TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º /00 ACORDÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 18.671/00 ACORDÃO"

Transcrição

1 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º /00 ACORDÃO R/M HAVILA SCOTIA x Plataforma SEDCO-710. Abalroação durante aproximação de rebocador à contrabordo de plataforma posicionada na Bacia de Campos, RJ. Danos materiais sem ocorrência de acidente pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho. Erro de manobra conseqüência de falha no seu planejamento pelo comandante do rebocado. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Consta dos autos que cerca das 22:25h de 27/07/1999, quando o R/M HAVILA SCOTIA, armação da DSND Consub S/A., na ocasião sob o comando de Tom Grasbakken, realizava manobra de aproximação a contrabordo da Plataforma SEDCO-710, propriedade e armação da Sedco Forex Perfurações Marítimas, para receber bentonite ocorreu a abalroação do referido rebocador contra a proa da Plataforma, resultando em danos a ambas embarcações, conforme descritos nos laudos periciais de fls. 06 e 13/14 e Relatórios do Comandante da SEDCO 710, Gerard Kuster às fls. 73 e 76/78. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho. O acidente ocorreu na Bacia de Campos, Macaé/Rio de Janeiro onde a Plataforma encontrava-se posicionada. Charles Stuart Pomphrey, Marítimo, na função de Supervisor de Posicionamento Dinâmico a bordo da Plataforma SEDCO 710 às fls. 54/55, disse que estava no seu camarote, deitado e lendo, quando sentiu um balanço, a princípio acreditando ser a descida de um dos riser, mas como os balanços continuaram, resolveu se dirigir a ponte para ver o que estava ocorrendo (sabendo-se, que o seu camarote fica ao lado da ponte). Lá chegando constatou que os principais alarmes de posicionamento estavam ativadas e a Plataforma não parava de balançar. Os propulsores da Plataforma tentavam recuperar a perda da posição. O depoente por comentários de outros tripulantes

2 soube que o R/B HAVILA SCOTIA vinha em direção da Plataforma SEDCO 710 para operar a contrabordo neste trajeto, por algum motivo, o rebocador acabou colidindo contra a proa da SEDCO 710, ou seja praticamente entrou embaixo da referida Plataforma, atingindo o bote de resgate n.º 02. Os destroços do bote foram encontrados no dia seguinte, cerca de 12 milhas da Plataforma. Aparentemente, não houve falha mecânica ou elétrica no rebocador, pois o mesmo continuou com suas máquinas operando e luzes acesas. Disse, que sua função consiste em controlar o posicionamento da Plataforma através do sistema DGPS acústico, interagindo diretamente com o sistema de propulsão da sonda que a mantém na locação. Na ocasião o tempo estava bom; a visibilidade era ilimitada e o vento 18 nós aproximadamente, correnteza de 01 nó. Na sua opinião, de acordo com informações colhidas de amigos que operam e já operaram rebocadores, os mesmos tem dois consoles de comando de posicionamento dinâmico no passadiço, que para operar e realizar as operações com a Plataforma basta se deslocar alguns passos para operar o rebocador se utilizando do visual de popa e que pode ter ocorrido, quando da troca de consoles de comando, o operador não se ateve a mudança dos comandos para o sistema, o qual, talvez, ele tenha mudado para operar a embarcação junto à Plataforma. Daulani Bin Achmad (fls. 59/60), na função de Watch Stander (Vigia de Movimentação de Carga), a bordo da Plataforma SEDCO 710, disse que não viu o acidente pois naquele momento estava no lado de bombordo da Plataforma. Disse que por volta das 22:15h pediu ao Operador de Rádio para chamar o Rebocador para iniciar a operação de recebimento do material. As mangueiras estavam preparadas para o recebimento de bentonite de bordo do Rebocador HAVILA SCOTIA, logo a seguir, cerca das 22:27h, ouviu-se um barulho e toda a estrutura da Plataforma balançou, que o depoente acreditava ter sido provocado pela descida do BOP (equipamento que controla a pressão do poço). Ao verificar que não era o BOP, o depoente se deslocou até a proa e avistou o Rebocador embaixo da Plataforma. Na ocasião o tempo estava bom, o vento de aproximadamente 18 nós e correnteza de 01 nó. Terminou seu depoimento dizendo que 2

3 no momento do acidente chamou o rebocador pelo rádio mas este não respondeu, somente após o fazendo quando de sua saída, avisando ao Rádio Operador, que estava tudo bem e que retornaria para Macaé. Marco Antônio Bezerra Rafael, Marítimo, na função de Operador de Posicionamento Dinâmico, a bordo da Plataforma SEDCO 710, (fls. 63/65), disse que na ocasião estava na Ponte de Comando daí não ter presenciado o acidente. Disse que o rebocador estava operando a boreste da plataforma, recebendo instruções do Watch Stander para ir operar a bombordo, segundos após, o depoente sentiu um impacto violento e sua primeira preocupação foi verificar se estava ocorrendo algum acidente com o equipamento de BOP. Em seguida, o Supervisor entrou na ponte e o depoente pediu para que verificasse se alguma embarcação teria colidido com a Plataforma, pois os equipamentos estavam operando normalmente. O Supervisor saiu e retornando, em seguida reportou que havia um rebocador embaixo da Plataforma, sendo o pessoal de perfuração informado do ocorrido e que a Plataforma seria movimentada à ré o mais rápido que a operação permitisse, pois o rebocador estava com dificuldades de manobra e por si só não conseguiria sair de baixo da Plataforma. Contatos foram feitos com as embarcações de apoio e outras Plataformas informando sobre o ocorrido com pedido de auxílio. Logo a seguir já havia uma das embarcações de apoio na área. Colocado o equipamento em manual, o pessoal da Plataforma movimentou-a a ré, levando alguns segundos para afastar e manter a ré a bombordo, ficando assim o rebocador à deriva por cerca de 15 a 20 minutos até restabelecer as máquinas, quando então o rebocador retornou para Macaé. Confirmou as boas condições de tempo e mar para as operações que estavam sendo realizadas. Na opinião do depoente o acidente ocorreu devido à pessoa que estava conduzindo o rebocador não ter observado as condições de corrente e vento além da posição por ele tomada devido a correnteza, e manobrado muito próximo à Plataforma. Deixaram de comparecer à Delegacia da Capitania dos Portos local, Gerard Kuster (Comandante da SEDCO 710 ); Tom Grasbakken (Comandante), Albertino Costa 3

4 Pereira (2º Oficial de Náutica) e Marcos Ananias dos Santos (Marinheiro de Convés), estes do R/M HAVILA SCOTIA (fls. 89) visto à época designada para a oitiva não mais se encontravam no Brasil (fls. 103). Os Peritos em Laudo de Exame Pericial às fls. 06, com fotos às fls. 07/09, descrevem as avarias sofridas pelo R/M HAVILA SCOTIA ; borda falsa a BE e BB amassada, o mastro de vante arrancado, a antena dos dois radares danificados, ficando inoperante os dois radares, a agulha magnética, as antenas do GPS, SSB, IRMASAT e a buzina, também inoperantes. Concluíram que o fator operacional contribuiu para o evento. Atribuíram como causa determinante, o erro de manobra do Comandante ao se aproximar da Plataforma para operação de bombear bentonite para a mesma, conforme informação obtida na Plataforma, o bordo de operação seria o de BB e o Rebocador abalroou a Plataforma pela proa e a favor da corrente que se encontrava no momento entrando pela proa da mesma, caracterizando dessa forma que não foram tomadas as devidas precauções de segurança para a aproximação, o Comandante informou que as máquinas estavam operando normalmente e que após o acidente também apresentaram nenhum problema. Periciada a Plataforma SEDCO 710, conforme Laudo Pericial de fls. 13/14, com fotos às fls. 15/43, atestando as avarias sofridas pela referida plataforma, que teve dois tubos de sua estrutura afetados, sendo um de 04 pés de diâmetro e outro de 05 pés de diâmetro, a baleeira n.º 01 ficou presa no berço e a baleeira n.º 02 totalmente danificada juntamente com o berço. O convés principal a bombordo ficou com um desnível no piso de uns dois centímetros, a casa das máquinas com pequenas ondulações e as duas portas de acesso a sala de máquinas, com dificuldades para abrirem, sendo inclusive utilizado um macaco no portal de uma deles para liberação. Atribuíram como causa determinante o abalroamento do Rebocador HAVILA SCOTIA com a plataforma, que se aproximou da Plataforma a favor da corrente e do 4

5 lado errado da operação, ficando constatado assim que não se tomou as devidas precauções para a aproximação e nem o bordo de operação informado pela Plataforma. Juntados aos autos documentos do R/M HAVILA SCOTIA e da Plataforma SEDCO 710, estes em boa ordem, e outros documentos de praxe. O Encarregado do Inquérito, em seu relatório de (fls. 99/101), concluiu que o fator operacional contribuiu para o evento, devido a erro de manobra do rebocador HAVILA SCOTIA ao se aproximar da referida plataforma para bombear bentonite para a mesma, conforme perícia realizada nas referidas embarcações, de acordo com às fls. 06/44. Apontou como possível responsável pelo acidente Tom Grasbakken, Comandante do R/M HAVILA SCOTIA, devido a erro de manobra ao se aproximar da referida plataforma para bombear bentonite para a mesma, conforme perícia de fls. 13/14 e 06. Notificado da conclusão do inquérito (fls. 103), através da Empresa DSNB Consub S.A., na qualidade de armadora do R/M HAVILA SCOTIA, e esta em ofício as fls. 105, justifica a ausência do indiciado para depoimento, alegando que o mesmo não mais se encontrava no país na data determinada para tanto. Juntou também declaração do Sr. Marcos Ananias dos Santos, (fls. 106), que não presenciou o acidente, presenciando apenas o Comandante e o Imediato tirando a embarcação do local do acidente, após o que rumaram em direção a Macaé com total segurança. A D. Procuradoria Especial da Marinha em sua promoção de fls. 113/115, representou em face de Tom Grasbakken, já qualificados nos autos, com fulcro no art. 14, letra a, da Lei n.º 2.180/54, por entender: ter sido o mesmo negligente e imprudente. O rebocador se aproximou da plataforma a favor da correnteza e imperitamente pelo lado errado de operação, ficando 5

6 constatado assim que não foram tomadas as devidas precauções para a aproximação e nem a sistemática da operação informada pela plataforma. Daí ser o representado Tom Grasbakken, Comandante do R/M HAVILA SCOTIA culpado por negligência e imprudência na manobra sub-examinem. Recebida a Representação (fls. 119), citado (fls. 137), o Representado que não consta do Rol de Culpados deste Tribunal (fls.162), foi defendido por Advogado constituído (fls. 149), que em sua defesa de (fls. 143/148) faz uma série de comentários sobre o inquérito instaurado pela Delegacia da Capitania dos Portos em Macaé/RJ, alegando O inquérito ser falho, pois pecou no devido levantamento dos fatos. Pecou, ainda, por não ter conseguido levantar evidências mínimas, que estavam ao alcance e disponíveis mas, que não foram investigadas. E, por fim, pecou porque apresentou uma conclusão preconcebida e tendenciosa. Se não se investigou ou colheu todas as evidências necessárias a se respaldar um juízo de opinião, evidentemente, por conseqüência, qualquer opinião emitida sobre esse acidente não passará do âmbito de uma mera suposição. Descumprida portanto a NORMAN-09 que trata das normas para a instauração de inquéritos sobre acidentes e fatos da navegação. A conclusão extraída pelo encarregado do inquérito está baseada em depoimentos de pessoas que sequer presenciaram o acidente. Diante de tão parca documentação/evidências, a D. Procuradoria, procura então, se louvar na perícia de fls. (6/9 e 13/43), citando-a como a mais excelsa das provas para respaldar os termos da acusação. Só que nesta perícia só pode ser reputada como técnica no que diz respeito ao levantamento das avarias verificadas no rebocador e na plataforma. Já, no que diz respeito as causas do acidente, propriamente dita, ela não trás nada de técnico. Suas conclusões gravitam tão somente no âmbito das meras suposições. O só fato do rebocador ter se aproximado pelo lado errado, segundo informam e afirmam os peritos, não induz a conclusão de que houve qualquer erro ou equivoco por parte da embarcação. Essa aproximação se é que foi de fato equivocada - já que isto não 6

7 está devidamente demonstrado nos autos - poderia ter sido feita da forma que foi, por uma série de razões que não denotariam qualquer irresponsabilidade por parte do rebocador. Basta notar que, segundo consta do laudo pericial houve algum problema com as mangueiras de recebimento da plataforma que fez com que o rebocador tivesse que ficar por cerca de três horas em stand by até que tudo fosse sanado e normalizado. Tal problema, poderia muito bem ter acarretado alguma modificação no planejamento da manobra fazendo com que o rebocador alterasse o local da aproximação. Entretanto, nada disso foi apurado. Como se vê há nos autos uma série de indagações decorrentes de aspectos que não foram investigados na fase própria e que deveriam ter sido. Nem os peritos e nem o Encarregado do Inquérito se preocuparam em promover suas investigações considerando os aspectos técnicos que envolveram a manobra. Se compulsarmos os autos do inquérito, constataremos que a manobra em si, e as circunstâncias que a envolveram, não foram sequer mencionadas ou consideradas. E, nada justifica essa irreparável omissão. A par disso, vale também reiterar que não há nenhuma justificativa para o fato do Encarregado do Inquérito não ter ouvido ninguém do rebocador. Sem essa providência, o Encarregado do Inquérito jamais poderia considerar que estava apto a emitir qualquer conclusão sobre as causas do acidente. Não é por outra razão que a NORMAN-09 considera imprescindível que se ouça na fase do inquérito o depoimento das pessoas envolvidas ou que pelo menos tenha presenciado o acidente ou o fato da navegação. De tudo que dos autos consta o que se verifica acima de qualquer dúvida é que a causa determinante do acidente não foi devidamente apurada. As únicas três testemunhas arroladas no inquérito não viram e nem presenciaram nada. E assim, os elementos e evidências constantes do processo não tem vigor para respaldar as acusações proferidas pela D. Procuradoria e induzir a condenação do representado. Restou, portanto, bem caracterizado que o Encarregado do Inquérito não se utilizou dos melhores meios e critérios para uma acurada apuração dos fatos e, ainda, 7

8 descumpriu o que dispõe a NORMAN-09, que são Normas da Autoridade Marítima para Inquéritos Administrativos. Diante de todo o exposto requer a improcedência da Representação contra o ora defendente. Aberta a Instrução nenhuma nova prova foi apresentada (fls. 151,152). Em Alegações finais, silentes as partes. Decide-se: Procedentes são as afirmações da defesa quanto as falhas do inquérito que deu origem ao presente processo, e este seria mais um daqueles a ser arquivado por falta de elementos suficientemente fortes que sustentassem as acusações formuladas contra o representado. Em que pese a falta dos depoimentos do Comandante e outros tripulantes que atuaram naquela manobra, certamente seria um fator prejudicial para análise dos fatos se tais deficiências não tivessem sido supridas, como ainda, as indagações da defesa não respondidas, através da documentação do R/B HAVILA SCOTIA juntada na fase inquisitorial, entre eles, a destacar, o de fls. 69, cópia do Extrato do Diário Náutico (Deck Log) onde foi lavrada pelo Comandante Tom Grasbakken, ora representado, a descrição da atuação do R/B HAVILA SCOTIA desde às 19:25h quando em posição stand by até logo após acidente, como se segue: HAVILA SCOTIA Extrato do Diário Náutico ( Extract from Deck Log) Data: 27/07/1999 Posição: Campo de Petróleo Marlin Plataforma : SS 43 ( SEDCO 710 ) Vento NE 20 nós Mar: 2 metros Visibilidade : boa 8

9 19:25: Em posição. Para SS43 (SECO 710) Aguardando ordens (stand by) 22:10: Ordem da SS43 para aproximar-se a contrabordo para entrega de betonite. 22:15: Aproximado da Plataforma em marcha devagar vindo de Nordeste. Impulsores da proa (bowthrusters) postos em movimento. 22:25: Quanto manobrando a contrabordo (alongside) da SS43 (SEDCO 710) para entrega de bentonite os impulsores de ré (Stern thrusters)foram acionados toda força adiante em vez de toda a força a ré (grifamos). A proa da embarcação se chocou com a parte de vante da plataforma e causou danos a parte de vante da embarcação, ponte superior e chaminé de BB. Todas as comunicações fora de serviço exceto o VHF. Cerca de 200 metros da Plataforma. A manete para os impulsores de ré (Stern thruster) giradas 180 graus e oitenta por cento de ângulo (pitch) de maneira a parar o movimento da embarcação para vante e ao mesmo tempo ambos impulsores de vante (Bow thrusters) para BE. A manobra foi feita do console de vante com ambos impulsores de ré (Stern thruster) controlados pela manete de BE. Como a embarcação aumentou o segmento para frente eu olhei o instrumento Azimut e Anglo. O Anglo estava 80 por cento a vante o que é correto, porém ambos Azimut estavam em zero grau que é a vante em vez de 180 graus que é a ré isto era a posição da manete de BE. A manete de BB estava em para (idle) vez que não estava em uso. Quando eu descobri isto, a manete de BE foi colocada para trás em para (idle) e a embarcação estava tão próxima a plataforma (velocidade avante, cerca de 3-4 nós) que foi impossível fazer qualquer coisa porque eu temia que o impacto contra a plataforma destruísse o passadiço (bridge). Ambos o Imediato e eu descemos correndo do passadiço, assim que eu acionei o Alarme Geral. 9

10 Quando estávamos no convés principal a embarcação parou com o castelo de proa debaixo da plataforma. Ambos o Imediato e eu corremos para o passadiço e ali eu descobri que os Azimuts estavam em 180 graus, o mesmo que a manete de BE. Então eu coloquei a manete de BE cerca 60 por cento para ré afastando a embarcação da Plataforma. Ambos os Azimuts funcionaram normalmente. (fim da transcrição). Os danos sofridos pelo R/B HAVILA SCOTIA estão descritos no Laudo Pericial de fls., 06, enquanto os danos à Plataforma, estes de monta, estão descritos no Laudo Pericial de fls. 13/14, e nos Relatórios assinados pelo Comandante da Plataforma SEDCO 712, Gerard Kuster às fls. 73 e 76/78. Comprovado estar pela afirmação do próprio representado que: Com vento de Nordeste o HAVILA SCOTIA se aproximou do Nordeste. Portanto, com vento pela popa. O Comandante intencionava dar maquina toda a força a ré ao se aproximar da parte de vante da Plataforma SEDCO 710 ; ao invés disso os impulsores foram acionados no sentido contrário, toda força adiante. A ocorrência de erro na manobra como concluíram os Peritos e o Encarregado do Inquérito não é uma mera suposição ou de uma conclusão preconcebida e tendenciosa como sustenta a defesa na sua peça de fls. 143/144, Item III. 5, quando tece comentários sobre o Inquérito da Capitania. A prova incontesti do erro de manobra quando da aproximação do R/B HAVILA SCOTIA a contrabordo da Plataforma SEDCO 710, provocando sérios danos à embarcação e a Plataforma, conforme descrito nos laudos periciais de fls. 06 e 13/14, e fotos às fls. 07/09, 13/14 sem no entanto resultar em danos pessoais e/ou ao meio ambiente marinho, erro este mencionado pela testemunha Charles Stuart Pomphrey, Supervisor de Posicionamento Dinâmico às fls. 54/55 quando afirma que...o operador não se ateve a mudança dos comandos para o sistema, o qual, talvez, ele tenha mudado para operar a embarcação junto à Plataforma, e ainda a afirmação da testemunha Marco 10

11 Antonio Bezerra Rafael, Operador de Posicionamento Dinâmico às fls. 63/65, quando atribuiu o acidente...à pessoa que estava conduzindo Rebocador não ter observado as condições de corrente e vento, além da posição por ele tomado devido a correnteza e ter manobrado muito próximo à Plataforma está no próprio Diário Náutico (deck log) acima transcrito e com pá de cal para qualquer outra suposição quando o Comte afirma. Os impulsores de ré (Stern thrusters) foram acionados (grifamos). Toda força adiante em vez de toda a força a ré. Ressalte-se que o Comandante Tom Grasbakken, ora representado, em momento algum mencionou ou alegou defeito intermitente no sistema de comando dos thrusters. Por tudo isto, estamos convictos que o erro de manobra decorrente da falha no planejamento quando o ora representado decidiu fazer a aproximação do HAVILA SCOTIA à Plataforma SEDCO 710, com vento atuando pela popa, o erro na ordem dada às máquinas toda força adiante em vez de toda a força atrás, agravando a situação, de tal sorte que o Comandante e o Imediato abandonaram o passadiço diante de uma abalroação que naquelas circunstâncias mostrou-se impossível de ser evitada (fls. 69) foi fator decisivo para eclosão do acidente. Procedente portanto, a acusação formulada pela D. Procuradoria Especial da Marinha em face de Tom Grasbakken, que com sua conduta negligente e imprudente deu causa ao evento ora em julgamento. Assim, A C O R D A M os Juízes do Tribunal Marítimo, por unanimidade: a) quanto à natureza e extensão do acidente: abalroação durante manobra de aproximação do rebocador a contrabordo de plataforma posicionada na bacia de Campos, RJ, para entrega de bentonite. Danos materiais, sem ocorrência de acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho; b) quanto à causa determinante: erro de manobra conseqüência de falha no seu planejamento pelo comandante do rebocador; c) decisão: julgar procedentes 11

12 os termos da representação da D. Procuradoria de fls. e fls. considerando o acidente da navegação previsto no art. 14, letra a, da Lei n.º 2.180/54, como decorrente de negligência e imprudência de Tom Grasbakken, condenando à pena de multa de R$500,00 (quinhentos reais) prevista no art. 121, VII, do mesmo diploma legal. Custas na forma da lei. P.C.R. Rio de Janeiro, RJ, em 20 de novembro de MARIA CRISTINA DE OLIVEIRA PADILHA Juíza-Relatora WALDEMAR NICOLAU CANELLAS JÚNIOR Almirante-de-Esquadra (RRm) Juiz-Presidente 12

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO Comboio Integrado pelas Chatas TQ-61 / TQ-38 com o empurrador TQ-25 e o batelão areeiro ER-II. Abalroação provocando avarias e o naufrágio parcial do batelão,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO Jangada "CARINA". Emborcamento quando navegava a 05 milhas da praia de Ponta Negra, Natal, RN. Sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO Aerobarco FLECHA DE IPANEMA e Chata DIALCAR II. Abalroação entre aerobarco e comboio formado por rebocador e chata, provocando avarias na proa do aerobarco,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO N/M "RUBENS". Colisão com terminal de granéis sólidos. Falha do motor propulsor, devido a avaria do diafragma da válvula termo eletromagnética do motor propulsor.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO Veleiro NIGHT JAR. Encalhe em banco de areia, resultando em naufrágio com perda total da embarcação, sem vítimas. Tráfego da embarcação em região de bancos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO Catamarã JUMBO CAT II. Colisão de catamarã com pedras, seguida de encalhe, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência de vítimas. Avaria sofrida no

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO REM JEAN FILHO XXXIV e Balsa CONAVE XVII. Colisão de comboio com muro de marina. Possíveis influência de fortes ventos. Arquivamento. Vistos os presentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO Lancha "FARUSCA". Explosão seguida de incêndio. Causa não apurada. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos Autos que, no dia 13 outubro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO N/T MARTA. Acidente de Trabalho com trabalhador durante a montagem de andaime no tanque do navio que se encontrava docado no estaleiro. Não configurada a

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO L/M LAGOMAR II. Avaria no motor, deixando a embarcação á deriva, com assistência de reboque. Danos materiais, sem ocorrência de acidentes pessoais ou danos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO Jet-sky VADIO x veleiro BONS VENTOS I. Abalroação envolvendo veleiro e jet-sky não identificado. Causa indeterminada devido a falta de elementos de prova

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO B/P BRUCUTU. Naufrágio com perda total e vítimas fatais. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar o naufrágio

Leia mais

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO N/T FO G Á S XV I - Explosão durante faina de transbordo de gás provocando ferimentos em dois tripulantes ccm a morte de um deles; uso indevido de equi* 408 TRIBUNAL MARÍTIMO

Leia mais

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada.

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.383/05 ACÓRDÃO B/P GLORIA I. Naufrágio de barco de pesca que fica sem governo. Quebra da haste do leme manual. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO N/M "ASTERI". Morte de trabalhador em operação de raspagem no casco de navio mercante quando em faina de mergulho no porto de Sepetiba, RJ. Condenação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO R/E ASSO VENTI. Ferimento em tripulante durante faina de reinstalação de rede de resfriamento do diesel-gerador, provocando-lhe a amputação traumática parcial

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO Plataforma P-31. Incêndio no motor gerador da praça de máquinas a bordo de plataforma, tendo como causa determinante o rompimento de uma conexão da rede

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO Moto-aquática não identificada X flutuante tipo BANANA BOAT, rebocado pela moto-aquática SPX-I. Abalroação resultando em lesões corporais de natureza grave

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO B/M VOVÔ ORLANDO CIDADE. Queda de tripulante na água, estando a embarcação atracada, da prancha de embarque/desembarque, colocada conforme os usos e costumes,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO L/M "O VIGILANTE III". Emborcamento quando em faina de demanda do canal de Marapendi, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, com danos materiais e vítima com

Leia mais

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento.

PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO. IVM NORSUL PINDARé. Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. 848 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 15.540/93 ACÓRDÃO IVM "NORSUL PINDARé". Encalhe. Danos materiais. Sem vítimas. Causa não apurada acima de qualquer dúvida. Arquivamento. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO Embarcação LEAL SANTOS 7. Avaria no motor principal deixando à deriva. Necessidade de assistência de reboque. Danos materiais sem ocorrência de acidentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO Comboio R/E SM e Balsa NB II. Colisão de comboio contra casas de palafitas, provocando danos materiais, sem ocorrência de vítimas. Falta de condições físicas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO B/P DONA NORIS. Interceptação e apresamento de pesqueiro venezuelano por prática de pesca não autorizada na zona econômica exclusiva brasileira, aplicação

Leia mais

PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No inquérito, foram ouvidas 11 (onze) testem unhas.

PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No inquérito, foram ouvidas 11 (onze) testem unhas. 18 TRIBUNAL MARfTlMO PROCESSO Nº 10.913 ACÓRDÃO N/M SANTOS DUMONT x N/M HAPPY MED. Abalroação. Desobediência às regras do RIPE AM. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata o

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO N/M LORETA D. Queda de carga na água devido a não colocação de redes de proteção ao costado, com poluição ao meio ambiente marinho, sem vítima. Negligência.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SBM PROCESSO Nº 22.450/06 ACÓRDÃO Rebocador RIO BRANCO. Acidente da Navegação. Naufrágio de rebocador no terminal da PETROBRAS da ilha D água, Rio de Janeiro, RJ, sem danos pessoais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO R/E CAPITÃO JOSÉ ALECRIM VIII. Incêndio na praça de máquinas de rebocador / empurrador, provocando avarias no motor e nas suas partes elétricas e

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO Plataforma NOBLE THERALD MARTIN. Acidente de trabalho a bordo, vítima não fatal. Desequilíbrio da própria vítima, durante operação com chave flutuante

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO B/P TOCANTINS. Trumatismo sofrido por pescador que caiu no convés principal. Sendo a causa determinante provável descuido da própria vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 22.077/06 A C Ó R D Ã O FPSO PETROBRAS 43. Acidente de trabalho com cinco vítimas não fatais, danos materiais, sem registro de poluição ao meio ambiente. Falha no sistema

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO L/M MAKARI. Colisão de lancha contra seu próprio condutor e posteriormente contra trapiche, vindo a encalhar na margem do canal, colocando em risco a incolumidade

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO B/P CANADÁ. Naufrágio, quando adentrava na barra do rio Mampituba, município de Torres, SC, com danos materiais, sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO Moto-aquática VIPER. Colisão com altos fundos de corais, resultando em lesões corporais nos dois ocupantes, adolescentes inabilitados, e em avarias na embarcação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO Lancha de passageiros COMDUSA XII. Queda de passageira a bordo, provocando-lhe ferimentos graves, com fraturas múltiplas no ombro. Desequilíbrio sofrido

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.874/06 ACÓRDÃO Canoa sem nome. Naufrágio de embarcação a remo com exposição a risco da referida embarcação e das vidas e fazendas de bordo, provocando a morte de uma passageira

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO L/M ILSA-MAR. Queda na água de condutor de lancha, provocando-lhe lesões leves. Falha do condutor da lancha na operação do motor da embarcação. Imperícia.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO R/E A. H. GENOVA x Dique Flutuante PAULO FERRAZ. Abalroação de rebocador com dique flutuante, durante manobra de docagem, provocando avaria no costado

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO B/P ITAPEVA. Avaria por ato de sabotagem. Ação dolosa de autoria indeterminada. Arquivamento, exculpando-se os representados. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.697/00 ACÓRDÃO N/M ALIANÇA IPANEMA. Colisão com píer em construção, pertencente à Delegacia da Capitania dos Portos, em Itajaí, resultando em avarias de grande monta na

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.797/00 ACORDÃO Navio-Sonda PETROBRAS XXXI. Avaria em equipamento de carga de Navio-Sonda, resultando ferimentos em trabalhador durante operação de descarga de carga pesada.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO B/M LUANA. Naufrágio de embarcação provocando vítimas fatais e desaparecimento de passageiros. Causa, manobra brusca de embarcação ocasionando o deslocamento

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO CB/MCP PROCESSO Nº 25.503/10 ACÓRDÃO Balsa ENCONTRO DAS ÁGUAS. Colisão de embarcação contra duas casas palafitas, situadas às margens do rio Solimões, proximidades do porto Careiro da

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO L/M CAVITOS. Impropriedade da embarcação para o serviço em que era utilizada e empregada para prática de ato ilícito previsto em lei como crime (descaminho).

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO N/M TEAL ARROW. Acidente com estivador a bordo. Trabalhador que se colocou no caminho de ponte rolante denotando imprudência. Ferimentos no representado

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO Catamarã TURISMANDO. Avaria deixando a embarcação à deriva. Deficiência de manutenção. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO Canoa sem nome não inscrita. Naufrágio durante brincadeira dos passageiros. Embarcação desprovida de material de salvatagem. Condução por pessoa sem

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Emborcamento quando navegava no rio Paraná do Manaquiri, AM, com danos materiais e uma vítima fatal. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARITIMO JP/MCP PROCESSO Nº. 22.304/06 ACÓRDÃO L/M THEMIS. Colisão de embarcação contra pedras existentes às margem de rio, quando navegava no canal de acesso, Santos, SP. Danos à embarcação,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Colisão com banhista na praia Mar de Minas, represa de Três Marias, no município de Três Marias, MG, com vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO Moto aquática RAFAEL ELITE X Moto aquática D FORÇA. Abalroação entre motos aquáticas nas proximidades da ilha do Sol, canal de Marapendi, Barra da

Leia mais

PROCESSO N 14.797/92

PROCESSO N 14.797/92 362 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 14.797/92 ACÓRDÃO Veleiro "ANGELUS". Encalhe. Erro de navegação do condutor do veleiro. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 10 de dezembro

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO L/M ARROZ. Colisão, seguida de encalhe, água aberta e naufrágio, de lancha de esporte e recreio, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência

Leia mais

PARECER N.º 7/CITE/2004

PARECER N.º 7/CITE/2004 PARECER N.º 7/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento da trabalhadora..., nos termos do art.º 24 do anexo ao Decreto-Lei n.º 70/2000, de 4 de Maio e do art.º 10.º do Decreto-Lei n.º 230/2000,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº. 22.056/06 ACÓRDÃO N/M KAMARI. Colisão de navio estrangeiro com o píer III, do Terminal da Ponta da Madeira, São Luiz, MA, durante estadia atracado, com danos materiais

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO B/M INDEPENDÊNCIA. Naufrágio. alagamento, imprudência do representado. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 11/08/00,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO Moto-aquática SP 2318-01 X flutuante tipo banana boat, rebocado pela L/M KATITA. Abalroação resultando em lesões corporais em dois ocupantes do flutuante.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO N/M SOTIRIA. Quedas de carga n água, sacaria de açúcar, com sua perda, durante operação de carregamento, junto ao armazém nº 11 do porto de Santos,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO N/M FLAMENGO. Ferimentos corto-contuso na região occipto-frontal e fratura de dentes sofridos por estivador durante faina de embarque de contêineres. Não

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO Moto aquática FEIO II e L/M PAPA LÉGUAS II. Exposição a risco que se materializou em abalroamento e no óbito de duas pessoas. Moto aquática imprópria

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO B/P ALIANÇA e moto aquática ÁGUA AZUL. Abalroação. Danos materiais e lesões corporais graves nos ocupantes da moto aquática. Erro de navegação do

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.795/11 ACÓRDÃO Lancha ARPEDI. Naufrágio no local de fundeio devido a admissão de água pelas obras vivas e pelas obras mortas. Defeito no calafeto do casco e do convés.

Leia mais

A C Ó R D Ã O

<CABBCABCCBBACADCBAADBDAACABCBCDCBAAAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇÃO INDENIZATÓRIA. AGRAVO RETIDO. ACIDENTE DE TRÂNSITO. MOTORISTA DA AMBULÂNCIA CAUSADOR DO ACIDENTE. OITIVA COMO INFORMANTE. VALOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO

MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO B/P "POLICARPO". Colisão com um curral de peixes, resultando em água aberta seguido de naufrágio, com danos materiais, sem vítimas e sem registro de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS ICP nº 1.18.000.002374/2011-31 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, com fundamento no art. 17 da Lei nº 8.429/92 e com base nas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO Lancha MAR DE ESPANHA. Colisão com mergulhador. Deficiência de sinalização de mergulho. Exculpar o 1º representado e condenar o 2º. Condenação. Vistos,

Leia mais

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO

ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO ANUÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA 485 PROCESSO N 15.296/93 ACÓRDÃO N/M "CLIPPER SANTOS. Processo de fratura da solda no ponto de fixação de barra de ferro componente da guia do cabo de laborar do guindaste n 02,

Leia mais

PARECER N.º 52/CITE/2004

PARECER N.º 52/CITE/2004 PARECER N.º 52/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º da Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que aprovou o Código do Trabalho, conjugado

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO CARGO: CAPITÃO-DE-LONGO-CURSO GABARITO OFICIAL DA PROVA DISCURSIVA

TRIBUNAL MARÍTIMO CARGO: CAPITÃO-DE-LONGO-CURSO GABARITO OFICIAL DA PROVA DISCURSIVA TRIBUNAL MARÍTIMO EDITAL Nº1 TM, DE 15 DE JANEIRO DE 2010 CARGO: CAPITÃO-DE-LONGO-CURSO GABARITO OFICIAL DA PROVA DISCURSIVA Peça Processual - Elaboração de voto sobre aspectos legais de um acidente de

Leia mais

Processo n.º 656/2014

Processo n.º 656/2014 Processo n.º 656/2014 (Recurso Laboral) Relator: Data : João Gil de Oliveira 26/Março/2015 ASSUNTOS: - Comodato e mútuo - Prejuízos; liquidação em execução de sentença SUMÁ RIO : 1. Se A empresta a B certas

Leia mais

ACÓRDÃO 0000197-02.2012.5.04.0000 AGR Fl.1

ACÓRDÃO 0000197-02.2012.5.04.0000 AGR Fl.1 0000197-02.2012.5.04.0000 AGR Fl.1 EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL. Inexiste fudamento relevante nem que do ato impugnado possa resultar a ineficácia da medida, conforme descrito no inciso III do art. 7º da

Leia mais

PARECER N.º 48/CITE/2004

PARECER N.º 48/CITE/2004 PARECER N.º 48/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e do artigo 98.º da Lei n.º 35/04, de 29 de Julho Processo n.º

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 25.254/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 25.254/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 25.254/10 ACÓRDÃO N/M NORDIC BRASILIA. Perda de energia total (blackout) a bordo de petroleiro, durante operação de recebimento de petróleo da Plataforma FPSO MARLIM

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO CARGO: DIREITO MARÍTIMO GABARITO OFICIAL DA PROVA DISCURSIVA

TRIBUNAL MARÍTIMO CARGO: DIREITO MARÍTIMO GABARITO OFICIAL DA PROVA DISCURSIVA TRIBUNAL MARÍTIMO EDITAL Nº1 TM, DE 15 DE JANEIRO DE 2010 CARGO: DIREITO MARÍTIMO GABARITO OFICIAL DA PROVA DISCURSIVA Peça Processual - Elaboração de voto sobre aspectos legais de um acidente de navegação.

Leia mais

SINDICÂNCIA. Definição

SINDICÂNCIA. Definição SINDICÂNCIA Definição A sindicância, nos termos dos artigos 204 a 207 da Lei n 6.677/94, é um procedimento administrativo sumário de natureza inquisitorial (não possui contraditório) que tem como objetivo

Leia mais

ACÓRDÃO. 1. O instrumento particular de assunção de dívida, assinado pelo devedor e por duas testemunhas,

ACÓRDÃO. 1. O instrumento particular de assunção de dívida, assinado pelo devedor e por duas testemunhas, AC no 001.2009.001565-0/001 1 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO Cá/EL No 001.2009.001565-0/001

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO 154 AÇÃO ORDINÁRIA Nº. 2010.51.01.023352-3 SENTENÇA TIPO A AUTOR: CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª. REGIÃO-RJ RÉU: CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE JUIZ FEDERAL: FIRLY NASCIMENTO FILHO S E N T E N Ç

Leia mais

PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO

PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO 690 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 16.496/95 ACÓRDÃO B/M VIDA NOVA". Naufrágio com danos materiais c o desaparecimento de 05 passageiros. Condições meteorológicas adversas, excesso de confiança do condutor,

Leia mais

7.1.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA EMISSÃO DO AIT ATESTADO DE INSCRIÇÃO TEMPORÁRIA DE EMBARCAÇÃO ESTRANGEIRA

7.1.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA EMISSÃO DO AIT ATESTADO DE INSCRIÇÃO TEMPORÁRIA DE EMBARCAÇÃO ESTRANGEIRA 7.1.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA EMISSÃO DO AIT ATESTADO DE INSCRIÇÃO TEMPORÁRIA DE EMBARCAÇÃO ESTRANGEIRA 1) Requerimento ao CP/DL. 2) Ofício/carta da empresa contendo razão social do armador, proprietário,

Leia mais

ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA

ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA Desembargador diz que obrigação de delegado e promotor é conhecer a lei Segue abaixo, com partes

Leia mais

CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO.

CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO. CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO. Processo SUSEP n 10.006508/0 1-48 Recurso ao CRSNSP n 5745 Recorrente: Nelson Gregory Giaretta

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS S u m á r i o 1. Portaria instauradora de processo administrativo disciplinar e sindicância contraditória...

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 8ª T U R M A RECURSO ORDINÁRIO. REGISTROS DE HORÁRIO. PROVA DA JORNADA DE TRABALHO. INVALIDADE. Registros de horário que não refletem a jornada efetivamente cumprida são imprestáveis à pré-constituição

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas:

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: . ' ESTADO DA PARAÍBA t-n " PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Civel n 200.2004.038313-1/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: Executivos Administração e Promoção de Seguros

Leia mais

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão Ação Institucional Atividades associadas a criança/adolescente Fluxo Fatos concretos Referência legal Decisão Ações junto as famílias e comunidade Observações Indicação externa Alerta para guia (Curto-circuito)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL.

EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL. 223 EXMº SR. DR. JUÍZ DE DIREITO DO 12º JUIZADO ESPECIAL CIVEL DO MEIER DA COMARCA DA CAPITAL. PROC.0011163-42-2014-8-19-0208 I. CONDOMÍNIO DO EDIFICIO FANY, por seu advogado, nos autos da AÇÃO INDENIZATORIA

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ABALROAMENTO COM VÍTIMA FATAL ENTRE AS EMBARCAÇÕES FAST TITAN E EVILÁZIO. 06 de Março de 2011

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ABALROAMENTO COM VÍTIMA FATAL ENTRE AS EMBARCAÇÕES FAST TITAN E EVILÁZIO. 06 de Março de 2011 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ABALROAMENTO COM VÍTIMA FATAL ENTRE AS EMBARCAÇÕES FAST TITAN E EVILÁZIO 06 de Março de 2011 RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DE SEGURANÇA MARÍTIMA Supply FAST TITAN

Leia mais

2. -Porém, os documentos adunados ao laudo pericial contrariam a conclusão do Sr. Expert, senão vejamos:

2. -Porém, os documentos adunados ao laudo pericial contrariam a conclusão do Sr. Expert, senão vejamos: PROCESSO N 000.97.721736-9 (CONTROLE 1679) CIGNA SEGURADORA S.A., por sua advogada e bastante procuradora que esta subscreve, vem, nos autos da ação ORDINÁRLA que move contra ARMAZÉNS GERAIS COLUMBIA S.A.

Leia mais