PATOFISIOLOGIA DOS ERITRÓCITOS (ANEMIAS) Dr. Marcos Mendes Disciplina de Fisiologia FMABC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOFISIOLOGIA DOS ERITRÓCITOS (ANEMIAS) Dr. Marcos Mendes Disciplina de Fisiologia FMABC"

Transcrição

1 PATOFISIOLOGIA DOS ERITRÓCITOS (ANEMIAS) Dr. Marcos Mendes Disciplina de Fisiologia FMABC

2 ANEMIA: Conceitos Hb < 12 g/dl ( ) e Hb < 13 g/dl ( ) ou diminuição do número de hemácias ANISOCITOSE (VCM = 80 a 100 fl ou μm 3 ): Macrocitose, normocitose e microcitose ANISOCROMIA (HCM = 27 a 33 pg): Hipercromia, normocromia e hipocromia POIQUILOCITOSE: Formas bizarras (Fonte: CECIL, Tratado de Medicina Interna - Goldman, Lee & Bennett, 22ª Edição, 2005)

3 Conceitos Segundo contador eletrônico de Coulter: ANISOCITOSE (VCM = 80 a 100 fl ou μm 3 ): Ht. 10 Hc ANISOCROMIA (HCM = 27 a 32 pg): Hb. 10 Hc * Hc ( 10 6 por mm 3 ) (Fonte: CECIL, Tratado de Medicina Interna - Goldman, Lee & Bennett, 22ª Edição, 2005)

4 EXEMPLOS Microcítica e hipocrômica: ferropriva, dç. crônica, talassemia, intox. alumínio, tireotoxicose, a. sideroblástica Normocítica normocrômica: IRC, hemorragia, hepatopatias, endócrina etc Macrocítica hipo/hipercrômica: megaloblásticas, alcoolismo, fármacos, hepatopatia, dist. primário da medula óssea, hipotireoidismo

5 Principais Tipos de Poiquilócitos Eliptócitos e Ovalócitos dçs. hereditárias e raro nas Talassemias e outras anemias. Esferócitos Esferocitose hereditária e anemias auto-imunes Dacriócitos (lágrima) A. Megaloblástica, A. Ferropriva, Talassemias, metaplasia mieloide etc Codócitos (alvo) Talassemia, dç. hepática grave etc Drepanócitos (foice) A. Falciforme (Fonte: CECIL, Tratado de Medicina Interna - Goldman, Lee & Bennett, 22ª Edição, 2005)

6 Principais Tipos de Poiquilócitos Estomatócitos (boca) dçs. hereditárias, etilismo etc Queratócitos (mordida) Def. G6PD, carência de ferro, dçs autoimune etc Acantócitos (céls. crenadas) dislipidemias, cirrose hepática, hemólise pós-esplenectomia, IRC, def. de piruvato-quinase, carência de ferro etc Esquizócitos anemia sideroblástica, microangiopatias, queimaduras graves, CIVD etc (Fonte: CECIL, Tratado de Medicina Interna - Goldman, Lee & Bennett, 22ª Edição, 2005)

7 ELIPTÓCITOS

8 ESFERÓCITOS

9 DACRIÓCITOS

10 CODÓCITOS

11 DREPANÓCITOS

12 ESTOMATÓCITOS

13 QUERATÓCITOS

14

15 A MICROCITOSE E HIPOCROMIA B ESQUIZÓCITOS C DACRIÓCITOS D CODÓCITOS

16 SIDEROBLASTOS

17 Classificação das Anemias Primária a) Eritropoiese diminuída b) Hemólise aumentada c) Perdas sanguíneas Secundária a) Renal insuf. renal crônica b) Hepática hepatopatias e infecções crônicas etc c) Endócrina hipotireoidismo, panpituitarismo, hiperparatireoidismo, insuf. suprarrenal etc

18 Mecanismos das Anemias Primárias Eritropoiese diminuída a) Déficit nutricional b) Alterações na medula óssea Hemólise aumentada a) Mecanismos intracorpusculares b) Mecanismos extracorpusculares Perdas sanguíneas (agudas ou crônicas): hemorragia, trauma, lesões tissulares etc

19 Eritrpoiese Diminuída A Deficiência nutricional: Carência nutricional de ferro, folato e Vit. B12 Absorção inadequada de ferro, folato e Vit. B12 (parasitoses, úlceras GI, diarreia etc) Aumento da demanda (crescimento e gravidez) B Alterações na medula óssea Aplasia medular (medicamentosa e radiação)

20 Hemólise Aumentada A Mecanismos intracorpusculares: Esferocitose hereditária Déficit de G6PD, glutationa peroxidase, glutationa redutase, piruvato-quinase etc Hemoglobinopatias (Talassemias e Falciforme) B Mecanismos extra-corpusculares Anticorpos, autoimune, medicamentosa, microangiopatias Hemoglobinúria Paroxística Noturna

21 Avaliação Inicial das Anemias Anamnese e Exame Físico Geral e Especial Hemograma: número, cor e forma eritrocitária, Hb, Ht, VCM e HCM Esfregaço sanguíneo (poiquilocitose) Teste de resistência corpuscular (hemólise) Contagem de Reticulócitos (resposta medular) Dosagem de ferro sérico, ferritina, transferrina e vitamina B12 (pesq. ferropriva e megaloblásticas) Eritropoietina AST, ALT, BTF, creatinina

22 ANEMIA FERROPRIVA Causas: a) perdas crônicas (úlcera GI, hemorroidas, parasitoses, epistaxe, menorragias, metrorragias etc); b) carência nutricional; c) síndrome de má-absorção; d) alterações no transporte plasmático; e) gravidez

23 A. Ferropriva anemia microcítica e hipocrômica com poiquilócitos

24 ANEMIA FERROPRIVA Redução da glutationa peroxidase (contém Fe) Oxidação dos grupos sulfidrilos da membrana Menor plasticidade POIQUILÓCITOS Fagocitose e Hemólise

25 ANEMIA MEGALOBLÁSTICA Causas: a) Deficiência de FOLATO por carência nutricional, má-absorção, gestação e lactação, alcoolismo, hipo e hipertireoidismo etc. b) Deficiência de COBALAMINA (Vit. B12) por carência nutricional, má-absorção (gastrite senil, gastrectomia e cir. bariátrica), deficiência enzimática. (ANEMIA PERNICIOSA) c) Induzidas por fármacos e erros inatos do metabolismo

26 ANEMIA MEGALOBLÁSTICA MEDULA NORMAL MEDULA MEGALOBLÁSTICA

27 ANEMIA MEGALOBLÁSTICA MEGALOBLASTO CIRCULANTE MEIA-VIDA DE 30 DIAS

28 Metabolismo da Vit. B12 FIC glicoproteína com kd produzido pelas céls. parietais gástricas, principalmente no antro. Transcobalaminas I e II transportadores de Vit B12 no sangue para fígado, medula óssea e mucosa TGI.

29

30 ANEMIA MEGALOBLÁSTICA Purinas: adenosina, guanina e uracila Pirimidinas: timina e citosina FH4 ácido tetra-hidrofólico (folato - forma ativa) d UMP desoxiuridinato (desoxiuridina monofosfato) TMP timidilato (timina monofosfato) Vit B12 cobalamina, transportador de radicais metil

31 Metabolismo FH4 e Vit B12 glicina, serina e B6 FH4 Metil-FH4 dump TMP vit B12 metionina sintetase Homocisteína Metionina síntese de DNA (eritropoiese)

32 Metabolismo FH4 e Vit B12 FH4 Ác. Fórmico-glutâmico Ác. Glutâmico (urina) Metilmalonato (URINA = ác. metil-malônico) Malonato Vit B12 + Metil-malonil Co A redutase

33 ANEMIA PERNICIOSA Megaloblastos Carência Vit B12 Desmielinização por acúmulo de ác. metilmalônico que gera aumento na síntese de ác. graxos anormais e perda da bainha de mielina Sintomas SNC: alterações na sensibilidade (parestesias), visuais, olfativas e gustativas, alterações motoras (marcha e força motora), tremores, tontura, hipomnésia, hiperrreflexia (Babinski +), depressão, paranoia, apatia, alucinações, desorientação, obnubilação, suicídio etc

34 DEFICIÊNCIA DE G6PD H 2 O 2

35 CORPÚSCULOS DE HEINZ POR META-Hb e SULFA-Hb

36 ESFEROCITOSE HEREDITÁRIA

37 OUTRAS ANEMIAS Talassemias hereditária do tipo alfa e beta. Formam os corpúsculos de Heinz oxidando a membrana levando a fagocitose e hemólise A. Falciforme hereditária por mutação puntiforme com mudança do GLU posição 6 da cadeia beta para VAL A. Aplásica destruição medular por infecções, autoimune, QT, RT, antibióticos (cloranfenicol) e analgésicos (dipirona)

Interpretação do Hemograma

Interpretação do Hemograma Interpretação do Hemograma MD 758 Prof. Erich de Paula O Hemograma completo Permite avaliação indireta da hematopoiese 1 O hemograma normal Hemograma Principais parâmetros Concentração de Hb (g/dl) - Confirmação

Leia mais

AMH Hemolíticas ANEMIAS HEMOLÍTICAS

AMH Hemolíticas ANEMIAS HEMOLÍTICAS HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia 8 º período AMH Hemolíticas ANEMIAS HEMOLÍTICAS Anemias causadas por um aumento da destruição dos eritrócitos em relação à produção. Rompe-se o equilíbrio entre a produção

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Anemia Megaloblástica Paula Loureiro Hematologista,MSC Recife-Pe Congresso SBPC- Salvador ador 2007 DEFINIÇÃO A anemia não é um diagnóstico, mas sim

Leia mais

Exames laboratoriais

Exames laboratoriais Exames laboratoriais BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Hemograma: Avaliação quantitativa e qualitativa dos elementos do sangue. BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Hemograma: Pode ser subdividido em 3 partes conforme

Leia mais

ANEMIAS OBSTETRÍCIA DIAGNÓSTICO

ANEMIAS OBSTETRÍCIA DIAGNÓSTICO ANEMIAS OBSTETRÍCIA A anemia é definida como síndrome caracterizada por diminuição de massa eritrocitária total. Laboratorialmente, definimos anemia como hemoglobina menor que 12 g/dl em mulheres ou 13

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

Claudia Bley 23/06/2012

Claudia Bley 23/06/2012 Anemias carenciais Claudia Bley 23/06/2012 Anemia: 25% da população mundial Anemias carenciais Anemias decorrentes da deficiência de ingesta de nutrientes normais da dieta que são essenciais para eritropoiese

Leia mais

A PRODUÇÃO DE ERITRÓCITOS

A PRODUÇÃO DE ERITRÓCITOS A PRODUÇÃO DE ERITRÓCITOS CÉLULA PLURIPOTENCIAL PRIMITIVA PROERITROBLASTO ERITROPOIETINA VIT. B12 / FOLATOS ERITROBLASTO BASÓFILO ERITROBLASTO POLICROMÁTICO ERITROBLASTO ORTOCROMÁTICO RETICULÓCITO VIT.

Leia mais

CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 SANGUE

CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 SANGUE 1 CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 2 SANGUE 3 4 5 6 7 PATOLOGIA DO GLÓBULO RUBRO ANEMIAS POLICITEMIAS Valores de referência Hemoglobina g/dl recém-nascido

Leia mais

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro HEMOGRAMA Profª. Francis Fregonesi Brinholi fbrinholi@hotmail.com. Hb = 0,8 g/dl Microcítica VCM < 78fL VCM:? Dosagem de ferritina Baixa Normal Alta Microcítica VCM < 78fL Normocítica VCM: 78-98fL Macrocítica

Leia mais

ANEMIAS. Dra. Cecília V. Krebs

ANEMIAS. Dra. Cecília V. Krebs 1 ANEMIAS Dra. Cecília V. Krebs Objetivos cardíaco, para que seja ofertado aos tecidos maior quantidade de O2. Por tanto, quanto mais crônica for uma anemia, menos sintomática será, ou quando houverem,

Leia mais

Sempre que os valores do eritrograma estão abaixo dos normais para o laboratório fala-se de ANEMIA.

Sempre que os valores do eritrograma estão abaixo dos normais para o laboratório fala-se de ANEMIA. Sempre que os valores do eritrograma estão abaixo dos normais para o laboratório fala-se de. Valores mais utilizados: - Hemoglobina - Hematócrito PARÂMETRO HOMEM MULHER Hemoglobina (g/dl) 13,0-18,0 11,5-16,5

Leia mais

Pa P t a ri r c i i c a i a M o M u o ra r Hemorio

Pa P t a ri r c i i c a i a M o M u o ra r Hemorio Patricia Moura Hemorio MECANISMOS BÁSICOS DE ANEMIA 1- Falta de produção 2-Excesso de destruição 3-Perdas hemorrágicas 1-Falta de produção de eritrócitos Falta de tecido eritropoiético Invasão de medula

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

ANEMIAS CARENCIAIS NO BRASIL: ABORDAGEM MULTIPROFISSIONAL

ANEMIAS CARENCIAIS NO BRASIL: ABORDAGEM MULTIPROFISSIONAL ANEMIAS CARENCIAIS NO BRASIL: ABORDAGEM MULTIPROFISSIONAL Dra. Karlla Greick Batista Dias Penna PUC-Goiás Departamento de Biomedicina karllagreick@gmail.com Etimologia Anemia: an = prefixo de negação haima

Leia mais

CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA

CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA Foto 1: Talassemia Alfa Mínima em sangue periférico corado com azul de crezil brilhante. Comentários: A investigação laboratorial da talassemia alfa mínima se faz por meio

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP Tema Citológico : Diagnóstico laboratorial diferencial entre anemia

Leia mais

ANEMIAS. Profª Carolina Garrido Zinn

ANEMIAS. Profª Carolina Garrido Zinn ANEMIAS Profª Carolina Garrido Zinn Palidez e fraqueza devem-se a corrupção do sangue. Hipócrates (400 a.c) O QUE É? Redução abaixo da normal da [Hb] Homens Mulheres Hb (g/dl)

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

DADOS LABORATORIAIS - Anemia inicialmente normocrómica/normocítica, caminhando para hipocrómica (talvez microcítica)

DADOS LABORATORIAIS - Anemia inicialmente normocrómica/normocítica, caminhando para hipocrómica (talvez microcítica) ANEMIAS HIPOCRÓMICAS - anemia das doença crónica ANEMIA DAS DOENÇA CRÓNICA (ADC) - ADC está associada com um doença subjacente (normalmente uma inflamação, infecção ou neoplasia), mas sem causa aparente

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante.

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação O hemograma é um exame complementar muito importante. Doenças do sangue Anemias Doenças hemorrágicas: hemofilia, cirrosse hepática,

Leia mais

Alterações congénitas da formação da hemoglobina:

Alterações congénitas da formação da hemoglobina: ANEMIAS CAUSADAS POR DEFEITOS GENÉTICOS DA HEMOGLOBINA Alterações congénitas da formação da hemoglobina: TALASSEMIAS há uma síntese desequilibrada das cadeias globínicas HEMOGLOBINOPATIAS por alteração

Leia mais

Diagnóstico Diferencial Das Anemias

Diagnóstico Diferencial Das Anemias 2014 2 de Maio 6ª feira Diagnóstico Diferencial Das Anemias Sessão Televoter António Pedro Machado Manuel Ferreira Gomes Tolerabilidade Anemia Bem tolerada Mal tolerada Anemia crónica Anemia aguda Crónica

Leia mais

Anemias carenciais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Anemias carenciais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Anemias carenciais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Definição Deficiência de oxigênio para os tecidos por : Hematócrito GV Hemoglobina O hematócrito e níveis de hemoglobina

Leia mais

γ A γ δ β α2 α1 G γ δ β γ γ α α α α β β Mitocôndria Glicina + B6 + Succinil-CoA Heme Porfobilinogênio δ- ALA Protoporfirina Coproporfirinogênio

γ A γ δ β α2 α1 G γ δ β γ γ α α α α β β Mitocôndria Glicina + B6 + Succinil-CoA Heme Porfobilinogênio δ- ALA Protoporfirina Coproporfirinogênio Hemoglobina Hemoglobina A hemoglobina é uma molécula tetramérica composta de 2 pares de cadeias globínicas, cada uma delas ligada a um grupamento heme. O adulto normal apresenta três hemoglobinas diferentes:

Leia mais

ANEMIAS parte III. Profª Carolina Garrido Zinn

ANEMIAS parte III. Profª Carolina Garrido Zinn ANEMIAS parte III Profª Carolina Garrido Zinn CLASSIFICAÇÃO DE ANEMIA MICROCÍTICA HIPOCRÔMICA VCM < 80 fl HCM < 27 pg Possíveis causas: Deficiência de Fe Talassemia Anemia de doença crônica (alguns casos)

Leia mais

ERITROGRAMA SÉRIE VERMELHA

ERITROGRAMA SÉRIE VERMELHA ERITROGRAMA SÉRIE VERMELA CBPM AMB 28.04.018-0 Sinonímia: Série vermelha. emácias. Glóbulos vermelhos. RBC. ematoscopia*. Eritrocitometria. * Esta solicitação implica uma descrição detalhada da morfolgia

Leia mais

INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL DO HEMOGRAMA

INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL DO HEMOGRAMA 1 Disciplina: Hematologia Clínica Profª. Larissa Almeida Brasil INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL DO HEMOGRAMA INTRODUÇÃO O hemograma é o nome dado ao conjunto de avaliações das células do sangue que, reunido

Leia mais

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab ANEMIAS HEMOLÍTICAS Hye, 2013 www.uff.br/hematolab Anemias Hemolíticas Destruição acelerada de eritrócitos; Podem ser destruídas na medula óssea, no sangue periférico ou pelo baço; drjeffchandler.blogspot.com

Leia mais

Doença dos Eritrócitos

Doença dos Eritrócitos Doença dos Eritrócitos Autor: Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Principais Alterações Morfológicas dos Eritrócitos Introdução... 3 Alterações Patológicas dos Eritrócitos... 5 Alterações do tamanho dos eritrócitos...

Leia mais

ANEMIA FERROPRIVA CARLOS EDUARDO PIZZINO

ANEMIA FERROPRIVA CARLOS EDUARDO PIZZINO ANEMIA FERROPRIVA CARLOS EDUARDO PIZZINO CASO CLÍNICO: PACIENTE DE 74 ANOS PROCURA AUXÍLIO MÉDICO DEVIDO À DISPNÉIA AOS MÉDIOS ESFORÇOS, ALÉM DE FRAQUEZA, EMAGRECIMENTO DE 15 KG E FADIGA DE EVOLUÇÃO HÁ

Leia mais

! Ministrador: Prof. Almir Feitosa!

! Ministrador: Prof. Almir Feitosa! Ministrador: Prof. Almir Feitosa Transcrição e ilustrações realizadas pela Dra ROSANA DE SOUZA e cedidas como colaboração ao acervo do P.O.A. ODONTOLOGIA HOSPITALAR Hemograma No nosso sangue circulam três

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

B12 e Ac. Fólico. Carla Almeida. Novembro 2009

B12 e Ac. Fólico. Carla Almeida. Novembro 2009 B12 e Ac. Fólico Carla Almeida Novembro 2009 Vitamina B12 (Cobalamina) / Ácido Fólico Vitamina B12 (Cobalamina) - Composto organometálico complexo. - ESTRUTURA ANEL CORINA + Ião Co ( Cobalto ) tem 6 posições

Leia mais

Roberto Satler Cetlin R2 CLN ANCP

Roberto Satler Cetlin R2 CLN ANCP Roberto Satler Cetlin R2 CLN ANCP Aspectos Históricos Final do século XIX: primeiras descrições da associação entre SNC e anemia megaloblástica (Leichtenstern e Lichtheim). Início do séc. XX: descritas

Leia mais

Principais Temas da Aula. Bibliografia. Definição de anemia

Principais Temas da Aula. Bibliografia. Definição de anemia Desgravadas do 4º Ano 2007/08 Disciplina: Medicina Laboratorial Medicina I Tema da Aula: Anemias Autor(es): Pedro Costa e Pedro Branco Equipa Correctora: Carolina Vasconcelos Nota da Equipa Correctora:

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 4 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndromes Anêmicas

Raniê Ralph Semio 2. 4 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndromes Anêmicas 4 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndromes Anêmicas Interrogatório: dados importantes no interrogatório do paciente anêmico. Raça Sexo Ocupação Doenças anteriores Idade Residência Alimentação

Leia mais

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P6 Hematologia e Hemoterapia Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração:

Leia mais

Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos

Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos Ana Paula Rodrigues RESUMO Com o objetivo de estabelecer a freqüência de hemoglobinas variantes e β-talassemias

Leia mais

ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA. Centro de Hematologia São Paulo

ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA. Centro de Hematologia São Paulo ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA Dr. Sérgio S Brasil Centro de Hematologia São Paulo Anemia DE doença a crônica Anemia DAS doenças crônicas ANEMIA DE DOENÇA A CRÔNICA Anemia por falha da medula óssea em aumentar

Leia mais

ANEMIAS parte IV. Profª Carolina Garrido Zinn

ANEMIAS parte IV. Profª Carolina Garrido Zinn ANEMIAS parte IV Profª Carolina Garrido Zinn Hemoglobinopatias Doenças hereditárias causadas por diminuição ou anomalia da síntese de globina Afetam cerca de 7% da população mundial Hemoglobina Proteína

Leia mais

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o:

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o: HEMATOLOGIA DRª ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ERITROPOIESE Fenômeno com diversas fases, onde ocorre: Síntese de DNA Mitose Síntese de hemoglobina com incorporação de Fe Perda do núcleo e organelas Produto final:

Leia mais

MEGACARIÓCITO partes de seu citoplasma dão origem às plaquetas, responsáveis pela coagulação sanguínea.

MEGACARIÓCITO partes de seu citoplasma dão origem às plaquetas, responsáveis pela coagulação sanguínea. Introdução Hematologia é o ramo da biologia que estuda o sangue. A palavra é composta pelos radicais gregos: Haima (de haimatos), "sangue" e lógos, "estudo, tratado, discurso". A Hematologia estuda, particularmente,

Leia mais

Meu filho tem: ANEMIA

Meu filho tem: ANEMIA Meu filho tem: ANEMIA 08 de abril de 2014 Para que serve o sangue? Quais as funções de cada tipo de célula encontrada no sangue? GLÓBULOS BRANCOS (Leucócitos) GLÓBULOS VERMELHOS (Hemácias, eritrócitos)

Leia mais

Anemias. Anabela Morais. Unidade de Hematologia Pediátrica HSM

Anemias. Anabela Morais. Unidade de Hematologia Pediátrica HSM Anabela Morais Unidade de Hematologia Pediátrica HSM Lisboa, 2009 Definição Valor de hemoglobina ou do hematócrito 2 desvios-padrão abaixo da média de uma população testemunha, tendo em conta o sexo e

Leia mais

Semiologia Abordagem ao paciente Hematológico. Prof. Ivan da Costa Barros Monitor: Pedro Gemal. Universidade Federal Fluminense

Semiologia Abordagem ao paciente Hematológico. Prof. Ivan da Costa Barros Monitor: Pedro Gemal. Universidade Federal Fluminense Semiologia Abordagem ao paciente Hematológico Prof. Ivan da Costa Barros Monitor: Pedro Gemal Universidade Federal Fluminense Hemopatias Primárias Secundárias Distúrbios das séries homopoiégcas - Eritrocitária

Leia mais

Normal Hb Meia-vida eritrocitária Normal 16,7g% 120 dias A. hemolítica compensada 16,7 g% 20 dias A. hemolítica descompensada 10 g% 10 dias

Normal Hb Meia-vida eritrocitária Normal 16,7g% 120 dias A. hemolítica compensada 16,7 g% 20 dias A. hemolítica descompensada 10 g% 10 dias 18 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemias Hemolíticas Anemia Hemolítica Comparação Normal Hb Meia-vida eritrocitária Normal 16,7g% 120 dias A. hemolítica compensada 16,7 g% 20 dias A. hemolítica

Leia mais

Exames hematológicos. Hemograma. Hemograma. 1 a - Hemograma, reticulócitos e VHS - Princípio e interpretação - Discussão de laudos 2 a - Hemostasia

Exames hematológicos. Hemograma. Hemograma. 1 a - Hemograma, reticulócitos e VHS - Princípio e interpretação - Discussão de laudos 2 a - Hemostasia 2015 Exames hematológicos EXAMES HEMATOLÓGICOS Prof José Wander Breganó Dpto PALD- CCS Lab. Hematologia - LAC wbregano@gmail.com 1 a -, reticulócitos e VHS - Princípio e interpretação - Discussão de laudos

Leia mais

Anemia Ferropriva. ² Acadêmico de biomedicina. Fundação Educacional de Fernandópolis

Anemia Ferropriva. ² Acadêmico de biomedicina. Fundação Educacional de Fernandópolis Anemia Ferropriva Kellen Patrícia Santos Mariano¹; Renan Fava Marson²; Tamires Carrafa Ramos¹; Lais Anahí de Paula Souza³; Vivian do Carmo Langiano ¹ Acadêmica de biomedicina. Faculdades Integradas de

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

EXAMES BIOQUÍMICOS EXAMES VALORES DE REFERÊNCIA VALOR ABAIXO VALOR AUMENTADO

EXAMES BIOQUÍMICOS EXAMES VALORES DE REFERÊNCIA VALOR ABAIXO VALOR AUMENTADO EXAMES BIOQUÍMICOS EXAMES VALORES DE REFERÊNCIA VALOR ABAIXO VALOR AUMENTADO Albumina 1 4g/dL Sobrecarga hídrica, diarreia, queimaduras, desnutrição, estresse, câncer, gestação, idosos, síndrome nefrótica,

Leia mais

2 ANEMIAS CARÊNCIAIS 2.1 Anemia Ferropriva

2 ANEMIAS CARÊNCIAIS 2.1 Anemia Ferropriva 3 INTRODUÇÃO A anemia é a manifestação de um processo patológico subjacente. Existem três mecanismos para o aparecimento de uma anemia: produção deficiente de hemácias, hemólise e sangramentos. (LEÃO.

Leia mais

Sangue Periférico. morfologia usual SÉRIE VERMELHA. May-Grunwald-Giemsa

Sangue Periférico. morfologia usual SÉRIE VERMELHA. May-Grunwald-Giemsa morfologia usual SÉRIE VERMELHA May-Grunwald-Giemsa Fontes: www.ashimagebank.org; image.bloodline.net; www.hoslink.com/images; http://medocs.ucdavis.edu; http://pathy.med.nagoya-u.ac.jp SÉRIE VERMELHA

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

DEZ PASSOS NA INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL NO VEGETARIANO PROF. ANTONIO CLÁUDIO GOULART DUARTE 2006

DEZ PASSOS NA INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL NO VEGETARIANO PROF. ANTONIO CLÁUDIO GOULART DUARTE 2006 DEZ PASSOS NA INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL NO VEGETARIANO PROF. ANTONIO CLÁUDIO GOULART DUARTE 2006 Agradecimento: A todos os pacientes e seus familiares que permitem que possamos usar seus exames laboratoriais

Leia mais

Raniê Ralph Hemato Anemias Hematopoiese deformidades ósseas A eritropoiese (formação das hemácias células vermelhas)

Raniê Ralph Hemato Anemias Hematopoiese deformidades ósseas A eritropoiese (formação das hemácias células vermelhas) Anemias Anemia não é doença e sim síndrome. Existem diversas causas de síndrome anêmica. E é exatamente a etiologia dessa síndrome que cai na prova: É talassemia? É falciforme? É ferropriva? Um mesmo paciente

Leia mais

ANEMIA MEGALOBLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO

ANEMIA MEGALOBLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO ANEMIA MEGALOBLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO INTRODUÇÃO: - Caracterizado pela síntese defeituosa de DNA - Divisão celular lenta em contraste com o crescimento citoplasmá;co (assincronia da maturação do

Leia mais

Talassemias. Márcio Hori

Talassemias. Márcio Hori Talassemias Márcio Hori Introdução Redução ou ausência de cadeias de globina na hemoglobina 1 par de genes de cadeias β (1 gene β no cromossomo 11) β 0 síntese de cadeias β ausente β + síntese de cadeias

Leia mais

ANEMIAS Casuística Fatores Principais

ANEMIAS Casuística Fatores Principais ANEMIAS ANEMIAS Casuística : paises em desenvolvimento 50% grávidas e 40% das crianças. < 13 g/dl homens e < 12g/dl mulheres Fatores Principais : redução na síntese de hemoglobina aumento na perda de hemoglobina

Leia mais

Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA

Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA PARTE I - PRINCÍPIOS BÁSICOS DE HEMATOLOGIA CAPÍTULO 1 - Introdução à Hematologia e Procedimentos Básicos de Laboratório, 3 Introdução à Hematologia, 4 O Microscópio,

Leia mais

CAPÍTULO 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES

CAPÍTULO 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES CAPÍTULO 1 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES Fenótipos, genótipos e haplótipos A doença causada pelas células falciformes se caracteriza por um conjunto de sinais e sintomas provocados pela deformação

Leia mais

Anemia hipocrômica microcítica Diagnóstico diferencial

Anemia hipocrômica microcítica Diagnóstico diferencial Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Pediatria Anemia hipocrômica microcítica Diagnóstico diferencial Fernanda C. Costa Fernanda M. de Andrade Jamima Tamandaré Pedro Teixeira Orientação:

Leia mais

ANEMIA POR DEFICIÊNCIA NUTRICIONAL

ANEMIA POR DEFICIÊNCIA NUTRICIONAL ANEMIA POR DEFICIÊNCIA NUTRICIONAL PASCHOAL, Carolina Lages RAFAINE, Danielle SANTOS, Denise Almeida Nogueira dos ROCHA, Fabio Peron Coelho ROCHA, Felipe Augusto PASCHOAL NETO, Fernando Antônio Acadêmicos

Leia mais

22/05/2012 ANEMIA ANEMIA (OLIGONEMIA) Prof. Adj. III Dr. Percílio Brasil dos Passos ANEMIA ANEMIA DEFINIÇÃO. Diminuição da massa eritróide

22/05/2012 ANEMIA ANEMIA (OLIGONEMIA) Prof. Adj. III Dr. Percílio Brasil dos Passos ANEMIA ANEMIA DEFINIÇÃO. Diminuição da massa eritróide (OLIGONEMIA) Prof. Adj. III Dr. Percílio Brasil dos Passos DEFINIÇÃO Diminuição da massa eritróide 1 O termo anemia designa a diminuição dos eritrócitos ou da hemoglobina circulante e... É resultado basicamente

Leia mais

Normocítica, normocrómica VGM 80-95 fl CHGM > 30 g/dl. Deficiências múltiplas. Falha medular (pósquimioterapia, por carcinoma,..

Normocítica, normocrómica VGM 80-95 fl CHGM > 30 g/dl. Deficiências múltiplas. Falha medular (pósquimioterapia, por carcinoma,.. Patologia de eritrócito PATOLOGIA DO ERITRÓCITO - ANEMIAS: Quadro resumo Microcítica, hipocrómica VGM < 80 fl CHGM < 30 g/dl Deficiência de ferro Talassemia Anemia das doenças crónicas (alg. casos) Envenenamento

Leia mais

Tema: Anemias na Infância

Tema: Anemias na Infância ANEMIAS NA INFÂNCIA Tema: Anemias na Infância Objetivos Conceituar e classificar as anemias da infância Correlacionar o aparecimento das sindromes anêmicas com as fases da infância e adolescência Identificar

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Metabolismo do Ferro e Anemias Monitores:

Leia mais

Ferro (Fe): composição corporal - estruturas (citocromos, hemoglobina e mioglobina) Após absorção (mucosa ID) transferrina ferritina

Ferro (Fe): composição corporal - estruturas (citocromos, hemoglobina e mioglobina) Após absorção (mucosa ID) transferrina ferritina Revisão Bibliográfica 4ª-feira, 26 Maio 2010 Introdução Ferro (Fe): composição corporal - estruturas (citocromos, hemoglobina e mioglobina) Após absorção (mucosa ID) transferrina ferritina Eritropoiese

Leia mais

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 HEMOGLOBINAS NORMAIS MOLÉCULA DA HEMOGLOBINA HUMANA NORMAL Hb A AS HEMOGLOBINAS HUMANAS SÀO COMPOSTAS POR QUATRO CADEIAS DE AMINOÁCIDOS CONHECIDAS POR GLOBINAS E INSERIDO EM

Leia mais

! Ministrador: Prof. Almir Feitosa!

! Ministrador: Prof. Almir Feitosa! Ministrador: Prof. Almir Feitosa Transcrição e ilustrações realizadas pela Dra ROSANA DE SOUZA e cedidas como colaboração ao acervo do P.O.A. ODONTOLOGIA HOSPITALAR HEMOGRAMA " O olhar do médico dependendo

Leia mais

Hematopoiese. Nem sempre a célula tronco hematopoiética esteve dentro do osso!!!

Hematopoiese. Nem sempre a célula tronco hematopoiética esteve dentro do osso!!! Diagnóstico diferencial das anemias em Pediatria Hematopoiese Hematopoiese Nem sempre a célula tronco hematopoiética esteve dentro do osso!!! Embrião 0-2m saco vitelino Feto 2-7 meses fígado e baço Feto

Leia mais

ANEMIA CARENCIAL EM IDOSOS POR DEFICIÊNCIA DE FERRO ÁCIDO FÓLICO E VITAMINA B12

ANEMIA CARENCIAL EM IDOSOS POR DEFICIÊNCIA DE FERRO ÁCIDO FÓLICO E VITAMINA B12 UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROETE DO ETADO DO RIO GRANDE DO SUL JOCIELI CARINE NEKEL ANEMIA CARENCIAL EM IDOSOS POR DEFICIÊNCIA DE FERRO ÁCIDO FÓLICO E VITAMINA B12 Ijuí RS Abril de 2013 JOCIELICARINE

Leia mais

Curso de Práticas Hematológicas EBH Fortaleza 2011. Anemias Hemolíticas. Paulo Augusto Achucarro Silveira HIAE

Curso de Práticas Hematológicas EBH Fortaleza 2011. Anemias Hemolíticas. Paulo Augusto Achucarro Silveira HIAE Curso de Práticas Hematológicas EBH Fortaleza 2011 Anemias Hemolíticas Paulo Augusto Achucarro Silveira HIAE Hemólise O que fazer? Reconhecer a hemólise Investigar a causa Instituir o tratamento Principais

Leia mais

14) TRATAMENTO FARMACOLOGICO DAS ANEMIAS E LEUCEMIAS

14) TRATAMENTO FARMACOLOGICO DAS ANEMIAS E LEUCEMIAS 14) TRATAMENTO FARMACOLOGICO DAS ANEMIAS E LEUCEMIAS As anemias são laboratorialmente definidas pela diminuição da concentração de hemoglobina, em geral acompanhada da diminuição da hematimetria e do hematócrito,

Leia mais

Anemias hemolíticas: Hemoglobinopatias Enzimopatias Anomalias de membrana. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.

Anemias hemolíticas: Hemoglobinopatias Enzimopatias Anomalias de membrana. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com. Anemias hemolíticas: Hemoglobinopatias Enzimopatias Anomalias de membrana Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Anemia hemolítica Anemia regenerativa ou hemolítica Causa

Leia mais

A ANÁLISE DAS ANÁLISES

A ANÁLISE DAS ANÁLISES A ANÁLISE DAS ANÁLISES HEMOGRAMA João Farela Neves Unidade de Imunodeficiências Primárias Coordenadora: Dra Conceição Neves Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos Coordenadora: Dra Lurdes Ventura Área

Leia mais

Sessão televoter anemias. Joana Martins, Manuel Ferreira Gomes António Pedro Machado

Sessão televoter anemias. Joana Martins, Manuel Ferreira Gomes António Pedro Machado Sessão televoter anemias Joana Martins, Manuel Ferreira Gomes António Pedro Machado Investigação do doente com anemia Anemia Anemia VS, PCR Electroforese das Hb Ferro sérico, ferritina CTFF Vitamina B12

Leia mais

VI Board Review 2012 Curso de Revisão em Hematologia e. Anemias hemolíticas. Paulo Augusto Achucarro Silveira Médico Hematologista-HIAE

VI Board Review 2012 Curso de Revisão em Hematologia e. Anemias hemolíticas. Paulo Augusto Achucarro Silveira Médico Hematologista-HIAE VI Board Review 2012 Curso de Revisão em Hematologia e Hemoterapia Anemias hemolíticas Paulo Augusto Achucarro Silveira Médico Hematologista-HIAE Principais causas de anemia 9% Outras 17,5% Hemólise 29%

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

CONCEITO: Principais tipos de anemia:

CONCEITO: Principais tipos de anemia: CONCEITO: Diminuição do número de HEMOGLOBINA contida nos glóbulos vermelhos como resultado da falta de um ou mais nutrientes essenciais à manutenção do organismo ou defeitos anatômicos das hemácias A

Leia mais

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120 SUMÁRIO 1 Hemograma... 21 Introdução e filosofia de trabalho... 21 Registro e processamento de dados... 29 Coleta de material... 31 Contadores eletrônicos... 35 Microscopia... 44 Critérios para indicação

Leia mais

ICSH recommendation for the standardization of nomenclature and grading of peripheral blood cell morphological features.

ICSH recommendation for the standardization of nomenclature and grading of peripheral blood cell morphological features. We Believe the Possibilities. Publicação comentada julho 2015- Parte I ICSH recommendation for the standardization of nomenclature and grading of peripheral blood cell morphological features. L. Palmer,

Leia mais

Foliron. Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp)

Foliron. Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp) Foliron Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos revestidos Ácido fólico (5,0 mg/comp) + bisglicinato quelato ferroso (150,00 mg/comp) Foliron Ácido fólico + bisglicinato quelato ferroso APRESENTAÇÃO

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

PADRONIZAÇÃO E APLICAÇÃO DA CURVA DE FRAGILIDADE OSMÓTICA NO AUXÍLIO DIAGNÓSTICO DE ANEMIAS

PADRONIZAÇÃO E APLICAÇÃO DA CURVA DE FRAGILIDADE OSMÓTICA NO AUXÍLIO DIAGNÓSTICO DE ANEMIAS PADRONIZAÇÃO E APLICAÇÃO DA CURVA DE FRAGILIDADE OSMÓTICA NO AUXÍLIO DIAGNÓSTICO DE ANEMIAS CAIRES, Ana Carla. Biomédica formada pelo Centro Universitário de Araraquara Uniara. GILENO, Miriane da Costa.

Leia mais

Doença de Células Falciformes

Doença de Células Falciformes Doença de Células Falciformes Pedro P. A. Santos Médico Oncologista - Hematologista Setor de Oncologia e Hematologia Hospital da Criança Conceição Porto Alegre RS Setembro 2015 Doença Falciforme Breve

Leia mais

Foliron. ácido fólico + bisglicinato quelato ferroso. APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos em embalagens contendo 30 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO

Foliron. ácido fólico + bisglicinato quelato ferroso. APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos em embalagens contendo 30 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO Foliron ácido fólico + bisglicinato quelato ferroso APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos em embalagens contendo 30 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido contém: (*) Ácido

Leia mais

Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009

Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009 Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009 ANEMIA FERROPRIVA ANEMIAS MEGALOBLÁSTICAS ANEMIA APLÁSICA 1 Introdução O volume total de sangue em um adulto normal corresponde à cerca

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA

INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA HEMOGRAMA COMPLETO Exame laboratorial simples, de baixo custo Utilidade em relação ao estado geral de saúde do paciente Auxilia no diagnóstico de várias doenças hematológicas

Leia mais

Cecília Fernandes Lorea Julho/2009

Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 Idade Hg (g/dl) Média -2 SD Hct (%) Média -2 SD Hemácia Média -2 SD VCM (fl) Média -2 SD HCM (pg) Média -2 SD CHCM (g/dl) Média -2 SD Nasc. * 16,5 13,5 51 42 4,7 3,9

Leia mais

ANEMIAS CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

ANEMIAS CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ANEMIAS CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Paulo Cesar Naoum Professor Titular pela UNESP Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto Introdução As anemias obedecem a um padrão

Leia mais

Anemias. Anemia. Sarah Monte Alegre Olga Maria Fernandes de Carvalho

Anemias. Anemia. Sarah Monte Alegre Olga Maria Fernandes de Carvalho Anemias Anemia Sarah Monte Alegre Olga Maria Fernandes de Carvalho Professoras assistentes doutoras da Disciplina de Semiologia e Medicina Interna do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Ciências

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE A ATIVIDADE SÉRICA DA γ- GT E A PRESENÇA DE MACROCITOSE

AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE A ATIVIDADE SÉRICA DA γ- GT E A PRESENÇA DE MACROCITOSE 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE A ATIVIDADE SÉRICA DA γ- GT E A PRESENÇA DE MACROCITOSE Taísa Leite Dos Santos 1 ; Jully Oyama 1 ; Laila Oyera Jeronimo 1 ;

Leia mais

HEMOGRAMA. Rebecca Braz Melo Lucas Nascimento

HEMOGRAMA. Rebecca Braz Melo Lucas Nascimento HEMOGRAMA Rebecca Braz Melo Lucas Nascimento Componentes do Sangue Hematopoese Eritrograma Nº DE ERITRÓCITOS (milhões/µl) HEMOGLOBINA (g/dl) HEMATRÓCRITO (%) VCM (fl): Ht x 10/E HCM (pg): Hb x10/e CHCM

Leia mais

INTERPRETAÇÃO CLÍNICA DO HEMOGRAMA

INTERPRETAÇÃO CLÍNICA DO HEMOGRAMA INTERPRETAÇÃO CLÍNICA DO COMPLETO: É a avaliação qualitativa e quantitativa dos elementos do sangue. Alterações fisiológicas podem ocorrer no hemograma por exercícios físicos e refeições gordurosas. Pode

Leia mais

Análises clínicas associadas a anemia

Análises clínicas associadas a anemia Análises clínicas associadas a anemia Relatório de estágio do curso de licenciatura em Bioquímica Ana Patrícia Fernandes Fidalgo Orientadores: Dr. Henrique dos Santos Silva Prof. Dr. Aureliano Alves 2007/2008-1

Leia mais