Monitorização e indicadores de apoio à ENM numa lógica de desenvolvimento sustentável. Projeto SEAMInd

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitorização e indicadores de apoio à ENM 2013-2020 numa lógica de desenvolvimento sustentável. Projeto SEAMInd"

Transcrição

1 Monitorização e indicadores de apoio à ENM numa lógica de desenvolvimento sustentável Projeto SEAMInd Conceição Santos Diretora de Serviços de Estratégia 23 de janeiro 2014

2 Índice: ENM : Quadro de Monitorização Estratégica Projeto SEAMInd

3 ENM : Quadro de Monitorização Estratégica Projeto SEAMInd

4 ENM : Quadro de Monitorização Estratégica Modelo de desenvolvimento A ENM propõe um modelo de desenvolvimento sustentável baseado no oceano, em articulação com a zona costeira, alicerçado no conhecimento, que permita a Portugal responder aos desafios colocados para a promoção, crescimento e competitividade da economia do mar. O modelo proposto está em linha: com o modelo de Crescimento Azul da Politica Marítima Integrada da UE sendo considerado, nesse contexto, a interpretação marítima da Estratégia Europa 2020 com o green growth discutido na Cimeira das NU Rio + 20 (agosto 2012) e expresso na respetiva declaração The Future We Want

5 ENM : Quadro de Monitorização Estratégica Quadro Geral de Monitorização, Avaliação e Retroação

6 ENM : Quadro de Monitorização Estratégica Monitorização Estratégica de Apoio à ENM Apoio ao ordenamento do espaço marítimo e à gestão de conflitos Apoio à análise de custos e benefícios das AMP Sistema Integrado de Apoio à Decisão Concepção de instrumentos de gestão do recurso, incluindo instrumentos económicos Acompanhamento e revisão da ENM Apoio às políticas públicas setoriais Apoio à decisão dos agentes económicos (privados)

7

8 OBJETIVO Implementar um conjunto restrito de indicadores relevantes para aferir os resultados da Estratégia Nacional para o Mar , numa lógica de desenvolvimento sustentável.

9 Tipologia de Potenciais Clientes CIAM visão global e setorial Tutelas visão e gestão setorial Responsáveis de projetos e instrumentos de política pública informação de base para Ordenamento do Espaço Marítimo, Diretiva Quadro Estratégia Marinha, OSPAR, Agência Europeia do Ambiente (EIONET), Política Marítima Integrada Blue Growth no Atlântico, Smart Cities and Communities Setor empresarial informação de enquadramento e de suporte, portos comerciais nacionais, instituições financeiras, outras empresas de setores integrados no Blue Growth Público em geral divulgação e visibilidade

10 Produtos Finais Estratégia Nacional para o Mar Objetivos Estratégicos Objetivos dos Programas de Ação Radar do Mar-Portugal Painel de Avaliação

11 Articulação de Políticas North Atlantic Ocean South Atlantic Ocean

12 Território escala, atores Nível Estratégico (planeamento) Nível Operacional (concretização )

13 Integração Vertical Planos e níveis de integração Nacional Regional Local Intersetorial Integração Horizontal

14 Indicadores Comuns Indicadores Específicos WG WG 1 WG 2 WG 3 WG 4 Domínios Educação, Ciência e Tecnologia Identidade e Cultura Proteção e Salvaguarda Oceano / Atmosfera e Sist. Integ Pilares Governação Economia Social Ambiente WG 5 Pesca, Aquic. e Ind. do Pescado WG 6 WG 7 WG 8 WG 9 WG 10 WG 11 WG 12 Biotecnologia Marinha Recursos Minerais Marinhos Recursos Energéticos Marinhos Portos, Transportes e Logística Recreio, Desporto e Turismo Construção, M&R Naval Obras Marítimas Grupo de Coordenação Geral (DGPM) Grupo Apoio Técnico-científico

15 Ciclo do projeto Conceitos Matriz Conceptual Enquadramento Estratégico Alargado Metodologia Piloto Pesca, aquacultura e Indústria de Pescado Teste à Metodologia Novos Clientes Compromissos internacionais (objetivos, metas) Procura de Indicadores Politicas e Planos Nacionais/ Estratégias Sectoriais Oferta de Indicadores Estatísticas / Inquéritos / Campanhas Discussão Indicadores Operacionalização Painel de Avaliação Seleção de Indicadores Radar Discussão orientada Auscultação Pública Identificação de outros Interesses

16 1º Ciclo do SEAMInd Indicadores utilizados para avaliação de compromissos internacionais? Indicadores utilizados para avaliação de objetivos estratégicos nacionais? Qual a escala geográfica a considerar? RIO +20 Europa 2020 PMI EUEAA DQEM RIS 3 (nacional) ENDS POs Nacional Regional (NUT II) Qual a escala temporal a considerar? Anual (n-1) Quais os critérios de seleção dos indicadores e/ou cálculo de índices? Relevância politica (obj. estratégicos/lp) Solidez analítica Mensurabilidade (quantitativa ou chave) Utilidade na comunicação Baseado estatísticas credíveis, recorrentes, disponíveis com desagregação adequada

17 1º Ciclo do SEAMInd Integração Vertical e Internacional Indicadores de monitorização Programas Operacionais ENM PAUEA Atlântico Internacional Nacional Regional Indicadores de resultados Prioridades Objetivos Estratégicos Objetivos dos Programas de Ação Prioridades Objetivos Específicos Projeto Indicadores de realização Indicadores financeiros Operações Despesas Monitorização Intersetorialdos Projetos/Programas Integração Mar-Portugal Horizontal Integração Horizontal N.A.

18 1º Ciclo do SEAMInd Piloto - Pesca, Aquicultura e Indústria do Pescado Objetivo do piloto: teste à metodologia Inicio: 29 outubro 2013 Termino: março 2014 Coordenação: DGPM Equipa: INE, DOCAPESCA, DGRM, IPMA Portos, Transporte e Logística Projeto Comunitário PORTOPIA - Ports Observatory for Performance Indicator Analysis Parceiro Nacional do projeto Glintt Inov Vantagem maior proximidade perspetiva empresarial, ferramenta mais integradora Ponto de situação Educação, Ciência e Tecnologia Investigação e inovação PMI Portugal Country Fiche Contatos com INE e FCT Trabalho em parceria com FCT objetivo de alinhamento de politicas RIS 3 vs ENM, Horizonte Blue Growth Package vs ENM

19 Ligação ao Operacionalização Domínio técnico Domínio legal Partilha de dados Domínio operacional Visualização dos dados em contexto próprio Utilizador do Projeto Modelo de partilha/visualização de informação para a monitorização nos Pilares Governação, Economia, Social, Ambiental

20 OBRIGADA

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO MAR PORTUGAL - Um Mar de Oportunidades MAR PORTUGAL Conectividade intercontinental; Todas as regiões são litorais ou insulares; Mar profundo. MAR PORTUGAL - Um Mar

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 PLANO MAR-PORTUGAL: OS PROGRAMAS DE AÇÃO. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-1

ANEXO B APÊNDICE 1 PLANO MAR-PORTUGAL: OS PROGRAMAS DE AÇÃO. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-1 ANEXO B APÊNDICE 1 PLANO MAR-PORTUGAL: OS PROGRAMAS DE AÇÃO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-2 Índice APÊNDICE 1 - PLANO MAR-PORTUGAL: OS PROGRAMAS

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 RUI AZEVEDO II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 PONTOS A ABORDAR

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 O NOVO CICLO DE FUNDOS COMUNITÁRIOS AO SERVIÇO DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL, Porto 07.06.13 O CONTRIBUTO DO MAR PARA O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL DAS REGIÕES PORTUGUESAS Rui Azevedo II ENCONTRO DOS PARCEIROS

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA K RAM - RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA

ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA K RAM - RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA K RAM - RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-K-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-K-2 RECURSOS

Leia mais

Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira

Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira Importância das sinergias para o desenvolvimento das Energias Renováveis Marinhas Frederico Pinto Ferreira Workshop - Oportunidades de negócio em energias renováveis marinhas ATLANTIC POWER CLUSTER INEGI

Leia mais

Economia do Mar em Portugal

Economia do Mar em Portugal Economia do Mar em Portugal Nota Introdutória A estratégia de Portugal para a Economia do Mar encontra-se englobada na Estratégia Nacional (recentemente aprovada), estabelecendo um quadro legal, estável

Leia mais

NO MAR PORTUGUÊS WORKSHOP DE REFLEXÃO ESTRATÉGICA

NO MAR PORTUGUÊS WORKSHOP DE REFLEXÃO ESTRATÉGICA 4 de Novembro, 2013 Escola Superior Náutica Infante D. Henrique GUIA METODOLÓGICO Organização: Co-Financiado: 4 de Novembro, 2013 Escola Superior Náutica Infante D. Henrique 2 1. INTRODUÇÃO A Comissão

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínio Temático CI Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 11.2 Aprovado

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA K RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA. Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA K RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA. Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA K RECURSOS NATURAIS - AQUICULTURA Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-2 RECURSOS NATURAIS

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras

SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras SNIMar - Informação geográfica integrada para a gestão de águas marinhas e costeiras Teresa Rafael 11 de março de 2014 Pontos chave: O que é o SNIMar? Quais são os objetivos? Organização e gestão do projeto

Leia mais

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-D-2. Atualização janeiro 2015

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-D-2. Atualização janeiro 2015 ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA D RAM - GOVERNAÇÃO - EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOVERNAÇÃO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-D-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-D-2 GOVERNAÇÃO (EDUCAÇÃO,

Leia mais

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 RelatóriodaPonderaçãodoProcessodeDiscussãoPúblicada EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 Relatório da Ponderação do processo de Discussão Pública da Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 1. Introdução

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Recursos do Mar e Economia. Instituições

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Recursos do Mar e Economia. Instituições Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Instituições www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA P OUTROS USOS E ATIVIDADES - RECREIO, DESPORTO E TURISMO

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA P OUTROS USOS E ATIVIDADES - RECREIO, DESPORTO E TURISMO ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA P OUTROS USOS E ATIVIDADES - RECREIO, DESPORTO E TURISMO OUTROS USOS E ATIVIDADES Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-P-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-P-2

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Recursos do Mar e Economia SCTR. www.ccdr-n.

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Recursos do Mar e Economia SCTR. www.ccdr-n. Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos SCTR www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui uma

Leia mais

Agenda da Apresentação

Agenda da Apresentação Agenda da Apresentação Enquadramento SWOT Pontos fortes Pontos fracos Ameaças, riscos e constrangimentos Oportunidades O desafio para Portugal Fatores críticos de sucesso O projeto de Desenvolvimento da

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

Conta Satélite do Mar. - Apresentação do projeto. 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores

Conta Satélite do Mar. - Apresentação do projeto. 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores Conta Satélite do Mar - Apresentação do projeto 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores Índice 1. Conta Satélite do Mar (CSM) porquê? 2. Os objetivos 3. O estudo de viabilidade 4. O conceito 5. As atividades/produtos

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA A ÍNDICE DOS PROGRAMAS DE AÇÃO. Atualização janeiro 2015. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-A-1

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA A ÍNDICE DOS PROGRAMAS DE AÇÃO. Atualização janeiro 2015. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-A-1 ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA A ÍNDICE DOS PROGRAMAS DE AÇÃO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-A-2 ES1 - GOVERNAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Estrutura Orgânica

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 João Cotrim de Figueiredo 10 Out 2014 Turismo: crescimento e resiliência No século do Turismo? Mais de 1.100 milhões de turistas em 2014 OMT prevê crescimento médio anual

Leia mais

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DOS RECURSOS DO MAR E ECONOMIA ccdr-n.pt/norte2020 24 DE MAIO DE 2013 VIANA DO CASTELO Principais Conceitos A competitividade das regiões deve

Leia mais

Política de investimento na Comunidade

Política de investimento na Comunidade Política de investimento na Comunidade Galp Energia in NR-006/2014 1. ENQUADRAMENTO Na sua Política de Responsabilidade Corporativa, aprovada em 2012, a GALP ENERGIA estabeleceu o compromisso de promover

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

PORTAL DA ECONOMIA SOCIAL

PORTAL DA ECONOMIA SOCIAL PORTAL DA ECONOMIA SOCIAL JANEIRO 2013 Documento redigido segundo as novas regras do acordo ortográfico Três ideias chave para a ECONOMIA SOCIAL 1. Sustentabilidade Em sociedade, a ação/dimensão sustentável

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA A ÍNDICE DOS PROGRAMAS DE AÇÃO. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-A-1

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA A ÍNDICE DOS PROGRAMAS DE AÇÃO. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-A-1 ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA A ÍNDICE DOS PROGRAMAS DE AÇÃO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-A-2 ES1 - GOVERNAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Estrutura Orgânica

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM DO MAR 2015 Apresentação da MARE STARTUP Inovação empresarial e formação Francisco Beirão Exponor, 18 de Novembro 2015 APRESENTAÇÃO 1.QuemSomos 2.PortugalMarítimo

Leia mais

A Construção do Cluster do Mar Português

A Construção do Cluster do Mar Português APRESENTAÇÃO 1. A expressão da economia do Mar em Portugal 2. Regresso ao Mar (alguns marcos) e dinâmicas de clusterização 3. A Fórum Oceano 4. A importância da cooperação entre clusters no plano europeu

Leia mais

As Agendas de Inovação dos Territórios Algumas reflexões INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA

As Agendas de Inovação dos Territórios Algumas reflexões INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 O que é Inovação? Produção, assimilação e exploração com êxito da novidade, nos domínios económico e social. Livro Verde para a Inovação (Comissão Europeia, 1995) 2 Os territórios

Leia mais

IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014

IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014 IV SEMINÁRIO NACIONAL BANDEIRA AZUL 2013-2014 Atividades de Educação Ambiental: planear, realizar e avaliar Sesimbra, 28/29 de novembro de 2013 Jorge Neves Departamento de Comunicação e Cidadania Ambiental

Leia mais

Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar

Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar 24.Julho.2009 Auditório do Museu de Portimão Sumário (I) 2 Introdução I. As questões teóricas de enquadramento 1. O contexto económico e social

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-J-1 RECURSOS NATURAIS (PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO)

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2. Atualização janeiro 2015

Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2. Atualização janeiro 2015 ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA I RAM - RECURSOS NATURAIS - SISTEMA INTEGRADO RECURSOS NATURAIS SISTEMA Estratégia Nacional para o Mar 2013 / 2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-I-2 RECURSOS

Leia mais

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção GRUPO 2 Áreas Protegidas em processo de adesão à CETS Parques en proceso de adhesion a la CETS Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE ACÇÃO Exemplo

Leia mais

Agenda 21 Local em Portugal

Agenda 21 Local em Portugal Agenda 21 Local em Portugal Miguel P. Amado, FCT UNL ma@fct.unl.pt Saúde da Comunidade Sistemas de Informação de Apoio à Decisão 2012.10.09 1 Temas Agenda 21 Local Percurso Agenda Local 21 em Portugal

Leia mais

Rede de Gestores Municipais de Energia. Luís Castanheira 16 de dezembro 2013

Rede de Gestores Municipais de Energia. Luís Castanheira 16 de dezembro 2013 Rede de Gestores Municipais de Energia Luís Castanheira 16 de dezembro 2013 1 Rede de Gestores Municipais de Energia A ENERGAIA, como entidade com competências na área da energia e da eco-eficiência, promove

Leia mais

GOVERNAÇÃO ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA C GOVERNAÇÃO - PENSAMENTO E AÇÃO ESTRATÉGICA

GOVERNAÇÃO ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA C GOVERNAÇÃO - PENSAMENTO E AÇÃO ESTRATÉGICA GOVERNAÇÃO ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA C GOVERNAÇÃO - PENSAMENTO E AÇÃO ESTRATÉGICA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-1-C-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-C-2 GOVERNAÇÃO (PENSAMENTO

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA O INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES - PORTOS, TRANSPORTES E LOGÍSTICA

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA O INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES - PORTOS, TRANSPORTES E LOGÍSTICA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA O INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES - PORTOS, TRANSPORTES E LOGÍSTICA INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-O-1 Estratégia Nacional

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável

As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável PAULO LEMOS, Secretário de Estado Ambiente e do Ordenamento do Território Missão da Parceria Portuguesa para a

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

A GESTÃO RISCO NO TERRITÓRIO, O CONTRIBUTO DOS PLANOS REGIONAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

A GESTÃO RISCO NO TERRITÓRIO, O CONTRIBUTO DOS PLANOS REGIONAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO A GESTÃO RISCO NO TERRITÓRIO, O CONTRIBUTO DOS PLANOS REGIONAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Painel 4 - Aplicação do planeamento/planejamento e ordenamento do território à gestão de riscos Teresa Cravo

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020

Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020 Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020 Painel: Formação em alternância: Que modelo? Empregabilidade, competitividade e sustentabilidade na

Leia mais

Grupo de trabalho «Inovação»

Grupo de trabalho «Inovação» Comissão Arco Atlântico Grupo de trabalho «Inovação» Projecto de plano da ação para 2015-2016 Objetivo do grupo A Aquitânia deseja mobilizar as Regiões Atlânticas para a questão da inovação na Economia

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA ESEPF

POLÍTICA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA ESEPF POLÍTICA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DA ESEPF 1. Política de investigação científica da ESEPF para 2015-2017: objetivo prioritário Compreendendo-se que a promoção da investigação científica orientada e

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI CALM António Gameiro Marques

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

GOVERNAÇÃO. ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Atualização janeiro 2015. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1

GOVERNAÇÃO. ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Atualização janeiro 2015. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1 GOVERNAÇÃO ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-2 GOVERNAÇÃO (PROTEÇÃO E SALVAGUARDA)

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

ANEXO B O PLANO MAR-PORTUGAL. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1

ANEXO B O PLANO MAR-PORTUGAL. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1 ANEXO B O PLANO MAR-PORTUGAL Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-2 1. O Plano Mar-Portugal Partindo da arquitetura do Plano Mar-Portugal (PMP), as Áreas

Leia mais

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 CONCLUSÕES 1. A Europa está atualmente confrontada com um

Leia mais

NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos:

NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos: NOTA METODOLÓGICA Título do trabalho: Apoio à Reflexão e Conceção de possíveis ações de Investigação e Desenvolvimento (I&D) a nível nacional e internacional do Centro das Energias Renováveis e Manutenção

Leia mais

03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA

03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA GRUPOS DE MISSÃO 03/12/2012 REDE SOCIAL DE LISBOA PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2013-20152015 Contextualização O PDS é um instrumento de planeamento da Rede Social que formaliza o conjunto de opções

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR 944 Diário da República, 1.ª série N.º 24 4 de fevereiro de 2014 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Decreto-Lei n.º 18/2014 de 4 de fevereiro O Decreto -Lei n.º 86 -A/2011, de 12 de julho, estabeleceu,

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

Metodologia de Elaboração do PPA-Plano. Cuiabá, Março de 2011

Metodologia de Elaboração do PPA-Plano. Cuiabá, Março de 2011 Metodologia de Elaboração do PPA-Plano Plurianual 2012/2015 Cuiabá, Março de 2011 Estratégia e PPA Plano Estratégico de Desenvolvimento MT+ 20 2012/2032 Orientações Estratégicas de Longo Prazo Plano Plurianual

Leia mais

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica

Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Ensaios Clínicos: A Perspectiva da Indústria Farmacêutica Plataforma Nacional de Ensaios Clínicos Lançamento Oficial Lisboa, 20 de Março 2012 Paula Martins de Jesus Grupo de Trabalho de Investigação Clínica

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA E TECNOLÓGICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 14 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS Os apoios a atribuir

Leia mais

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas:

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas: 1411 e ao abrigo do disposto no n.º 3 do artigo 27.º do Decreto- -Lei n.º 86/90, de 16 de março e para os efeitos previstos nos artigos 46.º a 49.º da Lei n.º 54/2015, de 22 de junho, o seguinte: ANEXO

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-J-1 RECURSOS NATURAIS (PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO)

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

centro para as artes, ciência e tecnologia investigação, inovação e sustentabilidade

centro para as artes, ciência e tecnologia investigação, inovação e sustentabilidade 2 Sphera Castris centro para as artes, ciência e tecnologia investigação, inovação e sustentabilidade O projeto procura responder à necessidade de criar uma infraestrutura de cultura e património, produção

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL

PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Políticas de Inovação para o Crescimento Inclusivo: Tendências, Políticas e Avaliação PRIORIDADES E DESAFIOS PARA POLÍTICAS EM NÍVEL SUB-NACIONAL Rafael Lucchesi Confederação Nacional da Indústria Rio

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO http://www.tterra.pt/publicacoes/guia_agenda_21.html 1. ENQUADRAMENTO A Agenda 21 Local mais não é do que um Sistema de Sustentabilidade Local (SSL) constituindo

Leia mais

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra!

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! 1 Exmo. Diretor-Geral da Educação, em representação do

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA XVIII REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Maputo, 18 de Julho de 2013 Resolução sobre a Luta Contra o Trabalho Infantil na CPLP O Conselho de Ministros

Leia mais

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS (Versão revista de 20 de Julho de 2009) ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS Da minha língua vê-se o mar Vergílio Ferreira INTRODUÇÃO Os Estados membros da Comunidade

Leia mais

UMA AGENDA DO MAR PARA A PRÓXIMA LEGISLATURA, XIII (2015-) Contributo para o debate político-partidário 6, 15 e 27 de maio de 2015

UMA AGENDA DO MAR PARA A PRÓXIMA LEGISLATURA, XIII (2015-) Contributo para o debate político-partidário 6, 15 e 27 de maio de 2015 UMA AGENDA DO MAR PARA A PRÓXIMA LEGISLATURA, XIII (2015-) Contributo para o debate político-partidário 6, 15 e 27 de maio de 2015 Convite O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS

EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS O MAR QUE NOS INSPIRA NOVAS POTENCIALIDADES NUNO MATOS 1 11 DE ABRIL DE 2014 AGENDA - Questão prévia: Empreendedorismo no Mar é junto à costa? - As Dimensões do

Leia mais