Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta"

Transcrição

1 Questã 1 OtransprtedecargaaprtdeSantséfeit pr mei de rdvias, ferrvias e dutvias. A tabela abaix frnece alguns dads relativs a transprte a prt n primeir semestre de 007 e n primeir semestre de 008, indicand claramente aument da participaçã percentual d transprte ferrviári nesse períd. Cm base ns dads da tabela, respnda às questões abaix. Mei de transprte Participaçã n ttal transprtad a prt Carga transprtada (em milões de tneladas) Ferrviári 18 % 4 % 6,8 8,8 Rdviári 77 % 9,1 Dutviári a) Determine a carga ttal (em milões de tneladas) transprtada a prt n primeir semestre de 007. Calcule também quantas tneladas fram transprtadas pr duts n primeir semestre de 007. b) Sabend que, n primeir semestre de 008, fram transprtadas pr rdvias,7 milões de tneladas a mens d que valr registrad pel mesm mei de transprte n primeir semestre de 007, calcule a participaçã percentual d transprte rdviári n primeir semestre de 008. a) Send 6,8 milões de tneladas a carga transprtada pr ferrvias n primeir semestre de 007, que equivalem a 18% da carga ttal T 6,8 transprtada n mesm períd, T 0,18 37,8 milões de tneladas. N primeir semestre de 007, fram transprtads, pr duts, aprximadamente, 37,8 6,8 9,1 1,9 milã de tneladas. b) Send que as 8,8 milões de tneladas transprtadas pr ferrvias n primeir semestre de 008 representam 4% da carga ttal transprtada n mesm períd, a participaçã percentual d transprte rdviári n mesm períd é 4% (9,1,7) 7%. 8,8 Questã Uma lâmpada incandescente de 100 W custa R$,00. Já uma lâmpada flurescente de 4 W, que é capaz de iluminar tã bem quant a lâmpada incandescente de 100 W, custa R$ 13,40. Respnda às questões abaix, lembrand que, em uma ra, uma lâmpada de 100 W cnsme uma quantidade de energia equivalente a 100 W, u 0,1 kw. Em seus cálculs, cnsidere que 1 kw de energia custa R$ 0,50. a) Levand em cnta apenas cnsum de energia, u seja, desprezand cust de aquisiçã da lâmpada, determine quant custa manter uma lâmpada incandescente de 100 W acesa pr 750 ras. Faça mesm cálcul para uma lâmpada flurescente de 4 W. b) Para iluminar tda a sua casa, Jã cmpru e instalu apenas lâmpadas flurescentes de 4 W. Fernand, pr sua vez, cmpru e instalu smente lâmpadas incandescentes de 100 W para iluminar sua casa. Cnsiderand cust de cmpra de cada lâmpada e seu cnsum de energia, determine em quants dias Fernand terá gast mais cm iluminaçã que Jã. Supna que cada lâmpada fica acesa 3 ras pr dia. Supna, também, que as casas pssuem mesm númer de lâmpadas. Desprezand cust de aquisiçã da lâmpada, s custs para manter cada lâmpada acesa pr uma R$ 0,50 ra sã 0,1 kw R$ 0,05 para a lâmpada incandescente e, send 4 W 0,04 kw, 1kW R$ 0,50 0,04 kw R$ 0,01 para a lâmpada 1kW flurescente.

2 matemática a) Para manter cada lâmpada acesa pr 750 ras, s custs sã 750 0,05 37,50 reais para a lâmpada incandescente e 750 0,01 9,00 reais para a lâmpada flurescente. b) Cnsiderand cust de cmpra de cada lâmpada, gast em reais pr lâmpada em x dias é, para Jã, 13, ,01x e, para Fernand,, ,05x. Cm, ,05x > 13, ,01x 0,114x > 11,40 x > 100, Fernand cmeçará a ter mais gast cm iluminaçã d que Jã a partir d 101º dia. Questã 3 Em uma bandeja retangular, uma pessa dispôs brigadeirs frmand n clunas, cada qual cm m brigadeirs, cm mstra a figura abaix. Os brigadeirs fram dividids em dis grups. Os que estavam mais próxims das brdas da bandeja fram psts em frminas azuis, enquant s brigadeirs d interir da bandeja fram psts em frminas vermelas. a) O númer de frminas vermelas é (n )(m ). Cm númer ttal de frminas é mn e as vermelas sã metade dessa quantidade, mn (n )(m ). D enunciad m 3 4 n, assim a equaçã anterir é equivalente a 3 8 n 3 (n ) 4 n 4 3n 8n n 8 u n. 3 Prtant n 8, m e ttal de brigadeirs é b) Cada brigadeir é uma esfera de rai 1 cm. Seu vlume é dad pr 4 3 4π cm 3 π. O vlume ttal de massa de brigadeir necessária é π 1 600π 3 1,6π cm ,6π 1,6 3,3 Cm 3 < π < 3,3, entã1,6 < < 3 3 1,76 e precisa-se de latas. Questã 4 a) Sabend que m 3n/4 e que a pessa gastu mesm númer de frminas vermelas e azuis, determine númer de brigadeirs da bandeja. b) Se a pessa cmpra a massa d brigadeir já prnta, em latas de 1 litr, e se cada brigadeir, antes de receber cclate granulad que cbre, tem frmat de uma esfera de cm de diâmetr, quantas latas ela tem que cmprar para prduzir 400 brigadeirs? (Dica: lembre-se de que 1 litr crrespnde a 1000 cm 3.) Três candidats A, B e C cncrrem à presidência de um clube. Uma pesquisa apntu que, ds sócis entrevistads, 150 nã pretendem vtar. Dentre s entrevistads que estã dispstsaparticipardaeleiçã,40sócisvtariam apenas n candidat A, 70 vtariam apenas em B, e 100 vtariam apenas n candidat C. Além diss, 190 disseram que nã vtariam em A, 110 disseram que nã vtariam em C, e 10 sócis estã na dúvida e pdem vtar tant em A cm em C, mas nã em B. Finalmente, a pesquisa revelu que 10 entrevistads vtariam em qualquer candidat. Cm base nesses dads, pergunta-se: a) Quants sócis entrevistads estã em dúvida entre vtar em B u em C, mas nã vtariam em A? Dentre s sócis cnsultads que pretendem participar da eleiçã, quants nã vtariam em B? b) Quants sócis participaram da pesquisa? Supna que a pesquisa represente fielmente as intenções de vt de tds s sócis d clube. Esclend um sóci a acas, qual a prbabilidade de que ele vá participar da eleiçã

3 matemática 3 mas ainda nã tena se decidid pr um únic candidat? (Sugestã: utilize diagrama de Venn frnecid abaix) De acrd cm s dads d enunciad, cnsidere seguinte Diagrama de Venn: ecnômic. A lcadra Saturn cbra uma taxa fixa de R$ 30,00, além de R$ 0,40 pr quilômetr rdad. Já a lcadra Mercúri tem um plan mais elabrad: ela cbra uma taxa fixa de R$ 90,00 cm uma franquia de 00 km, u seja, cliente pde percrrer 00 km sem custs adicinais. Entretant, para cada km rdad além ds 00 km incluíds na franquia, cliente deve pagar R$ 0,60. a) Para cada lcadra, represente n gráfic abaix a funçã que descreve cust diári de lcaçã em terms da distância percrrida n dia. b) Determine para quais intervals cada lcadra tem plan mais barat. Supnd que a lcadra Saturn vá manter inalterada a sua taxa fixa, indique qual deve ser seu nv cust pr km rdad para que ela, lucrand máxim pssível, tena plan mais vantajs para clientes que rdam quaisquer distâncias. a) Os sócis que estã em dúvida entre vtar em B u C, mas nã em A, crrespndem a cnjunt (B C) A, que pssui 0 sócis. Já s sócis que pretendem vtar, mas que nã vtariam em B, crrespndem a cnjunt (A C) B, que pssui sócis. b) O ttal de entrevistads é sócis. Cm sócis nã decidiram pr um únic candidat, a prbabilidade prcurada é 40 10%. 400 Questã 5 Duas lcadras de autmóveis ferecem plansdiferentesparaadiáriadeumveícul a) A lcadra Saturn cbra uma taxa fixa de R$ 30,00 mais R$ 0,40 pr quilômetr rdad. Assim, cust de x quilômetrs, em reais, é f(x) ,4x,x> 0. A lcadra Mercúri cbra R$ 90,00 para distâncias menres u iguais a 00 km e R$ 0,60 para cada quilômetr acima da franquia. Entã cust de x quilômetrs, em reais, é: 90, se 0 < x 00 g(x) ,6(x 00), se x > 00 Pdems, entã, fazer gráfic:

4 matemática 4 Questã 6 b) Os gráfics de f e g se interceptam duas vezes, uma para 0 x 00 e utra para x > 00. Assim: f(x) g(x) (0 < x 00 e ,4x 90) u (x > 00 e ,4x ,6(x 00)) x 150 u x 300 Para cada valr de x, a lcadra que ferece plan mais barat é aquela cuj gráfic está abaix d gráfic da utra lcadra. Assim, a lcadra Saturn é mais vantajsa para 0 < x < 150 u x > 300, e a lcadra Mercúri é mais vantajsa para 150 < x < 300.Parax 150 u x 300,s dis custs sã iguais. O preç pr quilômetr da lcadra Saturn é igual a ceficiente angular de seu gráfic. Para que preç cbrad pela Saturn seja menr u igual a preç cbrad pela Mercúri, tal reta deve estar abaix d gráfic da lcadra Mercúri. O lucr da lcadra Saturn é máxim quand a reta passa também pr (00; 90); nesse cas, preç pr quilômetr rdad é 0,30 real Um casal cnvidu seis amigs para assistirem a uma peça teatral. Cegand a teatr, descbriram que, em cada fila da sala, as pltrnas eram numeradas em rdem crescente. Assim, pr exempl, a pltrna 1 de uma fila era sucedida pela pltrna da mesma fila, que, pr sua vez, era sucedida pela pltrna 3, e assim pr diante. a) Supna que as it pessas receberam ingresss cm numeraçã cnsecutiva de uma mesma fila e que s ingresss fram distribuíds entre elas de frma aleatória. Qual a prbabilidade de casal ter recebid ingresss de pltrnas vizinas? b) Supna que a primeira fila d teatr tena 8 cadeiras, a segunda fila tena cadeiras a mais que a primeira, a terceira fila tena cadeiras a mais que a segunda e assim sucessivamente até a última fila. Determine númer de cadeiras da sala em funçã de n, númerdefilasqueasalacntém.emseguida, cnsiderand que a sala tem 144 cadeiras, calcule valr de n. a) Vams cntar a quantidade de maneiras de casal ter recebid ingresss de pltrnas vizinas. Nesse cas, cnsiderams casal cm um blc. Cm casal pde se permutar dentr d blc de! maneiras e blc e as demais 6 pessas pdem se permutar de 7! maneiras, tal quantidade é! 7!. Send ttal de maneiras de distribuir s ingresss entre as 8 pessas igual a 8!, a prbabilidade! 7!! 7! 1 pedida é. 8! 8 7! 4 b) As quantidades de cadeiras nas filas frmam uma prgressã aritmética de primeir term 8 e razã. Assim, n-ésim term dessa prgressã é 8 + (n 1) n + 6, e a quantidade de (8 + (n + 6))n cadeiras da sala é n(n + 7). Cnsiderand que a quantidade de cadeiras é 144, n(n + 7) 144 n 9. Questã 7 O sistema de ar cndicinad de um ônibus quebru durante uma viagem. A funçã que descreve a temperatura (em graus Celsius) n interir d ônibus em funçã de t, temp

5 matemática 5 transcrrid, em ras, desde a quebra d ar cndicinad, é Tt () ( T T ). t /4 0 ext 10 + Text, nde T 0 é a temperatura interna d ônibus enquant a refrigeraçã funcinava, e T ext éa temperatura externa (que supms cnstante durante tda a viagem). Sabend que T0 1 Ce Text 30 C, respnda às questões abaix. a) Calcule a temperatura n interir d ônibus transcrridas 4 ras desde a quebra d sistema de ar cndicinad. Em seguida, esbce abaix gráfic de T(t). b) Calcule temp gast, a partir d mment da quebra d ar cndicinad, para que a temperatura subisse 4 C. Se necessári, use lg ,, lg , e lg ,. t a) D enunciad, T(t) (1 30) t T(t) AssimT(4) T(4) 30 0,9 9,1 C. t Cm tende a zer para valres grandes de t, T(t) tende a 30 C. Lg um esbç d gráfic de T(t) é: b) Querems encntrar t tal que T(t) T0 + 4 t t t t lg10 lg 5 lg t 4(0,7 0,48) t 1,04 1. Questã 8 Pedr precisa cmprar x brracas, y lápis e z canetas. Após fazer um levantament em duas papelarias, Pedr descbriu que a papelaria A cbra R$ 3,00 pel cnjunt de brracas, lápis e canetas, enquant a papelaria B cbra R$ 5,00 pel mesm material. Em seu levantament, Pedr descbriu queapapelariaacbrar$1,00pelabrraca, R$,00 pel lápis e R$ 3,00 pela caneta e que a papelaria B cbra R$ 1,00 pela brraca, R$ 1,00 pel lápis e R$ 4,00 pela caneta. a) Frneça númer de lápis e de brracas que Pedr precisa cmprar em funçã d númer de canetas que ele pretende adquirir. b) Levand em cnta que x 1, y 1 e z 1, e que essas três variáveis sã inteiras, determine tdas as pssíveis quantidades de lápis, brracas e canetas que Pedr deseja cmprar. a) Os númers x, y e z de brracas, lápis e canetas, respectivamente, satisfazem sistema: x + y + 3z 3 x y 3z x + y + 4z 5 y + z x + y + 3z 3 y z x + (z ) + 3z 3 x 7 5z y z y z b) Nas cndições dadas e cnsiderand item anterir: x 1 y 1 z 1 7 5z 1 z 1 z 1 z 5 z 3 3 z 5 z 1 Cm z Z, s pssíveis valres de z sã3,4e5. E as pssíveis quantidades de canetas (z), brracas (x) e lápis (y) que Pedr deseja cmprar sã: Para z 3, x ey 1. Para z 4, x ey. Para z 5, x ey 3.

6 matemática 6 Questã 9 Aprimeirafiguramstraumsapderigami, a arte japnesa das dbraduras de papel. A segunda figura mstra diagrama usad para a cnfecçã d sap, na qual se utiliza um retângul de papel cm arestas iguais a c e c. As linas representam as dbras que devem ser feitas. As partes destacadas crrespndem à parte superir e à pata direita d sap, e sã bjet das perguntas a seguir. c c c c c 8 cm Lg as dimensões d retângul sã c 8 cm e c 16 cm. b) Cnsidere a figura a seguir, que representa cant inferir direit da figura dada: Os triânguls ABD e CBD sã cngruentes pel 45 cas LAL e β 45 β. Lg AD a AD BD e, pela lei ds sens, sen ABD sen BAD a b sen 45 sen 45 sen 45 a cs 45 b sen 45 cs 45 a) Quais devem ser as dimensões, em centímetrs, d retângul de papel usad para cnfeccinar um sap cuja parte superir tem área igual a 1cm? b) Qual a razã entre s cmpriments das arestas a e b da pata direita d sap? a) A área da parte superir é igual à área de um triângul retângul isósceles de iptenusa c eal- tura c subtraída das áreas de dis triânguls retânguls isósceles de catets c 4. Assim: 1 + cs 45 Questã Uma caixa d água tem frmat de um trnc de pirâmide de bases quadradas e paralelas, cm mstra a figura a seguir, na qual sã apresentadas as medidas referentes a interir da caixa. a) Qual vlume ttal da caixa d água? b) Se a caixa cntém (13/6) m 3 de água, a que altura de sua base está nível d água?

7 matemática 7 água na caixa mais vlume da pirâmide quadrada de base igual à base da caixa e vértice A, u seja, m 3 +. Lg a razã entre s vlumes da pirâmide de base igual a nível d água e vértice A, e da pirâmide de base igual a tp da caixa e vértice A é Entã a razã entre as alturas dessas 3 pirâmides é tal que x x m Questã 11 a) A pirâmide quadrada de base igual à base da caixa d água e vértice A é semelante à pirâmide quadrada de base igual a tp da caixa d água e altura m. Lg a razã entre as alturas da menr e da mair é 1 4. Cnsequentemente, a razã entre s vlumes da menr e da mair é A circunferência de centr em (, 0) e tangenteaeixyéinterceptadapelacircunferência C, definida pela equaçã x + y 4, e pela semi-reta que parte da rigem e faz ângul de 30 cm eix x, cnfrme a figura abaix. a) Determine as crdenadas d pnt P. b) Calcule a área da regiã smbreada. a) Na figura a seguir, sejam O (0; 0), Q (; 0), P (x p; y p) e R (x p ;0). Lg vlume da caixa d água é vlume da pirâmide mair mens vlume da menr, u seja, m 3. b) Seja x a altura d nível d água na caixa. O vlume da pirâmide quadrada de base igual a nível d água e vértice A é igual a vlume de

8 matemática 8 Cm a circunferência que passa pr P tem centr (; 0) e é tangente a eix y, ela cntém a rigem e seu rai é. Além diss, triângul OQP é isósceles cm OQ QP e, prtant, seu ângul extern de vértice Q mede QR N triângul QPR, cs60 QP 1 xp xp 3 e sen 60 3 yp yp 3. Dessa frma, P (3; 3 ). b) Observe a figura a seguir: PR QP A área da regiã smbreada é a diferença entre a área d círcul de rai e a área de dis segments circulares de ângul10 e rai. A área d segment circular é a diferença entre a área d setr circular AOB e a área d triângul AOB, u seja, 1 1 π sen π 3. 3 π Assim, a área pedida é π π Questã 1 Seja f(x) anx n an 1x n a1x + a0 um plinômi de grau n tal que an 0 e aj R para qualquer j entre 0 e n. Seja g(x) nanx n 1 (n 1)an 1x n ax + + a 1 plinômi de grau n 1 em que s ceficientes a 1,a,...,an sã s mesms empregads na definiçã de f(x). a) Supnd que n, mstre que gx + f(x + ) f(x), para td x, R, 0. b) Supnd que n 3equea 3 1, determine a expressã d plinômi f(x), sabend que f(1) g(1) f( 1) 0. a) Para n, tems f(x) ax + a1x + a0 e g(x) ax + a1. Dessa frma, g x + a x + + a 1 f(x + ) f(x) ax + a + a1 ( ) e a (x + ) + a 1(x + ) + a 0 (ax + a1x + a 0) a [(x + ) x ] + a 1 [(x + ) x] ax + a + a1 ax + a + a1 ( ). De ( ) e ( ) cncluíms que g x + f(x + ) f(x) para td x, R, 0. 3 b) Para n 3 e a 3 1, tems f(x) x + a x + + ax 1 + a0 e g(x) 3x + ax + a1. Assim, cm f(1) g(1) f( 1) 0, tems: 1 + a + a1 + a0 0 (I) 3 + a + a1 0 (II) 1 + a a1 + a0 0 (III) De (I) (III) tems a1 1e sistema equivale a 1 + a + ( 1) + a a + ( 1) 0 a1 1 a0 1 a1 1. a 1 3 Prtant f(x) x x x + 1. Outra maneira: Tems que g é a derivada de f. Prtant, cm f(1) g(1) 0, 1 é raiz dupla de f. Lg 3 f(x) 1(x 1) (x ( 1)) x x x + 1.

9 Questã 13 As tirinas abaix sã de autria d cartunista nrte-american Glenn McCy. a) Segund text, que nã representa uma ameaça à vida? b) Que efeit a arrumaçã d quart prvcaria n adlescente? a) Os elevads níveis de ruíd e s dres que saem d quart d adlescente. b) A arrumaçã pderia ter um efeit negativ n desenvlviment mental dele. Questã 15 a) Para abrdar as muleres que aparecem nas tirinas, persnagem faz us de duas perguntas cmumente utilizadas em situaçã semelante. Que perguntas sã essas? b) O que cada uma das muleres diz para indicar que nã está dispsta a interagir cm ele? a) "Este lugar está vag?" e "Já nã cneç vcê de algum lugar?". b) "Sim. E meu lugar também ficará vag se vcê se sentar." e "Sim. É pr iss que eu parei de ir lá.". Questã 14 O text abaix fi extraíd de um pôster bem-umrad, afixad na prta d quart de um adlescente. ADVERTISING NOWADAYS Peple are starting t blame invasive advertising fr te stress in teir lives. A few generatins ag, peple encuntered nly a few dzen ads in a typical day. Tday, 3,000 marketing messages a day flw int te average Nrt American brain. Tat s mre tan many f us can andle n tp f all te ter pressures f mdern life. Te fun image tat advertising as traditinally enjyed is nw giving way t a muc darker picture f advertising as mental pllutin. Adaptad de Adbusters Magazine, 30/07/007, n 73, p. 5. a) Segund text, a percepçã que as pessas têm da prpaganda está mudand. Cm a prpaganda era vista antes e cm ela está cmeçand a ser vista je? b) A que se refere númer mencinad n text? a) A prpaganda era vista cm alg agradável, divertid. Hje, devid a grande númer de prpagandas a que estams expsts, ela adquire uma cntaçã mais smbria, de alg que pde pluir nssas mentes. b) é númer de anúncis diáris que passam pel cérebr de um american médi.

10 inglês Questã 16 MYTHS AND FACTS ABOUT DRINKING MYTH FACT Everyne reacts t Tere are dzens f factrs alcl in te same tat affect a persn s reactin way. t alcl: bdy weigt, metablism, gender, etc. MYTH FACT Cld swers, fres Only time will remve air r t cffee alcl frm te system. As elp sber a persn. an ld saying ges, give a drunk a cup f cffee and all yu will ave is a wide-awake drunk. MYTH FACT Eating a big meal Fd in te stmac merely befre yu drink delays te absrptin f will keep yu sber. alcl int te bldstream. A full stmac is nt a defense against getting drunk. Adaptad de Acessad em 5/07/008. a)qualéefeitdcaféemumapessaalclizada? b) O que acntece quand uma pessa cme antes de ingerir bebidas alcólicas? a) O café apenas a mantém desperta. b) O estômag cei atrasa a absrçã d álcl, nada mais. Questã 17 Mbile pne users slw traffic dwn By Brian Osbrne Sick f traffic cngestin? Well, part f te blameneedstgtmtristswtalkn mbile pnes. At least, tat is te cnclusin f a study cnducted by te University f Uta. Te study fund tat if yu use yur mbile pne wile driving, yu are less likely t pass slwer veicles. If yu tink te study is nt talking abut yu, because yu ave a ands-free device, ten yu are wrng. Accrding t previus studies perfrmed by psyclgy Prfessr Dave Strayer f te University f Uta, te ultimate distractin fr drivers is te cnversatin nt just lding te mbile pne. Adaptad de mbile-pne-users-slw-traffic-dwn/ Acessad em 05/08/008. a) Pr que mtristas que dirigem enquant cnversam a celular retardam flux d tráfeg? b) A que cnclusã cegu Prfessr Dave Strayer em suas pesquisas? a) Prque é mens prvável que eles ultrapassem s veículs mais lents. b) Nã adianta vcê usar viva-vz. O que distrai s mtristas é a cnversa pel celular e nã fat de segurar aparel. Questã 18 AT THE MARKET S MARK By Snia Racy Te number f Brazilians living alne grws. IBGE Brazilian Institute f Gegrapy and Statistics discvered, in its last survey, tat 5 millin Brazilians live alne. Of tis ttal, 63% are senir citizens, but % are peple in te 0 t 9 years ld age range. It is a market tat grws 6 t 7% a year and draws attentin frm different segments f te ecnmy. After all, mst f tese cnsumers earn frm 10 t 0 minimum wages and ave cllege degrees. Adaptad de TAM Magazine, an 4, nº 44, utubr de 007, p. 7. a) A que se refere índice de 63% mencinad n text? b) O que caracteriza a mair parte ds cnsumidres brasileirs retratads n text?

11 inglês 3 a) Trata-se d prcentual de idss n grup de 5 milões de brasileirs que mram szins. b) Pssuem uma renda entre 10 e 0 saláris mínims e diplmas universitáris. Questã 19 AUTISM AND ITS CAUSE Sme parents f cildren wit autism believe tat tere is a link between measles, mumps, rubella (MMR) vaccine and tis disrder. But tere is n sensible reasn t believe tat any vaccine can cause autism. Typically, symptms f tis disrder are first nted by parents as teir cild begins t ave difficulty wit delays in speaking after age ne. MMR vaccine is first given t cildren at 1-15 mnts f age. Since tis is als an age wen autism cmmnly becmes apparent, it is nt surprising tat autism fllws MMR immunizatin in sme cases. Hwever, by far te mst lgical explanatin is cincidence, nt cause-and-effect. Adaptad de Prmtin/immu/autism.tml Acessad em /03/008. a) Qual seria, para alguns pais, a causa d autism de seus fils? b) Pr que esses pais teriam tal crença? a) Para alguns pais a causa d autism seria us de vacinas cntra saramp, caxumba u rubéla (a camada vacina tríplice). b) Prque s sintmas d autism aparecem mais u mens na mesma épca em que a criança é vacinada. Questã 0 WHY AM I UNEMPLOYED? Persns w becme unemplyed ften feel at fault; ften feel tat tey ave failed in sme way. Tis is a cmmn sense view, but tere are many cmplicated reasns wy smebdy migt be made redundant. Te reasns fr unemplyment culd be, fr instance, tecnlgical canges: te intrductin f new macines in te wrk market des take jbs away frm peple. Canges in gvernment plicies r lack f new requisite skills due t n access t educatin r retraining are als ften respnsible fr unemplyment. Nne f tese as anyting t d wit individual wrker. Te fact is tat ne ut f ten tusand migt be made redundant because f laziness, but te rest are surplus because sciety as canged. Adaptad de R. Osbrne e B. Van Ln, Intrducing Scilgy. Lndres: Icn Bks, 004, p a) Qual é argument central desse text? b) Indique dis fatres que, segund text, pdem, de fat, respnder à pergunta Wy am I unemplyed?. a) Demissões sã geralmente prvcadas pr mudanças na sciedade e raramente em razã de preguiça d empregad. b) Mudanças tecnlógicas u em plíticas gvernamentais. Questã 1 Te Bermuda Triangle Te Bermuda Triangle is an area in te Atlantic Ocean bunded rugly at its pints by Miami, Bermuda, and Puert Ric. Legend as it tat many sips and planes ave mysteriusly vanised in tis area. But tere are sme skeptics w argue tat te facts d nt supprt te legend. Te number f wrecks in tis area is nt extrardinary, given its size, lcatin and te amunt f traffic it receives. Many f te sips and planes tat ave been identified as aving disappeared mysteriusly in te Bermuda Triangle were nt even in tat area. Te real mystery, tey argue, is w te Bermuda Triangle became a mystery at all. Adaptad de Acessad em 14/09/008.

12 inglês 4 a) Indique um ds fats invcads pr alguns cétics para negar que aja alg de misteris ns acnteciments assciads a Triângul das Bermudas. b) Segund esses cétics, qual é verdadeir enigma envlvend Triângul das Bermudas? a) "O númer de naufrágis na área nã é nada extrardinári" u "Muits ds navis e aviões tids cm desaparecids n Triângul das Bermudas nem estavam nessa regiã". b) O verdadeir enigma é cm Triângul das Bermudas trnu-se um enigma. Questã As imagens abaix fram encntradas em ímãs para geladeiras vendids ns Estads Unids. a) O que a muler d primeir ímã nã cnsegue entender? b) O text d segund ímã faz referência a uma tarefa dméstica. Que tarefa é essa e que, na língua inglesa, pssibilita que ela seja assciada a estresse? a) Ela nã entende pr que tem de czinar e limpar a casa. b) Refere-se à tarefa de czinar. A palavra desserts ("sbremesas"), lida de trás para a frente, significa "estressada" (stressed). Questã 3 Em 1931, William Faulkner escreveu Te Sund and te Fury, um clássic da literatura nrte-americana. O excert abaix é parte da intrduçã, escrita pr Ricard Huges, à ediçã d rmance publicada pela Penguin Bks, em THERE is a stry tld f a celebrated Russian dancer, w was asked by smene wat se meant by a certain dance. Se answered wit sme exasperatin, If I culd say it in s many wrds, d yu tink I suld take te very great truble f dancing it? It is an imprtant stry, because it is te valid explanatin f bscurity in art. A metd invlving apparent bscurity is surely justified wen it is te clearest, te simplest metd f saying in full wat te writer as t say. Tis is te case f Te Sund and te Fury. I sall nt attempt t give it a summary r an explanatin f it: fr if I culd say in tree pages wat takes Mr. Faulkner tree undred tere wuld bviusly be n need fr te bk. All I prpse t d is t ffer a few intrductry cmments t encurage te reader. a) Segund Huges, em que circunstâncias a supsta bscuridade de uma bra de arte se justifica? b) Que razã apresenta Huges para nã resumir nem explicar Te Sund and Te Fury? a) A bscuridade se justifica quand é métd mais clar e mais simples de se dizer pr cmplet aquil que escritr tem a dizer.

13 inglês 5 b) Se ele pudesse resumir em três páginas que Faulkner escreve em 300, nã averia necessidade d livr. Questã 4 Envirnment: te case f DDT and te Peregrine Te mst reliable evidence f te damaging effect f rganclrine pesticides, suc as DDT, n wildlife was demnstrated in 1967 by Dr. D. A. Ratcliffe f te Nature Cnservancy in te United Kingdm. Te peregrine falcn (Falc peregrinus) was prtected in Britain after 1945 and swed a dramatic increase in numbers until, in te mid-1950s, te ppulatin went int a sarp decline. Tis prved t be due t reprductive failure: birds went laying eggs wit abnrmally tin sells and a large prprtin f tem were brken during incubatin. Hig cncentratins f DDT residues were fund in peregrines and in te ylk f teir eggs during te mid-1960s. Tere was n dubt tat DDT was te cause f te ppulatin decline f tese birds, and wit te cessatin f te use f DDT fr agricultural purpses in Britain, peregrine numbers ave increased t teir frmal level. Adaptad de R. B. Clark, Marine Pllutin. Oxfrd: OUP, p a) Que prblemas cmeçaram a crrer n prcess de reprduçã ds falcões peregrins, levand a decréscim de sua ppulaçã? b) Que fats levaram à cnclusã, em meads da década de 60, de que us d pesticida DDT estava diretamente relacinad à diminuiçã d númer de falcões peregrins? a) Passaram a btar vs cm casca fina demais, ds quais muits se quebravam durante a incubaçã. b) Altas cncentrações de resídus de DDT fram encntradas em falcões peregrins e na gema de seus vs.

14 Matemática enunciads pdem ter trazid dificuldades Depis de reslver integralmente a prva da UNICAMP 009 percebems que a distribuiçã de assunts e dificuldades é a que cstumams ver nesse vestibular. Prém, a sensaçã que tems a reslver as questões individualmente nã é essa; exame parece mais exigente e lng que usual. Pr quê? Analisand a prva cm cuidad, sentims que alguns enunciads estavam mais cmplexs d que de ans anterires, principalmente nas questões que, em princípi, deveriam ser as mais simples. Além diss, cstume da UNICAMP de fazer cm que item a seja preparatóri para b parece ter sid deixad de lad desta vez, que dá a impressã de um exame mais lng. Em resum, pdems dizer que a prva teve algumas alterações, as quais, apesar de aparentemente superficiais, pdem ter trazid dificuldades extras as candidats. Inglês prva excelente Trata-se daquil que td exame deveria exigir: identificaçã e interpretaçã, usand-se racicíni, das ideias principais ds texts. Uma prva exemplar.

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questã 1 Numa cidade d interir d estad de Sã Paul, uma prévia eleitral entre.000 filiads revelu as seguintes infrmações a respeit de três candidats A, B, ec, d Partid da Esperança (PE), que cncrrem a 3

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta Instruções: Indique claramente as respstas ds itens de cada questã, frnecend as unidades, cas existam Apresente de frma clara e rdenada s passs utilizads na resluçã das questões Expressões incmpreensíveis,

Leia mais

MATEMÁTICA. Carga transportada (em milhões de toneladas) 2007 2008 2007 2008 Ferroviário 18 % 24 % 6,8 8,8 Rodoviário 77 % 29,1 Dutoviário

MATEMÁTICA. Carga transportada (em milhões de toneladas) 2007 2008 2007 2008 Ferroviário 18 % 24 % 6,8 8,8 Rodoviário 77 % 29,1 Dutoviário MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo fornece alguns dados relativos ao transporte ao porto no primeiro semestre de

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questã Se Amélia der R$,00 a Lúcia, entã ambas ficarã cm a mesma quantia. Se Maria der um terç d que tem a Lúcia, entã esta ficará cm R$ 6,00 a mais d que Amélia. Se Amélia perder a metade d que tem, ficará

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

Participação no total transportado ao porto

Participação no total transportado ao porto UNICAMP MATEMÁTICA 1 O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo fornece alguns dados relativos ao transporte ao porto no primeiro semestre

Leia mais

Matemática. Carga transportada (em milhões de toneladas) 2007 2008 2007 2008 Ferroviário 18% 24% 6,8 8,8 Rodoviário 77% 29,1 Dutoviário

Matemática. Carga transportada (em milhões de toneladas) 2007 2008 2007 2008 Ferroviário 18% 24% 6,8 8,8 Rodoviário 77% 29,1 Dutoviário 009 Matemática Questão 01 O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo fornece alguns dados relativos ao transporte ao porto no primeiro

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA A área de um triângul é dada

Leia mais

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS CAPÍTULO 0 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS TRANSLAÇÃO DE EIXOS NO R Sejam O e O s eis primitivs, d Sistema Cartesian de Eis Crdenads cm rigem O(0,0). Sejam O e O s nvs eis crdenads cm rigem O (h,k), depis

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

MATEMÁTICA e RACIOCÍNIO LÓGICO

MATEMÁTICA e RACIOCÍNIO LÓGICO (Edital N.º 01 - /001 (Edital N.º 01 - /001 PROVA: 18 DE ABRIL DE - manhã - MATEMÁTICA e RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICA: Prf Vanderlan Marcel RACIOCÍNIO LÓGICO: Prf Vanderlan Marcel (Edital N.º 01 - /001

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa E. alternativa D. alternativa E

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa E. alternativa D. alternativa E NOTAÇÕES C é cnjunt ds númers cmplexs. R é cnjunt ds númers reais. N {,,,...}. i denta a unidade imaginária, u seja, i. z é cnjugad d númer cmplex z. Se X é um cnjunt, P(X) denta cnjunt de tds s subcnjunts

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Carga transportada (em milhões de toneladas) 2007 2008 2007 2008 Ferroviário 18 % 24 % 6,8 8,8 Rodoviário 77 % 29,1 Dutoviário

Carga transportada (em milhões de toneladas) 2007 2008 2007 2008 Ferroviário 18 % 24 % 6,8 8,8 Rodoviário 77 % 29,1 Dutoviário ª Fase Matemática INTRODUÇÃO A prova de matemática da segunda fase do vestibular da UNICAMP é elaborada de forma a identificar candidatos com boa capacidade de leitura de textos, tabelas e gráficos, bom

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

QUESTÕES DISCURSIVAS

QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÕES DISCURSIVAS Questã 1 Um cliente tenta negciar n banc a taa de jurs de um empréstim pel praz de um an O gerente diz que é pssível baiar a taa de jurs de 40% para 5% a an, mas, nesse cas, um valr

Leia mais

INGLÊS. 13. As tirinhas abaixo são de autoria do cartunista norte-americano Glenn McCoy.

INGLÊS. 13. As tirinhas abaixo são de autoria do cartunista norte-americano Glenn McCoy. 2ª Fase Inglês INTRODUÇÃO Como de praxe, a Prova de Inglês do Vestibular Unicamp 2009 objetivou avaliar a capacidade de compreensão de textos escritos nessa língua estrangeira. Para tanto, solicitamos

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Questão 13. Questão 14. Resposta

Questão 13. Questão 14. Resposta Questã Uma empresa imprime cerca de.000 páginas de relatóris pr mês, usand uma impressra jat de tinta clrida. Excluind a amrtizaçã d valr da impressra, cust de impressã depende d preç d papel e ds cartuchs

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Estruturas de Concreto

Estruturas de Concreto Estruturas de Cncret ISSN 1519-4086 Númer 4 MODELOS DE PREVISÃO DA FLUÊNCIA E DA RETRAÇÃO DO CONCRETO JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Editra DUNAS Estruturas de Cncret é uma publicaçã seriada cm bjetiv de abrdar

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada

DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada DISCIPLINA: Matemática e Matemática Aplicada 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex,

Leia mais

Caderno 1 : Domínios de Definição, Limites e Continuidade

Caderno 1 : Domínios de Definição, Limites e Continuidade Institut Superir de Ciências d Trabalh e Empresa Curs: Gestã e GEI, An Cadeira: Optimizaçã Cadern : Dmínis de Definiçã, Limites e Cntinuidade (Tópics de teria e eercícis) Elabrad pr: Diana Aldea Mendes

Leia mais

Lista de Exercícios Funções

Lista de Exercícios Funções PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Matemática Departament de Matemática Cálcul Dierencial e Integral I Lista de Eercícis Funções ) O gráic abai epressa a temperatura em

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES. Matrizes e Determinantes

SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES. Matrizes e Determinantes SEJAFERA APOSTILA EXERCÍCIOS / QUESTÕES DE VESTIBULARES Matrizes e Determinantes Depis de estudad uma matéria em matemática é imprtante que vcê reslva um númer significativ de questões para fiaçã de cnteúd.

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C Questã 46 N instante t = 0 s, um móvel A parte d repus cm aceleraçã escalar cnstante e descreve uma trajetória retilínea. Nesse mesm instante, utr móvel B passa pr A, cm velcidade escalar cnstante, descrevend

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

5. (Insper 2014) Considere o quadrilátero convexo ABCD mostrado na figura, em que AB 4cm, AD 3cm e  90.

5. (Insper 2014) Considere o quadrilátero convexo ABCD mostrado na figura, em que AB 4cm, AD 3cm e  90. Nme: ºANO / CURSO TURMA: DATA: / 08 / 014 Prfessr: Paul 1. (Uneb 014) A tirlesa é uma técnica utilizada para transprte de carga de um pnt a utr. Nessa técnica, a carga é presa a uma rldana que desliza

Leia mais

Caderno de Prova ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS. Vestibular Vocacionado 2010.2. 2ª FASE 2ª Etapa. Nome do Candidato:

Caderno de Prova ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS. Vestibular Vocacionado 2010.2. 2ª FASE 2ª Etapa. Nome do Candidato: Universidade d Estad de Santa Catarina Vestibular Vcacinad. Cadern de Prva ª FASE ª Etaa ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS Nme d Candidat: INSTRUÇÕES GERAIS Cnfira Cadern de Prva, as Flhas de Resstas e

Leia mais

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS)

ISCTE. SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO Ano Lectivo 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II. (Interpretação de Outputs de SPSS) ISCTE SOCIOLOGIA E SOCIOLOGIA E PLANEAMENTO An Lectiv 2003/2004 (2º Semestre) ESTATÍSTICA II (Interpretaçã de Outputs de SPSS) Interval de Cnfiança para a Média Ppulacinal Ensai de Hipóteses para a Média

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Vantagens do Sistema Trifásico

Vantagens do Sistema Trifásico Vantagens d Sistema Trifásic Original: 6-06-03 Hmer Sette Revisã: 30-06-03 Agra que sistema trifásic chegu as amplificadres, cm advent d TRI 6000 S da Etelj, interesse pel assunt na cmunidade de áudi aumentu

Leia mais

OBMEP NÍV. 6)A figura é composta de triângulos retângulos isósceles todos iguais. Qual é a área em 2. 30 cm

OBMEP NÍV. 6)A figura é composta de triângulos retângulos isósceles todos iguais. Qual é a área em 2. 30 cm NÍV NÍVEL 7 a Lista 1) Qual é mair ds númers? (A) 0 006 (B) 0+6 (C) + 0 006 (D) (0+ 6) (E) 006 0 + 0 6 ) O símbl representa uma peraçã especial cm númers. Veja alguns exempls = 10, 8 = 7, 7 = 11, 5 1 =

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pntifícia Universidade Católica d S Faculdade de Engenharia LABOATÓO DE ELETÔNCA DE POTÊNCA EXPEÊNCA 4: ETFCADO TFÁSCO COM PONTO MÉDO ( PULSOS) OBJETO erificar qualitativa e quantitativamente cmprtament

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

Capacitância e Capacitores

Capacitância e Capacitores Nessa prática, farems um estud sbre capacitres. erá intrduzid cnceit de capacitância e estudarems as leis de carga e descarga de capacitres, bem cm as regras de assciaçã desses elements de circuit. empre

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

De acordo com estes critérios, uma sugestão de formato para nomes de tablespaces no banco de dados Oracle é a seguinte: S_O_T, onde:

De acordo com estes critérios, uma sugestão de formato para nomes de tablespaces no banco de dados Oracle é a seguinte: S_O_T, onde: Pedr F. Carvalh cntat@pedrfcarvalh.cm.br Tablespaces: Organizaçã e Nmenclatura Definir critéris para a divisã de um banc de dads Oracle em tablespaces é sempre uma questã imprtante para s DBAs na rganizaçã

Leia mais

Cinco Passos para Proteger Nossas Crianças. O que é o Abuso Sexual Infantil? Base para Os Cinco Passos

Cinco Passos para Proteger Nossas Crianças. O que é o Abuso Sexual Infantil? Base para Os Cinco Passos Cinc Passs para Prteger Nssas Crianças 1º Pass: Infrme-se sbre s Fats 2º Pass: Reduza Oprtunidades 3º Pass: Cnverse sbre Assunt 4º Pass: Recnheça s Sinais 5º Pass: Reaja de Frma Respnsável Cinc Passs para

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

S3 - Explicação sobre endereço e/ou número de telefone dos EUA

S3 - Explicação sobre endereço e/ou número de telefone dos EUA S3 - Explicaçã sbre endereç e/u númer de telefne ds EUA Nme Númer da Cnta (se huver) A preencher seu Frmulári W-8 d IRS, vcê afirma nã ser cidadã u residente ds EUA u utra cntraparte ds EUA para efeit

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR Índice Intrduçã... 3 Aspect Gráfic... 4 Regist na aplicaçã... 5 Recuperaçã de Códigs de Acess... 6 Área Reservada... 8 Entrar na Área Reservada... 8 Editar Perfil... 9

Leia mais

Gabarito - Matemática - Grupos I/J

Gabarito - Matemática - Grupos I/J 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Para a estréia de um espetáculo foram emitidos 1800 ingressos, dos quais 60% foram vendidos até a véspera do dia de sua realização por um preço unitário de R$

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4. alternativa B. alternativa E. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4. alternativa B. alternativa E. alternativa E Questã Se P é 0% de Q, Q é 0% de R, e S é 50% de R, etã P S é igual a a) 50. b) 5. c). d) 5. e) 4. D alterativa Tems P 0, Q, Q 0, R e S 0,5 R. Lg P 0, Q 0, 0, R. S 0,5 R 0,5 R 5 Questã Seja f:r R uma fuçã

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

o CUSTO DO FINANCIAMENTO

o CUSTO DO FINANCIAMENTO CUSTO DO FINANCIAMENTO DAS VENDAS A PRESTACOES NO BRASIL POLIA LERNER HAMBURGER JORGE WILSON SIMIERA JACOB "A dispnibilidade de vendas a prestaçã tem ajudad a cmpensar, de certa frma" as desigul"a.ldades

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Escolha a data de saída de SP e a data de retorno para SP.

Escolha a data de saída de SP e a data de retorno para SP. Esclha a data de saída de SP e a data de retrn para SP. Agra vcê pde prgramar sua excursã sem precisar se precupar cm nada. Reúna mínim de 10 amigs e entre em cntat cmig através d e-mail prtalstl@gmail.cm

Leia mais

Boletim da Vila Noca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1

Boletim da Vila Noca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1 Bletim da Vila Nca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1 DIA 9, PALESTRA SOBRE SEGURANÇA Dia 9 de dezembr de 2008 às 20:00 hras, na Creche Barnesa de Limeira, R Antôni de Gebara, 75, Cap

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2013

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2013 Alterações na aplicaçã d Critéri Brasil, válidas a partir de 01/01/2013 A dinâmica da ecnmia brasileira, cm variações imprtantes ns níveis de renda e na psse de bens ns dmicílis, representa um desafi imprtante

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST A MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE PASSAGEIROS E/OU TRIPULANTE (APP) INVEST O presente Manual d Prdut cntém: SEGURO APP INVEST 1. VANTAGENS

Leia mais

Cisco CUCM Bloqueio de chamadas por Calling Party Number (ID): Tradução por Rogerio Rodrigues

Cisco CUCM Bloqueio de chamadas por Calling Party Number (ID): Tradução por Rogerio Rodrigues Cisc CUCM Blquei de chamadas pr Calling Party Number (ID): Traduçã pr Rgeri Rdrigues De temps em temps, administradr d Cisc Unified Cmmunicatins Manager (CUCM) recebe um pedid para blquear chamadas de

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Economia Financeira Internacional

Economia Financeira Internacional Ecnmia Financeira Internacinal Curs de Ecnmia, 3º an, 2001-2002 PADEF 11/07/2002 Parte A Sem cnsulta Duraçã: 1 hra 1. Cnsidere três praças financeiras, Lndres (L), Nva Irque (NY) e Paris (P), bem cm as

Leia mais