Equações Diferenciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equações Diferenciais"

Transcrição

1 Apontamentos de Equações Diferenciais (Complementos de Análise Matemática EE) Jorge Figueiredo, Carolina Ribeiro Departamento de Matemática e Aplicações Universidade do Minho 3 Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

2 Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

3 Conteúdo I Equações Diferenciais Ordinárias Introdução às equações diferenciais 3. Equaçõesdiferenciais: Algumasdefiniçõeseclassificações Soluçõesdeequaçõesdiferenciais Problemasdevaloresiniciaiseproblemasdevaloresdefronteira Problemasdevaloresiniciaiseproblemasdevaloresdefronteira Eistênciaeunicidadedesolução SoluçõesdoseercíciosdoCapítulo Resolução analítica de equações diferenciais de primeira ordem 9. Algumasformasderepresentação Equaçõesdiferenciaiseatas Equaçõesdiferenciaiseatasefatoresintegrantes Equaçõesdiferenciaisdevariáveisseparáveis Equaçõesdiferenciaishomogéneas Equaçõesdiferenciaislineares EquaçõesdiferenciaisdeBernoulli Aplicaçãoàdeterminaçãodetrajetóriasortogonais EercíciosderevisãodoCapítulo SoluçõesdoseercíciosdoCapítulo Resolução analítica de equações diferenciais lineares de ordem n 3 3. Introduçãoàsequaçõesdiferenciaislinearesdeordemn Propriedadesdasequaçõesdiferenciaislineareshomogéneas Propriedadesdasequaçõesdiferenciaislinearesnãohomogéneas Aequaçãolinearhomogéneacomcoeficientesconstantes Ométododoscoeficientesindeterminados Ométododevariaçãodasconstantes AequaçãodeCauchy-Euler EercíciosderevisãodoCapítulo SoluçõesdoseercíciosdoCapítulo A Transformada de Laplace Definição,eistênciaepropriedades AtransformadainversadeLaplace Aconvolução iii Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

4 4.3 AplicaçõesdatransformadadeLaplace Solução de problemas de valores iniciais envolvendo equações diferenciais lineares comcoeficientesconstantes Solução de problemas de valores iniciais envolvendo sistemas de equações diferenciaislinearescomcoeficientesconstantes EercíciosderevisãodoCapítulo SoluçõesdoseercíciosdoCapítulo II Equações Diferenciais Parciais 7 5 Introdução às equações diferenciais parciais 9 5. Problemascomcondiçõesdefronteira: valoresprópriosefunçõespróprias Classificaçãodeequaçõesdiferenciaisparciaisdesegundaordem Oprincípiodasobreposiçãoeoprincípiodasubtração EercíciosderevisãodoCapítulo SoluçõesdoseercíciosdoCapítulo Separação de variáveis, séries de Fourier e aplicações Ométododeseparaçãodevariáveis: aplicaçãoaedpslinearesdeprimeiraordem Aequaçãodecalor;separaçãodevariáveis SériesdeFourier: definiçãoeprincipaispropriedades SériesdeFourierdecossenosesériesdeFourierdesenos Aplicaçãoàequaçãodecalor,equaçãodeondaeequaçãodeLaplace EercíciosderevisãodoCapítulo SoluçõesdoseercíciosdoCapítulo Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

5 Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

6 Estes apontamentos são baseados nos livros: Braun M., Differential Equations and Their Applications Springer-Verlag, 99(4ł edição) Pinsky M.A., Partial Differential Equations and Boundary-Value Problems with Applications McGraw-Hill International Editions, 998(3ł edição) Ross S.L., Differential Equations John Wiley, 989(4ł edição) O presente teto reflete, em boa medida, a eperiência dos autores na lecionação da unidade curricular de Complementos de Análise Matemática(EE) quer a vários cursos da Escola de Engenharia da Universidade do Minho, quer ao curso de Licenciatura em Estatística Aplicada da Escola de Ciências da Universidade do Minho. Universidade do Minho, dezembro 3 Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

7 Parte I Equações Diferenciais Ordinárias Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

8 Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

9 Capítulo Introdução às equações diferenciais. Equações diferenciais: Algumas definições e classificações Definição. Uma equação envolvendo derivadas de uma ou mais variáveis dependentes(as incógnitas) em ordem a uma ou mais variáveis independentes designa-se equação diferencial. Eemplo. São equações diferenciais d y d y ( ) dy 4 =, (.) d d 3 v dt 3 +5vdv =cost, (.) dt u u u + y + =, (.3) z v s + w =w v. (.4) t Definição. Uma equação diferencial envolvendo derivadas de uma ou mais variáveis dependentes em ordem a uma variável independente designa-se equação diferencial ordinária(edo). Eemplo. As equações(.) e(.) são eemplos de equações diferenciais ordinárias(edos). Definição.3 Uma equação diferencial envolvendo derivadas parciais de uma ou mais variáveis dependentes em ordem a mais do que uma variável independente designa-se equação diferencial parcial(edp). Eemplo.3 As equações(.3) e(.4) são eemplos de equações diferenciais parciais(edps). As equações diferenciais, quer ordinárias, quer parciais, são ainda classificadas de acordo com a ordem da derivada de ordem mais elevada que nelas figura. Definição.4 A ordem de uma equação diferencial é a ordem máima da(s) derivada(s) que nela figura(m). 3 Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

10 4. Introdução às equações diferenciais Eemplo.4 Assim, a equação(.) é uma equação diferencial ordinária de segunda ordem(e não de quarta ordem!). A equação(.) é uma equação diferencial ordinária de terceira ordem. As equações (.3) e(.4) são equações diferenciais parciais de segunda e primeira ordem, respetivamente. Pode-se, ainda, classificar as equações diferenciais ordinárias quanto à sua linearidade (o mesmo acontece, como veremos mais adiante, com as equações diferenciais parciais). Definição.5 Seja I um intervalo aberto da reta real. Uma equação diferencial ordinária linear deordemn,navariáveldependenteyenavariávelindependente,éumaequaçãoqueé(oupodeser) epressa da seguinte forma a () dn y d n+a () dn y d n + +a n () dy d +a n()y=b(), (.5) ondeasfunçõesa,a,...,a n sãofunções(conhecidas)contínuasnointervaloi eafunçãoa nãose anula nesse intervalo. Nocasodesetratardeumaequaçãodiferencialdeprimeiraordem(n=),então(.5)assumea forma a () dy d +a ()y=b(), (.6) resultando,paraocason=, a () d y d +a () dy d +a ()y=b(). Definição.6 Uma equação diferencial ordinária não linear é uma equação diferencial ordinária que não pode ser epressa na forma(.5). Eemplo.5 Constituem eemplos de equações diferencias ordinárias lineares, supondo y = y(), d y d 5dy d +3y=, dy +(cos)y=, (.7) d d3 y d 3+edy d +3 y=cos, d 3 y y d 3 5ed d =cosh. Eemplo.6 São equações diferenciais ordinárias não lineares, supondo y = y(), d y d dy d +y =, (.8) d y d +ydy =, (.9) d Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

11 . Equações diferenciais: Algumas definições e classificações 5 d 3 y d 3+ ( ) dy 3y=, (.) d dy +cosy=, (.) d dy d 3ey =. (.) Naequação(.8)anãolinearidadedeve-seaotermoy ;naequação(.9)édevidaaoprodutoydy/d; na equação (.) é causada pelo termo (dy/d) ; finalmente, nas equações (.) e (.) é devida às funções transcendentes cosseno e eponencial que têm como argumento y ou uma função de y. Repare-se, desde já, na semelhança entre as equações(.7) e(.) que, no entanto, têm caraterísticas diferentes no que se refere à linearidade. Note-se, portanto, que nas equações diferenciais lineares: (i) tantoycomoassuasderivadassãosempredeprimeirograu; (ii) nãosurgemprodutosdeyoudassuasderivadas; (iii) não figuram funções transcendentes de y (eponencial, seno, cosseno, logaritmo, potência, etc.) ou das suas derivadas. Nota No caso das equações diferenciais de primeira ordem, e conforme veremos de seguida, estas podem ser escritas essencialmente de três formas equivalentes: dy d =f(,y), d dy = f(,y), f(,y)d dy=. Esta caraterística faz com que em muitos casos se possa escolher a variável independente que seja mais vantajosa na ótica da análise e resolução da equação diferencial em causa. Em particular, pode acontecer que determinada equação diferencial de primeira ordem não seja linear para determinada escolha da variável independente, mas passe a ser linear se for reescrita considerando outra variável independente(na prática, trocando o papel das variáveis dependente/independente). Por eemplo, a equação diferencial não linear(.) também se pode escrever como dy d 3ey = dy d =3ey d dy = 3 e y, onde se assumiu que = (y). Esta equação diferencial já é linear (na variável dependente ). No entanto, já a aplicação deste procedimento à equação diferencial (.) não conduz a uma equação lineardadoqueseobtém dy dy +cosy= = cosy cosyd d d dy + =, aqualnãoélinear(navariáveldependente)devidoaotermo/. Voltaremosatratarestaquestão posteriormente quando este tipo de equação diferencial for abordado de forma mais pormenorizada. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

12 6. Introdução às equações diferenciais Nota Para tornar a escrita menos pesada, ao longo deste teto adotar-se-ão duas notações distintas para representar as derivadas de uma função f em ordem ao seu argumento. Assim, sempre que tal não gere ambiguidade, serão usadas para representar as sucessivas derivadas de uma função f em ordemaoseuargumentoasnotações ou(equivalentemente) df d, d f d 3 f d 4 f f d, d 3, d 4,...,dk d k f, f, f, f (iv),...,f (k). Eercícios sobre classificação de equações diferenciais Eercício. Classificar cada uma das seguintes equações diferenciais como ordinárias ou parciais; mencionar a ordem de cada equação; averiguar, no caso de se tratar de uma equação diferencial ordinária, se esta é linear. (a) (b) dy d +y = e +cos; d 4 y y d 4 3d d +6y= sen; (c) u u + u y =; (d) (e) du dt =t u ; d ( v dv d d (f) (g) dy d =ysen; ds dt =tcoss; (h) dy d +y =; ) 3 +v=3+; (j) dy d =tgy.. Soluções de equações diferenciais (i) 4 v 4 v 4+ 4 v y + 4 v y 4 =; Considere-se agora, e antes de abordar qualquer método relativo à determinação de soluções de equações diferenciais, o conceito de solução de uma equação diferencial ordinária de ordem n. Para poder abordar esta questão com alguma generalidade convém ter em mente que uma equação diferencial ordinária de ordem n(linear ou não) estabelece uma relação entre: (i) algumas derivadas da variável dependente em ordem à variável independente;(ii) a variável dependente; e(iii) a variável independente. Assimsendo,talcomoaeistênciadeumarelaçãoentreasvariáveis,yezsepode epressar genericamente na forma f(,y,z)=, comoéocasode +y +z = +y +z =, correspondendo-lhe f(,y,z) = +y +z, o mesmo pode ser feito para representar qualquer equaçãodiferencialordináriadeordemnqueenvolvaasvariáveisye,asaber, ( F,y, dy ) y d,...,dn d n =, Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

13 . Soluções de equações diferenciais 7 onde se assumiu como anteriormente que y = y(). A igualdade anterior epressa, de forma genérica, que eiste uma relação entre as variáveis que figuram como argumento da função real F, relação essa que constitui uma equação diferencial. Assim, a cada equação diferencial corresponde uma forma particular da função F, a qual tem n+ argumentos (porquê?). Por eemplo, à EDO de primeira ordem dy dy =y d d y= corresponde enquantoqueàedodeordem3 F (,y, dy ) = dy d d y, d3 y d 3 y=e d3 y d 3 y e = corresponde F (,y, dy ) y y d,d d,d3 d 3 = d3 y d 3 y e. Com este formalismo podemos abordar, de forma genérica, a noção de solução de uma equação diferencial ordinária independentemente da forma específica da EDO. Definição.7 Considere-se a equação diferencial ordinária de ordem n F (,y, dy ) y d,...,dn d n =, (.3) onde F é uma função real dos seus n+ argumentos. Diz-se que uma solução desta equação diferencial équalquerrelação(eplícitaouimplícita )entreasvariáveisey quenãocontenhaderivadaseque verifique a equação(.3). Eemplo.7 Arelação(curva)y()= éumasolução(eplícita)daequaçãodiferencial dy d +y=(+), umavezquesubstituindoypor naequaçãoprecedenteseobtémumaidentidade: dy d +y=(+) d ( ) d + =(+) + =(+). Vejamos agora o que distingue as soluções eplícitas das soluções implícitas. Arelaçãodiz-seeplícitaseédaformay=f(),poreemploy=+,dizendo-seimplícitaseédaformag(,y)=, poreemploy +4=. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

14 8. Introdução às equações diferenciais Definição.8 Seja f() uma função real, definida para todo pertencente a um intervalo real aberto I,quetenhaderivadadeordemn-econsequentementetambémderivadasdeordeminferioran-para todo I. A função f designa-se uma solução eplícita da equação diferencial(.3) no intervalo I se satisfaz as condições: (a) F [,y,y,...,y (n)] estádefinidaparatodo I; (b) F [,f,f,...,f (n)] =paratodo I. Ou seja, a função F, que está associada eclusivamente à forma da equação diferencial, deve, enquantofunçãoeplícitade,fazersentidoparatodo I.Poroutrolado,asubstituiçãodef() edassuasderivadasem(.3)deveconduziraumaidentidadenointervaloabertoi. Definição.9 Uma relação(implícita) g(, y) = diz-se uma solução implícita da equação(.3) sedefinepelomenosumafunçãorealf()numintervaloabertoi,talquef()éumasoluçãoeplícita de(.3)emi. Pode-se assim dizer que uma solução da equação diferencial (.3) é uma relação - eplícita ou implícita - entre as variáveis ey(ou seja, uma curva em R ) que satisfaz a referida equação num determinado intervalo aberto I, sempre que o domínio de y, y, y,..., y (n) contenha I, o mesmo acontecendo com o domínio de F (enquanto função eplícita de ). Para fiar ideias, comecemos por ver alguns eemplos relativos a soluções eplícitas de algumas EDOs. Eemplo.8 A função f() = sen+3cos é uma solução eplícita da equação diferencial de segunda ordem d y d+y= (.4) paratodo R. Solução. Tem-se f()=sen+3cos, f ()=cos 3sen, f ()= sen 3cos, pelo que f(), f () e f () estão definidas paratodo R. Substituindo y por f() e d y/d por f ()em(.4),obtém-seumaidentidade ( sen 3cos)+(sen+3cos)= = que é válida para todo real. Portanto, a função f() diz-se uma solução eplícita da equação diferencial (.4) para todo R. Note-se ainda que a forma da equação diferencial (.4) não impõe, porsisó,qualquerrestriçãoaosvaloresqueavariávelindependentepodetomar,peloqued F =R. Emsuma,acurvay=f()verifica,paratodo R,ascondiçõesimpostaspelaequação(.4). Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

15 . Soluções de equações diferenciais 9 y Representaçãográficadafunçãoy=sen+3cos,soluçãodaequaçãodiferencial(.4) Eemplo.9 A função g() = / é uma solução eplícita da equação diferencial de primeira ordem dy d = / apenasnointervaloabertoi=],+ [. Solução. Tem-sedg/d= / peloqueafunçãogverificaaequaçãodiferencialdada. Noentanto, D g ={ R: }=R + e D g ={ R:>}=R +, peloquei=d g D g =],+ [. Nestecasoaformadaequaçãodiferencialtambémimpõecondiçõesa,embora,comoseverádeseguida,talnãoaltereI. Defacto,aequaçãodiferencialemcausapode-se escrever na forma dy d / =, pelo que neste caso concreto ( ) dy F d,y, = dy d / eodomíniodef,enquantofunçãodavariávelindependente,é D F ={ R:>}. Assim, em bom rigor, tem-se I=D g D g D F =],+ [, peloqueoresultadoobtidoanteriormenteparaointervaloi nãosealtera. Denovo,podefazer-seuma interpretação geométrica deste resultado: o declive da reta tangente ao gráfico da curva y = /, ],+ [,éemcadapontodessacurvacomcoordenadas(,y)iguala /. Eemplo. Afunçãoh()= éumasoluçãoeplícitadaequaçãodiferencial dy d = Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

16 . Introdução às equações diferenciais nointervalor\{}. Solução. Por um lado, tem-se a identidade Alémdisso,D h =D h =R. Noentanto, F dh d =. ( ) dy d,y, = dy d, peloqued F ={ R: }econsequentementei=d g D g D F =R\{}. Eemplo. Considere-se a equação diferencial d y d y=. Pretende-se averiguar para que valores da constante real k é que a função u()= k é uma solução eplícita desta EDO e indicar o respetivo intervalo. Solução. Comecemos por averiguar se d u d u= se verifica para algum valor de k, uma vez que essa é uma condição necessária para a função u ser uma solução eplícita da EDO dada num intervalo aberto I. Tem-se, ( d u k ) d u= d d k = k(k ) k k =. Assim,aconstantekterádeverificaraidentidadek k =(porquê?),peloque k= 3 k=4. Temosentãoduaspotenciaissoluçõeseplícitasu ()= 3 eu ()= 4,sendoque F ( d ) u d,du d,u, = d u d u, resultandod F =R\{} (porquê?). DadoqueD u =D u =D u =R\{} ed u =D u =D u =R, então devido ao termo d u d presente na EDO, tem-se que u () = 3 e u () = 4 são soluções eplíticas da EDO dada no intervaloabertoi=r\{}. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

17 . Soluções de equações diferenciais ProblemaDeterminaremqueintervalodaretarealéqueafunçãoh()=lnéumasoluçãoeplícita da equação diferencial de primeira ordem Resp.: ],+ [. dy d =. Problema Determinar em que intervalo da reta real é que a função θ() = 3 +k +k, onde k,k R,éumasoluçãoeplícitadaequaçãodiferencialdesegundaordem Resp.: R\{}. d y d 6=. ProblemaDeterminaremqueintervalodaretarealI équeafunçãop()=c +c,ondec,c R, é uma solução eplícita da equação diferencial de segunda ordem d y d =. Resp.: I= (nãoésoluçãoemnenhumintervaloabertodaretarealumavezquearetavertical= nãoéumintervaloabertoder). Problema Considere-se a equação diferencial d y d +dy d 4y=. Averiguarparaquevaloresdaconstanterealnéqueafunçãov()= n éumasoluçãoeplícitadesta EDO e indicar o respetivo intervalo. Resp.: São soluçõeseplícitas as funçõesv ()= e v ()=, qualquer uma delasno intervalo R\{}. Vejamos agora alguns eemplos relativos a soluções implícitas. Eemplo. Arelaçãoy=éumasoluçãoimplícitadaequaçãodiferencialdeprimeiraordem nointervaloi=r\{}. dy d = (.5) Solução. De facto, y=define umafunçãoreal f()= paratodo R\{}. Facilmentese conclui que f() é uma solução eplícita da equação diferencial(.5) em I, como requerido. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

18 . Introdução às equações diferenciais Eemplo.3 Arelação +y 5=éumasoluçãoimplícitadaequaçãodiferencial nointervaloi definidopor 5<<5. +y dy = (.6) d y Representaçãográficadarelaçãoimplícita +y 5= Solução. Neste caso a relação (implícita) entre as variáveis e y, +y 5 =, define duas funções reais f ()=+ 5 e f ()= 5, correspondendo cada uma delas a uma semi-circunferência (ver gráfico anterior). Tanto f () como f ()sãosoluçõeseplícitasdaequaçãodiferencial(.6)emi. Vejamosqueassiméparaf (): f ()= 5 f ()= 5. Substituindof ()ef ()em(.6)obtém-seaidentidade = =, conformerequerido. Poroutrolado,tem-se(porquê?) D f =[ 5,5]eD f =] 5,5[,eainda F ( ) dy d,y, =+y dy d D F =R, peloquei=d f D f D F =] 5,5[. Ademonstraçãoparaf ()ésimilar. Portanto, a relação +y 5= define duas funções, f e f, que são soluções eplícitas de (.6)nointervaloI=] 5,5[. Comovimos,éapenasnecessárioqueumadelastenhaessapropriedade paraseconcluirquearelação +y 5=éumasoluçãoimplícitade(.6)emI. Note-se que se o intervalo proposto I contivesse pontos fora do intervalo ] 5, 5[, então a relação +y 5=nãoseriaumasoluçãoimplícitadaequaçãodiferencialdadanesseintervalo,poistanto f ()comof ()nãoestãodefinidasemnenhumpontode], 5] [5,+ [(vergráficoanterior). Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

19 . Soluções de equações diferenciais 3 Problema Determinar em que intervalo da reta real é que a relação y = é uma solução implícita da equação diferencial dy d = y. (Atenção: emgeral ). Resp.: R\{}. ProblemaDeterminaremqueintervalodaretarealéquearelaçãoy +y+4=éumasolução implícita da equação diferencial (y+) dy d +y=. (Requerousoda fórmularesolvente paradeterminarumarelaçãoeplícitaentreey apartirda relação implícita dada). Resp.: ], [ ],+ [. Vejamos agora como lidar com casos em que a relação implícita dada entre as variáveis e y é demasiado complea para se poder definir uma relação eplícita entre as duas variáveis(por eemplo, ycosy+sen=). Seráquenestescasosaindasepodeconcluiralgo(útil)relativamenteàsolução de determinada equação diferencial? Eemplo.4 Seja k uma constante real. Considere-se a relação +y +k=, (.7) a qual coincide com a relação dada no eemplo precedente quando se toma k = 5. Considere-se ainda a equação diferencial que também surgiu no eemplo precedente +y dy =. (.8) d Comecemospordeterminarqualéodeclivedaretatangenteaográficodestacurvaemcadaponto de coordenadas(, y). Pode obter-se uma epressão para dy/d usando duas abordagens equivalentes: (i) derivando os dois membros de (.7) em ordem a, tendo sempre em conta que y depende de (regra da derivação da função composta): d ( +y +k ) = + dy d d ou seja, = +dy dy dy d = y ; dy = +ydy d d =, (ii) tendoemcontaquearelação(.7)édotipog(,y)=comg(,y)= +y +kequenesse caso se tem(derivada total da função implícita) dy d = G G y. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

20 4. Introdução às equações diferenciais Neste caso concreto, resulta talcomoobtidoem(i). dy d = y = y, Substituindo a epressão obtida para dy/d na equação diferencial(.6), obtém-se +y ( y ) = =, independentemente do valor de k. Assim, pode-se afirmar que a relação +y +k = verifica formalmente a equação (.8) na medida em que nos pontos do plano onde a família de curvas +y +k = está definida, o declive da reta tangente ao gráfico da curva em cada ponto de coordenadas(, y) é igual ao imposto pela equação diferencial. Poder-se-áconcluirentãoque +y +k=éumasoluçãoimplícitadaequaçãodiferencialdada? A resposta é negativa. Na realidade, +y +k = parece ser uma solução implícita da equação diferencial pois verifica-a formalmente, mas é ainda necessário que defina pelo menos uma função real que seja solução eplícita da equação dada num determinado intervalo aberto I. Vejamos,arelação +y +k=permitedefinirduasfunçõesquesãopotenciaissoluçõeseplícitas da equação(.8), a saber, g ()=+ k dg d = k, g ()= k dg d = k. Ora, tem-se concluindo-se que D g D g =D g D g = { : < k }, I= { ] k, k [, k<, k. Conclusão: arelação +y +k=,queverificaformalmenteaequaçãodiferencial +y dy d =, sóéumasoluçãoimplícitadestaequaçãosek<. Assim,considerandoporeemplok=5,concluise que +y +5= não é uma solução implícita desta equação diferencial em nenhum intervalo abertodaretareal(pelasimplesrazãodequeestacurvanãoeisteemr ). Do eemplo precedente pode-se concluir que, ainda que determinada relação implícita entre as variáveis e y verifique formalmente uma equação diferencial, tal não quer dizer que seja uma solução dessa mesma equação. Qual é então a utilidade de averiguar se determinada relação verifica formalmente uma equação diferencial? Conforme veremos mais adiante, averiguar se determinada epressão verifica formalmente uma dada equação diferencial é útil, pois caso tal não suceda pode-se concluir imediatamente que a epressão em causa não é uma solução implícita da equação diferencial em causa. Ou seja, a verificação Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

21 . Soluções de equações diferenciais 5 formal pode ser vista como uma condição necessária, ainda que não suficiente, para que determinada relaçãoentreasvariáveiseysejaumasoluçãodaequaçãodiferencialemestudo. Do ponto de vista prático, este procedimento permitirá aferir se uma relação implícita obtida na sequência da resolução de uma equação diferencial de primeira ordem está ou não correta, pelo menos dopontodevistaformal(i.e. semteremcontaqualéointervaloi envolvido). Eemplo.5 Considere-se a equação diferencial dy +y d = y. Pode 3 +y =serumasoluçãodestaequaçãodiferencial? Solução. Da relação implícita proposta resulta(porquê?) dy +y d = 3. y Então,para 3 +y =serumasoluçãodaedodada,teriadeverificar-se +y y = 3 +y y paratodo(,y)pertencenteaalgumconjuntoaberto de R. Ora, aigualdadeacimasó é válidapara =, lugar geométrico dos pontos situados no eio dos yy (que não é um conjnto aberto de R ), concluindo-se assim que a resposta é negativa. Problema Mostrar que a relação y +y = verifica formalmente a seguinte equação diferencial recorrendo: (i) à derivada da função composta; e(ii) à derivada total da função implícita. dy y = d y+. Considere-se agora a equação diferencial de primeira ordem dy =. (.9) d Ésimplesverificarquefunçãof ()= éumasoluçãoeplícitadestaequaçãodiferencialparatodo real. São também soluções da equação diferencial(.9), por eemplo, as funções f ()= +, f ()= +, f 3 ()= +3, f 7 ()= + 7. Defacto,paracadanúmerorealc,afunçãof c definidaparatodorealpor f c ()= +c (.) é uma solução da equação diferencial(.9). Ou seja, a epressão(.) define uma família(infinita) defunções,umaparacadavalordaconstanterealc,etodaafunçãodestafamíliaéumasoluçãode (.9). A constante c designa-se constante arbitrária. A família de soluções assim definida escreve-se y= +c. (.) Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

22 6. Introdução às equações diferenciais y Representaçãográficadafamíliadeparábolasy= +c;cadaparábolaéumacurvaintegralda equação diferencial(.9) Embora seja evidente que toda a função pertencente à família de soluções definida por(.) é uma solução de(.9), tal não permite concluir que a família de soluções(.) contém todas as soluções de (.9). Assim, podem, em princípio, eistir outras funções que também sejam solução de (.9), pelo que de momento não designaremos o conjunto(infinito) de soluções(.) como a solução geral da equação diferencial, mas apenas como uma família de soluções dessa equação. Voltaremos a este ponto mais adiante. Considere-se de novo a equação diferencial de primeira ordem(.9). Esta equação diferencial pode serinterpretadacomodefinindoodeclive,,daretatangenteaográficodacurvay=y()noponto decoordenadas(,y)paratodooreal. Estaequaçãodiferencialadmiteumafamíliadesoluçõesda forma y= +c, (.) onde c é uma constante real arbitrária. A família de funções (.) corresponde geometricamente a uma família de parábolas. Para cada uma delas, o declive da reta tangente ao gráfico da parábola no ponto de coordenadas(, y) obedece a(.9). Estas parábolas designam-se curvas integrais da equação diferencial(.9). Problema Determinar curvas integrais da equação diferencial dy/d = cos. Resp.: y=sen+k,k R. Problema Determinar curvas integrais da equação diferencial dy/d = senh. Resp.: y= cosh+k,k R. Eercícios sobre soluções de equações diferenciais Eercício. Mostrar que a função é uma solução da equação diferencial f()=+e dy d +y=+. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

23 . Soluções de equações diferenciais 7 Eercício.3 Mostrar que toda a função f pertencente à família de funções f c ()=+ce, onde c é uma constante arbitrária, é uma solução da equação diferencial de primeira ordem dy d +4y=8. Eercício.4 Mostrarquetodaafunçãog definidapor g()=c e 4 +c e, ondec ec sãoconstantesarbitrárias,éumasoluçãodaequaçãodiferencialdesegundaordem d y d dy d 8y=. Eercício.5 Determinartodososvaloresdaconstanterealmparaosquaisafunçãof()=e m é solução da equação diferencial d 3 y y d 3 3d d 4dy d +y=. Nota: e éumasoluçãodaedo(verificar),oquepermiteusararegraderuffini. Eercício.6 Mostrarque 3 +3y =éumasoluçãoimplícitadaequaçãodiferencial nointervaloi=],[. y dy d + +y = y Representaçãográficadarelação 3 +3y =(vereercício.6) Eercício.7 Mostrarque5 y 3 y =éumasoluçãoimplícitadaequaçãodiferencial dy d +y=3 y 3 Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

24 8. Introdução às equações diferenciais nosintervalos],[e ], 5 [. y Representaçãográficadarelação5 y 3 y =(vereercício.7) Eercício.8 Mostrarquey=lnverificaformalmenteaequaçãodiferencial dy d =+y, masnãoéumasoluçãoeplícitadestaequaçãonointervaloi=],[. y Representaçãográficadafunçãoy=ln(acheio)edarespetivaderivada(verEercício.8) Eercício.9 Mostrarquey +=nãoéumasoluçãoimplícitadaequaçãodiferencial y dy d = nointervaloi=],[,apesardeaverificarformalmente. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

25 .3 Problemas de valores iniciais e problemas de valores de fronteira 9.3 Problemas de valores iniciais e problemas de valores de fronteira.3. Problemas de valores iniciais e problemas de valores de fronteira Considere-se o problema que consiste em determinar a solução f da equação diferencial dy =, (.3) d tal que em = a solução f assume o valor 4 (note-se que se assume que a solução eiste e é única). Este problema, que corresponde a determinar a curva que passa pelo ponto de coordenadas (,y) = (,4) e cuja reta tangente ao seu gráfico tem declive em cada ponto pode ser escrito, na forma abreviada, dy =, y()=4. (.4) d Verifica-se facilmente que a equação(.3) admite uma família de soluções que é y= +c, (.5) ondecéumaconstantearbitrária,peloqueapenassenecessitadedeterminarovalordecdeformaa ter-sey=4quando=. Substituindo=ey=4em(.5)resulta Obtém-se, portanto, a solução(parábola) y()=4 4= +c c=7. y= +7, a qual verifica as duas condições epressas por(.4): dy d = d ( )=, d +7 y()= +7 =4. = Em aplicações envolvendo equações diferenciais de primeira ordem, ou de ordem mais elevada, os problemas mais frequentes são similares ao do eemplo precedente, já que envolvem uma equação diferencial e uma ou mais condições suplementares(tantas quantas a ordem da equação diferencial). Se todas as condições suplementares disserem respeito a um determinado valor da variável independente, diz-sequeseestánapresençadeumproblemadevaloresiniciais(pvi).seascondiçõessereferirem a dois valores distintos da variável independente, diz-se que se trata de um problema de valores de fronteira (PVF). Destas definições decorre que no caso de equações diferenciais de primeira ordem, estassópodemestarassociadasapvis(porquê?),comoéocasodopvi(.4). Eemplo.6 Considere-se o problema que consiste em determinar a solução do problema y y=, y()=, y ()=. (.6) Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

26 . Introdução às equações diferenciais Trata-se de um PVI que consiste em determinar a solução da equação diferencial y y = que assumeovalorem=ecujaprimeiraderivadatemvalorem=. Conformeveremos,todas as soluções da equação diferencial dada podem-se escrever como y()=c e +c e, ondec ec sãoconstantesarbitrárias,peloquey ()=c e c e. Ora, { y()= y ()= { c +c = c c = { c =3/ c = /, peloqueasoluçãodestepvié cuja representação é feita no gráfico seguinte. y()= 3 e e, y RepresentaçãográficadasoluçãodoPVI(.6)edaretatangenteaoseugráficonopontodeabcissa =(cujodecliveéiguala) Eemplo.7 Considere-se o problema que consiste em determinar a solução de d y d+y=, y()=, y(π/)=5. (.7) Trata-se, neste caso, de um PVF. Conforme veremos, todas as soluções da equação diferencial dada sãodaformay()=c cos+c sen,ondec ec sãoconstantesarbitrárias. Assim, { y()= y(π/)=5 { c = c =5. Portanto,asoluçãodestePVFéy()=cos+5sen. Noentanto,oPVF d y d+y=, y()=, y(π)=5, (.8) Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

27 .3 Problemas de valores iniciais e problemas de valores de fronteira nãotemsoluçãopoisascondiçõesy()=ey(π)=5nãosãocompatíveiscomumasoluçãodotipo y()=c cos+c sen: { y()= y(π)=5 { c = c =5 { c = c = 5. y Representaçãográficadafunçãoy=5sen+cos,soluçãodoPVF(.7) Poroutrolado,oPVF d y d+y=, y()=, y(π)= temumainfinidadedesoluçõesumavezque { y()= y(π)= { c = c =, e portanto c pode ser qualquer, resultando y() = cos+ksen, onde k é uma constante real arbitrária. OeemploprecedentemostraqueosPVFspodemtersoluçãoúnica,maisdoqueumasolução,ou não ter solução. Convém, desde já, notar que os PVIs têm uma estrutura bastante rígida no que diz respeito às condições impostas, já que para uma equação diferencial de ordem n têm de ser impostas eatamente ncondiçõesparaomesmovalordavariávelindependente=,peloqueopvitemdeserobrigatoriamente da forma: y( )=y, dy d ( )=y, d y d ( )=y,..., d n y d n ( )=y n, ondey,y,...,y n sãoconstantesreais. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

28 . Introdução às equações diferenciais Tal não acontece nos PVFs. Por eemplo, pode ter-se d y =, y()=, y()=, d d y d =, dy ()=, y()=, d d y d =, y()=, dy d ()=, d y d =, dy d ()=, dy d ()=. ÉimportantereferirquequersetratedeumPVIquerdeumPVF,ascondiçõesimpostasnunca podem envolver derivadas de ordem igual ou superior à ordem da equação diferencial presente no problema em causa. Problema Determinar uma solução do PVI Resp.: y=. dy =, y()=. d Problema Determinar uma solução do PVF Resp.: y=. d y d =, y()=, dy d ()=. Vejamos agora algumas considerações sobre problemas de valor inicial envolvendo equações diferenciais de primeira ordem. Definição. Considere-se a equação diferencial de primeira ordem dy =f(,y), (.9) d onde f é uma função contínua de e y nalgum domínio Ddo plano y. Seja ainda (,y ) um pontododomíniod. OPVIassociadoa(.9)consisteemdeterminarumasoluçãoh()daequação diferencial (.9), definida nalgum intervalo real contendo, que satisfaça a condição inicial do problemah( )=y. EstePVIescreve-se,habitualmente,naforma dy d =f(,y). (.3) y( )=y Um domínio é um conjunto aberto e coneo. Em termos simplistas, um domínio pode ser visto como o interior de uma curva fechada simples no plano. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

29 .3 Problemas de valores iniciais e problemas de valores de fronteira 3 Para resolver o problema(.3) deve-se determinar uma função h que satisfaça não só a equação diferencial(.9),mastambémacondiçãoinicial: talfunçãodevetervalory quandotomaovalor. Ométodoausarparadeterminarhdependedotipodeequaçãodiferencialpresentenoproblema, ouseja,daformadafunçãof(,y). Eemplo.8 Determinar uma solução do PVI dy d = y, y(3)=4, sabendo que a equação diferencial admite uma família de soluções que pode ser escrita na forma +y =c. (.3) Solução. A condição y(3) = 4 significa que se pretende determinar uma solução da equação diferencial dada,talquey=4quando=3. Assimsendo,opardevalores(,y)=(3,4)deveverificararelação (.3).Substituindo=3ey=4em(.3),obtém-se 9+6=c c =5. Substituindoestevalordec em(.3),tem-se +y =5. Resolvendoemordemay,resulta y=± 5. Deve-seescolherosinalpositivoparaquey=4quando=3. Assim,afunçãof definidapor f()= 5, 5<<5, éumasoluçãodoproblemapropostoearespetivasoluçãoescreve-sey= Eistência e unicidade de solução NoEemplo.8foipossível determinarumasoluçãodopviemcausa. MasterãotodososPVIse PVFs solução? Viu-se anteriormente que a resposta é negativa, uma vez que, por eemplo, o PVF d y d+y=, y()=, y(π)=5, não tem solução. Surge,portanto,aquestãodaeistênciadesoluções: dadoumpviouumpvf,eletemsolução? Considere-se esta questão relativamente ao PVI genérico presente na Definição.. Neste caso pode-se dar uma resposta inequívoca: todo PVI que satisfaça a Definição. tem pelo menos uma solução. Coloca-se agora a questão da unicidade. Pode o referido problema ter mais do que uma solução? Considere-se o PVI dy d =y/3, y()=. Éfácilverificarqueasfunçõesf ef definidas,respetivamente,por f ()=, R, Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

30 4. Introdução às equações diferenciais e f ()= {, < ( 3 ) 3/,, são ambas soluções do PVI. De facto, este problema tem uma infinidade de soluções. A resposta relativa à unicidade é clara: o PVI, conforme atrás definido, não tem necessariamente solução única. Para garantir unicidade torna-se necessário impor algumas condições adicionais. Estas condições são dadas pelo seguinte teorema(de Picard). Teorema. ( Teorema de Eistência e Unicidade). Considere-se a equação diferencial onde dy =f(,y), (.3) d. Afunçãof écontínuanumdomínioddoplanoy;. Aderivadaparcial f/ y tambémécontínuaemd. Seja(,y )umpontoded. Entãoaequaçãodiferencial(.3)admiteumaeumasósoluçãoφnum intervalo <h,parahsuficientementepequeno,queverificaacondição φ( )=y. Este teorema estabelece que em determinadas condições o PVI dy d =f(,y), y( )=y, (.33) temumasoluçãoúnicaqueéválidanumdeterminadointervaloemtornode (istoé,numavizinhança de suficientementepequena). Noentanto,oteoremanãoindicaqualquermétodoparadeterminar a solução do problema, apenas garante a eistência de solução única se forem verificadas determinadas condições. No caso de alguma dessas condições não se cumprir, então nada se pode concluir. Eemplo.9 Considere-se o PVI dy d = +y, y()=3. O objetivo é tentar aplicar o Teorema., começando por verificar as suas hipóteses. Neste caso f(,y)= +y f(,y) y =y. As duas funções f e f/ y são contínuas em qualquer domínio D do plano y. A condição inicial y()=3implicaque =ey =3. Ora,opontodecoordenadas(,y )=(,3)pertenceaalgum destes domínios D. Portanto, verificam-se as hipóteses do teorema, pelo que a conclusão é válida. Ou seja, eiste uma eumasó soluçãoφdaequaçãodiferencial dy/d= +y, definida numintervalo <hemtornode =,quesatisfazacondiçãoinicialφ()=3. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

31 .3 Problemas de valores iniciais e problemas de valores de fronteira 5 Eemplo. Considere-se os PVIs.. 3. dy d = y /3, y()=; dy d = y /3, y()=; dy d =y/3, y()=. Que se pode concluir relativamente à eistência e unicidade de solução destes PVIs? Solução. Nocasodosproblemasetem-se f(,y)= y /3 f(,y) = y /3. Tantof como f/ y sãofunçõescontínuasemr, ecetonospontoscomabcissanula(isto é, ao longodoeiodosyy). Noproblema, =ey =. Ora,oquadradodeladounitáriocentradoem (,)nãointersetaoeiodosyyeassimtantof como f/ yverificam,nestequadrado,ashipóteses do Teorema.. O seu interior pode por isso ser considerado como o domínio D mencionado no Teorema. e o ponto de coordenadas (,) D. Portanto, o Teorema. permite concluir que o problematemumaeumasósoluçãodefinidanumavizinhançade =suficientementepequena. Vejamosoquesepassanoproblema. Nestecaso =ey =. Nestepontonemf nem f/ ysão contínuas. Poroutraspalavras,opontodecoordenadas(,y)=(,)nãopertenceanenhumdomínio D onde as condições do Teorema. sejam verificadas. Consequentemente, o Teorema. não permite concluir que o problema tem uma e uma só solução na vizinhança do ponto de coordenadas (,). Note-se que este teorema também não permite concluir que a solução não é única. Em suma, o Teorema. não permite obter qualquer conclusão. Saliente-se ainda que uma vez que a função f não é contínua no ponto de coordenadas (,), então o problema não está de acordo com a Definição.apresentadanapágina,peloquenãosepodesequerconcluirqueoproblematenhasolução. Nocasodoproblema3tem-se f(,y)=y /3 f(,y) y = 3 y /3. Portanto, f é contínuaemr, peloqueoproblema3obedeceàdefinição.eporissotemgarantidamentesoluçãonumavizinhançadopontodecoordenadas(,y)=(,). Noentanto,nãosepode garantirqueasoluçãosejaúnicaumavezque f/ ynãoécontínuaemnenhumdomínioquecontenha o ponto de coordenadas(, )(porquê?). Problema Relativamente aos PVIs, dy d = y, y()=3, dy d = y, y(3)=, Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

32 6. Introdução às equações diferenciais averiguar se é possível concluir que têm solução única. Resp.: Apenas para o primeiro PVI podemos concluir que tem solução única. Nota Atendendo ao resultado epresso no Teorema., quando noutros capítulos deste documento lidarmos com a solução de PVIs do tipo (.33), qualquer referência à eistência de solução única deverá ser entendida, à falta de um resultado mais forte, como algo que está garantido apenas numa vizinhança suficientemente pequena do ponto de coordenadas (,y ). Conforme veremos, caso a equaçãodiferencialenvolvidanopvisejalinear,entãoasoluçãoúnicaéglobal,masemgeraltalnão está garantido. Eercícios sobre problemas de valores iniciais, problemas de valores de fronteira, e eistência e unicidade de solução Eercício. Mostrar que a função f() = 4e +e 3 é uma solução do problema de valores iniciais d y d +dy d 6y=, y()=6, dy d ()=. Averiguarseh()=e +4e 3 tambéméumasoluçãodestepvi. Eercício. Sabendo que toda a solução da equação diferencial de segunda ordem d y d dy d y= podeserescritanaformaf()=c e 4 +c e 3,escolhendoadequadamenteovalordasconstantesc ec,determinarasoluçãodosseguintespvis: (a) (b) d y d dy d y=, y()=5, dy d ()=6; d y d dy d y= y()=, dy d ()=6. Eercício. Sabendo que toda a solução da equação diferencial d y d dy d +y= podeserescritanaformay=c +c escolhendoc ec adequadamente,determinarasoluçãodo PVF d y d dy +y=, y()=, y(3)=4. d Eercício.3 Sabendo que toda a solução da equação diferencial d y d dy d = Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

33 .3 Problemas de valores iniciais e problemas de valores de fronteira 7 podeserescritanaformay=c +c,mostrarqueopvf não tem solução única. d y d dy =, y()=, y( )= d Eercício.4 Sabendo que toda a solução da equação diferencial d y d +y= podeserescritanaformay=c cos+c sen,mostrarqueoproblemadevaloresiniciais d y d +y=, y()=, dy d ()=5 temsoluçãof()=5sen+cos,masqueopvf não tem solução. d y d+y=, y()=, y(π)=5 Eercício.5 AplicaroTeorema. (verpágina4)paramostrarquecadaumdosseguintespvis temumaeumasósoluçãodefinidanumintervalosuficientementepequeno, <h,emtornode =: dy (a) d = seny, y()= ; (b) Eercício.6 Considere-se o PVI dy d = y, y()=. dy d =P()y +Q()y, y()=5, ondep()eq()sãopolinómiosdeterceirograuem. Esteproblematemsoluçãoúnicanumintervalo suficientementepequeno, <h,emtornode =? Porquê? Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

34 8. Introdução às equações diferenciais.4 Soluções dos eercícios do Capítulo.. (a)edo, a ordem,nãolinearsey=y()ou=(y); (b)edo,4 a ordem,linear; (c)edp, a ordem; (d)edo, a ordem,nãolinearseu=u(t)out=t(u); (e)edo, a ordem,nãolinear; (f)edo, a ordem,linearsey=y(),masnãolinearse=(y).; (g)edo, a ordem,nãolinearses=s(t)out=t(s); (h)edo, a ordem,nãolinearsey=y()ou=(y); (i)edp,4 a ordem; (j)edo, a ordem,nãolinearsey=y(),maslinearse=(y)..5. m =,m =,m 3 =3(sãosoluçõesdaEDO:e,e ee 3 )... Nãoverifica,poish ()= 8... (a)y=3e 4 +e 3 ; (b)y= e 3... y= Asoluçãoéy=+c ( ),ondecéumaconstantearbitrária..6. Sim. O Teorema de Eistência e Unicidade é aplicável. Afunção f(,y)=p()y +Q()y é contínuaemd=r,omesmosucedendocom f/ y=p()y+q(). Finalmente,opontode coordenadas(,y )=(,5)pertenceaodomínioD. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

35 Capítulo Resolução analítica de equações diferenciais de primeira ordem. Algumas formas de representação As equações diferenciais(ordinárias) de primeira ordem que estudaremos são muitas vezes representadas na forma normal dy =f(,y), d (.) ou ainda M(,y)d+N(,y)dy=, (.) a qual podemos designar como forma diferencial. Conforme veremos, há outras formas de representaçãodestetipodeequações,masofactoéqueestasservemmuitasvezesdepontodepartidapara o estudo das mesmas. Eemplo. A equação diferencial está escrita na forma(.), onde dy d = +y +y f(,y)= +y +y. Pode-se também representá-la na forma(.), ou seja, ( +y ) d+ ( y + ) dy=, correspondendo M(,y)= +y, N(,y)=y. É também possível escrever a mesma equação diferencial, por eemplo, como ( +y ) d ( y + ) dy=, d+ y + +y dy=, +y y + d+dy=, pelo que se torna evidente que não eiste uma forma única de escrever uma equação diferencial na forma diferencial. 9 Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

36 3. Resolução analítica de equações diferenciais de primeira ordem Por outro lado, a equação diferencial (cos+y)d+(+y)dy=, queseencontraescritanaforma(.),podeserescritanaforma(.) dy d = cos+y +y. Nestecaso,estaéaúnicaformadeescreveraequaçãodiferencialdadanaformanormal. Note-se que quando uma equação diferencial de primeira ordem se encontra escrita na forma normal,apresençadotermody/dtornaclaroqueéavariávelindependenteeyavariáveldependente, istoé,afunçãoy()éaincógnitadoproblema. Omesmonãosepassaquandoaequaçãodiferencial éepressanaformadiferencial. Emtodocaso,assumiremosquesenadaforditoemcontrárioéa variável independente e y a variável dependente. Problema Escrever a equação diferencial dy d = y naforma: i)d/dy=g(,y);ii)m(,y)d+n(,y)dy=. Problema Escrever a equação diferencial naforma: i)dy/d=f(,y);ii)d/dy=h(,y). d+ydy=. Equações diferenciais eatas Começamos por introduzir o conceito de diferencial total de uma função de R em R, o qual será essencial na definição do primeiro tipo de equações diferenciais de primeira ordem que abordaremos: as equações diferenciais eatas. Definição. Seja F uma função real de duas variáveis reais que possui derivadas parciais contínuas (função de classe C ) num domínio D de R. O diferencial total df da função F é definido pela relação df(,y)= F(,y) d+ F(,y) dy (.3) y paratodo(,y) D R. Eemplo. SejaF(,y)afunçãodeduasvariáveisdefinidapor F(,y)=y, (,y) R. Então, F(,y) =y, F(,y) y =y, Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

37 . Equações diferenciais eatas 3 tendo-separaodiferencialtotaldef,poraplicaçãode(.3), paratodo(,y) R. df(,y)=y d+ydy Eemplo.3 SejaG(,y)afunçãodeduasvariáveisdefinidapor G(,y)=y + 3 y, (,y) R. Então, G(, y) =y +6 y, G(, y) y =y+ 3, tendo-se, por aplicação de(.3), dg(,y)= ( y +6 y ) d+ ( y+ 3) dy paratodo(,y) R. Problema Determinar o diferencial total da função H(, y) = cos y. Resp.: dh= ysenyd senydy. Definição. A epressão M(,y)d+N(,y)dy (.4) designa-se uma diferencial eata num domínio D R se eiste uma função F : D R, de classe C, tal que a epressão (.4) é igual ao diferencial total de F para todo (,y) D. Ou seja, atendendo às definições precedentes, conclui-se que a epressão(.4) é uma diferencial eata em D se eistirumafunçãof talque df(,y) F(,y) d+ F(,y) y paratodo(,y) D. Denotarquenestascondiçõestem-se dy=m(,y)d+n(,y)dy F(,y) =M(,y) e F(,y) y =N(,y), paratodo(,y) D,designando-seF umaprimitivadaformadiferencialdf. Eemplo.4 Aepressãoy d+ydyéumadiferencialeatapoiscorrespondeaodiferencialtotal dafunçãoy,conformeseviunoeemplo.. Eemplo.5 Aepressão(y +6 y)d+(y+ 3 )dy é umadiferencial eatapoiscorresponde aodiferencialtotaldafunçãoy + 3 y (vereemplo.3). Estamos agora em condições de definir o conceito de equação diferencial eata. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

38 3. Resolução analítica de equações diferenciais de primeira ordem Definição.3 Se M(,y)d+N(,y)dy é uma diferencial eata em D R, então a equação diferencial M(,y)d+N(,y)dy= (.5) designa-se uma equação diferencial eata. Note-se desde já que nestas condições eiste, por definição de diferencial eata, uma função F(, y) tal que df(,y)=m(,y)d+n(,y)dy e, portanto, pode-se escrever M(,y)d+N(,y)dy= df(,y)=. Este resultado será, conforme veremos em seguida, o ponto de partida para a determinação de famílias de soluções de equações diferenciais eatas. Eemplo.6 A equação diferencial y d+ydy= (.6) éumaequaçãodiferencialeataemr. Solução. Talresultadofactodey d+ydy serumadiferencialeataemr conformeseviuno Eemplo.4. Eemplo.7 A equação diferencial ( y +6 y ) d+ ( y+ 3) dy= éumaequaçãodiferencialeataemr. Solução. Novamente,talresultadofactode(y +6 y)d+(y+ 3 )dyserumadiferencialeata emr (vereemplo.5). Eemplo.8 Considere-se agora a equação diferencial que se obtém dividindo ambos os membros da equação diferencial eata(.6) por y, isto é, Será que esta equação diferencial é eata? yd+dy=. Solução. Neste caso a resposta é negativa. O objetivo é averiguar se eiste uma função F(, y), definidanalgumdomínioder,talquedf(,y)=yd+dy,ouseja e F(,y) F(,y) y =y (.7) =. (.8) Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

39 . Equações diferenciais eatas 33 Se tal função eistir, então de(.7) resulta F(,y)= y =y+φ(y), ondeφsódependedavariávely. SubstituindoaepressãoagoraobtidaparaF(,y)em(.8)resulta [y+φ(y)] y = dφ dy =. Ora, φ não pode depender de, pelo que dφ/dy também não pode depender de, contradizendo o resultadoobtido: dφ/dy=. Chegamosassimaumabsurdoque resultoudofactode termossuposto que eiste uma função F(,y) tal que df(,y)=yd+dy. Conclui-se portanto, por redução ao absurdo, que tal função não eiste e que consequentemente a equação diferencial dada não é eata. Problema Mostrar que a equação diferencial que se obtém multiplicando ambos os membros da equação diferencial eata(.6) por y, isto é, nãoéeata. Eemplo.9 A equação diferencial éumaequaçãodiferencialeataemr. y 3 d+y dy= (cosy+)d+ ( seny ) dy= (.9) Solução. Defacto,eistepelomenosfunçãoF(,y),definidaemR,talque df(,y)=(cosy+)d+ ( seny ) dy. (.) Tal função obedece necessariamente ao sistema de equações F(,y) ou, de forma equivalente, F(,y)= cosy++g(y) F(,y) y = seny =cosy+, F(,y) y = seny, F(,y)= cosy++g(y) [ cosy++g(y) ] = seny, y ouseja, istoé, F(,y)= cosy++g(y) seny+ dg dy = seny { F(,y)= cosy++g(y) g(y)=y+c F(,y)= cosy++g(y) dg dy =, F(,y)= cosy++y+c, Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

40 34. Resolução analítica de equações diferenciais de primeira ordem onde c é uma constante arbitrária. De notar que se diferenciarmos a epressão agora obtida para F(, y) obtemos imediatamente a epressão(.), confirmando que o resultado obtido está correto. Conclui-se que eiste uma infinidade de funções definidas em R cujo diferencial total é igual a (cosy+)d+( seny)dy,peloqueaequaçãodiferencial(.9)éeata. DecorredoeemploprecedentequeaveriguarseumaepressãodotipoM(,y)d+N(,y)dy é umadiferencialeatapodeserumprocessoalgomoroso,dadoqueobrigaaindagarseeistef(,y)tal quedf(,y)=m(,y)d+n(,y)dy. Seriadesejáveldispordeumcritério,envolvendounicamenteas funções M(, y) e N(, y), que permitisse averiguar de forma direta e simples se uma equação diferencial de primeira ordem é(ou não) eata. Tal critério é dado pelo seguinte teorema que estabelece condições necessárias e suficientes para que determinada equação diferencial de primeira ordem seja eata. Teorema. Considere-se a equação diferencial M(,y)d+N(,y)dy=, (.) onde M(,y) e N(,y) têm primeiras derivadas parciais contínuas em todos os pontos (,y) de um domínioretangulard R. Nestascondições:. Seaequaçãodiferencial(.)éeataemD,então. Reciprocamente, se M(, y) y M(, y) y entãoaequaçãodiferencial(.)éeataemd. Em resumo, = N(,y), (,y) D; (.) = N(,y), (,y) D, M(,y)d+N(,y)dy= éeataemd M(,y) y = N(,y), (,y) D. DemonstraçãoPonto. Seaequaçãodiferencial(.)éeataemD,entãoM(,y)d+N(,y)dy éumadiferencialeataemd. EisteporissoumafunçãoF(,y)talque paratodo(,y) D. Então, F(,y) F(,y) y =M(,y) e = M(,y) y e F(,y) y F(,y) y =N(,y) = N(,y) paratodo(,y) D. Atendendoaofactode,porhipótese,asprimeirasderivadasparciaisdeMeN seremcontínuas,podemosaplicaroteoremadeschwarz, F(,y) y = F(,y), (,y) D, y O Teorema de Schwarz diz que se uma função de duas variáveis g(,y)étal que g, g,g y,g y e g y são contínuas numdomíniod,entãog y=g y emd. Departamento de Matemática e Aplicações J. Figueiredo, C. Ribeiro 3

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Departamento de Matemática balsa@ipb.pt Mestrados em Engenharia da Construção Métodos de Aproximação em Engenharia 1 o

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Rio de Janeiro / 008 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UNIVERSIDADE

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

MAP2223 Introdução às Equações Diferenciais Ordinárias e Aplicações

MAP2223 Introdução às Equações Diferenciais Ordinárias e Aplicações AP3 Introdução às Equações Diferenciais Ordinárias e Aplicações Lista semestre de 017 Prof Claudio H Asano 1 Equações Diferenciais de Primeira Ordem 11 Utilize a mudança de variável y = v, dy = vd+dv para

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise ercícios Resolvidos Integral de inha de um ampo Vectorial ercício onsidere o campo vectorial F,, z =,, z. alcule o integral

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

PUCRS - Faculdade de Matemática Cálculo Diferencial e Integral II

PUCRS - Faculdade de Matemática Cálculo Diferencial e Integral II PUCRS - Faculdade de Matemática Cálculo Diferencial e Integral II Equações diferenciais Uma equação diferencial é uma equação que envolve uma função incógnita e suas derivadas, sendo que são de grande

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

Guia de aulas: Equações diferenciais. Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal

Guia de aulas: Equações diferenciais. Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal Guia de aulas: Equações diferenciais Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal 1º Semestre de 013 Índice 1.Introdução... 3. Equações Diferenciais de 1ª Ordem... 7.1. Equações Diferenciais Separáveis...

Leia mais

gradiente, divergência e rotacional (revisitados)

gradiente, divergência e rotacional (revisitados) gradiente, divergência e rotacional (revisitados) Prof Carlos R Paiva Prof Carlos R Paiva NOTA PRÉVIA Os apontamentos que se seguem não são um teto matemático: não se procura, aqui, o rigor de uma formulação

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo 1 Trabalho. Potencial Escalar Uma das noções mais importantes

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Equações Diferenciais, uma Primeira Abordagem

Equações Diferenciais, uma Primeira Abordagem Equações Diferenciais, uma Primeira Abordagem Maria do Carmo Coimbra Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Julho de 2008 Prefácio Imagination is more important

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 1 1 FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 11 Funções trigonométricas inversas 111 As funções arco-seno e arco-cosseno Como as funções seno e cosseno não são injectivas em IR, só poderemos definir as suas funções

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson MATEMÁTICA Aula 1 Revisão Prof. Anderson Assuntos Equação do 1º grau com uma variável. Sistemas de equações do 1º grau com duas variáveis. Equação do º grau com uma variável. Equação do 1º grau com uma

Leia mais

Séries de Potências de x

Séries de Potências de x Séries de Potências de x As séries de potências de x são uma generalização da noção de polinómio. Definição: Chama-se série de potências de x com coeficientes a 0, a 1,, a n,, a qualquer série da forma

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing)

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) ISCTE, Escola de Gestão Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) Diana Aldea Mendes 29 de Outubro de 2008 Espaços Vectoriais Definição (vector): Chama-se vector edesigna-sepor v um objecto matemático caracterizado

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

Nível B3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES

Nível B3 SISTEMAS DE EQUAÇÕES Nível B SISTEMAS DE EQUAÇÕES Equações do º grau com duas incógnitas Equação do º grau com duas incógnitas é uma equação onde figuram eactamente duas letras com epoente, por eemplo: -. Uma solução de uma

Leia mais

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior

28 de agosto de 2015. MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior MAT140 - Cálculo I - Derivação Impĺıcita e Derivadas de Ordem Superior 28 de agosto de 2015 Derivação Impĺıcita Considere o seguinte conjunto R = {(x, y); y = 2x + 1} O conjunto R representa a reta definida

Leia mais

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau MATEMATICA 13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR OBJETIVO O objetivo desta atividade é trabalhar com as propriedades de igualdade, raízes

Leia mais

Teorema de Green no Plano

Teorema de Green no Plano Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires Teorema de Green no Plano O teorema de Green permite relacionar o integral de linha ao longo de uma

Leia mais

X.0 Sucessões de números reais 1

X.0 Sucessões de números reais 1 «Tal como a tecnologia requer as tøcnicas da matemætica aplicada, tambøm a matemætica aplicada requer as teorias do nœcleo central da matemætica pura. Da l gica matemætica topologia algøbrica, da teoria

Leia mais

4 Mudança de Coordenadas

4 Mudança de Coordenadas Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Última atualização: 14 de outubro de 006 4 Mudança de Coordenadas Translação e Rotação de Curvas no R² Introdução O enfoque dos 3 primeiros capítulos

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

1 A Integral por Partes

1 A Integral por Partes Métodos de Integração Notas de aula relativas aos dias 14 e 16/01/2004 Já conhecemos as regras de derivação e o Teorema Fundamental do Cálculo. Este diz essencialmente que se f for uma função bem comportada,

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM 2 HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM 2 HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Matemática Equações Diferenciais RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES FORMA

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 1 597 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Movimentos Periódicos Para estudar movimentos oscilatórios periódicos é conveniente ter algum modelo físico em mente. Por exemplo, um

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real Análise Matemática - 009/010 - Generalidades sobre unções reais de variável real.1-deinição e Propriedades De..1 Sejam A e B conjuntos, e uma correspondência de A para B, isto é um processo de associar

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Equações diferencias são equações que contém derivadas.

Equações diferencias são equações que contém derivadas. Equações diferencias são equações que contém derivadas. Os seguintes problemas são exemplos de fenômenos físicos que envolvem taxas de variação de alguma quantidade: Escoamento de fluidos Deslocamento

Leia mais

Introdução às Equações Diferenciais

Introdução às Equações Diferenciais Introdução às Equações Diferenciais Prof. Eduardo Nobre Lages - EES/CTEC/UFAL enl@ctec.ufal.br Contatos: enlages@hotmail.com edunol UFAL Promoção: PEC/Engenharia Civil/UFAL Maceió/AL Novembro-Dezembro/2004

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Seqüências, Limite e Continuidade

Seqüências, Limite e Continuidade Módulo Seqüências, Limite e Continuidade A partir deste momento, passaremos a estudar seqüência, ites e continuidade de uma função real. Leia com atenção, caso tenha dúvidas busque indicadas e também junto

Leia mais

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto Erros Nenhum resultado obtido através de cálculos eletrônicos ou métodos numéricos tem valor se não tivermos conhecimento e controle sobre os possíveis erros envolvidos no processo. A análise dos resultados

Leia mais

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Distância entre pontos do plano euclidiano MÓDULO - AULA 8 Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Objetivos Nesta aula, você: Usará o sistema de coordenadas para calcular a distância entre dois

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

Valores e Vectores Próprios. Carlos Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Valores e Vectores Próprios. Carlos Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Valores e Vectores Próprios Carlos Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Ano Lectivo 24/25 Conteúdo Definição de Valor e Vector Próprios 2 2 Um Eemplo de Aplicação 8 3

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E

Ondas Eletromagnéticas. E=0, 1 B=0, 2 E= B t, 3 E Ondas Eletromagnéticas. (a) Ondas Planas: - Tendo introduzido dinâmica no sistema, podemos nos perguntar se isto converte o campo eletromagnético de Maxwell em uma entidade com existência própria. Em outras

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \.

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV1 &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV Å 1Ro}HV *HUDLV Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. [\ [\ É fácil verificar

Leia mais

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL 18 2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL como segue: Dado R, definimos o módulo (ou valor absoluto) de, e indicamos por,, se 0 =, se < 0. Interpretação Geométrica O valor absoluto de um número é, na reta, a distância

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Programação Não Linear Otimização Univariada E Multivariada Sem Restrições

Programação Não Linear Otimização Univariada E Multivariada Sem Restrições Programação Não Linear Otimização Univariada E Multivariada Sem Restrições A otimização é o processo de encontrar a melhor solução (ou solução ótima) para um prolema. Eiste um conjunto particular de prolemas

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema OTIMIZAÇÃO VETORIAL Formulação do Problema Otimização Multiobjetivo (também chamada otimização multicritério ou otimização vetorial) pode ser definida como o problema de encontrar: um vetor de variáveis

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 Para determinarmos um valor aproximado das raízes de uma equação não linear, convém notar inicialmente

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DAS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS POR MÉTODOS NUMÉRICOS.

CADERNO DE ATIVIDADES UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DAS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS POR MÉTODOS NUMÉRICOS. 1 CADERNO DE ATIVIDADES UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DAS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS POR MÉTODOS NUMÉRICOS. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS MESTRADO EM ENSINO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 04 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo para Aula 04 Aplicação de Produto Escalar - Interpretação do produto escalar

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes NOTAS DE AULA FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS - DIFERENCIAÇÃO Cláudio Martins Mendes Segundo Semestre de 2005 Sumário 1 Funções de Várias Variáveis - Diferenciabilidade 2 1.1 Noções Topológicas no R n.............................

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS CONCEITOS BÁSICOS Definição: Uma Equação Diferencial Ordinária (EDO) de ordem n é uma igualdade do tipo ( n) F(, y, y,, y ) 0 () n ( n dy Onde F é uma função de n+ variáveis

Leia mais

1.5 O oscilador harmónico unidimensional

1.5 O oscilador harmónico unidimensional 1.5 O oscilador harmónico unidimensional A energia potencial do oscilador harmónico é da forma U = 2 2, (1.29) onde é a constante de elasticidade e a deformação da mola. Substituindo (1.29) em (1.24) obtemos

Leia mais

Consequências Interessantes da Continuidade

Consequências Interessantes da Continuidade Consequências Interessantes da Continuidade Frederico Reis Marques de Brito Resumo Trataremos aqui de um dos conceitos basilares da Matemática, o da continuidade no âmbito de funções f : R R, mostrando

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

A ideia de coordenatização (2/2)

A ideia de coordenatização (2/2) 8 a : aula (1h) 12/10/2010 a ideia de coordenatização (2/2) 8-1 Instituto Superior Técnico 2010/11 1 o semestre Álgebra Linear 1 o ano das Lics. em Engenharia Informática e de Computadores A ideia de coordenatização

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

Desta propriedade, caminhando no sentido inverso, retira-se a regra de primitivação por partes, que se apresenta no seguinte. f g = fg fg.

Desta propriedade, caminhando no sentido inverso, retira-se a regra de primitivação por partes, que se apresenta no seguinte. f g = fg fg. HÉLIO BERNARDO LOPES Resumo. Epõem-se neste teto os fundamentos do método de primitivação por partes, que se estuda nas disciplinas de Análise Matemática de muitos dos cursos de licenciatura de natureza

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

O caso estacionário em uma dimensão

O caso estacionário em uma dimensão O caso estacionário em uma dimensão A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico no caso de o potencial ser independente do tempo. objetivos verificar que, no caso de o potencial ser independente

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC. Michael Paluch

Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC. Michael Paluch Análise Complexa e Equações Diferenciais 2 o Semestre 2014/15 Cursos: LEGM, MEC Michael Paluch Avaliação 1. Avaliação Contínua a) 1 Teste dia 11 de abril de 2015 duração 90 minutes (40% de nota final)

Leia mais

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES VERSÃO 1.0.2 Resumo. Este texto resume e complementa alguns assuntos dos Capítulo 9 do Boyce DiPrima. 1. Sistemas autônomos

Leia mais

x As IyUPXODVGHGLIHUHQFLDomRQXPpULFD podem ser obtidas por: x

x As IyUPXODVGHGLIHUHQFLDomRQXPpULFD podem ser obtidas por: x &DStWXOR±'LIHUHQFLDomRH,QWHJUDomR1XPpULFDV > 'LIHUHQFLDomR 1XPpULFD Por vezes é necessário obterydoruhvgdvghulydgdvde uma função VHP UHFRUUHUjUHVSHFWLYDH[SUHVVmRDQDOtWLFD, por esta não ser conhecida ou

Leia mais

Exercícios resolvidos P2

Exercícios resolvidos P2 Exercícios resolvidos P Questão 1 Dena as funções seno hiperbólico e cosseno hiperbólico, respectivamente, por sinh(t) = et e t e cosh(t) = et + e t. (1) 1. Verique que estas funções satisfazem a seguinte

Leia mais