PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEDv. Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão. Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD"

Transcrição

1 PEDv Etiologia, impacto na produção e modos de transmissão Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Agroceres PIC

2 Agradecimentos pelas informações Dr Albert Rovira, VDL UMN Dr Montse Torremorell, SDEC UMN Dr Cesar Corzo, PIC EUA / América Latina José Piva, PIC EUA Dr Jer Geiger, PIC China Matt Ackerman, SVS Dr Han Soo Joo, UMN Márcio Gonçalves, KSU Websites interessantes e atualizados: AASV, ISU VDL, SDEC/UMN

3 Foto cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA)

4 Agenda Introdução Etiologia da Diarréia Epidêmica dos Suínos Impactos na produtividade Modos de transmissão entre suínos e entre granjas

5 Introdução Vantagens competitivas da suinocultura brasileira: Livre dos vírus da Síndrome reprodutiva e respiratória dos suínos, Peste Suína Africana, Gastroenterite transmissível, Deltacoronavírus e Diarréia epidêmica dos suínos, entre outros Manter este status requer diligência de toda a cadeia de produção PEDv é uma doença emergente no continente Americano. Estamos aprendendo a cada dia com veterinários de campo, pesquisadores e produtores. Ainda há muitas perguntas a serem clarificadas

6 Coronavirus Familia: Coronaviridae Diarrea epidêmica suína (PEDv) Gastroenterirte Transmissível (TGEv) Encefalomielite aglutinante (HEv) Coronavirus respiratório suíno (PRCv) Deltacoronavírus suíno (SDCv) Genoma: RNA - Envelopado Proteínas: 4 estruturais: (S: spike), (N: nucleocapsídeo), (E: envelope), (M: membrana) 3 não estruturais

7 Coronavirus Familia: Coronaviridae Diarrea epidêmica suína (PEDv) Gastroenterirte Transmissível (TGEv) Encefalomielite aglutinante (HEv) Coronavirus respiratório suíno (PRCv) Deltacoronavírus suíno (SDCv) Genoma: RNA - Envelopado Proteínas: 4 estruturais: (S: spike), (N: nucleocapsídeo), (E: envelope), (M: membrana) 3 não estruturais

8 PEDv Características gerais Dinâmica infecção comparado com TGEv: Transmissão: >R 0, todas idades Níveis de excreção, mortalidade > Meia vida < Curso infecção clínica (3-4 sem vs. 4-6 sem) Habilidade cristalização (como o SARS) Potencial transmissão indireta (biossegurança)

9 PEDv Epidemiologia molecular Surto concomitante em 4 granjas nos EUA (13/05) 99.4% homologia com isolados Chineses, que são ~ 96% similares entre si

10 Zoonose? Exportações? Não é zoonose Não é de importância para saúde pública Não deve restringir exportações países afetados Não é doença listada pela OIE Não considerada doença exótica nos EUA, Canadá Não houve / há restrições de transito interno entre Estados EUA, Canadá Redução de oferta de suínos no mercado pode de certa forma interferir em exportações

11 VOMITO DIARREIA =DESIDRATAÇAO

12 VOMITO DIARREIA =DESIDRATAÇAO

13 Descrição surto granja 6 mil fêmeas: VOMITO Dia 1 - Vômito e diarréia, todas as idades. Diarréia muito líquida "não podíamos nem usar colher para colher amostras", coloração verde escuro-marrom. DIARREIA Dia 2 - animais até 3 dias de idade: Diarreia =DESIDRATAÇAO profusa tipo E.coli, 10% prevalencia. Dias seguintes: prevalência evoluiu rapidamente para ~100%. (Matt Ackermann, SVS)

14 Slide cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA)

15 Slide cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA)

16 Slide cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA)

17 Porcentagem sobreviventes ao dia 7 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 95% 100% 70% 25% 0% 0% Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4 Semana 5 Semana 6 Slide cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA) 17

18 Porcentagem sobreviventes ao dia 7 100% 95% 100% 90% 80% 70% Houveram 70% granjas de 6000 matrizes 60% sem 50% desmamar leitão por 4 semanas. 40% 30% 25% 20% 10% 0% 0% 0% Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4 Semana 5 Semana 6 Slide cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA) 18

19 Fotos cortesia José Piva, PIC EUA

20 Fotos cortesia José Piva, PIC EUA

21 Todas as idades são susceptíveis Foto cortesia Dr Han Soo Joo, Univ. Minnesota

22 Todas as idades são susceptíveis Foto cortesia Dr Han Soo Joo, Univ. Minnesota

23 Fotos cortesia José Piva, PIC EUA Impacto econômico para granja, para a suinocultura (alteração na oferta de suínos ao mercado) Impacto moral pessoal envolvido

24 Fotos cortesia José Piva, PIC EUA Impacto econômico para granja, para a suinocultura (alteração na oferta de suínos ao mercado) Impacto moral pessoal envolvido

25 Fotos cortesia José Piva, PIC EUA Impacto econômico para granja, para a suinocultura (alteração na oferta de suínos ao mercado) Impacto moral pessoal envolvido

26

27

28

29

30 Quantificando as perdas Gráficos controle estatístico de processo 1. Tempo para recuperar produtividade 2. Perdas totais (leitões não desmamados)

31 Impacto Econômico 86 granjas TTBP = 7.4 granjas 95% CI = Perdas por matrizes % CI = Goede & Morrison, 2014

32 Creche, recria, terminação Fotos cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA) 32

33 Creche, recria, terminação Fotos cortesia do Dr Matt Ackerman, Swine Vet Services (EUA) 33

34 Modos de transmissão: individual e regional 1. Excretado pela via fecal, infecção pela via oral 2. Vírus altamente infeccioso e transmissível Permanece infeccioso em condições ambientais que outros vírus como PRRSv, TGEv, Aujeszky não toleram (14d, temperatura ambiente) Dose infecciosa mínima muito baixa: Transmissão indireta Caminhões Pessoas Ar (reproduzido U Minnesota) Ração???

35 Granjas positivas: Fatores de risco (24 granjas pareadas) > visitas de veterinários antes do surto 2x numero de visitantes (empresa ou terceiros ) x entrada de veículos (troca gás, retirar carcaças/compostagem/lixo, etc) 10x maior introdução de animais de outros sítios 3.5x compartilhamento de equipamentos entre granjas 2.5x mais pássaros nas instalações Granjas negativas: 20% mais uso de desinfetante na rampa embarque após cada retirada leitões

36 Suínos podem ser infectados com ração contaminada* *Estudo realizado pelo Dr Scott Dee, Pipestone Applied Research (EUA)

37 Associação de ingredientes de ração na disseminação de PEDv?

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47 Comentários finais PED: entre as doenças infecciosas de suínos mais importantes do mundo Doença está desafiando práticas padrão de biossegurança: movendo muito rápido entre granjas e países Continuaremos aprendendo sobre dinâmicas de transmissão regional, biossegurança e práticas de controle/eliminação Qual o risco de introdução de PEDv no Brasil? Estamos preparados para diagnosticar e agir prontamente?

48 Obrigado Daniel Linhares

Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo

Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo Diarreias epidêmicas dos suínos: TGE, PED, SDCo Daniel Linhares, M.Vet, MBA, PhD Gerente de Serviços Técnicos e Gestão Sanitária Génétiporc Agroceres PIC Mapa IMA ASEMG UFMG Agradecimento Pelas Informações

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014

Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425. A Importância da Diarréia Epidêmica Suína. Grupo: Novembro, 2014 Disciplina: Gerenciamento em Saúde Animal e Saúde Pública VPS 425 A Importância da Diarréia Epidêmica Suína Novembro, 2014 Grupo: Alexandre Nunes Mendes Bruno Bracco Donatelli Carlos Eduardo Cardoso Consentini

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas A Suinocultura Norte Americana José Henrique Piva PIC Americas Meus objetivos com esta apresentação Dar uma visão das principais mudanças, oportunidades e desafios enfrentados pela industria suína. Mostrar

Leia mais

Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos

Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos Sanidade de Suínos no Brasil: Como Manter o País Livre de Desafios Exóticos Entendendo os Riscos Sanitários da Produção de Suínos Daniel Linhares, DVM, MBA, PhD Agroceres PIC 335 Patógenos Emergiram nas

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

A nova reprodução começou

A nova reprodução começou A nova reprodução começou Alta competitividade é a marca do nosso tempo. Na suinocultura, ela vem significando um crescente dinamismo tecnológico, exatamente para renovar as vantagens competitivas da cadeia

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella CONCEITOS EPIDÊMICOS - ENDEMIA ENDEMIA: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado faixa endêmica. Isso quer dizer

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

VIROLOGIA. 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite

VIROLOGIA. 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA 1. Rubéola 2. Gripe 3. Resfriado 4. Hepatite Prof. Leandro Parussolo RUBÉOLA Rubéola Família:

Leia mais

Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico. Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto

Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico. Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto Gestão na Suinocultura objetivando resultado econômico Cuiabá - MT 28 de novembro de 2008 Luiz Grigoletto Considerações A suinocultura brasileira apresenta atualmente bom nível de desenvolvimento e ótimos

Leia mais

Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho. Gustavo J. M. M. de Lima

Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho. Gustavo J. M. M. de Lima Manejo nutricional dos leitões nas fases de maternidade e creche e seus efeitos no desempenho Gustavo J. M. M. de Lima Suíno jovem tem potencial para apresentar um rápido crescimento; Dificuldades de expressar

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP

PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP DOENÇA DE AUJESZKY PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP 1. DEFINIÇÃO DOENÇA INFECTO-CONTAGIOSA DO SISTEMA NERVOSO QUE ACOMETE DIVERSAS ESPÉCIES DE MAMÍFEROS DOMÉSTICOS, COM MAIOR PREVALÊNCIA ENTRE

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS As atividades do Programa Nacional de Sanidade Suídea (PNSS) têm como objetivo a coordenação, normatização e o suporte das ações de defesa sanitária animal referentes

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

Classical swine fever: current situation

Classical swine fever: current situation Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Laboratório Nacional Agropecuário LANAGRO/MG Classical swine fever: current situation Peste Suína Clássica no Brasil: informações atuais Tânia R.

Leia mais

Colibacilose Aviária. Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR

Colibacilose Aviária. Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR Introdução Enfermidade sistêmica ou localizada causada E. coli, incluindo

Leia mais

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal.

A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE. Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. A Gripe A ALGUMAS NOTAS HISTÓRICAS SOBRE A GRÍPE Data de 1580, a primeira descrição completa de uma pandemia gripal. Desde esta altura que correram mundo, mais de trinta pandemias, causadas por diversos

Leia mais

Doenças Emergentes e o Controle de Infecção

Doenças Emergentes e o Controle de Infecção Doenças Emergentes e o Controle de Infecção Carlos Magno C. B. Fortaleza Diretor Técnico Centro de Vigilância Epidemiológica Secretaria de Estado da Saúde SP Professor Assistente Moléstias Infecciosas

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF?

Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF? Peritonite Infecciosa Felina PIF: A incógnita da medicina felina Introdução ou O que é a PIF? A peritonite infecciosa felina (PIF) é uma doença viral e imunomediada que acomete os gatos. Essa doença é

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Rinite atrófica dos suínos J. R. F. Brito I. A. Piffer M. A. V. P. Brito 1 A renite atrófica dos

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE SUÍNOS Sistema de produção Produtividade Monitorias Sanitária Limpeza e desinfecção Manejo do leitão Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=170>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Efeito da taurina sobre o desempenho de leitões na fase de creche Oliveira, E. F.¹,

Leia mais

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Sanidade Suídea Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 1º Curso de Epidemiologia Aplicada Rio de Janeiro, 16 a 27 de março de 2008. BASE LEGAL ATO ADMINISTRATIVO DE 05

Leia mais

PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3

PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3 dossiê PECUÁRIA PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3 1. Médico Veterinário, MSc. Fiscal Federal Agropecuário, Ministério da Agricultura

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 29.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências

Leia mais

Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial.

Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial. Presença do circovírus suíno 2 (PCV2) em sêmen e órgãos de cachaços de Centrais de Inseminação Artificial. Janice Reis Ciacci Zanella Médica Veterinária, M.Sc., Ph.D. Pesquisador A, Embrapa Suínos e Aves

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

PESTE SUÍNA CLÁSSICA PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP

PESTE SUÍNA CLÁSSICA PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP PROF. DR. PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP PESTE PESTE SUÍNA CLÁSSICA 1. DEFINIÇÃO SUÍNA CLÁSSSICA/ HOG CHOLERA: ENFERMIDADE INFECTO-CONTAGIOSA DO SISTEMA LINFÁTICO E CIRCULATÓRIO DE SUÍDEOS, COM ALTAS

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) DEFINIÇÕES GERAIS E NOTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS ANIMAIS CAPÍTULO 1.1.1 Definições gerais Artigo 1.1.1.1. Para os fins do Código Sanitário paraanimais Terrestres: Abate Qualquer procedimento que cause a morte

Leia mais

Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências?

Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências? Uma nova pandemia de gripe? Quais são as evidências? Cláudia Codeço codeco@fiocruz.br Programa de Computação Científica FIOCRUZ-RJ Março 2006 Estrutura O contexto do problema As evidências científicas

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA O QUE É A DOENÇA PELO VÍRUS ÉBOLA É a infecção provocada pelo vírus Ébola, que é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos,macacos,

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Perguntas e Respostas relativas à Encefalite Japonesa (Encefalite epidémica B)

Perguntas e Respostas relativas à Encefalite Japonesa (Encefalite epidémica B) Perguntas e Respostas relativas à Encefalite Japonesa (Encefalite epidémica B) 1. A encefalite japonesa e a encefalite epidémica B são a mesma doença? R: Sim, trata-se da mesma doença. A designação de

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES

RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES MERCOSUL/GMC/RES. N 23/08 RECOMENDAÇÕES PARA A SAÚDE DOS VIAJANTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução N 22/08 do Grupo Mercado Comum. CONSIDERANDO: Que a Resolução

Leia mais

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo O que é? A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo ou febre de Malta, é uma zoonose causada por microrganismos do gênero Brucella sendo que a infecção é quase sempre transmitida

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Epidemiologia. Influenza. Biossegurança. Saúde.

RESUMO. Palavras chave: Epidemiologia. Influenza. Biossegurança. Saúde. ENFRENTAMENTO DA CRISE DA GRIPE H1N1 PELA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE CURITIBA EM 2009 1 Elaine Grácia de Quadros Nascimento. Enfermeira CCAA, SMS/Curitiba-PR. e- mail: elainegqn08@yahoo.com.br ;

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano 7 N o 21 Junho/99 Periódico técnico-informativo elaborado pela Embrapa Suínos e Aves

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano 7 N o 21 Junho/99 Periódico técnico-informativo elaborado pela Embrapa Suínos e Aves SUINOCULTURA DINÂMICA Ano 7 N o 21 Junho/99 Periódico técnico-informativo elaborado pela Embrapa Suínos e Aves Parvovirose Suína Jurij Sobestiansky 1 Nelson Mores 2 Paulo M. Roehe 3 Introdução Epidemiologia

Leia mais

Notícias Microbiológicas

Notícias Microbiológicas Notícias Microbiológicas DeMIP, ICBS, UFRGS Lilian Cardoso Heck Monitora EAD CBS06627 Marisa da Costa Regente CBS06627 Março 2015 VÍRUS QUESTÕES Qual é o vírus responsável pela doença da Dengue? Qual

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

Diarreicas Agudas e CóleraC

Diarreicas Agudas e CóleraC Superintendência ncia de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica de Doenças Transmissíveis Coordenaçã ção o de Controle de Doenças de Transmissão o Hídrica H e Alimentar Doenças Diarreicas

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL

INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL INTEGRANDO SEGURANÇA DO ALIMENTO E VIGILÂNCIA EM SAÚDE ANIMAL Claudia Valéria Gonçalves Cordeiro de Sá Fiscal Federal Agropecuário, Médica Veterinária, D.Sc. Cuiabá, 22 de outubro de 2015 Sumário 1.Introdução

Leia mais

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE Campanha regional Promoção INTRODUÇÃO A Tuberculose que é causada pelo Mycobacteium bovis e a Brucelose causada pela brucella abortus, atacam

Leia mais

NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE

NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDMEIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC NOTA TÉCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA ÁFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONAIS

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira

BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira BIOSSEGURIDADE Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública Pós-Graduanda: Amanda Keller Siqueira Tortuga O.I.E. e O.M.C. Foram criados dois organismos internacionais,

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 04/08/2014 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais

Conduta ética frente a possíveis casos de doenças exóticas e emergenciais

Conduta ética frente a possíveis casos de doenças exóticas e emergenciais Conduta ética frente a possíveis casos de doenças exóticas e emergenciais Taismara Simas de Oliveira Médica Veterinária, CRMV-MG nº 7476, Residente do Setor de Patologia Veterinária da Escola Veterinária

Leia mais

Introdução. Herpesvírus felino

Introdução. Herpesvírus felino Infecções de vias respiratórias em gatos herpesvirose e calicivirose Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Curso Técnico em Enfermagem JUNIEL PEREIRA BRITO A INFLUEZA A-H1N1 Debate e Prevenção MUZAMBINHO 2010 JUNIEL

Leia mais

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014

Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Investigação de caso suspeito de doença por vírus Ebola (DVE), Cascavel/PR, 2014 Secretaria de Estado da Saúde do Paraná Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Resposta

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

Questões de resíduos de rebanhos e matadouros

Questões de resíduos de rebanhos e matadouros Questões de resíduos de rebanhos e matadouros Sandra Cointreau Solid Waste Advisor The World Bank Fevereiro 2006 (Todas as fotos de animais e pássaros dos EUA) 1 Demanda do consumidor para a produção de

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

Saúde Animal vs. Saúde Pública Perspectiva dos ADS/OPP. João Palmeiro Médico Veterinário Coordenador ADS/OPP Montemor-o-Novo - Coprapec

Saúde Animal vs. Saúde Pública Perspectiva dos ADS/OPP. João Palmeiro Médico Veterinário Coordenador ADS/OPP Montemor-o-Novo - Coprapec Saúde Animal vs. Saúde Pública Perspectiva dos ADS/OPP João Palmeiro Médico Veterinário Coordenador ADS/OPP Montemor-o-Novo - Coprapec Évora, 11 de Outubro de 2012 1. Um bem público 2. O contexto 3. Os

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões Carolina Gonçalves Borges 1 ; Marco Antônio Pereira da Silva 1 ; Jakeline Fernandes Cabral

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches The Commonwealth of Massachusetts Executive Office of Health and Human Services Department of Public Health Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches 18 de setembro, 2009 A gripe H1N1 (suína) voltará

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde. DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Estado da Saúde DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Marilina Bercini 23/10/14 DVE - Histórico Vírus Ebola foi identificado em 1976 em 2 surtos: no Zaire (atual República

Leia mais

PLANO DE AULA. utilização de quadro-negro. ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro: Medsi,.2004.

PLANO DE AULA. utilização de quadro-negro. ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro: Medsi,.2004. PLANO DE AULA Disciplina: Epidemiologia Professor(a): Prof. Dr. Luiz Henrique Gagliani Curso: Enfermagem Semestre/Ano 1 o / 2010 Turma: A (Diurno) Atividades temáticas Estratégias/bibliografia Semana Aulas

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE é o estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos, por meio da diminuição de ocorrência de doenças em uma determinada população. PROGRAMAS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999.

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli

RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos. Vinícius Cantarelli RACTOPAMINA: Como ser lucrativo e produzir mais com menos Vinícius Cantarelli Objetivo Apresentar informações e resultados econômicos, ambientais e sociais da RACTOPAMINA e seus efeitos sobre a SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

IMPACTOS DA INFLUENZA AVIÁRIA NO BRASIL

IMPACTOS DA INFLUENZA AVIÁRIA NO BRASIL REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

"Oswego": Um Surto Epidêmico de Gastroenterite

Oswego: Um Surto Epidêmico de Gastroenterite FA C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 5 "Oswego": Um Surto Epidêmico de Gastroenterite Exercício

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP

PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP ENTERITES VIRAIS PROF. DR.PAULO EDUARDO BRANDÃO VPS/FMVZ/USP 1. IMPORTÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA 2. IMPORTÂNCIA EM BOVINOS 3. DEFINIÇÃO 4. DISTRIBUIÇÃO E FORMAS DE OCORRÊNCIA 5. ETIOLOGIA 6. FISIOPATOLOGIA

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 63, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais