Computadores XXI: Busca e execução Final

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Computadores XXI: Busca e execução Final"

Transcrição

1 Computadores XXI: Busca e execução Final A6 Texto 6 Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 23/01/2006 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < > Busca e execução Primeiro passo, discutimos os conceitos básicos do Ciclo de Busca e Execução e examinamos seu primeiro passo. Na de hoje examinaremos os demais passos e discutiremos alguns conceitos importantes sobre o fluxo dos programas. Figura 1: Estado após primeiro passo No exemplo que estamos discutindo, ao final do primeiro passo do Ciclo de Busca e Execução o estado das posições de memória da MP e dos registradores da UCP é o mostrado na Figura 1, ou seja, o conteúdo da posição da memória principal de endereço 247 ( em binário) foi lido e transcrito para o Registrador de instruções. Esse número (no caso, ) é a próxima instrução a ser executada. Mas antes dessa execução é preciso tomar uma providência vital: incrementar o Ponteiro de Instruções para que ele passe a apontar para a instrução seguinte. Esta singela operação é o segundo passo do ciclo de busca e execução. Incrementar significa somar uma unidade. No nosso exemplo, após o incremento o conteúdo do Ponteiro de instruções passa a ser 248 (ou em binário). Se você reparar na Figura 1 verá que a posição de memória que tem este endereço situase imediatamente após a posição para a qual apontava o PI. Ou seja: o PI agora aponta para a posição de memória seguinte, como mostra a seta azul da Figura 2, que exibe o estado do sistema após a execução do segundo passo do ciclo de busca e execução, o incremento do Ponteiro de Instrução. Figura 2: Estado após segundo passo

2 Neste ponto a instrução a ser executada já foi lida e transposta para o Registrador de Instruções e o Ponteiro de Instruções já aponta para a posição da MP que contém a instrução seguinte. Só falta, portanto, executar a instrução. Este é o terceiro passo do ciclo da busca e execução, o passo da Execução. Este passo depende da instrução a ser executada. Ela pode ser simples como incrementar um registrador qualquer, ou complexa como copiar o conteúdo de um longo trecho da memória para outro. Mas no que toca ao ciclo de busca e execução não importa seu grau de complexidade: ela é encarada simplesmente como o terceiro passo, o da execução. Este passo se inicia com a transposição do conteúdo do registrador de instruções (que, como sabemos, contém a instrução a ser executada) para o interior da Unidade de Controle, mais especificamente para o decodificador situado logo na entrada desta unidade. O decodificador (nosso velho conhecido da coluna < fdd914d > Multiplexadores, decodificadores e flip-flops ) decodifica a instrução, ou seja, energiza os circuitos lógicos que disparam as micro-operações correspondentes à execução da instrução, que por sua vez, se necessário for, acionarão a unidade lógica e aritmética e os demais circuitos eventualmente envolvidos na execução da instrução. Mas, sempre é bom reiterar: do ponto de vista do ciclo de busca e execução, tudo isto se resume ao passo da execução, seja quais forem as operações envolvidas. Uma representação do terceiro passo, o da execução, com a introdução da instrução na unidade de controle, sua decodificação e execução, é representada esquematicamente na Figura 3. Figura 3: Terceiro passo: Execução E com a execução da instrução termina o ciclo de busca e execução. O problema é que no computador, as coisas só terminam quando não há energia. Enquanto o microprocessador está sendo alimentado com eletricidade, ele continua executando busca e execução de instruções, ciclo após ciclo. Então, após terminar o ciclo que acabamos de examinar, inicia-se outro. Como vimos no passo anterior, o PI agora aponta para uma nova instrução. O primeiro passo do novo ciclo consistirá então em buscar esta instrução e escrevê-la no registrador de instruções, tomando o lugar desta que acabamos de executar. Em seguida, no segundo passo, o ponteiro de instruções será incrementado e passará a apontar para a posição de memória de endereço 249. E no terceiro passo a nova instrução recém-copiada no registrador de instrução será executada. E assim por diante, ciclo após ciclo. Resumindo: o ciclo de busca e execução consiste de três passos: busca, incremento e execução.

3 Busca: verificar o endereço contido no Ponteiro de Instruções, ir até à posição de memória correspondente, ler seu conteúdo e copiá-lo no Registrador de Instruções. Incremento: incrementar o conteúdo do ponteiro de instruções Execução: introduzir o conteúdo do registrador de instruções na unidade de controle, onde este número (que representa uma instrução) será decodificado e a instrução correspondente executada. Estes três passos são repetidos indefinidamente, ciclo após ciclo. Agora que já conhecemos o ciclo de busca e execução, pense um pouco e responda: em um dado momento, durante a execução de um programa, o que representam os números contidos no ponteiro de instruções e no registrador de instruções? Para quem entendeu o procedimento descrito nesta coluna e na anterior a resposta é simples: o registrador de instruções contém sempre a instrução que está sendo executada naquele momento, enquanto o ponteiro de instruções contém o endereço da posição de memória onde está armazenada a próxima instrução a ser executada. É simples assim. Dirimindo dúvidas Com os conhecimentos adquiridos até este ponto podemos esclarecer duas dúvidas relativamente comuns. A primeira delas: se a memória principal pode armazenar dados, instruções e endereços de outras posições de memória e se tanto uns quanto outros são representados por números expressos no sistema binário, como a UCP distingue um dos outros? Explicando melhor: como a UCP distingue um dado de um endereço e de uma instrução? A resposta é simples: ela não distingue. A distinção fica por conta do fluxo do programa. A coisa funciona assim: se o conteúdo de uma posição de memória for copiado no registrador de instruções, ao final daquele ciclo de busca e execução ele será inapelavelmente introduzido na Unidade e Controle e executado. Se for uma instrução do programa, muito bem. Se não for e tiver sido movido para o RI por engano, qualquer coisa pode acontecer (geralmente a máquina trava ), pois provavelmente haverá uma instrução com aquele número e a unidade de controle tentará executá-la. Portanto, e respondendo à pergunta: se o número for copiado no registrador de instruções, ele será interpretado como uma instrução que será executada. Se, no entanto, ele for copiado em um dos registradores que exercem a função de ponteiro, como o ponteiro de instruções, ele será considerado um endereço de uma posição de memória e tratado como tal. Senão, ele será encarado como um dado. É simples assim. A segunda é uma dúvida igualmente comum: por que o programa precisa ser armazenado na MP para ser executado? Simples: porque o primeiro passo do ciclo de busca e execução, o passo da busca, consiste em copiar no registrador de instruções o conteúdo da posição de memória principal apontada pelo ponteiro de instruções. E o ponteiro de instruções não pode apontar para nenhum outro lugar que não a MP. Portanto as instruções que compõem o programa precisam estar na MP para que sejam transpostas para o registrador de instruções e executadas. O fluxo do programa

4 Se você prestou atenção nos três passos do ciclo de busca e execução percebeu que no segundo passo o conteúdo do Ponteiro de Instrução foi incrementado, fazendo-o apontar para a posição de memória de endereço imediatamente superior. Ora, se não houver uma forma de alterar isto o programa será inapelavelmente executado instrução após instrução, sucessivamente, da primeira à última, jamais alterando a ordem em que as instruções são executadas do início ao final do programa. Há programas assim, como os conversores de formato de arquivos, mas são raros. Na maioria das vezes a ordem em que as instruções são executadas depende de resultados intermediários obtidos pelo próprio programa ou de dados supridos pelo usuário. Portanto deve haver algum meio de alterar a ordem de execução das instruções, ou seja, desviar o fluxo de instruções da ordem em que estão armazenadas na memória. Mas de acordo com os passos acima descritos, isso aparentemente é impossível, já que o conteúdo do PI é sempre incrementado de uma unidade o que implica obrigatoriamente a execução da instrução armazenada no endereço da MP imediatamente superior. Como podem então ocorrer os desvios de fluxo no interior de um programa? A explicação é simples: o próprio programa pode alterar o conteúdo do ponteiro de instruções executando desvios ou ciclos ( loops ). Veja como isso é possível. Imagine que em um dado momento o programa dependa de um dado de entrada. Se este dado for, por exemplo, o nome de uma pessoa, o usuário deverá entrar com um caractere e o programa deverá iniciar a rotina correspondente à entrada de nomes. Se, por outro lado, for a idade desta pessoa, o usuário deverá entrar com um algarismo e o programa deverá iniciar a rotina correspondente à entrada de idades. Rotinas são conjuntos de instruções encadeadas que servem para executar uma tarefa específica, uma parte de um programa (dentro desta ótica, podemos considerar a rotina como um sub-programa, ou como um programa dentro de outro programa). Portanto, como os programas, as rotinas são um conjunto de instruções concatenadas armazenadas em posições de memória em geral adjacentes. Imaginemos que a rotina de entrada de nomes ocupe um trecho da memória cuja posição inicial tem o endereço e a rotina de entrada de números ocupe outro trecho, cujo endereço da posição inicial seja E imaginemos que, em um dado momento, o programa está executando a rotina de entrada de dados, mais especificamente a instrução que está armazenada no endereço Se isto é verdade, e considerando o que sabemos sobre o ciclo de busca e execução, o ponteiro de instruções deve conter o valor (o endereço da posição de memória que contém a próxima instrução a ser executada caso o fluxo não seja alterado). Pois bem: vamos supor que neste momento o usuário teclou a letra c. No exemplo que estamos examinando, a instrução contida no endereço de memória deve fazer parte da rotina que processa as entradas de teclado. Como ela está no Registrador de Instruções, está sendo e executada. Durante sua execução o programa analisa a entrada do teclado e constata que o usuário teclou uma letra. Logo, ele está entrando com um nome. A rotina que processa entradas de nomes está armazenada na memória a partir do endereço Isto significa que a próxima instrução a ser executada é a que está no endereço (início da rotina de entrada de nomes) e não aquela cujo endereço ocupa neste momento o Ponteiro de Instruções. Ora, o Ponteiro de Instruções é um registrador de uso específico mas, como os demais, pode ter seu conteúdo alterado durante a execução de uma instrução. E como o programa determinou que a próxima instrução a ser executada é aquela contida no

5 endereço , dirige o fluxo do programa para lá simplesmente escrevendo no Ponteiro de Instruções o valor Isto fará com que, no próximo ciclo de busca e execução, seja executada a primeira instrução da rotina de entrada de nomes. Evidentemente, no nosso exemplo, caso o usuário tivesse premido a tecla correspondente a um algarismo o programa teria escrito em PI o valor e iniciado a rotina de entrada de números. Em resumo: o fluxo do programa pode ser alterado pelo próprio programa mudando o conteúdo do ponteiro de instruções durante a execução de uma dada instrução. Quando isto ocorre, em vez de ser executada a instrução correspondente ao incremento do ponteiro de instruções, será executada aquela contida na posição de memória correspondente ao novo endereço escrito no ponteiro de instruções. Assim, alterando o conteúdo do ponteiro de instruções de modo a fazê-lo apontar para o início da rotina desejada, o próprio programa controla seu fluxo dependendo das entradas de dados fornecidos pelo usuário. Todas as decisões tomadas pelos programas que causam alterações na ordem de execução de instruções decorrem de procedimentos semelhantes: comparar dados de entrada ou resultados intermediários e, dependendo do resultado desta comparação, escrever no PI o endereço da posição de memória que contém a primeira instrução da rotina a ser executada. Finalmente, um último ponto a ser esclarecido: o que acontece quando o programa acaba (ou seja, quando é executada sua última instrução)? Bem, existe uma instrução específica para esta finalidade, ou seja, encerrar um programa. Quando executada, ela escreve no ponteiro de instruções um endereço correspondente a uma das rotinas do sistema operacional. Ora, o sistema operacional é um programa como outro qualquer. Ele se destina a controlar a máquina e seus periféricos e a carregar e administrar a execução dos demais programas, mas também consiste de um conjunto de instruções distribuídas por diferentes rotinas que são executadas sucessivamente. Ou seja: quando um programa termina, a UCP continua fazendo a única coisa que sabe fazer por si mesma: uma sucessão infindável de ciclos de busca e execução. A única diferença é que as instruções agora executadas fazem parte do sistema operacional. E assim prossegue até que a máquina seja desligada e cesse a atividade da UCP. É somente neste caso que a sucessão de ciclos de busca e execução é interrompida. Coluna anterior: < > Busca e execução Primeiro passo Próxima coluna: Em breve.

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Instrução Precisam ser entendidas pelo processador Precisam ser decodificadas e

Leia mais

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca PCS-2529 Introdução aos Processadores Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca 1 2 Existem 4 esquemas diferentes de E/S possíveis, cada um se aplicando em uma determinada situação. E/S Programada. E/S Acionada

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin UCP ou microprocessador: Circuito Integrado inteligente (capaz de cumprir diferentes funções determinadas por instruções ) CI capaz de efetuar todas as operações necessárias

Leia mais

SIMULAÇÃO DE MÁQUINA DE REGISTRADORES COM MÁQUINA DE TURING MULTIFITA

SIMULAÇÃO DE MÁQUINA DE REGISTRADORES COM MÁQUINA DE TURING MULTIFITA SIMULAÇÃO DE MÁQUINA DE REGISTRADORES COM MÁQUINA DE TURING MULTIFITA Neste trabalho você deverá construir e testar, com a ferramenta JFLAP, uma MT multifita que simula o funcionamento de um computador

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Hugo de Oliveira Barbalho hbarbalho@ic.uff.br Material produzido pelo professor: Leandro Augusto Frata Fernandes

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Roteiro

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman Processador = UCP = unidade de controle + unidade lógica aritmética Memória; Barramento (novo elemento):

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Aula 2. Dispositivos de entrada. Dispositivos controladores. Memórias. Processador

Aula 2. Dispositivos de entrada. Dispositivos controladores. Memórias. Processador 13 Aula 2 Dispositivos de entrada São dispositivos basicamente elétricos que são os responsáveis pela tradução da linguagem natural, humana para sinais elétricos, que posteriormente serão convertidos em

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Estruturas de Controle e Repetição Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Estruturas de Controle Uma vez que a expressão condicional

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

Computadores XIII: Multiplexadores, decodificadores e flip-flops A4 Texto 4

Computadores XIII: Multiplexadores, decodificadores e flip-flops A4 Texto 4 Computadores XIII: Multiplexadores, decodificadores e flip-flops A4 Texto 4 http://www.bpiropo.com.br/fpc20051017.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 17/10/2005 Autor: B.Piropo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS Aluno: GABARITO Escore: 1 a Questão (30) Assinale a(s) resposta(s)

Leia mais

Leitura Segura de Strings

Leitura Segura de Strings Leitura Segura de Strings As funções da biblioteca padrão de C que podem ser usadas para leitura de strings não são suficientemente adequadas para esta finalidade básica. Nesta seção, serão descritos alguns

Leia mais

Estrutura de indexação de arquivos

Estrutura de indexação de arquivos Estrutura de indexação de arquivos Neste capítulo assume-se que um arquivo já existe e possui alguma organização primária desordenada ordenada ou hash Utiliza-se índices, que são estruturas de acesso adicionais

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 4 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Exercícios: Arquivos

Exercícios: Arquivos Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Arquivos 1. Codifique, compile e execute um programa que: (a) crie/abra

Leia mais

Sumário. Aula Anterior. Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits.

Sumário. Aula Anterior. Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits. Sumário Aula Anterior Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits Aula 12 1 Sumário Nesta Aula Esclarecimento de dúvidas para o Exame Resolução

Leia mais

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Prof. Pedro Carlos da Silva Lara Entrega: 21/10/2014 1 Informações Gerais Winter é um processador hipotético especificado com fim puramente acadêmico.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 2

LISTA DE EXERCÍCIOS 2 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES 1. TIPOS COMPOSTOS DE DADOS LISTA DE EXERCÍCIOS 2 1. Considerando as declarações abaixo, responda dizendo

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

Capítulo 6: Arquivos

Capítulo 6: Arquivos Capítulo 6: Arquivos Waldemar Celes e Roberto Ierusalimschy 29 de Fevereiro de 2012 1 Funções de entrada e saída em arquivos Nos capítulos anteriores, desenvolvemos programas que capturam seus dados de

Leia mais

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 20 e 21/30 Prof.

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Algoritmos e Programação Aula 5 Estruturas de Repetição Profa. Marina Gomes marinagomes@unipampa.edu.br 26/04/2017 Engenharia de Computação - Unipampa 1 Aula de Hoje Estrutura de repetição Comando for

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA COMANDOS DE DESVIO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA COMANDOS DE DESVIO 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA COMANDOS DE DESVIO Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Expressões lógicas 2 Antes de

Leia mais

MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador

MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador Kelly Rosa Braghetto DCC IME USP 25 de março de 2014 MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador DCC IME USP 1

Leia mais

Entendendo e usando permissões no Linux. Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Entendendo e usando permissões no Linux. Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Entendendo e usando permissões no Linux Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Como você deve saber, somente o super-usuário (root) tem ações irrestritas no sistema, justamente por ser o usuário

Leia mais

Árvores B. Prof. Márcio Bueno. / Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura

Árvores B. Prof. Márcio Bueno. / Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura Árvores B Prof. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura Situação Problema Memória Principal Volátil e limitada Aplicações Grandes

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO 1 Tipos de dados Inteiro São os números pertencentes ao conjunto dos Inteiros, isto é, que

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15. Revisão Vetores e Matrizes Trabalho

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15. Revisão Vetores e Matrizes Trabalho CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15 Revisão Vetores e Matrizes Trabalho Definição: Introdução a Linguagem C Vetores Estrutura que permite armazenar um conjunto de dados do mesmo tipo na mesma variável;

Leia mais

Exercícios sobre algoritmos

Exercícios sobre algoritmos Exercícios sobre algoritmos Exercícios envolvendo estruturas de decisão Fazer um algoritmo para: 1) Receber um número do usuário e mostrar se esse número é par ou não par 2) Receber 3 valores numéricos,

Leia mais

Fluxograma Pseudocódigo Estruturas de decisão. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes

Fluxograma Pseudocódigo Estruturas de decisão. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes Programação de Computadores III Aula 4 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Lista com descritor (continuação)

Lista com descritor (continuação) Lista com descritor (continuação) Rotina para remover o eiro elemento de uma LLSECD: char removeiniciollsecd(tdescritor *l, TInfo val) { p = l->; l->=p->prox; if (l->==1) Rotina para remover o último nó

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho. Introdução. Ementa

Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho. Introdução. Ementa DCC-IM/NCE UFRJ Pós-Graduação em Informática Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho Introdução Gabriel P. Silva Ementa Revisão de Organização de Computadores Hierarquia de Memória Memória Virtual Memória

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TEORIA DA COMPUTAÇÃO Aula 03 Programas (Monolítico e Iterativo) Prof.ª Danielle Casillo Programas, Máquinas e Computações Diferentes

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Instruções de Utilização 11 ANO Fx 9860G SD Persiga programs

Instruções de Utilização 11 ANO Fx 9860G SD Persiga programs Instruções de Utilização 11 ANO Fx 9860G SD Persiga programs Parabéns por ter adquirido o mais completo software da matéria de Matemática totalmente em português para as novas maquinas Casio Fx9860G, idealizados

Leia mais

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória: Barramentos e Registradores FAC 1 / 34

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 1 Processador e instruções Memórias Dispositivos de Entrada e Saída Software ARQUITETURA BÁSICA UCP Unidade central de processamento MEM Memória E/S Dispositivos de entrada e saída UCP UNIDADE

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Sistemas de arquivos

Sistemas de arquivos Todos os programas precisam armazenar e recuperar dados. Os processos não podem armazenar grande quantidade de dados no seu espaço de endereçamento. Quando o processo chega ao final os dados no seu espaço

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática Exercício 1: Correspondência Relacione os termos da tabela 1 abaixo com as definições da tabela 2. Para facilitar, os termos da tabela 1 estão colocados

Leia mais

Unidade II. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis

Unidade II. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis Unidade II Organização de Computadores Prof. Renato Lellis Ciclo de Execução da Instrução 1. Trazer a próxima instrução da memória até o registrador 2. Alterar o contador de programa para indicar a próxima

Leia mais

Algoritmo e Programação Matemática

Algoritmo e Programação Matemática Algoritmo e Programação Matemática Fundamentos de Algoritmos Parte 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Dados A funcionalidade principal de um computador

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 05: Memória Principal MEMÓRIA PRINCIPAL Elementos de uma memória principal (célula, bloco, tamanho total); Cálculo dos elementos de memória (tamanho dos barramentos de

Leia mais

Estrutura do Sistema Operacional

Estrutura do Sistema Operacional Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Aula 04 Estrutura do Sistema Operacional 2 1 Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

NEANDERWIN - Resumo operacional

NEANDERWIN - Resumo operacional NEANDERWIN - Resumo operacional Sumário Listagem geral das instruções... 2 NOP... 2 LDI imed... 2 STA ender... 2 LDA ender... 3 ADD ender... 3 SUB ender... 3 OR ender... 4 AND ender... 4 NOT... 4 JMP ender...

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Primeiro programa em C #include int main() { int num1, num2, result; scanf("%d",&num1); scanf("%d",&num2); result = num1 + num2; printf("%d",

Leia mais

SIMPLES INFORMÁTICA E CONSULTORIA LTDA

SIMPLES INFORMÁTICA E CONSULTORIA LTDA INCONSISTÊNCIAS MAIS COMUNS PARA SAGRES 2014 #1.1. FONTES DE RECURSOS: PLANO DE CONTAS Informa-se a fonte de recurso para contas bancárias ou para contas onde existe saldo de abertura. No plano de contas,

Leia mais

Linguagem de Maquina II. Visão Geral

Linguagem de Maquina II. Visão Geral Linguagem de Maquina II Visão Geral Revisão A linguagem de máquina é composta de seqüências binárias (1's e 0's) São interpretadas como instruções pelo hardware A linguagem de montagem e a linguagem de

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Caracterização de Sistemas Distribuídos

Caracterização de Sistemas Distribuídos Caracterização de Sistemas Distribuídos Roteiro Conceitos de Hardware Conceitos de Software Classificação de Flynn Classificação baseada no acesso a memória 2 Conceitos de HW Múltiplas CPUs Diferentes

Leia mais

Linux - comando essenciais

Linux - comando essenciais Linux - comando essenciais João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 22 http://wiki.ubuntu-br.org/comandosbasicos http://www.uniriotec.br/ morganna/guia/introd guia.html Um guia de referência rápida em

Leia mais

Fundamentos de Informática Introdução aos Conceitos Básicos

Fundamentos de Informática Introdução aos Conceitos Básicos Fundamentos de Informática Introdução aos Conceitos Básicos Professor: Luiz A. P. Neves neves@ufpr.br e lapneves@gmail.com 1 Roteiro Objetivos Conceitos Básicos Processamento de Dados Modalidade de Computadores

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES AULA 03 PROFº RITIELLE SOUZA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA Arquitetura de Von Neumann Uma unidade central de processamento recebe informações através de uma unidade

Leia mais

Exercícios: Vetores e Matrizes

Exercícios: Vetores e Matrizes Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Vetores e Matrizes 1 Vetores 1. Faça um programa que possua um vetor

Leia mais

Algoritmos I Aula 10 Estrutura de controle: repetição

Algoritmos I Aula 10 Estrutura de controle: repetição Algoritmos I Aula 10 Estrutura de controle: repetição Professor: Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Ciência da Computação São comuns as situações nas quais precisamos repetir determinadas

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Estrutura dos Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 1 Sistema Operacional -São partes do SO -São ferramentas de apoio ao usuário -São formas de acessar as rotinas do kernel O Sistema Operacional é formado

Leia mais

Apostila de Portugol

Apostila de Portugol Apostila de Portugol TIPOS PRIMITIVOS DE DADOS INTEIRO ADMITE SOMENTE NÚMEROS INTEIROS. GERALMENTE É UTILIZADO PARA REPRESENTAR UMA CONTAGEM (QUANTIDADE). REAL ADMITE NÚMEROS REAIS (COM OU SEM CASAS DECIMAIS).

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Competências: SOP 1. Compreender as abstrações de um sistema operacional e operar um sistema operacional Unix/Linux como

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURAS CONDICIONAIS Estrutura Condicional Simples Estrutura

Leia mais

Entrada e Saída e Dispositivos

Entrada e Saída e Dispositivos Entrada e Saída e Dispositivos Uma das funções do Sistema Operacional é: - Gerência de dispositivos de E/S. Operações: - Tratamento de interrupções - Tratamento erros - Interfaceamento entre os dispositivos

Leia mais

Introdução a Matrizes

Introdução a Matrizes Programação de Computadores I UFOP DECOM 2013 2 Tutorial Introdução a Matrizes Resumo Neste tutorial você irá aprender como criar matrizes, como realizar operações aritméticas básicas sobre matrizes e

Leia mais

Driver Comunicação p/ Protocolo N2

Driver Comunicação p/ Protocolo N2 Descrição do Produto O driver de comunicação permite que os controladores programáveis da Série Ponto PO3X42 e da Série Quark QK801 sejam interligados à redes Metasys e se comuniquem através do protocolo

Leia mais

1ª Lista de Exercícios

1ª Lista de Exercícios Universidade Federal do Rio de Janeiro Data: 26/04/05 Disciplina: Computação I 1ª Lista de Exercícios 1) Faça um programa, em pseudo-código, que peça ao usuário que informe n números reais e então calcule

Leia mais

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR

Trabalho de Programação 2 Processador CESAR Trabalho de Programação 2 Processador CESAR 1. Descrição Geral A empresa TABLETEROS S.A. assinou um contrato milionário de fornecimento de ultrabooks e teve que aumentar o número de estantes. Agora, a

Leia mais

<identificador>[<tamanho>]: <tipo>;

<identificador>[<tamanho>]: <tipo>; Vetores e Constantes Imagine uma situação na qual fosse necessário armazenar 100 valores para processamento. Por exemplo, pode ser necessário armazenar as notas de 100 provas de uma turma de alunos. Uma

Leia mais

Exercícios. Alocação Dinâmica. Alocação dinâmica de memória. Alocação de memória. Alocação da Memória Principal. Alocação da Memória Principal

Exercícios. Alocação Dinâmica. Alocação dinâmica de memória. Alocação de memória. Alocação da Memória Principal. Alocação da Memória Principal Exercícios 1) Crie uma função que recebe os coeficientes de uma função do 2o. grau e retorna as raízes sem usar vetor. 2) Faça um programa que acha o maior e o menor inteiro dentro de um vetor de 10 inteiros,

Leia mais

O Computador Neander Neander - Computador Hipotético Didático

O Computador Neander Neander - Computador Hipotético Didático Neander - Computador Hipotético Didático [Weber 2001] Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Raul Weber - Ed. Sagra. Site - ftp://ftp.inf.ufrgs.br/pub/inf107/ Arquitetura: características gerais Largura

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO

Algoritmos e Estruturas de Dados. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Programação de Computadores I Algoritmos e Estruturas de Dados Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras PURO Estruturas de dados Vetor (array): trata-se

Leia mais

-Periféricos -Dispositivos de Entrada/Saída - Unidade de medida. Gustavo Catarino da Costa Wilson Coelho Neto Paulo Wesley Fogaça

-Periféricos -Dispositivos de Entrada/Saída - Unidade de medida. Gustavo Catarino da Costa Wilson Coelho Neto Paulo Wesley Fogaça -Periféricos -Dispositivos de Entrada/Saída - Unidade de medida Gustavo Catarino da Costa Wilson Coelho Neto Paulo Wesley Fogaça O que é o Computador? Máquina composta de partes eletrônicas e eletromecânicas

Leia mais

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE)

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Algoritmos e Estruturas de Dados 1 Prof. Eduardo 1 ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Já vimos entrada, processamento e saída, que compõem os algoritmos puramente

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Fundamentos Evolução Estrutura

Leia mais

Conceitos Básicos Processador

Conceitos Básicos Processador Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Processador Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Organização da CPU Execução das Instruções RISC x CISC Paralelismo

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin memória é o local onde se armazenam dados Será???? Memória é um local ou dispositivo onde podem se armazenar dados e que permite que sejam recuperados quando deles se precisar

Leia mais

1) Enumere e dê exemplo dos tipos de conflitos que podem ocorrer em um pipeline de instruções de um processador.

1) Enumere e dê exemplo dos tipos de conflitos que podem ocorrer em um pipeline de instruções de um processador. Arquitetura de Computadores II Bacharelado em Ciência da Computação DCC - IM/UFRJ Prof.: Gabriel P. Silva Data: 18/04/2005 1 ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores II 1) Enumere e dê exemplo

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Cristina Boeres Sistema de Computação! Conjunto de componentes integrados com o objetivo de manipular dados e gerar informações úteis.

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

Vamos estudar o que se entende por «programação», que é uma linguagem de programação e ver algumas terminologias própria de programação e como

Vamos estudar o que se entende por «programação», que é uma linguagem de programação e ver algumas terminologias própria de programação e como Vamos estudar o que se entende por «programação», que é uma linguagem de programação e ver algumas terminologias própria de programação e como utilizá-la. 1 Por si só, uma equipe não é muito inteligente.

Leia mais

Compiladores e Computabilidade

Compiladores e Computabilidade Compiladores e Computabilidade Prof. Leandro C. Fernandes UNIP Universidade Paulista, 2013 GERAÇÃO DE CÓDIGO INTERMEDIÁRIO Geração de Código Intermediário Corresponde a 1ª etapa do processo de Síntese

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC Vetores e matrizes

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC Vetores e matrizes PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2014-01 Vetores e matrizes Exercício 1 Implemente uma função chama MEDIA que retorne a média dos valores armazenados em um vetor de números. Em seguida implemente

Leia mais

Exibe configurações do otimizador que podem ser editas pelo usuário. Cada otimizador possui configurações diferentes.

Exibe configurações do otimizador que podem ser editas pelo usuário. Cada otimizador possui configurações diferentes. 1. Configuraço es Exibe configurações do otimizador que podem ser editas pelo usuário. Cada otimizador possui configurações diferentes. 1. Criar primeira linha com cabeçalho: define se o arquivo gerado

Leia mais

Programação de Computadores I 2016 Prof. Marcos UNESP/FEG/DMA

Programação de Computadores I 2016 Prof. Marcos UNESP/FEG/DMA Programação de Computadores I 2016 Prof. Marcos UNESP/FEG/DMA Lista de Exercícios 6. Tipos estruturados. Após consultar o material de apoio, a bibliografia sugerida ou referências adicionais, responda

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO.

INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO isabeladamke@hotmail.com Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

FundamentosemInformática

FundamentosemInformática FundamentosemInformática 03 Bit e Byte 1 -Introdução Toda informação inserida no computador passa pelo Microprocessador e é jogada na memória RAM para ser utilizada enquanto seu micro trabalha. Essa informação

Leia mais

Unidade de Controle. Sinais e temporização da busca de instrução. Prof. Eduardo Appel

Unidade de Controle. Sinais e temporização da busca de instrução. Prof. Eduardo Appel Unidade de Controle Prof Eduardo Appel appel@upftchebr Uma CPU de um microprocessador pode interpretar o conteúdo de uma palavra de memória como sendo o código de instrução Mas pergunta-se: Qual o número

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

b) Quantos bits são necessários para o registrador de instruções?

b) Quantos bits são necessários para o registrador de instruções? Prova de Conhecimentos Específicos a QUESTÃO: (, ponto) Formato de Instruções Considere um microprocessador hipotético de 2 bits com instruções de 2 bits compostas por dois campos: o primeiro byte contém

Leia mais

Capítulo 3 Organização Interna de um Computador

Capítulo 3 Organização Interna de um Computador Capítulo 3 Organização Interna de um Computador 3.1 UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO A Unidade Central de Processamento - UCP (em inglês, Central Processing Unity - CPU) é a responsável pelo processamento

Leia mais