CAPÍTULO 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES"

Transcrição

1 CAPÍTULO 1 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES Fenótipos, genótipos e haplótipos A doença causada pelas células falciformes se caracteriza por um conjunto de sinais e sintomas provocados pela deformação de milhões de eritrócitos com hemoglobina S (Hb S) induzidos pela desoxigenação. Esses eritrócitos com Hb S quando oxigenados (oxi-hb S) se apresentam morfologicamente normais ou discóides no sangue; eventualmente podem ser observados alguns eritrócitos afoiçados ou falcizados (figura 1). Entretanto, há situações que serão discutidas ao longo dos capítulos deste livro em que o processo de falcização é muito intenso devido à elevada concentração de Hb S desoxigenada (desoxi-hb S), conforme mostra a figura 2. O primeiro relato a respeito da doença das células falciformes data de 1910, quando J.B. Herrick publicou um artigo científico na revista americana Arquivo de Medicina Interna sobre a presença de eritrócitos com a forma de foice em um paciente negro com anemia grave, icterícia, e fortes dores nas articulações. A partir desse artigo outras publicações de casos semelhantes foram divulgadas, inclusive identificando a origem hereditária das células falciformes (Neel, 1949). Entretanto, todas essas comunicações destacavam a diversidade clínica da doença com relação à gravidade e ao desenvolvimento da patologia. Todavia, todos os trabalhos descritos até 1949 apresentavam a doença das células falciformes pelas características visíveis do processo anêmico específico, associado à presença de células falcizadas no esfregaço de sangue periférico, e com notável prevalência entre negros ou descendentes africanos. Essa associação de características muito semelahntes forneciam o fenótipo de uma doença que era causada pelas células falciformes, e por isso essa patologia hematológica passou a ser conhecida por doença das células falciformes. Não obstante, ainda continuava sem explicação convincente a grande diversidade clínica e hematológica entre os doentes falcêmicos. No ano de 1949 Linus Pauling juntamente com seus colegas de laboratório conseguiram separar por meio de

2 2 eletroforese a hemoglobina anormal que causava a falcização eritrocitária, que foi denominada por "sickle hemoglobin" (ou hemoglobina falcizante). Para facilitar a divulgação científica desta hemoglobina anormal tomou-se por referência a primeira letra da palavra "sickle", surgindo então a Hb S. O processo eletroforético foi de grande importância para o entendimento clínico, genético e hematológico dos doentes falcêmicos, pois sua aplicação permitiu explicar que a diversidade clínica e hematológica estava relacionada com a concentração da Hb S, bem como sua associação com outras hemoglobinas. Assim foram identificadas várias situações da doença em que a concentração da Hb S era variável. Hb S com concentrações próximas de 95-98% foi geneticamente caracterizada por Hb SS e a doença foi especificamente denominada por anemia falciforme. Outros pacientes que, além de células falciformes continham também eritrócitos microcíticos e hipocrômicos, apresentavam em suas eletroforeses a Hb S associada com Hb Fetal, ou Hb F, e por isso identificados como Hb SF, foram caracterizados como doentes da anemia micro-drepanocítica e atualmente são conhecidos por Hb S / talassemia beta ou Hb S / β tal. Com o passar do tempo, o aperfeiçoamento técnico da eletroforese permitiu a identificação de associações de Hb S com outras hemoglobinas variantes, e assim foram descritas as Hb SC, Hb SD e Hb SO Arábia; essas associações foram nominadas por doenças falciformes SC, SD e SO Arábia, respectivamente. Outras interações mais raras como são os casos da anemia falciforme associada à talassemia alfa pela presença de Hb S e Hb H conjuntamente, e entre Hb S e Hb Fetal elevada caracterizada por persistência hereditária de Hb Fetal (PHHF), foram denominadas por Hb SS / Talassemia alfa e Hb S / PHHF. Finalmente, o caso mais comum é a presença concomitante da Hb S e Hb A (Hb AS) no portador do traço falcêmico, ou heterozigoto falcêmico, clinicamente assintomático e com eritrograma normal, onde a concentração da Hb S é menor que a Hb A. Essas associações de Hb S com outras frações normais e anormais de hemoglobinas, inicialmente estabelecidas por eletroforeses de hemoglobinas, e confirmadas por estudos nos familiares desses pacientes caracterizaram os diferentes genótipos da doença das células falciformes (figura 3). Dessa forma, o conjunto dos resultados laboratoriais e sintomas clínicos permitiram diferenciar adequadamente os genótipos de Hb S (tabelas 1 e 2).

3 3 Durante anos os casos clínicos de doenças das células falciformes foram classificados sem que fossem conhecidas as causas que deram origem à Hb S. Em 1956, Ingram estabeleceu quimicamente pela técnica de "fingerprinting" de peptídeos (figura 4) a diferença entre Hb A e Hb S. Constatou que se devia à mutação do sexto aminoácido da globina beta o ácido glutâmico pela valina, assim representado (Hb S: β6 Glu Val). Em 1978 Kan e Dozy descreveram a seqüência de bases nitrogenadas do gene da globina beta normal (Hb A) e da globina beta S (Hb S). Em 1980 esses mesmos pesquisadores estudaram a evolução da Hb S por meio de técnicas de biologia molecular em vários doentes falcêmicos e concluíram que apesar da mutação da Hb S ser a mesma em todos eles, haviam diferenças entre as seqüências de bases nitrogenadas ao longo do agrupamento de genes da globina beta, sem que essas seqüências diversificadas influenciassem na síntese da hemoglobina S. Esses estudos realizados por fracionamento das seqüências de bases induzidos por enzimas extraídas geralmente de bactérias (endonucleases), permitiram estabelecer que a Hb S originou em pelo menos três regiões da África: Senegal, Benin e Bantu. Atualmente acredita-se que além destas três regiões, outras duas regiões, uma na África (Camarões) e outra na Ásia (Arábia e Índia) também sofreram o impacto da mutação da Hb S. Essa diferenciação antropológica identificada por técnicas de biologia molecular entre pessoas doentes com Hb S é conhecida por haplótipos. Até o presente são conhecidos os haplótipos Benin, Bantu, Senegal, Camarões, Árabe- Indiano e Atípicos. Os estudos antropológicos e hematológicos realizados com pacientes com anemia falciforme (Hb SS) e submetidos às análises de seus haplótipos, revelaram que os haplótipos Benin e Bantu estão relacionados com maior grau de anemia quando comparados com os haplótipos Senegal, Camarões e Árabe-Indiano (tabela 3).

4 As células falciformes 4 As células falciformes são mais frágeis que os eritrócitos normais na corrente sangüínea e, por essa razão, vivem menos que o tempo médio de 120 dias. Os eritrócitos falcêmicos tem suas lesões intensificadas na relação direta com o aumento da concentração da Hb S intra-eritrocitária. Assim, na anemia falciforme onde a concentração da Hb S é superior a 90%, o período médio de vida dos eritrócitos falcêmicos é de aproximadamente 30 dias. As causas e conseqüências da falcização, que serão apresentadas com mais detalhes nos capítulos seguintes, se devem de uma forma geral à deformação patológica das células falciformes e à sua precoce destruição motivada pelo ataque da membrana celular por várias espécies de radicais livres gerados durante a degradação da Hb S desoxigenada. Como resposta fisiológica natural à reposição de eritrócitos precocemente retirados da circulação na doença das células falciformes, a eritropoiese medular se torna hiperativa. Devido ao desequilíbrio anormal entre a produção de eritrócitos pela medula óssea e a destruição acentuada das células falcêmicas no sangue periférico, ocorre a liberação de células imaturas (reticulócitos) e jovens (eritroblastos) para o sangue circulante, resultando em reticulocitose e presença de eritroblastos no esfregaço de sangue periférico (figuras 5 e 6). Na corrente sangüínea os eritrócitos falcizam e desfalcizam reversivelmente conforme ganham e liberam o oxigênio. Geralmente há células que, após seguidos processos de falcização e desfalcização, ao se falcizarem, assim permanecem, mesmo que haja oferta de oxigênio; são as células falciformes irreversíveis (figura 7). Quando o número de células falcizadas irreversivelmente permanece abaixo de 5% do conteúdo total de eritrócitos em circulação, o fluxo da circulação de sangue não sofre descontinuidade no seu processo fisiológico. Entretanto, quando o número de células falcizadas irreversivelmente é maior que 5%, tem início o processo de alteração do fluxo sangüíneo. O excessivo número de eritrócitos falcizados irreversivelmente se caracteriza pela sua morfologia achatada e tentacular (figura 8) fato que os fazem aderirem com maior facilidade ao endotélio vascular, e entre elas próprias, promovendo a obstrução do fluxo sangüíneo especialmente nos pequenos capilares que ligam as veias às artérias. As conseqüências dessas oclusões vasculares são caracterizadas por pequenos infartos teciduais e dores agudas nas regiões atingidas. É evidente que vários

5 5 fatores tem influência na intensidade das lesões, porém a concentração da deoxi- Hb S intra-eritrocitária se põe como principal indutor desse processo patológico, razão pela qual a diversidade clínica da doença das células falciformes é sempre motivo da necessária qualificação do genótipo da doença. Principais evidências clínicas A doença falciforme (DF) compreende um grupo de hemoglobinopatias com repercussão clínica significante, caracterizada pela herança do gene falciforme em pelo menos um dos pais. Os principais genótipos que compõem a DF resultam da homozigose para o gene da Hb S ou anemia falciforme, e da heterozigose composta entre o gene da Hb S e outras variantes como Hb C e Hb D, bem como na interação com a talassemia beta. Além disso, indivíduos com anemia falciforme podem ser portadores de talassemia alfa e persistência hereditária da hemoglobina fetal (PHHF). O conhecimento dos diferentes genótipos da DF faz-se necessário em virtude de suas implicações no quadro clínico e prognóstico dos pacientes. O fenótipo expressado nesta doença também sofre influência dos diferentes haplótipos do gene falciforme e seus efeitos pleiotrópicos. As manifestações clínicas decorrentes das síndromes falciformes são extremamente variáveis entre os pacientes e no mesmo paciente ao longo de sua vida. Anemia e fenômenos vaso-oclusivos são as complicações mais freqüentes que determinam o quadro clínico destes pacientes, caracterizado basicamente por exacerbações ou "crises", entremeados por períodos relativamente assintomáticos, e complicações crônicas que podem acarretar disfunção orgânica grave e seqüelas permanentes. Os sintomas começam a aparecer ainda no primeiro ano de vida, com a diminuição da concentração de Hb Fetal nos eritrócitos. Na primeira década de vida, predominam complicações agudas como infecções, síndrome torácica aguda (STA), seqüestro esplênico e acidente vascular cerebral (AVC). No paciente adulto grande parte das intercorrências clínicas decorre de lesões orgânicas crônicas, como insuficiência renal, doença pulmonar e insuficiência cardíaca, efeitos tardios de lesões cerebrovasculares prévias, disfunção hepática e das vias biliares, seqüelas motoras resultantes do comprometimento do sistema músculo-esquelético,

6 6 entre outros. A crise dolorosa é a complicação mais comum, sua freqüência e intensidade são altamente variáveis entre os pacientes, e podem ocorrer isoladamente ou acompanhando fatores predisponentes como infecção, desidratação, alteração brusca de temperatura, estresse físico ou emocional. Algumas manifestações clínicas são mais comuns em determinados genótipos, como a retinopatia nos pacientes com Hb SC e necrose avascular de cabeça de fêmur na anemia falciforme associada à talassemia alfa. Por essa razão a abordagem e acompanhamento do paciente com doença falciforme devem ser multidisciplinares envolvendo além do hematologista, pediatras, cardiologistas, cirurgiões, ortopedistas, oftalmologistas, obstetras, psiquiatras, e sub-especialidades dentro de cada uma destas disciplinas. Além dos problemas médicos, a DF tem repercussão em vários aspectos da vida do paciente, como interação social, relações conjugais e familiares, educação e emprego. Nos países subdesenvolvidos somam-se às dificuldades já mencionadas, a precária assistência à saúde dispensada às populações carentes. Nos países desenvolvidos, os indivíduos com DF sobrevivem em geral além da quinta década de vida, a mortalidade na infância é reduzida e a principal causa de óbito é a síndrome torácica aguda. No entanto, nas regiões que não implementaram medidas preventivas como triagem neonatal e administração precoce de penicilina profilática na infância, as infecções continuam liderando as causas de óbito. O tratamento dos portadores de DF consiste basicamente em analgesia nas crises dolorosas, suporte transfusional esporadicamente ou regularmente (p.ex. AVC), indução da síntese de Hb Fetal com hidroxiuréia e butiratos, e medidas específicas para os diversos tipos de complicações que ocorrem nestes pacientes. O transplante de medula óssea embora sendo a única possibilidade de cura para esta doença, é um procedimento que envolve alta morbidade e mortalidade e sua indicação deve ser precoce e precisa.

7 Tabela 1 - Genótipos de Hb S relacionados com alterações laboratoriais. 7 Genótipos Hb (g/dl) Média (variação) SS 7,0 (SS e SF) * (5-9) S/β 0 Tal. 8,0 (SF) * (7-10) Htc (%) Média (variação) 22 (18 30) 25 (20 35) VCM Hb S % Hb F % Hb A % N Zero D Zero S/β + Tal. (SFA) 9,0 (8-11) SD 10 (SD) * (8 12) SS/Tal α 8,0 (SFH) * (6 10) SC 11 (SC) * (9 13) S/PHHF 12 (SF) * (10-14) AS ( ** ) (AS) * 13 (12-16) 30 (25 35) 30 (25 35) 30 (25 30) 30 (25 30) 35 (30 40) 40 (38 50) D N HbD: D HbH: 1 a 10% N HbC: N Zero N (*) Principais frações de hemoglobinas identificadas por eletroforese alcalina. (**) O genótipo da Hb AS não é considerado como doença das células falciformes. Foi incluído apenas para efeito de comparação. O portador de Hb AS é assintomático.

8 8 Tabela 2 - Alterações eritrocitárias mais comuns nos diferentes genótipos da doença das células falciformes. Genótipo SS Alterações eritrocitárias mais comuns Células falcizadas e em alvo. Hipocromia e policromasia. Eritroblastos. Corpos de Howell Jolly. Reticulocitose (*). Corpos de Heinz (*). S/β Tal (**) Células falcizadas, microcitose, dacriócitos e células em alvo. Hipocromia e policromasia. Reticulocitose (*). SS/ α Tal. Anisocitose, microcitose, hipocromia e policromasia. Poucas células falcizadas. SC Anisocitose, poiquilocitose, células em alvo, cristais de Hb C, hipocromia. Poucas células falcizadas. SD Anisocitose, poiquilocitose, hipocromia. Poucas células falcizadas. S/PHHF Discreta anisocitose e anisocromasia. Poucas células falcizadas. AS (***) Normocitose e normocromia. (*) Visíveis quando coradas com azul de crezil brilhante a 1%. (**) Inclui os genótipos S/β 0 Tal. (ou SF) e S/β + Tal. (ou SFA). (***) O genótipo AS não é considerado como doença falciforme. Foi incluído apenas para efeito de comparação.

9 9 Tabela 3 Relação entre a gravidade da anemia falciforme (Hb SS) com os diferentes haplótipos de Hb S. Haplótipos de Hb S Hb total Hb Fetal Gravidade Clínica (g/dl) (%) Bantu 5,0 8, Benin 7,0 8, Senegal 8,0 9, Camarões 8,0 9, Árabe-Indiano ~ Atípica ~ variável (++++) muito grave; (+++) grave; (++) moderado; (+) discreto

10 10 Figura 1 Esfregaço de sangue periférico de paciente com anemia falciforme controlada, mostrando maior número de eritrócitos discóides em relação aos falcizados.

11 11 Figura 2 Esfregaço de sangue periférico de paciente com anemia falciforme, coletado durante crise dolorosa, mostrando eritrócitos discóides com equinocitose e vários eritrócitos falcizados.

12 12 Figura 3 Família com o gene da Hb S. A primeira amostra à esquerda é o pai, portador de Hb AS, a última à direita é a mãe, também portadora de Hb AS. Dos quatro filhos, um herdou somente os genes de Hb A do pai e da mãe (Hb AA), um herdou os genes de Hb S do pai e da mãe (Hb SS), e dois herdaram um gene de Hb S e um gene de Hb A dos pais (Hb AS).

13 13 Figura 4 Fingerprints (eletroforese associada a cromatografia em papel de filtro) de péptidos obtidos após digestão de tripsina das globinas de Hb AA e Hb SS. A seta 1 indica o péptido normal que contém os onze primeiros aminoácidos da globina beta normal. A seta 2 mostra no digerido tríptico da globina de Hb S que o péptido está em posição diferente à da Hb A (círculo pontilhado). A análise dos aminoácidos que compõe esse péptido revelou que o sexto aminoácido (ácido glutâmico) fora substituído por outro diferente (valina).

14 14 Figura 5 Reticulocitose em amostra de sangue periférico de paciente com anemia falciforme, caracterizando eritropoiese acentuada.

15 15 Figura 6 Presença de eritroblasto ortocromático em amostra de sangue periférico de paciente com Hb S/ talassemia beta.

16 16 Figura 7 Células falciformes irreversíveis. Essas células tem a forma característica de foice, com acentuado alongamento eritrocitário devido à formação de polímeros de moléculas de Hb S desoxigenada.

17 17 Figura 8 Microscopia eletrônica de varredura de células falcizadas obtidas de sangue de paciente com anemia falciforme. Observar as formas achatadas e os prolongamentos tentaculares dessas células.

CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA

CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA Foto 1: Talassemia Alfa Mínima em sangue periférico corado com azul de crezil brilhante. Comentários: A investigação laboratorial da talassemia alfa mínima se faz por meio

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

Doença de Células Falciformes

Doença de Células Falciformes Doença de Células Falciformes Pedro P. A. Santos Médico Oncologista - Hematologista Setor de Oncologia e Hematologia Hospital da Criança Conceição Porto Alegre RS Setembro 2015 Doença Falciforme Breve

Leia mais

Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos)

Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) Doença Falciforme Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) Fonte: BESSIS, M. - Corpuscules - essai sur la forme des globules rouges de l homme springer international - 1976 Hemoglobina Função: Captar

Leia mais

Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos

Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos Ana Paula Rodrigues RESUMO Com o objetivo de estabelecer a freqüência de hemoglobinas variantes e β-talassemias

Leia mais

ANEMIAS parte IV. Profª Carolina Garrido Zinn

ANEMIAS parte IV. Profª Carolina Garrido Zinn ANEMIAS parte IV Profª Carolina Garrido Zinn Hemoglobinopatias Doenças hereditárias causadas por diminuição ou anomalia da síntese de globina Afetam cerca de 7% da população mundial Hemoglobina Proteína

Leia mais

Alterações congénitas da formação da hemoglobina:

Alterações congénitas da formação da hemoglobina: ANEMIAS CAUSADAS POR DEFEITOS GENÉTICOS DA HEMOGLOBINA Alterações congénitas da formação da hemoglobina: TALASSEMIAS há uma síntese desequilibrada das cadeias globínicas HEMOGLOBINOPATIAS por alteração

Leia mais

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 HEMOGLOBINAS NORMAIS MOLÉCULA DA HEMOGLOBINA HUMANA NORMAL Hb A AS HEMOGLOBINAS HUMANAS SÀO COMPOSTAS POR QUATRO CADEIAS DE AMINOÁCIDOS CONHECIDAS POR GLOBINAS E INSERIDO EM

Leia mais

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Hemoglobinopatias e Talassemias Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Biociências, Letras e Ciências

Leia mais

Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal

Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal 1º Congresso Médico de Guarulhos Práticas Clínicas no SUS 5 a 7 novembro de 2015 Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal Dra Christiane M. S. Pinto Hematologista Pediatrica HMCA Guarulhos

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico MANUAL DO PACIENTE - TENHO TRAÇO FALCÊMICO.... E AGORA? EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico Sabemos

Leia mais

CASUÍSTICA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA POPULAÇÃO DO HFF

CASUÍSTICA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA POPULAÇÃO DO HFF CASUÍSTICA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA POPULAÇÃO DO HFF Serviço Patologia Clínica 21 de Maio 2015 Elzara Aliyeva Sónia Faria OBJECTIVO Efectuar um estudo casuístico das hemoglobinopatias na população da área

Leia mais

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab ANEMIAS HEMOLÍTICAS Hye, 2013 www.uff.br/hematolab Anemias Hemolíticas Destruição acelerada de eritrócitos; Podem ser destruídas na medula óssea, no sangue periférico ou pelo baço; drjeffchandler.blogspot.com

Leia mais

Doença dos Eritrócitos

Doença dos Eritrócitos Doença dos Eritrócitos Autor: Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Célula Falciforme Palavras chaves das doenças causadas pelas Células Falciformes... 4 Células Falciformes... 4 Anemia Falciforme... 5 Doença Falciforme...

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA ANEMIA FALCIFORME CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o:

Proeritroblasto ou Proeritroblasto ou P o r n o or o m o l b a l st s o: E i r t i ro r b o l b a l st s o ou o Nor o m o l b ast s o: HEMATOLOGIA DRª ISIS H. VERGNE BIOMÉDICA ERITROPOIESE Fenômeno com diversas fases, onde ocorre: Síntese de DNA Mitose Síntese de hemoglobina com incorporação de Fe Perda do núcleo e organelas Produto final:

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP Tema Citológico : Diagnóstico laboratorial diferencial entre anemia

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia

UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia UFABC Bacharelado em Ciência & Tecnologia Transformações Bioquímicas (BC0308) Prof Luciano Puzer http://professor.ufabc.edu.br/~luciano.puzer/ Propriedades e funções de proteínas: Mioglobina / Hemoglobina

Leia mais

AMH Hemolíticas ANEMIAS HEMOLÍTICAS

AMH Hemolíticas ANEMIAS HEMOLÍTICAS HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia 8 º período AMH Hemolíticas ANEMIAS HEMOLÍTICAS Anemias causadas por um aumento da destruição dos eritrócitos em relação à produção. Rompe-se o equilíbrio entre a produção

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO - VIII Seminário de Pós-Graduação da UFG

RESUMO EXPANDIDO - VIII Seminário de Pós-Graduação da UFG RESUMO EXPANDIDO - VIII Seminário de Pós-Graduação da UFG ESTUDO GENÉTICO-POPULACIONAL DE HEMOGLOBINOPATIAS EM DOADORES DE SANGUE E NA POPULAÇÃO GERAL DE GOÂNIA E BONFINÓPOLIS-GOIÁS/BRASIL PACHECO,Ildefonso

Leia mais

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Escola Secundária Quinta do Marquês Mutações Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Trabalho realizado por: Bárbara Dória, nº4, 11ºB Definição de mutação As

Leia mais

ANEMIAS OBSTETRÍCIA DIAGNÓSTICO

ANEMIAS OBSTETRÍCIA DIAGNÓSTICO ANEMIAS OBSTETRÍCIA A anemia é definida como síndrome caracterizada por diminuição de massa eritrocitária total. Laboratorialmente, definimos anemia como hemoglobina menor que 12 g/dl em mulheres ou 13

Leia mais

TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS

TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS TALASSEMIAS: UMA ANÁLISE AMPLA E CORRELAÇÕES CLÍNICAS Antonio Jose Dias Martins, Rassan Dyego Romão Silva e Bruna Rezende Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil antoniojdm35@hotmail.coml

Leia mais

Interpretação do Hemograma

Interpretação do Hemograma Interpretação do Hemograma MD 758 Prof. Erich de Paula O Hemograma completo Permite avaliação indireta da hematopoiese 1 O hemograma normal Hemograma Principais parâmetros Concentração de Hb (g/dl) - Confirmação

Leia mais

CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 SANGUE

CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 SANGUE 1 CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 2 SANGUE 3 4 5 6 7 PATOLOGIA DO GLÓBULO RUBRO ANEMIAS POLICITEMIAS Valores de referência Hemoglobina g/dl recém-nascido

Leia mais

CAPÍTULO 12 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME

CAPÍTULO 12 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME CAPÍTULO 12 343 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME INTRODUÇÃO A biologia social agrupa uma série de situações vivenciadas pelo falcêmico no âmbito social que inclui qualidade de vida e relacionamento.

Leia mais

Talassemias. Márcio Hori

Talassemias. Márcio Hori Talassemias Márcio Hori Introdução Redução ou ausência de cadeias de globina na hemoglobina 1 par de genes de cadeias β (1 gene β no cromossomo 11) β 0 síntese de cadeias β ausente β + síntese de cadeias

Leia mais

MISSÃO Ser uma instituição de excelência técnico-científica em hemoterapia e hematologia com elevado padrão ético e compromisso com a população.

MISSÃO Ser uma instituição de excelência técnico-científica em hemoterapia e hematologia com elevado padrão ético e compromisso com a população. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. Política Nacional de Atenção Integral à pessoa com Doença Falciforme ADRIANA TORRES SÁ ENFERMEIRA HEMOCE CRATO DOENÇA FALCIFORME DOENÇA

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

Anemia Falciforme. Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos. Manual de. para Agentes

Anemia Falciforme. Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos. Manual de. para Agentes MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos Brasília DF 2006

Leia mais

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro HEMOGRAMA Profª. Francis Fregonesi Brinholi fbrinholi@hotmail.com. Hb = 0,8 g/dl Microcítica VCM < 78fL VCM:? Dosagem de ferritina Baixa Normal Alta Microcítica VCM < 78fL Normocítica VCM: 78-98fL Macrocítica

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com 1-O gráfico a seguir mostra como variou o percentual de cepas produtoras de penicilinase da bactéria Neisseria gonorrhoeae obtidas de indivíduos com gonorréia no período de 1980 a 1990. A penicilinase

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Normal Hb Meia-vida eritrocitária Normal 16,7g% 120 dias A. hemolítica compensada 16,7 g% 20 dias A. hemolítica descompensada 10 g% 10 dias

Normal Hb Meia-vida eritrocitária Normal 16,7g% 120 dias A. hemolítica compensada 16,7 g% 20 dias A. hemolítica descompensada 10 g% 10 dias 18 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemias Hemolíticas Anemia Hemolítica Comparação Normal Hb Meia-vida eritrocitária Normal 16,7g% 120 dias A. hemolítica compensada 16,7 g% 20 dias A. hemolítica

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Profs. Nolinha e Thomaz

Profs. Nolinha e Thomaz 1 TREINAMENTO DE QUESTÕES DISCURSIVAS () Profs. Nolinha e Thomaz QUESTÃO 01 Um pesquisador realizou um experimento para verificar a influência da bainha de mielina na velocidade de condução do impulso

Leia mais

Hemoglobinopatias Interpretação do teste de triagem neonatal

Hemoglobinopatias Interpretação do teste de triagem neonatal 172 REVISÕES E ENSAIOS Hemoglobinopatias Interpretação do teste de triagem neonatal Haemoglobinopathies Interpretation of neonatal screening test Hemoglobinopatías Interpretación de la prueba de tamizaje

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão 1 Questão 2 O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. a) O câncer é uma doença genética, mas na grande maioria dos

Leia mais

Proposta de Dissertação de Mestrado

Proposta de Dissertação de Mestrado Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Departamento de Computação - DC Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação - PPGCC Proposta de Dissertação de Mestrado Aluna: Juliana Lilian Duque Orientador:

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. Triagem Neonatal FASE II HEMOGLOBINOPATIAS - TRIAGEM NEONATAL - ASPECTOS LABORATORIAIS - TESTE DO PEZINHO - incisão - preenchimento círculos

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009 ANEMIA FALCIFORME

Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009 ANEMIA FALCIFORME Prof. Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2009 1 ANEMIA FALCIFORME Introdução Acredita-se que a Anemia Falciforme surgiu nos países do centro-oeste africano, da Índia e do leste

Leia mais

As proteínas que compõem a membrana eritrocitária são estruturalmente classificadas em integrais ou transmembranárias e periféricas ou

As proteínas que compõem a membrana eritrocitária são estruturalmente classificadas em integrais ou transmembranárias e periféricas ou 1 2 As proteínas que compõem a membrana eritrocitária são estruturalmente classificadas em integrais ou transmembranárias e periféricas ou extramembranárias. Essas proteínas do citoesqueleto membranário

Leia mais

Kerlem Divina Alves Nogueira 1, Willy Deivson Leandro da Silva 2, Sabrina Guimarães Paiva 3

Kerlem Divina Alves Nogueira 1, Willy Deivson Leandro da Silva 2, Sabrina Guimarães Paiva 3 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA ANEMIA FALCIFORME Kerlem Divina Alves Nogueira 1, Willy Deivson Leandro da Silva 2, Sabrina Guimarães Paiva 3 A Anemia Falciforme é uma doença caracterizada por uma mutação

Leia mais

?respondaessa O que acontece com o corpo com anemia?

?respondaessa O que acontece com o corpo com anemia? 26 2 DOENÇAS DO SANGUE O sangue é um tecido fundamental à manutenção de todos os demais tecidos e órgãos do organismo humano. O equilíbrio entre o ritmo de produção e de destruição das células do sangue,

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

ANEMIAS CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

ANEMIAS CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ANEMIAS CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Paulo Cesar Naoum Professor Titular pela UNESP Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto Introdução As anemias obedecem a um padrão

Leia mais

Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer?

Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer? Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer? Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Diretor Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Luiz Carlos Wandreley Lima Luiz Felipe

Leia mais

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e

Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e CASO 01 - Mulher com 63 anos apresentou manchas na pele, hemorragias gengivais e genitais, além de muita fraqueza e confusão mental. Há uma semana tem febre e muita sudoração. O médico examinou a paciente

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

CAPÍTULO 13. BIOLOGIA MOLECULAR DA Hb S

CAPÍTULO 13. BIOLOGIA MOLECULAR DA Hb S CAPÍTULO 13 348 BIOLOGIA MOLECULAR DA Hb S INTRODUÇÃO A heterogeneidade das manifestações clínicas entre doentes com o genótipo SS da anemia falciforme sempre foi um enigma para os clínicos. Com o progresso

Leia mais

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho:

TESTE DO PEZINHO. Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: TESTE DO PEZINHO Informações sobre as doenças pesquisadas no teste do pezinho: 1) FENILCETONÚRIA Doença causada por falta de uma substância (enzima) que transforma a fenilalanina (aminoácido) em tirosina.

Leia mais

Doença dos Eritrócitos

Doença dos Eritrócitos Doença dos Eritrócitos Autor: Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Principais Alterações Morfológicas dos Eritrócitos Introdução... 3 Alterações Patológicas dos Eritrócitos... 5 Alterações do tamanho dos eritrócitos...

Leia mais

! Ministrador: Prof. Almir Feitosa!

! Ministrador: Prof. Almir Feitosa! Ministrador: Prof. Almir Feitosa Transcrição e ilustrações realizadas pela Dra ROSANA DE SOUZA e cedidas como colaboração ao acervo do P.O.A. ODONTOLOGIA HOSPITALAR Hemograma No nosso sangue circulam três

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Manual de Doenças Mais Importantes, por Razões Étnicas, na População Brasileira Afro-Descendente

Manual de Doenças Mais Importantes, por Razões Étnicas, na População Brasileira Afro-Descendente Manual de Doenças Mais Importantes, por Razões Étnicas, na População Brasileira Afro-Descendente 2001. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Informações gerais sobre Talassemias e o impacto das intervenções

Informações gerais sobre Talassemias e o impacto das intervenções Version 1.1 September 2013 Informações gerais sobre Talassemias e o impacto das intervenções Este documento apresenta uma visão geral sobre distúrbios da hemoglobina, sua epidemiologia e intervenções específicas

Leia mais

HEMOGLOBINOPATIAS: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

HEMOGLOBINOPATIAS: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA HEMOGLOBINOPATIAS: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Joze Barbosa de Oliveira 1, Profª Drª Karen Cristiane Martinez de Moraes 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/ Graduanda no Curso de

Leia mais

Anemias hemolíticas: Hemoglobinopatias Enzimopatias Anomalias de membrana. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.

Anemias hemolíticas: Hemoglobinopatias Enzimopatias Anomalias de membrana. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com. Anemias hemolíticas: Hemoglobinopatias Enzimopatias Anomalias de membrana Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Anemia hemolítica Anemia regenerativa ou hemolítica Causa

Leia mais

Manual do Agente de Saúde

Manual do Agente de Saúde Manual do Agente de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Introdução Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde, a cada ano nascem no Brasil cerca de

Leia mais

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA Conceito A Síndrome de Usher é um grupo de doenças hereditárias (autossômicas recessivas) caracterizada por surdez neurosensorial com ou sem disfunção

Leia mais

A criança com anemia falciforme e a assistência de enfermagem à criança e sua família. DrªTania Vignuda de Souza Prof. Adjunto do DEMI/EEAN/UFRJ

A criança com anemia falciforme e a assistência de enfermagem à criança e sua família. DrªTania Vignuda de Souza Prof. Adjunto do DEMI/EEAN/UFRJ A criança com anemia falciforme e a assistência de enfermagem à criança e sua família. DrªTania Vignuda de Souza Prof. Adjunto do DEMI/EEAN/UFRJ Considerações iniciais Grupo das hemoglobinopatias Doença

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

O CICLO DO ERITRÓCITO

O CICLO DO ERITRÓCITO O CICLO DO ERITRÓCITO Rassan Dyego Romão Silva Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientador: Amarildo Lemos Dias de Moura RESUMO: Os eritrócitos são discos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ. Mario Sant Anna Santoro

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ. Mario Sant Anna Santoro UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ Mario Sant Anna Santoro REDE PÚBLICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA: O MAPA DO ATENDIMENTO DO PACIENTE PORTADOR DE DOENÇA FALCIFORME NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro

Leia mais

ANEMIA FALCIFORME, UMA DOENÇA CARACTERIZADA PELA ALTERAÇÃO NO FORMATO DAS HEMÁCIAS

ANEMIA FALCIFORME, UMA DOENÇA CARACTERIZADA PELA ALTERAÇÃO NO FORMATO DAS HEMÁCIAS ANEMIA FALCIFORME, UMA DOENÇA CARACTERIZADA PELA ALTERAÇÃO NO FORMATO DAS HEMÁCIAS Sickle Cell Anemia, a genetic disorder characterized by the change in shape of red blood cells Ana Carolina Borges Monteiro

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE)

MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE) MANUAL INFORMATIVO DO CURSO DE EXTENSÃO À DISTÂNCIA (ON LINE) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO HOSPITAL DAS CLÍNICAS Qualificação Profissional em Hematologia e Imunohematologia CURSO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

Leia mais

Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos

Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos Genética Monoibridismo e Alelos Múltiplos Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Hibridação Definição: O cruzamento entre indivíduos homozigotos que apresentam

Leia mais

Sickle cell anemia: a public health problem in Brazil

Sickle cell anemia: a public health problem in Brazil Anemia falciforme e saúde pública Anemia falciforme: um problema de saúde pública no Brasil Amanda Batista 1 Tania Cristina Andrade 2 RESUMO A anemia falciforme é a doença hematológica e genética mais

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredograma

Primeira Lei de Mendel e Heredograma Primeira Lei de Mendel e Heredograma 1. (UFC-2006) Leia o texto a seguir. A Doença de Alzheimer (D.A.) (...) é uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível, que acarreta perda de memória e

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

A importância do aconselhamento genético na anemia falciforme. The importance of genetic counseling at sickle cell anemia

A importância do aconselhamento genético na anemia falciforme. The importance of genetic counseling at sickle cell anemia 1733 A importância do aconselhamento genético na anemia falciforme The importance of genetic counseling at sickle cell anemia ARTIGO ARTICLE Cínthia Tavares Leal Guimarães ¹ Gabriela Ortega Coelho ² 1

Leia mais

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais.

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais. Síndrome de Apert O que é Síndrome de Apert? A síndrome de Apert é uma desordem genética que causa desenvolvimento anormal da caixa craniana. Bebês com síndrome de Apert nascem com a cabeça e a face com

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA CIDADE DE BOM JARDIM DE GOIÁS

ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA CIDADE DE BOM JARDIM DE GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA CIDADE DE BOM JARDIM DE GOIÁS MESTRANDO EM BIOLOGIA Menandes

Leia mais

Sempre que os valores do eritrograma estão abaixo dos normais para o laboratório fala-se de ANEMIA.

Sempre que os valores do eritrograma estão abaixo dos normais para o laboratório fala-se de ANEMIA. Sempre que os valores do eritrograma estão abaixo dos normais para o laboratório fala-se de. Valores mais utilizados: - Hemoglobina - Hematócrito PARÂMETRO HOMEM MULHER Hemoglobina (g/dl) 13,0-18,0 11,5-16,5

Leia mais

Biologia-Geologia 11ºano Novembro de 2006. Científico-Humanísticos Curso Ciências e Tecnologias. A hemoglobina. Texto adaptado

Biologia-Geologia 11ºano Novembro de 2006. Científico-Humanísticos Curso Ciências e Tecnologias. A hemoglobina. Texto adaptado Biologia-Geologia 11ºano Novembro de 2006 Científico-Humanísticos Curso Ciências e Tecnologias A hemoglobina Cada molécula de hemoglobina consiste em dois pares separados de globinas alfa e beta (cadeias

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação OLÉIO XIX DE MRÇO excelência em educação 1ª PROV DE REPERÇÃO DE BIOLOI luno: Nº Série: 2º Turma: Data: Nota: Professor: Regina Volpato Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA)

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA) HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA HEREDITÁRIA III - TALASSEMIA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA)

Leia mais

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo:

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo: Diabetes insípidus O que é Diabetes insípidus? Diabetes insípidus consiste em um distúrbio de controle da água no organismo, no qual os rins não conseguem reter adequadamente a água que é filtrada. Como

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária.

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Mutação O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Introdução Agentes internos ou externos causam alterações

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais