Ex: dividir o número 496 em partes inversamente proporcionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ex: dividir o número 496 em partes inversamente proporcionais"

Transcrição

1 FO / Matemática - omplemento e Errata Razões e Proporções INTRODUÇÃO Quando escrevemos dois números na forma de a b, com b ; dizemos que temos uma razão entre eles. Ao escrever estamos escrevendo a razão entre e, onde a parte de cima é chamada de antecedente e a de baixo de conseqüente. As razões, 6 8, e são chamadas de razões equivalentes porque representam o mesmo valor e é chamada de forma irredutível porque é a forma mais simplificada possível de se escrever essa razão. À igualdade de duas razões equivalentes damos o nome de proporção. Quando escrevemos estamos escrevendo uma proporção que lê-se: está para assim como está para 1. O primeiro e o último termos são chamados de extremos da proporção ( e 1 são os extremos). O segundo e o terceiro termos são chamados de meios da proporção ( e são os meios). Ao último termo de uma proporção chamamos de quarta proporcional (no exemplo anterior 1 é a quarta proporcional) Quando o segundo e o terceiro termos são iguais chamamos de proporção contínua. é uma proporção contínua, e nesse caso o último 8 termo (8) é chamado de terceira proporcional. Propriedades das proporções 1. Numa proporção o produto dos meios é igual ao produto dos extremos:. Uma proporção não se altera ao alternarmos os seus meios, ou os seus extremos: Nesse caso, toda vez que trocarmos os termos teremos uma nova proporção.. Numa proporção, a soma (ou diferença) dos antecedentes está para a soma (ou diferença) dos conseqüentes assim como cada antecedente está para seu respectivo consequente: + 6 e + Nesse caso o resultado da soma ou da diferença é um número proporcional às razões dadas. hamamos de Sequências Diretamente Proporcionais àquelas sequências numéricas nas quais a razão formada pelos seus termos correspondentes é sempre constante. Ex: as sequências {, 6, 9, 1, 1} e {,, 6, 8, 1} são diretamente proporcionais, porque quando escritas na forma de razão teremos sempre valores proporcionais 6 9 constante 6 8 Sequências Inversamente Proporcionais são aquelas na qual o produto formado pelos termos correspondentes é constante. Ex: as seqüências {1,,,, 6} e {6,,, 1, 1} são inversamente proporcionais porque o produto formado pelos seus termos correspondentes é sempre o mesmo. Ou seja: constante Divisão em Partes Diretamente Proporcionais Ex: dividir o nº 6 em partes diretamente proporcionais a, e. Esse número será dividido em três partes que chamaremos de A, B e, e a soma das partes deverá ser igual a 6: A + B + 6 Representando essas divisões na forma de proporções: A B Usando a propriedade : A B A + B Ao resultado dessa divisão chamamos de constante de proporcionalidade. Para determinar os valores de A, B e, vamos igualar cada um deles com a constante de proporcionalidade: A 6 A 6 7; B 6 B 6 8; Divisão em Partes Inversamente Proporcionais Ex: dividir o número 96 em partes inversamente proporcionais aos números, e. Esse número será dividido em três partes que chamaremos de A, B e, e a soma das partes deverá ser igual a 96: A B Usando a propriedade após tirar o MM. A B A B 6 A B A + B

2 Igualando a constante com os valores obtidos depois do mmc, temos: A 6 A 6 B 6 B Exercícios resolvidos 1) (Fundep/Aux. Adm./Fhemig/) Uma prova de matemática, a razão de número de questões que Talita acertou para o número total de questões foi de para 7. Quantas questões Talita acertou sabendo-se que a prova era composta de questões? a) 1 questões c) questões b) questões d) 8 questões Vamos chamar de as questões que ela acertou e de T ao total de questões, daí podemos fazer: T veja que ao construir uma proporção devemos conservar a ordem na qual os dados do problema foram 7 fornecidos. Mas o número total de questões da prova é de. Substituir T por : T ) (Vunesp/Escrit./Pref. Louveira/7) No 1º semestre houve avaliações de matemática, cada uma delas com quantidade diferente de questões. A tabela mostra a quantidade de questões que determinados alunos acertaram em cada prova. Os valores são tais que os números de acertos foram proporcionais aos números de questões por prova. O número de questões que Luana acertou na ª prova foi Aluno Nº de questões por prova Nº de questões acertadas Meire Fran 8 Luana 16 x a) 8. b) 9. c) 1. d) 11. e) 1. omo os valores são proporcionais aos números de questões da prova, podemos escrever que: x 8 6 Nesse caso, para encontrar o valor de x, basta igualar duas dessas razões: x 8 8x 6 8x 8 x ) (esgranrio/assistente/epe/7) Gabriel fez refresco misturando 1 ml de suco concentrado e ml de água. omo o refresco ficou aguado, sua mãe resolveu acrescentar mais suco concentrado à mistura, até que a quantidade de suco correspondesse a 1/ da quantidade de refresco. A mãe de Gabriel precisou acrescentar uma quantidade de suco: a) menor do que ml. b) entre ml e ml. d) entre ml e ml. c) entre ml e ml. e) maior do que ml. No início temos 1 ml de suco e ml de água, ou seja, temos 6 ml de refresco. Vamos indicar a quantidade de suco que a mãe acrescentou de x. Depois de adicionar x ml de suco, a razão entre o suco e o refresco passou a ser 1/: + x 6 + veja que ao se aumentar a quantidade de x suco, a quantidade de refresco também aumenta. Vamos fazer os cálculos: + x ( + x) x + x + x 6 + x x x 6 x x x ml O euro, moeda oficial da União Européia, que existe como moeda e cédula desde 1º/1/, é adotado hoje, por 1 dos 7 Estados-membros. O último Estado-membro a adotar o euro foi a Eslovênia, em 1º/1/7, que estabeleceu a conversão de 9,6 tolares - o tolar era a moeda até então oficial da Eslovênia - para cada euro Tendo o texto por referência, julgue o item a seguir: ) ( ) (UnB/Escrit./BB/7 - Alterada) onsidere que o alfa fosse a moeda oficial de um dos 1 Estados-membros que adotaram o Euro como moeda oficial. onsidere, ainda, que 6 tolares equivaliam a 11 alfas no dia 1/1/7. Nessa situação, nesse mesmo dia, um euro equivalia a mais de alfas. A proporção entre tolar e euro é a seguinte: t e 9, 6 Vamos isolar t: t 9, 6 A proporção entre tolar e alfa é a seguinte: t a 6 a Vamos isolar t: t 6 9, 6 e a omo as expressões t e t 6 são iguais a t, podemos igualar as duas entre si para poder achar a relação entre euro e alfa: e

3 9, 6 e 6 a e 6 e 6 a x9, 6 a. 66, Dividindo a segunda razão por 6, temos: e a 9, Ou seja, cada euro corresponde a 9, alfas. Resposta: Errado ) (F.. hagas/téc./ TRT/) onsidere que a carência de um seguro-saúde é inversamente proporcional ao valor da franquia e diretamente proporcional à idade do segurado. Se o tempo de carência para um segurado de anos, com uma franquia de R$ 1., é meses, o tempo de carência para um segurado de 6 anos com uma franquia de R$ 1., é a) meses b) meses e meio d) meses e meio c) meses e) 6 meses Vamos chamar a carência de, a franquia de F e a idade do segurado de I. De acordo com o problema teremos: é inversamente proporcional a F e F I diretamente proporcional a I. Igualar esses valores a uma constante de proporcionalidade que chamaremos de K. K F I Pelo enunciado sabemos que quando um segurado tem anos e franquia de R$ 1.,, sua carência é de dois meses. Substituindo esses valores na proporção acima para encontrar o valor da constante: K.. F I.. Agora vamos igualar a constante com a segunda situação onde temos um segurado de 6 anos e uma franquia de R$ 1.,: K F I meses.. Alternativa A 6) (esgranrio/assistente/pref. Manaus/) Há dez anos, a razão entre as idades de Maria e Rita era. Daqui a dois anos, será. O número de anos correspondente à 9 soma das duas idades é: a) 6 b) 8 c) d) 6 e) 8 Vamos chamar a idade atual de Maria de M, sua idade há 1 anos de M 1 e sua idade daqui a anos de M +. Usaremos uma simbologia semelhante para Rita: R, R 1 e R +. Há 1 anos: Daqui há anos: M R M + R + Vamos multiplicar cruzado e construir duas equações: 9 M M R R M R + M R M + 9M + 8 R + R + 9 9M R 8 9M R Temos então o seguinte sistema de equações: M R 9M R Multiplicar a1ª equação por ( ) 9M + R 9M R Somando as duas equações, temos: R R R 6 Substituir o resultado encontrado na primeira equação: M R M. 6 M 6 M 6 M 8 A questão pede a soma das duas idades: anos. 7) (Fumarc/IPREM/7) Na compra de um apartamento em sociedade, Letícia investiu R$ 8., e Gustavo, R$.,. Depois de um certo tempo, venderam o imóvel por R$ 1.,. Então, a quantia que Gustavo recebeu após a venda foi de: a) R$ 6.,. c) R$ 6.,. b) R$ 8.,. d) R$.,. Nesse caso temos uma divisão em partes diretamente proporcionais porque quem investiu mais vai receber mais na hora da venda do apartamento. A soma das partes que os dois vão receber é igual ao valor total, daí podemos escrever: L + G 1. ada parte é proporcional ao valor investido: L G 8..

4 Sabemos que se somarmos antecedentes e conseqüentes ao mesmo tempo, o resultado será proporcional aos valores iniciais: L G L + G omo queremos saber quanto Gustavo recebeu, faremos a igualdade: G. G ) (Fumarc/BHTRANS/7) A soma de dois números naturais é 16. O maior está para 1 assim como o menor está para. Nessas condições, é incorreto afirmar que: a) o maior número é um número primo. b) a diferença entre os números é 7. c) os dois números são múltiplos de. d) o menor número é um múltiplo de. Vamos chamar esses números de A e B, e como a soma é 16, temos que: A + B 16. Supondo que o maior deles seja A, daí podemos construir a proporção: A B Usando a propriedade : A B A + B Igualando as duas razões à constante: A 9 A 9 7 B 9 B 9 Verificando as alternativas do exercício observamos que a diferença entre eles é ) (NE/Adm./Infraero/) Flora tem uma pequena loja de produtos naturais e duas funcionárias, Joana e arolina. No mês de julho Flora decidiu dividir um bônus de R$ 16, entre as duas funcionárias, de forma que cada uma receberia um valor inversamente proporcional ao número de faltas naquele mês. arolina faltou vezes e Joana faltou. A quantia recebida por Joana, em reais, é igual a: a) b) 6 d) 96 c) 8 e) 18 Fazer uma divisão em partes inversamente, sabendo que a soma das partes é igual a 16: + J 16 omo a divisão é inversamente proporcional: J Tirar o mmc dos denominadores e depois cancelá-los J J J + J Para encontrar o valor recebido por Joana, igualar o valor correspondente a ela com a constante. J J 96 Alternativa D 1) (esgranrio/assistente/epe/7) onsidere um segmento AB com metros de comprimento. Deseja-se colocar um ponto sobre esse segmento, em uma posição entre A e B, de tal forma que AB A Nessas condições, A mede, em A B metros: a) ( 1)/ b) ( + 1)/ d) 1 c) e) Temos a seguinte situação: A B omo estamos procurando o valor de A, vamos chamá-lo de x. om isso poderemos chamar B de x A x x B Então a proporção AB A poderá ser escrita da seguinte forma: x A B x x Vamos multiplicar cruzado x x ( x) x x x x x + x que é uma equação do segundo grau. b ac ( ) + 6 b x ± ± ±. a ± ( ± ) ± omo um segmento nunca é negativo, somente a raiz positiva será solução do problema: x + Alternativa D

5 Regra de Três IntroduÇÃO Regra de três é um método para solucionar problemas que contém grandezas, sendo uma grandeza algo que pode ser medido, como, por exemplo, distância, tempo, número de pessoas etc. Quando o problema possui somente duas grandezas, dizemos que é uma regra de três simples e quando tiver três ou mais grandezas é uma regra de três composta. A primeira coisa que devemos fazer para resolver um problema de regra de três é verificar se as grandezas são diretamente proporcionais ou inversamente proporcionais. Grandezas diretamente proporcionais São aquelas que se comportam de maneiras iguais (à medida que uma grandeza aumenta a outra também aumenta). Grandezas inversamente proporcionais São aquelas que se comportam de maneiras inversas (à medida que uma grandeza aumenta a outra diminui). Ex: vinte funcionários de uma indústria produzem. peças em 1 dias de trabalho. Em quantos dias 1 funcionários com a mesma eficiência deverão produzir. peças do mesmo produto? Nesse caso temos uma regra de três composta, porque há três grandezas; número de peças, dias e número de funcionários. Inicialmente vamos colocar as grandezas uma sobre a outra representando as duas situações do problema, chamando a incógnita de x. Funcionários Peças dias x Para verificar se as grandezas são direta ou inversamente proporcionais, escolher uma grandeza para servir de referência. Para ficar mais fácil, essa grandeza sempre será aquela que estamos procurando - nesse exemplo será o número de dias. omparar essa grandeza com as outras, mas uma de cada vez, e quando estivermos comparando duas grandezas não vamos nos preocupar com a terceira grandeza. omparar número de dias com quantidade de peças produzidas. Essas duas grandezas são diretamente proporcionais porque para se produzir mais peças são necessários mais dias (uma grandeza aumenta a outra também aumenta). omparar agora o número de dias com a quantidade de funcionários. Essas grandezas são inversamente proporcionais porque quanto mais funcionários estiverem trabalhando gastarão menos dias para fazer um trabalho (quando uma grandeza aumenta a outra diminui). onstruir uma proporção entre as grandezas colocando sempre a grandeza onde estiver a incógnita X de um lado e o produto das outras grandezas do outro lado. obs: Quando as grandezas forem inversamente proporcionais devemos invertê-las. x.. Observando a proporção ao lado vemos que o número de funcionários está invertida em relação à situação original... x. x 6. 6 x 6 x dias x 6 Exercícios Resolvidos 1) (UnB/Prof./SEED/PR/) Os alunos formandos de uma escola estão organizando a sua festa de formatura e 9 desses estudantes ficaram encarregados de preparar os convites. Esse pequeno grupo trabalhou durante horas e produziu. convites. Admitindo-se que todos os estudantes sejam igualmente eficientes, se todos os formandos tivessem trabalhado na produção desses convites, o número de convites que teriam produzido nas mesmas horas seria igual a a) b) d) 9.8. c) e) Dados do exercício: Alunos onvites 9. x Veja que a quantidade de horas não está sendo colocada no problema porque ela não se altera. Essas grandezas são diretamente proporcionais porque quanto maior for o número de pessoas trabalhando maior será a quantidade de convites produzidos (uma grandeza aumenta então a outra também irá aumentar). Temos a seguinte proporção:. 9 9x. x.. x convites 9 ) (FUNDEP/Téc./ALMG/8) João e Antonio têm seus passos aferidos.o passo de Antônio mede,9 m e o de João, 1,1 m. Para ir de A até B, um deu 6 passos a mais que o outro. Nessas condições, é correto afirmar que a distância de A até B a) é menor que 6 m b) está entre 6 m e 8 m c) está entre 8 m e m d) é maior que m Para resolver esse problema vamos indicar por x o número de passos que João deu e por x + 6 o número de passos que Antônio deu (como o passo de Antônio é menor, ele tem que dar mais passos). Temos: Tamanho passos,9 x + 6 1,1 x

6 6 Nesse caso as grandezas são inversamente proporcionais, porque quanto maior for o tamanho do passo, menos passos ele tem que dar para chegar a seu destino. Vamos inverter uma das grandezas:, 9 x, x, 9 ( x + 6), x + 6, x, 9x +, x, 9x, x x 7 passos, Acabamos de determinar a quantidade de passos que João deu, mas temos que determinar a distância percorrida por ele. Para isso, basta multiplicar o número de passos pelo tamanho de cada passo: 7 1,1 97 metros ) (FO/) Um cadete do FO gasta 1h1min para dar 1 voltas na PAM (Pista de Aplicação Militar), com velocidade de km/h. Reduzindo sua velocidade para 18 km/h para fazer o mesmo percurso, ele gastará a mais, o tempo de: a) 8mins c) 1min b) 9mins d) 1min1s onstruir a primeira situação do problema: Tempo (min) voltas velocidade 7 1 Veja que passamos o tempo para minutos para facilitar o cálculo. Segunda situação: Tempo (min) voltas velocidade 7 1 x 1 18 omo o nº de voltas é igual, estas não entrarão na resolução do exercício. As grandezas tempo e velocidade são inversamente proporcionais porque à medida que a velocidade vai diminuindo o tempo que ele gastará para percorrer o mesmo percurso irá aumentar - temos que inverter uma das grandezas: x. x x 8 Mas essa divisão não é exata e dá resto 6. omo dividimos por 18, podemos dizer que o resto é igual a 6 de minutos, e para transformar em segundos, basta 8 multiplicar esse valor por 6: 6 6 segundos Ele irá gastar 8 minutos e segundos. Mas a pergunta é quanto ele gastará a mais de tempo, deve-se diminuir o valor inicial ao resultado obtido: 8 min seg 7 min 8 min seg Alternativa A ) (esgranrio/téc./bndes/) O estoque de pó de café em um escritório é suficiente para seus 16 funcionários durante 6 dias. Depois de 1 dias, passam a trabalhar no escritório mais funcionários. Passados mais 1 dias, 1 funcionários são transferidos para outro escritório. Quantos dias mais durará o estoque de pó de café? a) b) c) d) e) Situação inicial: Funcionários dias 16 omo se passaram 1 dias, a quantidade de café irá durar para 6 1 dias com a quantidade inicial de funcionários. omo o número de funcionários aumentou em mais quatro, temos na segunda situação funcionários: Funcionários dias 16 x Essas grandezas são inversamente proporcionais porque quanto mais funcionários houver, menos dias o café irá durar (uma grandeza aumenta e a outra diminui). Vamos inverter uma das grandezas: 8 x 8 x dias x 6 Então agora, o café irá durar mais dias. Mas vão se passar mais 1 dias - o café irá durar por mais 1 dias, quando o número de funcionários irá diminuir de 1, daí teremos: Funcionários dias 1 x As grandezas são inversamente proporcionais: x x dias x Alternativa E ) (NE/ANA/) Suponha que A, B,, D sejam engrenagens acopladas, com,, 6 e 1 dentes, respectivamente. A D B Se A faz 1 voltas por minuto, então o número de voltas por minuto para D é: a) b) d) 1 c) 6 e)

7 O número de voltas que uma engrenagem dá e o número de dentes que ela possui são grandezas inversamente proporcionas, porque quando estiverem acopladas cada volta que a engrenagem grande der vai fazer com que a engrenagem pequena dê um número maior de voltas. Relacionar as engrenagens duas a duas: Engrenagem A com a engrenagem B Dentes voltas 1 x omo as grandezas são inversamente proporcionais, vamos inverter uma das grandezas: 6 x 6 x voltas x Ou seja, enquanto a engrenagem A dá voltas, a engrenagem B irá dar voltas. Engrenagem B com engrenagem : Dentes voltas 6 x As grandezas são as mesmas e continuam sendo inversamente proporcionais, daí temos: 6 6 6x 6 x x 6 voltas A engrenagem irá dar 1 voltas. Engrenagem com engrenagem D: Dentes voltas x As grandezas também são inversamente proporcionais, daí temos: 6 x 6 x x voltas 6) (TSP/6) Paula digita uma apostila em horas, enquanto Ana o faz em horas. Se Paula iniciar o trabalho, digitando nos primeiros minutos; o tempo necessário para Ana terminar a digitação da apostila é: a) 1 minutos c) 9 minutos b) 9 minutos d) 1 minutos omo elas trabalharam separadamente, deve-se primeiro determinar quanto do trabalho foi feito por Paula. Para fazer o cálculo, vamos trabalhar em minutos, usamos 1 minutos para indicar o tempo que Paula demoraria para fazer uma apostila: Tempo apostila 1 1 x Essas grandezas são diretamente proporcionais porque quanto menor for o tempo que ela digitar, menor será o número de páginas digitadas (quando uma grandeza diminui a outra também diminui). Vamos multiplicar cruzado: x x da apostila. Então Paula digitou 7. om isso ficaram faltando da apostila, que será feito por Ana, cuja capacidade de produção é de uma apostila em horas (18 minutos). Tempo apostila x As grandezas continuam sendo diretamente proporcionais, porque são as mesmas da situação anterior. 7 x 8, simplificando 18 e 1 por 1 obtemos; x minutos 7 Alternativa D 7) (Fumarc/BHTRANS/7) Uma máquina funcionando 6 horas por dia conclui um trabalho de perfuração fazendo 6 furos por minuto durante 1 dias. Se essa máquina for programada para fazer furos por minuto trabalhando horas por dia, a tarefa de perfuração será concluída em: a) 1 dias. c) 18 dias. b) 1 dias. d) dias Vamos representar o problema: Horas/dia furos/min dias x As grandezas horas/dia e dias são inversamente proporcionais porque quanto menos horas por dia a máquina trabalhar, mais dias irá gastar para fazer o serviço. As grandezas furos/min e dias também são inversamente proporcionais porque quanto menos furos a máquina fizer por minuto mais dias ela irá demorar. As grandezas horas/dia e furos/min devem ser invertidas x 6 x 6 6 x 6 6 x 8 dias 8) (VUNESP/Escrevente/TJ/SP/7) Numa editora, 8 digitadores, trabalhando 6 horas por dia, digitaram / de um determinado livro em 1 dias. Então, desses digitadores foram deslocados para um outro serviço, e os restantes passaram a trabalhar apenas horas por dia na digitação desse livro. Mantendo-se a mesma produtividade, para completar a digitação do referido livro, após o deslocamento dos digitadores, a equipe remanescente terá de trabalhar ainda a) 18 dias. b) 16 dias. d) 1 dias c) 1 dias. e) 1 dias.

8 8 Na primeira situação temos: Digitadores horas/dia livro dias 8 6 / 1 Na segunda situação teremos digitadores a menos, ou seja, 6 digitadores e, para terminar o livro, ainda faltarão / do mesmo para fazer. A nossa montagem fica: Digitadores horas/dia livro dias 8 6 / 1 6 / x As grandezas digitadores e dias são inversamente proporcionais porque quanto menos digitadores estiverem trabalhando, mais dias eles gastarão. As grandezas horas por dia e dias também são inversamente proporcionais porque quanto menos horas eles trabalharem por dia, mais dias irão gastar. A grandeza livro (quantidade digitada) e dias são diretamente proporcionais porque quanto menos trabalho eles tiverem, menos dias vão gastar. As grandezas digitadores e horas por dia devem ser invertidas: 6 x 8 6 Veja que pelo fato dos denominadores serem iguais não será necessário usá-los na hora dos cálculos. Simplificar o 6 do numerador com o 6 do denominador: x 6 dias (como os numeradores são iguais, podemos simplificá-los) x 8 x 6 9) (F..hagas/TRF/ES/7) Em uma gráfica, foram impressos 1. panfletos referentes à direção defensiva de veículos oficiais. Esse material foi impresso por três máquinas de igual rendimento, em horas e meia de funcionamento. Para imprimir. desses panfletos, duas dessas máquinas deveriam funcionar durante 1 horas, a) 1 minutos e segundos b) minutos e segundos c) 7 minutos e segundos d) minutos e segundos e) 8 minutos e segundos Representando o problema: Panfletos máquinas tempo ( segundos ) x Para passar de horas para segundos, basta multiplicar por.6 (,.6 9. seg). As grandezas panfletos e tempo são diretamente proporcionais porque, quanto mais panfletos tiverem que ser impressos, mais tempo vai demorar a impressão. As grandezas máquinas e tempo são inversamente proporcionais porque, quanto mais máquinas estiverem trabalhando, menos tempo elas gastarão para fazer a impressão. Vamos inverter somente a grandeza máquinas x. x.. x x 6. segundos. Dividindo por.6: 6. :.6 1 horas e sobram. segundos. Dividindo o resto por 6:. : 6 7 minutos e sobram segundos. Elas irão demorar 1 horas 7 minutos e segundos 1) (F..hagas/Téc./TRT/) Uma indústria tem máquinas. Sabe-se que 18 dessas máquinas têm todas a mesma eficiência e executam certo serviço em 1 horas de funcionamento contínuo. Se as máquinas restantes têm % a mais de eficiência que as primeiras, funcionando ininterruptamente, executariam o mesmo serviço em a) 7 horas e 1 minutos b) 7 horas e minutos d) 8 horas e minutos c) 7 horas e minutos e) 8 horas e minutos Para indicar a eficiência das 18 primeiras máquinas, vamos usar 1%. A partir daí, podemos dizer que as outras 16 máquinas têm uma eficiência de 1% (% a mais). Então temos: Máquinas eficiência horas x Vamos analisar as grandezas: As grandezas quantidades de máquinas e quantidade de horas são inversamente proporcionais, porque quanto mais máquinas estiveram trabalhando, menos tempo elas gastarão para fazer um serviço. As grandezas eficiência e tempo são inversamente proporcionais porque quanto maior a eficiência de uma máquina menos tempo ela irá gastar para fazer um determinado serviço. 6 como as grandezas são inversamente proporcionais invertemos as duas na hora de resolver o x 8 problema. 6 8 x 8 x 9 x 8 x 8 Para 8 x transformar 7, horas a parte decimal do número em minutos basta multiplicá-lo por 6., 6 minutos. A resposta é 7 horas e minutos.

9 Porcentagem O que significa um por cento? Um por cento representa uma parte em cem partes, ou seja quando dizemos um por cento (1%) de duzentos significa que devemos pegar o número duzentos e dividi-lo por cem. O resultado representa 1% de duzentos (:1), então é 1% de duzentos. No caso de %, deve-se pegar duas partes, ou seja, % de é. Para o cálculo de porcentagem pode-se fazer três tipos de conta: Usando fração Para isso deve-se escrever uma porcentagem na forma de fração: 1% ; 1% ; 1%. alcular % de :. 8, 8 Usando regra de três A maneira mais usada para o cálculo de porcentagem é através de uma regra de três. Para isso deve-se sempre comparar um valor a uma porcentagem. alcular % de 8 Não se pode esquecer que o total de alguma coisa será o nosso 1%. Nesse exemplo, o nosso 1% será 8: 8 1% x % Ou seja, colocar valor embaixo de valor e porcentagem embaixo de porcentagem. Multiplicar cruzado: x 8 x x Usando a representação decimal de uma porcentagem Por exemplo, ao dizer 1% significa que estamos dividindo 1 por 1, que dá como resultado,1. alcular 1% de 1., Exercícios resolvidos 1) (ESGRANRIO/Guarda Port./RO/7) Em 6, foram embarcadas, no Porto de Porto Velho, cerca de toneladas de madeira a mais do que em, totalizando 6.11 toneladas. Assim, em relação a, o embarque de madeira aumentou aproximadamente x %. Pode-se concluir que x é igual a: a) b) 8 d) 7 c) 6 e) 8 Se, em.6, foram embarcadas toneladas a mais do que em., iremos determinar a quantidade de madeira embarcada em. fazendo a diferença: toneladas Para o cálculo do aumento percentual deve-se considerar a quantidade embarcada em. como sendo o nosso 1%, daí calculamos a diferença percentual entre. e.6, fazendo: Toneladas % x Multiplicando cruzado, temos: 976 6x 976 x 7% 6 Alternativa D ) (F.. hagas/soldado/ma/6) Em dezembro de., a análise de uma amostra de água de um reservatório acusou um aumento de 18% de impurezas, em relação ao mês anterior. Em janeiro de.6, analisada outra amostra do mesmo reservatório, observou-se que houve uma redução de % de impurezas em relação às detectadas em dezembro. Relativamente ao mês de novembro, é correto afirmar que, em janeiro, as impurezas aumentaram em a) 1% b) 1,% d) 1% c) 1,1% e) 11,8% onsiderar 1 como sendo a quantidade de impurezas no mês de novembro. No mês de dezembro, tivemos um aumento de 18% de impurezas: 8 8, dando um total de impurezas. No mês de janeiro houve uma redução de % em relação ao preço de dezembro: 8. 9 Temos 118,9 11,1 impurezas De novembro a janeiro tivemos um aumento de 11,1 1 1,1 o que corresponde a 1,1% de 1 ) (NE/Adm. Finanças/Infraero/) João constatou que, no mês de dezembro, a venda de garrafas de água mineral em sua mercearia teve um aumento percentual de 1% com relação ao mês anterior. Sabendo que a mercearia de João vendeu 171 garrafas de água mineral em dezembro e que x representa o número de garrafas de água mineral vendidas em novembro, podemos afirmar que x é um número entre: a) 1 e 19 b) 19 e 16 d) 1 e 17 c) 16 e 1 e) 17 e 16 9

10 1 Em dezembro a venda foi de 171 garrafas, e essa quantidade representa 1% a mais do que em novembro. Pode-se dizer que 171 garrafas corresponde a 11% da quantidade vendida em novembro (para isso consideramos 1% a quantidade vendida em novembro). Deve-se resolver a seguinte regra de três: garrafas % x 1 Multiplicando cruzado temos: 7 x 7 x garrafas ) (NE/ANTT/) Um comerciante aumentou o preço de um certo produto em %. omo a venda do produto caiu, o comerciante, arrependido, pretende dar um desconto no novo preço de modo a fazê-lo voltar ao valor anterior ao aumento. Nesse caso, o comerciante deve anunciar um desconto de, aproximadamente: a) 1% b) 19% d) 8% c) % e) % Supor um preço inicial de R$ 1,. Inicialmente o comerciante deu um aumento de %: o preço do produto passará a ser de R$ 1, + R$, R$ 1, Para voltar ao preço original, deve-se retirar os R$, de R$ 1,, mas agora o nosso 1% será R$ 1,. R$ % 1 1 x Multiplicando cruzado, temos: x x % ) (Vunesp/Monitor/Pref. Louveira/7) Em uma sala, 7% da área total está livre, isto é, sem móveis ou objetos, e nesse espaço será colocado um tapete de, m por, m, que ocupará % desse espaço livre. A área total de sala corresponde a a) 16m b) 1m c) 1m d) 1m e) 8m : Vamos determinar a área do tapete multiplicando suas duas medidas: A, x,,8m Esse valor corresponde a % da área livre. alcular a área livre fazendo: Área %,8 x 1 Multiplicando cruzado, temos: 8 x, 8 x m Mas a área livre corresponde a 7% da área total. alcular a área total: Área % 1 7 x 1 Multiplicando cruzado, temos: 7x x 6m 7 Alternativa A 6) (TSP/6) Uma loja vende seus artigos nas seguintes condições: à vista com % de desconto sobre o preço da tabela ou no cartão de crédito com 1% de acréscimo sobre o preço de tabela. Um artigo que à vista sai por R$ 7.,, no cartão sairá por: a) R$ 7.7, c) R$ 1., b) R$ 1.1, d) R$ 11., O preço à vista está com um desconto de %, ou seja, esse valor representa 7% do preço de tabela. alcular o preço de tabela: R$ % 7. 7 x 1 Multiplicando cruzado temos: 7 7x 7 x 7 Ou seja R$ 1., é o preço de tabela, agora vamos determinar o acréscimo de 1% sobre esse preço: O preço no cartão será de R$ 1., + R$ 1., R$ 11., Alternativa D 7) (Fundep/Aux. Adm./Fhemig/7) Paulo comprou um aparelho de som e o revendeu com um lucro de % sobre o preço de venda. Nesse caso, o lucro que Paulo obteve sobre o preço de compra é de a) 1% b) % c) % d) % omo o lucro foi calculado sobre o preço de venda, vamos considerar esse preço de R$ 1,, temos um lucro de: Se o lucro foi de R$,, o preço de custo é dado pela expressão: usto + lucro venda custo venda lucro 1 8 O preço de custo dessa mercadoria foi de R$ 8,. Para calcular o percentual de lucro em relação ao custo, considerar o custo como 1%, daí temos: R$ % 8 1 x Multiplicando cruzado, temos: 8x x % 8

11 8) (esgranrio/téc./petrobras/8) Uma empresa tem, em sua tabela de preços de venda de produtos aos clientes, o valor sem desconto (cheio) para pagamento à vista de seus produtos. No mês de janeiro de 8, a empresa deu aos clientes um desconto de % sobre o valor da tabela. Já em fevereiro, o desconto passou a %. No mês de fevereiro, comparativamente a janeiro, houve, em relação aos preços, a) aumento de % b) aumento de 1% d) redução de % c) redução de 1% e) redução de % Para resolver esta questão, vamos supor um produto cujo preço seja de R$ 1,. Em janeiro foi dado um desconto de %: Se o desconto foi de R$,, então ele deverá pagar R$ 1, R$, R$,. Em fevereiro foi dado um desconto de %: Se o desconto foi de R$,, então ele deverá pagar R$ 1, R$, R$ 6, Vamos, agora, comparar os preços de janeiro e fevereiro. omo se quer saber qual o aumento que houve de janeiro para fevereiro, deve-se considerar o preço de janeiro como sendo 1%. Determinar a diferença entre os preços: R$ 6, R$, R$ 1, onsiderando o valor de janeiro como 1%, determinar qual a porcentagem que a diferença entre os preços representa através de uma regra de três: R$ % 1 1 x Multiplicando cruzado, temos: x x % Alternativa A 9) (ESAF/Téc./GU/8) Uma pequena cidade possui 1. habitantes, dos quais % são produtores rurais e 6% são do sexo masculino. Sabe-se que % das mulheres são produtoras rurais. Desse modo, o número de habitantes do sexo masculino e que são produtores rurais é igual a: a) 17 b) d) 6 c) e) 6 Nessa cidade 6% dos habitantes são do sexo masculino: omo o restante é do sexo feminino, temos: mulheres Em que % delas são produtoras rurais: 6.. Então 1.6 mulheres são produtoras rurais. 11 Mas no problema foi dito que % dos habitantes dessa cidade são produtores rurais:.. Temos então. produtores rurais, e 1.6 deles são mulheres. O número de homens que são produtores rurais é igual a: ) (F.. hagas/téc./trf/6) Em agosto de.6, Josué gastava % de seu salário no pagamento do aluguel de sua casa. A partir de setembro de.6, ele teve um aumento de 8% em seu salário e o aluguel de sua casa foi reajustado em %. Nessas condições, para o pagamento do aluguel após os reajustes, a porcentagem do salário que Josué deverá desembolsar mensalmente é a),% b) % d) % c) 7,% e),% Vamos supor que o salário de Josué seja de R$ 1,, daí tem-se que ele pagava de aluguel: Mas o salário dele teve um aumento de 8% 8 8 O novo valor de seu salário é de R$ 1, + R$ 8, R$ 18, Mas o aluguel teve um aumento de % 7 Daí o novo valor do aluguel será de R$, + R$ 7, R$ 7,. Determinar qual a porcentagem que o novo aluguel representa do novo salário: R$ % x Multiplicando cruzado, temos: 7 8x 7 x % 8 Alternativa D

12 1 11) (Fundep/Auxiliar/Fhemig/) Numa loja, o preço de um produto sofreu dois descontos consecutivos: o primeiro de 1% e o segundo de 18%. Qual a porcentagem equivalente se o desconto fosse feito de uma única vez? a) 11,8% b) 6,% c) 18,8% d) 8% omo neste exercício não foi dado o valor do produto, usar R$ 1, como referência. O primeiro desconto foi de 1%: 1% de 1 é igual a Diminuir esse valor do valor inicial: R$ 1 R$ 1 R$ 9 O segundo desconto irá incidir sobre o valor que sobrou, ou seja, sobre R$ 9, , Descontar esse valor de R$ 9: R$ 9 R$ 16, R$ 7,8 Após os dois descontos temos R$ 7,8, e para saber a porcentagem de desconto, (se ele fosse feito de uma única vez) basta subtrair R$ 7,8 do valor inicial: R$ 1, R$ 7,8 R$ 6, omo o nosso valor de referência foi de R$ 1,, então R$ 6, irá corresponder a 6,% desse valor 1) (UFG/Bibliotecário/7) Paulo trabalha em uma empresa e obteve uma promoção que acarretou um aumento de % em seu salário. No mês seguinte, todos os funcionários da empresa obtiveram um aumento salarial de 1%. Assim, em relação ao salário antes da promoção, o aumento salarial que Paulo obteve foi de a) %. b) %. c) %. d) %. Somar esse valor ao valor inicial: R$ 1, + R$, R$ 1, O segundo aumento irá incidir sobre esse novo valor. alcular então, 1% de R$ 1,: Somando R$ 1, com o valor do aumento temos: R$ 1, + R$ 1, R$ 1,. Em relação a R$ 1, ele teve um aumento total de R$, o que equivale a %. 1) (Fundep/Téc./âm. Mun./) Antônio comprou um aparelho de televisão, cujo preço à vista é R$,. Entretanto preferiu fazer o pagamento em duas parcelas iguais. A primeira delas foi paga no ato da compra. Nessa venda, o vendedor cobrou juros de % ao mês. Então é correto afirmar que o valor de cada parcela foi a) R$, b) R$,9 c) R$, d) R$ 6, omo não sabemos o valor da primeira parcela vamos chamá-la de x. A segunda parcela será o valor que falta para completar o pagamento depois de pagar a primeira parcela e podemos indicá-la por x, mas essa parcela será acrescida de % de juros, então devemos multiplicá-la por 1,., % + % +,. A segunda parcela será dada por 1, ( x). O enunciado diz que as parcelas devem ser iguais: x, ( x) x, x x +, x, x x,, 9 Supor um valor para o salário de Paulo, no caso de porcentagem, o melhor valor é R$ 1,. Inicialmente calcular % de R$ 1,

13 Juros Podemos dizer que juro é o rendimento de uma aplicação financeira como no caso de uma caderneta de poupança, ou é o valor que você paga pelo empréstimo de um dinheiro como no caso de uma financeira. Temos dois tipos de juro: simples e composto. Juro Simples O sistema de juro simples é aquele em que o rendimento é calculado sobre o capital inicial. Para o cálculo de juro simples i t usamos a seguinte fórmula: J onde : capital ou nominal (o valor aplicado ou emprestado ) i taxa de juro t tempo de aplicação. Nessa fórmula, a taxa de juros e o tempo deverão estar na mesma unidade (se a taxa de juros for mensal o tempo tem que estar também em meses). Montante é o valor final da aplicação, ou seja : M + J Juro omposto O sistema de juro composto é calculado sobre o último montante, ou seja, ele é atualizado periodicamente. Quando trabalhamos com o sistema composto, calculamos o montante da aplicação através da fórmula: M (1+i) n Onde n é o tempo da aplicação (número de períodos). Ao trabalhar com esta fórmula, a taxa ficará na sua forma unitária ou centesimal, ou seja, quando tivermos uma taxa de % devemos usar i, ( dividido por 1). DESONTO Imagine que você tem um título que vence daqui a vários meses mas você está precisando do dinheiro desse título hoje. Você procura uma instituição financeira para descontar esse título. Essa instituição irá descontar o título, mas irá cobrar pelo serviço. O valor cobrado pela instituição é chamado de desconto. Vamos chamar o valor do título na data de seu vencimento de Valor Nominal ou Valor Futuro. O valor que você irá receber nessa operação é chamado de Valor Atual ou Valor Presente. O desconto será a diferença entre eles: D N V A Há duas modalidades de desconto: Desconto simples e Desconto composto. DESONTO SIMPLES O desconto simples é aquele calculado usando-se o conceito de juro simples. Existem duas modalidades de desconto simples: comercial e racional. Vamos agora ver como calcular o valor atual nesses dois casos: 1 Desconto comercial simples (por fora) No caso do desconto comercial simples calculamos o valor presente (atual) multiplicando o valor nominal pelo fator (1 i n). V A N (1 i n) Em que o desconto é dado por: D N V A Ex: Um título no valor de R$., é descontado dois meses antes de seu vencimento. Sabendo-se que para essa operação foi usada uma taxa de desconto comercial simples de % ao mês. alcule o valor do desconto. Solução: VA N ( i. n). (, ). (, )., D N V A Desconto racional simples (por dentro) Neste caso calculamos o valor presente dividindo o valor Nominal pelo fator (1+ i n) E o desconto é dado por: D n v A Ex: Um título no valor de R$., é descontado dois meses antes de seu vencimento. Sabendo-se que para essa operação foi usada uma taxa de desconto racional simples de % ao mês, calcule o valor do desconto. N V A ( + i n).. V A 9. 7, ( +,. ), D N V A. 9. 7, 788, 6 DESONTO OMPOSTO No desconto composto também temos as duas modalidades, comercial e racional. A diferença é que agora devemos usar o fator de acumulação de capital ( 1 + i ) n para fazer os cálculos. Desconto comercial composto (por fora) No caso do desconto comercial composto, calculamos o valor presente multiplicando o valor nominal pelo fator (1 i) n : V N i A ( ) n Onde o desconto é dado por: D n v A Ex: Um título no valor de R$., é descontado dois meses antes de seu vencimento. Sabendo-se que para essa operação foi usada uma taxa de desconto comercial composto de % ao mês, calcule o valor do desconto.

14 1 Solução: n VA N ( i) V A. (, )., , D N V A , 8, 8 Desconto racional composto (por dentro) Neste caso calculamos o valor presente dividindo o valor nominal pelo fator de acumulação de capital (ou seja, estamos descapitalizando o valor futuro). N VA n ( + i) E o desconto é dado por: D n v A Ex: Um título no valor de R$., é descontado dois meses antes de seu vencimento. Sabendo-se que para essa operação foi usada uma taxa de desconto comercial composto de % ao mês, calcule o valor do desconto. N VA n ( + i).. V A 9. 7, 96 ( +, ), D N V A. 9. 7, , Resumindo: Valor Atual omercial (por fora) Racional (por dentro) Simples VA N ( i n ) V N A ( + i n) omposto n VA N ( i) N VA n ( + i) O desconto bancário é o desconto omercial (podendo ser simples ou composto) às vezes acrescido de taxas bancárias. Exercícios resolvidos 1) (onesul/arteiro/sp/6) Aplicando-se R$ 6, durante quinze meses a uma taxa de juros simples de 1,7% ao mês, ao final do período o montante será, em reais, igual a a) 8,6. b) 81,7. d) 8,. c) 81,87. e) 8,7. Nesse exercício temos: 6,; t 1 meses e i 1,7% ao mês. Aplicar a fórmula de juro simples: i t 6, , J 7, 6 omo o montante é a soma do capital aplicado com os juros obtidos, temos que: M 6, + 17,6 8,6 Alternativa A ) (Fumarc/MGI/) Uma concessionária vende um automóvel por R$., à vista. A prazo, vende por R$.97,, sendo R$., de entrada e o restante daqui a meses. Na venda a prazo, a taxa de juros simples mensal cobrada foi de: a),% c),% b),% d),% Vamos inicialmente abater a entrada do valor total:.,., 17., que é o valor que será financiado. O valor a prazo que o automóvel será vendido é de R$.97,, abatendo a entrada temos: R$.97,., 19.97, O que nós dá um total de juros cobrados de 19.97, 17.,.97, Aplicar a fórmula de juros simples sabendo que o prazo em que será efetuado o pagamento é de meses: i t 7. i J i. 97 i, % ao mês 8 ) (Vunesp/Oficial/MPE/SP/6) Um certo capital foi aplicado a juro simples durante 8 meses, gerando um montante de R$ 9.6,. Esse montante foi novamente aplicado por mais meses, à mesma taxa de juro da aplicação anterior e gerou R$ 96, de juros. O capital inicialmente aplicado foi a) R$ 7.,. b) R$ 7.,. d) R$ 7.9,. c) R$ 7.8,. e) R$ 8.,. Para resolver essa questão, fazer a parte final primeiro, em que temos: J 96,; t meses e 9.6, (o montante da aplicação anterior é o capital desta aplicação). Determinar a taxa usada através da fórmula de juro simples: i t 96 i J i i, 8 A taxa de juros usada foi de,% ao mês Vamos calcular o montante inicial através da primeira aplicação onde temos: M 9.6,; t 8 meses e i,% ao mês Substituir na fórmula do montante: M + J +, , 96 96, 8., Alternativa E

15 ) (Fumarc/BHTRANS/7) Uma entidade assistencial dividiu a aplicação de R$ 1., em duas aplicações: a primeira parte rendeu juros de 8% ao ano e a segunda parte foi remunerada a uma taxa de 1% ao ano. Se, no prazo de um ano, os juros recebidos pelas aplicações foram iguais, o capital inicial referente à primeira e à segunda aplicação são, respectivamente, iguais a: a) R$., e R$ 6.,. b) R$ 6., e R$.,. c) R$ 7., e R$.,. d) R$ 8., e R$.,. O capital de R$ 1., foi dividido em duas partes, mas como não sabemos se elas são iguais vamos chamar uma delas de x e a outra de 1. x que representa o que sobrou da primeira aplicação. Quando a aplicação tem duração de 1 período não faz diferença usar juros simples ou composto, então usaremos juros simples. No exercício foi dito que os juros das duas aplicações são iguais, então vamos fazer: J 1 J i t i t ou seja: ortando os denominadores e substituindo os valores do problema: x 8 ( x) 8x x 8x + x x x 6 Ou seja, foi aplicado R$ 6., na primeira aplicação, e conseqüentemente R$., na segunda aplicação. ) (F.. hagas/téc./trt/) Um capital foi aplicado a juros simples da seguinte maneira: metade à taxa de 1% ao mês por um bimestre, à taxa de % ao mês por um trimestre e o restante à taxa de % ao mês durante um quadrimestre. O juro total arrecadado foi de R$ 8,. O capital inicial era a) R$.8, b) R$ 8., d) R$ 1., c) R$ 1., e) R$ 1.8, O capital foi dividido em três aplicações: Aplicação 1: ; i 1% ao mês; t meses (1 bimestre) Aplicação : ; i % ao mês; t meses (1 trimestre) Na terceira aplicação foi usado o restante. Para calcular o seu valor, primeiro determinar quanto já foi aplicado: Então o restante é (o que falta para completar um inteiro), então temos: Aplicação : ; i % ao mês; t meses (1 quadrimestre) O juro total, ou seja, das três aplicações juntas, foi de R$ 8,. Vamos aplicar a fórmula de juro simples, sabendo que o juro foi obtido da soma das três aplicações: i t i t i t J + + Substituindo os valores temos: O mmc de, e 1. é ortando os denominadores e somando os numeradores, temos: ) (NE/ANTT/) Você está pensando em contrair uma dívida em um banco que cobra 1% de juros mensal sobre o saldo devedor. Por exemplo, se você pegar R$1, emprestados, ao final de um mês estará devendo R$11,. Se, ao final desse primeiro mês, você pagar apenas R$, dos R$11,, deverá, no mês seguinte, R$99, (os R$9, que ficou devendo mais os 1% de juros). Imagine que você resolva tomar emprestados R$, e que seu plano seja pagar R$1, ao final do primeiro mês, R$1, ao final do segundo mês, R$1, ao final do terceiro mês e quitar a dívida no quarto mês. Nesse caso, você terá de pagar, no quarto mês, a seguinte quantia, em reais: a), b) 6, d) 98,9 c) 67,9 e) 1, Valor emprestado: R$, Juro do primeiro mês Valor pago no primeiro mês: R$ 1, Saldo devedor do primeiro mês: R$, + R$, R$ 1, R$, Juro do segundo mês Valor pago no segundo mês: R$ 1, Saldo devedor do segundo mês: R$, + R$, R$ 1, R$ 9, Juro do terceiro mês: 9 9, Valor pago no terceiro mês: R$ 1, Saldo devedor do terceiro mês: R$ 9, + R$ 9, R$ 1, R$, Juro do quarto mês:,, Saldo devedor no quarto mês: R$, + R$, R$ 67,9

16 16 7) (esgranrio/téc./petrobras/8) Se o capital for igual a / do montante e o prazo de aplicação for de anos, qual será a taxa de juros simples considerada? a) % a.a. b) 16,67% a.a. d) 16,67% a.m. c) % a.m. e) 1,% a.m. Neste exercício temos: M e t anos O montante de uma aplicação é a soma do capital mais os juros: M + J Então temos: M M M M M + J J J i t Mas J, então: M i t M M M i i M M M i i % ao ano M Alternativa A 8) (Fundep/Téc./âm. Municipal/) Antônio comprou um aparelho de televisão, cujo preço à vista é R$,. Entretanto preferiu fazer o pagamento em duas parcelas iguais. A primeira delas foi paga no ato da compra. Nessa venda, o vendedor cobrou juros de % ao mês. Então é correto afirmar que o valor de cada parcela foi a) R$, b) R$,9 c) R$, d) R$ 6, Neste caso não sabemos o valor de cada parcela, então chamaremos a primeira de x. A segunda parcela será a diferença entre o valor do aparelho menos o valor da primeira parcela, ou seja, x, mas esta parcela tem que ser acrescida de % de juros, então temos: x +. ( x ) x +, ( x) x +,x 1,x A primeira parcela vale x e a segunda 1,x, mas como as duas parcelas têm que ser iguais, devemos igualá-las:, x x x +, x, x x, 9, 9) (Fundep/Auxiliar/Fhemig/) Qual é o montante de um capital de R$1.,, aplicado a juros compostos, durante meses, à taxa de 1% ao mês? a) R$ 1.1, b) R$ 1., c) R$ 1.1, d) R$ 1., Para o cálculo do montante vamos usar a fórmula M (1 + i ) n, onde 1.; n meses e i,1 (devemos sempre dividir o valor por 1). M ( + i) n. ( +, )., Em que:,,,,, Daí temos: M.,.,,., Alternativa A 1) (Fundep/BDMG/) Pedro fez uma certa aplicação a juros compostos de 6% ao mês. No fim do primeiro trimestre de aplicação, o montante era de R$.,. Nesse caso, o capital investido por Pedro foi de, aproximadamente a) R$ 16., b) R$ 16.79, c) R$ , d) R$ 17.1, Nesse problema temos n meses, i,6 ( 6% ao mês) e M.. Para descobrir o valor do capital aplicado vamos usar a fórmula do montante a juros compostos: n M ( + i). ( +, 6)., 6 alcular primeiro o valor de, 6, 6, 6, 6, 9 Substituindo na expressão anterior:, , 9

17 Testes 1) (AADEPOL/Esc./MG/) Numa delegacia de Belo Horizonte, dos 7 detentos 6 são mulheres, destas já foram condenadas. Pode-se afirmar que o percentual de mulheres detidas que não foram condenadas é, aproximadamente: a) 11% b) 16,7% d) 18,7% c) 18% e),% ) (AADEPOL/Esc./MG/) Do total de policiais que servem certa região do estado de Minas Gerais, % são mulheres. Destas, 1% ingressaram na polícia na década de 9. Se o número de mulheres policiais que não ingressaram na década de 9 é, o total de policiais dessa região é: a) 68 b) 1. d) 1. c) 8 e) 7 ) (AADEPOL/Esc./MG/7) Três pessoas A, B, e formaram uma empresa, tendo contribuído, respectivamente, com os capitais de R$1.,, R$1., e R$1.,. No final de um ano, a empresa lucrou o montante de R$111.,. Deste lucro, a terça parte foi utilizada para investimentos na própria empresa e o restante distribuído aos sócios A, B e, em partes proporcionais aos seus capitais de participação na sociedade. Desta forma, pode-se concluir que o sócio B retirou: a) R$9., c) R$6., b) R$., d) R$., ) (AADEPOL/Esc./MG/7) onsidere a tabela abaixo: Evolução das receitas do café industrializado Agosto/Novembro - MESES VALOR (US$ milhões) Agosto 7, Setembro 89,7 Outubro 6, Novembro 99,8 Total 8,1 Dados fictícios. Pode-se afirmar que a redução percentual da receita do mês de outubro para o mês de setembro foi de, aproximadamente: a) 7,1% c),67% b) 7,8% d) 18,17% ) (AADEPOL/Esc./MG/) Em determinada ala de um presídio, há 1 detentos. Sabendo que 98% tem abaixo de anos, o número de presidiários dessa faixa etária que precisam sair dessa ala para que o percentual citado caia para 96% é a) 1 b) d) 8 c) e) 17 6)(AADEPOL/Perito/MG/) Um agiota foi detido e, em seu depoimento, disse que emprestava dinheiro a uma taxa de % ao mês. Sabendo que ele descontava os juros no momento do empréstimo, a taxa mensal efetivamente cobrada pelo agiota é de a),% b) 1% d) % c),% e) % 7) (acafe/prof./pref. Jaraguá do Sul/7) O governo federal, ao efetuar a restituição de impostos, permite que os contribuintes consumam mais. O gasto de cada contribuinte torna-se receita para outros contribuintes que, por sua vez, fazem novos gastos. ada contribuinte poupa 1% de suas receitas, gastando todo o resto. O valor global, em bilhões de reais, do consumo dos contribuintes a ser gerado por uma restituição de impostos de bilhões de reais, é: a). c) 6. b) 6. d) 18. 8) (acafe/senai/6) Duas garotas realizam juntas, em dias, um serviço de digitação. Se trabalhar sozinha, a primeira leva dias e meio menos que a segunda para fazer o mesmo serviço. O tempo, em dias, que cada uma leva para fazer o serviço, é: a) e, b) e 7, d) e, c) e 6, e), e 6 9) (acafe/senai/6) Um senhor fez um testamento para dividir seu patrimônio de R$ 18., entre seus dois netos, um de anos e outro de anos. alculando que o mais novo gastaria mais dinheiro para se formar, enquanto o mais velho já estava ganhando com seu trabalho, quis que a divisão fosse feita inversamente proporcional às suas idades. omo o avô morreu anos após ter feito o testamento, o neto mais novo herdou, em reais, a quantia de: a) 1 mil b) 8 mil d) 9 mil c) 1 mil e) 1 mil 1) (AAFE/FMP/7) om relação à dengue, o setor de vigilância sanitária de um determinado município registrou o seguinte quadro, quanto ao número de casos positivos: em fevereiro, relativamente a janeiro, houve um aumento de % em março, relativamente a fevereiro, houve uma redução de %. Em todo o período considerado, a variação foi de a) Não houve variação. c) 1%. b) - %. d) - %. 11) (AAFE/FMP/7) om uma lata de tinta é possível pintar m de parede. Para pintar as paredes de uma sala de 8m de comprimento, m de largura e m de altura (desconsidere as janelas e portas) se gasta uma lata e mais uma parte da segunda lata. Qual a porcentagem de tinta que restou na segunda lata após o término do serviço? a) 6% b) % c) % d) %

18 18 1) (AAFE/FMP/7) Uma pizzaria vende pizzas com preços proporcionais às suas áreas. Se a pizza média tiver raio igual a 8% do raio da grande e a pizza pequena tiver como raio a metade do raio da média, pode-se afirmar: (considere π,1). a) O preço da pizza média é o dobro da pizza pequena. b) O preço da pizza média é 6% do preço da pizza grande. c) Se a pizza grande custar R$, a pizza média custará R$ 16,. d) Se a pizza grande custar R$, a pizza média custará R$ 8,. 1) (AAFE/FO/6) Em uma cidade existem dois cursos, A e B, que preparam alunos para o vestibular. Se A aprovou 18 de 7 alunos e B aprovou 99 de alunos, está correto afirmar que a aprovação dos alunos do curso A é: a) igual ao do B. b) % superior ao do B. c) % inferior ao do B. d) 9% superior ao do B. e) 9% inferior ao do B. 1) (UERJ/7) João abriu uma caderneta de poupança e, em 1º de janeiro de 6, depositou R$, a uma taxa de juros, nesse ano, de %. Em 1º de janeiro de 7, depositou mais R$ 1.,. Para que João tenha, nessa poupança, em 1º de janeiro de 8, um montante de R$ 1.8,, a taxa de juros do segundo ano deve corresponder a: a) 1% b) 1% c) 16% d) 18% 1) (UFMG/7) Após se fazer uma promoção em um clube de dança, o número de frequentadores do sexo masculino aumentou de 6 para 8 e, apesar disso, o percentual da participação masculina passou de % para %. onsiderando-se essas informações, é correto afirmar que o número de mulheres que frequentam esse clube, após a promoção, teve um aumento de a) 76%. b) 81%. c) 8%. d) 9%. Gabarito 1) A ) B ) ) A ) E 6) D 7) 8) B 9) E 1) D 11) A 1) B 1) 1) B 1) D Errata - ódigo Matemática Gabarito Página 1, questão n 1, item b onde se lê 1, leia-se. Página 1, questão n 8, item d onde se lê, leia-se. Página 17, questão n, item e onde se lê 1,6, leia-se 1,. Página 1, questão n 6, item c onde se lê, leia-se. Página 1, questão n 6, item d onde se lê 6, leia-se 9 6. Página 6, questão n onde se lê 7 cm, leia-se 18 cm. Página 7, questão n 7 onde se lê D, leia-se A. Página 9, questão n onde se lê D, leia-se B. Página 9, questão n 1, item c onde se lê c) 6, leia-se c). Página, questão n 1, item d onde se lê V {( 1, 1 )}, leia-se V {(1, 1)}. Página 1, questão n onde se lê 1, leia-se 9. Página 1, questão n onde se lê ± 6, leia-se ±. Página, questão n 9 onde se lê, leia-se. Página 61, questão n, item c onde se lê x y, x + leia-se x y +. x Página 6, questão n 1, Aprendizagem e Fixação onde se lê A 1, leia-se A. Página 68, questão n 1 onde se lê S , leia-se S Página 69, questão n, item a onde se lê 7.1 livros, leia-se 7.8 livros. Página 69, questão n, item b onde se lê dias, leia-se dias. Página 7, item 6, completar a teoria quando multiplicamos ou dividimos uma linha por um número, o determinante fica multiplicado ou dividido também por esse número. Página 7, item 7, completar a teoria quando multiplicamos ou dividimos uma coluna por um número, o determinante fica multiplicado ou dividido também por esse número. Página 81, questão n onde se lê 7, leia-se 6. Página 8, questão n, onde se lê x + 1x + x + 18x + 81, leia-se x + 1x + x + 18x a. Página 116, questão n onde se lê a, leia-se Página 1, questão n 9 onde se lê D, leia-se A. Página 1, questão n 1 onde se lê A, leia-se D. Estudo Real Edições - 8 1

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

APRESENTAÇÃO INICIAL... 2 CONSTANTE DE PROPORCIONALIDADE (K)...

APRESENTAÇÃO INICIAL... 2 CONSTANTE DE PROPORCIONALIDADE (K)... AULA DEMONSTRATIVA 1. APRESENTAÇÃO INICIAL... 2 CONSTANTE DE PROPORCIONALIDADE (K)... 3 2.1. EXERCÍCIOS RESOLVIDOS... 3 3. DIVISÃO PROPORCIONAL... 4 3.1. GRANDEZAS DIRETAMENTE PROPORCIONAIS... 4 4. REGRAS

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

TÉCNICO EM CONTABILIDADE MATEMÁTICA FINANCEIRA MÓDULO 1 ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA 2012

TÉCNICO EM CONTABILIDADE MATEMÁTICA FINANCEIRA MÓDULO 1 ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA 2012 2012-1 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA 1 Explicando o funcionamento da disciplina e a avaliação. Serão 2 aulas semanais onde os conteúdos serão abordados, explicados e exercitados.

Leia mais

Exercícios base para a prova 2 bimestre e final

Exercícios base para a prova 2 bimestre e final Exercícios base para a prova 2 bimestre e final Razão e proporção 1) Calcule a razão entre os números: a) 3 e 21 b) 0,333... e 2,1 2) Determine a razão entre a terça parte de 0,12 e o dobro de 0,1. 3)

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1 2 INTRODUÇÃO: O principal conceito que orientará todo o nosso raciocínio ao longo deste curso é o conceito do valor do dinheiro no tempo. Empréstimos ou investimentos realizados no presente terão seu valor

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

Matemática Financeira Módulo 2

Matemática Financeira Módulo 2 Fundamentos da Matemática O objetivo deste módulo consiste em apresentar breve revisão das regras e conceitos principais de matemática. Embora planilhas e calculadoras financeiras tenham facilitado grandemente

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS Nome: Ano: 3º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº 02 Assunto: JUROS E PORCENTAGENS 1) Porcentagem Definição: É uma fração que indica a participação de uma quantidade sobre um todo.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

Módulo 6 Porcentagem

Módulo 6 Porcentagem Professor: Rômulo Garcia machadogarcia@gmail.com Conteúdo Programático: Razões e proporções, divisão proporcional, regras de três simples e compostas, porcentagens Site: matematicaconcursos.blogspot.com

Leia mais

Módulo de Juros e Porcentagem. Juros Simples e Compostos. Sétimo Ano

Módulo de Juros e Porcentagem. Juros Simples e Compostos. Sétimo Ano Módulo de Juros e Porcentagem Juros Simples e Compostos Sétimo Ano Juros Simples e Compostos 1 Eercícios Introdutórios Eercício 1. Um investidor quer aplicar a quantia de R$ 800, 00 por 3 meses, a uma

Leia mais

Prof. Ulysses Sodré - E-mail: ulysses@uel.br Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 9 Porcentagem 10. 10 Juros Simples 12

Prof. Ulysses Sodré - E-mail: ulysses@uel.br Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 9 Porcentagem 10. 10 Juros Simples 12 Matemática Essencial Proporções: Aplicações Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 25 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré - E-mail: ulysses@uel.br Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Manuel MATEMÁTICA FINANCEIRA 01. (UNEB-2008) O proprietário de um imóvel contratou uma imobiliária para vendê-lo, pagando-lhe 5% do valor obtido na transação. Se a imobiliária recebeu R$ 5.600,00,

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6. 1. Números Proporcionais...7

APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6. 1. Números Proporcionais...7 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6 1. Números Proporcionais...7 2. Operações sobre Mercadorias... 12 2.1 - Preços de custo e venda:...13 2.2 - Lucros e Prejuízos:...13 3. Taxa de Juros...17 3.1 -

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas

matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 08 matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Especialização em Matemática para Professores do Ensino Básico MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO Gleison Silva Vilefort Costa Belo Horizonte 2015

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

Principais Conceitos CAPÍTULO 1

Principais Conceitos CAPÍTULO 1 Principais onceitos APÍTULO 1 Principais onceitos O estudo da Matemática Financeira pode ser resumido como sendo a análise do valor do dinheiro ao longo do tempo. Diariamente nos deparamos com situações

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias.

Os conteúdos estão apresentados de forma didática e por meio de exemplos. Sugerese, como complemento, a utilização de outras bibliografias. MATEMÁTICA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Caro aluno, A partir de agora, iremos começar os estudos de matemática comercial. O objetivo deste curso é propiciar uma introdução dinâmica sobre o assunto, de maneira

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA Razão, Proporção,Regra de, Porcentagem e Juros PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 RAZÃO, PROPORÇÃO E GRANDEZAS Razão é o quociente entre dois números não nulos

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010.

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. Olá pessoal! Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. 01. (Fundação CASA 2010/VUNESP) Em um jogo de basquete, um dos times, muito mais forte, fez 62 pontos a mais que o seu

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução das questões de MATEMÁTICA da prova para o cargo de Técnico Bancário do Banco da Amazônia (BASA) 2015. Caso você entenda

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado?

1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado? 1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado? a) 3 meses e 3 dias b) 3 meses e 8 dias c) 2 meses e 23 dias d) 3 meses

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

Lista de Exercícios 10 Matemática Financeira

Lista de Exercícios 10 Matemática Financeira Lista de Exercícios 10 Matemática Financeira Razão Chama-se de razão entre dois números racionais a e b, ao quociente entre eles. Indica-se a razão de a para b por a/b ou a:b. Exemplo: Na sala da 6ª B

Leia mais

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples UFS FM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTIA MTM 5151 MATEMÁTIA FINAEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 1 JUROS SIMPLES onceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples Juro j É uma compensação

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira Parte 01

Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Autor: Guilherme Yoshida Facebook: facebook.com/guilhermeyoshida90 Google+: https://plus.google.com/108564693752650171653 Blog: Como Calcular Curta a Página do

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 28 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito 216 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M9 Noções de Matemática Financeira

Matemática. Resolução das atividades complementares. M9 Noções de Matemática Financeira Resolução das atividades complementares Matemática M9 Noções de Matemática Financeira p. 9 1 (Cesesp-PE) Suponha que uma classe constituída de rapazes e moças tenha 0 alunos, dos quais 6 são moças. Assinale

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II Gabarito das utoatividades (DSÇÃO/ÊS OBS) 2010/2 ódulo USSLV D GBO DS UOVDDS GBO DS UOVDDS D 3 UDD 1 ÓPO 1 1 Defina a atemática inanceira..: atemática inanceira é uma disciplina que estuda o valor do

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma breve revisão, de caráter mais teórico, sobre o conceito de porcentagem e juros. Na segunda parte, os alunos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A Matemática Financeira como elemento de contextualização crítica no Ensino Fundamental - Prof. Ilydio Sá 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

I.MATEMÁTICA FINANCEIRA

I.MATEMÁTICA FINANCEIRA I.MATEMÁTICA FINANCEIRA 1. CONCEITOS BÁSICOS Aplicações: no atual sistema econômico, como financiamentos de casa e carros, realizações de empréstimos, compras a crediário ou com cartão de crédito, aplicações

Leia mais

FRAÇÕES TERMOS DE UMA FRAÇÃO NUMERADOR 2 TRAÇO DE FRAÇÃO DENOMINADOR. DENOMINADOR Indica em quantas partes o todo foi dividido.

FRAÇÕES TERMOS DE UMA FRAÇÃO NUMERADOR 2 TRAÇO DE FRAÇÃO DENOMINADOR. DENOMINADOR Indica em quantas partes o todo foi dividido. FRAÇÕES TERMOS DE UMA FRAÇÃO NUMERADOR TRAÇO DE FRAÇÃO DENOMINADOR DENOMINADOR Indica em quantas partes o todo foi dividido. NUMERADOR - Indica quantas partes foram consideradas. TRAÇO DE FRAÇÃO Indica

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

REGRA DE TRÊS Este assunto é muito útil para resolver os seguintes tipos de problemas:

REGRA DE TRÊS Este assunto é muito útil para resolver os seguintes tipos de problemas: ÁLGEBRA Nivelamento CAPÍTULO VI REGRA DE TRÊS REGRA DE TRÊS Este assunto é muito útil para resolver os seguintes tipos de problemas: 1) Num acampamento, há 48 pessoas e alimento suficiente para um mês.

Leia mais

Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês

Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês 19/12/2005 Resolução da prova de Matemática Financeira AFRF/2005 Prova 1-Tributária e Aduaneira-Inglês Questão 31. Ana quer vender um apartamento por R$400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA AUTORIA: Prof Edgar Abreu CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL 2010 DA CEF 1. Funções exponenciais e logarítmicas. 2. Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos:

Leia mais

% de usuários. essa resposta

% de usuários. essa resposta PROVA DE MATEMÁTICA E FINANCEIRA BANCO DO BRASIL 007 - A numeração segue a ordem do caderno YANQUE. ENUNCIADO PRINCIPAL Segurança: de que forma você cuida da segurança da informação de sua empresa? Resultado

Leia mais

Soluções integrais. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo. Soluções do Capítulo 1

Soluções integrais. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo. Soluções do Capítulo 1 Soluções integrais Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo Soluções do Capítulo 1 Basta somar os valores, lembrando que seta para baixo indica valor

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (MDIC 2002 ESAF) Um contrato prevê que aplicações iguais sejam feitas mensalmente em uma conta durante doze meses com o objetivo

Leia mais

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses.

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses. JUROS COMPOSTOS Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados até o período de montante anterior. Neste regime de capitalização a

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i.

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i. MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia AULA 1 - Juros Simples Juros Simples é o processo financeiro onde apenas o principal rende juros, isto é, os juros são diretamente proporcionais ao capital empregado.

Leia mais

Deixo para ajudar nos seus estudos 15 testes resolvidos e comentados. Ótimos estudos e conte conosco sempre.

Deixo para ajudar nos seus estudos 15 testes resolvidos e comentados. Ótimos estudos e conte conosco sempre. TESTES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLVIDOS Deixo para ajudar nos seus estudos 15 testes resolvidos e comentados. Ótimos estudos e conte conosco sempre. Prof Pacher Testes 1. (ESAF) Admita-se que uma duplicata

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 7. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 7. uso escolar. Venda proibida. 7 ENSINO FUNDAMENTAL 7- º ano Matemática Atividades complementares Este material é um complemento da obra Matemática 7 Para Viver Juntos. Reprodução permitida somente para uso escolar. Venda proibida.

Leia mais

CURSO FREE PMES PREPARATÓRIO JC

CURSO FREE PMES PREPARATÓRIO JC CURSO FREE PMES PREPARATÓRIO JC Geometria CÍRCULO Área A = π. r 2 π = 3,14 Perímetro P = 2. π. r RETANGULO Área A = b. h Perímetro P = 2b + 2h QUADRADO Área A = l. loua = l 2 Perímetro TRIÂNGULO P = 4l

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir Introdução à Matemática Financeira Valor do dinheiro no tempo Moeda Antes de detalharmos a Matemática Financeira, vejamos algumas definições sobre o que são moeda e capital. Moeda é o meio que facilita

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA PORCENTAGEM É sempre uma regra de três simples, diretamente proporcional. 30 30% = = 0,30 100 3 3% = = 0,03 100 Ex: a) Calcule 10% de 20% b) Calcule (10%) 2 c) Calcule 100 % EXERCÍCIOS 01) Um comerciante

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES. Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões dos cargos 4 e 5 da prova da ANTAQ. Caso você entenda que cabe recurso em relação a alguma questão, não hesite

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Matemática para Concursos - Provas Gabaritadas. André Luiz Brandão

Matemática para Concursos - Provas Gabaritadas. André Luiz Brandão Matemática para Concursos - Provas Gabaritadas André Luiz Brandão CopyMarket.com Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a autorização da Editora. Título:

Leia mais

INEDI Cursos Profissionalizantes. Técnico em Transações Imobiliárias. Noções de. Matemática Financeira MÓDULO 02

INEDI Cursos Profissionalizantes. Técnico em Transações Imobiliárias. Noções de. Matemática Financeira MÓDULO 02 INEDI Cursos Profissionalizantes Técnico em Transações Imobiliárias Noções de Matemática Financeira MÓDULO 02 BRASÍLIA 2011 Os textos do presente Módulo não podem ser reproduzidos sem autorização do INEDI

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 10 matemática Juros Compostos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Pré Vestibular Verbo Estudantil / Matemática - Prof. Marcus Leone Mota

Pré Vestibular Verbo Estudantil / Matemática - Prof. Marcus Leone Mota LISTA 04 SEQUÊNCIAS, PROGRESSÕES ARITMÉTICAS, GEOMÉTRICAS E MATEMÁTICA FINANCEIRA. 1 - (UESB) Um estacionamento cobra R$1,50 pela primeira hora. A partir da segunda, cujo valor é R$1,00 até a décima segunda,

Leia mais

Curso. Matemática Financeira com HP 12C

Curso. Matemática Financeira com HP 12C Seja Bem Vindo! Curso Matemática Financeira com HP 12C Carga horária: 25hs Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

1. Vou fazer uma aplicação a juros simples, sabendo que a taxa oferecida é de 24% ao ano. Qual a taxa mensal proporcional a taxa oferecida?

1. Vou fazer uma aplicação a juros simples, sabendo que a taxa oferecida é de 24% ao ano. Qual a taxa mensal proporcional a taxa oferecida? LISTA DE EXERCÍCIOS FUNDAMENTOS DA MATEMÁTICA Prof. Marcos Calil REGRA DE TRÊS SIMPLES E PORCENTAGEM 1. Vou fazer uma aplicação a juros simples, sabendo que a taxa oferecida é de 24% ao ano. Qual a taxa

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Matemática e suas Tecnologias Matemática

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Matemática e suas Tecnologias Matemática Atividade extra Exercício 1 Um microondas custa R$ 300,00 e possui um desconto de 15% no pagamento à vista. Qual o valor do microondas à vista? (a) R$ 285,00 (b) R$ 255,00 (c) R$ 270,00 (d) R$ 215,00 Exercício

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO

MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I PROF: EDUARDO PICANÇO, D.Sc. MATEMATICA FINANCEIRA PARA ADMINISTRAÇÃO Autores: Eduardo Picanço Guilherme Guimaraes

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito 216 questões com cabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais