MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO. * é muito influenciada por valor atípico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO. * é muito influenciada por valor atípico"

Transcrição

1 MAIS SOBRE MEDIDAS RESUMO Medidas de Tendência Central (1) média (aritmética) * só para variáveis quantitativas exceção: variável qualitativa nominal dicotômica, com categorias codificadas em 0 e 1; neste caso, média = proporção de 1 s * é muito influenciada por valor atípico

2 a média nem sempre é o valor central a média nem sempre é o valor que mais ocorre Por que a média é uma medida de tendência central?

3 Pode ser demonstrado que: a) m i=1 (x i média )=0 b) média como ponto de equilíbrio: Exemplo (cont.): 8 equipamentos média

4 Pode ser demonstrado que: a) m i=1 ( x i média)=0 b) média como ponto de equilíbrio: Exemplo (cont.): 8 equipamentos média

5 (2) mediana * para variáveis quantitativas e qualitativas ordinais * não é uma medida influenciada por um valor atípico Exemplo (cont.): 8 equipamentos Suponha que houve um erro de digitação: 200 em vez de 2000 dias de vida x= 4400 =550 dias 8 md = =550 dias *se substituirmos 2000 por 5000, a mediana não iria mudar de valor, a média sim

6 (3) moda * pode ser obtida para qualquer tipo de variável * é a medida resumo mais simples * uma variável pode ter mais de uma moda: conjunto de dados bimodal duas modas conjunto de dados multimodal mais de duas modas * moda pode não existir: conjunto de dados amodal todas as frequências iguais

7 Quando os valores observados de X estão concentrados nos dois extremos, o que fazer? variável X não tem tendência central nenhuma das três medidas é adequada!!

8 descrever X somente por medidas de tendência central pode não ser suficiente! Exemplo Desempenho de três turmas A, B e C: Turma Notas dos alunos Desempenho médio A ,0 B ,0 C ,5 7,5 6,0 em média, as 3 turmas tem mesmo desempenho porém a distribuição das notas de cada turma é bem diferente

9 Medidas de Dispersão *só para variáveis quantitativas (1) amplitude total *distância entre o máximo e o mínimo Exemplo (cont.): 8 equipamentos Δ = = 1500 dias desvantagem: não considera a variação entre os valores que estão fora dos extremos Como considerar a variação entre todos os valores?

10 ideia 1 Comparar cada valor x i com a média: x i média desvio de x i em relação a média *mas são m desvios deve ser uma medida única! ideia 2 Somar os desvios e dividir por n: m i=1 ( x i média) m *mas esta soma é algebricamente igual a zero, sempre!

11 solução: transformar o desvio para a soma não ser negativa aplicar o módulo (desvio absoluto) ou elevar ao quadrado (desvio quadrático) *desta forma a soma dos desvios transformados não será sempre igual zero desvio médio soma dos desvios absolutos e dividido por m variância soma dos desvios quadráticos e dividido por m (2)

12 Duas fórmulas para variância Exemplo (cont.): 8 equipamentos

13 i Total s 2 = n i=1 ( x i x) 2 n 1 x i x i x ( x i x ) 2 = =252142,857 dias 2

14 i x i x i Total s 2 = n i=1 x i 2 ( i=1 n 1 n x i)2 n = (6200)2 8 7 = =252142,857 dias 2

15 desvantagem da variância: unidade de medida ao quadrado solução: calcular a raiz quadrada da variância (3) desvio padrão

16 Exemplo (continuação) s= s 2 = ,857=502,138 dias Este valor é alto ou baixo? Indica alta ou baixa dispersão dos dados? desvantagem do desvio padrão: interpretação pobre se não há um valor de referência solução: comparar desvio padrão com a média

17 (4) coeficiente de variação razão entre o desvio padrão e a média Exemplo (cont.): 8 equipamentos cv= s x =502, =0,648=64,8 % *cv é medida adimensional, por isso, é comum ser apresentada na forma de porcentagem *em geral, a dispersão é considerada alta, se cv > 30%

18 CUIDADO com comparações inadequadas de desvios padrão: entre variáveis com unidades de medida diferentes entre grupos com médias muito distintas

19 Exemplo X: peso (kg) e Y: comprimento (cm) de cães Em qual característica os cães são mais parecidos? Medida média dp cv peso 12,5 5,5 44,0% comprimento 33,0 4,0 12,1%

20 Exemplo X: idade (anos) de crianças e adultos Qual grupo é mais homogêneo? Grupo média dp cv criança 5,4 2,0 37,0% adulto 23,0 2,0 8,7%

21 Separatrizes valores de referência que separam o conjunto de dados ordenados (de uma variável) em subgrupos a mediana é uma separatriz pois divide o conjunto de dados ordenados em 2 partes iguais se não houver empates *para variáveis quantitativas e qualitativas ordinais

22 (1) quartis são 3 valores (Q 1, Q 2 e Q 3 ) que dividem o conjunto de dados em 4 partes iguais : Q 1 =x ( m 4 ) Q 2 =md Q 3 =x ( 3 m 4 ) Exemplo (cont.) 8 equipamentos Q 1 =x (2) =550 dias Q 2 =md =575 dias Q 1 Q 2 Q 3 Q 3 =x (6) =700 dias

23 Exemplo: Diâmetro de 9 peças, em mm Dados i x i 3,0 1,5 2,5 3,5 4,0 2,0 3,5 2,0 1,5 x (i) 1,5 1,5 2,0 2,0 2,5 3,0 3,5 3,5 4,0 Q 1 =x (2,25) =x (2) +0,25[ x (3) x (2) ]=1,625 mm Q 2 =md =x (5) =2,5 mm Q 3 =x (6,75) = x (6) +0,75[ x (7) x (6) ]=3,375 mm Q 1 Q 2 Q 3

24 Exemplo (cont.): Emissão de Dióxido de Enxofre de 70 dias Conjunto de dados ordenados: 6,2 7,7 8,3 9,0 9,4 9,8 10,5 10,7 11,0 11,2 11,8 12,3 12,8 13,2 13,3 13,5 13,9 14,5 14,7 15,2 15,5 15,8 15,9 16,2 16,7 16,9 17,3 17,5 17,6 17,9 18,0 18,0 18,1 18,5 18,7 19,0 19,1 19,2 19,3 19,4 20,0 20,1 20,1 20,4 20,5 20,9 21,4 21,6 21,9 22,3 22,7 22,7 22,9 23,0 23,5 23,7 23,9 24,1 24,6 24,8 25,7 25,9 26,1 26,4 26,6 26,8 27,5 28,5 28,6 31,8 quartis i posição Q i 1 m/4 = 17,5 x (17) + 0,5(x (17) x (18) ) = 14,2 2 (m + 1)/2 = 35,5 x (35) + 0,5(x (36) x (35) ) = 18,85 3 3m/4 = 52,5 x (52) + 0,5(x (53) x (52) ) = 22,8

25 (2) decis são 9 valores (D 1, D 2,, D 9 ) que dividem os dados ordenados em 10 partes iguais : D i =x ( i m 10 ) i=1,2,3,,9

26 Exemplo (cont.): Emissão de Dióxido de Enxofre de 70 dias decis i posição (i m/10) D i , , , , , , , , ,1

27 (3) percentis são 99 valores (P 1, P 2,, P 99 ) que dividem os dados ordenados em 100 partes iguais : P i =x ( i m 100 ) i=1,2,3,,99 percentil P i indica que há i % de dados inferiores a P i É evidente que: P 25 = Q 1, P 50 = md, P 75 = Q 3, P 10 = D 1,..., P 90 = D 9

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Aula 03 Análise Exploratória dos Dados (Medidas Descritivas de Variáveis Quantitativas) Parte 1 Medidas de Tendência Central Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Medidas de Tendência Central dos Dados Para

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

Medidas de Tendência Central

Medidas de Tendência Central Medidas de Tendência Central Generalidades Estatística Descritiva: Resumo ou descrição das características importantes de um conjunto conhecido de dados populacionais Inferência Estatística: Generalizações

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial

1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial Escola Superior de Tecnologia de Viseu Fundamentos de Estatística 2010/2011 Ficha nº 1 1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial 0; 0; 0; 1;

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações.

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações. Análise descritiva de Dados 4. Medidas resumos para variáveis quantitativas 4.1. Medidas de Posição: Considere uma amostra com n observações: x 1, x,..., x n. a) Média: (ou média aritmética) é representada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE003 ESTATÍSTICA II. (Notas de Aula) UFPR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE003 ESTATÍSTICA II. (Notas de Aula) UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE003 ESTATÍSTICA II (Notas de Aula) DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UFPR Curitiba, 27 de fevereiro de 2009 Sumário 1 Conceitos

Leia mais

ESTATÍSTICA. aula 1. Insper Ibmec São Paulo. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

ESTATÍSTICA. aula 1. Insper Ibmec São Paulo. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano ESTATÍSTICA aula 1 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Insper Ibmec São Paulo ESTATÍSTICA COISAS DO ESTADO ESTATÍSTICA: - Apresentação e Análise de dados - Tomadas de Decisões baseadas em análises -

Leia mais

Apostila para o minicurso. Estatística Básica. Usando o

Apostila para o minicurso. Estatística Básica. Usando o Apostila para o minicurso Estatística Básica Usando o Professor José Cardoso Neto Departamento de Estatística ICE/UFAM 1. Sumário 1. Conceitos fundamentais 1.1. A estatística e sua importância 1.2. População

Leia mais

A lista abaixo é indicada para treino pessoal e será utilizada para exercícios em sala de aula, inclusive para revisão, SEM caráter obrigatório.

A lista abaixo é indicada para treino pessoal e será utilizada para exercícios em sala de aula, inclusive para revisão, SEM caráter obrigatório. 1 A lista abaixo é indicada para treino pessoal e será utilizada para exercícios em sala de aula, inclusive para revisão, SEM caráter obrigatório. 1. ara analisar os dados de uma folha de pagamento, qual(is)

Leia mais

- ESTATÍSTICA I - Mário

- ESTATÍSTICA I - Mário 1 ESTATÍSTICA CONCEITOS PRIMITIVOS 1 - O QUÊ É A ESTATÍSTICA? Vários autores têm procurado definir a Estatística. Existem muitos livros escritos sobre a Estatística, todos contendo definições desde as

Leia mais

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Aula 04 Medidas Descritivas de Variáveis Quantitativas Parte 2 Medidas de Dispersão Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 São medidas que fornecem informação com relação a dispersão dos dados (heterogeneidade).

Leia mais

NOÇÕES DE. Maputo, Moçambique

NOÇÕES DE. Maputo, Moçambique NOÇÕES DE ESTATISTICA BÁSICA Maputo, Moçambique 2008 Objectivos No final deste módulo espera-se que o participante seja capaz de: Distinguir variáveis e constantes Identificar variáveis qualitativas e

Leia mais

ANÁLISE DO CONTEÚDO DE ESTATÍSTICA DESCRITIVA NO ENSINO MÉDIO

ANÁLISE DO CONTEÚDO DE ESTATÍSTICA DESCRITIVA NO ENSINO MÉDIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Programa de Pós-Graduação em Matemática Mestrado Profissional - PROFMAT/CCT/UFCG ANÁLISE DO CONTEÚDO DE ESTATÍSTICA DESCRITIVA NO ENSINO MÉDIO Wesyllis das Mercês

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA (SI)

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA (SI) PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Prof. Hélio Radke Bittencourt PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA (SI) 1. CONCEITOS BÁSICOS DE ESTATÍSTICA

Leia mais

OBS. Essas fórmulas acima, são para determinar os termos da mediana (posição)

OBS. Essas fórmulas acima, são para determinar os termos da mediana (posição) FÓRMULAS 1) Amplitude total da amostra A= Ls Li EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 2) Amplitude do intervalo de classe c= Ls Li 3) Média aritmética X = Xi n 3.1) Média aritmética para dados dispostos em freqüência

Leia mais

ESTATÍSTICA. Edite Manuela da G.P. Fernandes

ESTATÍSTICA. Edite Manuela da G.P. Fernandes ESTATÍSTICA Edite Manuela da G.P. Fernandes Universidade do Minho, Braga, 1999 ESTATÍSTICA Edite Manuela da G.P. Fernandes com a colaboração de A. Ismael F. Vaz na realização dos gráficos Universidade

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Risco O risco é medido por sua probabilidade de ocorrência e suas consequências; Pode se realizar uma análise qualitativa ou quantitativa;

Leia mais

Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para. ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ

Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para. ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ Realizada pela Fundação João Goulart em 06/10/2013 41. A idade média de todos

Leia mais

Estatística Aplicada à à Administração. Prof. Marcelo Tavares

Estatística Aplicada à à Administração. Prof. Marcelo Tavares Estatística Aplicada à à Administração Prof. Marcelo Tavares Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Universidade Aberta do Brasil. Nenhuma parte deste material poderá ser

Leia mais

Lista de Exercícios - Distribuição Normal

Lista de Exercícios - Distribuição Normal Lista de Exercícios - Distribuição Normal Monitor: Giovani e Prof. Jomar 01. Em indivíduos sadios, o consumo renal de oxigênio tem distribuição Normal de média 12 cm³/min e desvio padrão 1,5 cm³/min. Determinar

Leia mais

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien e Fabrício AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

Leia mais

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos R9.1) Diâmetro de esferas de rolamento Os dados a seguir correspondem ao diâmetro, em mm, de 30 esferas de rolamento produzidas por uma máquina. 137 154 159 155 167 159

Leia mais

TADI Tratamento e Análise. de Dados/Informações. Prof. Camilo Rodrigues Neto. Aula 13 Exercícios

TADI Tratamento e Análise. de Dados/Informações. Prof. Camilo Rodrigues Neto. Aula 13 Exercícios TADI Tratamento e Análise de Dados/Informações Aula 13 - Exercícios 1 Exemplo 1 Suponha que parafusos a serem utilizados em tomadas elétricas são embaladas em caixas rotuladas como contendo 100 unidades.

Leia mais

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA Professor: LUIZ ANTÔNIO 1 1º) Em um escritório de consultoria, há cinco contínuos que recebem os seguintes salários mensais: R$ 800,00; R$ 780,00; R$

Leia mais

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 LISTA DE EERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade ) Em um sistema de transmissão de dados existe uma probabilidade igual a 5 de um dado ser transmitido erroneamente.

Leia mais

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF)

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) O BOXPLOT Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) Introdução O boxplot é um gráfico construído com base no resumo dos cinco números, constituído por: Valor mínimo Primeiro quartil

Leia mais

Controle de Qualidade de Laboratório

Controle de Qualidade de Laboratório Controle de Qualidade de Laboratório de Ensaio Aliado à Tecnologia Paulo Henrique Muller Sary Diretor Técnico SaaS Ambiental Porto Alegre, 25 de julho de 2014. Garantia da Qualidade O programa de garantia

Leia mais

Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível

Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível Avaliação da variação do sistema de medição Exemplo 1: Diâmetros de bico injetor de combustível Problema Um fabricante de bicos injetores de combustível instala um novo sistema digital de medição. Os investigadores

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Viviane de Senna, Adriano Mendonça Souza, Afonso Valau de Lima Junior, Fernanda Rezer,

Leia mais

Slides de Estatística Descritiva na HP-12C 01/10/2009 ESTATÍSTICAS. Na HP-12C. 01/10/2009 Bertolo 2. O que é Estatística?

Slides de Estatística Descritiva na HP-12C 01/10/2009 ESTATÍSTICAS. Na HP-12C. 01/10/2009 Bertolo 2. O que é Estatística? ESTATÍSTICAS Na HP-12C 01/10/2009 Bertolo 1 O que é Estatística? A estatística pode ser entendida como um conjunto de ferramentas envolvidas no estudo de métodos e procedimentos usados para 1. colecionar,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA COORDENAÇÃO DE PESQUISAS EM SILVICULTURA TROPICAL LABORATÓRIO DE MANEJO FLORESTAL - LMF

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA COORDENAÇÃO DE PESQUISAS EM SILVICULTURA TROPICAL LABORATÓRIO DE MANEJO FLORESTAL - LMF INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA COORDENAÇÃO DE PESQUISAS EM SILVICULTURA TROPICAL LABORATÓRIO DE MANEJO FLORESTAL - LMF BIOMETRIA FLORESTAL Niro Higuchi Joaquim dos Santos Adriano José Nogueira

Leia mais

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo:

O presente processo de seleção tem por objetivo preencher vaga e formar cadastro de docentes para ministrar as disciplinas/áreas abaixo: A Faculdade de Economia e Finanças Ibmec/RJ torna pública a abertura de processo seletivo para contratação de professores PJ para o curso de Pós Graduação Executiva - CBA. I Das vagas abertas para seleção

Leia mais

Estatística Básica Usando o R

Estatística Básica Usando o R UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Histogram of rnorm(10000, 0, 1) Frequency 0 500 1000 1500 2000 4 2 0 2 4 rnorm(10000, 0, 1) Estatística Básica Usando o R http://geocities.yahoo.com.br/augustofilho

Leia mais

DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015

DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015 DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015 TEMA: IBM SPSS Statistics 20 FACILITADORES: dr. Alfeu Dias Martinho dr. Pércio António Chitata dr. Domingos Arcanjo António Nhampinga

Leia mais

Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A.

Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Métodos Estatísticos Mestrado em Gestão (MBA) Objectivos O que é a estatística? Como pode a estatística ajudar? Compreender o método de análise estatística; Reconhecer problemas que podem ser resolvidos

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO MEDIDAS DE DISPERSÃO 1) (PETROBRAS) A variância da lista (1; 1; 2; 4) é igual a: a) 0,5 b) 0,75 c) 1 d) 1,25 e) 1,5 2) (AFPS ESAF) Dada a seqüência de valores 4, 4, 2, 7 e 3 assinale a opção que dá o valor

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

I- Estatística Descritiva Exercícios

I- Estatística Descritiva Exercícios Estatística/ Bioestatística/ Métodos Estatísticos/ Bioestatística e Epistemologia da Educação I- Estatística Descritiva Exercícios 1. Considere a seguinte colecção de dados correspondentes ao comprimento

Leia mais

PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA VERSÃO A. 04 As classes de uma distribuição de freqüência devem ser mutuamente exclusivas para que

PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA VERSÃO A. 04 As classes de uma distribuição de freqüência devem ser mutuamente exclusivas para que COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOT 00 EXAME DE CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS PROVA ESCRITA DE ESTATÍSTICA

Leia mais

CONTROLE ESTATÍSTICO DA QUALIDADE

CONTROLE ESTATÍSTICO DA QUALIDADE CONTROLE ESTATÍSTICO DA QUALIDADE Prof., PhD OBJETIVO DO CEP A idéia principal do Controle Estatístico de Processo (CEP) é que melhores processos de produção, ou seja, com menos variabilidade, propiciam

Leia mais

5ª Experiência : Dilatação Térmica

5ª Experiência : Dilatação Térmica 5ª Experiência : Dilatação Térmica Objetivo Determinar o coeficiente de dilatação linear para três materiais: cobre, latão e alumínio. Introdução As conseqüências habituais de variações na temperatura

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS Camilla Missio 1 ; Jorge Wilson Cortez 3 ; Wellytton Darci Quequeto 2 ; Leonardo Maldaner 2 ; Anamari Viegas de Araujo Motomiya 3 UFGD/FCA Caixa Postal

Leia mais

Elementos de Estatística (EST001-B)

Elementos de Estatística (EST001-B) Exercícios de Revisão nº 1 Análise de Dados Exercício 1: A pressão mínima de injeção (psi) em amostras de moldagem por injeção de milho de alta amilose foi determinada para oito amostras diferentes (pressões

Leia mais

GUIA DE ESTUDO 4 ESTATÍSTICA DESCRITIVA PROFESSOR (A): PROF.ª MS. KÁTIA CRISTINA COTA MONTAVANI

GUIA DE ESTUDO 4 ESTATÍSTICA DESCRITIVA PROFESSOR (A): PROF.ª MS. KÁTIA CRISTINA COTA MONTAVANI 1 ESTATÍSTICA DESCRITIVA GUIA DE ESTUDO 4 PROFESSOR (A): PROF.ª MS. KÁTIA CRISTINA COTA MONTAVANI 2 SUMÁRIO 1. Definições... 3 2. Agrupamento dos dados... 6 3. Algumas funções do Excel para descrição dos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos básicos da contabilidade geral, julgue os itens que se seguem. 51 O saldo da conta de provisão para devedores duvidosos e da conta de exaustão acumulada,

Leia mais

Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais

Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais Isabel Abreu Maria Alzira Dinis UFP 2005/2006 ESTRUTURA ATÓMICA E LIGAÇÕES 1. Calcule: a. A massa em

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

BIOMETRIA:CURVA DE CRESCIMENTO

BIOMETRIA:CURVA DE CRESCIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE ESTATÍSTICA BIOMETRIA:CURVA DE CRESCIMENTO TAYANI RAIANA DE SOUZA ROQUE Disciplina: Estatística Aplicada Professores: Héliton

Leia mais

Protocolo para coleta de amostras de solo destinadas ao monitoramento de mudanças nos estoques de carbono nos solos da Amazônia

Protocolo para coleta de amostras de solo destinadas ao monitoramento de mudanças nos estoques de carbono nos solos da Amazônia Protocolo para coleta de amostras de solo destinadas ao monitoramento de mudanças nos estoques de carbono nos solos da Amazônia Objetivo Determinar os estoques de carbono no solo, com alta precisão até

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1) Um pesquisador está interessado em saber o tempo médio que

Leia mais

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014 Inferência Estatística Estimação Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil Mestrado em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica Julho, 2014 C.T.Cristino

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Arquitetura e Urbanismo DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL ESTIMAÇÃO AUT 516 Estatística Aplicada a Arquitetura e Urbanismo 2 DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Na aula anterior analisamos

Leia mais

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA Introdução Funções do sistema de transmissão de potência: Transmitir potência do motor para as rodas motrizes e para a TDP (tomada de potência) Possibilitar o engate

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Fundamentos de Estatística Aplicada Módulo I: Estatística Descritiva

Fundamentos de Estatística Aplicada Módulo I: Estatística Descritiva Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Fundamentos de Estatística Aplicada Módulo I: Estatística Descritiva Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística Conteúdo

Leia mais

LISTA DE MATEMÁTICA. Aluno(a): Nº. 1. Determinada editora pesquisou o número de páginas das revistas mais vendidas em uma cidade.

LISTA DE MATEMÁTICA. Aluno(a): Nº. 1. Determinada editora pesquisou o número de páginas das revistas mais vendidas em uma cidade. LISTA DE MATEMÁTICA Aluno(a): Nº. Professor: Rosivane Série: 2 ano Disciplina: Matematica Data da prova: Pré Universitário Uni-Anhanguera MEDIDAS DE DISPERSÃO 1. Determinada editora pesquisou o número

Leia mais

Pesquisa em Marketing

Pesquisa em Marketing Pesquisa em Marketing Aula 4 1. Identificar o tamanho da amostral ideal 2. Saber calcular a amostra O Processo de Amostragem TIPOS DE AMOSTRAGEM Amostra não-probabilística Amostra por Conveniência Amostra

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática. (1) Data Mining Conceitos apresentados por INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Data Mining (DM): um pouco de prática (1) Data Mining Conceitos apresentados por 1 2 (2) ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Conceitos apresentados por. 3 LEMBRE-SE que PROBLEMA em IA Uma busca

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA FAETEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL SANTA CRUZ ETESC DISCIPLINA DE QUÍMICA EXPERIMENTAL Profs.: Ana Cristina, Denis Dutra e José Lucas

Leia mais

MATEMÁTICA. 10 10 t = = t = anos

MATEMÁTICA. 10 10 t = = t = anos MATEMÁTICA 9 d Seja n um número qualquer, inteiro e positivo. Se n é par, divida-o por ; se n é ímpar, multiplique-o por e adicione ao resultado. Esse procedimento deve ser repetido até que se obtenha

Leia mais

CONSTRUINDO UMA PONTE TRELIÇADA DE PALITOS DE PICOLÉ

CONSTRUINDO UMA PONTE TRELIÇADA DE PALITOS DE PICOLÉ CONSTRUINDO UMA PONTE TRELIÇADA DE PALITOS DE PICOLÉ Objetivo do projeto. Neste projeto, você irá construir um modelo de ponte treliçada que já estará previamente projetada. Quando terminada a etapa construção,

Leia mais

1. Determinar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura.

1. Determinar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura. 16 10 mm 10 mm 1. eterminar a tensão normal nos pontos das seções S 1 e S 2 da barra da figura. S1 S1 20 kn 300 mm 160 mm 50 mm 80 mm S 1 40MPa S 2 3,98MPa 2. Para a barra da figura, determinar a variação

Leia mais

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A.

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A. IMES Catanduva Probabilidades e Estatística Estatística no Excel Matemática Bertolo, L.A. Aplicada Versão BETA Maio 2010 Bertolo Estatística Aplicada no Excel Capítulo 3 Dados Bivariados São pares de valores

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM 1. RESUMO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM Validação, por parte dos alunos, da expressão R = ρ RLApara o cálculo da resistência de um condutor cilíndrico. Determinação da resistência total

Leia mais

Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com

Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com LISTA 2 Hidrostática 1) Um adestrador quer saber o peso de um elefante. Utilizando uma prensa hidráulica, consegue equilibrar

Leia mais

PESQUISA DE SALÁRIOS E BENEFÍCIOS - 2015

PESQUISA DE SALÁRIOS E BENEFÍCIOS - 2015 PESQUISA DE SALÁRIOS E BENEFÍCIOS - 2015 A RHUMO CONSULTORIA Empresa com mais de 20 anos no mercado, especializada na construção e implementação de soluções personalizadas nas áreas de Remuneração, Desenvolvimento

Leia mais

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra.

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. FÍSIC 1 nalise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. Esse circuito é composto por condutores ideais (sem

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DIMENSIONAL NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 01 05 de MAIO de 2015 Vide alterações

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia

Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Estatística I Curso: Contabilidade e Administração Ano: 3 o Semestre: o Prova: Exame Época: Normal Ano Lectivo: 2004/2005

Leia mais

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons E X E R C Í C I O S 1. O gráfico da figura abaixo representa a intensidade de corrente que percorre um condutor em função do tempo. Determine a carga elétrica que atravessa uma secção transversal do condutor

Leia mais

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio.

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. JEEP GRAND CHEROKEE ESPECIFICAÇÕES Todas as dimensões estão em milímetros (polegadas), salvo indicação contrária. Todas as dimensões são medidas com os pneus e rodas que equipam o veículo de série. Nota:

Leia mais

Válvula de Governo e Alarme 2.1/2 e 3

Válvula de Governo e Alarme 2.1/2 e 3 DESCRIÇÃO: A Válvula de Alarme Modelo E atua como um dispositivo de alarme de fluxo de água em sistemas espargidores de tubo úmido. O projeto permite instalação sob condições de fornecimento de pressão

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CAOR II Prof. Eduardo C. M. oureiro, DSc. MECANISMOS FÍSICOS T T at A condenação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida a vaore inferiore ao de ua temperatura de aturação. Em

Leia mais

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuições de Probabilidade Objetivos do aprendizado a.determinar probabilidades a partir de funções de probabilidade b.determinar probabilidades a partir de funções

Leia mais

25 de Janeiro de 2009

25 de Janeiro de 2009 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Concurso Público COPEL Edital 0/2008 Formação de Cadastro de Reserva 25 de Janeiro de 2009 PROVA: Função: ENGENHEIRO ELETRICISTA PLENO Eng. Planejamento Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ (UFPI) ENG. DE PRODUÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA 2 LISTA N O 2 Prof.: William Morán Sem. I - 2011 1) Considere a seguinte função distribuição conjunta: 1 2 Y 0 0,7 0,0

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística MAE6 Noções de Estatística Grupo A - º semestre de 007 Exercício ( pontos) Uma máquina de empacotar um determinado produto o faz segundo uma distribuição normal, com média µ e desvio padrão 0g. (a) Em

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 46 Uma das grandezas que representa o fluxo de elétrons que atravessa um condutor é a intensidade da corrente elétrica, representada pela letra i. Trata-se de uma grandeza a) vetorial, porque a

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES

UNIVERSIDADE DOS AÇORES UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Curso de Psicologia Estatística Aplicada à Psicologia É um erro capital teorizar sem se ter dados. Insensivelmente, começamos a distorcer os factos para

Leia mais

Processamento de sinais eletrocardiográficos João Luiz Azevedo de Carvalho, Ph.D. http://www.ene.unb.br/~joaoluiz Universidade de Brasília Faculdade UnB-Gama Especialização em Engenharia Clínica 3 de março

Leia mais

Cálculos Farmacêuticos

Cálculos Farmacêuticos Introdução CASO 1 Cálculos Farmacêuticos Receita com prescrição de 60 cápsulas de 500 mcg, sendo que a farmácia deve preparar um diluído 1:100 do ativo para facilitar a pesagem. FARMACOTÉCNICA II 2013

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Hipótese Estatística:

Hipótese Estatística: 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA TESTE DE HIPÓTESE SÉRGIO KATO Trata-se de uma técnica para se fazer inferência estatística. Ou seja, a partir de um teste de hipóteses, realizado com os dados amostrais,

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

BARREIRA DE PROTEÇÃO PARA PISCINA

BARREIRA DE PROTEÇÃO PARA PISCINA BARREIRA DE PROTEÇÃO PARA PISCINA Conforme a norma NFP 90-306 - Uso individual ou coletivo - Cada projeto de implantação tem um carácter específico. Em função da forma, do suporte, da exposição e as características

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO Gomes, P., Cardoso, J., Medina, J. Labmetro Saúde do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) RESUMO O Decreto-Lei n.º 180/2002, de 8

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091.01 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Revisão Data Descrição Executado por A0 16/02/01 Emissão Inicial Elisangela Queiroz A1 16/04/04 Emissão Inicial Danilo Padula

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Revisão Data Descrição Executado por A0 16/02/01 Emissão Inicial Elisangela Queiroz A1 16/04/04 Emissão Inicial Danilo Padula Modelo: 48T150-0512/02 Código: 30.23.0039.0.8 Pág.: 1/7 CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Descrição Executado por A0 16/02/01 Emissão Inicial Elisangela Queiroz A1 16/04/04 Emissão Inicial Danilo Padula

Leia mais

Notas sobre famílias e desigualdade social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 1991*

Notas sobre famílias e desigualdade social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 1991* Notas sobre famílias e desigualdade social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 1991* Rosa Ribeiro Um dos fenômenos mais destacados nas análises da situação social do país, na década de 8, foi o do

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Capítulo 9 Controle Estatístico de Processo e Ferramentas da Qualidade

Capítulo 9 Controle Estatístico de Processo e Ferramentas da Qualidade Capítulo 9 Controle Estatístico de Processo e Ferramentas da Qualidade Robert Wayne Samohyl 9.1 Introdução 9.1.1 Conceitos históricos 9.1.2 Conceitos básicos 9.2 Medidas descritivas e gráficos básicos

Leia mais

VASCO VASCONCELOS - 2ª SEMANA

VASCO VASCONCELOS - 2ª SEMANA VASCO VASCONCELOS - 2ª SEMANA 01. Suponha que Massa, Vettel, Alonso e Hamilton (seguidos por um retardatário) estão para completar a última volta de uma corrida de Fórmula 1, como ilustra a figura abaixo.

Leia mais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais Física II Eng. Química + Eng. Materiais Carga Eléctrica e Campo Eléctrico Lei de Gauss Potencial Eléctrico Condensadores 1. Nos vértices de um quadrado ABCD, com 10 cm de lado, estão colocadas cargas pontuais

Leia mais

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS 1. RESUMO Determinação da dependência espectral da atenuação numa fibra óptica de plástico. Verificação do valor da abertura numérica da fibra. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais