Serviço Público Inteligente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço Público Inteligente"

Transcrição

1 Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI

2 CALM António Gameiro Marques CIO da MP 15 de Maio de 2013

3 AGENDA Enquadramento Da estratégia às operações Gestão da Mudança Principal desafio Cadeia de valor Gestão Estratégica Gestão de Portfolio e de Projetos Modelo de governação Fatores críticos de sucesso

4 GESTÃO ESTRATÉGICA PRINCIPAL DESAFIO Formulação Plano Ligação Difusa Problemas de ligação Operacionalização Controlo Execução Resultados

5 GESTÃO ESTRATÉGICA MISSÃO E FUNÇÕES DA MARINHA USO DO MAR AÇÃO NÃO MILITAR Ação não militar AÇÃO MILITAR Ação militar

6 GESTÃO ESTRATÉGICA PEQUENO ESTADO / GRANDE TERRITÓRIO

7 Situação Actual Quantificada MARINHA PORTUGUESA CADEIA DE VALOR Processo Adaptação de Gestão ao Ambiente Estratégica Formulação Operacionalização Controlo Estratégica Transformação para Melhoria adequação Desempenho e melhoria de desempenho Situação Futura Desejada Quantificada PERSPETIVA OPERACIONAL Processos Chave DUPLO-USO PERSPETIVA MISSÃO Planeamento Aprontamento Emprego Sustentação Produto Operacional Atividade científica, Investigação & Desenvolvimento Atividade museológica, histórica e de divulgação PERSPETIVA ESTRUTURAL Produto Científico Produto Cultural MARINHA OTIMIZADA EFICÁCIA Gestão de Recursos RH M F I Atividade Inspetiva PERSPETIVA GENÉTICA Processos de Suporte MARINHA EQUILIBRADA

8 AGENDA Enquadramento Da estratégia às operações Gestão da Mudança Principal desafio Cadeia de valor Gestão Estratégica Gestão de Portfolio e de Projetos Modelo de governação Fatores críticos de sucesso

9 Guiar o Desempenho GESTÃO ESTRATÉGICA. MODELO DE REFERÊNCIA Clarificar a Estratégia 2 Traduzir a Estrat é gia 1 Desenvolver a Estrat é gia 3 Alinhar a Organiza ç ão 4 Planear as Opera ç ões Plano Estratégico Plano Operacional/Financeiro 6 Testar e Adaptar 5 Monitorizar e Aprender Optimizar Dados & Recursos de Informa ç ão Processos Execução Palladium Execution Premium Process (XPP)

10 GESTÃO ESTRATÉGICA MODELO DE MARINHA Testar e adaptar Análise do Ambiente Controlo Formulação Doutrina Naval Monitorizar e aprender Política Naval Planear actividades Operacionalização Traduzir a estratégia Alinhar a organização Fase 2

11 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 1 FORMULAÇÃO POLÍTICA E DOUTRINA António Silva Ribeiro Análise do Ambiente Formulação Doutrina Naval Política Naval

12 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO TRADUZIR A ESTRATÉGIA Análise do Ambiente Formulação Doutrina Naval Política Naval Operacionalização Traduzir a estratégia Fase 2

13 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO TRADUZIR A ESTRATÉGIA BALANCED SCORECARD (BSC) Gestão e alinhamento estratégico Ferramenta de comunicação Medição e controlo

14 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO TRADUZIR A ESTRATÉGIA Elementos do Balanced Scorecard Perspectivas de Gestão Objetivos Indicadores Metas Iniciativas Temas Estratégicos O que a estratégia deve proporcionar para a sua execução e sucesso Medição dos fatores críticos de sucesso para se atingir os objetivos Níveis de ambição referentes à melhoria do desempenho Projetos necessários para materializar objetivos Mapa da Estratégia Balanced Scorecard

15 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO TRADUZIR A ESTRATÉGIA BALANCED SCORECARD PERSPECTIVAS DE GESTÃO MISSÃO Garantir com eficácia o uso do mar. (Criar valor) TEMAS ESTRATÉGICOS MARINHA EFICAZ OBJECTIVOS CORPORATIVOS OPERACIONAL Empregar as capacidades numa vertente de duplo uso, para melhor cumprir a missão. (Liderar no produto) ESTRUTURAL Estruturar as capacidades de forma optimizada para melhor cumprir a missão. (Inovar para liderar) GENÉTICA Edificar as capacidades de forma equilibrada para melhor cumprir a missão. (Meios para agir) MARINHA DE DUPLO USO MARINHA OPTIMIZADA MARINHA EQUILIBRADA

16 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO ALINHAR A ORGANIZAÇÃO Análise do Ambiente Formulação Doutrina Naval Política Naval Operacionalização Traduzir a estratégia Alinhar a organização Fase 2

17 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO ALINHAR A ORGANIZAÇÃO MAPAS ESTRATÉGICOS Mapa Estratégico da Marinha Mapas Estratégicos Sectoriais Mapa Estratégico das Direcções e Unidades Objectivos dos diferentes níveis das Direcções e Unidades

18 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO ALINHAR A ORGANIZAÇÃO 2011

19 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO ALINHAR A ORGANIZAÇÃO Comunicar para envolver e alinhar

20 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 2 OPERACIONALIZAÇÃO PLANEAR AS ACTIVIDADES Análise do Ambiente Formulação Doutrina Naval Política Naval Planear actividades Operacionalização Traduzir a estratégia Alinhar a organização Fase 2

21 GESTÃO DE PROJETOS INTERSETORIAIS LIGAÇÃO DA ESTRATÉGIA À ATIVIDADE Perspectivas de Gestão Objetivos Indicadores Metas Iniciativas Temas Estratégicos O que a estratégia deve proporcionar para a sua execução e sucesso Medição dos fatores críticos de sucesso para se atingir os objetivos Níveis de ambição referentes à melhoria do desempenho Projetos necessários para materializar objetivos Mapa da Estratégia Balanced Scorecard

22 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 3 CONTROLO - MONITORIZAR E APRENDER Análise do Ambiente Controlo Formulação Doutrina Naval Monitorizar e aprender Política Naval Planear actividades Operacionalização Traduzir a estratégia Alinhar a organização Fase 2

23 EPM NA GESTÃO ESTRATÉGICA

24 EPM NA GESTÃO ESTRATÉGICA Da Gestão Estratégica à Gestão de Projetos

25

26 EPM NA GESTÃO ESTRATÉGICA

27 EPM NA GESTÃO ESTRATÉGICA DASHBOARD DE UMA INICIATIVA ESTRATÉGICA, GERIDA NO EPM

28 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 3 CONTROLO TESTAR E ADAPTAR Testar e adaptar Análise do Ambiente Controlo Formulação Doutrina Naval Monitorizar e aprender Política Naval Planear portefólio e actividades Operacionalização Alinhar a organização Traduzir a estratégia Fase 2

29 GESTÃO ESTRATÉGICA FASE 3 CONTROLO TESTAR E ADAPTAR Está a nossa estratégia a funcionar? Estamos a obter os efeitos pretendidos? O que é que está a ter sucesso? O que é que está aquém das expectativas?

30 Garantir com eficácia o uso do mar. (Criar valor) Empregar as capacidades numa vertente de duplo uso, para melhor cumprir a missão. (Liderar no produto) Estruturar as capacidades de forma optimizada para melhor cumprir a missão. (Inovar para liderar) Edificar as capacidades de forma equilibrada para melhor cumprir a missão. (Meios para agir) PERSPECTIVAS DE GESTÃO TEMAS ESTRATÉGICOS MARINHA EFICAZ MARINHA DE DUPLO USO MARINHA OPTIMIZADA MARINHA EQUILIBRADA Optimização Satisfazer de forma eficiente as necessidades logísticas de operação, manutenção e modernização Optimizar o relacionamento operacional com a AA SA Incrementar a integração de processos dentro do sector Desenvolver um modelo de gestão dinâmica de recursos Visão Versatilidade Incrementar o relacionamento e a comunicação com os públicos de Incrementar a participação no desenvolvimento de requisitos interesse Consolidar as competências críticas necessárias Garantir a disponibilidade operacional estabelecida para os meios Desenvolver a gestão estratégica, planeamento e controlo Incrementar a eficiência e eficácia recorrendo a SI Consolidar a coerência estrutural, organizativa e flexivel Reforçar a externalização dos SI Abrangência Consolidar a integração dos novos meios Incrementar o recurso à I&D na área do material Incrementar parcerias externas e internas Honra Disciplina Coragem Integridade Lealdade RESUMO DO PROCESSO OPERACIONALIZAÇÃO E CONTROLO DA ESTRATÉGIA Análise SWOT MISSÃO Traduzir e alinhar VALOR OPERACIONAL PROCESSOS ESTRUTURAL Mapas estratégicos ORGANIZAÇÃO GENÉTICA RECURSOS Valores 10 Diretivas Setoriais Indicadores e Metas Linhas de ação Controlo de Execução (EPM / GE) Monitorizar Planos de Atividades Planos Orçamentais Planear Testar e Adaptar

31 DELIVERABLES

32 SISTEMA DE INFORMAÇÃO

33 SINCRONISMO TEMPORAL 20+ anos DIRECTIVAS SECTORIAIS PLANOS DE ATIVIDADES ANUAIS Anual Situação Actual Quantificada Objectivos 3 ou 5 anos Objectivos 3 ou 5 anos Actividades estratégicas e correntes Anual Medições RELATÓRIOS DE ACTIVIDADES ANUAIS Medições Situação Futura Desejada Quantificada Trimestral Medições Semestral Formulação Operacionalização e Controlo

34 EPM NA GESTÃO DE PORTFOLIO Portfólio e BI Planeamento e controlo de projetos Espaço colaborativo para coordenação de atividades

35 EPM NA GESTÃO DE PORTFOLIO GESTÃO DE PORTFÓLIOS 1 ESCOLHA DE FATORES ESTRATÉGICOS Fatores estratégicos Portfólio e BI Definem os critérios de prioritização/seleção Impacto

36 EPM NA GESTÃO DE PORTFOLIO Portfólio e BI GESTÃO DE PORTFÓLIOS 2 AVALIAÇÃO DA PRIORIDADE Portfólio de projetos Impacto Fatores estratégicos

37 EPM NA GESTÃO DE PORTFOLIO Portfólio e BI GESTÃO DE PORTFÓLIOS 3 RECOMENDAÇÃO/PRIORIZAÇÃO Portfólio de projetos Impacto Portfólio de projetos Fatores selecionados estratégicos e prioritizados

38 stratégico EPM NA GESTÃO DE PORTFOLIO Portfólio e BI GESTÃO DE PORTFÓLIOS 4 ANÁLISE VALOR ESTRATÉGICO x CUSTO Portfólio de projetos selecionados e priorizados

39 EPM NA GESTÃO DE PROJETOS Portfólio e BI Planeamento e controlo de projetos Espaço colaborativo para coordenação de atividades

40 PROJETO PILOTO - ATALANTA 2011 Âmbito 4 Resoluções do CSNU Comando português da Força Naval da UE Missão Proteger os navios do World Food Program, da AMISOM e outros navios vulneráveis, e combater a pirataria no Oceano Índico Navio português Comandante da CTF 465 França Espanha Portugal Alemanha 13DEZ10 13ABR11 13AGO11

41 PROJETO PILOTO - ATALANTA 2011 FASEAMENTO APRONTAMENTO (15OUT10 a 15MAR11) SUSTENTAÇÃO & RETRAÇÃO (29MAR a 28AGO11) Principais Produtos Navio-almirante e de reserva prontos Staff e guarnições treinados Enquadramento formalizado Diretiva Relações Públicas CEMGFA Diretiva Operacional CEMGFA Portaria Missão Humanitária e de Apoio à Paz Regras de Empenhamento e caveats Gestão financeira preparada

42 DASHBOARD

43 AGENDA Enquadramento Da estratégia às operações Gestão da Mudança Principal desafio Cadeia de valor Gestão Estratégica Gestão de de Portfolio e de Projetos Modelo de governação Fatores críticos de sucesso

44 MODELO DE GOVERNAÇÃO Estado-Maior da Armada Controlo centralizado PROGRAMAS Pessoal Material Financeiros Informação Esquadra Autoridade Marítima Ciências do mar Cultura EPM Execução descentralizada Setores EPM - Enterprise Project Management

45 CONSULTORIA INTERNA EQUIPAS DE GESTÃO ESTRATÉGICA

46 Equipa 31 2 CONSULTORIA INTERNA CFR CMG EN-AEL M EMA CTEN CFR EN-AEL EQUIPAS DE GESTÃO ESTRATÉGICA M CTEN M EN-AEL SEP Superintendência Direcção Geral da do Autoridade Serviço do Marítima Material Pessoal Superintendência Comissão Cultural da Comando Naval dos Serviços Marinha Financeiros Superintendência Estado-Maior da Instituto Hidrográfico dos Serviços Armada de Tecnologias da Inspecção Geral da Escola Informação Marinha Naval

47 CONCLUSÕES Informação Integrada BI & EPM Vantagens competitivas APRESENTADO COMO CASO DE SUCESSO Transparência Accountability Menores custos (OPEX)

48 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Compromisso Gestão de Topo Comunicar para envolver as pessoas 5 FCS Criar Momento e Aproveitar Momentum Massa Crítica na Organização Liderança Activa (Estratégia+TIC)

49 CALM António Gameiro Marques CIO da MP 15 de Maio de 2013

FINALIDADE. Apresentar um enquadramento sobre o modelo de gestão estratégica da Marinha e abordar a sua implementação prática através do EPM

FINALIDADE. Apresentar um enquadramento sobre o modelo de gestão estratégica da Marinha e abordar a sua implementação prática através do EPM FINALIDADE Apresentar um enquadramento sobre o modelo de gestão estratégica da Marinha e abordar a sua implementação prática através do EPM AGENDA Enquadramento Modelo de Gestão Estratégica Implementação

Leia mais

PARTE I GESTÃO DA PERFORMANCE E BALANCED SCORECARD CONCEITOS E INSTRUMENTOS

PARTE I GESTÃO DA PERFORMANCE E BALANCED SCORECARD CONCEITOS E INSTRUMENTOS Índice PREFÁCIO 15 PARTE I GESTÃO DA PERFORMANCE E BALANCED SCORECARD CONCEITOS E INSTRUMENTOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO DA PERFORMANCE 1. Medir a performance 24 2. Gerir a performance 27 3. Contexto

Leia mais

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS APLICAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS -1- AGENDA Quem somos Modelo de Gestão Gestão por Objectivos - BSC Conclusões e Resultados -2- AGENDA Quem somos -3- O QUE FAZEMOS

Leia mais

Gestão Estratégica Gestão de Projeto DEMO

Gestão Estratégica Gestão de Projeto DEMO 09 de Abril 2015 Enquadramento Missão e Funções da Marinha Cadeia de Valor da Marinha Principal Desafio e Modelo Estratégico Da Estratégia às Operações Gestão da Mudança Gestão Estratégica Gestão de Projeto

Leia mais

Balanced Scorecard e a Gestão por Competências

Balanced Scorecard e a Gestão por Competências Balanced Scorecard e a Gestão por Competências ELEVUS O QUE FAZEMOS *Áreas de actuação: *Recrutamento e Selecção *Outplacement *Formação e Desenvolvimento Pessoal *Assessment Centre *Consultoria ELEVUS

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

quidgest@quidgest.com www.quidgest.com

quidgest@quidgest.com www.quidgest.com A metodologia Balanced Scorecardem em Portugal Case Study Quidgest Ingeniería de Software Calle Floridablanca, 98 Ent. 1.º 2.ª 08015 Barcelona España tel. (+34) 616 893 789 quidgest@quidgest.com www.quidgest.com

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

Balanced Scorecard e a

Balanced Scorecard e a Sessões de Trabalho Balanced Scorecard e a Execução Estratégica Programa de 3 dias de Treino Inscrições até 31/Março = 375 + IVA Inscrições até 11/Abril = 750 + IVA Local: Armazém SYV (em Lisboa, na Junqueira)

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com.

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com. ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL O que torna o homem diferente dos outros animais é a habilidade de OBSERVAR, MEDIR, ANALISAR

Leia mais

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria PMSolution Consultoria Nossa Atuação Cliente Governança Corporativa Governança de TI Áreas de Conhecimento Consultoria Estratégica Gerenciamento de Projetos e Portfólio Tecnologia Capacitação Confidencial

Leia mais

Áreas de actuação: Recrutamento e Selecção Outplacement Formação e Desenvolvimento Pessoal Assessment Centre Consultoria

Áreas de actuação: Recrutamento e Selecção Outplacement Formação e Desenvolvimento Pessoal Assessment Centre Consultoria Liderança, Estratégia e BalancedScorecard Áreas de actuação: Recrutamento e Selecção Outplacement Formação e Desenvolvimento Pessoal Assessment Centre Consultoria Escritórios : Portugal - 8 escritórios

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua

Planeamento Estratégico. Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua Planeamento Estratégico Estratégia, as Pessoas e a Melhoria Contínua AGENDA 1. O Grupo Martifer 2. As Pessoas 4. A Estratégia 5. Monitorização Ferramenta Balance Scord Card 2 GRUPO MARTIFER Dimensão: Mais

Leia mais

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 Conteúdo da apresentação Enquadramento da CAF Características gerais da CAF Estrutura da CAF Processo de aplicação da CAF (10 Passos) Enquadramento da CAF

Leia mais

Balanced Scorecard: como construir um mapa estratégico

Balanced Scorecard: como construir um mapa estratégico Balanced Scorecard: como construir um mapa estratégico (alguns segredos para o sucesso) Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351)

Leia mais

Liderança, Estratégia e Balanced Scorecard

Liderança, Estratégia e Balanced Scorecard Liderança, Estratégia e Balanced Scorecard Áreas de actuação: Recrutamento e Selecção Outplacement Formação e Desenvolvimento Pessoal Assessment Centre Consultoria Escritórios : Portugal - 8 escritórios

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015 Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos 24 de Fevereiro de 2015 1 Agenda 08:00-8:30 Recepção 08:30-8:45 Abertura Margarida Bajanca, Partner Deloitte 08:45-9:30 Melhores

Leia mais

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública 4º Congresso Nacional da Administração Pública 2 e 3 Novembro de 2006 José Alberto Brioso Pedro Santos Administração Pública Contexto Perspectiva

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 CONCLUSÕES 1. A Europa está atualmente confrontada com um

Leia mais

Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva

Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva Tempos de Mudança Mercados Tecnologia Pessoas Papel do Estado Escassez de Recursos Úteis no Longo Prazo Desdobramento dos Recursos 1 Missão Porque é que

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI Serviço Público Inteligente

Leia mais

MODERNIZAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MODERNIZAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MODERNIZAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Consultoria e Formação Profissional NOVAS REALIDADES, NOVAS SOLUÇÕES! OBJETIVOS Liderar com saber Avaliar para melhorar Investir nos resultados Assegurar a Sustentabilidade

Leia mais

Referencial técnico-pedagógico da intervenção

Referencial técnico-pedagógico da intervenção Referencial técnico-pedagógico da intervenção De seguida explicitamos os referenciais técnico-pedagógicos das fases do MOVE-PME que carecem de uma sistematização constituindo factores de diferenciação

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI Business Intelligence

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

Balanced Scorecard. Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual

Balanced Scorecard. Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual Balanced Scorecard Ano: 2012 Período: Dezembro Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual Contribuir para o aumento da eficiência e eficácia da despesa pública 78,37% 121,27% 122,26% Criar as condições

Leia mais

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 António de Sousa Realidade: A literacia financeira dos portugueses Resultados do Inquérito do Banco de Portugal à População Portuguesa (2010):

Leia mais

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz Cegoc Moçambique Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE cegoc.co.mz O maior grupo europeu de formação profissional agora em Moçambique

Leia mais

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Workshop Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal Inquérito Nacional 2011 Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Agenda Apresentação dos resultados do estudo de maturidade do ITSM & ITGovervance

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance www.pwc.pt/academy Linking Strategy, People and Performance Lisboa, 8 e 9 de abril de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as tendências e melhores práticas de alinhamento da estratégia com

Leia mais

BARÓMETRO DE INOVAÇÃO COTEC. VÍtor Corado Simões

BARÓMETRO DE INOVAÇÃO COTEC. VÍtor Corado Simões BARÓMETRO DE INOVAÇÃO COTEC VÍtor Corado Simões Contexto nacional de inovação O Problema As Empresas Portuguesas têm uma baixa performance em inovação Somos Inovação Barómetro Inovação Somos Inovação Barómetro

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

A gestão da qualidade e a série ISO 9000

A gestão da qualidade e a série ISO 9000 A gestão da qualidade e a série ISO 9000 Seminário QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃ ÇÃO FLUP 3 Novembro 2005 3 Novembro 2005 Maria Beatriz Marques / APQ-DRN A gestão da qualidade e a série

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Introdução ao controlo de gestão

Introdução ao controlo de gestão Introdução ao controlo de gestão Miguel Matias Instituto Superior Miguel Torga LICENCIATURA EM GESTÃO / 3ºANO 2ºSEM 2014/15 PROGRAMA 1. Introdução 2. Planeamento 3. Orçamentação 4. Controlo orçamental

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Reforma do sector público em curso no país enquadra se na estratégia mais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE ALINHAR O MODELO DE GOVERNANÇA À ESTRATÉGIA. Copyright 2013 Symnetics Todos os direitos reservados

A IMPORTÂNCIA DE ALINHAR O MODELO DE GOVERNANÇA À ESTRATÉGIA. Copyright 2013 Symnetics Todos os direitos reservados A IMPORTÂNCIA DE ALINHAR O MODELO DE GOVERNANÇA À ESTRATÉGIA Copyright 2013 Symnetics Todos os direitos reservados Onde estamos Ao longo da nossa história, firmamos importantes parcerias internacionais,

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI Conferência Serviço Público

Leia mais

Medição de Desempenho de Processos

Medição de Desempenho de Processos Medição de Desempenho de Processos Leandro Jesus VP Associações ABPMP Brasil as.abpmp.br@gmail.com 21 25615619 21 99790945 O Palestrante Leandro Jesus: Sócio-Diretor da ELO Group, consultoria especializada

Leia mais

Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável. Projeto SEAMInd

Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável. Projeto SEAMInd Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável Projeto SEAMInd Conceição Santos Diretora de Serviços de Estratégia conceicao.santos@dgpm.mam.gov.pt 23 de

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

[CONSTRUÇÃO DO QUAR] linhas de orientação

[CONSTRUÇÃO DO QUAR] linhas de orientação C C A S ConselhoCoordenador deavaliaçãodeserviços [CONSTRUÇÃODOQUAR] Não apresentam apenas um objectivo estratégico mas antes vários objectivos estratégicos, ou são tão vagos que não permitem conhecer

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação.

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação. Objectivos Gerais Definir o que é a Qualidade; Determinar a evolução da qualidade. Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens

Leia mais

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito Miguel Rombert Trigo 1, Luis Borges Gouveia 2 mtrigo@ufp.pt, lmbg@ufp.pt 1 ProjEstQ, Pr. 9 de Abril, 349, 4249-004

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

_APRESENTAÇÃO. Elevus People & Business Results

_APRESENTAÇÃO. Elevus People & Business Results _APRESENTAÇÃO Elevus People & Business Results _A Elevus apresenta-se ao mercado numa lógica de Outsourcing na área da consultoria de Recursos Humanos, apresentando soluções profissionais adequadas aos

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) 13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) DECLARAÇÃO FINAL (MAPUTO, 20 e 21 de Abril de 2011) Em conformidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

SGIDI. Shortcut. Implementação SGIDI. Março 2011 valter@shortcut.pt

SGIDI. Shortcut. Implementação SGIDI. Março 2011 valter@shortcut.pt SGIDI Shortcut Implementação SGIDI Março 20 valter@shortcut.pt AGENDA Quem Somos? 2 O SGIDI da Shortcut 3 Demo do SGIDI 4 Alguns Resultados em 200 5 Vantagens da Implementação 6 Resistências / Dificuldades

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Gestão Estratégica de. RH Management Series. www.iirangola.com LUANDA. Planificação Estratégica de Recursos Humanos

RECURSOS HUMANOS. Gestão Estratégica de. RH Management Series. www.iirangola.com LUANDA. Planificação Estratégica de Recursos Humanos RH Management Series Advanced Training for Strategic Advantage CICLO DE FORMAÇÃO EM Gestão Estratégica de RECURSOS HUMANOS Planificação Estratégica de Recursos s SEMINÁRIO Recrutamento, Selecção & Entrevista

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Escritórios de Barcelona: 143 Sobreático 08011 Barcelona - Espanha Telefone +34 937 247 477

Escritórios de Barcelona: 143 Sobreático 08011 Barcelona - Espanha Telefone +34 937 247 477 Perfil Corporativo Configuração, Implementação e Integração de Sistemas Aplicacionais de Negócio: Fundada em 1989 Presença directa em Portugal e Espanha +100 Clientes de média/grande dimensão, em vários

Leia mais

Características de Serviços Partilhados

Características de Serviços Partilhados Características de Serviços Partilhados Os Serviços Partilhados caracterizam-se pela prestação de funções de suporte a várias organizações, por uma organização vocacionada para estes serviços. Ministério

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Relatório Workshop Internacional Implementar e Operacionalizar a Política Comum de Segurança e Defesa

Relatório Workshop Internacional Implementar e Operacionalizar a Política Comum de Segurança e Defesa P a g e 1 Relatório Workshop Internacional Implementar e Operacionalizar a Política Comum de Segurança e Defesa O Instituto da Defesa Nacional promoveu no dia 6 de Dezembro um Workshop Internacional subordinado

Leia mais

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 1 ÍNDICE 1. A Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE AFONSO SILVA Índice... 3 Resumo... 3 Alinhamento estratégico dos objectivos...

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA RESPONSABILIDADE SOCIAL Porquê? Enquadramento 7 Príncipios 3 Expectativas Para quê? Principais benefícios Vantagens O quê? Descrição dos serviços ÍÍNDICE Com quem? Profissionais especializados Porquê?

Leia mais

Gestão de Valor e VMO. Cyrus Associados Apoio em Projetos

Gestão de Valor e VMO. Cyrus Associados Apoio em Projetos Gestão de Valor e VMO Cyrus Associados Como definimos sucesso de uma iniciativa temporária (projetos ou programas)? Agenda Cyrus Associados 1. VALOR como elo entre estratégia, portfolio de programas e

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

BPM (Business Process Management)

BPM (Business Process Management) Instituto Superior de Economia e Gestão Ano lectivo 2007/2008 Cadeira de Tecnologias de Informação BPM (Business Process Management) Planeamento e Controlo de Gestão Baseados nos Processos de Negócio José

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

UMA NOVA POLÍTICA DE INOVAÇÃO EM PORTUGAL:

UMA NOVA POLÍTICA DE INOVAÇÃO EM PORTUGAL: MANUEL DUARTE LARANJA PhD, Professor, ISEG UMA NOVA POLÍTICA DE INOVAÇÃO EM PORTUGAL: A justificação, o modelo e os instrumentos ALMEDINA índice Prefácio 5 1. A importância da tecnologia, da inovação e

Leia mais

Gestão Documental na Administração Pública

Gestão Documental na Administração Pública Gestão Documental na Administração Pública 6 de dezembro de 2012 Auditório da Torre do Tombo Patrocínio Gold Patrocinadores Globais APDSI Patrocínio Prata Polícia Judiciária: Gestão de Documentos, Processos,

Leia mais

Relatórios de Sustentabilidade: Ferramenta de Excelência para a Comunicação da RSO

Relatórios de Sustentabilidade: Ferramenta de Excelência para a Comunicação da RSO Relatórios de Sustentabilidade: Ferramenta de Excelência para a Comunicação da RSO 1º Fórum Português de Responsabilidade das Organizações (RSO) Plataforma de Debate Multistakeholder AIP - Centro de Congressos

Leia mais

Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager. Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence

Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager. Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence Interact Group Fundação: agosto / 1999 80 Colaboradores diretos 85 Colaboradores nas

Leia mais

Business Process Management. A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR

Business Process Management. A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR Business Process Management A Gestão Colaborativa dos Processos e da sua Performance em QPR Quais são os desafios típicos das empresas na Gestão de Processos? > Criar e manter a informação associada aos

Leia mais

112h. Formação de Excelência para Gestores do Século XXI! ESPECIALISTAS EM FORMAÇÃO

112h. Formação de Excelência para Gestores do Século XXI! ESPECIALISTAS EM FORMAÇÃO ESPECIALISTAS EM FORMAÇÃO 112h Formação de Excelência para Gestores do Século XXI! O Fast Track MBA GALILEU tem como principal objetivo dotar os alunos de uma visão alargada das várias facetas da gestão

Leia mais

Uma Agenda para a Inovação Tecnológica na AP. José Tribolet 5 de maio de 2015

Uma Agenda para a Inovação Tecnológica na AP. José Tribolet 5 de maio de 2015 1 Uma Agenda para a Inovação Tecnológica na AP José Tribolet 5 de maio de 2015 Agenda 2 Inovação Tecnológica na AP para quê? Onde estamos? Para onde vamos? Com quem contamos? Com que contamos? Por onde

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais