Deve notar-se, que ao introduzir a duração estimada da tarefa, o campo Finish (Conclusão) é preenchido automaticamente pelo Project.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Deve notar-se, que ao introduzir a duração estimada da tarefa, o campo Finish (Conclusão) é preenchido automaticamente pelo Project."

Transcrição

1 Fig Botão para introduzir tarefas. Após a introdução dos nomes das tarefas e das respetivas durações, o gráfico ficará como o da Fig Fig Gráfico de Gantt após a introdução das primeiras tarefas. Deve notar-se, que ao introduzir a duração estimada da tarefa, o campo Finish (Conclusão) é preenchido automaticamente pelo Project. 5. Ativação da Timeline (Linha de Tempo) A Linha de Tempo também aparece designada por Linha Cronológica. Para ativar a Timeline (Linha de Tempo), seleciona-se a respetiva check box no separador View, o que faz com que ela apareça na parte superior do gráfico de Gantt (Fig. 2.13). Fig Vista da Timeline. Terminado o exercício, o leitor deve gravar o ficheiro com o nome Casa_ Base.mpp. 36 FCA - Editora de Informática

2 na Fig onde aparece um ícone correspondente à nota inserida na tarefa. Passando com o cursor do rato sobre ele é possível ler a nota. Fig Indicação de nota na tarefa. EXERCÍCIO 2.5 Opções de Tipo de Tarefa Ficheiro a utilizar: Casa_0.mpp. O Project permite definir três tipos de tarefas. A saber: Fixed Duration (Duração Fixa). Fixed Work (Trabalho Fixo). Fixed Unites (Unidades Fixas). As implicações decorrentes destes tipos só poderão ser explicadas depois de feita a atribuição dos recursos. No entanto, e com vista a uma eventual simplificação do trabalho de planeamento, sugere-se ao leitor que escolha à partida o tipo Fixed Duration. Convém para isso selecionar uma opção que permita predefinir com este tipo todas as tarefas a inserir no projeto. Para isso faz-se clique em File para ativar a Office Backstage View e nesta seleciona-se, no menu, Options > Schedule (Opções > Agenda); em seguida, no campo Default task type (Tipo predefinido de tarefa), seleciona-se Fixed Duration. Nesta mesma janela, e pela mesma razão anteriormente referida, convém desativar a check box New tasks are effort driven (As novas tarefas são orientadas a esforço) (Fig. 2.28). 44 FCA - Editora de Informática

3 4. Atribuição de recursos de equipamento, materiais e custos. Eventualmente, em resultado de cada uma destas fases, haverá necessidade de ajustar o agendamento inicial (Fig. 4.1). SOBRECARGAS AGENDA- MENTO ATRIBUIÇÃO OCUPAÇÃO DESCONTÍNUA INDISPONIBILIDADE TEMPORÁRIA REAVALIAÇÃO DESEMPENHO DESADEQUADO RECURSOS ALTERNATIVOS DURAÇÃO RECOLOCAÇÃO ALTERAR AGENDAMENTO Fig. 4.1 Avaliação da atribuição dos recursos Definição e Atribuição de Recursos Os recursos podem ser divididos em três tipos: Recursos de Trabalho, que incluem recursos humanos, equipamentos e instalações, cujo cálculo é baseado no tempo de utilização. Recursos de Materiais, que são calculados com base na quantidade consumida em cada tarefa. Recursos de Custos, cujo valor monetário é definido em cada atribuição a cada tarefa. Os recursos de trabalho, e dentro destes os recursos humanos, são os que exigem mais cuidados na forma como são atribuídos a cada tarefa. A gestão dos recursos humanos é uma matéria cada vez mais determinante no sucesso ou insucesso de um projeto. 142 FCA - Editora de Informática

4 Recursos (uma unidade corresponde a 100%), de acordo com a opção Show assignment units (Mostrar unidades de atribuição como), no separador File, Options > Schedule (Opções > Agenda) (Fig. 4.3). Fig. 4.3 Opção entre as duas formas de expressar as unidades de recursos. Standard Rate (Taxa Normal) Preço/hora (dia ou semana) normal a aplicar ao recurso. Overtime Rate (Taxa Trabalho Ext.) Preço/hora (dia ou semana) das horas extraordinárias. Cost per Use (Custo/Utilização) Custo a pagar por cada vez que o recurso é atribuído a uma tarefa, e na razão da percentagem de atribuição, independente do tempo de utilização (normalmente aplica-se a equipamentos). Acrue At (Imputar Em) Forma de calcular o custo gasto em determinada fase do projeto, de acordo com o estado de execução da respetiva tarefa. Existem três opções: Prorated (Rateado) Custo proporcional à percentagem de trabalho executado. Start (Início) Custo total imputado no início da tarefa. End (Final) Custo total imputado após a conclusão da tarefa. Base Calendar (Calendário Base) Horário a ser cumprido pelo recurso e que pode ser diferente do horário estabelecido para o projeto. Code (Código) Código do recurso, que pode ser atribuído de acordo com os critérios estabelecidos pelo utilizador (por exemplo, o código que o trabalhador tem na empresa). Também nesta tabela, que define os recursos, o utilizador pode inserir outras colunas com vista a definir mais características dos recursos, de acordo com as necessidades do seu projeto. O preenchimento da folha de recursos pode ser feito de vários modos, que podem ser utilizados alternativa ou complementarmente: 1. Preencher diretamente os campos da folha. FCA - Editora de Informática 145

5 Execução e Controle A imagem parcial desta vista pode ver-se na Fig Cada Baseline é representada por uma cor diferente. Note-se que Baseline e Baseline 1 coincidem (ver Exercício 6.4). Fig Gráfico de Planos de Base múltiplos. Há, ainda, a possibilidade de alterar o grafismo de qualquer dos planos de base com a vista de Gantt. Abrindo esta e, selecionando o separador Format, faz-se clique em Baseline e seleciona-se na lista aquela que se quer representar (Fig. 7.40). Fig Escolha da Baseline a representar. Para melhor se ver a representação, alterou-se o estilo das barras correspondentes a Task, Baseline e Progress (Fig. 7.41). Fig Alteração do estilo das barras. FCA - Editora de Informática 325

6 Controle Financeiro Podem sintetizar-se estes critérios para uma consulta mais fácil, no Quadro 8.2. > 0 BOM CV, SV e VAC = 0 Como Planeado < 0 MAU > 1 BOM CPI e SPI = 1 Como Planeado < 1 MAU < 1 BOM TCPI = 1 Como Planeado > 1 MAU Quadro 8.2 Índices de avaliação de desempenho. Poderá ver-se, pelos exemplos que se seguem, que todos os indicadores da Análise do Valor Ganho podem ser atribuídos ao conjunto do projeto, às tarefas resumo ou às subtarefas de qualquer nível. Para exemplificar esta análise será utilizado o projeto Casa tendo em conta o resultado da monitorização feita nos exercícios do capítulo anterior. EXERCÍCIO 8.2 Definição das Opções para o Cálculo do Valor Ganho Ficheiro utilizado: Casa_JUL_EX.mpp. O cálculo dos valores da Análise do Valor Ganho baseia-se em três vetores: 1. O Plano de Base. 2. A Data de Estado ou a data atual quando aquela não for definida. 3. O estado de execução de cada tarefa. Qualquer destes três conceitos já foi tratado em exercícios anteriores, onde também se referiu que, em relação ao primeiro e ao último, existem algumas alternativas. Estas são determinadas utilizando a Office Backstage View; fazendo Options > Advanced e utilizando os campos Earned Value options for this project (Opções do Valor Ganho para este projecto) (Fig. 8.11), podem escolher-se as condições em que o cálculo é efetuado. FCA - Editora de Informática 363

7 Fig Gráfico dos valores da AVG durante o mês de julho. 5. AVG em relação aos Recursos A Análise do Valor Ganho referente aos recursos é feita através dos mesmos indicadores mas, neste caso, existe apenas uma tabela predefinida. Depois de ativar uma vista de recursos, por exemplo Resource Sheet, seleciona-se na janela More Tables a tabela Earned Value (Fig. 8.18). Fig Tabelas de Recursos. Para simplificar a análise pode aplicar-se o filtro de Grupo de Recursos e escolher o grupo MO Mão de obra. O resultado pode ver-se na Fig FCA - Editora de Informática

8 Ativando o campo Weekly Calendar (Calendário Semanal), podem obter-se os valores semanais para todo o projeto (Fig. 9.11). Fig Detalhe semanal de custos e trabalho de mão de obra Learned Lessons (Ensinamentos) Os ensinamentos que podem ser obtidos a partir da análise das circunstâncias em que decorreu o projeto constituem um capital de conhecimento de grande valor para os membros da Equipa e para a entidade promotora. Podem-se tirar lições dos sucessos e dos insucessos, mas um dos maiores insucessos será não tirar e aproveitar essas lições. Registar os ensinamentos decorrentes da execução do projeto tem algumas vantagens, entre as quais se podem citar: Desenvolver projetos futuros para obter produtos mais aperfeiçoados e competitivos. Evitar que os promotores, ao definir novos projetos, imponham objetivos irrealizáveis. Aumentar o rigor das avaliações custo/benefício dos recursos a utilizar em projetos futuros. 396 FCA - Editora de Informática

9 Equipa; destina-se a dar aos intervenientes a possibilidade de manifestar as suas opiniões em relação a qualquer aspeto relacionado com o trabalho executado. O objetivo é obter orientações para melhorar o desempenho dos Sprints seguintes. Estas reuniões poderão durar cerca de 3 horas. Esquematicamente, pode representar-se todo o processo como se mostra na Fig Fig Representação esquemática do processo Scrum. Tendo em vista uma clara explicação do envolvimento dos atores referidos no ponto anterior com as atividades aqui descritas, Schawber e Sutherland [11] servem-se de uma curiosa metáfora que envolve um porco e uma galinha, e que, com a devida vénia aqui se transcreve: Um porco e uma galinha encontram-se e diz a galinha para o porco: - Vamos abrir um restaurante? 406 FCA - Editora de Informática

10 Anexo Gestão de Um Portfólio de Projetos Fig. A.1 Digrama de execução. A.2.2. Nivelamento de Recursos Nos procedimentos que adiante se descrevem, o nivelamento de recursos tem por base os seguintes critérios: 1. Ao atribuir recursos a cada obra deve estar ativada a opção Resource Leveling > Automatic (Nivelamento de Recursos > Automático) (Fig. A.2). Deste modo, assegura-se que nesta obra, à medida que se vão atribuindo os recursos, as sobrecargas vão sendo eliminadas. Deve, no entanto, avaliar-se a forma como o Project faz o nivelamento automático, para o caso de se justificar uma alternativa mais favorável aos objetivos da Obra. 2. Ao consolidar uma nova Obra no Projeto Oficina podem surgir situações de sobrecarga. Embora tal não seja obrigatório, aconselha-se a proceder a um nivelamento manual, sem alterar as Obras mais antigas que já tenham o Plano de Base definido. Só depois de todas as tarefas do projeto Oficina terem os recursos nivelados é que se deve definir o Plano de Base da nova Obra. FCA - Editora de Informática 427

Objectivos de um projecto:

Objectivos de um projecto: MSProject2003 Eng. Jaime Martins Projecto: esforço concertado para atingir um objectivo realizado num determinado tempo dispondo de um determinado conjunto de recursos Objectivos de um projecto: realizar

Leia mais

SOBRE O LIVRO... XVII. 1. Introdução à Gestão de Projetos... 1. 1.1 Definição de projeto... 1. 1.2 Ciclo de vida do projeto... 3

SOBRE O LIVRO... XVII. 1. Introdução à Gestão de Projetos... 1. 1.1 Definição de projeto... 1. 1.2 Ciclo de vida do projeto... 3 Índice SOBRE O LIVRO... XVII 1. Introdução à Gestão de Projetos... 1 1.1 Definição de projeto... 1 1.2 Ciclo de vida do projeto... 3 1.3 Gestão de projetos... 3 1.4 Ciclo de vida da gestão de projetos...

Leia mais

Microsoft Project. Manual de apoio. Luís Paulo

Microsoft Project. Manual de apoio. Luís Paulo Microsoft Project Manual de apoio Luís Paulo Manual de Microsoft Project Licença de utilização LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DESTE MANUAL Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição

Leia mais

MANUAL COMO CRIAR UM PROJETO

MANUAL COMO CRIAR UM PROJETO MANUAL COMO CRIAR UM PROJETO MICROSOFT PROJECT 2010 Menu: Projeto > Informações do Projeto 1º Passo: Criando um novo projeto Um projeto pode ser agendado a partir da Data de inicio do projeto ou Data de

Leia mais

Gerenciador de Projetos para o Gnome 2

Gerenciador de Projetos para o Gnome 2 MrProject Gerenciador de Projetos para o Gnome 2 MrProject - Características Ferramenta de gerenciamento de projetos desenvolvido pela CodeFactory. Área de trabalho com suporte a: Gráfico de Gantt Visualização

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

Microsoft Project 2003 Básico

Microsoft Project 2003 Básico Curso: Logística Disciplina: Teoria da Administração Microsoft Project 2003 Básico Professor: RINALDO DI SCHIAVI 10/11/2009. Nov/2009 2 de 25 Índice Introdução...4 Características Básicas do MS Project...5

Leia mais

Capítulo 8. Recursos

Capítulo 8. Recursos Capítulo 8 Recursos 138 TRABALHANDO COM RECURSOS CRIANDO A LISTA DE RECURSOS DO PROJETO Para completarmos o planejamento precisamos listar os recursos que serão utilizados no projeto. Esse processo é feito

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina do Correio Para saber mais sobre Correio electrónico 1. Dicas para melhor gerir e organizar o Correio Electrónico utilizando o Outlook Express Criar Pastas Escrever

Leia mais

Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard. Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter. Botão next na caixa de diálogo

Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard. Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter. Botão next na caixa de diálogo Iniciar o Data Adapter Configuration Wizard Toolbox Data Duplo clique em OleDbDataAdapter Botão next na caixa de diálogo Se carregar em Cancel, o wizard é cancelado e podemos depois definir as propriedades

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

TEMA: Processo de Manutenção de Viaturas Configurações, workflow e funcionalidades

TEMA: Processo de Manutenção de Viaturas Configurações, workflow e funcionalidades APLICAÇÃO: XRP Gestão de Frota TEMA: Processo de Manutenção de Viaturas Configurações, workflow e funcionalidades ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO EM: 13 de Outubro de 2014 ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO POR: Carolina Esteves Pedro

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação.

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação. Barra de deslocamento ESTATÍSTICA Barra de menus Barra de título Barra de ferramentas padrão e de formatação Barra de fórmulas Conjuntos e Células (Intervalos) Área de trabalho Separador de folhas Barra

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Pesquisa e organização de informação

Pesquisa e organização de informação Pesquisa e organização de informação Capítulo 3 A capacidade e a variedade de dispositivos de armazenamento que qualquer computador atual possui, tornam a pesquisa de informação um desafio cada vez maior

Leia mais

[GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE]

[GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE] 2015 FEP Centro de Documentação, Informação e Arquivo (CDIA) [GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE] Documento de apoio na utilização do Endnote. ÍNDICE ÍNDICE... 1 BREVE INTRODUÇÃO... 2 O

Leia mais

Introdução à realização de macros

Introdução à realização de macros Introdução à realização de macros 1 Introdução Macros são ações que se executam automaticamente num documento do MS Office, tal como abrir um arquivo, selecionar um campo ou fazer um cálculo, isto é, é

Leia mais

LeYa Educação Digital

LeYa Educação Digital Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 4 2. Registo no 20 Aula Digital... 5 3. Autenticação... 6 4. Página de entrada... 7 4.1. Pesquisar um projeto... 7 4.2. Favoritos... 7 4.3. Aceder a um projeto...

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Guião Páginas WWW com o editor do Microsoft Office Word 2003 1. Introdução. 2. Abrir uma página Web. 3. Guardar

Leia mais

MANUAL COMO ABRIR PROJETO NO JIRA. Criar Estórias e Tarefas

MANUAL COMO ABRIR PROJETO NO JIRA. Criar Estórias e Tarefas MANUAL COMO ABRIR PROJETO NO JIRA Criar Estórias e Tarefas Criar o projeto Scrum >> Create a new board: escolher as opções abaixo: Agile > selecionar o projeto > no canto direito da tela clicar no botão

Leia mais

Equipa PTE. Janeiro 2012

Equipa PTE. Janeiro 2012 Janeiro 2012 Equipa PTE Índice Introdução... 3 Registo Online... 3 Instalação... 6 Dropbox Online... 9 Separador Files (Ficheiros)... 10 Restaurar arquivos... 11 Recuperar arquivos... 11 Separador "Events"...

Leia mais

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento 1.4.4 Configurar serviços de armazenamento Esta versão do Office permite guardar os documentos na nuvem do OneDrive, de modo que possa posteriormente aceder aos seus conteúdos a partir de qualquer dispositivo

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

MicroMIX Comércio e Serviços de Informática, Lda.

MicroMIX Comércio e Serviços de Informática, Lda. 1 P á g i n a Procedimentos Inventário AT 2014 Software Olisoft-SIG.2014 Verificar Versão dos Módulos Instalados Em primeiro lugar deveremos verificar se o programa SIG está actualizado. Esta nova rotina

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 Símbolos. SITRAIN Training for Automation and Drives Página 4-1

Programação Básica em STEP 7 Símbolos. SITRAIN Training for Automation and Drives Página 4-1 Conteúdo Pág. Endereçamento Absoluto e Simbólico... 2 Endereçamento Absoluto - Panorâmica... 3 Abrindo a Tabela de...... 4 Editar: Procurar e Substituir... 5 Visualizar: Filtro... 6 Visualizar: Ordenar...

Leia mais

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo O Excel é uma folha de cálculo capaz de guardar dados, executar cálculos e gerar gráficos. Introdução à Folha de Cálculo Uma folha de cálculo, por exemplo o Excel, permite

Leia mais

FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO

FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO Noções Básicas FIGURA. 2.2 ECRÃ DE TRABALHO 2.2.1 Painel de Tarefas (Task Pane) O painel de tarefas constitui a grande novidade do ecrã de trabalho desta nova versão do Word. Para utilizadores menos experientes,

Leia mais

Para inserir custo fixo às tarefas, siga os passos abaixo :

Para inserir custo fixo às tarefas, siga os passos abaixo : Capítulo 9 Custos 166 CUSTOS INSERINDO CUSTO FIXO AO PROJETO O custo total do projeto é o custo total de recurso somado ao custo total de custos fixos. O custo com recurso já é computado quando alocamos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA Faculdade de Administração Disciplina: Gerência de Operações Industriais Professor: Francisco Teixeira / Ivan Jorge de Azevedo MS PROJECT 2000 SALVADOR Jan / 2001 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura

Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura Centro de Informática e Técnico 1 passo 1: abrir candidatura O primeiro passo consiste em efetuar a abertura do processo

Leia mais

SClínico - SAPE - Autor: Eloy Boo ULSAM - USF LETHES Ponte de Lima

SClínico - SAPE - Autor: Eloy Boo ULSAM - USF LETHES Ponte de Lima - Autor: Eloy Boo ULSAM - USF LETHES Ponte de Lima SClínico SAPE Agradecimentos: À enfermeira Cármen Cunha, pela sua grande paciência, disponibilidade e ajuda. Índice geral 1. Introdução... 3 2. Iniciar

Leia mais

Manual utilização. Dezembro 2011. Instituto Politécnico de Viseu

Manual utilização. Dezembro 2011. Instituto Politécnico de Viseu Manual utilização Dezembro 2011 Instituto Politécnico de Viseu 1 Índice Zona pública... 3 Envio da ideia de negócio... 3 Inscrição nas Oficinas E... 4 Zona privada... 5 Administração... 5 Gestão de utilizadores...

Leia mais

Guia Rápido. Projects & Teamwork

Guia Rápido. Projects & Teamwork Guia Rápido Projects & Teamwork Conteúdo 1. Meu Perfil, tutoriais y ajuda contextual... 3 2. Criar projetos... 6 3. Criar usuários e atribuir usuários a projetos e tarefas... 7 4. Criar e controlar tarefas...10

Leia mais

Capítulo 13. Valor Agregado (Earned Value)

Capítulo 13. Valor Agregado (Earned Value) Capítulo 13 Valor Agregado (Earned Value) 228 TRABALHANDO COM VALOR AGREGADO (EARNED VALUE) Uma das maneiras de acompanhar os gastos de um projeto é a tabela de Valor Acumulado ou Valor Agregado. Essa

Leia mais

POSTOUCH. Manual Software

POSTOUCH. Manual Software POSTOUCH Manual Software Introdução Introdução POS TOUCH é uma solução direcionada a pequenos postos de venda, que tem necessidade de criação de muitos talões de uma forma linear e rápida. A solução implementa

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

4.1. TRABALHAR COM O CALENDÁRIO

4.1. TRABALHAR COM O CALENDÁRIO Calendário 2Calendário 14 INTRODUÇÃO O Calendário é uma grande ferramenta do Outlook que se pode usar como livro de reuniões para escalonar eventos, aperceber-se de datas importantes e gerir a lista de

Leia mais

Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de circulação e empréstimos

Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de circulação e empréstimos Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de circulação e empréstimos Elaborado por: Amélia Janeiro e Ana Cosmelli SDUL 2008 Índice Apresentação... 3 1. Gestão de leitores... 5 1.1 Pesquisa de leitores...

Leia mais

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas Funções Básicas Fevereiro 2015 - 1) Selecionar o menu Portfólio > Projetos, clique para janela projetos abrir. 2) Selecione botão incluir para abrir um projeto. Preencha os campos obrigatórios nos Dados

Leia mais

MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS. Exercícios. José Cruz Filipe 1 / 1

MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS. Exercícios. José Cruz Filipe 1 / 1 MESTRADO EM LOGÍSTICA MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS Exercícios José Cruz Filipe 1 / 1 EXERCÍCIOS PARA AUTO-ESTUDO Elaboração de cronogramas (Gantt) Determinação da duração do

Leia mais

User Guide. PRIMAVERA EXPRESS V7 Versão 1.0. Março de 2012. Pg 1

User Guide. PRIMAVERA EXPRESS V7 Versão 1.0. Março de 2012. Pg 1 User Guide PRIMAVERA EXPRESS V7 Versão 1.0 Março de 2012 Pg 1 1. Instalação Para poder efetuar o download do produto PRIMAVERA Express deve começar por se registar no site da PRIMAVERA, indicando os dados

Leia mais

Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6

Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6 Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6 Manual de utilização - Docentes DSI Outubro 2014 V2.6 ÍNDICE 1 OBJETIVO DESTE

Leia mais

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz Manual do Utilizador PowerPoint 2013 Carlos Diniz Índice 1. Acerca do PowerPoint 2013... 3 1.1. Principais caraterísticas do PowerPoint 2013... 3 2. Trabalhar no interface do PowerPoint 2013... 3 2.1.

Leia mais

Manual do Sistema "Vida Controle de Contatos" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Vida Controle de Contatos Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Vida Controle de Contatos" Editorial Brazil Informatica I Vida Controle de Contatos Conteúdo Part I Introdução 2 1 Vida Controle... de Contatos Pessoais 2 Part II Configuração 2 1 Configuração...

Leia mais

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio Manual SM Contratos & Avenças Versão 2.8.4 Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio 1 Índice SoftSolutions, Lda 2000/2012. Todos os direitos reservados...3 Todos os direitos reservados...3

Leia mais

[MANUAL DO NOVO PROGRAMA DE GESTÃO DE UNIVERSIDADES SENIORES]

[MANUAL DO NOVO PROGRAMA DE GESTÃO DE UNIVERSIDADES SENIORES] Dez 2014, v1 RUTIS Associação Rede de Universidades da Terceira idade [MANUAL DO NOVO PROGRAMA DE GESTÃO DE UNIVERSIDADES SENIORES] Desenvolvido por RUTIS Manual do Novo programa de Gestão de Universidades

Leia mais

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Ao abrir a caixa do CD que contém o programa EMPRESÁRIO, o utilizador aceita os termos do contracto de licenciamento deste acordo. Licença Garantias A T&T outorga-lhe

Leia mais

RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa

RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa @ Copyright 2015 Desenvolvido pela Dória Software versão manual 1.3 Última atualização 23.03.2015 Sobre o RENT I. O que é o RENT? RENT- Registo Nominal

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1 TOConline Suporte Página - 1 Documentos de Transporte Manual de Utilizador Página - 2 Índice Criação de um documento de transporte... 4 Definições de empresa- Criação de moradas adicionais... 9 Comunicação

Leia mais

Sobre o Livro... XV. FCA Editora de Informática

Sobre o Livro... XV. FCA Editora de Informática Índice Sobre o Livro... XV Capítulo 1 Configurar o Excel... 1 1.1 Iniciar o Excel... 1 1.2 Ambiente de trabalho... 3 1.3 Personalização do ambiente de trabalho... 6 1.3.1 Opções da interface do utilizador...

Leia mais

TRABALHADORES INDEPENDENTES SEGURANÇA SOCIAL DIRETA

TRABALHADORES INDEPENDENTES SEGURANÇA SOCIAL DIRETA TRABALHADORES INDEPENDENTES SEGURANÇA SOCIAL DIRETA PASSO-A-PASSO PARA SOLICITAR PEDIDO DE ALTERAÇÃO DE ESCALÃO ATRAVÉS DA SEGURANÇA SOCIAL DIRETA Aceda à Segurança Social Direta, em https:///consultas/ssdirecta/

Leia mais

Manual do PDFCreator Versão 1

Manual do PDFCreator Versão 1 Manual do PDFCreator Versão 1 O PDFCreator é um software livre que permite criar documentos em formato PDF a partir outras aplicações. Centro de Formação de Penalva e Azurara www.cfpa.pt 2006 Índice Índice...

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER Outubro 2010 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 1 Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico 1º Período Elementos básicos da interface gráfica do Windows (continuação).

Leia mais

Manual do utilizador da aplicação. MaisCondominio

Manual do utilizador da aplicação. MaisCondominio da aplicação MaisCondominio Este software destina-se a ser usado tanto por quem administra, apenas, um condomínio, como pelos profissionais, que administram vários condomínios. O MaisCondominio caracteriza-se

Leia mais

Ferramentas de Comunicação da Internet no Ensino/Aprendizagem

Ferramentas de Comunicação da Internet no Ensino/Aprendizagem Centro de Formação da Batalha Centro de Competência Entre Mar e Serra Ferramentas de Comunicação da Internet no Ensino/Aprendizagem Batalha Novembro de 2001 1 - Como começar com o Outlook Express Com uma

Leia mais

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um Projetos, Programas e Portfólios Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um programa, quando se relacionam

Leia mais

Procedimentos de alteração das Taxas de Iva NewHotel(Front Office)

Procedimentos de alteração das Taxas de Iva NewHotel(Front Office) Tema: Taxas de Iva Procedimentos de alteração das Taxas de Iva NewHotel(Front Office) Quinta feira, 19 de Dezembro de 2013 1 Caro Cliente, No âmbito da publicação, no passado dia 11 de dezembro de 2013,

Leia mais

GIGrecibos. Sistema de Emissão de Recibos de Donativos. Para Igrejas. Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA

GIGrecibos. Sistema de Emissão de Recibos de Donativos. Para Igrejas. Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA wgig GIGrecibos Sistema de Emissão de Recibos de Donativos Para Igrejas Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA tel: 266403273 www.vibis.com 1 Conteúdo wgig... 1 Avisos legais...

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

GERIR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS com o software Mendeley. Bibliotecas da Universidade de Aveiro

GERIR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS com o software Mendeley. Bibliotecas da Universidade de Aveiro GERIR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS com o software Mendeley Bibliotecas da Universidade de Aveiro 2014 2 sumário 1. Citações em texto e referências bibliográficas conceitos chave vantagens 2. Essencial do

Leia mais

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Requisitos para usar o Office 365: Ter instalado pelo menos a versão 7 do Internet Explorer, Mozilla Firefox 15, Google Chrome 21 ou Safari no Mac. O que é

Leia mais

SAMUO APP: MANUAL DO UTILIZADOR

SAMUO APP: MANUAL DO UTILIZADOR as novas tecnologias ao serviço do desenvolvimento de projectos w w w. i m a d i p. c o m CABO VERDE: REALIZAÇÃO DE UMA ACÇÃO- PILOTO PARA A MELHORIA DA GESTÃO NUM GABINETE TÉCNICO SELECCIONADO OFITEC

Leia mais

ADSE DIRETA MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARA PRESTADORES DA REDE DA ADSE

ADSE DIRETA MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARA PRESTADORES DA REDE DA ADSE ADSE DIRETA MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARA PRESTADORES DA REDE DA ADSE 2 ÍNDICE ADSE Direta... 4 Serviços Disponíveis... 6 Atividade Convencionada... 7 Atualizar/Propor Locais de Prestação... 9 Propor Novo

Leia mais

Tarefa Orientada 6 Edição de Dados

Tarefa Orientada 6 Edição de Dados Tarefa Orientada 6 Edição de Dados Objectivos: Inserção de dados. Alteração de dados. Eliminação de dados. Definição de Listas de Pesquisa (Lookup Lists) O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access

Leia mais

Manual GMI-Gabinete de Manutenção Informática

Manual GMI-Gabinete de Manutenção Informática Manual de utilização Inventários Inventários Manual GMI-Gabinete de Manutenção Informática Rua Rui de Pina, 1B 2805-241 Almada Tel. 21 274 34 41 * Fax. 21 274 34 43 Geral: geral@gmi.mail.pt Assistência:

Leia mais

MANUAL INOVAR ALUNOS Área Docente

MANUAL INOVAR ALUNOS Área Docente MANUAL INOVAR ALUNOS Área Docente Índice INOVAR ALUNOS Área Docente 1. Menu Eventos... 2 2. Menu Inicial - Faltas... 4 2.1. Inserir Faltas... 5 2.1.1. Falta por aluno... 5 2.1.2. Por disciplina... 5 2.1.

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Programa Inovar Alunos e Inovar Profissional - Sumários, Faltas e Comportamento

Programa Inovar Alunos e Inovar Profissional - Sumários, Faltas e Comportamento Programa Inovar Alunos e Inovar Profissional - Sumários, Faltas e Comportamento 1A. Programa Inovar Alunos - Fazer sumários e marcar faltas 1. O sumário e a marcação de faltas, no Inovar Alunos, deve ser

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de código de barras e separação de documentos

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de código de barras e separação de documentos Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de código de barras e de separação de documentos no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se

Leia mais

Suporte Técnico. A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA

Suporte Técnico. A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA Suporte Técnico A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA Horário de Atendimento De segunda-feira à sexta-feira das 09:00 ás 19:00

Leia mais

MANUAL DO EXCEL. Um campo é um espaço que contém determinada informação (ex: Nome do cliente X, Telefone do Sr. Y)

MANUAL DO EXCEL. Um campo é um espaço que contém determinada informação (ex: Nome do cliente X, Telefone do Sr. Y) MANUAL DO EXCEL BASE DE DADOS DEFINIÇÃO DE BASES DE DADOS Uma base de dados é um conjunto de informações, organizada segundo regras definidas à qual se pode aceder para extrair, actualizar, acrescentar

Leia mais

Manual de Configuração de Exportação/Importação de arquivos (MultiSET/SISCEL)

Manual de Configuração de Exportação/Importação de arquivos (MultiSET/SISCEL) Manual de Configuração de Exportação/Importação de arquivos (MultiSET/SISCEL) ÍNDICE Configuração do MultiSET para exportação de arquivo para o SISCEL... 3 Transporte do arquivo do MACINTOSH para o PC...

Leia mais

Manual de Iniciaça o. Índice

Manual de Iniciaça o. Índice Manual de Iniciaça o Índice Passo 1- Definir... 2 Definir grupos de tarefas... 2 Definir funções... 6 Definir utilizadores... 11 Definir o Workflow... 14 Definir tarefas... 18 Passo 2 - Planear... 21 Planear

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 [Módulo 1] Microsoft Project 2003 Apresentação do software 1 Características do Software. Principal ferramenta para o Gerenciamento de Projetos; Versátil, fácil utilização e interface prática; Uso da Internet

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEE CURSO DIDÁTICO SOBRE O SIMULADOR DE CIRCUITOS ELÉTRICOS E ELETRÔNICOS Prof. Fortaleza, Agosto de 2003 ORCAD

Leia mais

Importação de Ficheiros SAFT

Importação de Ficheiros SAFT Importação de Ficheiros SAFT Foi Criada na contabilidade uma rotina de integração de ficheiros SAF-T PT para permitir integrar de forma simples e rápida o ficheiro utilizado para enviar a faturação mensal

Leia mais

O módulo Cores e Tamanhos permite uma gestão de stocks (Compras e Vendas) através de uma associação a

O módulo Cores e Tamanhos permite uma gestão de stocks (Compras e Vendas) através de uma associação a Cores e Tamanhos O que é o módulo Cores e Tamanhos? Para que serve? O módulo Cores e Tamanhos permite uma gestão de stocks (Compras e Vendas) através de uma associação a uma tabela matriz de cores e tamanhos.

Leia mais

Explorar os comandos no friso Todos os separadores do friso têm grupos e todos os grupos têm um conjunto de comandos relacionados.

Explorar os comandos no friso Todos os separadores do friso têm grupos e todos os grupos têm um conjunto de comandos relacionados. Guia de Introdução O Microsoft Excel 2013 tem um aspeto diferente das versões anteriores, pelo que criámos este guia para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Adicionar comandos à Barra de Ferramentas

Leia mais

- Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação -

- Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação - ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. - Instruções para Aplicação de Geração do Ficheiro Prestação - Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica Novembro de 2013 1/24 ÍNDICE ÍNDICE...

Leia mais

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo,

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, Módulo POS Loja O que é um POS? Para que serve? POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, uma Loja que efetue venda ao público. Por outras palavras,

Leia mais

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Curso Profissional de Técnico de Restauração Cozinha - Pastelaria Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Módulo de Empréstimo Offline. Versão 2007. Manual do Utilizador

Módulo de Empréstimo Offline. Versão 2007. Manual do Utilizador SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÃO BIBLIOGRÁFICA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Módulo de Empréstimo Offline Versão 2007 Manual do Utilizador COIMBRA 2008 SUMÁRIO 1. Módulo de Empréstimo Offline... 3 1.1 Definir

Leia mais

Programa EndNote. Download para teste no site: http://www.endnote.com/endemo.asp. (Atualmente o EndNote está na versão 5x)

Programa EndNote. Download para teste no site: http://www.endnote.com/endemo.asp. (Atualmente o EndNote está na versão 5x) Programa EndNote 1. Informações O EndNote é um gerenciador de referências bibliográficas desenvolvido pela Thomson Reuters. O software permite armazenar e organizar as referências encontradas nas buscas

Leia mais

Guia de Introdução. Procurar Pode procurar uma pasta, subpastas e até outras caixas de correio.

Guia de Introdução. Procurar Pode procurar uma pasta, subpastas e até outras caixas de correio. Guia de Introdução O Microsoft Outlook 2013 tem uma aparência diferente das versões anteriores, pelo que criámos este guia para o orientar na aprendizagem. Torne-o seu Personalize o Outlook. Escolha entre

Leia mais

1. Estilos 1. 2. Índices 7

1. Estilos 1. 2. Índices 7 Carlos Maia Índice 1. Estilos 1 1.1. Considerações gerais 1 1.2. Aplicar estilos 1 1.3. Modificar estilos 2 1.4. Criar um novo estilo 3 1.5. Cópia de estilos 5 1.6. Retirar todos os estilos presentes num

Leia mais

COMO ACESSAR O SISTEMA?

COMO ACESSAR O SISTEMA? COMO ACESSAR O SISTEMA? 1º Passo Vai ao ícone do programa que está na área de trabalho. Veja a figura abaixo com o ícone do programa: 2º Passo - Clique 2 vezes sobre o ícone. 3º Passo Após os dois clique

Leia mais

IZARC (programa para compactar e descompactar ficheiros)

IZARC (programa para compactar e descompactar ficheiros) IZARC (programa para compactar e descompactar ficheiros) Guia de Utilização Luís Franco Nome do Programa: IZArc Função: Comprimir/Descomprimir Ficheiros/Pastas Grátis: Sim Em português: Sim Índice Obter

Leia mais

1º Clicar no menu Ficheiro 2º Clicar em Guardar Como

1º Clicar no menu Ficheiro 2º Clicar em Guardar Como Sempre que fazemos um documento, este deverá ser guardado, numa pasta e com um nome que identifique o respetivo documento. Para se guardar documentos, devemos ter em atenção algumas regras. 1. Ao guardar-se

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 4: PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE PROGRESSO

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 4: PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE PROGRESSO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 4: PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE PROGRESSO Os relatórios periódicos de progresso são obrigatórios para a obtenção de apoio para o projeto, e uma ferramenta

Leia mais

1. FILTRAR OS DADOS ATRAVÉS DE FORMULÁRIO (FILTER BY FORM)

1. FILTRAR OS DADOS ATRAVÉS DE FORMULÁRIO (FILTER BY FORM) Nesta aula prática iremos usar uma base de dados fictícia já preenchida com o nome Espaço Projecto - InfantJaundice2006.accdb. Este ficheiro foi criado pelo curso Data Management for Research, 2005, UCSF.

Leia mais