Integrais Duplos e Triplos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integrais Duplos e Triplos."

Transcrição

1 Capítulo 4 Integrais uplos e Triplos. 4.1 Integrais uplos xercício Calcule os seguintes integrais. a. e. 1 1 e 1 2x+2 15xy + 1y 2 dy dx b. y x dx dy 4 x 2y) dy dx f. 4 1 π 6 2 π 2 x 1 6xy 3 + x ) dx dy xcosy) ycosx)) dy dx x 3 e y x dy dx xercício sboce a região delimitada pelas curvas dadas pelas equações seguintes e calcule a sua área. a. y = x, x = 4, y = b. y = x 3, x =, y = 2 y = x 3, x = 2, y = y = x, y = x 3 xercício sboce a região de integração para cada um dos seguintes integrais iterados: a. x x 2 fx, y) dy dx b. 3 y y fx, y) dx dy 4 x x 2 fx, y) dy dx π lny) π siny) fx, y) dx dy e. x+2 1 x 2 fx, y) dy dx f. y 6 y fx, y) dx dy

2 24 Integrais uplos e Triplos. xercício Para cada uma das seguintes alíneas calcule fx, y) da. a. fx, y) = y + 2x e é o rectângulo de vértices 1, 1), 2, 1), 2, 1), 1, 1). b. fx, y) = xy, = { x, y) 2 : x 2, y x 2} fx, y) = xy 2 e é triângulo de vértices 2, 9), 2, 1), 2, 1). fx, y) = x 2 + y 2, = { x, y) 2 : y sinx) x π 2 e. fx, y) = e x y e é a região delimitada pelas rectas de equações y = 2x+1, y = x+1, y = 4. } xercício Considerando = {x, y) 2 : x + y 1} calcule e x+y da. xercício Uma lâmina com densidade de massa por área δx, y) é delimitada pelas curvas de equações dadas. Calcule a massa da lâmina através de um integral duplo. a. δx, y) = y 2 ; y = e x, x =, x = 1, y =. b. δx, y) = x 2 + y 2 ; xy 2 = 1, x =, y = 1, y = 2. xercício Calcule o volume dos sólidos limitados pelas seguintes superfícies. a. Parabolóide elíptico z = 2x 2 + y 2 + 1, plano x + y = 1 e planos coordenados. b. Parabolóide hiperbólico z = x 2 y 2 e os planos z = e x = 1. z = x 2 + y 2, y = x 2, y = 1 e z =. 4.2 Valor Médio de Uma Função xercício Calcule o valor médio das funções nas alíneas dos exercícios e na respectiva região de integração. xercício etermine o valor médio do quadrado da distância de um ponto P S à origem do referencial, sendo S = { x, y) : x a) 2 + y 2 r 2 } onde a e r são constantes reais não nulas. 24/25-2 o semestre Análise Matemática IV

3 4.3 Troca da Ordem de Integração 25 xercício Mostre que: 1 a. Se é o triângulo de vértices, ), 1, 1) e 1, ) então, 6 b. Se é o circulo de raio 2 e centrado na origem então, 4π Para = [, 1] [, 1], Para = [ π, π] [ π, π], 1 cos e 1 4π 2 sin x 1 + xy) 4 da 1 e sinx+y) dx dy e da y x x 2 + y ) dx dy 2π 4.3 Troca da Ordem de Integração xercício Calcule os seguintes integrais, invertendo previamente a ordem de integração: a. 2x e y2 dy dx b. 9 3 y sinx 3 ) dx dy 2 y y x 2 y 4 dx dy x 2 x 3 siny 3 ) dy dx e. x y 4 cosxy 2 ) dy dx f. e lnx) 1 y dy dx 4.4 Integrais Triplos xercício Calcule os seguintes integrais triplos: a x + y 3z dx dy dz b. z 2 x+z 1 x z z dy dx dz y x/ 3 x x 2 dz dx dy + z2 4 x 2 6 z 1 3x 2 y x dx dy dz xercício Calcule o volume dos sólidos limitados por: a. z = 4 x 2 y 2 z =. b. x + y + z = 3 e pelos planos coordenados. x 2 a 2 + y2 b 2 + z2 c 2 = 1. x 2 + y 2 + z 2 = r 2 e z 2 = x 2 + y 2 externo em relação ao cone). Análise Matemática IV 24/25-2 o semestre

4 26 Integrais uplos e Triplos. xercício Um sólido de densidade δx, y, z) é delimitado pelas superfícies de equações dadas. Calcule a massa do sólido através de um integral triplo. a. δx, y, z) = x 2 + y 2 ; x + 2y + z = 4, x =, y =, z =. b. δx, y, z) = z + 1; z = 9 x 2 y 2, z =. xercício Próximo do nível do mar, a densidade δ da atmosfera terrestre a uma altura de z metros pode ser aproximada por δ = 1, 225, 113z kg/m 3. Aproxime a massa de uma região da atmosfera que tenha a forma de um cubo com 1 km de aresta e uma das faces apoiada na superfície da Terra. 4.5 Mudança de Variável no Integral uplo e Triplo. xercício Calcule os integrais que se seguem, utilizando coordenadas polares: a. 4 x 2 y 2 dx dy, onde é o círculo de raio 2 centrado na origem. b. y dx dy, onde = {x, y) 2 : x 2 + y 2 9, x y }. y 2 x 2 + y 2 dx dy, onde é a coroa circular dada por 1 x2 + y x 2 e x 2 +y 2 dy dx. e. 3 9 y 2 sinx 2 + y 2 ) dx dy. xercício Calcule a área da região definida em coordenadas cartesianas) por x2 a 2 + y2 b 2 coordenadas r, θ) tais que x = aρ cosθ), y = bρ sinθ). 1, usando xercício Calcule a massa de uma placa limitada pelas circunferências de equações x 2) 2 + y 2 = 4; x 1) 2 + y 2 = 1, supondo que a densidade em cada ponto é directamente proporcional à distância à origem. xercício Seja S = {x, y) 2 : y x + 2, x, y }. Calcule seguinte mudança de variáveis: u = x y x + y, v = x + y. S e x y x+y dx dy, utilizando a 24/25-2 o semestre Análise Matemática IV

5 4.5 Mudança de Variável no Integral uplo e Triplo. 27 xercício Sejam K = { u, v) 2 : 1 u 2 v 2 4, 1 uv 3, u, v } e g : K 2 definida por gu, v) = u 2 v 2, 2uv) a. sboce a região K. b. Mostre que a mudança de variáveis g envia a região K num rectângulo. Mostre que K u 2 + v 2) du dv = 1 Área K) 4 xercício Use coordenadas cilíndricas para calcular os seguintes integrais: a. x 2 + z 2 ) dv ; = { x, y, z) 3 : x 2 + z 2 4, x, y, z } ; b. e. 2y dv, onde = { x, y, z) 3 : x 2 + z 2 4, x + y + z 4, x, y, z } ; xy dv ; = { x, y, z) 3 : x 2 + y 2 z, x, y, z 2 } ; x 2 + y 2 dx dy dz; = { x, y, z) 3 : z 9 x 2 y 2, x y, z } ; y dx dy dz, onde é limitada por y = x 2 + z 2, y = 2 x 2 z 2. f. 1 x 2 x 1 1 x 2 x 2 +y 2 1 dz dy dx. xercício Use coordenadas esféricas para calcular os seguintes integrais: a. x, y, z) dx dy dz, onde é a esfera de raio 1 centrada na origem e P) é a distância de P à origem. b. y + 1 dx dy dz, onde é a semi-esfera de raio 2 centrada na origem cujos pontos têm cota positiva. { x 2 + y 2 dx dy dz; = x, y, z) 3 : x 2 + y 2 + z 2 1, } x y, z ; 3 y dx dy dz, onde é o sólido que se encontra no 1 o octante entre as esferas de equação x 2 + y 2 + z 2 = 1; x 2 + y 2 + z 2 = 4. Análise Matemática IV 24/25-2 o semestre

6 28 Integrais uplos e Triplos. e. f. 4 x 2 2y dx dy dz, onde = { x, y, z) 3 : x 2 + y 2 + z 2 16, x 2 + y 2 z 2, z } ; 2 4 x 2 x 2 +y 2 8 x 2 y 2 x 2 + y 2 + z 2 ) dz dy dx. 4.6 xercícios Variados. Aplicações. Para a resolução dos exercícios desta secção, consulte o formulário no final deste capítulo. xercício etermine o valor médio das funções seguintes nos conjuntos,, indicados. a. fx, y) = y sinxy), = [, π] [, π]. b. fx, y) = e x+y, : triângulo de vértices, ),, 1) e 1, ). xercício etermine o centro de massa das seguintes regiões cujas densidades são as indicadas. a. egião plana compreendida entre y = x 2 e y = x e densidade δ = x + y. b. egião plana compreendida entre y = e y = x 2, x π/2, e densidade δ = 1. xercício etermine a massa e o centro de massa de um sólido hemisférico de raio a, sabendo que a sua densidade em cada ponto P é directamente proporcional à distância do centro da base a P. xercício Supondo que a Terra é esférica com raio 6 37 km, a densidade δ em kg/m 3 ) da atmosfera a uma distância de ρ metros do centro da Terra pode ser aproximada por para 6 37 ρ δ = 619, 9 9, )ρ a. ê uma estimativa da massa da atmosfera entre o nível do solo e uma altitude de 3 km. b. A atmosfera estende-se para além de uma altitude de 1 km e tem uma massa total de aproximadamente 5, kg. Que percentagem da massa está nos 3 km inferiores da atmosfera? xercício Uma peça, plana, em ouro pode ser descrita matematicamente como a região plana = { x, y) : x 2π y π}.unidades em centímetros) Considere-se que a densidade da peça é descrita por δx, y) = y 2 sin 2 4x) + 2, [g/cm 2 ]. a. Se a cotação do ouro for de 7e/g, determine o valor da peça. b. Qual a densidade de massa média da peça em g/cm 2 )? 24/25-2 o semestre Análise Matemática IV

7 4.6 xercícios Variados. Aplicações. 29 xercício Considerem-se coordenadas esféricas ρ, θ, φ) em 3. Suponha-se que uma superfície que limita um sólido contendo a origem do referencial é dada pela função continua e positiva ρ = fθ, φ). Mostre que o volume do sólido limitado pela superfície é V = 1 3 π π [fθ, φ)] 3 sin φ dφ dθ. xercício Considere B : triângulo de vértices, ),, 1)1, e 1, 1). Usando uma mudança de variáveis adequada calcule e y x y+x dx dy. veja o ex ) B xercício Suponha que a densidade de um sólido esférico de raio r é dado por δx, y) = 1 + dx, y) 3) 1, onde dx, y) é a distância do ponto x, y) da esfera ao centro desta. Calcule a massa total do sólido. xercício etermine o valor médio das funções seguintes nos conjuntos indicados. a. fx, y, z) = sin 2 πz) cos πx, = [, 2] [, 4] [, 6]. b. fx, y, z) = e z, = {x, y, z) : x 2 + y 2 + z 2 1}. xercício etermine o momento de inércia segundo o eixo Oy da esfera x 2 + y 2 + z 2 r 2 supondo que a sua densidade de massa é constante e igual a δ. xercício Considere a região sólida limitada superiormente pelo plano z = a e inferiormente pelo cone definido em coordenadas esféricas por φ = k, onde k é uma constante, < k < π/2,. Se o sólido tem densidade constante δ, construa um integral mas não o calcule) que corresponda ao momento de inércia do sólido segundo o eixo Oz. xercício etermine o centro de massa da região sólida, de densidade constante, definida por y 2 + z 2 1 4, x 1)2 + y 2 + z 2 1, x 1. xercício etermine o centro de massa da região sólida, de densidade δ = x 2 + y 2 )z 2, definida por y 2 + y 2 1, 1 z 2. Análise Matemática IV 24/25-2 o semestre

8 3 Integrais uplos e Triplos. Apêndice: Formulário Valor Médio ada uma função f : 2 o valor médio de f, em é: f = 1 fx, y) dx dy, A) onde A) é a área de. Analogamente, se f : W 3 o valor médio de f, em W é: f = 1 fx, y, z) dx dy dz, V W ) onde V W ) é o volume de W. Centros de Massa Considere-se uma placa bidimensional com densidade δx, y). As coordenadas x, ȳ) do centro de massa de são dadas por: x δx, y) dx dy y δx, y) dx dy x = δx, y) dx dy e ȳ = δx, y) dx dy Para um objecto sólido W de densidade δx, y, z) sabe-se que: Volume: V = dx dy dz W Massa: m = δx, y, z) dx dy dz Consequentemente, as coordenadas x, ȳ, z) do centro de massa de W são dadas por: x = 1 x δx, y, z) dx dy dz, m W ȳ = 1 y δx, y, z) dx dy dz m W z = 1 z δx, y, z) dx dy dz m W W Momentos de Inércia ado um corpo sólido W de densidade uniforme δ δx, y, z), os momentos de inércia I x, I y e I z são dados por: I x = y 2 + z 2) δ dx dy dz W I y = x 2 + z 2) δ dx dy dz W I z = x 2 + y 2) δ dx dy dz 24/25-2 o semestre Análise Matemática IV W

Nome Cartão Turma Chamada

Nome Cartão Turma Chamada UFG Instituto de Matemática 215/2 POVA 2 16 de outubro de 215 8h3 1 2 3 4 5 81 3 y 811 onsidere a integral dupla iterada I = f(x,y)dxdy, em que o integrando é dado por f(x,y) = 4x y 2 x 2. 1. Determine

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ. disponível em acannas/amiii

ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ. disponível em  acannas/amiii Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualização: 9// ANÁLISE MATEMÁTICA III CURSOS: LEAB, LEB, LEMG, LEMAT, LEN, LEQ, LQ PROPOSTA DE) RESOLUÇÃO DA

Leia mais

1. Determine o valor do integral curvilíneo do campo F (x, y, z) = xzî + xĵ + y k ao longo da linha (L), definida por: { x 2 /4 + y 2 /25 = 1 z = 2

1. Determine o valor do integral curvilíneo do campo F (x, y, z) = xzî + xĵ + y k ao longo da linha (L), definida por: { x 2 /4 + y 2 /25 = 1 z = 2 Análise Matemática IIC Ficha 6 - Integrais Curvilíneos de campos de vectores. Teorema de Green. Integrais de Superfície. Teorema de Stokes. Teorema da Divergência. 1. Determine o valor do integral curvilíneo

Leia mais

Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária)

Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária) Teorema de Fubini e Mudança de Variáveis (Resolução Sumária) 9 de Maio de 9. Escreva fdv como um integral iterado nas duas ordens de integração possíveis, onde o conjunto é: (a) O triângulo de vértices

Leia mais

Integrais Triplas em Coordenadas Polares

Integrais Triplas em Coordenadas Polares Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Triplas em Coordenadas Polares Na aula 3 discutimos como usar coordenadas polares em integrais duplas, seja pela região

Leia mais

Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton /4 Professores: Jerônimo e Juaci

Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton /4 Professores: Jerônimo e Juaci Universidade Federal do Pará Cálculo II - Projeto Newton - 5/4 Professores: Jerônimo e Juaci a Lista de exercícios para monitoria. Determine o volume do sólido limitado pelos planos coordenados e pelo

Leia mais

Atividades Práticas Supervisionadas (APS)

Atividades Práticas Supervisionadas (APS) Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba epartamento Acadêmico de Matemática Prof: Lauro César Galvão Cálculo II Entrega: junto com a a parcial ATA E ENTREGA: dia da a PROVA (em sala

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 4

Cálculo III-A Módulo 4 Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada Cálculo III-A Módulo 4 Aula 7 Integrais Triplas Objetivo Compreender a noção de integral tripla.

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula

Geometria Analítica II - Aula Geometria Analítica II - Aula 0 94 Aula Coordenadas Cilíndricas e Esféricas Para descrever de modo mais simples algumas curvas e regiões no plano introduzimos anteriormente as coordenadas polares. No espaço

Leia mais

3.2 Coordenadas Cilíndricas

3.2 Coordenadas Cilíndricas Exemplo 3.6 Encontre DzdV para D a região do espaço limitada pelos gráficos x = 1 z 2, x =, entre os planos y = e y = 1. Solução: observe que pela descrição da região de integração D, é mais conveniente

Leia mais

INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT CÁLCULO II-A. Última atualização:

INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT CÁLCULO II-A. Última atualização: INSTITUTO DE MATEMÁTICA - UFBA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 4 - CÁLCULO II-A Última atualização: --4 ) Nos problemas a seguir encontre a área das regiões indicadas: A) Interior

Leia mais

Superfícies Parametrizadas

Superfícies Parametrizadas Universidade Estadual de Maringá - epartamento de Matemática Cálculo iferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit Superfícies Parametrizadas Prof.

Leia mais

c) F( 4, 2) r : 2x+y = 3 c) a = 3 F 1 = (0,0) F 2 = (1,1)

c) F( 4, 2) r : 2x+y = 3 c) a = 3 F 1 = (0,0) F 2 = (1,1) Lista de Exercícios Estudo Analítico das Cônicas e Quádricas 1. Determine o foco, o vértice, o parâmetro e a diretriz da parábola P e faça um esboço. a) P : y 2 = 4x b) P : y 2 +8x = 0 c) P : x 2 +6y =

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016 Lista de Exercícios de Cálculo 3 Módulo 1 - Terceira Lista - 02/2016 Parte A 1. Identifique e esboce as superfícies quádricas x 2 + 4y 2 + 9z 2 = 1 x 2 y 2 + z 2 = 1 (c) y = 2x 2 + z 2 (d) x = y 2 z 2

Leia mais

Exercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas

Exercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas Instituto uperior écnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Eercícios Resolvidos Mudança de Coordenadas Eercício Considere o conjunto {(, R : < < ; < < + } e a função g : R R definida

Leia mais

3. Achar a equação da esfera definida pelas seguintes condições: centro C( 4, 2, 3) e tangente ao plano π : x y 2z + 7 = 0.

3. Achar a equação da esfera definida pelas seguintes condições: centro C( 4, 2, 3) e tangente ao plano π : x y 2z + 7 = 0. Universidade Federal de Uerlândia Faculdade de Matemática Disciplina : Geometria Analítica (GMA00) Assunto: Superfícies, Quádricas, Curvas e Coordenadas Professor Sato 4 a Lista de exercícios. Determinar

Leia mais

Coordenadas Polares. Exemplos: Representar em um sistema de coordenadas polares, os seguintes pontos: d) P 4,

Coordenadas Polares. Exemplos: Representar em um sistema de coordenadas polares, os seguintes pontos: d) P 4, Cálculo II Profa. Adriana Cherri 1 Coordenadas Polares Existem vários sistemas de coordenadas que mostram a posição de um ponto em um plano. O sistema de coordenadas polares é um deles. No sistema cartesiano,

Leia mais

c) F( 4, 2) r : 2x+y = 3 c) a = 3 F 1 = (0,0) F 2 = (1,1)

c) F( 4, 2) r : 2x+y = 3 c) a = 3 F 1 = (0,0) F 2 = (1,1) Lista de Exercícios Estudo Analítico das Cônicas e Quádricas 1. Determine o foco, o vértice, o parâmetro e a diretriz da parábola P e faça um esboço. a) P : y 2 = 4x b) P : y 2 +8x = 0 c) P : x 2 +6y =

Leia mais

MAT 2455 - Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia 1 ā Prova - 1o semestre de 2005

MAT 2455 - Cálculo Diferencial e Integral III para Engenharia 1 ā Prova - 1o semestre de 2005 MAT 4 - Cálculo iferencial e Integral III para Engenharia ā Prova - o semestre de Questão. Calcule: (,- ). (a) (. pontos) (b) (. pontos) x e + d dx (x + ) (x ) dx d, onde é o triângulo de vértices (,),

Leia mais

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na

f, da, onde R é uma das regiões mostradas na Integrais Duplas em Coordenadas Polares Bibliografia básica: THOMAS, G. B. Cálculo. Vol. Capítulo 1. Item 1.3. STEWAT, J. Cálculo. Vol.. Capítulo 15. Item 15.4. Sabemos que o cálculo da área de uma região

Leia mais

Matemática IV. Textos de Apoio

Matemática IV. Textos de Apoio Matemática IV 2 o semestre do ano lectivo 2004/2005 Engenharias de Materiais e Química Textos de Apoio Cristina Caldeira A grande maioria dos exercícios presentes nestes textos de apoio foram recolhidos

Leia mais

Exercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos

Exercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos Instituto uperior Técnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Eercícios Resolvidos Esboço e Análise de Conjuntos Eercício Esboce detalhadamente o conjunto descrito por = {(,, ) R 3 :,,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III

Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III Universidade Federal do Rio de Janeiro Cálculo III 1 o semestre de 26 Primeira Prova Turma EN1 Não serão aceitas respostas sem justificativa. Explique tudo o que você fizer. 1. Esboce a região de integração,

Leia mais

Volume de um sólido de Revolução

Volume de um sólido de Revolução Algumas aplicações da engenharia em estática, considerando um corpo extenso, e com distribuição continua de massa, uniforme ou não é necessário determinar-se e momento de inércia, centroide tanto de placas

Leia mais

Exercícios Referentes à 1ª Avaliação

Exercícios Referentes à 1ª Avaliação UNIVESIDADE FEDEAL DO PAÁ CUSO DE LICENCIATUA EM MATEMÁTICA PLANO NACIONAL DE FOMAÇÃO DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA - PAFO Docente: Município: Discente: 5ª Etapa: Janeiro -fevereiro - ) Calcule as integrais

Leia mais

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS

Curso de Férias de IFVV (Etapa 3) INTEGRAIS DUPLAS Curso de Férias de IFVV (Etapa ) INTEGAIS UPLAS VOLUMES E INTEGAIS UPLAS Objetivando resolver o problema de determinar áreas, chegamos à definição de integral definida. A idéia é aplicar procedimento semelhante

Leia mais

Capítulo I - Funções Vectoriais EXERCÍCIOS

Capítulo I - Funções Vectoriais EXERCÍCIOS ANÁLISE MATEMÁTIA II Universidade Fernando Pessoa Faculdade de iência e Tecnologia apítulo I - Funções Vectoriais EXERÍIOS 1. Sendo F, G e H funções vectoriais de t, encontre uma fórmula para a derivada

Leia mais

Funções de duas (ou mais)

Funções de duas (ou mais) Lista 5 - CDI II Funções de duas (ou mais) variáveis. Seja f(x, y) = x+y x y, calcular: f( 3, 4) f( 2, 3 ) f(x +, y ) f( x, y) f(x, y) 2. Seja g(x, y) = x 2 y, obter: g(3, 5) g( 4, 9) g(x + 2, 4x + 4)

Leia mais

{ y} Cálculo III. 1 - Funções de Várias Variáveis

{ y} Cálculo III. 1 - Funções de Várias Variáveis 1 Cálculo III 1 - Funções de Várias Variáveis Em muitos casos, o valor de uma grandeza depende do valor de duas ou mais outras. O volume de água de um reservatório, por exemplo, depende das chuvas e da

Leia mais

Análise Matemática 2 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Análise Matemática 2 FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores FCULDDE DE ENGENHRI D UNIVERSIDDE DO PORTO Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores nálise Matemática 2 pontamentos das aulas teóricas - Integrais Múltiplos 29/21 Maria do Rosário

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS #5 - ANÁLISE VETORIAL EM FÍSICA

LISTA DE EXERCÍCIOS #5 - ANÁLISE VETORIAL EM FÍSICA LISTA DE EXERCÍCIOS #5 - ANÁLISE VETORIAL EM FÍSICA PROBLEMAS-EXEMPLO 1. Determinar o comprimento de arco das seguintes curvas, nos intervalos especificados. (a) r(t) = t î + t ĵ, de t = a t =. Resolução

Leia mais

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P1: aulas teóricas (segundas e quartas)

Cálculo a Várias Variáveis I - MAT Cronograma para P1: aulas teóricas (segundas e quartas) Cálculo a Várias Variáveis I - MAT 116 014.1 Cronograma para P1: aulas teóricas (segundas e quartas) Aula 01 1 de fevereiro (quarta) Aula 0 17 de fevereiro (segunda) Aula 0 19 de fevereiro (quarta) Referências:

Leia mais

Primitva. Integral Indenida

Primitva. Integral Indenida Primitva Denição. 1 Uma função F (x) é chamada uma primitiva da função f(x) em um intervalo I (ou simplesmente uma primitiva de f(x), se para todo x I, temos F (x) = f(x). Exemplo. 1 1. emos que cos(x)

Leia mais

Exercícios de Revisão

Exercícios de Revisão Professor: Cassio Kiechaloski Mello Disciplina: Matemática Exercícios de Revisão Geometria Analítica Geometria Plana Geometria Espacial Números Complexos Polinômios Na prova de recuperação final, não será

Leia mais

Aplicação de Integral Definida: Volumes de Sólidos de Revolução

Aplicação de Integral Definida: Volumes de Sólidos de Revolução Aplicação de Integral Definida: Prof a. Sólidos Exemplos de Sólidos: esfera, cone circular reto, cubo, cilindro. Sólidos de Revolução são sólidos gerados a partir da rotação de uma área plana em torno

Leia mais

Unidade 10 Geometria Espacial. Esfera

Unidade 10 Geometria Espacial. Esfera Unidade 10 Geometria Espacial Esfera Esfera Na série anterior, você estudou dois dos chamadas corpos redondos: o cilindro e o cone Estudaremos outro sólido que sem dúvida, aparece com extrema frequência

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Mat Geom Espacial

Exercícios de Aprofundamento Mat Geom Espacial 1. (Fuvest 015) No cubo ABCDEFGH, representado na figura abaixo, cada aresta tem medida 1. Seja M um ponto na semirreta de origem A que passa por E. Denote por θ o ângulo BMH e por x a medida do segmento

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis. 10º Ano de Matemática A. Geometria no Plano e no Espaço I

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis. 10º Ano de Matemática A. Geometria no Plano e no Espaço I Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 10º Ano de Matemática A Geometria no Plano e no Espaço I Trabalho de casa nº 7 GRUPO I 1. Num certo prisma, cada uma das bases tem n vértices. Quantas faces e quantas

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS Como vimos no Capítulo 4, no Volume I, um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. DERIVADAS PARCIAIS 14.7

Leia mais

(b) { (ρ, θ);1 ρ 2 e π θ } 3π. 5. Representar graficamente

(b) { (ρ, θ);1 ρ 2 e π θ } 3π. 5. Representar graficamente Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática isciplina : Geometria nalítica (GM003) ssunto: sistemas de coordenadas; vetores: operações com vetores, produto escalar, produto vetorial, produto

Leia mais

3º ANO DO ENSINO MÉDIO. 1.- Quais são os coeficientes angulares das retas r e s? 60º 105º. 0 x x. a) Escreva uma equação geral da reta r.

3º ANO DO ENSINO MÉDIO. 1.- Quais são os coeficientes angulares das retas r e s? 60º 105º. 0 x x. a) Escreva uma equação geral da reta r. EXERCÍCIOS DE REVISÃO 3º BIMESTRE GEOMETRIA ANALÍTICA 3º ANO DO ENSINO MÉDIO 1.- Quais são os coeficientes angulares das retas r e s? s 60º 105º r 2.- Considere a figura a seguir: 0 x r 2 A C -2 0 2 5

Leia mais

8.1. Comprimento de Arco. Nesta seção, nós aprenderemos sobre: Comprimento de Arco e suas funções. MAIS APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO

8.1. Comprimento de Arco. Nesta seção, nós aprenderemos sobre: Comprimento de Arco e suas funções. MAIS APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO MAIS APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO 8.1 Comprimento de Arco Nesta seção, nós aprenderemos sobre: Comprimento de Arco e suas funções. COMPRIMENTO DE ARCO Podemos pensar em colocar um pedaço de barbante sobre

Leia mais

Eletrostática. Antonio Carlos Siqueira de Lima. Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica

Eletrostática. Antonio Carlos Siqueira de Lima. Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Eletrostática Antonio Carlos Siqueira de Lima Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Agosto 2008 1 Campo Elétrico Campo Elétrico Devido a Distribuições

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS ANSELMO DE ANDRADE 9º ANO ANO LECTIVO 2011-2012 Sólidos Geométricos NOME: Nº TURMA: Polígonos Um polígono é uma figura geométrica plana limitada por uma linha fechada.

Leia mais

Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C

Notas de Aulas de Cálculo III. Prof. Sandro Rodrigues Mazorche. Turmas: A e C Notas de Aulas de Cálculo III Prof. Sandro Rodrigues Mazorche 1 o semestre de 2015 Turmas: A e C Capítulo 1: Integral Dupla 1.1 Definição: Vamos considerar uma função z = f(x, y) definida em uma região

Leia mais

1. Qual éolugar geométrico dos pontosequidistantes de A = (1,0,0),B = ( 1,1,0),C = (0,2,0) e D = (0,0,0).

1. Qual éolugar geométrico dos pontosequidistantes de A = (1,0,0),B = ( 1,1,0),C = (0,2,0) e D = (0,0,0). Universidade Federal Fluminense PURO Instituto de Ciência e Tecnologia Departamento de Física e Matemática Geometria Analítica e Cálculo Vetorial 7 a Lista de Exercícios 1/2011 Distâncias Observação: Todos

Leia mais

Apostila De Matemática ESFERA

Apostila De Matemática ESFERA Apostila De Matemática ESFERA ESFERA Consideremos um ponto O e um segmento de medida r. Chama-se esfera de centro O e raio r ao conjunto dos pontos P do espaço, tais que a distancia OP seja menor ou igual

Leia mais

F I C H A D E D I A G N O S E. Curso CCS e CCT Componente de Formação Geral Data / / Nome Nº GRUPO I

F I C H A D E D I A G N O S E. Curso CCS e CCT Componente de Formação Geral Data / / Nome Nº GRUPO I COLÉGIO INTERNACIONAL DE VILAMOURA INTERNATIONAL SCHOOL Disciplina Matemática A T E S T E D E A V A L I A Ç Ã O F I C H A D E D I A G N O S E Ensino Secundário Ano 11º - A e B Duração 90 min Curso CCS

Leia mais

Avaliação 2 - MA Gabarito

Avaliação 2 - MA Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL Avaliação - MA1-015 - Gabarito Questão 01 [,00 ] Considere um cilindro sólido de altura R, cujas bases são dois círculos de raio R, do qual são retirados

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET CÁLCULO IV

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET CÁLCULO IV UNIVESIDADE ESTADUAL DE SANTA CUZ - UESC PÓ-EITOIA DE GADUAÇÃO - POGAD DEPATAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET GUIA DE ESTUDO N 0 2 CÁLCULO IV OBJETIVOS: Proporcionar o ábito de leitura no

Leia mais

1 a PROVA Gabarito. Solução:

1 a PROVA Gabarito. Solução: INSTITUTO DE FÍSICA DA UFBA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO DISCIPLINA: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL III FIS 123) TURMA: T02 SEMESTRE: 2 o /2012 1 a PROVA Gabarito 1. Três partículas carregadas

Leia mais

Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas)

Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas) Mecânica e Ondas, 0 Semestre 006-007, LEIC Série IV - Momento Angular (Resoluções Sucintas) 1. O momento angular duma partícula em relação à origem é dado por: L = r p a) Uma vez que no movimento uniforme

Leia mais

Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha. Integrais Triplas

Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha. Integrais Triplas Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo erra Cunha Integrais riplas Nas primeiras aulas discutimos integrais duplas em vária regiões. Seja motivado pelas aplicações, seja apenas pelo

Leia mais

Exercícios Resolvidos Teorema da Divêrgencia. Teorema de Stokes

Exercícios Resolvidos Teorema da Divêrgencia. Teorema de Stokes Instituto uperior Técnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Exercícios Resolvidos Teorema da Divêrgencia. Teorema de tokes Exercício 1 Considere a superfície definida por e o campo

Leia mais

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA A RESOLUÇÃO - VERSÃO 1

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA A RESOLUÇÃO - VERSÃO 1 TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA A RESOLUÇÃO - VERSÃO 1 Grupo I 1. Se uma recta é paralela ao eixo SD, qualquer vector director dessa recta tem primeira e segunda coordenadas iguais a zero. Resposta B 2.

Leia mais

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana

Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana Lista de Exercícios de Cálculo 3 Terceira Semana Parte A 1. Reparametrize as curvas pelo parâmetro comprimento de arco medido a partir do ponto t = 0 na direção crescente de t. (a) r(t) = ti + (1 3t)j

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS EDO S. disponível em

ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS EDO S. disponível em Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualiação: //003 ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC RESOLUÇÃO DA FICHA 3 SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Aula prática 1 EXERCÍCIO 1 Em Mecânica dos Fluidos é muito frequente que interesse medir a diferença entre duas pressões. Os manómetros de tubos em U, que são um dos modelos mais

Leia mais

(b) O centro é O, os focos estão em Oy, o eixo maior mede 10, e a distância focal é 6.

(b) O centro é O, os focos estão em Oy, o eixo maior mede 10, e a distância focal é 6. Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Wellington José Corrêa Nome: 4 ā Lista de Geometria Analítica e Álgebra Linear No que segue, todas as bases utilizadas

Leia mais

Matemática A. O item 3.3. é resolvido no enunciado. Por este motivo, entregue o enunciado em conjunto com a sua folha de respostas.

Matemática A. O item 3.3. é resolvido no enunciado. Por este motivo, entregue o enunciado em conjunto com a sua folha de respostas. Teste Intermédio de Matemática A Versão 2 Teste Intermédio Matemática A Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 28.01.2009 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Nome do aluno N.º

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE MATEMÁTICA Professor(a): Cláudia e Gustavo Valor da Prova: 65 pontos

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE MATEMÁTICA Professor(a): Cláudia e Gustavo Valor da Prova: 65 pontos ª PROA SUBSTITUTIA DE MATEMÁTICA 01 Aluno(a): Nº Ano: º Turma: Data: Nota: Professor(a): Cláudia e Gustavo alor da Prova: 5 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões desta prova: 17 ) alor das questões:

Leia mais

Campo Elétrico 2 Objetivos:

Campo Elétrico 2 Objetivos: Campo Elétrico 2 Objetivos: Apresentar a discretização do espaço para a resolução de problemas em coordenadas: Cartesianas; Polar; Aplicar a discretização do espaço para resolução de problemas de campo

Leia mais

MA211 - Lista 09. Coordenadas Esféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 2015

MA211 - Lista 09. Coordenadas Esféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 2015 MA2 - Lista 9 Coordenadas sféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 25. Marque o ponto cujas coordenadas esféricas é (,, ) e encontre as coordenadas retangulares do ponto. 2. Mude o ponto (, 3, 2

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica. Cónicas e Quádricas

Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica. Cónicas e Quádricas universidade de aveiro departamento de matemática Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica Agrupamento IV (ECT, EET, EI) Capítulo 6 Cónicas e Quádricas Equação geral de uma cónica [6 01] As cónicas são curvas

Leia mais

(x 1) 2 (x 2) dx 42. x5 + x + 1

(x 1) 2 (x 2) dx 42. x5 + x + 1 I - Integrais Indefinidas ā Lista de Cálculo I - POLI - 00 Calcule as integrais indefinidas abaixo. Para a verificação das resposta lembre-se que f(x)dx = F (x), k IR F (x) = f(x), x D f.. x7 + x + x dx.

Leia mais

PROBLEMA DE FÍSICA INDUÇÃO ASSIMÉTRICA

PROBLEMA DE FÍSICA INDUÇÃO ASSIMÉTRICA PROBLEMA DE FÍSICA INDUÇÃO ASSIMÉTRICA Enunciado: É dado um condutor de formato esférico e com cavidade (interna) esférica, inicialmente neutra (considere que esse condutor tenha espessura não-desprezível).

Leia mais

a) R$ 8,20 b) R$ 8,40 c) R$ 8,60 d) R$ 8,80 e) R$ 9,00

a) R$ 8,20 b) R$ 8,40 c) R$ 8,60 d) R$ 8,80 e) R$ 9,00 Aula n ọ 03 01. Um engenheiro, precisando calcular a área de um terreno com forma quadrangular (conforme a figura abaixo), utilizou como referencial as duas ruas, A e B, que se cruzavam perpendicularmente.

Leia mais

Instituto de Matemática - IM/UFRJ Cálculo Diferencial e Integral I - MAC238 Respostas da Prova de Final - 20/12/2013

Instituto de Matemática - IM/UFRJ Cálculo Diferencial e Integral I - MAC238 Respostas da Prova de Final - 20/12/2013 Página de 8 Instituto de Matemática - IM/UFRJ Cálculo Diferencial e Integral I - MAC38 Respostas da Prova de Final - 0//03 Questão : ( pontos) (a) Dado o gráfico da função f, esboce o gráfico da função

Leia mais

8º Ano Ficha de Trabalho 16. fevereiro de ) Na frutaria Pomar Verde, cada quilograma de cerejas do Fundão custa 2,5.

8º Ano Ficha de Trabalho 16. fevereiro de ) Na frutaria Pomar Verde, cada quilograma de cerejas do Fundão custa 2,5. 8º Ano Ficha de Trabalho 16 fevereiro de 2012 1) Na frutaria Pomar Verde, cada quilograma de cerejas do Fundão custa 2,5. a) No enunciado são referidas duas variáveis, a quantidade (em kg) e o preço a

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL LOM3083 e LOM3213 Fenômenos de Transporte Prof. Luiz T. F. Eleno Lista de exercícios 2 1. Considere uma parede aquecida por convecção de um

Leia mais

INSTITUTO GEREMÁRIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA II EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO FINAL 2016

INSTITUTO GEREMÁRIO DANTAS COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA II EXERCÍCIOS DE RECUPERAÇÃO FINAL 2016 INSTITUTO GEREMÁRIO DANTAS Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Fone: (1) 1087900 Rio de Janeiro RJ www.igd.com.br Aluno(a): º Ano:C1 Nº Professora: Marcilene Siqueira Gama COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 10º Ano de Matemática A TEMA 1 GEOMETRIA NO PLANO E NO ESPAÇO I. TPC nº 7 entregar no dia

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 10º Ano de Matemática A TEMA 1 GEOMETRIA NO PLANO E NO ESPAÇO I. TPC nº 7 entregar no dia Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 10º Ano de Matemática A TEMA 1 GEOMETRIA NO PLANO E NO ESPAÇO I TPC nº 7 entregar no dia 4 0 013 1. O cubo da figura tem as faces paralelas aos planos coordenados

Leia mais

Matemática A. Novembro de 2009

Matemática A. Novembro de 2009 Matemática A Novembro de 2009 Matemática A Itens 10.º Ano de Escolaridade No Teste intermédio, que se irá realizar no dia 29 de Janeiro de 2010, os itens de grau de dificuldade mais elevado poderão ser

Leia mais

a média de gols da primeira rodada, M G a média de gols das duas primeiras rodadas e x o número de gols da segunda rodada, tem-se 15 + x 15 M G

a média de gols da primeira rodada, M G a média de gols das duas primeiras rodadas e x o número de gols da segunda rodada, tem-se 15 + x 15 M G MATEMÁTICA O número de gols marcados nos 6 jogos da primeira rodada de um campeonato de futebol foi 5,,,, 0 e. Na segunda rodada, serão realizados mais 5 jogos. Qual deve ser o número total de gols marcados

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO FÍSICA III. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO FÍSICA III. Exercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO FÍSICA III Eercícios teórico-práticos FILIPE SANTOS MOREIRA Física 3 (EQ) Eercícios TP Índice Índice i Derivadas e integrais

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Cilindros e Cones Lista A Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Cilindros e Cones Lista A Professor Marco Costa 1. Um tanque, na forma de um cilindro circular reto, tem altura igual a 3 m e área total (área da superfície lateral mais áreas da base e da tampa) igual a 20. m2. Calcule, em metros, o raio da base deste

Leia mais

TD GERAL DE MATEMÁTICA 2ª FASE UECE

TD GERAL DE MATEMÁTICA 2ª FASE UECE Fundação Universidade Estadual do Ceará - FUNECE Curso Pré-Vestibular - UECEVest Fones: 3101.9658 / E-mail: uecevest_itaperi@yahoo.com.br Av. Dr. Silas Munguba, 1700 Campus do Itaperi 60714-903 Fone: 3101-9658/Site:

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - SUPERFÍCIES - Ano lectivo 2010/2011

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - SUPERFÍCIES - Ano lectivo 2010/2011 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - SUPERFÍCIES - Ano lectivo 2010/2011 Este documento contém um conjunto de exercícios resolvidos sobre o tema das superfícies. Os exercícios foram retirados de provas de frequências

Leia mais

Primeira Lista - lei de Coulomb

Primeira Lista - lei de Coulomb Primeira Lista - lei de Coulomb FGE211 - Física III 1 Sumário A força elétrica que uma carga q 1 exerce sobre uma carga q 2 é dada pela lei de Coulomb: onde q 1 q 2 F 12 = k e r 2 ˆr = 1 q 1 q 2 4πɛ 0

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II Universidade Fernando Pessoa Departamento de Ciência e Tecnologia Apontamentos de ANÁLISE MATEMÁTICA II Maria Alzira Pimenta Dinis 1999 Índice Índice Pág. Capítulo I Funções Vectoriais. 1 Curvas e Movimento

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. alternativa D. alternativa B. alternativa E

TIPO DE PROVA: A. Questão 3. Questão 1. Questão 2. Questão 4. alternativa D. alternativa B. alternativa E Questão TIPO DE PROVA: A Os números compreendidos entre 400 e 500, divisíveis ao mesmo tempo por 8 e 75, têm soma: a) 600 d) 700 b) 50 e) 800 c) 50 Questão Na figura, temos os esboços dos gráficos de f

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo I Aula 05 Prismas Prismas são sólidos geométricos que possuem as seguintes características: bases paralelas são iguais; arestas laterais iguais

Leia mais

4.1 Superfície Cilíndrica

4.1 Superfície Cilíndrica 4.1 Superfície Cilíndrica Uma superfície cilíndrica (ou simplesmente cilindro) é a superfície gerada por uma reta que se move ao longo de uma curva plana, denominada diretriz, paralelamente a uma reta

Leia mais

Cálculo II - Cursão Exercício Extra n = 2 n = 3. Hiperesferas, hipercubos e hiperconfusões

Cálculo II - Cursão Exercício Extra n = 2 n = 3. Hiperesferas, hipercubos e hiperconfusões Cálculo II - Cursão - 9 Exercício Extra n = n = 3 n = 4? Hiperesferas, hipercubos e hiperconfusões Resumo As estranhas relações entre volumes e áreas de hiperesferas em diferentes dimensões é um problema

Leia mais

Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria II O produto escalar na definição de lugares geométricos

Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria II O produto escalar na definição de lugares geométricos Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria II O produto escalar na definição de lugares geométricos º Ano No plano Mediatriz de um segmento de reta [AB] Sendo M o ponto

Leia mais

Matemática. Ficha Extra - Temas do 2º Bim. 3 os anos Walter/Blaidi Nome: Nº: Turma:

Matemática. Ficha Extra - Temas do 2º Bim. 3 os anos Walter/Blaidi Nome: Nº: Turma: Matemática Ficha Extra - Temas do º Bim. 3 os anos Walter/Blaidi 01 Nome: Nº: Turma: 1. (PUCRS) A região plana limitada por uma semicircunferência e seu diâmetro faz uma rotação completa em torno desse

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular

Física. Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular Física Módulo 1 Velocidade Relativa, Movimento de Projéteis, Movimento Circular Velocidade Relativa Um Gedankenexperiment Imagine-se agora em um avião, a 350 km/h. O destino (a direção) é por conta de

Leia mais

Nome: nº Professor(a): UBERLAN / CRISTIANA Série: 3ª EM Turmas: 3301 / 3302 Data: / /2013

Nome: nº Professor(a): UBERLAN / CRISTIANA Série: 3ª EM Turmas: 3301 / 3302 Data: / /2013 Nome: nº Professor(a): UBERLAN / CRISTIANA Série: 3ª EM Turmas: 3301 / 3302 Data: / /2013 Sem limite para crescer Bateria de Exercícios de Matemática II 1) A área do triângulo, cujos vértices são (1, 2),

Leia mais

PUC-RIO CB-CTC. Não é permitido destacar folhas da prova

PUC-RIO CB-CTC. Não é permitido destacar folhas da prova PUC-RIO CB-CTC FIS5 P DE ELETROMAGNETISMO 8.4. segunda-feira Nome : Assinatura: Matrícula: Turma: NÃO SERÃO ACEITAS RESPOSTAS SEM JUSTIFICATIVAS E CÁLCULOS EXPLÍCITOS. Não é permitido destacar folhas da

Leia mais

MAT Poli Cônicas - Parte I

MAT Poli Cônicas - Parte I MAT2454 - Poli - 2011 Cônicas - Parte I Uma equação quadrática em duas variáveis, x e y, é uma equação da forma ax 2 +by 2 +cxy +dx+ey +f = 0, em que pelo menos um doscoeficientes a, b oucénão nulo 1.

Leia mais

Pirâmide, cone e esfera

Pirâmide, cone e esfera A UA UL LA Pirâmide, cone e esfera Introdução Dando continuidade à unidade de Geometria Espacial, nesta aula vamos estudar mais três dos sólidos geométricos: a pirâmide, o cone e a esfera. Nossa aula A

Leia mais

CAPÍTULO 1 Sistemas de Coordenadas Lineares. Valor Absoluto. Desigualdades 1. CAPÍTULO 2 Sistemas de Coordenadas Retangulares 9. CAPÍTULO 3 Retas 18

CAPÍTULO 1 Sistemas de Coordenadas Lineares. Valor Absoluto. Desigualdades 1. CAPÍTULO 2 Sistemas de Coordenadas Retangulares 9. CAPÍTULO 3 Retas 18 Sumário CAPÍTULO 1 Sistemas de Coordenadas Lineares. Valor Absoluto. Desigualdades 1 Sistema de Coordenadas Lineares 1 Intervalos Finitos 3 Intervalos Infinitos 3 Desigualdades 3 CAPÍTULO 2 Sistemas de

Leia mais

FEP-111 Fisica I para Oceanograa. Márcio Katsumi Yamashita. Lista de Exercícios 6 Gravitação

FEP-111 Fisica I para Oceanograa. Márcio Katsumi Yamashita. Lista de Exercícios 6 Gravitação FEP- Fisica I para Oceanograa Márcio Katsumi Yamashita Lista de Exercícios 6 Gravitação . Kepler determinou distâncias no sistema solar, a partir de suas observações. Por exemplo, ele encontrou a distância

Leia mais

Aula 32. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil

Aula 32. Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil Superfícies de Revolução e Outras Aplicações Aula 32 Alexandre Nolasco de Carvalho Universidade de São Paulo São Carlos SP, Brazil 29 de Maio de 2014 Primeiro Semestre de 2014 Turma 2014106 - Engenharia

Leia mais

LISTA 6 DE GEOMETRIA DIFERENCIAL 2008

LISTA 6 DE GEOMETRIA DIFERENCIAL 2008 LISTA 6 DE GEOMETRIA DIFERENCIAL 2008 RICARDO SA EARP (1) Considere a esfera unitária S 2 = {x 2 + y 2 + z 2 = 1} em R 3. (a) Mostre que a projeção estereográfica usual do pólo norte é dada por Π N (x,

Leia mais

OS PRISMAS. 1) Definição e Elementos :

OS PRISMAS. 1) Definição e Elementos : 1 OS PRISMAS 1) Definição e Elementos : Dados dois planos paralelos α e β, um polígono contido em um desses planos e um reta r, que intercepta esses planos, chamamos de PRISMA o conjunto de todos os segmentos

Leia mais

Professor: Pedro Ítallo

Professor: Pedro Ítallo Professor: Pedro Ítallo 01 - (UNIRG TO) O reservatório de água de uma cidade tem formato cilíndrico, com 4 m de altura e 6 m de diâmetro. Para resolver o problema de abastecimento de água decidiram construir

Leia mais

CÁLCULO I Aula 26: Área de Superfície de Revolução e Pressão

CÁLCULO I Aula 26: Área de Superfície de Revolução e Pressão CÁLCULO I Aula 26: Área de e Pressão Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Universidade Federal do Pará 1 Área de 2 Uma superfície de revolução é um superfície gerada pela rotação de uma curva

Leia mais

1. O raio de uma esfera está aumentando a uma taxa de 4 mm/s. Quão rápido o volume da esfera está aumentando quando o diâmetro for 80 mm?

1. O raio de uma esfera está aumentando a uma taxa de 4 mm/s. Quão rápido o volume da esfera está aumentando quando o diâmetro for 80 mm? MAT 001 1 ō Sem. 016 IMC UNIFEI Lista 4: Aplicações da Derivação 1. O raio de uma esfera está aumentando a uma taxa de 4 mm/s. Quão rápido o volume da esfera está aumentando quando o diâmetro for 80 mm?.

Leia mais

6.1 equações canônicas de círculos e esferas

6.1 equações canônicas de círculos e esferas 6 C Í R C U LO S E E S F E R A S 6.1 equações canônicas de círculos e esferas Um círculo é o conjunto de pontos no plano que estão a uma certa distância r de um ponto dado (a, b). Desta forma temos que

Leia mais