Guia de aulas: Equações diferenciais. Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de aulas: Equações diferenciais. Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal"

Transcrição

1 Guia de aulas: Equações diferenciais Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal 1º Semestre de 013

2 Índice 1.Introdução Equações Diferenciais de 1ª Ordem Equações Diferenciais Separáveis Modelagem Equações Diferenciais Lineares de Primeira ordem Aplicações EDO de º ordem com coeficientes constantes Solução geral da EDO homogênea de ª. Ordem e Coeficientes Constantes Equações Lineares Não-homogêneas de Segunda Ordem Aplicações Tabelas Algumas derivadas Algumas integrais... 3 Integração por partes:... 3 Algumas fórmulas trigonométricas: Revisão: Derivadas Revisão: Integrais Este símbolo indica uma Leitura Obrigatória do livro teto. Este símbolo indica uma série de Eercícios Sugeridos do livro teto.

3 A intuição não é um guia seguro Gödel

4 1.Introdução Equações envolvendo derivadas (ou diferenciais) da função incógnita são chamadas equações diferenciais, em que a incógnita não é um número, mas uma função. Portanto, uma equação diferencial é uma relação entre uma função e suas derivadas. Neste curso, estudaremos alguns métodos de resolver equações diferenciais. Simbolicamente, uma equação diferencial pode ser escrita como: F(, y, y, y,..., y (n) ) = 0 ou F(, y,, d y,..., n d y n ) = 0. Se a equação envolve apenas derivadas ordinárias (uma variável) temos uma equação diferencial ordinária. Se envolver derivadas parciais (mais de uma variável) temos uma equação diferencial parcial. As epressões seguintes são alguns eemplos de equações diferenciais. A. B. C. y sen d y y 0 D. E. F. 3 d y d y y 3 e y u u 0 t 4, onde u = (, t) 3 0 ORDEM: de uma equação diferencial é o número n que corresponde à ordem máima das derivadas da equação. 1ª. Ordem: y 3 4 d y d y 3ª. Ordem: y ª. Ordem: d y y 0 u u ; 0, onde u = (, t). t GRAU: de uma equação diferencial é a maior potência da derivada de maior ordem. d y y 0 0 ª. Ordem, 1º. Grau 1ª. Ordem, º. Grau

5 SOLUÇÃO: de uma equação diferencial é uma função y = f () a qual, juntamente com as suas derivadas, satisfaz a equação diferencial dada. Eemplo 1: Verificar se y = 4.e é uma solução particular da equação diferencial d y 0. Eemplo : Verificar se y = primeiro grau 1 ( y 1). 1 C. e 1 C. e é uma solução geral da equação diferencial de primeira ordem e Eemplo 3: Verificar que y = A.cos + B.sen é uma solução geral da equação diferencial y + y = 0.

6 SOLUÇÃO PARTICULAR: Uma equação diferencial pode ter mais do que uma solução particular. Uma solução y = f() de uma equação diferencial de ordem n contendo constantes arbitrárias é chamada uma solução geral. Geometricamente, a solução geral de uma equação diferencial de primeira ordem representa uma família de curvas conhecidas como curvas-solução uma para cada valor da constante arbitrária. Uma solução particular pode ser obtida se forem dadas certas condições iniciais. Uma condição inicial de uma equação diferencial é uma condição que especifica um valor particular de y, y 0, correspondente a um valor particular de, 0. Isto é, se y = f() pode ser uma solução da equação diferencial, então a função deve satisfazer a condição: y 0 = f( 0 ). O problema de ser dada uma equação diferencial com condições iniciais é chamado um problema de valor inicial. Eemplo 4: Mostre que y = C.e - é uma solução para a equação diferencial y + y = 0 e encontre a solução particular determinada pela condição inicial y(0) = 3. Eercícios Constatar a ordem e o grau de cada uma das seguintes equações diferenciais. 1. y 5. y - 4y + y = y +.cos = 0 d y 3. 5y y 7. (y ) 3 - y + y = 0 4. y 0 8. y + e y =

7 Verificar se cada uma das funções dadas y = f() é uma solução da equação diferencial dada ; y = y ; y = + C 10. y 4 ; y = d y y 0; y = A.sen4 + B.cos4 11. y 4 ; y = d y 0 3 ; y =

8 . Equações Diferenciais de 1ª Ordem Uma equação diferencial de primeira ordem é uma equação diferencial envolvendo apenas primeira derivada..1. Equações Diferenciais Separáveis Para esse tipo de equação, pode-se juntar todos os termos contendo com e todos os termos contendo y com, obtendo-se uma solução através de integração. Tais equações são ditas separáveis, e o método de solução é o método de separação de variáveis. Método de Separação de Variáveis 1. Coloque a equação na forma diferencial M() + N(y) = 0 ou M() = - N(y). Integre para obter a solução geral M ( ) N( y) C. Eemplo 1: Determinar a solução geral da equação diferencial yy y 3 = 0. Obs.: Quando a solução de uma equação diferencial envolver a integração de um termo na forma escrevemos agora du u ln u C em vez de du u ln u C du u. Estamos agora percebendo que a solução é válida apenas quando u é positivo. Lembrar também de incluir a constante de integração C., Lembrete: Propriedades para logaritmo na base e Sendo a > 0 e b > 0 e IR, então: P1) ln (a. b) = ln a + ln b P3) ln (a ) =.ln a P) ln (a : b) = ln a - ln b P4) e lna = a

9 Eemplo : Resolver a equação diferencial y y '. 1 Eemplo 3: Resolver a equação diferencial (1 + y ) y(1 + )y = 0. Eemplo 4: Resolver a equação diferencial y = 0 sujeita à condição inicial y() = 1.

10 .. Modelagem Lei de Resfriamento de Newton A lei de resfriamento de Newton diz que a taa de variação de temperatura T(t) de um corpo em resfriamento é proporcional à diferença entre a temperatura do corpo e a temperatura cte Tm do meio ambiente, isto é: dt/ dt = k(t Tm), em que k é uma cte de proporcionalidade. Eemplo: Um ovo duro, a 98º C, é colocado em uma pia contendo água a 18º C. Depois de 5 minutos, a temperatura do ovo é de 38º C. Suponha que durante o eperimento a temperatura da água não aumente apreciavelmente, quanto tempo a mais será necessário para que o ovo atinja 0º C?

11 Coeficiente Angular Determine uma curva que seja definida pela condição de ter em todos os pontos (,y) a inclinação igual ao dobro da soma das coordenadas do ponto. Se equação diferencial. y y() é a equação da curva, então, para resolver este problema devemos resolver a ( y) Transformação Química 100 gramas de açúcar de cana, em água, estão sendo transformadas em detrose numa razão que é proporcional à quantidade não transformada. Deseja-se saber quanto açúcar foi transformado após t minutos. Se q é o número de gramas convertido em t minutos e k é a constante de proporcionalidade, então, a equação deste problema é dada por: Sabendo q(0) = 100. dq dt k( 100 q)

12 Eercícios 1. O preço de revenda de certa máquina descreve em um período de 10 anos, segundo uma taa que depende do tempo de uso da máquina. Quando a máquina tem t anos de uso, a taa de variação do seu valor é 0(t-10) reais por ano. Epresse o valor da máquina como função do tempo de uso e do valor inicial. Se a máquina valia originalmente R$ 1.000,00, quanto valerá quando tiver 10 anos de uso? (V(t) = 110.t² -.00t + C e V(10) = R$ 1.000,00). Segundo estatísticas, a população de certo lugar está crescendo a uma taa aproimada de t -1/ pessoas por ano, sendo t o número de anos transcorridos após Em 1999, a população deste lugar era de pessoas. (a) Qual era a população, em 1990? (30.000) (b) Se este tipo de crescimento continuar no futuro, quantas pessoas estarão vivendo neste lugar, em 015? (45.000)

13 3. Em certa região, às 7 horas da manhã, o nível de ozônio no ar é de 0,5 partes por milhão. Ao meio-dia, sabe-se que, depois de t horas, a taa de variação do ozônio no ar será de milhão por hora. (a) Epresse o nível de ozônio como função de t. (Q(t) = 0,03.( t t²) 1/ + 0,07) 0,4 0,03t 36 16t t partes por (b) Quando ocorre o pico do nível de ozônio? Qual é o nível de ozônio, neste momento? (0,37 ppm até as 15h) 4. A taa de variação da temperatura de um objeto é proporcional à diferença entre sua temperatura e a do meio circundante. Um objeto cuja temperatura era de 40 graus foi colocado num ambiente cuja temperatura é de 80 graus. Após 0 minutos, a temperatura do objeto chegou a 50 graus. Epresse a temperatura do objeto como função do tempo. (T(t) = e -0,014t )

14 .3 Equações Diferenciais Lineares de Primeira ordem Forma geral para uma equação diferencial linear de ordem n: n n-1 d y d y a n n n-1 n a a a y g() A linearidade significa que todos os coeficientes são funções de somente e que y e todas as suas derivadas são elevadas à primeira potência. Quando n = 1, obtemos uma equação linear de primeira ordem. Definição Equação Linear Uma equação diferencial que pode ser escrita na forma é chamada de equação linear. P.y Q(). O método para solução das Equações Diferenciais Lineares de Primeira ordem consiste em multiplicar equação toda por uma função (,y) chamada fator de integração. Método Fator Integrante (1) Para resolver uma equação linear de primeira ordem, primeiro coloque a na forma abaio, isto é, faça o coeficiente de p( ) y f ( ) () Identifique P() e encontre o fator de integração ( ) e P( ) (3) Multiplique a equação obtida em pelo fator de integração: ( ) ( ) p( ) y ( ) f ( ) (4) O lado esquerdo da equação em é a derivada do produto do fator de integração e a variável independente y; isto é, P( ) P( ) e y e f ( ) (5) Integre ambos os lados da equação encontrada e obtemos ( ) y ( ) f ( )

15 Eemplo: Encontre a solução geral das equações diferenciais a seguir: a) 3y b) y' e y

16 c) y' y 1 d) y y'

17 e) sent dt f) 4y 6 e

18 .4 Aplicações Circuito Elétrico RL Em um circuito em série contendo somente um resistor e um indutor, a Segunda lei de Kirchhoff diz que a soma da queda de tensão no indutor ( L( di / dt)) e da queda de tensão no resistor (ir) é igual à voltagem ( E( t)) no circuito (circuito em Série L-R). Portanto, obtemos a equação diferencial linear para a corrente i(t), di L Ri E(t) dt onde L e R são constantes conhecidas como a indutância e a resistência, respectivamente. A corrente é algumas vezes chamada de resposta do sistema., Circuito Elétrico RC A queda de potencial em um capacitor com capacitância C é dada por q ( t) / C, em que q é a carga no capacitor. Então, para o circuito em série R-C, a Segunda lei de Kirchhoff nos dá a equação R i 1 q E( t) C Mas a corrente i e a carga q estão relacionadas por dq i dt, logo temos a equação diferencial linear dq 1 R q E( t) dt C. Eemplo Suponha que um circuito simples a resistência é 550 (ohms), a indutância é de 4 H (henry) e a pilha fornece uma voltagem constante de 110 V (volts). Determine a corrente I se a corrente inicial é zero.

19 Eercícios: 1. Uma bateria de 1 volts é conectada a um circuito em série no qual a indutância é de 1/ henry e a resistência, 10 ohms. Determine a corrente i, se a corrente inicial é zero. O que acontece quando. Resp.: 6(1 e i(t) 5 0t ) 6, 5 quando t. t. Uma força eletromotriz (fem) de 30 volts é aplicada a um circuito em série L-R no qual a indutância é de 0,5 henry e a resistência, 50 ohms. Encontre a corrente i(t) se i ( 0) 0. Determine a corrente quando. Resp.: 3(1 e i(t) 5 500t ) 3, 5 quando t. t

20 3. Uma força eletromotiva de 100 volts é aplicada a um circuito R-C em série no qual a resistência é de 00 ohms e a capacitância, 10-4 farad. Encontre a carga q(t) no capacitor se q(0) = 0. Encontre a corrente i(t). Resp.: 1 e q(t) t 50t e, i(t). 4. Uma força eletromotriz (fem) de 00 volts é aplicada a um circuito R-C em série no qual a resistência é de 1000 ohms e a capacitância, farad. Encontre a carga q(t) no capacitor se i(0) = 0,4. Encontre a carga quando. t Resp.: q(t) t e 500 1, 5 quando t.

21 3. EDO de º ordem com coeficientes constantes São equações da forma a y + b y + c y = f () (N.H.) onde a, b, c são constantes reais. A equação a y + b y + c y = 0, (H.) é chamada equação homogênea associada à não-homogênea. Eemplo: A equação y + 3y 5y = 0 é uma equação diferencial ordinária linear de segunda ordem homogênea. A equação y + 5y + 6y = e é uma equação diferencial ordinária linear de segunda ordem nãohomogênea. Teorema: Sejam u() e v() soluções LI de (H). Então, a solução geral de (H) é dada por: y H () = c 1 u() + c v(). Além disso, a solução de (NH) é da forma y NH () = c 1 u() + c v() + y P (), onde c 1 e c são constantes genéricas e y P () é uma solução particular de (NH). Eemplo 1: Em relação a equação y + 4y = 8e, mostre que: a) y H () = c 1 cos + c sen é a solução geral de (H); b) y P () = e é uma solução particular de (NH); c) y () = y H () + e é solução de (NH).

22 3.1 Solução geral da EDO homogênea de ª. Ordem e Coeficientes Constantes Forma Geral: ay + by + cy = 0 Suponha que y = e r, onde r é um parâmetro a ser determinado. Vem então y = r.e r e y = r.e r. Levando as epressões de y, de y e de y na Equação (H), obtemos: (ar + br + c).e r = 0, ou, como e r 0, ar + br + c = 0. que é chamada equação característica da equação diferencial (H). Teorema Solução geral de uma equação linear homogênea (H) Raízes Reais Distintas Se r 1 r são raízes reais distintas da equação característica, então a solução geral é: y = c 1. e r1 + c.e r. Raízes Reais Iguais Se r 1 = r são raízes reais iguais da equação característica, então a solução geral é: y = c 1. e r + c..e r = (c 1 + c.)e r. Raízes Compleas Se r 1 = + i e r = - i são raízes compleas da equação característica, então a solução geral é: y = c 1. e cos + c. e sen. Eemplo 1: Achar a solução geral da equação diferencial y + 6y + 1y = 0. OBS: Observe, no eemplo anterior, que, embora a equação característica tenha duas raízes compleas, a solução da equação diferencial é real.

23 Eemplo : Achar a solução do problema de valor inicial y + 4y + 4y = 0; y(0) = ; y (0) = 1. Eemplo 3: Achar a solução do problema de valor inicial: y + 5y + 6y = 0; y(0) = ; y (0) = 3.

24 Eercícios Resolver cada uma das seguintes equações diferenciais. 01. y 5y 14y = 0 0. y y 8y = 0 y = C 1 e 7 + C e -. y = C 1 e 4 + C e y y = y 13 y + 15y = 0 y = C 1 e + C e - y = C 1 e 3/ + C e 5 Determinar a solução particular das seguintes equações diferenciais sujeitas às condições dadas: 05. y 4y = 0; y(0) = 3 e y (0) = 4 y = + e 4

25 06. y y y = 0; y(0) = e y (0) = 1 y = e + e y 8y + 15y = 0; y(0) = 4 e y (0) = y = -5e 5 + 9e y 6y + 9y = 0; y(0) = e y (0) = 4 y = e 3 e 3

26 3. Equações Lineares Não-homogêneas de Segunda Ordem Teorema Solução geral de uma equação linear não homogênea (NH) Seja ay + by + cy = F() uma equação diferencial linear não homogênea de ª ordem. Se y p, é uma solução particular dessa equação e se y h é a solução geral da equação homogênea correspondente, então: y = y h + y p. é a solução geral da equação não-homogênea. Como já temos as ferramentas para encontrar y h, vamos nos concentrar em formas de encontrar a solução particular y p. Se a função F() consiste em somas ou produtos de n, e m, cos, sen podemos encontrar urna solução particular pelo método dos coeficientes a determinar. A idéia do método é tentar uma solução y p do mesmo tipo que F(). Eis alguns eemplos: 1. Se F() = 5 + 4, escolha y p = A + B;. Se F() = e,+ 5e escolha y p = (A + B)e = Ae + Be ; 3. Se F() = ² + 9 cos7, escolha y p = (A + B + C) + C.sen7 + D.cos7. Depois, por substituição, determinamos os coeficientes dessa solução. Os próimos eemplos ilustram esse método. Eemplo: Encontre a solução geral da equação y - y 3y =.sen.

27 Encontre a solução geral da equação y y = + e. Eercícios Determine a forma de uma solução particular para: 01. y 8y + 5 y = 5 3 e - 7e - 0. y + 4y =.cos 03. y 9y + 14y = 3 5sen + 7e 7

28 Encontre a solução geral das seguintes equações: 04. y + 4y y = R. :y() = C e C e y + y = sen; y() = 0 e y () =. y() = 9.cos + 7sen + 4 5cos.

29 3.4 Aplicações Eemplo: Sabendo-se que o problema de valor inicial que descreve um sistema massa-mola é dado por y + y = 0; y(0) = 0; y (0) = 1 (a) Encontre a solução geral da equação diferencial e resolva o problema de valor inicial. (b) Determine a amplitude, a frequência, a fase e o período.

30 Eemplo : Se um sistema massa-mola com uma massa de kg e uma mola com constante de elasticidade igual 0,5 N/m é colocado em movimento, no instante t = 0, num meio em que a constante de amortecimento é igual a 1 N.s/m, determine a posição da massa em qualquer instante t, considerando a posição inicial igual u 0 e a velocidade inicial u 0. Eercícios 1. Sabendo-se que o problema de valor inicial que descreve um sistema massa-mola e dado por y + 3y = 0; y(0) = 1; y (0) = 0 (a) Encontre a solução geral da equação diferencial e resolva o problema de valor inicial. (b) Determine a amplitude, a frequência, a fase e o período.

31 . Uma mola, de um sistema massa-mola sem amortecimento, tem constante igual a 3 N/m. Pendura-se na mola uma massa de kg e o sistema sofre a ação de uma força eterna de 3 cos(3t). Determine a função que descreve o movimento da massa em qualquer instante t, considerando a posição inicial igual u 0 e a velocidade inicial u 0.

32 4. Tabelas Algumas derivadas y = c y = 0 y = y = 1 y = c.u y = c. u y = u + v y = u + v y = u. v y = v. u + u. v y = u / v y = ( v.u - u v ) / v y = u y = u -1.u y = a u y = a u lna.u y = e u y = e u.u (10) y log a u y ' y = ln u y = ( u / u) u' / u.log a e y = u v y = v. u v -1. u + u v. ln u. v y = sen u y = cos u. u y = cos u y = - sen u. u y = tg u y = sec u. u y = cotg u y = - cosec u. u y = sec u y = sec u. tg u. u y = cosec u y = - cosec u. cotg u. u y = arc sen u y = u / 1 u y = arc cos u y = - u / 1 u y = arc tg u y = u / (1 + u ) y = arc cotg u y = - u / (1 + u ) y = arc sec u y = u / u. u 1 y = arc cosec u y = - u / u. u 1

33 Algumas integrais du u C du u u a e α u u ln u C α1 u du C α 1 u a du C lna du e u C senu du cos u C cosu du sen u C tgu du ln secu C cotgu du ln senu C cosecu du ln cosecu cotgu C secu du ln secu tgu C sec u du tgu C cosec u du - cotgu C secu.tgu du secu C cosecu.cot gu du - cosecu C du a u du a u u u du a u arc sen C a 1 u arc tg C a a 1 u arc sec a a C Integração por partes: b b dv u v a u v du. a b a

34 Algumas fórmulas trigonométricas: o sen sec cos sec 1 cos cos 1 cos sen sen sencos cos cos sen tg cos 1 cot g tg sec cos 1 tg cos sec 1 1 cot g 1 cos 1 sen sen sen( A B) sen A cos B cos A sen B cos( A B) cos A cos B sen A sen B senh(a B) senha cosh B cosh AsenhB cosh( A B) cosh A cosh B senh A senh B

35 Revisão: Derivadas 1. f()= f () = f ( ) 1 3 f ( ) ( 1) 3. f ( ) 3 4 f ( ) f 1 ( ) 3 3 f ( ) f ( ) 3 3 f ( ) 4

36 f ( ) f ( ) f ( ) f ( ) f 3 4 ( 1) se f ( ) 4 1 f ( 1) 0

37 9. f 1 ( ) se f ( ) f ( ) f (3) se f ( ) f 5 ( 3) y e 3 y 6 e 3 e 1. y y e 4 e y ln 3 y ln

38 14. f ( ) sen ( 4 ) 3 4.cos 1sen f (t ) cos ( 3t 1) 6tsen ( 3t 1) 16. f ( ) cos sen f ( ) tg ( ) tg ( ).sec ( ) 18. f ( ) cos ( 5 ) 10cos ( 5 ). sen ( 5 ) 19. f ( ) sec ( 8 1) 8sec ( 8 1).tg ( 8 1) 0. f ( ) tg sec 0

39 Revisão: Integrais 3 a) 7 1 ln(3 7) C 3 b) ( 1 ) 3 C c) e 3 1 e 3 C 3 ln d) (ln ) + C

40 e) t 7 t 1 dt t c f) e 3 1 e 6 3 c g) sen t 1 dt cos t 1 1 cos t 1 c h) e 1 1 e e c 4

41 i) sen cos sen cos c j) e sen 1 e sen e cos c 5 k) ln3 1 ln 3 c l) tg sec tg c

42 m) n) 4 3 (1sen ) cos 0 1,875 4 o) 0 ( 1) 8,667

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM 2 HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM 2 HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Matemática Equações Diferenciais RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS DE ORDEM HOMOGÊNEAS, COM COEFICIENTES CONSTANTES FORMA

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

Figura 2.1: Carro-mola

Figura 2.1: Carro-mola Capítulo 2 EDO de Segunda Ordem com Coeficientes Constantes 2.1 Introdução - O Problema Carro-Mola Considere um carro de massa m preso a uma parede por uma mola e imerso em um fluido. Colocase o carro

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

. = Ky. Ajuda: usar o fator integrante µ ( y ) = y.

. = Ky. Ajuda: usar o fator integrante µ ( y ) = y. 1-As Linhas de Força e as linhas Equipotenciais interceptam-se ortogonalmente. Determinar as linhas de força do campo elétrico gerado por dois fios paralelos de material condutor, carregados com cargas

Leia mais

Circuitos de 2 ª ordem: RLC. Parte 1

Circuitos de 2 ª ordem: RLC. Parte 1 Circuitos de 2 ª ordem: RLC Parte 1 Resposta natural de um circuito RLC paralelo Veja circuito RLC paralelo abaixo: A tensão é a mesma e aplicando a soma de correntes que saem do nó superior temos: v R

Leia mais

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC 01 Prof. Graça Circuitos elétricos CC Circuitos elétricos de CC Conteúdo Circuitos Equivalentes Princípio da Superposição Elementos Lineares egras de Kirchoff Divisor de tensão Circuito de várias malhas

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara Equações Diferenciais Ordinárias Modelagem de Sistemas Dinâmicos Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle

Leia mais

PUCRS - Faculdade de Matemática Cálculo Diferencial e Integral II

PUCRS - Faculdade de Matemática Cálculo Diferencial e Integral II PUCRS - Faculdade de Matemática Cálculo Diferencial e Integral II Equações diferenciais Uma equação diferencial é uma equação que envolve uma função incógnita e suas derivadas, sendo que são de grande

Leia mais

Equações Diferenciais

Equações Diferenciais Equações Diferenciais EQUAÇÕES DIFERENCIAS Em qualquer processo natural, as variáveis envolvidas e suas taxas de variação estão interligadas com uma ou outras por meio de princípios básicos científicos

Leia mais

MAPLE E.D.O E MODELOS MATEMÁTICOS

MAPLE E.D.O E MODELOS MATEMÁTICOS MAPLE E.D.O E MODELOS MATEMÁTICOS AULA Nº 1. INTRODUÇÃO O Maple V é um software capaz de resolver problemas em diversos ramos da matemática. Dentro dos recursos disponíveis, temos o Cálculo Diferencial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1 MAT 01167 Equações Diferenciais LISTA Resolva: 1. x y y = x sen x. y + y tan x = x sen x cos x, y0) =. x + 1) dy dx x y = 1 4. y = e x + y 1, y0) = 1 5. x y + x + x + ) dy dx = 0 ) x 6. Resolva a equação

Leia mais

Estudo das Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

Estudo das Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem Estudo das Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem Ricardo Aparecido de Moraes 11 de novembro de 2011 1 Sumário 1 Introdução às Equações Diferenciais 4 1.1 Denições..................................

Leia mais

canal 1 canal 2 t t 2 T

canal 1 canal 2 t t 2 T ircuito L (Prova ) --7 f [khz] L T [s] s canal canal t t T Fig. ircuito usado Tarefas: ) Monte o circuito da figura usando o gerador de funções com sinais harmônicos como força eletromotriz. Use um resistor

Leia mais

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Matemáticas Gerais (Licenciatura em Geologia Caderno de eercícios (eercícios propostos e tabelas Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ASSUNTO: INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS, EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM SEPARÁVEIS, HOMOGÊNEAS, EXATAS, FATORES

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

1 A Integral por Partes

1 A Integral por Partes Métodos de Integração Notas de aula relativas aos dias 14 e 16/01/2004 Já conhecemos as regras de derivação e o Teorema Fundamental do Cálculo. Este diz essencialmente que se f for uma função bem comportada,

Leia mais

1. UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS

1. UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS . UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS.. INTRODUÇÃO Os logaritmos foram inventados, no começo do século XVII, como um instrumento para facilitar e simplificar o cálculo aritmético, permitindo que se efetuassem,

Leia mais

Potência elétrica. 06/05/2011 profpeixinho.orgfree.com pag.1

Potência elétrica. 06/05/2011 profpeixinho.orgfree.com pag.1 1. (Unicamp) Um aluno necessita de um resistor que, ligado a uma tomada de 220 V, gere 2200 W de potência térmica. Ele constrói o resistor usando fio de constante N. 30 com área de seção transversal de

Leia mais

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma Equações Diferenciais de Ordem Superior Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma ou então d 2 y ( dt = f t, y, dy ) 2 dt y = f(t, y, y ). (1) Dizemos que a equação (1) é linear quando a função f for linear

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS 69 EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS Rafael de Freitas Manço (UNI-FACEF) Antônio Acra Freiria (UNI-FACEF) INTRODUÇÃO Nas mais diversas áreas das ciências as equações diferenciais aparecem em situações práticas.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

4 Mudança de Coordenadas

4 Mudança de Coordenadas Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Última atualização: 14 de outubro de 006 4 Mudança de Coordenadas Translação e Rotação de Curvas no R² Introdução O enfoque dos 3 primeiros capítulos

Leia mais

Circuitos CA I. 1 Resumo da aula anterior. Aula 6. 5 de abril de 2011

Circuitos CA I. 1 Resumo da aula anterior. Aula 6. 5 de abril de 2011 Circuitos CA I Aula 6 5 de abril de 20 Resumo da aula anterior Estudamos a teoria formulada por Lammor que permite explicar a existência de diamagnetismo em algumas substancia. Basicamente a teoria supõe

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS RESPOSTA DE ELEMENTOS PRIMÁRIOS

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS RESPOSTA DE ELEMENTOS PRIMÁRIOS INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS RESPOSTA DE ELEMENTOS PRIMÁRIOS Introdução As características dinâmicas de um instrumento de medição podem ser determinadas estudando-se o sistema físico, e escrevendo-se

Leia mais

3ª LISTA DE EXERCÍCIOS CÁLCULO NUMÉRICO Prof.: Magnus Melo

3ª LISTA DE EXERCÍCIOS CÁLCULO NUMÉRICO Prof.: Magnus Melo ª LISTA DE EXERCÍCIOS CÁLCULO NUMÉRICO Prof.: Magnus Melo Os eercícios a 4 se referem a interpolação polinomial. Resolva-os com os dois polinômios interpoladores estudados. 4 ) Dada a função f ( ), determine:

Leia mais

Equações diferencias são equações que contém derivadas.

Equações diferencias são equações que contém derivadas. Equações diferencias são equações que contém derivadas. Os seguintes problemas são exemplos de fenômenos físicos que envolvem taxas de variação de alguma quantidade: Escoamento de fluidos Deslocamento

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - CIRCUITOS ELÉTRICOS I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - CIRCUITOS ELÉTRICOS I INDICE UNIDADE 1 - CIRCUITOS CONCENTRADOS E LEIS DE KIRCCHOFF -... 3 1.1. Circuitos Concentrados... 3 1.2. Elementos Concentrados... 3 1.3. Sentido de referência... 4 1.3.1. Sentido de referência para

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

29/Abril/2015 Aula 17

29/Abril/2015 Aula 17 4/Abril/015 Aula 16 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA

CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA 1 CIRCUITOS ELÉTRICOS RESOLUÇÃO DE CIRCUITOS TRANSITÓRIOS NO DOMÍNIO DA FREQÜÊNCIA Simulação de chaves utilizando a função degrau a) Fonte de tensão que entra em operação em t = 0 Substituindo a chave

Leia mais

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES CAPÍTULO 4 67 4. MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES Consideremos um bloco em contato com uma superfície horizontal, conforme mostra a figura 4.. Vamos determinar o trabalho efetuado por uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A3 (1A) CONVERSÃO TEMPERATURA-TENSÃO (A) Determine

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

Exercícios Complementares 5.2

Exercícios Complementares 5.2 Exercícios Complementares 5.2 5.2A Veri que se a função dada é ou não solução da edo indicada: (a) y = 2e x + xe x ; y 00 + 2y 0 + y = 0: (b) x = C e 2t + C 2 e 3t ; :: x 0 : x + 6x = 0: (c) y = ln x;

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Marília Brasil Xavier REITORA Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odivaldo Teixeira Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odivaldo Teixeira

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos

Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos 1 01 Introdução ao Estudo de Sistemas Dinâmicos O estudo de sistemas dinâmicos envolve a modelagem matemática, a análise e a simulação de sistemas físicos de

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n

Equações Diferenciais Lineares de Ordem n PUCRS Faculdade de Matemática Equações Difereciais - Prof. Eliete Equações Difereciais Lieares de Ordem Cosideremos a equação diferecial ordiária liear de ordem escrita a forma 1 d y d y dy L( y( x ))

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias 4 Equações Diferenciais Ordinárias 4.1 Descrição Matemática da Dinâmica de Sistemas Suponhamos que a função y = f(x) expressa quantitativamente um fenômeno. Ao estudar este fenômeno é em geral impossível

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

CSE-020 Revisão de Métodos Matemáticos para Engenharia

CSE-020 Revisão de Métodos Matemáticos para Engenharia CSE-020 Revisão de Métodos Matemáticos para Engenharia Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais L.F.Perondi Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM Decaimento radioativo Resultados experimentais mostram que elementos radioativos desintegram a uma taxa proporcional à quantidade presente do elemento. Se Q = Q(t) é a

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Instrumentação Eletrônica Prof.: Dr. Pedro Bertemes Filho

BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Instrumentação Eletrônica Prof.: Dr. Pedro Bertemes Filho Definição: Termoresistores (RTD) São metais condutores que variam sua resistência ôhmica com a temperatura (dado que sua geometria é bem definida e conhecida). Equação: R T R n a T a T 2 a T n 0 1 1 Onde:

Leia mais

Figura 11.1: Solenóides concatenados

Figura 11.1: Solenóides concatenados Capítulo 11 Lei da Indução Com as experiências de Oersted, viu-se que correntes elétricas geram campos magnéticos. Ficou então a seguinte dúvida: Pode o campo magnético gerar corrente? Michael Faraday

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor Um mol de um gás ideal é levado do estado A para o estado B, de acordo com o processo representado no diagrama pressão versus volume conforme figura abaixo: a)

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

Diferenciais inexatas e o fator integrante

Diferenciais inexatas e o fator integrante Métodos Matemáticos 202 Notas de Aula Equações Diferenciais Ordinárias III A C Tort 2 de outubro de 202 Diferenciais inexatas e o fator integrante imos que a EDO implícita: é exata se e apenas se: M(x,

Leia mais

Antes de estudar a tecnologia de implementação do transistor um estudo rápido de uma junção;

Antes de estudar a tecnologia de implementação do transistor um estudo rápido de uma junção; Transistor O transistor é um elemento ativo e principal da eletrônica. Sendo um elemento ativo o transistor é utilizado ativamente na construção dos circuitos lineares e digitais. Os transistores podem

Leia mais

Bacharelado Engenharia Civil

Bacharelado Engenharia Civil Bacharelado Engenharia Civil Disciplina: Física Geral e Experimental I Força e Movimento- Leis de Newton Prof.a: Msd. Érica Muniz Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite

Leia mais

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência Prof. Pedro L. D. Peres Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre 2013 Resposta em Frequência

Leia mais

11. Problemas de Otimização

11. Problemas de Otimização 11. Problemas de Otimização Nesta seção veremos vários eemplos de problemas cujas soluções eigem a determinação de valores máimos e/ou mínimos absolutos das funções que os representam. São chamados de

Leia mais

Aula 29. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Aula 29. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil A integral de Riemann - Mais aplicações Aula 29 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 20 de Maio de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia Mecânica

Leia mais

PSAEN 2007/08 Primeira Fase - Matemática

PSAEN 2007/08 Primeira Fase - Matemática PSAEN 007/08 Primeira Fase - Matemática : Caio Guimarães, Rodolpho Castro, Victor Faria, Paulo Soares, Iuri Lima Digitação: Caio Guimarães, Júlio Sousa. Comentário da Prova: A prova de matemática desse

Leia mais

Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru

Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru Dado um ponto P do plano, utilizando coordenadas cartesianas (retangulares), descrevemos sua localização no plano escrevendo P

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA GERADORES ELÉTRICOS OBJETIVOS: a) verificar o funcionamento de um gerador real; b) medir a resistência interna e a corrente de curto-circuito; c) levantar a curva característica de um gerador real. INTRODUÇÃO

Leia mais

PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete

PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete PUCRS FAMAT Exemplos de Equações Diferenciais Parciais- Prof. Eliete Equação diferencial parcial (EDP) é a uma equação que envolve duas ou mais variáveis independentes ( x, y,z,t, K ) e derivadas parciais

Leia mais

Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo.

Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo. Capacitores e Dielétricos Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo. Imaginemos uma configuração como a de um capacitor em que os

Leia mais

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma?

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? GUIÃO REVISÕES Equações e Inequações Equações Numa turma de 6 alunos, o número de raparigas ecede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? O objectivo do problema é determinar o número

Leia mais

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine:

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine: Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia - CCT Unidade Acadêmica de Matemática e Estatística - UAME - Tarde Prova Estágio Data: 5 de setembro de 006. Professor(a):

Leia mais

Lei de resfriamento de Newton

Lei de resfriamento de Newton Lei de resfriamento de Newton C E N T R O D E C I Ê N C I A S T E C N O L Ó G I C A S D E P A R T A M E N T O D E F Í S I C A P R O F : J O R G E P A S S I N H O Objetivos: Desenvolver um modelo de simulação

Leia mais

Empurra e puxa. Domingo, Gaspar reúne a família para uma. A força é um vetor

Empurra e puxa. Domingo, Gaspar reúne a família para uma. A força é um vetor A U A UL LA Empurra e puxa Domingo, Gaspar reúne a família para uma voltinha de carro. Ele senta ao volante e dá a partida. Nada. Tenta outra vez e nada consegue. Diz então para todos: O carro não quer

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS GRUPO Educação adistância Caderno de Estudos EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Prof. Ruy Piehowiak Editora UNIASSELVI 2012 NEAD Copyright Editora UNIASSELVI 2012 Elaboração: Prof. Ruy Piehowiak Revisão, Diagramação

Leia mais