções dos testes propostos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resoluções dos testes propostos"

Transcrição

1 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.195 esposta: d De U r, sendo 0, resulta U. Portanto, a força eletromotrz da batera é a tensão entre seus termnas quando a batera não é percorrda por corrente elétrca (batera em crcuto aberto). T.19 esposta: a stando a chave Ch aberta, o voltímetro ndca a própra força eletromotrz do gerador:,0 Com a chave Ch fechada, temos: U 5,0 10 0,50 U r 5,0,0 r 0,50 r,0 Ω U 5,0 r Ch 10 Ω T.197 esposta: e Dados: 1 ; U 8 ; 00 U r 8 1 r 00 r 0,0 Ω T.198 esposta: e I. Correta. equação do gerador é U r. Portanto, é uma função do 1 o grau decrescente. O gráfco correspondente lmta-se à regão do prmero quadrante, do ponto de vsta da Físca: U U 0 cc = r

2 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos II. Correta. Quando r, pela equação do gerador, temos U O. ntão, anula-se a ddp nos termnas do gerador, que dexa de almentar o crcuto. III. Correta. Da equação do gerador, U r, como o termo r 0, depreende-se que U. T.199 esposta: a Do gráfco: U 1 1 ; 1 ; U 8 ; plcando U r às duas stuações, vem: 1 r 8 r Subtrando a expressão de, vem: 1 8 r r r 4 Ω Substtundo r por 4 Ω em, temos: T.00 esposta: e Do gráfco, temos: 0 U () Gerador 0 cc 10 r 0 r r Ω r 0 esstor 10 () U 0 10 Ω Pela le de Poullet, temos: 0 5 r Portanto, nenhuma das alternatvas responde à questão. T.01 esposta: e U U1 Pot 1 8 U U U 1 U U 0 4 U 7 O rendmento do gerador é η 0,90. ssm: U 7 η 0, U U 1 U 4 U Ω (Pot 18 W)

3 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos T.0 esposta: c squematcamente, temos: L 1 L r B s lâmpadas L 1 e L devem estar submetdas às ddps U 1 e U (U 1 U,0 ) e dsspar as potêncas Pot 1 e Pot (Pot 1 Pot 0,0 W). Na lâmpada L 1 : Pot 1 U 1 1 0,0, ,10 Na lâmpada L : Pot U 0,0,0 0,10 ntensdade de corrente no gerador será: 1 0,10 0,10 0,0 ddp entre e B vale: U B U 1 U,0 Temos: U B r Como 1 Ω, vem:,0 4,5 r (0,0) 1 (0,0) r 0,50 Ω T.0 esposta: c Dados: 100 ; r,0 Ω; η 80% 0,80 U U Mas: η 0,80 U plcando a equação do gerador: U r ,0 10 le de Ohm aplcada ao resstor fornece: U ,0 Ω

4 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 4 T.04 esposta: b Chave lgada 1 G G Chave deslgada G G ' ' Comparando e, temos: T.05 esposta: a fem do gerador é 0. ddp nos termnas do gerador é gual à ddp no resstor de 8,0 Ω, que é atravessado pela corrente de ntensdade,0. ssm: U 8,0,0 U 1 plcando a equação do gerador: U r G 1 0 r G corrente no gerador é G, sendo a ntensdade de corrente no resstor de,0 Ω: U 1 8,0 Portanto: G,0 8,0 G 10 Substtundo em : 1 0 r 10 r 0,40 Ω

5 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 5 T.0 esposta: d Dados: 1,5 e 15 Ω a) Incorreta. o fechar a chave, U, pos os aparelhos não são deas. b) Incorreta. ndcação do voltímetro depende de a chave estar aberta ou fechada. c) Incorreta. Consderando que o voltímetro não é deal, ele é atravessado por corrente. ntão, chegam na parte nferor da plha as cargas que passam pela chave S e as cargas que passam pelo voltímetro. d) Correta. o fechar a chave S, a resstênca fca assocada em paralelo ao voltímetro. Como a plha não é deal, a ddp ndcada pelo voltímetro dmnu. e) Incorreta. stando aberta a chave, há passagem de corrente pelo voltímetro, pos este não é deal. T.07 esposta: a 10 Ω 40 Ω 5,0 Ω 0 Ω,0 Ω 1 5,0 Ω 0 Ω eq. Ω 8,0 Ω 1040,0 Ω 10 Ω 40 Ω 1,0 Ω 1 8,0 Ω Pela le de Poullet, temos: eq. r 1 8,0,0 1,

6 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos T.08 esposta: e resstênca de cada lâmpada vale: U (, Pot 0, 1 ) 4 Ω Como as lâmpadas devem estar assocadas em paralelo: ext. ext. Ω ntensdade de corrente que atravessa as lâmpadas pode ser calculada por: U ext. 1, 0, plcando a le de Poullet: 1,5 0, r 0,5 Ω r r ext. T.09 esposta: a 0 Pela le de Poullet: 0 Mas: Igualando: Como 1, e 4 Ω, vem: , 4 0 4,8 0 0,8 Ω 4

7 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 7 T.10 esposta: e Dados: ; r 0,5 Ω; Pot 1 W r r 5 5 r 5 r Pela le de Poullet, temos: 5 5 r 0,5 potênca total dsspada no crcuto nclu a potênca dsspada na resstênca nterna r do gerador. ssm, vem: Pot total 5 Pot 0,5 Substtundo em : Pot 5 0,5 5 Pot 0,5 5 0, ,5 Ω

8 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 8 T.11 esposta: a 1,0 Ω B,4 Ω B 4,0 Ω,0 Ω,0 Ω,0 Ω,0 Ω 4 0,0 Ω 4 0,0 Ω Pela le de Poullet, temos: 4,0,4,0 0,0,0 ddp entre os pontos e B é dada por: U B B U B,4,0 U B 7, Por outro lado, temos: U B 1 7,, , T.1 esposta: b Ω 1, Ω B 1, Ω B 1, Ω 5 Ω 10 Ω 5 Ω Ω 8 Ω Ω Ω 10 Ω 1 Ω B 1, Ω B 8 1 p Ω 4,8 Ω 8 1 p 4,8 Ω B Pela le de Poullet, temos: p r De U B r, vem: 4,8 1, 1 U B 1, 1 U B 4,8 ou U B p U B 4,8 1 U B 4,8

9 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 9 T.1 esposta: a B Ω Ω C 1 5 Ω 10 Ω U XY Ω Y Ω D X B Ω Ω Ω 10 Ω C D 1 15 Ω C p Ω Ω D Ω Ω Ω Ω Cálculo de U XY XY Cálculo de 1 U CD ,5 Cálculo de 1 1 1,5,5 Cálculo de Pela le de Poullet aplcada ao últmo esquema, temos:,5 0 r T.14 esposta: b 4,50 esstênca externa: ext. ext. 1,50 Ω ddp nos termnas do gerador é gual à ddp no crcuto externo: U ext. 1,50,00 U 4,50 potênca elétrca lançada pelo gerador vale: Pot º U 4,50,00 Pot º 1,5 W energa el. lançada no ntervalo de tempo t 1,00 mn 0 s, vale: $ Pot º t 1,5 0 $ 810 J

10 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 10 T.1 T.15 esposta: c stando a chave K aberta e sendo o voltímetro deal (resstênca nfnta), o crcuto não é percorrdo por corrente. letura do voltímetro é a força eletromotrz do gerador: 1,5 100 Ω K 100 Ω Fechando a chave K, passa corrente elétrca no trecho de crcuto que contém o amperímetro. O trecho de crcuto que contém o voltímetro não é percorrdo por corrente. Letura do amperímetro: 1, I Ω 100 Ω K 15 m T.15 T.1 esposta: a O crcuto que permte as determnações de e r é o da alternatva a, pos a lgação em 1 e depos em permte a obtenção de dos pares de valores da ddp U nos termnas do gerador e da ntensdade de corrente que o atravessa. plcando duas vezes a equação do gerador (U r ), obtém-se um sstema de equações que permte determnar a fem e a resstênca nterna r. T.17 esposta: c O amperímetro deal coloca o resstor em curto-crcuto. 40 letura do amperímetro será: Na stuação ao lado (voltímetro entre M e N), o resstor não fca mas em curto-crcuto I I I letura do voltímetro é a ddp no resstor : 1 Ω M N 4 Ω I I 1 Ω I M N I 4 Ω 10 Ω esstor em curto- -crcuto I 10 Ω U I U 10 U 0

11 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 11 T.18 esposta: a Cálculo de 1 m m Pela le de Ohm, temos: U 10 1 m K Ω Cálculo de Pela le de Poullet, temos: ,5 K 5 T.19 esposta: b Pela le de Poullet, r aumentando-se, a ntensdade da corrente elétrca r dmnu. Portanto, a ndcação de dmnu. ndcação do voltímetro é a tensão no gerador ou no reostato. amos analsar pelo gerador. mos que, se aumenta, dmnu. Como r é constante, o produto r dmnu. Sendo assm, de U r, concluímos que U aumenta. Portanto, a ndcação de aumenta. T.0 esposta: c amos determnar a resstênca elétrca do condutor clíndrco. Pela le de Poullet, temos: r 0, Ω 0 L De ρ, sendo 100 Ω, L π cm, πr π (0,5 cm) 0,5π cm, temos: 100 Ωρ π cm 0,5 π cm ρ 5 Ω cm

12 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.1 esposta: b Cada sére de dos geradores mantém a ddp. Na assocação em paralelo das três séres, a ddp não se modfca. ntão, a assocação das ses plhas mantém a ddp total U. plcando a le de Ohm, vem: U U T. esposta: b s plhas são deas. No 1 o arranjo, sendo a força eletromotrz de cada plha, a tensão entre os termnas da assocação sére é e, no o arranjo (plhas em paralelo), a tensão entre os termnas da assocação é. Logo, o 1 o arranjo oferece uma tensão maor. 1 arranjo arranjo T. esposta: c Temos 4 plhas de 1,5 e uma lâmpada de. lâmpada brlhará mas ntensamente quando a tensão entre os termnas da assocação de plhas for a maor possível. Isso ocorre quando as plhas estão lgadas em sére. É o que acontece na alternatva c. T.4 esposta: a Dados: r s 10 Ω; r p 0,4 Ω Na assocação em sére, temos: r s nr 10 nr Já para a assocação em paralelo: r p r n 0,4 r n Multplcando a expressão pela : 10 0,4 nr r n 4 r r Ω Substtundo em : 10 n n 5

13 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1 T.5 esposta: b carga elétrca da batera, em coulombs, vale: Q 1.00 mh s Q 4.0 C Para a ddp da batera ser U 4,8, as 4 plhas devem estar assocadas em sére. Para a corrente de ntensdade 10 m 10 10, temos: Q t.000 s t 10 h t t T. esposta: d,0 Ω 1,5 1,5 1,5,0 Ω 1 1,0 Ω 1,0 Ω 1,5 1 0,5 Ω 1 1,0 Ω 1,0 Ω 1 1,0 Ω,0 Ω Crcuto squema le de Poullet fornece a ntensdade da corrente, que é a letura do amperímetro : 1,5 1,5,0 0,5 eq. 1, letura do voltímetro é a ddp no resstor. Pela le de Ohm, temos: U U,0 1, U,4

14 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 14 T.7 esposta: b Por smetra, os pontos e B possuem o mesmo potencal elétrco e, portanto, a dferença de potencal entre e B é nula. Logo: 1 0 ddp entre os pontos C e D é: U CD Pela le de Ohm, temos: C B 1 D U CD T.8 esposta: e lâmpada L brlhará com maor ntensdade quando a ntensdade da corrente elétrca que a atravessa for a maor possível. Isso se consegue colocando-se a chave C em F, para que as plhas fquem em sére (aumentando assm a força eletromotrz), e fechando-se a chave C 1 para dmnur a resstênca do crcuto. Logo, temos: C 1 D C L P F P 1 T.9 esposta: a O rendmento é dado por η U. Quando a batera fornece a máxma potênca a um crcuto externo, a tensão U entre seus termnas é a metade da força eletromotrz. Portanto: η η 0,50 η 50% T.0 esposta: d Para as condções de potênca lançada máxma, conforme vsto no tem 8 deste capítulo: e r Pot º (máx.) 4r

15 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 15 T.1 esposta: a Quando o gerador fornece a máxma potênca a um crcuto externo, a resstênca externa do crcuto deve ser gual à resstênca nterna do gerador: ext. r T. esposta: b Para que a resstênca externa seja gual à resstênca nterna (r 1,0 Ω), que é a condção para que a potênca útl no gerador seja máxma, devemos assocar em paralelo ao resstor,0 Ω outro resstor de resstênca,0 Ω: 1 r 1,0 Ω,0 Ω 1,0 Ω,0 Ω T.4 T. esposta: a O menor tempo possível corresponde à potênca máxma fornecda pelo gerador. Nessas condções, a resstênca nterna do gerador (no caso r Ω) deve ser gual à resstênca equvalente externa. ssm, devemos usar somente o resstor de Ω. T.4 T. esposta: c partr do gráfco é possível verfcar que, quando a potênca lançada pelo gerador é máxma, 5. ntão, temos: cc 5 5 r Pot º(máx.) 5 W nda nessa stuação sabe-se que U. Logo, como Pot º(máx.) U, vem: Pot º (W) () Substtundo em, temos: 10 r 5 r 1,0 Ω

16 da físca Undade B Capítulo 9 Geradores elétrcos esoluções dos testes propostos 1

Física C Intensivo V. 2

Física C Intensivo V. 2 Físca C Intensvo V Exercícos 01) C De acordo com as propredades de assocação de resstores em sére, temos: V AC = V AB = V BC e AC = AB = BC Então, calculando a corrente elétrca equvalente, temos: VAC 6

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca ndade Capítulo 9 Geadoes elétcos esoluções dos execícos popostos 1 P.19 Dados: 4 ; 1 Ω; 0 a) 0 4 1 4 b) Pot g Pot g 4 4 Pot g 96 W Pot º Pot º 0 4 Pot º 80 W Pot d Pot g Pot º Pot d 96 80 Pot

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Questões Eletricidade 6 Resistores

Prof. A.F.Guimarães Questões Eletricidade 6 Resistores Questão 1 (UNIMP) Um fusível é um nterruptor elétrco de proteção que quema, deslgando o crcuto, quando a corrente ultrapassa certo valor. rede elétrca de 110 V de uma casa é protegda por fusível de 15.

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C apítulo da físca apactores Testes propostos ndade apítulo apactores Resoluções dos testes propostos T.55 Resposta: d O potencal elétrco de uma esfera condutora eletrzada é dado por: Vk 0 9 00 9 0,0 0 9

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 37 (pág. 88) AD TM TC. Aula 38 (pág. 88) AD TM TC. Aula 39 (pág. ísca Setor Prof.: Índce-controle de Estudo ula 37 (pág. 88) D TM TC ula 38 (pág. 88) D TM TC ula 39 (pág. 88) D TM TC ula 40 (pág. 91) D TM TC ula 41 (pág. 94) D TM TC ula 42 (pág. 94) D TM TC ula 43 (pág.

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

Associação de Resistores Física 2

Associação de Resistores Física 2 Assocação de esstores Físca 2 Aula 4. Sére I. A corrente elétrca é a mesma em cada resstor. II. A ddp total se dvde entre os resstores. III. A resstênca equvalente é a soma das resstêncas elétrcas de cada

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Tópico 2. Resolução: a) R eq. = 3 + 7 R eq = 10 Ω 1 = 1 R eq 12 + 1 36 + 1 36 R = 0,9 Ω 1 = 40. a) A e B? b) C e D? c) R eq.

Tópico 2. Resolução: a) R eq. = 3 + 7 R eq = 10 Ω 1 = 1 R eq 12 + 1 36 + 1 36 R = 0,9 Ω 1 = 40. a) A e B? b) C e D? c) R eq. Tópco ssocação de resstores e meddas elétrcas 113 Tópco esolução: a) eq 3 + 7 eq 10 Ω 1 Nas lustrações a segur, como estão assocadas as lâmpadas: a) e? b) e? b) 1 1 eq 36 + 1 1 + 1 1 40 36 0,9 Ω eq c)

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR EXPEIÊNCIA 06 CAGA E DESCAGA DE UM CAPACITO 1. OBJETIVOS a) Levantar, em um crcuto C, curvas de tensão no resstor e no capactor em função do tempo, durante a carga do capactor. b) Levantar, no mesmo crcuto

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES Prof(a) Stela Mara de arvalho Fernandes SSOIÇÃO DE ESISTOES ssocação de esstores em Sére Dos ou mas resstores estão assocados em sére quando são percorrdos pela mesma corrente elétrca. omo U D Somando

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenhara de Lorena EEL LOB1053 - FÍSICA III Prof. Dr. Durval Rodrgues Junor Departamento de Engenhara de Materas (DEMAR) Escola de Engenhara de Lorena (EEL) Unversdade

Leia mais

Física C Extensivo V. 5

Física C Extensivo V. 5 GABAITO Física C Extensivo V. 5 Exercícios 0) a) = 4 + = 6 Ω 06) = Ω b) V = 48 = 6 i = A c) = = 4. = V V = V =. = 6 V d) P = P = 4. = 6 w P = P =. = 08 w e) P total = P + P = 44 w f) gerador ideal P fornecida

Leia mais

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE

EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO PARALELA 4º BIMESTRE EXERCÍCIOS DE RECUERAÇÃO ARALELA 4º BIMESTRE NOME Nº SÉRIE : 2º EM DATA : / / BIMESTRE 4º ROFESSOR: Renato DISCILINA: Físca 1 VISTO COORDENAÇÃO ORIENTAÇÕES: 1. O trabalho deverá ser feto em papel almaço

Leia mais

Capítulo 30: Indução e Indutância

Capítulo 30: Indução e Indutância Capítulo 3: Indução e Indutânca Índce Fatos xpermentas; A e de Faraday; A e de enz; Indução e Tranferênca de nerga; Campos létrcos Induzdos; Indutores e Indutânca; Auto-ndução; Crcuto ; nerga Armazenada

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3

Capítulo. Capacitores Resoluções dos exercícios propostos. P.283 a) Dados: ε 0 8,8 10 12 F/m; A (0,30 0,50) m 2 ; d 2 10 3 m 0,30 0,50 2 10 3 apítulo a físca xercícos propostos nae apítulo apactores apactores Resoluções os exercícos propostos P.8 a) aos: ε 0 8,8 0 F/m; (0,0 0,50) m ; 0 m ε 0 8,8 0 0,0 0,50 0 6,6 0 0 F b) ao:.000 V 6,6 00.000,

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r F Físca 1998 1. Um certo calorímetro contém 80 gramas de água à temperatura de 15 O C. dconando-se à água do calorímetro 40 gramas de água a 50 O C, observa-se que a temperatura do sstema, ao ser atngdo

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B capítulo 10 Receptores elétrcos seções: 101 Receptor Força contraeletromotrz 102 Crcutos gerador-receptor e gerador-receptor-resstor antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas

Leia mais

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM FÍSICA COENTE ELÉTICA, ESISTÊNCIA, DDP, ª E ª LEIS DE OHM. CAGA ELÉTICA (Q) Observa-se, expermentalmente, na natureza da matéra, a exstênca de uma força com propredades semelhantes à força gravtaconal,

Leia mais

GRANDEZAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS

GRANDEZAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Introdução. Configuração Inversora. Amplificadores Operacionais. Configuração Não-Inversora. Amplificadores de Diferença

Introdução. Configuração Inversora. Amplificadores Operacionais. Configuração Não-Inversora. Amplificadores de Diferença ntrodução Confguração nersora mplfcadores peraconas Confguração Não-nersora mplfcadores de Dferença TE4 Fundamentos da Eletrônca Engenhara Elétrca Efeto do Ganho Fnto em Malha erta e da Faxa de Passagem

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professores: Edson Vaz e Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2013 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos

Leia mais

Capítulo 24: Potencial Elétrico

Capítulo 24: Potencial Elétrico Capítulo 24: Potencal Energa Potencal Elétrca Potencal Superfíces Equpotencas Cálculo do Potencal a Partr do Campo Potencal Produzdo por uma Carga Pontual Potencal Produzdo por um Grupo de Cargas Pontuas

Leia mais

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2016 91 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º

Leia mais

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I ndade B 9 Capítulo Geadoes elétcos Seções: 91 Geado Foça eletomotz 92 Ccuto smples Le de Poullet 93 Assocação de geadoes 94 studo gáfco da potênca elétca lançada po um geado em um ccuto Antes de

Leia mais

Tensão, Corrente Elétrica e Resistência Elétrica

Tensão, Corrente Elétrica e Resistência Elétrica Tensão, Corrente Elétrca e Resstênca Elétrca Bblografa: Instalações Elétrcas Predas Geraldo Cavaln e Severno Cerveln Capítulo 1. Instalações Elétrcas Hélo Creder Capítulo 2. Curso de Físca Volume 3 Antôno

Leia mais

Circuitos Elétricos. 1) Introducão. Revisão sobre elementos. Fontes independentes de tensão e corrente. Fonte Dependente

Circuitos Elétricos. 1) Introducão. Revisão sobre elementos. Fontes independentes de tensão e corrente. Fonte Dependente Crcutos Elétrcos 1) Introducão Resão sobre elementos Fontes ndependentes de tensão e corrente Estas fontes são concetos muto útes para representar nossos modelos de estudo de crcutos elétrcos. O fato de

Leia mais

Amplificadores de Potência ou Amplificadores de Grandes Sinais

Amplificadores de Potência ou Amplificadores de Grandes Sinais UFBA Unversdade Federal da Baha Escola oltécnca Departamento de Engenhara Elétrca Amplfcadores de otênca ou Amplfcadores de Grandes Snas Amaur Olvera Feverero de 2011 1 Característcas: Estágo fnal de amplfcação;

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIÊNCI 04 LEIS DE KIRCHHOFF EM CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNU 1. OBJETIVOS a) Determnar a força eletromotrz e a resstênca nterna de uma batera em um crcuto de malha únca. b) Calcular a resstênca nterna

Leia mais

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores

Esta aula: Conceitos fundamentais: bipolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Convenções Transferência de energia Resistores Esta aula: Concetos fundamentas: bpolos, tensão e corrente Geradores de tensão e de corrente Conenções Transferênca de energa Resstores TEORA DE CRCUTOS Crcuto elétrco: Coleção de dspostos elétrcos conectados

Leia mais

Capítulo 26: Corrente e Resistência

Capítulo 26: Corrente e Resistência Capítulo 6: Corrente e esstênca Cap. 6: Corrente e esstênca Índce Corrente Elétrca Densdade de Corrente Elétrca esstênca e esstvdade Le de Ohm Uma Vsão Mcroscópca da Le de Ohm Potênca em Crcutos Elétrcos

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA 67 Anos Educando com o Coração Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael Frank de Rodrgues

Leia mais

Resistores e Associação de Resistores

Resistores e Associação de Resistores Resistores e Associação de Resistores Gabarito Parte I: O esquema a seguir ilustra a situação: Como mostrado, a resistência equivalente é Ω. Aplicando a lei de Ohm-Pouillet: = R eq i 60 = i i = 15 A. a)

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

Medida da resistência elétrica

Medida da resistência elétrica Medida da resistência elétrica 1 Fig.31.1 31.1. No circuito da Fig. 31.1 o amperímetro e o voltímetro são reais (isto é, R A 0 e R V ). Eles fornecem, respectivamente, as leituras i e U. Podemos afirmar

Leia mais

CIRCUITOS RESISTIVOS

CIRCUITOS RESISTIVOS Temátca Crctos Eléctrcos Capítlo nálse de Crctos Lneares CICITOS ESISTIVOS INTODÇÃO Nesta secção apresentamse dversas metodologas para resolção de crctos lneares tas como o método geral, a smplfcação do

Leia mais

- Eletrônica Analógica 1 - Capítulo 2: Fundamentos dos transistores bipolares de junção (TBJ)

- Eletrônica Analógica 1 - Capítulo 2: Fundamentos dos transistores bipolares de junção (TBJ) - Eletrônca Analógca 1 - Capítulo 2: Fundamentos dos transstores bpolares de junção (TBJ) 1 Físca do TBJ 2 Tpos de lgação do TBJ 2.1 Confguração base-comum Sumáro Parta A Introdução ao TBJ e sua operação

Leia mais

12/19/2016. Turma Capacitores. Profa. Ignez Caracelli Física 3. Profa. Ignez Caracelli Física 3 2

12/19/2016. Turma Capacitores. Profa. Ignez Caracelli Física 3. Profa. Ignez Caracelli Física 3 2 Turma 09903-1 Capactores 1 2 1 Vsão Geral Bpolo: dspostvo contendo 2 ou mas termnas condutores A cada bpolo estão assocadas uma corrente (que o atravessa) e uma tensão (entre seus termnas). 3 Vsão Geral

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS. material condutor. - fonte de tensão + 1. INTRODUÇÃO 2. FONTES DE TENSÃO 3. CORRENTE ELÉTRICA

CIRCUITOS ELÉTRICOS. material condutor. - fonte de tensão + 1. INTRODUÇÃO 2. FONTES DE TENSÃO 3. CORRENTE ELÉTRICA Eletrcdade ásca Eletrcdade ásca CICUITOS ELÉTICOS s bateras e plhas fornecem tensão contínua perfetamente retfcada, ou seja, não há varação da dferença de potencal com o tempo, conforme o gráfco abaxo.

Leia mais

ANALOGIA ENTRE INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉCRICA E CAUDAL DE UM LÍQUIDO

ANALOGIA ENTRE INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉCRICA E CAUDAL DE UM LÍQUIDO ANALOGA ENTRE NTENSDADE DE CORRENTE ELÉCRCA E CADAL DE M LÍQDO Exemplo de revisão do conceito de caudal: Para medir o caudal de uma torneira, podemos encher um balde com água e medir o tempo que o balde

Leia mais

F-328 Física Geral III

F-328 Física Geral III F-328 Físca Geral III Aula exploratóra- 06 UNICAMP IFGW username@f.uncamp.br F328 2 o Semestre de 2013 1 Corrente elétrca e resstênca Defnção de corrente: Δq = dq = t+δt Undade de corrente: 1 Ampère =

Leia mais

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 0 LEIS EXPEIMENTAIS E CICUITOS SIMPLES Prof SILVIO LOBO ODIGUES INTODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DO IO GANDE DO SUL Destnase o segundo capítulo ao estudo das les de Krchnoff e suas aplcações

Leia mais

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências.

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências. 1 Fltros são dspostvos seletvos em freqüênca usados para lmtar o espectro de um snal a um determnado ntervalo de freqüêncas. A resposta em freqüênca de um fltro é caracterzada por uma faxa de passagem

Leia mais

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS PROF: Claudo Saldan CONTATO: saldan.mat@gmal.com PARTE 0 -(MACK SP/00/Janero) Se y = x, sendo x= e =, o valor de (xy) é a) 9 9 9 9 e) 9 0 -(FGV/00/Janero)

Leia mais

Órion MARATONA UFG FÍSICA. (Leonardo) NOME: Lista 03

Órion MARATONA UFG FÍSICA. (Leonardo) NOME: Lista 03 Óron ARATOA UFG FÍSICA (Leonardo) O: Lsta 03 01 - (FABC) A fgura representa um longo fo retlíneo percorrdo por uma corrente elétrca de ntensdade = 4mA. Podemos afrmar que a ntensdade do campo magnétco

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Dinâmica do Movimento de Rotação

Dinâmica do Movimento de Rotação Dnâmca do Movmento de Rotação - ntrodução Neste Capítulo vamos defnr uma nova grandeza físca, o torque, que descreve a ação gratóra ou o efeto de rotação de uma força. Verfcaremos que o torque efetvo que

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

Na figura, são dados os vetores a, b e c.

Na figura, são dados os vetores a, b e c. 46 b FÍSICA a fgura, são dados os vetores a, b e c. u a b c Sendo u a undade de medda do módulo desses vetores, pode-se afrmar que o vetor d = a b + c tem módulo a) 2u, e sua orentação é vertcal, para

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Ruído. SEL 371 Sistemas de comunicação. Amílcar Careli César Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP

Ruído. SEL 371 Sistemas de comunicação. Amílcar Careli César Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP Ruído SEL 371 Sstemas de comuncação Amílcar Carel César Departamento de Engenhara Elétrca da EESC-USP Atenção! Este materal ddátco é planejado para servr de apoo às aulas de SEL-371 Sstemas de comuncação,

Leia mais

Medida de Quatro Pontas Autor: Mauricio Massazumi Oka Versão 1.0 (janeiro 2000)

Medida de Quatro Pontas Autor: Mauricio Massazumi Oka Versão 1.0 (janeiro 2000) Medda de Quatro Pontas Autor: Maurco Massazum Oka Versão.0 (janero 000) Introdução A técnca de medda de quatro pontas é largamente usada para a medda de resstvdades e resstêncas de folha. O método em s

Leia mais

a t FR F Fa FR F FA F 8N , 2 m d v a Então: QUESTÃO 1 ALTERNATIVA (A) MÉDIA

a t FR F Fa FR F FA F 8N , 2 m d v a Então: QUESTÃO 1 ALTERNATIVA (A) MÉDIA QUESÃO 1 ALENAIVA (A) Entre os materas ctados, o chumbo apresenta a maor densdade. Sendo a densdade m d v no ráfco podemos observar que para um mesmo volume o corpo que apresentar maor massa terá maor

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca 3 Undade C Capítulo 4 Força agnétca esoluções dos exercícos propostos P.33 Característcas da força agnétca : dreção: perpendcular a e a, sto é: da reta s C u D r sentdo: deternado pela regra da

Leia mais

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo ELETRICIDADE Eletrodinâmica Eletrostática Eletromagnetismo Átomo Núcleo Prótons carga positiva (+e). Nêutrons carga neutra. Eletrosfera Eletrons carga negativa (-e). Carga Elétrica Elementar e = 1,6 x

Leia mais

O Transistor de Junção

O Transistor de Junção O Transstor de Junção 202-0-27 Snas elétrcos e amplfcadores mos que uma fonte elétrca é caracterzada por duas grandezas: sua força eletromotrz e sua resstênca nterna. Imagne agora uma fonte construída

Leia mais

CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO

CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO CURSO DE APROFUNDAMENTO FÍSICA ENSINO MÉDIO Prof. Cazuza 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica

Leia mais

Electromagnetismo e Óptica

Electromagnetismo e Óptica Electromagnetsmo e Óptca aboratóro - rcutos OBJETIOS Obter as curvas de resposta de crcutos do tpo sére Medr a capacdade de condensadores e o coefcente de auto-ndução de bobnas por métodos ndrectos Estudar

Leia mais

Circuitos Eletrônicos Analógicos:

Circuitos Eletrônicos Analógicos: Crcutos Eletrôncos Analógcos: Crcutos com Amplfcadores Operaconas Prof. Pedro S. Almeda Pedro de Asss Sobrera Jr. 2 Conteúdo da aula Introdução ao amplfcador operaconal Conceto dealzado Análse com crcutos

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO CIRCUITOS 1

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO CIRCUITOS 1 1. (Unesp 94) Por uma bateria de f.e.m. (E) e resistência interna desprezível, quando ligada a um pedaço de fio de comprimento Ø e resistência R, passa a corrente i (figura 1). Quando o pedaço de fio é

Leia mais

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa

φ = 2,0 3,0 10 2 1 φ = 6,0 10 2 Wb 2 Uma espira quadrada de 20 cm de lado está totalmente imersa 238 PTE III ELETOMGETIMO Tópco 4 1 E.. Uma espra retangular de 1 cm de largura por 3 cm de comprmento é colocada, totalmente mersa, em um campo de ndução magnétca unforme e constante, de módulo gual a

Leia mais

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão.

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. 01 O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. Como as lâmpadas são idênticas, tem-se: U 1 = U 2 = U 3 = U 4 = U = lâmpada i Assim: U 1 + U 2 + U 3 + U 4 = 220 4U = 220 U = 55 V esposta: A 1 02

Leia mais

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura:

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica dos fios que fazem a ligação entre a bateria e as

Leia mais

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V)

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V) Acesse. www.professorarnon.com Eletricidade Básica. Associação de Resistências em Série Vários resistores estão associados em série quando são ligados um em seguida do outro, de modo a serem percorridos

Leia mais

Conteúdo GERADORES ELÉTRICOS E QUÍMICOS E FORÇA ELETROMOTRIZ.

Conteúdo GERADORES ELÉTRICOS E QUÍMICOS E FORÇA ELETROMOTRIZ. Aula 10.1 Física Conteúdo GERADORES ELÉTRICOS E QUÍMICOS E FORÇA ELETROMOTRIZ. Habilidades Compreender os conceitos da Eletrodinâmica. Compreender elementos do circuito elétrico e seu funcionamento. Frente

Leia mais

Sendo n o número de elétrons que constituem a carga elétrica Q e a carga elétrica elementar, temos: Q = n.e.

Sendo n o número de elétrons que constituem a carga elétrica Q e a carga elétrica elementar, temos: Q = n.e. AULA Nº 0 CORRENTE ELÉTRICA a) Corrente elétrica É todo movimento ordenado de cargas elétricas b) Intensidade média da corrente elétrica Seja Q o valor absoluto da carga elétrica que atravessa a secção

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca 3 Undad C Capítulo 15 Indução ltromagnétca soluçõs dos xrcícos propostos 1 P.368 D L v, vm: 0,5 0, 1 5 2 V P.369 D L v, vm: 15 6 1 20 3 4 V P.370 a) L v 1,5 0,40 2 1,2 V b) 1,2 2 0,6 Pla rgra

Leia mais

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador Geradores elétricos Geradores elétricos são dispositivos que convertem um tipo de energia qualquer em energia elétrica. Eles têm como função básica aumentar a energia potencial das cargas que os atravessam

Leia mais

Eletromagnetismo. Energia Eletromagnética

Eletromagnetismo. Energia Eletromagnética letromagnetsmo nerga letromagnétca letromagnetsmo» nerga letromagnétca 1 Introdução A energa eletromagnétca é uma das mutas formas de energa. Como tal, ela pode ser armazenada, transportada e transformada

Leia mais

Realimentação negativa em ampliadores

Realimentação negativa em ampliadores Realmentação negatva em ampladores 1 Introdução necessdade de amplfcadores com ganho estável em undades repetdoras em lnhas telefôncas levou o Eng. Harold Black à cração da técnca denomnada realmentação

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA 1 (UNIFESP) Um condutor é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i = 800 ma. Conhecida a carga 19 elétrica elementar, e = 1,6

Leia mais

Trocas radiativas entre superfícies: recintos fechados com meio não participativo

Trocas radiativas entre superfícies: recintos fechados com meio não participativo Trocas radatvas entre superfíces: recntos fechados com meo não partcpatvo Concetos báscos Recnto fechado consste de ou mas superfíces que englobam uma regão do espaço (tpcamente preenchda com gás) e que

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE ENSINO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE ENSINO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA NSTTUTO FEDEAL DE SANTA CATANA CAMPUS JONLLE DEPATAMENTO DE DESENOLMENTO DE ENSNO CUSO TÉCNCO EM ELETOELETÔNCA ELETCDADE Profª. Bárara Taques EFEÊNCAS BBLOÁFCAS EFEÊNCAS BBLOÁFCAS... CAPÍTULO ANDEZAS ELÉTCAS....

Leia mais

Questão 4. Questão 5. Questão 6

Questão 4. Questão 5. Questão 6 Questão 1 Por uma bateria de f.e.m. (E) e resistência interna desprezível, quando ligada a um pedaço de fio de comprimento Ø e resistência R, passa a corrente i (figura 1). Quando o pedaço de fio é cortado

Leia mais

ELETROMAGNETISMO. Indicando por nada a ausência de atração ou repulsão da parte testada, os resultados das quatro experiências são, respectivamente:

ELETROMAGNETISMO. Indicando por nada a ausência de atração ou repulsão da parte testada, os resultados das quatro experiências são, respectivamente: ELETROMGETIMO 01 (Umesp-P) errando transversalmente um ímã em forma de barra, o que acontece? a) s duas partes se desmagnetzam. b) Obtém-se um pólo norte e um pólo sul solados. c) a secção de corte, surgem

Leia mais

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico Q1 Um clndro feto de materal com alta condutvdade térmca e de capacdade térmca desprezível possu um êmbolo móvel de massa desprezível ncalmente fxo por um pno. O rao nterno do clndro é r = 10 cm, a altura

Leia mais

R R R. 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série. resistências & lei de Ohm R A

R R R. 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série. resistências & lei de Ohm R A resistências & lei de Ohm R A V R 7. corrente contínua e circuitos os circuitos são constituídos por um gerador e cargas ligadas em: Série Paralelo corrente Rsérie R R Rparalelo R R2 2 SÉREigual corrente

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais