UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Planejamento para o início de obras em edificações de múltiplos pavimentos Silvio Romero Duarte Pereira Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos como parte dos requisitos para a conclusão da graduação em Engenharia Civil Orientador: Prof. Dr. José Carlos Paliari São Carlos 2012

2 DEDICATÓRIA Dedico esta monografia a meus pais, por acreditarem em mim e fazer de tudo para que eu pudesse chegar até aqui.

3 AGRADECIMENTOS Meus sinceros agradecimentos a todos os familiares e amigos pelo apoio e confiança em todo esse período de graduação. Agradeço ao Prof. Dr. José Carlos Paliari pela paciência, disponibilidade e pela orientação desse trabalho que foi e será muito importante para minha formação como Engenheiro Civil. Agradeço também a todo corpo docente e funcionários do Departamento de Engenharia Civil (DECiv) da UFSCar, pelo apoio e aprendizado nesses cindo anos da faculdade de engenharia civil. Agradeço a UFSCar por tudo que me proporcionou nos cinco últimos anos e qualidade indiscutível de ensino. Agradeço a todos os colegas e amigos que de alguma forma participaram e influenciaram nessa caminhada na graduação. E por fim e mais importante agradeço a Deus pelas ótimas oportunidades que a vida me proporciona e pela proteção e força nos momentos necessários.

4 Os sonhos não envelhecem. Márcio Borges.

5 RESUMO Em um mercado em que se exige cada vez mais rapidez e agilidade, os prazos se tornam cada vez mais curtos e planejar estrategicamente se torna um diferencial na entrega de um empreendimento. O planejamento feito pela maioria das empresas tem um enfoque na parte de execução e procuram otimizar esse tempo, mas muitas vezes as etapas de pré-obra e pós-obra são deixadas de lado. A partir disso, a elaboração e padronização de todo o processo que envolve o pré-obra usando os instrumentos necessários fornece a estimativa do período, além de subsídios para verificar o que é necessário priorizar para não ter atraso no processo. A metodologia a ser empregada conta com levantamento das atividades principais e preponderantes do pré-obra além da identificação no mercado de empresas que possuem planejamento ou algum tipo de padronização do processo e atuem no setor imobiliário para elaboração de um cronograma que abrange toda essa etapa de início de obras. A pesquisa fornecerá subsídios para a determinação de índices de produtividade, estudos mais aprofundados sobre a questão burocrática de obras no país e gerenciamento de canteiro e projetos na construção civil. Por fim, o trabalho é de suma importância para aqueles que pretendem atuar na área tanto na planejamento e controle das construções, como nas áreas de racionalização, gerenciamento e gestão de projetos. Palavras-chave: Planejamento, canteiro de obras, projetos.

6 ABSTRACT ABSTRACT Nowadays, a blooming market requires agility and quickness, therefore, deadlines becomes shorter and planning strategically turns to be business' big differential. Planning boards done by most of them has focus on its fulfillment and seeks the optimization of time, so pre and post stages in a process are put to the side. From this point on, the estimative time is provided by the the development and standardization of this process that involves the preconstruction* and its necessary instruments, beyond subsidies to verify what's necessary to prioritize and don't delay the process. The methodology consists of the pre stage's main and commanding activities survey, and also the identification of the enterprise that holds a planning strategy or some other type of standard process and housing for the development of an chronogram in this beginning period. This research will provide subsidies to determine produtivity results, bureaucratic laws studies in the county and civil building trade management. Last but not least, this coursework is very important for those that pretends to work in the planning or the construction controller* area, like the racionalization and management project areas. Key-words: planning, construction site, projects.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Terraplenagem Figura 2: Sondagem do terreno Figura 3: Exemplo de medidor de luz a ser instalado na obra Figura 4: Demolição de edifício Figura 5: Exemplo de tapume cercando o edifício Figura 6: Esquema de canteiro de obras Figura 7: Planta arquitetonica Figura 8: Foto de trinca em residência Figura 9: Fluxograma de atividades do pré-obra Figura 10: Cronograma base Figura 11: Croqui de um edifício de múltipos pavimentos Figura 12: Cronograma final Primeira parte Figura 13: Cronograma final Segunda parte... 49

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Potência de equipamentos elétricos Tabela 2: Tabela atividade versus empresa Tabela 3: Tabela de durações das atividades do pré-obra

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Justificativa Objetivos A motivação para o trabalho Limitações Metodologia de trabalho PLANEJAMENTO Visão geral A Indústria da Construção Civil Planejamento e Controle de obras Custos Orçamento Ferramentas para o planejamento Planejamento para projetos na construção civil Elaboração de projeto de canteiro de obras Fases do projeto Coordenação de projetos Qualidade de projetos Intervenientes na Construção Civil PRINCIPAIS ETAPAS DO PRÉ OBRA Início de obra Principais etapas ART e alvará de execução Movimentação de terra e sondagem Instalações provisórias Serviços e alvará de demolição Limpeza do terreno e tapumes Projeto e montagem do canteiro de obras Elaboração e aprovação de projetos Plano de qualidade e avaliação das condições de vizinhança Formação de equipes Lançamento e incorporação Fluxograma de atividades SELEÇÃO DE EMPRESAS... Erro! Indicador não definido. 4.1 Critérios para seleção Caracterização das empresas selecionadas ELABORAÇÃO DO CRONOGRAMA BASE... Erro! Indicador não definido. 5.1 Cronograma base CRONOGRAMA FINAL... 45

10 6.1 Definição de objeto de estudo Elaboração de cronograma final Apresentação CONCLUSÕES Análise do cronograma final Considerações finais REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA... 58

11 8 1. INTRODUÇÃO Na construção civil, um dos fatores levados cada vez mais em conta é o planejamento devido, na maioria das vezes, a complexidade desse setor, custos, orçamentos e a produtividade de máquinas e mão-de-obra. Dado um empreendimento como um todo, este possui várias etapas diferentes entre si. De uma forma geral, podem ser consideradas as fases de concepção, execução (produção) e uso. A etapa de execução é a que tem tido o maior destaque nas pesquisas realizadas na área. Enquanto isso, as fases de concepção e uso estão em um segundo plano, sendo a última considerada como a menos relevante. A fase de concepção tem sido muito estudada no que diz respeito à coordenação de projetos e projeto de canteiro, mas ainda existe uma carência de estudos com enfoque em um planejamento que englobe toda a etapa desde a idealização do empreendimento até a iminência do início de sua execução. A pergunta a ser feita é a seguinte: O que é necessário para começar uma obra e qual a duração desse período? Existem vários fatores que devem ser considerados ainda na concepção que vão além dos projetos em geral. São entraves burocráticos, questões ambientais, contratação de mão-de-obra, maquinário, previsão de gastos, vizinhança, plano de qualidade, limpeza do local, projeto e montagem do canteiro, entre outros. Nessa fase, algumas dessas etapas são imprescindíveis e não podem ser deixadas de lado. A maioria das empresas do ramo não possui um planejamento específico para esse período, visto que o mesmo vária de um tipo de obra para outra (Edificações, obras de estrada, obras de arte especiais, obras geotécnicas, obras de arte corrente, etc..). Mesmo assim, muitas vezes esbarramos em entraves burocráticos que atrasam o produto no final e podem vir compreender a construção. A burocracia no Brasil, também pode ser vista como um fator negativo, visto que, a mesma é muito grande e alguns órgãos públicos no país possuem grande lentidão e falta de corpo técnico eficiente. Um exemplo que pode ser citado é a aprovação de um projeto em prefeitura. Uma série de requisitos é necessária para dar entrada no mesmo e muitas vezes esse procedimento atrasa muito a etapa inicial.

12 9 Porém, nas últimas décadas, vêm sendo desenvolvidas ferramentas para realizar o controle não só de obras, mas de uma seqüência de atividades em geral com cronogramas, redes, etc.. Assim como na área de dimensionamento (estruturas, hidráulica, elétrica), os softwares de planejamento e orçamento estão cada vez mais aprimorados e vem evoluindo de forma a propiciar maiores avanços e menores incertezas. É de suma importância para a Engenharia Civil o conhecimento desses requisitos, pois com os softwares existentes nos dias de hoje, pode se ter uma noção mais ampla do tempo necessário desde a concepção até o início da obra propriamente dita, além do fato de ser aplicável para diversos tipos de empreendimentos, alterando as durações, formas e os tipos de algumas variáveis. Para a engenharia será uma boa contribuição uma pesquisa que mostre um panorama geral de etapas para o pré-obra, o tempo gasto e os caminhos críticos para se planejar obras de edificações de múltiplos pavimentos. O que se espera é que novas pesquisas nesse aspecto possam ser feitas, dando continuidade ao tema, criando novos padrões, relações matemáticas e melhorando cada vez mais essa área, otimizando o tempo necessário para começar a obra. Por fim, em um mercado cada vez mais competitivo, a redução de custos em todas as etapas aumenta a viabilidade do empreendimento e o planejamento adequado evita gastos desnecessários com mobilização, prejuízos com hora parada de máquinas e equipes, além de promover a entrega no prazo estipulado. 1.1 JUSTIFICATIVA O mercado no Brasil se encontra aquecido nos últimos anos. A economia vem se estabilizando com os anos, possibilitando um crescimento significativo no poder aquisitivo da população brasileira, além do aumento da oferta de crédito em diversos setores. Somado a isso, o governo tem investido nos ramos de infraestrutura e edificações, que são dois sub setores da construção civil, através de programas como o PAC 1 e 2. Sendo assim, a construção civil, como parte de todo esse mercado, é um dos setores que mais se beneficiaram com todo esse crescimento, como já mencionado anteriormente. Isso aliado à evolução das ferramentas gráficas e computacionais tem gerado uma necessidade cada vez maior de se planejar os empreendimentos, cumprir cronogramas e atender a alta demanda em questão, gerando assim capital (lucro) que é o objetivo das empresas construtoras, aumentando a racionalização e reduzindo os atrasos de cronograma.

13 10 O produto final trás satisfação aos clientes, pois é entregue no prazo e aos empreendedores, pois otimiza o processo produtivo e racionaliza os gastos. A partir disso, o conhecimento do cronograma pode servir de subsídio para futuras pesquisas mais aprofundadas, além da padronização das etapas principais e de um tempo médio de duração das mesmas. 1.2 OBJETIVOS Com o avanço da tecnologia, meios de transporte, o setor da construção civil tem exigido maior velocidade, dinamismo e racionalização em seus empreendimentos. A partir disso, o trabalho é voltado para a elaboração de um cronograma de acordo com as principais etapas que antecedem o início da construção de obras de edificação de múltiplos pavimentos. Com esse cronograma proposto, serão estimadas as atividades que possuem folga para a realização, o caminho crítico do processo e tempo total de duração dessa etapa até que tudo esteja pronto para a primeira atividade de execução. 1.3 A MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO O planejamento para o início de obras é um tema pouco tratado nos estudos universitários. Muito se fala do projeto de canteiro, ou do projeto executivo de um empreendimento. Porém o enfoque em etapas antes da obra demanda um grande estudo e serve como base para pesquisas futuras e mais aprofundadas com um enfoque, ao mesmo tempo didático, trazendo ao estudante de engenharia civil conteúdo sobre o tema e preparando o mesmo para saber lidar com todo o tramite do pré-obra, e empresarial, pois pode auxiliar empresas que não possuem planejamento nenhum sobre essa etapa a se organizar melhor nesse aspecto. Isso somado ao grande interesse pessoal pela área de planejamento/produção/gerenciamento de obras, faz com que o trabalho seja motivador e instigante e contribuirá e muito para formação pessoal. 1.4 LIMITAÇÕES Como principais limitações para o desenvolvimento desse trabalho têm-se a obtenção de material advindo das empresas para estudo. Muitas construtoras consideram esses arquivos como estratégicos, pois muitas vezes, essa é a diferença de tempo do lançamento até construção de um edifício entre construtoras. A seleção de empresas também foi um processo bem criterioso, visto que a mesma precisava atingir os objetivos

14 11 dentro da metodologia proposta. A idéia inicial foi buscar o máximo de empresas em diferentes estágios de crescimento e regiões do país, visto que o tema é bem amplo e variável. Feito isso, a definição de um objeto de estudo para a elaboração do cronograma base e do cronograma final também foi um empecilho considerável. 1.5 METODOLOGIA DE TRABALHO Com o intuito de atingir os objetivos estabelecidos, as atividades serão divididas em: Levantamento das atividades imprescindíveis para o início de uma obra de edificação de múltiplos pavimentos como: Atividades burocráticas (aprovação na prefeitura, companhias de água/luz/esgoto), estudos preliminares, projetos (básico, executivo e memoriais), instalações provisórias, montagem de canteiro, sondagem, terraplenagem, vizinhança, contratação de mão-de-obra, plano de qualidade da obra, gestão de resíduos, orçamentos, contratos; Fluxograma inicial organizando essas atividades em ordem cronológica; Revisão Bibliográfica: Será feita conforme as referências bibliográficas pesquisadas, além da consulta direta em empresas do ramo de construção civil; Pesquisa em várias empresas do ramo de edificações em diferentes regiões do país, com o intuito de verificar a existência do planejamento para o início de obras das mesmas. Após isso, selecionar três empresas que serão identificadas como Empresas A, B e C, seguindo alguns critérios de ponderação (organização empresarial, tipo de empreendimento construído, tipo de cliente a ser atingido) que serão discutidos mais adiante. Por fim, essa pesquisa consistirá em verificar nessas empresas, as atividades de planejamento para o início da obra, e a duração das mesmas. Elaboração de uma tabela, onde sejam listadas todas as atividades identificadas e as empresas selecionadas mostrando se cada etapa em questão é realizada ou não por elas. A partir dessas etapas, será proposto uma tabela de durações que mostra as durações de cada atividade pelas três empresas selecionadas. No final dessa tabela terá uma previsão otimista (menor duração), pessimista (maior duração) e uma média das três. A partir dos dados da tabela, será proposto

15 12 um cronograma base do tipo Gantt, que irá relacionar as etapas e suas devidas durações dependendo das empresas pesquisadas. Para a montagem desse cronograma, as atividades serão analisadas no quesito de tempo médio, ou seja, considerando a média aritmética das durações e na relação máximo/mínimo. Com isso, será obtida uma estimativa das durações mais otimista (com menor duração) e menos otimista (maior duração) e uma mediana para esse mesmo período. Análise do cronograma base do tipo que consistirá em uma comparação entre as durações dessa fase antecessora ao início da obra entre as empresas pesquisadas. Descrição de objeto de estudo que vai fornecer as condições de contorno para a elaboração do cronograma final. Elaboração de um cronograma final no Microsoft Project do tipo Gantt, usando os dados das empresas e dados coletados na pesquisa bibliográfica analisando o caminho crítico, ou seja, o caminho onde não se tem folga de atividades.

16 13 2. PLANEJAMENTO 2.1 VISÃO GERAL A INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Quando se fala em construção civil, vem logo a cabeça da maioria das pessoas a figura do pedreiro ou mestre de obras dentro de uma determinada construção realizando um serviço. A indústria da construção civil difere e muito das outras, uma vez que apresenta peculiaridades que refletem uma estrutura muito dinâmica e complexa. A arte de construir reúne uma gama de profissionais, maquinário e suprimentos em geral, que associados, produzem no final a obra desejada. A construção civil é considerada uma indústria altamente fragmentada em um grande número de empresas de pequeno porte, envolvendo uma enorme variedade de intervenientes e, comparativamente a outros setores, não é sofisticada (PALACIOS, 1995). O que ocorre nos dias atuais e vem cada vez mais se intensificado é que o setor da construção civil vem se sofisticando cada vez mais acompanhando o desenvolvimento tecnológico. Mesmo assim, pode-se considerar um setor que depende de muitos fatores internos e externos. O momento econômico do país, por exemplo, é um quesito que influi bastante na mesma. Essas características desta indústria mostram que o desenvolvimento de um planejamento, e um controle gerencial, interligados entre si, permitirá que várias empresas possam competir, inclusive as de pequeno porte. As empresas menores sofrem uma enorme desvantagem em relação às maiores, justamente pela maioria não possuir esse planejamento PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Segundo Chiavenato (1983), o planejamento e um processo permanente e contínuo, sendo a primeira função gerencial, por ser exatamente aquela que serve de base para as demais. A partir daí, tem-se como foco, a determinação antecipada do que se deve fazer e quais os objetivos devem ser atingidos. Com a formulação de hipóteses acerca da realidade atual e futura, têm-se condições racionais para que se organize um dado sistema de produção. Por fim, o efeito do planejamento é a absorção de incertezas, permitindo maior consistência no desempenho de empresas.

17 14 Segundo Assed (1986), o planejamento é a função administrativa que compreende a seleção de objetivos, diretrizes, planos, processos e programas. Para que esses objetivos sejam alcançados com eficiência, a empresa precisa obter harmonia entre os recursos financeiros e recursos físicos disponíveis. Essa harmonia é feita através de um planejamento racional. Segundo Araújo e Meira (1996), consideram-se como evento início do planejamento de uma obra toda parte que envolve a análise e o preparo de dados do respectivo projeto em concepção. Todas as divisões físicas principais da obra e etapas lógicas do projeto deverão ser estudadas nessa fase, estabelecendo as informações desejadas, proposição da inter-relação lógica dos principais subsistemas e os padrões de controle. Com isso, determina-se um planejamento integrado, contando com um sistema de informações. Nesse sistema, os dados relevantes são classificados e documentados, proporcionando maior segurança e custo final. O planejamento e o controle são atividades de suma importância em qualquer ramo industrial. No contexto da construção civil não é diferente e a execução de qualquer empreendimento exige uma combinação de recursos (materiais, mão de obra, equipamentos e capital), os quais estão sujeitos a limites e restrições. Portanto, o controle gerencial nada mais é que a comparação sistemática entre o previsto e o realizado, fornecendo subsídios para as análises financeiras, físicas e econômicas e estabelecer assim os critérios lógicos para a tomada de decisões. Segundo Alberton e Ensslin (1994), existem várias técnicas que ajudam o planejamento e controle de obras, como o Diagrama de Gantt, redes PERT/CPM, linhas de balanço, etc.. O Diagrama de Gantt consiste em um gráfico de barras dispostas que mostra as etapas de um empreendimento e o avanço das mesmas conforme o tempo. Esse diagrama mostra claramente o início e o fim de uma etapa e a dependência delas através das ligações entre as barras. Já as redes PERT/CPM interligam as atividades de forma a mostrar a relação entre as mesmas, dependência, ou precedência. O PERT é uma técnica probabilística que calcula a média ponderada de três durações possíveis da atividade (provável, otimista, pessimista). Já o CPM é uma técnica que determina a duração das atividades com base em consumo de recursos materiais e/ou humanos além do caminho crítico que mostra entre uma sequência de atividades, aquelas que não podem sofrer alterações em suas durações. A técnica do PERT/CPM não é mais utilizada sendo uma técnica antiga e ultrapassada para os dias atuais. Por fim, a Linha de balanço ou diagrama Tempo-Espaço considera o caráter repetitivo das atividades de uma edificação. Na LDB o

18 15 eixo vertical mostra os pavimentos e o horizontal a durações. O preenchimento indica um determinado serviço e como ele evolui na edificação conforme o tempo. O exercício do planejamento exige mais uma questão de atitude gerencial do que regras formais de procedimento administrativo. A falta do mesmo pode ser medida pelo dimensionamento inadequado das equipes e seqüenciamento errôneo das operações CUSTOS Segundo Araújo e Meira (1996) o termo custo geralmente é empregado por engenheiros, economistas, administradores, contadores e outros, e que abrange diferentes tipos. Quando se deseja especificá-lo, tem-se que definir seu propósito: direto, indireto, estimado, fixo, variável, etc. Na construção civil usualmente tem-se os diretos e indiretos. Os primeiros correspondem aos valores destinados à aquisição de: terrenos, materiais, equipamentos, mão de obra de construção e montagem. Já os indiretos representam as partes que não dependem da quantidade de serviços produzidos e podem ser: custos de engenharia (estudos de viabilidade, projeto básico, etc.); custos de construção e montagem do canteiro de obras; fiscalização por parte do cliente, etc ORÇAMENTO Segundo Souza (1987), o principal item de um planejamento é o orçamento, quando se analisa a viabilidade e rentabilidade. Com isso orçamento, pode ser definido como um plano financeiro para se realizar determinado serviço dentro da construção civil. Portanto, orçar uma obra ou um empreendimento consiste em calcular o seu custo, da maneira mais detalhada possível, a fim de que o custo orçado seja o mais próximo possível do real. Este deve ser realizado em uma ordem sistemática de execução de forma a torná-lo mais prático, sendo ela: levantamento de quantidade (quantitativos), cotação de insumos, composição de preços unitários, composição de BDI (Bonificação de Despesas Indiretas) e, por fim, a montagem da planilha orçamentária, que pode variar dependendo da empresa. 2.2 FERRAMENTAS PARA O PLANEJAMENTO Nos empreendimentos realizados, a partir da importância, de uma organização das etapas do mesmo como um todo surgiram, ao longo do tempo, diversas ferramentas para a construção ou representação gráfica e organizacional de um processo que vai desde a concepção do projeto até o final da obra.

19 16 Segundo Stonner (2001), o aparecimento de tarefas organizacionais mais complexas, a necessidade de uma maior flexibilidade e sofisticação das propostas organizacionais para o tratamento dessas tarefas e o aumento do porte e do escopo de empreendimentos, exigem que sejam disponibilizados ferramentas de planejamento ao pessoal relacionado a toda parte de gerência de empreendimentos. O mais conhecido deles é o MS Project, criado pela Microsoft, que possui diversas funções, além de ser um dos mais modernos aplicativos para o gerenciamento projetos. Esse software possui diversas funções e através do mesmo é possível realizar o planejamento, implantação, especificação, acompanhamento e desenvolvimento de projetos e obras. Os resultados são exibidos em formas de gráficos ou relatórios, alguns deles já citados anteriormente. Já nos dias atuais, muito se discute em modelos de integração de projetos para um melhor planejamento. Uma dessas novas tecnologias é conhecida como BIM (Building Information Modeling), ou Modelagem de Informações para a Construção, que permite organizar em um mesmo arquivo eletrônico, um banco de dados de toda a obra, acessível a todas as equipes de engenharia e arquitetura envolvidas na construção. Segundo Faria (2007), o BIM, em relação aos CADs tradicionais atribui informações aos desenhos elaborados no computador, sendo esse desenho mais inteligente e elaborados em três dimensões. Portanto, será uma tendência as ferramentas de planejamento partir para um modelo de construção integrada que tende a apresentar com mais clareza o projeto como um todo englobando todas as suas etapas. 2.3 PLANEJAMENTO PARA PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL De acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (NBR 5670, 1997), conceitua-se projeto como sendo a definição qualitativa e quantitativa de atributos técnicos, econômicos e financeiros de obras de engenharia e arquitetura, com base em dados ou estudos, discriminações técnicas, cálculos, desenhos, normas e disposições gerais. Com isso, da ideia de processo dentro desta indústria da construção, o mesmo pode ser segmentado em três etapas: concepção, produção e uso. Na primeira, as características da edificação são definidas e os principais documentos são elaborados. Já na segunda, a edificação é construída a partir dos documentos elaborados na etapa anterior. Na terceira e última etapa a edificação é concluída e começa a ser utilizada.

20 17 Dentre as três etapas citadas acima, a segunda etapa (produção) é a que recebe maior atenção, por parte da maioria dos pesquisadores e empresas. O objetivo é melhorar o desempenho em termos de gerenciamento, prazo e qualidade. Porém uma questão que tem sido discutida é que uma melhor concepção favorece uma melhor execução e assim por diante ELABORAÇÃO DE PROJETO DE CANTEIRO DE OBRAS Está relacionado à etapa de concepção da edificação. O projeto é reconhecidamente o que oferece as melhores oportunidades para a introdução da maioria das medidas que visam à racionalização no canteiro. Cerca de 80% das causas da não qualidade advém de defeitos da gestão de projetos. Para um projeto têm-se algumas etapas, como a definição de um programa de necessidades, elaboração de estudo preliminar, desenvolvimento do anteprojeto e elaboração do projeto executivo. De acordo com a NR18-Condições e meio ambiente do trabalho na indústria da construção, ficou obrigatório para estabelecimentos com vinte ou mais trabalhadores, o arranjo físico inicial do canteiro de obras. Com isso, fez-se necessário a elaboração do projeto do mesmo, a fim de atender as exigências legais possibilitando a otimização das condições de trabalho e segurança nas obras, contribuindo para o funcionamento mais eficiente do sistema de produção. Segundo Saurin (1997), o canteiro de obras tem como objetivo, propiciar a infraestrutura necessária para a produção do edifício com os recursos disponíveis, no momento necessário para sua utilização, podendo ser mais eficiente e eficaz em função do projeto do produto e da produção, e da forma de gerenciamento empresarial e operacional, influindo na produtividade da utilização dos recursos, em função da sua organização e do seu arranjo físico. Isso faz com que o processo de produção de um edifício seja favorecido, organizando e adequando o posicionamento dos elementos do canteiro. A utilização de ferramentas para a melhoria da qualidade e da produtividade e, a incorporação de inovações tecnologias ao processo de produção do edifício, são alguns dos princípios para a modernização do setor de construção que podem ser aplicado ao desenvolvimento do projeto de produção. O canteiro de obras ainda pode ser definido como uma área de trabalho fixa e temporária, onde serão desenvolvidas atividades de apoio e execução de uma obra. A NB-1367 (ABNT, 1991) define os mesmos como áreas destinadas à execução dos trabalhos da indústria da construção, dividindo-se em áreas operacionais e áreas de vivência.

21 18 Segundo Tommelein; Levitt; Hayes-Roth (1992), os canteiros são classificados em alto e baixo nível. O primeiro se refere ao canteiro onde a segurança e eficiência, além de boa moral dos trabalhadores. Já o segundo foca na minimização das distâncias, redução de tempo para movimentação de material e diminuição das obstruções na mesma. Com relação a metodologia, vale frisar que o projeto do canteiro, deve-se iniciar durante a definição do programa de necessidades (PE), andando paralelamente ao desenvolvimento do projeto com um todo FASES DO PROJETO Basicamente são quatro fases que englobam um projeto como um todo. O estudo preliminar define o processo construtivo, plano de ataque (estratégia de execução), projeto estrutural e sistemas prediais, além das técnicas e materiais que serão utilizados. Já o anteprojeto, é a fase em que se monta o cronograma, faz alocação de recursos e a representação da solução preliminar adotada atendendo a um planejamento elaborado. O projeto básico é uma fase do projeto executivo, sem uma gama de detalhes. No projeto executivo, têm-se um detalhamento de produto como um todo e do planejamento operacional de produção COORDENAÇÃO DE PROJETOS A coordenação de projetos vem de uma necessidade de compatibilização das informações geradas pelos diversos parceiros durante o desenvolvimento do projeto, além dos prazos e produtos. Cada vez mais, em edifícios para empreendimentos residenciais, comerciais e flat s há a demanda por projetos compatíveis com a expectativa de mercado no que tange ao atendimento das expectativas do cliente na relação entre preço e qualidade do produto a ser construído. Com isso, para atingir esse objetivo, é necessário o desenvolvimento adequado dos projetos tradicionais (arquitetura, estrutura e instalações) e também de projetos complementares, de adequação aos novos sistemas tecnológicos, como por exemplo os de vedações. A maioria desses sistemas é estruturada através de técnicas de rede de precedências, que são operadas por aplicativos para ambiente Windows, como Microsoft Excel, Project e Visual Basic, sendo as atividades identificadas no fluxo e inter-relacionadas através de redes, gerando um cronograma global de processo com prazos e dadas.

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012

Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012 Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012 Rua da Praça do Relógio, nº 9, Bloco K Cidade Universitária São Paulo SP 1 O presente documento pretender

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP Raquel Ragonesi Permonian (UFSCAR) raquelrpermonian@hotmail.com Jose da Costa Marques

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais Aula1. Profª. Angela A. de Souza

Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais Aula1. Profª. Angela A. de Souza Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais Aula1 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTRUÇÕES EDIFICAÇÕES OBRAS VIÁRIAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL OBRAS HIDRÁULICAS SISTEMAS INDUSTRIAIS OBRAS URBANIZAÇÃO ETAPAS

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO - ORÇAMENTOS - CRONOGRAMAS - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS - PLS - RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO EMPREENDIMENTO - RAE CRÉDITO IMOBILIÁRIO - FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO PESSOA

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE ULRICH, Helen Departamento de Engenharia de Produção - Escola de Engenharia

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS RESUMO Celso Carlos NOVAES Professor na Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia Civil Correio

Leia mais

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 DURAÇÃO DAS ATIVIDADES Como estimar a duração das atividades ou serviços? Existem duas formas básicas: Determina-se a quantidade de dias e a partir deste parâmetro compõe-se

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

GESTÃO DO PROPRIETÁRIO CARTILHA

GESTÃO DO PROPRIETÁRIO CARTILHA GESTÃO DO PROPRIETÁRIO CARTILHA POR QUE A GESTÃO DO PROPRIETÁRIO? 1 2 3 4 5 Porque você pode enxergar o cenário financeiro da obra de forma eficaz, e tomar decisões seguras, protegendo assim o patrimônio

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos.

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos. Apresentação da Empresa Sumário 02 Quem Somos 03 Urbanismo e Infraestrutura 04 Arquitetura e Paisagismo 05 Área de Estruturas 06 Proteção contra Incêndio 07 Área de Hidráulica 08 Instalações Elétricas

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT

MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO NOVA: PRAÇA SETOR GUARUJÁ EXPANSÃO - MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT Página 1 de 8 ÍNDICE 1 SERVIÇOS GERAIS 3 1.1 SERVIÇOS TÉCNICOS 4 1.2 MÁQUINAS E FERRAMENTAS 4 1.3 LIMPEZA PERMANENTE

Leia mais

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar:

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar: 1. INTRODUÇÃO: O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país. A partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos

Leia mais

2. INFORMAÇÕES E SIGILO

2. INFORMAÇÕES E SIGILO TERMO DE ADESÃO Para melhor comunicação e transparência ao cliente Plantafácil, disponibilizamos abaixo o termo de adesão de nossos produtos e serviços disponibilizados no site, de protocolo cartorial,

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013 1ª edição 1 DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO 1.1 O Sinduscon Premium Etapa Litoral Norte 1ª edição instituído pelo SINDUSCON RS, Sindicato das Indústrias

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Conjunto de atividades que visa a realização de obras de

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA JOINVILLE/SC - BRASIL - 4 a 7 de outubro de 2005 Local: Centreventos Cau Hansen PADRÕES INTERNACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICADOS À CONSERVAÇÃO

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Canteiro

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projetos/turma 149 29 de julho de 2015 Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Flávia Ciqueira

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16

RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16 RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16 Questionamento 1: Com relação ao edital do RDC 2013/11190 (9600) é de Questionamento

Leia mais

Edição 134 -Setembro/2012

Edição 134 -Setembro/2012 Edição 134 -Setembro/2012 Produção organizada Planejamento da obra requer projeto detalhado do canteiro e levantamento completo das informações acerca de equipamentos, materiais e perfil das equipes que

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Dificuldades Vida Profissional após a Graduação:

Dificuldades Vida Profissional após a Graduação: Dificuldades Vida Profissional após a Graduação: Arq. Graduação: Arquitetura e Urbanismo 2004 - Universidade de Passo Fundo UPF Especialização: Construção Civil 2008 NORIE - UFRGS Master: MDI Dirección

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

elipsoide de revolução

elipsoide de revolução 19.(TRT-8/CESPE/2013) Para a obtenção de mapas, é necessário que haja a projeção da superfície real ou física em formas geométricas, sendo que alguns ajustes prévios são necessários para que se possa fazer

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal 5045 - CEP 58051-970 - João Pessoa

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS

GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS 25/09/2012 GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS ENG O. LEONARDO MENDES LEAL DA PAIXÃO AGENDA Definição. Fase de Planejamento. FasesOperacionais. a) Fase de Implantação; b) Fase Funcional; c) Fase de Desmontagems

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CHAMADA INTERNA DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA 001/2015 A Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

CUB e Preço de Venda

CUB e Preço de Venda CUB e Preço de Venda Histórico do CUB: O CUB Custo Unitário Básico tem amparo na Lei 4.591 de 16 de dezembro de 1964, que dispõe sobre as incorporações imobiliárias. Com amparo nesta Lei, surgiu em 1965

Leia mais