GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 9: PROGRAMAÇÃO DE TEMPO E DE RECURSOS

2 9.1 PROGRAMAÇÃO DE PRAZOS Programação de Prazos Cronograma Físico, de Barras ou Diagrama de Gantt Redes de Precedência ou Malhas PERT-CPM Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

3 CRONOGRAMA FÍSICO Programação Temporal da Execução da Obra Físico Financeiro Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

4 Cronogramas Físicos São elaborados em planilha própria e são constituídos de uma coluna com a relação das etapas construtivas que gerem prazos na obra e a distribuição do tempo de cada etapa em linhas horizontais, onde se inserem as barras (traços horizontais que representam os prazos) e os percentuais mensais das etapas a serem executados. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

5 CRONOGRAMA FÍSICO, DIAGRAMA DE GANTT OU DIAGRAMA DE BARRAS VANTAGENS Facilidade tanto de execução quanto de visualização por parte de técnicos da área e de leigos Favorece o relacionamento inicial contratante/contratado DESVANTAGENS Dependência entre as etapas construtivas Dificuldade de reprogramações Falta de detalhamento de etapas ou serviços em atividades de interesse especial

6 CRONOGRAMA FÍSICO As diversas etapas de que se compõem a edificação são distribuídas no prazo de execução, definindo-se, ainda que provisoriamente, datas de início e fim para cada uma. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

7

8

9 CRONOGRAMA FINANCEIRO Surge utilizando-se os dados do orçamento (preços da etapas construtivas) e do Cronograma Físico (percentuais de etapas de execução prevista para cada mês). Este cronograma não conterá barras designativas dos prazos, mas os valores financeiros correspondentes aos percentuais mensais.

10 9.2 PROGRAMAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS CRONOGRAMA FINANCEIRO: Uma vez estabelecido como a obra será realizada em cada uma de suas etapas e o que e quanto será executado a cada período de tempo considerado, a próxima fase da programação nos leva a determinar os recursos financeiros necessários para o cumprimento da programação física.

11 CRONOGRAMA FINANCEIRO Previsão de dispêndios Semanal Mensal Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

12

13 O QUE É UM CRONOGRAMA FÍSICO- FINANCEIRO?

14 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO Programação Física Organização Econômica Cronograma Físico-Financeiro Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

15 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO É um documento feito na forma de planilha, que menciona as etapas construtivas na sequência, definindo a duração de cada etapa e o prazo final para a conclusão da obra. Planejamento da Obra Compra de Materiais Contratação da Mão de Obra

16 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO As informações de prazo de entrega e contribuição mensal são de importância vital na construção, seja nos contratos de empreitada, seja nos de administração. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

17 CRONOGRAMA A precisão nos cronogramas pode ser mais importante que a precisão nos custos. Custos adicionais: - Podem ser absorvidos por uma grande quantidade de vendas. - Pode ser definido um novo preço. O não cumprimento do cronograma: - Reduz o impacto do produto no mercado. - Cria insatisfação nos clientes. - Cria dificuldades para a integração com outros sistemas.

18 Tanto o Cronograma Físico quanto o Financeiro devem ser apresentados em uma folha única, preservando a característica da facilidade de visualização global do documento. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

19 O cronograma físico-financeiro é requisito para financiamento de obras da construção civil, descrevendo a duração de cada uma das etapas da obra, bem como seus respectivos custos, relatados anteriormente no projeto. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

20 Mediante o Cronograma Físico-Financeiro, é possível se fazer o planejamento da obra, no que se refere à compra de materiais, prazos de pagamentos e contratação de mão-de-obra. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

21 Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

22 MÉTODOS DE PROGRAMAÇÃO FÍSICA Âmbito da construção civil PERT/CPM (cronograma de rede) Gantt (cronograma de barras)

23 GERENCIAMENTO DE TEMPO Aspectos importantes: Nenhum cronograma é perfeito, mas isso não impede que o projeto faça sempre a melhor estimativa possível; O cronograma do projeto determina, em parte, o seu orçamento; O detalhamento dos cronogramas é uma função do tamanho do projeto. Sempre deve se estimar o tempo baseado no melhor e no pior cenário;

24 Objetivos da Programação de Tempo determinar não só o prazo global da obra, data de início e término, mas principalmente os prazos parciais, que determinam como será a obra executada ao longo do tempo, com relação aos seus serviços e etapas construtivas, para que se possa programar as compras, os desembolsos, etc

25 MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DE PRAZOS Os mais conhecidos métodos de determinação de cronogramas que podem ser aplicados no desenvolvimento de software são: PERT: Program Evaluation and Review Technique (método de avaliação e revisão de programa) CPM: Critical Path Method (método do caminho crítico) Redes PERT-CPM: São a representação gráfica de um cronograma,na qual se apresenta a sequência lógica do planejamento com as interdependências das tarefas, tendo por finalidade atingir um objetivo.

26 Redes de Tarefas Ambas as técnicas (PERT e CPM) desenvolvem uma descrição da rede de tarefas de um projeto. A rede de tarefas é definida: - Ao se desenvolver uma lista de todas as tarefas associadas a um projeto específico, a qual às vezes é chamada Work Breakdown Structure (WBS) ou Estrutura de Divisão de Trabalho. - Uma lista de disposições (às vezes chamada lista de restrições) que indica em que ordem as tarefas devem ser executadas.

27 Exemplo Simplificado de uma Rede de Tarefas (não é PERT-CPM)

28 Redes PERT-CPM Estão representados no diagrama: - Todas as tarefas do início ao fim do projeto. - A sincronização das atividades (tarefas). - As dependências entre as atividades. - O caminho crítico (sequência de atividades que determinam a duração do projeto). - Uma estimativa de duração de atividades e os limites de tempo para elas. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

29 Cronograma: (Redes PERT-CPM) Para montar o cronograma, tentamos responder as seguintes questões: - Qual o tempo mais cedo para terminar o projeto? - Quais as atividades que influenciam para que o projeto termine na data marcada? - Qual a interdependência entre as atividades? - Quais as atividades críticas? Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

30 Cronograma: (Redes PERT-CPM)

31 CRONOGRAMA: (Redes PERT-CPM) No planejamento da Rede deve-se: - Identificar as Atividades (tarefas). - Identificar a ordem em que ocorrem as atividades. - Determinar a duração das atividades. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

32 Cronograma: (Redes PERT-CPM)

33 Cronograma: (Redes PERT-CPM)

34 Cronograma: (Redes PERT-CPM)

35 Cronograma: (Redes PERT-CPM)

36 Cronograma: (Redes PERT-CPM)

37 Cronograma: (Redes PERT-CPM)

38 Cronograma: (Redes PERT-CPM)

39 Cronograma: (Redes PERT-CPM) Para redes complexas, com relação ao tempo de execução, definem-se: - Cedo do evento. - Tarde do evento. - Folga do evento. - Caminho crítico.

40 Cronograma (Redes PERT-CPM): Cedo do Evento

41 Cronograma (Redes PERT-CPM): Tarde do Evento

42 Cronograma (Redes PERT-CPM): Tarde do Evento

43 Cronograma (Redes PERT-CPM): Folga do Evento

44 Cronograma (Redes PERT-CPM): Caminho Crítico

45 Cronograma (Redes PERT-CPM): Prazos de Execução

46 Cronograma (Redes PERT-CPM): Cedo do Evento

47 Cronograma (Redes PERT-CPM): Caminho Crítico

48

49 Mediante a Rede PERT-CPM apresentada, determine: a) Cedo dos eventos b) Tarde dos eventos c) Folga dos eventos d) Caminho crítico e) Cronograma de atividades Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

50 Cronograma: Gráfico de Gantt Descreve as tarefas como uma função da data cronológica. Tem por objetivo mostrar a duração de cada tarefa. Seu mérito está na simplicidade. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

51 Cronograma: Gráfico de Gantt

52 Exemplo: Gráfico de Gantt

53 Exemplo: Horas por Pessoa

54 Controle É a comparação entre o efetivo e o planejado com as providências necessárias para o enquadramento dos resultados na conjuntura apreciada, a fim de não produzir desvio em relação ao previsto. Para que um Controle tenha eficiência é preciso que o seu método seja simples e que o planejamento tenha sido bem elaborado. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

55 Controle Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

56 Controle Formas de conduzir o rastreamento e controle (tracking) do projeto: - Realizar reuniões periódicas sobre a situação do projeto, com relato do progresso e dos problemas. - Avaliar os resultados de todas as revisões conduzidas ao longo do processo de engenharia do software. - Determinar se as tarefas foram atingidas até a data programada. - Comparar a data de início real com a data de início planejada para cada tarefa do projeto. - Fazer reuniões informais para obter avaliações subjetivas do progresso do projeto.

57 Pontos Chaves A Rede de Tarefas e o Gráfico de Gantt constituem um meio simples e eficiente de alocação de tempo e recurso para o projeto. O Controle do Projeto tem por objetivo verificar se o cronograma está sendo cumprido e rearranjar as atividades caso isso seja necessário. Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

58 Exemplo de Projeto Orçamentário

59 JM.00 JM.00 JM.00 PM.00 PM.00 PM.00 PM.00 PM.00 PM.02 PM.00 JM.00 JM.00 JM.00 PM.00 N JM.00 A JM.00 JM.00 JM.00 JM.00 CALHA N RUA PMB: 002/1068/024 Plantas, Cortes, Fachadas e Coberturas A DETALHE ESCADA ELEVAÇÃO FRONTAL CORTE B B B VAZIO PLANTA COBERTURA RUA 09 ELEVAÇÃO LATERAL GARAGEM A PLANTA PAV. TÉRREO PLANTA PAV. SUPERIOR CORTE A

60 Perspectivas da Fachada

61

62

63 Informações Gerais Endereço: Rua 3, lote 24, quadra F, Residencial Villaggio III, Bauru, São Paulo Área do terreno: 360 m² Área Construída: 200,16 m² (térreo) 66,65 (pavimento superior) total: 266,81 m² Área livre: 159,84 m²

64 Documentos Elaborados Memorial Descritivo Memorial de Cálculos contendo: Quantificação de serviços, materiais e mãode-obra Planilha Orçamentária Cronograma Físico-Financeiro

65 Cronograma Físico-Financeiro DISCRIMINAÇÃO PREÇO % MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS 4 DESPESAS INICIAIS R$ 6.287,98 2,34% R$ 6.287,98 LIMPEZA DO TERRENO E TERRAPLENAGEM R$ 4.167,43 1,55% R$ 4.167,43 BARRACÃO DA OBRA R$ 3.751,64 1,40% R$ 3.751,64 LOCAÇÃO DA OBRA R$ 2.808,46 1,04% R$ 2.808,46 MURO DE ARRIMO R$ 5.396,80 2,01% R$ 5.396,80 FUNDAÇÃO R$ ,86 5,64% R$ ,86 IMPERMEABILIZAÇÕES R$ 4.890,56 1,82% R$ 4.890,56 INSTALAÇÕES R$ ,98 10,20% R$ 2.110,61 ESTRUTURA R$ ,10 13,90% R$ ,70 COBERTURA R$ ,98 6,84% ALVENARIA R$ ,91 5,42% CONTRAPISO R$ 6.833,65 2,54% ARGAMASSA DE REVESTIMENTO R$ ,52 9,48% ACABAMENTO DE PAREDES R$ ,88 4,43% FORROS R$ 5.834,84 2,17% PISOS R$ ,12 10,79% COLOCAÇÃO DE CAIXILHOS E PORTAS R$ ,20 10,01% COLOCAÇÃO DE APARELHOS SANITÁRIOS E ACESSÓRIOS R$ ,97 7,41% LIMPEZA FINAL R$ 2.687,98 1,00% TOTAL R$ ,87 100,00% R$ ,52 R$ ,66 R$ 4.890,56 R$ ,31 6,33% 7,65% 1,82% 5,42%

66 Outro Exemplo de Projeto Outro Orçamentário Exemplo de Projeto Orçamentário

67 Foi realizado o projeto orçamentário do edifício Residencial Juréia, localizado na rua Cel. Alves Seabra, Bairro Vila Seabra, Lote n.º 9, Quadra 640, Setor 4, Bauru SP. O Residencial é composto por:

68 BLOCOS DE APARTAMENTOS

69 CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO Bloco 1 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Fundações Bloco 2 Bloco 3 Bloco 4 Bloco 5 Estrutura Bloco 1 Bloco 2 Bloco 3 Bloco 4 Bloco 5 Bloco 1 Alvenaria Bloco 2 Bloco 3 Bloco 4 Bloco 5 Bloco 1 Revestimento das Paredes Bloco 2 Bloco 3 Bloco 4 Bloco 5

70 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Pisos Esquadrias Revestimento do Forro Cobertura Pintura

71 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Bloco 01 Bloco 02 Bloco 03 Bloco 04 Bloco 05 Implantação da Obra Salão de Festas Central de GLP Guarita e Depósito de Lixo Ano 1 Ano 2 Ano 3 Instalações elétricas Instalações hidráulicas Aparelhos Sanitários e Metais Limpeza da Obra

72 Engª M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré

Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina

Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina FSP Faculdade Sudoeste Paulista Departamento de Engenharia Civil Docente: Eng. Ana Lúcia de Oliveira Daré, Prof. M.Sc. Conteúdo programático Objetivos Bibliografia Critério de aproveitamento na disciplina

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características

Projetos - definição. Projetos - exemplos. Projetos - características Projetos - definição Pesquisa Operacional II Projeto é uma série de atividades que objetivam gerar um produto (saída, output) Geralmente consiste em um empreendimento temporário Michel J. Anzanello, PhD

Leia mais

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO Início Revisão Crítica A P POLÍTICA AMBIENTAL Melhoria Contínua Verificação e Ação Corretiva C D Planejamento IMPLEMENTAÇÃO Início Revisão Crítica Planejamento A C Melhoria Contínua P D POLÍTICA AMBIENTAL.

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

Introdução. Toda organização executa basicamente dois tipos de atividade: Projeto; e. Operação (execução).

Introdução. Toda organização executa basicamente dois tipos de atividade: Projeto; e. Operação (execução). Gestão de Projetos Introdução Toda organização executa basicamente dois tipos de atividade: Projeto; e Operação (execução). O projeto é uma atividade muito particular, cuja finalidade principal é dar origem

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 Relatório Gerencial Trimestral elaborado por: Leandro Toré de Castro Diretor de Contrato 61 3878 4718 ltcastro@odebrecht.com Thiago Galvão Diretor de Contrato

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Prazo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Prazo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1

TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1 TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1 Aula 1 Componentes de uma PBA Apresentação da turma Introdução

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 43 Aula 3 PLANEJAMENTO DE OBRAS SISTEMA DE PLANEJAMENTO DE OBRAS DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO a palavra: Visão a sentença: Planejamento é uma ferramenta

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

CPM Método do Caminho Crítico

CPM Método do Caminho Crítico CPM Método do Caminho Crítico CPM Método do Caminho Crítico O serviço de manutenção de máquinas é indispensável e deve ser constante. Por outro lado, é necessário manter a produção, conforme o cronograma.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR)

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) Curitiba, 16 de Janeiro de 2015 ESCLARECIMENTO N.º 05 TOMADA DE PREÇOS 2014/14641(7419) - Contratação de reforma, sem ampliação, de agência incorporada, Agência Itajaí/Besc (SC), para adequação de ambiência.

Leia mais

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo

Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto. Gerenciamento de Tempo Detalhamento da Fase de Planejamento e Programação de Projeto Gerenciamento de Tempo Principal objetivo garantir que o projeto seja concluído dentro do prazo determinado; O cronograma do projeto é sempre

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA: Considerando que os serviços de manutenção predial são imprescindíveis e de natureza contínua. Ademais, existem fatores diversos que influenciam na preservação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do Parcelamento do Solo

RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do Parcelamento do Solo Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo Teoria do Urbanismo II Professora Nirce Saffer Medvedovski RESIDENCIAL TERRA NATIVA Estudo do

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2)

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2) 02/07/22 12/12/22 Versão MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL NERIÁ Rua A.J. Renner, 1.390 Estância Velha Canoas / RS Arquivo: P:\SGQ\Registros\ e Desenvolvimento\0-RE.PRO.023 - Memorial Descritivo V.\Residencial

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção 1 Por que planejamento é importante? Eliminação de problemas relacionados à incidência de perdas e baixa produtividade Aumento da transparência dos processos (possibilidade

Leia mais

THIAGO BARBOSA YONAMINE CONSIDERAÇÕES SOBRE O GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM OBRAS RESIDENCIAIS VERTICAIS

THIAGO BARBOSA YONAMINE CONSIDERAÇÕES SOBRE O GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM OBRAS RESIDENCIAIS VERTICAIS THIAGO BARBOSA YONAMINE CONSIDERAÇÕES SOBRE O GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM OBRAS RESIDENCIAIS VERTICAIS Guaratinguetá 2011 THIAGO BARBOSA YONAMINE CONSIDERAÇÕES SOBRE O GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO

Leia mais

ED MONTE VERDE. Memorial descritivo dos acabamentos:

ED MONTE VERDE. Memorial descritivo dos acabamentos: ED MONTE VERDE Memorial descritivo dos acabamentos: 01 Fachadas Fachada frontal revestida em pastilha de porcelana e/ou cerâmica e pintura na parte interna das varandas, vidros laminados 8mm na cor verde,

Leia mais

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO REZENDE DOS SANTOS 1 - OBJETO:

Leia mais

Fluxo de caixa desde Dom 10/10/10 GP5 - Cronograma 201010010

Fluxo de caixa desde Dom 10/10/10 GP5 - Cronograma 201010010 Jun/10 Jul/10 Ago/10 Set/10 Out/10 Nov/ Projeto GP5: Casa Popular Gerenciamento de Projetos 1ª Entrega Project Charter do Projeto Pesquisar sobre o Projeto R$ 5.754,38 R$ 1.912,50 Descrever o Project Charter

Leia mais

PLANO DE ENSINO e ESTUDOS PRELIMINARES

PLANO DE ENSINO e ESTUDOS PRELIMINARES 200888 Técnicas das Construções I PLANO DE ENSINO e ESTUDOS PRELIMINARES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO: ESTUDOS PRELIMINARES:

Leia mais

A seguir são apresentadas figuras ilustrando as atividades executadas ao longo do quarto mês de atividades.

A seguir são apresentadas figuras ilustrando as atividades executadas ao longo do quarto mês de atividades. São José, 27 de agosto de 2015. Relatório de Acompanhamento de Obra. Referência: mês 04 medição 08 Conforme contrato firmado com a Ponte Engenharia e Construção Ltda para fornecimento de mão de obra para

Leia mais

TIPO 1 - RESIDENCIAL / COMERCIAL HORIZONTAL DE ALVENARIA OU CONCRETO Residências térreas e assobradadas, com ou sem subsolo

TIPO 1 - RESIDENCIAL / COMERCIAL HORIZONTAL DE ALVENARIA OU CONCRETO Residências térreas e assobradadas, com ou sem subsolo TABELA VIII - TIPOS E PADRÕES DAS CONSTRUÇÕES TIPO 1 - RESIDENCIAL / COMERCIAL HORIZONTAL DE ALVENARIA OU CONCRETO Padrão alto - 10,70 VRM por metro quadrado. Prédios com um ou dois pavimentos; estrutura

Leia mais

MEMORIAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LAS OLAS

MEMORIAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LAS OLAS MEMORIAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LAS OLAS ÍNDICE 1. DEPENDÊNCIAS DE USO PRIVATIVO - ESPECIFICAÇÕES 2. DEPENDÊNCIA DE USO COMUM - ESPECIFICAÇÕES 3. URBANIZAÇÃO 4. OBSERVAÇÕES FINAIS 1. DEPENDÊNCIAS DE

Leia mais

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Leia mais

1) Objetivos. 3) Estabelecer o Escopo do Software. 2) Principais Atividades

1) Objetivos. 3) Estabelecer o Escopo do Software. 2) Principais Atividades 1) Objetivos Tem como objetivo oferecer estimativas razoáveis de custo, recursos e cronogramas. Gera o plano do projeto de software. UNIDADE 4 100 2) Principais Atividades 1. Estabelecer o escopo do software.

Leia mais

SEDE SESC-DF. CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D

SEDE SESC-DF. CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D SEDE SESC-DF CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D SUMÁRIO 1. OBJETIVO...03 2. DESCRIÇÃO TÉCNICA: GRAFICAÇÃO EM AUTO-CAD 2013...03 3. OBSERVAÇÕES

Leia mais

Chapecó SC Julho, 2006.

Chapecó SC Julho, 2006. Universidade Comunitária Regional de Chapecó Centro Tecnológico Curso de Engenharia Civil Disciplina: Estágio Supervisionado II Professor Orientador: Marcelo F. Costella APLICAÇÃO DO MÉTODO DA LINHA DE

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL: PROJETO E RACIONALIZAÇÃO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? PREDIO COM

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 22-07/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Clima suíço, a 1.600 metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira

Clima suíço, a 1.600 metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira O : está localizado em Monte Verde, uma das mais belas e preservadas regiões montanhosas do país Clima suíço, a 1.600 metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira Localização Privilegiada:

Leia mais

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO Produto Aquisição de empreendimentos habitacionais na planta Sem custos de comercialização para o construtor Recursos do Fundo do Novo Programa Habitacional Público Alvo:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA E ADAPTAÇÃO DO 5º BATALHÃO DO CBMMG PARA IMPLANTAÇÃO DE BASE DESCENTRALIZADA DO SAMU - 192 CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente memorial tem por objetivo especificar serviços e materiais

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -OTIMIZAÇÃO COMBINATÓRIA PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO EM REDES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 6 do livro de Taha (2008): Otimização em Redes

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO URBANO

TRANSPORTE COLETIVO URBANO TRANSPORTE COLETIVO URBANO ABRIGOS PARA PONTOS DE PARADA PROJETO ARQUITETÔNICO Julho 2007 PARADAS DE ÔNIBUS Memorial Justificativo A proposta é a construção de mobiliário urbano para abrigo da população

Leia mais

Planejamento e Controle de Projetos

Planejamento e Controle de Projetos Planejamento e Controle de Projetos Transformação de uma idéia em um conceito Forma A forma global do produto Idéia Propósito A necessidade que o produto deve satisfazer Função A maneira como o produto

Leia mais

PARECER TÉCNICO DE AVALIAÇÃO MERCADOLÓGICA

PARECER TÉCNICO DE AVALIAÇÃO MERCADOLÓGICA fls. 127 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUÍZ DE DIREITO DA 3ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE GUARUJÁ/SP. Processo : 1009914-96.2014.8.26.0223 Cartório : 3º Vara Cível Requerente : Carlos Novaes Guimaraes Requerido

Leia mais

Alvenarias de Vedação em Blocos de Concreto e Revestimento Racionalizado

Alvenarias de Vedação em Blocos de Concreto e Revestimento Racionalizado Alvenarias de Vedação em Blocos de Concreto e Revestimento Racionalizado Péricles Augusto Dias Leal Setembro 2011 Mundo Plaza Mundo Plaza Área total do terreno: 17.282 m² Área total construída: 121.208m²

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO CLIENTE: OBJETIVO: OBRA: PROJETO: LOCAL: CIDADE: MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 21º ANDAR EDIFICIO CENTRAL REFORMA 21º ANDAR EDIFÍCIO CENTRAL RUA CALDAS JUNIOR Nº 120-21º ANDAR- Centro Porto Alegre/RS

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS 7º semestre Eng. Produção Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br Gestão do TEMPO em Projetos Redes e Cronogramas Prof. Luciel Henrique de Oliveira Como Gerenciar o

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE II - Instrumentos gráficos de planejamento e controle 2.6. Gráfico de Gantt Para facilitar a visualização e entendimento da programação, a rede PERT pode ser

Leia mais

IBAPE - XII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE/MG

IBAPE - XII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE/MG IBAPE - XII COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE/MG AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS EM CONJUNTO HABITACIONAL, HORIZONTAL, DESCARACTERIZADO DEVIDO AS INTERVENÇÕES SOFRIDAS

Leia mais

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do

Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do Revisão 1 Redução no custo e prazo de desenvolvimento de novos produtos; Aumento no tempo de vida dos novos produtos; Aumento de vendas e receita; Aumento do número de clientes e de sua satisfação; Aumento

Leia mais

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo:

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Graus de orçamento Exercício da aula passada Orçamento preliminar Graus de orçamento Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Área de 300 m² por pavimento

Leia mais

Fique à vontade para falar com a gente sempre que precisar!

Fique à vontade para falar com a gente sempre que precisar! Fique à vontade para falar com a gente sempre que precisar! Estamos na fase final de execução do seu empreendimento, e para que tudo ocorra da melhor maneira, desenvolvemos este guia para que você conheça

Leia mais

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM

DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM DIAGRAMAS DE REDE TÉCNICAS DO CAMINHO CRÍTICO PERT / CPM Program Evaluation and Review Technique PERT: VISÃO GERAL Program Evaluation and Review Technique Técnica para avaliação e revisão de programa.

Leia mais

IMÓVEIS. Boas Vendas. Jr Projetos e Construções Ltda - F: 30417222 - www.jrprojetoseconstrucoes.com.br

IMÓVEIS. Boas Vendas. Jr Projetos e Construções Ltda - F: 30417222 - www.jrprojetoseconstrucoes.com.br IMÓVEIS Boas Vendas Jr Projetos e Construções Ltda - F: 3047222 - www.jrprojetoseconstrucoes.com.br Guia da Planilha de Vendas Atualizada Perspectiva Residencial Torres de Milano Serra Dourada, 95 Novo

Leia mais

Planejamento do TEMPO Técnica de Redes PERT/CPM e Diagramas de GANTT

Planejamento do TEMPO Técnica de Redes PERT/CPM e Diagramas de GANTT RDS de PLNJMNTO Planejamento do TMPO Técnica de Redes PRT/PM e Diagramas de GNTT É a representação gráfica de um algoritmo (seqüencia de passos) na seqüência lógica do Planejamento com as interdependências

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO NORTE SUL TOWER. Apresentação:

MEMORIAL DESCRITIVO NORTE SUL TOWER. Apresentação: Apresentação: A GS Construtora é uma empresa que atua no ramo da construção civil desde 1994. Empresa sólida e conceituada no mercado, certificada pela norma NBR ISO 9001 E PBQPH Nível A (Programa Brasileiro

Leia mais

La Bella Città MEMORIAL DESCRITIVO. Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO

La Bella Città MEMORIAL DESCRITIVO. Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO La Bella Città Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA PROJETO ARQUITETÔNICO ARQUITETA CARMEN LUCIA PEZZETTE

Leia mais

ANÁLISE DA PROGRAMAÇÃO E DA EXECUÇÃO DE UM EDIFÍCIO DE APARTAMENTOS PERSONALIZADOS

ANÁLISE DA PROGRAMAÇÃO E DA EXECUÇÃO DE UM EDIFÍCIO DE APARTAMENTOS PERSONALIZADOS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. ANÁLISE DA PROGRAMAÇÃO E DA EXECUÇÃO DE

Leia mais

RESIDENCIAL PINHEIROS

RESIDENCIAL PINHEIROS RESIDENCIAL PINHEIROS O Residencial Pinheiros é um empreendimento financiado pela Caixa Econômica Federal, no programa Minha Casa, Minha Vida, localizado na cidade de Pelotas, no bairro Fragata situado

Leia mais

ED ANTÔNIO CARLOS. Memorial descritivo dos acabamentos:

ED ANTÔNIO CARLOS. Memorial descritivo dos acabamentos: ED ANTÔNIO CARLOS Memorial descritivo dos acabamentos: 01 Fachadas Fachadas frontal e lateral em porcelanato nas varandas, pastilha de porcelana e/ou cerâmica e pintura na parte interna das varandas, vidros

Leia mais

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

APLICAÇÕES DA CURVA s NO GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONCEITOS GERAIS : A curva S representa graficamente o resultado da acumulação das distribuições percentuais, parciais, relativas à alocação de determinado fator de produção (mão de obra, equipamentos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL PETRA

MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL PETRA MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL PETRA Este documento de Memorial Descritivo de Especificação do Empreendimento RESIDENCIAL PETRA situado à Rua Limeira nº 566, bairro Piratininga, lotes 12, 13, 14, 15,

Leia mais

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial Marcelo Ribeiro de Godoi Orçamento Fácil Construção Civil Predial Março/2009 Orçamento Fácil Construção Civil Predial 7 Capítulos 1ª edição - 1998 2ª edição - 2003 3ª edição - 2008 4ª edição - 2009 Copyright

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Conceitos básicos Aula 09 Conteúdo do Módulo Aula 1 (30/04): Conceitos básicos Importância do Planejamento Lean Construction: conceitos e exemplos práticos Aula 2 (05/05):

Leia mais

TABELA DE VALORES DE IMÓVEIS MD CAIO ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. JANEIRO E FEVEREIRO de 2014

TABELA DE VALORES DE IMÓVEIS MD CAIO ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. JANEIRO E FEVEREIRO de 2014 TABELA DE VALORES DE IMÓVEIS MD CAIO ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. JANEIRO E FEVEREIRO de 2014 1 - Sobrado A38 - Endereço: Rua Manoel Braga Gastal, 181, lote 38, quadra A, do Loteamento Residencial Lagos

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO

ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO ANEXO 1 TABELA DO TIPO, PADRÃO E VALOR UNITÁRIO DE METRO QUADRADO DE CONSTRUÇÃO TIPO 10 - EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS TÉRREAS E ASSOBRADADAS, COM OU SEM SUBSOLO 10.1 - Padrão Rústico Arquitetura: Construídas

Leia mais

PROGRAMAS DOS CONCURSOS

PROGRAMAS DOS CONCURSOS PROGRAMAS DOS CONCURSOS SETOR DE ESTUDO: GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS 1. A descentralização e democratização na Gestão Pública; governança e accountability. 2. Estado, democracia e questão social no Brasil;

Leia mais

Clima suíço, a 1.600 metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira

Clima suíço, a 1.600 metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira O : está localizado em Monte Verde, uma das mais belas e preservadas regiões montanhosas do país Clima suíço, a 1.600 metros de altitude, em um vale no alto da Serra da Mantiqueira Localização Privilegiada:

Leia mais

Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais

Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais CSE-208-4 Introdução à Gestão de Projetos L.F. Perondi 18.07.2010 PARTE 2 SUMÁRIO 1. Processos de Gerenciamento de

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

PARECER TÉCNICO nº 001/13

PARECER TÉCNICO nº 001/13 PARECER TÉCNICO 00/3 Cliente XU FU HENG AV. DA CATANHEIRA, LT 3350, TORRE J, APTO 306. R.A ÁGUA CLARA BRAÍLIA 747.323.8234 4 IMÓVEL Área (m²) Edificação Apto. 306 Tipo de Imóvel Apartamento Terreno F.

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE ENGENHARIA CIVIL LTA. 120. 05. 16

LAUDO TÉCNICO DE ENGENHARIA CIVIL LTA. 120. 05. 16 1 / 19 LAUDO TÉCNICO DE ENGENHARIA CIVIL LTA. 120. 05. 16 EUCALIPTO SERVIÇOS TÉCNICOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA Rua Marquês de Maricá, 625 - cj. 42 - Sacomã - São Paulo - SP CEP: 04252-000 Tel: (11) 2215-3064

Leia mais

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler O planejamento do projeto Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler 2 Introdução Processo de definição das atividades Sequenciamento de atividades Diagrama de

Leia mais

PROJETO BÁSICO I - DISPOSIÇÕES GERAIS I.1 - INTRODUÇÃO

PROJETO BÁSICO I - DISPOSIÇÕES GERAIS I.1 - INTRODUÇÃO PROJETO BÁSICO OBJETO: Obras de Engenharia para Reforma e Ampliação do CAIC THEOPHILO DE SOUZA PINTO. Localizado na Rua Praça do Terço, s/nº - Nova Brasília - Bonsucesso Rio de Janeiro. I- DISPOSIÇÕES

Leia mais

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café!

Estabelecer o tempo necessário para preparar e servir um café! Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção - Aula 6 Gestão de projetos / Diagrama de precedência Diagrama de redes Cronograma Agosto/9 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 6 Gerenciamento

Leia mais

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO FOLHA Nº I - APRESENTAÇÃO II - INFORMAÇÕES GERAIS III - ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS IV - PLANTAS HUMANIZADAS E FACHADAS

PROCESSO IDENTIFICAÇÃO VERSÃO FOLHA Nº I - APRESENTAÇÃO II - INFORMAÇÕES GERAIS III - ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS IV - PLANTAS HUMANIZADAS E FACHADAS MD - Memorial Descritivo do João Machado MD 005 7 1 / 14 S U M Á R I O I - APRESENTAÇÃO II - INFORMAÇÕES GERAIS III - ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS IV - PLANTAS HUMANIZADAS E FACHADAS Elaborado/revisado por:

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Construção Institucional Sede Administrativa Proprietário: FENACLUBES Federação Nacional dos Clubes Esportivos Endereço da Obra: Rua Açaí 540 Jardim

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2010 PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União

Leia mais

PERT CPM. Ferramentas de Desenvolvimento. Referencial Bibliográfico. Isnard Martins

PERT CPM. Ferramentas de Desenvolvimento. Referencial Bibliográfico. Isnard Martins Ferramentas de Desenvolvimento Isnard Martins Referencial Bibliográfico Administração da Produção e Operações - L.Ritzman & Krajewsky I. Martins Notas de Aula PERT CPM Método PERT - CPM ou Método do Caminho

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS VIDA VIVA CLUBE IGUATEMI MEM - 02-08

MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS VIDA VIVA CLUBE IGUATEMI MEM - 02-08 MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS VIDA VIVA CLUBE IGUATEMI MEM - 02-08 PORTO ALEGRE - RS 10/04/2012 ÍNDICE 1 - ACABAMENTOS APARTAMENTOS TIPO 2- ÁREAS CONDOMINIAIS 2.1 - ÁREAS DE

Leia mais

A gestão da implementação

A gestão da implementação A Gestão de Projectos Técnicas de programação em Gestão de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia A gestão da implementação Estrutura de planeamento de projectos avaliação e gestão de risco a gestão de projectos

Leia mais

Porto Velho RO 2008. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com FRANCISCO CHAGAS DA SILVA 1

Porto Velho RO 2008. PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com FRANCISCO CHAGAS DA SILVA 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇAO II FRANCISCO CHAGAS DA SILVA 1 PERT/CPM UMA FERRAMENTA

Leia mais

DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL

DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL DEPRECIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES JOSÉ TARCISIO DOUBEK LOPES ENG. CIVIL Os conceitos e opiniões apresentados nesta atividade são de responsabilidade exclusiva do palestrante. O Congresso não se responsabiliza

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESPECIALISTA NÍVEL SUPERIOR CARGO: ADVOGADO I - DIREITO CONSTITUCIONAL. Dos direitos e garantias fundamentais. Dos Municípios. Da Administração Pública. Dos Servidores Públicos.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE

MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE Rua Clemente Pinto, 146. Pág. 1 / 9 1 GENERALIDADES E DISPOSIÇÕES GERAIS O presente memorial descritivo tem por objetivo especificar o tipo, qualidade e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS RODRIGUES & AGUINAGA PROJETOS LTDA. Av. Francisco Talaia de Moura, 545 CEP: 91170-090 - Porto Alegre/RS. CNPJ: 09.077.763/0001-05 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS 1 1.

Leia mais

Plano de projeto. Cronograma e Controle

Plano de projeto. Cronograma e Controle Plano de projeto Cronograma e Controle Razões para atrasar um projeto Um deadline não realístico estabelecido por alguém fora do grupo de engenharia de software Câmbios nos requerimentos do software não

Leia mais

SOBERANO RESIDENCE MEMORIAL DESCRITIVO

SOBERANO RESIDENCE MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO CONDIÇÕES GERAIS: Estas especificações fazem parte integrante dos Contratos de Compra e Venda das unidades do Prédio Residencial denominado Soberano Residence. 1- DADOS INICIAIS: 1.1

Leia mais

Excelência nos detalhes

Excelência nos detalhes Excelência nos detalhes Espaços amplos com luz e ventilação natural, valorizando a arquitetura. Planejado para pessoas que percebem os detalhes. Excelência nos detalhes Imagens meramente ilustrativas.

Leia mais

Gerência de Projetos. Aula 3 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS

Gerência de Projetos. Aula 3 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Gerência de Projetos Aula 3 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS EAP - Estrutura Analítica de Projetos WBS - Work Breakdown Structure o Agrupamento e decomposição

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO EM REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS EM BRASÍLIA

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO EM REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS EM BRASÍLIA ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO EM REVESTIMENTOS DE FACHADA DE EDIFÍCIOS EM BRASÍLIA Giselle R. Antunes (1); Elton Bauer (2); Eliane K. de Castro (3) (1) Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Programa de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. RESERVATÓRIO SUPERIOR: Este pavimento abrigará os reservatórios de água conforme projeto específico aprovado pelo SAMAE e PPCI.

MEMORIAL DESCRITIVO. RESERVATÓRIO SUPERIOR: Este pavimento abrigará os reservatórios de água conforme projeto específico aprovado pelo SAMAE e PPCI. MEMORIAL DESCRITIVO MAGNO RESIDENCIAL Rua José Caberlon, lote 18, quadra 3878, Bairro Bela Vista, Caxias do Sul INCORPORAÇÃO: SUPREMA INCORPORADORA Rua Alfredo Chaves, 927/505 Centro Caxias do Sul. O presente

Leia mais

3,7 km do Shopping Paulista 4,2 km da Avenida Paulista 3,5 km do Centro Cultural SP

3,7 km do Shopping Paulista 4,2 km da Avenida Paulista 3,5 km do Centro Cultural SP Localização Localização ] 3,7 km do Shopping Paulista 4,2 km da Avenida Paulista 3,5 km do Centro Cultural SP A Vila Mariana é um bairro desejado pelos paulistanos que valorizam a qualidade de vida, traduzida

Leia mais