Computadores XXI: Busca e execução Final

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Computadores XXI: Busca e execução Final"

Transcrição

1 Computadores XXI: Busca e execução Final A6 Texto 6 Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 23/01/2006 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < > Busca e execução Primeiro passo, discutimos os conceitos básicos do Ciclo de Busca e Execução e examinamos seu primeiro passo. Na de hoje examinaremos os demais passos e discutiremos alguns conceitos importantes sobre o fluxo dos programas. Figura 1: Estado após primeiro passo No exemplo que estamos discutindo, ao final do primeiro passo do Ciclo de Busca e Execução o estado das posições de memória da MP e dos registradores da UCP é o mostrado na Figura 1, ou seja, o conteúdo da posição da memória principal de endereço 247 ( em binário) foi lido e transcrito para o Registrador de instruções. Esse número (no caso, ) é a próxima instrução a ser executada. Mas antes dessa execução é preciso tomar uma providência vital: incrementar o Ponteiro de Instruções para que ele passe a apontar para a instrução seguinte. Esta singela operação é o segundo passo do ciclo de busca e execução. Incrementar significa somar uma unidade. No nosso exemplo, após o incremento o conteúdo do Ponteiro de instruções passa a ser 248 (ou em binário). Se você reparar na Figura 1 verá que a posição de memória que tem este endereço situase imediatamente após a posição para a qual apontava o PI. Ou seja: o PI agora aponta para a posição de memória seguinte, como mostra a seta azul da Figura 2, que exibe o estado do sistema após a execução do segundo passo do ciclo de busca e execução, o incremento do Ponteiro de Instrução. Figura 2: Estado após segundo passo

2 Neste ponto a instrução a ser executada já foi lida e transposta para o Registrador de Instruções e o Ponteiro de Instruções já aponta para a posição da MP que contém a instrução seguinte. Só falta, portanto, executar a instrução. Este é o terceiro passo do ciclo da busca e execução, o passo da Execução. Este passo depende da instrução a ser executada. Ela pode ser simples como incrementar um registrador qualquer, ou complexa como copiar o conteúdo de um longo trecho da memória para outro. Mas no que toca ao ciclo de busca e execução não importa seu grau de complexidade: ela é encarada simplesmente como o terceiro passo, o da execução. Este passo se inicia com a transposição do conteúdo do registrador de instruções (que, como sabemos, contém a instrução a ser executada) para o interior da Unidade de Controle, mais especificamente para o decodificador situado logo na entrada desta unidade. O decodificador (nosso velho conhecido da coluna < 7586fdd914d > Multiplexadores, decodificadores e flip-flops ) decodifica a instrução, ou seja, energiza os circuitos lógicos que disparam as micro-operações correspondentes à execução da instrução, que por sua vez, se necessário for, acionarão a unidade lógica e aritmética e os demais circuitos eventualmente envolvidos na execução da instrução. Mas, sempre é bom reiterar: do ponto de vista do ciclo de busca e execução, tudo isto se resume ao passo da execução, seja quais forem as operações envolvidas. Uma representação do terceiro passo, o da execução, com a introdução da instrução na unidade de controle, sua decodificação e execução, é representada esquematicamente na Figura 3. Figura 3: Terceiro passo: Execução E com a execução da instrução termina o ciclo de busca e execução. O problema é que no computador, as coisas só terminam quando não há energia. Enquanto o microprocessador está sendo alimentado com eletricidade, ele continua executando busca e execução de instruções, ciclo após ciclo. Então, após terminar o ciclo que acabamos de examinar, inicia-se outro. Como vimos no passo anterior, o PI agora aponta para uma nova instrução. O primeiro passo do novo ciclo consistirá então em buscar esta instrução e escrevê-la no registrador de instruções, tomando o lugar desta que acabamos de executar. Em seguida, no segundo passo, o ponteiro de instruções será incrementado e passará a apontar para a posição de memória de endereço 249. E no terceiro passo a nova instrução recém-copiada no registrador de instrução será executada. E assim por diante, ciclo após ciclo. Resumindo: o ciclo de busca e execução consiste de três passos: busca, incremento e execução.

3 Busca: verificar o endereço contido no Ponteiro de Instruções, ir até à posição de memória correspondente, ler seu conteúdo e copiá-lo no Registrador de Instruções. Incremento: incrementar o conteúdo do ponteiro de instruções Execução: introduzir o conteúdo do registrador de instruções na unidade de controle, onde este número (que representa uma instrução) será decodificado e a instrução correspondente executada. Estes três passos são repetidos indefinidamente, ciclo após ciclo. Agora que já conhecemos o ciclo de busca e execução, pense um pouco e responda: em um dado momento, durante a execução de um programa, o que representam os números contidos no ponteiro de instruções e no registrador de instruções? Para quem entendeu o procedimento descrito nesta coluna e na anterior a resposta é simples: o registrador de instruções contém sempre a instrução que está sendo executada naquele momento, enquanto o ponteiro de instruções contém o endereço da posição de memória onde está armazenada a próxima instrução a ser executada. É simples assim. Dirimindo dúvidas Com os conhecimentos adquiridos até este ponto podemos esclarecer duas dúvidas relativamente comuns. A primeira delas: se a memória principal pode armazenar dados, instruções e endereços de outras posições de memória e se tanto uns quanto outros são representados por números expressos no sistema binário, como a UCP distingue um dos outros? Explicando melhor: como a UCP distingue um dado de um endereço e de uma instrução? A resposta é simples: ela não distingue. A distinção fica por conta do fluxo do programa. A coisa funciona assim: se o conteúdo de uma posição de memória for copiado no registrador de instruções, ao final daquele ciclo de busca e execução ele será inapelavelmente introduzido na Unidade e Controle e executado. Se for uma instrução do programa, muito bem. Se não for e tiver sido movido para o RI por engano, qualquer coisa pode acontecer (geralmente a máquina trava ), pois provavelmente haverá uma instrução com aquele número e a unidade de controle tentará executá-la. Portanto, e respondendo à pergunta: se o número for copiado no registrador de instruções, ele será interpretado como uma instrução que será executada. Se, no entanto, ele for copiado em um dos registradores que exercem a função de ponteiro, como o ponteiro de instruções, ele será considerado um endereço de uma posição de memória e tratado como tal. Senão, ele será encarado como um dado. É simples assim. A segunda é uma dúvida igualmente comum: por que o programa precisa ser armazenado na MP para ser executado? Simples: porque o primeiro passo do ciclo de busca e execução, o passo da busca, consiste em copiar no registrador de instruções o conteúdo da posição de memória principal apontada pelo ponteiro de instruções. E o ponteiro de instruções não pode apontar para nenhum outro lugar que não a MP. Portanto as instruções que compõem o programa precisam estar na MP para que sejam transpostas para o registrador de instruções e executadas. O fluxo do programa

4 Se você prestou atenção nos três passos do ciclo de busca e execução percebeu que no segundo passo o conteúdo do Ponteiro de Instrução foi incrementado, fazendo-o apontar para a posição de memória de endereço imediatamente superior. Ora, se não houver uma forma de alterar isto o programa será inapelavelmente executado instrução após instrução, sucessivamente, da primeira à última, jamais alterando a ordem em que as instruções são executadas do início ao final do programa. Há programas assim, como os conversores de formato de arquivos, mas são raros. Na maioria das vezes a ordem em que as instruções são executadas depende de resultados intermediários obtidos pelo próprio programa ou de dados supridos pelo usuário. Portanto deve haver algum meio de alterar a ordem de execução das instruções, ou seja, desviar o fluxo de instruções da ordem em que estão armazenadas na memória. Mas de acordo com os passos acima descritos, isso aparentemente é impossível, já que o conteúdo do PI é sempre incrementado de uma unidade o que implica obrigatoriamente a execução da instrução armazenada no endereço da MP imediatamente superior. Como podem então ocorrer os desvios de fluxo no interior de um programa? A explicação é simples: o próprio programa pode alterar o conteúdo do ponteiro de instruções executando desvios ou ciclos ( loops ). Veja como isso é possível. Imagine que em um dado momento o programa dependa de um dado de entrada. Se este dado for, por exemplo, o nome de uma pessoa, o usuário deverá entrar com um caractere e o programa deverá iniciar a rotina correspondente à entrada de nomes. Se, por outro lado, for a idade desta pessoa, o usuário deverá entrar com um algarismo e o programa deverá iniciar a rotina correspondente à entrada de idades. Rotinas são conjuntos de instruções encadeadas que servem para executar uma tarefa específica, uma parte de um programa (dentro desta ótica, podemos considerar a rotina como um sub-programa, ou como um programa dentro de outro programa). Portanto, como os programas, as rotinas são um conjunto de instruções concatenadas armazenadas em posições de memória em geral adjacentes. Imaginemos que a rotina de entrada de nomes ocupe um trecho da memória cuja posição inicial tem o endereço e a rotina de entrada de números ocupe outro trecho, cujo endereço da posição inicial seja E imaginemos que, em um dado momento, o programa está executando a rotina de entrada de dados, mais especificamente a instrução que está armazenada no endereço Se isto é verdade, e considerando o que sabemos sobre o ciclo de busca e execução, o ponteiro de instruções deve conter o valor (o endereço da posição de memória que contém a próxima instrução a ser executada caso o fluxo não seja alterado). Pois bem: vamos supor que neste momento o usuário teclou a letra c. No exemplo que estamos examinando, a instrução contida no endereço de memória deve fazer parte da rotina que processa as entradas de teclado. Como ela está no Registrador de Instruções, está sendo e executada. Durante sua execução o programa analisa a entrada do teclado e constata que o usuário teclou uma letra. Logo, ele está entrando com um nome. A rotina que processa entradas de nomes está armazenada na memória a partir do endereço Isto significa que a próxima instrução a ser executada é a que está no endereço (início da rotina de entrada de nomes) e não aquela cujo endereço ocupa neste momento o Ponteiro de Instruções. Ora, o Ponteiro de Instruções é um registrador de uso específico mas, como os demais, pode ter seu conteúdo alterado durante a execução de uma instrução. E como o programa determinou que a próxima instrução a ser executada é aquela contida no

5 endereço , dirige o fluxo do programa para lá simplesmente escrevendo no Ponteiro de Instruções o valor Isto fará com que, no próximo ciclo de busca e execução, seja executada a primeira instrução da rotina de entrada de nomes. Evidentemente, no nosso exemplo, caso o usuário tivesse premido a tecla correspondente a um algarismo o programa teria escrito em PI o valor e iniciado a rotina de entrada de números. Em resumo: o fluxo do programa pode ser alterado pelo próprio programa mudando o conteúdo do ponteiro de instruções durante a execução de uma dada instrução. Quando isto ocorre, em vez de ser executada a instrução correspondente ao incremento do ponteiro de instruções, será executada aquela contida na posição de memória correspondente ao novo endereço escrito no ponteiro de instruções. Assim, alterando o conteúdo do ponteiro de instruções de modo a fazê-lo apontar para o início da rotina desejada, o próprio programa controla seu fluxo dependendo das entradas de dados fornecidos pelo usuário. Todas as decisões tomadas pelos programas que causam alterações na ordem de execução de instruções decorrem de procedimentos semelhantes: comparar dados de entrada ou resultados intermediários e, dependendo do resultado desta comparação, escrever no PI o endereço da posição de memória que contém a primeira instrução da rotina a ser executada. Finalmente, um último ponto a ser esclarecido: o que acontece quando o programa acaba (ou seja, quando é executada sua última instrução)? Bem, existe uma instrução específica para esta finalidade, ou seja, encerrar um programa. Quando executada, ela escreve no ponteiro de instruções um endereço correspondente a uma das rotinas do sistema operacional. Ora, o sistema operacional é um programa como outro qualquer. Ele se destina a controlar a máquina e seus periféricos e a carregar e administrar a execução dos demais programas, mas também consiste de um conjunto de instruções distribuídas por diferentes rotinas que são executadas sucessivamente. Ou seja: quando um programa termina, a UCP continua fazendo a única coisa que sabe fazer por si mesma: uma sucessão infindável de ciclos de busca e execução. A única diferença é que as instruções agora executadas fazem parte do sistema operacional. E assim prossegue até que a máquina seja desligada e cesse a atividade da UCP. É somente neste caso que a sucessão de ciclos de busca e execução é interrompida. Coluna anterior: < > Busca e execução Primeiro passo Próxima coluna: Em breve.

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 08: UCP Características dos elementos internos da UCP: registradores, unidade de controle, decodificador de instruções, relógio do sistema. Funções do processador: controle

Leia mais

Computadores I: Dados e informações

Computadores I: Dados e informações Computadores I: Dados e informações A1 Texto 1 Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 20/06/2005 Autor: B.Piropo Dado e informação Um computador é uma máquina que tem por fim processar

Leia mais

Computadores XXXIII: Posições de memória A8 Texto 3

Computadores XXXIII: Posições de memória A8 Texto 3 Computadores XXXIII: Posições de memória A8 Texto 3 Sítio Fórum PCs /Colunas http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=212493 Coluna: B. Piropo Publicada em 30/04/2007 Autor: B.Piropo Agora, que já sabemos

Leia mais

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 http://www.bpiropo.com.br/fpc20051017.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 17/10/2005 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=131250

Leia mais

Computadores XVIII: Lógica temporizada

Computadores XVIII: Lógica temporizada Computadores XVIII: Lógica temporizada A6 Texto 3 http://www.bpiropo.com.br/fpc20051219.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 19/12/2005 Autor: B.Piropo Para entendermos o que vem

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

Computadores XLII: Placas controladoras do PC A9 Texto 6

Computadores XLII: Placas controladoras do PC A9 Texto 6 Computadores XLII: Placas controladoras do PC A9 Texto 6 Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 01/10/2007 http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=221359 Autor: B.Piropo Na coluna anterior

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL Aula 01 04/08/2008 Universidade do Contestado UnC Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores 2ª Fase Prof. Carlos Guerber ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL O QUE É O COMPUTADOR? Um computador

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Princípios de funcionamento dos computadores

Princípios de funcionamento dos computadores Princípios de funcionamento dos computadores Objetivos da aula: - Entender o princípio de funcionamento dos computadores - Entender o conceito de programa e sua dinâmica de execução Tópicos da aula: -

Leia mais

INFORMÁTICA - BICT (noturno)

INFORMÁTICA - BICT (noturno) INFORMÁTICA - BICT (noturno) Organização de Computadores Professor: Dr. Rogério Vargas 2014/2 http://rogerio.in Introdução O que é mesmo um Computador? O computador é uma máquina eletrônica que permite

Leia mais

Aula 2 Modelo Simplificado de Computador

Aula 2 Modelo Simplificado de Computador Aula 2 Modelo Simplificado de Computador Um computador pode ser esquematizado de maneira bastante simplificada da seguinte forma: Modelo Simplificado de Computador: Memória Dispositivo de Entrada Processador

Leia mais

COMPUTADOR SIMPLIFICADO E COMPUTADOR DIGITAL. Algoritmos e Programação APG0001

COMPUTADOR SIMPLIFICADO E COMPUTADOR DIGITAL. Algoritmos e Programação APG0001 COMPUTADOR SIMPLIFICADO E COMPUTADOR DIGITAL Algoritmos e Programação APG0001 Objetivos da aula Entender o princípio de funcionamento dos computadores; Entender o conceito de programa e sua dinâmica de

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 02: Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos fundamentais: dado, informação e processamento de dados Conceitos de algoritmo, algoritmo ótimo, hardware. Software e

Leia mais

Computador = Hardware + Dados

Computador = Hardware + Dados Computador = Hardware + Dados Jorge Fernandes (jorgehcfernandes@uol.com.br) Janeiro de 2004 Conteúdo Computador = Hardware + Dados O Hardware e seus Componentes Dispositivos de Entrada/Saída Unidade Central

Leia mais

Organização Básica do Computador

Organização Básica do Computador Organização Básica do Computador Modelo de Von Neumann MEMÓRIA ENTRADA ARITMÉTICA LÓGICA SAÍDA CONTROLE Modelo de Von Neumann Introduziu o conceito do computador controlado por programa armazenado. Todo

Leia mais

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade bases I: numéricas 0 Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre bases numéricas 1 - Conceitos básicos sobre arquitetura de computadores

Leia mais

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Aula de hoje: Periférico de entrada/saída, memória, vírus, Windows, barra tarefas. Prof: Lucas Aureo Guidastre Memória A memória RAM é um componente essencial

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Rogério Spindula Rosa

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Rogério Spindula Rosa ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 Rogério Spindula Rosa 2 EXECUÇÃO DE PROGRAMAS PROGRAMA 3 4 INTRODUÇÃO Hoje é raro escrever um programa diretamente em linguagem de computador em virtude da enorme dificuldade

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

Unidade Central de Processamento

Unidade Central de Processamento Unidade Central de Processamento heloar.alves@gmail.com Site: heloina.com.br 1 CPU A Unidade Central de Processamento (UCP) ou CPU (Central Processing Unit), também conhecida como processador, é responsável

Leia mais

Registradores de uma CPU. Registradores de uma CPU - Acumulador

Registradores de uma CPU. Registradores de uma CPU - Acumulador Prof. Eduardo ppel Eng.DSc. appel@upf.tche.br Denominação dos registradores Função dos registradores Características dos registradores Utilização dos registradores - cumulador Um registrador é um local

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

em meados dos anos 1990, ao olhar o parque industrial, levaria um grande susto. Quanta coisa mudou!

em meados dos anos 1990, ao olhar o parque industrial, levaria um grande susto. Quanta coisa mudou! A UU L AL A Software Se alguém adormecesse em 1960 e acordasse em meados dos anos 1990, ao olhar o parque industrial, levaria um grande susto. Quanta coisa mudou! Um problema O que mais impressiona são

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Organização de Computadores Hardware

Organização de Computadores Hardware Organização de Computadores Hardware Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Computador Ferramenta

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo.

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo. Cursos: Análise, Ciência da Computação e Sistemas de Informação Programação I - Prof. Aníbal Notas de aula 8 ARRAYS Introdução Até agora, utilizamos variáveis individuais. Significa que uma variável objeto

Leia mais

ARTIGO IV PRINCIPAIS PARTES DA CPU

ARTIGO IV PRINCIPAIS PARTES DA CPU ARTIGO IV PRINCIPAIS PARTES DA CPU Principais partes da CPU: Nos primeiros computadores as partes da CPU eram construídas separadamente, ou seja, um equipamento fazia o papel de unidade lógica e aritmética

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

O Hardware Dentro da Unidade do Sistema

O Hardware Dentro da Unidade do Sistema Memória RAM Random Access Memory Memória de Acesso Aleatório Armazena: programas em execução dados dos programas em execução alguns programas do sistema operacional O objetivo é tornar mais rápido o acesso

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

1 Como Funciona um Computador

1 Como Funciona um Computador 1 Como Funciona um Computador Carlos H. Morimoto e Thiago T. Santos O objetivo dessa aula éapresentarumabrevedescrição do funcionamento de um computador, para que você possa se familiarizar com alguns

Leia mais

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Microprocessadores Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Arquitetura de Microprocessadores; Unidade de Controle UC; Unidade Lógica Aritméticas ULA; Arquitetura de von Neumann; Execução de

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1 Informática I Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-11/09/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Todos direitos reservados. Proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo mecânico, eletrônico, reprográfico, etc., sem a autorização, por escrito, do(s) autor(es) e da editora. LÓGICA DE

Leia mais

PROGRAMADOR JAVA. Aula 0 20 semanas. Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com

PROGRAMADOR JAVA. Aula 0 20 semanas. Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com Aula 0 20 semanas Instrutor : Léo Billi Email : leo.billi@gmail.com Bem-vindos Para que não sabe, quer dizer iniciantes. Noobs Informática A arte de processar dados A História A História A arte de processar

Leia mais

EA773 - Experimento 5

EA773 - Experimento 5 EA773 - Experimento 5 Wu Shin - Ting DCA - FEEC - Unicamp 19 de Novembro de 2009 O projeto consiste em implementar uma calculadora com memória com uso de barramento de 8 bits. Neste documento são discutidos

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final Computadores VII: Digitalizando Sons - Final A2 Texto 4 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050808.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 08/08/2005 Autor: B.Piropo Semana passada vimos

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 Índice 1. Circuitos Digitais - Continuação...3 1.1. Por que Binário?... 3 1.2. Conversão entre Bases... 3 2 1. CIRCUITOS DIGITAIS - CONTINUAÇÃO 1.1. POR QUE BINÁRIO?

Leia mais

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária 1- Apresentação Binária Os computadores funcionam e armazenam dados mediante a utilização de chaves eletrônicas que são LIGADAS ou DESLIGADAS. Os computadores só entendem e utilizam dados existentes neste

Leia mais

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Máquinas Multiníveis Prof. Sergio Ribeiro Computador digital máquina que resolve problemas executando uma série de instruções. Programa conjunto de instruções

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Computador HIPO. Inicialmente vamos apresentar as unidades fundamentais de um computador:

Computador HIPO. Inicialmente vamos apresentar as unidades fundamentais de um computador: Computador HIPO Para introduzirmos as noções básicas de como funciona um computador, empregaremos um modelo imaginário (hipotético) que denominaremos de computador hipo. O funcionamento desse modelo tem

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Aula 11 27/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores Prof. Carlos Guerber PROCESSADOR INTRODUÇÃO

Aula 11 27/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores Prof. Carlos Guerber PROCESSADOR INTRODUÇÃO Aula 11 27/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores Prof. Carlos Guerber PROCESSADOR INTRODUÇÃO O processador é um dos componentes que mais determina

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO 0010100111010101001010010101 CURSO DE 0101010100111010100101011101 1010011001111010100111010010 ELETRÔNICA 1010000111101010011101010010 DIGITAL INTRODUÇÃO Os circuitos equipados com processadores, cada

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

20/09/2009 TRANSFORMANDO DADOS EM. PROCESSANDO DADOS George Gomes Cabral SISTEMAS NUMÉRICOS INFORMAÇÕES

20/09/2009 TRANSFORMANDO DADOS EM. PROCESSANDO DADOS George Gomes Cabral SISTEMAS NUMÉRICOS INFORMAÇÕES TRANSFORMANDO DADOS EM INFORMAÇÕES Em geral, parece que os computadores nos entendem porque produzem informações que nós entendemos. Porém, tudo o que fazem é reconhecer dois estados físicos distintos

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM Nas aulas anteriores tivemos a oportunidade de discutir dois diferentes níveis presentes na maioria dos computadores atuais. Nesta aula dedica-se a outro nível que também

Leia mais

Informática Computador Visão Geral. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Computador Visão Geral. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Computador Visão Geral Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Identificar os componentes básicos de um sistema de computador: entrada, processamento, saída e armazenamento. Relacionar

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Introdução à Organização e Arquitetura de Computadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Introdução à Organização e Arquitetura de Computadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Introdução à Organização e Arquitetura de Computadores Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Evolução dos Computadores; Considerações da Arquitetura de von Neumann; Execução de uma instrução

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída

Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída Fundamentos de Sistemas de Informação Hardware: Dispositivos de Entrada, Processamento e Saída Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Introdução O uso apropriado da tecnologia pode garantir

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Registro aqui o agradecimento ao professor Osvaldo (DCC-UFMG) e a vários professores do DECOM (Marcelo, Sabir, José Maria, Andrea, David) por ceder material que foi usado na

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática

Tecnologia da Informação. Visão Geral sobre Informática 9/18/2014 1 Tecnologia da Informação Visão Geral sobre Informática Trabalho compilado da internet Prof. Claudio Passos 9/18/2014 2 PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS Volume de Informação Tempo de Resposta Aumento

Leia mais

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON Computadores e Programação Engª Biomédica Departamento de Física Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2003/2004 FICHA 1 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON 1.1. Objectivos

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

2 Formalidades referentes ao trabalho

2 Formalidades referentes ao trabalho Bacharelado em Ciência da Computação DINF / UFPR Projetos Digitais e Microprocessadores 1 o Semestre de 2006 MICO-v12.r0 07/03/2006 Profs. Luis Allan Künzle e Armando Luiz Nicolini Delgado Atenção: Este

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

A Unidade Central de Processamento é a responsável pelo processamento e execução de programas armazenados na MP.

A Unidade Central de Processamento é a responsável pelo processamento e execução de programas armazenados na MP. A ARQUITETURA DE UM COMPUTADOR A arquitetura básica de um computador moderno segue ainda de forma geral os conceitos estabelecidos pelo Professor da Universidade de Princeton, John Von Neumann (1903-1957),

Leia mais

Disciplina: Organização de computadores

Disciplina: Organização de computadores Disciplina: Organização de computadores Professora: Carolina D. G. dos Santos E-mail: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br Unip / Prof. a Carolina 1 à Computador Conceitos Básicos

Leia mais

Sistemas Numéricos bit / Byte BIT BYTE. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

Sistemas Numéricos bit / Byte BIT BYTE. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA BIT BYTE 1 BIT / BYTE Toda informação introduzida em um computador precisa ser entendida pela máquina para que possa ser corretamente interpretada e processada. O computador armazena e movimenta as informações

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

Conceitos Importantes:

Conceitos Importantes: Conceitos Importantes: Variáveis: Por Flávia Pereira de Carvalho, 2007 i O bom entendimento do conceito de variável é fundamental para elaboração de algoritmos, consequentemente de programas. Uma variável

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computação

Introdução à Engenharia de Computação Introdução à Engenharia de Computação Tópico: Organização Básica de um Computador Digital Introdução à Engenharia de Computação 2 Componentes de um Computador Computador Eletrônico Digital É um sistema

Leia mais

INF1004 e INF1005: Programação 1. Introdução à Programação

INF1004 e INF1005: Programação 1. Introdução à Programação INF1004 e INF1005: Programação 1 Introdução à Programação Tópicos Principais Modelo de um Computador Um computador hipotético Ciclo de Desenvolvimento Modelo de um Computador Modelo de um Computador A

Leia mais

Programa A busca da formação integral de adolescentes que habitam as periferias e bolsões de miséria em Cascavel/PR através da saúde, do meio

Programa A busca da formação integral de adolescentes que habitam as periferias e bolsões de miséria em Cascavel/PR através da saúde, do meio Programa A busca da formação integral de adolescentes que habitam as periferias e bolsões de miséria em Cascavel/PR através da saúde, do meio ambiente, da cultura e da tecnologia O que é computador? O

Leia mais

Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual do Usuário

Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual do Usuário Sistema de Cancelamento Eletrônico Manual do Usuário IEPTB-MG Belo Horizonte, 2014 Índice Sumário I. Uso do sistema pelo credor... 4 1. Acesso ao sistema... 5 1.1 Uso da assinatura digital... 5 2. Criação

Leia mais

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura

Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Capítulo 1 Os Computadores e a Sua Arquitetura Neste capítulo nós trataremos de alguns conceitos básicos sobre o modelo de arquitetura dos computadores modernos, seus componentes e suas principais funções.

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais