Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3"

Transcrição

1 Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 17/10/2005 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < > Diagramas Lógicos, discutimos a simbologia gráfica e algébrica usada para representar as operações lógicas, uma ferramenta essencial para que possamos analisar circuitos digitais. Agora que dispomos dela, poderemos usá-la para facilitar nossa jornada pelos caminhos da organização interna dos computadores. Então vamos adiante. Hoje em dia, por quaisquer dez mérreis compra-se em um camelô uma máquina de calcular eletrônica capaz de efetuar as quatro operações elementares, raiz quadrada, elevar ao quadrado, calcular porcentagem e, de lambuja, oferece ainda uma memória para armazenar resultados. As primeiras, lançadas há cerca de trinta anos, faziam mais ou menos a mesma coisa e custavam quase mil dólares americanos. Você já pensou em como é que uma maquineta daquelas consegue fazer contas? Como, usando apenas circuitos eletrônicos contendo portas lógicas, é possível efetuar cálculos? Que mistério é esse? Mistério nenhum. Na verdade é uma singela combinação de circuitos que resulta nesse aparente milagre tecnológico. Uma combinação que se baseia nos circuitos somadores, ou seja, que fazem somas. Como a multiplicação é uma sucessão de somas, tendo-se um circuito que some, fica fácil desenvolver um que multiplique. Ou que subtraia, já que a subtração é uma soma ao contrário. Ou que divida, já que a divisão é o oposto da multiplicação. E assim por diante. Então, se conseguirmos desenvolver um circuito que seja capaz de somar usando portas lógicas, teremos a chave da questão. Mas para entendermos um circuito capaz de somar precisamos, primeiro, aprender a somar. Como? O nobre leitor ou briosa leitora já sabe somar desde criança? Ótimo. Então faça a seguinte soma: ( ) onde ambas as parcelas estão representadas em binário (ou seja, no sistema numérico posicional de base dois). Ah, em binário é mais difícil? Pois é justamente isso que eu queria dizer com aprender a somar (não vale converter as parcelas para decimal, somá-las, e depois converter a soma para binário; o resultado, evidentemente, é o mesmo, mas seria ininteligível para um computador). Para entender como computadores somam, precisamos somar em binário. Então mãos à obra (os que já sabem alguma aritmética binária podem saltar este trecho e seguir diretamente para a descrição dos circuitos somadores). Na verdade, a primeira impressão é enganosa. Pois somar em binário é MUITO mais fácil que em decimal. E se você acha que estou exagerando é apenas porque está acostumado a somar em decimal desde criancinha. Porque um raciocínio elementar prova que tenho razão: como o sistema binário usa apenas dois algarismos, o zero e o

2 um, só existem quatro combinações possíveis (além do vai um que veremos adiante): (0 + 0), (0 + 1), (1 + 0) e (1 + 1). Essa é toda a taboada de somar dos números binários (se é que ainda existe a velha taboada que fui obrigado a decorar no curso primário). A soma (zero mais zero) dará sempre zero, seja qual for a base. Assim como, em toda base, somar (zero mais um) ou (um mais zero) dará sempre um. O problema começa quando somamos, em binário, (um mais um). Porque (1 + 1 = 2) e em binário não há algarismo para representar dois. Na verdade, em nenhum sistema numérico posicional existe um algarismo para representar a base. Então, como representaremos dois em binário? Ora, do mesmo jeito que representamos a base em qualquer sistema numérico posicional: movendo o um uma casa para a esquerda e acrescentando um zero à sua direita. Em decimal, isso dá 10 que vale dez. Mas notou que o 10 está entre aspas? Isso porque ele só representa dez em decimal. Na base oito, 10 representa oito, o valor da base. Na base dezesseis, 10 representa dezesseis; na base vinte, 10 representa vinte e assim por diante. Portanto, na base dois, 10 só pode representar dois. Logo, em binário: (1 + 1 = 10). E resista à tentação de ler isso que está entre parênteses como um mais um é igual a dez. Não é. Lembre-se que tudo ali está em binário, portanto deve ser lido um mais um é igual a dois, como em qualquer outra base. Afinal, se tem uma coisa que sabemos desde criancinha é que um mais um é igual a dois. Então, somando parcelas algarismo a algarismo (ou bit a bit, já que um bit é justamente um binary digit, ou algarismo binário), sempre na mesma coluna ou casa, a coisa fica como mostrado na Figura 1: Figura 1: Soma de dígitos binários (bits) Mas que diabos significa esse Vai 1? Ora, a mesma coisa que na soma de decimais. Quando a soma de dois algarismos que estão na mesma posição (ou casa ) decimal resulta em um valor igual ou superior à base (no caso, dez), colocamos no resultado o que sobra de dez e somamos uma unidade à posição imediatamente superior. Veja um exemplo na Figura 2.

3 Figura 2: Soma na base dez O algoritmo para somar números expressos em sistemas numéricos posicionais é sempre o mesmo: coloca-se os números um acima do outro, alinhados pela direita, ou seja, com as posições correspondentes aos algarismos menos significativos de cada parcela diretamente acima uma da outra e soma-se os algarismos, casa a casa, ou seja, coluna a coluna, da direita para a esquerda. Sempre que a soma de dois algarismos ultrapassar o valor da base (dez, no caso do exemplo da Figura 2), anota-se na soma o valor do resto e soma-se uma unidade à casa vizinha da esquerda (o popular vai um ). Antes de prosseguir, um lembrete importante: acostumemo-nos a numerar as posições, ou casas da direita para a esquerda a partir de zero. A posição de ordem 0 é a da extremidade direita, correspondente ao algarismo menos significativo. Portanto a de ordem 1 é a segunda a partir da direita e assim por diante. Agora, voltemos ao assunto do Vai 1. No exemplo da Figura 2 ele ocorreu na casa de ordem 1, onde (7 + 8 = 15; resto 5), na de ordem 3, onde (6 + 4 = 10; resto zero) e na de ordem 5 (8 + 4 = 12; resto 2). Note que o último vai um, o da casa de ordem mais alta, a de ordem 5, foi simplesmente acrescentado à esquerda da soma, já que não havia nada com que somá-lo na casa de ordem 6. Agora, apliquemos o mesmo algoritmo para somas em binário, ou seja, na base dois. Veja dois exemplos na Figura 3, o da esquerda mais simples, o da direita um pouco mais complicado (já veremos o porquê dessa complicação). Figura 3: Soma na base dois

4 Examine primeiro a soma da esquerda, ( = 1110). Note que o algoritmo é o mesmo usado para a soma em decimal: soma-se os dois algarismos (no caso, os dois bits, ou dígitos binários, já que os números são expressos em binário) em cada casa ou coluna da mesma ordem a partir da direita, ou seja, começando pela coluna de ordem zero, correspondente ao algarismo menos significativo. Note que na coluna de ordem 0 do exemplo da esquerda temos (1 + 1 = 0; Vai 1), pois a soma um mais um é igual a dois e dois é a base. Esse um que vai é somado com os dois zeros da casa de ordem 1 (a segunda a partir da esquerda), ficando: ( Vem = 1). Continue repetindo o algoritmo, coluna a coluna, e veja o resultado se formar. Agora repare na soma do exemplo da direita. O complicador está na coluna de ordem 1, a segunda a partir da esquerda. Ela representa a soma de (1 + 1) à qual se deve acrescentar uma unidade devido ao Vai 1 da coluna de ordem zero. Então, proceda assim: primeiro, some o Vem 1 com o primeiro bit 1 e chegue ao resultado parcial ( Vem = 0; Vai um). Pegue esse um do Vai 1 e passe para cima da coluna de ordem 2. Agora, some o 0 do resultado parcial com o segundo bit 1, o que resulta em (0 + 1 = 1). Escreva esse um no resultado e prossiga. Parece complicado, mas se você treinar um pouco verá que é de uma simplicidade franciscana. Para quem, como você, acostumou-se a somar números expressos na base dez, somar na base dois é moleza. Agora, que já sabemos somar, vamos aos circuitos somadores. A primeira coisa que temos que considerar é que a coluna mais fácil de somar é a coluna (ou casa ) de ordem zero, a que corresponde aos algarismos menos significativos. E a razão é simples: como ela é sempre a primeira a ser somada, para ela nunca Vem 1, já que não há coluna alguma antes dela. Então, se construirmos a tabela dos valores possíveis para a soma de dois bits da coluna de ordem zero teremos o resultado exibido na Figura 4. Figura 4: Tabela de um somador simples O circuito, então, deverá ter duas entradas, A e B, correspondentes aos bits a serem somados, e duas saídas, S (correspondente à soma dos bits A e B) e Vai 1, um bit a ser acrescentado à próxima coluna quando o resultado da soma for igual à base (dois, no caso). O diagrama lógico deste circuito é mostrado na Figura 5. Como ele apenas é usado para somar os bits menos significativos, ou seja, os da coluna de ordem zero, as entradas estão assinaladas como Ao e Bo.

5 Figura 5: Diagrama lógico de um circuito somador parcial Como você vê, somar dois bits é mais simples do que parecia. Basta combinar duas portas lógicas, uma XOR e uma AND, e o problema está resolvido. Verifique, na Animação 1, como a coisa funciona. Clique nos botões retangulares (não nos círculos) para ligar (ou atribuir o valor um ) e desligar (ou atribuir o valor zero ) os bits Ao e Bo da entrada e veja como isso se reflete nos valores da saída e do Vai 1. Mas não se limite a observar os indicadores acenderem e apagarem: acompanhe, com os conhecimentos sobre portas lógicas e suas tabelas verdade, os trechos energizados (em vermelho piscante) e não energizados (em preto) de cada estado do circuito e procure entender porque eles estão nestes estados (se precisar refrescar a memória, consulte as colunas anteriores desta série). Garanto que é um bom exercício mental. ANIMAÇÃO 1: CLIQUE NOS BOTÕES LIGAR E DESLIGAR PARA VERIFICAR O FUNCIONAMENTO DO CIRCUITO DO SOMADOR PARCIAL Mas como somar os demais bits de um número, aqueles nas posições (ou casas ) de ordem maior que 0? O complicador, naturalmente, decorre do fato de ser necessário saber se Veio 1 ou não da soma dos bits da posição anterior. O circuito terá então três entradas: os bits A e B a serem somados e o eventual Vem 1 da posição de ordem imediatamente inferior. E duas saídas, S, o resultado da soma, e o Vai 1 caso a soma iguale ou exceda o valor da base. As combinações de valores são as representadas pela Tabela da Figura 7.

6 Figura 7: Tabela de um somador completo O circuito correspondente, com as entradas, An, Bn (os bits a serem somados) e Vem 1 (de um eventual Vai 1 da coluna de ordem imediatamente inferior), e duas saídas, S, (a soma dos bits An, Bn e Vem 1 ), e Vai 1 (o bit a ser acrescentado à próxima coluna quando o resultado da soma for igual ou superior à base) tem seu diagrama lógico mostrado na figura 8. Figura 8: Diagrama lógico de um circuito somador completo Também neste caso, apesar da complicação adicional trazida pelo Vem 1, somar dois bits continua sendo uma tarefa simples. O número de portas lógicas a serem combinadas agora são cinco, duas XOR, duas AND e uma OR. Também nesse caso você pode verificar na Animação 2 como a coisa funciona. Clique nos botões para ligar (ou atribuir o valor um ) e desligar (ou atribuir o valor zero ) aos bits An, Bn e Vem 1 e veja como isso se reflete nos valores da saída e do Vai 1. Mas, novamente, não se limite a observar as luzes acenderem e apagarem: acompanhe, com os conhecimentos

7 sobre portas lógicas e suas tabelas verdade, os trechos energizados (em vermelho piscante) e não energizados (em preto) de cada estado do circuito. ANIMAÇÃO 2: CLIQUE NOS BOTÕES LIGAR E DESLIGAR PARA VERIFICAR O FUNCIONAMENTO DO CIRCUITO DO SOMADOR COMPLETO Agora que sabemos como funcionam os somadores parcial e completo, fica fácil combiná-los para somar dois números de dois bits cada. Os bits menos significativos (de ordem 0) são somados usando um circuito somador parcial e os bits de ordem imediatamente superior (ordem 1) precisam utilizar um somador completo devido à possibilidade de vir 1 da soma dos bits menos significativos. A Figura 10 mostra o diagrama lógico deste circuito. Figura 10: Diagrama lógico de um circuito somador de dois bits Repare como a coisa é simples. Imagine que os números sejam ordenados um acima do outro, de forma que os bits menos significativos fiquem um sobre o outro, no caso Ao e Bo, somados pelo somador parcial à direita da figura. Veja que o Vai 1 desta soma é encaminhado diretamente (como a entrada Vem 1 ) ao somador completo, à esquerda. Os bits dos resultados das somas das duas colunas são mostrados em baixo, na saída. Caso haja um estouro (o resultado não couber em um número de dois bits, ou seja, se for maior que três) isso se refletirá na saída Vai 1 à esquerda, que assumirá o valor um. Veja como este circuito funciona na Animação 3. Altere os valores das parcelas clicando sobre os botões retangulares Ligar e Desligar para atribuir valores zero e um a cada bit das parcelas A e B (os valores resultantes são mostrados em binário e decimal á direita da figura, tanto para A e B quanto para a soma S; neste último caso, quando o valor da soma exceder a três, ou seja, quando a saída Vai 1 estiver ativa, o bit 1 correspondente é mostrado entre parênteses à esquerda dos dois bits da soma). Repare como, apesar da aparente complexidade, somar dois números é uma tarefa relativamente simples com o uso de circuitos digitais que empregam portas lógicas. ANIMAÇÃO 3: CLIQUE NOS BOTÕES LIGAR E DESLIGAR PARA VERIFICAR O FUNCIONAMENTO DO CIRCUITO DO SOMADOR DE DOIS BITS Os valores possíveis de números de dois bits vão de zero a quatro. O número total de combinações de somas é de dezesseis (4 x 4 = 16). Já um circuito somador de duas parcelas de oito bits cada resultaria em somas de dois números que variam de zero a 255

8 e a combinação de todas as parcelas possíveis atingiria a (256 x 256). O circuito não é muito complicado, mas resultaria em um emaranhado de ligações que acabaria dificultando a compreensão. Mas, para facilitar o entendimento e mostrar como pode-se combinar qualquer número de somadores, abaixo vocês verão o diagrama lógico de um circuito capaz de somar duas parcelas de quatro bits cada. Fico devendo a animação, pois o número de total de combinações chegaria a 256 e não me imagino criando uma animação em Flash com 256 quadros. Mas o diagrama lógico está aqui na Figura 12: Figura 12: Diagrama lógico de um circuito somador de quatro bits Como você vê, não há mistério nos circuitos digitais. Basta um pouco de paciência para entendê-los. Isso que está aí em cima é o diagrama lógico de um dispositivo capaz de efetuar somas de duas parcelas de quatro bits cada (ou seja, de dois números menores que 16). Uma somazinha besta, naturalmente, que qualquer criança pode fazer de cabeça. Mas o importante não é o tamanho das parcelas, o importante é o funcionamento do circuito. Se você entendeu como ele funciona, entenderá o funcionamento de um circuito capaz de fazer somas de parcelas de qualquer tamanho, já que basta continuar combinando circuitos somadores bit a bit para aumentar o tamanho das parcelas. E se você entendeu como somar, entenderá como subtrair, multiplicar e dividir, já que como vimos todas essas operações são baseadas na soma. Em resumo, hoje demos um passo sumamente importante: aprendemos como é possível efetuar cálculos numéricos usando apenas circuitos digitais. E, melhor ainda: vimos que não se trata de nenhuma proeza, muito pelo contrário. Trata-se de uma tarefa perfeitamente ao alcance de nossa compreensão e baseada exclusivamente nos conhecimentos que adquirimos até agora. Eu não disse que era fácil? E daqui para a frente, ficará ainda mais fácil. Espere e veja se não tenho razão.

Computadores II: Bits e Bytes

Computadores II: Bits e Bytes Computadores II: Bits e Bytes A1 Texto 2 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050627.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 27/05/2005 Autor: B.Piropo Sistemas numéricos posicionais Pode-se

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

O matemático indiano Pingala apresentou a primeira descrição conhecida de um sistema numérico binário no século III a.c..

O matemático indiano Pingala apresentou a primeira descrição conhecida de um sistema numérico binário no século III a.c.. Sistema binário (matemática) O sistema binário ou base 2, é um sistema de numeração posicional em que todas as quantidades se representam com base em dois números, com o que se dispõe das cifras: zero

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 135p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Introdução à Lógica de Programação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 135p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Sistema Binário Hardware de Computadores O sistema binário é um sistema de numeração posicional em que todas as quantidades são representadas, utilizando-se como base as cifras: zero e um (0 e 1). Os computadores

Leia mais

Computador HIPO. Inicialmente vamos apresentar as unidades fundamentais de um computador:

Computador HIPO. Inicialmente vamos apresentar as unidades fundamentais de um computador: Computador HIPO Para introduzirmos as noções básicas de como funciona um computador, empregaremos um modelo imaginário (hipotético) que denominaremos de computador hipo. O funcionamento desse modelo tem

Leia mais

Exemplo de Subtração Binária

Exemplo de Subtração Binária Exemplo de Subtração Binária Exercícios Converta para binário e efetue as seguintes operações: a) 37 10 30 10 b) 83 10 82 10 c) 63 8 34 8 d) 77 8 11 8 e) BB 16 AA 16 f) C43 16 195 16 3.5.3 Divisão binária:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 Índice 1. Circuitos Digitais - Continuação...3 1.1. Por que Binário?... 3 1.2. Conversão entre Bases... 3 2 1. CIRCUITOS DIGITAIS - CONTINUAÇÃO 1.1. POR QUE BINÁRIO?

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Um numeral é um símbolo ou grupo de símbolos que representa um número em um determinado instante da evolução do homem. Tem-se que, numa determinada escrita ou época, os numerais diferenciaram-se

Leia mais

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275 A. Sistemas de Numeração. Para se entender a linguagem do computador (o Código de Máquina), é necessário conhecer um pouco da teoria dos números. Não é uma tarefa tão difícil quanto pode parecer. Sabendo-se

Leia mais

Aula 3 - Sistemas de Numeração

Aula 3 - Sistemas de Numeração UEM Universidade Estadual de Maringá DIN - Departamento de Informática Disciplina: Fundamentos da Computação Profª Thelma Elita Colanzi Lopes thelma@din.uem.br Aula 3 - Sistemas de Numeração O ser humano,

Leia mais

Computadores XXXIII: Posições de memória A8 Texto 3

Computadores XXXIII: Posições de memória A8 Texto 3 Computadores XXXIII: Posições de memória A8 Texto 3 Sítio Fórum PCs /Colunas http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=212493 Coluna: B. Piropo Publicada em 30/04/2007 Autor: B.Piropo Agora, que já sabemos

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 Este é o 6º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Computadores XXI: Busca e execução Final

Computadores XXI: Busca e execução Final Computadores XXI: Busca e execução Final A6 Texto 6 http://www.bpiropo.com.br/fpc20060123.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 23/01/2006 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=146019

Leia mais

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro Curso Profissional de Nível Secundário Componente Técnica Disciplina de Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores 29/21 Módulo 1: Sistemas de Numeração

Leia mais

Aritmética Binária e. Bernardo Nunes Gonçalves

Aritmética Binária e. Bernardo Nunes Gonçalves Aritmética Binária e Complemento a Base Bernardo Nunes Gonçalves Sumário Soma e multiplicação binária Subtração e divisão binária Representação com sinal Sinal e magnitude Complemento a base. Adição binária

Leia mais

Operações com números racionais decimais

Operações com números racionais decimais Divisão 1º: Divisão exata Operações com números racionais decimais Considere a seguinte divisão: 1,4 : 0,05 Transformando em frações decimais, temos: Método prático 1º) Igualamos o números de casas decimais,

Leia mais

Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos. Sistemas Numéricos

Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos. Sistemas Numéricos Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos Sistemas Numéricos A Informação e sua Representação O computador, sendo um equipamento eletrônico, armazena e movimenta as informações internamente sob

Leia mais

BrOffice.Org Calc 3.2 Prof. Wagner Bugs 3.2

BrOffice.Org Calc 3.2 Prof. Wagner Bugs 3.2 BrOffice.Org Calc 3.2 Prof. Wagner Bugs 3.2 Conteúdo Conhecimentos gerais (teoria)...2 Início (começando a entender)...2 Cálculos iniciais:...3 Cálculo com porcentagem...3 Funções:...3 Referências...7

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão)

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm 1 O que fazer com essa apresentação 2 Agenda Breve revisão da aula anterior

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Professor Menezes SISTEMA DE NUMERAÇÃO 1-1 Sistemas de Numeração Observe que alguns números decimais a possuem uma representação muito curiosa no sistema binário: 1 decimal = 1 binário; 2 decimal = 10

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

1. Sistemas de numeração

1. Sistemas de numeração 1. Sistemas de numeração Quando mencionamos sistemas de numeração estamos nos referindo à utilização de um sistema para representar uma numeração, ou seja, uma quantidade. Sistematizar algo seria organizar,

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

Unidade 3: Sistemas de Numeração Conversões Entre Quaisquer Bases e Aritmética em Bases Alternativas Prof. Daniel Caetano

Unidade 3: Sistemas de Numeração Conversões Entre Quaisquer Bases e Aritmética em Bases Alternativas Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 3: Sistemas de Numeração Conversões Entre Quaisquer Bases e Aritmética em Bases Alternativas Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar métodos genéricos

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

EFA / S13 SIS Ricardo Castanhinha / Nº 21322 STC / Formadoras Alexandra Formosinho & Isabel Carvalho. Sistema Binário

EFA / S13 SIS Ricardo Castanhinha / Nº 21322 STC / Formadoras Alexandra Formosinho & Isabel Carvalho. Sistema Binário EFA / S13 SIS Sistema Binário SISTEMA BINÁRIO Estamos acostumados a utilizar o SISTEMA DECIMAL DE NUMERAÇÃO. Esse sistema usa 10 algarismos para formar todos os números: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, e 9.

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 03: Sistemas de numeração Sistemas de numeração Sistemas de Numeração: conceitos, bases de numeração, número e numeral. Necessidade de representação em outras bases de

Leia mais

PACIÊNCIA ZERO. Do atendimento ao cliente chato. De Wellington Rianc Della Sylva

PACIÊNCIA ZERO. Do atendimento ao cliente chato. De Wellington Rianc Della Sylva PACIÊNCIA ZERO Do atendimento ao cliente chato De Wellington Rianc Della Sylva 2013 SINOPSE Você que trabalha ou já trabalhou com atendimento ao usuário por telefone vai dizer que é verdade. Tem usuário

Leia mais

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10.

TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. TEXTO DE REVISÃO: Uso da calculadora científica e potências de 10. Caro aluno (a): No livro texto (Halliday) cap.01 - Medidas alguns conceitos muito importantes são apresentados. Por exemplo, é muito importante

Leia mais

Sistemas de numeração

Sistemas de numeração E Sistemas de numeração Aqui estão apenas números ratificados. William Shakespeare A natureza tem algum tipo de sistema de coordenadas geométrico-aritmético, porque a natureza tem todos os tipos de modelos.

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Este material é uma adaptação das notas de aula dos professores Edino Fernandes, Juliano Maia, Ricardo Martins e Luciana Guedes Sistemas de Numeração Prover símbolos e convenções

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 1 - SISTEMA DE NUMERAÇÃO BINÁRIA E DECIMAL Todos os computadores são formados por circuitos digitais, onde as informações e os dados são codificados com dois níveis de tensão, pelo que o seu sistema

Leia mais

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI

CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO APOSTILA 03 Parabéns!!! Você já é um vencedor! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos

Leia mais

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária 1- Apresentação Binária Os computadores funcionam e armazenam dados mediante a utilização de chaves eletrônicas que são LIGADAS ou DESLIGADAS. Os computadores só entendem e utilizam dados existentes neste

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Frações. Números Racionais

Frações. Números Racionais Frações Números Racionais Consideremos a operação 4:5 =? onde o dividendo não é múltiplo do divisor. Vemos que não é possível determinar o quociente dessa divisão no conjunto dos números porque não há

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistemas de Numeração 1 Sistemas de Numeração e Conversão de Base Sistema Decimal É o nosso sistema natural. Dígitos 0,1,2,3,4,5,6,7,8 e 9. Números superiores a 9; convencionamos

Leia mais

Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS

Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS UTFPR Disciplina: EL66J Prof. Gustavo B. Borba Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS - Notação posicional Definição: A posição de cada algarismo no número indica a sua magnitude. A magnitude também é chamada

Leia mais

I n f o r m á t i c a

I n f o r m á t i c a Prof. Dr. Rogério R. de Vargas I n f o r m á t i c a Dados, bits, bytes, representação de dados e sistemas de numeração e representação numérica Itaqui - RS, 2º Semestre de 2014. Agenda Dados; Bits; Bytes;

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central.

APRESENTAÇÃO. questões que constantemente chegam ao Suporte de Informática do Órgão Central. APRESENTAÇÃO O presente documento Aplicativos de E-mail / Webmail Nível Básico Perguntas e Respostas tem como principal objetivo disponibilizar aos servidores das Escolas Estaduais do Estado de Minas Gerais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Manual do Moodle- Sala virtual UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 S U M Á R I O 1 Tela de Login...3 2 Tela Meus

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 02: Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos fundamentais: dado, informação e processamento de dados Conceitos de algoritmo, algoritmo ótimo, hardware. Software e

Leia mais

Jeandervall. Roteamento

Jeandervall. Roteamento Roteamento Configurar um roteador parece um tanto quanto complicado, porem não é uma tarefa impossível. O detalhe é que é preciso tomar muita a atenção na ora de configurar as rotas. Recomenda-se que antes

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

3 Sistemas de Numeração:

3 Sistemas de Numeração: 3 Sistemas de Numeração: Os computadores eletrônicos têm como base para seu funcionamento a utilização de eletricidade. Diferente de outras máquinas que a presença ou ausência de eletricidade apenas significam

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr. Índice 1. SISTEMAS NUMÉRICOS 1.1 Caracterização dos Sistemas Numéricos 1.2 Sistemas Numéricos em uma Base B Qualquer 1.2.1 Sistema de Numeração Decimal 1.2.2. Sistema de Numeração Binário 1.2.3 Sistema

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Morfologia Matemática Binária

Morfologia Matemática Binária Morfologia Matemática Binária Conceitos fundamentais: (Você precisa entender bem esses Pontos básicos para dominar a área! Esse será nosso game do dia!!! E nossa nota 2!!) Morfologia Matemática Binária

Leia mais

O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador.

O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador. Resumo 01 O que é um processador? O processador é um dos elementos componentes do computador moderno, sendo responsável pelo gerenciamento de todo o computador. Os processadores atualmente são encapsulados

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL Aula 01 04/08/2008 Universidade do Contestado UnC Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores 2ª Fase Prof. Carlos Guerber ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL O QUE É O COMPUTADOR? Um computador

Leia mais

Livro de álgebra para ensino fundamental 2 ( 6º ao 9º ano)

Livro de álgebra para ensino fundamental 2 ( 6º ao 9º ano) O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de álgebra para ensino fundamental ( º ao º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) Pré-IME, Pré-ITA,

Leia mais

Informática para concursos 1

Informática para concursos 1 Informática para concursos 1 BrOffice.org Calc Conhecimentos gerais (teoria) Arquivo: Pasta de Trabalho (arquivo de planilhas) Extensão: ods (podemos salvar como pdf, xls e etc) Planilhas: 3 (padrão) Uma

Leia mais

A Magia da Matemática Oficina Pedagógica Prof. Ilydio P. de Sá www.magiadamatematica.com

A Magia da Matemática Oficina Pedagógica Prof. Ilydio P. de Sá www.magiadamatematica.com 26 27 28 Atividades sugeridas: 1) Aprendendo com as formas da história: Ao ler a história pela primeira vez para os seus alunos, aproveite para explorar os aspectos matemáticos referentes às formas geométricas

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2 INFORMÁTICA Sistemas de Numeração Professor: Rogério R. de Vargas 2014/2 Sistemas de Numeração São sistemas de notação usados para representar quantidades abstratas denominadas números. Um sistema numérico

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

Eletrônica Digital 1 Módulo1 Capítulo 1 Sistemas Numéricos. Prof. Nilton Costa Junior

Eletrônica Digital 1 Módulo1 Capítulo 1 Sistemas Numéricos. Prof. Nilton Costa Junior Eletrônica Digital 1 Módulo1 Capítulo 1 Sistemas Numéricos Prof. Nilton Costa Junior Sistemas Numéricos Existem vários sistemas numéricos: Decimal Binário Octal Hexadecimal Sistema Decimal representado

Leia mais

Experimente os números binários!

Experimente os números binários! Experimente os números binários! Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca como funciona o código binário e aplicações do binário para engenheiros de computação. A lição oferece ao estudante

Leia mais

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática Módulo 3 Unidade 10 Sistemas Lineares Para início de conversa... Diversos problemas interessantes em matemática são resolvidos utilizando sistemas lineares. A seguir, encontraremos exemplos de alguns desses

Leia mais

Técnicas Digitais TDI

Técnicas Digitais TDI Educação Profissional Técnica Mecatrônica Técnicas Digitais TDI 2 o semestral SENAI-SP, 2 Trabalho adaptado pela Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica e Gerência de Educação Diretoria Técnica Walter

Leia mais

Hardware Básico. - Conceitos Básicos - Números Binários - Principais Componentes. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. - Conceitos Básicos - Números Binários - Principais Componentes. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico - Conceitos Básicos - Números Binários - Principais Componentes Professor: Wanderson Dantas Conceitos Básicos Informática: Ciência que estuda o tratamento das informações quanto a sua coleta,

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS CAXIAS DO SUL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS CAXIAS DO SUL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS CAXIAS DO SUL CONVERSÃO ENTRE BASES NUMÉRICAS Disciplina: História da Matemática Professor: Rodrigo Sychocki da Silva Estudantes:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP Partindo de um conhecimento de comandos elétricos e lógica de diagramas, faremos abaixo uma revisão para introdução à CLP. Como saber se devemos usar contatos abertos ou fechados

Leia mais

2. Sistemas de Numeração

2. Sistemas de Numeração 2. Sistemas de Numeração 2.1. Introdução A necessidade de contar é algo que acompanha o ser humano desde tempos imemoriais. Muitas cavernas pré-históricas registram contagens, provavelmente de animais,

Leia mais

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS Prof. André Backes INTRODUÇÃO Computadores = cérebros eletrônicos? Computadores são máquinas e, por si sós, não podem ser inteligentes. Alguém as projetou e deu a ela todas as

Leia mais

1 NÚMEROS DE PRECISÃO FINITA... 8 2 SISTEMA DE NUMERAÇÃO... 9

1 NÚMEROS DE PRECISÃO FINITA... 8 2 SISTEMA DE NUMERAÇÃO... 9 Índice 1 NÚMEROS DE PRECISÃO FINITA... 8 2 SISTEMA DE NUMERAÇÃO... 9 2.1 BASE DE UM SISTEMA DE NUMERAÇÃO... 9 2.1.1 Sistemas de Numeração Posicionais... 9 2.1.2 Base de um Sistema de Numeração... 11 2.1.3

Leia mais

Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador

Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador Capítulo 2 Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador 2.0 Índice 2.0 Índice... 1 2.1 Sistemas Numéricos... 2 2.1.1 Sistema Binário... 2 2.1.2 Sistema Octal... 3 2.1.3 Sistema

Leia mais

COMO ENSINEI MATEMÁTICA

COMO ENSINEI MATEMÁTICA COMO ENSINEI MATEMÁTICA Mário Maturo Coutinho COMO ENSINEI MATEMÁTICA.ª edição 511 9 AGRADECIMENTOS À Deus À minha família Aos mestres da matemática do C.E.Visconde de Cairu APRESENTAÇÃO O objetivo deste

Leia mais

Apresentação da Disciplina 4. Módulo I 6-64

Apresentação da Disciplina 4. Módulo I 6-64 π 1 2 Apresentação da Disciplina 4 Módulo I 6-64 3 Prezado aluno, O estudo da matemática sempre foi um dos grandes fascínios do ser humano. Não só por ela poder resolver problemas práticos do dia a dia,

Leia mais

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts. I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital.

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS DE NUMERAÇÃO: REPRESENTAÇÃO EM PONTO FLUTUANTE Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é notação em ponto flutuante Compreender a

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD o seu Site e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Conteúdo Introdução Escrever bem é um misto entre arte e ciência Seus conhecimentos geram mais clientes Dicas práticas Faça

Leia mais

Um jogo de preencher casas

Um jogo de preencher casas Um jogo de preencher casas 12 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: resolver um jogo com a ajuda de problemas de divisibilidade. Descrevemos nestas notas um jogo que estudamos

Leia mais

Modelagem de Circuitos Digitais

Modelagem de Circuitos Digitais 1 Modelagem de Circuitos Digitais Para modelar um circuito digital para realizar uma determinada operação: Analisar problema Identificar sinais de entrada do circuito Identificar sinais de saída do circuito

Leia mais

0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel

0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel Nível Intermediário 0,999... OU COMO COLOCAR UM BLOCO QUADRADO EM UM BURACO REDONDO Pablo Emanuel Quando um jovem estudante de matemática começa a estudar os números reais, é difícil não sentir certo desconforto

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SISTEMAS DE NUMERAÇÃO DISCIPLINA: Fundamentos em Informática SISTEMAS DE NUMERAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DE DADOS

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F.

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Lista de Exercícios (L10) a Colocarei aqui algumas explicações e exemplos de exercícios para que você possa fazer todos com segurança e tranquilidade, no entanto,

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO (Adaptado do texto do prof. Adair Santa Catarina) ALGORITMOS COM QUALIDADE MÁXIMAS DE PROGRAMAÇÃO 1) Algoritmos devem ser feitos para serem lidos por seres humanos: Tenha em mente

Leia mais

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos Algoritmos DCC 119 Introdução e Conceitos Básicos Sumário Sistemas de Numeração Sistemas Computacionais Estrutura de um Computador Digital Sistemas Operacionais Algoritmo Introdução Formas de representação

Leia mais

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1.

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1. CAPÍTULO I Sistemas de Numeração. Introdução O decimal é o mais importante dos sistemas numéricos. Ele está fundamentado em certas regras que são a base de formação para qualquer outro sistema. Além do

Leia mais

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO 0010100111010101001010010101 CURSO DE 0101010100111010100101011101 1010011001111010100111010010 ELETRÔNICA 1010000111101010011101010010 DIGITAL INTRODUÇÃO Os circuitos equipados com processadores, cada

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

Agendamento de tarefas

Agendamento de tarefas Introdução O que é o cron? Nada mais é do que a agenda do sistema para determinar tarefas a serem executadas em horários específicos. No caso do cron, podemos agendar diversas tarefas administrativas,

Leia mais

CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL

CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL Introdução Números decimais Números binários positivos Adição Binária Números negativos Extensão do bit de sinal Adição e Subtração Overflow Aritmético Circuitos Aritméticos

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Estruturas Condicionais e de Repetição (parte 2) Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Suponha que soma (+) e subtração (-) são as únicas operações disponíveis em

Leia mais