Conselhos para pessoas não hospitalizadas afectadas por MRSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselhos para pessoas não hospitalizadas afectadas por MRSA"

Transcrição

1 Conselhos para pessoas não hospitalizadas afectadas por MRSA Se tem MRSA, este folheto oferece-lhe informação e conselhos sobre a gestão da sua vida no dia-a-dia. Portuguese

2 1 Sobre a MRSA Existem muitos tipos ou famílias diferentes de germes no corpo e no meio ambiente à nossa volta. Uma destas famílias de germes chama-se Staphylococcus aureus. A MRSA pertence a esta família. Staphylococcus aureus A Staphylococcus aureus (S. aureus) encontra-se em cerca de um terço da população. Vive normalmente nas áreas húmidas, tais como as axilas, virilhas e nariz, embora possa também ser encontrada noutras áreas do corpo, tais como as mãos. Não causa geralmente problemas, embora, tal como qualquer outra bactéria, possa causar infecções. A S. aureus pode, em particular, provocar problemas relacionados com a pele, tais como borbulhas e furúnculos. Estas bactérias podem causar infecções mais graves se entrarem em sítios onde não se encontram normalmente, por exemplo em cortes ou feridas cirúrgicas. Esta família de bactérias pode ser tratada com uma ampla gama de antibióticos e é por vezes conhecida como MSSA ou Staphylococcus aureus sensível à meticilina (a meticilina é um tipo de antibiótico). MRSA A MRSA (Staphylococcus aureus resistente à meticilina) desenvolve-se quando a S. aureus se torna resistente à meticilina, significando que existe uma gama reduzida de antibióticos para a tratar, embora seja ainda tratável com outros antibióticos.

3 2 Como se transmite A MRSA existe por toda a comunidade. É mais comum em hospitais e lares da terceira idade onde as pessoas são sujeitas a intervenções médicas e estão a ser cuidadas. Na maior parte dos casos, a bactéria não causa quaisquer danos às pessoas, a não ser que entre no corpo através de fissuras na pele. O contacto social normal, tal como dar as mãos ou abraçar, não constitui normalmente um risco. As pessoas com fissuras na pele, tais como uma úlcera ou ferida cirúrgica, ou que tenham tubos médicos inseridos, devem mantê-los cobertos com uma compressa para limitar o risco de a bactéria entrar no corpo. Devem também ter o cuidado de lavar as mãos antes e depois de mudar as compressas ou tocar nas feridas. A razão é que a forma mais comum de transmissão dos germes é através das mãos.

4 3 Entender a diferença entre colonização por MRSA e infecção por MRSA População total: 30% colonizados por S. aureus 3% colonizados por MRSA Colonização por MRSA Cerca de 30% da população em geral está colonizada por S. aureus. Destes casos, em cerca de um décimo (3% da população total), o S. aureus é MRSA e diz-se que estas pessoas estão colonizadas por MRSA. As pessoas colonizadas ou portadoras de MRSA na sua pele e/ou nariz NÃO ESTÃO DOENTES. Qualquer um de nós pode ser portador da bactéria por algumas horas ou dias, outras pessoas podem ser portadoras por semanas ou toda a vida. A maior parte das pessoas não sabem que são portadoras de MRSA, pois esta não os prejudica e não lhes causa quaisquer sintomas. Infecção for MRSA A MRSA pode causar danos se tiver a oportunidade de entrar no corpo, por exemplo através de um corte ou ferida. Pode causar borbulhas e furúnculos ou problemas mais graves, tais como infecções de feridas e infecções de peito. Em casos mais graves, pode causar infecções da corrente sanguínea.

5 4 Como lidar com a MRSA De uma maneira geral, a MRSA não necessita de tratamento. Contudo, se necessitar de uma intervenção médica ou cirúrgica, poderá correr um risco maior de infecção (porque isto permite que a MRSA entre no corpo). O seu profissional de saúde considerará se precisa de ser descolonizado. Isto significa remover o máximo possível da MRSA. A descolonização pode ser efectuada tanto no hospital como em casa e envolverá normalmente o tratamento com um produto de lavagem do corpo, champô antisséptico e creme nasal a fim de remover a MRSA do corpo, cabelo e narinas, respectivamente. Se estiver a receber tratamento para uma infecção por MRSA, poderão darlhe antibióticos para tomar oralmente, para esfregar na pele ou por via intravenosa. Há algumas precauções específicas que deve tomar enquanto estiver a ser descolonizado ou a receber tratamento para uma infecção para assegurar a sua eficácia (por favor consulte a última secção deste folheto, Em casa ).

6 5 Segurança e eficácia do tratamento em casa O seu profissional de saúde decidirá se é seguro para si ser descolonizado ou tratado em casa. Se necessitar de tratamento ou descolonização e não houver qualquer outra razão para ficar no hospital, será seguro tratar-se em casa. Esta opção pode oferecer benefícios, tais como permitir-lhe o tratamento no conforto de sua casa e ajudar também o pessoal hospitalar a controlar a propagação da infecção. O regime de descolonização pode ser seguido simples e eficientemente em casa. Se teve uma infecção na corrente sanguínea, o seu profissional de saúde poderá decidir que é seguro para si continuar o seu tratamento em casa e providenciar para que um enfermeiro o visite em casa e lhe dê antibióticos. O que é realmente importante recordar é que deve seguir cuidadosamente as suas instruções de tratamento e certificar-se de que o conclui.

7 6 Combate à MRSA: o seu contributo Todos os que entram em contacto com o serviço nacional de saúde NHS (desde doentes a pessoal de saúde, gestores e visitantes) são responsáveis por ajudar a combater a infecção e promover cuidados de saúde com segurança e limpeza. O combate à infecção diz respeito a todos. Contudo, você pode desempenhar um papel importante na redução dos riscos, tomando algumas medidas específicas e esta secção concentrase nessas questões. Preste atenção especial à higiene Por serem uma importante via de transmissão de bactérias, as mãos devem ser lavadas com regularidade, especialmente antes e depois de tratar de feridas e de manusear cateteres ou tubos que entrem no corpo. Isto é especialmente importante se você participar na mudança ou manuseamento de uma compressa de uma ferida. Mesmo quando são usadas luvas como barreira extra, estas devem ser descartadas juntamente com a compressa suja. E as mãos devem ser bem lavadas a seguir.

8 7 Tome precauções ao cuidar de feridas Se tiver MRSA, há um pequeno risco para as pessoas com quem entra em contacto se estas tiverem feridas abertas, tubos intravenosos ou cateteres ou se tiverem problemas de pele crónicos. Além da manutenção geral de uma boa higiene, a forma mais eficaz de reduzir o risco é as pessoas tomarem precauções sensatas, tais como cobrir feridas abertas, cortes e abrasões com uma compressa ou penso rápido impermeável. Perguntas frequentes Como posso saber se estou colonizado? Se estiver colonizado, não terá quaisquer sintomas, porque a bactéria não terá causado uma infecção. Como posso saber se tenho uma infecção? Se contrair uma infecção geral, poderá sentir-se indisposto, febril, letárgico e com pouco apetite. Há 5 sinais que o podem ajudar a reconhecer uma infecção de uma ferida (incluindo uma infecção por MRSA): febre vermelhidão pus inchaço dor Se tiver dúvidas, aconselhe-se com o seu médico de família ou a NHS Direct.

9 8 Que risco constituo para as outras pessoas? Se tiver MRSA, não constituirá normalmente um risco para as pessoas com um estado de saúde razoável na sua comunidade (incluindo idosos, grávidas, crianças e bebés). O que fazer quanto às relações pessoais e sexuais? Deve continuar a ter uma vida normal e isto inclui manter uma relação normal e sem restrições com o seu parceiro ou parceira. Se tiver MRSA, é pouco provável que prejudique o seu parceiro. Embora o contacto íntimo possa provocar a colonização do seu parceiro, isto não constituirá um risco significativo. Se estiver a seguir um regime de descolonização, digamos antes de uma cirurgia, deve ter o cuidado de concluir o tratamento, tal como aconselhado pelo seu profissional de saúde, para reduzir os riscos. E se eu estiver grávida ou a amamentar? Se estiver grávida, saudável e em boa forma física, não há riscos adicionais da MRSA. A amamentação é segura para si e para o seu bebé. Contudo, tal como habitualmente aconselhado às mães que amamentam, se notar certos sintomas, deverá contactar o seu médico de família, parteira ou visitadora de saúde infantil. Estes incluem: dores nos seios manchas vermelhas ou uma sensação de granulosidade em volta dos seios sintomas parecidos aos da gripe, incluindo febre Estes sintomas indicam que poderá ter mastite, mas poderá ou não ser MRSA. É importante que diga ao seu profissional de saúde que tem ou teve MRSA, para que este a possa tratar adequadamente.

10 9 O meu filho pode ir à escola/infantário? As crianças nas quais foi detectada MRSA podem frequentar o infantário e ir à escola normalmente (ver também os conselhos dados sobre lazer abaixo). Não tem que informar a escola ou infantário. Posso dedicar-me às minhas actividades de lazer normais e trabalhar? A colonização por MRSA não o impede de realizar as suas actividades habituais, incluindo conviver, nadar, ir ao ginásio, etc. Quer tenha ou não MRSA, deve evitar nadar se tiver uma úlcera ou ferida aberta, e deve cobrir completamente as úlceras ou feridas com uma compressa impermeável se participar em desportos. De uma maneira geral, deverá poder trabalhar normalmente. Contudo, se trabalhar numa profissão da saúde e tiver uma infecção por MRSA, deverá aconselhar-se com o seu médico de família ou serviço de saúde ocupacional. Tenho que dizer às pessoas que tenho MRSA? Não precisa de contar a ninguém que tem MRSA. Contudo, se consultar um médico ou for ao hospital para receber tratamento, deverá informar o seu médico ou enfermeiro do facto. Isto é importante pois o profissional de saúde poderá decidir que você necessita de um procedimento invasivo que exija descolonização prévia.

11 10 Posso esperar uma despistagem de MRSA? A despistagem significa que serão tiradas amostras de várias partes do seu corpo, que serão analisadas para verificar se têm MRSA. Será informado dos resultados. Estes resultados ajudarão o pessoal de saúde a decidir qual é a forma mais segura de prosseguir com o seu tratamento. Até 2009, todos os hospitais farão a despistagem de todos os doentes que forem admitidos para um internamento planeado. Até 2011, os doentes que forem ao hospital devido a uma emergência serão também testados. E o meu animal de estimação? Os animais de estimação apresentam um risco mínimo de transmissão de MRSA. Em geral, as bactérias que vivem nos seres humanos são diferentes das que vivem nos animais. Ocasionalmente, as bactérias dos seres humanos podem passar para os animais e isto inclui a MRSA. Geralmente a MRSA não se encontra em animais, embora seja possível um animal de estimação ser colonizado por MRSA e ficar infectado. Da mesma maneira, é possível (embora seja extremamente raro) um animal com MRSA transmitir estas bactérias a uma pessoa. Deverá sempre, rotineiramente, lavar as mãos depois de manusear os seus animais de estimação e manter as feridas cobertas. Posso ir para um lar da terceira idade? Sim. Desde que não haja outras razões para você estar no hospital, é seguro tanto para si como para os outros residentes, desde que sejam tomadas precauções sensatas, tais como lavagem regular das mãos pelo pessoal e visitantes. O seu lar da terceira idade deve já seguir boas práticas de higiene básica.

12 11 É seguro para si partilhar um quarto, desde que nem você nem o outro ocupante tenham úlceras ou feridas abertas, tubos intravenosos ou cateteres. Pode também conviver com os outros residentes em áreas comuns. Todas as úlceras ou feridas devem ser cobertas com uma compressa. O que é o PVL? Talvez já tenha ouvido falar de S. aureus do tipo PVL. PVL significa Panton-Valentine Leukocidin. Uma pequena proporção das bactérias S. aureus (2%) são do tipo PVL. Estas infecções são raras no Reino Unido e não são comuns nos hospitais. Este tipo raro da bactéria pode causar infecções mais graves, mas estas podem no entanto ser tratadas com antibióticos. Poderá obter mais informação sobre PVL, fornecida pela Health Protection Agency (Agência de Protecção Sanitária), na página web: HPAweb&Page&HPAwebAutoListName/Page/ ?p= Poderá obter mais informação sobre MRSA para doentes hospitalizados, fornecida pela Health Protection Agency, na página web: HPAweb&HPAwebStandard/HPAweb_C/ ?p=

13 12 Em casa Embora não sejam necessárias medidas especiais de limpeza, bons procedimentos de higiene e limpeza em sua casa reduzirão o risco de potencial transmissão de MRSA. Mantenha as superfícies livres de pó e aspire regularmente as alcatifas. Limpe regularmente a banheira, duche, bacias e sanitas com os seus produtos de limpeza habituais. Deve lavar normalmente as suas roupas pessoais e roupas de cama e toalhas de mesa, utilizando o seu detergente em pó ou líquido habitual à temperatura mais alta que for adequada ao tecido. A sua roupa pode ser incluída na lavagem normal de roupa da sua família, tendo o cuidado de não encher excessivamente a máquina. Pode secar as roupas no secador ou na corda e engomá-las da forma normal. Precauções adicionais Se estiver a ser descolonizado ou tratado a uma infecção de MRSA, há algumas precauções adicionais que deverá tomar. Estas ajudarão a libertá-lo do máximo possível de MRSA do seu corpo e a reduzir as hipóteses de vir a ser recolonizado. (Não tem que fazer isto se estiver colonizado mas não estiver a ser tratado.)

14 13 Precauções adicionais para os que estão a ser descolonizados ou tratados Toalhas Não deve partilhar toalhas pessoais e deve trocar as suas diariamente durante o tratamento. Lavagens e banho Pode tomar banho ou duche e ser-lhe-ão provavelmente receitados pelo seu médico um produto para lavagem do corpo e um champô especiais. Vestuário Após a lavagem, é importante que use roupa limpa, assim como pijama ou camisa de noite limpos todas as noites enquanto estiver a fazer o tratamento. Roupa de cama Esta deve ser trocada diariamente durante o seu tratamento. Lâminas e outro equipamento de barbear Mesmo que não tenha MRSA, não deve partilhar lâminas ou outro equipamento de barbear, tal como pincéis e sabões, devido à possibilidade de fissuras na pele, que podem permitir que as bactérias entrem no seu corpo e causem uma infecção. Se estiver a ser descolonizado ou tratado a uma infecção, deve ter a precaução adicional de utilizar creme ou gel de barbear de bomba em vez de uma barra de sabão para evitar o risco de recolonização.

15 14 Resumindo... Posso ainda fazer o Tenho MRSA e: seguinte? Actividade Não necessito de tratamento Estou a ser tratado Natação Sim (mas não se tiver feridas abertas) Sim (mas não se tiver feridas abertas) Trabalho Sim normalmente Sim normalmente Escola e infantário Sim normalmente Sim normalmente Amigos e parceiros Sim mantendo cobertas eventuais feridas abertas Sim mantendo cobertas eventuais feridas abertas Parceiros e relações sexuais Normalmente Normalmente Amamentação Sim estando atenta a sinais de mastite, como habitual Sim estando atenta a sinais de mastite, como habitual Limpeza da casa Regime de limpeza habitual Regime de limpeza habitual Lavagem de roupa Lave a roupa à temperatura mais alta aconselhada para o tecido utilizando o detergente habitual. Evite sobrecarregar a máquina. Lave a roupa à temperatura mais alta aconselhada para o tecido utilizando o detergente habitual. Evite sobrecarregar a máquina. Animais de estimação Lave as mãos depois de manusear animais de estimação Lave as mãos depois de manusear animais de estimação Lar da terceira idade Pode regressar normalmente ao seu lar da terceira idade. As feridas devem ser cobertas. Pode regressar normalmente ao seu lar da terceira idade. As feridas devem ser cobertas. Toalhas Normalmente Não deve partilhar toalhas pessoais e deve trocá-las diariamente Lavagens e banho Normalmente Siga as instruções de tratamento dadas pelo seu profissional de saúde Barba Não partilhe equipamento de barbear Não partilhe equipamento de barbear Vestuário Normalmente Use roupa/pijama limpos diariamente

16 Crown copyright Portuguese 1p 0k June 08 Produced by COI for the Department of Health

Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja

Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja CAPÍTULO 32 Planeamento familiar ter apenas o número de fi lhos que se deseja Alguns casais desejam ter muitos filhos, principalmente em famílias pobres dos países em desenvolvimento, onde os filhos são

Leia mais

Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013

Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013 Rastreio da infeção pelo VIH e riscos de transmissão sexual outubro de 2013 Revisão Científica: Maria José Campos Coordenação: Rosa Freitas Tradução: Mariela Kumpera Pecorella Revisão: Érica Almeida Postiço

Leia mais

Tuberculose. Perguntas

Tuberculose. Perguntas Tuberculose Perguntas e Respostas Tuberculose PERGUNTAS E RESPOSTAS Elaboração: Divisão de Tuberculose CVE Av.Dr. Arnaldo 351, 6ºAndar Fone: 3066-8294 3066-8291 Internet : www.cve.saude.sp.gov.br Capa

Leia mais

As disposições da UE em matéria de segurança social

As disposições da UE em matéria de segurança social Actualização 2010 As disposições da UE em matéria de segurança social Os seus direitos quando se desloca no interior da União Europeia Comissão Europeia As disposições da UE em matéria de segurança social

Leia mais

Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez

Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez Workshop para Profissionais de Saúde Factos sobre a Malária 250 milhões de casos por ano em todo o mundo 9 em cada 10 casos registam-se em África Em África,

Leia mais

MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO

MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO 1 MANUAL DE ALEITAMENTO MATERNO Edição Comité Português para a UNICEF/Comissão Nacional Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebés Edição Revista de 2008 2 Leonor Levy e Helena

Leia mais

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada

CONVIVENDO COM A HEPATITE C. Manual de convivência. Segunda Edição Revista e Ampliada CONVIVENDO COM A HEPATITE C Manual de convivência Segunda Edição Revista e Ampliada Edição de 2003 O avanço do conhecimento nas pesquisas pode ter tornado obsoleta alguma colocação. Página 1 Carlos Varaldo

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO

CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO CARTA DOS DIREITOS DO DOENTE INTERNADO INTRODUÇÃO O presente documento é uma especificação da Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes, publicada pelo Ministério da Saúde e posteriormente, pela e pela

Leia mais

Um Guia para pais E Educadores

Um Guia para pais E Educadores Um Guia para pais E Educadores Edição patrocinada por O meu manual de: Segurança infantil Desaparecimento de crianças Utilização da internet Com o Alto Patrocínio da Dra Maria Cavaco Silva M S I REGRAS

Leia mais

N. O. T. A P. R. É. V. I. A

N. O. T. A P. R. É. V. I. A N. O. T. A P. R. É. V. I. A F. I. C. H. A Ficha Técnica T. É. C. N. I. C. A Título A Protecção Civil em Casa Copyrigth Serviço Nacional de Protecção Civil 6 Autor SNPC Design gráfico Ricardo Nogueira Pré-impressão

Leia mais

Incentivando a boa higiene e o saneamento

Incentivando a boa higiene e o saneamento Incentivando a boa higiene e o saneamento Guia PILARES Escrito por Isabel Carter Pelos Idiomas Locais: Associação em REcursoS Incentivando a boa higiene e o saneamento Guia PILARES Escrito por Isabel Carter

Leia mais

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL

CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA MANUAL Organização Mundial de Saúde DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR, ZOONOSES E DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR CINCO CHAVES PARA UMA ALIMENTAÇÃO MAIS SEGURA

Leia mais

Serviço de Pediatria. Varicela

Serviço de Pediatria. Varicela Varicela O que é a Varicela? É uma doença da infância muito frequente, das mais contagiosas, que surge principalmente no Inverno e na Primavera afectando todos os anos em Portugal milhares de crianças.

Leia mais

Direitos e deveres no trabalho

Direitos e deveres no trabalho 1 Direitos e deveres no trabalho doméstico gami Grupo de Apoio às Mulheres Imigrantes 2 FICHA TÉCNICA Equipa Solidariedade Imigrante - Associação para a Defesa dos Direitos dos/as Imigrantes; DINÂMIA CET-IUL

Leia mais

O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A)

O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A) O seu guia para o tratamento com BOTOX (Toxina Botulínica Tipo A) Este folheto irá fornecer-lhe mais informações sobre BOTOX e a forma como este pode ser utilizado em tratamentos médicos. Índice Leia este

Leia mais

Dispositivo Intrauterino com Cobre

Dispositivo Intrauterino com Cobre CAPÍTULO 9 Dispositivo Intrauterino com Cobre Este capítulo descreve basicamente o dispositivo intrauterino TCu-380A (com relação ao Dispositivo Intrauterino de Levonorgestrel, ver p. 157). Pontos Básicos

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

Testes genéticos para efeitos de saúde

Testes genéticos para efeitos de saúde Testes genéticos para efeitos de saúde Testes genéticos para efeitos de saúde Todos nós herdámos dos nossos pais uma combinação única de genes. Esta constituição original e a influência de vários fatores

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CÓDIGO DE CONDUTA NOS CIRCUITOS DE DISTRIBUIÇÃO E VENDA DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DGADR DSPFSV DSPFSV 2/10 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS DIRECÇÃO-GERAL DE AGRICULTURA

Leia mais

No final do livro você encontrará um glossário útil de palavras que você poderá se deparar durante o tratamento de seu filho.

No final do livro você encontrará um glossário útil de palavras que você poderá se deparar durante o tratamento de seu filho. Joe tem leucemia Joe tem leucemia é um livro de estória escrito especialmente para pais e cuidadores, para lerem com as crianças, para ajudá-las a compreender o que é o câncer e tratamento envolvido. No

Leia mais

Boas Práticas na Intervenção Precoce. Como podem os pais lidar com uma criança com deficiência

Boas Práticas na Intervenção Precoce. Como podem os pais lidar com uma criança com deficiência Boas Práticas na Intervenção Precoce Como podem os pais lidar com uma criança com deficiência Nota introdutória As problemáticas ligadas às crianças e aos jovens têm vindo, cada vez mais, a assumir um

Leia mais

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas O que esperar do seu médico: um guia para pacientes Com base em boas práticas médicas Os pacientes recebem os melhores cuidados quando trabalham em parceria com os médicos. Este guia explica como pode

Leia mais

1. Desenvolvimento na Primeira Infância (DPI) é: O período de mais acelerado desenvolvimento na vida humana

1. Desenvolvimento na Primeira Infância (DPI) é: O período de mais acelerado desenvolvimento na vida humana Introdução ao Desenvolvimento na Primeira Infância Duzentas milhões de crianças em todo o mundo não estão a alcançar o seu potencial de desenvolvimento. Garantir um início de vida sólido para as crianças

Leia mais

Transtorno Obsessivo-Compulsivo

Transtorno Obsessivo-Compulsivo 1 Transtorno Obsessivo-Compulsivo Ana Gabriela Hounie* Antonio Carlos Lopes** Cecília Labate*** Cristina Belotto*** Maria Eugênia de Mathis*** Sonia Borcato*** * Psiquiatra. Vice-coordenadora do PROTOC-Projeto

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA. Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA. Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010 INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010 INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA PROGRESSOS E DESENVOLVIMENTOS 2005 2010 European Agency for Development in Special Needs Education

Leia mais

Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido

Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Os direitos neste Aviso são-lhe garantidos ao abrigo da lei da Inglaterra e do Pais de Gales e estão em conformidade com a Directiva da UE 2012/13 nos

Leia mais

Quando um. Está Morrendo. O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar

Quando um. Está Morrendo. O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar Quando um Ente Querido Está Morrendo O Que Você Pode Esperar e Como Você Pode Ajudar Introdução à versão brasileira O texto aqui apresentado nasceu no Canadá e nós o traduzimos e adaptamos para a realidade

Leia mais

KIT DE FERRAMENTAS. 2a EDIÇÃO

KIT DE FERRAMENTAS. 2a EDIÇÃO KIT DE FERRAMENTAS 2a EDIÇÃO Introdução 2a EDIÇÃO 1 H C D Introdução Human Centered Design Você Está Procurando... Inovar na base da pirâmide social? Entrar em uma nova região? Adaptar tecnologias à sua

Leia mais

O que precisa saber sobre a Lei de Violência Baseada no Género (VBG) CONHEÇA, DIVULGE, INTERVENHA! CONHEÇA, DIVULGUE, INTERVENHA! p.

O que precisa saber sobre a Lei de Violência Baseada no Género (VBG) CONHEÇA, DIVULGE, INTERVENHA! CONHEÇA, DIVULGUE, INTERVENHA! p. O que precisa saber sobre a Lei de Violência Baseada no Género (VBG) CONHEÇA, DIVULGE, INTERVENHA! CONHEÇA, DIVULGUE, INTERVENHA! p. 1 O que precisa saber sobre a Lei de Violência Baseada no Género(VBG)

Leia mais

DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA

DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA DOENÇA GRANULOMATOSA CRÓNICA Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais