Objectivos de um projecto:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Objectivos de um projecto:"

Transcrição

1 MSProject2003 Eng. Jaime Martins Projecto: esforço concertado para atingir um objectivo realizado num determinado tempo dispondo de um determinado conjunto de recursos Objectivos de um projecto: realizar um conjunto de tarefas dentro de um período de tempo previamente estabelecido mantendo os custos dentro dos limites orçamentados 2

2 Fases do projecto: Definição Planeamento (tempo, custo, trabalho) agendar as tarefas interligar as tarefas definir recursos, custos e horários afectar recursos às tarefas respeitar o orçamento disponível cumprir o tempo previsto Implementação objectivos linhas gerais estruturar a equipa execução controlo alterações ao projecto Encerramento 3 Aplicação informática que gere uma base de dados onde são introduzidas todas as informações correspondentes a um projecto 4

3 Definir o projecto Tarefas (tasks) Recursos (resources) Controlo (track) Relatórios (Reports) data inicio colaboração horários de trabalho listar tarefas organizar em fases agendar as tarefas (dependências) prazos e constrangimentos das tarefas especificar recursos (pessoas, equi pamentos, etc) custos hora normal/ex tra/tarefa definir o horário de trabalho para cada recurso atribuir recursos às tarefas guardar um plano base analisar partes criticas monitorizar a evolução do projecto modificar o projecto 5 Agendar as tarefas (dependências) Fim Início (finish to start) Início Início (start to start) Fim Fim (finish to finish) Atraso (lag time) Sobreposição (lead time) 6

4 Constrangimentos do projecto Agendado a partir da data de início do projecto (Scheduled from Start) As tarefas devem ser iniciadas o mais cedo possível Agendado a partir da data de conclusão do projecto (Scheduled from Finish) As tarefas devem ser iniciadas o mais tarde possível 7 Prazos e constrangimentos das tarefas Definir um prazo (deadline) Constrangimentos (constrain): O mais cedo possível (as soon as possible) [default] O mais tarde possível (as late as possible) Não concluir antes de (finish no earlier than) Não concluir depois de (finish no later than) Tem de concluir a (must finish on) Tem de iniciar a (must start on) Não iniciar antes de (start no earlier than) Não iniciar depois de ( start no later than) 8

5 Tipos de tarefas Trabalho fixo (fixed work) Unidades fixas (fixed units) Duração fixa (fixed duration) A tarefa pode ser Condicionada pelo esforço (effort driven) a duração de uma tarefa diminui ou aumenta à medida que os recursos são adicionados ou removidos de uma tarefa, enquanto a quantidade de esforço necessária para concluir a tarefa permanece inalterada Marco ponto de referência que assinala um acontecimento importante num projecto e que é utilizado para controlar o progresso do projecto 9 Caminho crítico é o conjunto das tarefas críticas, ou seja, as tarefas cujo aumento de duração introduz um aumento igual na duração total do projecto Ver o caminho crítico (Gantt Detalhado) caminho crítico folga 10

6 Tempo de Atraso Tempo útil (ou de horário) 2 dias de atraso em tempo útil [+2 dias] Tempo decorrido (ou passado) 2 dias de atraso em tempo decorrido [+2 diasp] (em inglês a letra acrescentada é o e de ellapsed ) 11 Definição dos recursos Nome identifica o recurso Tipo trabalho/material Rótulo material símbolo das unidades do mat erial Iniciais abreviatura do recu rso Grupo permite identificar g rupos de recursos Unidades máx. numero de unidades disponíveis Taxa normal - custo/hora normal Taxa trab. ext. - custo/hora extra Custo/utilização taxa fixa por utilização Imputar em custo rateado/início/final Calendário base horário do recurso Código 12

7 Nivelamento leveling) de recursos (resources Exemplo de recurso com sobrecarga (overallocation) Recurso nivelado 13 Nivelamento automático de recursos Automático faz o nivelamento automaticamente Manual faz o nivelamento quando o utilizador manda nivelar 14

8 O nivelamento automático pode conduzir a situações não aceitáveis e obrigar a nivelar à mão : Por alteração de tarefas Diferir a execução de tarefas Dividir as tarefas em várias fases Por alteração de recursos Mudar os recursos de tarefa Aumentar o horário dos recursos Alterar o perfil de ocupação do recurso Substituir o recurso por outro NOTA : Atenção às alterações no tempo e nos cus tos 15 Custos Custo total do projecto Custo de cada tarefa Custo de cada recurso Custo dos recursos por tarefa Distribuição do custo durante a execução de uma tarefa Desvios entre os custos orçamentados e os reais 16

9 Origem dos custos no Project Os custos associados à utilização dos recursos, tendo em conta os preços indicados na folha respectiva Todos os outros custos, que não sejam resultantes da utilização dos recu rsos atribuídos à tarefa, e que são introduzidos na coluna custo fixo (material, subempreitada, etc.) Imputação dos custos fixos Início (start) Rateado (prorated) Fim (end) 17 Plano de base (baseline) Ferramentas > Controlo > Guardar Plano Base (Tools > Traking > Save Baseline) Quando o planeamento do projecto está completamente definido, e antes de iniciar a execução dos trabalhos, criamos uma imagem que permita comparar a evolução real do projecto com o planeamento inicial Gantt de Controlo (Traking Gantt) 18

10 Projectos consolidados A utilização de tarefas sumário permite definir diversos níveis de estruturação de tarefas A consolidação de projectos permite o mesmo, mas utilizando um projecto como tarefa sumária de outro A utilização de project os consolidados implica: Criar um sub-projecto Inclui-lo como tarefa noutro mais abrangente Relacionar as tarefas do projecto e do sub-projecto Definir os custos a partir dos níveis mais baixos e criar planos base para cada um deles 19 Partilha de recursos Partilhar os recursos de um projecto com os recursos definidos noutro Criar um Conjunto de Recursos (resources pool) para serem partilhados por vários projectos 20

11 Análise de riscos Regras para o planeamento Reduzir os riscos ao mínimo (há sempre riscos) Prever acções para e liminar ou atenuar as consequências dos acontecimentos imprevisíveis Estudar cuidadosamente Tarefas que são precedidas por outras que dependem de terceiros Tarefas que envolvem actividades ou processos novos ainda não testados Tarefas de longa duração 21 Métodos de análise de riscos CPM Critical Path Methode (caminho crítico) PERT Program Evaluation and Review Technique GERT Graphical Evaluation and Review Technique 22

12 Método do caminho crítico - CPM Utiliza um conceito determinístico Análise dos intervalos de variação do início e final das tarefas, sem que essa variações afectem a duração total do projecto Folga livre intervalo que não atrasa a tarefa seguinte Folga total atraso que não aumenta a duração do projecto 23 Método de PERT Utiliza um conceito probabilístico Baseado na avaliação da probabilidade da duração de uma tarefa cair dentro de um intervalo Análise do desvio padrão e das curvas de Gauss para estabelecer valores Optimistas Estimados Pessimistas O valor mais provável da duração de uma tarefa é obtido através de uma média pesada (1+4+1) dos três valores 24

13 Execução e controle Exportação de dados Access Excel Web etc. Documentação do projecto Impressão das vistas obtidas no ecrã Produção de relatórios Aplicação de filtros às anteriores 25 Execução e controle Execução do projecto Execução das tarefas planeadas Liderança da equipa de projecto Distribuição de informação Recolha de dados Exemplo de registo de dados de execução (balizamento): 26

14 Execução e controle Controlo do projecto Avaliação do desempenho Análise dos desvios Relatórios de análise de desvios Controlo de custos Planeamento sem recursos 27 Encerramento Formas de encerramento Extinção Adição Integração Esgotamento Quando? Como? Plano de encerramento Relatórios de alteraçõ es Relatório final do projecto Documentar factos e números re levantes Analisar factores de sucesso e de insucesso 28

15 Relatórios de Encerramento Resumo do projecto (project summary) Informações sumárias sobre o projecto Assinala desvios quanto aos valores globais Recursos acima do o rçamento (overbudget resources) Listagem dos recursos com desvios positivos de custos Indicação dos respect ivos desvios Orçamento (budget) Custos orçamentados, efectivos e seus desvios Utilização de tarefas (task usage) Utilização de recursos (resource usage) 29

Deve notar-se, que ao introduzir a duração estimada da tarefa, o campo Finish (Conclusão) é preenchido automaticamente pelo Project.

Deve notar-se, que ao introduzir a duração estimada da tarefa, o campo Finish (Conclusão) é preenchido automaticamente pelo Project. Fig. 2.11 Botão para introduzir tarefas. Após a introdução dos nomes das tarefas e das respetivas durações, o gráfico ficará como o da Fig. 2.12. Fig. 2.12 Gráfico de Gantt após a introdução das primeiras

Leia mais

SOBRE O LIVRO... XVII. 1. Introdução à Gestão de Projetos... 1. 1.1 Definição de projeto... 1. 1.2 Ciclo de vida do projeto... 3

SOBRE O LIVRO... XVII. 1. Introdução à Gestão de Projetos... 1. 1.1 Definição de projeto... 1. 1.2 Ciclo de vida do projeto... 3 Índice SOBRE O LIVRO... XVII 1. Introdução à Gestão de Projetos... 1 1.1 Definição de projeto... 1 1.2 Ciclo de vida do projeto... 3 1.3 Gestão de projetos... 3 1.4 Ciclo de vida da gestão de projetos...

Leia mais

Network Diagrams Tipos e evolução

Network Diagrams Tipos e evolução Network Diagrams Tipos e evolução O network diagram foi desenvolvido para ultrapassar a inabilidade do Gantt e Milestone Chart em demonstrar as dependências entre actividades e eventos. Um network diagram

Leia mais

Fase 2: Planeamento. Pós Graduação em Gestão de Recursos Humanos e Benefícios Sociais

Fase 2: Planeamento. Pós Graduação em Gestão de Recursos Humanos e Benefícios Sociais Fase 2: Planeamento Neste ponto do ciclo da gestão do projecto estão identificadas as actividades do projecto A tarefa seguinte da equipa de planeamento é determinar a ordem em que essas actividades devem

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

A gestão da implementação

A gestão da implementação A Gestão de Projectos Técnicas de programação em Gestão de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia A gestão da implementação Estrutura de planeamento de projectos avaliação e gestão de risco a gestão de projectos

Leia mais

Planeamento e Controlo de Projectos

Planeamento e Controlo de Projectos Planeamento e Controlo de Projectos Transparências de apoio à leccionação de aulas teóricas Versão 2.1 c 2010, 2006, 1998 Maria Antónia Carravilla José Fernando Oliveira FEUP Planeamento e Controlo de

Leia mais

Módulo 9 - Project Management

Módulo 9 - Project Management Gestão das Operações Módulo 9 - Project Management 9-1 Sumário (1/3) 1. Perfil de uma empresa o Grupo BECHTEL 2. A importância da Gestão de Projecto 3. Planeamento do Projecto 1. O Project Manager 2. Desagregação

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

Microsoft Project. Manual de apoio. Luís Paulo

Microsoft Project. Manual de apoio. Luís Paulo Microsoft Project Manual de apoio Luís Paulo Manual de Microsoft Project Licença de utilização LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DESTE MANUAL Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Microsoft Project 2003 Básico

Microsoft Project 2003 Básico Curso: Logística Disciplina: Teoria da Administração Microsoft Project 2003 Básico Professor: RINALDO DI SCHIAVI 10/11/2009. Nov/2009 2 de 25 Índice Introdução...4 Características Básicas do MS Project...5

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA Faculdade de Administração Disciplina: Gerência de Operações Industriais Professor: Francisco Teixeira / Ivan Jorge de Azevedo MS PROJECT 2000 SALVADOR Jan / 2001 APRESENTAÇÃO

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt Objetivos Gerais Microsoft Project no Suporte à Gestão Profissional de Projetos Este Curso pretende dotar os participantes das seguintes competências: utilização eficaz da ferramenta Microsoft Project

Leia mais

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café!

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café! Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção - Aula 6 Gestão de projetos / Diagrama de precedência Diagrama de redes Cronograma Agosto/9 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 6 Gerenciamento

Leia mais

www.workinproject.net WCore Gestão técnica, administrativa e financeira integrada para empresas de serviços Flagsoft, Porto

www.workinproject.net WCore Gestão técnica, administrativa e financeira integrada para empresas de serviços Flagsoft, Porto www.workinproject.net WCore Gestão técnica, administrativa e financeira integrada para empresas de serviços Flagsoft, Porto 1 Solução completa para a gestão integrada da sua empresa O WorkinProject é uma

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

Gerenciamento do Tempo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Tempo. PMBOK Guide 2000 Gerenciamento do Tempo PMBOK Guide 2000 1 Objetivos desta Aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para a gerência do tempo de um projeto segundo o PMBOK 2 O que é Gerência de Tempo?

Leia mais

Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto

Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto 1 Introdução Vamos pensar um pouco? 2 Introdução Porquê gerenciar o tempo? Como saber se chegaremos nos objetivos no prazo estimado? Planejar e Controlar 3

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL MÉTODOS DE PLANEAMENTO. Capítulo II Método PERT

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL MÉTODOS DE PLANEAMENTO. Capítulo II Método PERT INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL MÉTODOS DE PLANEAMENTO Capítulo II Método PERT António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. i II. Método PERT...II-. Introdução...II- 2. Duração da Actividade...II- 3. Estimativas

Leia mais

Ano Lectivo 2006/2007 1º. Semestre, 3.º ano Licenciatura em Engenharia Eléctrica e Electrónica [Bolonha]

Ano Lectivo 2006/2007 1º. Semestre, 3.º ano Licenciatura em Engenharia Eléctrica e Electrónica [Bolonha] ADEE EST Universidade do Algarve 2003 Prática Ano Lectivo 2006/2007 1º. Semestre, 3.º ano Licenciatura em Engenharia Eléctrica e Electrónica [Bolonha] Índice INTRODUÇÃO AO PROJECT... 3 1. OBJECTIVOS:......

Leia mais

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características Projetos - definição Pesquisa Operacional II Projeto é uma série de atividades que objetivam gerar um produto (saída, output) Geralmente consiste em um empreendimento temporário Michel J. Anzanello, PhD

Leia mais

Planeamento dos Custos. Gestão de Projectos Informáticos. Planeamento Recursos e Custos AGENDA. Planeamento dos Custos. Passos :

Planeamento dos Custos. Gestão de Projectos Informáticos. Planeamento Recursos e Custos AGENDA. Planeamento dos Custos. Passos : Planeamento dos Custos Gestão de Projectos Informáticos Passos : Planeamento Recursos e Custos Estimativa das durações e esforço de cada actividade Atribuição de recursos às actividades Planeamento dos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM)

MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM) UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM) DOCENTE: 2006 1 1. INTRODUÇÃO O planeamento e controlo da produção orientado

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Margarida Afonso Curso Profissional - Técnico de Auxiliar de Saúde Ano: 10.º Turma(s): TAS MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO OBJECTIVOS Indicar as principais

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

o Projecto: o Exemplos:

o Projecto: o Exemplos: Planeamento Industrial ula 02 estão de projectos. introdução. representação gráfica de projectos. cpm (critical path method) Projectos 2 o Projecto: o conjunto limitado de actividades interligadas entre

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins

PERT/CPM. POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM POP II UDESC Prof. Adelmo A. Martins PERT/CPM Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos. Utilizado para gerenciar tempo e custos dos empreendimentos

Leia mais

Gestão associativa Sessão 3 - Gestão de Projetos

Gestão associativa Sessão 3 - Gestão de Projetos Isabel Beja e Álvaro Cidrais Gestão associativa Sessão 3 - Gestão de Projetos Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Gestão de Projectos Álvaro Cidrais, 2013 alvaro.cidrais@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DE PORTFÓLIOS E PROJETOS DE SOFTWARE

GESTÃO DE PORTFÓLIOS E PROJETOS DE SOFTWARE GESTÃO DE PORTFÓLIOS E PROJETOS DE SOFTWARE 1º SEMESTRE DE 2012 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri FLUXOGRAMA GRUPO DE PROCESSOS ( FASE ) Prof. Msc. Hilmer GESTÃO DE PORTFÓLIO E PROJETOS DE SOFTWARE - 2012.1

Leia mais

Pesquisa Operacional - PERT/CPM

Pesquisa Operacional - PERT/CPM PERT/CPM 1. Introdução As técnicas denominadas PERT e CPM foram independentemente desenvolvidas para o Planejamento e Controle de Projetos em torno de 1950, porém a grande semelhança entre estas fez com

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

Gestão de Projecto II

Gestão de Projecto II II Sumário o O plano do projecto o Sub-divisão do trabalho o Caminho crítico o Gestão de Risco Capítulo 23 Street Java Software project planing Software project planing o Proposal Software project planing

Leia mais

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Curso Profissional de Técnico de Restauração Cozinha - Pastelaria Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Planejamento e Controle de Projetos

Planejamento e Controle de Projetos Planejamento e Controle de Projetos Transformação de uma idéia em um conceito Forma A forma global do produto Idéia Propósito A necessidade que o produto deve satisfazer Função A maneira como o produto

Leia mais

MANUAL COMO CRIAR UM PROJETO

MANUAL COMO CRIAR UM PROJETO MANUAL COMO CRIAR UM PROJETO MICROSOFT PROJECT 2010 Menu: Projeto > Informações do Projeto 1º Passo: Criando um novo projeto Um projeto pode ser agendado a partir da Data de inicio do projeto ou Data de

Leia mais

Manual de Iniciaça o. Índice

Manual de Iniciaça o. Índice Manual de Iniciaça o Índice Passo 1- Definir... 2 Definir grupos de tarefas... 2 Definir funções... 6 Definir utilizadores... 11 Definir o Workflow... 14 Definir tarefas... 18 Passo 2 - Planear... 21 Planear

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO Anexo 1 - Escopo do Curso de Ferramenta de Apoio ao Gerenciamento de Projetos MSProject 2010 Abordagem PMBOK 4ª Edição E1 Elaborar Termo de Abertura do Projeto (TAP) e Registro das Especificações do Projeto

Leia mais

Microsoft Project 98

Microsoft Project 98 1 FEA/USP - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Disciplina EAD-651 Modelos de Redes Introdução ao Microsoft Project 98 Prof. Antonio Geraldo da Rocha Vidal Outubro/2003 2 SUMÁRIO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Organização de Eventos Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDAS

Leia mais

Gestão das Operações Módulo 9 - Project Management

Gestão das Operações Módulo 9 - Project Management Gestão das Operações Módulo 9 - Project Management 9-1 Sumário (1/3) 1. Perfil de uma empresa o Grupo BECHTEL 2. A importância da Gestão de Projecto 3. Planeamento do Projecto 1. O Project Manager 2. Desagregação

Leia mais

Gestão de Projectos. Alguns dos tópicos abordados:

Gestão de Projectos. Alguns dos tópicos abordados: 1. Enquadramento: Cada projecto possui uma dada finalidade que normalmente se pode identificar pelo próprio nome do projecto, por exemplo, o projecto da nova ponte Y, o projecto do novo carro Híbrido Y,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Prazo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Motivação Por que estudar Gerenciamento de Projetos? As habilidades mais valorizadas pelas organizações são Liderança (89%) Comunicação (78%) Conhecimento em Gerenciamento de

Leia mais

CAPÍTULO 7 TÉCNICAS GRÁFICAS DE PLANEAMENTO

CAPÍTULO 7 TÉCNICAS GRÁFICAS DE PLANEAMENTO Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC 1999/000 Cap. 7. Técnicas Gráficas de Planeamento 1 7.1. Interesse CAPÍTULO 7 TÉCNICAS GRÁFICAS DE PLANEAMENTO Da fase anterior de planificação do projecto resulta uma

Leia mais

GRATUITAS GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS. ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola

GRATUITAS GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS. ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola O USO U DE PLATAFORMAS GRATUITAS PARA GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola Reunião da Unidade de Epidemiologia

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 22-07/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Programa de cálculo / Daisa Ver 5.0

Programa de cálculo / Daisa Ver 5.0 Programa de cálculo / Daisa Ver 5.0 Software desenvolvido para criar projectos de iluminação de emergência com grande precisão. Optimiza o custo dos projectos e cumpre com total segurança as normativas

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (parte 1)

Gerenciamento de Projetos (parte 1) Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro Colegiado de Engenharia de Produção Gerenciamento de Projetos (parte 1) Disciplina: Gestão de serviços Professor: Marcel de Gois Pinto Considere

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM Program Evaluation and Review Technique PERT: VISÃO GERAL Program Evaluation and Review Technique Técnica para avaliação e revisão de programa.

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

FAQ s para os Administradores do Sistema

FAQ s para os Administradores do Sistema FAQ s para os Administradores do Sistema Este documento disponibiliza FAQ s sobre vários temas. Clique sobre o tema que lhe interessa para aceder às respetivas FAQ s. FAQ s sobre a credenciação do Administrador

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 6 do livro de Taha (2008): Otimização em Redes

Leia mais

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização 2014 EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização MEE-IT, LDA 01-01-2014 1/1/2014 Índice EUROGEST... 2 Principais Módulos:... 5 Matérias Primas (Componentes)... 5 Modelos fichas Técnicas...

Leia mais

Diagrama de Precedências

Diagrama de Precedências Planeamento Industrial Aula 06 Implantações por produto:.equilibragem de linhas de montagem Implantações por processo:. minimização dos custos de transporte. método craft. análise de factores Diagrama

Leia mais

PERT CPM. Ferramentas de Desenvolvimento. Referencial Bibliográfico. Isnard Martins

PERT CPM. Ferramentas de Desenvolvimento. Referencial Bibliográfico. Isnard Martins Ferramentas de Desenvolvimento Isnard Martins Referencial Bibliográfico Administração da Produção e Operações - L.Ritzman & Krajewsky I. Martins Notas de Aula PERT CPM Método PERT - CPM ou Método do Caminho

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual do Portal de Selfcare Utilizador

GlobalPhone - Central Telefónica. Manual do Portal de Selfcare Utilizador Manual do Portal de Selfcare Utilizador Índice 1 Introdução... 3 1.1 Âmbito do Documento... 3 1.2 Acesso... 4 1.3 Autenticação... 4 2 Extensões... 5 2.1 Reencaminhamentos (redireccionamentos)... 6 2.2

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

PERT Charts, para gestão de projectos

PERT Charts, para gestão de projectos PERT Charts, para gestão de projectos Projectos complexos são compostos por uma serie de tarefas, algumas das quais têm que ser executadas sequêncialmente, enquanto outras podem ser excutadas em paralelo

Leia mais

Base de Dados para Administrações de Condomínios

Base de Dados para Administrações de Condomínios Base de Dados para Administrações de Condomínios José Pedro Gaiolas de Sousa Pinto: ei03069@fe.up.pt Marco António Sousa Nunes Fernandes Silva: ei03121@fe.up.pt Pedro Miguel Rosário Alves: alves.pedro@fe.up.pt

Leia mais

Guia Rápido. Projects & Teamwork

Guia Rápido. Projects & Teamwork Guia Rápido Projects & Teamwork Conteúdo 1. Meu Perfil, tutoriais y ajuda contextual... 3 2. Criar projetos... 6 3. Criar usuários e atribuir usuários a projetos e tarefas... 7 4. Criar e controlar tarefas...10

Leia mais

Curso de Gestão ramo de Gestão de Empresas. U.C. de Gestão da Produção

Curso de Gestão ramo de Gestão de Empresas. U.C. de Gestão da Produção Curso de Gestão ramo de Gestão de Empresas U.C. de Gestão da Produção Nicolau de Almeida Doutor em Gestão (PhD in Management by Technical University of Lisbon) Professor de Gestão e Marketing Coordenador

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

30/10/2012. Ciclo de vida típico. Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012. Objetivos

30/10/2012. Ciclo de vida típico. Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012. Objetivos Gestão financeira GESTÃO DE PROJETOS 2 Planejamento, execução e conclusão do projeto Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012 Objetivos Compreender os passos e requisitos de um plano

Leia mais

ÍNDICE. Acesso para agências...3. Organização por pastas...4. Download das facturas a partir do site...5. Pesquisa de facturas...8

ÍNDICE. Acesso para agências...3. Organização por pastas...4. Download das facturas a partir do site...5. Pesquisa de facturas...8 2 ÍNDICE Acesso para agências...3 Organização por pastas...4 Download das facturas a partir do site...5 Pesquisa de facturas...8 Configurar notificações por email...11 3 Bem-vindo ao manual de uso do novo

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

APOSTILA MS-PROJECT CONCEITOS BÁSICOS

APOSTILA MS-PROJECT CONCEITOS BÁSICOS APOSTILA MS-PROJECT CONCEITOS BÁSICOS GRUPO CMA PLANEJAMENTO Sumário Visão Geral:... 4 Barra de Menus... 5 Barra de Ferramentas Padrão... 6 Barra de Formatação... 7 Barra de Modos... 8 Principais Visões:...

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Sistemas de Tempo-Real

Sistemas de Tempo-Real Aula 8 Escalonamento de tarefas aperiódicas Execução conjunta de tarefas periódicas e aperiódicas Utilização de servidores de tarefas aperiódicas Servidores de prioridades fixas Servidores de prioridades

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS 7º semestre Eng. Produção Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br Gestão do TEMPO em Projetos Redes e Cronogramas Prof. Luciel Henrique de Oliveira Como Gerenciar o

Leia mais

Gerenciador de Projetos para o Gnome 2

Gerenciador de Projetos para o Gnome 2 MrProject Gerenciador de Projetos para o Gnome 2 MrProject - Características Ferramenta de gerenciamento de projetos desenvolvido pela CodeFactory. Área de trabalho com suporte a: Gráfico de Gantt Visualização

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto

MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto Conteúdos 1. O gerente de projeto... 3 2. Painel de início... 4 3. Parâmetros gerais do projeto... 5 4. Designar usuários a projetos e tarefas... 6 5. Orçamento...

Leia mais