A doença por Ébola, de que se trata?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A doença por Ébola, de que se trata?"

Transcrição

1 A doença por Ébola, de que se trata? Atualemente fala-se muito na imprensa de uma doença chamada ébola que afeta a África. De que se trata? Trata-se de uma doença infeciosa devida a um vírus chamado vírus de ébola. Este vírus encontra-se normalmente em certos animais do mato, como em certos morcegos. O vírus não mata estes morcegos. Por vezes ele aparece em animais selvagens (como por exemplo em macacos), transmite-se entre estes e é frequentemente mortal para eles. Estes animais podem transmitir o vírus ao ser humano, em quem tem origem a doença chamada ébola. Porque é que esta doença se localiza nos países da África Ocidental (Guiné, Libéria, Serra Leoa e Nigéria)? A doença localiza-se nestes países da África Ocidental, porque o vírus vive em permanência nos morcegos. A passagem ocasional ao ser humano ocorre nestes países onde vivem os morcegos. Não se pode excluir que casos isolados de doença ébola humana, possam surgir também nos nossos países. De facto, depois de uma provável infeção pelo vírus, pessoas que tenham viajado nos países africanos em questão, podem regressar e adoecer. Como é que as pessoas em África contraem o vírus? O vírus transmite-se pelos líquidos biológicos excretados de corpos humanos ou animais, doentes ou mortos pela doença ébola. Uma pessoa que entra em contacto com líquidos contendo o vírus (por exemplo: saliva, urina, vômito), pode então transportá-lo, frequentemente por intermédio de suas mãos, para seu próprio corpo (transporte mãoboca). O vírus multiplica-se então no seu organismo e provoca a doença. O vírus transmite-se pelo ar, por exemplo inspirando o ar expirado pela pessoa doente ou quando essa pessoa espirra?

2 Atualmente nenhuma transmissão aérea foi demonstrada. Para afastar qualquer possibilidade de inalação do vírus e apenas por precaução, as pessoas que cuidam de doentes sofrendo de ébola, usam máscaras filtrantes. A que momento é que uma pessoa pode transmitir o vírus? Foi demonstrado que somente pessoas apresentando sinais óbvios da doença podem transmitir o vírus. São sempre sinais gravíssimos, como temperatura seriamente elevada (superior a 38,5 graus). Excluindo os doentes, defuntos continuam a albergar o vírus nos seus cadáveres. Manipular ou tocar cadáveres, aumenta o risco de transmissão da doença. Em África, este risco de transmissão é acrescido devido aos rituais funerários nestas regiões. Pessoas que tenham sobrevivido à infeção de ébola podem transmitir o vírus durante várias semanas após a recuperação, através de contacto sexual não protegido. Podemos contrair a doença viajando num avião no qual se encontra uma pessoa sofrendo de ébola? A doença apenas se transmite quando a pessoa está doente e somente através dos seus líquidos corporais. Se não houve contacto com os fluidos biológicos, não existe perigo de infeção. Deve uma pessoa ser internada com urgência, após um contacto com um ser humano ou com um animal suspeitos de estarem infetados com o vírus de ébola? Essa pessoa deve ficar em casa e vigiar-se a si própria. Deve informar a Inspection Sanitaire (Inspeção sanitária) e medir a temperatura corporal duas vezes por dia durante 3 semanas após o contacto suspeito. Se a doença não se manifestou após essas 3 semanas, pode-se excluir um contacto com o vírus. Existem pessoas que apanham ou que transmitem mais facilmente a doença? A doença pode afetar qualquer pessoa idependentemente da raça, da idade ou do género? Ter pele escura não tem qualquer influência sobre a susceptibilidade de contrair o vírus. Corremos algum risco de apanhar o vírus, ao estarmos sentados ao lado duma pessoa que tenha feito uma viagem aos países onde se alastra a doença? A doença é apenas transmissível de uma pessoa doente para outra. A transmissão ocorre somente através do contacto com um ser humano doente ou com líquidos biológicos provenientes dessa pessoa. A pessoa só se torna infeciosa quando aparecem sinais evidentes da doença. A possibilidade de contratar a doença nos países em questão é muito fraca. Uma simples viagem a um destes países não conclui uma infeção por ébola.

3 Qual o período de tempo, entre o momento em que se contratou o vírus e os primeiros sinais da doença? O tempo durante o qual o vírus se encontra dentro do organismo e no corpo se multiplica, sem provocar sinais de doença, chama-se tempo de incubação. Este período é variável de uma doença viral para outra. Relativamente à doença por ébola o período situa-se entre 2 e 21 dias, o mais frequentemente entre 5 e 10 dias. Até uma pessoa infetada pelo vírus de ébola, sentir os primeiros sinais da doença, pode decorrer um período de 2 dias a 3 semanas. Se nenhum sinal de doença se manifestou até 3 semanas após o contacto suspeito, podemos considerar que a pessoa não está infetada pelo vírus. O que se passa com pessoas infetadas pelo vírus de ébola? O vírus provoca uma temperatura superior a 38,5 graus, dores de cabeça, diarreia, vómitos, dores abdominais; hemorragias podem ocorrer. Se uma pessoa que entrou em contacto com um ser doente, apresentasse algum destes sinais, seria internada e cuidada numa unidade hospitalar especial. Um pouco mais do que a metade das pessoas morrem. Viajar para países afetados pelo vírus de ébola, continua a ser permitido? Não há contraindicação formal de viajar para países afetados. A possibilidade de contrair o vírus de ébola é extremamente baixa. Muitos países aconselham aos seus cidadões a não viajar se não existir absoluta necessidade. Isto apenas porque o risco de contrair o vírus nos hospitais é proeminente. Se ficássemos doentes por um motivo diferente, obrigados a ser internados, o risco de contrair o vírus durante a hospitalização nesses países, torna-se então bastante superior. A reter relativamente à transmissão do vírus de ébola: Apenas uma pessoa com sinais evidentes da doença pode transmitir o vírus! O vírus apenas se transmite através de líquidos corporais! Não se transmite pelo ar! Mais uma pergunta sobre ébola? Contacte a Inspection sanitaire através do numero de telefone

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013

Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013 Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013 Revisão Científica: Maria José Campos Coordenação: Rosa Freitas Tradução: Mariela Kumpera Pecorella Revisão: Érica Almeida Postiço

Leia mais

Uso correcto dos antibióticos

Uso correcto dos antibióticos CAPÍTULO 7 Uso correcto dos antibióticos Quando usados correctamente, os antibióticos são medicamentos extremamente úteis e importantes. Eles combatem diversas infecções e doenças causadas por bactérias.

Leia mais

Serviço de Pediatria. Varicela

Serviço de Pediatria. Varicela Varicela O que é a Varicela? É uma doença da infância muito frequente, das mais contagiosas, que surge principalmente no Inverno e na Primavera afectando todos os anos em Portugal milhares de crianças.

Leia mais

Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja

Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja CAPÍTULO 32 Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja Alguns casais desejam ter muitos filhos, principalmente em famílias pobres dos países em desenvolvimento, onde os filhos são

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Tuberculose. Perguntas

Tuberculose. Perguntas Tuberculose Perguntas e Respostas Tuberculose PERGUNTAS E RESPOSTAS Elaboração: Divisão de Tuberculose CVE Av.Dr. Arnaldo 351, 6ºAndar Fone: 3066-8294 3066-8291 Internet : www.cve.saude.sp.gov.br Capa

Leia mais

Conselhos para pessoas não hospitalizadas afectadas por MRSA

Conselhos para pessoas não hospitalizadas afectadas por MRSA Conselhos para pessoas não hospitalizadas afectadas por MRSA Se tem MRSA, este folheto oferece-lhe informação e conselhos sobre a gestão da sua vida no dia-a-dia. Portuguese 1 Sobre a MRSA Existem muitos

Leia mais

um inimigo que se respira A LEGIONELOSE: PROCESSO DE CONTAMINAÇÃO

um inimigo que se respira A LEGIONELOSE: PROCESSO DE CONTAMINAÇÃO DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS Leg ionela um inimigo que se respira É hóspede indesejável dos sistemas de climatização, duches e outras fontes de vapor de água ou de aerossol, mas apenas é detectada em casos graves.

Leia mais

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas Cartilha de Vacinas Para quem quer mesmo saber das coisas 1 Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde, 2003 Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial

Leia mais

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada CONVIVENDO COM A HEPATITE C Manual de convivência Segunda Edição Revista e Ampliada Edição de 2003 O avanço do conhecimento nas pesquisas pode ter tornado obsoleta alguma colocação. Página 1 Carlos Varaldo

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO

MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO 1 MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO Edição Comité Português para a UNICEF/Comissão Nacional Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebés Edição Revista de 2008 2 Leonor Levy e Helena

Leia mais

Mas e se der algo errado? PARTO DOMICILIAR Mas e se... *

Mas e se der algo errado? PARTO DOMICILIAR Mas e se... * Mas e se der algo errado? PARTO DOMICILIAR Mas e se... * Retirado do site www.homebirth.org.uk, referência em parto domiciliar, e traduzido por Luciana Prass Rolsen. Esta tradução tem o intuito apenas

Leia mais

Um guia para doentes e suas famílias

Um guia para doentes e suas famílias Primárias: Mantenha-se saudável! Um guia para doentes e suas famílias Imunodeficiências Mantenha-se saudável! Um guia para doentes e suas famílias Imunodeficiências Primárias Imunodeficiências Primárias:

Leia mais

Manual formação pme HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

Manual formação pme HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Manual formação pme HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Índice: Fundamentos da Higiene e Segurança 3 Introdução 3 Definições 4 Acidentes de Trabalho 5 Factores que afectam a Higiene e Segurança 8 As Perdas

Leia mais

SAUDE. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio. Fundamentação Teórica: Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária.

SAUDE. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio. Fundamentação Teórica: Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária. CASO COMPLEXO 12 Vila Santo Antônio : Abordagem de pequenos ferimentos na Atenção Primária Katsumi Osiro Urgências e emergências Lesões corto-contusas e mordeduras por animais são situações que levam a

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez

Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez Workshop para Profissionais de Saúde Factos sobre a Malária 250 milhões de casos por ano em todo o mundo 9 em cada 10 casos registam-se em África Em África,

Leia mais

Acidentes de Trabalho

Acidentes de Trabalho União Geral Trabalhadores Acidentes de Trabalho Saiba como Agir Departamento de Segurança e Saúde [2] Nota Introdutória Teve um acidente de trabalho e quer saber com o que pode contar? Então consulte este

Leia mais

Testes genéticos para efeitos de saúde

Testes genéticos para efeitos de saúde Testes genéticos para efeitos de saúde Testes genéticos para efeitos de saúde Todos nós herdámos dos nossos pais uma combinação única de genes. Esta constituição original e a influência de vários fatores

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

Interrupção da Gravidez por Opção da Mulher

Interrupção da Gravidez por Opção da Mulher Interrupção da Gravidez por Opção da Mulher GUIA INFORMATIVO Direcção-Geral da Saúde Índice 01. 2 Introdução 02. 4 A Lei - Principais disposições legais 03. 8 Procedimentos a ter em conta antes da interrupção

Leia mais

LIDAR COM A ANSIEDADE

LIDAR COM A ANSIEDADE LIDAR COM A ANSIEDADE Introdução Você consultou o seu médico por apresentar os seguintes sintomas: - Sensação de bola no estômago - Palpitações - Dor de cabeça - Dores dorsais - Medo de ter cancro ou outra

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO

CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO INTRODUÇÃO O presente documento é uma especificação da Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes, publicada pelo Ministério da Saúde e posteriormente, pela e pela

Leia mais

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL Organização Mundial de Saúde DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR, ZOONOSES E DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE EVRA

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE EVRA IT - 259048 J-C 2003 As informações que você leu neste livrinho se propõem a responder algumas das perguntas mais frequentes sobre EVRA. Lembre-se de fazer ao seu ginecologista, médico de confiança ou

Leia mais

MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO. Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada

MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO. Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica. Universidade de Granada

Leia mais