Zoneamento Agroecológico do Município de Dois Irmãos do Buriti - MS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Zoneamento Agroecológico do Município de Dois Irmãos do Buriti - MS"

Transcrição

1 181 ISSN Dezembr, Outubr Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS

2 ISSN Dezembr, 2011 Empres Brsileir de Pesquis Agrpecuári entr Ncinl de Pequis de Sls Ministéri d Agricultur, Pecuári e Absteciment Bletim de Pesquis e Desenvlviment 181 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS ésr d Silv hgs Silvi Brge Bhering Êni Frg d Silv Muríci Rizzt elh Fernnd ézr Sriv d Amrl Mri Jsé Zrni Nilsn Rendeir Pereir Wldir de rvlh Júnir Alexndre Orteg Gnçlves Ricrd de Oliveir Drt Mári Luiz Dimnte Agli rls Henrique Lems Lpes Antôni rls Brges Dniel Filh láudi Guedes de Sá Erp Ri de Jneir, RJ 2011

3 Embrp Sls Ru Jrdim Btânic, Jrdim Btânic. Ri de Jneir, RJ. Fne: (21) Fx: (21) Hme pge: E-mil (sc): mitê Lcl de Publicções Presidente: Dniel Vidl Pérez Secretári-Executiv: Jcqueline Silv Rezende Mtts Membrs: Ademr Bs d Silv, láudi Regin Deli, Humbert Gnçlves ds Snts, Eline ristin rds Fidlg, Jyce Mri Guimrães Mnteir, An Pul Dis Turett, Fbin de rvlh Blieir e Pedr de Sá Rdrigues d Silv. Supervisr editril: Jcqueline Silv Rezende Mtts Revisr de Prtuguês: André Luiz d Silv Lpes Nrmlizçã bibligráfic: Ricrd Arcnj de Lim Ft d cp: ésr d Silv hgs Editrçã eletrônic: Felipe Feeir Lisb Luz Jcqueline Silv Rezende Mtts 1 ediçã 1 impressã (2011): nline Tds s direits reservds. A reprduçã nã-utrizd dest publicçã, n td u em prte, cnstitui vilçã ds direits utris (Lei n 9.610). 426z hgs, ésr d Silv. Znement Agreclógic d municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS / ésr d Silv hgs... [et l.]. -- Dds eletrônics. -- Ri de Jneir : Embrp Sls, p. - (Bletim de Pesquis e Desenvlviment / Embrp Sls, ISSN ; 181). Sistem requerid: Adbe Acrbt Reder. Md de cess: < Títul d págin d Web (cess em 21 dez. 2011). 1. Plnejment mbientl. 2. Ordenment teitril 3. Us e cupçã ds tes. I. Bhering, Silvi Brge. II. Silv, Êni Frg d. III. elh, Muríci Rizzt. IV. Amrl, Fernnd ézr Sriv d Amrl. V. Zrni, Mri Jsé. VI. Pereir, Nilsn Rendeir. VII. rvlh Junir, Wldir. VIII. Gnçlves, Alexndre Orteg. IX. Drt, Ricrd de Oliveir. X. Agli, Mári Luiz Dimnte. XI. Lpes, rls Henrique Lems. XII. Dniel Filh, Antôni rls Guedes. XIII. Erp, láudi Guedes de Sá. XIV. Títul. XV. Série. DD (21.ed.) Embrp 2011

4 Sumári Resum... 7 Abstrct Intrduçã Metdlgi Resultds e discussã nsiderções Finis Referêncis Anex Mp d Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti (escl 1: ) Mp d Znement Agreclógic d Uv n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d itrus n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Mrcujá n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Gib n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Mng n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Mmã n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Bnn n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Abcxi n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Girssl n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d n-de-çúcr n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Euclipt n Municípi de Dis Irmãs d Buriti Mp d Znement Agreclógic d Seringueir n Municípi de Dis Irmãs d Buriti

5 Equipe Técnic ésr d Silv hgs Pesquisdr A Embrp Sls. E-mil: Silvi Brge Bhering Pesquisdr A Embrp Sls. E-mil: Êni Frg d Silv Pesquisdr A Embrp Sls. E-mil: Muríci Rizzt elh Pesquisdr A Embrp Sls. E-mil: Fernnd ézr Sriv d Amrl Pesquisdr A Embrp Sls. E-mil: Mri Jsé Zrni Pesquisdr B Embrp Sls. E-mil: Nilsn Rendeir Pereir Pesquisdr B Embrp Sls. E-mil: Wldir de rvlh Júnir Pesquisdr A Embrp Sls. E-mil: Alexndre Orteg Gnçlves Pesquisdr A Embrp Sls. E-mil: Ricrd de Oliveir Drt Anlist B Embrp Sls. E-mil: Mári Luiz Dimnte Ágli Assistente A Embrp Sls. E-mil: rls Henrique Lems Lpes Membr SEPROTUR Antôni rls Brges Dniel Filh Membr SEPROTUR láudi Guedes de Sá Erp Membr SEPROTUR

6 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS Resum A Embrp Sls, em prceri cm Secretri de Estd de Desenvlviment Agrári, d Prduçã, d Indústri, d mérci e d Turism SEPROTUR, relizu Znement Agreclógic d Estd d Mt Grss d Sul Fse II - cm bjetiv de cntribuir pr indicçã de áres pssíveis de explrçã grícl sustentável. N desenvlviment desse trblh frm cnsiderds spects legis, restrições mbientis, ptencil ds culturs, spects d clim, de gemrflgi e ds sls, tds integrds em um mbiente de sistem de infrmçã gegráfic cm pi de álgebr de mps, n intuit de vlir dequbilidde de us ds tes e presentr um prpsiçã de plnejment de us e cupçã ds tes. Os resultds desse trblh frm cnslidds pr municípi e derm rigem este bletim de pesquis. O municípi de Dis Irmãs d Buriti, MS, present um elevd gru de çã ntrópic ds tes, nde mis de 80% ds tes sã utilizds cm pstgens e cm gricultur e pens 20% presentm cert gru de preservçã. N municípi frm identificds 141 km 2 de tes indicds pr recuperçã mbientl. As zns recmendds pr us cm lvurs smm 730 km 2 u equivlente 30% ds tes d municípi, enqunt que s recmendds pr us cm pstgens e pstgens especiis smm km 2, equivlente mis de 60% d áre ttl d municípi. Plvrs-chve: plnejment de us e cupçã ds tes, plnejment mbientl, us sustentável ds tes, rdenment teitril.

7 Agreclgicl Znning Dis Irmãs d Buriti Municipl District, MS Abstrct Embrp Sils in prtnership with Bureu f Agriculturl nd Develpment f Mt Grss d Sul Stte (SEPROTUR), elbrted the Agreclgicl Znning f the Mt Grss d Sul Stte (Stge II) t cntribute t indicte res where the griculturl explittin cn be dne in sustinble wy. During the develpment f this wrk, legl spects, envirnmentl restrictins, crps ptentil, climte cnditins, gemrphlgy nd sils were cnsidered nd integrted in GIS envirnment, fccused t evlute the suitbility lnd use nd present mp f lnd use plnning. This reserch cncern t ll the Mt Grss d Sul Stte, nd ws cnslidted by municiplities. The Dis Irmãs d Buriti municiplity presents 80% f its lnds sscited with griculturl r psture uses, nd remin 20% with sme preservtin degree. In municiplity 141 Km 2 lnds re recmmended t envirnmentl rehbilittin. The znes recmmended t crp prductin re up t 730 km 2 (30%) nd ther znes indicted t pstures nd specil pstures represents km 2, r mre thn 60% f ttl re f the municiplity. Keywrds: Lnd use plnning, envirnmentl plnning, sustinbility lnd use, teitril rder.

8 1. INTRODUÇÃO O us sustentável ds grecssistems requer frmulçã de mdels de desenvlviment cnservcinists, cmpreendend um cnjunt de prátics de cnservçã d sl, d águ e d bidiversidde, nlisds de frm integrd. Já n iníci dess décd, ciente dests questões, Brsil, cm s demis píses signtáris d nferênci ds Nções Unids sbre Mei Ambiente e Desenvlviment, relizd em 1992, ssumiu cmprmiss de elb e implementr su própri Agend 21, nde frm definids seis eixs temátics básics, dentre s quis se destc busc pr um gricultur sustentável. De crd cm FAO (1997), Znement Agreclógic busc definiçã de zns hmgênes cm bse n cmbinçã ds crcterístics ds sls, d pisgem e d clim. Os prâmetrs utilizds n definiçã sã bseds ns requeriments climátics e edáfics ds culturs e n sistem de mnej dtd. d zn greclógic tem um cmbinçã similr de limitções e ptenciliddes de us d te que rientm s recmendções pr melhri d situçã de us tul ds tes trvés d ument de prdutividde e/u pel reduçã de su degrdçã. Dest frm, Znement Agreclógic é um fement fundmentl de plnejment n esfrç d busc de um gricultur sustentável. Este reltóri técnic tem cm bjetiv presentr s resultds d Znement Agreclógic relizd pr municípi de Dis Irmãs d Buriti e reite expecttiv de que incrprçã de indictivs de prduçã, prticulrizds pr mbiente e cndições climátics, cm sugerids pr esse trblh pss ferecer mir segurnç n indicçã de áres pssíveis de explrçã grícl sustentável. 2. METODOLOGIA 2.1 Lclizçã d áre e crcterizçã d mei físic O municípi de Dis Irmãs d Buriti lcliz-se n mesegiã Pntnl Sul-Mt- Grssense d Estd d Mt Grss d Sul, micregiã d Aquidun, ns crdends gegráfics 20º de ltitude sul e de 55º 16' 43" de lngitude este (Figur 1). Su áre ttl é de cerc de km², e su ppulçã de cerc de hbitntes pr n de Figur 1. Mp de lclizçã d municípi de Dis Irmãs d Buriti n Estd d Mt Grss d Sul e n Brsil. 1 (fnte

9 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS Infrmções temátics O prcess de estrtificçã d mbiente nturl d municípi de Dis Irmãs d Buriti fi bsed n cnceit de unidde de pisgem (BIRKELAND, 1984), qui definid cm um entidde espcil n qul gelgi, gemrflgi, clim, sl (tip de sl, seus tributs e limitções), vegetçã e tip de us d sl frmm um cnjunt representtiv e hmgêne n pisgem, de crd cm escl crtgráfic dtd. Pr tnt, frm utilizds s seguintes infrmções, descrits seguir lim A prtir ds dds de tempertur d r e precipitçã pluvimétric prveniente d prjet de Znement limátic d ultur d fé (ffe rbic) n Estd d Mt Grss d Sul (ALFONSI et l., 2006), frm elbrds s seguintes estuds: 1) Blnç Hídric - clculd pel métd de Thrnthwite e Mther (1955), cnsidernd cm 100 mm cpcidde de rmzenment de águ n sl (AD) e utiliznd prcediments cmputcinis elbrds pr Rlim e Sentelhs (1999). A clssificçã climátic fi relizd cnfrme Gnçlves et l. (2005). 2) Evptrnspirçã Ptencil (EP) - clculd, menslmente, pel métd de Thrnthwite (1948). m bse n precipitçã e n evptrnspirçã ptencil (THORNTHWAITE; MATHER, 1955), estimu-se evptrnspirçã rel (ER), deficiênci hídric (DEF) e excedente hídric (EX) pr cd n, prtir ds quis, frm btids índice hídric (IH), índice de umidde (IU) e índice de ridez (IA) pels seguintes equções: IH ( 100xEX 60xDEF) / EP = (1) IU (100 xex) / EP = (2) IA (100 xdef) / EP = (3) O Estd de Mt Grss d Sul está num áre de trnsiçã climátic, sfrend tuçã de diverss msss de r, que implic em cntrstes térmics centuds, tnt espcil qunt temprlmente. N verdde, regiã está num zn de encntr de diverss msss que tum n teitóri brsileir. A clssificçã climátic d municípi de Dis Irmãs d Buriti, segund critéri de Kppen (1948), remnt à tiplgi Aw descrit seguir: lim trpicl, cm invern sec. Apresent estçã chuvs n verã, de nvembr bril, e nítid estçã sec n invern, de mi utubr (julh é mês mis sec). A tempertur médi d r d mês mis fri é superir 18º. As precipitções pluvimétrics sã superires 750 mm nuis, tingind mm. A tempertur médi nul é de 23,3º e precipitçã pluvimétric de cerc de mm e evptrnspirçã de cerc de mm (Qudr 1). A deficiênci hídric nul é prximdmente 30 mm, e excedente hídric nã ultrpss 250 mm, ist cnsidernd AD (cpcidde de águ dispnível) igul 100 mm. O períd de deficiênci hídric estende-se entre s meses de junh setembr, send que n mês de mi, s médis registrm um excedente hídric de 35 mm (Figur 2).

10 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS 13 Qudr1. Blnç hídric climtlógic segund Thrnthwite e Mther (1955) pr municípi de Dis Irmãs d Buriti, Estd de Mt Grss d Sul. Estçã: Dis Irmãs Municípi: Dis Irmãs Ltitude: -20,59 Lngitude: -55,38 Altitude (m): 300 Obs: 25, MÊS T (º) P (mm) ET0 (mm) ETR (mm) EX (mm) DEF (mm) JAN 25,3 200,0 136,2 136,2 63,8 0,0 FEV 25,3 165,7 120,7 120,7 45,0 0,0 MAR 25,3 135,0 129,1 129,1 5,9 0,0 ABR 23,7 101,7 98,0 98,0 3,6 0,0 MAI 21,4 107,7 72,7 72,7 35,0 0,0 JUN 21,2 48,0 66,0 64,5 0,0 1,5 JUL 19,4 26,3 52,5 45,6 0,0 7,0 AGO 21,1 29,3 69,0 50,4 0,0 18,6 SET 22,5 86,7 83,1 83,1 0,0 0,0 OUT 23,9 134,7 107,8 107,8 0,0 0,0 NOV 25,3 176,3 127,3 127,3 22,7 0,0 DEZ 24,9 190,7 129,6 129,6 61,0 0,0 ANUAL 23,3 1402,0 1192,0 1164,9 237,1 27,1 Ih 18,5 lim: Subúmid Megtérmic Iu 19,9 Köppen: Aw I 2,3 Meses secs****: 3 *rdends gegráfics expresss em deciml. **Precipitçã mensl < 60 mm. X E Extrt d Blnç Hídric Mensl m m F E D Jn Fev Mr Abr Mi Jun Jul Ag Set Out Nv Dez Figur 2. Representçã d blnç hídric, estrtificnd s períds de retird e repsiçã de águ, pr municípi de Dis Irmãs d Buriti, MS.

11 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS Uniddes Gembientis As Uniddes Gembientis refletem, de mneir gerl, s crcterístics gemrfclimátics d estd e frm btids prtir d integrçã ds seguintes tems: clim, gelgi, gemrflgi e vegetçã, cnfrme estbelecid n Mcrznement Gembientl d Estd de Mt Grss d Sul (MATO GROSSO DO SUL, 1989), cmplementds pr estuds mis recentes e dptds nível de detlhe deste estud. N municípi de Dis Irmãs d Buriti estã presentes qutr Uniddes Gembientis citds seguir n Figur 3. Figur 3. Mps ds Uniddes Gembientis n municípi de Dis Irmãs d Buriti, MS. Regiã ds Ptmres e Escrps d Brd Ocidentl d Bci d Prná Ess unidde, de grnde expressã n municípi de Dis Irmãs d Buriti dmin n municípi, cupnd extens áre, desde centr té extrem nrte. É cnstituíd pr litlgis plezóics e meszóics cm ltimetri vrind entre 200 e 600 m, individulizd em três cmprtiments gemrflógics: Primeir Ptmr, Depressã Interptmres e Segund Ptmr. O Primeir Ptmr cespnde fix mrginl, incluind s escrps reginlmente cnhecids cm se d Pntnl e Se de Mrcju.

12 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS 15 A Depressã Interptmres é cnstituíd pr litlgis devnins e perm-crbnífers ds Frmções Pnt Grss e Aquidun. Ess depressã frm um cedr rebixd entre revers d cuest ( este) e s escrps ( leste, que recebem denminções lcis de ses, cm, Se Pret, d Betin, d Beir, rcl, Sã Dmings). O Segund Ptmr é esculpid em litlgis renítics d Frmçã Btuctu, cnstituind um desdbrment d relev cuestifrme cm ciment pr leste. N brd este desse ptmr, drengem registr prfunds incisões nesses relevs mnclinis, chegnd desmntelment desss frms. N revers, relev present mdelds plns e frms dissecds cm menr energi que s d brd cidentl. Regiã d Plnlt Bsáltic Ess unidde gembientl present-se rmped delinend um pln inclind cm rientçã NNO SSE. As cts ltimétrics vrim de m ns prximiddes d brd d plnlt, declinnd pr 400 m e cheg tingir 300 m ns limites cm Regiã ds Sub-Bcis Meridinis. É representd pr um cnjunt de relev de spect gerlmente tbulr, refletind su estrutur hrizntl e/u subrizntl, cnstituíd pr rchs bsáltics d Frmçã Se Gerl e lclmente renits intertrpens. N municípi de Dis Irmãs d Buriti, ess unidde ce exclusivmente n extrem sul d municípi. Regiã d Brd d Plnlt Bsáltic Ess uniddede gembientl cespnde terceir ptmr d relev desdbrd de cuests, d brd cidentl d Bci Sedimentr d Prná, esculpid em litlgis bsáltics d Frmçã Se Gerl. As ltimetris vrim entre 240 e 700 m. A rede de drengem present um pdrã subdentrític, que fcilit estbeleciment de um mdeld dissecd. Os ris nclinis que crtm s escrps sã s respnsáveis pel esculturçã deste ptmr. A drengem ctclinl de revers frm pdrã dentrític, send que s ris principis cem em direçã à clh d Prná, bedecend s grndes trçs estruturis. Em Dis Irmãs d Buriti ess unidde gembientl cup extens áre desde centr té sul d municípi. Regiã d Depressã Aquidun Bel Vist N municípi de Dis Irmãs d Buriti ess unidde gembientl ce pens n extrem este d municípi n divis cm municípi de Anstáci. rcteriz-se pr prcesss de circundesnudçã n brd cidentl d Bci Plezóic d Prná. Psicind ltimetricmente entre 200 e 400 m, cm ciments lcis em direçã à clh d ri Mirnd. É representd gelgicmente pr sediments ple-meszóics, d Frmçã Aquidun, tend sequênci sedimentr e intens vriçã fcilógic, prém, predminntemente rens; Frmçã Btuctu, cnstituíd de renits eólics cm estrts cruzds e Frmçã Se Gerl cm bslts inter-trpids. N gessistem relcind s curss d águ, está representd pr um lrg fix de sediments tuis e sub-tuis, frmnd plnícies e teçs, cntend sediments fins de diverss clibres e grnde quntidde de seixs bem rlds.

13 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS Declividde A declividde tem sid cnsiderd um ds mis imprtntes tributs d teen que cntrlm s prcesss pedgenétics, pis fetm diretmente velcidde d flux superficil e subsuperficil de águ e cnsequentemente ter de águ n sl, ptencil de ersã/depsiçã e muits utrs prcesss imprtntes (GALLANT; WILSON, 2000). O mp de clsses de declividde fi derivd prtir d Mdel Digitl de Elevçã (MDE) d municípi de Dis Irmãs d Buriti. O prcessment fi relizd prtir ds dds reltivs às curvs de nível, cm equidistânci verticl de 40 m, hidrgrfi e pnts ctds cntids ns crts tpgráfics, n escl de 1: O métd esclhid pr elbrçã d Mdel Digitl de Elevçã fi bsed n justment d superfície, utiliznd módul TOPOGRID d prgrm AR/INFO. Em seguid, mp btid fi reclssificd de crd cm s seguintes clsses de declividde, cnfrme Embrp (2006): 0 3%, 3 8%, 8 20%, 20 45% e > 45% (Figur 4). Figur 4. Mp de clsses de declividde d municípi de Dis Irmãs d Buriti, MS.

14 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS Sls Os dds sbre s sls frm btids n Levntment de Recnheciment de Bix Intensidde ds Sls d Municípi de Dis Irmãs d Buriti (EMBRAPA, 2009), elbrd n escl 1: m bse ns crcterístics ds sls cmpnentes ds uniddes de mpement de sls (Tbel 1) e n nálise ds perfis representtivs dests uniddes frm elbrds s mps de fertilidde, drengem intern e cpcidde de retençã de águ n sl, que frm utilizds pr uxilir n vliçã d ptidã greclógic ds tes d municípi. Os critéris utilizds pr elbrçã destes mps sã presentds dinte Fertilidde A vliçã d nível de fertilidde nturl ds sls permite estud ds níveis de frneciment de mineris e de utrs substâncis s quis s plnts requerem, ssim cm, vlir cpcidde d plnt de expressr td seu ptencil prdutiv. Os sls d municípi frm enqudrds em qutr clsses de fertilidde: 1) elevd - Ness clsse estã enqudrds s sls que pssuem elevd reserv de nutrientes pr s plnts, sem presentr txicidde pr sis slúveis, sódi trcável u utrs elements prejudiciis desenvlviment ds plnts. Sls pertencentes est clsse presentm mis de 80% de sturçã pr bses, sm de bses cim de 6 cmlc kg -1 de sl e sã livres de lumíni extrível n cmd rável. A cndutividde elétric é menr que 4 ds m e cncentrçã de sódi menr que 6%. 2) limitd - Ness clsse estã enqudrds s sls cm limitd reserv de nutrientes pr s plnts, referente um u mis elements, pdend cnter elements cm cncentrçã levemente tóxic. Durnte s primeirs ns de utilizçã grícl, esss tes permitem bns rendiments, verificnd-se psterirmente (supstmente depis de cinc ns), um rápid declíni n prdutividde. Trn-se necessári plicçã de fertilizntes e cetivs pós s primeirs sfrs. 3) bix - Ness clsse estã sscids sls cm textur rens. Os sls enqudrds nest clsse, nrmlmente, presentm bixíssims reservs de nutrientes, ph bix e elevd cncentrçã de elements tóxics, ntdmente lumíni e/u mngnês. 4) muit bix - Ness clsse estã enqudrds s sls cm reservs muit limitds de um u mis elements nutrientes, pdend cnter sis tóxics em quntidde tis que permitem pens desenvlviment de plnts cm tlerânci s sis. Nrmlmente crcterizm-se pel bix sm de bses trcáveis (excluind sódi), pdend estr cndutividde elétric quse sempre entre 4 e 15 ds/m e sturçã pr sódi cim de 15%. Os sls d municípi frm enqudrds ns clsses de fertilidde cnfrme pde ser visulizd n Tbel pcidde de retençã de águ A cpcidde de um sl em rmzenr águ pr cresciment e desenvlviment ds plnts está relcind váris tributs físics e químics ds sls, dentre eles, grnulmetri, estrutur, cpcidde de retençã de cátins (T) e ter de mtéri rgânic n sl. Devid à impssibilidde de determinçã diret d cpcidde de retençã d águ ds sls d municípi fce nã dispnibilidde de dds, ptu-se pr se relizr um vliçã qulittiv cm bse n relçã entre este prâmetr e grnulmetri d sl, cnfrme utilizd pr Sns et l. (2001). As clsses cnsiderds frm:

15 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS 18 1) lt - Frm grupds nest clsse s sls que presentm lt cpcidde de retençã de águ (> 60 mm), u sej, sls cm ter de águ dispnível > 15% e ter de rgil superir >35%. De crd cm Sns et l., (2001), sls tip 3; 2) mderd - Pertencem est clsse s sls que presentm médi cpcidde de retençã de águ (40 mm), u sej, sls cm ter de águ dispnível entre 5 e 15%. Nest clsse frm grupds s sls que presentm textur médi (> 15 e < 35% de rgil). Sls tip 2; 3) bix - Nest clsse frm grupds s sls que presentm bix cpcidde de retençã de águ, entre 20 e 40 mm de rmzenment de águ n zn rdiculr (50 cm). Sls cnsiderds cm pertencentes tip 1; e 4) muit bix - Nest clsse frm grupds s sls que presentm muit bix cpcidde de retençã de águ, inferir 20 mm de rmzenment de águ n zn rdiculr (50 cm). Aqui frm enqudrds s sls que presentm nrmlmente mens d que 15% de rgil té um prfundidde mínim de 50 cm. Sls cespndentes tip 1; cnfrme pde ser visulizd n Tbel Drengem intern Excetund-se lgums especificiddes cm d cultur d z qund cultivd sb cndiçã de inundçã, s plnts cultivds gerlmente presentm mires prdutividdes qund cultivds em sls prfunds e bem drends. Dest mneir, s seguintes clsses de drengem intern ds sls frm cnsiderds e descrits (EMBRAPA, 2006). 1) b - Ness clsse frm grupds s sls pertencentes às clsses de drengem excessivmente, frtemente, centudmente e bem drend, ns quis águ é remvid d sl rpidmente; 2) mderd - Frm cnsiderds cm pertencentes ess clsse s sls clssificds cm mderdmente drends, ns quis águ é remvid d sl um tnt lentmente, de md que perfil permnece mlhd pr puc temp. Nrmlmente, presentm cmd impermeável em prfundidde, cm presenç de lençl freátic cim del; 3) imperfeit - Ness clsse estã s sls que presentm drengem imperfeit, em que águ é remvid d sl lentmente, de md que este permnece mlhd pr um períd significtiv, ms nã durnte td n. A cmd impermeável, se cer, estrá mis superficil e sl, recebe trnslcções lteris de águ. Nrmlmente, presentm msqueds u zns de reduçã em subsuperfície; 4) ruim - Os sls enqudrds ness clsse sã ml muit ml drends, nde águ é remvid d sl tã lentmente que esse permnece mlhd pr b prte d n. O lençl freátic está próxim u n superfície d sl durnte cnsiderável prte d n. Sã frequentes cênci de gleizçã e cúmul de mteril rgânic. N tbel 1 sã descrits s vlições ds clsses de drengem ds uniddes de mpement identificds n municípi de Dis Irmãs d Buriti.

16 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS 19 Tbel 1. Avliçã pedlógic e vlr K clculd pr s uniddes de mpement de sls. Símbl d Unidde de Mpement de Sls lsse de Sl Dminnte ns Uniddes de Mpement de Sls lsse Fertilidde Reserv Nutrientes pcidde de Águ Dispnível lsse de Drengem Vlr K AR AFLORAMENTOS DE ROHA. Elevd Bix Mderd 0, Xbd AMBISSOLO HÁPLIO Tb Distrófic léptic, textur médi. GMve GXbd1 GXbd2 GXbd3 GXvd1 GXvd2 GXve LVd1 LVd2 LVd3 LVd4 LVd5 LVd6 LVd7 LVd8 GLEISSOLO MELÂNIO T Eutrófic chernssólic, textur rgils. GLEISSOLO HÁPLIO Tb Distrófic típic, textur indiscrimind. GLEISSOLO HÁPLIO Tb Distrófic, textur indiscrimind. GLEISSOLO HÁPLIO Tb Distrófic, textur indiscrimind. GLEISSOLO HÁPLIO T e Tb Distrófic típic, textur indiscrimind, A mderd. GLEISSOLO HÁPLIO Tb Distrófic típic, textur indiscrimind. GLEISSOLO HÁPLIO T Eutrófic típic, textur rens/médi. LATOSSOLO VERMELHO Distrófic típic, textur médi, A mderd. LATOSSOLO VERMELHO Distrófic típic e psmític, textur médi. LATOSSOLO VERMELHO Distrófic rgissólic, textur médi rens/médi. LATOSSOLO VERMELHO Distrófic rgissólic, textur médi rens/médi. LATOSSOLO VERMELHO Distófic típic, textur médi. LATOSSOLO VERMELHO AMARELO Distrófic rgissólic. LATOSSOLO VERMELHO Distrófic típic, textur médi/rgils, A mderd. LATOSSOLO VERMELHO Distrófic típic, textur médi/rgils, A mderd. Bix Bix B 0, Elevd Alt Ruim 0, Limitd Alt Ruim 0, Limitd Alt Ruim 0, Limitd Alt Ruim 0, Limitd Alt Ruim 0, Limitd Alt Ruim 0, Elevd Alt Ruim 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0,066783

17 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS 20 LVd9 LVd10 LVdf1 LVdf2 LVdf3 LVdf4 LVef MT NVd NVef PVAd1 PVAd2 PVAd3 PVAd4 PVd1 PVd2 RLd1 LATOSSOLO VERMELHO Distrófic típic e psmític, textur médi. LATOSSOLO VERMELHO Distrófic típic e psmític, textur médi. LATOSSOLO VERMELHO Distrféic e Eutrféic típic, textur muit rgils e rgils, A mderd. LATOSSOLO VERMELHO Distrféic típic, textur rgils. LATOSSOLO VERMELHO Distrféic típic, textur rgils. LATOSSOLO VERMELHO Distrféic e Eutrféic típic, textur muit rgils e rgils LATOSSOLO VERMELHO Eutrféic e Distrféic típic, textur muit rgils e rgils. HERNOSSOLO ARGILÚVIO Órtic típic, textur rgils. NITOSSOLO VERMELHO Distrófic ltssólic, textur rgils, A mderd. NVef - NITOSSOLO VERMELHO Eutrféic chernssólic ltssólic, textur rgils. ARGISSOLO VERMELHO- AMARELO Distrófic brúptic e típic, textur médi/rgils. ARGISSOLO VERMELHO- AMARELO Distrófic típic, textur rens/médi. ARGISSOLO VERMELHO- AMARELO Distrófic ltssólic, textur médi. ARGISSOLO VERMELHO- AMARELO Distrófic ltssólic, textur médi. ARGISSOLO VERMELHO Distrófic típic e ltssólic, A frc, textur médi. ARGISSOLO VERMELHO Distrófic típic, textur rens/médi. NEOSSOLO LITÓLIO Distrófic típic, textur indiscrimind, A mderd. Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Alt B 0, Limitd Alt B 0, Limitd Alt B 0, Limitd Alt B 0, Elevd Alt B 0, Elevd Alt Mderd 0, Limitd Alt B 0, Elevd Alt B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Bix B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Mderd B 0, Limitd Bix B 0, Limitd Bix Mderd 0,043027

18 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS 21 RLd2 RLe1 RLe2 RLe3 RLe4 RLe5 RLe6 RLe7 RLe8 RLe9 RLe10 RQ1 RQ2 RQ3 RQ4 RQ5 VE NEOSSOLO LITÓLIO Distrófic típic, textur indiscrimind, A mderd. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic e Distrófic típic médi e rgils csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic e Distrófic típic, textur médi e rgils csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic e Distrófic típic, textur médi e rgils csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic e Distrófic, típic médi e rgils csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic e Distrófic típic, textur médi e rgils, csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic e Distrófic, típic médi e rgils csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic típic, textur médi puc csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic típic, textur médi puc csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO Eutrófic e Distrófic típic, textur médi e rgils csclhent. NEOSSOLO LITÓLIO hernssólic típic, textur médi csclhent. NEOSSOLO QUARTZARÊNIO Órtic típic e ltssólic. NEOSSOLO QUARTZARÊNIO Órtic típic, A mderd. NEOSSOLO QUARTZARÊNIO Órtic típic e ltssólic. NEOSSOLO QUARTZARÊNIO Órtic típic, A mderd. NEOSSOLO Órtic típic. QUARTZARÊNIO VERTISSOLO EBÂNIO Órtic chernssólic. Limitd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Elevd Bix Mderd 0, Bix Muit Bix B 0, Bix Muit Bix B 0, Bix Muit Bix B 0, Bix Muit Bix B 0, Bix Muit Bix B 0, Elevd Alt Imperfeit 0,025773

19 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS Frgilidde mbientl A frgilidde mbientl ds tes d municípi de Dis Irmãs d Buriti, qui entendid cm risc ptencil de degrdçã d mbiente nturl, relcind à ersã d sl, fi estimd cm bse n ptencil nturl de ersã (PNE) que s sls presentm. O Ptencil Nturl de Ersã, definid trvés ds terms d Equçã Universl de Perd de Sl (EUPS) prpst pr Wischmeier e Smith (1978), cnsider pens s ftres que representm s prâmetrs d mei físic e cespnde às estimtivs de perds de sls em áres destituíds de vegetçã nturl e sem intervençã ntrópic, send definid pel equçã 4. PNE = RKLS( (4) nde: PNE = ptencil nturl de ersã (t h -1 n -1 ); R = ftr ersividde d chuv (MJ mm h -1 h -1 n -1 ); K = ftr erdibilidde d sl (t h MJ -1 mm -1 ); L = ftr cmpriment de rmp (dimensinl); e S = ftr declividde (dimensinl). A seguir sã descrits s prcediments utilizds pr ntençã ds prâmetrs d equçã pr cálcul d Ptencil Nturl de Ersã. As clsses de frgilidde mbientl, bseds n Ptencil Nturl de Ersã-PNE, empregds neste trblh sã presentds n Tbel Ersividde d huv (Ftr R) A ersividde d chuv pr municípi de Dis Irmãs d Buriti fi estimd cm bse n equçã desenvlvid pr Lmbrdi Net e Mldenhuer (1992), que pr su vez, utiliz registrs pluvimétrics cm médis mensis e nuis de chuv prtir d ceficiente de Furnier (FOURNIER, 1960), mdificd pr Lmbrdi Net (1977). A equçã empregd é definid seguir. EI = 68,73(Rc) 0,841 (5) Onde: EI = índice de ersividde; e Rc = ceficiente de chuv. Send que ceficiente de chuv é definid cnfrme equçã 6. Rc = (p) 2 /P (6) Onde: p = precipitçã médi mensl; e P = precipitçã médi nul. O vlr de ersividde btid pr municípi de Dis Irmãs d Buriti fi de 6.413,65 Mj mm h -1 h -1 n -1, vlr cnsiderd muit lt. As clsses de frgilidde mbientl, bseds n PNE, empregds neste trblh sã presentds n Tbel 2. Tbel 2. lsses de Frgilidde Ambientl cm bse n Ptencil Nturl de Ersã. lsse de Frgilidde Ambientl Vlr d Ptencil Nturl de Ersã (t h -1 n -1 ) Bix 0-10 Mderd Alt Muit Alt > 201

20 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS Erdibilidde d Sl (ftr K) O ftr de erdibilidde ds sls identificds n Levntment de Recnheciment de Bix Intensidde ds Sls d Municípi de Dis Irmãs d Buriti (EMBRAPA, 2009) fi estimd trvés d utilizçã d equçã 7, cnfrme utilizd pr Mnnigel et l. (2002) n estimtiv d erdibilidde ds sls de Sã Pul. Ftr K = [(%rei + %silte)/(%rgil)]/100 (7) O ftr K fi clculd pr cd cmpnente de unidde de mpement, cm bse ns dds de perfis representtivs ds clsses de sls identificds n municípi, cnsidernd-se médi pnderd ds sub-hrizntes té um prfundidde de 100 cm. Vist que s uniddes de mpement estbelecids pssuem té três cmpnentes fi btid um ftr K pr cd um dests uniddes, pr mei d cálcul d médi pnderd, levnd-se em cnt prprçã que cd cmpnente tem n unidde de mpement. Os resultds btids frm presentds n Tbel mpriment de Rmp e Declividde (ftr LS) O mp de clsses d cmpriment de rmp e declividde - ftr LS fi btid utiliznd-se rtin desenvlvid pr Engel (2003) pr prgrm ArcView, prtir d Mdel Digitl de Elevçã - MDE d municípi de Dis Irmãs d Buriti, cnfrme Figur 5. Figur 5. Mp d ftr tpgráfic LS d municípi de Dis Irmãs d Buriti, MS.

21 Znement Agreclógic d Municípi de Dis Irmãs d Buriti - MS Ptencil nturl de ersã O mp d Ptencil Nturl de Ersã (PNE) d municípi de Dis Irmãs d Buriti fi btid utiliznd-se um álgebr de mps n prgrm ArcGIS 9.0, cnfrme equçã 4. O resultd finl pr este tem é mstrd n Figur 6. Figur 6. Mp de clsses d Ptencil Nturl de Ersã d municípi de Dis Irmãs d Buriti, MS Us e bertur Vegetl ds Tes O mp de us e cbertur vegetl ds tes fi elbrd prtir ds imgens btids pel stélite BERS 2, bnds 2, 3 e 4 d sensr D, dispnibilizds pel Institut Ncinl de Pesquiss Espciis INPE n site As crcterístics deste sensr sã presentds n Tbel 3.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação I Mdliddes Pós-grduçã strictu sens (mestrd e dutrd) Pós-dutrd de Cpcitçã Definiçã de Necessiddes de Cpcitçã de Pós-Grduçã O Ipe definirá sus necessiddes de cpcitçã em pós-grduçã nulmente, levnd em cnt:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200

PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200 PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200 Plntdeirs sm série 1200. Plnti vnçd, plnti Cse ih. Os nvs cnceits d gricultur exigem máquins de grnde rendiment, perfrmnce e fcilidde de mnutençã. A plntdeir Cse IH, cm seu

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Definição e Criação de Molduras

Definição e Criação de Molduras TQS - Mldur Escrit pr Eng. Cmil Ferreir Seg, 20 Mi 2013 09:47 - Ness mensg rei lg dic crir nv mldur pltg n TQS. Ain nesse mesm text, lbrrei ts sbre recurs interessnte p uxiliá-ls criçã crimbs (u sels)

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO / CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ 258 318 ALENQUER Telel 263 73 9 Fx 263 711 54 gerl@cm lenquer pt www cm lenquer pt CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO Entre: Primeir utrgnte Câmr Municipl

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE DE JULHO DE 15. ##TEX O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de sus tribuições e competêncis

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

ircuit ennte de ª Ordem O md nturi, u pól, ã independente d frm de excitçã dede que incluã de excitçã nã ltere etrutur nturl d circuit. N ( X ( H ( Pól D( 0 > etrutur D( X i ( nturl crrepnde X i ( 0 Plinómi

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

PROJETO. Estudos do Meio Físico COBERTURA E USO DA TERRA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SUL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROJETO. Estudos do Meio Físico COBERTURA E USO DA TERRA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SUL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE nstruind um nv temp PROJETO APA SUL RMBH Estuds d Mei Físic MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SERETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL PRM - SERVIÇO GEOLÓGIO DO BRASIL GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira:

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira: MATRIZES Definiçã Chm-se mtriz d tip m x n (m IN* e n IN*) td tel M frmd pr númers reis distriuíds em m linhs e n cluns. Em um mtriz M de m linhs e n cluns pdems representr seus elements d seguinte mneir:

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DA ESTIMATIVA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO PARA DETERMINAÇÃO DO BS&W E DA VAZÃO APLICADO

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

ÍNdice. Nossos produtos são fabricados com a mais moderna tecnologia e um rigoroso padrão de qualidade

ÍNdice. Nossos produtos são fabricados com a mais moderna tecnologia e um rigoroso padrão de qualidade Ctálogo DE produtos especilizd em soluções pr refrigerção Nossos produtos são fbricdos com mis modern tecnologi e um rigoroso pdrão de qulidde A TRINEVA estbelecid desde 1966, cont com mis de 40 nos de

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868 Anis do Congresso de Pesquis, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868 RESPOSTA DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE ARROZ (ORYZA SATIVA) AO ATAQUE DA BROCA-DO-COLMO (DIATRAEA SACCHARALIS) NASCIMENTO, Jcqueline

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

LARANJA ORGÂNICA NO BRASIL: PRODUÇÃO, MERCADO E TENDÊNCIAS. Palavras chaves: Citros, Agricultura Orgânica, Laranja Orgânica

LARANJA ORGÂNICA NO BRASIL: PRODUÇÃO, MERCADO E TENDÊNCIAS. Palavras chaves: Citros, Agricultura Orgânica, Laranja Orgânica LARANJA ORGÂNICA NO BRASIL: PRODUÇÃO, MERCADO E TENDÊNCIAS RESUMO Christin Turr Flávi Ghisi O Brsil é, cncmitntemente, lír mundil prduçã citrs e exprtçã suc lrnj cncentrd cngeld. A gricultur rgânic é prticd

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA UNIDADE DE ANÁLISE SÃO JOSÉ PARH SÃO JOSÉ MAIO 2010

PLANO DE AÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA UNIDADE DE ANÁLISE SÃO JOSÉ PARH SÃO JOSÉ MAIO 2010 PLANO INTEGRADO DE REURSOS HÍDRIOS DA BAIA DO RIO DOE E DOS PLANOS DE AÇÕES DE REURSOS HÍDRIOS PARA AS UNIDADES DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE REURSOS HÍDRIOS NO ÂMBITO DA BAIA DO RIO DOE PLANO DE AÇÃO DE

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL

RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL Elizbeth Christin Swenson Pontes! João Crlos Grci 2 RESUMO - Teve-se por objetivo estudr o comportmento dos preços de insumos

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

VARIABILIDADE DA CONDUTÂNCIA ESTOMÁTICA EM ECOSSISTEMA DE MANGUEZAL AMAZÔNICO E SUAS RELAÇÕES COM VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS.

VARIABILIDADE DA CONDUTÂNCIA ESTOMÁTICA EM ECOSSISTEMA DE MANGUEZAL AMAZÔNICO E SUAS RELAÇÕES COM VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS. VARIABILIDADE DA CONDUTÂNCIA ESTOMÁTICA EM ECOSSISTEMA DE MANGUEZAL AMAZÔNICO E SUAS RELAÇÕES COM VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS. Hernni José Brzão Rodrigues 1 ; João Btist Mirnd Ribeiro 2 ; José Dnilo Souz

Leia mais