AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 1 AGES FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RITTA DE KÁSSIA SANTOS ANDRADE A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NO MARKETING DE RELACIONAMENTO: um estudo de caso no sistema bancário da região de Lagarto/SE Paripiranga 2010

2 2 RITTA DE KÁSSIA SANTOS ANDRADE A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NO MARKETING DE RELACIONAMENTO: um estudo de caso no sistema bancário da região de Lagarto/SE Monografia apresentada no curso de graduação da Faculdade AGES como um dos prérequisitos para obtenção do título de Bacharel em Administração. Orientador: Prof. Esp. Thales Brandão Ferreira Paripiranga 2010

3 3 RITTA DE KÁSSIA SANTOS ANDRADE A INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO NO MARKETING DE RELACIONAMENTO: um estudo de caso no sistema bancário da região de Lagarto/SE Monografia apresentada com exigência parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração, à Comissão Julgadora designada pelo Colegiado do Curso de Graduação da AGES Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Paripiranga, 6 de dezembro de BANCA EXAMINADORA Prof. Thales Brandão Ferreira Faculdade AGES Profª. Silvia Manoela de Jesus Machado Silva Faculdade AGES Prof. Augusto Cesar Santiago Faculdade AGES

4 4 Aos meus pais, Maria Creuza e Carlos Alberto, por toda confiança a mim outorgada, e por me concederem a mais valiosa das heranças: a educação. Aos meus irmãos Carlos Winycius e Davi Santos, pelo amor que me proporcionam e pelo companheirismo de uma vida inteira.

5 5 AGRADECIMENTOS superada. A Deus, força constante, por me fazer crer que toda e qualquer dificuldade pode ser À minha família, por todo amor e incentivo permanente, acreditando que este sonho se tornaria realidade e me apoiando para o alcance desta vitória. À Faculdade de Ciências Humanas e Sociais AGES, pelo compromisso com a excelência no ensino e a busca por diferenciais de qualidade. Ao professor orientador, Thales Brandão Ferreira, pelo conhecimento compartilhado, pela responsabilidade e dedicação com que conduz os momentos de discussão e aprendizado, indicando sempre o melhor caminho para a excelência. Aos professores do curso, pela sabedoria compartilhada durante todo o período de graduação e por tornarem esta conquista ainda mais prazerosa, em especial à professora Silvia Manoela de Jesus Machado Silva pelo incentivo e por acreditar em meu potencial enquanto acadêmica. Aos colegas, pelo convívio diário em busca do conhecimento e sucesso, nessa jornada de aprendizado contínuo. Aos funcionários e amigos Ageanos, pela dedicação com que realizam suas atividades. A todos que, de forma singular, contribuíram para esta grande conquista.

6 6 RESUMO Face às profundas mudanças tecnológicas e ao crescente número de informações no cenário nacional, a Administração passa a observar as organizações e sociedade de forma a suplantar suas necessidades e expectativas no que tange a um relacionamento de longo prazo. Nesse sentido, faz-se indispensável a utilização de sistemas de informação para o conhecimento dos clientes, no intuito de fidelizá-los. O presente trabalho discorre sobre a influência do sistema de informação no marketing de relacionamento, com um estudo de caso nas instituições bancárias da cidade de Lagarto/SE. Inicialmente tem-se uma breve discussão sobre definições e características do sistema de informação; do marketing, com relevância maior para o de relacionamento, o de serviços e do sistema bancário, apresentando as leis que regem estas instituições. Esses tópicos são divididos em vários sub-tópicos que irão compor o desenvolvimento deste trabalho de forma coerente e de fácil entendimento, em seguida, faz-se um paralelo com as organizações objetos de estudo, Bradesco e BANESE, agências da cidade de Lagarto/SE. O levantamento das informações deu-se através de pesquisa bibliográfica, com o estudo das obras dos principais pesquisadores do tema, e pesquisa de campo, que teve a finalidade de alicerçar e comprovar os estudos bibliográficos através da utilização de uma entrevista realizada com os gestores das instituições estudadas e com uma parcela de seus clientes. O foco do resultado está pautado na ideia da importância que os sistemas de informação representam para a manutenção de um bom marketing de relacionamento com os clientes das instituições bancárias e a utilização dos sistemas de informação para a tomada de decisões nas organizações. Neste tópico é feito um comparativo entre as respostas dos gestores e dos respectivos clientes das instituições em questão. PALAVRAS-CHAVE: Sistema de informação; marketing de relacionamento; marketing de serviços; sistema bancário.

7 7 ABSTRACT In view of the profound technological changes and the increasing number of information on the national scene, business administration shall observe the organizations and society in order to overcome their needs and expectations trying to get a long term relationship. So it is essential to the use of information systems to achieve customer's knowledge in order to keep them coming back. This paper discusses the influence of information system in relationship marketing, analyzing a case study in banking institutions from Lagarto/SE. Initially it is presented a brief discussion about definitions and characteristics of the information system; marketing, with a greater relevance to the relationship marketing and services marketing and banking system with the laws governing these institutions and these topics are divided into several sub-topics that will make the development of this work in a consistent and easy to understand, then it is a link with organizations which are objects of study, Bradesco Bank and Banese Bank, agencies from Lagarto/SE. The survey information was collected through literature search and according to the study of the works of leading researchers about the topic, and field research, which aimed to consolidate and verify bibliographic studies through the use of an interview with the managers of the institutions studied and a part of their customers. The result focus is based on the idea of the importance that information systems represent to the relationship maintenance and strengthening with customers of the banks and the use of information systems for decision making in organizations. This topic is shown a comparison between the answers of the managers and clients of the bank institution. KEYWORDS: information system; relationship marketing; service marketing; bank system.

8 8 LISTA DE QUADROS Quadro 01: Diferenças entre a empresa tradicional e a empresa baseada em informação Quadro 02: A gestão do relacionamento com o cliente Quadro 03: Características dos serviços que os distingue dos bens Quadro 04: Mix de marketing de serviços Quadro 05: Retrospectiva da automação bancária no Brasil Quadro 06: Missão e Stakholders da FEBRABAN LISTA DE FIGURAS Figura 01: Os públicos no ambiente de negócio Figura 02: Interação da informação com o processo decisório Figura 03: Organograma tradicional versus organograma de empresa moderna orientada para o cliente Figura 04: Componentes do sistema de informação de marketing (SIM)... 34

9 9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 01: Sistema de Informação no Banco Bradesco Gráfico 02: Sistema de Informação no Banco BANESE Gráfico 03: Marketing de Relacionamento no Banco Bradesco Gráfico 04: Marketing de Relacionamento no Banco BANESE Gráfico 05: Marketing de Serviços no Banco Bradesco Gráfico 06: Marketing de Serviços no Banco BANESE LISTA DE ABREVEATURAS E SIGLAS CRM SIM FEBRABAN INDEC BANESE Customer Relashionship Management Sistema de Informação de Marketing Federação Brasileira dos Bancos Instituto de Direito do Consumidor Banco do Estado de Sergipe

10 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO Origem do Sistema de Informação Sistema Dados e Informação Sistema de informação gerencial As dimensões do sistema de informação A importância do sistema de informação para as organizações MARKETING História do Marketing no Brasil Marketing de Relacionamento CRM Fidelização dos Clientes Marketing de Serviço Serviços Mix de marketing de serviços Elementos do produto Lugar (praça) e hora Promoção e Educação Preço e outros desembolsos do usuário Ambiente Físico... 31

11 Processo Pessoas Serviços Bancário Sistema de informação de marketing SISTEMA BANCÁRIO Sistema Bancário no Brasil Leis que regem o Sistema Bancário INDEC Instituto de Direito do Consumidor FEBRABAN Federação Brasileira dos Bancos Sistema Bancário, Sistema de Informação e Marketing de Relacionamento ESTADO DA ARTE Marketing de relacionamento e CRM: uma análise da gestão de Clientes no Setor Financeiro Marketing de relacionamento junto a consumidores finais: um estudo exploratório com grandes empresas brasileiras Busca da informação em marketing: a perspectiva da ciência da informação OBJETO DE ESTUDO Caracterização das organizações Bradesco BANESE RESULTADO Sistema de Informação Marketing de Relacionamento Marketing de Serviços CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE... 61

12 12 1 INTRODUÇÃO As incertezas no mundo dos negócios aumentam e impõem constantes desafios às organizações. Percebe-se que estas precisam superar necessidades lucrativamente a fim de gerar maior competitividade nos mercados. Em decorrência disso, sentiu-se a necessidade de conhecer e aplicar o sistema de informação gerencial como forma de vantagem competitiva com o objetivo de fidelizar os clientes, proporcionando-lhes valor agregado e, por conseguinte, levando a organização a um estreitamento do relacionamento entre as partes interessadas. Com relevância ao tema, percebe-se a importância de tal estudo, uma vez que as informações quando bem geridas proporcionam a alavancagem da organização, direcionando para a tomada de decisão pautada em dados verídicos e condizentes com as exigências do mercado. Na tentativa de demonstrar estudos nesta área o trabalho utilizar-se-á de autores renomados, são eles: Philip Kotler, Laudon e Laudon, O Brien, Cobra, Las Casas, Bertalanffy. Este trabalho de conclusão de curso tem como objetivo geral demonstrar como o sistema de informação gerencial afeta no relacionamento, levando as organizações à tomada de decisão pautada em informações precisas tendo, por conseguinte, resultados satisfatórios. Para o alcance deste objetivo são delineados objetivos específicos: demonstrar como o sistema de informação pode ser usado a fim de se obter vantagem competitiva através da fidelização dos clientes; demonstrar como o sistema integrado de informações facilita a interação das diversas áreas e reforça suas regras e procedimentos, visando à consistência, padronização e controle; Identificar o contexto e os conceitos essenciais do marketing de relacionamento; relatar as ferramentas de sistema de informação no setor bancário. O marketing trata de uma ação em progresso ao longo do tempo, visando fornecer valor ao mercado com a condição de gerar lucro para a empresa. Desta forma, pode-se dizer que o marketing de relacionamento é o esforço da empresa para desenvolver benefícios mútuos de longo prazo, utilizando a parceria como forma de resolver problemas complexos. A Pesquisa exploratória é a base metodológica deste projeto, direcionando a atingir a finalidade proposta, no intuito de confirmar os dados bibliográficos coletados através dos autores que tratem do tema estudado. Podemos inferir com Lakatos (2006, p.160), que pesquisa bibliográfica caracteriza-se como um apanhado geral sobre os principais trabalhos

13 13 realizados, revestidos de importância, por serem capazes de fornecer dados atuais e relevantes relacionados com o tema. Como afirma Gil (2002, p.41), a pesquisa exploratória tem como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito ou a constituir hipóteses. Neste sentido, descreve-se as teorias encontradas sobre o tema proposto, norteando a pesquisa, fazendo um analogia com as informações coletadas. Segundo Lakatos e Marconi (2006, p.41) a amostra diz respeito a uma parcela selecionada do universo (população); é um subconjunto do universo. No caso da pesquisa desenvolvida, que tem como tema, A influência do Sistema de Informação no Marketing de Relacionamento, pode-se dizer que a amostra diz respeito aos clientes e funcionários das instituições bancárias em estudo, será essa parcela que se submeterá a verificação. Desta forma, define-se que a amostra utilizada nessa pesquisa é a amostragem probabilística de fases múltiplas, multifásica ou em várias etapas. Neste contexto Marconi; Lakatos (2006) afirmam que: A amostragem de fases múltiplas, multifásica ou em várias etapas consiste basicamente no sorteio de uma amostragem bem ampla que é submetida a uma investigação rápida e pouco profunda (primeira fase); o conhecimento obtido nessa fase permite extrair, da mostra mais ampla, uma menor, que será objeto de uma pesquisa aprofundada (segunda fase) (2006, p.47). Para a coleta de dados fez-se uso da ferramenta de entrevista, realizada com funcionários e clientes das instituições bancárias que abordará sobre a utilização do sistema de informação pelas organizações em estudo. A análise dos dados pode ser entendida como uma forma de proporcionar respostas ao problema estudado, assim sendo, após o levantamento dos dados, estes serão analisados para que se alcancem possíveis soluções para o problema. O presente trabalho está dividido em oito capítulos, que apresentam os seguintes conteúdos: No capítulo de Introdução tem-se um breve histórico deste projeto, sendo composto por objetivo geral, objetivos específicos, metodologia utilizada, justificativa da escolha do tema, problema e hipóteses da pesquisa. No segundo capítulo conceitua-se Sistema de Informação, apresentando a sua evolução histórica, e de forma detalhada o que se entende por sistema e informação, apresentando os seus benefícios, um paralelo com o sistema de informação de marketing demonstrando os pilares deste sistema e a influência destes para as organizações.

14 14 No terceiro capítulo conceitua-se Marketing, demonstrando sua evolução e fazendo uma abordagem específica sobre o marketing de Relacionamento e o marketing de serviço demonstrando a sua importância no processo de construção de relacionamento. No quarto capítulo é feito um estudo sobre o sistema bancário no Brasil, demonstrando as leis que regulam essas organizações, como está sendo utilizado o sistema de informação dentro dos bancos e como funciona o marketing de relacionamento neste setor. No quinto capítulo faz-se um estudo a respeito do estado da arte, dedicado exclusivamente à demonstração de artigos de diversos autores que estudaram sobre a utilização do sistema de informação e sua influência no marketing de relacionamento em outras organizações que deram certo. Tal estudo tem como propósito final a aplicação destes resultados satisfatórios no sistema bancário. O sexto capítulo faz alusão ao objeto de estudo, apresentando as instituições estudadas, onde os questionários foram aplicados. No sétimo capítulo faz-se a análise dos resultados da pesquisa realizada, demonstrando a importância de se estudar o tema em questão e a sua aplicabilidade no sistema bancário. Por fim, apresentam-se as conclusões feitas durante todo o desenvolvimento do trabalho.

15 15 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO 2.1 Origem do Sistema de Informação Devido ao desenvolvimento tecnológico e a globalização que vem dominando o mundo, o fluxo de informações cresceu de forma considerável. Em decorrência disso, faz-se necessário a utilização de ferramentas que administrem o grande número destas informações; surgem, então, os sistemas de informações. Oliveira (1993) afirma que: Sistema de informações gerenciais é um instrumento administrativo que pode otimizar as comunicações e o processo decisório nas empresas. E deve-se lembrar que as comunicações e o processo decisório são, de acordo com várias pesquisas efetuadas, dois problemas sérios para a eficiência e efetividade das empresas (1993, p.14). Anteriormente as informações eram transmitidas apenas através da fala, com o surgimento da escrita tornou-se mais fácil a sua disseminação, e, por conseguinte, a dificuldade de geri-las aumentou, sendo necessário um grande número de pessoas, papéis e espaço físico destinado a armazenar estes dados. De acordo com Laudon e Laudon: Até a metade da década de 1950, as empresas administravam todas as suas informações em registros impressos, e também era via papel que essas informações fluíam. Durante os últimos 50 anos, cada vez mais as informações organizacionais e o fluxo de informações entre os principais atores dos negócios foram sendo computadorizados (2007, p.41). Os computadores foram os instrumentos chave para a disseminação dos sistemas de informação, processando dados de forma rápida e transmitindo confiança aos seus usuários. Tais sistemas têm papel fundamental na tomada de decisão dentro das organizações, através da transformação de dados em informação, pelas pessoas que a elas tem acesso.

16 Sistema A necessidade dinâmica exigida pela globalização e suas imposições para que a empresa possa atingir níveis mais altos de produtividade e eficácia definem seu perfil em operar com um sistema eficiente. Segundo Rebouças (2008, p. 7) Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuam determinada função. Por serem independentes precisam interagir entre todos os setores e níveis organizacionais. Em Bertalanffy (2008, p. 63) vamos encontrar o seguinte ensinamento: Sistemas é um conjunto de elementos em interação. Em consonância com as citações acima, O Brien vem afirmar que: Sistema pode ser definido como um grupo de elementos inter-relacionados ou em interação que formam um todo unificado, que trabalham rumo a uma meta comum, recebendo insumos e produzindo resultado sem um processo organizado de transformação (2004, p.7). Um sistema é composto de três fases assim consideradas: Entrada de dados gerados na organização; processamento destes dados em informações úteis para a tomada de decisões e saída do que foi processado servindo de alicerce para a tomada de decisões. Os processos gerenciais podem ser classificados de acordo com os problemas organizacionais que ajudam a resolver, como: sistemas de nível estratégico, táticos, de conhecimento e operacionais (BATISTA, 2006, p. 39). Desta forma pode-se concluir que os sistemas são de grande importância para todos os níveis organizacionais, uma vez que integrar todas as áreas para a conquista de um objetivo organizacional comum, através da troca de informações relevantes e decisórias para a tomada de decisão. Esta troca de informações tem como base, ainda, a missão e visão da organização, que iram nortear as ações dos gestores. Como O Brien afirma, um sistema possui três componentes ou funções básicas em interação, como pode ser visto na tabela abaixo:

17 17 A Comunidade Concorrentes Agências Governamentais Fornecedores Recursos Econômicos: Pessoas Dinheiro Controle Administração Controle Sistemas de Informação Processos Organizacionais: Comercializar Desenvolver Feedback Bens e Serviços: Produtos Serviços Matériaprima Produzir Pagamentos Entregar produtos Contribuições Máquinas e serviços Informações Terra Dar assistência a Outros efeitos clientes Instalações Outros processos. Energia Entrada Processamento Saída Informação Entrada Processamento Saída Clientes Acionistas Instituições Financeiras Sindicatos Trabalhistas Figura 01: Os públicos no ambiente de negócio Fonte: O BRIEN, 2004, p. 9. (Adaptado) 2.3 Dados e Informação Os consumidores estão sempre bem informados e em alguns momentos conhecendo o produto melhor do que o vendedor. Para que situações como estas sejam evitadas é necessário que a organização tenha um sistema eficiente para propagar as informações necessárias a respeito dos produtos, clientes, grupos de interesse.

18 18 De início é preciso distinguir dado de informação, que se diferenciam pelo conhecimento que propiciam ao tomador de decisões. Segundo Rebouças (2008, p. 22) Dado é qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação. Já informação é o dado trabalhado que permite ao executivo tomar decisões. Qualquer profissional que tenha que manipular informações, como administradores ou gestores, precisam estabelecer diferenças entre as informações existentes e as informações necessárias. O Brien (2004, p.133) dialoga que: Os dados são um recurso organizacional essencial que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não conseguiria sobreviver ou ter sucesso sem dados de qualidade sobre suas operações internas e seu ambiente externo. Oliveira (1998) citado por Rezende; Abreu (2009, p.87) entende que: O propósito básico da informação é o de habilitar a empresa a alcançar seus objetivos pelo uso eficiente dos recursos disponíveis, nos quais se inserem pessoas, materiais, equipamentos, tecnologia, dinheiro, além da própria informação. A informação é recurso vital da empresa que deve integrar os diversos sistemas e as funções das várias unidades organizacionais, tendo como propósito habilitá-la a alcançar seus objetivos através do uso dos recursos disponíveis, sendo estes, pessoas, materiais, equipamentos, tecnologia, capital. O valor da informação está associado ao seu uso final. Esta decisão refere-se à conversão das informações em ação, que facilitam o desempenho das funções que cabem à administração: planejar, organizar, dirigir e controlar. 2.4 Sistema de Informação Gerencial O sistema de Informação Gerencial é estudado por diversos autores que assim o conceituam, e Oliveira (2001, p. 39) entende que: É um sistema de pessoas, equipamentos, procedimentos, documentos e comunicações que coletam, valida, executa operações, transforma, armazena, recupera e apresenta dados para uso no planejamento, orçamento, contabilidade, controle e em outros processos gerenciais para os vários propósitos

19 19 administrativos. Os sistemas de processamento de informações tornam-se sistemas de informações gerenciais quando sua finalidade transcende uma orientação para processamento de transação, em favor de uma orientação para a tomada de decisões gerenciais. (Schwaetz, 1970, p.4) De acordo com Laudon e Laudon (2007, p. 9) sistema de informação pode ser definido tecnicamente como um conjunto de componentes inter-relacionados que coletam (ou recuperam), processam, armazenam e distribuem informações destinadas a apoiar a tomada de decisões, a coordenação e o controle de uma organização. As empresas precisam evoluir da chamada empresa tradicional para a empresa baseada na informação, que tem o compartilhamento de informações e o trabalho cooperativo como principais focos da estratégia de gestão. Diferenças da empresa tradicional para a empresa baseada na informação, segundo Rezende; Abreu: Empresa Tradicional Empresa Baseada em Informação Burocracia Consenso Padronização dos produtos e serviços Massificação personalizada e qualidade Padronização dos salários Salários baseados no conhecimento agregado aos negócios Estrutura Hierárquica Descentralização e diluição da hierarquia Autoridade Gerência participativa e diluição da autoridade Centralização Recursos descentralizados, sinergia, trabalho em equipe Controle e centralização da informação Compartilhamento das informações Processo decisório centralizado Decisões participativas, gerência por processos, gerenciamento por resultados Planejamento centralizado Pensar globalmente e agir localmente Controle centralizado Controle descentralizado Quadro 01: Diferença entre a empresa tradicional e a empresa baseada em informação Fonte: REZENDE; ABREU, 2009, p.83. Rebouças (2008, p. 26) afirma que é o processo de transformação de dados em informações que são utilizadas na estrutura decisória da empresa, proporcionando, ainda, a sustentação administrativa para otimizar os resultados esperados. Desta forma é possível afirmar que o sistema de informação gerencial deve ser visualizado como um instrumento administrativo de significativo auxílio para os executivos das organizações. Um sistema de informação Gerencial não é composto apenas por computadores, o sistema só será bem implantado e integrado caso a organização se preocupe em como estas informações estão sendo tratadas e o seu fluxo dentro da organização. Os

20 20 sistemas de informação devem adequar-se ao estágio organizacional que a empresa se encontra, devendo atender a todos os tipos de estrutura organizacional, requerendo sintonia e sinergia de informações As dimensões do sistema de informação Os sistemas de informação são parte integrante das organizações, a sua cultura determina como a tecnologia está sendo usada e de que forma ela deveria ser usada. Com o emprego de sistemas é possível automatizar muitos processos organizacionais. Segundo Laudon e Laudon (2007, p. 11) uma organização executa e coordena o trabalho por meio de uma hierarquia e de processos organizacionais, isto é, comportamentos e tarefas logicamente relacionados para a execução do trabalho. Os sistemas de informação possibilitam que os processos organizacionais se tornem mais fáceis de serem conduzidos, a fim de se obter resultados satisfatórios. As pessoas exercem papel fundamental no manuseio de sistemas, que seriam inúteis sem mão de obra gabaritada para desenvolvê-los e mantê-los. As pessoas precisam ser capazes de fazer uso das informações do sistema para atingir os objetivos organizacionais e tomar decisões pautadas nestes resultados. Como afirma Laudon e Laudon (2007): Para tocar uma empresa, são necessários muitos diferentes tipos de conhecimentos e pessoas, o que engloba desde administradores até empregados da linha de frente. A tarefa dos administradores é entender a lógica das muitas situações enfrentadas pela organização, tomar decisões e formular planos de ação para a resolução de problemas organizacionais. Administradores percebem os desafios à empresa presentes no ambiente, estabelecem a estratégia organizacional para responder a eles e alocam os recursos humanos e financeiros para coordenar o trabalho cumprir a estratégia (p. 12). A tecnologia da informação é utilizada pelos gestores como uma ferramenta para enfrentar mudanças. Dentre os seus componentes temos os hardwares, que se caracterizam como equipamentos físicos para entrada, processamento e saída de informações; Os softwares que consistem os próprios sistemas; tecnologia de comunicação e de redes que interligam os diversos equipamentos de computação transferindo dados de uma localização física para outra; As redes cuja maior do mundo e, também, a mais utilizada é a internet, possibilitando a

21 21 melhor compreensão da linha de pensamento dos consumidores, antes mesmo de identificarem seus desejos e necessidades. FONTES DE INFORMAÇÃO INTERNA EFEITOS SOBRE O AMBIENTE (EXTERNO) INFORMAÇÃO RELEVANTE PARA DECISÕES TOMADA DE DECISÃO COMPARAÇÃO COM OS PADRÕES FONTES DE INFORMAÇÃO EXTERNA EFEITOS SOBRE A EMPRESA AÇÃO CORRETIVA NECESSÁRIA Figura 02: Interação da informação com o processo decisório. Fonte: OLIVEIRA, 2008, p A importância do Sistema de Informação para as organizações A grande maioria das organizações possui dificuldades em avaliar, de forma quantitativa, qual o efetivo benefício de um sistema de informações gerenciais, ou seja, qual a melhoria que o mesmo proporciona no processo decisório. Neste sentido, pode-se afirmar que os sistemas trazem como benefícios, a redução de custos; melhoria no acesso às informações, que propiciam relatórios precisos e rápidos; melhoria na produtividade; melhoria nos serviços realizados e oferecidos; melhoria na tomada de decisões; redução do grau de centralização das decisões na empresa; redução dos níveis hierárquicos. Laudon e Laudon (2007) argumentam que: Muitos administradores trabalham às cegas, sem nunca poder contar com a informação certa na hora certa para tomar uma decisão abalizada. Também há aqueles que se apóiam em previsões, palpites ou na sorte. O resultado é a produção insuficiente ou excessiva de bens e serviços, a má alocação de recursos e a falta de timing. Essas deficiências elevam os custos e geram perda de clientes (2007, p. 7).

22 22 Os sistemas de informação são considerados, também, como ferramenta para se obter vantagem competitiva, a partir do momento que amplia a capacidade da organização de lidar com clientes, fornecedores, produtos e serviços substitutos, e novos entrantes no mercado, permitindo assim ligar clientes e fornecedores à empresa, facilitar operações internas, agregar valor em todos os processos organizacionais, ampliar seu ingresso no mercado. Em decorrência disso é possível afirmar que o sistema de informação gerencial é uma ferramenta que agrega valor às organizações quando bem executada, desempenhando papéis de suporte dos processos e operações; Suporte na tomada de decisões de seus funcionários e gerentes; suporte em suas estratégias em busca de vantagem competitiva, alavancando o negócio.

23 23 3 MARKETING 3.1 História do Marketing no Brasil O surgimento do marketing é marcado pela Revolução Industrial no século XIV, com a massificação da produção, proporcionando o aumento da oferta. Logo após, fez-se necessário a criação de técnicas voltadas para a promoção da satisfação de clientes, sendo o criar valor para o cliente, considerado sinônimo de desenvolvimento. A palavra marketing deriva do latim mercare, que significa o ato de comercializar produtos, onde tudo o que se produzia era vendido, sendo o marketing desnecessário. No Brasil da década de 1950 ainda não havia profissionais de marketing, só com a criação da Escola de Administração de Empresas de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas é que as funções de pesquisa de mercado e gerência de produtos começam a ser valorizadas. Las Casas aborda sobre o surgimento do marketing: Foi com o acirramento da concorrência dos anos 50 que as empresas passaram a preocupar-se com as novas formas de comercialização e constatou que, indo atrás dos consumidores, ficaria mais fácil vender. Surgiu assim a era do marketing cujo principal ingrediente, o conceito de marketing, inspiração para o desenvolvimento de ofertas adequadas (2008, p. 6). Kotler, citado por Cobra (2007, p. 23), afirma que Marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação de oferta e troca de produtos de valor com outros. Desta forma percebe-se que o marketing é caracterizado como uma das grandes estratégias das organizações frente ao mercado competitivo, devendo-se levar em consideração o ponto de vista do consumidor tomando decisões pautadas no que estes necessitam e desejam.

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840

Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Juliana Grigol Fonsechi - 5147903 Chang Ming - 4915182 Vanessa Herculano de Oliveira - 5146840 1 Contexto Reclamações comuns dos executivos: Há muita informação

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais