PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANOS DE CONTINGÊNCIAS"

Transcrição

1 PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES

2 PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como pontua o USMC Planning Manual planejamento em situações críticas é a ação de visualizar uma situação final desejada e determinar meios efetivos para concretizar esta situação, auxiliando o tomador de decisão em ambientes incertos e limitados pelo tempo.

3 Diversos modelos foram desenvolvidos para auxiliar na construção desta ferramenta fundamental para a resposta a eventos potencialmente danosos, sobressaindo-se duas vertentes mais utilizadas.

4 A primeira, e mais tradicional, é a que estabelece o planejamento baseado em hipóteses de emergência específicas, e que determina procedimentos para cada um dos Cenários Acidentais identificados como relevantes em uma Análise Preliminar de Risco.

5 A segunda, que vem sendo progressivamente adotada, utiliza o planejamento baseado nas funcionalidades gerais de uma situação de emergência. Assim, o corpo principal do documento estabelece as responsabilidades das agências públicas, privadas e não governamentais envolvidas na resposta às emergências.

6 1. Princípios para a elaboração - identificar a responsabilidade de organizações e indivíduos que desenvolvem ações específicas em emergências; - descrever as linhas de autoridade e relacionamento entre as agências envolvidas, mostrando como as ações serão coordenadas; - descrever como as pessoas, o meio ambiente e as propriedades serão protegidas durante emergências; - identificar pessoal, equipamento, instalações, suprimentos e outros recursos disponíveis para a resposta às emergências, e como serão mobilizados; - identificar ações que devem ser implementadas antes, durante e após a resposta a emergências.

7 2. Passos do planejamento Pesquisa O primeiro passo é a pesquisa. Ela consiste em uma revisão da estrutura de planos existentes para a área, análise preliminar de risco, definição da base de dados a ser adotadas e caracterização dos aspectos da área que possam afetar as emergências.

8 2. Passos do planejamento Revisão da legislação, das normas, dos planos e dos mecanismos de cooperação. É importante revisar a Legislação Federal, Estadual e Municipal que pode influenciar no planejamento e resposta a emergências. Outras normas, administrativas e mesmo internas às agências envolvidas também devem ser revisadas. Os planos aplicáveis à área para a qual se vai planejar também devem ser revisados, bem como aqueles destinados às áreas vizinhas. Finalmente, os mecanismos de ajuda mútua como convênios, acordos de cooperação

9 2. Passos do planejamento Análise preliminar de risco A análise de risco, como foi destacado anteriormente, é fundamental para a identificação de medidas de prevenção e preparação, com conseqüências importantes para a resposta a emergências. Sob o ponto de vista do planejamento para emergências, a análise de risco auxilia a equipe de planejamento a definir quais riscos devem ser priorizados, quais ações devem ser planejadas e que recursos provavelmente serão necessários.

10 2. Passos do planejamento Identificação dos recursos existentes A equipe de planejamento deve conhecer os recursos disponíveis para a resposta às emergências. A questão é listar e quantificar os recursos, de forma a permitir uma comparação entre os recursos existentes e os recursos que serão necessários para uma resposta efetiva à emergência.

11 2. Passos do planejamento Identificação dos aspectos especiais de planejamento A equipe de planejamento também deve identificar aspectos específicos que possam influenciar o planejamento, tais como características geomorfológicas, dependência de apenas uma via de transporte, grupos com necessidades especiais, existência de áreas de interesse especial (reservas e sítios arqueológicos, por exemplo) entre outras.

12 2. Passos do planejamento Desenvolvimento Uma vez concluída esta pesquisa inicial, a equipe de planejamento construirá o Plano de Emergência por meio de passos como estes:

13 2. Passos do planejamento Validação O Plano de Contingência deve ser verificado para identificar sua conformidade com a legislação pertinente, bem como procedimentos operacionais padronizados pelas agências com responsabilidade pela sua implementação. Além disto, deve ser verificada sua utilidade na prática. Uma forma muito útil de verificar esta condição é a realização de simulados de mesa envolvendo os representantes das agências com responsabilidade pela implementação do plano elaborado.

14 2. Passos do planejamento Aprovações ao Plano de Contingência O Plano de Contingência constitui uma exigência de alguns dispositivos legais ou contratuais e por isto deve receber a aprovação das agências encarregadas da fiscalização destes requisitos. Além disso, o envio do Plano de Emergência para o nível superior de agências específicas de áreas relacionadas ao plano como órgãos ambientais, defesa civil, órgãos de saúde e outros possibilita que estes sugiram melhorias, baseadas na experiência acumulada em suas respectivas áreas.

15 2. Passos do planejamento Teste do Plano de Contingência Para testar um Plano de Contingência novo ou revisado, o uso de exercícios de simulação total ou parcial (por funcionalidades do sistema ou áreas de resposta) oferece o melhor caminho, exceto a própria emergência, para verificar se o plano foi compreendido e funciona. Por isso, deve ser prevista uma seqüência de exercícios suficientes para envolver as principais agências com responsabilidade pela implementação do plano e as principais funcionalidades previstas.

16 2. Passos do planejamento Manutenção O Plano de Contingência deve ser visto como um documento dinâmico. Os problemas surgem, as situações se alteram, falhas são identificadas, a legislação sofre mudanças e novos conhecimentos são agregados. Por isso, o Plano de Contingência deve sofrer uma manutenção sistemática, que garanta a sua aplicabilidade ao longo do tempo.

17 2. Passos do planejamento Processo de melhoria O processo de melhoria deve estabelecer uma forma de capturar informações dos exercícios, das avaliações das emergências e mesmo avaliação das agências que possam indicar deficiências no plano. Deve ainda estabelecer formas de analisar estas informações e atribuir responsabilidade pelo processo de correção e melhoria. Processo de revisão O Plano de Contingência deve prever um processo de revisão, como ação periódica e sistemática, pelo menos uma vez ao ano. Neste processo, esperase que assuntos e problemas relevantes identificados pelo processo de melhoria sejam abordados, otimizando a revisão do Plano de Emergência. Processo de complementação do planejamento O Plano de Contingência também deve orientar as agências com responsabilidade pela implementação do Plano de Emergência para que produzam os procedimentos operacionais padronizados necessários para a sua atuação, uma vez que não se espera que o plano traga todos os detalhes.

18 4. Requisitos do Plano de Contingência Organização. As subdivisões do plano devem permitir que os usuários encontrem as informações que precisam com facilidade.

19 4. Requisitos do Plano de Contingência Progressão. Os elementos de cada parte do plano devem possuir uma seqüência racional, que permita ao usuário do plano identificar a lógica das ações e implementar suas atribuições com facilidade.

20 4. Requisitos do Plano de Contingência Adaptabilidade As informações do plano devem ser organizadas de forma a permitir o seu uso em emergências inesperadas.

21 4. Requisitos do Plano de Contingência Compatibilidade A estrutura do plano deve facilitar a coordenação com outros planos, incluindo os adotados por agências governamentais e outras agências privadas.

22 5. Componentes Plano Básico O Plano Básico formaliza uma visão geral das agências envolvidas na resposta a desastres e suas responsabilidades. Enumera os requisitos legais para as operações de emergência, apresenta um sumário das situações em que o plano é aplicável, expõe a concepção geral das operações e atribui responsabilidades pelo planejamento e operação em emergências.

23 5. Componentes Anexos funcionais Os anexos funcionais organizam as ações relacionadas a uma determinada funcionalidade das operações em emergências. Uma vez que os anexos funcionais são orientados para as operações, seus usuários primários consistem nos integrantes das agências que realizarão as atividades.

24 5. Componentes Apêndices para ameaças ou perigos específicos Os apêndices para ameaças ou perigos específicos fornecem informação adicional detalhada aplicada à execução funcionalidades específicas nas operações envolvendo uma ameaça ou perigo em particular. Eles são utilizados quando as características ou legislação referentes a esta ameaça ou perigo exigem algum procedimento específico.

25 5. Componentes Procedimentos operacionais padronizados e listas de verificação Os procedimentos operacionais padronizados e listas de verificação fornecem instruções detalhadas que as agências e seus integrantes necessitarão para cumprirem as atribuições definidas no Plano de Emergência. Estes procedimentos e listas podem estar no próprio plano ou simplesmente referenciados.

26 Estrutura do Plano básico - material de introdução; - finalidade; - situação e pressupostos; - operações; - atribuição de responsabilidades; - administração e logística; - instruções para uso do plano; - instruções para manutenção do plano; - distribuição; - registro das alterações.

27 Estrutura do Plano básico Material de introdução O Plano de Contingência deve ser iniciado por certas informações que facilitem o seu uso e controle. Entre elas recomenda-se as que se apresentam a seguir. Documento de aprovação Página de assinaturas Registro de alterações Registro das cópias distribuídas Sumário

28 Estrutura do Plano básico Finalidade A finalidade descreve a motivação pela qual o plano foi elaborado, estabelecendo de forma clara o que se espera do plano. O restante do Plano de Contingência deriva de forma lógica a partir da finalidade. A finalidade pode ser suportada pela apresentação de uma sinopse do Plano Básico, dos Anexos Funcionais e dos Apêndices Específicos.

29 Estrutura do Plano básico Situação e pressupostos Após o estabelecimento da finalidade, a descrição de situação estreita o foco delineando quais as ameaças ou perigos a que o plano se refere, a caracterização das áreas sujeitas ao plano, e quais as informações utilizadas na preparação do plano que devem ser tratadas como pressupostos e não com fatos.

30 Estrutura do Plano básico Operações Os usuários do Plano Básico precisam visualizar a seqüência e a finalidade das ações planejadas. A seção de operações expõe a abordagem geral para a emergência. Os seus tópicos devem incluir: - organização local dos órgãos e estruturas de resposta; - dispositivos de monitoração, alerta, alarme e acionamento; - condições de ativação do Plano de Emergência; - níveis de atuação e suas implicações; - seqüência geral de ação antes, durante e depois da emergência; - quem pode solicitar auxilio e em que condições; - procedimentos de coordenação, comando e controle.

31 Estrutura do Plano básico Atribuição de responsabilidades Nesta parte do Plano de Contingência deverão estar descritas as atribuições de cada uma das agências envolvidas na resposta a emergências e com atribuições na implementação do plano. Isto inclui uma lista por agência e departamento das tarefas que devem ser executadas, de forma a permitir uma consulta rápida sobre quem faz o que, sem os detalhes de procedimentos incluídos no anexo funcional. Quando duas ou mais organizações executarem o mesmo tipo de tarefa, uma deve ser identificada como responsável primária e as demais como receberem a atribuições de apoio e suporte.

32 Estrutura do Plano básico Administração e logística Esta parte do Plano de Contingência descreve como será fornecido o suporte administrativo e logístico, indicando convênios e termos de cooperação para a obtenção de serviços e suprimentos, realocação de pessoal das agências envolvidas, procedimentos gerais para compra, locação ou contratação de recursos e orientações para o registro da obtenção, uso e prestação de contas dos recursos financeiros.

33 Estrutura do Plano básico Relacionamento com outros planos Esta parte descreve como o Plano de Contingência se articula com outros planos com o qual possa ter relação, incluindo os planos de agências governamentais e não governamentais.

34 Instruções para uso do plano Esta parte do plano deve estabelecer claramente, de forma sucinta, onde o plano será utilizado, incluindo um rol das instalações e percursos explicitamente considerados no planejamento.

35 Instruções para manutenção do plano Esta parte deve estabelecer como ocorrerá a manutenção do Plano de Contingência incluído os processos para: - melhoria do Plano de Contingência, incluindo a periodicidade e modalidade de exercícios e treinamentos, procedimentos para avaliação das emergências e responsabilidade pela captura das informações; - revisão do plano, incluindo a periodicidade e atribuindo responsabilidade; - Complementação do planejamento, incluído a orientação para que as agências com responsabilidade pela implementação do Plano de Contingência produzam os procedimentos operacionais padronizados necessários para a sua atuação.

Prefeitura Municipal De Morro Redondo/RS. Manual Contribuinte Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e

Prefeitura Municipal De Morro Redondo/RS. Manual Contribuinte Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Prefeitura Municipal De Morro Redondo/RS Manual Contribuinte Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Fly e-nota Importante: Antes de iniciar o manual cabe lembrar que em todos esses processos existe a

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Despesas Acessórias e Pedágio na Base de Cálculo ICMS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Despesas Acessórias e Pedágio na Base de Cálculo ICMS Despesas Acessórias e Pedágio na Base de Cálculo ICMS 07/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

SUMÁRIO. 1.3 CONCEITOS DE SISTEMA OPERACIONAL Processos Arquivos O shell 42

SUMÁRIO. 1.3 CONCEITOS DE SISTEMA OPERACIONAL Processos Arquivos O shell 42 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 21 1.1 O QUE É O SISTEMA OPERACIONAL? 23 1.1.1 O sistema operacional como uma máquina estendida 23 1.1.2 O sistema operacional como gerenciador de recursos 24 1.2 HISTÓRIA DOS SISTEMAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13/2006 Dispõe sobre a progressão funcional de professores para a Classe de Professor Associado O Conselho Superior CONSU, da Universidade Federal de Juiz de Fora, no exercício

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA APLICADA MESTRADO EM QUÍMICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA APLICADA MESTRADO EM QUÍMICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA APLICADA MESTRADO EM QUÍMICA ESTRUTURA DO EXAME DE QUALIFICAÇÃO E DA DISSERTAÇÃO PONTA

Leia mais

Fundamentos da Gestão de Riscos

Fundamentos da Gestão de Riscos BUSINESS ASSURANCE Fundamentos da Gestão de Riscos Gestão de riscos ambientais Felipe Antunes e Deodato dos Santos SAFER, SMARTER, GREENER DNV GL Fundaçãodatadade 1864 400+ escritórios 100+ países 16.500

Leia mais

Infor LN Use este guia para catálogos do produto

Infor LN Use este guia para catálogos do produto Infor LN Use este guia para catálogos do produto Copyright 2017 Infor Todos os direitos reservados. As marcas e logomarcas definidas aqui são marcas comerciais e/ou marcas comerciais registradas da Infor.

Leia mais

Insider Threat Data Protection

Insider Threat Data Protection Insider Threat Data Protection OBTENHA VISIBILIDADE INCOMPARÁVEL DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS E SEUS DADOS Insider Threat Data Protection VISIBILIDADE INCOMPARÁVEL DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS E DA MOVIMENTAÇÃO

Leia mais

O Estágio é uma atividade curricular obrigatória desenvolvida a partir da inserção do aluno no espaço

O Estágio é uma atividade curricular obrigatória desenvolvida a partir da inserção do aluno no espaço O Estágio é uma atividade curricular obrigatória desenvolvida a partir da inserção do aluno no espaço socioinstitucional, objetivando oportunizar a experiência do supervisão direta e sistemática. exercício

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Gestão de Glosas. 11.8x. março de Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Gestão de Glosas. 11.8x. março de Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Gestão de Glosas 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivos... 3 3 Fluxos do Processo... 4 4 Encerramento da Conta... 5 4.1 Realizando

Leia mais

Provas de campo. Condições gerais

Provas de campo. Condições gerais Provas de campo Condições gerais Aquecimento na área de comptição Na área de competição e antes do início da prova, cada Atleta pode realizar várias tentativas. Nas provas de arremessos e lançamentos,

Leia mais

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO?

O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? O QUE É UM SISTEMA DE GESTÃO? É UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS FATORES DE PRODUÇÃO, MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, PROCESSOS E RECURSOS HUMANOS, VOLTADOS PARA A SOBREVIVÊNCIA DA EMPRESA, ATRAVÉS DA BUSCA CONSTANTE

Leia mais

RHAMOS E BRITO COMERCIO IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA

RHAMOS E BRITO COMERCIO IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA RHAMOS E BRITO COMERCIO IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA TERMO DE GARANTIA LIMITADA E SUPORTE TÉCNICO SÃO PAULO - SP Novembro / 2013 TERMO DE COMPROMISSO Por meio deste termo de garantia, a empresa Rhamos

Leia mais

Inclusão de NOTAS FISCAIS. Guia Rápido Audatex Web Perfil Oficina

Inclusão de NOTAS FISCAIS. Guia Rápido Audatex Web Perfil Oficina Inclusão de NOTAS FISCAIS Guia Rápido Audatex Web Perfil Oficina 1 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Acesso... 3 3. Home Tela Inicial... 4 4. Sinistros... 5 5. Dados Gerais... 6 6. Notas Fiscais... 6 7. Ações...

Leia mais

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE

1. CONCEITO. Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços SGI CREF13 BA/SE 1. CONCEITO Melhorar continuamente processos, procedimentos e serviços Praticar a responsabilidade social defendendo a sociedade e assumindo compromisso com o meio ambiente SGI CREF13 BA/SE Desenvolver

Leia mais

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL

PROJETO INTEGRADO EM SEGURANÇA EMPRESARIAL PROJETO INTEGRADO EM EMPRESARIAL CLIENTE UFPE - QUADRANTE B ESTUDO ANÁLISE DE RISCO Emitido em: 28/06/2013 SUMÁRIO 1. LISTAGEM DOS RISCOS 2. DEFINIÇÃO DOS RISCOS 3. CLASSIFICAÇÃO DOS RISCOS 4. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Introdução. Objectivos do PEI. Identificação de Riscos. Constituição do PEI Curiosidades Conclusão

PLANO DE EMERGÊNCIA. Introdução. Objectivos do PEI. Identificação de Riscos. Constituição do PEI Curiosidades Conclusão PLANO DE EMERGÊNCIA Introdução Objectivos do PEI Identificação de Riscos Constituição do PEI Curiosidades Conclusão Introdução O Plano de Emergência Interno (PEI) tem o objectivo fundamental, a protecção

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo Declaração de Escopo Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/0/2011 1.00 Versão Inicial do Documento Rafael Faria Sumário 1 INTEGRANTES DO PROJETO 2 OBJETIVO DO PROJETO 3 - CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN

Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN Conferência Ad Urbem Porto, 26-27 de Novembro Informação e Monitorização Estratégica: A experiência em curso no QREN 2007-2013 Paulo Areosa Feio Informação e Monitorização Estratégica: A Experiência do

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460) E DO PROJETO INTERDISCIPLINAR (30-094)

NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460) E DO PROJETO INTERDISCIPLINAR (30-094) UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460)

Leia mais

Engenharia de Software Aula 2.1 Introdução à Engenharia de Requisitos. Prof. Bruno Moreno

Engenharia de Software Aula 2.1 Introdução à Engenharia de Requisitos. Prof. Bruno Moreno Engenharia de Software Aula 2.1 Introdução à Engenharia de Requisitos Prof. Bruno Moreno bruno.moreno@ifrn.edu.br Engenharia de Requisitos É, talvez, o maior problema da indústria de SW; Está relacionada

Leia mais

Tabelas de Contrato. Gestão de Contratos

Tabelas de Contrato. Gestão de Contratos Gestão de Contratos Sumário 1. Introdução... 3 1.1. Objetivos do Treinamento... 3 2. Conceito... 4 2.1. Tipos de Contrato... 4 2.2. Status do Contrato... 4 2.3. Motivos de Cancelamento... 6 2.4. Tipos

Leia mais

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 5.3.3.4 Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 101 5.3.4 Definição das Classes - Módulo Pedagógico 5.3.4.1 Classe GrupoCurso A classe GrupoCurso

Leia mais

Indexação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Indexação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Indexação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília 1 Penso, logo existo. Brincadeira feita por Fernando Modesto MODESTIKUS, Bibliotecário Grego René Descartes

Leia mais

Vantagens do Financiamento

Vantagens do Financiamento I M Ó V E I S C O M E R C I A I S N O S E U A Vantagens do Financiamento I M Ó V E I S C O M E R C I A I S N O S E U A Vantagens do uso do financiamento em investimentos U m a a l t e r n a t i v a m u

Leia mais

Instruções de Acesso: Eventos Científicos. Departamento de TI da FACTHUS (Atualizado: 22/09/2016)

Instruções de Acesso: Eventos Científicos. Departamento de TI da FACTHUS (Atualizado: 22/09/2016) Instruções de Acesso: Eventos Científicos Primeiro Acesso No primeiro acesso informe os números do CPF e depois selecione a opção Prosseguir Se você for aluno da FACTHUS ao clicar na opção prosseguir preencha

Leia mais

Procedimento Geral. Denominação: Procedimento Geral de Comunicação Interna e Externa. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016.

Procedimento Geral. Denominação: Procedimento Geral de Comunicação Interna e Externa. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016. Denominação: Procedimento de Comunicação Interna e Externa Dono do Processo: Tipo do Doc. Emissão: 29/10/2014 Revisão : 14/11/2016 Empresa Área Numero Rev: 01 Controle de alterações Revisão Data Local

Leia mais

WORKSHOP DE BOAS PRÁTICAS DEFESA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO 21 de Julho de 2016

WORKSHOP DE BOAS PRÁTICAS DEFESA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO 21 de Julho de 2016 ORGANIZAÇÃO DE SIMULADOS O CASO DE CAMPOS DO JORDÃO-SP WORKSHOP DE BOAS PRÁTICAS DEFESA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO 21 de Julho de 2016 O que é simulado? Vem do verbo - si mu lar 1. Fingir, fazer o simulacro

Leia mais

Tópicos em Mineração de Dados

Tópicos em Mineração de Dados Tópicos em Mineração de Dados Descoberta de agrupamentos Método k-médias 1. Introdução A descoberta de agrupamentos é uma tarefa descritiva que procura agrupar dados utilizando a similaridade dos valores

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA PRF 2013 (CESPE) POLICIAL RODOVIÁRIO FEDERAL

PROVA DE MATEMÁTICA PRF 2013 (CESPE) POLICIAL RODOVIÁRIO FEDERAL PROVA DE PRF 013 (CESPE) POLICIAL RODOVIÁRIO FEDERAL Considerando que uma equipe de 30 operários, igualmente produtivos, construa uma estrada de 10 km de extensão em 30 dias, Julgue os próximos itens.

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Gerador de Etiquetas

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Gerador de Etiquetas CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Gerador de Etiquetas Objetivo do projeto Com este projeto, o cliente poderá de forma visual desenvolver o seu layout de etiqueta e utilizá-lo nos processos de emissão de etiquetas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP e a UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS, PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NÃO REMUNERADO A ESTUDANTE

Leia mais

NÃO ESCREVA NESTA PÁGINA

NÃO ESCREVA NESTA PÁGINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTÃOZINHO ESTADO DE SÃO PAULO Concurso Público 033. Prova Prático-Profissional Procurador Municipal Você recebeu este caderno contendo um tema de peça processual a ser desenvolvido.

Leia mais

Gestão Integrada da Qualidade e do Marketing Organizacional

Gestão Integrada da Qualidade e do Marketing Organizacional Gestão Integrada da Qualidade e do Marketing Organizacional Fonte: http://www.datalyzer.com.br/site/suporte/administrador/info/arquivos/info44/44.html Papel do Marketing e o Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Sumário

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Sumário MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Sumário Definição... 2 Orientação... 2 Tabela I... 3 Procedimentos aos alunos... 3 Tabela II... 4 Atividades Realizadas na Instituição... 4 Entrega de Relatórios e Datas...

Leia mais

Características de Programas de Segurança Comportamental. Algumas Críticas Recentes

Características de Programas de Segurança Comportamental. Algumas Críticas Recentes Características de Programas de Segurança Comportamental. Algumas Críticas Recentes Ildeberto Muniz de Almeida Depto de Saúde Pública da Fac Medicina de Botucatu UNESP. Novembro de 2008 Programas de Segurança

Leia mais

Mapa de Karnaugh. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

Mapa de Karnaugh. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática Mapa de Karnaugh Nuno Pombo / Miguel Neto Arquitectura Computadores I 2014/2015 15 Simplificação Na forma mínima soma de produtos só devem aparecer termos correspondentes a grupos primários. Cada célula

Leia mais

Avisos legais KYOCERA Document Solutions Inc.

Avisos legais KYOCERA Document Solutions Inc. Avisos legais É proibida a reprodução total ou parcial deste guia sem a devida autorização. As informações deste guia estão sujeitas a modificações sem aviso prévio. Não nos responsabilizamos por quaisquer

Leia mais

EMISSÃO E GERENCIAMENTO DE CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO

EMISSÃO E GERENCIAMENTO DE CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO EMISSÃO E GERENCIAMENTO DE CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO Sumario 1- O que é cte? 2- Acesso ao sistema. 3- Cadastros Certificado Pessoa Motorista Proprietario Veículo Tributação 4- Emissão do Cte.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE DEFESA SOCIAL

RELATÓRIO DE GESTÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE DEFESA SOCIAL RELATÓRIO DE GESTÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE DEFESA SOCIAL Exercício de 2015 Sumário 1. DO FUNCIONAMENTO E DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS... 2 2. DOS SETORES... 2 4. RETORNO A POPULAÇÃO... 3 5. OBSERVÂNCIA DA

Leia mais

7 Comandos e Estruturas de Controle

7 Comandos e Estruturas de Controle Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 03 Prof. André Moraes 7 Comandos e Estruturas de Controle Na criação de algoritmos é comum utilizar conceitos de bloco lógico, entrada e saída de dados, constantes,

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 Turma: K Professora: Maria de Fátima Martinho 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Higiene,

Leia mais

Nota de Aplicação Alteração do firmware do controlador HX e converso ION CODI

Nota de Aplicação Alteração do firmware do controlador HX e converso ION CODI Nota de Aplicação Alteração do firmware do controlador HX e converso ION CODI Como alterar um firmware do controador de demanda ou conversor ION CODI Schneider Electric Suporte Técnico Brasil Título: Como

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Ilha Solteira SP 2014 SUMÁRIO Definição... 2

Leia mais

Esta é sua tela inicial. A configuração dela é bem simples, basta seguir os passos.

Esta é sua tela inicial. A configuração dela é bem simples, basta seguir os passos. 1- AO ABRIR O APLICATIVO PELA PRIMEIRA VEZ Esta é sua tela inicial. A configuração dela é bem simples, basta seguir os passos. Preencha como na figura ao lado o nome + DDD + número do celular com 9 dígitos.

Leia mais

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PEÇA PROFISSIONAL Mário emitiu um cheque do Banco Popular, da conta-corrente n.º.-, agência, no valor de R$ 0,00, para pagamento de despesas de prestação de serviço,

Leia mais

Mais controle. Maior rendimento

Mais controle. Maior rendimento Mais controle Maior rendimento REdUção de custos com FERRaMEntaS EM até 30% 60% MaiS RáPido na LocaLização de FERRaMEntaS MEnoR tempo PaRa SoLicitaR FERRaMEntaS MEnoR tempo de implantação do MERcado Atualmente

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Gerenciamento do Escopo Projeto - Ciclo de Vida Fases 3 EXECUÇÃO / CONTROLE 4 FECHAMENTO NÍVEL DE ATIVIDADE 1 CONCEPÇÃO / INICIAÇÃO 2 PLANEJAMENTO TEMPO Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE FISCAIS DE CONTRATOS

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE FISCAIS DE CONTRATOS FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE FISCAIS DE CONTRATOS 1 DGCC Pró-Reitoria de Assuntos Financeiros (PROAF) Assessoria Secretaria Coord. Geral de Contabilidade (COGC) Sub. Coord. de Contabilidade (SCCONT) Coord.

Leia mais

Avni. Sistemas Avni de Vigilância de Ampla Cobertura.

Avni. Sistemas Avni de Vigilância de Ampla Cobertura. Sistemas Avni de Vigilância de Ampla Cobertura www.thalesgroup.com/uk ÍNDICE 04. Introdução 07. Recursos e capacidades 10. Aplicações 15. Modelos operacionais 16. Benefícios 03 INTRODUÇÃO No mundo atual,

Leia mais

VAGA COMERCIAL EM VIGOR ATÉ 29 FEVEREIRO 2012

VAGA COMERCIAL EM VIGOR ATÉ 29 FEVEREIRO 2012 VAGA COMERCIAL EM VIGOR ATÉ 29 FEVEREIRO 2012 1 NOVO ALTERAÇÕES NA OFERTA Atualização das mensalidades de todos os pacotes para novas adesões, com exceção, dos pacotes 1P (Digital HD e Funtastic HD) e

Leia mais

Propostas e projetos para o ensino de física

Propostas e projetos para o ensino de física Propostas e projetos para o ensino de física Análise: Física Integração e Tecnologia X Coleção Ser Protagonista Integrantes: Jorge Eduardo Ribeiro, Fernanda Ribeiro e Evandro Nonato Analise do Livro Física

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada Inscrição para a frequência de cursos de Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário Aluno Dados Pessoais Nome completo*: Nacionalidade: Data de nascimento (dia/mês/ano): Local de nascimento: Doc.

Leia mais

Soluções de Comunicação Publicitária

Soluções de Comunicação Publicitária Soluções de Comunicação Publicitária Direct Mail Tabelas de preços Condições gerais Versão set15 Informação geral Direct Mail SEGMENTO OCASIONAL Preços aplicáveis a qualquer pessoa singular ou coletiva

Leia mais

Quinta-feira,

Quinta-feira, 7º Ano - C 7º Ano - B 7º Ano - A Quinta-feira, 28. 01.16 Português Xadrez 7º ano A - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica Substantivo e seus determinantes Págs 22 Pág. 23 Conclusão do

Leia mais

O que é Segurança da Informação

O que é Segurança da Informação PARTE V - CRIPTOGRAFIA O que é Segurança da Informação 1 Segurança de Informação relaciona-se com vários e diferentes aspectos referentes à: confidencialidade / privacidade, autenticidade, integridade,

Leia mais

Infor LN Vendas Guia do usuário para controle de margem

Infor LN Vendas Guia do usuário para controle de margem Infor LN Vendas Guia do usuário para controle de margem Copyright 2017 Infor Todos os direitos reservados. As marcas e logomarcas definidas aqui são marcas comerciais e/ou marcas comerciais registradas

Leia mais

Especificação do Caso de Uso

Especificação do Caso de Uso Especificação do Caso de Uso Histórico de Revisão Sumário Data Versão Descricão Autor 22/0/2011 1.0 Versão Inicial de Desenvolvimento Maurício Santos 31/0/2011 1.1 Correções e atualizações Maurício Santos

Leia mais

Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 Nº Id. SSO Revisão 01

Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 Nº Id. SSO Revisão 01 Grupo MAHLE Brasil Data 01/08/08 Página 1/6 1. OBJETIVO 1.1 Assegurar que os trabalhos não rotineiros sejam executados com segurança. 1.2 Garantir a prévia coordenação / comunicação entre os empregados

Leia mais

DETERMINANDO A PORCENTAGEM DE FRATURA EM AGREGADO GRAÚDO

DETERMINANDO A PORCENTAGEM DE FRATURA EM AGREGADO GRAÚDO DETERMINANDO A PORCENTAGEM DE FRATURA EM AGREGADO GRAÚDO C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Março de 2013 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T- 335-09 - REV.1 09/2014 T 335 Rev.2 pg1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

Contratos entre Partes Relacionadas: a Res. Nº 22/99 e propostas de alteração

Contratos entre Partes Relacionadas: a Res. Nº 22/99 e propostas de alteração Contratos entre Partes Relacionadas: a Res. Nº 22/99 e propostas de alteração André Serrão XIII Simpósio Jurídico da ABCE Brasília, 20 de agosto de 2007. 1 Resolução ANEEL nº 22/99 Discussão sobre abrangência:

Leia mais

Avaliação socioambiental de fornecedores

Avaliação socioambiental de fornecedores Avaliação socioambiental de fornecedores IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: CNPJ: Material/serviço que fornece: Responsável pelas informações: Cargo: Telefone: E-mail: Questionário Gostaríamos de conhecer

Leia mais

REVISÃO DO PERFIL DOS PROGRAMAS - atribuição de nota. (Efetuada na reunião de coordenadores na UFSC/Florianópolis nos dias: 06 e 07 março de 2003)

REVISÃO DO PERFIL DOS PROGRAMAS - atribuição de nota. (Efetuada na reunião de coordenadores na UFSC/Florianópolis nos dias: 06 e 07 março de 2003) REVISÃO DO PERFIL DOS PROGRAMAS - atribuição de nota (Efetuada na reunião de coordenadores na UFSC/Florianópolis nos dias: 06 e 07 março de 2003) A seguir estão definidos os critérios para avaliação e

Leia mais

Acessar e Visualizar Treinamentos. Treinamento & Desenvolvimento

Acessar e Visualizar Treinamentos. Treinamento & Desenvolvimento Sumário 1. Acessar o Portal RH... 3 2.... 4 3. Solicitar Liberação de Treinamentos... 8 4. Navegar e Realizar um Treinamento... 14 5. A Visão do Gestor... 22 6. Gerar Relatórios... 24 6.1 Relatório de

Leia mais

Manual de Treinamento Budget

Manual de Treinamento Budget Manual de Treinamento Budget Treinamentos Lemontech Sumário Introdução 3 Requisitos 3 Configurações 3 Configurando Aportes 4 Configurando Saldo 5 Visualizar Extrato 6 Transferência de Salto 7 Alerta 8

Leia mais

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC.

Gerência de Projetos de Software. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC. Prof. Dr. João Dovicchi INE / CTC / UFSC dovicchi@inf.ufsc.br http://www.inf.ufsc.br/~dovicchi Programa Projetos e Metodologias Tipos e abordagens Organização Estimativas de Esforço e Gerência de Riscos

Leia mais

Manual do Usuário Assinador Prodist e-financeira

Manual do Usuário Assinador Prodist e-financeira Assinador Prodist e-financeira Agosto de 2016 Versão 1.1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 SOBRE o e-financeira... 3 3 COMPONENTES DA APLICAÇÃO... 3 4 REQUISITOS MÍNIMOS... 4 5 INSTALAÇÃO DO ASSINADOR PRODIST

Leia mais

Seja bem vindo AZUL SAT (62) teste. tecnologia em segurança eletrônica

Seja bem vindo AZUL SAT (62) teste. tecnologia em segurança eletrônica Seja bem vindo AZUL SAT 4000-1115 (62) 3416-5800 www.azulsat.com.br www.azulalarmes.com.br teste tecnologia em segurança eletrônica Nossa experiência. Sua parceria. AZULSAT A AzulSat agradece a você pela

Leia mais

Modelagem Conceitual parte I

Modelagem Conceitual parte I Modelagem Conceitual parte I Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos Apresentar a modelagem conceitual como parte integrante do projeto de um BD Mostrar as vantagens de uma documentação conceitual de dados

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO. Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião.

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO. Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião. FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PROFESSOR PELO ALUNO Professor Disciplina Leia com atenção os itens abaixo e assinale a alternativa que melhor corresponde à sua opinião. 1 - APRESENTAÇÂO DO PROGRAMA: é esperado

Leia mais

Critérios específicos de avaliação

Critérios específicos de avaliação Critérios específicos de 1. Aspetos a considerar na específica A sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática no 4º ano

Leia mais

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Correntes de pensamento que tem o objetivo de explicar a origem do direito; Cada uma afirma que o direito provém de uma fonte

Leia mais

Descrição do PAS Nº 067 VipLine Fácil

Descrição do PAS Nº 067 VipLine Fácil PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO LOCAL PLANO PROGRESSIVO ASSINATURA N 067 LC EMPRESA CLARO S/A., incorporadora da Embratel S.A. NOME DO PLANO Plano Alternativo 067 LC MODALIDADE DO STFC Serviço Local DESCRIÇÃO

Leia mais

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ

O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um olhar sobre a RMRJ PRÉ-ENCOB, Rio de Janeiro (FIRJAN), 30 de agosto de 2011: A Importância do Uso Racional das Águas e o Fator Água nas Regiões Metropolitanas O gerenciamento dos recursos hídricos nas grandes cidades: Um

Leia mais

2012 COTAÇÕES. Prova Escrita de Filosofia. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 714/1.ª Fase. Critérios de Classificação GRUPO I GRUPO II GRUPO III

2012 COTAÇÕES. Prova Escrita de Filosofia. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 714/1.ª Fase. Critérios de Classificação GRUPO I GRUPO II GRUPO III EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Filosofia.º Ano de Escolaridade Prova 74/.ª Fase Critérios de Classificação Páginas 202 COTAÇÕES GRUPO I....

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Redução da Base de Cálculo no ICMS ST

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Redução da Base de Cálculo no ICMS ST Redução 10/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 4 6. Referências...

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SOLICITA SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ACESSO Manual de Usuário. Versão 1.0

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SOLICITA SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ACESSO Manual de Usuário. Versão 1.0 SOLICITA SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ACESSO Manual de Usuário Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 05/08/2016 1.0 Criação do Artefato Eliene Carvalho MAPA/SE/SPOA/CGTI. Página 2 de

Leia mais

FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO

FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO 1. OBJETO Contratação de Serviço Terceiro Pessoa Física para os seguintes projetos/programas: -Projetos,

Leia mais

Sumário. Parte 1 Apresentações básicas Explore o PowerPoint Trabalhe com slides Trabalhe com o texto do slide...

Sumário. Parte 1 Apresentações básicas Explore o PowerPoint Trabalhe com slides Trabalhe com o texto do slide... Parte 1 Apresentações básicas.....................1 1 Explore o PowerPoint 2010........................ 3 Trabalhando com a interface do usuário................................... 4 Criando e salvando

Leia mais

APLICATIVO PARA CELULAR. Rastreie, controle e monitore seu veículo através do Rastreamento Veicular.

APLICATIVO PARA CELULAR. Rastreie, controle e monitore seu veículo através do Rastreamento Veicular. VERSÃO 2-08/03/2016 APLICATIVO PARA CELULAR Rastreie, controle e monitore seu veículo através do Rastreamento Veicular. Visualize de forma rápida e prática, a posição do seu veículo. Envie alertas para

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ FACULDADE DINÂMICA DO VALE DO PIRANGA FADIP

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ FACULDADE DINÂMICA DO VALE DO PIRANGA FADIP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ FACULDADE DINÂMICA DO VALE DO PIRANGA FADIP O Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Bacharelado em Direito da FADIP Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Segurança Privada Campus Centro I Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Segurança Privada tem como missão, formar profissionais

Leia mais

PRÊMIO VITAE-RIO CICLO 2016 Rev DMP NATUREZAS DAS PROATIVIDADES, PERGUNTAS PARA VALIDAÇÃO E DIRETRIZES ASSOCIADAS CRITÉRIO 1

PRÊMIO VITAE-RIO CICLO 2016 Rev DMP NATUREZAS DAS PROATIVIDADES, PERGUNTAS PARA VALIDAÇÃO E DIRETRIZES ASSOCIADAS CRITÉRIO 1 PRÊMIO VITAE-RIO CICLO 2016 Rev DMP 13-04-2016 DAS PROATIVIDADES, PERGUNTAS PARA VALIDAÇÃO E DIRETRIZES ASSOCIADAS CRITÉRIO 1 DIRETRIZES DE SSO/SMS ASSOCIADA ITEM 1.1 - TEOR DO REQUISITO - IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Competência em Wikipédia

Competência em Wikipédia Competência em Wikipédia Programa Embaixadores da Wikipédia 1 Objetivos Ao fim deste treinamento espera-se que você seja capaz de: Descrever o que é um WikiProjeto Navegar pela interface de usuário Identificar

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria

Despacho n.º /2015. Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria Despacho n.º /2015 Regulamento de Avaliação e Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Politécnico de Leiria O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação e

Leia mais

FCM Outsourcing VIABILIZANDO SOLUÇÕES IDEAIS PARA VOCÊ PORQUE A MELHOR IMPRESSÃO É A QUE FICA! 1 de 12

FCM Outsourcing VIABILIZANDO SOLUÇÕES IDEAIS PARA VOCÊ PORQUE A MELHOR IMPRESSÃO É A QUE FICA! 1 de 12 FCM Outsourcing VIABILIZANDO SOLUÇÕES IDEAIS PARA VOCÊ PORQUE A MELHOR IMPRESSÃO É A QUE FICA! 1 de 12 FCM Outsourcing Quem Somos História Missão, Visão, Valores Cases de Sucesso Produtos e Soluções Outsourcing

Leia mais

SOBRE O BRINCAR NA NEVE

SOBRE O BRINCAR NA NEVE SOBRE O BRINCAR NA NEVE A Federação de Desportos de Inverno de Portugal (FDI-Portugal) é a autoridade Portuguesa em matéria de desportos relacionados com a neve. Tem como objetivos principais promover,

Leia mais

Gestão da Qualidade 1

Gestão da Qualidade 1 Gestão da Qualidade 1 Gestão da Qualidade Total (TQM) 2 QUALIDADE TOTAL GARANTIA DA QUALIDADE CONTROLE DA QUALIDADE INSPEÇÃO PROCESSO PREVENÇÃO PESSOAS 3 Oito princípios de Gestão da Qualidade Foco no

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES R E S O L U Ç Ã O N.º 07/2011 - CONCUR APROVA OS CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS AOS ALUNOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA E DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU. (*) O Presidente do Conselho de Curadores,

Leia mais

Adendo às instruções de operação

Adendo às instruções de operação Tecnologia do Acionamento \ Automação \ Sistemas Integrados \ Service Adendo às instruções de operação SEWEURODRIVE Brasil Ltda. Avenida Amâncio Gaiolli, 152 Rodovia Presidente Dutra Km 208 Guarulhos 07251250

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA 1. Aplicação PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA Plano nº 205 Pacote Essencial Este Plano de Serviço de TV é aplicável a autorizatária Embratel TV Sat Telecomunicações S.A., denominada doravante como Claro

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA 1. Aplicação PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA Plano nº 207 Pacote Família HD Max Este Plano de Serviço de TV é aplicável a autorizatária Embratel TV Sat Telecomunicações S.A., denominada doravante como

Leia mais

PROJETO: FAZENDO ARTE: CRIAR, RECRIAR E BRINCAR. COM MATERIAIS ALTERNATIVOS - Joinville. 2ª edição

PROJETO: FAZENDO ARTE: CRIAR, RECRIAR E BRINCAR. COM MATERIAIS ALTERNATIVOS - Joinville. 2ª edição PROJETO: FAZENDO ARTE: CRIAR, RECRIAR E BRINCAR COM MATERIAIS ALTERNATIVOS - Joinville 2ª edição 1 SUMÁRIO 1 OBJETIVOS...3 2 JUSTIFICATIVA...3 3 OPERACIONALIZAÇÃO...4 4 CARGA HORÁRIA...5 5 AVALIAÇÃO...6

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

Emissão de Carta de Correção Eletrônica

Emissão de Carta de Correção Eletrônica Emissão de Carta de Correção Eletrônica Introdução A Carta de Correção Eletrônica (CC-e) tem como objetivo corrigir as informações indicadas erroneamente, ou necessárias de alteração, no conhecimento eletrônico.

Leia mais

AVISO DE RECRUTAMENTO FEB

AVISO DE RECRUTAMENTO FEB AVISO DE RECRUTAMENTO FEB 12 de Dezembro de 2013 1/6 2/6 1. OBJECTIVO a. O presente concurso visa dotar o sistema de operações de proteção e socorro com o efetivo aprovado para os elementos da Força Especial

Leia mais

ROTARY INTERNACIONAL ORGANIZAÇÃO MULTIDISTRITAL DE INFORMAÇÕES DE ROTARACT CLUBS - BRASIL EQUIPE DE PROJETOS GUIA BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTARY INTERNACIONAL ORGANIZAÇÃO MULTIDISTRITAL DE INFORMAÇÕES DE ROTARACT CLUBS - BRASIL EQUIPE DE PROJETOS GUIA BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTARY INTERNACIONAL ORGANIZAÇÃO MULTIDISTRITAL DE INFORMAÇÕES DE ROTARACT CLUBS - BRASIL EQUIPE DE PROJETOS GUIA BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 1 INTRODUÇÃO O documento apresenta de forma objetiva

Leia mais

1 Apresentação gráfica Formato do papel: A4 (210 x 297mm); Margens: esquerda e superior: 3cm, direita e inferior: 2cm;

1 Apresentação gráfica Formato do papel: A4 (210 x 297mm); Margens: esquerda e superior: 3cm, direita e inferior: 2cm; Breve orientação para formatação das 6 (seis) primeiras páginas de teses e dissertações, condição obrigatória para que os textos sejam divulgados pela Biblioteca Digital. Em caso de dúvida, consulte o

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 45/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II Notas de preenchimento I. Notas gerais para o preenchimento do modelo de ficha de informação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 97/2008 Assunto: Estabelece normas para atividades dos representantes de turma. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do

Leia mais