Profª Ivete Alves do Sacramento Reitora. Monsenhor Antonio Raimundo dos Anjos Vice-Reitor. Prof. Manoelito Damasceno Pró-Reitor PPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profª Ivete Alves do Sacramento Reitora. Monsenhor Antonio Raimundo dos Anjos Vice-Reitor. Prof. Manoelito Damasceno Pró-Reitor PPG"

Transcrição

1 Universidade do estado da Bahia - UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação Departamento de Ciências Exatas e da Terra - DCET Curso de Especialização em Design de Produto Pós-Graduação Lato Sensu Profª Ivete Alves do Sacramento Reitora Monsenhor Antonio Raimundo dos Anjos Vice-Reitor Prof. Manoelito Damasceno Pró-Reitor PPG Prof. Carlos Antônio Alves Queirós Diretor DCET Profª Suzi Mariño Pequini Coordenadora 1

2 Corpo Docente Anamaria de Moraes Antônio Ferreira Neto Carla Niemeyer Fábio Righetto Lucy Niemeyer Márcia Auriani Maurício Robbe de Almeida Milton Francisco Júnior Nilda de Oliveira Sydney Freitas Suzi Mariño Pequini Equipe Técnica Candida Lemos Franca Carina Santos Silveira Cristian Benedito Machado Dinah Pereira Gonçalves Lorena Torres Peixoto Marcus Vinícius Souza Santos Rodrigo Aranha Taís Moraes Campos Pedrosa 2

3 Check out para Hipermercados Juliana Abib F. de Barros Karine Oliveira Amado Márcia Maria Costa Salvador /

4 Agradecimentos Especiais: Às nossas famílias Pela compreensão durante todo este período. Aos professores e orientadores Que souberam tão bem repartir conosco seus conhecimentos e experiências. À Rede Bompreço de Supermercados Por ter nos recebido de portas abertas e disponibilizado a sua biblioteca humana como fonte de nossas pesquisas. À Barros & Cia Pela atenção e por nos ter cedido a balança que compõe o modelo. Aos parceiros do curso Pela realização do modelo e orientações no processo de projetação. À toda equipe Pósdesign Por toda a dedicação e espírito de equipe. 4

5 Introdução Este relatório tem o objetivo de apresentar a pesquisa / estudo realizada nos check outs existentes e utilizados em estabelecimentos de varejo, especificamente nos hipermercados. Por conseguinte, propõe-se uma análise crítica acerca dos mesmos, finalizando com uma proposta de redesenho visando contemplar os principais usuários: fabricantes, os próprios hipermercados, operadores de caixa, empacotadores e clientes dessas lojas. Serão levados em consideração aspectos ergonômicos, estéticos, logísticos, materiais de fabricação, entre outros que serão desvendados ao longo da leitura do relatório. O relatório será apresentado da seguinte forma: Capítulo 1: E assim tudo começa... Capítulo 2: Problematização e Sistematização Capítulo 3: Levantamento e Análise de Dados Capítulo 4: Síntese Capítulo 5: Geração e Seleção de alternativas Capítulo 6: Desenvolvimento Capítulo 7: Desenhos Técnicos Capítulo 8: Conclusão Capítulo 9: Bibliografia 5

6 1. E assim tudo começa... A história do comércio varejista vem de longas datas. Entenda-se como varejo a venda feita em pequenas quantidades. Nesse caso, situam-se as velhas e conhecidas mercearias, cerealistas, padarias, hortifrutigranjeiros, açougues, armazéns, feiras, peixarias entre outros, instalados em pequenos espaços, muitas vezes nas casas dos proprietários. Ali, as pessoas (todas conhecidas do dono do estabelecimento) chegavam com suas listas de compras e solicitavam no balcão o seu pedido. E o balconista, que muitas vezes era o próprio dono ou alguém da família, recolhia todos os produtos solicitados e os entregava ao seu cliente, a essas alturas um camarada. Essas vendinhas, como eram chamadas, normalmente de propriedade familiar, foram uns dos exemplos, para o pontapé inicial da história do varejo de bens de consumo alimentício. A evolução desse tipo de comércio varejista deu-se com o surgimento dos primeiros supermercados na década de 50. Iniciava -se, no Brasil, a era do auto-serviço, tão conhecido e presente no dia-a-dia das pessoas. Quem não vai, pelo menos, uma vez por semana ao supermercado, delicatessen, lojas de conveniência? O auto-serviço surge, então, como a grande novidade no país e instala uma nova proposta de varejo de gêneros alimentícios na qual o cliente entrava na loja, pegava o carrinho, escolhia os produtos que queria (expostos inicialmente nas prateleiras do meio, gôndolas rudimentares feitas de madeira), colocava no carrinho ou cestinha e, por fim, se dirigia aos check outs (ou caixas, como eram conhecidos) para realizar o pagamento. Foi necessário explicar ao cliente esse novo procedimento, pois, acostumados aos antigos modelos, o mesmo inibia-se de entrar na loja, equipadas com catracas na entrada para contar o número de pessoas, por achar que teria que pagar para fazer suas compras! Mas, isso foi por pouco tempo. Logo o potencial dessas lojas cresceria e se tornaria um grande sucesso refletindo o que a economia nacional mostrava: os gastos com a alimentação aumentavam dentro do orçamento familiar, justo com o crescimento em 2,7% do salário médio do brasileiro nos anos 50. Assim, em poucos anos, começam a surgir as redes e o setor ganhava cada vez mais força. Mas, por não existir uma lei que regulamentasse o estabelecimento que comercializasse, ao mesmo tempo, carnes, frutas e verduras, os proprietários se sentiam pouco a vontade para exercerem sua atividade. Em São Paulo, por exemplo, apenas em 12 de novembro de 1968 (15 anos depois da abertura do 1º supermercado da cidade e quando já existiam 1052 lojas de auto-serviço no país) foi que se regulamentou o segmento. Esse seria, a princípio informalmente, o Dia do Supermercado, oficializado em Foi nessa época também que se formou a ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados) que, em 1972, definiu o supermercado como sendo um estabelecimento varejista que, adotando o auto-serviço, expõe e vende no mesmo local, permanentemente, gêneros alimentícios, artigos de consumo imediato e utilidades domésticas e é explorado por uma pessoa física ou jurídica. No entanto, em função da grande diversificação do setor, esse conceito foi superado em pouco tempo. 6

7 Com 20 anos de atividade, as lojas de auto-serviço somavam 4491 em todo o Brasil. Apesar de que, até 1975, a maioria delas estava concentrada nas regiões Sul e Sudeste. Apenas a partir da década de 80, o auto-serviço começou a ter uma participação significativa nas regiões Norte/ Nordeste. NOVOS FORMATOS PARA UMA SOCIEDADE EM CRESCIMENTO Com o passar do tempo, as então grandes empresas introduziram novos formatos de loja na busca de atender a uma sociedade em constante crescimento e que procurava por espaços que respondessem às suas necessidades. Além de supermercados, surgiram os hipermercados, seguidos pelos discount store. Os supermercados seguiam, inicialmente, o modelo americano. Localizados geralmente em esquinas de movimento e acopladas a edificações laterais, possuíam, em média, 600 m 2 de salão de vendas e 03 a 06 check outs. Esse modelo logo se perdeu quando as redes, que cresciam rapidamente, precisavam da construção de espaços específicos. Os hipermercados surgem com o intuito de se tornarem grandes centros de compra. Com aproximadamente m 2 de salão de vendas, incorporavam, por exemplo, os setores de têxtil e eletro-eletrônicos. O discount store é uma loja sem luxo nem supérfluos, com área de vendas em um único nível, amplo estacionamento, grandes depósitos, salas de treinamento, área de lazer para funcionários, centro de assistência médica, refeitórios, sanitários e áreas de preparo de alimentos visíveis ao público. Além desses, outros formatos de lojas foram surgindo como os high discounts, deliveries, clubes de compra, magazines, supermercado popular, lojas de conveniência, atacado em auto-serviço, para citar alguns. O surgimento desses novos formatos justifica-se pelo fato de que antes o único diferencial das lojas era o auto-serviço, agora, com a competitividade do mercado, acirrada pela entrada de grupos estrangeiros do ramo no Brasil, existe uma necessidade de intensificar a diferenciação das lojas. OS SUPERMERCADOS E A VIDA MODERNA A preocupação em atender as necessidades do consumidor é a geradora desses novos formatos acima citados, e o comportamento do mesmo é estudado constantemente no intuito de criar espaços cada vez mais condizentes com seus desejos e buscando sempre sua conveniência. A tendência de formatos de lojas é a de segmentação, procurando atingir um segmento específico de clientes. E a generalização fica por conta dos hipermercados existentes, reforçando o seu conceito de oferecer tudo em um único lugar. 7

8 A conveniência, intensificada no início dos anos 90, passa a ser então, a palavra mestra para a criação desses espaços. Independente da classe social, todos vivem um cotidiano apressado no qual não se pode perder tempo, o que leva à necessidade de executar as tarefas com rapidez e precisão. As pessoas dispõem hoje de um tempo cada vez mais reduzido para realizar as tarefas domésticas, e nisso inclui a ida ao supermercado, principalmente nos grandes centros urbanos. E, ao fazerem suas compras, buscam sempre por um serviço diferenciado e que atenda as suas necessidades mais imediatas. Soma-se a esses fatores o crescente aumento de homens fazendo compras (hoje eles têm que dividir as tarefas em casa), os serviços delivery, as compras por Internet e a freqüência maior nos finais de semana. Nos hipermercados, o cliente encontra tudo o que precisa em um único espaço, já que os mesmos oferecem um mix de produtos variados (além dos tradicionalmente encontrados em um supermercado, o cliente defronta com produtos de bazar, têxtil, acessórios para carros e beleza, livros, cds, flores, entre outros). Assim, apesar da segmentação do setor com o crescente apelo das lojas menores nas quais o cliente encontra praticidade e rapidez (ícones da vida moderna), estudos mostram que os hipermercados vão ter que aprender a conviver com essas lojas menores e a proliferação dessas vão provocar uma espécie de corrida na busca de soluções para os hipermercados, despendendo maior tempo, estudo, atenção e investimento, pois o cliente no dia-a-dia vai querer uma loja menor, mas vai continuar indo ao hiper (como é chamado) onde ele encontra tudo. Daí crescentes estudos estarem sendo feitos para o formato hiper, buscando, até mesmo, o que se chama de hipermercado compacto com, em média, m 2, enquanto os supermercados teriam aproximadamente a m 2. Vive-se em um mundo de constantes transformações, onde a globalização é fator determinante, a informação simultânea, fundamental, e a rapidez de respostas, imprescindível. As pessoas precisam e buscam por respostas cada vez mais eficientes e imediatas e a interatividade é algo presente no cotidiano de cada um. Aqueles que não se enquadrarem nesse novo processo estarão fora do mercado. Assim se dá também com a atividade supermercadista. É necessária atenção permanente ao dinamismo das mudanças e o uso da criatividade para oferecer as soluções simples que os consumidores desejam para os seus problemas mais imediatos. A EVOLUÇÃO DOS EQUIPAMENTOS NOS SUPERMERCADOS Os primeiros supermercados eram equipados com prateleiras (atuais gôndolas), balcões de hortifruti e check outs em madeira. Esse supermercado era montado ainda de forma muito artesanal com o próprio marceneiro. Não seria diferente que, com o passar do tempo e com o sucesso e expansão daquelas lojas, os equipamentos também fossem sendo aperfeiçoados, buscando atender a todos os apelos requisitados em cada época. Assim, novos materiais foram introduzidos e as antigas prateleiras do meio em madeira foram substituídas por gôndolas dotadas de montantes e braços em aço e 8

9 prateleiras em aglomerados, evoluindo para as gôndolas totalmente em aço que hoje se conhece. Encontram-se hoje gôndolas de diversos tamanhos, cores, formas, iluminadas ou não, com testeiras indicativas, com dezenas de acessórios, sempre buscando atender ao cliente, atribuindo bem-estar e conforto ao ambiente, tentando transformar a obrigação das compras em uma atividade, se não prazerosa, mas agradável. Assim se deu da mesma forma com quase todos os equipamentos do salão de vendas, vide os balcões de congelados/ refrigerados, tortas, salgados, expositores de pães, hortifruti entre outros. E com os check outs não foi diferente. Os primórdios do check out eram de madeira com as antigas máquinas registradoras mecânicas. Assim como os demais equipamentos, os check outs sofreram uma transformação gradativa acompanhando a mudança tecnológica nos sistemas operacionais de pagamento e a utilização de materiais mais resistentes e duráveis como o aço. Na verdade, o que se percebe é que a evolução do check out se deu muito mais nos PDVs (pontos de vendas) do que no mobiliário em si. Das máquinas registradoras mecânicas, passou-se para as eletromecânicas, daí para as eletrônicas até chegar aos computadores de hoje. Ou seja, de PDVs monoblocos surgiram os PDVs modulares. Então, percebe-se uma evolução constante muito maior nos periféricos tais como monitores, scanners e PIN (equipamento para digitação de senhas). E o mobiliário foi acompanhando esse processo, sempre procurando se adaptar a evolução tecnológica dos sistemas de pagamento. A mudança mais significativa nos check outs se deu no seu material. Evoluiu-se da madeira e compensado para o aço carbono e inox. As esteiras deixaram de ser fixas para serem rolantes com sensores. E o mobiliário? Esse foi se adequando à medida que se colocava uma balança, um monitor, uma gaveta porta notas e tantos outros acessórios que compõem um check out. O mobiliário foi perdendo sua identidade. Estava sempre à mercê da tecnologia a ser utilizada. Sua forma permanece pouco alterada em contrapartida do sistema de compras, das diversas atividades do operador e do próprio volume de produtos adquiridos pelo cliente. Trata -se de um móvel de grande importância dentro do salão de vendas: é o primeiro que se vê ao entrar na loja e a última passagem do cliente. Pode-se afirmar que, certamente, é um dos equipamentos de supermercado que mais atribuições possui. É nele que se registra os produtos, efetiva-se o pagamento, empacota-se os produtos adquiridos, e ainda deve aproveitar os últimos minutos do cliente na loja para vender, oferecer o mesmo conforto encontrado no salão e ainda, silenciosamente, desejar o volte sempre tão importante à empresa! Então, assim como os demais móveis, ele também deve ser pensado como um equipamento de vendas no qual ocorre três relações fundamentais: cliente x operador x empacotador. É, muitas vezes, um dos poucos momentos em que há contato pessoal dentre funcionário e cliente. Um momento altamente delicado, diga-se de passagem. Afinal, o cliente já está cansado, 9

10 depois de ter percorrido o supermercado, realizado suas compras, e muitas vezes ter esperado em filas para realizar o pagamento que muitas vezes extrapola o seu planejamento de compra. Isso sem contar que pode esbarrar com operadores/ empacotadores também cansados, depois de uma longa jornada de trabalho que exige esforço físico e mental, além de muitas vezes estarem pouco treinados em atendimento à clientes. Vistas de entrada e saída de uma loja de hipermercado OS SUPERMERCADOS E A CIDADE DE SALVADOR Como toda grande cidade, Salvador, capital da Bahia, localizada no litoral e ao leste do Estado, possui um comércio varejista bastante desenvolvido. Também com uma população de aproximadamente 03 milhões de habitantes não poderia ser diferente. Além de ser a principal cidade do Norte/Nordeste, é a 3ª maior do país e está em franco desenvolvimento. Apresenta, em seu quadro demográfico, um crescimento constante no sentido Norte. É nessa cidade que se concentra esse estudo. Mais precisamente nos estabelecimentos de comércio varejista, tendo como alvo os hipermercados. Salvador hoje conta com, basicamente, 04 grandes redes varejistas: Bompreço, Pão de Açúcar, G Barbosa e Monteiro. O Bompreço, do grupo holandês Royal Ahold, possui 03 hipermercados na Grande Salvador, os Hiper Bompreço. O maior da rede localiza-se no bairro do Iguatemi e é o carro chefe de todas as lojas da rede nesta cidade. Conta com uma área de vendas de 10

11 m 2 e, por ser o maior em vendas, é a partir dele que serão feitos os estudos contidos nesse relatório. O Grupo Pão de Açúcar conta também com 03 hipermercados com a bandeira Extra Hipermercados, e é o principal concorrente direto do Bompreço. O G Barbosa, também da Royal Ahold, tem 01 hipermercado recentemente inaugurado. E o Super Monteiro não apresenta ne nhuma loja formato hiper, mas está nessa lista por ser um forte concorrente das demais empresas. O FORMATO ESCOLHIDO: OS HIPERMERCADOS O formato escolhido para ser analisado foi o hipermercado por ser aquele que possui o maior mix de produtos, onde o cliente compra desde têxtil a produtos de higiene, limpeza e aqueles voltados para um público diferenciado, tais como cosméticos e bebidas importadas. Assim, conclui-se que o cliente tem mais opções de compra, e, pelo menos teoricamente, adquire mais produtos pelo apelo que a loja oferece. Assim, esse cliente que compra mais, enche mais o carrinho (que nessas lojas tem um tamanho diferenciado daqueles utilizados nas lojas super, que são menores) e finaliza as compras num check out também diferenciado. Nas lojas desse formato, os check outs costumam ser maiores e com mais esteiras se comparado ao encontrado em um de supermercado, por exemplo). Além disso, como há um maior mix de produtos, também há mais equipamentos acoplados como o extrator de etiqueta eletrônica do têxtil e CD. Somado a esses fatores, como será necessária a utilização da técnica de observação nesses locais, é mais fácil eleger os 03 principais objetos de estudos, já que esses, se comparados com outras 70 lojas de formatos diversos (contando apenas com as maiores redes), podem ser considerados parte de um universo bem menor. Para entender como funciona um hipermercado, pelo menos em termos de layout, é necessário que dividi-lo em 03 grandes partes: frente de loja, salão de vendas e fundo de loja. A frente de loja é aquele primeiro corredor onde ficam os check outs, é aquele que recebe o cliente e, pelo qual, o mesmo passa por último. O salão de vendas, como o próprio nome diz, é aquele onde ocorrem as vendas e no qual estão localizadas as gôndolas, expositores e balcões. E o fundo de loja é onde encontra-se a linha dos balcões situados na parte posterior do salão de vendas. Esse estudo vai se concentrar apenas nos dois primeiros espaços: a frente de loja e o salão de vendas devido ao diálogo entre eles (seria impossível, nesse caso, falar de um, sem citar o outro). 11

12 Abaixo, pode-se ver, esquematicamente esses espaços distribuídos em uma loja Hiper. FUNDO DE LOJA SALÃO DE VENDAS FRENTE DE LOJA PLANTA BAIXA HIPERMERCADO (ilustrativa) SALÃO DE VENDAS FRENTE DE LOJA COM ENTRADA 12

13 O ELEITO Diante de todas essas informações, e munidos de algum conhecimento do assunto, pode-se entrar no objeto de estudo desse relatório: o check out de hipermercados. Como já foi explicitado, o check out é, hoje, o equipamento menos pensado se comparado aos expositores de salão. Muitas vezes, ele nem é sequer visto como equipamento, e sim como mais um mobiliário obrigatório que ocupa espaço e que possui uma série de problemas ergonômicos exclusivamente. Essas seriam as primeiras conclusões que se pode tirar do check out numa abordagem superficial. E, talvez, elas já seriam o suficiente para estudá-lo. Mas, parece que não. O check out possui o mesmo desenho há anos. E, se há uma preocupação com o conforto do operador de caixa, por quê não se pensa também no empacotador e cliente? Aliás, esse último deveria ser o principal foco de atenção do supermercado, afinal é ele que gera as vendas e retorna para novas compras, além de fazer toda uma divulgação (a conhecida propaganda boca a boca) sobre o estabelecimento. E os clientes mais exigentes analisam, não tão somente os preços, mas também a qualidade dos produtos e serviços, a presteza do atendimento, a variedade encontrada, formas de pagamento e, é claro, o conforto que a loja oferece. E entenda-se como conforto, desde a relação da quantidade de clientes transitando na loja ao espaço do salão, a exposição dos produtos, as instalações e o cuidado com que a loja é preparada para recebê-lo, e nisso inclui os equipamentos e toda a infra-estrutura que uma loja como um hipermercado possui. Assim, não se pode deixar de lado esse tão importante usuário do check out e explorar esse produto com todas as potencialidades que ele possui, como a compra por impulso. Não seria deveras interessante deixar o cliente satisfeito nesse último momento no hipermercado (quando ele finaliza as compras) apresentando um equipamento bonito, diferenciado, que propicie conforto ao operador (e isso certamente trará agilidade e bem estar ao funcionário, resultando em um cliente bem atendimento e mais rapidamente liberado )? E, além disso, promover a compra daqueles produtos que foram esquecidos ou que não são de utilidade imediata? Não seria bom agregar valor às vendas, já que a compra por impulso tem um potencial tão grande dentro de lojas no formato hiper? Foram feitas 04 relações principais nas quais baseou-se todo o estudo: Check out x Clientes Check out x Operadores de Caixa/ Empacotadores Check out x Hipermercados Check out x Fabricantes Check out x Clientes Os clientes que efetuam o pagamento de suas compras nos check outs utilizados nos hipermercados atuais talvez não percebam com clareza todos os desconfortos a que 13

14 são submetidos, uma vez que o mobiliário é quase uma instituição imutável, utilizados em todos os estabelecimentos com poucas variações entre eles. E isso sem falar que ocorre a longos anos. Portanto, o cliente já se acostumou com esse mobiliário da forma como ele é apresentado. As novidades estão sempre relacionadas aos PDVs. Quando se estuda o assunto, e se instiga uma reflexão sobre o mesmo, vêm à tona todos os problemas: desconforto ao esperar em filas grandes, necessidade de deslocamento espacial, além do levantamento de peso, para transferir as compras do carrinho para a esteira; corredor estreito entre os check outs, o que impossibilita a permanência do cliente no mesmo quando é necessário transportar o carrinho para o empacotador; espaço insuficiente para assinatura de cheques e cartões, sem apoio para bolsas ou carteiras; pouca privacidade para digitar senha de cheque eletrônico, entre outros. Check out x Operadores de Caixa/ Empacotadores Sem dúvida, os operadores de caixa são as maiores vítimas de um mobiliário mal planejado. Estima-se que os operadores levantem várias toneladas de peso todos os dias, em sua jornada de 08 horas de trabalho. Estes profissionais estão sujeitos a apresentar casos de DORT (Distúrbios Osteo-musculares relacionados ao Trabalho) em um percentual muito mais elevado do que os outros funcionários de hipermercados, aproximadamente representam 90% dos casos. As maiores causas de aparecimento de DORT em operadores de caixa são: FORÇA + REPETITIVIDADE + POSTURA INADEQUADA + COMPRESSÃO MECÂNICA (ante-braços apoiados nas quinas retas dos balcões de trabalho ) + MOBILIÁRIO INADEQUADO + POUCO TREINAMENTO EM GINÁSTICA LABORAL Somado a esses fatores, inclui-se o fato de serem esses funcionários que têm contato direto com o cliente, imprescidivelmente. E o atendimento, para um supermercado, é um ponto crucial. Um bom atendimento é atualmente um grande diferencial para qualquer tipo de estabelecimento comercial. Nesse caso específico, o operador de caixa que não trabalha, pelo menos, em um local agradável, vai, certamente, receber mal o cliente, justo no momento mais delicado: a hora do pagamento. Sem falar que um mobiliário adequado, auxilia também na questão tempo, apesar de que percebe-se que o momento mais demorado é quando se efetiva o pagamento e não no registro ou empacotamento dos produtos. Já os empacotadores, quando existem, não possuem um espaço específico para ficarem, e, muitas vezes, têm que disputar o espaço com o próprio cliente. Check out x Hipermercados Numa primeira análise no aspecto visual e de layout do hipermercado, percebe-se o impacto que os check outs causam logo na entrada da loja, haja visto que em hipermercados a quantidade de check outs pode variar entre 40 a 80. E, normalmente, esses equipamentos em hipermercados são os maiores, com dimensões entre 1,00 a 1,20 m de largura e 3,5 a 4,5 m de comprimento. Basta observar uma planta baixa de uma loja e o peso visual que esse mobiliário representa. E, por se tratar de um 14

15 equipamento obrigatório, ele pode ser visto como um elemento arquitetônico do qual se deve tirar partido. Os check outs atuais são quadrados, pouco arrojados e não possuem nenhum tipo de apelo estético. Além do hipermercado como espaço físico, pode-se também citar o hipermercado enquanto empresa e sua preocupação com o aspecto financeiro. Nesse caso, sempre que seus funcionários apresentam casos de a DORT, as empresas arcam com custos elevados, pois, além do afastamento (em média 120 dias, podendo chegar a 01 ano) e tratamentos médicos necessários, elas também ficam sujeitas a ações trabalhistas, que podem ser bastante onerosas. Além disso, com um check out mais confortável também para o cliente, o hipermercado poderia apresentar um diferencial em relação aos concorrentes, aumentando assim suas vendas. Check out x Fabricantes Esse é outro aspecto de tamanha importância. Os maiores fabricantes de check outs localizam-se no sul do país. E, como está se tratando no presente estudo do estado da Bahia, significam milhares de quilômetros de distância. Portanto, a logística se apresenta como um fator fundamental na relação custo x transporte. Imaginem que os check outs são transportados já montados e individualmente! Um fabricante que apresentasse um diferencial como modulação, por exemplo, estaria oferecendo um grande benefício a seu cliente (o hipermercado). Os dois, certamente, sairiam ganhando. O DESAFIO DE REPENSAR O CHECK OUT O check out para hipermercado mostrou-se ser um tema riquíssimo a ser analisado e estudado com inúmeras vertentes a serem exploradas. O que, a princípio, só parecia ser um móvel problemático e que merecia um estudo, mostrou-se ser um desafio diante da diversidade de aspectos envolvidos, além do paradoxo que reporta: como é um móvel ligado diretamente ao sistema de compras, até que ponto ele é realmente necessário? Será que, na verdade, o que deve ser repensado é a forma como é feito o registro das compras hoje? Até quando vai ser necessária a existência do check out nos supermercados com o constante avanço tecnológico nos programas e equipamentos eletrônicos? Porém, o fato é que, enquanto vive-se na espera dessa nova tecnologia que irá revolucionar o sistema de compras (quem sabe até poderá ser um marco para o início de uma nova era dos supermercados, assim como foi quando surgiram as lojas de auto serviço), deve-se promover a melhoria desse equipamento tão esquecido, mas de tamanha importância, como já foi visto. Trabalhar no comércio varejista significa estar atrelado ao dinamismo que esse segmento reporta. Se é uma constante a busca por diferenciais nas lojas para que atendam aos anseios de um público cada vez mais exigente, é notório que o check out assim também deve ser tratado. E é isso que esse trabalho propõe. 15

16 Nos próximos capítulos, serão abordadas toda a questão metodológica utilizada e a análise feita acerca dos check outs a partir de uma série de técnicas que serão apresentadas. Apesar de não possuir uma bibliografia específica do assunto, foram tomados os devidos cuidados para levantamento dos dados da forma mais ampla e rigorosa possível, para transformar esse estudo em um objeto de consulta para aqueles que se interessem pelo assunto. Por fim, depois da apuração exaustiva de todos os dados e análise dos mesmos, partese para o projeto conceitual que propõe um check out diferenciado apresentando o projeto propriamente dito. 16

17 2. Problematização e Sistematização Definido o tema (check out), escolhida a área de abrangência (hipermercados) e levantadas todas as suposições. O próximo passo: começar a compreender melhor o tema. Deveria-se sistematizar o trabalho e analisar-se de várias formas as relações em que o mobiliário check out estivesse inserido, fosse num contexto mais amplo ou superficial até a sistematização das tarefas ali realizadas e das pessoas envolvidas. Acredita-se que esta sistematização permite um embasamento bem mais profundo, a familiaridade com tema e as etapas subseqüentes vêm como uma conseqüência das necessidades que se percebe no decorrer dos passos. De forma didática e bastante objetiva, chega-se a diagramas que resumiam as informações que seriam necessárias mais tarde na projetação. Com base em estudos de ergonomia, estes diagramas visam, acima de tudo, a relação da tarefa com o ambiente / estação / equipamento de trabalho das pessoas. Estes fatores, trabalhando de forma ordenada e harmônica, fazem parte do objetivo do design. Seguindo a idéia de sistematização dos estudos, neste caso do check out, determinase: 2.1. Sistema Alvo Mobiliário de Check out Meta do Sistema Registrar e empacotar produtos e receber pagamentos. 17

18 2.3. Quadro de Requisitos e Restrições Requisitos? Interação entre os equipamentos usados pelo operador de caixa.? Otimizar produtividade.? Segurança.? Conforto de operadores e clientes.? Favorecimento de compras por impulso.? Estética.? Otimização de tempo.? Controle de tarefas. Restrições A partir destas diretrizes pode-se traçar um diagrama sistematizando a relação entre elas Caracterização do Sistema 18

19 2.5. Ordenação Hierárquica do Sistema Neste diagrama a intenção é posicionar o sistema alvo em relação a outros sistemas nos quais está inserido ou em re lação a outros sub-sistemas nele contidos. Ao término, a visualização dá uma clareza ainda maior do que interfere no sistema alvo e em que ele interfere, dando subsídios para estudos mais abrangentes posteriormente. 19

20 2.6. Caracterização da Tarefa Agora pode-se introduzir a presença humana no sistema, uma vez que este já está compreendido. Neste diagrama procura-se delimitar que parte da população está diretamente envolvida no sistema e as normas práticas que determinam a tarefa. Estas informações serão base para futura etapa de projetação. 20

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa O Guia Prático da Arquitetura Corporativa SUMÁRIO INTRODUÇÃO ARQUITETURA CORPORATIVA NO BRASIL RECURSOS HUMANOS, TURNOVER, NORMAS E LEIS TRABALHISTAS MÓVEIS DE ESCRITÓRIO Tudo o que você precisa saber

Leia mais

Adaptação do trabalho às pessoas.

Adaptação do trabalho às pessoas. NR- 17 Estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

O QUE SE ESPERA DE UMA GERENTE BARRED S

O QUE SE ESPERA DE UMA GERENTE BARRED S O QUE SE ESPERA DE UMA GERENTE BARRED S Ela lidera a equipe, contrata, acompanha e desenvolve equipes, faz o plano de vendas, cuida do ponto de venda e da vitrine, controla o estoque, monitora e motiva

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK.

MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. MAKING YOUR BUSINESS WALK THE BRAND YOU TALK. Pesquisa sobre a experiência de compra em lojas de brinquedos Outubro 2012 Amostra 200 homens e mulheres com filhos entre 3 e 11 anos Mais de 51 anos 3% Sexo

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Processo CERSC 1.398 Expediente DS nº 483/07 Origem: Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Processos e Layouts Produtivos

Processos e Layouts Produtivos Processos e Layouts Produtivos Produção Segurança Tecnologia de processos Layout Projeto de organização do trabalho Fernando Gonçalves Amaral Estudos de ou Layout Aplicação: Em todos os setores produtivos

Leia mais

odutos Catálogo de Pr

odutos Catálogo de Pr Catálogo de Produtos Instalada na cidade de Itajobi/SP, em uma área de 60.000m², com 15.000m² de área construída, desde 2002 o Grupo Cristal Aço desenvolve produtos duráveis e de excelente acabamento.

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 06/08/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DOS PAIS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG Professores

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

ETAPA DA MUDANÇA DE HÁBITOS

ETAPA DA MUDANÇA DE HÁBITOS 1 Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Curso de Administração DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROF. ELISSON DE ANDRADE TEXTO 4 ETAPA DA MUDANÇA DE HÁBITOS (PARTE 1) Estrutura do texto

Leia mais

PAINEL CONFIANÇA Propósito elevado Cultura consciente Liderança consciente Orientação para todos os envolvidos no negócio

PAINEL CONFIANÇA Propósito elevado Cultura consciente Liderança consciente Orientação para todos os envolvidos no negócio PAINEL CONFIANÇA 2 PAINEL CONFIANÇA O Capitalismo Consciente é uma nova abordagem para condução dos negócios que as melhores empresas do mundo estão adotando. Essas empresas são guiadas por um conjunto

Leia mais

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA

COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA COMÉRCIO DE RUA É O PREFERIDO ENTRE OS MORADORES DA GRANDE VITÓRIA Priscila Zanotti Pizol e Luciana Zamprogne A Futura foi às ruas para saber mais a respeito do setor varejista da Grande Vitória, conhecer

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE UMA EMPRESA DO RAMO DE SILVICULTURA Flávia Regina Graciano; Lucimara Araújo; Priscila Siqueira Campos; Sabrina Eduarda Mendes Magalhães; Tathiane Mendes Barbosa;

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

PREVENÇÃO ÀS LER/DORT

PREVENÇÃO ÀS LER/DORT PREVENÇÃO ÀS LER/DORT Introdução Durante os dias 19, 20 e 23 de julho o Datafolha ouviu os trabalhadores paulistanos sobre sua vida no trabalho (atividades desempenhadas, carga horária, realização de horas

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Agregue mais valor ao negócio

Agregue mais valor ao negócio A REVISTA DO VAREJO DE VIZINHANÇA Edição 31 jan/fev 2012 ano 5 R$ 13,90 www.revistaabastecimento.com.br Agregue mais valor ao negócio Criar e oferecer serviços é o caminho para quem deseja ter a preferência

Leia mais

Após sua exposição, o gestor terá até 10 minutos para perguntas e respostas.

Após sua exposição, o gestor terá até 10 minutos para perguntas e respostas. Caro candidato, Você está participando do processo seletivo da Arcor do Brasil para a posição de Trainee e neste momento gostaríamos de convidá-lo para a etapa do Painel. Nesta etapa, você deverá realizar

Leia mais

MODALIDADE Business Process Outsourcing - BPO

MODALIDADE Business Process Outsourcing - BPO MODALIDADE Business Process Outsourcing - BPO Na solução BPO a ABGT SISTEMAS assume operação e execução da folha de pagamento, e rotinas da administração de pessoal, além de fazer a hospedagem e o gerenciamento

Leia mais

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Pesquisa Hábitos do Consumidor da Classe C 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice Objetivo, metodologia e amostra... 03 Perfil dos Respondentes... 04 Principais constatações sobre os hábitos de consumo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Módulo 15. Novos modelos de distribuição

Módulo 15. Novos modelos de distribuição Módulo 15. Novos modelos de distribuição No mercado existem as chamadas destinações de compra, assim denominadas por conter uma determinada aglomeração de estabelecimentos comerciais que se tornam áreas

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Você conhece o seu cliente? Não poupe esforços e invista no visual da loja Planejamento estratégico Cuide da Saúde Financeira da Sua Empresa

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

GESTEC Gestão e Tecnologia. Sistema de Gestão Escolar

GESTEC Gestão e Tecnologia. Sistema de Gestão Escolar Sistema de Gestão Escolar Manual do Usuário versão 2.0 Dezembro/2011 1 Índice Introdução... 4 Acesso ao Sistema... 5 Cadastro de Funcionários... 5 Cadastro de Tipos de Usuários... 8 Cadastro de Usuários...

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

de um redator freelancer

de um redator freelancer de um redator freelancer Introdução 04 Horário flexível, ausência do chefe, mas... 06 Monte sua planilha financeira 09 Sim, impostos também existem para você 12 Nem tudo são flores 15 Saiba onde você quer

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia

Universidade do Estado da Bahia UNEB Universidade do Estado da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação Departamento de Ciências Exatas e da Terra Curso de Especialização em Design de Produto Prof. Lourisvaldo Valentin

Leia mais

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas Analise Estruturada Diagrama de Fluxo de Dados Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas 2 Índice: 1. Introdução, pagina 4 2. Uma Ferramenta Eficaz, pagina 5 3. Analise Estruturada, Benefícios

Leia mais

O brasileiro e sua relação com o dinheiro II

O brasileiro e sua relação com o dinheiro II O brasileiro e sua relação com o dinheiro II 2007 2 Módulo I: 2 Perfil da amostra (Estimulada e única, em %) 3 Forma que recebe seu salário (PEA*) 2007 Em dinheiro/ espécie 55 NE: 70% Depósito em conta

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL

Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Programa 5S s UDESC/CCT/GQL Prof. Alan Schmitt 1 Estágios de LIMPEZA Limpeza pode ser entendida como inspeção, para encontrar e eliminar problemas que possam se apresentar Limpeza Geral Limpar tudo Varrer

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

Presença de cigarros nos PDVs. Maio 2010

Presença de cigarros nos PDVs. Maio 2010 Presença de cigarros nos PDVs Maio 2010 Índice 2 2 Objetivo e Metodologia Perfil do estabelecimento (entrevista pessoal) Exposição dos cigarros e presença de produtos associados ao cigarro (observação)

Leia mais

Visão Calandra Soluções sobre Gestão do Conhecimento Pragmática. Gabriel Renault Magalhães e Marta Vieira Abrão

Visão Calandra Soluções sobre Gestão do Conhecimento Pragmática. Gabriel Renault Magalhães e Marta Vieira Abrão Visão Calandra Soluções sobre Gestão do Conhecimento Pragmática Gabriel Renault Magalhães e Marta Vieira Abrão ÍNDICE ÍNDICE... 2 BREVE HISTÓRICO DE KM... 3 KM E CULTURA ORGANIZACIONAL... 5 GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL. 1.1. Histórico da Prática Eficaz

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL. 1.1. Histórico da Prática Eficaz Nome da Instituição: Universidade Feevale Segmento: IES - Instituições de Ensino Superior Categoria: Gestão Administrativa, de Pessoas ou Financeira Nome da Prática Eficaz de Gestão Educacional: Programa

Leia mais

MODALIDADE Business Service Provider - BSP

MODALIDADE Business Service Provider - BSP MODALIDADE Business Service Provider - BSP Na solução BSP a empresa delega à ABGT SISTEMAS a execução da folha de pagamento e sub-processos, além da hospedagem e do gerenciamento da infra-estrutura e tecnologia

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

Apostila Coordenador

Apostila Coordenador Apostila Coordenador Índice Passo-a-passo para acessar... 5 Acesso aos dados do aluno... 6 Consultando o cadastro de alunos... 9 Consultando a matrícula de alunos... 10 Registrando e tratando ocorrências

Leia mais

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento

Leia mais

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza

UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense. Autora: Aline Viana de Souza UENF Universidade Estadual Do Norte Fluminense Autora: Aline Viana de Souza O presente trabalho, através da pesquisa realizada com os catadores, tanto de rua como do aterro controlado do município de Campos

Leia mais

A importância de um plano de aposentadoria complementar

A importância de um plano de aposentadoria complementar INFORMATIVO É a melhor maneira de planejar a sua aposentadoria; Poupança com 100% de rentabilidade - Parte Patrocinadora; Rentabilidade totalmente revertida ao participante Datusprev sem fins lucrativos;

Leia mais

Cases de sucesso 21/3/2012. Administração e Gestão da Saúde em benefício da empresa e de seus colaboradores

Cases de sucesso 21/3/2012. Administração e Gestão da Saúde em benefício da empresa e de seus colaboradores Cases de sucesso Administração e Gestão da Saúde em benefício da empresa e de seus colaboradores Academia Boa Forma As Unidades Campo Belo e Itapevi possuem um espaço gratuito para atividades físicas dentro

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2 Índice 1. Prefácio... 2 2. Requisitos Mínimos... 3 3. Como acessar o SIMEC... 4 4. Solicitando cadastro... 5 5. A Estrutura do Módulo... 7 6. Instruções Gerais... 8 6.1. Diagnóstico/BRASIL PROFISSIONALIZADO...9

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

ATIVIDADES NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REALIZADAS NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DOS CORREIOS

ATIVIDADES NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REALIZADAS NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DOS CORREIOS ATIVIDADES NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REALIZADAS NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DOS CORREIOS Claudia Maria Dias Guerra Disconzi (UNIPAMPA) claudiadguerra@hotmail.com Luis Antonio Sousa Rodrigues Junior

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA ANÁLISE COMBINATÓRIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA PROPOSTA DE ENSINO A PARTIR

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO

CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO PROJETO CONCEITO DESENVOLVIMENTO PRODUTO + = Todo projeto inicia-se com a necessária clareza sobre seu escopo e os documentos: o termo de abertura a declaração do

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

Mercado feminino de automóveis

Mercado feminino de automóveis Mercado feminino de automóveis Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br Olá, concurseiro! É um grande prazer poder lhe dar algumas dicas básicas a respeito da sua preparação para um Concurso Público. Sei que esse é um grande sonho, e ter a oportunidade de colaborar com a construção

Leia mais

Marcelo Ivanir Peruzzo

Marcelo Ivanir Peruzzo 5 Web Marketing Marcelo Ivanir Peruzzo É comum as pessoas utilizarem o termo marketing nas mais variadas situações, como na política: Ele está fazendo uma jogada de marketing para conquistar o cargo de

Leia mais

Cuidados com o corpo

Cuidados com o corpo Cuidados com o corpo Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem por cento

Leia mais

MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO

MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO OPERAÇÃO DE LOJA Açougue Prático e Teórico Açougue Prático e Verticalizado Atendimento - amenizando filas em supermercados Cartazista Cartazista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE Por que se importar 3 O melhor representante de atendimento 4 SUMÁRIO Escrevendo um anúncio de vaga de emprego Carta de apresentação

Leia mais