SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO"

Transcrição

1 SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

2 ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES QUE ATUAM NUM MERCADO GLOBALIZADO E COMPETITIVO. A REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA CONFIGURA-SE NÃO SOMENTE COMO DESEJAVÉL, MAS TENDE A TORNAR-SE MESMO UM IMPERATIVO PARA AS ORGANIZAÇÕES QUE DESEJAM SOBREVIVER E PROSPERAR

3 ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO Plano de Cargos e Salários

4 ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO MULTIPLICIDADE DE FORMAS DE REMUNERAÇÃO Remuneração Funcional/Tradicional Determinada pelo cargo e ajustada ao mercado. Remuneração Variável Vinculada a metas da organização, equipes e desempenho dos colaboradores, inclui formas de remuneração de curto, médio e longo prazo, como comissões, participação nos lucros e nos resultado, bônus etc. Remuneração por Competência Difere da remuneração por Habilidade quanto ao objetivo, normalmente utilizada para os demais cargos da organização, com foco na competitividade das organizações, voltada para a capacidade de inovação e fator critico de sucesso..

5 ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO MULTIPLICIDADE DE FORMAS DE REMUNERAÇÃO Previdência Complementar Relacionada diretamente com a disseminação dos sistemas de previdência privada. Tem atraído a atenção de empresários e executivos. Salário Indireto Benefícios e outras vantagens, a grande tendência é a flexibilização dos benefícios, através de seus pacotes de acordo com a necessidade do colaborador. Remuneração por Habilidade Aplicada normalmente para cargos Operacionais, desloca o foco do cargo para o indivíduo. Participação Acionária Vinculada a objetivos de lucratividade e crescimento da empresa e utilizada para reforçar o compromisso de longo prazo entre empresa e colaboradores. Alternativas Criativas Prêmios, gratificações e outras formas especiais de reconhecimento.

6 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS SUA PRINCIPAL FINALIDADE É CRIAR CONDIÇÕES PARA O MELHOR APROVEITAMENTO DOS RECURSOS HUMANOS DA EMPRESA, ATRAVÉS DE UMA POLÍTICA SALARIAL QUE SEJA NORTEADA PELAS SEGUINTES DIRETRIZES: - EQUILÍBRIO INTERNO OBJETIVO REMUNERAR CADA EMPREGADO, LEVANDO-SE EM CONSIDERAÇÃO O SEU CARGO EM RELAÇÃO AOS DEMAIS CARGOS DA EMPRESA. - EQUILÍBRIO EXTERNO REMUNERAR OS EMPREGADOS A NÍVEIS COMPETITIVOS COM O MERCADO DE TRABALHO.

7 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS LEVANTAMENTO DE DADOS ANALISE E IDENTIFICAÇÃO DE CARGOS MANUTENÇÃO AVALIAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DE CARGOS IMPLANTAÇÃO ESTRUTURA SALARIAL PESQUISA SALARIAL

8 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS LEVANTAMENTO DE ATIVIDADES FASE 2 DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS CARGOS CONSISTE NA OBTENÇÃO DE DADOS REFERENTES AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELOS EMPREGADOS. MEIOS UTILIZADOS: - ENTREVISTA - QUESTIONÁRIO - QUESTIONÁRIO E ENTREVISTA - OBSERVAÇÃO NO MÉTODO DE ENTREVISTA É NECESSÁRIO O CONHECIMENTO DAS TÉCNICAS A SEREM UTILIZADAS NA OBTENÇÃO DAS INFORMAÇÕES SOBRE AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO EMPREGADO. NO MÉTODO DE QUESTIONÁRIO É NECESSÁRIO O DESENVOLVIMENTO DE UM FORMULÁRIO ADEQUADO A COLETA DAS INFORMAÇÕES.

9 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS FASE 2 DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS CARGOS ANÁLISE DOS CARGOS Análise de todas as funções existentes na empresa, visando estabelecer parâmetros para: Agrupamento de funções similares. Verificação de requisitos com base nas competências organizacional técnico e individual. Revisão de nomenclaturas e padronização de funções de mesma natureza. Definição de Perfis.

10 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS

11 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS

12 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS MANUAL DE AVALIAÇÃO DE CARGOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS FATOR 1: HABILITAÇÃO CONSIDERAR O NÍVEL MÍNIMO DE FORMAÇÃO EDUCACIONAL E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL NECESSÁRIAS PARA QUE O OCUPANTE, TENDO O PERFIL ADEQUADO, POSSA REALIZAR AS ATRIBUIÇÕES DO CARGO DENTRO DOS PADRÕES DESEJADOS EXPERIÊNCIA CONSIDERAR O TEMPO MÍNIMO DE VIVÊNCIA PRÁTICA 1.1. ESCOLARIDADE NECESSÁRIA PARA OCUPAR O CARGO AVALIADO. CONSIDERAR O NÍVEL MÍNIMO DE PREPARO TEÓRICO, CONCEITUAL E TÉCNICO A B C D E F REQUERIDO PELO CARGO A MÉDIO INCOMPLETO / EM ANDAMENTO B MÉDIO COMPLETO C MÉDIO COMPLETO + TÉCNICO D SUPERIOR INCOMPLETO / EM ANDAMENTO E SUPERIOR COMPLETO F SUPERIOR COMPLETO + PÓS-GRADUAÇÃO / MBA IDIOMA 1.2. EXPERIÊNCIA I Não exigido A 20 A O CARGO REQUER VIVÊNCIA PRÁTICA DE ATÉ 6 MESES. D BÁSICO - Capacidade para leitura de textos B O CARGO REQUER VIVÊNCIA PRÁTICA SUPERIOR A 6 MESES E ATÉ 1 ANO. I simples e instruções técnicas. B 30 C O CARGO REQUER VIVÊNCIA PRÁTICA SUPERIOR A 1 ANO E ATÉ 2 ANOS. O INTERMEDIÁRIO - Capacidade de leitura de textos, D O CARGO REQUER VIVÊNCIA PRÁTICA SUPERIOR A 2 ANOS E ATÉ 4 ANOS. M interpretação de manuais e conversação simples. C 40 E O CARGO REQUER VIVÊNCIA PRÁTICA SUPERIOR A 4 ANOS E ATÉ 6 ANOS. A AVANÇADO / FLUENTE - Capacidade para leitura, redação e F O CARGO REQUER VIVÊNCIA PRÁTICA SUPERIOR A 6 ANOS conversação, onde é necessária a proficiência do idioma. D 50

13 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS Sistema de Tabulação Salarial Relatório Comparativo por Cargo Cargo: AF05 - CHEFE CUSTOS INDUSTRIAIS Pág. 1 ABC & COMPANY MERCADO AJUSTADO Freq. Salário Ajustado Remuneração Total Cód. Empr. Freq. Salário Ajustado Remuneração Total , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,31 (*) 6.585,64(*) Medidas Salário Ajustado Desvios Remuneração Total Desvios ABC & COMPANY MERCADO Percent. ABC & COMPANY MERCADO Percent. Freq. Total Menor Salário 4.235, ,57 38, , ,07 45,96 Maior Salário 4.235, ,95-17, , ,95-4,66 Mediana 4.235, ,90 14, , ,36 19,98 M.A.P , ,63 9, , ,10 15,88 1º Quartil 4.235, ,29 30, , ,38 38,59 3º Quartil 4.235, ,40-5, , ,59-0,18 Valor Modal 4.235,28 0,00 0, ,05 0,00 0,00 Desvio Padrão 0,00 682,61 0,00 694,08 1º Decil 4.235, ,57 38, , ,07 45,96 9º Decil 4.235, ,95-17, , ,95-4,66 Nº de Empr. Informantes: 8 Nº de Empr. Informantes: 8 Parâmetro de Corte: 2,00 Parâmetro de Corte: 2,00

14 PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS FASE 3 HIERARQUIZAÇÃO DOS CARGOS FASE 3 HIERARQUIZAÇÃO DOS CARGOS Salários Curva Salarial Funções / Cargos Hierarquizados Valorização dos Cargos Classes / Grupo Funcional Cargos

15 MODELO - PROGRAMA DE CARGOS E SALÁRIOS FAIXAS SALARIAIS GRUPOS CARGOS CARGO A CARGO B GRUPO 1 CARGO C CARGO D CARGO E CARGO F CARGO G GRUPO 2 CARGO H CARGO I CARGO J CARGO K CARGO L GRUPO 3 CARGO M CARGO N CARGO O CARGO P CARGO Q GRUPO 4 CARGO R CARGO S CARGO T O ENQUADRAMENTO DO COLABORADOR NO GRUPO É FEITO PELO CARGO QUE OCUPA OS CARGOS SÃO HIERAQUIZADOS PELA SUA IMPORTÂNCIA E PELO VALOR DE MERCADO

16 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL OBJETIVO VINCULAR O DESEMPENHO E A RECOMPENSA, PARA INCENTIVAR O INDIVÍDUO E O GRUPO A BUSCAREM A MELHORIA CONTÍNUA PARTILHAR OS BONS E OS MAUS RESULTADOS DA EMPRESA TRANSFORMAR CUSTO FIXO EM VARIÁVEL COMPROMETER TODAS AS ÁREAS E PROCESSOS DA ORGANIZAÇÃO COM OS RESULTADOS ESPERADOS

17 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL COMPROMISSOS RECOMPENSAS RESULTADOS

18 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL Programa que estabelece e remunera desafios a serem vencidos, condicionado-os em fatores de desempenho previamente estabelecidos os quais, englobam: Performance da empresa; Performance da área; Performance do empregado.

19 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE R.V. Auto financiável Maximiza a relação resultado x custo Direciona a remuneração para resultados Desenvolve o planejamento com visão estratégica Aumenta a eficácia gerencial e organizacional Aumenta o comprometimento e motivação dos empregados Aumenta a sinergia Propicia uma melhor administração do turn-over

20 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE R.V. Otimiza a aplicação de recursos de treinamento Recompensa proporcionalmente o esforço e dedicação Favorece o entendimento dos objetivos da organização Estabelece a participação efetiva nos resultados Aumenta os ganhos do colaboradores Favorece e reconhece a contribuição do trabalho em equipe Contribui para a melhoria do clima organizacional

21 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DE CURTO PRAZO É um incentivo relacionado ao atingimento de resultados em um determinado período, limitado a um ano fiscal. Pode assumir a forma de comissionamento para a área de vendas, bônus para executivo, programas ou planos de participação nos lucros e/ou resultados, incentivos por aumento de habilidades ou conhecimento, bônus para Key people (pessoas chaves) incentivos por projetos.

22 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL REMUNERAÇÃO VARIÁVEL DE LONGO PRAZO É um incentivo relacionado ao atingimento de objetivos que garantam a perenidade do negócio, a valorização da empresa e a retenção de profissionais. Pode assumir a forma de bônus com pagamentos de longo prazo e participação acionária.

23 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS É uma ferramenta gerencial poderosa para estimular o comprometimento com busca de resultados para a empresa. É regida pela Lei nº /2000.

24 PROGRAMA DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL MODELO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL COMPONENTES ESSENCIAIS DO MODELO Fatores determinantes: o que iremos medir, o que queremos melhorar. Quais são os indicadores de desempenho: como iremos medir, qual será a ferramenta de medição de desempenho. Quais serão as formas de remuneração utilizadas: como o desempenho será recompensado.

25 ACOMPANHAMENTO DOS INDICADORES DE AVALIAÇÃO EMPRESA 60% Peso (%) Meta Real (%) atingido (%) prêmio * Lucro líquido ( R$ x 1000 ) 30,0% R$100 R$70 70% 21,0% Faturamento Geral ( R$ x 1000 ) 30,0% R$1.000 R$700 70% 21,0% DIVISÃO/DEPARTAMENTO 20% Redução Gastos Departamentais (R$ x 1000) 3,3% R$5 R$3,5 70% 2,3% Volume de Produção ( x mil unidades) 3,3% % 2,3% Redução do Índice de Rejeitos (%) 3,3% 20% 14% 70% 2,3% Redução do Índice de Absenteísmo (%) 3,3% 10% 7% 70% 2,3% Redução do Índice de Acidentes (%) 3,4% 15% 10,5% 70% 2,4% Expansão de mercado (%) 3,4% 20% 14% 70% 2,4% INDIVIDUAL 20% Assiduidade (%) 10,0% 100% 70% 70% 7,0% Avaliação de desempenho (pontos) 10,0% % 7,0% TOTAL DA PREMIAÇÃO 70,0% * - O (%) de atingimento para efeito de premiação deverá ser igual ou superior a 70 % da meta definida, - Quando de superação de meta, não haverá premiação adicional. Exemplo de remuneração: Salário Base (R$) ==> 3.960,00 Total Premiação (R$) (base ex. acima) ==> 2.772,00 Salário Total (R$) ==> 6.732,00

26 CONCEITO DE COMPETÊNCIA DEFINIÇÕES COMPETÊNCIA SÃO CARACTERÍSTICAS PERCEBIDAS NAS PESSOAS QUE ENVOLVEM CONHECIMENTOS, HABILIDADES E ATITUDES QUE LEVAM A UM DESEMPENHO SUPERIOR. COMPETÊNCIAS ENVOLVEM COMPORTAMENTOS OBSERVÁVEIS E MENSURÁVEIS QUE RELACIONAM-SE COM O TRABALHO

27 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA DEFINIÇÕES COMPETÊNCIAS E HABILIDADES - MODELO QUE PERMITE AO OCUPANTE DE UM DETERMINADO CARGO POSTULAR NÍVEIS SALARIAIS SUPERIORES EM RAZÃO DO CONHECIMENTO, HABILIDADE E ATITUDES ADQUIRIDAS E EMPREGADAS, POR INICIATIVA PRÓPRIA OU DA EMPRESA, EM PADRÃO SUPERIOR EXIGIDO PELO CARGO.

28 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA CONCEITO CONHECIMENTO SABER É O CONJUNTO DE INFORMAÇÕES QUE AS PESSOAS INCORPORAM E QUE FAZEM PARTE DE SEU REPERTÓRIO E SÃO OBTIDOS ATRAVÉS DAS DIFERENTES FORMAS DE APRENDIZAGEM. CONHECIMENTO ENVOLVE DISCERNIMENTO, CRÍTICA E APRECIAÇÃO.

29 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA HABILIDADES SABER FAZER ESTÃO RELACIONADAS COM O DESEMPENHO DE UMA TAREFA OU EXPERIÊNCIA PRÁTICA, ATENDENDO A DETERMINADOS PADRÕES OU EXIGÊNCIAS. HABILIDADE ENVOLVE CONHECIMENTOS TEÓRICOS E APTIDÕES PESSOAIS. É A CAPACIDADE DE REALIZAR.

30 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA ATITUDES QUERER FAZER É A POSTURA DO INDIVÍDUO PERANTE A VIDA E AS PESSOAS. É A DISPOSIÇÃO PESSOAL PROFUNDA QUE SE EXPRESSA PELAS REAÇÕES QUE TEMOS À CERCA DE DETERMINADAS SITUAÇÕES, COMO PESSOAS, OBJETOS, IDÉIAS, CONDIÇÕES DE VIDA, ETC. AS ATITUDES SÃO ATOS DE VONTADE, É COMO AGIMOS EM RELAÇÃO AOS FATOS.

31 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA VANTAGENS DO SISTEMA TRANSFORMAR A ADMINISTRAÇÃO DE RH EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO, CAPACITANDO OS FUNCIONÁRIOS DE ACORDO COM A ESTRUTURA E AS NECESSIDADES ESTRATÉGICAS; PROPICIAR E INCENTIVAR O DESENVOLVIMENTO DOS PROFISSIONAIS NA CARREIRA, ATRAVÉS DO CRESCIMENTO E APROFUNDAMENTO DAS SUAS COMPETÊNCIAS, VINCULADAS ÀS COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DA ORGANIZAÇÃO, NECESSÁRIAS AO ATINGIMENTO DE SUAS METAS ESTRATÉGICAS E DA CONSOLIDAÇÃO DO MODELO ORGANIZACIONAL;

32 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA VANTAGENS DO SISTEMA VALORIZAR O CONTÍNUO APRENDIZADO COMO CHAVE PARA O SUCESSO DO NEGÓCIO; MINIMIZAR AS BARREIRAS IMPOSTAS PELO SISTEMA TRADICIONAL DE CARGOS, INCENTIVANDO A FLEXIBILIDADE; OFERECER UMA VISÃO CLARA E TRANSPARENTE AOS PROFISSIONAIS DO ACESSO E MOVIMENTAÇÃO EM SUAS CARREIRAS;

33 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA VANTAGENS DO SISTEMA O EMPREGADO TEM A VISÃO SISTÊMICA E CLARA DAS COMPETÊNCIAS REQUERIDAS PARA O ALCANCE DE SEUS RESULTADOS, BEM COMO DOS DEMAIS NÍVEIS COMPOSTOS PELA ÁREA E EMPRESA; O PRÓPRIO EMPREGADO GERENCIA SUA CARREIRA, AS EQUIPES SÃO AUTO GERENCIÁVEIS; HÁ UM MAIOR COMPROMETIMENTO DOS TALENTOS HUMANOS COM OS OBJETIVOS E METAS DA ORGANIZAÇÃO;

34 IDENTIFICAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS TIPOS DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS GENÉRICAS GERENTES COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS PROFISSIONAIS GERENTES

35 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA PRINCÍPIOS BÁSICOS DIFERENCIAR O SALÁRIO DOS OCUPANTES DO MESMO CARGO CONFORME SEU MAIOR OU MENOR DOMÍNIO DOS REQUISITOS DE CONHECIMENTOS, HABILIDADES E ATITUDES REQUERIDAS PELO CARGO. MOTIVAR OS EMPREGADOS DE FORMA A ATENDER AS SUAS NECESSIDADES DE GANHO, REALIZAÇÃO PROFISSIONAL E ATINGIMENTO DE METAS.

36 IDENTIFICAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO VISÃO DE FUTURO MISSÃO LISTA DE COMPETÊNCIAS EXPERIÊNCIA DE OUTRAS EMPRESAS COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DO NEGÓCIO COMPETÊNCIAS DOS GRUPOS COMPETÊNCIAS INDIVIDUAIS ANÁLISE DOS PROCESSOS REVISADOS

37 IDENTIFICAÇÃO DAS COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIA TÉCNICA É A CAPACIDADE DO FUNCIONÁRIO EM EXECUTAR VÁRIAS ATIVIDADES, TAREFAS OU POSTOS DE TRABALHO COMPETÊNCIA COMPORTAMENTAL É A CAPACIDADE DO FUNCIONÁRIO EM EXECUTAR E AGREGAR VÁRIAS QUALIFICAÇÕES PESSOAIS À SUA ATIVIDADE, TAREFA OU POSTO DE TRABALHO

38 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA OPERACINALIZAÇÃO DO SISTEMA NOS PERMITE: O ESTABELECIMENTO DE BROADBANDING, OU SEJA, UM SISTEMA DE PROGRESSÃO HORIZONTAL; A DEFINIÇÃO DE POLÍTICA DE PROGRESSÃO VERTICAL; A DEFINIÇÃO DE VALOR FIXO A PARTIR DAS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES; O DESENVOLVIMENTO CONTINUO, OU SEJA, O CRESCIMENTO PROFISSIONAL;

39 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA A MELHORIA CONTINUA DOS PROCESSOS; O ESTABELECIMENTO DO GRAU DE EMPREGABILIDADE; AGREGAR VALOR; O LINK COM METAS E RESULTADOS ESTRATÉGICOS; SER MENOS DISCRIMINATIVO E MAIS OBJETIVO;

40 REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA PRESSUPOSTOS A CONSIDERAR DEFINIÇÃO DE QUAIS COMPETÊNCIAS DEVEM SER VALORIZADAS EM FUNÇÃO DOS OBJETIVOS ESTATÉGICOS DA EMPRESA; ATUALIZAÇÃO CONSTANTE DAS COMPETÊNCIAS; ATUALIZAÇÃO CONSTANTE SOBRE QUEM ESTÁ QUALIFICADO E QUEM É DEVEDOR DE COMPETÊNCIAS PARÂMETROS DE MERCADO COMPATÍVEIS, VISANDO À COMPARAÇÃO DE FORMA ADEQUADA E COERENTE;

41 MODELO DE REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA GRUPOS CARGOS PONTOS RELACIONADOS ÀS COMPETÊNCIAS À À À À À À À À À À À À À À À À À À À À FAIXAS SALARIAIS CARGO A CARGO B GRUPO 1 CARGO C CARGO D CARGO E CARGO F CARGO G GRUPO 2 CARGO H CARGO I CARGO J CARGO K CARGO L GRUPO 3 CARGO M CARGO N CARGO O CARGO P CARGO Q GRUPO 4 CARGO R CARGO S CARGO T O ENQUADRAMENTO DO COLABORADOR NO GRUPO É FEITO PELO CARGO QUE OCUPA OS CARGOS SÃO HIERAQUIZADOS PELA SUA IMPORTÂNCIA E PELO VALOR DE MERCADO O ENQUADRAMENTO E CRESCIMENTO DO COLABORADOR NAS FAIXAS É FEITO EM FUNÇÃO DAS HABILDADES E COMPETÊNCIAS QUE SE POSSUI.

42 MODELO DE REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA OPERADOR - PREPARADOR DE PRENSAS COMPETÊNCIAS TÉCNICAS COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS INDICADOR PONTOS INDICADOR PONTOS MULTIFUNCIONALIDADE 20 PREPARAÇÃO DE MÁQUINA 40 KNOW-HOW TÉCNICO 30 VELOCIDADE DE RESPOSTA 20 SENSIBILIDADE P/ IDENT. PROB. 20 CAPAC. PROP. SOLUÇ./MELH. 10 CONCENTRAÇÃO 10 CONHEC. PROD./PROC./CLIEN. 10 RELAÇÕES DO TRABALHO 05 TOTAL DE PONTOS 165

43 MODELO DE REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA SECRETÁRIA ASSISTENTE ADMINISTRATIVO COMPETÊNCIAS GENÉRICAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS INDICADOR PONTOS INDICADOR PONTOS ADM. DE CUSTOS 20 FLEXIBILIDADE 40 FOCO NO CLIENTE 20 QUALIDADE 30 VISÃO SISTEMICA 10 ACOMPANHAM. E CONTROLE 20 AGILIDADE. 30 CAPACIDADE ANALÍTICA. 10 INICIATIVA 30 RELACION. INTERPESSOAL 20 TOTAL DE PONTOS 230

44 MODELO DE REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Capacidade para administrar os custos diretos e indiretos relacionados às suas atividades visando otimizar o uso dos recursos disponíveis, reduzindo perdas e desperdícios nos processos em que estão envolvidos. CONCEITO DESCRIÇÃO N. AT EM DES ATENDE SUPERA UTILIZA OS MATERIAIS E DEMAIS RECUROS DISPONÍVEIS DE MANEIRA EFICIENTE EMPENHA-SE PARA EVITAR DESPERDÍCIO DE MATERIAIS E OUTROS RECURSOS DE SUA ÁREA DE ATUAÇÃO TOMA TODOS OS CUIDADOS PARA ELIMINAR DISPERDÍCIO DE MATERIAIS E OUTRAS PERDAS DO PROCESSO DE TRABALHO DA SUA ÁREA DE ATUAÇÃO ESFORÇA-SE PARA DIMINUIR GASTOS DE MATERIAIS E OUTROS RECURSO DE SUA ÁREA DE ATUAÇÃO, UTILZIANDO-OS DE FORMA ECÔNOMICA E ADEQUADA PARTICIPA COM OS COLEGAS DE AÇÕES PARA REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS DE MATERIAIS E RECUROS

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Nossa Visão. Ser a melhor empresa de logística da América Latina.

Nossa Visão. Ser a melhor empresa de logística da América Latina. Nossa Visão Ser a melhor empresa de logística da América Latina. Nossos Valores Foco no cliente Gente faz a diferença e vale pelo que faz Integridade e transparência Lucro para valorização crescente Simplicidade

Leia mais

15ª Edição 2014 Exercício 2013

15ª Edição 2014 Exercício 2013 Pesquisa de Indicadores de Gestão de Pessoas Apresentação 15ª EDIÇÃO REFERENTE A DADOS DE DEZEMBRO/2013 Primeira vez que a pesquisa é realizada com a Universidade Metodista, por meio do Grupo de Estudos

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br Agenda 5ª EDIÇÃO 08 de Outubro 2015 Hotel Green Place Flat São Paulo, SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO COMO ESTABELECER UM PROGRAMA

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com Quem somos 3 Remuneração e Desempenho 4 Desenvolvimento de Pessoas 5 Engajamento Funcional 6 Desenvolvimento Organizacional 7 Desenvolvimento do RH 8 Treinamento

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Desenvolvendo competências nos gestores públicos

Desenvolvendo competências nos gestores públicos Desenvolvendo competências nos gestores públicos Walter Sigollo Superintendente de Recursos Humanos e Qualidade 26/maio/2011 Contexto do País - Mercado Estudo Mercer Consulting Outsourcing - abril 2011

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Novo Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo e as empresas

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Mário Ibide STAB Out. 2012

Mário Ibide STAB Out. 2012 pessoas processos resultados Mário Ibide STAB Out. 2012 um consumo de país rico Motivado pelo crescimento da renda, o Brasil irá experimentar uma década de expansão do consumo. Fonte: Revista Exame - Ago.

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka PGQP - Direitos Reservados 1 A Concorrência PGQP - Direitos Reservados 2 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Regulamento de Recursos Humanos

Regulamento de Recursos Humanos Diretoria de Administração e Planejamento Novembro de 2001 Este regulamento estabelece as diretrizes e normas a serem adotadas pela RNP na gestão dos seus recursos humanos, aprovado na 2ª Reunião Ordinária

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

competências e habilidades

competências e habilidades Remuneração e Carreira com base em competências e habilidades Reflexão inicial Qual o percentual de pessoas desmotivadas nas organizações? Até que ponto e de que forma a remuneração influencia na desmotivação

Leia mais

Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL

Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL Business Partners Consulting, atendendo seu cliente, União dos Escoteiros do Brasil, seleciona: GERENTE GERAL Local de trabalho Curitiba Paraná Atividades Desenvolver e implantar novas estratégias de atuação

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL COMO FATOR ESTRATÉGICO. Praia, 20 Outubro 2015. Organização da Apresentação. Formação Profissional como fator estratégico;

FORMAÇÃO PROFISSIONAL COMO FATOR ESTRATÉGICO. Praia, 20 Outubro 2015. Organização da Apresentação. Formação Profissional como fator estratégico; 1 Apresentação 2ª edição EXPO RH FORMAÇÃO PROFISSIONAL COMO FATOR ESTRATÉGICO Praia, 20 Outubro 2015 Vargas Melo Presidente do Conselho de Administração Organização da Apresentação Enquadramento; Formação

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC DEZEMBRO DE 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS... 4 3 OBJETIVO DO PCRC... 6 4 REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS PARA FORMULAÇÃO DO PCRC... 7 5

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001. Emenda Aditiva. Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos:

Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001. Emenda Aditiva. Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos: Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001 Emenda Aditiva Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos: Art.. Fica reestruturada Carreira Previdenciária, de que trata a Lei nº 10.355, de 26

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354.

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. PLANEJAMENTO DE CARREIRA Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. CARREIRA Conceito: Podemos dizer que a carreira

Leia mais

BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO

BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO BRASIL 2015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EM GESTÃO DO CAPITAL HUMANO APRENDA, PRATIQUE E DESENVOLVA-SE COM O MERCER COLLEGE VISÃO GERAL OBJETIVOS Os objetivos do Mercer College, Programa de Desenvolvimento

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Miguel de Paula. Gente, Gestão e Serviços

Miguel de Paula. Gente, Gestão e Serviços Miguel de Paula Gente, Gestão e Serviços Provendo Serviços e Talentos 2 Estrutura GENTE, GESTÃO E SERVIÇOS SERVIÇOS COMPARTILHADOS TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO GENTE Serviços Acadêmicos Serviços Financeiros

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Pessoas APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Leia mais

OS 10 INDICADORES DE RH

OS 10 INDICADORES DE RH OS 10 INDICADORES DE RH Oportunidades para aumentar as margens da Concessionária Francisco Nunes Administrador de Empresas; Especialista em Recursos Humanos; Especialista em Gestão da Qualidade; MBA em

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais