Diagnóstico molecular de infecções respiratórias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico molecular de infecções respiratórias"

Transcrição

1 Diagnóstico molecular de infecções respiratórias Dr. Luiz Vicente Ribeiro F. da Silva Filho Pneumologia Pediátrica Clínica de Especialidades Pediátricas - HIAE Unidade de Pneumologia Pediátrica Instituto da Criança Prof. Pedro de Alcântara Hospital das Clínicas - FMUSP Laboratório de Virologia Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Universidade de São Paulo

2 Infecções Respiratórias Agudas Representam uma das principais condições médicas para adultos e crianças; Uma das causas mais comuns de morbi-mortalidade na infância; Diversos agentes infecciosos envolvidos Vírus Bactérias Fungos

3 Quais os principais agentes de infecção respiratória? Vírus Bactérias Resfriado Nariz entupido Pneumonia Meningite

4 Vírus que causam doenças respiratórias graves Influenza aviária Influenza suína SARS coronavírus

5 VÍRUS SINCICIAL RESPIRATÓRIO Resfriado, Bronquiolite, Pneumonia. Bronquiolite: primeira causa de internação em lactentes < 1ano Garcia CG et al, Pediatrics 2010;126: e1453-e1460

6 VÍRUS SINCICIAL RESPIRATÓRIO Resfriado, Bronquiolite, Pneumonia. è Alta morbidade para grupos especiais de pacientes: Ø Lactentes jovens (prematuros) Ø Idosos Ø Imunocomprometidos Ø Outras doenças de base (FC, displasiabp, etc) Bronquiolite viral aguda por VSR em lactente com displasia broncopulmonar

7 77 lactentes com bronquiolite atendidos na emergência do Hospital Albert Risco de internação: Einstein em SP Univariada: VSR OR 4,145 [1,432 11,998] p=0,009 Multivariada: Idade OR 0,838 [0,718-0,979] p= 0,026 Familiar com atopia OR 0,202 [0,052-0,785] p=0,021 Enterovírus OR 6,033 [1,224-29,726] p=0,027 Risco de internação em UTI: Univariada: Prematuridade OR 14,762 [2,897 5,403] p= 0,001 Multivariada: Prematuridade OR 24,512 [3, ,95] p= 0,002 Nascimento MS et al, Clinics 2010; 65(11):

8 Qual a relevância do diagnóstico etiológico na prática clínica do tratamento de infecções respiratórias? Evitar o uso desnecessário de antibióticos? Ajudar na escolha do antibiótico/antiviral correto? Reduzir os riscos de infecção nosocomial? Definição de prognóstico de sibilância recorrente?

9 Caso clínico " Paciente de 12 anos, febre de 39 a 40 o C há 3 dias, mal estar e dores pelo corpo " Examinada pelo pediatra ontem, só hiperemia de cavum " Hoje com piora do mal estar febre de 40 o C " Encaminhada pelo pediatra para coleta de hemograma, hemocultura e Rx de tórax Rx tórax normal Teste rápido para Influenza A e B + Fuja da espetada!!

10 Métodos clássicos para diagnóstico viral: testes rápidos Testes rápidos Detecção de antígenos de vírus respiratórios (Imunocromatográficos) Kits comerciais: VSR, influenza A e B Métodos rápidos e fáceis de realizar Factíveis para uso à beira do leito Sensibilidade variável (60 a 80%)

11 Métodos clássicos para diagnóstico viral: imunofluorescência Imunofluorescência Uso de anticorpos monoclonais dirigidos contra epítopos específicos de vírus respiratórios Kits comerciais: VSR, influenza A e B, parainfluenza 1, 2 e 3, adenovírus e hmpv (poucos lugares fazem na rotina) Método rápido e sensível Técnico-dependente (treino) Indisponível para alguns vírus de interesse

12 Métodos clássicos para diagnóstico viral: cultura Cultura viral Diversas linhagens celulares (vírus têm preferências) Método trabalhoso e demorado Várias passagens - transferências Verificação do efeito citopático

13 A grande revolução no conhecimento da etiologia de infecções respiratórias por vírus: Métodos de Biologia Molecular Weinberg GA et al, J Infect Dis 2004; 189:706 10

14 Qual a influência dos métodos utilizados nos estudos de etiologia viral em infecções respiratórias agudas? Estudo Positividade % Técnica Número de agentes pesquisados Co-infecção Straliotto SM et al, % IF 5 Não estudado Thomazelli LM et al, % PCR/RT-PCR 8 13% Bosis S et al, % PCR/RT-PCR 14 18% Stempel HE et al, % PCR/RT-PCR 10 23% Miron D et al, % PCR/RT-PCR 9 31% Meerhoff TJ et al, % PCR/RT-PCR 14 48% Em todos os estudos: maior parte das co-infecções envolve rinovírus

15 Bronquiolite viral aguda, PA HIAE Vírus respiratórios isolados no 1 o episódio de chiado em lactentes, idade média ~ 6 meses (n=77) ,5% de positivos VSR Rhino Enterov hmpv hbov paraflu 3 flua corona neg Nascimento MS et al, Clinics 2010; 65(11):

16 Métodos tradicionais de amplificação genômica: PCR e RT-PCR Extração de ácidos nucléicos (retirada de proteínas, restos de membrana etc) Preparo da mistura Termociclador (ciclos de aquecimento-resfriamento) Revelação Corridas em gel de agarose-acrilamida

17 Métodos tradicionais de amplificação genômica: PCR e RT-PCR PCR / RT-PCR tempo real Extração de ácidos nucléicos Preparo da mistura Emissão e detecção de fluorescência emitida durante os ciclos de amplificação (real time) Termociclador e Revelador

18 Métodos de tradicionais amplificação de PCR genômica: e RT-PCR PCR e RT-PCR tempo real PCR / RT-PCR tempo real Mais de uma fluorescência disponível: possibilidade de multiplex (vários alvos) Não há abertura de tubos/placas na etapa pós amplificação: risco de contaminação é muito mais baixo Possibilidade de quantificação de alvos genômicos: expressão de RNA, quantificação de vírus

19 Virochip DNA microarray Tecnologia xmap sistema Luminex The Journal of Infectious Diseases 2007; 196:

20 CONCLUSIONS PneumoVIR - BioMerieux N= 21 +ve: 8 M -ve: 13 Y Amplificação (RT-PCR e PCR CM P MY em multiplex) - The Clinical Arrays Pneumovir provides essential information to our kn infections and increases the diagnostic yields for different types of respi - A comparative evaluation against the current diagnostic methods reveal - It allows initiating appropriate use of antiviral therapy, improves the follo Aplicação num array com isolation) sondas marcadas - It contributes to a better antibiotic management CY CMY K [1] Muir P, Vipond B, Carrington D. Pilot evaluation of a commercial PCR-DNA mi viruses in clinical specimens. Leitura [2] Coiras MT, Aguilar JC, Garcia ML, et al,. Simultaneous detection of fourteen re reverse transcription nested PCR assays. J Med Virol 2004; 72:

21 Plataformas mais completas de PCR e RT-PCR Automação de processos J Med Virol 2009, 81:

22 Novas perspectivas na deteção de ácidos nucléicos Nanotecnologia Vantagens: Dispensa amplificação Possibilidade de resultados rápidos Desenvolvimento de plataformas para beira do leito / campo Wei F et al, Pediatr Res 67: , 2010)

23 Métodos moleculares são tão superiores? Paciente internado com doença respiratória aguda, insuficiencia respiratória, IOT + VMec IFL para virus resp NEG Será adenovírus? Médicos querendo pulsar com corticóide.

24 Métodos moleculares são tão superiores? Paciente internado com doença respiratória aguda, insuficiencia respiratória, IOT + VMec IFL para virus resp NEG PneumoVIR: VSR+ Diagnóstico no 10 o dia nada a fazer, melhorou sem intervenção anti-viral Se eu soubesse antes Ribavirina? Ac monoclonal?

25 Vírus recentemente identificados (avanços tecnológicos) 1. Metapneumovírus humano (hmpv) Novos coronavírus 2004, Bocavírus humano (hbov) Novos poliomavírus Novos rinovírus etc Bocavírus humano (BoVH)

26 Dá pra confiar nestes resultados de biologia molecular? Muitas questões ainda estavam pendentes Frequentemente identificado em co-detecção Não havia descrição de isolamento em cultivo Não se sabia direito a dinâmica da infecção excreção viral hbov3 em microscopia eletrônica Santos N et al, J Clin Virol 2010, 48:

27 Vírus respiratórios emergentes Bocavírus humano: no Brasil 262 ANF de 248 pacientes (2005) 26 hbov + Predomínio de coinfecções Gagliardi TB et al, Epidemiol Infect 2009;137(7):1032-6

28 Bocavírus humano: no Brasil Projeto VGDN Fapesp Rede de Diversidade Gené.ca Viral - tarefa VSR Critérios de inclusão: Idade entre 0 e 5 anos Quadro clínico de infecção respiratória aguda Critérios de exclusão: Recusa em par.cipar do estudo Impossibilidade de colher aspirado nasofaríngeo Hospital Israelita Albert Einstein Hospital InfanEl Darcy Vargas Ambulatório do Programa Einstein na Comunidade de Paraisópolis

29 Bocavírus humano: no Brasil Detecção de BoVH distribuição etária (n=603) 127 amostras posievas (21,1%) Número de pacientes ,2% 66,9% 73,8% 89,5% BoVH nega.vo BoVH posi.vo 50 0 < 6 meses 6 a 11 meses 12 a 24 meses > 24 meses Faixa etária Andreia Vieira Tese Doutorado IMT-USP

30 Bocavírus humano: no Brasil Co- detecções Co- detecções: 108 (85%) Detecção única: 19 (15%) Andreia Vieira Tese Doutorado IMT-USP

31 Desafios para o uso de métodos com alta sensibilidade Como interpretar este monte de co-infecções (ou co-detecções)? Definir o papel de cada um dos agentes identificados no processo em investigação: 1. Vírus DNA: identificação de RNA = atividade viral - uso de DNAse em amostras sobra o RNA - mrna de boca e correlação com carga viral e diarreia (Dr. Eurico Arruda, PLOSone 2012) 2. Vírus RNA? (aceito sugestões)

32 Bocavírus humano: causa doença mesmo? Distribuição dos valores de oximetria de pulso encontrados, de acordo com a iden.ficação do BoVH nas amostras. Valores de oximetria de pulso dados compara.vos p= 0,086 p= 0,002 p= 0,02 Andreia Vieira Tese Doutorado IMT-USP

33 Bocavírus humano: causa doença mesmo? Idade, oximetria de pulso e valores de carga viral dos pacientes com ideneficação de BoVH, segundo sua detecção isolada ou em co- detecção com outro vírus (n=603) Idade (meses) BoVH nega.vo (n=476) BoVH co- detecção (n=108) BoVH único (n=19) p- valor Média (desvio padrão) 15 (16) 12 (11) 13 (14) 0,094* Mediana (p25- p75) 10 (3-23) 9 (5-17) 9 (5-15) Oximetria de pulso Média (desvio padrão) 93 (5) 93 (4) 96 (2) 0,01# Mediana (p25- p75) 95 (91-97) 94 (90-96) 96 (95-98) log10 cópias de DNA BoVH Média (desvio padrão) - 2,30 (1,50) 2,36 (1,39) Mediana (p25- p75) - 2,13 (1,18-3,07) 2,37 (1,03-3,40) * Teste de ANOVA # Teste de Kruskal- Wallis (Teste de Mann- Whitney: BoVH nega.vo x BoVH co- detecção: p= 0,086; BoVH nega.vo x BoVH único: p= 0,02; BoVH co- detecção x BoVH único: p= Teste T de Student Andreia Vieira Tese Doutorado IMT-USP

34 Bocavírus humano: causa doença mesmo? BoVH único: valores de oximetria de pulso mais elevados que os pacientes com co-detecções. A detecção única de BoVH foi associada a menor frequência de chiado e hipoxemia do que a observada em pacientes com co-detecções. Sem relação com a carga viral

35 Conclusões 1. Métodos de biologia molecular aumentam muito a sensibilidade, mas... Aumentam muito a taxa de co-detecção 2. Os maiores avanços em diagnóstico molecular são na fase de detecção de material genômico amplificado (arrays, Luminex, etc) 3. Novas perspectivas: nanotecnologia: dispensar amplificação? 4. Cuidado na interpretação de resultados: será que todos estes agentes virais são tão patogênicos? Obrigado

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

Resultados de estudos sobre pneumonia na infância

Resultados de estudos sobre pneumonia na infância Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina da Bahia Departamento de Pediatria Resultados de estudos sobre pneumonia na infância Métodos Específicos e Não Invivos em Crianç Brileir Hospitalizad

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Implementação de uma nova metodologia para detecção de painel de vírus respiratórios através RT-PCR Microarray: CLART Pneumovir.

Implementação de uma nova metodologia para detecção de painel de vírus respiratórios através RT-PCR Microarray: CLART Pneumovir. Implementação de uma nova metodologia para detecção de painel de vírus respiratórios através RT-PCR Microarray: CLART Pneumovir. Niewiadonski, V.D.T; Scarpelli, L.C; Alfieri,A; Gaburo Jr, N. Departamento

Leia mais

INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO. Importância do Tipo de Infiltrado.

INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO. Importância do Tipo de Infiltrado. INFECÇÕES PULMONARES NO IMUNOCOMPROMETIDO NÃO SIDA PROTOCOLOS DE DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO Rodney Frare e Silva Professor Adjunto Pneumologia UFPR COMPLICAÇÕES PULMONARES INFECCIOSAS APÓS O TCTH Importância

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração Aspectos Laboratoriais Eduardo Pinheiro Guerra Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Pneumonia: O Papel dos Vírus Filipe Froes Hospital de Pulido Valente Centro Hospitalar Lisboa Norte 25-03-2010

Pneumonia: O Papel dos Vírus Filipe Froes Hospital de Pulido Valente Centro Hospitalar Lisboa Norte 25-03-2010 Pneumonia: O Papel dos Vírus Filipe Froes Hospital de Pulido Valente Centro Hospitalar Lisboa Norte 25-03-2010 Conflitos de Interesse: Científicos: Comunicação pessoal Financeiros: Sem conflitos de interesses

Leia mais

MANEJO DAS PNEUMONIAS VIRAIS - do diagnóstico ao tratamento - Pneumonia Adquirida na Comunidade. Diagnóstico Etiológico.

MANEJO DAS PNEUMONIAS VIRAIS - do diagnóstico ao tratamento - Pneumonia Adquirida na Comunidade. Diagnóstico Etiológico. X CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SÃO PAULO ABRIL 2009 - do diagnóstico ao tratamento - Rodney Frare e Silva Prof Adjunto de Pneumologia UFPR rodneyfrare@brturbo.com.br Pneumonia Adquirida

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais

Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic/diaadia Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais Introdução A análise

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

16/04/2015. O que aprendemos nas pandemias virais? GRIPE ESPANHOLA(1918-1919): H1N1. Organização Mundial de Saúde

16/04/2015. O que aprendemos nas pandemias virais? GRIPE ESPANHOLA(1918-1919): H1N1. Organização Mundial de Saúde O que aprendemos nas pandemias virais? Ricardo Luiz de Melo Martins Pneumologia-HUB/UnB TE em Pneumologia SBPT Comissão de Infecções Respiratórias e Micoses/SBPT Organização Mundial de Saúde Junho de 2009

Leia mais

Picornaviridae. - simetria icosaédrica (20-30 nm) - RNA fita simples, polaridade positiva. - vírus nús (não envelopados)

Picornaviridae. - simetria icosaédrica (20-30 nm) - RNA fita simples, polaridade positiva. - vírus nús (não envelopados) Família Picornaviridae - simetria icosaédrica (20-30 nm) - RNA fita simples, polaridade positiva - vírus nús (não envelopados) CLASSIFICAÇÃO Família: Picornaviridae Gêneros: Aphthovirus Enterovirus Cardiovirus

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

Diagnóstico Molecular da Tuberculose. Profa Dra. Cristiane Cunha Frota

Diagnóstico Molecular da Tuberculose. Profa Dra. Cristiane Cunha Frota Diagnóstico Molecular da Tuberculose Profa Dra. Cristiane Cunha Frota Complexo M. tuberculosis (MTB) - evolução Brosch et al., PNAS, 2002 Complexo MTB (10 espécies) Patógenos associados ao Homem: M. tuberculosis

Leia mais

Serviço de Pediatria HU-UFJF

Serviço de Pediatria HU-UFJF Serviço de Pediatria HU-UFJF POP Ped Nº 003 BRONQUIOLITE Elaborado em: Julho 2010 Revisado em: Maio 2011 Objetivo: - Estabelecer o diagnóstico da bronquiolite viral aguda em lactentes com sintomas respiratórios.

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Palavras chave: doença respiratória aguda, crianças, parainfluenzavírus

Palavras chave: doença respiratória aguda, crianças, parainfluenzavírus CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos PARAINFLUENZAVÍRUS

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR Itamar Crispim Simpósio Temático - 01/07 e 02/07 Local: Auditório do TECPAR das 8:00 às 18:00 horas 01 de Julho Abertura e Apresentação Institucional Dr. Samuel Goldenberg Doença de Chagas: realidade e

Leia mais

Sessão De Pediatria. Discussão De Artigos

Sessão De Pediatria. Discussão De Artigos Sessão De Pediatria Discussão De Artigos Evaluation of children with recurrent pneumonia diagnosed by world health organization criteria. Pediatr Infect Dis J. 2002: 21: 108-12. James D. Heffelfinger,

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

ROGÉRIO PECCHINI O IMPACTO DO VÍRUS PARAINFLUENZA COMO ETIOLOGIA DE INFECÇÃO RESPIRATÓRIA AGUDA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS

ROGÉRIO PECCHINI O IMPACTO DO VÍRUS PARAINFLUENZA COMO ETIOLOGIA DE INFECÇÃO RESPIRATÓRIA AGUDA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS ROGÉRIO PECCHINI O IMPACTO DO VÍRUS PARAINFLUENZA COMO ETIOLOGIA DE INFECÇÃO RESPIRATÓRIA AGUDA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS Tese apresentada ao Curso de Pós- Graduação da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

Aprovado em reunião de Disciplina de Moléstias Infecciosas em 04.05.2009.

Aprovado em reunião de Disciplina de Moléstias Infecciosas em 04.05.2009. Plano interino de preparação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp) para atendimento a pacientes com Influenza A suína (H1N1). Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza Professor

Leia mais

Boletim Epidemiológico Julho/2015

Boletim Epidemiológico Julho/2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGICA EM VIGILANCIA

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS PEDIATRIA CLÍNICA PROGRAMA PARA O 6º. ANO DE MEDICINA 2015 Estágio obrigatório em tempo integral, que visa à formação em Pediatria Geral, em estagio prático, sob supervisão docente, com ênfase ao raciocínio

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Hepatites Virais Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Definição Hepatite viral: Doença causada exclusivamente por vírus hepatotrópico. Diagnóstico Diferencial: CMV, mononucleose

Leia mais

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD PEDv Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Agroceres PIC Agradecimentos pelas informações Dr Albert Rovira,

Leia mais

ROGÉRIO PECCHINI PREVALÊNCIA DE VÍRUS SINCICIAL RESPIRATÓRIO EM CRIANÇAS INTERNADAS POR DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA

ROGÉRIO PECCHINI PREVALÊNCIA DE VÍRUS SINCICIAL RESPIRATÓRIO EM CRIANÇAS INTERNADAS POR DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA ROGÉRIO PECCHINI PREVALÊNCIA DE VÍRUS SINCICIAL RESPIRATÓRIO EM CRIANÇAS INTERNADAS POR DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA TESE APRESENTADA AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA SANTA CASA

Leia mais

Isolamento Viral em Cultivo Celular. Adriana Candido Rodrigues

Isolamento Viral em Cultivo Celular. Adriana Candido Rodrigues Isolamento Viral em Cultivo Celular Adriana Candido Rodrigues Vírus: Parasitas intracelulares obrigatórios Célula viva para replicação Sistemas Celulares Animais de Laboratório Ovos Embrionados Cultura

Leia mais

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Comunicações: 1. Vigilância da Coqueluche; 2. Vigilância das Síndromes Respiratórias Agudas Graves; 3. Liberação de tratamento para tuberculose

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Caso Clínico Masc, 30 anos, apresentando febre após QT para LMA (3 o ciclo). Nos 2 ciclos anteriores apresentou

Leia mais

Pneumonia em Pediatria. Abordagem etiológica e terapêutica

Pneumonia em Pediatria. Abordagem etiológica e terapêutica Pneumonia em Pediatria Abordagem etiológica e terapêutica 1 Definindo o diagnóstico: - O que tratar, Quem tratar, Como tratar, Onde tratar 2 Fatores de risco para pneumonia Maternos Educação materna Desmame

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

PAPILOMA VÍRUS HUMANO

PAPILOMA VÍRUS HUMANO PAPILOMA VÍRUS HUMANO PAPILOMA VÍRUS HUMANO *INNO-LiPA HPV Genotipagem Extra 28 genótipos HPV Controles Praticidade Aplicações Automação ESCOLHA DE QUALIDADE PARA O SEU LABORATÓRIO. Genótipos: 28 genótipos

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Protocolos Não Gerenciados

Protocolos Não Gerenciados Protocolos Não Gerenciados Unidade de Pediatria FEBRE SEM SINAIS LOCALIZATÓRIOS EM CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2005 SBIB Hospital Albert Einstein Page 1 of 7 Protocolo

Leia mais

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica)

Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Vírus - conceito (Enciclopédia Britânica) Partículas infecciosas de tamanho pequeno e composição simples que multiplicam-se somente em células vivas (animais, plantas, insetos, peixes, bactérias, etc)

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

Diagnóstico de infecções virais

Diagnóstico de infecções virais Diagnóstico de infecções virais Diagnóstico de infecções virais Duas formas: - buscar o vírus ( ou seus efeitos) ou - buscar a resposta do organismo (especialmente anticorpos) 1- na busca do vírus Diagnóstico

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

ASPECTOS LABORATORIAIS

ASPECTOS LABORATORIAIS INFLUENZA A (H1N1) 1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS LABORATORIAIS Os agentes infecciosos prioritários para investigação etiológica são os vírus influenza. As amostras de secreções respiratórias devem ser

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BATURITÉ DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BATURITÉ DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS PREFEITURA MUNICIPAL DE BATURITÉ DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infra relacionados, concorrentes ao cargo MÉDICO PLANTONISTA

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

Lembrete... Higiene das mãos com álcool: efetiva para todos os agentes? Métodos de avaliação microbiológica. In vitro Ex vivo In vivo Estudos clínicos

Lembrete... Higiene das mãos com álcool: efetiva para todos os agentes? Métodos de avaliação microbiológica. In vitro Ex vivo In vivo Estudos clínicos Elementos essenciais na HM Higiene das mãos com álcool: efetiva para todos os agentes? Enf. Julia Yaeko Kawagoe - H. Israelita Albert Einstein Integridade da pele; Atividade antimicrobiana: microbiota

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação dos medicamentos pertencentes aos Programas Estratégicos (Tuberculose, DST/AIDS e SRAG).

Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação dos medicamentos pertencentes aos Programas Estratégicos (Tuberculose, DST/AIDS e SRAG). FARMPr13 1 de 12 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial CAMS; CESC; LAS;MBJ;LR; 1 Objetivo Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014

DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) CIEVS/COVISA Novembro/2014 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA INFORMAÇÃO MEDIDAS DE BIOSEGURANÇA Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Descoberta: 1976 Dois focos simultâneos, emnzara, Sudão

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

INFORME TÉCNICO INFLUENZA ESP. DDTR Janeiro/2014

INFORME TÉCNICO INFLUENZA ESP. DDTR Janeiro/2014 2014 INFORME TÉCNICO INFLUENZA ESP DDTR Janeiro/2014 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE

Leia mais

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE Curso Avançado MBE ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE POLIANA CASTRO DE RESENDE BONATI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE POLIANA CASTRO DE RESENDE BONATI UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE POLIANA CASTRO DE RESENDE BONATI VÍRUS RESPIRATÓRIOS EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM SERVIÇOS PÚBLICOS DE

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

ESTRUTURA DOS VÍRUSV

ESTRUTURA DOS VÍRUSV Departamento de Microbiologia Disciplina de Virologia Básica ESTRUTURA DOS VÍRUSV Fabrício Souza Campos Mestrando do PPG em Microbiologia Agrícola e do Ambiente Adaptado Prof. Dr. Paulo Roehe EXISTEM VÍRUS

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

INFORME TÉCNICO DISTRITO FEDERAL (baseado no informe técnico do Programa Nacional de Imunizações/Ministério da Saúde)

INFORME TÉCNICO DISTRITO FEDERAL (baseado no informe técnico do Programa Nacional de Imunizações/Ministério da Saúde) GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E DE IMUNIZAÇÃO

Leia mais

Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose

Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose Programa Nacional de Controle da Tuberculose Departamento de Vigilância Epidemiológica Secretaria de Vigilância em

Leia mais