Conteúdo. 2 Polinômios Introdução Operações... 13

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conteúdo. 2 Polinômios Introdução Operações... 13"

Transcrição

1 Conteúdo 1 Conjunto dos números complexos Introdução Operações (na forma algébrica) Conjugado Potências de i Representação Gráca (O Plano de Argand-Gauss) Polinômios Introdução Operações Equações Polinomiais Introdução Rebaixamento do grau de equações polinomiais Relações de Girard (entre raízes da equação P (x) = 0 e seus coecientes) Exercícios Respostas dos Exercícios i

2 Capítulo 1 Conjunto dos números complexos 1.1 Introdução Observação : Sejam n Z + e par e a R +. Sabemos que n a / R. Observação : Denindo o número representado por i (chamado unidade imaginária) tal que i 2 = 1, temos: α R (αi) 2 = α 2. De fato, (αi) 2 = α 2 i 2 = α 2 ( 1) = α 2. Exemplo(s) : (6i) 2 = := ±6i ( 2i) 2 = 2 2 := ± 2i. A equação x 2 2x + 10 = 0 possui solução nesse novo conjunto. De fato, = b 2 4ac = 4 4(1)(10) = 36 = 36 = ±6i que são números do tipo a + bi, com a, b R. x 1 = 2 + 6i 2 x 2 = 2 6i 2 = = 2/(1 + 3i) 2/ e 2/(1 3i) 2/ = 1 + 3i = 1 3i Denição : Todo número que pode ser escrito na forma a + bi com a, b R é denominado número complexo. 1

3 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 2 Notações: C = {z/z = a + bi com a, b R e i 2 = 1}. Re(a + bi) := a. Im(a + bi) := b. Observação : (a) R C pois a R temos a = a + 0i (b = 0); (b) b = 0 z é real; (c) b 0 z é dito imaginário; (d) a = 0 e b 0 z é dito imaginário puro; (e) Sejam z = a + bi C e w = c + di C. z = w a = c e b = d. Execício(s) : Determinar α (α R) para que o complexo z = (α 2 1) + (α + 1)i seja imaginário puro. Resp. α = Operações (na forma algébrica) I- Adição: z = a + bi e w = c + di z + w := (a + c) + (b + d)i Propriedades: z 1 + z 2 = z 2 + z 1 (comutativa) (z 1 + z 2 ) + z 3 = z 1 + (z 2 + z 3 ) (associativa) 0 + z = z + 0 = z (elemento neutro) z + ( z) = 0 (elemento oposto ou simétrico aditivo: a bi) II- Diferença: z = a + bi e w = c + di z w := z + ( w) = a + bi + ( c di) = (a c) + (b d)i. Propriedades: as mesmas da adição. III- Produto: z = a + bi e w = c + di z w = (a + bi)(c + di) := ac + adi + bci bd = (ac bd) + (ad + bc)i.

4 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 3 Propriedades: z 1 z 2 = z 2 z 1 (comutativa) (z 1 z 2 ) z 3 = z 1 (z 2 z 3 ) (associativa) z 1 = 1 z = z (elemento neutro) Veremos também que z C,!z 1 := 1 z C tal que z z 1 = z 1 z = 1 (elemento inverso) Observação : Além das propriedades citadas acima, a distributividade da multiplicação em relação à adição permanece válida. Execício(s) : Escreva as expressões abaixo na forma algébrica a+bi. (a) 2i + (1 5i) (3 + i) (b) (2 + 4i)(3 + 2i) (c) (3 5i)(2 + 4i)3i (d) (1 + i) 2 (1 i) 2 Respostas: (a) 11 2i; (b) i; (c) i; (d) 4i. Execício(s) : Determine os reais x e y de modo que se tenha (x + yi)(1 + 3i) = 5 + 5i. Resp.: x = 2 e y = 1 Propriedade (elemento inverso): z C,!z 1 := 1 z C tal que z z 1 = z 1 z = 1. De fato, seja z = a + bi C. Considere z 1 = x + yi. ax by = 1 Queremos: (a + bi)(x + yi) = 1 (ax by) + (bx + ay)i = 1 e bx + ay = 0( ) a 2 x aby / = a Daí, + b 2 x + aby / = 0 x(a 2 + b 2 ) = a Assim, z 1 = x + yi := x = a a 2 + b 2 a a 2 + b b 2 a 2 + b i. 2 ( ) y = IV- Divisão: Seja w C. Então z : w = z w 1. Exemplo(s) : b a 2 + b i 1 2i = (3 + i)(1 2i) 1 = (3 + i)( i) = i.

5 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio Conjugado z = a + bi z := a bi denota o conjugado de z. Observação : z = a + bi (a) z = z (b) z z = a 2 + b 2 (c) z 0 z 1 = 1 z = z zz = a bi a 2 + b 2 = (d) w 0 z : w = z w = zw ww (e) z 1 z 2 = z 1 z 2 a a 2 + b 2 b a 2 + b 2 i (f) z 1 + z 2 = z 1 + z 2 De fato, esse resultados seguem imediatamente dos cálculos. Exemplo(s) : (a) z = 2 + 3i z = (2 3i) = 2 + 3i (b) 2 i 3 + 2i = (2 i)(3 2i) (3 + 2i)(3 2i) 6 4i 3i + 2i2 = = 4 7i = i (c) Resolva a equação iz 2i = 4 + 2z. Seja z = x + yi. Então z = x yi. Assim, iz 2i = 4 + 2z i(x yi) 2i = 4 + 2(x + yi) xi + y 2i = 4 + 2x + 2yi Daí, y 2x 4 = 0 (+)2x 4 4y = 0 3y 8 = 0 y 4 2x + xi 2i 2yi = 0 (y 2x 4) + (x 2 2y)i = 0 y 2x 4 = 0 e x 2 2y = 0 y = 8 3 x = Assim, z = i.

6 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio Potências de i i 0 = 1 i 1 = i i 2 = 1 i 3 = i 2 i = 1 i = i i 4 = i 2 i 2 = ( 1)( 1) = 1 i 5 = i 4 i = 1 i = i i 6 = i 2 = 1. i 91 =? Suponha n N, n 4. Observe que n = 4q + r onde q N e r representa o resto da divisão de n por 4, ou seja, r = 0 ou r = 1 ou r = 2 ou r = 3. Então, i n = i 4q+r = i 4q i r = (i 4 ) q i r = 1 q i r = i r. Logo, i n = i r onde r = 0 ou r = 1 ou r = 2 ou r = 3. Exemplo(s) : i 91? = Daí, i 91 = i 3 = i.

7 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio Representação Gráca (O Plano de Argand-Gauss) z = a + bi P (a, b) Im ou y b P Ox : eixo real Oy : eixo imaginário P : afixo ou imagem geométrica do complexo z 0 a x ou Re a) Forma Trigonométrica (ou forma polar) Im b P(a,b) r 0 θ r b r e θ são chamados coordenadas polares 0 a a Re r 2 = a 2 + b 2 r = a 2 + b 2 (módulo de z ). Notação: r = z sen θ = b r cos θ = a r b = rsen θ. a = r cos θ. θ = arctg b (argumento principal do complexo z ). a

8 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 7 Então, z = a + bi = r cos θ + (rsen θ)i = r(cos θ + isen θ) := rcisθ (forma trigonométrica de z ). Observação : Existem innitos argumentos já que cos(θ + 2kπ) = cos θ e sen(θ + 2kπ) = sen θ k Z. Exemplo(s) : (i) z = 1 + i r = = 2 e tg θ = 1 1 = 1 θ = π 4 = 45o z = 2(cos 45 o + i sen 45 o ) = 2cis45 o ou z = 2(cos π 4 + isen π 4 ) = 2cis π 4. (ii) z = 7 z = 7 + 0i r = = 7 e tg θ = 0 7 = 0. Como 7 é real positivo, sua imagem pertence ao semi-eixo real positivo θ = 0 o z = 7(cos 0 o + isen, 0 o ) = 7cis 0 o = 7cis 0. Observação : A determinação de θ (argumento principal de z) pode ser feita usando os valores do seu seno e cosseno ou o valor da sua tangente e o quadrante que contém a imagem geométrica do complexo z. (iii) Escreva na forma algébrica o complexo z = 3cis 60 o. z = 3cis60 o = 3(cos 60 o + isen 60 o ) = 3( i 2 ) = i. 2 Operações (na forma trigonométrica) (I) Produto: z 1 = r 1 cisθ 1 e z 2 = r 2 cisθ 2 z 1 z 2 = r 1 r 2 cis(θ 1 + θ 2 ) De fato, isto segue imediatamente das fórmulas trigonométricas: cos(a + b) = cos a cos b sen a sen b e sen(a + b) = sen a cos b + sen b cos a. Exemplo(s) (2cis 45 o ) ( 3cis 60 o ) = 2 3cis 105 o. (II) Divisão: z 1 = r 1 cisθ 1 e z 2 = r 2 cisθ 2 z 1 z 2 = r 1 r 2 cis(θ 1 θ 2 ). De fato, 1 z 2 = z 2 z 2 z 2 = r 2cis(2π θ 2 ) r 2 2 = r 1 cisθ 1 1 r 2 cis( θ 2 ) = r 1 r 2 cis(θ 1 θ 2 ) = 1 cis(2π θ 2 ) = 1 cis( θ 2 ) z 1 = z 1 z2 1 r 2 r 2 z 2

9 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 8 Exemplo(s) : 4cis75o 2cis30 o = 4 2 cis(75o 30 o ) = 2cis45 o Observação : z = rcisθ z 1 = 1 z = 1 r cis( θ) ou z 1 = 1 z 1cis 0o = rcisθ = 1 r cis( θ) = 1 r [cos( θ) + isen ( θ)] = 1 (cos θ isen θ), r já que cos( θ) = cos θ e sen θ = sen( θ). Observação : (i) z = z (ii) z w = z w (iii) z = z (w 0) w w (III) Potenciação: (Fórmula de De Moivre) z = r cis θ e n Z z n = r n cis nθ Exemplo(s) : (2 cis 30 o ) 6 = 2 6 cis 180 o = 64(cos 180 o + isen 180 o ) = 64( 1 + i0) = 64 Exemplo(s) : Uma aplicação: cos 3x e sen 3x? (cos x + isen x) 3 = cos 3x + isen 3x cos 3 x + 3 cos 2 x isen x + 3 cos x (isen x) 2 + (isen x) 3 = cos 3x + isen 3x cos 3 x + 3isen x cos 2 x isen 3 x 3 cos x sen 2 x = cos 3x + isen 3x cos 3 x 3 cos x sen 2 x + i(3sen x cos 2 x sen 3 x) = cos 3x + isen 3x cos 3x = cos 3 x 3 cos x sen 2 x e sen 3x = 3sen x cos 2 x sen 3 x (IV) Radiciação (aplicação da fórmula de De Moivre) Teorema : z = r cis θ e n N n z = n r cis θ+2kπ n onde k = 0, 1, 2,..., n 1 (n raízes n-ésimas diferentes). De fato, observe que ( n r cis θ+2kπ n ) n = z.

10 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 9 Observação : r = 0 n 0 = 0 k = 0, 1,..., n 1 (todas as raízes são iguais a zero) r 0 ( ) k = 0 n z = n θ r cis n ( k = 1 n z = n θ r cis n + 2π ) n ( k = 2 n z = n θ r cis n + 4π ) n ( k = 3 n z = n θ r cis n + 6π ) n ( ) k = n 1 n z = n θ (2n 2) r cis + π n n ( ) k = n n z = n θ r cis n + 2π (começamos a obter valores repetidos) Exemplo(s) : 4 16cis 120o? (calcule as 4 raízes quartas de z = 16cis 120 o ) 4 16cis 120o = 4 16cis 120o +2kπ = 2cis 120o +360 o k = 2cis(30 o + k 90 o ), k = 0, 1, 2, k = 0 z 1 = 2cis 30 o k = 1 z 2 = 2cis 120 o k = 2 z 3 = 2cis 210 o k = 3 z 4 = 2cis 300 o Observação : As 4 raízes encontram-se sobre a mesma circunferência (mesmo módulo) e são vértices de um polígono regular convexo de 4 lados (quadrado de centro na origem). 2cis120 o 2cis30 o 0 30 o 2cis210 o 2cis300 o

11 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 10 Exemplo(s) : 6 1 =? 1 = 1 + 0i = 1cis 0 o, assim 6 1 = 6 cis 0 o = 6 1 cis 0o +k 360 o = 1cis k 60 o, k = 0, 1, 2, 3, 4, 5. Então: 6 k = 0 z 1 = 1 cis 0 o k = 1 z 2 = 1 cis 60 o k = 2 z 3 = 1 cis 120 o k = 3 z 4 = 1 cis 180 o k = 4 z 5 = 1 cis 240 o k = 5 z 6 = 1 cis 300 o Observação : As seis raízes estão na circunferência de raio 1 e são vértices de um polígono regular convexo de 6 lados (hexágono regular de centro na origem). Observação : As n raízes n-ésimas de um complexo encontram-se todas sobre a mesma circunferência, pois têm o mesmo módulo. Além disso, elas são os vértices de um polígono regular convexo de n lados, de centro na origem. Observação : As n-raízes n-ésimas de um complexo z, podem ser obtidas multiplicando-se uma delas pelas raízes n-ésimas da unidade. b) Forma Exponencial Todo número complexo z = rcis θ pode ser escrito como z = re θi

12 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 11 onde r = z, θ é o argumento de z e "e"é a base do Sistema Neperiano de Logaritmos. Operações(na forma exponencial) Exemplo(s) : Escreva o complexo z = 2e π 4 i na forma algébrica. z = 2e π 4 i = 2cis π 4 = 2(cos π 4 + isen π 4 ) = 2( i 2 2 ) = 2 + i 2. Exemplo(s) : Escreva, na forma exponencial, o complexo z = 3 1i. 2 2 Temos que r = ( 3 2 )2 + ( 1 2 )2 3 = + 1 1/2 = 1 e tg θ = = /2 3 = 3 = tg 3 30o. O que acarreta: θ = 2π π 6 = 11π 6. Logo, z = 1e 11 6 πi. Execício(s) (vestibular - 78) (i) O número e 3πi é: (a) racional positivo (b) inteiro negativo (c) imaginário puro (d) irracional negativo (e) irracional positivo (ii) Calcule i. Respostas: k = 0 z 1 = 3 4cis 20 o (i)(b); (ii) k = 1 z 2 = 3 4cis 140 o k = 2 z 3 = 3 4cis 260 o

13 Capítulo 2 Polinômios 2.1 Introdução Denição : Um polinômio em x é qualquer expressão que pode ser escrita na forma: P (x) = a n x n + a n 1 x n a 1 x + a 0, onde: a 0, a 1, a 2,..., a n são números complexos denominados coecientes do polinômio; as parcelas a n x n, a n 1 x n 1,..., a 0 são os termos do polinômio; a 0 é chamado termo independente; os expoentes n, n 1, n 2,... são números naturais. Polinômios com um, dois e três termos são chamados monômios, binômios e trinômios, respectivamente. Um polinômio escrito com as potências de x na ordem decrescente está na forma padrão. Denição (Polinômio nulo ou identicamente nulo): Polinômio nulo é aquele em que todos os seus coecientes são iguais a zero (P (x) 0). Observação : P (x) 0 P (x) = 0, x C. Denição (Grau): Dado P (x) = a n x n + a n 1 x n a 1 x + a 0, não identicamente nulo e na forma padrão, com a n 0, dizemos que o grau do polinômio P (x) é o número n. 12

14 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 13 Notação: gr(p ) = n. Denição (Valor numérico e raíz): Seja P (x) um polinômio não nulo. O valor numérico de um polinômio P (x) para x = α C é o número complexo P (α). Quando P (α) = 0, dizemos que α é uma raíz ou um zero de P (x). Exemplo(s) a (a) P (x) = 2x 3 x 2 3 = 2, a 2 = 1, a 1 = 3, a 0 = 1 e n = x + 1 P (0) = 1 e P ( 1) = = 5. a 1 = 3, a 0 = 2 e n = 1. (b) P (x) = 3x 2 P (5) = 15 2 = 13 e P (2/3) = 0. a 10 = 5, a 9 = a 8 = a 7 = a 6 = 0, a 5 = 10, a (c) P (x) = x 5 + 5x 10 4 = a 3 = a 2 = a 1 = 0, a 0 = 5 e n = 10. P (0) = 5, P (1) = = 10 e P ( 1) = = 10. Contra-exemplos(não representam polinômios): (a) F (x) = x 3x 1/2 + 5; (b) F (x) = x 7 + 2x + 15; (c) F (x) = 3 x 11x. Denição (Polinômios idênticos): Os polinômios A(x) = a n x n + a n 1 x n a 1 x + a 0 e B(x) = b n x n +b n 1 x n 1 + +b 1 x+b 0 são idênticos se, e somente se, a n = b n, a n 1 = b n 1,..., a 1 = b 1 e a 0 = b 0 (A(x) B(x)). Observação : A(x) B(x) A(x) = B(x), x C. 2.2 Operações Adição (ou subtração) Para adicionar ou subtrair polinômios, usamos a propriedade distributiva e adicionamos ou subtraímos os termos semelhantes, ou seja, os termos dos polinômios que têm a variável x com o mesmo expoente.

15 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 14 Multiplicação A multiplicação de dois polinômios requer a multiplicação de cada termo de um polinômio por todos os termos do outro. Assim, torna-se natural o uso da propriedade distributiva. Exemplo(s) : Sejam f(x) = 2x 4 +3x 2 +x 1, g(x) = 3x 2 +x 3 e h(x) = 2x 3 3x 2 x+3. Vamos calcular: (i) f(x) + g(x); (ii) h(x) g(x); (iii) g(x) f(x). Solução: (i) f(x) + g(x) = 2x 4 + 3x 2 + x 1 + 3x 2 + x 3 = 2x 4 + 3x 2 + 3x 2 + x + x 1 3 = 2x 4 + 6x 2 + 2x 4. (ii) h(x) g(x) = 2x 3 3x 2 x + 3 (3x 2 + x 3) = 2x 3 3x 2 x + 3 3x 2 x + 3 = 2x 3 3x 2 3x 2 x x = 2x 3 6x 2 2x + 6. (iii) g(x) f(x) = (3x 2 + x 3) ( 2x 4 + 3x 2 + x 1) = 6x 6 + 9x 4 + 3x 3 3x 2 2x 5 + 3x 3 + x 2 x + 6x 4 9x 2 3x + 3 = 6x 6 2x 5 + 9x 4 + 6x 4 + 3x 3 + 3x 3 3x 2 + x 2 9x 2 x 3x + 3 = 6x 6 2x x 4 + 6x 3 11x 2 4x + 3. Divisão Observe a divisão numérica ilustrada a seguir: = A divisão, seja de números inteiros ou de polinômios, envolve um dividendo dividido por um divisor para obter um quociente e um resto. Veja, nos próximos exemplos, como podemos dividir polinômios usando um algoritmo bastante semelhante ao que já conhecemos para a divisão numérica.

16 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 15 (i) x 3 +2x 2 x 3 x 3 +2x 2 +3x 4x 2 +2x 3 4x 2 +8x+12 10x+9 x 2 2x 3 x+4 Assim, Q(x) = x+4 R(x) = 10x+9 (ii) x 4 3x 2 +5 x 4 +2x 3 x 2 2x 3 4x x 3 +4x 2 2x 2x+5 x 2 2x+1 x 2 +2x Assim, Q(x) = x 2 +2x R(x) = 2x+5 Exemplo(s) (Método da chave): O algoritmo da divisão(ou método da chave) para polinômios pode ser apresentado no seguinte esquema: dividendo D(x) d(x)( 0) divisor resto R(x) Q(x) quociente onde: (i) gr(d) gr(d); (ii) gr(r) < gr(d) ou R(x) 0; (iii)!q(x) e!r(x) tais que D(x) = d(x) Q(x) + R(x) x C; (iv) gr(d) = gr(d) + gr(q);

17 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 16 (v) D(x) é divisível por d(x) ou d(x) é um divisor de D(x) se, e somente se, R(x) = 0 x C (ou seja,r 0). Observação : Na divisão D(x) R(x) d(x) Q(x) sempre que gr(d) < gr(d), temos: Q(x) 0 e R(x) D(x). Observação : Além do método acima, existe o Método de Descartes (ou método dos coe- cientes a determinar) que se baseia na análise dos graus dos polinômios e utiliza a resolução de sistemas lineares. Exemplo(s) : Efetuar a divisão apresentada acima (em (ii)) usando o método de Descartes. D(x) = x 4 3x e d(x) = x 2 2x + 1. Observe que gr(d) = 4 e gr(d) = 2 gr(q) = 2. Assim, Q(x) é do tipo Q(x) = ax 2 + bx + c com a 0. Por outro lado, como gr(r) < gr(d), o resto da divisão é um polinômio no máximo do primeiro grau. Então, R(x) = αx + β. Assim, a partir da identidade D(x) d(x)q(x) + R(x), podemos escrever x 4 3x = (x 2 2x + 1)(ax 2 + bx + c) + αx + β e efetuando as operações no segundo membro, obteremos: x 4 3x ax 4 + (b 2a)x 3 + (c 2b + a)x 2 + (α + b 2c)x + β. Logo, Assim, a = 1 b 2a = 0 b = 2 c 2b + a = 3 c = 0 α + b 2c = 0 α = 2 β = 5 Q(x) = x 2 + 2x e R(x) = 2x + 5.

18 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 17 Teorema (Teorema do resto): d(x) = x a R(x) = D(a). Em geral, d(x) = ax b R(x) = D(b/a). Exemplo(s) : Vamos calcular o resto da divisão de P (x) = x 2 3x + 1 por: (a) x 1 R = P (1) = = 1; (b) x + 1 R = P ( 1) = = 5; (c) 2x 1 R = P (1/2) = = / 1 2/ 2 1/ 4 4 = 1 4. Teorema (Teorema de DAlembert): D(x) é divisível por x a se, e somente se, D(a) = 0. Em geral, D(x) é divisível por ax b se, e somente se, D( b a ) = 0 Exemplo(s) : Podemos fatorar D(x) = 3x 2 + 7x 20, ou seja, escrevê-lo como um produto de polinômios, dividindo D(x) pelo fator x + 4, já que D( 4) = 0. De fato, 3x 2 +7x 20 x+4 3x 2 12x 3x 5 5x 20 5x+20 0 Logo, D(x) = 3x 2 + 7x 20 = (x + 4)(3x 5). O exemplo seguinte exibe um esquema denominado Dispositivo Prático de Briot-Runi. Este método simplica os cálculos usados no Método de Descartes para a obtenção do quociente Q(x) e o resto R da divisão de D(x) por x a. Exemplo(s) : A divisão de D(x) = 2x 4 3x 3 + x 4 por d(x) = x + 2 pode ser efetuada do seguinte modo:

19 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 18 raiz de d(x) coef. de D(x) resto coef. de Q(x) De fato, 2 ( 2) 3 = 7 (2 o coef.); 7 ( 2) + 0 = 14 (3 o coef.); 14 ( 2) + 1 = 27 (4 o coef.); 27 ( 2) 4 = 50 (resto). Logo, Q(x) = 2x 3 7x x 27 e R = 50. Em geral: se D(x) = a n x n + a n 1 x n a 1 x + a 0 e d(x) = x a, o Dispositivo Prático de Briot-Runi pode ser ilustrado no seguinte esquema: a n a n 1 a 1 a 0 a b n 1 b n 2 b 0 R coef. de Q(x) resto onde : b n 1 = a n ; b n 2 = a b n 1 +a n 1 ; b 0 = a b 1 +a 1 ; R = a b 0 +a 0.

20 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 19 Exercícios 1. Dados os polinômios A(x) = 2x 3 x + 2, B(x) = x 2 + x + 1 e C(x) = 3x 1, calcule: a) A(x) + B(x); e) A(x) B(x); b) A(x) + C(x) B(x); f) [A(x) + B(x)] C(x); c) A(x) C(x); g) [A(x) 2x B(x)] [B(x) + C(x)]. d) B(x) C(x); 2. Sendo P (x) = x 3 + 2x 1, calcule [P (x)] Se A(x) = x 2 3x, determine: a) A(x + 1); b) A(2 x); c) [A(x 1)] Qual é o grau dos polinômios seguintes? a) f(x) = 5x 3 + 2x; b) g(x) = 9x x 5 ; c) h(x) = 10x + 5; d) i(x) = 52; e) j(x) = 4x + 10x Dado o polinômio f(x) = 2x 3 + 2x 2 2x + 2, calcule o seu valor numérico para: a) x = 0; b) x = 1; c) x = 2; d) x = 1/2. 6. Determine o valor de k de modo que os polinômios abaixo tenham uma raiz igual a 1. a) f(x) = (k + 2)x 2 + 5k; b) h(x) = (2k + 1) kx + (7 + k)x Determine: a) o valor de k de modo que 0 seja raiz do polinômio f(x) = 2k x 3 + x + kx 2. b) o valor de m, sabendo que i é uma raiz do polinômio A(x) = 2x 3 + mx 2 + 2x Determine um polinômio cujas raízes são 2, -1 e Dados os polinômios f(x) = x 2 + 1, g(x) = 2x + 3 e h(x) = x 2 + x, calcule:

21 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 20 a) f(x) + g(x) + h(x); b) f(x) g(x); c) h(x) f(x); d) f(x) g(x) + h(x). 10. Efetue os seguintes produtos: a) ( x 3 + 2x 2 + 1) (2x + 3); b) (4x 2 + 3x + 5) ( x 4); c) (x 3 + 7x) ( x 2 2x). 11. Efetue a divisão dos seguintes polinômios pelo método da chave: a) x 3 5x 2 4x + 2 e x 3; b) x 5 3x 2 + 6x 1 e x 2 + x + 1; c) x 10 + x e x 2 + x Efetue a divisão dos seguintes polinômios pelo dispositivo de Briot-Runi: a) 3x 2 7x + 3 e x 2; b) 9x 2 33x + 37 e x + 7; c) 2x x 27 e x + 6; d) 2x 3 7x 2 2x + 5 por 2x Determine, sem efetuar a divisão, o resto da divisão de: a) x 6 x 4 + x 2 1 por x 1/2; b) x por 2x 4; c) x 2 + x + 1 por x Determine k R, de modo que: a) x 3 + 5x 2 + kx + 1 seja divisível por x 1; b) 2x 3 + kx 2 (2k + 1)x 13k + 3 seja divisível por x + 4;

22 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 21 c) x k seja divisível por x Dividindo-se um polinômio P (x) por x 3, resulta um resto de -7 e um quociente de x 4. Qual é P (x)? 16. Calcule a, de modo que dividindo-se f(x) = 4x 3 + ax 2 3x + 4 por x 2 seja obtido resto Dividindo o polinômio P (x) = x 3 + x 2 + x + 1 pelo polinômio Q(x), obtemos o quociente S(x) = 1 + x e o resto R(x) = x + 1. O polinômio Q(x) satisfaz a: a) Q(2) = 0; b) Q(3) = 0; c) Q(0) 0; d) Q(1) 0; e) n.d.a. 18. O polinômio x 3 + px + q é divisível por x 2 + 2x + 5. Os valores de p e q são respectivamente: a) 2 e 5; b) 5 e 2; c) 1 e 5; d) 1 e -10; e) 3 e Um polinômio f, dividido por x 1 e x+3, dá restos -2 e 1, respectivamente. O resto da divisão de f por (x 1)(x + 3) é: a) 3 4 x 5 4 ; b) 3 4 x ; c) 3 4 x 5 4 ; d) 3 2 x ; e) 3 2 x 5 2.

23 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 22 Respostas dos Exercícios 1. a) 2x 3 + x 2 + 3; b) 2x 3 x 2 + x; c) 6x 4 2x 3 3x 2 + 7x 2; d) 3x 3 + 2x 2 + 2x 1; e) 2x 5 + 2x 4 + x 3 + x 2 + x + 2; f) 6x 4 + x 3 x 2 + 9x 3; g) 2x 4 11x 3 10x 2 + 8x. 2. x 6 + 4x 4 2x 3 + 4x 2 4x a) x 2 x 2; b) x 2 x 2; c) x 4 10x x 2 40x a) 3; b) 5; c) 1; d) 0; e) a) 2; b) 4; c) 22; d) 7/4. 6. a) 1/3; b) a) k = 0; b) m = f(x) = x 3 4x 2 + x a) 3x + 4; b) x 2 2x 2; c) 2x 2 + x 1; d) x a) 2x 4 + x 3 + 6x 2 + 2x + 3; b) 4x 3 19x 2 17x 20; c) x 5 2x 4 7x 3 14x a) Q(x) = x 2 2x 10 e R(x) = 28; b) Q(x) = x 3 x 2 2 e R(x) = 8x + 1; c) Q(x) = x 8 x 7 + x 5 x 4 + x 3 x + 1 e R(x) = 0.

24 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio a) Q(x) = 3x 1 e R = 1; b) Q(x) = 9x 30 e R = 247; c) Q(x) = 2x + 1 e R(x) = 33; d) Q(x) = x 2 4x + 1 e R = a) 51 ; b) 257; c) a) k = 7; b) k = 11; c) k = P (x) = x 2 7x a = (d). 18. (d). 19. (a). Teorema (divisão por (x a)(x b)) Seja P (x) um polinômio de grau n 2. P (x) é divisível por (x a) e por (x b) com a b P (x) é divisível por (x a) (x b). Demonstração: De fato, P (x) é divisível por (x a) e por (x b) P (a) = 0 e P (b) = 0 (Teorema de D'Alembert). Além disso, Q(x) e R(x) = αx + β tais que P (x) (x a)(x b) Q(x) + R(x). Assim, temos que: P (a) = αa + β = 0 e P (b) = αb + β = 0 αa αb = 0 α(a b) = 0 a b α = 0 β = 0. Então R(x) 0. Logo, P (x) é divisível por (x a)(x b). Observação : (i) Se P (x) (x a)(x b)q(x) então o quociente da divisão de P (x) por (x a) é divisível por (x b).

25 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 24 (ii) O teorema acima se generaliza, isto é, se P (x) é divisível por (x α 1 ), por (x α 2 ),... e por (x α k ), com α 1, α 2,... e α k, distintos dois a dois, então P (x) é divisível por (x α 1 ) (x α 2 )... (x α k ). Além disso, a recíproca é verdadeira. Exemplo(s) : P (x) = x 20 + x 10 2 é divisível por x 2 1. De fato, como x 2 1 = (x 1)(x + 1) e P ( 1) = P (1) = 0, temos que P (x) é divisível por (x + 1) e por (x 1). Logo, P (x) é divisível por (x + 1)(x 1) = x 2 1.

26 Capítulo 3 Equações Polinomiais 3.1 Introdução Denição : Uma equação polinomial, ou algébrica, é toda sentença da forma P (x) = 0, onde P (x) é um polinômio qualquer. O grau do polinômio P (x) é também denominado grau da equação P (x) = 0. Exemplo(s) : (a) 2x + 5 = 0 (1 o grau) (b) x 3 3x = 0 (3 o grau) (c) x 6 + x 5 4x 2 1 = 0 (6 o grau) 3.2 Rebaixamento do grau de equações polinomiais Já vimos (Teorema de DAlembert) que A(x) é divisível por x a A(a) = 0. Nesse caso, Q(x) polinômio tal que A(x) = (x a) Q(x). Esta propriedade pode ser útil nas resoluções de equações polinomiais das quais se conhecem uma ou mais raízes. Exemplo(s) : Resolva a equação x 4 5x 3 + 5x 2 + 5x 6 = 0 sabendo que 1 e 2 são suas raízes. De fato, como P (x) = x 4 5x 3 + 5x 2 + 5x 6 é divisível por x 1 e por x 2, podemos aplicar o dispositivo de Briot-Runi: 25

27 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio x 2 2x 3 Assim, P (x) = (x 1)(x 2)(x 2 2x 3). Então x 1 = 0 x = 1 P (x) = 0 Logo, S = { 1, 1, 2, 3}. ou (raízes dadas) x 2 = 0 x = 2 ou x 2 2x 3 = 0 x = 1 ou x = 3 Observação : Toda equação polinomial de grau n 1 possui pelo menos uma raiz complexa (Teorema Fundamental da Álgebra - Gauss). Teorema (da decomposição) : Todo polinômio P (x) = a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n a 1 x + a o com a n 0 pode ser decomposto em n fatores do 1 o grau na forma P (x) = a n (x α 1 )(x α 2 )(x α 3 )... (x α n ) onde os números complexos α 1, α 2, α 3,..., α n são as raízes de P (x). Além disso, sem considerar a ordem dos fatores, esta decomposição é única. Demonstração: De fato, seja P (x) = a n x n + a n 1 x n a 1 x + a 0. Como n 1, P (x) possui pelo menos uma raiz complexa α 1 (T.F.A.). Assim, podemos escrever: P (x) = (x α 1 )Q 1 (x), onde Q 1 (x) é de grau n 1 com coeciente dominante a n. Como grau de Q 1 (x) 1, podemos novamente usar o T.F.A. e escrever Q 1 (x) = (x α 2 )Q 2 (x). Assim, temos: P (x) = (x α 1 )(x α 2 )Q 2 (x).

28 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 27 De forma análoga, podemos decompor Q 2 (x) e os sucessivos quocientes e escrever P (x) na forma P (x) = (x α 1 )(x α 2 )... (x α n )Q n (x) onde Q n (x) é de grau zero com coeciente dominante a n. Logo, P (x) = a n (x α 1 )(x α 2 )... (x α n ). Exemplo(s) : Se as raízes de P (x) = 2x 3 + x 2 13x + 6 são 3, 1 2 decompô-lo na forma: P (x) = 2(x + 3)(x 1 )(x 2) 2 e 2, então podemos Observação : As raízes α 1, α 2,..., α n de um polinômio de grau n não são necessariamente distintas. Caso um fator (x α i ) ocorrra m vezes, dizemos que α i é uma raiz de multiplicidade m. Se (x α i ) ocorrer uma única vez, então α i é uma raiz simples. Exemplo(s) : Para P (x) = 5(x 2)(x 2)(x 2)(x 1)(x 1)(x + 3) temos: 2 é uma raiz tripla (ou de multiplicidade 3) de P (x). 1 é uma raiz dupla (ou de multiplicidade 2) de P (x). -3 é uma raiz simples de P (x). Teorema (das raízes conjugadas) : Sejam P (x) um polinômio de grau n 2, e de coecientes reais e z um número imaginário. P (z) = 0 P (z) = 0. Além disso, z e z são raízes com a mesma multiplicidade. Demonstração: De fato, P (z) = a n z n + a n 1 z n a 1 z + a 0 = a n z n + a n 1 z n a 1 z + a 0 = a n z n + a n 1 z n a 1 z + a 0 = a n z n + a n 1 z n a 1 z + a 0 = P (z) Exemplo(s) 3.2.4

29 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 28 (a) Obtenha um polinômio com coecientes reais, de menor grau possível, que admite -3 e 1+2i como raízes. Pelo teorema anterior, P (x) deve admitir no mínimo três raízes: -3, 1+2i e 1-2i. teremos: P (x) = a(x + 3)(x 1 2i)(x 1 + 2i) = a(x + 3)(x 2 4x + 5) = a(x 3 x 2 7x + 15), onde a R Logo, por exemplo, P (x) = x 3 x 2 7x Então, (b) Resolva a equação x 4 + 4x 3 17x x 14 = 0 sabendo que 1-i é uma de suas raízes. Pelo teorema anterior, se 1-i é uma raiz da equação, então 1+i também será raiz. Assim, temos x 4 + 4x 3 17x x 14 = (x 1 + i)q(x) Q(x) = x 3 + (5 i)x 2 + ( 13 6i)x i = (x 1 i)(x 2 + 6x 7) Então, Daí, Logo, x 4 + 4x 3 17x x 14 = (x 1 + i)(x 1 i)(x 2 + 6x 7). x 4 + 4x 3 17x x 14 = 0 x 1 + i = 0 x = 1 i ou x 1 i = 0 x = 1 + i ou x 2 + 6x 7 = 0 x = 1 ou x = 7 S = { 7, 1, 1 i, 1 + i} 3.3 Relações de Girard (entre raízes da equação P (x) = 0 e seus coecientes) Seja a equação ax 2 + bx + c = 0 (a 0) com raízes α 1 e α 2. Então ax 2 + bx + c = a(x α 1 )(x α 2 ) ax 2 + bx + c = a[x 2 (α 1 + α 2 )x + α 1 α 2 ] x 2 + b a x + c a = x2 (α 1 + α 2 )x + α 1 α 2.

30 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 29 Assim, obtemos: α 1 + α 2 = b a e α 1α 2 = c a Seja a equação ax 3 + bx 2 + cx + d = 0 (a 0) com raízes α 1, α 2 e α 3. Então ax 3 + bx 2 + cx + d = a(x α 1 )(x α 2 )(x α 3 ) ax 3 + bx 2 + cx + d = a[x 3 (α 1 + α 2 + α 3 )x 2 + (α 1 α 2 + α 1 α 3 + α 2 α 3 )x α 1 α 2 α 3 ] x 3 + b a x2 + c a x + d a = x3 (α 1 + α 2 + α 3 )x 2 + (α 1 α 2 + α 1 α 3 + α 2 α 3 )x α 1 α 2 α 3. Assim, obtemos: α 1 + α 2 + α 3 = b a, α 1α 2 + α 1 α 3 + α 2 α 3 = c a e α 1 α 2 α 3 = d a. De forma geral, considere a equação a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n a 1 x + a 0 = 0 (a n 0) com raízes α 1, α 2, α 3,..., α n. São válidas as seguintes relações (de Girard): 1 a ) Soma das raízes: α 1 + α α n = a n 1 a n 2 a ) Soma dos produtos das raízes tomadas duas a duas: α 1 α 2 + α 1 α α n 1 α n = a n 2 a n 3 a ) Soma dos produtos das raízes tomadas três a três:. n a ) Produto das n raízes: Exemplo(s) : α 1 α 2 α 3 + α 1 α 2 α α n 2 α n 1 α n = a n 3 a n α 1 α 2 α 3 α n = ( 1) n a 0 a n (a) Resolva a equação x 3 5x 2 + 2x + 8 = 0, sabendo que uma de suas raízes é o dobro da outra. De fato, pelas relações de Girard, temos: a + b + c = 5 b=2a 3a + c = 5 c = 5 3a ab + bc + ac = 2 b=2a 2a 2 + 3ac = 2 7a 2 15a + 2 = 0 a = 2 ou a = 1 7. abc = 8

31 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 30 Então, obtemos: a = 2 b = 4 e c = 1(satisfazem a 3 a relação de Girard) ou a = 1 7 b = 2 e c = (não satisfazem a 3a relação de Girard) Logo, S = { 1, 2, 4} (b) Se a, b, c e d são as raízes da equação x 4 2x 3 + 3x 2 5x + 7 = 0, calcule o valor da expressão E = 1 a + 1 b + 1 c + 1 d. De fato, pelas relações de Girard, temos: a + b + c + d = 2 ab + ac + ad + bc + bd + cd = 3 abc + abd + acd + bcd = 5 abcd = 7 Logo, E = bcd + acd + abd + abc abcd = Exercícios Nos exercícios de 1 a 3 verique se A(x) é divisível or B(x). 1) A(x) = (x 2) 10 + (x 1) 8 1 e B(x) = (x 2)(x 1). 2) A(x) = x 7 x 5 12x 3 + 5x 2 20 e B(x) = x ) A(x) = x 5 + x 4 6x 3 3x 2 + 5x + 2 e B(x) = (x 2)(x 2 1). 4) Determine m e n para que P (x) = x 6 + mx 4 + nx 3 3x 2 seja divisível por (x + 1)(x 2). 5) Seja P (x) = x 6 + 2x 5 4x 4 + 2x 2 2x + 1. (a) Verique que P (x) é divisível por (x + 1)(x 1). (b) Obtenha o quociente da divisão de P (x) por x + 1 e verique que esse quociente é divisível por x 1.

32 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 31 6) Verique que A(x) = 2x 5 15x x 2 + 7x 6 é divisível por (x 1)(x 2)(x + 3) e obtenha o quociente dessa divisão. Nos exercícios de 7 a 9 verique se A(x) é divisível por B(x). 7) A(x) = 2x 3 11x 2 + 4x + 5 e B(x) = (x 1)(x 5). 8) A(x) = x 51 + x 49 + x 47 3x 45 e B(x) = x ) A(x) = 2x 4 + 5x 3 5x 2 20x 12 e B(x) = (x + 1)(x 2 4). 10) Determine m e n para que P (x) = 2x 4 + 3x 3 + mx 2 nx 3 seja divisível por (x + 1)(x 3). 11) Seja A(x) = 3x 3 +ax 2 +bx+c. Determine a, b e c sabendo que A(x) é divisível por (x+2)(x+3) e que o resto da divisão de A(x) por x + 1 é ) Obtenha o resto da divisão de P (x) = x x 49 3x 3 + 2x + 5 por (x 1)(x + 2). 13) Os restos das divisões de P (x) por x 1 e por x 2 são 3 e 4, respectivamente. Qual é o resto da divisão de P (x) por (x 1)(x 2)? Nos exercícios de 14 a 24 resolva cada equação nas quais os números α i são raízes conhecidas. 14) x 3 12x x 42 = 0, α 1 = 2. 15) x 3 3x 2 5x + 39 = 0, α 1 = 3. 16) x 4 2x 3 13x x + 24 = 0, α 1 = 4 e α 2 = 1. 17) x 4 9x x 2 24x = 0, α 1 = 3. 18) x 4 4x 3 9x x 30 = 0, α 1 = 1 + i e α 2 = 1 i. 19) x 3 x 2 14x + 24 = 0, α 1 = 4. 20) x 3 7x x 8 = 0, α 1 = 4. 21) x 4 5x 3 + 5x 2 + 5x 6 = 0, α 1 = 2 e α 2 = 1. 22) 2x 4 + 3x 3 17x 2 30x = 0, α 1 = ) x 4 4x 3 20x 2 4x 21 = 0, α 1 = i e α 2 = i.

33 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 32 24) x 4 4x 3 + 4x 2 + 4x 5 = 0, α 1 = 2 + i e α 2 = 2 i. 25) Dê a multiplicidade de cada raiz de P (x) nos casos: (a) P (x) = 1 (x + 1)(x + 1)(x + 2)(x + 2)(x + 2). 3 (b) P (x) = 4(x 3)(x + 5) 3 (x 1 3 )6. (c) P (x) = x 3 (x i)(x + i)(x 7) 4. Nos exercícios 26 a 33 decomponha P (x) e resolva a equação P (x) = 0. 26) P (x) = 3x 3 16x x 6, sabendo que 3 é uma de suas raízes. 27) P (x) = 2x 4 13x x 2 3x 9, sabendo que 3 é uma raiz dupla de P (x). 28) P (x) = x 4 6x 3 + 9x 2 6x + 8, sabendo que i e -i são duas raízes. 29) P (x) = 5x 5 33x x 3 64x , sabendo que 2 é uma raiz tripla de P (x). 30) P (x) = x 3 5x 2 8x + 48, sabendo que 4 é uma raiz. 31) P (x) = x 4 + 4x x x + 36, sabendo que -2 é uma raiz dupla. 32) P (x) = 3x 5 16x x 3 30x x 2, sabendo que 1 é uma raiz tripla. 33) P (x) = x 4 4x 3 + 7x 3 6x + 2, sabendo que 1 + i e 1 i são raízes. 34) Dê a multiplicidade de cada raiz de A(x) nos seguintes casos: (a) A(x) = 3(x 2)(x 2)(x 2)(x + 7)(x + 7)(x + 10) (b) A(x) = 2(x + 1)(x 3) 4 (x + 4) 3. (c) A(x) = x 2 (x 3 2 )5 (x + 5) 6. 35) O número 2 é uma raiz da equação x 5 6x 4 +17x 3 38x 2 +60x 40 = 0. Qual é a multiplicidade dessa raiz? 36) Qual é o menor grau de um polinômio de coecientes reais que admite: (a) 2, 1+i e 3-2i como raízes? (b) -2, i e 1+2i como raízes de multiplicidades 3, 1 e 2, respectivamente?

34 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 33 37) Dado um polinômio A(x), de grau ímpar e de coecientes reais, é possível concluir que A(x) possui ao menos uma raiz real? 38) Resolva x 4 + 3x 3 6x x 40 = 0 sabendo que 2i é uma de suas raízes. 39) Resolva x 6 2x 5 + 3x 4 4x 3 + 3x 2 2x + 1 = 0 sabendo que i é uma raiz dupla. 40) Dada a equação x 3 x 2 + mx + n = 0 determine os reais m e n de modo que 1+i seja uma de suas raízes e dê o seu conjunto-solução. 41) Determine um polinômio P (x), de coecientes reais e de grau mínimo, que possua 1 e 3+2i como raízes. 42) Qual é o menor grau de um polinômio de coecientes reais que admite: (a) -3, 2 e 4+i como raízes? (b) i, 1-i e 1 como raízes de multiplicidade 2, 1 e 3, respectivamente? 43) Existe algum polinômio de 3 o grau com coecientes reais, que tenha 2, 3 e i como raízes? 44) Resolva a equação x 4 4x 3 + 9x 2 16x + 20 = 0 sabendo que 2+i é uma de suas raízes. 45) Determine a, b e o conjunto-solução da equação 2x 3 + ax 2 + bx 27 = 0, sabendo que 3i é uma de suas raízes e que a e b são reais. 46) Escreva um polinômio de coecientes reais e de grau mínimo que possua: (a) 2, -3 e i como raízes. (b) -1 e i como raízes tripla e dupla, respectivamente. 47) Resolva a equação x 3 3x 2 4x + 12 = 0 sabendo que ela possui duas raízes opostas. 48) Resolva a equação 2x 3 + x 2 13x + 6 = 0 sabendo que ela possui duas raízes inversas. 49) Resolva a equação x 3 6x 2 + mx + 10 = 0 e encontre o valor de m sabendo que suas raízes estão em P.A. 50) Sejam a, b e c as raízes da equação x 3 4x 2 + 6x 2 = 0. Calcule o valor de: (a) 1 a + 1 b + 1 c

35 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio 34 (b) 1 ab + 1 ac + 1 bc (c) a 2 + b 2 + c 2 51) Resolva a equação x 3 4x 2 3x + 18 = 0 sabendo que ela admite uma raiz dupla. 52) Resolva a equação x 3 2x 2 5x + 6 = 0 sabendo que uma de suas raízes é o triplo de uma outra. 53) Resolva a equação 2x x x x + 64 = 0 sabendo que ela admite uma raiz tripla. Nos exercícios 54 a 58 resolva as equações a partir das informações dadas sobre suas raízes. 54) x 3 4x 2 + x + 6 = 0. Uma das raízes é igual à soma das outras duas. 55) x 3 11x x 36 = 0. Uma das raízes é igual ao produto das outras duas. 56) x 3 3x 2 4x + 12 = 0. Duas raízes são simétricas. 57) x 3 9x x 20 = 0. Há uma raiz dupla. 58) 64x 3 56x x 1 = 0. As raízes estão em P.G. 59) Dê a soma dos produtos distintos das raízes tomadas três a três, da equação 6x 5 8x 4 3x 3 x 2 + 5x 1 = 0. 60) Determine m em cada uma das equações seguintes, de modo que quem satisfeitas as condições indicadas: (a) x 3 7x + m = 0, tenha uma raiz igual ao dobro da outra; (b) x 3 x 2 + mx + 21 = 0, tenha a soma de duas de suas raízes igual a 4; (c) 2x 3 21x 2 + mx 16 = 0, tenha suas raízes em P.G. 3.5 Respostas dos Exercícios 1. Sim 2. Sim 3. Sim

36 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio m = 3 e n = 1 5. a) Q(x) = x 5 + x 4 5x 3 + 5x 2 ; b) Q(x) x 1 = x4 + 2x 3 3x 2 + 2x Q(x) = 2x Sim 8. Sim 9. Sim 10. m = 19 e n = a = 14; b = 13 e c = R(x) = 6x R(x) = x S = {2, 3, 7} 15. S = { 3, 3 2i, 3 + 2i} 16. S = { 3, 1, 2, 4} 17. S = {0, 2, 3, 4} 18. S = {1 i, 1 + i, 3, 5} 19. S = { 4, 2, 3} 20. S = {1, 2, 4} 21. S = { 1, 1, 2, 3} 22. S = { 5, 2, 0, 3} S = { i, i, 3, 7} 24. S = {2 i, 2 + i, 1, 1}

37 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio (a) -1 é raiz dupla e -2 é raiz tripla; (b) 3 é raiz simples, -5 é raiz tripla e 1 3 é raiz sêxtupla; (c) 0 é raiz tripla, i e -i são raízes simples e 7 é raiz quádrupla. 26. P (x) = 3(x 3)(x 2)(x 1/3) e S = {3, 2, 1/3} 27. P (x) = 2(x 3) 2 (x 1)(x + 1/2) e S = {3, 1, 1/2} 28. P (x) = (x i)(x + i)(x 4)(x 2) e S = {i, i, 4, 2} 29. P (x) = 5(x 2) 3 (x 1)(x + 2/5) e S = {2, 1, 2/5} 30. P (x) = (x 4) 2 (x + 3) e S = { 3, 4} 31. P (x) = (x + 2) 2 (x 3i)(x + 3i) e S = { 2, 3i, 3i} 32. P (x) = 3(x 1) 3 (x 2)(x 1/3) e S = {1, 2, 1/3} 33. P (x) = (x 1) 2 (x 1 i)(x 1 + i) e S = {1, 1 + i, 1 i} 34. (a) 2 é raiz tripla, -7 é raiz dupla e -10 é raiz simples; (b) -1 é raiz simples, 3 é raiz quádrupla e -4 é raiz tripla; (c) 0 é raiz dupla, 3/2 é raiz quíntupla e -5 é raiz sêxtupla. 35. Multiplicidade (a ) 5 o grau; (b) 9 o grau 37. Sim 38. S = { 2i, 2i, 5, 2} 39. S = { i, i, 1} 40. m = 0, n = 2 e S = {1 + i, 1 i, 1} 41. P (x) = x 3 7x x (a) 4 o grau; (b) 9 o grau. 43. Não 44. S = {2 + i, 2 i, 2i, 2i} 45. a = 3, b = 18 e S = { 3i, 3i, 3/2}

38 Números Complexos Simone D. Ramos & Edezio (a) x 4 + x 3 5x 2 + x 6; (b) x 7 + 3x 6 + 5x 5 + 7x 4 + 7x 3 + 5x 2 + 3x S = { 2, 2, 3} 48. S = { 3, 1/2, 2} 49. m = 3 e S = { 1, 2, 5} 50. (a) 3; (b) 2; (c) S = { 2, 3} 52. S = { 2, 1, 3} 53. S = { 1/2, 4} 54. S = { 1, 2, 3} 55. S = {2, 3, 6} 56. S = { 2, 2, 3} 57. S = {2, 5} 58. S = {1/2, 1/4, 1/8} 59. 1/6 60. (a) m = ±6; (b) m = 5; (c) m = 42.

. Determine os valores de P(1) e P(22).

. Determine os valores de P(1) e P(22). Resolução das atividades complementares Matemática M Polinômios p. 68 Considere o polinômio P(x) x x. Determine os valores de P() e P(). x x P() 0; P() P(x) (x x)? x (x ) x x x P()? 0 P() ()? () () 8 Seja

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Mat Polinômios e Matrizes

Exercícios de Aprofundamento Mat Polinômios e Matrizes . (Unicamp 05) Considere a matriz A A e A é invertível, então a) a e b. b) a e b 0. c) a 0 e b 0. d) a 0 e b. a 0 A, b onde a e b são números reais. Se. (Espcex (Aman) 05) O polinômio q(x) x x deixa resto

Leia mais

Aula 7 Lista de Exercícios de Raízes de Equações Polinomiais

Aula 7 Lista de Exercícios de Raízes de Equações Polinomiais Aula 7 Lista de Exercícios de Raízes de Equações Polinomiais Parte 1 Exercícios do Livro A Matemática do Ensino Médio Volume 3. Autores: Elon Lages Lima, Paulo Cezar Pinto Carvalho, Eduardo Wagner, Augusto

Leia mais

Aplicações Diferentes Para Números Complexos

Aplicações Diferentes Para Números Complexos Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Aplicações Diferentes Para Números Complexos Capítulo II Aplicação 2: Complexos na Geometria Na rápida revisão do capítulo I desse artigo mencionamos

Leia mais

Apostila de Matemática 16 Polinômios

Apostila de Matemática 16 Polinômios Apostila de Matemática 16 Polinômios 1.0 Definições Expressão polinomial ou polinômio Expressão que obedece a esta forma: a n, a n-1, a n-2, a 2, a 1, a 0 Números complexos chamados de coeficientes. n

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Produtos Notáveis; Equações; Inequações; Função; Função Afim; Paridade;

Leia mais

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas.

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas. Definição Uma matriz do tipo m n (lê-se m por n), com m e n, sendo m e n números inteiros, é uma tabela formada por m n elementos dispostos em m linhas e n colunas. Estes elementos podem estar entre parênteses

Leia mais

Seu pé direito nas melhores Faculdades

Seu pé direito nas melhores Faculdades 10 Insper 01/11/009 Seu pé direito nas melhores Faculdades análise quantitativa 40. No campeonato brasileiro de futebol, cada equipe realiza 38 jogos, recebendo, em cada partida, 3 pontos em caso de vitória,

Leia mais

4.4 Limite e continuidade

4.4 Limite e continuidade 4.4 Limite e continuidade Noções Topológicas em R : Dados dois pontos quaisquer (x 1, y 1 ) e (x, y ) de R indicaremos a distância entre eles por då(x 1, y 1 ), (x, y )è=(x 1 x ) + (y 1 y ). Definição

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Resolução: P(i) = 2. (i) 4 (i) 3 3(i) 2 + (i) + 5 = 2 + i + 3 + i + 5 = 10 + 2i. Resolução: Resolução:

Resolução: P(i) = 2. (i) 4 (i) 3 3(i) 2 + (i) + 5 = 2 + i + 3 + i + 5 = 10 + 2i. Resolução: Resolução: EXERCÍCIOS 01. Calcule o valor numérico de P(x) = 2x 4 x 3 3x 2 + x + 5 para x = i. P(i) = 2. (i) 4 (i) 3 3(i) 2 + (i) + 5 = 2 + i + 3 + i + 5 = 10 + 2i 02. Dado o polinômio P(x) = x 3 + kx 2 2x + 5, determine

Leia mais

Sendo o polinômio P(x), de grau quatro e divisível por Q(x) = x 3, o resto de sua divisão por D(x) = x 5 é

Sendo o polinômio P(x), de grau quatro e divisível por Q(x) = x 3, o resto de sua divisão por D(x) = x 5 é Questão 01) O polinômio p(x) = x 3 + x 2 3ax 4a é divisível pelo polinômio q(x) = x 2 x 4. Qual o valor de a? a) a = 2 b) a = 1 c) a = 0 d) a = 1 e) a = 2 TEXTO: 1 Para fazer um estudo sobre certo polinômio

Leia mais

Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina):

Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina): Alguns exercícios amais para vocês (as resoluções dos exercícios anteriores começam na próxima pagina): Seja A um domínio. Mostre que se A[X] é Euclidiano então A é um corpo (considere o ideal (a, X) onde

Leia mais

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano

Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano 60 Conteúdo programático por disciplina Matemática 6 o ano Caderno 1 UNIDADE 1 Significados das operações (adição e subtração) Capítulo 1 Números naturais O uso dos números naturais Seqüência dos números

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

Matemática 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS POLINÔMIOS I. P(x) = 4x (x 1) + (x 1)

Matemática 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS POLINÔMIOS I. P(x) = 4x (x 1) + (x 1) Matemática aula POLINÔMIOS I. COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA b a P() b P() + + Calculando P (), temos: b a P() b b + b + a ab b a P () b + ( ab) + b + a b Se P () P (), podemos observar que: b + ( ab)

Leia mais

MATEMÁTICA POLINÔMIOS

MATEMÁTICA POLINÔMIOS MATEMÁTICA POLINÔMIOS 1. F.I.Anápolis-GO Seja o polinômio P(x) = x 3 + ax 2 ax + a. O valor de P(1) P(0) é: a) 1 b) a c) 2a d) 2 e) 1 2a 1 2. UFMS Considere o polinômio p(x) = x 3 + mx 20, onde m é um

Leia mais

Ensino Médio - 3ª série Estudos de Recuperação para o EXAME - 2011 MATEMÁTICA Luiz Antonio Escossi Números Complexos 01 - (MACK SP) Gab 02 - (FGV )

Ensino Médio - 3ª série Estudos de Recuperação para o EXAME - 2011 MATEMÁTICA Luiz Antonio Escossi Números Complexos 01 - (MACK SP) Gab 02 - (FGV ) Ensino Médio - ª série Estudos de Recuperação para o EXAME - 011 Disciplina: MATEMÁTICA Professor: Luiz Antonio Escossi Números Complexos 01 - (MACK SP) Se y = x, sendo 1 i x 1 i e i 1, o valor de (x +

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y

Comecemos por relembrar as propriedades das potências: = a x c) a x a y = a x+y . Cálculo Diferencial em IR.1. Função Exponencial e Função Logarítmica.1.1. Função Exponencial Comecemos por relembrar as propriedades das potências: Propriedades das Potências: Sejam a e b números positivos:

Leia mais

Revisão para a Bimestral 8º ano

Revisão para a Bimestral 8º ano Revisão para a Bimestral 8º ano 1- Quadrado da soma de dois termos Observe: (a + b)² = ( a + b). (a + b) = a² + ab+ ab + b² = a² + 2ab + b² Conclusão: (primeiro termo)² + 2.(primeiro termo). (segundo termo)

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Álgebra Linear Professor: André Luiz Galdino Aluno(a): 4 a Lista de Exercícios 1. Podemos entender transformações lineares

Leia mais

a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 6

a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 6 Recordando operações básicas 01. Calcule as expressões abaixo: a) 2254 + 1258 = b) 300+590 = c) 210+460= d) 104+23 = e) 239 54 = f) 655-340 = g) 216-56= h) 35 x 15 = i) 50 x 210 = j) 366 x 23 = k) 355

Leia mais

= 1 1 1 1 1 1. Pontuação: A questão vale dez pontos, tem dois itens, sendo que o item A vale até três pontos, e o B vale até sete pontos.

= 1 1 1 1 1 1. Pontuação: A questão vale dez pontos, tem dois itens, sendo que o item A vale até três pontos, e o B vale até sete pontos. VTB 008 ª ETAPA Solução Comentada da Prova de Matemática 0 Em uma turma de alunos que estudam Geometria, há 00 alunos Dentre estes, 30% foram aprovados por média e os demais ficaram em recuperação Dentre

Leia mais

Disciplina: Álgebra Linear - Engenharias ], C = Basta adicionar elemento a elemento de A e B que ocupam a mesma posição na matriz.

Disciplina: Álgebra Linear - Engenharias ], C = Basta adicionar elemento a elemento de A e B que ocupam a mesma posição na matriz. Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Álgebra Linear - Engenharias Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Sejam Encontre: [ 1

Leia mais

As operações de adição, subtração e multiplicação são feitas de maneira natural, considerando-se o número complexo como um binômio.

As operações de adição, subtração e multiplicação são feitas de maneira natural, considerando-se o número complexo como um binômio. NÚMEROS COMPLEXOS Prof Eduardo Nagel. DEFINIÇÃO No conjunto dos números reais R, temos que a = a. a é sempre um número não negativo para todo a. Ou seja, não é possível extrair a rai quadrada de um número

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática. Teorema de Jacobson. Adriana Wagner(RA: 144768) Gustavo Terra Bastos(RA: 143800)

Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática. Teorema de Jacobson. Adriana Wagner(RA: 144768) Gustavo Terra Bastos(RA: 143800) Universidade Estadual de Campinas Departamento de Matemática Teorema de Jacobson Adriana Wagner(RA: 144768) Gustavo Terra Bastos(RA: 143800) Campinas - SP 2013 1 Resumo Nesta monografia apresentamos a

Leia mais

FUNÇÃO DO 2º GRAU PROF. LUIZ CARLOS MOREIRA SANTOS

FUNÇÃO DO 2º GRAU PROF. LUIZ CARLOS MOREIRA SANTOS Questão 01) FUNÇÃO DO º GRAU A função definida por L(x) = x + 800x 35 000, em que x indica a quantidade comercializada, é um modelo matemático para determinar o lucro mensal que uma pequena indústria obtém

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros exercícios)

EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros exercícios) UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA EXERCÍCIOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (sistemas de equações lineares e outros eercícios) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Eercícios

Leia mais

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 )

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 ) Estudo da Reta no R 2 Condição de alinhamento de três pontos: Sabemos que por dois pontos distintos passa uma única reta, ou seja, dados A(x 1, y 1 ) e B(x 2, y 2 ), eles estão sempre alinhados. y. B(x

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questão Se Amélia der R$,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia. Se Maria der um terço do que tem a Lúcia, então esta ficará com R$ 6,00 a mais do que Amélia. Se Amélia perder a metade do

Leia mais

ÁLGEBRA. Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU Uma função polinomial do 1º grau (ou simplesmente, função do 1º grau) é uma relação

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá.

Se inicialmente, o tanque estava com 100 litros, pode-se afirmar que ao final do dia o mesmo conterá. ANÁLISE GRÁFICA QUANDO y. CORRESPONDE A ÁREA DA FIGURA Resposta: Sempre quando o eio y corresponde a uma taa de variação, então a área compreendida entre a curva e o eio do será o produto y. Isto é y =

Leia mais

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3 POLINÔMIOS 1. (Ueg 01) A divisão do polinômio a) x b) x + c) x 6 d) x + 6 x x 5x 6 por x 1 x é igual a:. (Espcex (Aman) 01) Os polinômios A(x) e B(x) são tais que A x B x x x x 1. Sabendo-se que 1 é raiz

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

Álgebra Linear I - Aula 20

Álgebra Linear I - Aula 20 Álgebra Linear I - Aula 0 1 Matriz de Mudança de Base Bases Ortonormais 3 Matrizes Ortogonais 1 Matriz de Mudança de Base Os próximos problemas que estudaremos são os seguintes (na verdade são o mesmo

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

Os eixo x e y dividem a circunferência em quatro partes congruentes chamadas quadrantes, numeradas de 1 a 4 conforme figura abaixo:

Os eixo x e y dividem a circunferência em quatro partes congruentes chamadas quadrantes, numeradas de 1 a 4 conforme figura abaixo: Circunferência Trigonométrica É uma circunferência de raio unitário orientada de tal forma que o sentido positivo é o sentido anti-horário. Associamos a circunferência (ou ciclo) trigonométrico um sistema

Leia mais

NOTAÇÕES. : distância do ponto P à reta r : segmento de extremidades nos pontos A e B

NOTAÇÕES. : distância do ponto P à reta r : segmento de extremidades nos pontos A e B R C i z Rez) Imz) det A tr A : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos : unidade imaginária: i = 1 : módulo do número z C : parte real do número z C : parte imaginária do número z C

Leia mais

MATEMÁTICA 32,2 30. 0 2 4 5 6 8 10 x

MATEMÁTICA 32,2 30. 0 2 4 5 6 8 10 x MATEMÁTICA 01. O preço pago por uma corrida de táxi normal consiste de uma quantia fixa de R$ 3,50, a bandeirada, adicionada de R$ 0,25 por cada 100 m percorridos, enquanto o preço pago por uma corrida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CÁLCULO L NOTAS DA VIGÉSIMA PRIMEIRA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nesta aula, abordaremos a técnica de integração conhecida como frações parciais. Esta técnica pode ser utilizada para

Leia mais

Inversão de Matrizes

Inversão de Matrizes Inversão de Matrizes Prof. Márcio Nascimento Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Álgebra Matricial - 2014.2 13 de

Leia mais

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo:

Aula 5. Uma partícula evolui na reta. A trajetória é uma função que dá a sua posição em função do tempo: Aula 5 5. Funções O conceito de função será o principal assunto tratado neste curso. Neste capítulo daremos algumas definições elementares, e consideraremos algumas das funções mais usadas na prática,

Leia mais

Parte 2. Polinômios sobre domínios e corpos

Parte 2. Polinômios sobre domínios e corpos Parte Polinômios sobre domínios e corpos Pressupomos que o estudante tenha familiaridade com os anéis comutativos com unidade, em particular com domínios e corpos. Alguns exemplos importantes são Z Q R

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS (TUTORIAL: BÁSICO 01)

NÚMEROS COMPLEXOS (TUTORIAL: BÁSICO 01) MATEMÁTICA: Números Complexos - C; - Maior dos conjuntos - engloba todos os outros e acrescenta recursos especiais como raiz quadrada de número negativo; - Para darmos interpretação às raízes quadradas

Leia mais

NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA

NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA Na representação trigonométrica, um número complexo z = a + bi é determinado pelo módulo do vetor que o representa e pelo ângulo que faz com o semi-eixo positivo

Leia mais

21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU

21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU 1 21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU 1. O gráfico do trinômio y = ax 2 + bx + c. Qual a afirmativa errada? a) se a > 0 a parábola possui concavidade para cima b) se b 2 4ac > 0 o trinômio possui duas

Leia mais

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Função Trigonométrica II Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Resumo das Principais Relações I sen cos II tg sen cos III cotg tg IV sec cos V csc sen VI sec tg VII csc cotg cos sen Arcos e subtração

Leia mais

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números naturais : conjunto dos números inteiros : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária:

Leia mais

Recorrendo à nossa imaginação podemos tentar escrever números racionais de modo semelhante: 1 2 = 1 + 3 + 32 +

Recorrendo à nossa imaginação podemos tentar escrever números racionais de modo semelhante: 1 2 = 1 + 3 + 32 + 1 Introdução Comecemos esta discussão fixando um número primo p. Dado um número natural m podemos escrevê-lo, de forma única, na base p. Por exemplo, se m = 15 e p = 3 temos m = 0 + 2 3 + 3 2. Podemos

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

Exercícios de Números Complexos com Gabarito

Exercícios de Números Complexos com Gabarito Exercícios de Números Complexos com Gabarito ) (UNIFESP-007) Quatro números complexos representam, no plano complexo, vértices de um paralelogramo. Três dos números são z = i, z = e z = + ( 5 )i. O quarto

Leia mais

Exercícios e questões de Álgebra Linear

Exercícios e questões de Álgebra Linear CEFET/MG Exercícios e questões de Álgebra Linear Versão 1.2 Prof. J. G. Peixoto de Faria Departamento de Física e Matemática 25 de outubro de 2012 Digitado em L A TEX (estilo RevTEX). 2 I. À GUISA DE NOTAÇÃO

Leia mais

O Plano. Equação Geral do Plano:

O Plano. Equação Geral do Plano: O Plano Equação Geral do Plano: Seja A(x 1, y 1, z 1 ) um ponto pertencente a um plano π e n = (a, b, c), n 0, um vetor normal (ortogonal) ao plano (figura ao lado). Como n π, n é ortogonal a todo vetor

Leia mais

Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas.

Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas. PROVA APLICADA ÀS TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO DO COLÉGIO ANCHIETA EM MARÇO DE 009. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÕES DE 0 A 08.

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

Em linguagem matemática, essa proprieade pode ser escrita da seguinte maneira: x. 1 = x Onde x representa um número natural qualquer.

Em linguagem matemática, essa proprieade pode ser escrita da seguinte maneira: x. 1 = x Onde x representa um número natural qualquer. MATEMÁTICA BÁSICA 5 EXPRESSÕES ALGÉBRICAS - EQUAÇÕES A expressão numérica é aquela que apresenta uma sequência de operações e de números. Também já sabemos que as letras são usadas em Matemática para representar

Leia mais

POTENCIAÇÃO, RADICIAÇÃO E LOGARITMAÇÂO NOS NÚMEROS REAIS. Potenciação 1

POTENCIAÇÃO, RADICIAÇÃO E LOGARITMAÇÂO NOS NÚMEROS REAIS. Potenciação 1 POTENCIAÇÃO, RADICIAÇÃO E LOGARITMAÇÂO NOS NÚMEROS REAIS Potenciação 1 Neste texto, ao classificarmos diferentes casos de potenciação, vamos sempre supor que a base e o expoente sejam não nulos, pois já

Leia mais

Unidade 3 Função Afim

Unidade 3 Função Afim Unidade 3 Função Afim Definição Gráfico da Função Afim Tipos Especiais de Função Afim Valor e zero da Função Afim Gráfico definidos por uma ou mais sentenças Definição C ( x) = 10. x + Custo fixo 200 Custo

Leia mais

Introdução ao determinante

Introdução ao determinante ao determinante O que é? Quais são suas propriedades? Como se calcula (Qual é a fórmula ou algoritmo para o cálculo)? Para que serve? Álgebra Linear II 2008/2 Prof. Marco Cabral & Prof. Paulo Goldfeld

Leia mais

Um triângulo é retângulo quando um de seus ângulos internos é reto. Observando o triângulo

Um triângulo é retângulo quando um de seus ângulos internos é reto. Observando o triângulo Capítulo 7 Trigonometria 7. Introdução à trigonometria A Trigonometria, que é uma palavra de origem grega: trigono (triangular) e metria (medida), tem por objetivo estabelecer relações entre os elementos

Leia mais

1.2. Recorrendo a um diagrama em árvore, por exemplo, temos: 1.ª tenda 2.ª tenda P E E

1.2. Recorrendo a um diagrama em árvore, por exemplo, temos: 1.ª tenda 2.ª tenda P E E Prova de Matemática do 3º ciclo do Ensino Básico Prova 927 1ª Chamada 1. 1.1. De acordo com enunciado, 50% são portugueses (P) e 50% são espanhóis (E) e italianos (I). Como os Espanhóis existem em maior

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS.

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS. ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS ÁLGEBRA I: 003 a 013 Funções: definição de função; funções definidas por

Leia mais

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis 1 4.1 Funções de 2 Variáveis Em Cálculo I trabalhamos com funções de uma variável y = f(x). Agora trabalharemos com funções de várias variáveis. Estas funções aparecem naturalmente na natureza, na economia

Leia mais

3.1. TRANSFORMAÇÕES LINEARES 79

3.1. TRANSFORMAÇÕES LINEARES 79 31 TRANSFORMAÇÕES LINEARES 79 Exemplo 317 Mostre que existe uma função T : R R satisfazendo à condição aditiva T (x + y) =T (x)+t (y), x, y R, mas não é uma transformação linear, isto é, T (x) 6= ax, paraalgumx

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2011-2 a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2011-2 a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ano 011 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como no lote existem em total de 30 caixas, ao selecionar 4, podemos obter um conjunto de 30 C 4 amostras diferentes,

Leia mais

MÓDULO 29. Trigonometria I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Fórmulas do arco duplo: 1) sen (2a) = 2) cos (2a) =

MÓDULO 29. Trigonometria I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA. Fórmulas do arco duplo: 1) sen (2a) = 2) cos (2a) = Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 9 Trigonometria I Resumo das principais fórmulas da trigonometria Arcos Notáveis: Fórmulas do arco duplo: ) sen (a) = ) cos (a) = 3)

Leia mais

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de primeiro grau Introdução Equação é toda sentença matemática aberta que exprime

Leia mais

Regressão, Interpolação e Extrapolação Numéricas

Regressão, Interpolação e Extrapolação Numéricas , e Extrapolação Numéricas Departamento de Física Universidade Federal da Paraíba 29 de Maio de 2009, e Extrapolação Numéricas O problema Introdução Quem é quem Um problema muito comum na física é o de

Leia mais

Matrizes e Sistemas Lineares. Professor: Juliano de Bem Francisco. Departamento de Matemática Universidade Federal de Santa Catarina.

Matrizes e Sistemas Lineares. Professor: Juliano de Bem Francisco. Departamento de Matemática Universidade Federal de Santa Catarina. e Aula Zero - Álgebra Linear Professor: Juliano de Bem Francisco Departamento de Matemática Universidade Federal de Santa Catarina agosto de 2011 Outline e e Part I - Definição: e Consideremos o conjunto

Leia mais

A lei dos senos. Na Aula 42 vimos que a Lei dos co-senos é. a 2 = b 2 + c 2-2bc cos Â

A lei dos senos. Na Aula 42 vimos que a Lei dos co-senos é. a 2 = b 2 + c 2-2bc cos  A UA UL LA A lei dos senos Introdução Na Aula 4 vimos que a Lei dos co-senos é uma importante ferramenta matemática para o cálculo de medidas de lados e ângulos de triângulos quaisquer, isto é, de triângulos

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA Aula 01 Introdução a Geometria Plana Ângulos Potenciação Radiciação Introdução a Geometria Plana Introdução: No estudo da Geometria Plana, consideraremos três conceitos primitivos:

Leia mais

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA (UFCG- CUITÉ)

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA (UFCG- CUITÉ) P L A N O S PARALELOS AOS EIXOS E AOS PLANOS COORDENADOS Casos Particulares A equação ax + by + cz = d na qual a, b e c não são nulos, é a equação de um plano π, sendo v = ( a, b, c) um vetor normal a

Leia mais

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES

OPERAÇÕES COM FRAÇÕES OPERAÇÕES COM FRAÇÕES Adição A soma ou adição de frações requer que todas as frações envolvidas possuam o mesmo denominador. Se inicialmente todas as frações já possuírem um denominador comum, basta que

Leia mais

www.rumoaoita.com 141

www.rumoaoita.com 141 0 Dado um trapézio qualquer, de bases e 8, traça-se paralelamente às bases um segmento de medida x que o divide em outros dois trapézios equivalentes. Podemos afirmar que: (A) x, 5 (B) x (C) x 7 x 5 (E)

Leia mais

CÁLCULO 1 Teoria 0: Revisão Gráfico de Funções elementares Núcleo de Engenharias e Ciência da Computação. Professora: Walnice Brandão Machado

CÁLCULO 1 Teoria 0: Revisão Gráfico de Funções elementares Núcleo de Engenharias e Ciência da Computação. Professora: Walnice Brandão Machado CÁLCULO 1 Teoria 0: Revisão Gráfico de Funções elementares Núcleo de Engenharias e Ciência da Computação FUNÇÕES POLINOMIAIS Função polinomial de 1º grau Professora: Walnice Brandão Machado O gráfico de

Leia mais

2.1 - Triângulo Equilátero: é todo triângulo que apresenta os três lados com a mesma medida. Nesse caso dizemos que os três lados são congruentes.

2.1 - Triângulo Equilátero: é todo triângulo que apresenta os três lados com a mesma medida. Nesse caso dizemos que os três lados são congruentes. Matemática Básica 09 Trigonometria 1. Introdução A palavra Trigonometria tem por significado do grego trigonon- triângulo e metron medida, associada diretamente ao estudo dos ângulos e lados dos triângulos,

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

AULA DO CPOG. Progressão Aritmética

AULA DO CPOG. Progressão Aritmética AULA DO CPOG Progressão Aritmética Observe as seqüências numéricas: 2 4 6 8... 12 9 6 3... 5 5 5 5... Essas seqüências foram construídas de forma que cada termo (número), a partir do segundo, é a soma

Leia mais

XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível Segunda Fase Parte A PARTE A Na parte A serão atribuídos 4 pontos para cada resposta correta e a pontuação máxima para essa

Leia mais

Notas de Curso. Ivan Pan. 28 de Maio de 2008

Notas de Curso. Ivan Pan. 28 de Maio de 2008 Notas de Curso Ivan Pan 28 de Maio de 2008 2 Capítulo 1 Números Complexos Começaremos este capítulo fazendo uma brevíssima introdução aos sistemas numéricos (poderíamos dizer, números reais) cuja única

Leia mais

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 (OBMEP RJ) Qual é a menor das raízes da equação Questão 2 (OBMEP RJ adaptada) Mariana entrou na sala e viu

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BIBLIOTECA DE OBJETOS MATEMÁTICOS COORDENADOR: Dr. MARCIO LIMA TEXTO: CÍRCULO TRIGONOMÉTRICO AUTORES: Mayara Brito (estagiária da BOM) André Brito (estagiário da BOM) ORIENTADOR:

Leia mais

Prática. Exercícios didáticos ( I)

Prática. Exercícios didáticos ( I) 1 Prática Exercício para início de conversa Localize na reta numérica abaixo os pontos P correspondentes aos segmentos de reta OP cujas medidas são os números reais representados por: Exercícios didáticos

Leia mais

Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) 2ª fase. 19 de Julho de 2010

Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) 2ª fase. 19 de Julho de 2010 Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 65) ª fase 9 de Julho de 00 Grupo I. Como só existem bolas de dois tipos na caixa e a probabilidade de sair bola azul é, existem tantas bolas roxas

Leia mais

PUC-Rio Desafio em Matemática 23 de outubro de 2010

PUC-Rio Desafio em Matemática 23 de outubro de 2010 PUC-Rio Desafio em Matemática 3 de outubro de 010 Nome: GABARITO Assinatura: Inscrição: Identidade: Questão Valor Nota Revisão 1 1,0 1,0 3 1,0 4 1,5 5 1,5 6,0 7,0 Nota final 10,0 Instruções Mantenha seu

Leia mais

Assunto: Estudo do ponto

Assunto: Estudo do ponto Assunto: Estudo do ponto 1) Sabendo que P(m+1;-3m-4) pertence ao 3º quadrante, determine os possíveis valores de m. resp: -4/3

Leia mais

MATEMÁTICA NÚMEROS COMPLEXOS. d) 2 e) 3

MATEMÁTICA NÚMEROS COMPLEXOS. d) 2 e) 3 MATEMÁTICA NÚMEROS COMPLEXOS 1. U. Católica Dom Bosco-MS O valor do número real x para que o conjugado do número complexo (x + i)(1 + xi) seja igual a i é: a) b) 1 c) 1 d) e) 1. UFCE Considere o número

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

GABARITO DE MATEMÁTICA ITA 2010 INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA

GABARITO DE MATEMÁTICA ITA 2010 INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA GABARITO DE MATEMÁTICA ITA 010 INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Gabarito da prova de Matemática Realizada em 16 de Dezembro de 010 Matemática GABARITO ITA 010 GABARITO ITA 010 NOTAÇÕES : Conjunto dos

Leia mais

TRIGONOMETRIA CICLO TRIGONOMÉTRICO

TRIGONOMETRIA CICLO TRIGONOMÉTRICO TRIGONOMETRIA CICLO TRIGONOMÉTRICO Arcos de circunferência A e B dividem a circunferência em duas partes. Cada uma dessas partes é um arco de circunferência (ou apenas arco). A e B são denominados extremidades

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Trigonometria. Relação fundamental. O ciclo trigonométrico. Pré. b c. B Sabemos que a 2 = b 2 + c 2, dividindo os dois membros por a 2 : a b c 2 2 2

Trigonometria. Relação fundamental. O ciclo trigonométrico. Pré. b c. B Sabemos que a 2 = b 2 + c 2, dividindo os dois membros por a 2 : a b c 2 2 2 Trigonometria Relação fundamental C b a A c B Sabemos que a = b + c, dividindo os dois membros por a : a b c = + a a a sen + cos = Temos também que: b c senα= e cosα= a a Como b tgα= c, concluímos que:

Leia mais

Números Inteiros AULA. 3.1 Introdução

Números Inteiros AULA. 3.1 Introdução AULA 3 META: Apresentar os números inteiros axiomaticamente através dos Números Naturais. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Definir números inteiros axiomaticamente. Realizar

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 2 do livro de Taha (2008): Introdução O modelo de PL de duas variáveis Propriedades

Leia mais

MATEMÁTICA II. Aula 12. 3º Bimestre. Determinantes Professor Luciano Nóbrega

MATEMÁTICA II. Aula 12. 3º Bimestre. Determinantes Professor Luciano Nóbrega 1 MATEMÁTICA II Aula 12 Determinantes Professor Luciano Nóbrega º Bimestre 2 DETERMINANTES DEFINIÇÃO A toda matriz quadrada está associado um número real ao qual damos o nome de determinante. O determinante

Leia mais