O que vemos quando nos miramos em um espelho côncavo?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que vemos quando nos miramos em um espelho côncavo?"

Transcrição

1 O que vems quand ns mirams em um espelh côncav? What d we view lking t urselves in a cncave mirrr? Fernand Lang da Silveira Institut de Física UFRGS Endereç eletrônic: Rland Axt Departament de Física, Estatística e Matemática UNIJUÍ Marcel Antôni Pires Clégi Anchieta Prt Alegre Endereç eletrônic: Resum. É bem cmpreendid em óptica que, para ver nssa face em um espelh, lh deve estar psicinad de tal md que a luz prveniente da face pssa entrar nele após sfrer reflexã. Se psicinams nss rst entre um espelh côncav e seu plan fcal, rst aparece direit e mair d que em um espelh plan. Esta cnstataçã nã cnflita cm cnheciment que tems sbre óptica gemétrica. Mas, que parece cnflitar, é que também pdems ns ver direits e aumentads psicinand-ns entre fc e centr de curvatura d espelh, pis neste cas a imagem cnjugada pel espelh é invertida. N presente artig demnstrams cnclusivamente que, para explicar que de fat vems quand ns mirams num espelh côncav, devems levar em cnsideraçã que a lente d nss lh está interpsta n caminh da luz. Abstract. It is well understd in ptics that a persn can view his image in a mirrr, nly if the eye is lcated s that light rays frm the persn can enter it after reflectin. If we lk t urselves in a cncave mirrr, lcating ur face between the mirrr and the fcal plane, we see ur face erect and greater than we wuld see it in a plane mirrr. But it is smewhat unexpected that we still can see ur face erect and greater, if it is psitined between the fcal pint and the center f curvature, in spite f the fact that the image frm the mirrr is nw inverted. In this article we demnstrate cnclusively that t crrectly explain what we really see when we lk t urselves in a cncave mirrr, we must take int accunt that ur eye s lens is interpsed in the light s path. - Publicad na Revista Brasileira de Ensin de Física, v. 26, n. 1, p (2004). 1

2 I - Intrduçã Uma das utilidades de um espelh côncav é a de aumentar a imagem d nss rst em relaçã à imagem que pderíams bservar em um espelh plan. Quand ns mirams em um espelh côncav, usualmente estams psicinads entre espelh e seu fc 1. Sabems que, estand bjet entre fc e vértice, a imagem cnjugada pr um espelh côncav é virtual, direita e mair d que bjet. Esse cnheciment nã cnflita cm que bservams a ns mirarms em um espelh côncav de banheir u tucadr, pis nesse espelh ns vems aumentads (em relaçã a que veríams em um espelh plan) e na psiçã direita. Imaginems agra que bjet é deslcad em direçã a plan fcal d espelh. Nesse cas sua imagem se afasta cada vez mais d espelh, tendend a infinit (d utr lad d espelh, na regiã virtual). Pr utr lad, quand a psiçã d bjet tende a plan fcal, a razã entre tamanh da imagem virtual pel tamanh d bjet aumenta, tendend a infinit. Se bjet segue afastand-se d espelh e cupa psições cada vez mais distantes d fc, a imagem cnjugada é real e invertida e aprxima-se dele, tendend gradativamente a plan fcal. Percebems entã que, para um bjet que se afasta d espelh, há uma descntinuidade que se dá quand bjet passa pel fc afastand-se d espelh: a imagem que era virtual e direita antes d fc, passa a ser real e invertida depis d fc, puland d infinit virtual (n utr lad d espelh) para infinit real (n lad d espelh em que bjet se encntra). Na equaçã de Gauss para espelh (equaçã 1) pdems facilmente ntar a descntinuidade. 1 f 1 1 = + (1) d d i Quand d (distância d bjet a espelh) é igual a f (distância fcal d espelh), invers de d i (distância da imagem a espelh) é igual a zer. Prtant, a distância da imagem a espelh é indefinida, já que é igual à unidade dividida pr zer. 1 d i 1 1 = 0 f f = di 1 = 0 (indefinid) (2) O bjetiv deste artig é de discutir que vems em um espelh esféric côncav quand nele ns mirams, em especial, que vems quand ns psicinams n plan fcal d espelh, entre fc e centr de curvatura e além d centr de curvatura. Mstrarems também que há sluções inusitadas para certs prblemas u questões bjetivas que se referem a que se vê em espelhs côncavs; tais questões sem aparecer em livrs-text e em prvas de cncurss vestibulares. 1 - É cmum encntrarms espelhs côncavs em banheirs e tucadres, juntamente cm espelh plan. O rai de curvatura desses espelhs é da rdem de metr e, quand fazems us dele, nrmalmente psicinams a um palm d nss rst. Ns labratóris de óptica é mais usual encntrarms espelhs côncavs cm distância fcal pequena, bem menr d que a ds espelhs de banheir. 2

3 A mtivaçã inicial em trn d prblema abrdad neste artig surgiu n Clégi Anchieta, nde s aluns reslveram verificar experimentalmente que haviam aprendid sbre espelhs côncavs. Eles esperavam encntrar uma descntinuidade quand se mirassem n espelh, pstads n seu plan fcal. Surpreendentemente para eles tal nã crreu; viram-se aumentads n espelh (em relaçã a que pdiam ver em um espelh plan). A descntinuidade smente acnteceu quand se afastaram d espelh pr cerca de duas vezes a distância fcal. Até esse pnt, s aluns viam-se aumentads e na psiçã direita; smente além d centr de curvatura d espelh (separad d vértice d espelh pr duas vezes a distância fcal), pdiam ver-se invertids. Aparentemente esses resultads estavam em cntradiçã cm que haviam aprendid tericamente. II - Afinal, que vems? Para verms alg, a imagem cnjugada em nssa retina pel sistema de lentes d nss lh (córnea, humr aqus, cristalin) deve ser real. Desta frma, que vems sã imagens reais em nssa retina. Se esta acaciana afirmaçã nã fr devidamente cnsiderada 2, inevitavelmente encntrarems incnsistências entre que aprendems em óptica gemétrica e que vems 3. Para cmpreender que vems quand ns mirams em um espelh côncav, é necessári que examinems cm sã as imagens em nssa retina quand lh refrata a luz refletida pel espelh. Ou seja, nã pdems limitar a análise d prblema à óptica d espelh; tems que acrescentar a sistema uma lente que represente lh cnjugand imagens sbre a retina. Cmeçarems esta discussã cnstruind graficamente as imagens cnjugadas pel espelh e pela lente d nss lh. As cnstruções gráficas serã realizadas a partir d que crre cm alguns rais principais riunds d bjet e refletids (refratads) pel espelh (pela lente). As trajetórias ds rais principais sã apresentadas tant em texts de nível superir - pr exempl, Nussenzveig (1998) - quant de nível médi - pr exempl, Gaspar (2001) -. Em seguida, abrdarems prblema cm auxíli das equações que relacinam as psições e s tamanhs ds bjets e das imagens em espelhs e lentes. Tais equações também se encntram ns texts já referids. III - Mirand-ns n espelh côncav, psicinads a uma distância menr d que a distância fcal Cmeçams pr cnstruir graficamente que seria a imagem d nss rst (bjet real para espelh côncav). Na figura 1 clcams uma pequena seta sbre eix principal de um espelh côncav, assinaland a psiçã que seria cupada pel nss lh (na funçã de bjet) quand situad de frente para espelh, entre fc d espelh e vértice. Traçand alguns ds 2 - Cm mstrarems mais adiante, a descnsideraçã deste fat pels redatres de questões sbre óptica gemétrica leva a sluções nã imaginadas pr eles. 3 Um exempl é a cntestaçã feita pr um alun sbre fat de que, para um espelh plan, tamanh da imagem é igual à d bjet. O alun cntra-argumentu: Iss nã está cert, pis tamanh da minha imagem n espelh diminui quand dele me afast. Este argument está cnstruíd sbre pressupst de que que vems sã imagens n espelh e nã imagens cnjugadas na retina!! 3

4 rais principais, btems uma imagem virtual, direita e mair d que bjet. Esta situaçã é a que crre cmumente quand utilizams espelh côncav de banheir (lembrems que tais espelhs pssuem rais de curvatura da rdem de metr e que estams psicinads a apenas alguns decímetrs d mesm). Nas nze figuras que se seguem tant rst quant a imagem dele estã representads pr setas. Figura 1 - O espelh cnjuga uma imagem virtual e direita d nss rst. Na figura 2, uma lente cnvergente representand nss lh de frente para espelh, está clcada n mesm lugar que a lente d lh de uma pessa cuparia se ela quisesse se lhar n espelh. A imagem virtual, cnjugada pel espelh, é um bjet real para a lente. A lente cnjuga uma imagem real e invertida; u seja, sbre a retina d nss lh (nã representada na figura) crre uma imagem real e invertida. É imprtante destacar que quand percebems bjets direits tems imagens invertidas na retina. Deixarems para mais adiante a discussã sbre tamanh das imagens. Figura 2 - A lente em nss lh cnjuga uma imagem real e invertida d nss rst na retina. IV Mirand-ns n espelh côncav, psicinads entre fc e centr de curvatura Na figura 3 cnstruíms graficamente a imagem d nss rst, cnjugada pel espelh côncav, quand ns pstams entre fc e centr de curvatura. Obtems entã uma imagem real e invertida (lembrems que tant rst quant sua imagem estã representads pr setas). 4

5 Figura 3 - O espelh cnjuga uma imagem real e invertida d nss rst. A figura 4 representa a lente d lh interceptand s rais luminss, prvenientes de um pnt de nss rst e refletids pel espelh, antes da cnvergência ds mesms. A figura nã mstra desvi que s três rais refletids pel espelh sfrem na lente d lh; as linhas tracejadas da figura indicam quais desses rais, a emergirem da lente, nã cntinuarã na direçã de incidência sbre a lente. Estand a lente d lh na psiçã em que se encntra, a imagem real cnjugada pel espelh é um bjet virtual para lh. Figura 4 - A imagem real cnjugada pel espelh côncav é um bjet virtual para a lente d nss lh. A figura 5 representa traçad ds três rais principais que, incidind na lente d lh, cnvergem e determinam uma imagem real (d bjet virtual indicad na figura 4). Esta imagem d nss rst, cnjugada pela lente d lh, tem a mesma rientaçã d bjet virtual. Assim, tems uma imagem real e invertida d rst na retina d nss lh. 5

6 Figura 5 - A lente d lh cnjuga uma imagem real e invertida d nss rst. Destaque-se que resulta na retina, independentemente de rst situar-se antes u depis d fc (vide figuras 2 e 5), uma imagem invertida d rst (prtant percebems direit). A passarms pel fc, afastand-ns d espelh, nã há descntinuidade para a imagem cnjugada pela lente d nss lh na retina. O que existe é descntinuidade da imagem d nss rst que espelh cnjuga; entretant, a ns mirarms n espelh, essa descntinuidade nunca é ntada. Lembrams nvamente da acaciana afirmativa: que enxergams sã as imagens em nssa retina. Na próxima seçã discutirems que vems se estams pstads n plan fcal d espelh côncav. V - O que vems quand ns pstams n plan fcal d espelh côncav? A figura 6 representa alguns rais refletids quand bjet (nss rst) situa-se n plan fcal d espelh. Os rais refletids, prvenientes de um pnt d rst, sã paralels entre si. Figura 6 - Quand ns psicinams n plan fcal d espelh, s rais refletids pel espelh, prvenientes de um pnt d rst, sã paralels entre si. Já a figura 7 representa a lente d nss lh refratand s rais paralels refletids pel espelh e cnjugand, n plan fcal da lente, uma imagem d nss rst invertida sbre a retina (prtant percebems direit). 6

7 Figura 7 - A lente d nss lh cnjuga uma imagem real, invertida d nss rst na retina. A cnstruçã feita na figura 8 permite cmparar as imagens na retina quand ns mirams n espelh côncav e n espelh plan, à mesma distância de ambs, ist é, a uma distância igual à distância fcal d espelh côncav. Figura 8 - Cmparaçã entre as imagens d nss rst na retina quand ns mirams em um espelh côncav e em um espelh plan, estand afastad de ambs a uma distância igual à distância fcal d espelh côncav. Quand usams espelh côncav, e n mirams psicinads em seu plan fcal, independentemente de qual seja a distância fcal d espelh, terems uma imagem em nssa retina duas vezes mair d que se ns mirássems em um espelh plan à mesma distância. A razã pela qual empregams um espelh côncav para mirar-ns é que cm ele a imagem na retina aumenta em relaçã à imagem na retina diante de um espelh plan. Entretant, há mais uma diferença imprtante entre as duas situações da figura 8. Quand ns mirams n espelh côncav, e estams situads em seu plan fcal, nss lh recebe rais refletids, rigináris de um pnt d rst, paralels entre si (vide figura 6); ist significa que estams lhand para alg n infinit, prtant, sem acmdaçã visual d cristalin. Quand ns mirams n espelh plan, estams lhand para alg próxim (distante d nss lh duas 7

8 vezes a distância que ns afasta d espelh plan) que, prtant, trna necessária uma acmdaçã visual d cristalin 4. VI Mirand-ns n espelh côncav, psicinads além d centr de curvatura Na figura 9 cnstruíms graficamente a imagem d nss rst, cnjugada pel espelh côncav, estand rst pstad além d centr de curvatura (nesse cas afastament entre rst e espelh é mair d que dbr da distância fcal). Obtems entã uma imagem real e invertida d nss rst. Figura 9 - O espelh cnjuga uma imagem real e invertida d nss rst. A imagem real cnjugada pel espelh é um bjet real para a lente d nss lh. Figura 10 - A lente d nss lh cnjuga uma imagem real e direita d nss rst. A figura 10 representa a imagem cnjugada pela lente d nss lh. Esta imagem é real e está invertida em relaçã a bjet. Assim, tems uma imagem real e direita d nss rst na retina, que faz cm que percebams invertid. Nas análises anterires demnstrams que entre vértice d espelh e seu centr de curvatura ns percebíams direits (prque tínhams uma imagem invertida na retina), Há, pis, uma descntinuidade a passarms pel centr de 4 - Quand s rais de luz que lh recebe de cada um ds pnts d bjet nã sã paralels entre si, só haverá uma imagem nítida na retina, se crrer a acmdaçã visual. Em tal situaçã, a distância fcal da lente d lh é diferente da distância que a separa da retina. Na figura 8 estã representads s fcs da lente - F - e d espelh côncav - F. Essa figura mstra que, quand ns mirams n espelh plan, a distância fcal da lente d nss lh é menr d que a distância entre a lente e a retina, que indica acmdaçã visual. 8

9 curvatura (a rientaçã da imagem na retina inverte a passarms pel centr de curvatura), mas nã há descntinuidade a passarms pel fc. VII - Cmparaçã entre que vems em um espelh côncav e em um espelh plan A seguir analisarems as imagens que tems na retina quand ns mirams em um espelh côncav e em um espelh plan, igualmente afastads de ambs. O bjetiv precípu desta seçã é bter a razã entre s tamanhs das imagens na retina quand ns lhams ns dis espelhs. Cmeçams pel espelh côncav. A figura 11 representa uma das situações anterirmente discutidas. Sejam d e d i as distâncias que separam espelh d bjet (nss rst) e da imagem cnjugada pel espelh, respectivamente. A distância fcal d espelh é f. Figura 11 - Distâncias e tamanhs ds bjets e imagens cnjugadas pel espelh e pela lente d nss lh. Da equaçã de Gauss para espelh (equaçã (1)), btém-se facilmente f d di = (3) d f Pr utr lad, sabe-se que a razã entre s tamanhs H d bjet (nss rst) e H da imagem é H = H d d i (4) 9

10 Substituind (3) em (4), btém-se f H = H (5) d f A imagem d nss rst, cnjugada pel espelh, é um bjet para a lente d nss lh. Cnfrme a figura 11, a distância (D ) que separa esse bjet (imagem d rst cnjugada pel espelh) da lente é D = d d (6) i É imprtante destacar que a equaçã (6) é válida em qualquer uma das situações discutidas anterirmente e nã apenas na que fi expsta na figura 8 (lembrems que d i resulta negativ quand a imagem cnjugada pel espelh é virtual). Substituind-se (3) em (6), btém-se D = d f d 2 f = 1 d d f d f (7) Para que tenhams uma imagem real nítida na retina 5, a distância entre a lente d nss lh e a imagem d nss rst, cnjugada pela lente, é sempre L (distância da lente d nss lh à retina, que é cnstante e da rdem de dis cm). Para a lente d nss lh a razã entre tamanh d bjet (H ) e tamanh da imagem na retina (h) é H D = h L (8) Substituind-se (5) e (7) em (8), btém-se h = d f ( 2 f d ) H L (9) Se, a invés de ns mirarms em um espelh côncav, utilizássems um espelh plan, situad à mesma distância (d ) de nós que espelh côncav, a imagem que espelh plan cnjuga estaria a uma distância D = 2d da lente d nss lh. Essa imagem teria mesm tamanh d bjet (H = H) e é um bjet real para a lente d nss lh. O tamanh da imagem que entã teríams na retina (h ) é dad pr 5 - O cristalin nem sempre cnsegue prduzir um sistema ótic cm distância fcal necessária à cnjugaçã de uma imagem nítida na retina. Pr exempl, para a mairia das pessas nã existe acmdaçã visual se bjet real estiver a mens de 25 cm d lh (distância mínima de visã distinta). Neste trabalh pressupms que a acmdaçã visual sempre crra. 10

11 H D = = h L 2 d L (10) Dnde se btém 1 h = H L (11) 2d Para cmparar que vems a ns mirarms ns dis espelhs, calcularems a razã (Κ) entre s tamanhs h e h das imagens na retina para espelh côncav e para espelh plan, dadas pr (9) e (11) respectivamente. Desta frma escrevems f H L h d ( 2 f d ) Κ = = (12) h 1 H L 2d Κ = h = h 2 f 2 f d (13) A figura 12 é gráfic da razã Κ em funçã da distância que ns afasta ds espelhs em que ns mirams. Figura 12 - Razã entre s tamanhs das imagens na retina em funçã da distância que ns afasta ds espelhs. A razã Κ resulta ser igual a 2 quand ns pstams frente as dis espelhs a uma distância (d ) que é igual à distância fcal d espelh côncav (já btivems este resultad da análise gráfica na figura 8). Existe evidentemente uma descntinuidade para uma distância (d ) igual a duas vezes a distância fcal (centr de curvatura d espelh). Além d centr de 11

12 curvatura, a razã Κ é negativa, significand que as imagens d nss rst na retina têm rientações diferentes de um para utr espelh. Ist é, antes d centr de curvatura perceberems nss rst direit em ambs s espelhs e, além d centr de curvatura, perceberems nss rst invertid n espelh côncav e direit n espelh plan (este resultad é cnsistente cm a análise gráfica). VIII - Ftgrafand que vems em um espelh côncav e em um espelh plan Para demnstrar empiricamente algumas das cnclusões que btivems nas seções precedentes, apresentarems algumas ftgrafias. A máquina ftgráfica simula nss lh, pis tal cm ele, a máquina pssui um sistema de lentes cnvergentes para cnjugar imagens reais. Nss lh cnjuga as imagens sbre a retina; a máquina as cnjuga sbre filme ftgráfic 6. Figura 13 - Ftgrafia mstrand a bjetiva da máquina ftgráfica lcalizada n plan fcal d espelh côncav. O espelh está cntid na mldura que na ft aparece puc nítida. 6 Uma imprtante diferença entre a máquina ftgráfica e lh human está na frma de se cnseguir imagens nítidas n filme e na retina. A distância entre a lente d nss lh e a retina é fixa, enquant que na máquina ftgráfica é variável. A prcura de nitidez na retina se faz pr variaçã da distância fcal d cristalin (vide ntas 4 e 5), enquant na máquina ftgráfica se faz pr variaçã da distância entre a lente e filme. Existem animais que pssuem a lente d lh cm distância fcal fixa, e sã capazes de variar a distância que a separa da retina para nela cnjugar imagens nítidas. N rein animal há mais de quarenta tips diferentes de lh!! (Dawkins, 1998) 12

13 Na figura 13 ftgrafams a bjetiva da máquina ftgráfica pstand-a n plan fcal de um espelh côncav. Ist é equivalente a ns mirarms n espelh côncav, situand-ns n seu plan fcal. A distância fcal d espelh é 18 cm e, prtant, ele se encntra bem próxim da máquina; a brda e suprte d espelh nã sã nítids, pis estã a aprximadamente 18 cm da bjetiva da máquina. A imagem da bjetiva, n interir da mldura d espelh, está n infinit (a imagem cnjugada pel espelh, para um bjet psicinad n seu plan fcal, é virtual e situa-se n infinit, cnfrme a figura 6); u seja, a máquina estava calibrada para captar cm nitidez imagens de bjets muit distantes (pr ist a brda e suprte, que estã próxims, aparecem puc nítids). A prva empírica de que a máquina ftgráfica fcaliza bjets n infinit (cm a distância fcal da bjetiva da máquina é de 35 mm, bjets distantes alguns metrs já se situam para fins prátics n infinit) é que aparece nitidamente a faixa escrita OPTIKÉ, nss labratrista Ricard F. Sever e restante da paisagem (Ricard encntra-se a mais de 5 m da máquina). A figura 14 apresenta uma ft btida nas mesmas cndições da ft mstrada na figura 13, excet pel fat de que espelh agra é plan. Nte-se que neste cas nã é pssível discernir cm nitidez a bjetiva da máquina, pis ela está ajustada para ftgrafar bjets muit distantes, cm a faixa, a pessa e restante da paisagem (n espelh aparece nitidamente uma cluna distante, atrás d ftógraf). Figura 14 - Ftgrafia mstrand a bjetiva da máquina ftgráfica lcalizada em frente a um espelh plan. 13

14 A ftgrafia da figura 15 fi btida situand a bjetiva da máquina ftgráfica n plan fcal d espelh côncav. A lad d espelh côncav, apenas um puc mais atrás, está espelh plan. Esta ft permite cmparar que se vê ns dis espelhs. De acrd cm que fi demnstrad nas seções anterires, s tamanhs das imagens ns dis espelhs está na razã de um para dis. Percebe-se que smente crre imagem nítida em um ds dis espelhs: quand se fcaliza a máquina para bjets n infinit, a imagem é nítida n espelh côncav. Já quand se fcaliza a máquina para bjets situads a cerca de duas vezes a distância que separa a bjetiva da máquina d espelh plan, btém-se nitidez n espelh plan, pis ele cnjuga uma imagem virtual, à mesma distância d plan d espelh em que bjet se encntra. Figura 15 - Cmparaçã d que se vê em um espelh plan cm que se vê em um espelh côncav, psicinand a bjetiva da máquina ftgráfica n plan fcal d espelh côncav. 14

15 IX - Cnclusã Para entender aquil que vems em um sistema óptic, devems incluir lh nesse sistema. Demnstrams neste trabalh que analisar que se enxerga em espelhs, lentes, etc, é mais cmplex d que analisar as imagens cnjugadas pr tais sistemas sem levar em cnta lh. Nssa análise prva que, a ns mirarms n espelh côncav, psicinads n seu plan fcal, apesar de crrer uma descntinuidade da imagem de nss rst cnjugada pel espelh - vide a equaçã (3) cm d igual a f -, a descntinuidade nã acntece em nssa retina 7. Este fat reiteradamente tem sid ignrad pr idealizadres de prblemas e questões que se referem a que se vê em espelhs e lentes. Exemplificams cm a questã abaix, que segund Carn e Guimarães (2002), cnstu de uma prva d cncurs vestibular da UFSC. Uma pessa, a 40 cm de um espelh côncav, se vê (grif nss) três vezes mair e cm imagem direita. A distância fcal d espelh é: a) 120 cm b) 60 cm c) 30 cm d) 60 cm e) 13,3 cm Uma pessa que se vê direita, tem uma imagem na retina invertida. Cm demnstrams anterirmente, ist acntece quand a pessa se psicina entre centr de curvatura d espelh e própri espelh e nã apenas - cm presumivelmente imaginaram s idealizadres da questã - entre fc d espelh e espelh. Assim send, a questã tem duas respstas crretas: 60 cm (respsta dada cm crreta n gabarit d cncurs vestibular) e 30 cm. Agradeciment. Agradecems à Prf a Maria Cristina Varriale pela leitura crítica deste artig e pelas sugestões apresentadas. Bibligrafia Carn, W. e Guimarães, O. As faces da Física. Sã Paul: Mderna Dawkins, R. A escalada d mnte imprvável. Sã Paul: Cmpanhia das Letras. Gaspar, A. Física 2. Sã Paul: Ed. Ática, Nussenzveig, H. M. Curs de Física Básica. Sã Paul: Ed. Edgard Blücher, Quand utilizams uma lente cnvergente cm lupa, também crre uma descntinuidade na imagem cnjugada pela lente, para um bjet n plan fcal. Entretant nã crre descntinuidade da imagem na retina d usuári da lupa (qualquer pessa que dispnha de uma lupa pde submeter esta afirmaçã a teste empíric). A clcarms bjet n plan fcal da lupa, a luz prveniente d bjet, refratada pela lente, atinge lh cm rais paralels (u levemente divergentes u levemente cnvergentes se bjet estiver um puc antes u um puc depis d plan fcal), permitind que tenhams uma imagem na retina sem acmdaçã visual d cristalin. Descnhecems a existência de algum text de ensin médi u ensin superir que trate da lupa, analisand que vems através dela quand bjet está lcalizad além d fc da lupa. 15

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

o que se entende por lente.

o que se entende por lente. 1062.0041 As lentes esféricas e suas principais características. 1. Habilidades e cmpetências. 3. Mntagem. B ::; A términ desta atividade alun deverá ter Cas necessári cnsulte a instruçã ]992.021. cmpetência

Leia mais

Uma dificuldade recorrente em Óptica Geométrica Uma imperceptível descontinuidade de imagem na lupa

Uma dificuldade recorrente em Óptica Geométrica Uma imperceptível descontinuidade de imagem na lupa Uma dificuldade recorrente em Óptica Geométrica Uma imperceptível descontinuidade de imagem na lupa A recurrent problem in Geometrical Optics A not perceived image discontinuity at the magnifying glass

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

CAPÍTULO 3. por cento das pessoas são. tenta destras e só trinta por cento são

CAPÍTULO 3. por cento das pessoas são. tenta destras e só trinta por cento são '. CPÍTULO 3 PERSPECTV LNER d. l (-' \. ;' 1- '. ) f-. t - r L- --;;._-.L u f. O DESENHO SMÓLCO DESENHO CONCRETO (COM PERSPECTV) perspectiva linear é um artifíci que permite a desenhista criar uma ilusã

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente,

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente, Questã 46 Um pequen crp é abandnad d repus, n pnt, situad a uma altura h, e atinge sl cm uma velcidade de módul v. Em seguida, mesm crp é disparad verticalmente para cima, a lng da mesma trajetória descrita

Leia mais

SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES. Matrizes e Determinantes

SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES. Matrizes e Determinantes SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES Matrizes e Determinantes Depis de estudad uma matéria em matemática é imprtante que vcê reslva um númer significativ de questões para fiaçã de cnteúd.

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃ INTRDUÇÃ Ótica Lentes Esféricos DEFIJI Semestre204-2 Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças das estruturas atômicas das duas

Leia mais

são as áreas dos retângulos brancos, Após o 5º. giro: 5

são as áreas dos retângulos brancos, Após o 5º. giro: 5 Sluçã da prva da 1ª Fase SOLUÇÕES 1ª FSE 2016 OMEP N2 2016 Nível 2 1 1 1 Cada faia da bandeira tem área igual a 300 cm 2. s partes brancas da faia superir têm, prtant, área igual a 150 cm 2. parte branca

Leia mais

Capacitância e Capacitores

Capacitância e Capacitores Nessa prática, farems um estud sbre capacitres. erá intrduzid cnceit de capacitância e estudarems as leis de carga e descarga de capacitres, bem cm as regras de assciaçã desses elements de circuit. empre

Leia mais

Introdução. Aula 3: Movimento Anual do Sol e Estações do Ano.

Introdução. Aula 3: Movimento Anual do Sol e Estações do Ano. Aula 3: Mviment Anual d Sl e Estações d An. Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Suza Oliveira Filh &Alexei Machad Müller O espetácul d pr d sl n Guaíba, em Prt Alegre. Intrduçã Prezad alun, Observar

Leia mais

Sistemas óticos com dois espelhos

Sistemas óticos com dois espelhos Revista Brasileira de Ensin de Física, v. 34, n. 3, 3307 (0) www.sbisica.rg.br Sistemas ótics cm dis espelhs (Optical systems with tw mirrrs) M.F. Ferreira da Silva Departament de Física, Universidade

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA A área de um triângul é dada

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA. raio de luz

ÓPTICA GEOMÉTRICA. raio de luz L légi stadual Luiz ianna ísica 2 drian d alle ág. 1 ÓTI GMÉTRI Óptica Gemétrica é estud ds princípis fundamentais e cnsiderações gemétricas da luz, sem necessidade d cnheciment prévi das terias que explicam

Leia mais

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!!

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! CADERNO CATARINENSE DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1(): 15-156, 1995. CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1 Ed. Especial: 64-68, 004. Fernand ang da Silveira Institut

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta Instruções: Indique claramente as respstas ds itens de cada questã, frnecend as unidades, cas existam Apresente de frma clara e rdenada s passs utilizads na resluçã das questões Expressões incmpreensíveis,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

Estou com febre? Triiiimmm!! Toca o despertador, é hora de. acordar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa.

Estou com febre? Triiiimmm!! Toca o despertador, é hora de. acordar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa. Estu cm febre? Triiiimmm!! Tca despertadr, é hra de acrdar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa. - Vams, Gaspar, que já está na hra! Vcê vai se atrasar! Gaspar se mve na cama, afundand

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA APOSTILA ELÉTRIA PARA AULA 11 MÓDULO - 1 ORRENTE ONTÍNUA E ALTERNADA Induçã Eletrmagnética Geraçã de crrente cntínua e alternada Frmas de nda - icl - Períd - Frequência lts de pic e pic-a-pic Tensã eficaz

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

Capítulo. Lentes esféricas delgadas. Resoluções dos exercícios propostos

Capítulo. Lentes esféricas delgadas. Resoluções dos exercícios propostos Caítul 4 s undaments da ísca Exercícs rsts Undade E Caítul 4 Lentes esércas delgadas Lentes esércas delgadas esluções ds exercícs rsts P.33 trajet esquematzad basea-se n at de ar ser mens rerngente que

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. b) A energia cinética (E c ) do meteoro é dada por:

Física FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. b) A energia cinética (E c ) do meteoro é dada por: Física QUSTÃO 1 Uma das hipóteses para explicar a extinçã ds dinssaurs, crrida há cerca de 6 milhões de ans, fi a clisã de um grande meter cm a Terra. stimativas indicam que meter tinha massa igual a 1

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 2 TRIGONOMETRIA ESFÉRICA E POSIÇÃO DO SOL Definições gerais. Triângul de Psiçã. Relações entre distância zenital ( Z ), azimute ( A ), ângul hrári ( H ), declinaçã (δ ). Efeit da precessã ds equinócis

Leia mais

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS CAPÍTULO 0 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS TRANSLAÇÃO DE EIXOS NO R Sejam O e O s eis primitivs, d Sistema Cartesian de Eis Crdenads cm rigem O(0,0). Sejam O e O s nvs eis crdenads cm rigem O (h,k), depis

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes Cnstruíd dretamente a partr ds póls e zers da funçã de transferênca de malha aberta H(. Os póls de malha fechada sã sluçã da equaçã + H( = 0, u: arg( H( ) = ± 80 (k+), k = 0,,,... H( = Para cada pnt s

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questã Se Amélia der R$,00 a Lúcia, entã ambas ficarã cm a mesma quantia. Se Maria der um terç d que tem a Lúcia, entã esta ficará cm R$ 6,00 a mais d que Amélia. Se Amélia perder a metade d que tem, ficará

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

QUARTA EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES DE QUARTO DE ONDA EWALDO ÉDER CARVALHO SANTANA JÚNIOR EE06115-67 TURMA2

QUARTA EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES DE QUARTO DE ONDA EWALDO ÉDER CARVALHO SANTANA JÚNIOR EE06115-67 TURMA2 UNIVERSIDADE FEDERA DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOOGIA DEPARTAMENTE DE ENGENHARIA DA EETRICIDADE ABORATÓRIO DE ONDAS EETROMAGNÉTICAS QUARTA EXPERIÊNCIA DO ABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex,

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015

Óptica do Olho Humano. Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano Equipe de Física UP 2015 Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Óptica do Olho Humano imagens extraídas de hob.med.br Objeto muito distante Objeto muito distante Objeto

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL 1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL A 1 Crrida Nturna Unimed Cascavel é uma nva prpsta de lazer, diversã, prmçã da saúde e da qualidade de vida ds mradres de Cascavel e Regiã. O event é cmpst pr crrida,

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

A Aventura da Consciência Satprem 1. Sri Aurobindo

A Aventura da Consciência Satprem 1. Sri Aurobindo A Aventura da Cnsciência Satprem 1 Sri Aurbind u a Aventura da Cnsciência Satprem 1- Um Ocidental Talents Reintegrar Espírit n Hmem e na Matéria: "Os céus além sã grandes e maravilhss, mas maires e ainda

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais

Volume II Isolamento Térmico

Volume II Isolamento Térmico INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR TRANSFERÊNCIA DE CALOR (TCL) Vlume II Islament Térmic Curs Técnic Módul 2 Prf. Carls Babaid Net,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 2.0) A - Intrduçã Neste an, sua nta fi inferir a 60 pnts e vcê nã assimilu s cnteúds

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Lista de Exercícios Funções

Lista de Exercícios Funções PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Matemática Departament de Matemática Cálcul Dierencial e Integral I Lista de Eercícis Funções ) O gráic abai epressa a temperatura em

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA II Giânia - 2013 1 REVISÃO DE PRODUTO ESCALAR Antes

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS)

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS) ISCTE SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO An Lectiv 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II (Interpretaçã de Outputs de SPSS) Interval de Cnfiança para a Média Ppulacinal Ensai de Hipóteses para a Média

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

Vantagens do Sistema Trifásico

Vantagens do Sistema Trifásico Vantagens d Sistema Trifásic Original: 6-06-03 Hmer Sette Revisã: 30-06-03 Agra que sistema trifásic chegu as amplificadres, cm advent d TRI 6000 S da Etelj, interesse pel assunt na cmunidade de áudi aumentu

Leia mais

Índice de Refração. c v. n =

Índice de Refração. c v. n = Refração da Luz O que é Refração? É um fenômeno que ocorre quando a luz passa através da interface que separa dois meios, ocasionando uma mudança na direção de propagação. A refração é decorrente de uma

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES FÍSICA Prof. Bruno Roberto LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES 1. (Unicamp 2013) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

MOBILIZANDO OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA O PENSAMENTO ESTOCÁSTICO

MOBILIZANDO OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA O PENSAMENTO ESTOCÁSTICO MOBILIZANDO OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL PARA O PENSAMENTO ESTOCÁSTICO EMIDIO HENRIQUE DE TOLEDO NETO (UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO), PAULO CÉSAR DA PENHA (PREFEITURA MUNICIPAL DE ITATIBA). Resum A inserçã

Leia mais

Questão 13. Questão 14. Resposta

Questão 13. Questão 14. Resposta Questã Uma empresa imprime cerca de.000 páginas de relatóris pr mês, usand uma impressra jat de tinta clrida. Excluind a amrtizaçã d valr da impressra, cust de impressã depende d preç d papel e ds cartuchs

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa E. alternativa D. alternativa E

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa E. alternativa D. alternativa E NOTAÇÕES C é cnjunt ds númers cmplexs. R é cnjunt ds númers reais. N {,,,...}. i denta a unidade imaginária, u seja, i. z é cnjugad d númer cmplex z. Se X é um cnjunt, P(X) denta cnjunt de tds s subcnjunts

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura CAPÍTULO ETFCADOES A DODO.1 ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistiva Pura A estrutura d retificadr mnfásic de meia nda alimentand uma carga resistiva está representada na figura.1. v D D

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

Instrumentos Ópticos

Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. A lente equivalente à associação de duas lentes justapostas, apresenta vergência dada por: C res = C 1

Leia mais

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente Sistema de Cmercializaçã de Radifármacs - Manual d Cliente O IEN está dispnibilizand para s seus clientes um nv sistema para a slicitaçã ds radifármacs. Este nv sistema permitirá a cliente nã só fazer

Leia mais

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA CMJF DISCIPLINA: Física 2 a Série Ensino Médio / 2007 Professor: Dr. Carlos Alessandro A. da Silva Notas de Aula: Instrumentos Ópticos e Óptica da Visão INSTRUMENTOS ÓPTICOS

Leia mais

Conjugando Imagens em Espelhos Esféricos

Conjugando Imagens em Espelhos Esféricos onjugando magens em Espelhos Esféricos Daniel Schulz Licenciado em ísica pelo UNLASALLE Mestrando em ísica pela URGS www.if.ufrgs.br/~dschulz Prof. olégio Espírito Santo/anoas-RS Espelhos esféricos são

Leia mais

Guia de Bem-Estar Gestão do peso

Guia de Bem-Estar Gestão do peso Guia de Bem-Estar Gestã d pes Cm este guia pde beneficiar a sua vida Benefícis psitivs: Melhr saúde geral Mais energia Melhria da imagem crpral e da aut-estima Melhria da dispsiçã Melhria d rendiment físic

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais